Translate this Page

Rating: 3.0/5 (891 votos)



ONLINE
3




Partilhe este Site...

 

 

<

Flag Counter


Bibliologia HEBRAICO do antigo testamento
Bibliologia HEBRAICO do antigo testamento

                      BIBLIOLOGIA HEBRAICO

                      DO ANTIGO TESTAMENTO

 

laṇ'gwāj - ES

 

  1. As línguas semíticas

 

  1. Os membros da família semita

 

  1. O nome hebraico

 

  1. Old Literatura Hebraica

 

  1. HISTÓRIA da língua hebraica

 

  1. mais antiga forma de Idioma

 

  1. O hebraico do Antigo Testamento

 

  1. sua uniformidade

 

  1. A causa do mesmo

 

  1. As diferenças devido à idade

 

  1. diferenças de estilo

 

  1. influências estrangeiras

 

  1. poesia e prosa

 

  1. Início da Língua Hebraica

 

  1. sua antiguidade

 

  1. Quando se tornou hebraico uma língua morta

 

III. Principais características do hebraico

 

  1. sons característicos

 

  1. letras que representam dois sons

 

  1. As consoantes Representando Vogais

 

  1. A Sílaba

 

  1. Raízes de três letras

 

  1. Conjugações ou radicais derivados

 

  1. Ausência de Tempos

 

  1. Os Pronomes

 

  1. Formação de Substantivos

 

  1. inflexão Interno

 

  1. Sintaxe do Verbo

 

  1. Sintaxe do substantivo

 

  1. A pobreza de adjetivos

 

  1. bíblia aramaico

 

  1. aramaico porções do Antigo Testamento

 

  1. Fonologia

 

  1. gramática

 

  1. Sintaxe

 

  1. aramaico mais decadente do que hebreu

 

  1. LITERÁRIAS CARACTERÍSTICAS DAS semitas

 

  1. Betão e Abstract

 

  1. Visão da Natureza

 

  1. Imaginação Pictorial

 

  1. Prosa e Poesia

 

  1. hebraico Fácil de Tradução

 

LITERATURA

 

Havia apenas duas línguas utilizadas nos arquétipos de livros do Antigo Testamento (além de uma palavra egípcia ou persa ou grego aqui e ali), ou seja, hebraico e aramaico bíblico, sendo que ambos pertencem à grande família de línguas conhecidas como semita.

 

  1. As línguas semíticas.

 

As línguas faladas no sudoeste da Ásia durante o período histórico tratado na Bíblia ter sido nomeado Shemitic, após o filho de Noé, de quem a maioria dos povos que falam línguas - A rabs, hebreus, arameus e assírios (Gênesis 10:21 ff) - eram descendentes. Para mostrar, no entanto, que a descrição não se encaixa exatamente a coisa descrita - os elamitas e Lydians provavelmente não ter falado uma linguagem Shemitic e os cananeus, incluindo fenícios, com os colonos descendentes daqueles em Cartago e em outros lugares nas terras costa do Mediterrâneo , bem como os Abyssinians (etíopes), de quem o fazia, sendo contados descendentes de Ham (Gênesis 09:18; Genesis 10: 6 ff) - a palavra é agora geralmente escrito "semita", um termo introduzido por Eichhorn (1787). Estas línguas eram faladas do Mar Cáspio para o Sul da Arábia, e desde o Mediterrâneo até o vale do Tigre.

 

  1. Os membros da família semita:

 

A lista a seguir mostra os principais membros desta família:

 

(1) Sul semita ou árabe:

 

Incluindo a língua das inscrições Sabean (Himyaritic), bem como Ge'ez ou etíope. Árabe é falado agora do Cáucaso a Zanzibar, e das Índias Orientais para o Atlântico.

 

(2) Oriente semita ou cananéia:

 

Incluindo hebraico, velho e novo, fenícia, com Púnica, e moabita (linguagem de MS).

 

(3) Norte semita ou aramaico:

 

Incluindo (a) East aramaico ou Síria (linguagem dos cristãos sírios), língua de Talmud babilônico, Mandean; (B) Oeste ou aramaico palestino dos Targums, Palestina Talmud (Gemara), aramaico bíblico ( "caldeu"), Samaritano, língua das inscrições Nabatean.

 

(4) East semita:

 

Língua de inscrições Assíria-babilônicos.

 

  1. O nome hebraico:

 

Com a exceção de alguns capítulos e fragmentos mencionados abaixo, o Antigo Testamento é inteiramente escrito em hebraico. No próprio Antigo Testamento esta linguagem é chamada "dos judeus" (2 Reis 18:26, 2 Reis 18:28). Em Isaías 19:18 é chamado poeticamente, o que de fato foi, "a linguagem (em hebraico" lip ") de Canaã." No apêndice da Septuaginta de Jó é chamado siríaco; e na introdução Eclesiástico é pela primeira vez - isto é, em 130 aC - o nome hebraico. O termo hebraico no Novo Testamento denota a linguagem do Antigo Testamento em Apocalipse 09:11, mas em João 5: 2; João 19:13, João 19:17 este termo significa que o aramaico vernáculo. Em outras passagens, é duvidoso que se destina. Josephus usa o mesmo nome para ambos. Desde o tempo dos Targums, o hebraico é chamado de "língua sagrada" em contraste com o aramaico de uso diário. A linguagem do Antigo Testamento é chamado hebraico antigo, em contraste com o Novo hebraico do Mishna, o rabínica, a poesia espanhola, etc.

 

  1. hebraico antigo Literatura:

 

De hebraico antigo os restos estão contidos quase inteiramente no Antigo Testamento. Algumas inscrições foram recuperados, isto é, as inscrições Siloé, um calendário hebraico, um grande número de ostraka de Samaria, uma pontuação de selos pré-exílico, e moedas do Maccabees e da época de Vespasiano e Adriano.

 

Literatura.

 

  1. Renan, Histoire générale et systeme comparar des Langues semitiques; F. Hommel, Die Semit. Volker u. Sprachen; as gramáticas comparativos de Wright e Brockelmann; CIS; artigo "línguas semíticas" em Enciclopédia Brit e Dicionário Ilustrado de Bíblia de Murray.

 

  1. História da Língua Hebraica.

 

Hebraico como ele aparece para nós no Antigo Testamento está em um estado de decadência que corresponde à posição atual do árabe falado. No período mais próximo no qual, sem dúvida, se assemelhava ao árabe clássico dos séculos 7 e seguintes. As variações encontradas entre os vários estratos da língua ocorrendo no Antigo Testamento são mínimas em comparação com a diferença entre o árabe moderna e antiga.

 

  1. mais antiga forma de Idioma:

 

Hebraico era, sem dúvida, originalmente uma linguagem altamente flexionadas, como o árabe clássico. O substantivo teve três casos, nominativo, genitivo e acusativo, terminando em - um, - im, - am, respectivamente, como nas inscrições sabeus. Ambos os verbos e substantivos tinha três números (singular, dual e plural) e dois sexos, masculino e feminino no substantivo dual e plural teve dois casos. A pessoa singular feminino plural e 2º dupla e 2 e 3person do imperfeito do verbo terminado em freira. Em certas posições "m" das terminações - um, - im, - estou no substantivo foi descartado. O verbo tinha três humores, indicativo, subjuntivo e imperativo, terminando em - u, - um e -, respectivamente; assim como muitas formas ou caules, cada um dos quais tinha uma voz activa e passiva.

 

  1. O hebraico do Antigo Testamento:

 

No hebraico do Antigo Testamento a maioria destas inflexões desapareceram. Dos três casos de substantivo apenas o acusativo - am sobreviveu em algumas formas adverbiais, como 'omnām ", realmente." A dupla desapareceu inteiramente do verbo, e também a partir do s, com a excepção das coisas que ocorrem em pares, tais como mão, olho, que não têm plural. O nom. caso do plural dupla e do substantivo desapareceu, e o caso oblíquo é usado para ambos. Excepto em casos de arcaísmo poética a freira final do verbo foi perdido e, como as vogais finais caíram em verbos, bem como em substantivos, o resultado é que as formas jussivo servir de indicativo e subjuntivo também. Muitas das formas ou caules têm caído em desuso, e as formas passivas de dois sozinhos são usados.

 

  1. sua uniformidade:

 

Um dos fatos mais marcantes relacionados com o hebraico do Antigo Testamento é que, apesar de que a literatura se estende por um período de mais de 1.000 anos, quase não há diferença entre a linguagem das zonas mais antigas e que da última. Este fenómeno é susceptível de várias explicações. Em primeiro lugar, quase toda a literatura do Antigo Testamento é de caráter religioso, e como tal, os primeiros escritos viria a ser o modelo para a tarde, assim como o Alcorão - a primeira obra em prosa composta em árabe que sobreviveu - tornou-se o padrão para todas as composições futuras. O mesmo era verdade para muitos séculos de influência de Aristófanes e Eurípedes sobre a linguagem dos gregos educados, e, diz-se, da influência de Confúcio em que a de os chineses aprenderam.

 

  1. A causa do mesmo:

 

Mas a principal causa é provavelmente o fato de que as línguas semitas não variam com o tempo, mas com lugar. O vocabulário árabe usado em Marrocos é diferente da do Egito, mas as palavras árabes usadas em cada um destes países têm-se mantido o mesmo há séculos - na verdade, uma vez Árabe começou a ser falado neles. Da mesma forma, as pequenas diferenças que são encontrados em várias partes do Velho Testamento são atribuídas, não a uma diferença de data, mas ao fato de que alguns escritores pertencia ao Reino do Sul, alguns para o Norte, alguns escreveu na Palestina , alguns na Babilônia (compare Neemias 13:23, Neemias 13:24; juízes 12: 6; juízes 18: 3).

 

  1. As diferenças devido à idade:

 

A literatura do Antigo Testamento se divide em dois períodos principais: aquela composta antes e durante o exílio babilônico, e aquilo que cai depois do exílio. Mas, mesmo entre esses dois períodos, as diferenças de língua são comparativamente ligeira, de modo que muitas vezes é difícil ou impossível dizer por razões linguísticas menos se um capítulo particular é pré-exílico ou pós-exílico e estudiosos de primeira linha muitas vezes, mantenha o a maioria das opiniões contrárias sobre esses pontos. Por exemplo, Dillmann coloca o chamado Documento P (Código Sacerdotal) antes de Documento D (Código deuteronômico) no período régia, enquanto que a maioria dos críticos datam D sobre 621 e P cerca de 444 aC.

 

  1. As divergências Estilo:

 

É desnecessário acrescentar que os diversos escritores diferem entre si no ponto de estilo, mas estas variações são infinitesimais comparados com os de autores gregos e latinos, e são devidos, como já foi dito acima, em grande parte, a localidade e meio ambiente. Assim, o estilo de Oséias é bastante diferente da de seu Amos contemporânea, e que de Deutero-Isaías mostra muito claramente a marca do seu local de composição.

 

  1. influências estrangeiras:

 

Um fator muito mais potente em modificar a linguagem era a influência de línguas estrangeiras em cima do hebraico, especialmente no que diz respeito ao vocabulário. O mais antigo deles foi provavelmente egípcio, mas muito mais importante era assírio, do qual hebraico ganhou um grande número de palavras de empréstimo. É sabido que o roteiro da Babilônia foi utilizado para fins comerciais em todo sudoeste da Ásia, mesmo antes de os hebreus entraram em Canaã (ver texto), mas a influência da Babilônia à Palestina parece ter sido muito exagerados. O principal ponto de contacto é na mitologia, que pode ter sido comum a ambos os povos. Nas fases posteriores, especialmente pós-exílio da linguagem, muitas Aramaisms são encontrados no que diz respeito à sintaxe, bem como vocabulário; e em fases posteriores ainda, palavras persas e mesmo gregas são encontradas.

 

  1. poesia e prosa:

 

Como em outros idiomas, por isso, em hebraico, o vocabulário da literatura poética difere da dos prosadores. Em hebraico, no entanto, não há a distinção dura e rápida entre estes dois que obtém nos clássicos. Sempre que a prosa se torna elevada pela importação de sentimento, ela cai em um ritmo natural que em hebraico constitui poesia. Assim, a maioria dos assim chamados livros são proféticos em forma poética. Outra marca da poesia é um retorno às formas gramaticais arcaicas, especialmente a restauração da freira final no verbo.

 

  1. Início da Língua Hebraica:

 

A forma de semita que era indígena na terra de Canaã é às vezes chamado Oriente semita. Antes de os israelitas entraram no país, que era a língua dos cananeus de quem o Hebreus assumiu o controle. Que o hebraico não era a língua de Abraão antes de sua migração aparece a partir do fato de que ele é chamado de sírio (Deuteronômio 26: 5), e que a linguagem nativa de Labão era o aramaico (Gênesis 31:47). Um outro ponto é que a palavra "mar" é usado para o Ocidente e "Negeb" para o Sul, indicando a Palestina como o berço da língua (por isso Isaías 19:18).

 

  1. sua antiguidade:

 

Como os habitantes indígenas da terra de Canaã não eram semitas, não podemos inferir a existência da língua hebraica mais cedo do que as primeiras imigrações de semitas na Palestina, ou seja, durante o terceiro milênio aC. Seria, portanto, um membro mais jovem da família semita do que assírio-babilônico, que exibe todas as marcas de grande antiguidade muito antes de a língua hebraica é recebido com.

 

  1. Quando se tornou hebraico uma língua morta:

 

O exílio babilônico soou o dobre de finados da língua hebraica. As classes educadas foram deportados à Babilônia ou fugiram para o Egito, e aqueles que permaneceram não eram lentos em adotar a linguagem usada por seus conquistadores. O antigo hebraico tornou-se uma língua literária e sagrado, a linguagem do ser cotidiano provavelmente aramaico. Qualquer que seja o significado exato de Neemias 8: 8, isso prova que o povo daquela época tinha extrema dificuldade em compreender hebraico clássico, quando foi lido para eles. No entanto, para o propósito da religião, a língua de idade continuaram a ser utilizados durante vários séculos. Por razões patrióticas era usado pelos Macabeus, e por Bar Cochba (135 dC).

 

Literatura.

 

Gesenius, Geschichte der hebr. Sprache und Schrift; Bertheau, "Hebr Sprache." No RE, 2ª edição; ver também "Literatura" na seção seguinte.

 

III. Características principais do hebraico.

 

As marcas especiais que distinguem particularmente uma língua pode ser encontrado no seu alfabeto, no seu modo de inflexão, ou na sua sintaxe.

 

  1. sons característicos:

 

O alfabeto hebraico é caracterizada pelo grande número de sons guturais que contém, e estes não são meros palatais como o Scotch ou capítulo alemão, mas é verdade garganta sons, como não são encontrados nas línguas arianas. Assim, quando o alfabeto fenício passado na Grécia, estes sons impronunciáveis, ע, ח, ה, א foram transformados em vogais, A, E, H, O. em hebraico as letras guturais predominam. "Nos dicionários hebraicos quatro gutturals ocupam consideravelmente mais do que uma quarta parte do volume, a dezoito cartas de ocupação consideravelmente menos do que três quartos restantes." Além do gutural, existem três consoantes fortes, מ, ÷ e, צ que são emitidas com compressão da laringe, e são bastante diferentes da nossa T, K e S. Em grego, o primeiro foi atenuado em um θπ ρ Ο2, os outros dois foram descartados como cartas, mas manteve como numerais.

 

  1. letras que representam dois sons:

 

bh Embora o alfabeto hebraico compreende não mais do que 22 letras, estes representam cerca de 30 sons diferentes, para o 6 letras b, g, d, k, p e t, quando caem imediatamente após uma vogal, são pronunciadas (v), gh , dh, kh, ph (f) e th. Além disso, os gutturals ה e ע cada um representam dois sons distintos, que ainda estão em uso em árabe. A letra "H" é por vezes soou no final de uma palavra, como no início.

 

  1. As consoantes Representando Vogais:

 

Uma peculiaridade do alfabeto hebraico é que as letras são todas as consoantes. Quatro destes, no entanto, estavam muito cedo usado para representar vogal e diphthong sons, ou seja,, א H, W e Y. Enquanto hebraico era uma língua falada não foram utilizados outros símbolos para além dessas 22 letras. Não foi até o século 7 dC, o mais rapidamente que o elaborado sistema bem conhecido de sinais para representar as vogais e outros sons foi inventado (ver texto).

 

  1. A sílaba:

 

Uma característica da língua hebraica é que nenhuma palavra ou sílaba pode começar com uma vogal: cada sílaba começa com uma consoante. Isto também é verdade para as outras línguas semíticas, com exceção assírio-babilônica. Quando, no curso do boca-a formação de uma sílaba iria começar com uma vogal, o ligeiro א consoante é prefixado. Além disso, mais de duas consoantes não pode ficar sem vogais intervenientes, como no Inglês palavra "força". No máximo, duas consoantes podem começar uma sílaba, e mesmo assim um ligeiro vogal soa entre eles, como Kero '. Uma palavra pode terminar em duas consoantes sem vogais, como 'amart, mas nenhuma palavra ou sílaba termina em mais de dois.

 

  1. Raízes de três letras:

 

A característica marcante da família semita de línguas é a raiz, que consiste em três consoantes. Praticamente, a raiz triliteral é universal. Existem algumas raízes com mais de três letras, mas muitas das raízes quadriliteral são formados por reduplicação, como kabkab em árabe. Muitas tentativas têm sido feitas para reduzir de três letras para caules de duas letras, tendo os factores comuns a várias raízes de significado idêntico. Assim דום, דמה, דמם, "para ser ainda," parece que todos vêm de uma raiz דם. É mais provável, contudo, que a raiz é sempre triliteral, mas pode aparecer em várias formas.

 

  1. Conjugações ou radicais derivados:

 

A partir dessas raízes triliteral todas as partes dos verbos são formados. A raiz, que, deveria ser declarado, não é o infinitivo, mas o 3singular masculino perfeito activa, expressa a idéia simples, sem qualificação, como shābhar ", ele quebrou." A ideia de intensidade é obtido dobrando a carta-tronco meio, como shibbēr ", ele quebrou em fragmentos"; o passivo é expressa pela -vowel u em primeiro lugar ea um -vowel no passado, como shubbar ", que foi quebrado em fragmentos." O sentido reflexivo prefixos um n à raiz simples, ou uma t () ת para o intensivo, mas o primeiro deles é frequentemente utilizado como um passivo, como nishbar ", que foi quebrado", hithḳaddēsh ", ele santificados a si mesmo." O significado causador é dada por prefixando a letra h, como malakh ", ele era rei," himlı̄kh ", ele causou (um) para ser rei." Um método um tanto similar de construção verbo é encontrado fora da língua semítica, por exemplo, em turco. Em algumas destas línguas semíticas o número de formações é muito numerosos. Em hebraico, também há vestígios de hastes diferentes dos geralmente em uso.

 

  1. Ausência de Tempos:

 

Não há tempos em hebraico, em nosso sentido da palavra. Existem dois estados, geralmente chamados tempos, o perfeito eo imperfeito. Na primeira ação é considerada como cumprida, seja no passado ou no futuro, como shābhar, "quebrou", "quebrou", "ele vai ter quebrado", ou (na narrativa profética) ", ele vai quebrar"; no segundo, a ação é considerada incompleta ", ele vai quebrar", "ele estava quebrando", "ele está quebrando", etc. O presente é frequentemente expressa pelo particípio.

 

  1. Os Pronomes:

 

As diferentes pessoas, singulares e plurais, são expressos através da aposição ao perfeito, e prefixando ao imperfeita, fragmentos dos pronomes pessoais, como shābhartı̄, "quebrei", shābharnū, "nós quebrou," nishbōr, "vamos quebrar ," e assim por diante. Os fragmentos que são adicionados à perfeita para expressar o nominativo dos pronomes são, com algumas modificações, especialmente a mudança de t para k, adicionado ao verbo para expressar o acusativo, e ao substantivo para expressar o genitivo; por exemplo, shābhartā, "você quebrou," shebhārekhā ", ele quebrou você", bēthekhā, "sua casa"; ṣāpharnū, "contamos", ṣephārānū ", ele nos contou," ṣiphrēnū, "nosso livro."

 

  1. Formação de Substantivos:

 

Os mesmos princípios são seguidos no que diz respeito ao substantivo como para o verbo. Muitos substantivos consiste unicamente dos três tronco-letras articuladas com um ou com dois vogais, exceto que monossílabos geralmente tornam-se dissilábicas, devido à dificuldade de pronunciar duas consoantes sem vogais juntas: assim, Melekh, "rei" Sefer, "livro" Goren, "eira" (em vez de malk, ṣiphr, gorn), dābhār ", uma palavra ou coisa", ḳārōbh, "próximo". Substantivos que denotam lugar, instrumento, etc., são muitas vezes formadas por prefixo a letra m para a raiz, como Mishpat, "justiça" de Safate ", avaliou," mazlēgh, "um garfo." Intensidade é, dada à idéia de raiz, como no verbo, pela duplicação da consoante média: assim, Horesa "funcionando", Harash (para ḥarras̄h), "trabalhador"; gonebh, "roubar", gannabh, "um ladrão". Da mesma forma, as palavras denotando defeitos físicos incuráveis, 'illēm, "burro", "iwwēr," cego ", Heres (para ḥirrēsh)," surdo e mudo ". O feminino de substantivos, a partir do 3person de verbos, é formado pela adição da letra t, que, quando final é suavizado para h, gebhı̄rāh, "rainha-mãe", "amante", mas gebhirtēkh ", sua amante".

 

  1. inflexão interna:

 

A inflexão de ambos os verbos e substantivos é acompanhada por um alongamento constante ou encurtamento dos vogais da palavra, e isto de acordo com duas linhas opostas. Em verbos com vogal-apõe a vogal penúltima desaparece, como hālakh ", ele continuou," hālekhū, "eles foram"; no substantivo a vogal ante-penúltima desaparece, como dābhār ", uma palavra," debhārı̄m plural. Como o sistema de vogal, como indicado acima, é muito tarde, a vocalização não pode ser aceite como a da língua vivo. Representa sim a cantilena da sinagoga; e para esse efeito, acentos, que tinha um musical, bem como um valor interpunctional, foram adicionados.

 

  1. Sintaxe do Verbo:

 

sintaxe hebraica é notável pela sua simplicidade. Frases simples predominam e são normalmente ligados pela conjunção "e". frases subordinadas são comparativamente raros, mas descritiva e cláusulas temporais não são incomuns. Na narrativa principal, os predicados são colocados no início da frase, em primeiro lugar simplesmente na forma de raiz (masculino 3singular), e apenas quando o assunto foi mencionado que o predicado concordar com ele. cláusulas descritivas e temporais podem ser reconhecidos por terem o assunto no início (por exemplo, Gênesis 1: 2). Uma vez curioso é dado para a narrativa pelo facto de nas principais frases, se o primeiro verbo é perfeito, aqueles que se seguem são imperfeitos, e vice-versa, o conjunto que coordena a receber uma vocalização peculiar - que do artigo definido. Na Bíblia Inglês, cláusulas descritivas e temporais muitas vezes são processados ​​como se fossem partes da sentença principal, por exemplo, nos primeiros versículos do Génesis cuja tradução literal é um pouco como se segue: "No início do céu criação de Deus e terra, quando a terra era sem forma e vazia, e o espírito de Deus (ou, um grande vento) se movia sobre a face da água, Deus disse: haja luz ". Assim, será visto que a estrutura da narrativa hebraica não é tão simples quanto parece.

 

  1. Sintaxe do substantivo:

 

Nas línguas semíticas, palavras compostas não ocorrem, mas esta deficiência é composta por aquilo que é chamado o estado de construção. A regra antiga, que o segundo de dois substantivos que dependem um do outro é colocado no genitivo, torna-se, em hebraico, o primeiro de dois desses substantivos é colocado no estado de construção. O substantivo no estado de construção perde o artigo definido, e todos os seus vogais são feitos o mais curto possível, como se fosse o início de uma longa palavra: por exemplo, ha - bayith, "a casa", mas Beth ha - Melekh ", a casa do rei", "palácio"; dabhar, "uma palavra", mas dibherē Ruah ", palavras de vento", "palavras de vento."

 

  1. A pobreza de adjetivos:

 

A língua hebraica é muito pobre em adjetivos, mas isso é compensado por um uso especial do estado de construção que acabamos de mencionar. Assim, para expressar a magnitude da palavra "Deus" é adicionado na gen. caso, como no exemplo acima (Gênesis 1: 2), "um vento forte" = um vento de Deus; Salmo 36: 6, "as altas montanhas" = as montanhas de Deus (assim Salmo 68:15); Salmo 80:10, "formosos cedros" = cedros de Deus; -lo "um homem santo" = um homem de Deus; "A caixa sagrada" = a arca de Deus, e assim por diante; comparar no Novo Testamento, Mateus 27:54, "o filho de Deus" = Luke 23:47, "um justo (homem)." Matthew estava pensando em aramaico, Luke em grego. Uma utilização semelhante é feita de outras palavras, por exemplo, "Teimosa" = difícil de pescoço; "Insolente" = dura do rosto; "Extensa" = largo das mãos; "Miserável" = amargo da alma.

 

Literatura.

 

Os artigos sobre Língua Hebraica em de Schenkel Bibel-Lexikon de 1875, por Noldeke; na Enciclopédia Brit, 9ª edição, por Robertson Smith; 11ª edição por Noldeke; na Bíblia imperial Dict de 1866, por T. H. Weir.; também aqueles em HDB, EB.

 

gramáticas:

 

Elementar de A. B. Davidson Heb gramática e sintaxe; Gesenius, Heb gramática, tradução Inglês por Cowley, 2ª edição.

 

dicionários:

 

Brown, Briggs and Driver, hebraico e Inglês Lexicon; Gesenius, Handwörterbuch, 15ª edição; Feyerabend, Hebrew-Inglês Pocket Dictionary; Breslau, Inglês e Hebraico dicionário.

 

  1. Aramaico bíblico.

 

  1. aramaico porções do Antigo Testamento:

 

As porções aramaico do Antigo Testamento são os seguintes: Ezra 4: 8 a 6:18; 7: 11-26; Daniel 2: 4 a 7:28; Genesis 31:47 (duas palavras); Jeremias 10:11. A língua em que foram escritas costumava ser chamado Caldeu, mas agora é geralmente conhecido simplesmente como aramaico bíblico. Ela representa mais uma declinação de semita clássica, em comparação com o hebraico. A seguir estão os principais pontos em que aramaico bíblico difere do hebraico.

 

  1. Fonologia:

 

O acento é colocado na última sílaba, o primeiro desaparecimento vogal, por exemplo, 'Ăbhadh para hebraica' ābhadh. É curioso que a mesma característica é encontrada em Algerene e árabe marroquino: assim, torna-se Kasr Ksar. Dentals tomar o lugar de sibilantes: dehabh para zāhābh; telāth para Shalosh. O hebraico forte צ frequentemente se torna, ע e hebraico ע torna-se: א, portanto, 'ar'ā' para 'EREC; 'Do Reino Unido para Cuk.

 

  1. Gramática:

 

Em hebraico o artigo definido é o hal prefixo (ha -); em aramaico o afixo a '; o último, no entanto, quase perdeu sua força. A dupla é ainda mais escassamente utilizado do que em hebraico. As formas passivas de verbos e aqueles começando com freira estão praticamente querer; as formas passivas ou reflexivas são feitas por prefixando a letra t para as formas activas correspondentes, e que muito mais regularmente do que em hebraico, não sendo três ativa e três formas passivas.

 

  1. Sintaxe:

 

No que diz respeito à sintaxe há de notar o uso freqüente do particípio em vez de um verbo finito, como em hebraico; o desuso da conjunção "e", com a vocalização do artigo; eo desuso do estado de construção em substantivos, em vez de que é empregado um circunlóquio com o DI em relação, por exemplo, celem di dhehabh, "uma imagem de ouro." O mesmo perífrase é encontrada também no Oeste Africano Árabe.

 

  1. aramaico mais decadente do que hebreu:

 

Assim, será visto que, se hebraica representa uma forma decadente de uma linguagem clássica original, que era muito semelhante ao árabe clássico, bíblica Árabe está em um nível ainda mais baixo. não é de se supor que hebraica passou para o aramaico, embora na analogia do árabe esse ponto de vista não é insustentável. Em vez disso, as diferentes línguas semíticas ficou fixado em diferentes épocas. Árabe como língua literária cristalizado quase na fonte; Hebraico e do árabe falado do Oriente distante para baixo o fluxo; e aramaico e árabe marroquino mais distante para baixo de todos.

 

Literatura.

 

Kautzsch, Grammatik; Strack, Abriss des bibl. Aramaisch; Marti, Bibl. aram. Sprache; os artigos sobre "aramaico" ou "caldeu" nos dicts bíblicos. citados em III e artigo língua aramaica nesta Enciclopédia; o texto hebraico de Esdras, Neemias, Daniel, edição de Baer. Dicionários hebraico. geralmente incluem aramaico bíblico.

 

  1. literárias Características dos semitas.

 

  1. Betão e Resumo:

 

O pensamento dos hebreus, como a de outros semitas, foi feito, não em abstracto, mas em concreto. Assim, encontramos o material colocado para o imaterial, a expressão para o pensamento, o instrumento para a ação, a ação para o sentimento. Este modo de expressão freqüentemente dá origem a anthropomorphisms marcantes. Assim, temos o olho para a vigilância ou de cuidados (Salmo 33:18); a longa mão por poderes de longo alcance (Isaías 59: 1); dentes quebrados para malícia derrotado (Salmo 3: 7); a espada para abate (Salmo 78:62); olhos altivos para superciliousness (Provérbios 06:17); a dizer no coração para pensar (Salmo 10: 6). Seria um estudo interessante para examinar em que medida essas expressões foram tomadas ao longo do hebraico para o Inglês.

 

  1. Visão da Natureza:

 

O hebraico não conhece a distinção entre animado e inanimado Nature. All Nature é animar (Salmo 104: 29). Os outeiros se alegrar (Salmo 65:12); as montanhas SKIP (Salmo 114: 4); as árvores batem palmas (Isaías 55:12); até mesmo as pedras podem clamar (Lucas 19:40). Tais expressões não devem ser tomadas como meras figuras poéticas do discurso; eles são feitos literalmente. All Nature é uma só: o homem é apenas uma parte da Natureza (Salmo 104: 23), mesmo que ele seja a parte mais alta (Salmo 8: 5). Daí, talvez, surge que não há gênero neutro nas línguas semitas.

 

  1. Imaginação Pictorial:

 

A natureza altamente imaginativa do hebraico entra em jogo quando ele está recontando eventos passados ​​ou escrever história. Para sua mente todos os eventos passados ​​estão presentes. Ele vê a história acontecendo diante de seus olhos como em uma imagem. Assim, o ideal geralmente pode ser traduzido pelo Inglês tempo passado com o "ter", o imperfeito pelo Inglês tempo presente com "é" ou "vai". No estilo mais animado o particípio é usado: "Eles estão entrando na cidade, e eis que Samuel está saindo para encontrá-los" (1 Samuel 9:14). Assim, a recta oratio é sempre usado em preferência ao oratio obliqua. Além disso, o historiador escreve exatamente como o profissional contador de histórias narra. Por isso, ele está sempre se repetindo e voltando em suas próprias palavras (1 Samuel 5: 1, 1 Samuel 5: 2).

 

  1. prosa e poesia:

 

Um resultado dos fatos acima é que não há distinção dura e rápida em hebraico entre prosa e poesia. Nem há em hebraico, ou na língua semita em geral, a poesia épica ou dramático, porque sua prosa possui essas qualidades em um grau maior do que faz a poesia de outras raças. Todos poesia hebraica é lírica ou didática. Nele não há nenhuma rima ou metro. A abordagem mais próxima de metro é o que é chamado de strophe Ḳinah, em que cada verso é composto por dois membros paralelos, tendo cada membro cinco palavras dividido em três e, em seguida, dois. O melhor exemplo disso pode ser encontrada no Salmo 19: 7-9, e também no Livro das Lamentações (que ver), a partir do qual o verso recebeu seu nome.

 

  1. hebraico Fácil de Tradução:

 

A partir da descrição acima pode-se inferir que a linguagem do Antigo Testamento é um extremamente fácil de tradução para línguas estrangeiras, sem perda de sentido ou ritmo, apesar de que seria extremamente difícil para tornar qualquer linguagem moderna para o hebraico clássico. Assim, os Salmos, por exemplo, são tão bem em suas versões em alemão ou inglês como estão no original. Quando o Antigo Testamento foi traduzido para a língua do país, tornou-se um clássico. A Bíblia Inglês é tão importante para o estudo do idioma Inglês como são as peças de Shakespeare.

 

Literatura.

 

Além dos artigos citados em III, Herder. O Espírito do hebraico poesia, tradução de J. Marsh, 1833; Ed. Konig, Stilistik, Rhetorik, Poetik em Bezug auf die bibl. Litt. dargestellt komparativisch, 1900; Folheto do mesmo autor sobre o "Estilo da Escritura" em HDB, volume V; J. F. McCurdy no "Semites" no mesmo volume; J. Kennedy, hebraico sinônimos.

international standard bible encylopedia

fonte www.avivamentonosul21.comunidades.net