Translate this Page

Rating: 3.0/5 (887 votos)



ONLINE
10




Partilhe este Site...

 

 

<

Flag Counter

A Book for Her pdf free, download pdf, download pdf, this site, The Adobe Photoshop CC Book for Digital Photographers 2017 pdf free, fee epub, pdf free, site 969919, this link, link 561655,

Comentario bíblico de João cap.1
Comentario bíblico de João cap.1

.                  Comentario bíblico de João cap.1

 

. verso 1

  1. No princípio era o discurso . Nesta introdução ele afirma a Divindade eterna de Cristo, a fim de nos informar que ele é o eterno Deus, que se manifestou em carne , ( 1 Timóteo 3:16 ). O design é, para mostrar que possa ter sido necessário que a restauração da humanidade deve ser realizada pelo Filho de Deus, uma vez que pelo seu poder todas as coisas foram criadas, uma vez que só ele respira na vida todas as criaturas e energia, para que eles permaneçam em sua condição; e uma vez que no próprio homem, ele deu uma notável exibição tanto de seu poder e de sua graça, e mesmo posteriormente à queda do homem não deixou de mostrar a liberalidade e bondade para com a sua posteridade. E esta doutrina é altamente necessária para ser conhecido; Porque desde que sem Deus não devemos em tudo para buscar a vida e salvação, como poderia o nosso descanso fé em Cristo, se nós não sabemos com certeza o que é ensinado aqui? Com estas palavras, por isso, o evangelista nos assegura que não retirar-se da única e eterna de Deus, quando cremos em Cristo, e da mesma forma que a vida agora está restaurado para os mortos através do carinho de quem era a fonte e causa de vida, quando a natureza do homem ainda estava incorrupto.

 

Como o evangelista chamando o Filho de Deus a Fala , pela simples razão parece-me ser, em primeiro lugar, porque ele é a Sabedoria eterna ea vontade de Deus; e, por outro, porque ele é a imagem viva de Seu propósito; pois, como Speech está a ser dito entre os homens a imagem da mente, por isso não é adequado aplicar isso a Deus, e dizer que Ele se revela a nós pelo seu discurso . Os outros significados da palavra grega λόγος (Logos) não se aplicam tão bem. Isso significa, sem dúvida, definição e raciocínio e cálculo ; mas não estou disposto a levar o hermetismo da filosofia além da medida da minha fé. E percebemos que o Espírito de Deus está tão longe de aprovação de tais sutilezas que, tagarelando com a gente, por seu próprio silêncio, ele grita em voz alta com o que a sobriedade que devemos lidar com esses mistérios elevados.

 

Agora, como Deus, ao criar o mundo, revelou-se por esse discurso , então ele anteriormente tinha-o escondido com ele mesmo, de modo que há uma relação dupla; o ex a Deus, e este último para os homens. Servet, um canalha arrogante pertencentes à nação espanhola, inventa o comunicado, que este eterno discurso começou a existir naquele momento, quando ele foi exibido na criação do mundo, como se ele não existisse antes de seu poder foi dado a conhecer pelo externa operação. Muito diferente é que o evangelista ensina nesta passagem; pois ele não atribuir a Discurso um início de tempo, mas diz que ele era desde o princípio , e, portanto, aumenta para além de todas as idades. Estou plenamente consciente de como esse cão late contra nós, eo que cavils foram anteriormente levantadas pelos arianos, ou seja, que

 

no princípio Deus criou o céu ea terra,

( Gênesis 1: 1 )

 

que, todavia, não são eternas, porque a palavra início refere-se à ordem, em vez de denotar a eternidade. Mas o evangelista atende a essa calúnia quando ele diz:

 

E o discurso estava com Deus. Se o discurso começou a ser em algum momento, eles devem descobrir algumas sucessão de tempo em Deus; e, sem dúvida por esta cláusula John destina-se a distingui-lo de todas as coisas criadas. Para muitas perguntas podem surgir, Onde estava esse discurso ? Como ele exercer o seu poder? Qual era a sua natureza? Como é que ele pode ser conhecido? O evangelista, portanto, declara que não devemos limitar nossa visão para o mundo e para as coisas criadas; pois ele estava sempre unido a Deus, antes que o mundo existisse. Agora, quando os homens datam do início da origem do céu e da terra, eles não reduzir Cristo a ordem comum do mundo, a partir do qual ele é excluído em termos expressos por esta passagem? Pelo presente processo eles oferecem um insulto flagrante, não só para o Filho de Deus, mas ao Pai eterno, que privam de sua sabedoria. Se não tivermos a liberdade de conceber Deus sem a sua sabedoria , deve-se reconhecer que não devemos buscar a origem da Fala em qualquer outro lugar do que na Sabedoria Eterna de Deus.

 

Servet objetos que o discurso não pode ser admitido ter existido mais cedo do que quando Moisés apresenta Deus como falar. Como se ele não subsistir em Deus, porque ele não foi feito publicamente conhecido, ou seja, como se ele não existisse dentro , até que ele começou a aparecer sem . Mas toda pretensão para fantasias escandalosamente absurdas desta descrição é cortado pelo Evangelista, quando afirma, sem reservas, que o discurso estava com Deus ; pois ele expressamente nos retira de cada momento do tempo.

 

Aqueles que inferir do tempo imperfeito do verbo (9) que é aqui utilizado, que denota a existência continuada, tem pouca força de argumento para apoiá-los. Foi , dizem eles, é uma palavra mais equipado para expressar a idéia de sucessão ininterrupta , do que se John tinha dito, Tem sido . Mas sobre matérias tão pesada que devemos empregar argumentos mais sólidos; e, de fato, o argumento que eu trouxe para a frente deve ser contada por nós suficiente; ou seja, que o evangelista nos envia para os segredos eternos de Deus, para que possamos não saber que o discurso foi, como estavam escondidos, antes de ele se revelou na estrutura externa do mundo. Justamente, portanto, faz Augustine observação, que este início , que agora é mencionada, não tem começo ; pois, embora, na ordem da natureza, o Pai veio antes de sua sabedoria , mas aqueles que conceber qualquer ponto do tempo, quando ele foi antes de sua sabedoria , privá-lo de sua glória. E esta é a geração eterna, que, durante um período de extensão infinita antes da fundação do mundo, estava escondida em Deus, por assim dizer - o que, para uma longa sucessão de anos, foi obscura sombra para os Padres nos termos da Lei e, finalmente, foi mais plenamente manifestado em carne.

 

Pergunto-me o que induziu os latinos para tornar λόγος ὁ por Verbum , (a Palavra;) para que preferia ter sido a tradução de . Τὸ ῥη̑μα Mas admitindo que eles tinham alguma razão plausível, ainda não se pode negar que Sermo ( o discurso ) teria sido muito mais apropriado. Por isso, é evidente, que a tirania bárbara foi exercida pelos teólogos da Sorbonne, (10) , que provocavam e invadiram a Erasmus, de tal maneira, porque ele tinha mudado uma única palavra para melhor.

 

E o discurso estava com Deus . Já dissemos que o Filho de Deus é, portanto, colocado acima do mundo e, acima de todas as criaturas, e é declarado para ter existido antes de todas as idades. Mas, ao mesmo tempo, este modo de expressão atribui a ele uma personalidade distinta do Pai; por isso teria sido absurdo no Evangelista dizer que o discurso foi sempre com Deus , se ele não tivesse algum tipo de subsistência peculiar a si mesmo em Deus. Esta passagem serve, portanto, para refutar o erro de Sabellius; pois mostra que o Filho é distinto do Pai. Observei já que devemos sê sóbrio em pensamento, e modesto ao falar, sobre tais mistérios elevados. E ainda os antigos escritores da Igreja foram desculpável, quando, descobrindo que eles não poderiam de outra forma manter o som e doutrina pura em oposição à fraseologia perplexo e ambíguo dos hereges, eles foram obrigados a inventar algumas palavras, que depois de tudo não tinha outro significado do que é ensinado nas Escrituras. Eles disseram que há três Hypostases, ou subsistências, ou pessoas, no único e simples essência de Deus. A palavra; ὑπόστασις (hipóstase) ocorre neste sentido em Hebreus 1: 3 , ao qual corresponde a palavra latina Substaatia , ( substância ) como ele é empregado por Hilary. As pessoas ( τὰ πρόσωπα ) foram chamados por eles propriedades distintas em Deus, que se apresentam a visão de nossas mentes; como diz Gregório Nazianzeno, "Eu não consigo pensar em Aquele (Deus) sem ter os Três (pessoas) que brilha em torno de mim. (11)

 

E o discurso era Deus . Que pode haver nenhuma dúvida restante como a essência divina de Cristo, o evangelista claramente afirma que ele é Deus . Agora, uma vez que há um só Deus, segue-se que Cristo é da mesma essência com o Pai, e ainda que, em alguns aspectos, ele é distinto do Pai. Mas é a segunda cláusula já falamos. Quanto à unidade da essência divina, Arius mostrou maldade prodigiosa, quando, para evitar ser obrigado a reconhecer a Divindade eterna de Cristo, ele tagarelou sobre não sei que deidade imaginária; (12) mas, por nossa parte, quando somos informados que o discurso era Deus , que direito temos mais tempo para pôr em causa a sua essência eterna?

 

verso 2

  1. Ele estava no princípio . A fim de impressionar mais profundamente em nossas mentes o que já foi dito, o Evangelista condensa as duas cláusulas anteriores em um breve resumo, que o discurso sempre foi , e que ele estava com Deus ; de modo que ele pode ser entendido que o início era antes de todos os tempos.

 

verso 3

  1. Todas as coisas foram feitas por ele . Depois de ter afirmado que a fala é Deus, e tendo afirmado sua essência eterna, ele agora prova sua Divindade de suas obras. E este é o conhecimento prático, à qual devemos ser principalmente acostumados; pelo simples nome de Deus atribuídos a Cristo vai nos afetar pouco, se nossa fé não se sentir que ele seja tal pela experiência. Em referência ao Filho de Deus, ele faz uma afirmação que estrita e corretamente aplica a sua pessoa. Às vezes, na verdade, Paul simplesmente declara que todas as coisas são de Deus , ( Romanos 11:36 ), mas sempre que o Filho é comparado com o Pai, ele é normalmente identificados por essa marca. Assim, o modo normal de expressão é empregada aqui, que o Pai fez todas as coisas por o Filho, e que todas as coisas são por Deus através do Filho. Agora, o projeto do evangelista é, como eu já disse, para mostrar que não mais cedo o mundo foi criado do que o discurso de Deus veio em operação externa; por ter sido anteriormente incompreensível em sua essência, ele então se tornou conhecido publicamente pelo efeito do seu poder. Há alguns, de fato, mesmo entre os filósofos, que fazem Deus para ser o mestre-construtor do mundo de uma forma a atribuir-lhe a inteligência na elaboração deste trabalho. Até agora, eles estão no direito, pois eles concordam com a Escritura; mas como eles imediatamente voar para especulações fúteis, não há nenhuma razão pela qual devemos ansiosamente desejam ter seus testemunhos; mas, pelo contrário, devemos ficar satisfeitos com esta declaração inspirada, bem sabendo que ele transmite muito mais do que a nossa mente é capaz de compreender.

 

E sem ele não era qualquer coisa que foi feita . Embora haja uma variedade de leituras nesta passagem, mas pela minha parte, não tenho qualquer hesitação em tomar continuamente assim: não qualquer coisa que foi feito se fez ; e, neste quase todos os manuscritos gregos, ou pelo menos aqueles que são mais aprovados, encontram-se a concordar; Além disso, o sentido requer. Aqueles que separar as palavras, o qual foi constituído , a partir da cláusula anterior, de forma a conectá-los com o seguinte, trazer para fora um sentimento forçado: o que foi feito nele havia vida ; ou seja, viveu ou foi sustentado na vida. (13) Mas eles nunca vão mostrar que este modo de expressão é, em qualquer instância, aplicado a criaturas. Agostinho, que é excessivamente viciado na filosofia de Platão, é levado junto, segundo o costume, à doutrina das idéias; que diante de Deus fez o mundo, ele tinha a forma de todo o edifício concebido em sua mente; e assim a vida das coisas que ainda não existia estava em Cristo, porque a criação do mundo foi nomeado nele. Mas como amplamente isso é diferente da intenção do evangelista veremos imediatamente.

 

Volto agora à cláusula anterior. Esta não é uma redundância defeituoso, ( περιττολογία ), uma vez que parece ser; para como Satanás se esforça, por todos os métodos possíveis, para tirar as coisas de Cristo, o evangelista pretendia declarar expressamente que, se as coisas que foram feitas não há exceção alguma.

 

verso 4

  1. Nele estava a vida . Até agora, ele nos ensinou, que até o discurso de Deus todas as coisas foram criadas . Ele agora atribui a ele, da mesma forma, a preservação das coisas que haviam sido criados, como se ele tivesse dito, que na criação do mundo não foi apenas apresentado um exercício súbita do seu poder, que logo faleceu , mas que se manifesta na forma constante e regular da natureza, como ele é dito para defender todas as coisas pela palavra ou a vontade do seu poder , ( Hebreus 1: 3 ). Esta vida pode ser alargado, quer para criaturas inanimadas, (que vivem após a sua própria maneira, embora eles são desprovidos de sentimento,) ou pode ser explicada em referência a viver criaturas sozinho. É de pouca importância que você escolhe; para o significado simples é que o discurso de Deus não era apenas a fonte de vida para todas as criaturas, para que aqueles que não foram começou a ser, mas que sua vida poder -giving faz com que eles permanecem em sua condição; para se não fosse a sua inspiração contínua dá vigor para o mundo, cada coisa que vive decairia imediatamente ou ser reduzido a nada. Em uma palavra, o que Paulo atribui a Deus, que nele estamos , e mover-se , e viver , ( Atos 17:28 ), João declara a ser realizado pela agência graciosa do Discurso ; de modo que é Deus que nos dá a vida , mas é pela eterna Speech

 

A vida era a luz dos homens . As outras interpretações, que não estão de acordo com o significado do evangelista, eu intencionalmente passar. Ele fala aqui, na minha opinião, de que parte da vida em que os homens se destacar outros animais; e informa-nos que a vida que foi concedido a homens não era de uma descrição comum, mas uniu-se à luz do entendimento. Ele separa o homem do posto de outras criaturas; porque percebemos mais facilmente o poder de Deus, sentindo-lo em nós do que por contemplá-lo à distância. Assim, Paulo cobra-nos não para buscar a Deus , a uma distância, porque ele faz de si mesmo para ser sentida dentro de nós, ( Atos 17:27 ). Depois de ter apresentado uma exposição geral da bondade de Cristo, a fim de induzir os homens a tomar um mais perto vista disso, ele aponta o que foi concedido peculiarmente em si mesmos; ou seja, que eles não foram criados como os animais, mas tendo sido dotado de razão, eles tinham obtido uma classificação mais elevada. Como não é em vão que Deus comunica a sua luz às suas mentes, segue-se que a finalidade para a qual foram criados foi, para que pudessem reconhecê-lo, que é o autor de tão excelente uma bênção. E uma vez que esta luz, dos quais o discurso era a fonte, foi transportado a partir dele para nós, que deveria servir como um espelho, no qual podemos ver claramente o poder divino do Discurso

 

verso 5

  1. E a luz resplandece nas trevas . Pode-se argumentar, que as passagens das Escrituras em que os homens são chamados cegos são tão numerosos e que a cegueira para a qual estão condenados, mas é muito bem conhecido. Para em todas as suas faculdades de raciocínio que miseravelmente falhar. Como trata-se que há tantos labirintos de erros no mundo, mas porque os homens, por sua própria orientação, são levados apenas para vaidade e mentiras? Mas se nenhuma luz aparece nos homens, esse testemunho da divindade de Cristo, que o evangelista recentemente mencionado, é destruído; pois esse é o terceiro passo, como já disse, que na vida dos homens há algo mais excelente do movimento e respiração. O evangelista antecipa esta questão e, em primeiro lugar, estabelece essa cautela, que a luz que foi originalmente concedido a homens não deve ser estimado por sua condição atual; porque neste natureza corrompida e degenerada luz foi transformado em escuridão . E, no entanto, ele afirma que a luz de entendimento não é inteiramente extinta; para, em meio à escuridão da mente humana, algumas faíscas restantes do brilho ainda brilham.

 

Meus leitores compreendem agora que esta frase contém duas cláusulas; pois ele diz que os homens são agora amplamente distante do que a natureza perfeitamente santo com o qual eles foram originalmente dotado; porque a sua compreensão, que deveria ter derramado luz em todas as direções, foi mergulhado na escuridão, e é miseravelmente cego; e que, portanto, a glória de Cristo pode ser dito para ser escurecido em meio a essa corrupção da natureza. Mas, por outro lado, o evangelista afirma que, no meio da escuridão :, ainda existem alguns vestígios de luz, que mostram, em algum grau o poder divino de Cristo. Evangelista admite, portanto, que a mente do homem é cego; de modo que ele pode justamente ser pronunciada a ser coberto com a escuridão . Para ele poderia ter usado um termo mais suave, e poderia ter dito que a luz é escuro ou nublado; mas ele escolheu para declarar mais claramente como miserável a nossa condição tornou-se desde a queda do primeiro homem. A afirmação de que a luz resplandece nas trevas não é de todo destinado ao elogio da natureza depravada, mas sim para tirar toda desculpa para a ignorância.

 

E as trevas não a compreenderam . Embora por essa pequena medida de luz que ainda permanece em nós, o Filho de Deus sempre convidou os homens para si mesmo, mas o evangelista diz que este foi assistido por nenhuma vantagem, porque vendo , eles não viram , ( Mateus 13:13 . ) Porque, assim como o homem perdeu o favor de Deus, sua mente é tão completamente dominado pela escravidão da ignorância, que qualquer parte da luz que permanece nele é extinto e inútil. Este é diariamente provado pela experiência; para todos os que não são regenerados pelo Espírito de Deus possuem alguma razão, e esta é uma prova inegável de que o homem foi feito não só para respirar, mas ter compreensão. Mas por que a orientação de sua razão eles não vêm a Deus, e nem sequer aproximar-se a ele; de modo que toda a sua compreensão não é nada mais do que pura vaidade. Daí segue-se que não há nenhuma esperança de salvação dos homens, a menos que Deus concessão de novos auxílios; para que o Filho de Deus lança sua luz sobre eles, eles são tão chato que eles não compreendem daí que a luz rendimentos, mas são levados por imaginações tolas e más à loucura absoluta.

 

A luz que ainda habita na natureza corrupta consiste principalmente em duas partes; Por um lado, todos os homens possuem naturalmente uma parte da semente da religião; e, por outro, a distinção entre o bem eo mal está gravado em suas consciências. Mas o que são os frutos que, finalmente, surgem a partir dele, a não ser que a religião degenera em mil monstros da superstição, e pervertidos consciência cada decisão, de modo a confundir vice-com a virtude? Em suma, a razão natural nunca vai dirigir os homens a Cristo; e quanto ao seu sendo de grande prudência para regular suas vidas, ou nascidos de cultivar as artes liberais e ciências, tudo isso passa longe sem ceder qualquer vantagem.

 

Deve ser entendido que o Evangelista fala de dons naturais somente, e ainda não diz qualquer coisa sobre a graça de regeneração. Pois existem dois poderes distintos que pertencem ao Filho de Deus: o primeiro, que se manifesta na estrutura do mundo e a ordem da natureza; ea segunda, pelo qual ele renova e restaura natureza caída. Como ele é o eterno discurso de Deus, por ele o mundo foi feito; pelo seu poder todas as coisas continuam a possuir a vida que uma vez recebida; Homem especialmente era dotado de um dom extraordinário de entendimento; e que por sua revolta, ele perdeu a luz do entendimento, mas ele ainda vê e entende, por isso, que o que ele possui naturalmente a partir da graça do Filho de Deus não é totalmente destruída. Mas desde que por sua estupidez e maldade que escurece a luz que ainda habita nele, permanece que um novo escritório ser realizada pelo Filho de Deus, o cargo de mediador, para renovar, pelo Espírito de regeneração, o homem que tinha sido arruinada . Essas pessoas, portanto, a razão absurdamente e inconclusiva, que se referem esta luz , que o evangelista menciona, ao Evangelho e da doutrina da salvação.

 

verso 6

  1. Havia um homem . O evangelista agora começa a discorrer sobre a maneira pela qual o Filho de Deus se manifestou em carne; e que ninguém pode duvidar que Cristo é o Filho eterno de Deus, ele relata que Cristo foi anunciado por João Batista, como seu arauto. Para não só Cristo apresentam-se a serem vistos pelos homens, mas ele escolheu também para ser conhecido pelo testemunho e a doutrina de John ; ou melhor, Deus Pai enviou esta testemunha antes de seu Cristo, para que pudessem mais vontade receber a salvação oferecida por ele.

 

Mas pode à primeira vista parecer ridículo que Cristo deve receber o testemunho dos outros, como se ele precisasse; enquanto que, pelo contrário, ele declara que ele não busca testemunho de homem , ( João 5:34 ). A resposta é fácil e óbvio, que este testemunho foi nomeado, não por causa de Cristo, mas por nossa causa. Se se objetar que o testemunho de homem é fraco demais para provar que Cristo é o Filho de Deus, é igualmente fácil de responder, de que o Batista não é apresentado como uma empresa privada testemunha , mas como alguém que, tendo recebido autoridade de Deus , sustentou o caráter em vez de um anjo do que de um homem. Assim, ele recebe comenda não por suas próprias virtudes, mas para esta circunstância única, que ele era o embaixador de Deus. E isso não é em desacordo com o fato de que a pregação do evangelho foi comprometido com Cristo, que ele poderia ser um testemunho de si mesmo; para o projeto contemplado pela pregação de João era, que os homens pudessem atender à doutrina e milagres de Cristo.

 

Enviado por Deus . Ele não diz então para a finalidade de confirmar o batismo de João, mas só menciona de passagem. Esta circunstância não é suficiente para produzir certeza, uma vez que muitos corrida de sua própria vontade, e se gabar de que Deus enviou-lhes; mas o evangelista, pretendendo depois de falar mais detalhadamente sobre esta testemunha , contado o suficiente, para o presente, para dizer em uma única palavra, que John não veio, mas pelo comando de Deus. Veremos depois como ele mesmo afirma que Deus é o autor do seu ministério. Devemos agora lembrar - o que eu anteriormente notado - que o que é afirmado sobre John é necessária em todos os professores da Igreja, que eles sejam chamados por Deus; para que a autoridade de ensino não pode ser justificada por qualquer outro que em só Deus.

 

Cujo nome era João . Ele indica o nome , não só com a finalidade de apontar o homem, mas porque foi dado a ele de acordo com o que ele realmente era. Não há espaço para duvidar que o Senhor tinha referência ao cargo para o qual ele nomeou John , quando ele ordenou o anjo que ele deveria ser assim chamado, que por meio dele todos pudessem reconhecê-lo para ser o arauto da graça divina. (16) para que o nome יהוחנן (17) ( Jehohannan ) pode ser tomada em uma significação passiva e pode, assim, ser encaminhado para a pessoa, como denotando que John era aceitável a Deus ; ainda pela minha parte, de bom grado estendê-lo para o benefício que os outros deveriam derivar dele. (18)

 

  1. Ele veio para testemunho . O fim da sua vocação é brevemente notado; que foi, para que pudesse preparar uma Igreja de Cristo, como, por convidando todos a Cristo, ele mostra claramente o suficiente para que ele não veio por conta própria.

 

  1. Ele não era a luz . Até agora era John da necessidade de elogio, que o evangelista dá esse aviso, para que sua luminosidade excessiva pode obscurecer a glória de Cristo. Pois havia alguns que olhou tão ansiosamente sobre aquele que eles negligenciaram Cristo; como se uma pessoa, extasiado com a contemplar o amanhecer do dia, não se dignou a virar os olhos para o sol. Em que sentido o evangelista emprega a palavra luz veremos imediatamente. Todos os piedosos, de fato, são luz no Senhor , ( Efésios 5: 8 ,) porque, em consequência do seu ser iluminado pelo seu Espírito, eles não só ver por si mesmos, mas outros do mesmo modo directas pelo seu exemplo para o caminho da salvação . Os apóstolos da mesma forma são particularmente chamados a luz , ( Mateus 5:14 ,) porque ir antes, estendendo a tocha do Evangelho, para dissipar a escuridão do mundo. Mas aqui o evangelista fala daquele que é a única e eterna fonte de iluminação, como ele imediatamente mostra mais claramente.

 

verso 9

  1. A verdadeira luz era . O evangelista não tinha a intenção de contrastar a luz verdadeira com a falsa , mas para distinguir Cristo de todos os outros, que ninguém poderia imaginar que o que é chamado de luz pertence a ele em comum com os anjos ou homens. A distinção é, que tudo o que é luminoso no céu e na terra toma emprestado o seu esplendor a partir de algum outro objeto; mas Cristo é a luz , brilhando em si e por si mesma, e iluminando todo o mundo por seu brilho; de modo que nenhuma outra fonte ou causa de esplendor é em qualquer lugar para ser encontrado. Ele deu o nome de a luz verdadeira , portanto, ao que tem por natureza o poder de dar luz

 

Que ilumina todo homem . O evangelista insiste principalmente sobre este ponto, a fim de mostrar, a partir do efeito que cada um de nós percebe nele, que Cristo é a luz . Ele poderia ter fundamentado mais engenhosamente, que Cristo, como a luz eterna, tem um esplendor que é natural, e não trouxe de qualquer outro trimestre; mas em vez de fazer isso, ele nos envia de volta para a experiência que todos nós possuímos. Porque, assim como Cristo nos todos os participantes da sua luminosidade faz, deve-se reconhecer que só a ele pertence estritamente essa honra de ser chamado de luz

 

Esta passagem é comumente explicado de duas maneiras. Alguns restringem a frase, cada homem , a quem, tendo sido renovado pelo Espírito de Deus, se tornam participantes da vivificante luz . Agostinho emprega a comparação de um professor que, se ele acontecer de ser a única pessoa que tem uma escola na cidade, será chamado o professor de tudo , apesar de haver muitas pessoas que não vão para a escola. Eles, portanto, entender a frase em um sentido comparativo, que todos são iluminados por Cristo, porque nenhum homem pode se orgulhar de ter obtido a luz da vida em qualquer outra forma que não pela sua graça. Mas desde que o evangelista emprega a frase geral, todo o homem que vem ao mundo , estou mais inclinado a adotar outro significado, que é, que a partir desta luz os raios são difundidos sobre toda a humanidade, como já disse. Porque sabemos que os homens têm esta excelência peculiar que lhes levanta acima de outros animais, que são dotados de razão e inteligência, e que eles carregam a distinção entre o certo eo errado gravada em sua consciência. Não há nenhum homem, portanto, que alguns percepção da eterna luz não chega.

 

Mas como há fanáticos que precipitadamente tensão e torturam esta passagem, de modo a inferir a partir dele que a graça de iluminação é igualmente oferecida a todos, vamos lembrar que o único assunto tratado aqui é a luz comum da natureza, que é muito inferior para a fé; para nunca mais nenhum homem, por toda a agudeza e sagacidade de sua própria mente, penetrar no reino de Deus. É o Espírito de Deus sozinho quem abre a porta dos céus aos eleitos. Em seguida, vamos lembrar que a luz da razão que Deus implantou em homens tem sido tão obscurecida pelo pecado, para que em meio à escuridão e da ignorância chocante, e do Golfo de erros, há quase algumas faíscas brilhantes que não são totalmente extintos.

 

verso 10

  1. Ele estava no mundo . Ele acusa os homens de ingratidão, por causa de sua própria vontade, por assim dizer, eles estavam tão cegos, que a causa da luz que eles desfrutaram era desconhecido para eles. Isso se estende a todas as épocas do mundo; para antes de Cristo foi manifestado na carne, seu poder foi em todos os lugares exibida; e, portanto, esses efeitos diários deve corrigir a estupidez dos homens. O que pode ser mais razoável do que para tirar água de um riacho, e nunca pensar na fonte de onde flui esse fluxo? Segue-se que nenhuma desculpa adequada pode ser encontrada para a ignorância do mundo em não conhecer a Cristo, antes que ele foi manifestado na carne; por isso surgiu a partir da indolência e estupidez ímpio daqueles que tiveram a oportunidade de vê-lo sempre presente com o seu poder. O conjunto pode ser resumida dizendo, que nunca foi Cristo de tal maneira ausente do mundo, mas que os homens, despertados por seus raios, deveria ter levantado os olhos para ele. Daí segue-se que a culpa deve ser imputada a eles mesmos.

 

verso 11

  1. Ele chegou à sua própria . Aqui é exibida a maldade absolutamente desesperado e malícia dos homens; aqui é exibido sua impiedade execrável, que, quando o Filho de Deus se manifestou em carne para os judeus, a quem Deus havia separado para si mesmo a partir de outras nações para ser o seu próprio património, ele não foi reconhecido ou recebidos . Esta passagem também recebeu várias explicações. Para alguns pensam que o Evangelista fala de todo o mundo indiscriminadamente; e certamente não há nenhuma parte do mundo que o Filho de Deus não pode legitimamente reivindicar como sua própria propriedade. De acordo com eles, o significado é: "Quando Cristo veio ao mundo, ele não entrará em territórios de outra pessoa, por toda a raça humana foi sua herança." Mas eu aprovo mais altamente a opinião daqueles que submetê-la aos judeus sozinho; pois não há uma comparação implícita, pelo que o Evangelista representa a ingratidão atroz dos homens. O Filho de Deus havia solicitado uma morada para si mesmo em uma nação; quando ele apareceu lá, foi rejeitado; e isso mostra claramente a cegueira terrivelmente mau dos homens. Ao fazer essa declaração, o único objeto do evangelista deve ter sido para remover o crime que muitos estariam aptos a tomar em conseqüência da incredulidade dos judeus. Para quando ele foi desprezado e rejeitado por aquele país para o qual havia sido especialmente prometido, que iria contar-lhe para ser o Redentor do mundo inteiro? Nós vemos o que as dores extraordinárias o apóstolo Paulo leva em lidar com este assunto.

 

Aqui tanto o verbo eo substantivo são altamente enfático. Ele veio . O evangelista diz que o Filho de Deus veio a esse lugar onde antigamente era; e por esta expressão que ele deve significar um novo e extraordinário tipo de presença, pelo qual o Filho de Deus se manifestou: para que os homens possam ter uma visão mais próxima dele. em suas próprias . Por esta frase, o Evangelista compara os judeus de outras nações; porque, por um privilégio extraordinário que haviam sido adotados na família de Deus. Cristo, portanto, foi oferecido primeiramente a eles como sua própria casa, e como pertencente a seu império por um direito peculiar. Para a mesma finalidade é que a acusação de Deus por Isaías:

 

O boi conhece o seu possuidor, eo jumento a manjedoura do seu dono, mas Israel me não conhece, ( Isaías 1: 3 ;)

 

para que ele tenha domínio sobre o mundo inteiro, mas ele representa a si mesmo a ser, de uma maneira peculiar, o Senhor de Israel, a quem ele havia coletado, por assim dizer, em uma dobra sagrado.

 

verso 12

  1. Mas a todos quantos o receberam . Que nenhum pode ser retardado por este tropeço, que os judeus desprezado e rejeitado Cristo, o evangelista exalta acima do céu os piedosos que acreditam nele; pois ele diz que, pela fé que eles obter essa glória de ser contados os filhos de Deus . O termo universal, como muitos , contém um contraste implícito; para os judeus foram levados por um alardeando cego, (19) como se eles exclusivamente tinha Deus obrigado a si mesmos. O evangelista declara que sua condição é alterada, porque os judeus foram rejeitados, e o seu lugar, o que tinha sido deixado vazio, é ocupado pelos judeus; pois é como se ele transferiu o direito de adoção para estranhos. Isto é o que diz Paulo, que a destruição de uma nação era a vida de todo o mundo, ( Romanos 11:12 ;) para o Evangelho, o que pode ser dito ter sido banido a partir deles, começaram a ser espalhados por toda parte em todo o mundo inteiro. Eles foram, assim, privado do privilégio de que gozavam acima dos outros. Mas sua impiedade houve obstrução a Cristo; pois ele erguido em outros lugares o trono do seu reino, e chamou indiscriminadamente para a esperança da salvação de todas as nações que antes parecia ter sido rejeitado por Deus.

 

Ele lhes deu poder . A palavra ἐξουσία aqui parece-me dizer um direito, ou reclamação; e que seria melhor para traduzi-lo assim, para refutar as falsas opiniões dos papistas; pois eles maliciosamente perverter essa passagem por entender que ela signifique, que nada mais do que uma escolha é permitido a nós, se pensarmos em forma de aproveitar este privilégio. Desta forma, eles extrair o livre-arbítrio a partir desta frase; mas bem que poderia extrair o fogo de água. Há alguma plausibilidade nesse à primeira vista; para que o evangelista não diz que Cristo os torna filhos de Deus , mas que ele dá-lhes o poder de se tornar tal. Daí eles inferir que é essa graça só isso é oferecido a nós, e que a liberdade de desfrutar ou rejeitá-lo é colocado à nossa disposição. Mas essa tentativa fútil para pegar em uma única palavra é posta de lado por que se segue imediatamente; para o Evangelista acrescenta, que eles se tornarem filhos de Deus , não pela vontade que pertence à carne , mas quando eles são nascidos de Deus. Mas se a fé nos regenera, de modo que somos filhos de Deus, e se Deus respira fé em nós do céu, se torna evidente que não pela possibilidade única, mas na verdade - como se diz - é a graça da adoção oferecido a nós por Cristo. E, de fato, a palavra grega, ἐξουσία às vezes é colocado para ἀξίωσις , (a pedido), um significado que cai na admiravelmente com esta passagem.

 

O circunlóquio que o evangelista tem empregado tende mais para ampliar a excelência da graça, do que se ele tivesse dito em uma única palavra, que todos os que crêem em Cristo são feitas por ele filhos de Deus . Para ele fala aqui dos impuros e profanos, que, tendo sido condenados à ignomínia perpétua, estava na escuridão da morte. Cristo exibiu uma instância surpreendente de sua graça em conferir esta honra em tais pessoas, de modo que eles começaram, tudo de uma vez, para ser filhos de Deus ; ea grandeza deste privilégio é justamente enaltecida pelo Evangelista, como também por Paulo, quando ele atribui a

 

Deus, que é rico em misericórdia, pelo seu muito amor

com que nos amou, ( Efésios 2: 4 ).

 

Mas se qualquer pessoa deve preferir tomar a palavra poder em sua acepção comum, ainda, o evangelista não significa por isso qualquer faculdade intermediário, ou um que não inclui o efeito total e completa; mas, pelo contrário, significa que Cristo deu ao imundo eo incircunciso o que parecia ser impossível; para uma mudança incrível aconteceu quando fora das pedras Cristo ressuscitado filhos a Deus , ( Mateus 3: 9 ). O poder , portanto, é que a aptidão ( ἱκανότης ), que Paulo menciona, quando ele

 

dá graças a Deus, que nos fez encaixar (ou encontrar) para participar da herança dos santos, ( Colossenses 1:12 ).

 

Que crêem no seu nome . Ele expressa brevemente a maneira de receber Cristo, isto é, acreditar nele . Tendo sido enxertados em Cristo pela fé, nós obter o direito de adoção, de modo a ser filhos de Deus . E, de fato, como ele é o Filho unigênito de Deus, é apenas na medida em que são membros daquele que esta honra em tudo que nos pertence. Aqui, novamente, a noção dos papistas sobre a palavra poder é refutada. (20) O evangelista declara que este poder é dado para aqueles que já crêem . Agora é certo que essas pessoas são na realidade os filhos de Deus . Eles tira muito do valor da fé que dizem que, por acreditar , um homem não obtém nada mais do que isso, ele pode se tornar um filho de Deus , se ele escolher; para, em vez de efeito presente eles colocaram um poder que é realizada em incerteza e suspense.

 

A contradição aparece ainda mais evidente a partir do que se segue imediatamente. O evangelista diz que aqueles que acreditam que já estão nascido de Deus não é, portanto, uma mera liberdade de escolha que lhe é oferecida, desde que obtenham o próprio privilégio que está em questão. Embora a palavra hebraica, שם ( Nome ) é por vezes utilizado para designar o poder , no entanto, aqui denota uma relação com a doutrina do Evangelho; para quando Cristo é pregado para nós, então é que nós acreditamos nele. Eu falo do método normal pelo qual o Senhor nos leva a fé; e isso deve ser cuidadosamente observadas, pois há muitos que tolamente inventar para si uma fé confusa, sem qualquer compreensão da doutrina, como nada é mais comum entre os papistas do que a palavra acreditar , embora não haja entre elas qualquer conhecimento de Cristo pela escuta do Evangelho. Cristo, portanto, oferece-se a nós pelo Evangelho, e nós recebê-lo pela fé.

 

  1. Quem não nasceram do sangue (21) Alguns pensam que uma referência indireta é aqui feita à confiança absurda dos judeus, e eu de bom grado adoptar essa opinião. Eles tinham continuamente na sua boca a nobreza de sua linhagem, como se, porque eles eram descendentes de um estoque santo, eles eram naturalmente santo. E justamente eles poderiam ter vangloriou de sua descendência de Abraão, se tivessem sido filhos legítimos, e não bastardos; mas a incandescência de fé atribui nada a geração carnal, mas reconhece a sua obrigação para com a graça de Deus por tudo o que é bom. John, por isso, diz, que aqueles entre os gentios anteriormente impuros que crêem em Cristo não nascem os filhos de Deus desde o ventre, mas são renovados por Deus, para que possam começar a ser seus filhos. A razão pela qual ele usa a palavra sangue no plural parece ter sido, para que pudesse expressar mais plenamente uma longa sucessão de linhagem; para isso era uma parte da jactância entre os judeus, que poderiam traçar a sua descida, por uma linha ininterrupta, para cima, para os patriarcas.

 

A vontade da carne e da vontade do homem me parecem significar a mesma coisa; pois vejo nenhuma razão para que a carne deve ser suposto para significar mulher , como Agostinho e muitos outros explicá-lo. Pelo contrário, o evangelista repete a mesma coisa em uma variedade de palavras, a fim de explicá-la mais plenamente, e imprimi-la mais profundamente nas mentes dos homens. Embora ele se refere diretamente aos judeus, que glorificou a carne, contudo a partir desta passagem pode ser obtida uma doutrina geral: que o nosso ser contado os filhos de Deus não pertence à nossa natureza, e não procede de nós, mas porque Deus gerou-nos de boa vontade, ( Tiago 1:18 ), isto é, do amor imerecido. Daí segue-se, em primeiro lugar, que a fé não procede de nós mesmos, mas é fruto da regeneração espiritual; para o evangelista afirma que ninguém pode acreditar, a menos que seja nascido de Deus; e, portanto, a fé é um dom celestial. Segue-se, em segundo lugar, que a fé não é conhecimento nua ou frio, uma vez que ninguém pode acreditar que não foi renovado pelo Espírito de Deus.

 

Pode-se pensar que o evangelista inverte a ordem natural, fazendo a regeneração deve preceder a fé, enquanto que, pelo contrário, é um efeito da fé, e, portanto, deve ser colocado mais tarde. Eu respondo, que ambas as afirmações perfeitamente concordam; porque pela fé recebemos a semente incorruptível , ( 1 Pedro 1:23 ), pelo qual nascemos de novo para uma vida nova e divina. E ainda assim a fé em si é uma obra do Espírito Santo, que habita em ninguém a não ser os filhos de Deus. Assim, pois, em vários aspectos, a fé é uma parte da nossa regeneração, e uma entrada para o reino de Deus, que ele pode contar-nos entre os seus filhos. A iluminação de nossas mentes pelo Espírito Santo pertence à nossa renovação, e, assim, a fé flui de regeneração como de sua fonte; mas já que é pela mesma fé que recebemos Cristo, que nos santifica por seu Espírito, por conta disso, é dito ser o começo da nossa adoção.

 

Outra solução, ainda mais simples e fácil, pode ser oferecido; para quando o Senhor respira a fé em nós, ele nos regenera por algum método que está oculto e desconhecido para nós; mas depois de ter recebido a fé, percebemos, por um sentimento vivo de consciência, não só a graça da adoção, mas também novidade de vida e os outros dons do Espírito Santo. Para visto que a fé, como já dissemos, recebe a Cristo, que nos dá acesso, por assim dizer, de todas as suas bênçãos. Assim medida em que respeite o nosso sentido, é só depois de terem acreditado - que começamos a ser os filhos de Deus. Mas, se a herança da vida eterna é fruto da adoção, vemos como o evangelista atribui toda a nossa salvação à graça de Cristo; e, de fato, o quão perto os homens perdoardes examinar a si mesmos, eles vão encontrar nada que seja digno dos filhos de Deus, a não ser o que Cristo derramou sobre eles.

 

verso 14

  1. E o discurso foi feito carne . O evangelista mostra o que foi que a vinda de Cristo, que ele havia mencionado; ou seja, que tendo sido vestidos com a nossa carne, ele mostrou-se abertamente ao mundo. Embora o evangelista toca brevemente o mistério inefável, que o Filho de Deus estava vestido com a natureza humana, mas isso brevidade é maravilhosamente perspicaz. Aqui alguns loucos se divertir com sutilezas tolas e triviais desse tipo: a de que o discurso é dito ter sido feito carne , porque Deus enviou o seu Filho ao mundo, de acordo com a concepção que ele tinha formado em sua mente; como se o discurso se eu não sei o que imagem sombria. Mas temos demonstrado que essa palavra denota uma hipóstase real, ou de subsistência, na essência de Deus.

 

A palavra Flesh expressa o significado do evangelista mais força do que se ele tivesse dito que ele foi feito homem . Ele destina-se a mostrar o que uma média e condição desprezível o Filho de Deus, em nossa conta, descendente da altura de sua glória celestial. Quando a Escritura fala do homem com desprezo, ele o chama de carne . Agora, embora não seja tão grande a distância entre a glória espiritual de o discurso de Deus e do imundícias da nossa carne , mas o Filho de Deus desceu tão baixo a ponto de tomar sobre si mesmo que carne , sujeita a tantas misérias. A palavra carne não é levado aqui por natureza corrupta, (como é frequentemente usada por Paulo), mas para o homem mortal; embora ele marca com desdém suas passagens frágeis e perecíveis natureza, como na estes e semelhantes, para se lembrou de que eram carne, ( Salmos 78:39 ;) toda a carne é erva , ( Isaías 40: 6 .) Devemos ao mesmo tempo observar, no entanto, que esta é uma figura de linguagem em que uma parte é tomada pelo todo; para a parte inferior inclui o homem inteiro. (22) Era, portanto, altamente tolo Apolinário imaginar que Cristo estava apenas vestido com um corpo humano sem alma; pois pode ser facilmente provado por inúmeras passagens, que ele tinha uma alma, bem como um corpo; e quando a Escritura chama os homens a carne , que, portanto, não privá-los de uma alma.

 

A planície que significa, portanto, é que o discurso gerado por Deus antes de todas as idades, e que sempre habitou com o Pai, se fez homem . Neste artigo, há duas coisas principalmente a serem observados. A primeira é que duas naturezas foram tão unidos em uma pessoa em Cristo, um só e mesmo Cristo é verdadeiro Deus e verdadeiro homem. A segunda é que a unidade da pessoa não impede as duas naturezas de permanecer distintas, de modo que sua Divindade retém tudo o que é peculiar a si mesmo, e sua humanidade detém separadamente tudo o que pertence a ele. E, portanto, como Satanás fez uma variedade de tentativas tolas para derrubar a sã doutrina por hereges, ele sempre trouxe para a frente um ou outro desses dois erros; tanto que ele era o Filho de Deus eo Filho do homem em tão confuso uma maneira, que nem sua divindade permaneceu inteiro, nem ele vestir a verdadeira natureza do homem; ou que ele estava vestido de carne , de modo a ser como se fosse o dobro, e ter duas pessoas distintas. Assim Nestório reconheceu expressamente ambas as naturezas, mas imaginou dois Cristos, aquele que era Deus, e outro que era homem. Eutyches, por outro lado, enquanto ele reconheceu que o Cristo é o Filho de Deus e Filho do homem, o deixou nenhuma das duas naturezas, mas imaginou que eles se misturaram junto. E nos dias de hoje, Servet e os anabatistas inventar um Cristo que é confusamente composta de duas naturezas, como se ele fosse um homem Divino. Em palavras, na verdade, ele reconhece que Cristo é Deus; mas se você admitir seus imaginação delirante, a Divindade é de uma só vez mudou a natureza humana, e em outro momento, a natureza do homem é engolido pela Divindade.

 

O evangelista diz que está bem adaptado para refutar ambas as blasfêmias. Quando ele nos diz que o discurso foi feito carne , podemos inferir claramente desta unidade de sua Pessoa; pois é impossível que aquele que agora é um homem poderia ser qualquer outro do que aquele que sempre foi o verdadeiro Deus, uma vez que se diz que Deus foi feito homem. Por outro lado, desde que claramente dá ao homem Cristo o nome do Discurso , segue-se que Cristo, quando ele se tornou homem, não deixa de ser o que ele era anteriormente, e que nenhuma mudança ocorreu naquela eterna essência da Deus, que estava vestido de carne . Em suma, o Filho de Deus começou a ser homem, de tal maneira que ele ainda continua a ser o eterno discurso que não teve princípio de tempo.

 

E habitou . Aqueles que explicar que a carne servida, por assim dizer, para uma morada a Cristo, não percebem o significado do evangelista; pois ele não atribui a Cristo uma residência permanente entre nós, mas diz que ele permaneceu nela como um convidado, por um curto período de tempo. Porque a palavra que ele emprega ( ἐσκήνωσεν ) é retirada de tabernáculos (23) Ele significa nada mais do que Cristo descarregada na terra do escritório, que tinha sido nomeado para ele; ou, que ele não se limitou a aparecer por um único momento, mas que ele conversou entre os homens até que ele concluiu o curso de seu escritório.

 

Entre nós . É duvidoso que ele fala de homens em geral, ou apenas em si mesmo e no resto dos discípulos que estavam testemunhas oculares do que ele diz. Pela minha parte, eu aprovo mais altamente do segundo vista para o Evangelista acrescenta imediatamente:

 

E vimos a sua glória . pois embora todos os homens poderiam ter contemplado a glória de Cristo, ainda era desconhecido para a maior parte por conta de sua cegueira. Foi só uns poucos, cujos olhos do Espírito Santo abriu, que viu esta manifestação da glória . Em uma palavra, Cristo era conhecido por ser o homem de tal maneira que ele exibiu em sua Pessoa algo muito mais nobre e excelente. Daí segue-se que a majestade de Deus não foi aniquilado, apesar de ter sido cercado por carne ; -se efectivamente dissimulado sob a condição de baixa a carne , mas, de modo a causar o seu esplendor para ser visto.

 

A partir do unigênito do Pai . A palavra como não, nesta passagem, denotam uma comparação inadequada, mas exprime verdadeiro e saudável aprovação; como quando Paulo diz: Ande como filhos da luz , ele nos manda realmente demonstrar pelas nossas obras que somos os filhos da luz . Por conseguinte, o evangelista significa, que em Cristo foi contemplado uma glória que era digno do Filho de Deus, e que foi uma prova segura de sua Divindade. Ele chama o Unigênito , porque ele é o único Filho de Deus por natureza; como se ele iria colocá-lo acima dos homens e dos anjos, e teria a pretensão só para ele o que pertence a nenhuma criatura.

 

Cheia de graça . Havia, de fato, outras coisas em que a majestade de Cristo apareceu, mas o evangelista selecionado neste caso em detrimento de outros, a fim de nos treinar para o especulativo, em vez de o conhecimento prático do mesmo; e isso deve ser cuidadosamente observados. Certamente quando Cristo caminhou com os pés secos sobre as águas, ( Mateus 14:26 ; Marcos 6:48 ; João 06:19 ), quando ele expulsa os demônios e quando ele mostrou seu poder em outros milagres, ele pode ser conhecido por ser o unigênito Filho de Deus; mas o evangelista antecipa uma parte da aprovação, a partir do qual a fé obtém vantagem delicioso, porque Cristo demonstrou que ele realmente é uma fonte inesgotável de graça e verdade . Stephen, também, é dito ter sido cheia de graça , (24) , mas em um sentido diferente; para a plenitude da graça em Cristo é a fonte da qual todos nós devemos desenhar, como teremos ocasião logo depois de explicar mais detalhadamente.

 

Graça e de verdade . Isso pode ser levado, por uma figura de linguagem, por verdadeira graça , ou o último termo pode ser explicativo, assim: que ele era cheia de graça , o que é verdade ou perfeição; mas como veremos que ele imediatamente depois repete o mesmo modo de expressão, eu penso que o significado é o mesmo em ambas as passagens. Esta graça e de verdade que depois contrasta com a Lei ; e, portanto, eu interpreto isso como significando simplesmente, que os apóstolos reconheceram Cristo é o Filho de Deus, porque ele tinha em si o cumprimento das coisas que pertencem ao reino espiritual de Deus; e, em suma, que em todas as coisas que ele mostrou ser o Redentor e Messias; que é a marca mais notável pelo qual ele deveria ser distinguido de todos os outros.

 

verso 15

  1. João dá testemunho . Ele agora relata o que era a pregação de João. Ao usar o verbo testifieth ( μαρτυρεῖ ) no tempo presente, (27) que denota um ato contínuo, e certamente essa doutrina deve ser continuamente em vigor, como se a voz de John estavam continuamente retumbante nos ouvidos dos homens. Da mesma forma que depois usa a palavra grito , dar a entender que a doutrina de João estava em nenhum grau obscura ou ambígua, e que ele não murmurar entre alguns homens, (28) , mas abertamente, e com grande voz, pregada Cristo. A primeira frase se destina a transmitir a declaração, que ele foi enviado para a causa de Cristo, e, portanto, que teria sido razoável que ele deve ser exaltado, enquanto Cristo estava mentindo baixo.

 

Este é aquele de quem eu disse . Com estas palavras, ele quer dizer que sua intenção era, desde o início, para tornar Cristo conhecido, e que esta era a concepção de seus discursos públicos; como, aliás, não havia outra maneira em que ele pudesse cumprir o seu dever como embaixador do que chamando seus discípulos a Cristo.

 

Quem, vindo atrás de mim . Embora João Batista era mais velho do que Cristo, por alguns meses, mas ele não falar agora de idade; mas como ele tinha descarregado o ofício de profeta por um curto período antes de Cristo apareceu em público, então ele se torna o antecessor em relação ao tempo. No que diz respeito, portanto, a manifestação pública, Cristo veio depois de João Batista. As palavras que se seguem pode ser literalmente prestados, ele foi feito antes de mim , porque existia antes de mim ; mas o significado é, que Cristo foi justamente preferia John, porque ele foi mais excelente . Ele, portanto, rende seu escritório para Cristo e - como diz o provérbio funciona - "oferece-lhe a tocha", ou dá lugar a ele como seu sucessor. Mas, como ele surgiu mais tarde no fim do tempo, John lembra a seus ouvintes que isso não é razão para que ele não deve ser preferido para si mesmo, como sua posição merecida. Assim, todos os que são superiores a outros, seja nos dons de Deus ou em qualquer grau de honra, devem permanecer na sua própria categoria, de modo a ser colocado abaixo Cristo.

 

verso 16

  1. E da sua plenitude . Ele começa agora a pregar sobre o ofício de Cristo, que contém em si uma abundância de todas as bênçãos, para que nenhuma parte da salvação deve ser procurada em qualquer outro lugar. Verdade, de fato, a fonte da vida, a justiça, virtude e sabedoria, é com Deus, mas para nós é uma fonte oculta e inacessível. Mas uma abundância dessas coisas é exibido a nós em Cristo, para que possamos ter a possibilidade de recorrer a ele; pois ele está pronto para fluir para nós, desde que abrimos um canal pela fé. Ele declara, em geral, que fora de Cristo não deve procurar alguma coisa boa, embora esta frase consiste de várias cláusulas. Em primeiro lugar, ele mostra que todos nós somos totalmente destituída e vazia de bênçãos espirituais; pela abundância que existe em Cristo destina-se a fornecer a nossa deficiência, para aliviar a nossa pobreza, para satisfazer a nossa fome e sede. Em segundo lugar, ele nos avisa que, assim que se afastaram de Cristo, que está doente vão para nós a procurar uma única gota de felicidade, porque Deus determinou que tudo o que é bom deve residir somente nele. Assim, veremos anjos e dos homens a ser seco, o céu para estar vazio, a terra ser improdutiva, e, em suma, todas as coisas para não ter qualquer valor, se queremos ser participantes dos dons de Deus em qualquer outra maneira do que por meio de Cristo. Em terceiro lugar, ele nos assegura que teremos nenhuma razão para temer a falta de qualquer coisa, desde que podemos tirar da plenitude de Cristo, que é em todos os aspectos; tão completo, que vamos experimentá-lo para ser uma fonte verdadeiramente inesgotável; e João aulas-se com o resto, não por uma questão de modéstia, mas para torná-lo mais evidente que nenhum homem quer que seja isento.

 

Na verdade, é incerto se ele fala em geral de toda a raça humana, ou significa apenas aqueles que, posteriormente, para a manifestação de Cristo na carne, foram feitas mais plenamente participantes de suas bênçãos. Todos os piedosos, sem dúvida, que viveu sob a lei, tirou do mesmo plenitude ; mas como John imediatamente depois distingue entre diferentes períodos, é mais provável que aqui ele especialmente recomenda que rica abundância de bênçãos que Cristo exibidos na sua vinda. Porque sabemos que, nos termos da Lei os dons de Deus foram mais comedida provei, mas que, quando Cristo se manifestou em carne, eles foram derramadas, por assim dizer, com uma mão cheia, mesmo à saciedade. Não que qualquer um de nós tenha obtido uma maior abundância da graça do Espírito do que Abraão fez, mas eu falo de dispensação ordinário de Deus e da maneira e forma de distribuição. João Batista, para que o mais livremente convidar seus discípulos para vir a Cristo, declara que nele é depositada para toda a abundância das bênçãos de que são destituídos. E, no entanto, se alguém optar por estender o significado mais distante, não haverá nenhum absurdo em fazê-lo; ou melhor, ele vai concordar bem com a estirpe do discurso, que todos os pais, desde o princípio do mundo, tirou de Cristo todos os dons que possuíam; pois, embora a lei foi dada por Moisés , mas eles não obtiveram graça por ela. Mas eu já disse o que me parece ser a visão preferível; isto é, que John aqui nos compara com os pais, de modo a ampliar, por meio dessa comparação, o que tem sido dado a nós.

 

E, graça sobre graça . De que maneira Agostinho explica esta passagem é bem conhecido - que todas as bênçãos que Deus nos concede de tempos em tempos, e na vida comprimento eterna, não são concedidos como recompensa devido aos nossos méritos, mas que procede de pura liberalidade que Deus recompensa, assim, o ex- graça , e coroa os seus presentes em nós. Este é piedosamente e criteriosamente disse, mas não tem nada a ver com o presente passagem. O significado seria mais simples se você vier a tomar a palavra para ( ἀντὶ ) comparativamente, no sentido de, que qualquer que seja graças que Deus nos concede, proceder igualmente da mesma fonte. Ele também pode ser tomado como apontar a causa final, que agora recebem a graça , que Deus possa um dia cumprir a obra da nossa salvação, que será o cumprimento de graça . Pela minha parte, concordo com a opinião daqueles que dizem que são regadas com as graças que foram derramado sobre Cristo; para o que recebem de Cristo ele não derramar sobre nós como sendo Deus, mas o Pai, que lhe é comunicado que iria fluir para nós, como através de um canal. Esta é a unção com o qual ele foi ungido, para que pudesse nos ungir o tempo todo com ele. Por isso, também, ele é chamado de Cristo ( o Ungido ), e somos chamados cristãos.

 

verso 17

  1. Porque a lei foi dada por Moisés . Esta é uma antecipação, pelo qual ele encontra uma objeção que era provável que surjam; para tão altamente foi Moisés estimado pelos judeus que dificilmente poderia receber qualquer coisa que diferia da dele. Por conseguinte, o evangelista mostra como muito inferior o ministério de Moisés era o poder de Cristo . Ao mesmo tempo, esta comparação não traz pequeno brilho sobre o poder de Cristo; pois enquanto a deferência máxima possível foi prestado Moses pelos judeus, o Evangelista lembra-lhes que o que ele trouxe foi extremamente pequeno, quando comparado com a graça de Cristo. Ele teria sido um grande obstáculo, que espera receber a partir da Lei o que só pode obter através de Cristo.

 

Mas temos de atender a antítese, quando contrapõe a lei com graça e de verdade ; por seu significado é que a lei quis ambos. (29) A palavra verdade denota, na minha opinião, um estado fixo e permanente das coisas. Pela palavra Graça Eu entendo a realização espiritual das coisas, a carta nua do que estava contido na Lei . E essas duas palavras pode-se supor que se referem à mesma coisa, por uma figura bem conhecida de expressão, (Hipálage;) como se ele tivesse dito, que graça , na qual a verdade da Lei consiste, foi longamente expostos em Cristo . Mas, como o significado será, em nenhum grau afetados, é de nenhuma importância se você vê-los como unida ou como distinto. Esta, pelo menos, é certo, que o evangelista significa que, em Lei não havia nada mais do que uma imagem sombria de bênçãos espirituais, mas que eles são realmente encontrado em Cristo ; onde se segue que, se você separar a Lei de Cristo , continua a haver nada nele, mas figuras vazias. Por esta razão, Paulo diz que

 

as sombras eram a lei , mas o corpo é em Cristo ,

( Colossenses 2:17 ).

 

E, no entanto, não se deve supor que nada foi exibido pela Lei de uma forma equipada para enganar; para Cristo é a alma que dá vida ao que de outra forma teria sido morto sob a lei . Mas aqui uma questão totalmente diferente nos encontra, ou seja, o que a lei poderia fazer por si mesmo e sem Cristo; e Evangelista sustenta que nada permanentemente valioso é encontrada no mesmo até que cheguemos a Cristo. Esta verdade consiste na obtenção do meio de Cristo que a graça que a lei não poderia conceder a todos; e, portanto, eu tomo a palavra graça em um sentido geral, como denotando tanto o perdão incondicional dos pecados, ea renovação do coração. Por enquanto o Evangelista aponta brevemente a distinção entre o Antigo eo Novo Testamento, (30) (que é mais completamente descrito em Jeremias 31:31 ), ele inclui nesta palavra tudo o que se relaciona com a justiça espiritual. Agora essa justiça consiste em duas partes; em primeiro lugar, que Deus reconcilia-se a nós por livre graça , de não imputar a nós os nossos pecados; e, por outro, que ele tenha gravado sua lei em nossos corações, e, pelo seu Espírito, renova os homens dentro de obediência a ela; a partir do qual é evidente que a Lei é incorretamente e falsamente exposto, se houver algum cuja atenção que corrige a si própria, ou quem impede de vir a Cristo

 

verso 18

  1. Nenhum homem jamais viu a Deus . Mais apropriadamente é o maior para confirmar a declaração anterior; para o conhecimento de Deus é a porta pela qual entramos no gozo de todas as bênçãos; e como ele é somente por Cristo que Deus se dá a conhecer a nós, portanto, também se segue que devemos procurar todas as coisas de Cristo. Esta ordem da doutrina deve ser cuidadosamente observado. Nenhuma observação parece ser mais comum do que isto, que cada um de nós recebe, de acordo com a medida da sua fé, que Deus nos oferece; mas são poucos os que pensam que devemos trazer o navio de fé e do conhecimento de Deus com a qual desenhar.

 

Quando ele diz que nenhum homem jamais viu a Deus , não devemos entendê-lo para se referir à percepção externa do olho corporal; pois ele significa em geral, que, como Deus habita em luz inacessível , ( 1 Timóteo 6:16 ), ele não pode ser conhecido, mas em Cristo, que é a sua imagem animada. Esta passagem é geralmente explicado, portanto, que, como a majestade nua de Deus está escondido dentro de si mesmo, ele nunca poderia ser compreendido, excepto na medida em que ele se revelou em Cristo; e, portanto, que só em Cristo que Deus era conhecido anteriormente aos pais. Mas eu prefiro pensar que o evangelista aqui age de acordo com a comparação já foi dito, ou seja, quanto melhor a nossa condição é do que a dos pais, porque Deus, que antigamente era ocultada em sua glória secreta, pode agora ser dito ter rendido se visível ; pois certamente quando Cristo é chamado a imagem animada de Deus , ( Hebreus 1: 3 ), refere-se ao privilégio peculiar do Novo Testamento. De modo semelhante, o evangelista descreve, nesta passagem, algo novo e incomum, quando ele diz que o Filho unigênito, que estava no seio do Pai , é quem faz conhecido para nós o que antigamente era ocultada. Ele, portanto, amplia a manifestação de Deus, que foi trazido até nós por meio do evangelho, no qual ele nos distingue dos pais, e mostra que somos superiores a eles; como também Paulo explica mais detalhadamente nos capítulos terceiro e quarto da Segunda Epístola aos Coríntios. Para ele afirma que agora não há mais nenhum véu , como o que existia sob a Lei, mas que Deus é abertamente contemplou na face de Cristo.

 

Se ser pensado razoável que os pais são privados do conhecimento de Deus, que têm os profetas diária indo diante deles e segurando a tocha, eu respondo, que o que é atribuída a nós não é simplesmente ou absolutamente negado a eles, mas que é feita uma comparação entre o menor eo maior, como dizemos; porque não tinham nada mais do que pequenas faíscas da verdadeira luz, o brilho total das quais brilha diariamente ao nosso redor. Se se objetar, que, naquela época, também Deus estava cara visto a cara , ( Gênesis 32:30 ; Deuteronômio 34:10 ), eu afirmo que essa visão não é de todo a ser comparado com o nosso; mas como Deus estava acostumado naquele momento para exibir-se obscuramente, e, por assim dizer, de longe, aqueles a quem ele foi mais claramente revelada dizem que o viu cara a cara . Eles dizem assim com referência ao seu próprio tempo; mas eles não ver Deus em qualquer outra forma que embrulhado em muitas dobras de figuras e cerimônias. (31) Essa visão que Moisés obtido na montanha foi notável e mais excelente do que quase todo o resto; no entanto, Deus declara expressamente,

 

tu não ser capaz de ver o meu rosto, somente tu verás minhas costas, ( Êxodo 33:23 ;)

 

pelo qual a metáfora que mostra que o tempo para uma revelação completa e clara ainda não havia chegado. Também deve ser observado que, quando os pais desejavam contemplar a Deus, eles sempre voltaram os olhos para Cristo. Eu não significa apenas que eles viram a Deus na sua eterna Speech , mas também que eles participaram, com toda a sua mente e de todo o coração, para a manifestação prometida de Cristo. Por esta razão, veremos que Cristo disse depois, Abraão viu o meu dia , ( João 8:56 ;) e que que é subordinado não é contraditória. É, portanto, um princípio fixo, que Deus, que antigamente era invisível, tem agora fez-se visível em Cristo.

 

Quando ele diz que o Filho estava no seio do Pai , a metáfora é emprestado de homens, que são ditas para receber em seu seio aqueles a quem eles se comunicam todos os seus segredos. A mama é a sede do conselho. Ele, portanto, mostra que o Filho estava familiarizado com os segredos mais ocultos de seu pai, a fim de nos informar que temos a peito de Deus, por assim dizer, colocou aberto para nós no Evangelho.

 

verso 19

  1. E este é o testemunho . Até aqui, o evangelista tem relacionado a pregação de João sobre Cristo; ele agora se resume a um testemunho mais ilustre, que foi entregue aos embaixadores dos sacerdotes , que eles possam transmiti-la para Jerusalém. Ele diz, portanto, que John confessou abertamente para que finalidade ele foi enviado por Deus. A primeira pergunta aqui é, para que finalidade os Sacerdotes fazer perguntas a ele. Acredita-se geralmente que, por ódio a Cristo, que deu a John uma honra que não lhe pertence; mas isso não pode ser a razão, pois Cristo ainda não era conhecido por eles. Outros dizem que eles foram melhores satisfeito com John, porque ele era da linhagem e da ordem do sacerdócio; mas também não penso que este é provável; para, uma vez que se espera de Cristo toda a prosperidade, por que eles voluntariamente inventar um falso Cristo ? Penso, portanto, que não havia outra razão que eles induzida. Era agora um longo tempo desde que tinham os profetas; John veio de repente e ao contrário das expectativas; e as mentes de todos foram despertados para esperar o Messias. Além disso, todos entretidos a crença de que a cunhagem do Messias estava à mão.

 

Que eles podem não parecem ser descuidado com o seu dever, em caso de negligência ou dissimular uma questão de tão grande importância, eles perguntam John , Quem és tu ? No início, portanto, eles não agem por maldade, mas, pelo contrário, accionado pelo desejo de redenção, eles querem saber se John ser o Cristo, porque ele começa a alterar a ordem que tinha sido habitual na Igreja. E ainda assim eu não nego que a ambição, e um desejo de manter sua autoridade, teve alguma influência sobre eles; mas nada certamente foi mais longe da sua intenção de transferir a honra de Cristo para outro. Nem é a sua conduta nesta matéria incompatível com o cargo que eles sustentam; para, uma vez que detinha o governo da Igreja de Deus, que era seu dever cuidar para que ninguém precipitadamente obtruded si mesmo, que nenhum fundador de uma nova seita deve surgir, que a unidade da fé não deve ser quebrado na Igreja, e que ninguém deveria introduzir novos e estrangeiros cerimônias. É evidente, portanto, que um relatório sobre John foi amplamente divulgado e despertou as mentes de todos; e este foi organizado pela maravilhosa Providência de Deus, que esse testemunho pode ser mais notavelmente completa.

 

verso 20

  1. E confessou, e não negou . Ou seja, ele confessou abertamente, e sem qualquer ambiguidade ou hipocrisia. A palavra confessar , em primeira instância, significa em geral, que ele declarou o fato como ele realmente era. No segundo exemplo, é repetido de modo a expressar a forma da confissão. Ele respondeu expressamente, que ele não era o Cristo

 

verso 21

  1. És tu Elias ? Por que eles citar Elias , em vez de Moisés? Foi porque eles aprenderam com a predição de Malaquias 4: 2 , que quando o Messias, o Sol da Justiça , deve surgir, Elias seria a estrela da manhã para anunciar a sua abordagem. Mas a questão é fundada sobre uma opinião falsa que haviam prendido por muito tempo; para, mantendo a opinião de que a alma de um homem sai fora de um corpo para outro, quando o Profeta Malaquias anunciou que Elias seria enviado, eles imaginavam que o mesmo Elias , que viveu sob o reinado do rei Acabe, ( 1 Reis 17 : 1 ,) estava por vir. É, portanto, uma resposta justa e verdadeira que John faz, que ele não é Elias ; pois ele fala de acordo com a opinião que atribuem às palavras; mas Cristo, dando a verdadeira interpretação do Profeta, afirma que João é Elias, ( Mateus 11:14 ; Marcos 09:13 ).

 

Tu és um Profeta ? Erasmus dá uma explicação imprecisa dessas palavras, limitando-os a Cristo; para a adição do artigo ( ὁ προφήτης , o profeta ) carrega nenhuma ênfase nesta passagem; e os mensageiros depois declarar com clareza suficiente, que significava uma pessoa diferente profeta de Cristo; pois resumir o todo: por dizer, (versículo 25), se nem és o Cristo, nem Elias, nem o Profeta . Assim, vemos que tinham a intenção de apontar pessoas diferentes. Outros pensam que eles perguntaram se ele era um dos antigos profetas ; mas também não aprovo que a exposição. Em vez disso eles por este ponto a cargo de John prazo, e perguntar se Deus o havia designado para ser um profeta . Quando ele responde, eu não sou , ele não por uma questão de modéstia dizer uma mentira, mas honesta e sinceramente destaca-se da companhia dos profetas . No entanto, essa resposta não é incompatível com o atestado honrosa que Cristo lhe dá. Cristo confere a John a designação do profeta , e até mesmo acrescenta que ele é mais do que um profeta , ( Mateus 11: 9 ;) mas por estas palavras que ele não faz nada mais do que o crédito demanda e autoridade para a sua doutrina, e ao mesmo tempo descreve , em termos elevados, a excelência do escritório que tinha sido conferido a ele. Mas nesta passagem João tem um objeto diferente, tendo em vista, que é, para mostrar que ele não tem nenhuma mensagem especial, como era geralmente o caso com os profetas , mas que ele estava apenas nomeado para ser o arauto de Cristo.

 

Isto será ainda mais clara feita por uma comparação. Todos os embaixadores - mesmo aqueles que não são enviadas em assuntos de grande importância - obter o nome e autoridade de embaixadores, porque eles detêm comissões especiais. Esses eram todos os profetas que, tendo sido intimados para entregar certas previsões, alta no ofício profético. Mas se algum assunto importante vir a ser tratado, e se dois embaixadores são enviadas, um dos quais anuncia a chegada rápida de um outro que possui o poder pleno para transacionar todo o assunto, e se este último recebeu liminares para trazê-lo a uma conclusão, não vai a antiga embaixada ser contada uma parte e apêndice do último, que é o principal? Tal foi o caso com João Batista, a quem Deus havia dado nenhuma outra liminar do que preparar os judeus para ouvir Cristo e tornar-se seus discípulos. (35) Que este é o significado, ainda aparecerá mais plenamente a partir do contexto; porque temos de investigar a cláusula oposto, que segue imediatamente. Eu não sou profeta , ele diz, mas uma voz que clama no deserto . A distinção reside no fato de que a voz que clama , que uma forma pode ser preparado para o Senhor , não é um profeta , mas apenas um ministro subordinado, por assim dizer; e sua doutrina é apenas uma espécie de preparação para ouvir outro professor. Desta forma, John, mas ele é mais excelente do que todos os profetas, ainda é não um profeta

 

verso 23

  1. A voz do que clama . Como ele teria sido cobrado com imprudência na realização do ofício de ensinar, se não tivesse recebido uma comissão, ele mostra o que foi o dever que ele tinha para realizar, e prova-lo por uma citação do Profeta Isaías 60: 3 . Daí segue-se que ele não faz nada, mas o que Deus lhe mandou fazer. Isaías não, na verdade, falar lá de John sozinho, mas, prometendo a restauração da Igreja, ele prevê que haverá ainda ser ouvido vozes de alegria, ordenando a preparar o caminho para o Senhor . Embora ele aponta a vinda de Deus, quando ele trouxe de volta as pessoas de seu cativeiro na Babilônia, mas a verdadeira realização foi a manifestação de Cristo em carne. Entre os arautos que anunciaram que o Senhor estava à mão, John segurou o lugar principal.

 

Para entrar em inquéritos engenhosas, como alguns têm feito, dentro do significado da palavra voz , seria frívolo. John é chamado de uma voz , porque ele foi ordenado a chorar. É em sentido figurado, sem dúvida, que Isaías dá o nome deserto, para os miseráveis ​​desolação da Igreja, que parecia para impedir o retorno do povo; como se ele tivesse dito, que a passagem seria de fato ser aberto para as pessoas em cativeiro, mas que o Senhor iria encontrar uma estrada através das regiões em que não havia estrada. Mas isso visível deserto , em que João pregou, era uma figura ou imagem da desolação terrível que tirou toda a esperança de libertação. Se esta comparação ser considerado, ele será facilmente visto que nenhuma tortura tem sido dada às palavras do profeta nesta aplicação deles; pois Deus tudo organizado de tal maneira, como colocar diante dos olhos de seu povo, que foram surpreendidos com as suas calamidades, um espelho desta previsão.

 

verso 24

  1. eram dos fariseus . Ele diz que eles eram fariseus , que na época realizada o mais alto posto na Igreja; e ele diz isso, para nos informar, que não estavam algumas pessoas desprezíveis da ordem dos levitas, mas os homens vestidos com autoridade. Esta é a razão pela qual eles levantam uma pergunta sobre o seu batismo . Ministros ordinários teria sido satisfeito com qualquer tipo de resposta; mas esses homens, porque eles não podem tirar de John o que desejavam, acusá-lo de precipitação para se aventurar para introduzir uma nova prática religiosa.

 

verso 25

  1. Por que então tu batizar ? Ao estabelecer esses três graus, eles aparecem para formar um argumento muito conclusiva : se tu não és o Cristo, nem Elias, nem o profeta ; para ele não pertence a cada homem para instituir a prática de batismo . O Messias era para ser aquele que possuía toda a autoridade. De Elias que havia de vir, eles formaram esta opinião, que ele iria começar a restauração tanto da autoridade real e da Igreja. Os profetas de Deus, eles prontamente conceder, têm o direito de descarregar o cargo que lhes são cometidas. Eles concluem, portanto, que para João batizar é uma novidade ilegal, uma vez que ele recebeu de Deus nenhuma estação pública. Mas eles estão errados em não reconhecer que ele seja de que Elias , que é mencionada por Malaquias 4: 5 ; embora ele nega que ele é que Elias dos quais eles tolamente sonhou.

 

verso 26

  1. Eu batizo com água . Este deveria ter sido abundantemente suficiente para a correção do seu erro, mas uma censura de outra forma clara é de nenhuma vantagem para os surdos; para, quando ele envia-los para Cristo, e declara que Cristo está presente, esta é uma prova clara de não só que ele foi divinamente designado para ser um ministro de Cristo, mas que ele é o verdadeiro Elias , que é enviado para testemunhar que o já é tempo (36) para a renovação da Igreja. Há um contraste aqui que não está totalmente estabelecida; pelo espiritual batismo de Cristo não é expressamente contrastado com o exterior batismo de João, mas que esta última cláusula sobre o batismo do Espírito pode ser facilmente fornecido, e logo depois ambos são estabelecidos pelo evangelista.

 

Esta resposta pode ser reduzido para duas cabeças: primeiro, que John reivindica nada para si, mas o que ele tem o direito de reclamar, porque ele tem Cristo como o autor de seu batismo , em que consiste a verdade do sinal; e, por outro, que não tem nada, mas a administração do sinal externo, enquanto toda a potência e eficácia está nas mãos de Cristo. Assim ele defende seu batismo medida em que a sua verdade depende de qualquer outra coisa; mas, ao mesmo tempo, declarando que ele não tem o poder do Espírito, ele exalta a dignidade de Cristo, que os olhos dos homens podem ser fixos nele sozinho. Este é o maior e melhor regulada moderação, quando um ministro toma emprestado de Cristo qualquer autoridade que ele diz para si mesmo, de tal modo a traçar a ele, atribuindo somente a ele tudo o que ele possui.

 

É um erro tolo, no entanto, em que algumas pessoas têm sido levados, de supor que o batismo de João era diferente da nossa; para John não discute aqui sobre a vantagem e utilidade do seu batismo, mas simplesmente compara sua própria pessoa com a pessoa de Cristo. Da mesma forma, se estávamos inquirindo, nos dias de hoje, que parte pertence a nós, eo que pertence a Cristo, no batismo, devemos reconhecer que só Cristo realiza o batismo representa figurativamente, e que não temos nada para além da administração nua do sinal. Há um duplo modo de falar nas Escrituras sobre os sacramentos; Por vezes, isso nos diz que eles são a pia da regeneração , ( Tito 3: 5 ;) que por si os nossos pecados são lavados , ( 1 Pedro 3:21 ;) que

 

estão em-enxertados no corpo de Cristo, que o nosso homem velho foi crucificado, e que ressuscitaria a novidade de vida, ( Romanos 6: 4 ;)

 

e, nesses casos, a Escritura se junta o poder de Cristo com o ministério do homem; como, aliás, o homem é nada mais do que a mão de Cristo. Tais modos de show de expressão, não o que o homem pode de si mesmo realizar, mas que Cristo realiza pelo homem e pelo sinal, como seus instrumentos. Mas, como há uma forte tendência a cair na superstição, e que os homens, por meio do orgulho que é natural para eles, levar de Deus a honra que lhe é devida, e basely adequada a si mesmos; de modo a Escritura, a fim de conter essa arrogância blasfema, às vezes distingue ministros de Cristo, como nesta passagem, para que possamos aprender que os ministros não são nada e não pode fazer nada.

 

Um se detém no meio de vós . Ele indiretamente acusa-os de estupidez, em não conhecer Cristo, ao qual suas mentes deveria ter sido intensamente dirigida; e ele sempre insiste seriamente sobre este ponto, que nada pode ser conhecido sobre o seu ministério, até que os homens vieram a ele que é o Autor da mesma. Quando ele diz que Cristo se detém no meio de, eles, é que ele pode excitar seu desejo e seu esforço de conhecê-lo. A quantidade do que ele diz é que ele deseja colocar-se o mais baixo possível, para que nenhum grau de honra impropriamente atribuída a ele pode obscurecer a excelência de Cristo. É provável que ele tinha essas frases com frequência em sua boca, quando ele se viu imoderadamente exaltado pelas opiniões perversos de homens.

 

verso 27

  1. Quem vem depois de mim . Aqui ele diz duas coisas; em primeiro lugar, que Cristo estava atrás dele no fim do tempo; mas, por outro, que ele estava longe antes dele na hierarquia e dignidade, porque o sim o preferia a todos. Logo depois ele irá adicionar uma terceira declaração, que Cristo foi preferido a todos os outros, porque ele é, na realidade, mais exaltado do que todos os outros.

 

verso 28

  1. Estas coisas aconteceram em Betânia . O lugar é mencionado, não só para autenticar a narrativa, mas também para nos informar que esta resposta foi dada em meio a um numeroso conjunto de pessoas; pois havia muitos que se reuniram para o batismo de João, e este era o seu lugar comum para batizar. Ele é igualmente suposta por alguns como uma passagem através do Jordão, e, a partir desta circunstância, eles derivam o nome, pois eles interpretam a casa de passagem ; a não ser, talvez, alguns podem preferir a opinião daqueles que referem-se à memorável passagem das pessoas, ( Josué 03:13 ), quando Deus abriu um caminho para eles no meio das águas, sob a direção de Josué. Outros dizem que ele deve antes ser lido Betharaba . Em vez de Betânia , alguns têm inserido aqui o nome Bethany , mas isso é um erro; pois o veremos posteriormente quão perto Bethany foi a Jerusalém. A situação de Betânia , como previsto por aqueles que têm descrito o país, concorda melhor com as palavras do evangelista; embora eu não tenho nenhum desejo de disputar sobre a pronúncia da palavra.

 

verso 29

  1. No dia seguinte . Não pode haver dúvida de que João já tinha falado sobre a manifestação do Messias; mas quando Cristo começou a aparecer, ele desejou que o anúncio dele deve rapidamente se tornar conhecida, eo tempo estava agora em mãos quando Cristo poria fim ao ministério de João, como, quando o sol se levantou, a aurora desaparece de repente. Depois de ter testemunhado os sacerdotes que foram enviados para ele, que ele de quem eles devem procurar a verdade eo poder do batismo já estava presente, e foi conversando no meio do povo, no dia seguinte , ele apontou-o à vista de tudo. Para estes dois atos, seguindo uns aos outros em rápida sucessão, deve ter poderosamente afetado suas mentes. Isso também é a razão pela qual Cristo apareceu na presença de John.

 

Eis o Cordeiro de Deus . A sede de Cristo é breve mas claramente; que tira os pecados do mundo pelo sacrifício de sua morte, e reconcilia os homens a Deus. Há outros favores, de fato, o que Cristo dá em cima de nós, mas esta é a favor principal, eo resto depende dele; que, por apaziguar a ira de Deus, faz-nos a ser contada santo e justo. Para a partir desta fonte fluem todos os fluxos de bênçãos, que, por não lhes imputando os nossos pecados, ele nos recebe em favor. Assim, John, para nos conduzir a Cristo, começa com o perdão gratuito de pecados que obtemos por meio dele.

 

Pela palavra Cordeiro ele alude aos sacrifícios antigos da Lei. Ele tinha que fazer com os judeus que, tendo sido acostumados a sacrifícios, não poderia ser instruído sobre a expiação de pecados em qualquer outra forma que não por estendendo a eles um sacrifício. Como havia vários tipos de-los, ele faz um, por uma figura de linguagem, para representar o todo; e é provável que João fez alusão à pascal cordeiro . Deve observar-se, em geral, que João empregou este modo de expressão, que foi melhor adaptadas para instruir os judeus, e possuía uma força maior; como em nossos dias, em consequência de batismo sendo geralmente praticada, entendemos melhor o que se entende por obter o perdão dos pecados através do sangue de Cristo, quando nos dizem que somos lavados e purificados por isso a partir nossas poluições. Ao mesmo tempo, como os judeus comumente realizada noções supersticiosas sobre os sacrifícios, ele corrige esta falha de passagem, lembrando-os do objeto para o qual foram dirigidos todos os sacrifícios. Foi um abuso muito má da instituição de sacrifício, que eles tinham a sua confiança fixos nos sinais exteriores; e, portanto, John, estendendo Cristo, atesta que ele é o Cordeiro de Deus ; por que significa que todos os sacrifícios, que os judeus estavam acostumados a oferecer nos termos da Lei, não tinha poder algum para expiar pecados, mas que eles eram apenas figuras, a verdade do que se manifestou no próprio Cristo.

 

Que tira o pecado do mundo . Ele usa a palavra pecado no singular, para qualquer tipo de iniqüidade; como se ele tivesse dito, que todo tipo de injustiça que aliena os homens de Deus é levado por Cristo. E quando ele diz, o pecado do Mundo, ele estende este favor indiscriminadamente a toda a raça humana; que os judeus não pode pensar que ele tinha sido enviado a eles sozinho. Mas daí podemos inferir que o todo mundo está envolvido na mesma condenação; e que, como todos os homens, sem exceção, são culpados de injustiça diante de Deus, eles precisam se reconciliar com ele. João Batista, portanto, falando em geral, de o pecado do mundo , destinado a incutir em nós a convicção da nossa própria miséria, e nos exortar a buscar o remédio. Agora, o nosso dever é, para abraçar o benefício que é oferecido a todos, que cada um de nós pode ser convencido de que não há nada para impedi-lo de obter a reconciliação em Cristo, desde que ele vem para ele pela orientação de fé.

 

Além disso, ele estabelece, mas um método de tirar pecados Sabemos que, desde o começo do mundo, quando suas próprias consciências realizou-los convencido, homens trabalharam ansiosamente para obter perdão. Daí o grande número de ofertas propiciatórios, pelo qual eles falsamente imaginado que eles apaziguado Deus. Eu próprio, na verdade, que todos os ritos espúrias de natureza propiciatório chamou a sua existência a partir de uma origem sagrada, que era, que Deus havia designado os sacrifícios que dirigidos os homens a Cristo; mas ainda assim, cada homem inventado por si mesmo o seu próprio método de apaziguar Deus. Mas João nos leva de volta para Cristo, e nos informa que não há outra maneira na qual Deus está reconciliado com nós do que através de sua agência, porque só ele tira o pecado . Ele, portanto, não deixa outro refúgio para os pecadores do que fugir para Cristo; pelo qual ele derruba todas as satisfações, e purificações, e resgates, que são inventados pelos homens; como, aliás, eles não são nada mais do que invenções de base emolduradas pela sutileza do diabo.

 

O verbo αἴρειν ( para tirar ) pode ser explicado de duas maneiras; quer que Cristo tomou sobre si a carga que nos pesou para baixo, como é dito que ele levou nossos pecados sobre o madeiro , ( 1 Pedro 2:24 ;) e Isaías diz que

 

o castigo que nos traz a paz estava cair sobre ele, ( Isaías 53: 5 ;)

 

ou que ele apaga os pecados. Mas, como esta última afirmação depende do primeiro, de bom grado abraçar tanto; ou seja, que Cristo, ao levar nossos pecados, leva embora . Embora, portanto, o pecado habita continuamente em nós, ainda não há nenhuma no julgamento de Deus, porque quando ele foi anulado pela graça de Cristo, não nos é imputada. Nem eu não gosto da observação de Crisóstomo, que o verbo no presente do indicativo - ὁ αἴρων , que tira , denota um ato contínuo; para a satisfação que Cristo, uma vez feita é sempre em pleno vigor. Mas ele não se limita a ensinar-nos que Cristo tira o pecado , mas salienta também o método, ou seja, que ele tem conciliado o Pai a nós por meio de sua morte; pois é isso que ele quer dizer com a palavra Cordeiro . Vamos, portanto, saber que nós nos tornamos reconciliados com Deus pela graça de Cristo, se ir direto para sua morte, e quando acreditamos que aquele que foi pregado na cruz é o único sacrifício propiciatório, pelo qual toda a nossa culpa é removida.

 

verso 30

  1. Este é aquele de quem eu disse. Ele compreende todas as coisas em poucas palavras, quando ele declara que Cristo é a pessoa que, segundo ele, era preferível a ele; para daí segue-se que John não é nada mais do que um arauto enviado em sua conta; e, portanto, mais uma vez, é evidente que Cristo é o Messias. Três coisas são aqui declarada; para quando ele diz que um homem vem depois dele, ele quer dizer que ele próprio estava à sua frente na ordem de tempo, para preparar o caminho para Cristo, de acordo com o testemunho de Malaquias,

 

Eis que eu envio o meu mensageiro diante de minha face, ( Malaquias 3: 1 ).

 

Mais uma vez, quando ele diz que ele era o preferido para si mesmo , isso se relaciona com a glória com que Deus adornada seu Filho, quando ele veio ao mundo para cumprir o ofício de um Redentor. Por fim, a razão é adicionado, o que é, que Cristo é muito superior em dignidade a João Batista. Essa honra, portanto, que o Pai lhe conferiu não foi acidental, mas foi devido a sua majestade eterna. Mas desta expressão, que ele era o preferido para mim , porque ele estava diante de mim , eu já faladas. (37)

 

verso 31

  1. E eu não o conhecia. Que o seu testemunho não pode ser suspeito de ter sido dado tanto de amizade ou de favor, ele antecipa um tal dúvida, afirmando que ele não tinha nenhum outro conhecimento de Cristo do que o que ele tinha obtido por inspiração divina. O significado, portanto, eleva-se a isso, que João não falar na sua própria sugestão, nem para a favor do homem, mas pela inspiração do Espírito e o comando de Deus.

 

Eu vim batizando com água, isto é, eu era chamado e nomeado para este cargo, que eu possa manifestar-o a Israel; que o Evangelista depois explica mais detalhadamente, e confirma, quando ele introduz João Batista, atestando que ele não tinha conhecimento de Cristo, mas o que ele tinha obtido pela oracle; isto é, pela informação ou revelação de Deus. (38) Em vez de o que encontramos aqui, vim para batizar, ele não diz expressamente (versículo 33) que ele foi enviado; pois é apenas o chamado de Deus que faz com que os ministros legais, porque cada pessoa que por sua própria vontade, empurra-se para a frente, o que quer aprender ou eloqüência, ele pode possuir, não tem direito a qualquer autoridade, ea razão é, que ele não é autorizado por Deus. Agora, uma vez que era necessário que João, a fim de que ele poderia legalmente batizar, deve ser enviado por Deus, deixe-o ser inferida a partir deste, que não é no poder de qualquer homem que quer instituir sacramentos, mas que este direito pertence só Deus, como Cristo, em outra ocasião, a fim de provar o batismo de João, pergunta se era do céu , ou dos homens , ( Mateus 21:25 ).

 

verso 32

  1. Vi o Espírito, descendo como pomba. Este não é um literal, mas um modo figurado de expressão; para com o que os olhos que ele pudesse ver o Espírito ? Mas, como a pomba era um sinal certo e infalível da presença de espírito, ele é chamado o Espírito, por uma figura de linguagem em que um nome é substituído por outro; não que ele é, na realidade, o Espírito , mas que ele aponta-o para fora, tanto quanto a capacidade humana pode admitir. E esta linguagem metafórica é freqüentemente utilizada nos sacramentos; por que Cristo chama o pão seu corpo , mas porque o nome da coisa está devidamente transferido para o sinal? especialmente quando o sinal é, ao mesmo tempo, uma verdadeira e eficaz compromisso, pelo qual estamos a certeza de que a coisa em si, que é significado é concedido a nós. No entanto, não deve ser entendido que a pomba continha o Espírito que enche o céu ea terra , ( Jeremias 23:24 ), mas que ele estava presente com o seu poder, de modo que John sabia que tal exibição não foi apresentado aos seus olhos em vão . Da mesma maneira, sabemos que o corpo de Cristo não está conectado com o pão, e ainda assim somos participantes do seu corpo.

 

A questão agora é, por que o Espírito naquela época aparecem na forma de uma pomba ? Devemos sempre considerar que existe uma correspondência entre o sinal e a realidade. Quando o Espírito foi dado aos apóstolos, que viu umas línguas de fogo , ( Atos 2: 3 ), porque a pregação do evangelho devia ser transmitida através de todas as línguas, e foi a possuir o poder de fogo. Mas nesta passagem, Deus pretendia fazer uma representação pública do que a brandura de Cristo, do qual Isaías fala em termos grandiosos,

 

O pavio fumegante ele não apagará, ea cana trilhada, não vai quebrar, ( Isaías 42: 3 ).

 

Foi então que, pela primeira vez, que o Espírito foi visto descendo sobre ele; não que ele tinha sido anteriormente destituída de ele, mas porque ele pode ser dito para ser, em seguida, consagrado por um rito solene. Porque sabemos que ele permaneceu em segredo, durante trinta anos, como um particular, porque o tempo para a sua manifestação ainda não era chegada; mas quando ele pretendia tornar-se conhecido no mundo, começou com o seu batismo. Naquela época, portanto, ele recebeu o Espírito não só para si, mas para o seu povo; e em que conta sua descida era visível, para que saibamos que não habita nele uma abundância de todos os dons de que somos vazia e destituída. Isto pode ser facilmente inferida a partir das palavras de Batista; para quando ele diz: Aquele sobre quem vires descer o Espírito, e sobre ele permanecer, esse é o que batiza com o Espírito , o seu significado é, que a razão pela qual o Espírito foi contemplado de forma visível, e manteve-se em Cristo, era, que ele poderia regar todos os seus povos com a sua plenitude. O que é batizará com o Espírito já notado em poucas palavras; ou seja, que ele transmite a sua eficácia ao batismo, que não pode ser vaidoso ou inútil, e isso ele realiza pelo poder do seu Espírito.

 

verso 33

  1. Aquele sobre quem vires o Espírito descer. Aqui uma pergunta difícil surge; pois se John não sabia Cristo , por que ele se recusa a admiti-lo ao batismo? Para uma pessoa que ele não sabia que ele não iria dizer, eu deveria, em vez de ser batizado por ti , ( Mateus 3:14 ). Alguns resposta, que ele conhecia a tal ponto que a considerá-lo com o respeito devido a um distinguido Profeta, mas não sabia que ele era o Filho de Deus . Mas esta é uma má solução da dificuldade, para cada homem deve obedecer ao chamado de Deus, sem qualquer acepção de pessoas. Sem classificação ou excelência do homem deve nos impedir de fazer o nosso dever, e, portanto, John teria mostrado desrespeito a Deus e ao seu batismo, se ele tivesse falado dessa maneira a qualquer outra pessoa que o Filho de Deus. segue-se que ele deve ter sabido previamente Cristo.

 

Em primeiro lugar, ele deve ser observado, que o conhecimento aqui mencionada é a que surge de conhecimento pessoal e longo prazo. Embora reconheça Cristo sempre que vê-lo, ainda assim, não deixa de ser verdade que eles não eram conhecidos para o outro de acordo com o costume comum dos homens, para o início de seu conhecimento procedia de Deus. Mas a questão ainda não está totalmente respondida; pois ele diz que a visão do Espírito Santo foi o sinal que foi apontado para ele. Agora, ele ainda não tinha visto o Espírito , quando ele se dirigiu a Cristo como o Filho de Deus. Pela minha parte, eu voluntariamente abraçar a opinião daqueles que pensam que este sinal foi adicionado para confirmação, e que não era tanto por causa do John como para o bem de todos nós. João, na verdade, vendo isso, mas foi bastante para os outros do que para si mesmo. Bucer cita apropriadamente que dizer de Moisés,

 

Este será um sinal para vós, para que depois de três dias de viagem, você deve sacrificar-me na montanha, ( Êxodo 03:12 ).

 

Sem dúvida, quando eles estavam saindo, eles já sabiam que Deus iria conduzir e vigiar a sua libertação; mas esta foi uma confirmação a posteriori , como a frase é; isto é, a partir do evento, após ter tido lugar. Da mesma forma, isso veio como um complemento para o ex-revelação que tinha sido dado a John.

 

verso 34

  1. Vi e testemunhou. Ele quer dizer que o que ele diz não é duvidoso; porque Deus quis fazer-lhe plena e completamente familiarizados com essas coisas de que era para ser o testemunho para o mundo; e é digno de nota, que ele testemunhou que Cristo era o Filho de Deus, porque quem dá o Espírito Santo deve ser o Cristo, para que nenhum outro pertence a honra eo escritório de reconciliar os homens com Deus.

 

verso 36

  1. Eis o Cordeiro de Deus! Por isso aparece mais claramente o que já disse, que quando John perceberam que ele estava se aproximando do final de sua carreira, ele trabalhou incessantemente para renunciar ao cargo a Cristo. Sua firmeza também dá maior crédito para o seu testemunho. Mas ao insistir tão intensamente, durante muitos dias sucessivos, em repetir a comenda de Cristo, ele mostra que o seu próprio curso foi quase concluído. Aqui vemos também como pequenos e de baixo no início da Igreja era. John, de fato, os discípulos de Cristo preparado, mas só agora é que Cristo começa a recolher uma Igreja. Ele não tem mais do que dois homens que são más e desconhecida, mas isso ainda contribui para ilustrar a sua glória, que dentro de um curto período de tempo, sem ajuda humana, e sem uma mão forte, ele se espalha seu reino de uma forma incrível e maravilhoso. Devemos também observar o que é o principal objeto ao qual John dirige a atenção dos homens; que é, para encontrar em Cristo o perdão dos pecados. E como Cristo apresentou-se aos discípulos para a finalidade expressa de que eles podem vir a ele, de modo nenhum, quando eles vêm, ele gentilmente encoraja e exorta-os; para ele não esperar até que eles primeira dirigir a ele, mas pergunta: O que você procura? Este tipo e gracioso convite, uma vez que foi feita para duas pessoas, agora pertence a todos. Não devemos, portanto, a temer que Cristo vai retirar de nós ou se recusar a nos fácil acesso, desde que ele vê-nos desejosos de vir a ele; mas, pelo contrário, ele vai esticar a mão para ajudar os nossos esforços. E como não vai se encontrar aqueles que vêm a ele, que busca a uma distância aqueles que estão vagando e extraviados, que ele pode trazê-los de volta para o caminho certo?

 

verso 38

  1. Rabi. Este nome foi dado geralmente a pessoas de alta posição, ou que possuíam qualquer tipo de honra. Mas o evangelista aqui aponta outro uso dele que foi feita em sua própria idade, que era, que eles abordados por este nome os professores e expositores da palavra de Deus. Embora, portanto, esses dois discípulos que ainda não reconhecem Cristo como o único mestre da igreja, ainda, movidos pelo comenda concedida a ele por João Batista, eles segurá-lo para ser um profeta e mestre, que é o primeiro passo para receber instrução.

 

Onde moras? Por este exemplo, aprendemos que a partir do primeiro, rudimentos da Igreja devemos desenhar um tal gosto por Cristo como vai excitar o nosso desejo de lucro; e no próximo, que não devemos ficar satisfeitos com um mero olhar passagem, mas que devemos buscar a sua habitação, para que ele possa nos receber como convidados. Pois há muitos que cheirar o evangelho em apenas uma distância, e, assim, permitir que Cristo repente a desaparecer, e tudo o que eles aprenderam a respeito dele para passar. E embora essas duas pessoas não o fez naquela época se tornar seus discípulos comuns, no entanto, não pode haver dúvida de que, durante aquela noite, ele instruiu-los mais plenamente, de modo que logo depois se tornou inteiramente dedicado a ele.

 

verso 39

  1. Era cerca da hora décima; isto é, a noite estava se aproximando, pois era não mais do que duas horas até o pôr do sol. O dia era naquele tempo dividido por eles em doze horas, que eram mais no verão e mais curtos no inverno. Mas desta circunstância podemos inferir que esses discípulos eram tão ansiosamente desejosos de ouvir Cristo e para ganhar um conhecimento mais íntimo dele, que eles próprios não deu nenhuma preocupação com alojamento de uma noite. Pelo contrário, estamos, na sua maior parte, muito ao contrário deles, pois nós incessantemente atrasar, porque não é conveniente para nós para seguir a Cristo.

 

verso 40

  1. André, irmão de Simão Pedro. O design do evangelista, até o final do capítulo, é para nos informar como gradualmente os discípulos foram levados a Cristo. Aqui ele relata sobre Pedro, e depois ele vai falar Filipe e Natanael. A circunstância de Andrew trazendo imediatamente seu irmão expressa a natureza da fé, que não esconde nem apagará a luz, mas sim espalha em todas as direções. Andrew tem quase uma faísca, e ainda, por meio dela, ele ilumina o seu irmão. Ai de nossa indolência, portanto, se não o fizermos, depois de ter sido totalmente esclarecido, esforçar-se por fazer os outros participantes da mesma graça. Podemos observar na Andrew duas coisas que Isaías exige dos filhos de Deus; ou seja, que cada um deve tomar o seu vizinho pela mão, e no próximo, que ele deveria dizer,

 

Vinde, subamos ao monte do Senhor,

e ele vai-nos, ensina-( Isaías 2: 3 ).

 

Para Andrew estende a mão ao seu irmão, mas ao mesmo tempo ele tem esse objetivo em vista, que ele pode tornar-se um companheiro de discípulo com ele na escola de Cristo. Devemos também observar o propósito de Deus, que determinou que Peter, que estava a ser muito mais eminente, foi levado ao conhecimento de Cristo pela agência e ministério da Andrew; que nenhum de nós, no entanto excelente, pode recusar-se a ser ensinado por um inferior; para que o homem será severamente punido por sua impertinência, ou melhor, para seu orgulho, que, através de seu desprezo de um homem, não se dignou a vir a Cristo.

 

verso 41

  1. Encontramos o Messias. O evangelista tem interpretado a palavra hebraica Messias ( Ungido ) pela palavra grega Cristo, a fim de publicar a todo o mundo o que estava secretamente conhecido para os judeus. Foi a designação comum dos reis, (39) como unção foi observada por eles como um rito solene. Mas ainda assim eles estavam cientes de que um rei seria ungido por Deus, com quem eles podem esperar obter a felicidade perfeita e eterna; especialmente quando eles devem saber que o reino terrestre de Davi não seria permanente. E como Deus levantou suas mentes, quando subjugado e pesado para baixo por várias calamidades, a expectativa do Messias, para que ele mais claramente revelado a eles que a sua vinda foi na mão. A previsão de Daniel é mais clara e convincente do que todo o resto, no que concerne ao nome de Cristo ; pois ele não faz, como os profetas anteriores, atribuem isso a reis, mas apropria-lo exclusivamente ao Redentor, ( Daniel 9:25 .) Assim, este modo de expressão tornou-se predominante, de modo que quando o Messias ou Cristo foi mencionado, foi entendido que nenhum outro do que o Redentor foi feito. Assim, vamos encontrar a mulher de Samaria, dizendo: o Messias virá , ( João 04:25 ;) que o torna o mais maravilhoso do que aquele que foi tão ansiosamente desejado por todos, e que eles tinham constantemente em suas bocas, devem ser recebidos por um número tão pequeno de pessoas.

 

verso 42

  1. Tu és Simão. Cristo dá um nome a Simon, não como os homens geralmente fazem, de algum evento passado, ou do que agora é percebido nelas, mas porque ele era fazê-lo Peter, ( uma pedra ). Primeiro, ele diz : Tu és Simão, filho de Jonas. Ele repete o nome de seu pai na forma de sumário; que é bastante comum quando os nomes são traduzidos em outras línguas; por isso vai claramente aparecer a partir do último capítulo que ele era o filho de Johanna ou John . Mas tudo isso equivale a nada mais do que isso, ele será uma pessoa muito diferente do que ele é agora. Pois não é por uma questão de honra que ele menciona seu pai; mas como ele era descendente de uma família que era obscuro, e que foi realizada em nenhuma estimativa de entre os homens, Cristo declara que isso não vai impedi-lo de fazer Simon um homem de coragem inabalável. O evangelista, portanto, menciona isso como uma previsão, que Simon recebeu um novo nome. I olhar para ela como uma previsão, não só porque Cristo previu o futuro firmeza de fé em Peter , mas porque ele previu que ele daria a ele. Ele agora amplia a graça que ele determinou mais tarde para conferir-lhe; e, portanto, ele não diz que este é agora o seu nome, mas atrasa-lo até um tempo futuro.

 

Tu serás chamado Cefas. Todos os piedosos, de fato, pode ser justamente chamado Peters ( pedras ), que, tendo sido soou em Cristo, estão equipados para a construção do templo de Deus; mas só ele é assim chamado por causa de sua excelência singular. No entanto, os papistas desempenhar uma parte ridículo, quando substituí-lo no lugar de Cristo; de modo a ser o fundamento da Igreja, como se ele também não foram fundados em Cristo, juntamente com o resto dos discípulos; e eles são duplamente ridículo quando fora de uma pedra que faz dele um chefe . Por entre as rapsódias de Graciano há uma tola cânone sob o nome de Anacleto, que, trocando uma palavra hebraica para um grego, e não distinguindo a palavra grega κεφαλὴ (kephale) da palavra hebraica Cefas , acha que por este nome Peter foi nomeado para ser o cabeça da Igreja. Cefas é sim uma Chaldaic do que uma palavra hebraica; mas essa era a pronúncia habitual de que depois do cativeiro babilônico. Há, então, nenhuma ambigüidade nas palavras de Cristo; para ele promete que Pedro não tinha nada que o esperado, e assim amplia a sua própria graça para todas as idades, que a sua condição anterior não pode levar-nos a pensar menos muito bem dele, uma vez que esta denominação notável nos informa que ele foi feito um novo homem.

 

verso 43

  1. . Siga-me Quando Philip estava inflamado por esta única palavra para seguir a Cristo, podemos inferir a partir dele quão grande é a eficácia da palavra de Deus; mas ele não aparece indiscriminadamente em todos, para Deus aborda muitos sem qualquer vantagem, como se ele atingiu seus ouvidos com um som que desapareceu no ar. Então a pregação externa da palavra é em si infrutífera, exceto que ele inflige uma ferida mortal na réprobos, de modo a torná-los indesculpável diante de Deus. Mas quando a graça secreto de Deus acelera-lo, todos os sentidos deve ser afectado de maneira que os homens estarão preparados para seguir onde quer que Deus os chama. Devemos, portanto, a rezar a Cristo que ele pode exibir em nós o mesmo poder do Evangelho. No caso de Filipe, não havia dúvida uma peculiaridade sobre a sua seguinte Cristo; pois ele é ordenado a seguir, não como um de nós, mas como um interno, e como um companheiro familiar. Mas ainda assim a vocação de todos nós é ilustrado por esta chamada de Philip.

 

verso 44

  1. era de Betsaida. O nome da cidade parece ter sido mencionado de propósito, que a bondade de Deus para os três Apóstolos pode ser mais ilustrativamente exibido. Sabemos quão severamente, em outras ocasiões, Cristo ameaça e maldições daquela cidade, ( Mateus 11:21 ; Lucas 10:13 .) Assim, quando Deus trouxe em favor com ele alguns fora de uma nação tão ímpia e má, devemos visualizá-lo na mesma luz como se tivessem sido interposto fora do Seol. E quando Cristo, depois de ter atraído-los fora do que no fundo do golfo, os honra tão altamente como para torná-los Apóstolos, é um favor distinto e digno de ser gravado.

 

verso 45

  1. Felipe achou a Natanael. Embora os homens orgulhosos desprezam estes fracos começos da Igreja, ainda devemos perceber neles um ecrã mais brilhante da glória divina, do que se a condição do Reino de Cristo tinha sido em todos os aspectos, desde o início , esplêndida e magnífica; pois sabemos a forma como rica colheita esta pequena semente depois cresceu. Mais uma vez, vemos em Philip o mesmo desejo do edifício que outrora apareceu em Andrew. Sua modéstia, também, é notável, em desejando e buscando nada mais do que ter os outros a aprender com ele, da parte daquele que é um professor comum a todos .

 

Encontramos Jesus. Quão pequena era a medida da fé de Philip aparece desta circunstância, que ele não pode proferir algumas palavras sobre Cristo sem se misturando com eles dois erros grosseiros. Ele chama o filho de José, e diz que Nazaré era sua cidade natal, sendo que ambos declarações eram falsas; e, no entanto, porque ele é sinceramente desejosos de fazer o bem a seu irmão, e para tornar Cristo conhecido, Deus aprova esta instância de sua diligência, e até mesmo coroa-o com um bom sucesso. Cada um de nós deveria, sem dúvida, a esforçar-se para manter a sobriedade dentro de seus próprios limites; e, certamente, o Evangelista não menciona-lo como digno de louvor em Philip, que ele duas vezes desonra Cristo, mas relata que sua doutrina, embora com defeito e envolvido por engano, era útil, porque ele, no entanto, tinha isso para seu objeto, que Cristo pode ser verdadeiramente conhecido. Ele tolamente diz que ele era o filho de José, e ignorantemente chama um nativo de Nazaré, mas ainda assim ele leva Natanael a nenhum outro senão o Filho de Deus, que nasceu em Belém, ( Mateus 2: 1 ), e não inventar um falso Cristo, mas apenas deseja que eles devem conhecê-lo como ele foi exibido por Moisés e os Profetas. Vemos, então, que o projeto chefe da doutrina é, que aqueles que nos ouvem deve vir a Cristo, de alguma forma ou de outra.

 

Há muitos que se envolver em inquéritos abstrusas sobre Cristo, mas quem jogue tal escuridão e complexidade em torno dele por suas sutilezas que eles nunca podem encontrá-lo. Os papistas, por exemplo, não vou dizer que Cristo é o filho de José, pois claramente sabe o que é o seu nome; mas ainda assim eles aniquilar seu poder, de modo a manter um fantasma na sala de Cristo. Não seria melhor a gaguejar ridiculamente, como Philip, e que seja realizada até o verdadeiro Cristo, que pela linguagem eloquente e engenhosa de apresentar um falso Cristo? Por outro lado, há muitos burros pobres no dia de hoje, que, apesar de ignorante e não qualificados no uso da linguagem, dar a conhecer a Cristo mais fielmente do que todos os teólogos do Papa com suas especulações elevadas. Esta passagem, portanto, nos adverte que, se qualquer linguagem inadequada tem sido empregada a respeito de Cristo pelos homens ignorantes e iletrados, não devemos rejeitar tais pessoas com desprezo, desde que nos dirigir a Cristo; mas que não pode ser retirado do Cristo pelos falsos imaginação dos homens, vamos ter sempre este remédio à mão, para buscar o conhecimento puro dele a partir da Lei e os Profetas.

 

verso 46

  1. ​​Pode vir alguma coisa boa de Nazaré? Em primeiro lugar, Natanael se recusa, o lugar de nascimento de Cristo (como descrito por Philip ) ter-lhe dado ofensa. Mas, antes de tudo, ele é enganado pelo discurso imprudente de Philip; para o que Philip acreditava tolamente Nathanael recebe como certa. Em seguida, é adicionado um julgamento tola decorrente de ódio ou desprezo do lugar. Ambos esses pontos devem ser cuidadosamente observados por nós. Este santo homem não estava longe de fechar-se contra si toda abordagem de Cristo. Por que isso? Porque ele precipitadamente acredita que Philip falou incorretamente sobre Cristo; e no próximo, porque sua mente estava sob a influência de uma opinião preconcebida de que nenhuma coisa boa pode vir de Nazaré . Se, então, nós não somos cuidadosamente em guarda, que será responsável perante o mesmo perigo; e Satanás trabalha todos os dias, por obstáculos semelhantes, para nos impedir de vir a Cristo; pois ele tem a habilidade de espalhar muitas falsidades, a tendência dos quais é excitar o nosso ódio ou suspeita contra o Evangelho, que não podem se aventurar para provar. E no próximo, ele não deixa de tentar outro método, ou seja, para fazer-nos olhar em Cristo com desprezo; pois vemos como muitos são os que se ofendem com a degradação da cruz, que aparece tanto em Cristo Cabeça e em seus membros. Mas à medida que dificilmente pode ser tão cautelosos para não ser tentado por esses estratagemas de Satanás, vamos, pelo menos, lembre-se de imediato essa cautela:

 

Vem e vê. Nathanael permitiu que seu duplo erro a ser corrigido por esta expressão que Philip soltou. Seguindo o seu exemplo, vamos primeiro mostrar-nos a ser submisso e obediente; e no próximo, não vamos encolher de investigação, quando o próprio Cristo está pronto para remover as dúvidas que nos assediam. Aqueles que lêem estas palavras não como uma pergunta, mas como uma afirmação, alguma coisa boa pode vir de Nazaré , está muito enganado. Pois, em primeiro lugar, o quão trivial que tal observação ser? E ao lado, sabemos que a cidade de Nazaré não era naquela época realizada na estimativa; ea resposta de Philip mostra claramente o suficiente que foi expressiva de hesitação e desconfiança.

 

verso 47

  1. Eis um verdadeiro israelita. Não é por conta própria de Natanael que Cristo lhe confere este elogio, mas sob a sua pessoa que ele estende a doutrina geral. Pois, uma vez que muitos que se gabam de ser os crentes são muito longe de ser realmente crentes, é de grande importância que alguma marca deve ser encontrado para distinguir o verdadeiro e genuíno do falso. Sabemos como arrogantemente os judeus vangloriou de seu pai Abraão, e como presunçosamente que se gabava da santidade de sua descendência; e ainda mal havia uma em cem entre eles que não estava totalmente degenerada e separados da fé dos Padres. Por esta razão, Cristo, a fim de arrancar a máscara de hipócritas, dá uma breve definição de um verdadeiro israelita , e, ao mesmo tempo, elimina a ofensa que depois surgem a partir da obstinação perversa da nação. Para aqueles que desejavam ser contabilizados os filhos de Abraão, o povo santo de Deus, eram pouco depois de se tornarem inimigos mortais do Evangelho. Que nenhum pode ser desencorajado ou alarmado com a impiedade que foi geralmente encontrada em quase todas as fileiras, ele dá um aviso atempado, que aqueles por quem o nome de Israel é assumido há poucos que são verdadeiros israelitas.

 

Novamente, como esta passagem contém uma definição do cristianismo, não devemos passar por ela ligeiramente. Para resumir o significado de Cristo em poucas palavras, ela deve ser observado que o engano é contrastada com retidão e sinceridade; (41) de modo a que ele chama as pessoas astutas (42) e enganoso que são chamados em outras partes da Escritura de casal no coração , ( Salmos 12: 2 ). Também não é só isso hipocrisia pela qual aqueles que estão conscientes da sua maldade fingir ser bons homens, mas da mesma forma outra hipocrisia para dentro, quando os homens são tão cegos por seus vícios que eles não só enganar os outros, mas a si mesmos. Assim, pois, é a integridade de coração diante de Deus, e retidão diante dos homens, que faz um cristão; mas Cristo aponta principalmente esse tipo de engano , que é mencionado em Salmos 32: 2 . Nesta passagem ἀληθῶς ( realmente ) significa algo mais do que certamente . A palavra grega, sem dúvida, é frequentemente utilizado como uma simples afirmação; mas como temos aqui fornecer um contraste entre o fato eo mero nome, ele é dito ser verdadeiramente, que é , na realidade, o que é suposto ser.

 

verso 48

  1. Daí tu sabes? Ainda que Cristo não tinha a intenção de agradá-lo, mas ele queria ser ouvido por ele, a fim de chamar adiante uma nova pergunta, com a resposta ao que ele iria revelar-se como o Filho de Deus. Também não é sem uma boa razão que Natanael pergunta onde Cristo o conhecia ; para se encontrar com um homem de tal retidão como ser livre de todo o engano é um caso incomum, e saber como pureza de coração pertence somente a Deus. A resposta de Cristo, no entanto, parece ser inadequada; para que ele viu Natanael debaixo da figueira, não se segue daí que ele poderia penetrar nos segredos profundos do coração. Mas há outra razão; para, uma vez que pertence a Deus para conhecer os homens quando eles não são vistos, assim também ele pertence a Ele para ver o que não é visível aos olhos. Como Natanael sabia que Cristo não vê-lo, segundo o costume dos homens, mas por um olhar verdadeiramente divina, isso pode levá-lo a concluir que Cristo não falar agora como um homem. A prova, portanto, é tomada a partir de coisas que são da mesma classe; por não menos que isso pertence a Deus para ver o que está além de nossa visão do que julgar acerca de pureza de coração. Devemos também para reunir a partir desta passagem uma doutrina útil, que, quando não estamos pensando em Cristo, somos observados por ele; e é necessário que assim seja, que ele pode nos trazer de volta, quando se desviaram do caminho certo.

 

verso 49

  1. Tu és o Filho de Deus. Que ele reconhece que ele fosse o Filho de Deus pelo seu poder divino não é maravilhoso; mas no terreno aquilo que ele chamá-lo de Rei de Israel ? para as duas coisas não parecem estar necessariamente ligado. Mas Natanael tem uma visão mais elevada. Ele já tinha ouvido falar que ele é o Messias, e com esta doutrina acrescenta a confirmação que tinha sido dado a ele. Ele possui também outro princípio, que o Filho de Deus não virá sem exercer o cargo de Rei sobre o povo de Deus. Justamente, portanto, que ele reconhece que aquele que é o Filho de Deus , também é Rei de Israel não E, de fato, a fé deveria ser fixado sobre a essência de Cristo sozinho, (por assim dizer), mas deve atender a seu poder e de escritório; por isso seria de pouca vantagem de saber quem é Cristo, se este segundo ponto não foram adicionadas, o que ele quer ser para nós, e para que finalidade o Pai o enviou. A razão pela qual os papistas não têm nada mais que uma sombra de Cristo é, que eles têm tido o cuidado de olhar para sua mera essência, mas têm ignorado o seu reino , que consiste no poder para salvar.

 

Novamente, quando Natanael o chama de Rei de Israel , embora seu reino estende-se até aos mais afastados limites da terra, a confissão é limitada à medida de fé. Porque ele ainda não tinha avançado ao ponto de saber que Cristo foi nomeado para ser rei sobre todo o mundo, ou melhor, que a partir de cada trimestre seriam recolhidos os filhos de Abraão, de modo que o mundo inteiro seria o Israel de Deus. Nós a quem a vasta extensão do reino de Cristo foi revelado deveria ir além desses limites estreitos. No entanto, seguindo o exemplo de Natanael, vamos exercer a nossa fé em ouvir a palavra, e vamos reforçá-la por todos os meios que estão ao nosso alcance; e deixá-lo não ficar enterrado, mas sair em confissão.

 

verso 50

  1. Jesus respondeu . Ele não reprovar Nathanael como se ele tivesse sido muito fácil de crença, mas sim aprovar de sua fé, promete a ele e aos outros que ele irá confirmar isso por argumentos mais fortes. Além disso, era peculiar a um homem que ele foi visto sob uma figueira por Cristo, quando ausente e a uma distância dele; mas agora Cristo traz para a frente uma prova que seria comum a todos, e, portanto, - como se ele tivesse quebrado a partir do que ele originalmente pretendido - em vez de abordar um homem, ele se vira para abordar todos.

 

verso 51

  1. Você verá o céu aberto. Eles são muito enganado, na minha opinião, que ansiosamente investigar o local onde, eo momento em que, Natanael e outros vi o céu aberto ; para ele, em vez aponta algo perpétuo que estava sempre a existir no seu reino. Reconheço, na verdade, que os discípulos, por vezes, viram anjos , que não são vistos nos dias de hoje; e eu também reconhece que a manifestação da glória celeste, quando Cristo subiu ao céu, era diferente do que estamos agora, eis. Mas, se devidamente em conta o que aconteceu naquela época, é de duração perpétua; para o reino de Deus, que era anteriormente fechados contra nós, é realmente abriu em Cristo. Um exemplo visível desta mostrou Stephen, ( Atos 07:55 ), para os três discípulos na montanha, ( Mateus 17: 5 ), e para os outros discípulos na ascensão de Cristo, ( Lucas 24:51 ; Atos 1: 9 ). Mas todos os sinais pelos quais Deus se mostra presente conosco dependem desta abertura dos céus , mais especialmente quando Deus se comunica a nós para ser a nossa vida.

 

. Subindo e descendo sobre o Filho do homem Esta segunda cláusula refere-se a anjos. Disse que estão a subir e descer , de modo a ser ministros de bondade de Deus para conosco; e, portanto, este modo de expressão aponta a relação mútua que existe entre Deus e os homens. Agora, temos de reconhecer que este benefício foi recebido por Cristo, porque sem ele os anjos têm sim um ódio mortal contra nós do que um cuidado amigo para nos ajudar. Disse que estão a subir e descer sobre o filho do homem, não porque eles servirem, mas porque - em referência a ele e para sua honra - eles incluem todo o corpo da Igreja em relação a eles gentilmente. Também não tenho qualquer dúvida de que ele alude à escada que foi exibido ao patriarca Jacob num sonho, ( Gênesis 28:12 ;) para o que foi prefigurado por essa visão é realmente cumprida em Cristo. Em suma, esta passagem nos ensina que, embora toda a raça humana foi banido do reino de Deus, a porta do céu está agora aberto para nós, de modo que somos concidadãos dos santos , e companheiros de anjos, ( Efésios 2:19 ;) e que, tendo sido designado para ser guardiões da nossa salvação, desce do resto abençoada da glória celeste (43) para aliviar nossas angústias.

 comentario biblico de João Calvino

fonte www.avivamentonosul21.comunidades.net