Translate this Page

Rating: 3.0/5 (905 votos)



ONLINE
2




Partilhe este Site...

 

 

<

Flag Counter


Bibliologia evangelho de JOÃO N.2
Bibliologia evangelho de JOÃO N.2

    TEOLOGIA E ENSINO DAS CARTAS DE JOÃO 

 

Jo - han'ı̄n , - dentro :

 

  1. Os antecedentes

 

  1. Personalidade de Escritor

 

  1. primeiros escritos do Novo Testamento

 

  1. A experiência cristã e Ensino de História

 

  1. Alargamento O contato com Gentile Mundial

 

  1. As Odes de Salomão

 

  1. Antagonismo à especulação gnóstica

 

  1. A NATUREZA DIVINA

 

  1. Deus é espírito

 

Life 2. Deus é

 

  1. Deus luz é

 

  1. Ética Atributos Deus é justo

 

  1. Deus é amor

 

(1) O Amor de Deus

 

(A) Principalmente um Disposition

 

(B) Sob a forma de auto-sacrifício de Cristo

 

(C) Amor em Redenção

 

(2) O amor é a natureza de Deus

 

III. A ENCARNAÇÃO

 

  1. Antecedentes Históricos dos doutrina do Logos

 

  1. A doutrina do Logos em João

 

  1. A Encarnação conforme delineado no Quarto Evangelho

 

  1. A Encarnação na Primeira Epístola

 

  1. Implicações práticas da Encarnação

 

  1. O ESPÍRITO SANTO

 

  1. A Obra do Espírito - no Quarto Evangelho

 

Perpetua, mas também intensifica a consciência de Cristo

 

  1. Na Primeira Epístola

 

(1) DE ANÚNCIOS professor ivine

 

(2) Outros Aspectos

 

  1. A Pessoa do Espírito

 

Sua Divindade Implícita

 

  1. Doutrina do pecado e de propiciação

 

  1. pecado

 

  1. propiciação

 

(1) No Evangelho

 

(2) Na Epístola

 

(3) Um com Ensino Novo Testamento

 

  1. VIDA ETERNA

 

  1. Ética Ao invés de Eschatological

 

  1. aspecto metafísico

 

Responder a críticas

 

  1. Desenvolvimento da Doutrina

 

(1) Fonte em Deus

 

(2) mediada por Cristo

 

(3) Por meio do Espírito

 

(4) O Divino "gerar"

 

(5) O "Filhos de Deus"

 

(6) O Abiding Divino

 

VII. Natureza humana e sua regeneração

 

  1. O mundo

 

  1. Duas classes na raça humana

 

VIII. A IGREJA E SACRAMENTS

 

  1. A Igreja

 

  1. Os Sacramentos

 

(1) Batismo

 

(2) A Ceia do Senhor

 

  1. Escatologia

 

  1. Tipo de pensamento idealista

 

  1. Contudo, a história não ignoradas

 

  1. Nem Escatologia

 

  1. As idéias escatológicas

 

(1) Vida Eterna

 

(2) Antichrist

 

(3) Ressurreição

 

(4) Acórdão

 

(5) A Parusia

 

(A) A "Manifestação"

 

(B) Relação com os crentes

 

LITERATURA

 

Os materiais para o seguinte esboço da teologia joanina são necessariamente retirados do Quarto Evangelho e as Epístolas, principalmente a Primeira Epístola, de John. A questão da autoria não é aqui considerado (ver artigos sobre oEVANGELHO e na Epístolas de João). Estes escritos, seja pela mesma ou por diferentes autores, são igualmente saturado com que a atmosfera espiritual e teológica, igualmente caracterizada por esse tipo de pensamento que chamamos de João, e que apresenta uma interpretação do cristianismo não menos distinto e original do que Paulinism. Onde existem diferenças no ponto de vista, estes serão indicados.

 

  1. Os antecedentes.

 

  1. Personalidade de escritor:

 

Para tentar um relato completo das fontes históricas e antecedentes da teologia joanina está além do escopo deste artigo; mas eles podem ser indicado brevemente. Muito deve ser atribuído à personalidade do grande escritor anónimo a quem devemos directamente este último desenvolvimento do Novo Testamento pensava. Apenas um pensador de primeira ordem entre os idealistas e místicos, uma mente da ordem platônica, movendo-se instintivamente no mundo das realidades supersensuous, absorvidos na paixão do infinito, possuindo em um grau superlativo o dom da intuição espiritual, pode, em qualquer condições evoluíram um sistema de pensamento com as características especiais deste teologia.

 

  1. primeiros escritos do Novo Testamento:

 

No entanto, com toda a sua originalidade o construtor tem levantado a sua estrutura sobre a fundação já está posto no ensino representada pelos primeiros escritos do Novo Testamento. A tradição sinóptica, embora recém-interpretado, é pressuposta. Em certos pontos, há uma forte afinidade com a Epístola aos Hebreus. Em geral, no entanto, a doutrina de João pode ser considerado uma evolução natural e inevitável da Paulinism - a conclusão a que a mente do escritor anterior está visivelmente movendo por exemplo, na epístola aos Colossenses.

 

  1. A experiência cristã e Ensino de História:

 

Entre as influências que estimularam e orientaram este desenvolvimento, o primeiro lugar pertence ao crescimento natural da experiência cristã eo ensino da história. Nas últimas décadas do século 1, o cristianismo foi obrigado pela força dos acontecimentos para libertar-se mais completamente a partir da casca de messianismo judaico em que sua semente Divina primeira havia sido depositado. A fé da primeira geração cristã na messianidade de Jesus e o triunfo de Sua causa tinha manifestado em si (necessariamente assim, nas condições históricas) na expectativa vívida de sua segunda vinda. Ele só estava esperando por trás das nuvens, e gostaria de voltar rapidamente à terra para a restauração de todas as coisas ( Atos 3:21Atos 3:21 ). Mas, depois da queda de Jerusalém esta apocalypticism primitiva tornou-se, com o passar dos anos, cada vez mais desacreditados; ea fé cristã teve a interpretar-se de novo, tanto para a sua própria consciência e para o mundo, ou confessar-se "tal material como os sonhos são feitos." Seria difícil superestimar o serviço que a teologia de João deve ter prestado nessa transição perigosos, transferindo a ênfase da fé cristã a partir da apocalíptica ao "espiritual, e levando a igreja a uma compreensão mais profunda de seus recursos essenciais e inalienáveis ​​na nova vida espiritual que possuía através do Cristo sempre vivo. A vida eterna não era meramente uma felicidade futura, mas uma possessão presente; a vinda de mais real de Cristo, Sua vinda no Espírito. O Reino de Deus está aqui: o eterno é agora. Essa foi a grande mensagem de João à sua idade, e para todas as idades.

 

  1. Alargamento O contato com Gentile Mundo:

 

Em outro sentido, o contato alargamento do cristianismo com o Gentileworld havia estimulado o desenvolvimento da doutrina. A desarticulação do nacionalismo judeu, mais completa do que até mesmo Paul tinha realizado, tornou-se uma necessidade. Se o cristianismo era encontrar um lar e uma esfera de conquista do mundo greco-romano - para recriar pensamento e civilização europeia - a pessoa de Cristo, devem ser interpretados como tendo um significado muito maior do que a do Messias judeu. Que essa necessidade acelerou o processo de pensamento que atingiu o seu objetivo no Loges-doutrina de João não pode também ser posta em dúvida. A forma como tinha sido até agora preparado por Philo e a escola judaica-Alexandrino. E enquanto ele é provavelmente mera coincidência que Éfeso, com o qual a atividade dos últimos anos de John é associado pela tradição universal, foi também a cidade de Heráclito, que, 500 anos antes, tinha usado o termo Logos para expressar a idéia de um eterno e Razão universal, imanente no mundo, não é tão pouco espaço como pode haver motivo para questionar que, no Johannine teologia pensamento cristão foi influenciada e fertilizados em determinados pontos por contato com o helenismo.

 

  1. As Odes de Salomão:

 

Por outro lado, é possível que essa influência foi exagerado. Material fresco para a investigação das fontes e conexões da teologia joanina é fornecido pela recente descoberta das Odes de Salomão (J. Rendel Harris, MA, Odes e Salmos de Salomão , Cambridge, 1909; AdoIf Harnack, Ein judisch-Christliches Psalmbuch aus dem ersten Jahrhundert , Leipzig, 1910). Esta coleção de poemas religiosos é considerado por seu descobridor, Rendel Harris, como o trabalho de um escritor que, embora não seja um judeu, era um membro de uma comunidade de cristãos que foram para a maior parte da extração e crenças judaica. Mas, embora as Odes na sua forma actual conter distintamente elementos cristãos (referências, por exemplo, para o Filho, a Encarnação, o nascimento virginal, a Paixão, os anúncios inferos descensus ), uma análise mais detalhada de Harnack tende à conclusão de que em sua forma original eram puramente judaica, e que tenham sido adaptadas para utilização Christian por um processo de interpolação. Para o trabalho original Harnack dá como uma data possível o início da era cristã, a redação Christian caindo dentro do 1º século. Harnack reconhece a possibilidade de que o redator pode ter sido familiarizado com o Quarto Evangelho. O sentimento religioso do escritor é todo indivíduo e mística, em vez de nacionalista e messiânico. A atmosfera característica é fortemente joanina (podemos citar em, ilustração somente a nobre frase do ode 12: "A morada da Palavra é o homem, e sua verdade é Amor"). As Odes têm, em comum com os escritos joaninos, tais concepções principais como "graça", "acreditar", "conhecimento", "verdade", "light", "água viva", "vida" (para uma exposição completa do paralelismos, ver artigo de RH Strachan, O expositivo Times , Outubro de 1910). Harnack afirma deliberadamente (p. 99) que, nos Odes possuímos "os pressupostos da teologia joanina, além do histórico Jesus Cristo, e sem qualquer doutrina messiânica." Crítica mais recente das Odes, no entanto, resultou em grande diversidade de vista sobre a sua origem. Eles foram atribuídos ao Gnosticismo, e ao contrário do montanismo; e, novamente, são descritos (Bernard) como hinos batismais cristãos. Tendo em vista esta divisão de opinião crítica, tudo o que pode ser dito, entretanto, é que as Odes testemunhar um desenvolvimento mística garantia, o reconhecimento de que necessita de uma revisão das estimativas que foram feitas em relação à medida em que a teologia joanina está em dívida com a filosofia helenística.

 

  1. Antagonismo à especulação gnóstica:

 

Um outro fator importante neste desenvolvimento teológico continua a ser mencionado - antagonismo à especulação gnóstica. No Evangelho isso deixou não poucos vestígios, na forma tanto de instrução e omissão; na 1ª Epístola dificilmente qualquer outro perigo para a fé ea vida da igreja é apreendido do que a influência propagação de doutrinas gnósticas (vejaJOÃO , Epístolas de). O próprio João foi acusado de tendências gnósticas; mas a verdade é que, em vez dele gnosticismo deve ter sido o mais odioso e ter parecido o mais perigoso porque suas concepções foram em alguns pontos a caricatura de sua autoria. Nela, ele viu o verdadeiro Anticristo, o "espírito do erro", dando fatalmente soluções enganosas desses problemas que a mente humana nunca pode deixar em paz, mas em relação à qual a verdadeira luz é o Cristo histórico. Gnosticismo tinha perdido todo o sentido histórico, todo o contato com a realidade. Moveu-se em um mundo de pura mitologia e especulação; história tornou-se alegoria; Cristo encarnado um fantasma. John tomou sua posição apenas o mais firmemente em cima do fato histórico, insistiu mais veementemente sobre a realidade física verificada da Encarnação. Em muitos dos seus adeptos gnosticismo tinha perdido quase completamente o senso moral; João afirma com mais veemência a pureza moral inviolável da natureza divina e da vida regenerada que é derivada dela. dualismo gnóstico tinha definido Deus infinitamente longe dos homens como sendo transcendente; John traz Deus infinitamente próximo aos homens como Amor; e varre toda a complicada mitologia dos gnósticos emanações, eras e archons, por sua doutrina do Logos, coeternal e igual ao Pai, encarnado em Jesus, através de quem a humanidade é feita para participar da própria vida de Deus - a vida de todo o amor, pureza e verdade.

 

  1. A natureza divina.

 

  1. Deus é espírito:

 

Uma das glórias da teologia joanina é a sua doutrina de Deus, a sua delimitação da natureza divina. Esta é dada em uma série de afirmações intuitivas que, embora a forma de declaração indica nenhuma tentativa de correlação, se unem para formar uma concepção orgânica completa. A primeira destas afirmações define o que é o Divino ordem do ser : Deus é Espírito ( João 4:24 ). O significado central do presente ditado inesgotável é definida pelo contexto. Os antigos cultos locais, quer em Jerusalém ou Samaria, tinha implícita alguma modo local especial da presença divina; e isso, naturalmente, sugeriu, se não exigir, a idéia de algum tipo de materialidade na natureza divina. Mas Deus é espírito; e verdadeira adoração deve ser uma relação sexual de espírito com espírito, com relação a qualquer local ou material, mas apenas para condições morais. Assim, o conceito da espiritualidade Divina é moral e metafísica. A relação religiosa com Deus, tal como existe para a fé cristã, repousa sobre o fato de que o Ser Supremo é essencialmente moral, mas também onipresente e onisciente - o Espírito Divino cuja vontade e percipiency ato imediatamente e, simultaneamente, em todos os pontos da existência. Tal ser que absolutamente não têm o poder de compreender. Mas apenas como um Ser pode ser Deus, pode satisfazer nossa necessidade religiosa - um Ser de quem estamos certeza de que nada do que está em nós, bem ou mal, verdadeiro ou falso, e nada que nos diz respeito, passado, presente ou futuro, é esconderam de Sua visão imediata ou barrados contra a operação que permeia tudo de Sua vontade. Para perceber que Deus é um tal Ser é ter a certeza de que Ele pode ser adorado sem ritual mecânico ou do cumprimento formal: os que o adoram o adorem "em espírito e em verdade." João 4:24

 

  1. Deus é a vida:

 

Deus, que é espírito, é ainda concebida como vida, luz, justiça e amor. Justiça e amor são os quailties éticas primárias da natureza divina; Vida a energia pela qual eles agem; Acenda a auto-revelação em que se manifestam em todo o universo espiritual. Deus é Vida. Ele é a Realidade eterna final. Ele estava "no princípio" ( João 1: 1João 1: 1 ), ou "desde o princípio" ( 1 João 1: 11 João 1: 1 ; 1 João 2:131 João 2:13 ). Estas declarações são feitas do Logos, Portanto, a fortiori de Deus. Mas a natureza divina não é mera ser abstrato, infinito e eterno; ele está sendo preenchido com que a energia elemental inescrutável que chamamos vida. Em Deus esta energia da vida é auto-originária e auto-sustentável ( "O Pai tem a vida em si mesmo", João 5:26 ), e é a fonte de toda a vida ( João 1: 3 , João 1: 4 , o Revised Version (britânico e americano) de margem). Para cada vida que é finito é a união com Deus, segundo a sua capacidade. João 5:26João 1: 3João 1: 4

 

Mas as potências mais baixas da vida criativa não se inclui no âmbito da teologia joanina. O termo é restrito no uso ao seu mais alto significado ético, como denotando que a vida de perfeita, amor santo que é "a vida eterna", cuja posse em comunhão com Deus é o fim principal para o qual existe toda natureza espiritual. Os elementos presentes na concepção da vida divina são os seguintes: (1) A ética: a vida que Deus vive é um dos absoluta justiça ( 1 João 2:291 João 2:29 ), e perfeito amor ( 1 João 4: 91 João 4: 9 ). (2) A metafísica: a vida divina é nada mais do que a natureza divina em si considerado de forma dinâmica, como o solo e fonte de todas as suas próprias actividades, o princípio animador ou energia que faz com que a justiça divina e amor para não ser meras abstrações, mas realidades ativos . (3) Em joanina pensei que a vida divina é especialmente uma energia de auto-reprodução. É isso por necessidade moral inerente. O amor não pode deixar de buscar a gerar amor e justiça para gerar justiça, em todos os seres capazes de eles. Com John esta atividade geradora da natureza divina ocupa um lugar de destaque único. É isto que constitui a paternidade de Deus. Eternamente o Pai dá a Si mesmo para o Filho ( João 5:26João 5:26 ), a Palavra cuja vida desde o início consistia na sua relação com o Pai ( 1 João 1: 21 João 1: 2 ). Para os homens a vida eterna é comunicada como o resultado de uma procriação divina ( João 1:13João 1:13 ; João 3: 5João 3: 5 ; 1 João 2:291 João 2:29 ; 1 João 3: 91 João 3: 9 ; 1 João 4: 71 João 4: 7 , etc.) pelo qual eles se tornam " filhos de Deus "( João 1:12João 1:12 ; 1 João 3: 11 João 3: 1 , etc.). (4) Mas Deus não é apenas o transcendente fonte final, Ele é também o imanente fonte de vida. Isto é claramente implícito em todas essas passagens, numerosos demais para ser citado, que falam de Deus permanece em nós eo nosso permanecendo nele. A vida é mantida somente através de uma união vitalizante contínua com Ele, como um dos ramos com a videira ( João 5: 1-6 ). Deve-se observar, no entanto, que John nenhum lugar funde a idéia de Deus na medida em que da vida. Deus é pessoal; a vida é impessoal. A vida eterna é o elemento comum à personalidade de Deus, do Loges, e de quem são os "filhos de Deus". Qualquer forma panteísta de pensamento é tão estranho para João como a todos os outros escritor bíblico. John 5: 1-6

 

  1. Deus é luz:

 

Deus não é apenas a vida; Ele é luz também ( 1 João 1: 51 João 1: 5 ). Que Deus é a vida significa que Ele é e é auto-imparting; que Ele é a luz significa que a natureza divina é por dentro auto-reveladora necessidade. (1) Como a propriedade essencial da luz deve brilhar, assim Deus por Sua própria natureza da justiça e do amor é necessária para revelar-se como sendo o que Ele é, de modo a tornar-se a Verdade ( ἡ ἀλἡθεια , ele Aletheia), O objeto da percepção espiritual ( γινὡσκειν ,Gino -meada), E da fonte de iluminação espiritual para cada ser capaz de receber a revelação. "Deus é luz e nele não há treva alguma." Em Deus não há nada que se esconde, nada do que está oculto. O caráter divino é totalmente transparente - bondade, sem sombra de mal. (2) Esta auto-revelação de Deus é dado em sua forma perfeita em Jesus, Verbo encarnado, que é a luz dos homens ( João 1: 4João 1: 4 ), a luz do mundo ( João 8:12João 8:12 ; John 9: 5João 9: 5 ), a luz verdadeira ( João 1: 9João 1: 9 ; 1 João 2: 81 João 2: 8 ). (3) É, em sua iluminação por esta luz Divina que existe, mesmo para o pecador, um meio de comunhão moral com Deus. Nós podemos "vem para a luz" ( João 3: 19-21João 3: 19-21 ) e "andar na luz" ( 1 João 1: 71 João 1: 7 ). Na atmosfera translúcida da verdadeira luz, que, mesmo enquanto moralmente imperfeito e impuro, pode vir a ter uma visão comum de fatos espirituais com Deus ( 1 João 1: 8-101 João 1: 8-10 ; 1 João 2: 91 João 2: 9 , 1 João 2:101 João 2:10 ). Esta é a base de uma religião espiritual, e distingue o cristianismo de todas as superstições irracionais e ritualismos antiéticas.

 

  1. Atributos éticas:

 

Na especulação gnóstica da natureza divina foi concebido como a essência espiritual final, na separação eterna de tudo o que é material e mutável. Mas, enquanto John também, como vimos, concebe-lo desta forma, com ele a concepção é principalmente e intensamente ético. A natureza divina, a comunicação de que é a vida e a revelação de que é leve, tem, como seus dois grandes atributos, justiça e amor; e com toda a sua alma John trabalha para carimbar na mente dos homens que só em justiça e amor que eles podem andar na luz e ter comunhão na vida de Deus. É característico da forma intuitiva de João de pensamento que não há nenhum esforço para correlacionar esses dois aspectos da perfeição ética de Deus; mas, em termos gerais, pode dizer-se que eles são, respectivamente negativo e positivo. O amor é a soma de tudo o que é positivo para a direita; justiça a antítese de tudo o que está errado, em caráter e conduta.

 

Deus é justo.

 

(1) Que tal justiça - antagonismo com todo pecado - pertence, ou melhor, é, a natureza moral de Deus, e que esta é a base da ética cristã é afirmado categoricamente. "Se sabeis que ele é justo, sabeis que todo aquele que pratica a justiça é nascido dele" ( 1 João 2:291 João 2:29 ). (2) Esta justiça que pertence ao caráter interior de Deus se estende necessariamente a todas as suas ações: "Se confessarmos os nossos pecados, ele é fiel e justo para nos perdoar os pecados" ( 1 João 1: 91 João 1: 9 ). Quando no chão de propiciação de Cristo, Deus perdoa aqueles que, confessando os seus pecados tornar possível o perdão, Ele age com retidão ; e porque Ele age com retidão, Ele age também fielmente , isto é, auto-consistente. Ele não "negar a si mesmo" ( 2 Timóteo 2:132 Timóteo 2:13 ), mas faz o que está de acordo com Seu próprio caráter imutável. (3) A justiça de Deus está relacionada imperativamente a toda a atividade moral de Suas criaturas, tornando pecado inadmissíveis neles - inadmissíveis de jure em todos, de facto ". Gerado por ele" em todos os que estão Este John mantém com vigor sem precedentes (compare 1 João 2:29 ; 1 João 3: 6 , 1 João 3: 8-10 ; 1 João 5:18 ). É verdade, porém, que, em sua doutrina da justiça divina a teologia joanina não faz notável contribuição à soma do Novo Testamento pensou, mas apenas reafirma de forma enérgica peculiarmente a concepção dele que permeia toda a revelação bíblica. 1 João 2:291 João 3: 61 João 3: 8-101 João 5:18

 

  1. Deus é amor:

 

(1) O Amor de Deus.

 

É muito diferente com a próxima das grandes afirmações que constituem a sua doutrina de Deus: Deus é Amor . Aqui Evangelho e Epístola subir ao cume de toda a revelação, e pela primeira vez, de forma clara e totalmente enunciar que a verdade que é o segredo mais íntimo da existência.

 

(A) Principalmente uma Disposição:

 

O amor é principalmente uma disposição, uma qualidade moral da vontade. O que essa qualidade é indicado pelo fato de que o objeto típico de amor na relação humana é invariavelmente o nosso "irmão". É a disposição para agir em relação aos outros, pois é natural para aqueles que fazer que têm todos os interesses em comum e que percebem que a auto-existência plena de cada só pode ser alcançada em uma existência corporativa maior. É o poder misterioso pelo qual o egoísmo eo altruísmo se encontram e se fundem, o poder de viver não só para si, mas em outro, para realizar a sua própria vida mais plena no cumprimento de outras vidas. É auto-comunicação, que também é auto-afirmação.

 

(B) Sob a forma de auto-sacrifício de Cristo:

 

Na história de amor tem a sua uma realização perfeita na auto-sacrifício de Cristo. "Nisto conhecemos que amamos (ou seja, perceber o que é amor), porque ele deu a sua vida por nós" ( 1 João 3:161 João 3:16 ). O mundo nunca tinha sido sem amor; mas até que Jesus Cristo veio e deu a sua vida para os homens que odiavam e zombavam eo mataram, não sabia o que o amor na sua grandeza e pureza poderia ser.

 

(C) Amor em Redemption:

 

Mas aqui a história é o invisível traduzido para o visível. O auto-sacrifício de Cristo que dá a vida por nós é a manifestação ( 1 João 4: 91 João 4: 9 ), sob as condições do tempo e dos sentidos, do amor de Deus, eterno e invisível. Nas passagens paralelas estreitamente relacionados ( João 3:16João 3:16 ; 1 João 4: 91 João 4: 9 , 1 João 4:101 João 4:10 ), este é declarado com simplicidade incomparável comunicado. O amor divino se manifesta na magnitude de seu presente - "o seu Filho, seu unigênito" (em outros lugares o título é apenas "o Filho" ou "seu Filho" ou "o Filho de Deus"). Outros presentes são apenas sinais do amor de Deus; em Cristo toda a sua é concedido (compare Romanos 8:32 ; Gênesis 22:12 ). O amor de Deus se manifesta mais no propósito do seu presente - "que todo aquele que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna." É a auto-determinação de Deus, não só para resgatar os homens de que é a soma e finalidade de todos os males, mas para transmitir o bem supremo e eterno. Mas, novamente, o amor de Deus se manifesta em os meios pelos quais este objectivo é alcançado. Seu filho é enviado como "a propiciação pelos nossos pecados". Deus encolhe não do custo confins da redenção; mas na pessoa de Seu Filho se humilha e sofre até ao sangue que Ele pode tomar sobre si o peso da culpa humana e vergonha. E o último elemento na concepção cheio de amor divino é seus objetos : "Porque Deus amou o mundo"; "Nisto consiste o amor: não em que nós tenhamos amado a Deus, mas foi Ele que nos amou." Sua inefável mistério se revela em sua espontaneidade absoluta, a sua auto-originação. Seus incêndios são auto-acendeu; que brilha em seus esplendores mais puras sobre a desinteressante e sem valor. Essa é a concepção John coloca diante de nós. Neste devoção inteiramente espontânea, auto-determinado de Deus para os homens pecadores; esta paixão divina para resgatá-los do pecado, o mal supremo, e transmitir-lhes a vida eterna, o bem supremo; nesta, o que não é evocada pelo seu merecimento, mas pela sua necessidade, e vai para o comprimento extremo de sacrifício em suportar a carga extremidade do seu pecado e suas consequências inevitáveis; nesta, que é sempre revelada na missão de Jesus Cristo, Filho unigênito de Deus, é amor. Romanos 8:32Genesis 22:12

 

(2) O amor é a natureza de Deus.

 

E Deus é amor ( 1 João 4: 81 João 4: 8 , 1 João 4:161 João 4:16 ). (a) Deus é amor , essencialmente . O amor não é um dos atributos morais de Deus, mas que a partir do qual tudo procede, e em que todos nos unir. A fonte de todas as suas ações é o amor. (b) Por isso, também o Seu amor é universal . Em sentido especial Ele ama aqueles que estão espiritualmente Seus filhos ( João 14:23João 14:23 ); mas o Seu amor indiviso e essencial é dado também para o mundo inteiro ( João 3:16João 3:16 ; 1 João 2: 21 João 2: 2 ). Isso é uma grande verdade de John. Ele não tenta reconciliar com ele outras verdades aparentemente conflitantes em seu esquema teológico; possivelmente ele não estava consciente de qualquer necessidade de fazê-lo. Mas isso ele é certo- Lod é amor. Tal facto deve, de uma forma que ainda não sabem discernir, incluem todos os outros fatos. (c) O amor de Deus é eterna e imutável ; pois não depende de qualquer mérito ou reciprocidade no seu objeto, mas transborda de sua própria plenitude infinita. Podemos recusar-lhe a entrada em nossa vida que é seu objectivo ( João 3:19João 3:19 ; João 5:40João 5:40 ); assim podemos identificar-nos com o mal como para transformá-lo em uma força antagônica. Mas, como nossa bondade não chamá-lo à luz, nem pode a nossa causa que má cessar. (d) Se o amor é um, essencial o atributo essencial de Deus, segue-se que não se pode, em última instância conceber Deus como uma única personalidade simples. É neste ponto que a concepção de João mais completa da personalidade múltipla na Divindade torna-se mais útil, permitindo-nos a pensar na vida divina, em si, não como uma solidão eterna de auto-contemplação e auto-amor, mas como uma vida de comunhão ( João 1: 1 ; 1 João 1: 2 ). A Divindade está cheio de amor. "O Pai ama o Filho" ( João 3:35 ); e a oração do Filho para seus seguidores é "que o amor com que me amaste esteja neles" ( João 17:26 ). A doação eterna e receber amor divino entre o Pai eo Filho é, na teologia de João, um elemento essencial da natureza divina. João 1: 11 João 1: 2João 03:35João 17:26

 

III. A Encarnação.

 

A segunda grande contribuição dos escritos joaninos para o desenvolvimento da teologia cristã é a sua doutrina de Cristo - o mais recente e deliberado esforço dentro tempos do Novo Testamento para se relacionar intelectualmente fé da Igreja em Jesus a sua fé em Deus. Nesses escritos a personalidade sobre-humana de Jesus é expressa por três títulos que são usados ​​como praticamente sinónimo - "o Cristo", "o Filho" ( "Filho de Deus", "unigênito Filho de Deus"), o "Verbo" ( Logos ). O último é o único joanina distintamente.

 

  1. Antecedentes históricos da doutrina do Logos:

 

Historicamente, a doutrina do Logos de João tem inquestionável ligações de conexão com certos desenvolvimentos especulativos, tanto do pensamento grego e hebraico. O uso heraclitiana do termo "Logos" (ver acima, I.) para expressar a idéia de um eterno e abrangente Razão imanente no mundo foi continuado, enquanto que a concepção foi mais elaborada, pelos estóicos. Por outro lado, os desenvolvimentos posteriores do pensamento hebraico mostram uma tendência crescente para personificar a atividade de auto-revelação de Deus em tais concepções como o anjo, Glória, ou o Nome do Senhor, para anexar um significado peculiar à "Palavra" ( mē'merā ' ) Pelo qual Ele criou os céus ea terra, e para descrever a "sabedoria" (Jó, Provérbios) em algo mais do que um sentido figurativo como o agente dele e colega de trabalho. Estas aproximações de panteísmo grego e monoteísmo hebraico eram mais verbal do que real; e, naturalmente, a tentativa de Philo em sua doutrina da Logos combinar filosofias tão radicalmente divergentes teve menos sucesso do que era corajoso. Como agora, e se, directa ou indirectamente, John está em dívida com Philo e sua escola, são perguntas para as quais foram dadas amplamente diferentes respostas; mas alguma obrigação, provavelmente indireta, não pode razoavelmente ser negado. É evidente, de fato, que tanto a idéia eo termo " Logos "Eram correntes nos círculos cristãos para os quais o seu Evangelho e na Primeira Epístola foram imediatamente escritas; tanto em sua familiaridade é assumido No entanto, a doutrina de João tem pouco em comum com Philo, exceto o nome;. E é apenas em suas características mais essenciais que ele é mais original e distinta.

 

Como o Antigo Testamento começa com a afirmação: "No princípio Deus criou os céus ea terra", de modo que o Quarto Evangelho começa com a afirmação semelhante: "No princípio era o Verbo, eo Verbo estava com Deus, eo Verbo era Deus "( João 1: 1João 1: 1 ). A Palavra era o meio da ação divina na criação ( João 1: 3João 1: 3 ).

 

  1. A doutrina do Logos em João:

 

Na Palavra estava a vida, não apenas auto-existente, mas auto-imparting, de modo que ela se tornou a luz dos homens ( João 1: 4João 1: 4 ) - a verdadeira luz que, vindo ao mundo, ilumina todo homem ( João 1: 9João 1: 9 ). E, finalmente, ele é declarado que esta Palavra divina se fez carne e habitou entre nós, de modo que "vimos a sua glória, glória como do unigênito do Pai, cheio de graça e de verdade" ( João 1:14João 1:14 ). Aqui fé em Jesus como Divino foi rastreada até, e fundados em, uma dualidade dentro da própria Divindade. No duplo modo da existência divina, vê-se que não há Deus, que é Deus justo (por assim dizer), Deus em si mesmo; e não há Deus-com-Deus, Deus que é outro eu de Deus, Deus saindo de si mesmo em pensamento e ação. A primeira sem a segunda seria essência, sem manifestação, mente sem palavra, luz, sem brilho, sem vida que dá vida, a paternidade, sem filiação. Vê-se que dentro do Ser Divino há um meio de quem, como há também um de quem, toda a energia Divina sai. Acima de tudo, é visto que existe um modo divino de existência em que é inerentemente possível e natural para Deus para ser imediatamente relacionado a ser criado e até mesmo para encarnar-se na humanidade, como há também um modo de existência divina que não pode ser imediatamente comunicados ou revelados a vida criada. Assim, a doutrina de João é: em primeiro lugar, que o Logos é pessoal e divina, havendo uma razão de ser pessoal dentro da natureza divina ( prós tonelada Theon, "Em relação a Deus"); e, segundo, que o Logos se fez carne, foi e é encarnado em Jesus histórico.

 

  1. A Encarnação conforme delineado no Quarto Evangelho:

 

No Evangelho, o termo "Logos" não voltar a ocorrer após os versos de abertura; ainda tese do Prólogo, tão longe de ser irrelevante, domina toda a apresentação biográfica. O significado criativo e cósmico do Logos-Cristo é, naturalmente, no fundo; mas pode ser dito do Evangelho que "o Verbo se fez carne" é o seu texto, e todo o resto - milagre, incidente, o discurso - é o comentário. Por um lado, a realidade da "carne tornando-se" é enfatizada (por exemplo, João 4: 6João 4: 6 ; João 11:35João 11:35 ; João 19: 1João 19: 1 , João 19: 2João 19: 2 , João 19: 3João 19: 3 , João 19:17João 19:17 , João 19:28João 19: 28 , João 19:34João 19:34 , João 19: 38-40João 19: 38-40 ; João 20:20João 20:20 , João 20:27João 20:27 ). Por outro lado, a vestimenta humana só revela a glória divina dentro. Na terra, Jesus ainda é "o Filho do homem, que está nos céus" ( João 3:13João 3:13 ); a perfeita revelação do Pai ( João 14: 9João 14: 9 ); a luz do mundo ( João 8:12João 8:12 ); o caminho, a verdade ea vida ( João 14: 6João 14: 6 ); a ressurreição ( João 11:26João 11:26 ); o juiz final ( João 5:22João 5:22 ) e Salvador ( João 4:42João 4:42 ; João 6:40João 6:40 ) dos homens; a autoridade moral suprema ( João 13:34João 13:34 ; João 14:15João 14:15 , João 14:21João 14:21 ); o ouvinte de oração ( João 14:13João 14:13 , João 14:14João 14:14 ); o doador do Espírito ( João 7:38João 7:38 , João 7:39João 7:39 ; João 16: 7João 16: 7 ; João 20:22João 20:22 ); dotado de todas as prerrogativas de Deus ( João 5:23João 5:23 ; João 10:30João 10:30 , João 10: 36-38João 10: 36-38 ).

 

  1. A Encarnação na Primeira Epístola:

 

No 1 John a tese central é a identidade completa, pessoal e permanente do Jesus histórico com o Ser Divino que é a Palavra de Vida ( 1 João 1: 11 João 1: 1 ), o Cristo ( 1 João 4: 21 João 4: 2 ), o Filho de Deus ( 1 João 5: 51 João 5: 5 ). Esta é mantido em uma polêmica vigorosa contra certos professores heréticos quem o escritor chama de "anticristos", que de forma docética negavam que Jesus é o Cristo ( 1 João 2:221 João 2:22 ), ou, mais definitivamente, o "Cristo veio em carne" ( 1 João 4: 31 João 4: 3 ), e que afirmou que ele "veio" só pela água e não pelo também sangue ( 1 João 5: 61 João 5: 6 ; verJOÃO , Epístolas de). Contra essa doutrina de uma associação meramente aparente ou temporária de Jesus Cristo com o John é um testemunho veemente. "Quem é o mentiroso, senão aquele que nega que Jesus é o Cristo?" ( 1 João 2:221 João 2:22 ). 'Todo espírito que confessa Jesus como Cristo veio em carne é de Deus; e todo espírito que confessa não Jesus não é de Deus "( 1 João 4: 21 João 4: 2 , 1 João 4: 31 João 4: 3 ). "Quem é que vence o mundo, senão aquele que crê que Jesus é o Filho de Deus Este é aquele que veio por água e sangue, Jesus Cristo;? Não só pela água, mas com a água e com o sangue" ( 1 João 5: 51 João 5: 5 , 1 João 5: 61 João 5: 6 ). Essas passagens todos promulgar a mesma verdade substancialmente da mesma maneira. Sem deixar de ser o que Ele é o Cristo, o Filho de Deus, tornou-se Jesus; e Jesus, sem deixar de ser verdadeiramente humano , é o Filho de Deus. Quanto à forma da encarnação - por qual processo de auto-esvaziamento ou por aquilo conjunção de divino-humana os atributos do Filho Eterno, Jesus - os escritos joaninos, como o Novo Testamento em toda parte, são silenciosos. Eles anunciar Jesus Cristo como divina e humana; mas a distinção do que nele era humano e que Divino, ou se um é diferente do outro, isso eles nem sequer considerar. Gnosticismo atraiu tal distinção; John não. Sua única verdade é que Jesus é o Filho de Deus e Filho de Deus é Jesus, e que nele a vida de Deus se manifestou ( 1 João 1: 21 João 1: 2 ) e é dada ( 1 João 5:111 João 5:11 ) para os homens.

 

  1. Implicações práticas da Encarnação:

 

Neste verdade, visto em suas consequências práticas, João vê o núcleo da fé da igreja e da raiz e salvaguarda da sua vida. (a) Isso por si só realiza e garante a revelação cristã de Deus; com a sua negação de que a revelação é cancelada. "Qualquer que nega o Filho, também não tem o Pai" ( 1 João 2:231 João 2:23 ). (b) Acima de tudo, é só na vida e morte de Jesus, o Filho encarnado, que possuímos uma revelação válida de abnegado amor de Deus. "Aqui era o amor de Deus manifestado em nós, para que Deus enviou o seu ... Filho ao mundo, para que pudéssemos viver por meio dele" ( 1 João 4: 91 João 4: 9 ). Com a negação deste a ética cristã é esvaziada de seu próprio sangue-vida. Não há conexão meramente externo e acidental entre Docetism eo indiferentismo moral do gnóstico. O resultado natural de tornar a salvação do homem fácil, por assim dizer, por Deus, era para tornar mais fácil para o homem também - salvação pela crença sem conduta ( 1 João 2: 41 João 2: 4 , 1 João 2: 61 João 2: 6 ; 1 João 3: 71 João 3: 7 ), conhecimento sem amor ( 1 João 4: 81 João 4: 8 ), ou o amor que pagou suas dívidas com frases formosas e palavras vazias ( 1 João 3:171 João 3:17 , 1 João 3:181 João 3:18 ). Um Cristo docética significou o cristianismo docética. (c) Finalmente, João vê na encarnação a única possibilidade de uma redenção divina. Não era uma palavra ou uma fórmula que estava preocupado, mas para a elevação da humanidade à vida divina através do Deus-homem. O significado último da encarnação do Filho é que nele a vida eterna de Deus fluiu para a nossa humanidade e tornar-se uma fonte de poder regenerativo para tantos quantos o recebem ( João 1:12João 1:12 ). "Aquele que tem o Filho tem a vida; quem não tem o Filho de Deus não tem a vida" ( 1 João 5:121 João 5:12 ). Este é o centro do Evangelho de João - um Cristo divino-humano, que está em uma relação única, vital para os homens, reproduzindo neles Seu próprio caráter e experiências como a videira se reproduz nos ramos, fazendo isso, a realidade misteriosa que se expressa apenas, não explicou, quando se diz que ele é a nossa "vida" ( João 14:19João 14:19 , João 14:20João 14:20 ; João 15: 5João 15: 5 ).

 

  1. O espírito Santo.

 

  1. A Obra do Espírito - EU n o Quarto Evangelho:

 

Em uma direção a doutrina do Espírito Santo é desenvolvido exclusivamente nos escritos joaninos. A concepção do Espírito como o agente de Trabalho da presença de Cristo com e atividade na igreja é apresentado com uma plenitude e clareza inigualável no Novo Testamento. O Cristo partida promete aos seus amigos uma nova presença, diferente da sua em que era para ser não um corpo, mas uma presença espiritual, e ainda assim realmente seu próprio - uma presença na qual todo e mais de todos os efeitos de sua presença corporal seria perpetuada ( João 14:18João 14:18 ; João 16:22João 16:22 ). Na verdade, era conveniente para eles que Ele deve ir embora, a fim de que esta outra Paráclito deve vir ( João 16: 7João 16: 7 ). No corpo Sua presença com Seus seguidores tinha sido local e intermitente; no Espírito Ele viria para ocupar Sua morada com eles para sempre ( João 14:16João 14:16 ). Anteriormente Ele tinha sido ainda externos a eles, mas agora não era apenas para morar com eles, mas para ser neles ( João 14:17João 14:17 ). Em vez da voz externa do seu Mestre dirigindo-lhes as palavras de vida eterna, eles devem possuir o próprio Espírito da verdade ( João 14:17João 14:17 ), uma fonte da iluminação do interior, dando-lhes um "entendimento" para conhecê-Lo isso é verdade ( 1 João 5:201 João 5:20 ); e em vez de Seu exemplo visível diante de seus olhos, uma comunidade para dentro da vida com Ele como o da videira e dos ramos. A completa, vital, união permanente de Cristo e Seu povo, que haviam sido impedidos pelas limitações necessárias de um estado local, corporal da existência, seria alcançado, quando, por isso, há foi substituído a ação direta do espírito sobre o espírito.

 

Perpetua, mas também intensifica a consciência de Cristo.

 

Assim, a função do Espírito, que é principalmente enfatizado nos escritos joaninos é aquele pelo qual Ele perpetua, mas também intensifica, ilumina e educa a consciência de Cristo na igreja e na vida cristã. A este respeito sua natureza é o oposto do que do Logos , O Deus auto-revelação. O Espírito Santo nunca Se revela a consciência humana; Ele revela o Filho eo Pai por meio do Filho. Suas operações são totalmente secreto e inescrutável, conhecido apenas pelo seu resultado ( João 3: 8 ). Ele é o monitor para dentro em silêncio e remembrancer dos discípulos ( Jo 14:20 ); o iluminador, o revelador de Cristo ( João 16:14 ); um espírito de testemunha que tanto de si mesmo dá testemunho a respeito de Cristo ao seu povo e faz deles testemunhas portadores prontos e alegres ( João 15:26 , João 15:27 ); um guia de quem um crescimento constante no conhecimento é garantido, levando gradualmente à plena verdade de Cristo ( João 16:12 , João 16:13 ); um espírito de convicção trabalhando em homens uma certeza imediata da verdade sobre o pecado e justiça, e do juízo divino que marca seu antagonismo eterna ( João 16: 8-11 ). João 3: 8João 14:20João 16:14João 15:26João 15:27João 16:12João 16:13João 16: 8-11

 

  1. Na Primeira Epístola:

 

Na epístola encontramos a promessa do Evangelho realizada na experiência real. Não há nenhuma referência ao colector charismata da primeira idade, a inspiração profética exceção ( 1 João 4: 1 ). Mas, quer através do "médio" profética ou a consciência cristã normal, a função do Espírito é sempre a "ensinar" ou "testemunha" a respeito de Cristo. Este é finamente trouxe no paralelismo de 1 João 5: 6 : "Este (Jesus Cristo) é ele que veio " (uma vez por todas o cumprimento da missão do Messias); "É o Espírito que dá testemunho " (sempre autenticar sua origem divina, interpretando a sua finalidade e aplicação dos seus resultados). O testemunho específico do Espírito presta a Cristo é definido ( 1 João 4: 2 , 1 João 4: 3 ). "Nisto conhecereis o Espírito de Deus: todo espírito que confessa que Jesus Cristo veio em carne é de Deus;. E todo espírito que não confessa a Jesus não é de Deus"

 

(1) DE ANÚNCIOS Professor ivine.

 

O dom do Espírito é uma "unção do Santo" ( 1 João 2:20 ); e o resultado desta "unção" é que "todos tendes conhecimento" (ou que "todos tendes conhecimento"; a leitura é duvidoso), e "não precisa que alguém vos ensine" ( 1 João 2:27 ). Conforto do apóstolo a respeito dos seus leitores, abrangeu como eles são pelas armadilhas do Anticristo, é que eles têm um Mestre Divino, que ilumina continuamente seu entendimento, fortalece suas convicções e ministros para eles uma garantia invencível da verdade do Evangelho. "A unção permanece em vós ... e ensina a respeito de todas as coisas." O espírito não é uma fonte de revelação independente, mas faz a revelação de Cristo eficaz. A verdade é colocado além de toda alcance de controvérsia e passa para o conhecimento absoluto: "Ye sabe todas as coisas." Pode-se acrescentar que a história do cristianismo fornece uma verificação sempre crescente de esta doutrina joanina de um poder vivo do testemunho e da iluminação presente na igreja, pelo que, não obstante o impedimento constante da imperfeição humana, o desenvolvimento da fé cristã tem sido firmemente avançada, seus fatores esquecidos ou negligenciados trouxe à lembrança. Velhas verdades têm sido apresentados em novos aspectos e cheio de vida nova, e todos foi trazido para passar com admirável adaptação às necessidades da Igreja e na proporção de sua receptividade.

 

(2) outros aspectos.

 

Em outras direções a doutrina do Espírito é menos desenvolvido. A agência do Espírito na regeneração é enfática e repetidamente declarado em uma única passagem ( João 3: 5-8 ), mas em nenhum outro lugar a que se refere, quer no Evangelho, ou a Primeira Epístola. Ainda mais notável, nem no Evangelho nem Epístola é o Espírito Santo, uma vez falado de como o agente Divino em santificação. Não há passagem parecida com aquela em que Paulo fala do "fruto do Espírito" ética ( Gálatas 5:22 , Gálatas 5:23 ). O Espírito é o Espírito da verdade, o revelador, o inspirador da fé, mas nunca é falado como o Espírito de amor ou santidade. Se os que são gerados de Deus não pode pecar, não é porque o Espírito de Deus, mas porque "sua semente", permanece em-los ( 1 João 3: 9 ). A explicação para esta peculiaridade (que tem sido pouco observado) na teologia joanina pode ser que a obra de Cristo revelando do Espírito é considerado all-inclusive. Permitindo assim que os discípulos de Cristo para permanecer nele como o ramo na videira, Ele assegura também a sua trazendo "muito fruto" em toda a semelhança de Cristo de caráter e conduta.

 

  1. A Pessoa do Espírito:

 

Passando agora a partir do trabalho à pessoa, observa-se que no Quarto Evangelho a atribuição de personalidade ao Espírito atinge o auge da distinção. Ele é "outro Paráclito" ( João 14:16 margem), pessoal, como o próprio Cristo é pessoal; e todas as funções atribuídas a ele - para lembrar, para ensinar, para testemunhar, para orientar, para condenar - são tais que só são possíveis a um agente pessoal. Também não é de outra forma na Primeira Epístola. As expressões nele que foram alegados (Pfleiderer e outros) como inconsistentes com a personalidade (a "unção", 1 João 2:20 : "Ele nos deu do seu Espírito ," 1 João 4:13 ) não necessitam de tal interpretação. A "unção" denota o espírito, não na sua essência ou agência, mas como o dom do Santo com o qual Ele unge crentes (compare João 7:38 , João 7:39 ); e a expressão "Ele nos do seu Espírito dado" (como se o Espírito fosse uma entidade divisível) não é mais incompatível com personalidade do que é o ditado "a Ele a quem ele enviou ..., Deus não dá o Espírito por medida "( João 3:34 ), ou do que o nosso falar dos cristãos como tendo mais ou menos do Espírito.

 

Sua Divindade implícita.

 

A Divindade essencial do Espírito está longe explicitamente afirmado, mas está necessariamente implícito na sua relação tanto a Cristo e à igreja como o "outro Paráclito". Não é, no entanto, o mesmo desenvolvimento teológicas como é conseguido sobre o Logos . A divindade de Cristo é baseada em uma dualidade essencial do ser dentro do próprio Deus; mas não há nenhum esforço semelhante para rastrear a triplicidade na revelação de Deus, como Pai, Filho e Espírito Santo, a uma triplicidade essencial na natureza divina. O fato é que tanto histórica e logicamente a doutrina do Espírito como a terceira pessoa da Divindade depende a do Divino Filho como a segunda. Foi através da sua experiência de vida do Divino em Cristo que a Igreja desenvolveu pela primeira vez seu pensamento de Deus além da simples monoteísmo do Antigo Testamento; mas tendo avançado para a concepção de uma divindade dupla, em que há paternidade e filiação, foi obrigado a aumentá-la ainda mais ao de uma divindade tríplice - Father, Filho e Espírito. Do Filho e do Espírito foram igualmente manifestações de Deus em redenção, e deve igualmente estar em relação essencial para a existência divina.

 

  1. doutrina do pecado e de propiciação.

 

Este tema não é elaborado. É característico dos escritos joaninos que a salvação é olhado do terminus ad quem , em vez de a partir do terminus a quo . A boa infinita, vida eterna, é mais em vista do que o mal infinito, pecado. Parece seguro dizer que o autor desses escritos em nenhum momento teve que intensa experiência de escravidão à lei do pecado e da morte, que de modo cores apresentação de Paulo do evangelho. Foi, além disso, nenhuma parte de seu plano para expor a doutrina da propiciação; nem tinha qualquer contribuição original para fazer sobre este assunto à soma de Novo Testamento pensava. Mas é uma crítica bastante injustificável que nega que a obra salvadora de Cristo, na concepção de João, consiste na libertação do pecado.

 

  1. Pecado:

 

É verdade que Cristo não só tira o pecado do mundo ( João 1:29 ), mas também desenha-lo para trás em sua máxima intensidade e culpa. Todo pecado culmina com a rejeição de Cristo ( João 15:22 ); o Espírito convence os homens do pecado, porque eles "não creiais" Nele ( João 16: 9 ). "Todo aquele que comete pecado é escravo do pecado" ( João 8:34 ); mas o que revela o verdadeiro caráter deste cativeiro é que, na presença da luz, os homens "amaram mais as trevas" ( João 3:19 ). Que a qualidade maligna e poder do mal estão totalmente revelado somente na presença de bondade perfeita, que o mais brilhante é a luz, mais escura é a sombra de culpa criado por sua rejeição - tudo isso John ensina; mas tal ensino não é de forma peculiar a ele, e para inferir a partir dele que "a sua mente pecado em si não envolve nenhuma culpabilidade moral" não é nada mais do que um paradoxo caminho-ala.

 

Na Epístola a culpa do pecado como constituindo uma deficiência objetivo de comunhão com Deus é fortemente enfatizada. "Se dissermos que não temos pecado, enganamos a nós mesmos" ( 1 João 1: 8 ). A frase "ter pecado" é peculiar a João, e, especificamente, denota a culpa do agente (compare João 9:41 ; João 15:22 , João 15:24 ; João 19:11 ). O pecado é essencialmente o que precisa de perdão de Deus ( 1 João 1: 9 ; 1 João 2: 1 , 1 João 2: 2 ); e para este fim foram fornecidos um intercessor e uma propiciação. Essa culpa é universal: "Se dissermos que não temos cometido pecado, nós" - não apenas enganar-nos - "fazemo-lo mentiroso" ( 1 João 1:10 ).

 

A segunda passagem ( 1 João 3: 4-9 ), enfatiza a qualidade ética do pecado - o seu antagonismo com a natureza de Deus e dos filhos de Deus. A palavra que define o princípio constitutivo do pecado é "iniqüidade" ( 1 João 3: 4 ). O pecado é, fundamentalmente, a negação do caráter absoluto da obrigação moral, o repúdio da lei eterna sobre a qual toda a vida moral se baseia. Em outras palavras, para o pecado é afirmar a própria vontade como a regra de ação contra o absolutamente boa vontade de Deus. Mas, novamente, a epístola dá o aviso de que "toda injustiça é pecado" ( 1 João 5:17 ). Tudo o que é não está certo é errado, cada campo moralmente inferior de ação, no entanto veniais que possa parecer, é pecado e contém os elementos de culpa positivo. O tópico desconcertante de "pecado para a morte" exige um tratamento muito especial para ser tratado aqui.

 

  1. propiciação:

 

(1) No Evangelho.

 

A escassez de referência no Quarto Evangelho ao aspecto propiciador da obra redentora de Cristo tem sido tomada como prova de que, embora o escritor não conscientemente rejeitar a doutrina ortodoxa, foi realmente estranho a seu sistema. Mas essa crítica pode ser dirigida com igual força contra os Sinópticos. Não era parte do plano de John, como já foi dito, a expor uma doutrina de propiciação; contudo seu frontispício para o ministério de Jesus é "o Cordeiro de Deus que tira o pecado do mundo"; e, como o Dr. Inge apontou, o mesmo tipo de Cordeiro pascal está subjacente a toda a narrativa da Paixão. Na oração sacerdotal nosso Senhor representa mesmo expressamente como o pacto sacrifício que consagra os seus discípulos como o povo de Deus ( João 17:19 ); enquanto o Synoptic "resgate por muitos" é paralelo com a interpretação da morte de Cristo como eficaz "para a nação, e não somente para a nação, mas que ele também para congregar num só corpo os filhos de Deus que andavam dispersos" ( John 11:51 , João 11:52 ; comparar 1 João 2: 2 ).

 

(2) Na Epístola.

 

Na Epístola a declaração doutrinária é muito mais explícita. O fato de propiciação é colocado em primeiro plano. A passagem que segue imediatamente o Prólogo ( 1 João 1: 6 a 2: 2) introduz um grupo de ideias - propiciação, o sangue, o perdão, a limpeza - que são tomadas diretamente do sistema sacrificial do Antigo Testamento, e são expressas, de fato , em termos técnicos levitas. O modo de acção pelo qual Cristo realizou e ainda realiza sua missão como Salvador do mundo é: "Ele é a propiciação pelos nossos pecados, e não somente pelos nossos, mas também para todo o mundo" ( 1 João 2: 2 ) .

international standard bible encyclopedia

fonte www.avivamentonosul21.comunidades.net