Translate this Page

Rating: 3.0/5 (902 votos)



ONLINE
2




Partilhe este Site...

 

 

<

Flag Counter


atributos Deus é oniciente onipotente onipresente
atributos Deus é oniciente onipotente onipresente

 

                                                        OS ATRIBUTOS DE DEUS

Onisciência

1. As palavras e Uso:

No Antigo Testamento, ela é expressa em conexão com palavras como דּעת , Da'ath , בּינה , Binah , תּבוּנה , tebhūnāh , חכמה , Hokhmah ; também "ver" e "ouvir", "o olho" e "orelha" ocorrer como números para o conhecimento de Deus, como "braço", "mão", "dedo" servem para expressar seu poder. No Novo Testamento, são encontradas γινώσκειν , ginṓskein , γνῶσις , Gnosis , εἰδέναι , eidénai , σοφία , Sophia , Nas mesmas conexões.

 

2. tácito Assunção e explícita afirmação:

Escritura em toda parte ensina a universalidade absoluta do conhecimento divino. Nos livros históricos, embora não exista uma fórmula abstrata, e referências antropomórficas ocasionais para God'staking conhecimento das coisas ocorrem ( Gênesis 11: 5 ; Gênesis 18:21 ; Deuteronômio 8: 3 ), no entanto, o princípio está em todos os lugares pressuposto o que está relacionado sobre conhecimento dos feitos do homem de Deus, sobre a audiência da oração, a divulgação do futuro ( 1 Samuel 16: 7 ; 1 Samuel 23: 9-12 ; 1 Reis 8:39 ; 2 Crônicas 16: 9 ) . Afirmação expressa do princípio é feita no Saltério, os Profetas, oHokhmah literatura e no Novo Testamento. Isto é devido ao aumento da interiorização da religião, em que o seu lado oculto, a que a onisciência divina corresponde, recebe maior ênfase ( Jó 26: 6 ; Jó 28:24 ; Jó 34:22 ; Salmo 139: 12 ; Salmo 147: 4 ; Provérbios 15: 3 , Provérbios 15:11 ; Isaías 40:26 ; Atos 01:24 ; Hebreus 4:13 ; Apocalipse 02:23 ).

3. Estende a todas as esferas:

Esta universalidade absoluta é afirmado com referência às diversas categorias que compõem dentro de si tudo o que é possível ou real. Estende-se ao próprio ser de Deus, bem como com o que existe fora Dele no mundo criado. Deus tem a posse em perfeita consciência de seu próprio ser. Os achados inconscientes nenhum lugar nele ( Atos 15:18 ; 1 João 1: 5 ). Próximo ao próprio Deus conhece o mundo em sua totalidade. Este conhecimento estende-se a pequenas, bem como para grandes negócios ( Mateus 6: 8 , Mateus 06:32 ; Mateus 10:30 ); para o coração escondido e mente do homem, bem como ao que é aberto e manifesto ( Jó 11:11 ; Jó 34:21 , Jó 34:23 ; Sl 14: 2 ; Salmo 17: 2 ff; Salmo 33: 13- 18 ; Salmo 102: 19 f; Salmo 139: 1-4 ; Provérbios 05:21 ; Provérbios 15: 3 ; Isaías 29:15 ; Jeremias 17:10 ; Amós 4:13 ; Lucas 16:15 ; Atos 01:24 ; 1 Tessalonicenses 2: 4 ; Hebreus 4:13 ; Apocalipse 02:23 ). Estende-se a todas as divisões do tempo, o passado, presente e tanto futuras ( Jó 14:17 ; Sl 56: 8 ; Isaías 41: 22-24 ; Isaías 44: 6-8 ; Jeremias 1: 5 ; Oséias 13:12 ; Malaquias 3:16 ). Ela abraça o contingente do ponto de vista humano, bem como o que é certo ( 1 Samuel 23: 9-12 ; Mateus 11:22 , Mateus 11:23 ).

4. Modo do Conhecimento Divino:

Escritura traz o conhecimento de Deus em conexão com a Sua onipresença. Salmo 139 é a expressão mais clara disso. A onisciência é a onipresença da cognição ( Jeremias 23:23 ff). Ele também está intimamente relacionado com a eternidade de Deus, para o último faz-Lo em Sua independente das limitações de tempo (conhecimento Isaías 43: 8-12 ). Relação criativa de Deus para tudo o que existe é representado como subjacente Sua onisciência ( Salmo 33:15 ; Salmo 97: 9 ; Salmo 139: 13 ; Isaías 29:15 ). Seu propósito todo-abrangente constitui a base de seu conhecimento de todos os eventos e desenvolvimentos ( Isaías 41: 22-27 ; Amós 3: 7 ).

Isso, no entanto, não significa que o conhecimento das coisas de Deus é idêntico com a Sua criação deles, como foi sugerido por Agostinho e outros. O ato de criação, enquanto necessariamente relacionado com o conhecimento daquilo que é ser real, não é idêntico com esses conhecimentos ou com o propósito de que tal conhecimento repousa, pois em Deus, assim como no homem, do intelecto e da vontade são faculdades distintas. Em última análise, o conhecimento do mundo de Deus tem a sua fonte na Sua auto-conhecimento. O mundo é uma revelação de Deus. Tudo o que é real ou possível, é, portanto, um reflexo na forma criada do que existe incriado em Deus, e, portanto, o conhecimento de um tornar-se uma reprodução do conhecimento do outro ( Atos 17:27 ; Romanos 1:20 ). O conhecimento divino do mundo, também participa da qualidade do auto-conhecimento divino a este respeito, que nunca é dormente. Deus não dependem para abraçar a multidão e complexidade do mundo existente em tais processos mentais como abstração e generalização.

A Bíblia representa a Ele em nenhum lugar como atingir ao conhecimento pelo raciocínio, mas em todos os lugares como simplesmente saber. Do que foi dito sobre as fontes imanentes do conhecimento divino, segue-se que este último não é a posteriori derivada de seus objetos, como todo o conhecimento humano com base na experiência é, mas é exercido sem receptividade ou dependência. Em saber, bem como em todas as outras atividades de sua natureza, Deus é soberano e auto-suficiente. Em cognição da realidade de todas as coisas que Ele não precisa esperar sobre as coisas, mas chama a Seu conhecimento diretamente da base da realidade, uma vez que encontra-se em si mesmo. Enquanto os dois estão, portanto, intimamente ligado não deixa de ser importante para distinguir entre o conhecimento do próprio Deus e conhecimento do mundo de Deus, e também entre Seu conhecimento do real e seu conhecimento do possível. Estas distinções marcar concepção teísta da onisciência da idéia panteísta sobre ele. Deus não está ligada com a sua vida com o mundo em tal sentido, como não ter nenhum âmbito da actividade para além dela.

5. A onisciência de Deus e O livre arbítrio humano:

Desde Escritura inclui nos objetos do conhecimento divino também a questão do exercício do livre-arbítrio por parte do homem, o problema surge, como o caráter contingente dessas decisões ea certeza do conhecimento divino podem coexistir. É verdade que o conhecimento de Deus e da vontade purposing de Deus são distintas, e que não o primeiro, mas o segundo determina a certeza do resultado. Por conseguinte, a onisciência divina, nesses casos, acrescenta ou diminui nada em relação à segurança do evento. Onisciência de Deus não produz, mas pressupõe a certeza de que o problema é levantado. Ao mesmo tempo, precisamente porque a onisciência pressupõe certeza, parece excluir toda concepção de contingência nos atos livres do homem, como tornaria o último em sua própria essência indeterminado. O conhecimento do assunto deve ter um ponto fixo de certeza para terminar em cima, se é para ser do conhecimento de todo. Aqueles que fazem a essência da liberdade indeterminação absoluta deve, por conseguinte, isentar desta classe de eventos do âmbito da onisciência divina. Mas isto é contrário a tudo o testemunho da Escritura, que claramente torna o conhecimento absoluto de Deus estender a tais atos ( Atos 02:23 ). Foi tentado interpretar uma forma peculiar do conhecimento divino, que diria respeito a esta classe de atos especificamente, a chamada mídia scientia , para ser separadas da necessaria scientia , que tem por objeto o próprio Deus, e do scientia libera que termina com as certezas do mundo fora de Deus, conforme determinado pelo seu livre-arbítrio. Esta mídia scientia seria então baseada na previsão do resultado da livre escolha do homem de Deus. Isso envolveria um conhecimento de receptividade, uma contribuição para a soma total do que Deus sabe derivado da observação de Sua parte do processo mundo. Ou seja, seria do conhecimento a posteriori, no essencial, embora não no ponto de tempo. É, no entanto, difícil de ver como tal conhecimento pode ser possível em Deus, quando o resultado é psicologicamente indeterminado e indeterminável. O conhecimento não podia mais cedo do que se originam a determinação origina através da livre decisão do homem. Seria, por isso, necessariamente tornar-se um conhecimento a posteriori no tempo, bem como na sua essência. O apelo para a eternidade de Deus como trazê-lo igualmente perto do futuro como para o presente e permitindo-lhe ver as futuras decisões de livre arbítrio do homem, como se fossem presente não é possível remover esta dificuldade, pois quando uma vez que a observação e conhecimento de Deus são feitas dependente de qualquer questão temporal, a própria eternidade divina é assim, praticamente negado. Nada resta senão reconhecer que o conhecimento eterno de Deus sobre o resultado das escolhas voluntárias do homem implica que não entra em estas escolhas, não obstante seu caráter livre, um elemento de pré-determinação, para que o conhecimento de Deus pode unir-se.

6. importância religiosa:

A onisciência divina é mais importante para a vida religiosa. A própria essência da religião como a comunhão com Deus depende da Sua conhecer todo-abrangente da vida do homem em todos os momentos. Por isso, é característica do irreligiosa negar a onisciência de Deus ( Salmo 10:11 , Salmo 10:12 ; Sl 94: 7-9 ; Isaías 29:15 ; Jeremias 23:23 ; Ezequiel 08:12 ; Ezequiel 9: 9 ). Especialmente ao longo de três linhas essa importância religiosa fundamental revela-se: ( a ) que dá apoio e conforto quando o piedoso sofrem com o entendimento e interpretações errôneas dos homens; ( b ) ele age como um elemento dissuasor para aqueles tentados pelo pecado, o pecado, especialmente em segredo, e torna-se um princípio de julgar a todos hipocrisia e falsa segurança; ( c ) que envolve a fonte de onde o homem do desejo de auto-conhecimento pode obter satisfação ( Salmo 19:12 ; Sl 51: 6 ; Salmo 139: 23 , Salmo 139: 24 ).

Onipresença

1. Não-ocorrência do termo na Escritura:

Nem o substantivo "onipresença", nem adjetivo "onipresente" ocorre nas Escrituras, mas a idéia de que Deus está presente em toda parte é todo pressuposta e às vezes explicitamente formulado. Onipresença de Deus está intimamente relacionado com a sua onipotência e onisciência: que Ele está em toda parte o capacita a agir em todos os lugares e conhecer todas as coisas, e, por outro lado, através da ação onipotente e conhecimento onisciente Ele tem acesso a todos os lugares e todos os segredos (compare Salmo 139 ) . Assim concebida, o atributo não é senão o correlato da concepção monoteísta de Deus como o Criador Infinito, Preservador e Governador do universo, imanente em suas obras, bem como transcendente acima deles.

2. idéias filosóficas e populares de Onipresença:

A idéia filosófica da onipresença é o da isenção das limitações de espaço, subjetivamente, bem como objetivamente; subjetivamente, na medida em que o espaço, que é uma forma necessária de toda a consciência criado na esfera do senso-percepção, não é, portanto, constitucionalmente inerente à mente de Deus; objectivamente, na medida em que a realidade do espaço-relações no mundo criado não impõe nenhum limite com a presença e operação de Deus. Esta concepção metafísica da transcendência acima todo o espaço, é claro, estranha à Bíblia , que em relação a esta, como em relação aos outros atributos transcendentes, veste a verdade da revelação, em linguagem popular, e fala de isenção das limitações da espaço em termos e figuras derivadas do próprio espaço. Assim, o próprio termo "onipresença" nas suas duas componentes "em todos os lugares" e "presente" contém uma dupla inadequação de expressão, tanto a noção de "qualquer lugar" e que de "presença" de serem conceitos espaciais. Outro ponto, em relação ao qual a natureza popular do ensino bíblico sobre este assunto deve ser mantido em mente, diz respeito ao modo da onipresença divina. Ao tratar o conceito filosoficamente, é de importância de distinguir entre a sua aplicação à essência, para a atividade, e para o conhecimento de Deus. A Bíblia não traça estas distinções em abstracto. Embora às vezes ele fala da onipresença de Deus com referência à imanência generalizada do seu ser, freqüentemente se contenta em afirmar a dimensão universal do poder e do conhecimento de Deus ( Deuteronômio 04:39 ; 10:14 ; Sl 139: 6-16 ; Provérbios 15: 3 ; Jeremias 23:23 , Jeremias 23:24 ; Amós 9: 2 ).

3. Teorias Negando Onipresença do Ser:

Esta observação tem dado origem a teorias de um mero onipresença do poder ou onipresença por um ato de vontade, como distinto de uma onipresença de ser. Mas é claro que nesta forma antitética tal distinção é estranho à intenção das declarações bíblicas em questão. Os escritores nestas passagens se contentam em descrever os efeitos práticos do atributo sem refletir sobre a diferença entre este e seu aspecto ontológico; esta última não é afirmada nem negada. Que nenhuma negação da onipresença de estar se destina pode ser visto a partir de Jeremias 23:24 , onde no primeiro semestre do verso a onipresença de Jeremias 23:23 é expressa em termos de onisciência, enquanto que no segundo semestre a idéia encontra ontológica expressão. Da mesma forma, no Salmo 139, compare Salmo 139: 2 com o Salmo 139: 7 ff, e Salmo 139: 13 e ss. Como aqui, portanto, em outras passagens da presença de Deus com o Seu ser, em todo o espaço é explicitamente afirmado ( 1 Reis 8:27 ; 2 Crônicas 2: 6 ; Isaías 66: 1 ; Atos 17:28 ).

4. Negação de Presença do Idea nas partes anteriores do Antigo

Testamento:

Onipresença ser o correlato do monoteísmo, a presença da idéia nas partes anteriores do Antigo Testamento é negado por todos aqueles que atribuir o desenvolvimento do monoteísmo na religião do Antigo Testamento para o período profético do século 8 em diante. É sem dúvida verdade que as primeiras narrativas falam muito anthropomorphically da relação de Deus com o espaço; eles o descrevem como indo e vindo na linguagem, como pode ser usado de uma pessoa humana. Mas não se segue daí que os escritores que fazem isso concebem do ser de Deus como circunscrito pelo espaço. Quando ocorrem essas formas de afirmação, não a presença de Deus em geral, mas a sua presença visível na teofania é referido. Se a partir do elemento local entrando em sujeição a descrição de Deus para as limitações de espaço foram inferidas, então se poderia com igual mandado, com base nos, elementos sensuais físicas que entram na representação, imputar aos escritores a visão de que a natureza divina é corpóreo.

5. A Redentora e revelador especial Presença de Deus:

A forma teofânico de aparência não revela o que Deus é ontologicamente em si mesmo, mas apenas como Ele condescende a aparecer e trabalhar para a redenção do Seu povo. Ele estabelece uma presença redentora e revelador em localidades definidas, o que não faz, na mente do escritor, diminui a onipresença divina. Por isso, não se limita a um lugar; os altares construídos em reconhecimento de que estão na história patriarcal erguido em vários lugares e convivem como cada um e todos com acesso à presença divina especial. É significativo que, já durante o período patriarcal essas teofanias e altares ligadas a eles estão confinados à Terra Santa. Isso mostra que a idéia incorporado a eles não tem nada a ver com uma concepção bruto da Divindade como circunscrito localmente, mas marca o início de que a restauração gradual da presença da graça de Deus para a humanidade caída, a conclusão de que forma o objetivo da redenção . Assim, Deus é dito para ficarem na arca, no tabernáculo, em Mt. Zion ( Números 10:35 ; 2 Samuel 6: 2 ; 2 Reis 19:15 ; Salmo 3: 4 ; Salmo 99: 1 ); no templo (1 Reis 8; Salmo 20: 2 ; Salmo 26: 8 ; Salmo 46: 5 ; Salmo 48: 2 ; Isaías 8:18 ; Joel 3:16 , Joel 3:21 ; Amos 1: 2 ); na Terra Santa ( 1 Samuel 26:19 ; Oséias 9: 3 ); em Cristo ( João 1:14 ; João 2:19 ; Colossenses 2: 9 ); na igreja ( João 14:23 ; Romanos 8: 9 , Romanos 8:11 ; 1 Coríntios 03:16 ; 1 Coríntios 6:19 ; Efésios 2:21 , Efésios 2:22 ; Efésios 3:11 ; 2 Timóteo 3: 15 ; Hebreus 10:21 ; 1 Pedro 2: 5 ); na assembléia escatológica do Seu povo ( Apocalipse 21: 3 ). À luz do mesmo princípio deve ser interpretado a presença de Deus no céu. Isso também não é para ser entendido como uma presença ontológica, mas como uma presença de manifestação teocrático específico ( 1 Reis 08:27 ; Salmo 2: 4 ; Salmo 11: 4 ; Salmo 33:13 ff; Salmo 104: 3 ; Isaías 6 : 1 ff; Isaías 63:15 ; Isaías 66: 1 ; Habacuque 2:20 ; Mateus 05:34 ; Mateus 6: 9 ; Atos 07:48 ; Atos 17:28 ; Efésios 1:20 ; Hebreus 1: 3 ). Quão pouco este se destina a excluir a presença de Deus em outros lugares pode ser visto a partir do fato de que as duas representações, a da auto-manifestação de Deus no céu e no santuário terrestre, ocorrem lado a lado (1 Reis 8: 26-53; Salmo 20: 2-6 ; Amós 9: 6 ). Alegou-se que a idéia de habitação de Deus no céu marca uma conquista relativamente tarde na religião de Israel, de que, no período pré-profética nenhum traço pode ainda ser descoberto (assim Stade, Bibl . Theol . des Altes Testamento , I, 103, 104). Há, no entanto, uma série de passagens do Pentateuco testemunhar a existência precoce dessa crença ( Gênesis 11: 1-9 ; Gênesis 19:24 ; Gênesis 21:17 ; Gênesis 22:11 ; Gênesis 28:12 ). Senhor vem, de acordo com a crença do período mais antigo, com as nuvens ( Êxodo 14:19 , Êxodo 14:20 ; Êxodo 19: 9 , Êxodo 19:18 ; Êxodo 24:15 ; Números 11:25 ; Números 12: 5 ). Isso mesmo na opinião do povo presença local do Senhor, em um santuário terrestre não precisava ter excluiu-o do céu segue também a partir da crença de que não vacila em Sua presença simultânea em uma pluralidade de santuários. Se não fosse uma questão de presença circunscrito localmente como entre santuário e do santuário, não precisava ter sido como entre a terra eo céu (compare Gunkel, Gen , 157).

6. Significado Religioso:

Tanto de um modo geral religiosa e de um ponto de vista especificamente soteriological a onipresença de Deus é de grande importância prática para a vida religiosa. No primeiro aspecto, contém a garantia de que a proximidade real de Deus e uma verdadeira comunhão com Ele pode ser apreciado em toda parte, mesmo para além dos lugares santificados para tal fim por uma auto-manifestação graciosa específico ( Salmo 139: 5-10 ). Em outro aspecto, a onipresença divina assegura ao crente que Deus está à mão para salvar em todos os lugares onde a partir de qualquer perigo ou inimigo Seu povo precisa de salvação ( Isaías 43: 2 ).

Onipotência

 

om - nip'ṓ - dezenas : O substantivo "onipotência" não é encontrada no Inglês Bíblia , nem qualquer substantivo exatamente correspondente a ele no original hebraico ou grego.

1. Termos e Uso:

O adjetivo "onipotente" ocorre em Apocalipse 19: 6 a King James Version; o grego para isso, παντοκράτωρ ,Pantokrator, Ocorre também em 2 Coríntios 6:18 ; Apocalipse 1: 8 ; Apocalipse 4: 8 ; Apocalipse 11:17 ; Apocalipse 15: 3 ; Apocalipse 16: 7 , Apocalipse 16:14 ; Apocalipse 19:15 ; Apocalipse 21:22 ( em tudo o que a versão King James ea Versão Revisada (britânico e americano) prestar "todo-poderoso"). Ela também é encontrada com freqüência na Septuaginta, especialmente na prestação dos nomes divinos Yahweh cebhā'ōth e'El Shadday. EmPantokrator, O elemento de "entidade", "soberania," lado a lado com a da "potência", torna-se mais nitidamente sentida do que para o ouvido moderno em "onipotente", apesar de que se destina a ser incluída neste último também . Compare maisho dúnatos, Em Lucas 1:49 .

2. Inerente Testamento Nomes de Deus velhos:

A concepção formal de onipotência como funcionou em teologia não ocorre no Antigo Testamento. A substância da ideia é transmitida de várias formas indiretas. A noção de "força" é inerente à concepção do Antigo Testamento de Deus desde o início, sendo já representado em um dos dois nomes divinos herdados por Israel a partir antiga religião semita, o nome 'El . De acordo com uma etimologia é também inerente ao outro, o nome 'Elohim E, neste caso, a forma plural, por trazer a plenitude do poder em Deus, marcaria uma abordagem para a idéia de onipotência. Ver DEUS , NOMES  .

Na religião patriarcal a concepção de "pode" ocupa um lugar de destaque, como indica o nome característico deste período, 'El Shadday ; compare Gênesis 17: 1 ; Genesis 28: 3 ; Gênesis 35:11 ; Gênesis 43:14 ; Gênesis 48: 3 ; Gênesis 49:24 , Gênesis 49:25 ; Êxodo 6: 3 . Este nome, no entanto, designa o poder divino como estando a serviço de Sua aliança-relação aos patriarcas, como transcendendo Natureza e dominando-o, no interesse da redenção.

Outro nome divino que sinaliza esse atributo é Yahweh cebhā'ōth , Yahweh dos Exércitos. Este nome, característica do período profético, descreve Deus como o Rei cercado e seguido pelos hostes angelicais, e uma vez que o poder de um rei oriental é medido pelo esplendor da sua comitiva, como de grande, incomparável poder, o Rei Onipotente ( Salmo 24:10 ; Isaías 2:12 ; Isaías 6: 3 , Isaías 6: 5 ; Isaías 08:13 ; Jeremias 46:18 ; Malaquias 1:14 ).

Ainda outro nome expressivo da mesma idéia é 'Ābhı̄r "Forte", combinado com Jacob ou Israel ( Gênesis 49:24 ; Salmo 132: 2 , Salmo 132: 5 ; Isaías 1:24 ; Isaías 49:26 ; Isaías 60:16 ). Além disso, 'El Gibbor"Deus-Herói" ( Isaías 9: 6 (do Messias); comparar para o adjetivo Gibbor, Jeremias 20:11 ); ea designação figurativo de Deus comoVira-lata, "Rock", que ocorre especialmente no endereço a Deus no Saltério ( Isaías 30:29 , a King James Version "Poderoso"). A energia específica com a qual a natureza divina opera encontra expressão também em nome'El Feno"Deus vivo", que Deus dá ao longo contra os ídolos impotentes ( 1 Samuel 17:26 , 1 Samuel 17:36 ; 2 Reis 19: 4 , 2 Reis 19:16 ; Salmo 18:46 ; Jeremias 23:36 ; Daniel 6:20 , Daniel 6:26 f). Uma descrição antropomórfica do poder de Deus está nas figuras do "lado," seu "braço," seu "dedo".

3. Outros modos de expressão:

Alguns dos atributos do Senhor tem uma ligação íntima com sua onipotência. Sob essa cabeça especialmente a natureza de Deus como Espírito e Sua santidade estão sob consideração. A representação de Deus como Espírito no Antigo Testamento não se refere, principalmente, ao incorporealness da natureza divina, mas a sua energia inerente. O elemento físico subjacente à concepção do Espírito é a do ar em movimento, e neste a princípio não a invisibilidade, mas as formas de força a ponto de comparação. O oposto de "Spirit", nesse sentido, é "carne", que expressa a fraqueza e impotência da criatura contra Deus ( Isaías 02:22 ; Isaías 31: 3 ).

A santidade de Deus, em seu sentido mais antigo e mais ampla (não restrito à esfera ética) descreve o caráter majestoso, especificamente divina do seu ser, o que evoca no homem reverência religiosa. Não é um único atributo coordenada com os outros, mas um aspecto peculiar sob o qual todos os atributos pode ser visto, o que os torna diferente de qualquer coisa análoga na criatura ( 1 Samuel 2: 2 ; Oséias 11: 9 ). Desta forma torna-se santidade intimamente associado com o poder de Deus, de fato, por vezes, torna-se sinônimo de poder divino = onipotência ( Êxodo 15:11 ; Números 20:12 ), e, especialmente, em Ezequiel, onde "santo nome" de Deus é frequentemente equivalente a Sua renome para poder, assim, intercambiáveis ​​com Seu "grande nome" ( Ezequiel 36: 20-24 ). O Espírito objetivo como uma hipóstase distinta e do executivo da Divindade em seu lado também representa o poder divino ( Isaías 32:15 ; Mateus 12:28 ; Lucas 01:35 ; Lucas 04:14 ; Atos 10:38 ; Romanos 15 : 19 ; 1 Coríntios 2: 4 ).

4. ilimitada extensão do poder divino:

Em todas estas formas de expressão de um grande e especificamente poder divino é predicado de Deus. Demonstrações em que a medida absolutamente ilimitado de este poder é explicitamente afirmados são raros. O motivo, no entanto, não se encontra em qualquer restrição real colocado neste poder, mas sob a forma prática concreta do pensamento religioso que impede a formulação abstrata do princípio. O ponto a ser notado é que nenhuma declaração é feita em qualquer lugar que isenta alguma coisa a partir do alcance do poder divino. Mais perto de uma fórmula geral vêm tais declarações como nada é "difícil demais para o Senhor" ( Gênesis 18:14 ; Jeremias 32:17 ); ou "Eu sei que tu podes fazer tudo?" ou "Deus ... tem feito tudo o que ele quisesse" ( Salmo 115: 3 ; Salmo 135: 6 ), ou, de forma negativa, ninguém "pode ​​prejudicar" Deus, na realização de seu propósito ( Isaías 43:13 ), ou de Deus mão não é "encurtada" ( Números 11:23 ); no Novo Testamento: "Com Deus tudo é possível" ( Mateus 19:26 ; Marcos 10:27 ; Lucas 18:27 ); "Nada é impossível para Deus" (Versão Revisada (britânico e americano) "Nenhuma palavra de Deus deve ser vazio de poder", Lucas 1:37 ). Indiretamente a onipotência de Deus está implícito no efeito atribuído a fé ( Mateus 17:20 : "Nada será impossível até você"; Marcos 9:23 : "Tudo é possível ao que crê"), porque a fé coloca o divino poder à disposição do crente. Por seu lado subjetivo do princípio da força inexaurível encontra expressão em Isaías 40:28 : Deus não está sujeito ao cansaço. Porque Deus é consciente da extensão ilimitada do Seu nada recursos é maravilhoso aos Seus olhos ( Zacarias 8: 6 ).

5. Formas de Manifestação:

É principalmente através de suas formas de manifestação que a qualidade distintiva do poder divino que a torna onipotente se torna aparente. O poder divino opera não apenas em gestos concretos de solteiro, mas é amplamente relacionado com o mundo como tal. Tanto na natureza e na história, na criação e na redenção, que produz e controla e dirige tudo o que venha a acontecer. Nada no reino das coisas reais ou possíveis é retirado dele ( Amós 9: 2 , Amos 9: 3 ; Daniel 4:35 ); mesmo com as sequências mais minuciosos e mais recônditos de causa e efeito que se estende e mestres todos os detalhes de realidade ( Mateus 10:30 ; Lucas 12: 7 ). Não é por acaso ( 1 Samuel 6: 9 ; comparar com 1 Samuel 06:12 ; Provérbios 16:33 ). Ele não precisa operar através de causas secundárias; ela própria base de todas as causas secundárias e faz-lhes o que eles são.

É o poder criativo produzir seu efeito através de uma simples palavra ( Gênesis 1: 3 ff; Deuteronômio 8: 3 ; Salmo 33: 9 ; Romanos 4:17 ; Hebreus 1: 3 ; Hebreus 11:30 ). Entre os profetas, especialmente Isaías enfatiza este modo de funcionamento do poder divino no seu imediatismo e rapidez ( Isaías 9: 8 ; Isaías 17:13 ; Isaías 18: 4-6 ; Isaías 29: 5 ). Todos os processos da natureza, é atribuída à causa do Senhor ( Jó 5: 9 ff; Job 9: 5 ff; capítulos 38 e 39; Isaías 40:12 ff; Amos 4:13 ; Amos 5: 8 , Amos 5: 9 ; Amos 9: 5 , Amos 9: 6 ); especialmente o controle do mar de Deus é apontado como ilustrativo desta ( Salmo 65: 7 ; Salmo 104: 9 ; Isaías 50: 2 ; Jeremias 05:22 ; Jeremias 31:35 ). O Antigo Testamento raramente diz que "chove" ( Amós 4: 7 ), mas geralmente a Deus faz com que ele chuva ( Levítico 26: 4 ; Deuteronômio 11:17 ; 1 Samuel 12:17 ; Jó 36:27 ; Salmo 29: 1- 11 e Salmo 65: 1-13 ; Mateus 5:45 ; Atos 14:17 ).

O mesmo é válido para os processos da história. A soberania de Deus dispõe, não apenas de Israel, mas de todas as outras nações, mesmo dos mais poderosos, por exemplo, os assírios, como Seus instrumentos para a realização de Seu propósito ( Amos 1 a 2: 3; Amos 9: 7 ; Isaías 10: 5 , Isaías 10:15 ; Isaías 28: 2 ; Isaías 45: 1 ; Jeremias 25: 9 ; Jeremias 27: 6 ; Jeremias 43:10 ). O profetas atribuem ao Senhor não apenas relativamente maior poder do que para os deuses das nações, mas o Seu poder se estende para a esfera das nações, e os deuses pagãos são ignoradas no cálculo, sobre a sua força ( Isaías 31: 3 ).

Ainda mais do que a esfera da natureza e da história, que de redenção revela a onipotência divina, do ponto de vista do sobrenatural e milagroso. Assim Êxodo 15 celebra o poder do Senhor nas maravilhas do êxodo. É prerrogativa exclusiva de Deus para fazer maravilhas ( Jó 5: 9 ; Jó 09:10 ; Salmo 72:18 ); Só ele pode fazer "uma coisa nova" ( Números 16:30 ; Isaías 43:19 ; Jeremias 31:22 ). No Novo Testamento, a grande forma de realização desta onipotência redentora é a ressurreição dos crentes ( Mateus 22:29 ; Marcos 12:24 ) e, especificamente, a ressurreição de Cristo ( Romanos 4:17 , Romanos 4:21 , Romanos 4:24 ; Efésios 01:19 ff); mas evidencia-se em todo o processo de redenção ( Mateus 19:26 ; Marcos 10:27 ; Romanos 8:31 ; Efésios 3: 7 , Efésios 3.20 ; 1 Pedro 1: 5 ; Apocalipse 11:17 ).

6. Importância para a religião bíblica:

A importância da idéia pode ser rastreada ao longo de duas linhas distintas. Por um lado, a onipotência divina aparece como um apoio de fé. Por outro lado, é productlye daquele estado especificamente religiosa da consciência que a Escritura chama de "o temor do Senhor." Onipotência de Deus é que, para que a fé humana se dirige. Nele encontra-se o terreno para a certeza de que Ele é capaz de salvar, como em Seu amor, que Ele está disposto a salvar ( Salmo 65: 5 , Salmos 65: 6 ; Salmo 72:18 ; Salmo 118: 14-16 ; Efésios 3: 20 ).

Quanto ao outro aspecto de sua importância, a onipotência divina em si mesmo, e não apenas por razões soteriológicos, evoca uma resposta religiosa específica. Isso é verdade, não só do Antigo Testamento, onde o elemento do medo de Deus permanece comparativamente em primeiro plano, mas continua a ser verdade também do Novo Testamento. Mesmo em nosso Senhor de ensinar o destaque dado à paternidade e amor de Deus não se opõe a que a majestade transcendente da natureza divina, incluindo onipotência, é mantido em plena vista e fez um fator potente no cultivo da mente religiosa ( Mateus 6 : 9 ). A beleza do ensinamento de Jesus sobre a natureza de Deus consiste no fato de que Ele mantém a exaltação de Deus acima de todas as criaturas e Sua condescendência amorosa com a criatura em perfeito equilíbrio e torna-os mutuamente fecundada pelo outro. Religião é mais do que a inclusão de Deus no movimento altruísta geral da mente humana; é uma devoção em todos os pontos coloridos pela consciência de que a unicidade divina, na qual a onipotência de Deus ocupa um lugar de destaque.

FONTE Enciclopédia Internacional Standard Bible 1870

VEJAM MAIS WWW.PENTECOSTALTEOLOGIA.BLOGSPOT.COM