Translate this Page

Rating: 3.0/5 (946 votos)



ONLINE
3




Partilhe este Site...

 

 

<

Flag Counter

mmmmmmmmmmm


// ]]>


Apologética século primeiro
Apologética século primeiro

 

                A LUTA DA IGREJA PRIMITIVA CONTRA O AGNOSTICISMO

 

Gnosticismo - exceto, talvez, em 1 Timóteo 6:201 Timóteo 6:20 , onde Paulo adverte Timóteo contra "oGnosis, Que é falsamente chamado. "- Não está diretamente aludida no Novo Testamento Não obstante o seu fermento estava realmente trabalhando, como será imediatamente visto, e constituía um perigo mais grave na igreja apostólica." Esse movimento estranho, obscura, em parte intelectual, em parte fanática ... na 2ª propagação do século com a rapidez de uma epidemia sobre a Igreja da Síria para Gaul "(Direito, os testes da vida , 26). É, portanto, de grande importância para ganhar uma concepção correta da natureza dessa influência anti-cristã potente. Isso não é fácil. A dificuldade em lidar com o gnosticismo é que ele não era um sistema homogêneo de qualquer religião ou filosofia, mas abraçou muitas seitas amplamente diversificados segurando pareceres elaborados a partir de uma grande variedade de fontes. "As formas infinitamente variadas assumidos pelos sistemas de torná-lo quase impossível classificá-los, ou mesmo para dar conta de suas idéias principais, que não deverá ser aberta a objeção. Podemos também tentar classificar os produtos de uma selva tropical, ou as formas e matizes das nuvens do por do sol, que mudam sob nosso ponto de vista como olhamos para eles "(Orr, O Progresso do Dogma , 58).

Definição I. Geral

Na definição geral do gnosticismo algumas autoridades podem ser citados. "Gnosticismo", diz Dr. Gwatkin, "pode ​​ser descrito provisoriamente como um número de escolas de filosofia oriental, em caráter geral, mas tendo na ideia de uma redenção através de Cristo, e ainda modificado em diferentes seitas por um terceiro elemento, que pode ser o judaísmo, o helenismo, ou o cristianismo ... os gnósticos assumiu apenas a ideia de uma redenção através de Cristo, não a doutrina cristã plena, por que eles fizeram isso sim um resgate dos filósofos da matéria, do que uma redenção da humanidade do pecado "( No início da História da Igreja para ad 313 , II, 20).

Dr. Orr escreve: "gnosticismo pode ser descrito em geral como o fantástico produto da mistura de certas idéias cristãs - em especial a de redenção através de Cristo - com a especulação e imaginações derivadas de um medley de fontes (grega, judaica, Parsic; filosofias; religiões , teosofias, mistérios) em um período em que a mente humana estava em uma espécie de fermento, e quando as opiniões de todo tipo foram misturados em um tumulto inimaginável. Trata-se, como o nome indica, uma reivindicação de "conhecimento , " o conhecimento da uma espécie de que o crente comum era incapaz, e na posse de que "salvação" no sentido pleno consistiu Esse conhecimento de que o gnóstico se vangloriou, relacionada com os temas normalmente tratados de em filosofia religiosa;. gnosticismo foi uma espécie de religiosa filosofia "( A Igreja Primitiva , 71).

Neander descreveu o gnosticismo como "a primeira tentativa notável para introduzir no cristianismo os elementos existentes de cultura mental, de modo a torná-lo mais completo sobre o lado, até então bastante negligenciada de conhecimentos teóricos, era uma tentativa da mente do mundo antigo, na sua anseio por conhecimento, e, a sua insatisfação com o presente, para trazer ao seu alcance e se apropriar dos tesouros deste tipo que o cristianismo apresentou "( Antignostikus , Intro, 199).

Gnosticismo compreende conformidade em si muitas tendências anteriormente existentes; é uma amálgama em que um grande número de diferentes elementos foram fundidos. Um sistema herético de pensamento, ao mesmo tempo sutil, especulativo e elaborado, ele esforçou-se para introduzir no cristianismo um chamado maior conhecimento, que estava de castigo, em parte, o credo filosófico em que gregos e romanos tinham se refugiado na sequência da deterioração gradual e quebrar -up de suas próprias religiões, em parte, como será mostrado, nas filosofias de Platão e de Philo, e ainda mais nas filosofias e teosofias e religiões do Oriente, especialmente aqueles da Pérsia e da Índia.

"Durante muito tempo, as crenças pagãs tinha deixado de ser levado a sério por homens pensantes e tinha sido deslocado por vários credos derivados de especulação filosófica. Estes, por si eram abstrato e insatisfatório, mas tinha sido parcialmente vitalizado pela união com teosofias do Oriente. Foi feita uma tentativa, por parte desta religião filosófica para efetuar uma aliança com o cristianismo. Uma parte da igreja estava insatisfeito com a simplicidade do evangelho, e procurou para avançar para algo mais elevado, adoptando as especulações atuais ..... A livros final do Novo Testamento são todos ocupados, mais ou menos, com este movimento, que era o mais perigoso, pois ameaçava a igreja a partir de dentro "(Professor E. Scott, da apologética do Novo Testamento , 14).

Gnosticismo, embora geralmente considerada como uma heresia, não era realmente como: não era a perversão da verdade cristã; ele veio, sim, a partir do exterior. Tendo trabalhado o seu caminho para a igreja cristã, foi então herética. . "Embora ele se tornou uma influência corruptora dentro da igreja, era um estrangeiro por nascimento Enquanto a igreja ainda peregrinou dentro dos limites do judaísmo, ele gozava de imunidade a partir desta praga, mas assim que ele quebrou através destes limites estreitos, encontrou-se em um mundo onde as religiões decadentes e filosofias do Ocidente estavam em fermentação aguda sob a influência de um novo e poderoso fermento do Oriente, enquanto a infusão do próprio cristianismo nessa massa fermentar apenas adicionado à multiplicidade desconcertante de seitas e sistemas gnósticos ele trouxe adiante "(Direito, os testes da vida , 26).

II. Fontes de gnosticismo

Mansel (em seu trabalho em O gnóstico Heresias , 32) resume as principais fontes de gnosticismo nestes três, platonismo, a religião persa, o budismo e da Índia. Para o platonismo que devia muito de sua forma filosófica e tendências. A partir do dualismo da religião Per derivou suas especulações sobre a origem do mal, e muito do que ele ensinou sobre emanações. Para o budismo, ele pensa, ele devia a doutrina do antagonismo entre matéria e espírito, e a irrealidade da existência derivada - o germe da Docetism. Mansel também considera que existe a possibilidade de que Gnosticismo derivado de algumas das suas características de Kabbala ( cabala ), Ou ensinamento secreto dos judeus nos dois livros, o Yecı̄rāh Sefer , Ou Livro da Criação, eo Zohar , Ou Livro da Luz. Uma influência do budismo no Gnosticismo, no entanto, pode, seguramente, ser posta em dúvida, já que não há razão para acreditar que o conhecimento da doutrina budista tinha tão cedo penetraram no Ocidente. As obras judeu chamado por Mansel são realmente produtos da Idade Média (Westcott, Introdução ao Estudo dos Evangelhos , 144-45). As outras fontes indicadas foram muito influentes. Notamos dois - a filosofia de Alexandria e do dualismo Parsia.

1. Alexandrino Filosofia

Filosofia alexandrina esforçou para unir a filosofia grega e religião hebraica. Philo, o grande comentarista judeu de Alexandria, tinha tentado interpretar as antigas Escrituras judaicas com o auxílio da filosofia grega, para expor o Antigo Testamento em termos de pensamento de Platão e descobrir significados alegóricos onde não foram destinados. No ensino de Philo há uma nítida linha traçada entre Deus eo mundo material: com ele, Deus não pode exercer qualquer ação sobre o mundo da matéria, exceto por meio de agência intermediária, os anjos e os demônios judaicos pagãs. Philo tem muito a dizer a respeito do Logos. Suas declarações sobre este assunto pode ser comparado com o que é dito sobre os atributos de "sabedoria" no capítulo 8 do Livro de Provérbios, e também com o Logos ou "palavra" do Evangelho de João. Com Philo, o Logos é o poder de Deus, ou a razão divina dotada de energia e, abraçando dentro de si todos os poderes subordinados. O Logos é impessoal em suas relações com Deus; e aqui é uma enorme diferença entre a concepção de Philo e que no evangelho. Philo ensina que o Logos é o único primogênito de Deus, o chefe dos anjos, o vice-rei de Deus, e representante do homem.

De acordo com Philo a criação do universo era uma moldagem gradual a partir da matéria; Assim, surge o mal. Ele também ensina a preexistência da alma, que agora está preso na carne. O homem sábio, portanto, vai quebrar a escravidão da carne, e vai subir por uma espécie de êxtase com a visão imediata de Deus. Ele será visto como muito desse ensino foi assimilada por várias seitas gnósticas.

2. zoroastrismo

O sistema de Zoroastro ou persa foi baseada no pressuposto de que existiam dois poderes originais e independentes do bem e do mal, da luz e da escuridão, Ormuzd (Ahura Mazda-), o Senhor sábio, e Ahriman (Angra-Mainyu), o espírito maligno . Esses poderes foram acreditados para ser igual, e cada um supremo em seu próprio domínio. A terra, que foi criado por Ormuzd, tornou-se o campo de batalha dos dois poderes. Ahriman levado o primeiro homem e mulher de sua fidelidade a Ormuzd, e assim todos os males resultam para a humanidade.

"Em oriental (persa) dualismo", diz o professor Bousset, "é dentro deste mundo material que os bons e os poderes do mal estão em guerra, e este mundo sob as estrelas não é de forma concebida como inteiramente sujeitos ao mal. Gnosticismo tem combinou os dois, a oposição grega entre espírito e matéria, e o dualismo de Zoroastro afiada, que, quando a mente grega concebida de um superior e um mundo inferior, viu, em vez de dois mundos hostis em pé, em contraste com o outro como a luz e as trevas. E fora da combinação desses dois dualismos surgiu o ensino do gnosticismo com o seu pessimismo profunda e seu ascetismo fundamental "(" gnosticismo ", na Enciclopédia Brit , 11ª edição, XII , 154).

III. Natureza do gnosticismo

"Gnosticismo", diz Dr. Gwatkin ", é o cristianismo pervertido pela aprendizagem e especulação" ( Igreja Primitiva História 73). O orgulho intelectual dos gnósticos refinado afastado do evangelho em uma filosofia. A pista para a compreensão do gnosticismo é dada a palavra da qual deriva - Gnosis "Conhecimento". Gnosticismo coloca conhecimento, no lugar que só pode ser justamente ocupada pela fé cristã. Para o gnóstico a grande questão não era o único intensamente prática: "O que devo fazer para ser salvo do pecado?" mas "Qual é a origem do mal?" "Como é que a ordem primitiva do universo a ser restaurado?" No conhecimento destes e de questões semelhantes, e nas respostas dadas a estas questões, houve a redenção, como o gnóstico entenderam.

"Essas pequenas seitas gnósticas e grupos de todos viviam na convicção de que eles possuíam um conhecimento secreto e misterioso, de nenhuma maneira acessível para aqueles de fora, que não estava a ser provado ou propagado, mas acredita em pelos iniciados, e ansiosamente guardado como um segredo. Este conhecimento deles não foi baseada em reflexão ou investigação científica e à prova, mas na revelação. Foi derivado diretamente dos tempos do cristianismo primitivo, a partir do próprio Salvador e Seus discípulos e amigos, com os quais eles alegavam ser conectados por uma tradição secreta, ou então a partir de profetas posteriores, dos quais muitas seitas se vangloriou. Foi previsto no maravilhosos escritos místicos, que estavam na posse dos vários círculos.

"Em suma, o gnosticismo em todas as suas várias secções, a sua forma e seu caráter, se enquadra na categoria das religiões místicas, que eram tão característicos da vida religiosa da Antiguidade decadente. Em gnosticismo, como nas outras religiões místicas, encontramos a mesmo contraste dos iniciados e não-iniciados, a mesma organização frouxa, o mesmo tipo de sectarismo mesquinho e mistério de fautor. Todos iguais possuem uma revelação mística e uma sabedoria profundamente velada "(Bousset, op. cit., 153).

Pontos principais em gnosticismo

As perguntas, portanto, com que o gnosticismo em causa própria foram os da relação do finito e do infinito, a origem do mundo e do mal, a causa, ou seja, propósito e destino de todas as coisas, a razão da diferença no capacidades e no lote na vida de homens individuais, o método de salvação. Os seguintes podem ser considerados como os principais pontos nas características dos sistemas gnósticos: (1). A reclamação por parte dos iniciados para um conhecimento especial da verdade, uma tendência a considerar o conhecimento como superior a fé, e como a propriedade especial dos mais iluminados, para os cristãos comuns não possuem essa doutrina secreta e superior. (2) A separação essencial da matéria e do espírito, o ex-destes que são essencialmente o mal, e a fonte de onde todo o mal surgiu. (3) Uma tentativa de solução dos problemas da criação e da origem do mal pela concepção de um Demiurgo, ou seja, um Criador ou Artífice do mundo como distinta da Divindade Suprema, e também por meio de emanações que se estendem entre Deus e do universo visível. Deve-se observar que esta concepção meramente oculta as dificuldades do problema, e não resolvê-los. (4) A negação da verdadeira humanidade de Cristo, uma cristologia docetic, (que olhou por sobre a vida terrena de Cristo e, especialmente, em seus sofrimentos na cruz como irreal. (5) A negação da personalidade do Supremo Deus, e a negação também da livre vontade do homem. (6) O ensino, por um lado, do ascetismo como os meios de alcançar a comunhão espiritual com Deus, e, por outro lado, de uma indiferença que levou diretamente à licenciosidade. (7) A tendência sincretista que combinava determinados mais ou menos entendido mal as doutrinas cristãs, vários elementos de origens orientais e judeus e outros. (8) As Escrituras do Antigo Testamento foram atribuídas ao Demiurgo ou Criador inferior do mundo, que foi o Deus dos judeus, mas não o Deus verdadeiro. Algumas dessas idéias característicos são mais evidentes em um, e alguns deles em outros dos sistemas gnósticos. A relação dessas idéias a fatos e doutrinas cristãs é tratada com mais particularmente abaixo.

IV. Gnosticismo na Igreja Cristã

No Novo Testamento e da Idade Apostólica

O germe do gnosticismo na igreja cristã fez a sua aparição na era apostólica, e é referido por Paulo em várias de suas epístolas, nomeadamente no que aos Colossenses e nas Epístolas Pastorais. Ele também é conhecido pelos apóstolos Pedro e Judas; referências a ele são encontradas, além de, no Apocalipse, a Primeira Epístola de João e do Evangelho de João.

1. Colossenses

 

Em col muito é dito a respeito de um falso ensinamento, uma doutrina teósofo insidiosa, os professores dos quais foram alienando os cristãos de Colossos do evangelho, e foram divulgando suas especulações, o que levou ao culto dos anjos, em contraste com a adoração de Cristo, a exclusividade esotérico totalmente contra a universalidade do evangelho, e para um ascetismo prejudicial para a liberdade cristã, e depreciativo para o corpo humano como habitados pelo Espírito Santo. Estes princípios são idênticos com o gnosticismo mais desenvolvida do que a geração seguinte dos apóstolos; e na raiz do falso ensino de Colossos lá estava o mesmo erro que a mente gnóstica não tinha maneira de reunião, ou seja, que não poderia haver nenhuma ligação entre a maior agência espiritual, que é Deus, e matéria corporal grave.

A partir desta base teórica surgiu outro erro - que, como o pecado é inerente à substância material do corpo, portanto, a única maneira pela qual a perfeição pode ser alcançado é punir o corpo pelo ascetismo, de modo que, através da imposição de dor e a mortificação a carne da região de espírito puro pode ser alcançado, e, portanto, o homem pode ser etéreo e tornar-se como Deus. Esta tendência ascética é maravilhosamente generalizada; reaparece século após século, e mostra-se de muitas formas de religião, não apenas em formas distorcidas de cristianismo, mas nas religiões hindus, no budismo e em outros lugares. Na epístola aos Colossenses, consequentemente, há referências concretas para práticas ascéticas que foram inculcados pelos falsos mestres de Colossos. Os próprios termos que empregados foram preservadas, "Touch não", "não gosto", "não pega." Foi desta forma que esses professores tinham "por sua própria mão" inventou um culto diferente daquele da fé cristã, que se esforçaram para alcançar a libertação da alma pela "disciplina do corpo" ( Colossenses 2:21Colossenses 2:21 , Colossenses 2:23Colossenses 02:23 King James Version). Estes mestres gnósticos mostrou estas tendências ainda mais ousadia quando Paulo escreveu sua primeira epístola a Timóteo (ver abaixo), para que ele descreve como "proibindo o casamento, e ordenando a abstinência de alimentos" ( 1 Timóteo 4: 3 ). Estas práticas ascéticas foram depois ensinado por várias seitas gnósticas, os Encratites, os seguidores de Saturnino, e outros. 1 Timóteo 4: 3

Estas tendências na igreja de Colossos Paul pôs-se a corrigir em sua epístola. O método que ele adota não é tanto para demolir erro, como para estabelecer a verdade contrária, estabelecendo antes da Colossenses a pessoa e obra de Cristo, Cristo, o Criador, Cristo, em quem lá habita não apenas alguns ou até mesmo grande parte da plenitude da Deus, mas toda a plenitude da divindade; Cristo, o Deus da providência, o sustentador de todas as coisas, em quem a matéria e todas as criaturas e todos os eventos "consistem" e têm o seu ser; Cristo o Reconciler que nos reconciliou a Deus através do sangue da cruz. Na opinião de verdades como estas, de erro de Colossos e todas as outras formas de gnosticismo desintegrar-se em decadência e desaparecer.

 

2. 1 Coríntios: "conhecimento" em Corinto

A epístola aos Colossenses é a primeira das Epístolas Paulinas em que o ensino distintamente gnóstico é encontrada em seu ataque à fé cristã. Mas a partir de notícias incidentais em epístolas de Paulo escritos em um período anterior, ele pode ser visto como congenial foi o solo em que o ensino gnóstico estava prestes a cair. Pois mesmo em Corinto, quando Paulo escreveu sua primeira epístola à igreja lá, tinha havido uma reclamação por parte de alguns que possuíam "conhecimento", como se os outros foram destituídos do mesmo, uma alegação que o apóstolo se recusa a admitir, e encontra resistência popa. Eles achavam-se "sábio", elas foram dadas a contenda, que professavam que "todos tinham conhecimento" ( 1 Coríntios 8: 11 Coríntios 8: 1 ), ou melhor, eles poderiam "conhecesse todos os mistérios e toda a ciência" ( 1 Coríntios 13: 21 Coríntios 13: 2 ); mas esse conhecimento não edificá-los, não construí-las, só soprou-los ( 1 Coríntios 8: 11 Coríntios 8: 1 ); não fazê-los simpático ou compassivos para com os fracos ( 1 Coríntios 8: 7-111 Coríntios 8: 7-11 ).

3. Epístolas Pastorais

Em 1 Timóteo 6:201 Timóteo 6:20 , 1 Timóteo 6:211 Timóteo 6:21 Paulo fala do "conhecimento (o Gnosis), Que é falsamente chamada; que algum professar, se desviaram da fé "Em outros lugares em que a referência é feita epístola aos princípios que são exatamente aqueles de gnosticismo In.. 1 Timóteo 1: 41 Timóteo 1: 4 , o apóstolo fala de "fábulas e genealogias sem fim, que questionamentos ministro, em vez de a dispensação de Deus, que consiste na fé. "Philo tinha dado um grande impulso a uma interpretação allegorizing do Antigo Testamento. Seus escritos eram bem conhecidos e eram populares em muitas das escolas judaicas. Estas interpretações fantasiosas prejudicaria o crescimento do cristão . igreja, e esta allegorizing da Escritura, juntou-se ao ensino das genealogias das eras, não deixaria lugar para um Redentor Em 1 Timóteo 4: 3 , como já referimos, Paulo descreve práticas ascéticas que foram considerados por seus devotos como a maioria meritório. Abster-se de casamento e de vários tipos de alimentos foi o ensinamento dos essênios e também dos gnósticos. Este ensinamento ascético não era natural, como contrária à constituição do mundo, como que foi organizado por um Criador santo e sábio , e também é subversivo da liberdade cristã. Nada pode ser estimado comum e imunda sem jogar opróbrio sobre o Criador. 1 Timóteo 4: 3

Desenvolvimento Antinomian

Mas outro e resultado contrário também seguiu a partir dos princípios da pecaminosidade da matéria e da redenção como libertação da carne, ou seja, que não havia uma maneira mais fácil de alívio, por tratar da alma e do corpo como entidades separadas que não têm nada em comum . Que a alma ir o seu caminho nas asas do pensamento espiritual, enquanto o corpo pode entrar seus desejos carnais. Pois, por isso, foi realizada, como corpo e alma são totalmente distintas em sua natureza, o espiritual não pode ser contaminada por qualquer coisa, no entanto carnal e bruto, que o corpo pode fazer. Este foi o desenvolvimento antinomian do gnosticismo. Muitos vestígios desta são aparentes nas Epístolas Pastorais e em 2 Pedro e Judas. Os gnósticos, contra quem Paulo adverte Timóteo, eram "amantes de si mesmos, amantes do dinheiro, presunçosos, soberbos, rolos, desobedientes aos pais, ingratos, profanos, sem afeto natural, irreconciliáveis, caluniadores, sem autodomínio, ferozes, sem amantes do bem, traidores, atrevidos, inchado, amigos dos deleites do que amigos de Deus, segurando uma forma de piedade, mas de ter negado o seu poder "( 2 Timóteo 3: 22 Timóteo 3: 2 , 2 Timóteo 3: 32 Timóteo 3: 3 , 2 Timóteo 3: 42 Timóteo 3: 4 ). Essa, também, é o testemunho dado em relação a eles por Inácio (Lei, os testes da vida , 30) :( "Eles não dar atenção ao amor, pouco se importando com a viúva, o órfão ou aflitos, nem para aqueles que estão em . títulos, nem para aqueles que são liberados a partir de obrigações, nem para a fome, nem a sede "Tais pessoas professou que tendo conhecido a Deus, mas pelas suas obras o negou, pois eles eram" abomináveis, e desobedientes, e réprobos para toda boa obra "( Tito 1:16Tito 1:16 ). Eles são atraídos para outros pecados de impureza ( 2 Timóteo 3: 52 Timóteo 3: 5 , 2 Timóteo 3: 62 Timóteo 3: 6 ). Eles seduzido outros através dos desejos da carne, e os meios pelos quais eles conseguiram fazer isso era que falou mui arrogantes de vaidade, e no final foi que, em sua destruição dos outros também eles certamente foram destruídos ( 2 Pedro 2:122 Pedro 2:12 , 2 Pedro 2:182 Pedro 2:18 ). Eles eram homens ímpios, que convertem a graça de Deus em lascívia e negam o nosso único Soberano e Senhor, Jesus Cristo, eles se entregaram aos pecados da carne, e correu riotously após erro na esperança de um ganho em dinheiro; Eram homens sensuais, que não têm o Espírito ( Juízes 1: 4Juízes 1: 4 , Juízes 1: 8Juízes 1: 8 , Juízes 1:11Juízes 1:11 , Juízes 1:19Juízes 1:19 ) Toda a Epístola de Judas é dirigido contra esse desenvolvimento antinomian e licencioso do gnosticismo, e contra a sua terrível permissão de uma vida profana (veja abaixo sobre o livro do Apocalipse).

4. 1 João

Na Primeira Epístola de João, há um propósito polêmico distinta. Não há nenhum livro do Novo Testamento, que é mais proposital em seu ataque de erro. Não é "o espírito do erro" ( 1 João 4: 61 João 4: 6 ), opondo-se o Espírito da verdade. "Muitos falsos profetas têm saído pelo mundo" ( 1 João 4: 11 João 4: 1 ), e isso a partir da própria igreja, "Saíram de nós, mas não eram de nós" ( 1 João 2:191 João 2:19 ); e esses falsos profetas são distintamente chamado "o anticristo" ( 1 João 2:221 João 2:22 ) e "o mentiroso" (mesmo local), e "o enganador eo anticristo" ( 2 João 1: 72 João 1: 7 ). Este perigo, contra a qual o apóstolo escreve, e da qual ele procura defender a igreja, era gnosticismo, como é provado pelo que é dito repetidas vezes na epístola das características desse ensino insidiosa e mortal.

 

(1) As reclamações gnósticos

A alegação gnóstica ao conhecimento lança luz sobre muitas passagens esta epístola. João se refere ao uso de tais frases de seus adversários como "Eu sei que Deus", "I permanecer em Cristo", "Eu sou a luz." Estas alegações grandiosas foram feitas por pessoas que não amam seus irmãos na terra, que não andam os passos de Cristo, e que foram destituídos de amor. Por isso, o apóstolo descreve essas afirmações grandiosas como falsos, porque aqueles que os fizeram não possuía nem amor, nem obediência.

Em contraste com estas reivindicações gnósticos - para aqueles que os fizeram não foram além do início gnósticos - John mostra como o Cristo da história é o Cristo da experiência: para aqueles a quem ele está escrevendo conhecer a Cristo, que é desde o princípio, e eles sabem o Pai. "Nós sabemos o que é verdadeiro, e nós estamos naquele que é verdadeiro, em seu Filho Jesus Cristo. Este é o verdadeiro Deus ea vida eterna" ( 1 João 5:201 João 5:20 ). Esse conhecimento de Deus e da comunhão com Ele são atingidos, não pela especulação gnóstica, mas pela obediência da fé, o resultado do que é o amor fraterno e uma vida na qual o cristão anda mesmo como fez Cristo ( 1 João 2: 61 João 2: 6 ). E, portanto, também a obediência e amor fraternal são o teste da profissão que qualquer homem pode fazer que ele conhece a Deus. "Todo aquele que pratica a justiça é nascido dele" ( 1 João 2:291 João 2:29 ); "Qualquer que não pratica a justiça não é de Deus, nem aquele que não ama a seu irmão" ( 1 João 3:101 João 3:10 ).

(2) Sua Loveless Nature

O gnosticismo foi distinguido por um antiético, intelectualismo sem amor. Esta parece ser a explicação do ensino falso contra o qual esta carta é dirigida. O apóstolo descreve o cabeça-conhecimento seca que deixou o coração e vida intocada pelo amor, e que levou os homens, enquanto eles professavam amar a Deus, no entanto, manter-se destituído de amor aos seus semelhantes. (Eles não dobre seus irmãos humanos para seus corações, eles estavam mortos ao fato de que, onde habita piedade, o amor de Deus habita também. Em conhecimento gnosticismo era em si o fim supremo e propósito de vida, a soma de bem mais elevado para que um homem poderia atingir, a coroa da vida. O sistema foi sem amor para o núcleo.

(3) Docetismo

Agora, quando foi feita a tentativa de amalgamar estas idéias gnósticas com a fé cristã, o resultado inevitável foi Docetism. Só porque Deus não pode ter qualquer contato imediato com a matéria, portanto, a encarnação do Deus Todo-Poderoso, na pessoa do Senhor Jesus Cristo é inconcebível. A partir desta posição que é, naturalmente, apenas um passo para negar que a encarnação e da verdadeira vida humana de Cristo nunca teve lugar em tudo.

(4) O Anticristo

O Anticristo da Primeira Epístola de João é o gnosticismo docetic. A alma do apóstolo corre para a frente, com brilhante zelo pela honra de seu Mestre quem gnosticismo desonrado, para identificar pessoalmente o Jesus histórico com o Ser Divino, "o Filho de Deus", "a Palavra de Vida", "o Cristo. " ? "Quem é o mentiroso, senão aquele que nega que Jesus é o Cristo Este é o anticristo, mesmo aquele que nega o Pai eo Filho Qualquer que nega o Filho, também não tem o Pai. Aquele que confessa o Filho tem o Pai também "( 1 João 2:221 João 2:22 , 1 João 2:231 João 2:23 ). Note-se que a última cláusula no 1 João 2:231 João 2:23 , que é impresso em itálico, na King James Version, é restaurada na Versão Revisada (britânico e americano) para sua posição correta no texto original. "Todo o espírito que confessa que Jesus Cristo veio em carne é de Deus; e todo espírito que confessa não Jesus não é de Deus; mas este é o espírito do anticristo, a respeito do qual tendes ouvido que vem, e agora é no mundo já "( 1 João 4: 21 João 4: 2 , 1 João 4: 31 João 4: 3 ).

(5) Seu Lado Antinomian

O lado antinomian do gnosticismo não é tão diretamente referido na Primeira Epístola de João, como é Docetism; mas evidências são manifesto que o apóstolo tinha claramente diante dele. "Filhinhos", escreve ele, "que nenhum homem vos engane: quem pratica a justiça é justo, assim como ele é justo; aquele que pratica o pecado é do diabo" ( 1 João 3: 71 João 3: 7 , 1 João 3: 81 João 3: 8 ). E estes foram os métodos pelos quais esses enganadores esforçado para levar os membros da igreja extraviados. Alegaram que o pecado era uma coisa indiferente em si. Ele não fez diferença para o homem espiritual se ele pecou com seu corpo ou não. É por esta razão que o apóstolo, em oposição aos professores, insiste em que "o pecado é iniqüidade" ( 1 João 3: 41 João 3: 4 ); "Toda injustiça é pecado" ( 1 João 5:171 João 5:17 ); "Todo aquele que é nascido de Deus não peca" ( 1 João 3: 91 João 3: 9 ); "Nesse os filhos de Deus são manifestas, e os filhos do Diabo: quem não pratica a justiça não é de Deus, nem o que não ama a seu irmão" ( 1 João 3:101 João 3:10 ). Toda a passagem pressupõe, tão familiar para os seus leitores, uma doutrina de indiferentismo moral, segundo a qual o estado do homem "espiritual" não é para ser testado pelos fatos corriqueiros de conduta moral "( os testes da vida , 34.

5. "Para saber a profundidades

Conforme o tempo avançava, e os livros do Novo Testamento foram escritos, o gnosticismo assumiu mais de suas peculiaridades distintas. "Aqueles que tinham conhecimento" se viam como uma ordem superior de crentes. Uma de suas frases era "conhecer as profundezas" ( Apocalipse 02:24Apocalipse 02:24 a King James Version), e isso foi valorizado muito mais altamente do que o amor e obediência. "A partir desta linguagem, podemos, creio eu, inferir a existência de uma seita ofita, vangloriando da sua peculiar Gnosis, Antes da data do Apocalipse "(Mansel, O gnóstico Heresias , 105). A alegação do Ophites era que só eles sabiam "das profundezas." "Sim", é a resposta do apóstolo a reivindicações deste tipo, "sim, profundidades, mas não é de Deus, as profundezas de Satanás ", para tal, é uma descrição apenas de um ensinamento que atribuiu a origem eo funcionamento do mal a Deus É à luz do ensinamento gnóstico deste tipo que o significado pode. ser visto da linguagem do mesmo apóstolo em sua primeira epístola: "E esta é a mensagem que dele ouvimos e vos anunciamos: que Deus é luz, e nele não há treva alguma" ( 1 João 1: 51 João 1: 5 ) .

Os Nicolaitas

Nas epístolas às sete igrejas do Apocalipse há outras referências ao gnosticismo. Quem eram os nicolaítas ( Apocalipse 2: 6Apocalipse 2: 6 , Apocalipse 02:15Apocalipse 2:15 ) não é absolutamente certo; mas não é improvável que eles foram chamados porque de terem assumido o nome de "Nicolau, prosélito de Antioquia" ( Atos 6: 5Atos 6: 5 ). O primeiro passo para a recepção de crentes gentios na igreja cristã em pé de igualdade com os judeus pode ter sido a nomeação de Nicolau como um dos primeiros diáconos, para os fatos de que ele era um nativo de Antioquia e de um prosélito, mostram que ele tinha sido um pagão de nascimento. E é notável a encontrar essa pessoa nomeada para cargo na igreja de modo muito cedo um período, mesmo antes da conversão do apóstolo Paulo. Os Nicolaítas, portanto, pode ter distorcido em um sentido antinomian a doutrina ensinada por Nicolaus, que com toda a probabilidade proclamou a liberdade do evangelho, como seu companheiro de diácono, Stephen, fez (Atos 7 em todo). Mas a liberdade reivindicada pelos Nicolaitans era liberdade para pecar. Eles são mencionados na Epístola a Éfeso, e suas ações são caracterizadas como atos que Cristo odeia ( Apocalipse 2: 6Apocalipse 2: 6 ). Seu nome ocorre novamente na Epístola aos Pergamum, e há também a sua doutrina é descrita como uma doutrina que o Senhor odeia ( Apocalipse 02:15Apocalipse 02:15 ). Seu ensino era um dos licenciosidade - comendo coisas sacrifical aos ídolos, e cometer fornicação ( Apocalipse 02:14Apocalipse 02:14 ). Mais uma vez na Epístola aos Tiatira, os gnósticos são faladas como praticando os mesmos cursos maus, e como detentor de uma doutrina de "as profundezas de Satanás" ( Apocalipse 02:20Apocalipse 02:20 , Apocalipse 02:21Apocalipse 02:21 , Apocalipse 02:24Apocalipse 02:24 a King James Version ) - ver acima. As pessoas mencionadas na Epístola aos Philadelphia também eram evidentemente gnósticos. Eles são descritos como sendo "da sinagoga de Satanás" ( Apocalipse 3: 9 ). Apocalipse 3: 9

"Na linguagem da Judeu, como no de Pedro, que imita de perto, podemos discernir claramente uma referência à seita gnóstica dos nicolaítas expressamente mencionadas no Apocalipse. A comparação em todas essas passagens, do erro condenados com que de Balaão, é decisivo para a identidade das pessoas que destina As outras características apontadas pelos Peter também são repetidos por Jude -. sua negação do Senhor, as suas vidas perdulários, seu desprezo do governo, e falar mal das dignidades e das coisas que eles não sabem, sua poluição das festas de caridade, as suas palavras arrogantes. O antinomian, nada menos do que o lado ascético do gnosticismo, parece por esta altura ter manifestado plenamente em si "(Mansel, O gnóstico Heresias , 71).

V. O cristão Antítese

Os principais pontos de contraste entre o gnosticismo e nos ensinamentos cristãos em relação aos principais doutrinas agora será aparente, e pode ser resumido brevemente.

1. Deus e do Mundo

De acordo com os gnósticos, Deus é pensado como o final, sem nome, Being incognoscível, de quem eles falam como o "abismo". Ele é perfeito, mas o mundo material é alheio à natureza divina. Como, então, ele chegou a existir? Qual é a fonte de suas imperfeições e os males?

Como o mundo originou?

A resposta é que o gnóstico Pleroma ou plenitude da Divindade (veja PLENITUDE) Poderia fluir para fora de nenhuma outra forma do que em emanações ou eras ou anjos, os quais são necessariamente imperfeito, a maior dessas emanações ou eras ou anjos ser mais espiritual do que o grau imediatamente inferior. Destes eras há uma gradação tão numerosos, que longamente o menor deles é quase totalmente corporal, o elemento espiritual tendo sido gradualmente diminuída ou eliminada, até que finalmente o mundo do homem e da matéria é atingido, a morada do mal. Desta forma, o abismo é ponte entre Deus eo mundo da humanidade. As maiores eras aproximam à natureza divina, de modo espiritual são eles e por isso quase livre da matéria. Estes formam a mais alta hierarquia dos anjos, e estes, assim como muitos outros graus de as hostes angelicais são para ser adorado.

Em oposição a este ponto de vista, a fé cristã adora a Deus como o Criador auto-suficiente livre, infinitamente bom e sábio e poderoso e santo, o autor de todas as coisas, e afirma a criação como um fato incompreensível revelou a fé, e que se eleva acima do alcance da compreensão. "Pela fé entendemos que os mundos foram criados pela palavra de Deus, de maneira que o visível não foi feito daquilo que é aparente" ( Hebreus 11: 3Hebreus 11: 3 a King James Version).

2. Mal

A doutrina do mal decorre diretamente da conta acima da relação de Deus com o mundo. De acordo com o gnosticismo a manifestação de Deus só é possível através da auto-limitação de sua parte, pois em sua essência de Deus é o abismo insondável. Através desta auto-limitação de Deus são evoluídos, em primeiro lugar, os poderes ou atributos divinos, que antes estavam escondidas no Abismo de seu ser. Esses poderes divinos (o Pleroma ) Tornam-se os princípios de todos os desenvolvimentos posteriores da vida. A vida continua a ser desdobrado de forma a que os seus graus sucessivos afundam cada vez mais longe da pureza de Deus, a vida é mais fraca quanto mais perto eles vêm para a matéria, com o qual, afinal, eles se misturam. Essa, de acordo com o gnosticismo, é a origem do mal.

Sempre que os homens não se contentam com o reconhecimento do mal para ser o ato de sua livre e espontânea vontade, que optou por abandonar a sua absoluta dependência de Deus; sempre que ir mais além e buscar outra origem do mal, então um dos dois resultados seguintes. Eles ou limitar a santidade de Deus, e encontrar a causa do mal no próprio Deus, aniquilando assim tudo distinção entre o bem eo mal - o que é o panteísmo; ou limitam o poder de Deus através da concessão a existência de um poder maligno eterna além do controle de Deus - que é o dualismo. Em evitar o panteísmo, o gnosticismo aceitou a solução dualista, atribuindo ao mal de natureza auto-subsistente eterna, que é torná-lo absoluto como o próprio Deus é. Como a auto-subsistência absoluta se pode afirmar de ninguém além de Deus, o mal eternamente auto-subsistente do dualismo deve ser Deus, que não pode ser possível, porque não é bom. Aqui é a auto-contradição em que o gnosticismo foi destruído.

(1) A Doutrina Cristã

Diretamente contrária a esta é a doutrina cristã, segundo a qual o mal é a recusa da criatura de vontade para se apoiar de forma absoluta e totalmente em Deus, em Seu amor e carinho e sustentando graça. O pecado é o que não deve ser; não tem o direito de existir de forma alguma; é desafio a Deus; é transgressão moral; sua magnitude não pode ser exagerada. Se pudesse, seria destronar Deus. Ele desafiou a Sua justiça, sabedoria e santidade e até mesmo a Sua graça. Portanto, o pecado é tratado por Deus de duas maneiras, seja pela punição direta ou por redenção, em que está previsto para a sua remoção pelo seu a cargo do Cordeiro de Deus que tira o pecado do mundo.

A idéia gnóstica da origem do mal decorre de uma só vez a partir de, e está inseparavelmente envolvido, sua interpretação dualista da natureza. A pergunta "O que é pecado?" não é uma mera discussão acadêmica ou filosófica, em que uma opinião pode ser tão bom quanto o outro. "Tudo no cristianismo está ligado mais ou menos diretamente com os grandes fatos do pecado e redenção, e do plano de redenção, que é a essência do cristianismo, não pode ser corretamente entendida até a doutrina do pecado ser adequadamente reconhecido e estabelecido aqui, com certeza. , se em qualquer lugar, a teologia cristã deve lutar pro aris et focis "(Júlio Müller, citado em Dr. Orr Sin como um problema de hoje , 6).

(2) O pecado e da Lei Moral

A universalidade do pecado, sua persistência, sua gravidade, o seu poder de destruir e depravar - estes são os fatos que dificilmente pode ser exagerada. Para visualizar corretamente o pecado, é impossível deixar de fora da vista sua relação com a lei moral, a Deus e ao Seu reino. O pecado é a transgressão da lei moral; é transgressão também contra um Deus santo, de cujo caráter e vontade lei moral é uma transcrição ou reflexão. "O pecado é a transgressão contra Deus, a substituição da criatura-vontade para a vontade do Criador; revolta da criatura-vontade de Deus" ( Sin como um problema de hoje , 7). É a determinação da vontade de tornar-se independente de Deus e renunciar a sua autoridade. O pecado é a vontade própria, a falsa independência, liberdade, que termina na escravidão e miséria.

Mas no gnosticismo pecado é algo completamente diferente; ele não é o ato e a disposição da vontade humana em rebelião contra Deus; é apenas um fato físico ou qualidade inerente no corpo e na matéria em todos os lugares. Redenção, portanto, não consiste na obra de Cristo por nós na cruz, e a aplicação dos benefícios de que o trabalho pelo Espírito Santo de Deus na renovação da natureza moral do homem. Redemption é simplesmente esforços de cada homem para garantir a emancipação da carne - do mal físico.

3. Cristo e Redenção

Vê-se facilmente que um sistema deste tipo não tinha necessidade de Cristo e não deixa lugar para a redenção no sentido cristão do termo. Redenção neste esquema de pensamento não é libertação do pecado, não é a remoção da culpa e da renovação da mente. É algo bem diferente, e consiste na restauração da ordem cósmica e iluminação da mente do seleto conhecimento através. Cristo não é o Salvador que salva o seu povo dos seus pecados, e que lhes dá sem cessar, através da união com Ele, a libertação do poder do pecado. Ele é apenas uma das eras, o maior deles. Ele é um ser originado, e não Deus. Assim, não há lugar no gnosticismo, quer para a criação do universo por Deus, ou para a encarnação e obra de Cristo. Depois de conceder que a matéria é essencialmente mau, e não está excluída a possibilidade de ter assumido a verdadeira natureza humana de Cristo, simplesmente para a única razão que o mundo ea natureza humana são originalmente e necessariamente mal. Assim, como já vimos, são desembarcadas em Docetismo.

A cristologia dos gnósticos conformidade, assumiu um dos dois tipos. "Uma classe de primeiros gnósticos separou o ser espiritual Cristo do homem Jesus;. Pensaram que o Cristo entrou Jesus no momento do Seu batismo, e deixou-o no momento da Sua crucificação Assim, o Cristo não era nem nascido como um homem, nem sofreu como homem. Dessa forma, eles evitado a dificuldade, insuperável para a mente gnóstica, de conceber a relação entre a maior agência espiritual e matéria corpórea bruta, que foi envolvido na doutrina católica da Encarnação e da Paixão, e que os gnósticos de um outro tipo mais efetivamente anulado pela doutrina da Docetismo, ou seja, assumindo que o corpo humano de nosso Senhor era apenas um corpo fantasma, e não carne e osso. Irineu representa o ex-classe como ensinando que "Jesus era o receptáculo do Cristo ", e que o Cristo" desceu sobre Ele do céu na forma de uma pomba, e depois que ele havia declarado à humanidade o Pai sem nome, tornou a entrar no Pleroma imperceptível e invisível. " Aqui não há nomes são dados. Mas, em outra passagem, ele atribui precisamente a mesma doutrina, sem no entanto nomear o Pleroma , Para Cerinthus "(Lightfoot, Col , 264). Como tenazmente esta doutrina foi combatida nos círculos apostólicos já foi mostrado em falar de John Primeira Epístola.

4. Asecticismo e Antinomianismo

A consequência necessária da teoria gnóstica em uma moral ascética que passou por passos seguros em licença antinomian tem de igual modo sido totalmente ilustrado anteriormente, e não precisa ser ampliado mais adiante. O conjunto tem sua raiz em um falso intelectualismo, a que o evangelho em sua inculcação de humildade, fé e dependência do Espírito de Deus para a orientação na verdade é, no seu princípio mais íntimo, se opôs.

VI. Vista de Harnack do gnosticismo

A visão de Harnack do gnosticismo é diferente do dado agora em colocar a ênfase principal no seu lado judaico-helenístico. Ele descreve bem como, quando o cristianismo apareceu, uma extensa spiritualizing ou allegorizing do Antigo Testamento já havia ocorrido. "Este spiritualizing foi o resultado de uma visão filosófica da religião, e esta visão filosófica foi o resultado de uma influência duradoura da filosofia grega, e do espírito grego, geralmente, após o judaísmo. Em consequência deste ponto de vista, todos os fatos e ditos do Velho Testamento em que não se podia encontrar o seu caminho, foram alegorizado. Nada era o que parecia, mas era apenas o símbolo de algo invisível. A história do Antigo Testamento foi aqui sublimada para a história da emancipação da razão da paixão "( História do Dogma , I, 223). Esta interpretação alegórica divulgada ao mente madura uma riqueza de relações, de sugestões e de intuições do Antigo Testamento, o que para os não iniciados era apenas um registro seco de fato. Este ponto de vista do Antigo Testamento deu aos seus leitores um interesse estranho, que passou a transferir os seus antigos esperanças judaicas no mundo da filosofia grega, e transformou o resultado em uma metafísica. Quando esses pensadores entrou na igreja cristã, esperanças e termos cristãos foram adicionados ao composto Alexandrino judaico-greco já existente, e tal era o gnosticismo. Representou o secularizante aguda ou helenizante do cristianismo. Os gnósticos "são, portanto, os cristãos, que, em um rápido avanço, tentaram capturar o cristianismo para a cultura helênica, e cultura helênica para o cristianismo, e que desistiram do Antigo Testamento, a fim de facilitar a conclusão da aliança entre os dois poderes e torná-lo possível afirmar o caráter absoluto do cristianismo "(p. 227).

Harnack fato conceda que havia outros elementos em gnosticismo, mas ele afirma fortemente que o elemento grego foi o predominando um. Nisso, ele parece-nos estar em erro. Colocando a ênfase principal no helenismo, ele não consegue dar o lugar devido e preponderante para dualismo oriental. Como já visto, uma teosofia dualista oriental é o elemento principal no gnosticismo. Esta fonte oriental também é reconhecido por Harnack, mas apenas como se fosse subsidiária ao helenismo. Como ele considera isso ", Gnosticismo era um helenizante agudo do Cristianismo" (230 p.).

Em relação às doutrinas filosóficas fundamentais do Gnosticismo, a natureza indefinível do Ser primordial Divino, a pecaminosidade da matéria, a plenitude de Deus em eras, o Demiurgo, etc., Harnack concorda em geral com outros escritores, e acrescenta: "Todos estes são ideias para os quais se encontra o caminho preparado na filosofia da época, antecipado por Philo, e representada em neo-platonismo como o grande resultado final da filosofia grega "(p. 233).

VII. Influência e Desenvolvimento do gnosticismo

O gnosticismo é peculiarmente a heresia do século segundo, e por si só uma prova do grau em que o conhecimento da fé cristã tinha, naquele período inicial, penetrou nos círculos literários e filosóficos. Embora seja verdade que o cristianismo no primeiro influenciado principalmente as classes mais humildes, mas ele não estava entre essas pessoas que as várias heresias gnósticas surgiram.

1. Não é uma heresia das classes mais humildes

Gnosticismo "era um produto que não surgiu espontaneamente nas mentes de a mecânica e os escravos, mulheres e crianças, a quem a maioria, como Celso, supõem-se que formavam o grosso das comunidades cristãs, mas só poderia ter tomado a sua origem na mente . de um elenco mais culta e especulativo Isso, de fato, era o seu pedido - para ser uma religião de Gnosis (Conhecimento), para os mais altamente treinados ou elite . Ele só poderia existir em tudo, portanto, como o resultado de um fermento cristão que havia entrado esses círculos especulativos, e estava lá poderosamente no trabalho. Baur valoriza justamente a situação, quando ele diz: 'gnosticismo dá a prova mais clara de que o cristianismo já tinha chegado a ser um dos fatores mais importantes na história do tempo, e mostra especialmente o que é um grande poder de atração dos novos princípios cristãos possuída pelo maior vida intelectual em seguida, para ser encontrado tanto no pagão ou no mundo judaico ". Acima de tudo, estes sistemas são um testemunho marcante para a impressão produzida na mente pagã pela grande idéia cristã de redenção. 'Quando os sistemas gnósticos ", diz Neander," descrever o movimento que foi produzido no reino do Demiurgo pelo aparecimento de Cristo como a manifestação de um princípio novo e poderoso que tinha entrado no recinto deste mundo inferior, eles nos dão para compreender o quão poderoso era a impressão de que a contemplação da vida de Cristo e Sua influência sobre a humanidade, havia deixado nas mentes dos fundadores desses sistemas, tornando todas as instituições anteriores parecem-los como nada em comparação com o cristianismo ". Devemos tomar cuidado, portanto, de subestimar ou a extensão ou a intensidade desse grande efervescência intelectual criado pelo evangelho no coração do paganismo "(Orr, Fatores Negligenciadas , etc., 196).

2. Cerinthus: seu ensino

O mais antigo dos gnósticos conhecidos por nós pelo nome é Cerinthus, o antagonista do apóstolo João. Parece ser além de qualquer dúvida razoável de que esses dois se encontraram em Éfeso. Irineu relaciona com a autoridade de quem ouviu a história de Policarpo como o apóstolo e Cerinthus reuniram-se em banhos públicos naquela cidade. Quando John descobriu que Cerinthus era no mesmo prédio com ele, ele imediatamente deixou, exclamando que ele não poderia permanecer enquanto Cerinthus, o inimigo de Deus e do homem, estava lá. A partir das contas que foram preservados de Cerinthus e de seu ensino, que se afirma que ele ensinou que o mundo foi criado não pelo Deus Supremo, mas por um poder inferior, e que ele também ensinou uma teoria docetic da Encarnação. Caius de Roma, um discípulo de Irineu, registra que Cerinthus considerou que haveria um milênio de desenfreada sensualidade. Dionísio de Alexandria (cerca de 260 dC), mais do que confirma isso. "Assim medida em que vão, os dados históricos harmonizar-se com as provas internas da Epístola (de João) em si, dando a impressão de que as diferentes tendências Combate são, como foram, naturalmente, combinados em um sistema gnóstico consistentemente desenvolvido, e que o objeto de sua polêmica é, por toda parte, uma ea mesma coisa "( os testes da vida , 37).

No que diz respeito ao Evangelho de João, há o testemunho de Irineu, que ele foi escrito para se opor a essa forma de gnosticismo que foi ensinado por Cerinthus, e, antes dele, pelos nicolaítas. A natureza dessa heresia pode ser indicado nas palavras do próprio Irineu:

"Um certo Cerinthus", diz ele, "na Ásia, ensinou que o mundo não foi feito pelo Deus Supremo, mas por algum poder completamente separado e distinto do que poder soberano que é sobre o universo, e um ignorante do Deus que é sobre todas as coisas que Ele ensinou, além disso, que Jesus não nasceu de uma virgem (para este parecia-lhe ser impossível), mas era filho de José e Maria, nascida após a forma de outros homens;. embora proeminente acima outro homens em justiça e prudência e sabedoria, e que depois de Seu batismo do Cristo, sob a forma de uma pomba, desceu sobre Ele daquele poder soberano que é sobre todas as coisas, e que Ele, em seguida, anunciou o pai desconhecido e fazia milagres, mas para que , no final, o Cristo partiu novamente de Jesus, e que Jesus sofreu e foi ressuscitado dentre os mortos, enquanto o Cristo continuou impassível, como um ser espiritual "(Mansel, O gnóstico Heresias , 74).

3. O Evangelho de João

Tal passagem como João 19:34João 19:34 , João 19:35João 19:35 parece referir-se Docetic gnosticismo, e para ser um protesto pessoal contra ele. Depois de descrever o piercing do lado de Cristo pela lança do soldado, e como "logo saiu sangue e água", o apóstolo acrescenta: "E aquele que tem visto tem dado testemunho, eo seu testemunho é verdadeiro; e ele sabe que diz a verdade, que também vós creiais. " Há muitas outras passagens que parecem ser dirigidos contra Docetism, por exemplo, "O Verbo se fez carne, e habitou entre nós (e vimos a sua glória)" ( João 1:14 ); "Jesus, pois, cansado da viagem, sentou-se assim junto do poço" ( João 4: 6 ); "Põe aqui o teu dedo, e vê as minhas mãos; e chega a tua mão, e colocá-lo no meu lado; e não sejas incrédulo, mas crente" ( João 20:27 ). João 1:14João 4: 6João 20:27

Cerinthus parece ter ensinado que a religião de Cristo era idêntica à Mosaism não diluída, incluindo até mesmo a circuncisão eo reino terreno do futuro. A teoria cerintiano, no entanto, foi realizada sob várias formas pelos seus adeptos, alguns professores titulares que o Deus do Antigo Testamento era, na melhor das hipóteses, um anjo subordinado do poder limitado, sabedoria e bondade, e que a criação do mundo foi muito imperfeita. Outros foram mais longe ao identificar o Deus do Antigo Testamento com Satanás. A ética de sistemas como estes foi antinomian, chegando às vezes a duração da libertinagem.

Geralmente, as formas sob as quais o Gnosticismo apareceu variou muito em diferentes períodos. Alguns foram mais longe do que outros da fé cristã.

4. várias seitas

Algumas comunidades, como os Encratites, colocou o maior estresse sobre a necessidade de ascetismo; outras comunidades eram totalmente docetic; os carpocracianos ensinou a filosofia eo comunismo de Platão. Um desses professores, Epifânio, foi homenageado como um deus, e esta seita coroou a imagem de Jesus, juntamente com os de Pitágoras, Platão e Aristóteles. Além disso, havia impostores de todas as variedades: magos, adivinhos, malabaristas, enganadores e hipócritas ", que apareceram usando palavras fortes com uma série de fórmulas incompreensíveis e tendo-se com cerimônias escandalosas, a fim de roubar homens de seu dinheiro" (Harnack, op . cit., 239), e até mesmo para fins mais vis.

(1) Os Ophites

Gnosticismo, antes de atingir o seu pleno desenvolvimento, é principalmente representado pelas seitas ou sistemas Ofitas. Estes foram assim chamado da palavra ophis , "Serpente", ao que eles pagaram honra como o símbolo da inteligência. Eles sustentavam que o Criador do mundo era um ser ignorante e imperfeita, Ialdaboth, o Filho do caos; e que era um ato meritório quando a serpente persuadiu Adão e Eva a desobedecê-lo, houve várias das seitas Ofitas, como os cainitas, que inverteu todos os padrões de julgamento moral, escolhendo como seus heróis as pessoas a quem o Bible condenados , como Caim, os homens de Sodoma, Esaú e Coré.

(2) Valentino

Na época de Justino Mártir (cerca de 150 dC), o gnosticismo tornou-se dividido em uma variedade de seitas e escolas, Valentinians, Basilideans, Saturninians e Marcionites. No sistema de Valentiniano, Cristo e do Espírito Santo foram duas eras. Os Valentinians certo que os cristãos comuns eram melhores do que as nações, e que eles podem olhar para a frente a uma espécie de salvação; mesmo agora cristãos comuns ocupava uma posição intermediária, melhor do que o "hylic" ou "psíquico", mas inferior ao "pneumática" ou "espiritual", como os gnósticos-se denominou.

(3) Basilides

Os Basilideans teve seu nome retirado Basilides de Alexandria, um homem de intelecto poderoso. Ele e seu filho Isidore ensinou este sistema, que foi posteriormente modificado consideravelmente com a finalidade de apreensão popular. O mundo está em constante evolução a partir de um panspérma ou "sementes do mundo", em que todas as coisas foram originalmente potencialmente contido. É regido por dois grandes Archons, que ainda subservem os desígnios do Supremo. Não há eras, mas o mais alto "light" desce através das esferas sucessivas até que repousa sobre Jesus de Nazaré. O processo é concluído quando o elemento divino ("filiação") é tudo tirado e restaurado a Deus; esquecimento, em seguida, cai sobre inteligência inferiores. Muitos provérbios finas são atribuídas a Basilides, por exemplo, "Eu vou dizer nada ao invés de duvidar da bondade da Providência" (Orr, A Igreja Primitiva , 75).

(4) Saturninus

Os Saturninians foram chamados a partir de Saturnino, disse ser um discípulo de Menandro, que por sua vez se diz ter sido um discípulo de Simão, o Mago. O sistema de Saturnino é marcada tanto por um dualismo forte e por um ascetismo sombrio. Ele também é relatado para ter sido um dos fundadores da heresia Encratite, que condenou o casamento. Taciano, discípulo de Justino Mártir, tornou-se um membro desta seita gnóstica, segurando, alega-se, a teoria usual de eras, e que havia um Demiurgo, que não era o Deus Supremo.

(5) Marcião

 

Marcião, natural do Ponto, ensinou em Roma por volta de 140-55 anúncio. Seu sistema difere muito das teorias gnósticas comuns, exceto que ele absolutamente distinto entre o Deus do Antigo Testamento, que é considerada como meramente grande, duro, rigoroso, eo bom Deus do Novo Testamento, que é totalmente amor. Ele também ocupou o dualismo gnóstico habitual e docetism. Sistema de Marcião foi descrito como um Paulinism overstrained, como ele coloca a ênfase na fé, e não no conhecimento. Marcião foi o autor de um livro chamado os Anthitheses , que contrastava o Antigo Testamento com o Novo Testamento. Ele também elaborou um cânon das Escrituras, que continha um só evangelho, ou seja, Luke em um estado mutiladas, e dez epístolas de Paulo. Marcião era um asceta rigoroso. Na Ceia do Senhor, ele permitiu apenas água a ser utilizada em vez de vinho. O Marcionites recusou o batismo para pessoas casadas. Esta seita ou "igreja" perdurou por vários séculos.

5. Relação com o Antigo Testamento

"Todos os sistemas gnósticos tinham uma característica em comum, ou seja, que consideravam que o Antigo Testamento e do Novo Testamento como revelações de dois deuses diferentes, e considerou a missão de Cristo-se de um poder maior do que o Deus da religião judaica, que foi identificado com o Demiurgo, ou o fabricante do mundo. Mas, sob essa suposição comum de que havia espaço para duas estimativas muito opostos da revelação mais velho e de Deus, a quem ele revela. Algumas das seitas gnósticas considerado o Demiurgo como sendo completamente alienígena a partir e se opõe ao Deus Supremo, outros consideravam-no simplesmente como um poder subordinado, inferior, mas não hostil ao Supremo Deus, e agir antes da vinda de uma revelação mais perfeito, como seu órgão inconsciente "(Mansel, O gnóstico Heresias , 45 ). "Não pode haver dúvida de que a propaganda gnóstica foi seriamente prejudicada pela incapacidade de organizar e igrejas de disciplina, que é característica de todos os sistemas filosóficos da religião" (Harnack, História do Dogma , I, 252). "A partir de cerca de 210 que deixou de ser um fator de desenvolvimento histórico, embora a igreja de Constantino e Teodósio estava sozinho realmente capaz de reprimi-los" (ibid., 251).

6. O Verities Christian

Em contraste com o gnosticismo da igreja cristã manteve firme a estes grandes fatos, que Jesus Cristo é o Filho de Deus, preexistente antes da Encarnação, e se manifestou em carne e crucificado por nós homens e para nossa salvação; que Ele ressuscitou dos mortos; que o Antigo Testamento é uma verdadeira revelação do único Deus supremo e sagrado, o Criador de todas as coisas. Dualismo, a eternidade da matéria e do seu mal inerente, bem como Docetism e mitologias orientais foram, portanto, rejeitada, por ser contrária à fé cristã.

7. influência na teologia

 

Durante o período da prevalência do gnosticismo realizou-se a acontecimentos anteriores da teologia cristã. Gnosticismo deu um poderoso impulso para a formação de um cânone do Novo Testamento da Bíblia; e para a formação dos primeiros credo. 

FONTE ENCYLOPEDIA BIBLICAL STANDARD 1915

 

fonte www.avivamentonosul.com