Translate this Page

Rating: 3.0/5 (890 votos)



ONLINE
9




Partilhe este Site...

 

 

<

Flag Counter


Arqueologia biblica de Israel e Jerusalém (7)
Arqueologia biblica de Israel e Jerusalém (7)

            

              ARQUEOLOGIA BIBLIA PANORAMA GERAL 

 

ar -Ke -ol'o -ji , krit'i -siz 'm: Arqueologia, a ciência de antiguidades, é neste artigo limita ao campo bíblico, um campo que foi por diversas vezes delimitado (De Wette, 1814, Gesenius), mas que inclui adequadamente não só todos os fatos antigos que carregam sobre a Bíblia que tinha sido perdido e foram recuperados, mas todos os restos literários de rolamento antiguidade sobre a Bíblia e, também, como de primeira importância, a própria Bíblia (Hogarth, Autoridade e Arqueologia , vi).

 

Âmbito do artigo

 

A crítica, a arte de escrutínio, é limitado aqui, principalmente, mas não exclusivamente, para a crítica literária da Bíblia, agora, seguindo Eichhorn, comumente chamado de Alta Crítica. Assim, "Arqueologia e Crítica", o título deste artigo, destina-se a designar o rolamento da arqueologia de terras bíblicas sobre a crítica, especialmente a Alta Crítica, da Bíblia. O assunto assim definidas as chamadas para a discussão de, I. O que a arqueologia pode fazer no caso - os poderes, direitos e autoridade, isto é, a função da arqueologia na crítica; e II. O que a arqueologia tem feito no caso, os efeitos resultantes de tal evidência arqueológica, ou seja, a História do rolamento da arqueologia sobre a crítica da Bíblia.

 

  1. Função

 

A função da arqueologia na crítica só recentemente foi dada muita atenção e as opiniões nele têm variado muito.

 

(A) Ignorado pelos enciclopedistas

 

Enciclopedistas bíblicos em geral, até o mais recente, não ter dado este assunto um lugar em tudo (Hastings Dicionário da Bíblia , Enciclopédia Bíblica , Smith, Dicionário da Bíblia , Kitto, Enciclopédia de Literatura Bíblica , Hamburger, Veja Hauck-Herzog, Realencyklopadie fur Theologie und Kirche protestantische , Eadie, Enciclopédia Bíblica ). De McClintock e Strong Enciclopédia Bíblica e Eclesiástica Literatura tem um artigo sobre "Arqueologia Bíblica", que consiste inteiramente de bibliografia, também um artigo de carácter geral sob o título "Sac. Ant." The New Schaff-Herzog Encyclopedia of Religious Knowledge Enciclopédia tem um artigo, O Enciclopédia Católica de 1907, tem um artigo sob o título "bíblico Antiguidades", ea Enciclopédia Judaica de 1902, tem um artigo de cinco páginas sobre "Arqueologia Bíblica" Mas a função da arqueologia na crítica não há quase nada a lugar nenhum.

 

(B) Variously estimado pelos críticos

 

Os críticos têm variado muito em sua estimativa do valor da arqueologia na crítica, de acordo com suas preferências individuais e suas teorias críticas, mas até muito recentemente arqueologia em geral, não foi dado um comando, ou mesmo um proeminente lugar na crítica. Wellhausen parece declarar para o domínio da arqueologia da crítica no início de sua história de Israel , embora muito ignora-lo nas páginas que se seguem ( História de Israel , 12). Driver ( Autoridade e Arqueologia , 143-50), acredita que "o testemunho de arqueologia, por vezes, determina a questão decisiva", mas é "muitas vezes estranhamente mal interpretado", e as derrotas de críticas nas mãos de arqueologia muitas vezes são "puramente imaginária" ( LOT , 1897, 4). Orr pensa "lances arqueologia justos antes de tempo para controlar tanto a crítica e história" ( POT , 305-435). Eerdmans, sucessor de Kuenen em Leyden, definitivamente e absolutamente rompe com a escola de Wellhausen de críticas, principalmente pela razão de que a arqueologia tem desacreditado o seu ponto de vista ea atmosfera histórica com a qual eles cercaram o Antigo Testamento. Wiener, o mais proeminente dos críticos judeus recentes, também acredita que uma apreensão adequada da natureza das instituições, os costumes antigos, documentos e códigos, ou seja, a arqueologia, e especialmente a arqueologia da própria Bíblia, é claramente decisiva em sua influência sobre a questão levantadas pela escola Wellhausen ( BS , 1908-1910).

 

(C) Instado por arqueólogos

 

Os arqueólogos geralmente por um longo tempo foram apresentar as reivindicações superiores de sua ciência na polêmica crítica (Brugsch, Egito sob os faraós ; Naville, Recueil de Travaux , IV, NS; Petrie, hicsos e israelitas Cidades , capítulos I a IV; Pesquisas em Sinai, 188-223; Spiegelberg, Aufenthalt Israels em Aegypten ; Steindorf, Explorations in Terras Bíblicas (Hilprecht), 623-90; Sayce, alta crítica e os monumentos ; Hommel, antiga tradição hebraica , XI; Jeremias, Das alte Testamento im Lichte des Alten Orients ).

 

A função da arqueologia na crítica, como totalmente trazida à luz por uma discussão recente, é a seguinte:

 

1 Contexto Histórico

 

Arqueologia fornece o verdadeiro cenário histórico das Escrituras. Na crítica de uma pintura, é de extrema importância para pendurar o quadro corretamente antes de crítica começa. Não é muito diferente na crítica de literatura, e especialmente a literatura bíblica. Os patriarcas e profetas e salmistas são os "velhos mestres" da espiritualidade e da literatura religiosa; suas produções nascessem sob certas sociais, políticos, morais e religiosos condições e dentro de certos ambientes de influências, inimigos, oportunidades, tentações e privilégios espirituais. É só a arqueologia que pode pendurar suas fotos corretamente, e é só quando assim pendurado que a verdadeira crítica está pronto para começar. O crítico é somente então um crítico quando ele viu como a arqueologia tem pendurado a imagem ( BST , 1906, 366).

 

2 Orientação de Métodos

 

Arqueologia dá orientações aos métodos de crítica. Isso ele faz; ( a ) Pressupostos:

 

No que diz respeito aos pressupostos . Pressupostos são inevitáveis ​​de nossas constituições mentais, e necessário para a consideração de qualquer assunto, uma vez que todos os indivíduos não podem ser considerados ao mesmo tempo. Mas os nossos pressupostos são naturalmente, em grande medida, os provocados por nossa própria experiência e ambiente, até que sejamos de outra forma indicado. Como é só a arqueologia que é capaz de nos instruir sobre as circunstâncias exatas de certas porções da Bíblia, é evidente que, nessas partes, sem a instrução que a arqueologia pode dar, não podemos ter a certeza de pressupostos corretos no crítico.

 

( b ) Cânones:

 

Arqueologia dá orientações sobre os cânones da crítica. É de extrema importância que a literatura deve ser julgado apenas pelos cânones seguidos por seus próprios literatos. Os restos literários inumeráveis ​​do Egito e da Babilônia revelam métodos e padrões muito diferentes uns dos outros, e ainda mais diferentes daqueles da literatura ocidental moderna, mas exibindo a um grau acentuado as peculiaridades literárias do Antigo Testamento. Na literatura babilônica, muita atenção é dada a cronologia de época. Na literatura egípcia, relativamente pouca atenção é dada a cronologia, e que não há cronologia, raramente é de época, mas de qualquer sincronicidade ou meramente historianic. No Antigo Testamento, há uma mistura de todos estes tipos de cronologia. Mais uma vez, na literatura babilônico, existe cuidado e algum grau de precisão; na literatura egípcia, descuido, desleixo e imprecisão são provocadoramente freqüente. As Escrituras do Antigo Testamento são, a este respeito, em flagrante contraste com estas outras literaturas, ye t em nenhum lugar na antiga literatura oriental existe a rigidez matemática da declaração exigida na literatura ocidental hoje; Por outro lado, há freqüentemente uma breve e abrupto do método literário que, para as mentes ocidentais, parece ser fragmentário de documentos. A tentativa de elucidar literatura oriental na Bíblia e fora dela, aplicando aos mesmos testes e padrões da literatura ocidental não é menos desastroso do que seria a tentativa de julgar a literatura ocidental por essas peculiaridades orientais.

 

( c ) Forma Literária:

 

Arqueologia dá orientação sobre a forma literária . Grande parte da definitividade e da unidade da literatura moderna é devido às artes de impressão e encadernação de livros. Toda a literatura arqueológica de terras bíblicas, faltando, como o faz, a influência destas artes, é, na forma, por tempo indeterminado, ou fragmentário, ou ambos. Essas peculiaridades na forma e as causas da mesma, a arqueologia torna muito simples por ilustração abundante. Ele deixa claro, também, que fragmentário e indefinição na literatura oriental, na medida em que surge a partir da forma literária e não de destruição parcial de documentos, não milita contra a integridade sábios.

 

( d ) Interpretação:

 

Arqueologia dá orientação sobre interpretação . Arqueologia nos adverte do truísmo, muitas vezes negligenciado, que uma língua ou literatura significa apenas o que se entende por aqueles de quem se trata, de modo que o etimológico, métodos sintáticos e especulativos de interpretação empregado na crítica, a fim de ser confiável, deve ter o apoio do método histórico. Na ausência desse apoio, mais especialmente se a história contemporânea como revelado pela arqueologia ser antagônicas, interpretação, embora apoiada por todos os outros métodos de crítica, é muito precária. A interpretação de uma rubrica pelos métodos etimológicos e analíticas podem ser parcialmente ou totalmente derrubado por uma única imagem ou uma breve descrição do padre no altar. Por exemplo, é muito inquietante para comparar as observações de comentadores de referências bíblicas para o culto em lugares altos com os fatos revelados pela recente descoberta de lugares altos e ao culto lá realizado (Macalister, FIPs , 1903, 23-31; Robinson , BW , janeiro de 1901, janeiro de 1908, 219-25, 317-18; Vincent, Canaã , 144). Arqueologia deve orientar na interpretação de literatura antiga, se o que acaba de ser desenterrado, como as recentes descobertas de manuscritos e monumentos, ou o que nunca foi perdido, como na própria Bíblia.

 

  1. Fatos para testar as teorias

 

Arqueologia fornece fatos com que as teorias de teste.

 

Fatos e crítica correta de acordo:

 

Não pode haver antagonismo real entre os fatos da arqueologia e uma crítica literária correta de documentos fidedignos. Mas quem ou o que é determinar quando a crítica é correta? Se houver conflito entre os fatos da arqueologia e as conclusões da crítica, que deve dar lugar? Para fazer a pergunta é respondê-la. A teoria deve sempre dar lugar aos fatos. "Onde o testemunho de arqueologia é direto, é do mais alto valor possível, e, via de regra, determina uma questão decisiva, mesmo onde é indireta, se for suficientemente circunstancial e precisa, pode fazer um acordo altamente provável" (Motorista, Autoridade e Arqueologia , 143).

 

Essa prerrogativa de fatos arqueológicos no teste de teorias críticas devem, então, ser necessariamente dado amplo reconhecimento e positiva.

 

(A) teorias precisam Atestado

 

Nenhuma teoria é para ser finalmente aceito e ser aplicáveis ​​a fé ea vida até testado e comprovado por fatos; se é uma teoria no campo da Natureza, pelos fatos da Natureza; se no campo da experiência, por fatos da experiência; se no campo da história, byfacts da história. O Mestre traz ainda a revelação para este teste, quando Ele diz: "Se alguém quiser fazer a vontade dele, conhecerá a respeito da doutrina, se ela é de Deus, ou se eu falo de mim mesmo" ( João 7:17 ). Qualquer coisa na Bíblia pode ser desacreditado pela teoria; como tudo no céu e terra pode ser - na verdade, tem sido - desacreditado pela teoria. Pode-se abandonar a segurança de estrada para a aparência mais atraente, mas não confirmado de um deserto oriental, como transformar a sua vida de lado para uma teoria atestada pelo fato. No entanto aperfeiçoar a aparência, pode, afinal, ser apenas a miragem, eo peregrino decepcionado nunca pode voltar ao caminho seguro. Vamos teoria primeiro ser confirmado pela verdade; , então ele pode ser recebido na vida.

 

(B) O sucesso não Atestado

 

Mesmo uma teoria que reúne todas as condições conhecidas do caso em questão não é por esse fato provou ser verdadeiro e, portanto, a ser recebido na vida. O perigo mais atraente para que a crítica está sujeito é o pressuposto contrário, que uma teoria que reúne todas as condições conhecidas do caso em questão é, portanto, provou ser verdade. Este não é o caso. Tal teoria deve, além disso, ser corroborada pelos fatos trazidos à luz de forma independente, ou por mistérios desbloqueado; e mesmo que os mistérios ser desbloqueado, a teoria não é necessariamente uma teoria totalmente correto - a chave que transforma o bloqueio deve ser algo como a chave que pertence a ele, mas pode, afinal, ser uma chave falsa. Não deve, em qualquer caso, se de mistérios desbloqueado ou de fatos de outra forma trazida à luz, ser uma evidência independente, genuíno, além da capacidade de adaptação da teoria para todas as condições conhecidas do caso em questão. E, além disso, uma teoria não deve apenas ser capaz de passar no teste de alguns fatos adicionais, mas o teste de todas as condições impostas por quaisquer fatos adicionais trazidos à luz, e ser capaz, também, de incorporar esses novos fatos tão naturalmente como os sobre a qual a teoria foi originalmente construído.

 

(1) Teoria na Vida

 

O problema não é determinar um ou vários dos modos pelos quais um evento pode ter ocorrido, mas a maneira em que ele ocorreu. Uma teoria que atende a todas as condições do caso em questão pode ser uma das várias maneiras em que o evento poderia ter ocorrido, mas apenas por provas independentes, genuíno, comprobatória é qualquer teoria a ser atestada como a maneira em que o evento realmente aconteceu. Que esta declaração do caso está correto em experiências de vida , temos provas abundantes no processo nos tribunais. O procedimento mais cuidadoso não inteiramente evitar falsas convicções. O promotor apresenta uma teoria da prática de um crime, que atende a todas as condições do caso, como feito pela evidência, convence doze jurados, e garante uma condenação. No entanto, por vezes, mais tarde, ele é descoberto que outra pessoa cometeu o crime de uma forma totalmente diferente. Que o ditado em discussão, é inaplicável a literatura é igualmente bem estabelecida.

 

Sir Peter LePage Renouf discutiu com grande acuidade e força que é possível atribuir significados a um roteiro desconhecido, dar significados às palavras assim formados, construir uma gramática e traduzir inscrições como declarações históricas e fazer bom sentido, embora não seja um único sinal, ou palavra, ou construção, ou pensamento estar correto ( Life-obra , I, 6, 7). Ele diz de tal método: "Não é difícil fazer os Dez Mandamentos, os Salmos de Davi, os poemas homéricos, ou as Melodias irlandesas, em qualquer monumento antigo ou moderno que seja, e em qualquer idioma, por favor."

 

(2) Teoria da Literatura

 

Exemplos reais na realização da tese de aviso do Renouf não está querendo. Os esforços grotescos, mas confiantes, na decifração dos hieróglifos egípcios antes da descoberta da Pedra de Roseta não são esquecidos. Dr. Budge diz ( The Mummy , 124): "Em tempos mais modernos, o primeiro escritor em qualquer comprimento em hieróglifos era Athanasius Kircher, o autor de algumas obras pesadas em que ele fingiu ter encontrado a chave para as inscrições hieroglíficas, e traduzi-los. Apesar de ser um homem de grande aprendizado, deve ser claramente dito que, julgado por estudiosos de hoje, ele seria considerado um impostor ". Joseph de Guignes (1770) afirmou que a China foi colonizada por egípcios e os caracteres chineses só degenerar hieróglifos egípcios. Falhas semelhantes na tentativa de decifrar os hieróglifos hititas e traduzir as inscrições hititas deve formar lembranças dolorosas para ilustres estudiosos ainda vivo, cujos esforços, estendendo-se, em alguns casos, não só para as listas de sinais, mas a silabários, vocabulários, gramáticas e traduções, são agora , em parte, e, em alguns casos, na sua globalidade , rejeitado pelo conjunto aprendido mundo. No entanto os esforços atuais ou futuras de sucesso desses estudiosos pode vir a ser, eles têm, pelo menos em parte, se repudiou as suas obras antigas. A teoria mais plausível de uma literatura, ainda que parecem abraçar cada detalhe, pode, afinal, ser considerado, como em um ou dois dos exemplos acima referidos, totalmente falsa, quando testado pelos princípios da filologia e os fatos da história contemporânea.

 

(3) Teoria da História

 

Os perigos da teoria não confirmado na vida e na literatura são ainda maiores na história , o que, na sua forma atual, mas a vida é escrita, experiências humanas dedicadas à todos os acidentes e convencionalismos da literatura. As advertências aqui da história e da literatura egípcia e clássica não devem ser desconsideradas. Menes e outros primeiros reis do Egito foram declarados pelos críticos de ser meros personagens mitológicos; Da mesma forma Minos de Creta; e as histórias de Troy e seus heróis foram disse pertencer a "cloudland." Mas as espadas de Petrie em Abydos ( Tumbas Reais ), de Evans em Cnossos ( Quarterly Review , Outubro, 1904, 374-95), e de Schliemann em Tróia ( Ilios: Cidade e País dos troianos ), mostraram a "cloudland "como terra sólida, e os heróis fantasmagóricas ser homens substanciais de carne e osso. Se quisermos aprender alguma coisa com a experiência, certamente, nenhuma teoria de qualquer história sagrada ou profana é para ser aceito como definitivo até testado e comprovado por fatos.

 

(C) Fonte dos fatos necessários

 

Só arqueologia está trazendo quaisquer novos fatos sobre as questões levantadas pela crítica. Crítica produz apenas teorias; combina factos, mas produz nenhum. Os exegetas e comentaristas raramente, ou nunca, agora trazer à luz novos fatos qualquer mais do que hoje em dia os filósofos dar ao mundo novos pensamentos. Uma inundação de luz é, de fato, servindo através da página do exegeta eo comentarista nestes últimos dias, o que torna seu trabalho inestimável mais útil para a interpretação, mas a fonte de luz que não é nem crítica nem exegese, mas a arqueologia. Arqueologia é o que define a par da história bíblica os fatos da vida contemporânea e, portanto, ilustra literatura bíblica e métodos literários de literatura contemporânea e os métodos de literatos contemporâneos, e que faz com que a pureza, santidade e divindade das coisas de revelação se destacam em sua própria luz gloriosa, definindo ao redor deles, das sombras do ritual contemporâneo e da moralidade e da superstição.

 

(D) Escopo de Função

 

Por isso, nenhuma teoria crítica da Bíblia é para ser finalmente aceitou e fez uma parte da nossa fé até testado e comprovado por fatos arqueológicos. Mesmo Wellhausen, por mais longe que se afasta deste princípio no decorrer de sua crítica, parece colocá-lo para baixo como fundamental para o início de sua história de Israel , quando ele diz: "A partir do local onde o incêndio foi acesa pela primeira vez os homens do fogo manter-se longe, quero dizer o domínio de antiguidades religiosas e idéias religiosas dominantes - que toda a região como Vatke em sua teologia bíblica marcou-lo, mas só aqui, onde o conflito se acendeu, ele pode ser levado a uma conclusão definitiva "(. História de Israel , 12). GA Smith cita também com a aprovação destas palavras de Napoleão ( Campagnes d'Egypte et de Syrie dictées par lui-même Napoléon , II): "Ao acampar sobre as ruínas das antigas cidades, alguém ler a Bíblia em voz alta todas as noites na barraca de o General-em-Chefe. a verossimilhança ea veracidade das descrições foram surpreendentes. Eles ainda estão adaptados para a terra depois de todas as idades e as vicissitudes. " Mas o Dr. Smith acrescenta: "Isto não é mais do que verdadeira, ainda que não nos leva muito longe .... Tudo que a geografia pode fazer é mostrar ou não as situações são possíveis no momento em que eles são atribuídos; mesmo esta é uma tarefa muitas vezes além dos nossos recursos "( HGHL , 108). Assim, os críticos, enquanto aqui e ali reconhecendo o bom funcionamento de arqueologia na crítica, não até agora permitiu muito espaço no exercício dessa função.

 

  1. História

 

Limitações de Discussão

 

A história da arqueologia na crítica a ser estabelecido aqui tem a ver principalmente com o teste de teorias críticas por fatos arqueológicos. As contribuições da arqueologia para o fornecimento do cenário histórico das narrativas bíblicas constituem uma grande parte deste e todos os dicionários da Bíblia. A história da orientação dos métodos críticos de informação arqueológica está em formação. Dificilmente pode ainda ser considerado qualquer para gravar.

 

A Wide Field

 

O campo aberto para o teste de teorias críticas pelos resultados da pesquisa arqueológica é tão variado e tão prolongada que só um esboço pode ser dada aqui. Afirmações extravagantes a respeito do resultado deste teste foram feitas tanto por alguns críticos e por alguns dos seus adversários; como quando Dr. Motorista diz, após exceto os pontos sobre os quais as provas da arqueologia é neutro, "Em todos os outros pontos os fatos da arqueologia, tanto quanto eles são, actualmente conhecida, harmonizar inteiramente com a posição geralmente adotada pelos críticos" ( Autoridade e Arqueologia , 145); ou como quando o astrônomo, C. Piazzi Smyth, pensei que a grande pirâmide provou a "sabedoria dos egípcios" ter incluído alguns dos problemas abstrusos da matemática superior; e Dr. Seiss, em sua Miracle in Stone , estava confiante de que o mesmo monumento colossal do Egito definitivamente retratou algumas das posições extremas da teologia pré-milenista.

 

Algumas das instâncias do teste de teorias críticas sobre as Escrituras pelos fatos da arqueologia, para que provas históricas inquestionáveis ​​podem ser oferecidos, são apresentados aqui.

 

  1. Teorias que não afetam historicidade ou Integrity

 

Muitas teorias críticas, nomeadamente as que não afetam a historicidade ou a integridade das Escrituras, isto é concordante com o valor de face das Escrituras, foram confirmados e outros desacreditada.

 

(A) Teorias Corroborada

 

(1) Geografia e Topografia

 

A teoria da geográfica e topográfica confiabilidade das Escrituras, ou seja, que as pessoas, lugares e acontecimentos da Bíblia encontram-se exatamente onde a Bíblia coloca. As tentativas de diminuir a importância deste comprovação geográfica e topográfica da confiabilidade das Escrituras têm sido feitas (Motorista, Autoridade e Arqueologia , 148; também LOT , xi; Smith, HGHL , 108), mas essas tentativas não são satisfatórios. A teoria da exactidão das declarações bíblicas tem sido de aceitação quase universal; arqueólogos equipado expedições caros, de acordo com ele, a exegese lhe permitiu entrar em suas conclusões, a discussão prosseguiu-se no pressuposto de sua correção, o corpo inteiro de identificações que compõem a geografia bíblica e topografia atestar isso, e toda a lista de geografias sagradas, uniformes em todos os detalhes essenciais, estão em evidência em apoio desta teoria, mesmo as obras desses escritores que falaram depreciativamente dele.

 

(2) História das Nações

 

A teoria da etnográfico exatidão das Escrituras. Que a relação entre os povos, como indicado na Escritura é correta, tem sido uma teoria que trabalha para todos os efeitos gerais e só partiram para fins especiais. Kautzsch diz ( Die Bedeutung des bleibende Alttestaments , 17): "A chamada Tabela das Nações continua a ser, de acordo com todos os resultados de exploração monumental, um documento original etnográfica de primeira ordem, que nada pode substituir." O progresso da pesquisa arqueológica confirmou essa teoria geral de trabalho e todos os anos acrescenta nova confirmação no que diz respeito a itens específicos que, para algum fim especial, foram representados como contra a teoria. Que a teoria geral da correcção das relações tribais na Escritura foi, e está sendo sustentada, é indiscutível (Hommel, antiga tradição hebraica ; Gunkel, Israel und Babylonien , capítulo VI; Sayce, Patriarcal Palestina , capítulo II; Winckler, OLZ , 15 de dezembro de 1906; Budge, História do Egito , I; Orr, POT , 400-401, 529-30). VejaTabela das Nações .

 

(3) Precisão da Escritura

 

A teoria da exatidão das Escrituras em ambos os originais e as cópias. Toda teoria de inspiração postula isso em maior ou menor grau, ea teoria analítica mais prevalente estendeu pela crítica, com suas listas de palavras que indicam, como é afirmado, a autoria, exige, para a sua própria vida, um grau de precisão e invariableness no uso das palavras, tanto na escrita de originais ea transmissão deles por copistas maior do que a exigida por qualquer teoria mais exigente de inspiração. Sempre que foi possível testar as declarações das Escrituras em seus avisos históricas numerosas e referências, a arqueologia tem encontrado correto a um grau notável, e que na sua forma actual e até mesmo em peculiaridades de declaração minuto (Brugsch, edição Broderick, Egito sob faraós , capítulos V-VI; Sayce, Patriarcal Palestina ; Naville, Recueil de Travaux , IV, NS; Petrie, Tafnes ; Tompkins, The Age of Abraham ; Clay, Luz no Antigo Testamento a partir de Babel ).

 

(4) Imagery Bíblia

 

A teoria da correção das imagens da Bíblia. Esta é outra das teorias de trabalho fundamentais e universais da crítica que é, no entanto, por vezes esquecido. Seja qual for a teoria da autoria ea origem dos vários livros da Bíblia, há sempre, com apenas algumas exceções especiais, o pressuposto subjacente por parte dos críticos da justeza das imagens refletindo a topografia, a flora ea fauna, as estações e os costumes. De fato, sobre a confiabilidade das imagens, como sobre a exatidão no uso das palavras, a crítica depende. E esse pressuposto subjacente de críticas de todos os matizes foi confirmado indiscutivelmente em suas características gerais, e está sendo confirmada a cada ano em seus mínimos detalhes, e mesmo nesses casos muito especiais em que foi disputado. Para este fim testemunhar toda a companhia dos residentes orientais, os viajantes inteligentes e investigadores científicos (Thomson; Van Lennap; Robinson; Stanley; Palmer, Deserto do Êxodo ; Trumbull, Cades Barnea , Clermont-Ganneau, arqueológicos Pesquisas ; Van Dyke, Out of Portas na Terra Santa ).

 

Além dessas teorias de caráter geral, alguns respeitantes aos dados pode ser notado:

 

(5) Jardim do Éden

 

A teoria da localização do Jardim do Éden, em algum lugar no vale do Eufrates. Esta teoria foi praticamente universalmente aceito e, enquanto ele ainda não está definitivamente de fundamentada, está recebendo corroboração acumulada ao longo de linhas etnológicas. Sempre que é possível rastrear as linhas de emigração dos primeiros países mencionados na Bíblia, é sempre achei que a direção final é em direção a uma determinada área relativamente pequena na Ásia ocidental.

 

(6) O Dilúvio

 

A teoria geológica sobre a inundação de Noé como a última grande mudança nos níveis de terra está sendo mais exatamente confirmada, não só por investigações sobre a história glacial, mas pela análise dos registros do cataclismo deixou sobre as montanhas e vales da Ásia central e ocidental (Wright, era do gelo na América do Norte , e confirmações científicas da história do Antigo Testamento , capítulos VII-XI). VejaDILÚVIO .

 

(7) Sodoma e Gomorra

 

A teoria geológica da destruição das cidades da planície foi exatamente confirmado pelo exame dos estratos; uma região betuminoso, uma grande camada de sal-gema tampado por margas e conglomerados do enxofre-rolamento cimentados por betume, uma explosão de gases reprimidas, que recolhem em tais formações geológicas, soprando o enxofre queimando no ar, e as águas do Jordão descendo para dissolver o sal do estrato de sal-gema ruptura - tudo isso proporciona exatamente o que a Bíblia descreve e para as condições encontradas lá hoje; a coluna de fumaça subindo para o céu, a chuva de fogo e enxofre caindo para trás a partir do sopro-off cratera, a captura de mulher de Ló na beira do cataclismo e sua incrustação com sal (Wright, Confirmações Científicas da História do Antigo Testamento , 144; Blankenkorn, ZDPV ,XIX , 1).

 

(8) hicsos e Patriarcas

 

Há muito tempo se pensou que poderia haver alguma relação entre os misteriosos reis hicsos do Egito e os Patriarcas para explicar a recepção favorável, mesmo distinção real, dado o último. Esta teoria da relação foi muito plenamente estabelecida pelas descobertas de Petrie em Tell el-Yehudiyeh (Petrie, hicsos e israelitas Cidades , 1-16). Ele não mostrou a que raça hicsos pertencia, mas ele mostrou seu caráter tribal, que eram, como seu nome indica, "príncipes beduínos", líderes das tribos nômades ou semi-nômades do Alto e Baixo Ruthen, ou seja, Síria e na Palestina, e do norte e oeste da Arábia, assim como os Patriarcas, para que este último foi mostrado pela primeira, a consideração de uma "beduíno príncipe" para outra.

 

(B) Teorias Desacreditado

 

(1) Uncivilized Canaã

 

A imagem interessante, que estava acostumado a ser desenhado de Abraão deixando todos os seus amigos e civilização atrás dele para se tornar um pioneiro em uma terra bárbara se escureceu e dimmer e finalmente desapareceu completamente na crescente luz da história contemporânea revelada pela babilônico e descobertas palestinos (Vincent, Canaã , capítulos I-II).

 

(2) No que diz respeito Melquisedeque

 

Quanto Melquisedeque, "sem pai e sem mãe" ( Hebreus 7: 3 ), Tell el-Amarna Letters , embora não totalmente proporcionando as informações necessárias, ter posto em fuga de uma série de fantasias de comentaristas antigos, e apontou para o lugar de Melquisedeque em um linhagem de reis em Jerusalém de título único renunciando a qualquer direito hereditário da coroa. "Não era o meu pai e não era minha mãe, que me estabeleceu nesta posição, mas foi o braço poderoso do próprio rei, que me fez mestre das terras e posses de meu pai." Este título, sobre a tradução correta de que tem havido muita controvérsia, não ocorre apenas uma vez, mas parece ter sido exigido a cada menção formal da soberania do rei (Budge, História do Egito , IV, 231-35).

 

(3) Cronologia Oriental

 

A teoria da cronologia dos primeiros trechos do Velho Testamento, o que tornou a sê-lo exatamente no princípio do sistema de cronologia em voga no mundo ocidental hoje, o que, de fato, assumiu que não poderia haver outro sistema de cronologia, e que foi universalmente aceito como uma hipótese de trabalho por todas as classes de críticos e comentaristas até muito recentemente, tem sido bastante modificada, se não totalmente desacreditado, tanto por pesquisa arqueológica e etnológica. Qualquer que tenha sido o sistema e método de cronologia em uso na história bíblica cedo, certamente não era a mesma que a nossa cronologia de época baseado em tempo astronômico exato. As primeiras cronologias do Oriente eram geralmente historianic, muitas vezes sincrônica, mas muito raramente epocal. A primeira, e, geralmente, a única, a intenção da atual cronologia é a crônica do vôo do tempo; os antigos sistemas do Oriente muitas vezes introduziu um elemento moral; eventos, em vez de tempo, foram a crônica, eo tempo em que nada aconteceu eo homem que nada realizado estavam aptos a ser passado em silêncio. Às vezes crônicas foram dispostas simetricamente, e novamente a concepção visionária de tempo encontrados em toda a profecia parece às vezes ter prevalecido na escrita da história. Certo é que o antigo pensamento oriental considerada relação do homem com a vida como de muito maior importância do que a sua relação com o tempo - uma concepção mais profundamente moral da cronologia do que o nosso (Green, BS , de abril de 1890, 285-303).

 

  1. Teorias afetar a integridade ou historicidade das Escrituras

 

Muitas teorias críticas atacando a integridade ou a historicidade das Escrituras, as teorias reconstrutivas ou seja, foram totalmente desacreditada por evidências arqueológicas, e, em alguns casos, abandonados por aqueles que os detidos (compare Motorista, Genesis , adendos, 7 ª edição, xx).

 

(A) O desconhecimento da Patriarcal Idade

 

A ignorância da idade patriarcal era uma vez uma fortaleza de fronteira que ameaçava longe todas as pretensões literárias para além desse limite. Esta ignorância, mas nunca realizada por todos os defensores de uma crítica reconstrução, foi realizada por alguns. Von Bohlen zombou da idéia da "horda indisciplinada" que possui conhecimento das leis ( Gen , 29-41; comparar Reuss, Gesch des Altes Testament , 96; Dillmann, Nu e Josh , 594). Dr. Motorista diz, de fato, "Não se pode negar que os patriarcas possuíam a arte da escrita", mas acha que a posse de uma literatura por eles uma mera hipótese, pois a verdade de que nenhum terreno positivo pode ser alegado ( Gen , XLII -xliii; também Orr, POT , 375). Que esta teoria é absolutamente abandonado por todos dificilmente precisa ser declarado. A descoberta da existência de um sistema postal em Canaã, nos dias de Naram Sin (Sayce, Arqueologia das inscrições cuneiformes , 143; Heuzey, Revue d'Assyriologie , 1897, 1-12), a conformidade estrita de muitos dos costumes patriarcais e eventos para o direito escrito, como revelado pela descoberta do de DeMorgan Código de Hammurabi, Descoberta do Dr. Murch Tell el-Amarna Letters , porque revelam a ampla difusão da arte de escrever cerca de 130 anos antes do Êxodo, juntamente com a gradual empurrando para trás pela evidência epigráfica da data da origem da escrita hebraica (Clay, Amurru , 30-32), e as provas contundentes, a partir de escavações recentes, da cultura geral e refinamento de patriarcal Palestina, enquanto ainda não dar a conhecer plenamente o estado EXAC t da civilização patriarcal, fez qualquer teoria da ignorância de que a idade impossível.

 

(B) Ideias Religiosas em Canaã

 

A teoria do nômade , condição semi-bárbaro da Palestina e da impossibilidade de idéias religiosas elevadas entre os patriarcas antes do Êxodo (Kuenen, Rel de Israel , I, 108-109), embora uma conexão mais estreita com o anterior, exige separado aviso prévio. Esta teoria é essencial para a visão evolucionária atual da história de Israel e foi definitivamente adotada por quase todos segurando esse ponto de vista (GA Smith, The Expositor , 1908, 254-72; comparar POT , 60). Esta teoria, embora menos importante ot suas escolas de críticos, foi de fato realizada por quase todos os comentaristas. Mas a descoberta dos primeiros paredes e cisterna-trabalho em Tanac (Sellin), e as obras de engenharia sobre as defesas e os de água da fábrica em Gezer (Macalister e Vincent, FIPs ), eo 40-ft. muralha da cidade retratada na ilustração egípcia da guerra cananeu (Petrie, Deshasha , IV plural), bem como a lista dos mais ricos despojos feita pelo ThothmesIII (Sayce, Arqueologia das inscrições cuneiformes , 156-57; Birch, RP, primeiro ser, II, 35-52; Lepsius, Denkmaler , ABTH III, bl 32, 32A, 30A, 30B,.. Auswahl , III, L. 42-45), o que dificilmente poderia ser repetido por todos os museus do mundo de hoje, testemunham igualmente para a cultura de luxo e requinte dos tempos. Tudo isso, além da massa de evidência contra a ignorância da idade patriarcal (ver (a) acima), esmagadoramente sustenta a opinião de W. Max Müller que "a civilização da Palestina na era patriarcal era totalmente igual ao dos Egito. "

 

(C) Evolutionary History

 

A teoria da evolução da história de Israel , principalmente a partir de uma origem palestina e meio ambiente (Budde, Hist de Israel antes do Exílio , especialmente 77; Kuenen, Hist de Israel , 225; Wellhausen, Hist de Israel , 462). Descobertas Palestina estinian mostram um contraste entre a religião original dos hebreus ea religião dos povos vizinhos de Canaã tão marcada como ele pode muito bem ser. A evidência não é de todo de uma religião mais pura crescendo fora da cultura vil da Palestina, mas de puro re ligion descendo e sobrecarregá-lo ( FIPs , 1902-9; GA Smith, Mod Crítico e da pregação do.. Antigo Testamento , Capítulo IV, especialmente 142; FIPs , 1905, 287-88).

 

Descendo agora a algumas das grandes massas de dados, podemos citar:

 

(D) A mitologia ea Bíblia

 

A teoria do lendário personagem dos quatro reis de Gen 14, e dos hititas ; e teoria geral do personagem mitológico dos primeiros trechos da Bíblia. Os quatro reis foram chamados de "sheiks mesquinhas do deserto", e os seus nomes "invenções etimológicas". O caráter histórico da conta desses reis foi totalmente desacreditada por muitos. Nöldeke em seu Untersuchungen chega ao resultado de que a história (Gen 14) é ao longo de uma "criação livre", e na pessoa de Melquisedeque uma "figura poética." E Wellhausen pensa Nöldeke deu o "golpe de misericórdia" para a historicidade da história (Wellhausen, Comp. do Hexateuco , 311-12). Ed. Meyer é da mesma opinião que Nöldeke, mas exprime-se de forma ainda mais desfavorável ( Gesch , 136). Hitzig, no entanto, vai ao extremo de depreciação, quando ele vê na expedição de Chedorlaomer apenas um esboço da invasão por Senaqueribe ( 2 Reis 19:13 ). Delitzsch dá uma revisão muito abrangente desses críticos que consideravam esta narrativa dos reis como a lenda de pequena ou nenhuma base histórica ( Gen , I, 396-99; comparar Dillmann, Gen , II, 32-33). Além disso, o personagem mitológico dos primeiros trechos da Bíblia em geral teve defensores ardorosos (Stade, Gesch , 129-30; Schultz, Teologia do Antigo Testamento , I, 31; Wellhausen, Gesch Israeis , 317-20).

 

(1) Chedorlaomer e Aliados

 

Mas os quatro reis apareceram em descobertas arqueológicas. Embora ainda haja alguma controvérsia sobre a identificação de algumas delas, a confederação tem aparecido na Babilônia e também a suserania da Babilônia sobre a Palestina na era solicitado pelo narrativa, e, de fato, todo o contexto histórico em que a narrativa se encaixa com perfeita naturalidade (Jeremias, Das alte Testament im Lichte des Alten Orients ; Hommel, tradição hebraica , capítulo V; Clay, Luz no Antigo Testamento a partir de Babel , capítulo VI). Mas os mitos não receber a confirmação arqueológica, como só não foi dada à narrativa da confederação dos quatro reis, mas que está trazendo rapidamente as características de toda a história do início do Antigo Testamento (Gunkel, Gen , 263; Ladd, DOCT de Sac Scrip , I, 737).

 

(2) O hititas

 

Então sérias dúvidas no passado têm sido levantadas sobre os hititas . Ocasionalmente, foi corajosamente disse que "nenhuma dessas pessoas já existiu" (compare Newman, hebraico monarquia , 184-85; Budge, Hist do Egito , IV, 136). Mas, além de o tratado de RamsésII com o "Kheta," longo geralmente se acredita ter sido os hititas ( RP , segunda série, IV, 25-32), e as referências à "Hatti" nos Tell el-Amarna Letters , também pensado para ser as mesmas pessoas , agora temos grande descoberta da capital hitita Boghaz-koi de Winckler, ea cópia hitita do tratado com RamsésII na escrita cuneiforme. Os hititas são vistos como uma grande nação, um terceiro com o Egito e Babilônia ( OLZ , Dezembro 15, 1906). VejaHititas .

 

(E) A Teoria da Anacronismos

 

Além da aplicação geral dessa teoria por muitos críticos a visão tradicional da Escritura e da afirmação da representação sistemática de eventos anteriores à luz das vezes muito mais tarde (Robertson, Cedo Religião , 30; FRIP, . Comp de Gen ), muitos casos especiais de anacronismos ter sido alegado. Edom tem sido dito para ser mencionado também no início da narrativa (De Wette, Int , II, 71, nota de Parker, também Gunkel, Gen, 61). Mas um oficial da Seti Meremptah II, sobre a época do Êxodo, em um relatório oficial, menciona o povo de Edom como desejando a pastar os seus rebanhos em Goshen. Tinham, portanto, cedo encontrou seu caminho claro em toda a península do Sinai (Müller, Asien und Europa , 135; comparar Papiro Anastasia). Então Moab, longa não identificado, não teve dúvida quanto a sua existência tão cedo uma vez como sua primeira menção; mas também ocorre em uma inscrição de RamsésII perto da época do Êxodo, ea terra de Moab é colocado em "Ruthen", o nome egípcio para a Síria e Palestina e norte e oeste da Arábia (Kyle, "Listas geográficas e étnicas de Ramsés II," Recueil de Travaux ,XXX ).

 

  1. Teorias Agora Desafiado

 

Várias teorias críticas são agora desafiados em nome da descoberta arqueológica; ou não os desafios acabará por ser sustentada continua a ser determinado. Alguns são apenas mencionados aqui, mas eles são de tal natureza que, se, em última análise sustentada, terá um efeito de longo alcance sobre as críticas.

 

(A) As origens semitas

 

A teoria, há muito estabelecida e quase universalmente aceito, de origem babilônica e oeste curso de cultura semita cedo , especialmente das tradições religiosas (Barton, Origens semitas , capítulo I; também "Tiamat", JAOS ,XVI, 1-27; Paton, Cedo Hist da Palestina e da Síria , capítulos iii-viii; Motorista, Gen , 30-31; Orr, POT , 397). Esta teoria tem sido levemente questionada há algum tempo e agora está corajosamente desafiou. A "-sobre o botão direito do rosto" completo é proposto por causa das muitas considerações arqueológicos, que, alega-se, faça Amurru, Síria e Palestina, a casa do norte semita, para ser, se não a fonte original da cultura semita, pelo menos, uma fonte mais cedo do que a Babilônia, eo curso de cultura religiosa entre semitas em que desde cedo a não ser para o oeste para o leste, mas, como aparentemente em Gênesis 11: 2 a Versão Revisada (britânico e americano) (Clay, Amurru , a Casa do semitas do norte ).

 

(B) A invasão de Canaã

 

A teoria da invasão gradual da Palestina em vez da conquista é agora pela primeira vez desafiada por outra prova do que o recorde em Josué. Tais pesquisas palestinos e de recolha de tais provas tenham começado, mas dentro de alguns anos, e desde o alcance da questão, o processo é necessariamente lento. Até agora, no entanto, como as escavações têm ido, a evidência é de uma mudança decisiva na cultura, mesmo em cidades como Gezer, sem, no entanto, a cultura cananéia vir totalmente sob a influência israelita e sucumbir a ela; exatamente, de fato, como é representado na narrativa bíblica ( FIPs , 1903, 49, Macalister, ib, 1908, Macalister, 17; Vicente, 228).

 

(C) ad Data de escritos herméticos

 

A visão pós-cristã dos escritos herméticos . Estes documentos egípcios, na língua grega ter sido pensado para refletir cedo pensamento cristão no Egito, principalmente por causa de uma certa "semelhança profana" para gospel linguagem encontrada neles. Um exame crítico recente desses escritos estabeleceu, alega-se, por evidências arqueológicas recolhidas a partir dos próprios escritos, que a "semelhança profana" para gospel expressões não surgiu a partir da reflexão da doutrina cristã, mas a partir da apropriação pelos evangelistas de corrente expressões de Alexandrino grego em uso na linguagem teológica pré-cristã. Este ponto de vista dos escritos herméticos, se estabeleceu finalmente, não pode deixar de ter um efeito de longo alcance sobre estudo do Novo Testamento (Petrie, religião pessoal no Egito antes do cristianismo ).

 

4 Crítica Reconstrutiva Não Confirmado

 

(A) as reivindicações de alguns críticos

 

Nem uma única teoria crítica ainda mantida, de forma geral ou por proeminentes críticos individuais, que propõe tomar Escritura no outro do que o seu valor de face, tem sido sustentado pela arqueologia. A afirmação de que é o contrário, que "em todos os outros (controvertidas) pontos, os fatos da arqueologia, medida em que são, actualmente conhecida, harmonizar inteiramente com as posições defendidas geralmente pela crítica" (Motorista, Autoridade e Arqueologia , 145; LOT (1897), Pref, xviii; Gen, adendos para 7 ª edição, XXXIV-XXXVI), Significa que ou essas teorias não sustentados não são defendidas pela pessoa que fez a afirmação e não por ele considerado como geralmente defendida por críticos, ou, mais comumente, que theori es em causa não tenham sido positiva e definitivamente contrariada pela evidência arqueológica. Mas não é o suficiente para que as teorias não são, definitivamente, contrariada pela evidência arqueológica; vimos (compare acima) que devem ser definitivamente confirmada antes de ser aceito e autorizado a afetar a própria fé. Um exemplo das reivindicações de críticas relativas a harmonia entre as suas teorias e os fatos da arqueologia, uma reivindicação cuja importância merece apresentação no comprimento, encontra-se no adendo que ele t sétima edição da Introdução de motorista para Gen , o enunciado mais recente e positiva de crítica sobre o assunto. Motorista diz (XXXIV):

 

É indicado pelo Professor Sayce expressamente, e pelo Dr. Orr e professor Clay, implicitamente, que os argumentos de Noldeke contra o caráter histórico da narrativa de Gn 14 foram refutadas pela arqueologia. As fontes de instrução tal objeto-lição dos métodos em que os adversários da crítica não raro dependem, para que valha a pena explicar aqui os fundamentos sobre os quais se assenta. Aqui estão as palavras do Professor Sayce ( Fatos Monumental , 1904, 54; cf, embora sem o nome de Nöldeke, Monumentos , 161 f): "Em 1869, o grande estudioso semita, Professor Nöldeke, publicou um tratado sobre o Personagem a-histórica de Gen 14 Declarou que 'crítica' tinha sempre refutada sua pretensão de ser histórico, a situação política pressuposta por ele foi incrível e impossível;. tão distante em uma data exércitos babilônicos não podia ter marchado para Canaã, e muito menos poderia Canaã ter sido uma província tema da Babilônia. . toda a história, na verdade, era uma ficção baseada na conquista assíria de Palestina em dias posteriores Os nomes dos príncipes comemoradas nos fosse invenções etimológicas: estudiosos semitas eminentes já havia explicado as de Quedorlaomer e seus aliados do sânscrito, e aqueles dos príncipes cananeus foram derivados dos eventos em que eles deveriam ter suportado uma parte. " E então ele passa a declarar triunfante (55) como o progresso da arqueologia refutou aH estas declarações ....

 

Ele provavelmente irá surpreender o leitor a ser informados de que, de uma série de argumentos, assim, atribuídas ao Professor Nöldeke, enquanto aquele sobre os nomes são atribuídos a ele com correção parcial (embora, na medida em que é declarado corretamente, não foi refutado pela arqueologia), os outros argumentos nunca foram usados ​​por ele em tudo ... (XXXV). A um grão de verdade em longo acusação de Professor Sayce é que os nomes dos cinco reis cananeus, que são dadas, Bera e Birsa (sugerindo a idéia do "mal" e "maldade"), e talvez Shinab e Shemeber, bem como, são formados artificialmente; mas esta (NB) não é afirmada do nome de qualquer um dos quatro reis do Oriente .... O fato é que os argumentos de Noldeke sobre Gen 14 não foram refutadas, nem tocadas, pela arqueologia .... Professor Sayce simplesmente não mencionou argumentos reais do Noldeke em tudo. Também não são mencionados pelo Dr. Orr ou professor Clay .... Arqueologia encontrou os argumentos que Nöldeke não usam; ela não cumpriu os argumentos que ele usou. Nöldeke nunca questionou, como Professor Sayce declara que ele fez, a possibilidade geral neste momento de uma expedição a ser enviada a partir do Extremo Oriente para a Palestina: seu argumento consistia em apontar vários improbabilidades históricas inerentes aos detalhes de uma expedição particular; e arqueologia pode derrubar este argumento só através da produção de prova de que esta expedição, com os detalhes contidos na Gen 14, realmente ocorreu. E isso até o presente momento (junho de 1909) a arqueologia não fez.

 

(B) as afirmações de Noldeke

 

Compare com estas declarações de motorista, um por um, embora de forma um pouco diferente, as próprias palavras de Noldeke. Ele diz ( Untersuchungen , 157-60):

 

O capítulo começa com uma enumeração imponente de reis, em cujo tempo o evento narrado é supostamente teriam ocorrido .... De que serve o namoro de acordo com os reis, o tempo de cujo reinado é perfeitamente desconhecido para nós? ... Então que o namoro é totalmente supérfluo e não nos diz nada.

 

Berna e Birsa estão a ser dito

 

muito decididamente anti-histórica .... A dupla alliterative também destes nomes fala mais por seu fictício do que por sua origem histórica. É surpreendente que, para a única cidade histórica de Zoar, nenhum nome do rei é dado .... Além disso, somos obrigados a nenhum momento, para o evento contou podia tão bem ter ocorrido no ano de 4000 como de 2000; a cronologia artificial de Gen é para nós nenhuma regra .... Daí o narrador tem os nomes dos reis hostis não podemos dizer. Eles podem realmente ter sido transmitida a ele, talvez muito em outra conexão. Seja como for, o máximo que podemos admitir é que ele tem utilizado alguns nomes corretos misturados com os falsos ou inventados, ea aparência de historicidade assim produzido pode tão pouco nos enganar permanentemente como os nomes e datas adequadas no livro de Ester Concede .... provisoriamente a correção dos nomes dos reis e testar ainda mais a narrativa.

 

Aqui em um longo parágrafo, Nöldeke segue o reductio ad absurdum , argumentando que, do ponto de vista histórico, a suposição provisória é incrível e impossível, e conclui (163): "Agora toda esta expedição é historicamente improvável na mesma medida que é adaptado para a produção de um efeito impressionante, o sinal habitual que é fictício .... Não a improbabilidade manifesto da narrativa residir precisamente nos detalhes que dão a aparência de historicidade "?

 

No que diz respeito a história da perseguição dos reis de Abrão eo resgate de Lot, diz ele (165).: "Se isso for possível, então não é nada impossível Ele pode ser respondido que o número de funcionários de Abrão era, na realidade, muito maior, mas tudo depende dele, e o número pertence novamente para as mesmas coisas que se espalham ao longo da narrativa o brilho enganoso de historicidade ".

 

De Melquisedeque e os aliados amorreus de Abrão, ele diz (168): "Então, fazer as provas se acumulam, que a nossa narrativa não tem valor histórico .... Mesmo que o resto do capítulo foram histórica que ainda iria realizar Melquisedeque uma poética figura. " Ele resume o argumento com as seguintes palavras (170-71): "De acordo com o que foi dito, é muito improvável que o compositor nos principais assuntos repousava sobre uma tradição real das pessoas, mas temos de aceitar como fato de que é uma criação livre durante todo ".

 

Sobre o mesmo assunto, em resposta a alguns de seus críticos ( Zeitschrift fur W. Theol , 1870, 218-19), ele diz:

 

Eu resumir mais uma vez os pontos gerais: (1) Dos nomes mencionados em Gênesis 14, vários são históricas (o nome de Sodoma e Gomorra, as três amorreus, Melquisedeque, a meu ver, também, Abraão e Ló, e provavelmente o quatro cidades oprimido). (2) A expedição dos reis não podem ter ocorrido como narrado ... mesmo através da própria clareza da narrativa que fizemos para saber que nós temos aqui a ver com uma expedição romântico, o curso, que é determinada por objetivo a efeito mais nítido, e que tem por si mesma nenhuma probabilidade histórica. (3) O pequeno número de anfitrião, em cuja vitória completa sobre o exército dos quatro reis da história finalmente chega a um clímax, é contrário ao sentido, enquanto ainda designa sobre o maior número que, como seus próprios homens de combate , um cidadão comum poderia colocar em campo.

 

Quem agora ao longo de tudo isso vai segurar a um núcleo histórico, pode fazê-lo; ele deve, então, admitir que em algum momento perfeitamente incerto na grande antiguidade um rei de Elão governou sobre a terra Jordan e fez uma expedição guerreira para lá. Mas isso seria o máximo de concessão que eu poderia fazer. Tudo mais precisa, como números, nomes, etc, e também que exactamente o que produz o aparecimento de tradição cuidadosa e fiabilidade é parcialmente falsa, em parte, bastante fiáveis ​​... mais especialmente, para além do próprio conquista absolutamente nada poderia ser conhecido. Mas, para mim, ainda parece muito mais provável, tendo em vista a consistente, e para o objetivo do narrador, extremamente bem organizado, mas ainda assim, na realidade, é claro impossível da narrativa, fora da qual não não pode ser separada qualquer coisas simples como exagero nua da tradição, que nós temos aqui uma ficção consciente em que apenas alguns nomes históricos têm sido utilizados.

 

(C) Os fatos de Arqueologia

 

Agora, relembrando à mente os fatos da arqueologia neste caso (compare acima), torna-se evidente que eles estão muito longe de "harmonizar inteiramente" com o parecer avançado por Nöldeke e reiterado pelo motorista, bem como o método de defender tal "harmonização" aparece muito claramente. Além disso, o que é verdadeiro desta teoria particular de Nöldeke and Driver é igualmente verdade de outras teorias críticas radicais actualmente detidas. Dos atuais teorias reconstrutivas da crítica - os patriarcas e não indivíduos, mas personificações; o nômade condição rude,, semi-bárbaro da Palestina na era patriarcal; o deserto; Egito; a insignificância comparativa de Moisés como um legislador; a invasão gradual da Palestina; a origem naturalista da religião de Israel a partir de mitos astrais; ea autoria final do Pentateuco - não se está sendo sustentado. Na verdade, por mais evidência arqueológica pode haver que é de caráter negativo ou que definitivamente não é contra as teorias de reconstrução da crítica, ninguém pode apontar para um único definido particular de evidências arqueológicas que qualquer uma dessas teorias é sustentada de forma positiva e corroborada .

 

  1. O Estado atual da discussão

 

O atual estágio de evolução do teste de teorias críticas por evidências arqueológicas podem brevemente ser indicado. A Bíblia em seu valor de face está sendo corroborado onde arqueologia toca-lo imediatamente e definitivamente. Para ilustrar esta afirmação totalmente seria citar cada pedaço definido de provas arqueológicas no campo bíblico de pesquisa científica ao longo dos últimos cem anos.

 

 

Mas as visões da Escritura deve finalmente conciliar com os resultados da arqueologia, ou seja, com a história contemporânea, e, assim como a pesquisa arqueológica faz com que a história contemporânea a aparecer, as teorias críticas em desacordo com ela são necessariamente cedendo; de modo que, na medida em que o processo foi realizado até o presente momento, a arqueologia está trazendo críticas em harmonia com o valor de face das Escrituras, e não é definitivamente e inequivocamente incentivando as tentativas de reconstrução literária de qualquer parte da Bíblia, embora, por vezes, perguntou para prestar tal serviço. 

fonte Internacional Standard Encyclopedia 1870

fonte www.avivamentonosul21.comunidades.net