Translate this Page

Rating: 3.0/5 (908 votos)



ONLINE
3




Partilhe este Site...

 

 

<

Flag Counter


Arqueologia biblica de Israel e Jerusalém (6)
Arqueologia biblica de Israel e Jerusalém (6)

A BÍBLIA E AS GRANDES DESCOBERTAS ARQUEOLÓGICAS

 

O resultado prático de toda a pesquisa arqueológica realizada nas terras bíblicas pode ser medido por um grande número de descobertas e pela relevância de tais achados para quem estuda a história antiga da região e sua relação com a Bíblia. Na verdade existem centenas de referências arqueológicas importantes que poderiam ser relacionadas aqui. Dezenas de cidades e centenas de objetos arqueológicos foram descobertos e estudados na história moderna. Aqui apresentaremos as principais descobertas dos últimos duzentos anos bem como sua importância para o estudo das Sagradas Escrituras.

 

  1. Os manuscritos do Mar Morto. 


São as cópias mais antigas do AT, mil anos mais antigas do que os disponíveis até então. São centenas de folhas de manuscritos, mas todos eles estão bem preservados em relação ao texto massorético. São datados entre 200 a.C a 100 d.C e foram encontrados em 1947/1948 em 11 cavernas da região de Qumran, no deserto da Judéia. Os manuscritos continham: 1) Cópias integrais ou parciais de todos os livros canônicos do AT (exceto Ester); 2) Comentários das Escrituras; 3) Material dos livros apócrifos e pseudepígrafes do período interbíblico; 4) Manuscritos das regras e doutrina da seita (a espera do Messias, um secular e religioso e a esperança do juízo divino iminente sobre os ímpios; 5) Textos sobre outros assuntos, como o Rolo do Templo e o tesouro oculto descrito no Rolo de Cobre. São guardados e conservados no museu do Livro em Jerusalém, Israel.

 

  1. O código de Hamurabi.


 Trata-se de um código de antigas leis babilônicas que apresenta paralelos com a lei mosaica. È do séc. XVIII a.C.

 

  1. A Pedra Roseta. 


Foi encontrada pelo francês Champolion no Egito, foi a chave para decifrar o egípcio antigo com seus hieróglifos.

 

  1. O calendário de Gezer.

 

Calendário agrícola que traz um dos mais antigos registros do hebraico bíblico; as poucas linhas aparecem na escrita paleo-hebraica.

 

  1. A epopéia de Gilgamés. 


Texto acadiano que descreve um paralelo muito próximo do dilúvio bíblico.

 

  1. O prisma de Senaqueribe. 


Descreve o cerco assírio de Senaqueribe a Jerusalém em 701 a.C. É datado de 686 a.C e confirma a história da resistência do rei Ezequias narrada na Bíblia.

 

  1. A inscrição de Mesa. Encontrada por Klein em 1868 (e recuperada por Clermont-Ganneau), fala das principais conquistas de Mesa, rei de Moabe. Conhecida como Pedra Moabita, menciona Onri, rei de Israel, pai de Acabe e, contemporâneo do rei moabita, além de mencionar YHWH, o Deus de Israel.

 

  1. A inscrição de Siloé (Siloam).


 Descreve a conclusão do túnel de Ezequias construído na resistência a invasão assíria; é um exemplo importante do hebraico da época. Encontra-se no museu de Istambul.

 

  1. Estela de Merneptá. 


Encontrada no Egito, em Tebas, é a mais antiga menção a Israel da história feita que aparece fora da Bíblia. Data do século XIII a.C (1220 a.C).

 

  1. Os Papiros do Novo Testamento. 


Os papiros são dos testemunhos mais antigos do NT e datam dos séculos II e III d.C. Os mais importantes, que levam o nome de seus descobridores ou do local onde foram achados, são: 1) o fragmento John Rylands, encontrado em 1930, chamado p52 (trechos de João 18), de cerca de 130 d.C. 2) Os papiros de Oxirrinco, diversos manuscritos encontrados no Egito em 1898. Datam principalmente do século III d.C. Os papiros Chester Beaty, p45, p46 e p47, contendo a maioria do NT, de cerca de 250 d.C. 4 Os papiros Bodmer, p66, p72 e p75, contendo grande parte do NT, de cerca de 175-225 d.C.

 

  1. Os pergaminhos do Novo Testamento. 


Escritos em couro de ovelha (ou cabra), são os manuscritos Unciais, assim chamados porque foram escritos com letras maiúsculas. Os códices (cópias completas do NT) mais antigos são o Sinaítico, o Vaticano e o Alexandrino. O Sinaítico foi descoberto em 1844 pelo conde Tischendorf e data da primeira metade do século IV d.C. Já o Vaticano, ainda que conhecido desde 1475, arquivado na Biblioteca do Vaticano, só foi publicado em 1889-1890.

 

  1. Cafarnaum e sua Sinagoga.


 Esse sítio arqueológico à margem noroeste do lago da Galiléia, é destacado no NT (Mt 4.13; 8.5; 11.23; 17.24) em Josefo e no Talmude. As escavações começaram em 1856 e continuaram a partir de 1968. Há uma sinagoga do 2º século d.C, de pedra calcária branca, que tinha um salão com colunas com três portas do lado sul na direção de Jerusalém, galerias superiores e um salão comunitário (ou escola) com colunas no leste. Amostras de cerâmica encontradas no piso de basalto e debaixo dele mostram que essa sinagoga era do 1º século d.C ou antes. A sinagoga mais antiga é seguramente aquela em que Jesus pregou (Mc 1.21), a sinagoga construída para os judeus pelo centurião romano (Lc 7.1-5).

 

  1. A inscrição de Tel Dan.


 Encontrada em 1993 no norte de Israel, a inscrição tem origem na Síria e deve ter sido feita por ordem de Hazael ou de seu filho. Nela aparece a expressão Casa de Davi, referência à dinastia davídiva. É do século 9 a.C

 

  1. A inscrição de Pilatos. Encontrada nas escavações de Cesaréia arítima em 1961, uma estela com a frase Tibério, Pôncio Pilatos, governador da Judéia, é a prova material do conhecido representante de Roma que julgou a Jesus.

 

Nele, que disse que as pedras iam clamar

 

 

                        COLAPSO DA IDADE DO BRONZE

                                 ARQUEOLOGIA N.5 

 

Durante a Idade do Bronze Tardio (1500-1200 a.C.), o Mediterrâneo Oriental ostentava uma rede florescente de grandes impérios que tinham infra-estruturas sofisticadas, as quais o mundo não veria novamente por séculos. Uma destruição inter-regional (atestada na Grécia, Turquia, Israel, Síria, Líbano e Egito), conhecida como o "Colapso da Idade do Bronze" é um dos maiores mistérios da arqueologia.

 

O colapso da Idade do Bronze foi rápida e repentina, dando início a uma chamada "Idade das Trevas" de diminuição da alfabetização, da população, da tecnologia em grande parte do Mediterrâneo Oriental, e na desestabilização e até aniquilação de Impérios.

 

Este colapso é de grande importância nos estudos da Arqueologia Bíblica, pois é exatamente neste tempo que temos, segundo a Bíblia, o Êxodo e a conquista de Canaã pelas tribos israelitas, e a subsequente fase dos Juízes.

 

Percebe-se que estas páginas da história de Israel não estão desassociadas com as mudanças que vêm ocorrendo no mundo ao redor.

 

Existem inúmeras tentativas para explicar este Colapso, como a chegada dos Povos do Mar, pragas, terremotos, mudanças climáticas. Especialistas no assunto chegaram ao concesso que todos estes fatores parecem igualmente estarem inter-relacionados e interdependentes.

 

Um estudo recentemente publicado pela Journal of the Institute of Archaeology of Tel Aviv University pode trazer uma nova luz sobre o assunto.


 Uma análise recente de grãos de pólen em sedimentos na região do Mar da Galiléia e do Mar Morto sugere que a seca pode ter desempenhado um importante papel para o chamado "colapso da Idade do Bronze". Cada planta produz uma impressão de pólen distinta, e os estudos recentes mostram uma diminuição nas árvores que requerem uma grande quantidade de água e um aumento no cultivo de plantas mais resistentes às secas, como as oliveiras, durante o período entre 1250 e 1100 a.C. Quando comparados com os dados das amostras de pólen da Anatólia , Chipre , Síria e do Delta do Nilo , os novos estudos sugerem uma mudança climática mais ampla em todo o Mediterrâneo Oriental na época em questão. O estudo do pólen faz parte de um projeto de investigação científica mais amplo conduzida pelo professor Israel Finkelstein do Instituto Weizmann Steve Weiner , que inclui a análise do DNA e estudos moleculares de dados arqueológicos.

 

Qual a importância disto?

 

Compreender o contexto histórico-cultural desta época, que é a base sobre a qual está edificada a teologia israelita, pode-nos esclarecer os rumos do pensamento religioso do povo hebreu. A federação israelita que está se estabelecendo em Canaã neste período está sendo intimamente influenciada pela geografia local, assim como pelas questões demográficas. A entrada, por exemplo, dos filisteus nas terras canaanitas terão um impacto colossal nos relatos bíblicos. O enfraquecimento dos impérios, decorrentes da desestabilização econômica provocadas pelo Colapso da Idade do Bronze serão imprescindíveis para o estabelecimento israelita na Terra Prometida. Os problemas que os egípcios terão com os Povos do Mar serão um alívio para os recém-chegados à Canaã. Um Egito forte e com suas atenções voltadas exclusivamente para a região seria um problema sério para a conquista e estabelecimento na região.

 

O vácuo de poder na Palestina provocado pela desestruturação dos impérios e das confederações canaanitas, especialmente provocada pelas migrações dos povos, a chegada e passagem dos Povos do Mar, que também se deslocavam por terra, trouxe aos conquistadores israelitas o solo fértil para suas ações.

 

Em poucas palavras, caso não tivéssemos o Colapso da Idade do Bronze, a História Bíblica e Mundial seria certamente muito diferente.

 

A pergunta que se pode fazer então é: Tudo é fruto do acaso, ou estamos diante de um intervencionismo orquestrado? Estaríamos diante de uma evidência de interferência extra-humana na nossa História? Quem estaria por trás desta "manipulação"? Seria esta a única evidência de um intervencionismo em nossa História?  Os fatos históricos mostrarão que "coincidências" como esta se espalham por todas as páginas da História!  fonte bibliaarqueologia.blog

fonte   www.avivamentonosul21.comunidades.net