Translate this Page

Rating: 3.0/5 (902 votos)



ONLINE
2




Partilhe este Site...

 

 

<

Flag Counter


Apologética TJ nega a divindade de Jesus (2)
Apologética TJ nega a divindade de Jesus (2)

 

                         TJ JESUS ERA APENAS UM ANJO?

 

MDaniel 10‑13‑21, 12:1 – “…e eis que veio ajudar‑me Miguel, um dos mais destacados príncipes . …Miguel, vosso príncipe… E durante esse tempo pôr‑se‑á de pé Miguel, o grande príncipe que está de pé a favor de teu povo.” (Tradução do Novo Mundo)

A Sociedade Torre de Vigia ensina às testemunhas de Jeová que Jesus era meramente um anjo, que nasceu como um ser humano, morreu como um sacrifício pelo pecado, e ressurgiu como um anjo uma vez mais. Elas se referem a ele como “Jesus Cristo, que nós entendemos das Escrituras Sagradas ser o arcanjo Miguel” (A Sen­tinela, 15/02/79, p.31, edição norte‑americana). Mas é realmente isto o que a Bíblia ensina? Ou, antes, é isto um ensinamento que os líderes da Torre de Vigia sobrepõem às Escrituras?

A Palavra inspirada de Deus menciona Miguel cinco vezes ‑ como (1) “um dos mais destacados príncipes” (Dan. 10:13, Tra­dução do Novo Mundo); (2) “vosso príncipe”[do povo de Daniel]; (3) “o grande príncipe que está de pé a favor dos filhos de teu povo”[povo de Daniel] (Dan. 12:1, Tradução do Novo Mundo); (4) “o arcanjo” que “teve uma controvérsia com o Diabo e disputava o corpo de Moisés, não se atreveu a lançar um julgamen­to contra ele em termos ultrajantes” (Jud. 9, Tradução do Novo Mundo); e (5) um participante do conflito celestial quando “Mi­guel e seus anjos batalhavam contra o dragão” (Rev.[Apocalipse] 12:7, Tradução do Novo Mundo). Qual destes versículos afirma que Miguel é Jesus Cristo? Nenhum deles! É necessário ler as Escri­turas e mais um complicado argumento das testemunhas de Jeová para se chegar a esta conclusão.

A Sociedade Torre de Vigia também procura sustentação em outro versículo que não usa o nome de Miguel, mas diz: “porque o próprio Senhor descerá do céu com uma chamada dominante, com voz de arcanjo e com a trombeta de Deus” (1 Tess.4:16, Tradução do Novo Mundo). Mas, se usar a voz do arcanjo faz de Deus um arcanjo, então ter a trombeta de Deus faz do arcanjo Deus ‑ embora os líderes da Torre de Vigia mencionem apenas a primeira parte do versículo.

A Bíblia ensina em algum lugar que Jesus Cristo é um mero anjo? Ao contrário, o primeiro capítulo de Hebreus foi escrito, em sua totalidade, para demonstrar a superioridade do Filho de Deus comparado aos anjos. Versículo após versículo contrasta os anjos com:

…pelo Filho, a quem constituiu herdeiro de todas as coisas, e por quem fez também o mundo; sendo ele o resplendor da sua glória e a expressa imagem do seu Ser, e sustentando todas as coisas pela palavra do seu poder, havendo ele mesmo feito a purificação dos pecados, assentou‑se à direita da Majestade nas alturas, feito tanto mais excelente do que os anjos, quanto herdou mais excelente nome do que eles. Pois a qual dos anjos disse jamais: Tu és meu Filho, hoje te gerei? E outra vez: Eu lhe serei Pai, e ele me será Filho? E outra vez, ao introduzir no mundo o primogénito, diz E todos os anjos de Deus o adorem. Ora, quanto aos anjos, diz: Quem de seus anjos faz ventos, e de seus ministros labaredas de fogo. Mas do Filho diz: O teu trono, ó Deus, subsiste pelos séculos dos séculos, e cetro de eqüidade é o cetro do teu reino. E: tu, Senhor, no princípio fundaste a terra… (Heb. 1:2‑8,10).

O Filho é o “reflexo” da glória do pai e a “exata” representa­ção de seu próprio ser, e sustentando todas as coisas pela palavra de seu poder ‑ algo que nenhum anjo poderia fazer no mesmo segundo ‑ a tradução da Torre de Vigia de Hebreus 1:3(Tradução do Novo Mundo).

Além disso, os anjos bons se recusam veementemente a aceitar adoração. Quando o apóstolo João se prostrou aos pés do anjo para o adorar, o anjo o repreendeu dizendo: “Toma cuidado! Não faças isso! Adora a Deus” (Rev. [Apocalipse] 22:8,9, Tradução do Novo Mundo). Mas o mandamento do Pai aos anjos a respeito do Filho é: “e todos os anjos de Deus o adorem” (Heb. 1:6, Tradução do Novo Mundo, 1961).

Em edições mais recentes, a Sociedade Torre de Vigia mudou a palavra “adorem” para “reverenciem” em Hebreus1:6. Ainda assim, a despeito de como a palavra é traduzida, a mesma palavra grega proskuneo é usada tanto em Apocalipse 22:8,9 e Hebreus 1:6. proskuneo (adoração ou obediência) que os anjos se recusam a aceitar, mas dizem que é devida apenas a Deus, é a mesma proskuneo (adoração ou obediência) que o Pai ordena aos anjos que seja prestada ao Filho em Hebreus 1:6. Assim, o Filho não pode ser um anjo, ele é Deus. (Veja as considerações sobre Hebreus 1:6.)

As pessoas que deixam de seguir a Sociedade Torre de Vigia, e começam a seguir a Jesus Cristo, logo percebem que ele não é meramente um anjo. Esta compreensão é importante para que elas “honrem o Filho, assim como honram o Pai” (João 5:23, Tradução ,do Novo Mundo).

 

Extraído de “As Testemunhas de Jeová refutadas versículo por versículo”, David A. Reed; trad. de Marcelus Virgílius Oliveira e Valéria Oliveira. ‑ 2. ed. Rio de janeiro: JUERP, 1990. 

FONTE NAPEC.ORG

WWW.AVIVAMENTONOSUL.BLOGSPOT.COM

 

 

                 Jesus é o Filho de Deus e não o próprio Deus?

 

Argumento das Testemunhas de Jeová: “Jesus é o Filho de Deus e não o próprio Deus”

 

Resposta Apologética:

 

Longe de uma negação de ser Deus, a expressão “Filho de Deus”,confirma mais ainda este fato.Jesus não se declarava apenas como “um filho de Deus” e nem “filho de Deus” mas como “O Filho de Deus” e está implícitos o fato de igualdade em natureza, essência, substância, poder e eternidade, tudo que Deus Pai é, Cristo é, tudo que Deus Pai faz, Cristo o faz igualmente, e os judeus compreenderam isso porque pegaram em pedras para o matar e finalmente Ele foi julgado por causa dessa declaração, Marcos 14:61 a 64.

O erro das TJ é pensar que quando chamamos Jesus de Deus, estamos afirmando (na concepção delas) que Ele é o Pai, coisa absurda e incoerente do ponto de vista bíblico.

Em nenhum lugar descobrimos que Jesus proclamou ser Ele mesmo o Filho de Deus de um modo que desse a entender uma simples relação religiosa e ética para com Deus,a qual outros poderiam possuir também. É verdade que a expressão “filhos de Deus” é empregada para homens (Oséias 1:10) e para anjos (Jó 1:6). Mas no NT, o título “Filho de Deus” é empregado por Jesus com um sentido bem diferente. Em cada ocasião a frase deixa explícito que Ele é co-igual e co-eterno com o Pai.

Jesus sempre ao se referir a Deus como seu Pai, Ele usa a expressão “Meu Pai” mas quando se refere aos discípulos Ele diz: “vosso Pai” e não “NOSSO PAI”. Ele nunca se associa aos discípulos e às pessoas pela maneira normal “nosso Pai”. Mesmo naquelas ocasiões quando Jesus se une aos discípulos e que deveria de se esperar a expressão “nosso Pai” Ele usa “Meu Pai” conferir, Mateus 25:34 ; 26:29 – Lucas 24:49 pela mentalidade judaica dos discípulos e dos inimigos de Jesus,eles entendiam claramente  que a expressão “Filho de Deus” era Divindade.

É digno de nota também, o fato de Jesus usar a palavra “Aba“, para se relacionar com Deus, pois nenhum judeu usava essa palavra.        Quando algum judeu falava Pai ele usava a palavra “Abhinu, uma forma de tratamento que era mais um apelo pela misericórdia de Deus. Mas “aba” é a palavra de uso familiar que expressa a mais íntima comunhão com Deus o Pai e somente Jesus a usava por isso freqüentemente era acusado de blasfêmia.

Assim como um filho recebe a natureza de seu pai humano, Jesus também possuía a natureza de seu Pai celestial, em essência Jesus era igual a Deus, embora que na condição de homem, sujeito a Este.

Os judeus entenderam claramente que a expressão “Filho de Deus” como foi empregada por Jesus, dizia explicitamente que Ele  fazia se passar por Deus, sendo igual a Deus (em natureza).

O que Jesus rejeitou foi à idéia (bem parecida a das TJs) de que Ele era Deus Pai, pois os judeus não entendiam a trindade, a qual foi veementemente rejeitada com a afirmação de “Filho de Deus” e não o próprio Deus Pai; então Ele passa a mostrar que sendo igual a Deus Ele pode fazer só o que Deus (Pai) faz, nem mais nem menos.

“…porque tudo quanto Ele faz, o filho o faz igualmente”.João 5:19

Isso porque: “Eu e o Pai somos um” João 10:30

porque: “…quem me vê a mim, vê o Pai” João 14:9

Para que: “todos honrem o filho como honram o Pai” João 5:23

Agora… “Aquele que me aborrece, aborrece também a meu Pai.”

A propósito, no livro de Revelação na pág.36 está escrito o seguinte:

No cancioneiro publicado pelo povo de Jeová em 1905, havia duas vezes mais cânticos louvando a Jesus do que havia em louvor a Jeová Deus…1928, o número de cânticos que exaltavam a Jesus era mais o menos o mesmo que os que exaltavam a Jeová. Mas…1984, Jeová é honrado com quatro vezes mais cânticos do que Jesus…O amor a Jeová precisa sobressair…

Mas Jesus deixou bem claro: “Para que todos honrem o filho,como (da mesma maneira,do mesmo modo que)  honram o Pai”

A Organização sempre procura inferiorizar o filho em detrimento de JEOVÁ, contudo, ledo engano.

Frequentemente o título: “Deus” é mais empregado em relação ao Pai do que ao filho, mas nem por isso o filho deixa de ser Deus.Vejamos uma analogia fictícia: Eu me chamo Paulo Cristiano e meu filho também têm o mesmo nome , em uma ocasião alguém poderia dizer assim: “Aqui está o Paulo Cristiano e seu filho” mas não é porque só eu fui chamado pelo nome pessoal e meu filho pelo nome de Filho que ele não se chamaria também Paulo Cristiano. Assim também acontece com Deus Pai e seu filho Jesus Cristo, apesar do nome “Deus” ser aplicado mais ao Pai do que ao filho, outras partes das escrituras porém, deixam bem claro que Jesus é Deus.

 

 

TJs: Jesus é o Deus verdadeiro?

 

“Isto significa vida eterna, que absorvam conhecimento de ti, o único Deus verdadeiro, e daquele que enviaste, Jesus Cristo”. (João 17:3 TNM)

Dizem elas:  “Observe que Jesus não pode ser Deus pois faz distinção entre Ele e Deus e chama-o de o único Deus verdadeiro, desta maneira está provado que Jesus não é Deus, por que só existe um único Deus verdadeiro e este é Jeová”

Refutação apologética:

Este texto é um dos mais usados por elas para atrair alguém para sua seita (A Sentinela 01/10/2.000 pág. 23). Creio que este tipo de raciocínio não é muito ou nada válido, pois colocaria as TJs em grande desconforto, principalmente se o peso do argumento recai sobre a palavra “único”que em grego é “monos”.

Essa mesma palavra aparece em vários textos do NT referindo-se a Jesus. Vejamos:

Jesus é chamado de “nosso ÚNICO dono e Senhor” (Judas 1:4)

Jesus também é nosso “ÚNICO Poderoso Senhor” como o “ÚNICO que possui imortalidade” (I Timóteo 6:15,16) É útil esclarecermos que esse texto é interpretado por elas como se estivesse  referindo-se a Cristo.

Certamente  quando os apóstolos se referiam a Cristo como ÚNICO: “dono, Senhor, poderoso e que possui imortalidade” eles não excluíam de modo algum  o Pai. Isto seria ir contra o claro ensinamento das escrituras de que  o Pai possui igualmente tais atributos, como de fato poderá ser verificado facilmente  apenas folheando as páginas da Bíblia. Da  mesma maneira se dá em relação a Cristo quando diz que seu Pai é o único Deus verdadeiro pois em outro lugar o próprio João chama Jesus de “O VERDADEIRO DEUS” I João 5:20.

É como diz o vulgo popular:  “O FEITIÇO VIRA CONTRA O FEITICEIRO!”  Este raciocÍnio usado por elas as deixam em total embaraço, simplesmente porque tal argumento é um verdadeiro sofisma. O que é um sofisma? Em toscas palavras poderá ser conceituado de: mentira maquiada de verdade.   Não se pode negar a Divindade de Cristo (lê-se:negar que Cristo é verdadeiramente Deus) na base do adjetivo “único” pois em outras partes das escrituras encontramos declarações explícitas de que Ele é Deus.

 

 

                  TJs: “Jesus não faz parte duma divindade”

 

Revelação de Jesus Cristo que Deus lhe deu, para mostrar aos seus escravos as coisas que tem de ocorrer em breve…”. (apocalipse 1:1 TNM )

 Testemunhas de Jeová: “Se o próprio Jesus fosse parte duma divindade, teria sido necessário dar-lhe uma revelação oriunda de outra parte da divindade-Deus? Por certo ele teria sabido tudo a respeito dessa revelação, pois Deus sabia. Mas Jesus não sabia, pois não era Deus”. ( Deve-se Crer na Trindade ? pág. 19)

Resposta Apologética

 A interpretação correta deste versículo é que Deus reservou o tempo apropriado para que Jesus revelasse os acontecimentos proféticos que Ele mesmo já sabia ao apóstolo João.

Se Jesus não soubesse destas profecias como insinuam as TJs, é claro que o livro do apocalipse 19:10 não o chamaria de “o espírito de profecia” e nem tão pouco todo o saber estaria escondido nele como diz Colossenses 2:3.

Seria otimismo demais  esperar de uma Organização como esta   acreditar que Jesus é onisciente, sendo que negam esta capacidade até mesmo ao próprio Jeová o qual alegam que é todo-poderoso. Na “Tradução do Novo Mundo” na pág. 1522 sob o subtítulo “Atributos de Deus”, só aparece o atributo de onipotência; o que fizeram com a onisciência e a onipresença Dele? Não seria nenhuma novidade se elas negassem onisciência ao filho sendo que a negaram até mesmo ao Pai. Vejamos o que elas tem a dizer:

“…Jeová tem a capacidade de predizer eventos, mas a Bíblia mostra que ele faz uso seletivo e com discrição dessa capacidade que tem, com a devida consideração pelo livre arbítrio com que dotou suas criaturas humanas”. ( Raciocínios à Base das Escrituras pág 116)

Que Deus é este que as TJs adoram, que dizem ser onipotente e onisciente(A Sentinela 15/03/1988 pág. 11) mas precisa fazer uso seletivo para saber as coisas? Isso seria onipotência? Seguindo esta linha de raciocínio, será que Jesus também não fez uso seletivo desta capacidade? E pasmem com esta declaração:

 “O verdadeiro Deus não é onipresente, porque se fala dele como tendo localização”. ( Estudo Perspicaz das Escrituras pág. 69 vol.1)

Não é onisciente, muito menos onipresente e sua onipotência deixa muito a desejar! Eis aí o Deus que as TJs adoram!

 

 

TJs: “Jesus é só o princípio da criação”

 

“Estas coisas diz o amém, a testemunha fiel e verdadeira, o princípio da criação de Deus”. ( apocalipse 3:14 TNM)

Com este versículo a “Torre de Vigia” tenta provar que Jesus não é Deus por Ele ser chamado de ‘o princípio da criação’. Argumentam, portanto que se Jesus foi o “princípio”, Ele foi o primeiro criado por Jeová.

 

Resposta Apologética

A palavra para princípio no grego é “Arkhé” e tem significado diversos como : “primeiro de uma série”, “magistrado”, “governador”, “soberano” etc…

O significado menos provável seria o de “primeiro de uma série”, mas a STV retruca dizendo:

“… não pode ser corretamente interpretado para significar que Jesus era o “principiador” da criação de Deus. Em seus escritos bíblicos, João usa diversas vezes a forma da palavra grega “Arkhé” mais de 20 vezes, e estas sempre tem o significado comum de princípio. Sim Jesus foi criado por Deus como o princípio das criações invisíveis deste”. ( Deve-se Crer na Trindade? pág. 14 )    

Ao contrário do que alegam as TJs a Bíblia é unânime e enfática ao dizer que “sem Ele nada do que foi feito se fez”. Se Jesus fosse criatura o versículo estaria errado pois existiria algo que Ele não criou, ou seja, Ele mesmo.

A STV alega que a palavra “Arkhé”  significa sempre em apocalipse “princípio” como sendo o primeiro criado. Agora o que elas fazem quando Jeová diz que é o “princípio e o fim” em apocalipse 21:6 sendo que a mesma palavra grega “Arkhé” é usada? Será que Jeová também é um ser criado? É lógico que elas nunca iriam admitir isso, mas então porque o fazem em relação a Jesus? As TJs teem em sua teologia dois pesos e duas medidas!

A palavra “Arquiteto” em português vem da raiz grega “Arkhé” e significa entre outras coisas “Aquele que constrói”. É digno de nota que a epístola que Paulo escreveu aos Colossenses foi lida em Laudicéia veja Colossenses 4:16apocalipse 3:14,15, ali o apóstolo explica aos Colossenses que Jesus era o criador de todas as coisasColossenses 1:15 a 20 e não uma criação. Este ensino está de acordo com o resto do contexto bíblico comoJoão 1:3,  Hebreus 1:2 etc… Ele é o arquiteto divino o que construiu tudo que existe.

A STV sabendo disso tenta deturpar a Bíblia inserindo por conta própria entre colchetes em Colossenses 1:16 a palavra “outras”, insinuado que Jesus foi criado por Jeová e depois este o usou para criar as demais coisas. Mas isto é uma vergonhosa deturpação do texto original grego, pois no original não aparece de modo algum a palavra “outras” e isto é admitido no prefácio da TNM quando dizem que “os colchetes encerram palavras inseridas para completar o sentido em português…” 

Portanto como o leitor pôde observar, a palavra “outras”, foi inserida para completar o sentido que a STV quer dar à sua doutrina espúria de que Jesus foi um ser criado. Comentando o versículo acima a A Sentinela de 15/03/1990 na página 05, inseriu desavergonhadamente a palavra “outras” até mesmo sem o colchete, para reforçar ainda mais esse argumento inescrupuloso, ludibriando assim,  os menos avisados.    Cuidado com a Bíblia das Tjs!!!

 

 

TJs: “Jesus não é o Deus poderoso”

 

“Mas, não indica “Deus Poderoso”, com iniciais maiúsculas, que Jesus é em algum sentido igual a Jeová Deus ? De modo algum. Isaías meramente profetizou que esse seria um dos quatro nomes pelos quais Jesus seria chamado, e na língua portuguesa tais nomes são escritos com iniciais maiúsculas. Ainda assim, embora Jesus fosse chamado de “Poderoso”, pode haver apenas um só “Todo-poderoso”. (Pode-se Crer na Trindade ? Pág.. 28)

 

COMO REFUTAR

Como o leitor pode ler, na concepção jeovista existem dois deuses: um Todo-poderoso e outro apenas Poderoso. Chamar Jesus de “Deus Poderoso” não implicaria em Ele ser o Deus verdadeiro. Ele teria que ser “Todo-poderoso”, mas essa posição o “Jeová” delas não abre mão.

Nenhuma TJ que conversei até hoje soube dar uma definição do que venha a ser “Todo-poderoso”. Já vimos que o Deus das TJs não é assim tão Todo-poderoso como elas alardeiam, pois tem coisas que Ele não pode fazer tais como: Estar em vários lugares ao mesmo tempo ou saber de todas as coisas sem precisar fazer uma seleção dessa capacidade.

O que muitas TJs não sabem é que a Organização à qual pertencem e dizem ser a única verdadeira, já ensinou que Cristo é Todo-poderoso, vejamos então:

“ TODO PODEROSO, capaz de fazer todas as coisas; UM ATRIBUTO DA Deidade; também aplicado ao glorificado Jesus…” ( Emphatic Diaglott pag. 872)

E no livro, O Mistério Consumado na pág. 15 edição de 1917 declaram em relação a Jesus:

“… é somente a partir de então (da ressurreição) que Ele poderia ser chamado o Todo-poderoso.”(parêntese e sublinhado nosso)

Veja que antes elas acreditavam ou melhor, o “Corpo Governante” acreditava (pois as TJs só acreditam no que a cúpula da seita ensina) que Jesus Cristo era Todo-poderoso como de fato O é. Mas com o passar dos anos elas receberam “novas luzes” como dizem, pois este se tornou o slogan para justificar todas as suas mudanças doutrinárias, só que a fonte dessa luz se acha em II Coríntios 11:14, e agora não crêem mais que Jesus seja  Todo-poderoso.

É fraudulenta a afirmação de que em Isaías 9:6 “Deus” com letra maiúscula não prova que Jesus seja o Deus verdadeiro, pois, segundo elas, seria este apenas um dos nomes pelos quais Ele seria chamado.          Este argumento é apenas para despistar os menos avisados do verdadeiro sentido do versículo, ou seja, que Jesus é verdadeiramente Deus em essência.

Se tal argumento fosse realmente verdade então porque elas não traduziram no Novo Testamento “Deus” com letra maiúsculas todas as vezes que se referem a Jesus ? Não seria o nome pelo qual seria chamado? Confira na TNMJoão 1:1,18. Porque então todas as suas publicações trazem “deus” com minúscula todas as vezes que se referem à Jesus ?  

Seria Jesus inferior a Jeová por ser chamado de “Poderoso”? Não, pois um capítulo à frente Jeová é chamado igualmente de Poderoso Isaias 10:20,21,22 e Jeremias 32:18. Em Jó Ele é chamado 31 vezes de Todo-poderoso mas as vezes apenas de Poderoso Jó 9:19 e Salmos 24:8, mesmo no Novo Testamento acontece isto Lucas 1:49. No entanto se defendem dizendo:

” Isaías referiu-se profeticamente a Jesus, o Messias, como “Deus Poderoso”. (Isaías 9:6) Em Isaías 10:21, o mesmo profeta falou de Jeová como “Deus Poderoso”. Há quem use essa similaridade de fraseologia para provar que Jesus é Deus. Mas precisamos usar de cautela no que diz respeito a deduzir desses versículos o que estes não dizem. A expressão hebraica traduzida “Deus Poderoso” não se limita a Jeová, como acontece no caso da expressão ” Deus Todo-poderoso”…É reconhecido que existe uma diferença entre ser poderoso e ser todo-poderoso, isto é, não ter superior.”      

( A Sentinela 15/01/1992 pág. 22 )

Mais uma vez se contradizem, pois antes chamavam Jesus de Todo-poderoso, então possuíam dois todo poderosos deuses: Jesus e Jeová; sem falar da falta de definição para a expressão “TODO-PODEROSO”, é a primeira opção, poder fazer qualquer coisa ou seria a segunda que é não ter superior ? Veja que nem ao menos sabem definir o que significa a “expressão Todo-poderoso”!

Entretanto Jesus é chamado na Bíblia de Todo-poderoso veja Mateus 28: 18, ali o texto diz que Jesus tem “TODO O PODER” no céu e na terra, o que significa que Ele é Todo-poderoso, ainda em Efésios 1:21 diz que Eles está acima de “todo o poder”. As TJs para diminuir o impacto dessa verdade verteram na TNM  a palavra grega “exousia” por autoridade, mas consultando o original grego, constatamos que  essa mesma palavra se refere a um “poder absoluto”, portanto “exousia” significa tanto autoridade como poder.

Concluímos então que Jeová é chamado de Todo-poderoso e também de  apenas Poderoso. Não há base para descartar Jesus da divindade classificando-o como inferior só porque em Isaías Ele é chamado de Poderoso, pois em outras partes, como já vimos, Ele é chamado também de Todo-poderoso.

 NO PRINCÍPIO ERA O VERBO, E O VERBO ESTAVA COM DEUS, E O VERBO ERA DEUS.”  João 1.1

 

 

TJs: “Jesus não estava fazendo-se Deus”

 

Argumento das Testemunhas de Jeová: “Mas, quem disse que Jesus estava fazendo-se igual a Deus ? Não foi Jesus. Ele se defendeu contra…acusações falsas de judeus que, como os trinitaristas, estavam tirando falsas conclusões!” (Deve-se Crer na Trindade ? pág. 24,25) 

COMO REFUTAR

A Sociedade Torre de Vigia talvez ao apresentar um argumento tão descabido como esse não levou em conta que não foi os judeus que afirmava que Jesus era Deus mas foi o próprio apóstolo João quem o chamou de tal. Esse trecho é uma narrativa interpretativa do apóstolo e não uma declaração direta da boca dos judeus, era João narrando e interpretando ao mesmo tempo, está mais que evidente na estrutura da sentença. Ele só diz que os judeus procuravam matá-lo, mas o PORQUE, de o matá-lo é o próprio apóstolo que interpreta e narra. E ele afirma sem sombra de dúvidas a divindade de Jesus chamando-O de Deus.

“Respondeu-lhes Jesus: Em verdade, em verdade vos digo que antes que Abraão existisse, eu sou”.  Então pegaram em pedras para lhe atirarem; mas Jesus ocultou-se, e saiu do templo.” João 8:58,59

Argumento das Testemunhas de Jeová: “A expressão em João 8:58 é muito diferente daquela usada em Êxodo 3:14. Jesus não a usou como nome ou título, mas sim como maneira de explicar a sua existência  pré-humana.” (Deve-se Crer na Trindade ? pág. 26)

COMO REFUTAR

Neste texto percebe-se claramente que Jesus se identifica com o grande “EU SOU” de Êxodo 3:14, mas as TJs não pensam assim, antes raciocinam da seguinte maneira:

1) Ele estava referindo-se apenas à sua idade, nada mais.

2) A frase de Êxodo 3:14 e João 8:58 não tem nenhuma conexão gramatical pela qual possa se apoiar os trinitaristas.Será mesmo?!

Segue abaixo o diálogo que tive com um líder das TJ’s via internet sobre João 8:58.

 

REFUTAÇÃO – EGO EIMI:

De início, somos obrigados pelo contexto a descartar a interpretação de que Cristo estava apenas referindo-se à sua idade.   Na verdade, toda discussão entre Jesus e os Judeus recaem sobre a pergunta do versículo 53: “… quem  te fazes tu ser ?” “…quem afirmas ser ?” (TNM), em outras palavras QUEM é você ? Então Jesus responde: “antes que Abraão existisse, EU SOU” ( EGO EMI).

Urge por rememorar que todos os criminosos eram e são julgados pelos crimes que cometiam, FIZERAM, praticaram,  e não pelo que eles ERAM, no entanto, Jesus sempre fora perseguido pelo fato de QUEM ele dizia SER   “Respondeu-lhes Jesus: tenho vos mostrado muito obras boas, procedentes de meu Pai; por qual destas obras me apedrejais ?”  –  João 10.32.   Versículo 33: “Os judeus responderam, dizendo-lhe: Não te apedrejamos por alguma obra boa, mas pela blasfêmia; porque, sendo tu homem, TE FAZES DEUS A TI MESMO”.

Aquela expressão EU SOU, era bem conhecida dos judeus: em Êxodo 3.14, JEOVA se apresenta a Moisés como o eterno EU SOU “EU SOU O QUE SOU… EU SOU me enviou a vós.  Ainda, Isaías 43.13 diz: “Ainda que houvesse dia, EU SOU…”

Os judeus pois entenderam perfeitamente que Jesus estava se reportando à mesma expressão usada por JEOVA, no seu sentido pleno e absoluto de divindade eterna – Ex. 3.14, pois, como vemos, eles imediatamente quiseram apedreja-lo.

Na Lei Mosaica havia apenas cinco motivos para o apedrejamento:

  • A) invocação de mortos;
  • B) blasfêmia;
  • C) falsos profetas;
  • D) filhos rebeldes e,
  • E) adultério.

O único motivo que se enquadra nesse caso e que dava condições legais para o apedrejamento era o item “B”- blasfêmia.   Observe-se que todas as vezes que os judeus acusavam Jesus de blasfêmia está implícito o fato de Jesus dizer-se DEUS, e não deus, ou um deus. MC. 14.61-64; LC 5.21 e JO. 10.33.   Assim, em nenhum lugar das escrituras encontramos alguém sendo acusado de blasfêmia sob pena  de  apedrejamento, só porque afirmou ter mais idade do que a outra pessoa. No mínimo isto seria motivo de risos e jamais apedrejamento.Não, os judeus compreenderam perfeitamente que Jesus queria dizer: “ EU SOU Jeová’’

OBS: Quando Jesus mencionou a existência de Abraão  nas seguintes palavras: “ Antes que Abraão EXISTISSE EU SOU’’ ele usou a palavra  “ GENOMAI ” que no original grego significa uma existência criada ,que teve um inicio,mas quando menciona a sua própria existência , ele usa o verbo EIMI “ EU SOU “ , APONTANDO PARA UMA EXISTÊNCIA  ETERNA,atemporal,de igualdade com Deus conforme Êxodo 3:14 .

Outrossim ha mais um texto que não deixa duvidas quanto a Jesus ser o “ EU SOU ”ou seja : Jeová.

“ DESDE AGORA VO-LO DIGO,ANTES QUE ACONTEÇA,PARA QUE, QUANDO

ACONTECER,ACREDITEIS QUE EU SOU  ”  João 13;19

Jesus menciona alguns fatos aos discípulos mesmo antes deles acontecerem para que quando se cumprissem eles crescem que, EGO EIMI (EU SOU).De fato Jeová e o único ser para quem o futuro e o presente Isaias 44:7,8 .

Jesus estava-lhes dizendo certas coisas antecipadamente para que quando ocorressem no futuro eles soubessem que, EU SOU, isto é, que ele é Jeová.

Há, entretanto outro fator importantíssimo nesse episodio que lança mais luz na questão.

Jesus afirmou categoricamente que Abraão “ VIU ’’ o seu dia  v.56 .

Quando isso se deu?

Antes de examinarmos essa incógnita, precisamos entender primeiramente que:

  1. A) Deus (Pai) nunca foi visto por ninguém.

Textos como os que  seguem provam essa verdade: Êxodo 33:20 – João 1:18; 6:46 -I Timóteo 6:16  entre outros.

  1. B) Entretanto a Bíblia diz que Abraão “ VIU ” Jeová.

O texto prova é Gênesis cap. 18.

JEOVA apareceu-lhe posteriormente entre as árvores grandes de Manre. (v.1)

Disse então: JEOVÁ,se eu tiver agora achado favor aos teus olhos…(v.3)

JEOVÁ disse então a Abraão…(v.13)

Há alguma coisa (que seja)extraordinária demais para JEOVÁ? (V.14)

…mas quanto a JEOVÁ ainda estava parado diante de Abraão.(v.22)

Então, acabando de falar com Abraão, JEOVÁ seguiu caminho e Abraão retornou ao seu lugar. (v.33)

 

E bom recordarmos que na passagem de JOÃO 8:56,58,Jesus não só estava declarando que ele era “ EU SOU ” (Jeová),MAS TAMBÉM QUE TINHA APARECIDO A ABRAÃO .

 

Apesar da TNM querer distorcer estes fatos traduzindo Êxodo 3:14  por “ Mostrarei Ser o Que Eu mostrar Ser  ” assim como João 8:58 por: “ eu tenho sido ’’, não dando nenhum sentido lógico aos dois textos quando comparados ;a edição da TNM com referencias,de 1984,na nota de rodapé em Êxodo 3:14 admite que o hebraico é traduzido em grego como “ EGO EIMI ’’ – EU SOU,e a Tradução Interlinear do Reino das Escrituras Gregas de 1985 na nota de rodapé de João 8:58 confirma deveras este fato.

 

 

TJs: “Jesus estava com Deus e por isso não é Deus”

 

Argumentos das Testemunhas de Jeová:

“Ademais, este versículo da Bíblia diz que “a Palavra” estava “com” Deus. É razoável concluir que isto significa que ele não é esse mesmo Deus” ( A Sentinela 01/11/1991 pág. 23)

“Mas não é Jesus chamado de deus na Bíblia’ ? poderá perguntar alguém. Isto é verdade. Contudo Satanás também é chamado de deus. (2 Coríntios 4:4)” ( Poderá Viver Para Sempre no Paraíso na Terra pág. 40 )

São vários os argumentos levantados para contradizer o prólogo de João que reza literalmente que “o verbo (Jesus) era Deus”. Vejamos:

1) Dizem que algumas traduções inclusive a deles traduzem “deus” com letra minúscula e não “Deus” com maiúscula, portanto isso significa que Jesus não é o Deus “Todo-poderoso”.

2) Dizem que outros seres são similarmente chamados na Bíblia de “deus”. São chamados de deuses poderosos os juízes, anjos, Satanás e finalmente Jesus.

3) Dizem que Jesus é chamado de “um deus” portanto diferente de Jeová que é o verdadeiro Deus.

Dizem que no original grego “Theós”, Deus em português, referindo-se ao Pai, vem precedido do artigo definido “o” enquanto que Theós referindo-se a Jesus vem sem o artigo, portanto se sentem justificados em acrescentarem o artigo indefinido “um” em relação a Jesus. Com isso insinuam que Jesus não é Deus mas um ser meio divino, que apenas possui as qualidades deste.

4) Dizem que Alguém que está “com” outra pessoa não pode ao mesmo tempo ser aquela outra pessoa”.

“ Portanto, o texto não diz que a palavra (Jesus) era o mesmo que o Deus com quem estava, mas, antes, que o verbo (a palavra) era semelhante a um deus, era divino, era um deus.” ( Raciocínios à Base das Escrituras pág. 213 )

COMO REFUTAR

Antigamente as TJs tinham muita dificuldade em empurrar nas pessoas a idéia herética de que Jesus não era Deus pois a Bíblia que elas usavam: a versão “King James” em inglês, traduzia clara e corretamente que “o verbo era Deus” Mas esse problema acabou quando fabricaram a sua própria versão da Bíblia onde contrabandeou para dentro dela todas as idéias heréticas do seu fundador e primeiro presidente Charles T. Russell. É claro que João 1:1 tinha que ser reinterpretado ao gosto russelita, pois tal versículo complicava e muito a teologia da seita,  então resolveram tirar Jesus da posição de Deus verdadeiro e reduzi-lo a um mero deuzinho, subordinado a Javé e igual a Satanás. Tentando arrumar isto elas comentam :

 ” Em muitas traduções esta expressão reza simplesmente: “O Verbo [a palavra] era Deus” e é usada para apoiar a doutrina da Trindade. Não surpreenda que os trinitaristas não gostem da versão apresentada na Tradução do Novo Mundo.” e acabam  entregando-se quando dizem: ” Mas João 1:1 não foi falsificado a fim de provar que Jesus não é o Deus Todo-poderoso. As Testemunhas de Jeová, entre muitos outros, já objetavam a usar “deus” com letra maiúscula muito antes de surgir a Tradução do Novo Mundo, que se empenha em traduzir com exatidão a língua original.” ( A Sentinela 01/03/1991 pág. 28 )     

QUÃO CONFIÁVEIS SÃO ESSAS  VERSÕES?

As traduções que as Tjs alegam ter similaridade com a delas são na maioria traduções de teólogos liberais que nem ao menos crê em toda a Bíblia, de membros de seitas que  negavam a divindade de Cristo ou traduções delas mesmas. Das milhares de línguas e dialetos em que a Bíblia está traduzida atualmente a STV conseguiu catalogar (na brochura Deve-se crer na Trindade ?) apenas nove para tentar inculcar na mente dos incautos de que sua tradução é a mais correta. Ainda na mesma página da revista citada acima apresentam mais cinco traduções espúrias como a deles. Essas traduções aparecem em parte em A Sentinela 01/06/1988 página 17 e na brochura Deve-se Crer na Trindade ? página 27.

” De modo similar, cinco tradutores da Bíblia, alemães, usam a expressão “um deus” naquele versículo. Pelo menos 13 outros usaram expressões tais como “da espécie divina” ou “da sorte semelhante a deus”  Essas traduções concordam com outros trechos da Bíblia para mostrar que Jesus no céu, é sim um deus, no sentido de ser divino”

EM QUE SE BASEIA A TNM?

No livro, “Raciocínios à Base das Escrituras” na página 394 asseguram que para a tradução do N.T, chamado na TNM  de Escrituras Gregas Cristãs, usou-se o texto dos eruditos ingleses, Westcort e Hort, para basearem sua tradução e também no livro ” Toda Escritura é Inspirada por Deus e proveitosa ” na página 310 acrescentam ainda que usaram este texto para assegurarem “a máxima exatidão possível“. Acontece porém, que o texto grego de Westcort e Hort não concorda com essa pernicisa tradução feita pelas TJs. Veja a opinião do próprio Westcort sobre João 1:1.

” O predicado (Deus) encontra-se na posição inicial enfaticamente, como em João 4:24. É necessariamente sem o artigo…Nenhuma idéia de inferioridade de natureza é sugerida por essa forma de expressão, que simplesmente afirma a verdadeira deidade da palavra…na terceira cláusula declara-se que ‘a palavra’ é ‘Deus’, e assim incluida na unidade da divindade”  

Veja o leitor que quando o texto grego do qual se basearam para traduzir João 1:1 não concordava com suas crenças, eles imediatamente abandonaram-no e saíram a procura de subtraduções que concordassem com o pensamento herético deles. Neste caso, Westcort e Hort, já não assegurava tanta exatidão!

Vamos analisar agora algumas versões citadas na brochura “Deve-se Crer na Trindade ?” página 27.

  1. a) ” 1808: “e a palavra era um deus” The New Testament in an Improved Version, Upon the Basis of Archbishop Newcom’es New Translation: with a Corrected Text.”

Esta versão foi feita por um unitarista. O Unitarismo é uma seita que nega veementemente a doutrina da Trindade e consequentemente a Divindade de Cristo. É suspeitadíssima sua erudição.

  1. b) “1864: “e um deus era a palavra”.The Emphatic Diaglott, versão interlinear, de Benjamin Wilson.”

                Esta versão é largamente usada pela STV, entretanto elas escondem que Benjamin Wilson era Cristadelfiano. Essa seita também negava a divindade de Cristo. A propósito, em : “A Sentinela” de 01/11/1990na pagina 6 sob o tópico “O Diabo das Escrituras” diz : ” Alguns contudo, negam a existência dum Satanás qual pessoa, preferindo dizer: “A natureza humana, com sua propensão ao pecado, é o diabo das escrituras.”*

Contudo no rodapé da referida página elas acusam os que professam tal doutrina taxando-os de seita:“Declaraçao oficial da crença do cristadelfianismo, uma das seitas da cristandade.”   

Querem colocar o cristadelfianismo como parte da cristandade ou seja tentar confundi-la com as igrejas evangélicas, protestantes e católicas sendo que eles é que usam fartamente as idéias dos cristadelfianos através da versão de Benjamin Wilson. Mas o pior de tudo é que neste tópico, elas tentam provar que Satanás é uma pessoa e não uma influência do mal, o pecado, ou uma força, ao passo que em suas publicações fazem ao contrário em relação ao Espírito Santo, chamando-O de “a força ativa de Jeová” (Isaías 5:20) dizem: “O Uso que a Bíblia faz de “espírito santo” indica que se trata duma força ativa controlada que Jeová Deus usa para realizar uma variedade de propósitos. Até certo ponto pode ser comparada com a eletricidade, uma força que pode ser adaptada para realizar grande variedade de operações.” e concluem: “Não, o espírito santo não é uma pessoa…” (Deve-se Crer na Trindade ? págs. 20 e 23). São os apologistas do Diabo!

  1. c) “1935: “e a palavra era divina” The Bible –An American Translation, de J. M. P. Smith e E. J. Goodspeed.”

Esta foi feita por um teólogo liberal que nem ao menos cria em toda a Bíblia.

  1. d) “1950: “e a palavra era [um] deus.” Tradução do Novo Mundo das Escrituras Gregas Cristãs.”

                Esta última foi fabricada pelas próprias Tjs, portanto totalmente corrompida e tendenciosa.

Das nove traduções exibidas na brochura, essas cinco são logo de cara, suspeitíssimas pelos vários motivos expostos acima. Ademais nenhum perito da língua grega apóia esta tradução deturpada e blasfema.

EXISTEM OUTROS DEUSES ?

Podemos dizer sem sobra de dúvidas que as Tjs são politeístas. Porquê ? Simplesmente por que a declaração clara das escrituras de que Jesus é plenamente Deus choca-se com as idéias deturpadas delas a respeito da identidade de Deus e da pessoa de Jesus Cristo, mas por não se verem complicadas em refutar satisfatoriamente a Trindade inventaram para si um outro sentido para o termo Deus quando aplicado a Jesus, criaram assim outros deuses e encontraram dessa maneira um lugar nesse panteão para o Filho de Deus. Na teologia das TJs as coisas funcionam mais ou menos assim: No topo da lista aparece Jeová como o Deus Todo-poderoso, mais em baixo se encontra Jesus se contentando em ser somente um deus menor, apenas poderoso, depois Dele encontram-se vários deuses igualmente poderosos como Satanás, anjos e humanos. Alegam que o termo “Poderoso” não se aplica só a Jeová, mas também a anjos e humanos. Perguntamos então: Onde a Bíblia aplica o termo “Poderoso” a anjos e homens ? Insistimos ainda. Onde encontraremos nas escrituras Deus Chamando anjos e homens de “deuses poderosos”? Veja que elas fazem isso baseando-se apenas em especulações, e isso para dar respaldo ao seu argumento de que o fato de Jesus ser chamado de Poderoso não o faz igual a Jeová, pois outros na Bíblia, segundo elas, são também chamados de poderosos, mesmo não havendo base para tal.

“Antes de vir à terra, Jesus era “um deus”…” Além disso, a designação “deus” tem ainda outro sentido. Os juízes em Israel eram chamados de “deuses”…”  ( Profecias de Isaías pág. 131)

As TJs tentam entender a Trindade pelo raciocínio humano, mas por esse meio ninguém conseguirá entender a Deus, pois somente conseguiremos saber algo dele a partir da revelação que Ele faz de si mesmo em sua palavra, e esta mesma palavra revelada diz que Jesus é Deus, mas como as TJs andam não por fé, mas pelo raciocínio humano, não conseguem entender a palavra, então inventam meios alternativos para tentarem se livrar de João 1:1 e explicar de outros modos sua divindade.

A declaração de que existem outros deuses além do verdadeiro Deus é falsa pois a Bíblia é específica e o mandamento é claríssimo quando diz:

“Não deves ter quaisquer outros deuses em oposição a minha pessoa” Êxodo 20:3

“Antes de mim, não foi formado nenhum Deus e depois de mim continuou a não haver nenhum.” Isaías 43:10

” Acaso existe outro Deus além de mim ? Não, não há nenhuma rocha.” Isaías 44:8

Segundo os versículos acima a idéia de que existem outros deuses é herética, há somente um único Deus, e além dele não há outro. Os demais são deuses falsos, são falsificações do verdadeiro Deus como Satanás sempre quis ser e induziu os nossos primeiros pais a serem também Isaías 14:14 Gênesis 3:5. A própria STV declara que: “Existe apenas um Deus todo-poderoso, embora existam muitos deuses de fabricação humana e falsos” ( 15/03/1988 pág. 6)

OS JUÍZES SÃO DEUSES ?

As TJs argumentam sua tese de que existem outros deuses, baseando-se no episódio de João 10:34,35 onde Jesus diz:

” Jesus respondeu-lhes: Não está escrito na vossa lei: Eu disse: Vós sois deuses ?…Se ele chamou deuses…”

Será que Jesus estava acatando a idéia de que aqueles homens eram deuses Poderosos como afirmam as Tjs ? Não, não estava. Para começo de conversa a Bíblia proíbe seres humanos de se igualarem a Deus Isaías 31:3 Ezequiel 28:2. O contexto mais uma vez torna claro o assunto. Jesus se referiu ao Salmo 82:6, onde aparece a palavra “Elôhîm” que significa “deuses”. O Deus verdadeiro estava repreendendo os juízes por suas iniqüidades e não chamando-os de deuses no sentido literal desta palavra pois nos versos 7 e 8 diz: “Decerto morrereis como os homens; E caireis como qualquer um dos príncipes!” (TNM)     

Estes eram chamados de deuses mas apenas como zombaria, pois a eles tinham sido dada a missão de julgar em Israel no lugar de Jeová, sendo assim poderiam de algum modo serem chamados de deuses, mas apenas em sentido representativo, não em sentido qualitativo, pois não passavam de homens mortais e como tais morreriam; em outras palavras, eram deuses falsos e isto fica evidente no versículo primeiro deste Salmo quando diz : “Deus (Elohim) se põe de pé na assembléia do divino; julga no meio dos deuses (Elohim)”(TNM)temos aqui portanto dois “Elohins”, é lógico que um só é o “Eloim” verdadeiro e os outros falsos!. Então Jesus argumenta em João 10: 35,36 que se àqueles eram chamados representativamente de deuses, quanto mais Ele poderia ser chamado de Filho de Deus. Além disso a revista A Sentinela de 01/01/1992 página 4 insinua que o Diabo patrocina muitos tipos de deidades nos seguintes termos: “Satanás…promove até a adoração de deuses humanos, tais como governantes poderosos…” (grifo e sublinhado nosso). Sim, Jesus era o único que tinha qualitativamente a condição de ser chamado de “O Filho de Deus” e também ser Deus.

ANJOS E SATANÁS SÃO DEUSES?

O argumento acima também cabe aqui, pois como já explicamos, há somente um Deus verdadeiro e o resto são deuses que os homens fizeram ou que eles mesmos se fizeram deuses por conta própria como Satanás. Dizem as TJs: “ ‘Mas não é Jesus chamado de deus na Bíblia’ ? poderá perguntar alguém. Isto é verdade. Contudo Satanás também é chamado de deus. (2 Coríntios 4:4)” ( Poderá Viver Para Sempre no Paraíso na Terra pág. 40 )

É fácil responder a esta objeção apenas perguntando se Satanás é um deus falso ou verdadeiro. Elas responderão que é um deus falso conforme aparece em A Sentinela 01/01/1992 página 4 “Jeová Deus tem o propósito de limpar seu nome de todo o vitupério que o falso deus Satanás tem lançado sobre ele.”(grifo nosso), neste caso estão igualando Jesus com Satanás e chamando-O indiretamente de falso. Mas se pelo contrário, Jesus for um deus verdadeiro, então elas possuem dois deuses verdadeiro ? Elas acabam caindo na própria armadilha que criaram. Estas perguntas as deixam em grande embaraço !

Certa vez fui abordado por um TJ que no decorrer da conversação citou-me o versículo acima e fez a seguinte pergunta : ” Você sabe qual a diferença entre o deus falso e o Deus verdadeiro ? ” Perguntei qual era.  Então ele passou a me explicar que o Deus verdadeiro aparece na Bíblia com letra maiúscula (Deus) e o deus falso com letra minúscula ( deus). Neste momento puxei a TNM de suas mãos e abri em João 1:1 onde deveria aparecer Deus com letra maiúscula aparece com minúscula “[um] deus”, rebaixando Jesus a um mero deuzinho, e perguntei-lhe se Jesus era um deus falso, pois na TNM estava com letra minúscula, o qual me respondeu que não era. Repliquei então : Se ele for o Deus verdadeiro  nesse caso vocês possuem dois Deuses verdadeiro e isto é politeísmo!?. O rapaz me olhou meio envergonhado e confuso e confessou que nunca havia pensado nisso apesar de ser TJ já há oito anos.

Argumentos como estes demonstra o perfil de pessoas que não entendem o que falam e falam somente o que lhes é indicado pela seita, pois se caso contrário, dispensassem algumas horas em estudo particular sem os olhos autoritativo do “Corpo Governante” iriam descobrir que os manuscritos bíblicos foram escritos originalmente com letras maiúsculas,as chamadas letras “unciais” e só depois no século X é que começaram a fazer cópias dos manuscritos em minúsculas chamadas de estilo cursivo. Portanto, quando aparecia a palavra “DEUS”  se era em estilo uncial era escrito com maiúscula se em estilo cursivo era com minúscula independente de quem se referisse, se ao Pai ou ao Filho, mas isto a STV não revela aos seus adeptos.

As TJs são privadas de exercerem senso crítico nos Salões do Reino aos quais freqüentam. Não podem de maneira alguma discordar de seus dirigentes, elas se ufanam de pesquisarem, aliás, esta palavra você ouvirá sempre que estiver dialogando com uma TJ, mas as “pesquisas” da qual falam, é apenas nas literaturas da própria seita como as revistas : “A Sentinela” e “Despertai” que a cúpula chamada de “Corpo Governante” permitem que leiam, as quais descaradamente chamam de “alimento”.

JESUS NÃO É DEUS?

As TJs argumentam que no original grego o termo “Theós” (Deus) referindo-se ao Pai, vem precedido do artigo definido “ton” (o) e referindo-se ao filho não vem precedido por artigo definido, então se acham no direito de acrescentarem o artigo indefinido (um) que não existia no grego original do N.T. Se justificam dizendo :

” O artigo definido (o) aparece na frente da primeira ocorrência de the.ós (Deus), mas não na frente da segunda ocorrência. A construção articular (quando o artigo aparece) do nome indica identidade, personalidade, ao passo que um nome predicativo no singular, sem artigo e anteposto ao verbo, ( com está construída a sentença no grego) indica qualidade de uma pessoa. Portanto o texto não diz que a palavra ( Jesus) era o mesmo que o Deus com quem estava, mas, antes, que o verbo (a palavra) era semelhante a um deus…” ( Raciocínios à Base das Escrituras pág. 213)

” A língua grega coiné tinha artigo definido (“o”), mas não tinha artigo indefinido (“um”). Assim, quando um substantivo predicativo não é precedido por artigo definido, pode ser indefinido, dependendo do contexto.”  ( Deve-se Crer na Trindade ? pág. 27 )

À primeira vista parece até convincente os argumentos exposados pela STV, haja vista fartas citações de obras teológicas e comentários de peritos na língua grega que são citados em suas publicações, entretanto quase sempre tirados fora do contexto ou distorcidos para se adaptarem à crença da seita de que Jesus é “um deus”.O texto original reza da seguinte maneira :

” En arché en ó lógos, kaí ó lógos en prós tón Theón, kaí Theós en ó lógos.”

TRADUÇÃO LITERAL

“Em princípio era o Verbo, e o Verbo estava com o Deus, e Deus era o verbo.”

Já há tempos que a STV vem modificando o texto de João 1:1 em suas Bíblias, compare por exemplo a tradução de 1967 (capa verde) onde o artigo indefinido (um) não aparecia : ” e a palavra era deus “. Já a versão de 1983 traz o artigo indefinido “e a palavra era [um] deus”. Nas revisões mais recentes elas mudaram novamente, conservando o artigo indefinido e acrescentando o artigo definido (o) antes de “Deus”, ” …estava com o Deus”

Estes são os malabarismos que a seita faz quando uma verdade bíblica entra em confronto com a teologia profana que elas professam.

JOÃO NÃO CRIA EM JESUS COMO DEUS ?

Será porque o apóstolo João não introduziu o artigo definido (o) em relação ao segundo “Theós” ? Será que mesmo a expressão “um deus” desabona a deidade absoluta (lê-se que Cristo é verdadeiramente Deus) ? Longe disso, João foi o apóstolo que mais identificou Jesus como Deus em seus escritos, portanto inspirado divinamente, foi capaz de escrever o que ele queria realmente escrever, pois fora guiado pelo Espírito Santo.

Qualquer estudante do grego bíblico percebe logo de início que se João tivesse acrescentado o artigo definido (o) antes do segundo “Theós”, certamente ele estava demonstrando que não acreditava na plena divindade de Cristo e com certeza não cria na Trindade. Porquê ? Por que ele estaria dizendo que o verbo (Jesus) era a mesma pessoa do primeiro “Theós” ou seja, que Jesus era o Pai. Mas ao diferenciar com um artigo definido o primeiro “Theós”, ele diferenciava as pessoas ao passo que igualava a natureza, e isto é trinitarismo clássico, é o que diz a doutrina da trindade, ou seja : Jesus é Deus mas não é o Pai, são iguais na natureza e substância mas diferentes quanto às pessoas. Isto prova que o argumento usado por elas de que : “Alguém que está “com” outra pessoa não pode ser ao mesmo tempo aquela outra pessoa” não procede. De duas, uma : Ou as TJs não entendem (ou não querem entender) a Trindade, ou fazem isso para confundir e enganar seus adeptos e os mais simples. De qualquer modo este argumento fraudulento eregido por elas não resiste à um estudo mais profundo sobre este versículo de João 1:1. Veja o que dizem alguns estudiosos:

“Se João 1:1 quisesse dizer “a palavra era um deus” o apóstolo teria usado no grego a palavra Theios, que significa “um deus”, um ser meio divino, em vez de Theós…” ( Dr. Julios R. Mantey)

 ” O verbete sobre Theós (Deus), usado no léxico Arnolt and Gin Grich Greek Lexicon, afirma  : “usado muitas vezes para indicar o verdadeiro Deus algumas vezes com o artigo, e de outras vezes sem o artigo”

Para serem coerentes teriam que traduzir também João 1:18; 3:2; 13:3 por “um Deus” pois ali não aparece o artigo definido, mas não fazem isto pois se não teriam que admitir também que Jeová não é “o Deus” verdadeiro e isto complicaria e muito os seus argumentos.

Ainda que Jesus seja chamado de “um deus”, mesmo assim não complicaria sua deidade pelo fato de que o Pai também é chamado de “um Deus” na TNM, confira em Êxodo 20:5 ; Daniel 2:28 e Naum 1:2 e “um Deus” até mesmo com letra minúscula. Considere este trecho abaixo extraída de uma de suas publicações

” Jeová descreve a si próprio como “um deus que exige devoção exclusiva”. ( Êxodo 20:5, nota, NM com Referências; Deuteronômio 4:24; 5:9; 6:15)” ( A Sentinela 01/07/1998 pág. 29)

Depois de longos debates (via on-line) com um senhor que dizia ter sido ancião das TJs, eu o desafiei a comentar esse prólogo de João, queria que ele refutasse como estava ali. Mas para minha surpresa ele não respondeu e isto já faz vários meses. Nunca achei uma TJ que explicasse satisfatoriamente sua fé antitinitrária em cima deste versículo.

João 1:1 é  modo mais belo da Bíblia dizer que Jesus é plenamente Deus.

 

Por isso, pois, os judeus ainda mais procuravam matá-lo, porque não só violava o sábado, mas também dizia que Deus era seu próprio Pai, fazendo-se igual a Deus”. 

FONTE NAPEC.ORG 

WWW.AVIVAMENTONOSUL.BLOGSPOT.COM