Translate this Page

Rating: 3.0/5 (868 votos)



ONLINE
23




Partilhe este Site...

 

 

<

Flag Counter

site 475389, site 442698, download book, free book, free book, this link, link, book download, site 513789, site 188921,

ASHBEL GREEN SIMONTON
ASHBEL GREEN SIMONTON

                          Ashbel Green Simonton 

  

Ashbel Green Simonton (1833-1867), o fundador da Igreja Presbiteriana do Brasil, nasceu em West Hanover, no sul da Pensilvânia, e passou a infância na fazenda da família, denominada Antigua. Eram seus pais o médico e político William Simonton e D. Martha Davis Snodgrass (1791-1862), filha de um pastor presbiteriano. Ashbel era o mais novo de nove irmãos. Os irmãos homens (William, John, James, Thomas e Ashbel) costumavam denominar-se os "quinque fratres" (cinco irmãos). Um deles, James Snodgrass Simonton, quatro anos mais velho que Ashbel, viveu por três anos no Brasil e foi professor na cidade de Vassouras, no Rio de Janeiro. Uma das quatro irmãs, Elizabeth Wiggins Simonton (1822-1879), conhecida como Lille, veio a casar-se com o Rev. Alexander Latimer Blackford, vindo com ele para o Brasil. 

Em 1846, a família mudou-se para Harrisburg, a capital do estado, onde Ashbel concluiu os estudos secundários. Após formar-se no Colégio de Nova Jersey (a futura Universidade de Princeton), em 1852, o jovem passou cerca de um ano e meio no Mississipi, trabalhando como professor. Voltando para o seu estado, teve profunda experiência religiosa durante um avivamento em 1855 e ingressou no Seminário de Princeton, fundado em 1812. No primeiro semestre de estudos, ouviu na capela do seminário um sermão do Dr. Charles Hodge, um dos seus professores, que despertou o seu interesse pela obra missionária no exterior. Concluídos os estudos, foi ordenado em 1859. 

Na sua adolescência ele já começara a ter um crescimento espiritual. Começara a distinguir as coisas espirituais, a estudar a Palavra de Deus para não errar na falta do conhecimento dela, e consequentemente não conhecer o poder de Deus na sua vida. Ele muito provavelmente conhecia muito bem a história do farisaísmo que chamava o Senhor Jesus de mestre das Escrituras, mas não o conhecia como o Senhor. E consequentemente não experimentava o poder e a autoridade no Senhor Jesus.

 O jovem Simonton pela graça de Deus não caiu neste erro, que hoje muitos de nós temos caído. Pois, alguns são craques no conhecimento da Palavra de Deus, porém raquíticos na experiência do poder. Vemos na vida de Simonton ele mantendo o equilíbrio do conhecimento de Deus e a busca pelo poder de Deus. Num momento singular de vida na presença do Senhor, Simonton chegou a dizer: "Vou me dedicar para aumentar o meu amor e interesse pelo meu salvador... Vou marchar em frente e me esforçar para servi-lo, brilhe ou não a luz em meu caminho, vou confessar diante dos homens meu desejo e resolução de abandonar o mundo e procurar participar no sangue do meu salvador. Vou confiar nas promessas e andar esperando o que o Espírito Santo de Deus promete. Vou estudar a Palavra no temor de Deus e cumprir todos os deveres expressos nela, estudá-la em oração sincera para que seja guiado ao bom entendimento dela". 

No dia 28 de junho de 1859 ele estava a bordo do Banshee ao lago da Bermuda rumo ao Brasil. Viajou durante 44 dias naquele navio e evangelizou muitos homens e fez até Escola Dominical na viagem. 

Quando foi no dia 11 de agosto de 1859 ele estava no porto do Rio de Janeiro, avistando o Corcovado e o Pão de Açúcar. E só saiu do navio às 9:00 horas da manhã do dia 12 de agosto. Ele saiu maravilhado com a terra brasileira. No mesmo dia hospedado na casa de Robert Wright começou o seu trabalho. Começou mesmo com a dificuldade de não saber o português bem. Simonton fez um acordo com a família de Robert, ele ensinaria o inglês para ela e ela ensinaria o português para ele. E Simonton começou a aproveitar as suas oportunidades para a evangelização do povo brasileiro. E dizia sempre: "Preciso cultivar minha piedade, ou nada poderei fazer por essas pessoas".

 Pouco depois de organizar a Igreja Presbiteriana do Rio de Janeiro (12/01/1862), o jovem missionário seguiu em viagem de férias para os Estados Unidos, vindo a casar-se com Helen Murdoch, em Baltimore. Regressaram ao Brasil em julho de 1863. No final de junho do ano seguinte, Helen faleceu nove dias após o nascimento da sua filhinha, que recebeu o seu nome. Helen Murdoch Simonton, a filha única do Rev. Simonton, nunca se casou e faleceu aos 88 anos no dia 7 de janeiro de 1952. 

Ele marcou a sua geração, marcou a sua história como instrumento de Deus. Com o passar dos anos, Simonton criou o jornal Imprensa Evangélica (1864), fundou a igreja Presbiteriana do Rio de Janeiro em 1862, fundou um Presbitério e um Sínodo no Rio (1865), uma igreja em São Paulo e um Presbitério e um Seminário Teológico (Seminário do SPS) (1867), este último localizado em um edifício de vários pavimentos junto ao Campo de Santana. 

No seu tempo ainda vivo, o Presbitério do Rio de Janeiro tinha 394 membros comungantes. Alguns anos depois da sua morte no ano de 1888, em São Paulo o Presbitério já tinha 1106 membros comungantes. Incluindo a IPB do Rio, de São Paulo, Minas e Recife, tinha o total de 2947 membros. E hoje (2004) pela graça do Senhor temos mais de 500 mil presbiterianos no Brasil. 

No final de 1867, sentindo-se adoentado, o missionário pioneiro seguiu para São Paulo, onde sua irmã e seu cunhado criavam a pequena Helen. Seu estado de saúde agravou-se e ele veio a falecer no dia 9 de dezembro, acometido de "febre biliosa", conforme consta do seu registro de sepultamento. Seu túmulo foi um dos primeiros do ainda recente Cemitério dos Protestantes, no bairro da Consolação. Anos depois, foram sepultados perto dele os ossos do ex-sacerdote Rev. José Manoel da Conceição (1822-1873), o primeiro pastor evangélico brasileiro. Simonton e Conceição, um americano e um brasileiro, foram os personagens mais notáveis dos primórdios do presbiterianismo no Brasil. 

No túmulo de Simonton está escrito o texto de I Cor. 15:58: "O seu trabalho não foi vão no Senhor". Esta foi a vida de um homem que teve compromisso e o seu trabalho não foi em vão no Senhor. Que a graça de Deus Pai caia sobre nós para sermos instrumentos em suas mãos. Que ele nos use para sermos vasos semelhantes a Simonton, para que o seu nome seja exaltado e glorificado na nossa vida.

fonte www.amofamilia.com