Translate this Page

Rating: 2.9/5 (954 votos)



ONLINE
7




Partilhe este Site...

 

 

<

Flag Counter

mmmmmmmmmmm


// ]]>


Comentario biblico de João cap.2
Comentario biblico de João cap.2

                Comentario biblico de João cap.2

 

 verso 1

  1. Houve um casamento em Caná da Galiléia. Como esta narrativa contém o primeiro milagre que Cristo realizou, seria bom para nós, se fosse por esse motivo por si só, para considerar a narrativa com atenção; embora - como veremos depois - há outras razões que recomendam-lo ao nosso conhecimento. Mas, enquanto prosseguimos, as várias vantagens dela decorrentes será visto mais claramente. O evangelista menciona primeiro Caná da Galiléia, não o que foi situado em direção Zare-phath ( 1 Reis 17: 9 ; Obadias 1:20 ; Lc 4:26 ) ou Sarepta, entre Tiro e Sidon, e foi chamado o maior na comparação de neste último Cana, que é colocado por alguns na tribo de Zabulon, e por outros membros da tribo de Aser. Para Jerome também nos assegura que, mesmo em seu tempo, existia uma pequena cidade que deu esse nome. Não há razão para acreditar que era perto da cidade de Nazaré, uma vez que a mãe de Cristo veio para assistir ao casamento. A partir do quarto capítulo deste livro será visto que não era mais do que uma jornada de distante de Cafarnaum. Que estava não muito longe da cidade de Betsaida também pode ser inferida a partir da circunstância, que três dias depois de Cristo tinha sido nesses territórios, o casamento foi celebrado - o evangelista nos diz - nos . Caná da Galiléia Pode ter havido também um terceiro Cana, não muito longe de Jerusalém, e ainda da Galiléia; mas deixo isso indeterminado, porque eu sou ignorante com ela.

 

E a mãe de Jesus estava lá. Ele foi provavelmente um dos parentes próximos de Cristo que casou com uma mulher; para Jesus é mencionado como tendo acompanhado . sua mãe Do fato de que os discípulos também são convidados, podemos inferir como simples e frugal era a sua maneira de viver; pois ele viveu em comum com eles. Pode-se pensar estranho, no entanto, que um homem que não tem uma grande riqueza ou abundância (como será feita evidente a partir da escassez do vinho) convida quatro ou cinco outras pessoas, por conta de Cristo. Mas os pobres são mais pronta e mais franco em seus convites; porque eles não são, como os ricos, com medo de ser desonrado, se eles não tratam os seus hóspedes com grande opulência e esplendor; para os pobres aderem mais zelosamente ao antigo costume de ter um conhecimento alargado.

 

Mais uma vez, pode-se supor para mostrar uma falta de cortesia, que o noivo permite que seus convidados, no meio do entretenimento, para a falta de vinho; para ele se parece com um homem de pouca consideração para não ter uma suficiência de vinho para seus convidados. Eu respondo, nada é aqui conexo que não acontecem frequentemente, especialmente quando as pessoas não estão acostumados com o uso diário de vinho. Além disso, o contexto mostra, que era para a conclusão do banquete que o vinho ficou aquém, quando, de acordo com o costume, poderia se supor que eles já tinha bebido o suficiente; para o dono da festa fala assim, Outros homens colocar pior vinho antes, a quem bebeu o suficiente , mas guardaste o melhor até agora . Além disso, eu não tenho nenhuma dúvida de que tudo isso foi regulamentado pela Providência de Deus, que pode haver espaço para o milagre.

 

verso 3

  1. . A mãe de Jesus disse-lhe: Pode-se duvidar se esperasse ou pediu qualquer coisa de seu filho, já que ele ainda não tinha realizado nenhum milagre; e é possível que, sem esperar qualquer solução deste tipo, ela aconselhou-o a dar algumas exortações piedosas que teriam o efeito de impedir os convidados do sentimento de mal-estar, e ao mesmo tempo de aliviar a vergonha de o noivo . Eu considero suas palavras para ser expressivo de ( συμπαθεία ) compaixão sincera; para a mulher santa, percebendo que aqueles que tinham sido convidados estavam propensos a considerar-se como tendo sido tratado com desrespeito, e a murmurar contra o noivo, e que o poder de entretenimento dessa forma ser perturbado, desejou que alguns meios de calmante deles poderia ser adoptadas. Crisóstomo joga fora a suspeita de que ela foi transferida pelos sentimentos de uma mulher a procurar não sei o favor para ela e seu filho; mas essa conjectura não é suportado por qualquer argumento.

 

verso 4

  1. Mulher, que tenho eu contigo? Por que Cristo repelir-la tão precipitadamente? Eu respondo, embora ela não foi movido pela ambição, nem por qualquer afeição carnal, ainda que ela fez de errado em ir além de seus limites próprios. Sua ansiedade sobre a inconveniência sofrida pelos outros, e seu desejo de tê-lo de alguma forma mitigada, procedeu da humanidade, e deve ser considerado como uma virtude; mas ainda assim, colocando-se para a frente, ela pode obscurecer a glória de Cristo. Embora ele também deveria ser observado, que o que Cristo falou não era tanto por causa dela como para o benefício dos outros. Sua modéstia e piedade eram grandes demais, precisar de um castigo tão severo. Além disso, ela não o fez consciente e voluntariamente ofender; mas Cristo só atende o perigo, que nenhum uso indevido pode ser feita de que sua mãe havia dito, como se fosse em obediência ao seu comando que ele posteriormente realizou o milagre.

 

As palavras gregas ( Τί ἐμοὶ καὶ σοὶ ) significam literalmente, O que tenho eu contigo ? Mas a fraseologia grega é da mesma importação com o Latin - Quid mecum tibi ? ( O que tens a ver comigo ?) O tradutor de idade levou muitas pessoas em um erro, supondo Cristo ter afirmado, que não era a preocupação de seu ou de sua mãe, se o vinho ficou aquém. Mas a partir da segunda cláusula podemos facilmente concluir quão longe esta é a partir significado de Cristo; pois ele toma sobre si essa preocupação, e declara que ela pertence a ele para fazê-lo, quando ele acrescenta: . a minha hora ainda não chegou Ambos devem ser unidas - que Cristo entende o que é necessário para ele fazer, e ainda que ele não vai agir nesta matéria por sugestão de sua mãe.

 

É uma passagem notável, certamente; por que é que ele absolutamente recusar-se a sua mãe o que concedido livremente depois, em tantas ocasiões, para todos os tipos de pessoas? Mais uma vez, por que ele não está satisfeito com a recusa nua? e por que ele reduzi-la para o posto normal de mulheres , e nem sequer se dignou a chamá-la de mãe ? Este ditado de Cristo de forma aberta e manifestamente adverte os homens a tomar cuidado para que, por muito supersticiosamente elevando a honra do nome da mãe na Virgem Maria, (45) que transferem a ela o que pertence exclusivamente a Deus. Cristo, portanto, aborda a mãe desta forma, a fim de estabelecer uma instrução perpétua e geral para todas as idades, que a sua glória divina não deve ser obscurecido por honra excessiva paga a sua mãe.

 

Quão necessário este aviso tornou-se, em consequência das superstições grosseiras e vergonhosas que se seguiram depois, é muito bem conhecido. Para Mary foi constituída a Rainha do Céu, a esperança, a vida ea salvação do mundo; e, em suma, sua fúria e loucura passou tão longe que tiraram Cristo dos seus despojos, e deixou-o quase nu. E quando nós condenamos essas blasfêmias horríveis contra o Filho de Deus, os papistas chamam-nos maligno e invejoso; e - o que é pior - eles maliciosamente difamar-nos inimigos como mortais para a honra da Virgem santa. Como se ela não tinha toda a honra que é devido a ela, a menos que ela fosse feita uma deusa; ou como se fosse a tratá-la com respeito, para adornar-la com títulos de blasfêmia, e para substituir ela na sala de Cristo. Os papistas, portanto, oferecer um insulto grave para Maria, quando, para desfigurar-lhe por falsos elogios, eles levam a Deus o que Lhe pertence.

 

Minha hora ainda não chegou. Ele quer dizer que ele não tem até agora adiada por descuido ou indolência, mas ao mesmo tempo ele afirma indiretamente que ele vai cuidar do assunto, quando o tempo adequado para ele deve chegar. Como ele repreende a mãe por pressa inoportuna, por isso, por outro lado, ele dá razão para esperar um milagre. A Virgem santa reconhece ambos, para que ela se abstém de se dirigir a ele mais longe; e quando ela aconselha os funcionários a fazer o que quer que ele comanda, ela mostra que ela espera algo agora. Mas a instrução transmitida aqui é ainda mais extensa que sempre que o Senhor nos mantém em suspense, e atrasa sua ajuda, ele não é, portanto, dormindo, mas, pelo contrário, regula todas as suas obras, de tal maneira que ele não faz nada, mas ao prazo adequado. Aqueles que têm aplicado essa passagem para provar que o tempo de eventos é nomeado pelo destino, são demasiado ridículo para exigir uma única palavra a ser dito para refutá-los. A hora de Cristo , por vezes, indica a hora que tinha sido designado a ele pelo Pai ; e por seu tempo ele vai depois designar o que ele encontrou para ser conveniente e adequado para executar os comandos de seu Pai; mas neste lugar que ele reivindica o direito de tomar e escolher o tempo para trabalhar e para a exibição de seu poder divino. (46)

 

verso 5

  1. Disse então sua mãe aos serventes. Aqui, a Virgem santa dá um exemplo de verdadeira obediência que ela devia a seu Filho, (47) quando a questão relacionada, não para as funções relativas de humanidade, mas o seu poder divino. Ela modestamente aquiesce, portanto, na resposta de Cristo; e do mesmo modo exorta os outros a respeitar as suas injunções. Reconheço, na verdade, que o que a Virgem agora disse relacionada com a ocorrência atual, e equivalia a uma declaração de que, neste caso, ela não tinha autoridade, e que Cristo faria, de acordo com seu próprio prazer, tudo o que ele pensou certo. Mas se você assistir de perto ao seu design, a declaração que ela fez é ainda mais extensa; pois ela primeiro renuncia e deixa de lado o poder que ela poderia parecem ter indevidamente usurpado; e no próximo, ela atribui a autoridade toda a Cristo, quando ela os convida a fazer o que deve comandar. Somos ensinados em geral por estas palavras, se desejamos qualquer coisa de Cristo, não obteremos os nossos desejos, a menos que dependem dele sozinho, olhar para ele, e, em suma, fazer o que ele comanda por outro lado, ele não envie-nos a sua mãe, mas sim nos convida a si mesmo.

 

verso 6

  1. E havia há seis água-panelas de pedra. De acordo com o cálculo de Budaeus, inferimos que esses água-potes eram muito grandes; Porque, como o metreta (48) ( μετρητὴς ) contém vinte congii , cada um continha, pelo menos, um Sextier deste país. (49) Cristo forneceu-lhes, portanto, com uma grande abundância de vinho, tanto quanto seria suficiente para uma banquete de cento e cinquenta homens. Além disso, tanto o número eo tamanho dos água-vasos servem para provar a veracidade do milagre. Se houvesse apenas dois ou três frascos, muitos podem ter suspeitado que tinha sido trazido de algum outro lugar. Se em um único navio a água tinha sido transformada em vinho, a certeza do milagre não teria sido tão óbvio, ou tão bem apurada. Não é, portanto, sem uma boa razão que o evangelista menciona o número dos água-potes, e estados quanto eles contido.

 

Surgiu da superstição que os navios tantas e tão grandes foram colocados lá. Eles tiveram a cerimônia da lavagem, de fato, prescrita a eles pela Lei de Deus; Mas como o mundo está propenso a excesso de assuntos exteriores, os judeus, não satisfeito com a simplicidade que Deus lhe tinha ordenado, se divertiam com lavagens contínuas; e como superstição é ambicioso, que, sem dúvida, serviu o propósito de exibição, como vemos nos dias de hoje no papado, que cada coisa que se diz pertencer ao culto de Deus é organizado para exibição pura. Houve, então, um duplo erro: que sem o comando de Deus, eles se engajaram em uma cerimônia supérflua de sua própria invenção; e no próximo, que, sob o pretexto da religião, ambição reinou no meio que a exibição. Alguns canalhas papistas manifestaram um grau surpreendente de maldade, quando eles tiveram o descaramento de dizer que teve entre suas relíquias dessas água-potes com que Cristo realizou esse milagre de Caná, e exibiu alguns deles, (50) que, em primeiro lugar, são de tamanho pequeno, e, em seguida, são desiguais em tamanho. E nos dias de hoje, quando a luz do Evangelho brilha tão claramente em torno de nós, eles não têm vergonha de praticar esses truques, o que certamente não é para enganar pelos encantamentos, mas ousadamente aos homens simulados como se fossem cegos; e do mundo, que não percebe como zombaria grosseira, é, evidentemente, enfeitiçado por Satanás.

 

verso 7

  1. Encha os água-potes com água. Os servos pode estar apto a olhar para esta liminar tão absurdo; pois já tinha mais do que suficiente de água. Mas desta forma o Senhor muitas vezes age em relação a nós, que seu poder pode ser mais ilustrativamente exibido por um resultado inesperado; embora esta circunstância é adicionado para aumentar o milagre; para quando os servos chamou o vinho para fora dos vasos que tinham sido cheios de água, nenhuma suspeita pode permanecer.

 

verso 8

  1. E levar ao dono da festa. Pela mesma razão, como antes, Cristo quis que o sabor do vinho deve ser julgado por o dono da festa, antes de ter sido provado por si mesmo, ou por qualquer outra do convidados; e a prontidão com que os servos lhe obedecer em todas as coisas nos mostra o grande reverência e respeito em que ele foi mantido por eles. O evangelista dá o nome de o dono da festa para aquele que tinha a seu cargo a preparação do banquete e organizar as mesas; Não que o banquete era caro e magnífico, mas porque as denominações honrosas emprestados do luxo e esplendor dos ricos são aplicados até mesmo para os casamentos dos pobres. Mas é maravilhoso que uma grande quantidade de vinho, e do melhor vinho, é fornecido por Cristo, que é um professor de sobriedade. Eu respondo, quando Deus diariamente nos dá uma grande oferta de vinho, é a nossa própria culpa se sua bondade é uma excitação ao luxo; mas, por outro lado, é uma prova indubitável da nossa sobriedade, se estamos poupando e moderada em meio à abundância; como Paulo se gaba de que ele tinha aprendido a conhecer tanto como ser completo e estar com fome , ( Filipenses 4:12 ).

 

verso 11

  1. Este início de milagres. O significado é que este foi o primeiro dos milagres de Cristo; para quando os anjos anunciaram aos pastores que ele nasceu em Belém, ( Lucas 2: 8 ), quando a estrela apareceu para os Magos , ( Mateus 2: 2 ), quando o Espírito Santo desceu sobre ele na forma de uma pomba ( Mateus 3:16 ; Marcos 1:10 ; João 01:32 ), embora estes foram milagres , mas, estritamente falando, não foram realizadas por ele; mas o evangelista agora fala dos milagres dos quais ele próprio era o autor. Pois é uma interpretação frívolo e absurdo que alguns dão, que este é considerado o primeiro entre; os milagres que Cristo realizou em Caná da Galiléia; como se um lugar, no qual não lemos que ele nunca foi mais de duas vezes, havia sido escolhido por ele para uma exibição de seu poder. Foi bastante a concepção do evangelista para marcar o fim de tempo que Cristo seguiu no exercício do seu poder. Para até que ele tinha trinta anos de idade, ele se manteve escondido em casa, como alguém que não tinha nenhum cargo público. Tendo sido consagrado, em seu batismo, com o cumprimento de seu escritório, ele então começou a aparecer em público, e para mostrar por provas claras para que finalidade ele foi enviado pelo Pai. Não precisamos de saber, portanto, se ele adiou até este momento a primeira prova de sua divindade. É uma grande honra dada ao casamento, que Cristo não só se dignou a estar presente num banquete nupcial, mas honrou-o com o seu primeiro milagre. Há alguns antigos cânones que proíbem o clero para participar de um casamento. O motivo da proibição foi que, por serem os espectadores da maldade que foi praticado geralmente em tais ocasiões, eles podem, em alguma medida ser considerada como a aprovação do mesmo. Mas teria sido muito melhor para levar a tais lugares tanto de gravidade como para conter a libertinagem em que os homens sem princípios e abandonadas entrar, quando são retiradas dos olhos dos outros. Vamos, pelo contrário, tomar o exemplo de Cristo para a nossa regra; e não vamos supor que qualquer outra coisa do que aquilo que lemos que ele fez pode ser rentável para nós.

 

E manifestou a sua glória; isto é, porque ele, em seguida, deu uma prova notável e ilustre, pelo qual verificou-se que ele era o Filho de Deus; para todos os sinais que ele exibiu para o mundo havia tantas demonstrações de seu poder divino. O tempo apropriado para a exibição de sua glória, se vêm agora, quando ele quis fazer-se conhecido agradavelmente com o comando de seu Pai. Daí, também, aprendemos o final de milagres ; para esta expressão equivale a uma declaração de que Cristo, a fim de manifestar a sua glória , realizou esse milagre. O que, então, deveríamos pensar daqueles milagres que obscurecem a glória de Cristo?

 

E os seus discípulos creram nele. Se eles fossem discípulos, que já deve ter possuído um pouco de fé; mas como eles tinham até então seguiu-o com uma fé que não era distinta e firme, que começou naquele momento para dedicar-se a ele, de modo a reconhecê-lo como o Messias, como ele já tinha sido anunciado para eles. A paciência de Cristo é grande em acerto de contas como discípulos aqueles cuja fé é tão pequena. E, de fato essa doutrina prolonga-se geralmente para todos nós; pela fé que está agora adulta, a princípio, sua infância, nem é tão perfeito em qualquer para não torná-lo necessário que todos a um homem deve progredir em acreditar . Assim, eles que agora acredita pode ser dito para começar a acreditar , tanto quanto eles diariamente fazer progressos no final da sua fé. Que aqueles que obtiveram os primeiros frutos do trabalho fé sempre a fazer progressos. Estas palavras apontam igualmente a vantagem de milagres; ou seja, que eles devem ser vistos como pretendido para a confirmação eo progresso da fé. Quem torce-los para quaisquer outros corrompe finalidade e degrada todo o uso deles; como podemos ver que papistas se orgulhar de seus milagres pretensos para nenhuma outra finalidade do que para enterrar fé, e para afastar a mente dos homens de Cristo para as criaturas.

 

verso 12

  1. Ele desceu a Cafarnaum. O evangelista passa para uma narrativa adicional; por ter resolvido para recolher algumas coisas dignas de lembrança que os outros três tinham deixado de fora, afirma o momento em que a ocorrência que ele está prestes a se relacionar teve lugar; para os outros três também se relacionam com o que aqui lemos que Cristo fez, mas a diversidade do tempo mostra que foi um evento semelhante, mas não o mesmo. Em duas ocasiões, então, Cristo purificar o templo da base ea mercadoria profano; uma vez, quando ele estava começando a cumprir sua comissão, e outra vez, ( Mateus 21:12 ; Marcos 11:15 ; Lucas 19:45 ), quando ele estava prestes a deixar o mundo e vou para o Pai , ( João 16: 28 ).

 

Para obter uma visão geral da passagem, será necessário examinar brevemente os detalhes em sua ordem. Isso bois, ovelhas e pombas, foram expostos à venda no templo , e que os cambistas estavam ali sentados, não foi sem uma desculpa plausível. Para eles podem alegar que a mercadoria transaccionada não havia irreligiosa, mas, pelo contrário, relacionada com o culto sagrado de Deus, que cada pessoa pode obter, sem dificuldade, o que ele pode oferecer ao Senhor; e, com certeza, foi extremamente conveniente para pessoas piedosas para encontrar oblações, de qualquer tipo descontraído pronto para o seu lado, e, desta forma, ser libertado da dificuldade de correr sobre em várias direções para obtê-los. Estamos aptos a se perguntar, portanto, por que Cristo era tão altamente descontente com ele. Mas há duas razões que merecem a nossa atenção. Em primeiro lugar, como os sacerdotes abusou dessa mercadoria para seu próprio ganho e avareza, tal zombar de Deus não podia ser suportado. Em segundo lugar, o que quer que os homens desculpa pode invocar, assim que eles partem, no entanto ligeiramente, a partir do comando de Deus, que merecem reprovação e precisam de correção. E esta é a razão principal pela qual Cristo se comprometeram a purificar o templo ; para ele afirma claramente que o templo de Deus não é um lugar de mercadorias

 

Mas pode-se perguntar, por que ele não sim começar com a doutrina? Pois parece ser um método desordenada e imprópria para aplicar a mão para corrigir falhas, antes de ter sido aplicado o remédio da doutrina. Mas Cristo tinha um objeto diferente, tendo em conta: para o momento agora na mão quando ele iria descarregar publicamente o escritório atribuído a ele pelo Pai, ele desejava de alguma forma para tomar posse do templo, e para dar uma prova de seu divino autoridade. E que todos possam estar atentos à sua doutrina, era necessário que algo novo e estranho deve ser feito para despertar suas mentes lento e sonolento. Agora, o templo era um santuário da doutrina celeste e da verdadeira religião. Desde que ele desejava para restaurar a pureza da doutrina, foi de grande importância que ele deveria provar a si mesmo para ser o Senhor do templo. Além disso, não havia outra maneira em que ele poderia trazer de volta sacrifícios e os outros exercícios da religião à sua concepção espiritual do que removendo o abuso deles. O que ele fez naquela época era, portanto, uma espécie de prefácio de que a reforma que o Pai lhe tinha enviado para realizar. Em uma palavra, era bom que os judeus devem ser despertadas por este exemplo que esperar de Cristo algo que era incomum e fora do curso normal; e também foi necessário lembrar-lhes que a adoração a Deus tinha sido corrompida e perversa, para que não se opõe à reforma desses abusos

 

E seus irmãos. Por que os irmãos de Cristo acompanhavam, não pode ser determinado com certeza, a não ser, talvez, tinham a intenção de ir junto com ele a Jerusalém. A palavra irmãos , é bem sabido, é empregada, na língua hebraica, para designar primos e outros parentes.

 

verso 13

  1. E a páscoa dos judeus estava à mão; portanto, Jesus subiu a Jerusalém. As palavras gregas καὶ ἀνέβη , pode ser literalmente prestados, e subiu ; mas o evangelista usou o copulative e em vez de , por conseguinte ; pois significa que Cristo subiu naquela época, para celebrar a páscoa em Jerusalém. Havia duas razões por que ele fez isso; Porque desde que o Filho de Deus tornou-se sujeita à Lei em nossa conta, ele pretendia, ao observar com exatidão todos os preceitos da Lei, para apresentar em sua própria pessoa um padrão de toda sujeição e obediência. Mais uma vez, como ele poderia fazer mais bem, quando não havia uma multidão de pessoas, ele quase sempre se valeu de tal ocasião. Sempre que, por isso, vamos depois encontrá-lo disse que Cristo veio para Jerusalém para a festa, deixe o leitor observar que ele fez isso, em primeiro lugar, que, juntamente com outros, ele pode observar os exercícios de religião que Deus havia ordenado, e, em seguida, que ele poderia publicar a sua doutrina no meio de uma multidão maior de pessoas.

 

verso 16

  1. . Não façais da casa de meu Pai uma casa de comércio Na segunda vez que ele expulsou os vendilhões do Templo, os evangelistas relatam que ele usou mais nítidas e linguagem mais grave; porque disse que tinha feito o Templo de Deus um covil de ladrões , ( Mateus 21:13 ;) e este foi bom para ser feito, quando um castigo mais brando de nada valeu. No momento, ele simplesmente avisa para não profanar o templo de Deus, aplicando-a usos impróprios. O templo foi chamado a casa de Deus ; porque era a vontade de Deus que Ele deve ser peculiarmente invocado; porque há Ele mostrou o seu poder; porque, finalmente, ele tinha o diferencia a serviços espirituais e santas.

 

Casa de meu Pai. Cristo declara-se o Filho de Deus , a fim de mostrar que ele tem o direito e autoridade para purificar o templo. Como Cristo aqui atribui uma razão para o que ele fez, se quisermos retirar qualquer benefício a partir dele, temos de participar, principalmente a esta frase. Por que, então, ele dirige os compradores e vendedores para fora do Templo? É que ele pode trazer de volta à sua pureza original do culto de Deus, que havia sido danificado por causa da maldade dos homens, e desta forma pode restaurar e manter a santidade do Templo. Agora que templo, sabemos, foi erguido, que poderia ser uma sombra daquelas coisas a imagem viva de que é para ser encontrado em Cristo. Tailandês; ele pode continuar a ser dedicado a Deus, era necessário que ela deve ser aplicada exclusivamente a fins espirituais. Por esta razão ele pronuncia que seja ilegal que deve ser convertido em um mercado local; pois ele funda a sua declaração sobre o comando de Deus, que devemos sempre observar. Seja qual for enganos Satanás pode empregar, deixe-nos saber que qualquer partida - ainda que pequena - a partir do comando de Deus é mau. Era um disfarce plausível e imponente, que; a adoração de Deus foi auxiliado e promovido, quando os sacrifícios que deviam ser oferecido pelos crentes foram estabelecidas pronto para sua mão; mas como Deus tinha apropriado o seu Templo para diferentes fins, Cristo ignora as objeções que podem ser oferecidos contra a ordem que Deus tinha designado.

 

Os mesmos argumentos não se aplicam, nos dias de hoje, aos nossos edifícios para o culto público; mas o que é dito sobre o antigo Templo aplica corretamente e estritamente à Igreja, pois é o santuário celestial de Deus na terra. Devemos sempre, portanto, para manter diante dos nossos olhos a majestade de Deus, que habita na Igreja, que não pode ser contaminado por quaisquer contaminações; ea única maneira em que a sua santidade pode permanecer intacta é, que nada deve ser admitido em que está em desacordo com a palavra de Deus.

 

verso 17

  1. E os seus discípulos lembraram-se. É a nenhuma finalidade que algumas pessoas provocá-se com o inquérito como os discípulos lembraram-se uma passagem da Escritura, com o significado de que eram até então desconhecia. Pois não devemos entender que esta passagem da Escritura veio à lembrança naquele momento; mas depois, quando, depois de ter sido ensinado por Deus, consideraram-se com qual era o significado desta ação de Cristo, pela direção do Espírito Santo esta passagem da Escritura lhes ocorreu. E, de fato, não acontece sempre que a razão das obras de Deus é imediatamente percebido por nós, mas depois, no decorrer do tempo, Ele nos dá a conhecer o seu propósito. E este é um freio extremamente bem adaptado para restringir nossa presunção, que não pode murmurar contra Deus, se em algum momento o nosso julgamento não inteiramente aprovo o que ele faz. Somos ao mesmo tempo lembrou que, quando Deus nos prende como se estivesse em suspense, é nosso dever esperar o momento do conhecimento mais abundante, e para conter a pressa excessiva que é natural para nós; para a razão pela qual Deus atrasa a manifestação plena de suas obras é, que ele pode nos manter humildes.

 

O zelo da tua casa me devorará. O significado é, que os discípulos de comprimento veio a saber, que o zelo pela casa de Deus, com o qual Cristo queimado, excitou a expulsar dela essas profanações. Por uma figura de linguagem, em que uma parte é tomada pelo todo, David emprega o nome do templo para designar toda a adoração de Deus; para todo o verso diz assim:

 

o zelo da tua casa me devorará, e as injúrias dos que te injuriavam caíram sobre mim, ( Salmos 69: 9 ).

 

A segunda cláusula corresponde à primeira, ou melhor, não é nada mais do que uma repetição explicando o que tinha sido dito. A quantidade de ambas as cláusulas é que a ansiedade de David sobre a manutenção da adoração de Deus era tão intensa, que ele alegremente deu a sua cabeça para receber todas as censuras que homens maus jogou contra Deus; e que ele queimou com tal zelo, que este sentimento único engolido todos os outros. Ele nos diz que ele próprio tinha tais sentimentos; mas não pode haver dúvida de que ele descreveu em sua própria pessoa que estritamente pertenciam ao Messias.

 

Assim, o evangelista diz que esta foi uma das marcas pelas quais os discípulos sabiam que era Jesus quem protegido e restaurado o reino de Deus. Agora observamos que eles seguiram a orientação das Escrituras, a fim de formar um parecer a respeito de Cristo como deveriam para entreter; e, na verdade, nenhum homem vai aprender o que Cristo é, ou o objeto do que ele fez e sofreu, a menos que ele foi ensinado e guiado pela Escritura. Até o momento, então, como cada um de nós deve desejo de progredir no conhecimento de Cristo, será necessário que a Escritura deve ser objecto da nossa meditação diligente e constante. Igor é sem uma boa razão que Davi menciona a casa de Deus, quando a glória divina está em causa; pois, embora Deus é suficiente para si mesmo, e necessidades não os serviços de qualquer, ainda que ele deseja que a sua glória deve ser exibido na Igreja. Desta forma, ele dá uma prova notável de seu amor para conosco, porque ele une sua glória - por assim dizer, por um vínculo indissolúvel - com a nossa salvação.

 

Agora, como Paulo nos informa que, no exemplo da cabeça, uma doutrina geral é apresentada a todo o corpo, ( Romanos 15: 3 ), que cada um de nós aplicar ao convite de Cristo, que - tanto quanto esteja ao nosso poder - nós não pode permitir que o templo de Deus a ser de qualquer forma poluída. Mas, ao mesmo tempo, temos de ter cuidado para que ninguém transgredir os limites de sua vocação. Todos nós devemos ter zelo em comum com o Filho de Deus; mas todos não têm a liberdade de aproveitar um chicote , para que possamos corrigir vícios com as nossas mãos; para nós não recebemos o mesmo poder, nem fomos confiados com a mesma comissão.

 

verso 18

  1. Que sinal fazes tu para nós? Quando em tão grande uma montagem ninguém lançou mão de Cristo, e nenhum dos negociantes de gado ou dos cambistas repeliu pela violência, podemos concluir que eles estavam todos atordoados e golpeou com espanto pela mão de Deus. E, portanto, se não tivessem sido totalmente cego, isso teria sido um milagre suficientemente evidente que um homem contra uma grande multidão, um homem desarmado contra os homens fortes, todo homem desconhecido contra tão grandes governantes, tentativa de tão grande uma conquista. Para uma vez que eles eram muito mais fortes, por que eles não se opor a ele, mas porque suas mãos estavam soltos e - como foram - quebrado?

 

No entanto, eles têm alguns pontos para colocar a questão; para ele não pertence a cada homem a mudar de repente, se alguma coisa é defeituoso ou desagrada a ele no templo de Deus. Todos são, de fato, a liberdade de condenar corrupções; mas se um homem privado, estendendo a mão para removê-los, ele será acusado de imprudência. Como o costume de vender no templo tinha sido recebido geralmente, Cristo tentou o que era novo e incomum; e, portanto, corretamente chamá-lo para provar que ele foi enviado por Deus; pois eles encontraram sua argumentação sobre este princípio, que na administração pública não é lícito fazer qualquer mudança sem uma vocação inegável e comando de Deus. Mas errou em outro ponto, recusando-se a admitir o chamado de Cristo, a menos que ele tinha realizado um milagre; pois não era uma regra invariável que os profetas e outros ministros de Deus deve realizar milagres; e Deus não se limitou a essa necessidade. Eles fazem errado, portanto, em que estabelece uma lei para com Deus, exigindo um sinal. Quando o evangelista diz que os judeus lhe perguntou , ele, sem dúvida, quer dizer com esse termo a multidão que estavam ali de pé, e, por assim dizer, todo o corpo da Igreja; como se ele tivesse dito, que não era a fala de uma ou duas pessoas, mas do povo.

 

verso 19

  1. . Destruam este templo Este é um modo alegórico de expressão; e Cristo falou intencionalmente com que grau de obscuridade, porque ele achava-los indigno de uma resposta direta; enquanto em outros lugares declara que ele fala-lhes em parábolas , porque eles são incapazes de compreender os mistérios do reino dos céus, ( Mateus 13:13 ). Mas primeiro ele se recusa a eles o sinal que eles exigiam, ou porque ele teria sido de qualquer vantagem, ou porque ele sabia que não era o momento adequado. Alguns conformidades ele ocasionalmente fez mesmo com os seus pedidos não razoáveis, e deve ter havido uma forte razão pela qual agora ele se recusou. Ainda que eles não podem apoderar-se isso como um pretexto para desculpar-se, ele declara que o seu poder será aprovado e confirmado por um sinal de nenhum valor normal; sem maior aprovação do poder divino em Cristo poderia ser desejado do que a sua ressurreição dentre os mortos. Mas ele transmite esta informação em sentido figurado, porque ele não contar-los dignos de uma promessa explícita. Em suma, ele trata os incrédulos como eles merecem, e, ao mesmo tempo, protege-se contra tudo desprezo. Ainda não ficou evidente, de fato, que eram obstinados, mas Cristo sabia muito bem qual era o estado de seus sentimentos.

 

Mas pode-se perguntar, uma vez que ele se apresentou tantos milagres, e de vários tipos, por que ele agora mencionar apenas um? Eu respondo, ele não disse nada sobre todos os outros milagres, primeiro, porque a sua ressurreição sozinha foi suficiente para calar a boca: Em segundo lugar, ele não estava disposto a expor o poder de Deus para a sua ridicularização; pois mesmo respeitando a glória de sua ressurreição ele falou alegoricamente: Em terceiro lugar, eu digo que ele produziu o que era apropriado para o caso em questão; para, por estas palavras, ele mostra que toda a autoridade sobre o Templo pertence a ele, já que seu poder é tão grande na construção do verdadeiro Templo de Deus.

 

Este templo . Embora ele usa a palavra templo em alojamento até o presente ocorrência, mas o corpo de Cristo é justa e apropriadamente chamado de um templo . O corpo de cada um de nós é chamado de tabernáculo , ( 2 Coríntios 5: 4 ; 2 Pedro 1:13 ), porque a alma nele habita; mas o corpo de Cristo foi a morada de sua Divindade. Porque sabemos que o Filho de Deus se vestiu com a nossa natureza de tal maneira que a eterna majestade de Deus habitou na carne que ele assumiu, como no seu santuário.

 

O argumento de Nestório, que abusou essa passagem para provar que não é um eo mesmo Cristo que é Deus e homem, pode ser facilmente refutada. Ele argumentou assim: o Filho de Deus habitava na carne, como em um templo ; portanto, as naturezas são distintas, de modo que a mesma pessoa não era Deus e homem. Mas este argumento pode ser aplicado a homens; para ele seguirá que não é um homem cuja alma habita no corpo como em um tabernáculo; e, portanto, é loucura para torturar esta forma de expressão com a finalidade de tirar a unidade da pessoa de Cristo. Deve ser observado que os nossos corpos são também chamados de templos de Deus, ( 1 Coríntios 3:16 e 1 Coríntios 6:19 ; 2 Coríntios 6:16 ), mas é em um sentido diferente, ou seja, porque Deus habita em nós pelo poder e graça de seu Espírito; mas em Cristo a plenitude da Divindade habita corporalmente, para que ele realmente é Deus manifestado em carne , ( 1 Timóteo 3:16 ).

 

Eu o levantarei novamente. Aqui Cristo reivindica para si a glória da sua ressurreição, embora, em muitas passagens da Escritura, ele é declarado ser a obra de Deus Pai. Mas essas duas afirmações perfeitamente concordam entre si; para, a fim de nos dar concepções elevados do poder de Deus, a Escritura atribui expressamente ao Pai, que ressuscitou a seu Filho dos mortos; mas aqui, Cristo de uma maneira especial afirma sua própria Divindade. E Paul reconcilia ambos.

 

Se o Espírito daquele que ressuscitou Jesus dos mortos habita em vós, aquele que ressuscitou a Cristo dentre os mortos também vivificará os vossos corpos mortais, pelo seu Espírito que habita em vós,

( Romanos 8:11 ).

 

Enquanto ele faz o Espírito o autor da ressurreição, ele o chama indiscriminadamente, por vezes, o Espírito de Cristo , e às vezes o Espírito do Pai .

 

verso 20

  1. . Quarenta e seis anos O cálculo do Daniel concorda com esta passagem, ( Daniel 9:25 ;) para ele avalia sete semanas , que fazem Quarenta e nove anos; mas, antes que o último destes semanas tinha terminado, o templo foi terminado. O tempo descrito na história de Ezra é muito mais curto; mas, embora tenha alguma aparência de contradição, não é de todo em desacordo com as palavras do Profeta. Pois, quando o santuário tinha sido criado, antes da construção do templo foi concluído, eles começaram a oferecer sacrifícios. O trabalho foi depois parado por um longo tempo através da indolência do povo, aparece tão claramente a partir das queixas do profeta Ageu 1: 4 ; pois ele repreende severamente os judeus por ser muito sinceramente empenhado na construção de suas habitações privadas, enquanto que eles deixaram o Templo de Deus em estado inacabado.

 

Mas por que ele mencionar que templo que havia sido destruído por Herodes cerca de quarenta anos antes que o tempo? Para o templo que tinha naquela época, se tivesse sido construído com grande magnificência e em uma vasta área, tinha sido concluída por Herodes, ao contrário da expectativa dos homens, como é relatado por Josefo, (Ant. Livro 15. capítulo 11.) Eu acho que é provável que esta nova construção do templo foi contado como se o antigo templo tinha sempre se manteve em sua condição original, que pode ser considerado com maior veneração; e que falou da maneira usual e comum, que seus pais, com a maior dificuldade, mal tinha construído o templo em Quarenta e seis anos,

 

Esta resposta mostra claramente o suficiente o que era a sua intenção de pedir um sinal ; porque, se tivessem sido pronto para obedecer, com reverência, um profeta enviado por Deus, eles não teriam tão desdenhosamente rejeitou o que ele tinha dito a eles sobre a confirmação de seu escritório. Eles desejam ter algum testemunho do poder divino, e ainda assim eles não recebem nada que não corresponde à capacidade fraca do homem. Assim, os papistas no presente milagres demanda dia, não que eles vão dar lugar ao poder de Deus, (pois é um princípio assente com eles a preferir os homens a Deus, e não para mover um fio de cabelo do que eles receberam por usos e costumes;), mas que eles podem não parecem ter nenhuma razão para se rebelar contra Deus, eles se conservarem essa desculpa como uma capa para sua obstinação. De tal maneira fazer as mentes dos incrédulos tempestade em-los com impetuosidade cega, que deseja ter a mão de Deus exibiu a eles e ainda não desejo que ele deve ser divino.

 

. Quando, pois, ressuscitou dentre os mortos Essa lembrança foi semelhante ao anterior, que o evangelista recentemente mencionado, (versículo 17.) O evangelista não entendia Cristo, quando ele disse isso; mas a doutrina, que parecia ter sido inútil, e ter desaparecido no ar, frutas posteriormente produzidos em seu próprio tempo. Embora, por isso, muitas das ações e palavras de nosso Senhor são obscuros por um tempo, não devemos dar-lhes-se em desespero, ou desprezar o que nós não todos ao mesmo tempo entender. (52) Devemos observar a conexão de as palavras, que creram na Escritura e na palavra que Jesus tinha falado; para o evangelista significa que, comparando a Escritura com a palavra de Cristo , eles foram ajudados em progredir na fé.

 

verso 23

  1. Muitos acreditavam. O evangelista liga adequadamente esta narrativa com o primeiro. Cristo não tivesse dado esse sinal como os judeus exigiu; e agora, quando ele não produziu um bom efeito sobre eles por muitos milagres - exceto que eles entretido uma fé frio, que era apenas a sombra da fé - este evento demonstra suficientemente que eles não merecem que ele deve cumprir com os seus desejos. Foi, de fato, algumas frutas de sinais, que muitos acreditavam em Cristo, e em seu nome, de modo a professar que pretendiam seguir sua doutrina; para nome está aqui para colocar autoridade . Esta aparência de fé, que até então era infrutífera, pode vir a ser transformado em verdadeira fé, e pode ser uma preparação útil para celebrar o nome de Cristo, entre outros; e ainda assim o que temos dito é verdade, que eles estavam longe de ter sentimentos adequados, de modo a lucrar com as obras de Deus, como deveriam ter feito.

 

No entanto, esta não era uma fé pretendido pelo qual eles queriam ganhar reputação entre os homens; pois eles estavam convencidos de que Cristo era algum grande Profeta, e talvez eles ainda atribuída a ele a honra de ser o Messias, de quem havia naquele momento, uma confiança forte e geral. Mas, como eles não entenderam o escritório peculiar do Messias, sua fé era um absurdo, porque foi dirigida exclusivamente para o mundo e as coisas terrenas. Foi também uma crença de frio, e não acompanhada pelos verdadeiros sentimentos do coração. Para hipócritas parecer favorável ao Evangelho, não que eles podem dedicar-se em obediência a Cristo, nem que, com sincera piedade eles podem seguir a Cristo quando ele os chama, mas porque eles não se aventuram a rejeitar totalmente a verdade que eles têm conhecido e, especialmente, quando eles podem encontrar nenhuma razão para se opondo a ela. Porque, assim como eles não voluntariamente, ou por vontade própria, fazer a guerra com Deus, por isso, quando eles percebem que sua doutrina se opõe à sua carne e seus desejos perversos, eles são imediatamente ofendido, ou pelo menos retirar-se da fé que eles já tinha abraçado.

 

Quando o evangelista diz, portanto, que aqueles homens acreditavam, eu não entendo que eles falsificado uma fé que não existia, mas que eles eram, de alguma forma obrigado a inscrever-se como os seguidores de Cristo; e, no entanto, parece que a sua fé não era verdadeiro e genuíno, porque Cristo os exclui o número de pessoas em cujo dependência sentimentos pode ser colocado. Além disso, que a fé dependia unicamente em milagres, e não tinha raízes no Evangelho e, portanto, não poderia ser estável ou permanente. Milagres, de fato, ajudar os filhos de Deus em chegar à verdade; mas não equivale a real acreditar, quando eles admiram o poder de Deus, de modo meramente para acreditar que é verdade, mas não submeter-se inteiramente a ele. E, portanto, quando falamos em geral sobre a fé, deixe-nos saber que há um tipo de fé que é percebida apenas pela compreensão e, depois desaparece rapidamente, porque não é fixo no coração; e que é a fé que James chama mortos ; mas a verdadeira fé depende sempre o Espírito de regeneração, ( Tiago 2:17 ). Observe-se, que todos não derivam lucro igual a partir das obras de Deus; para alguns são levados por eles a Deus, e outros são movidos apenas por um impulso cego, de modo que, enquanto eles percebem realmente o poder de Deus, ainda que eles não deixam de caminhar em sua própria imaginação.

 

verso 24

  1. Mas Cristo não contar com eles. Aqueles que explicar o significado de ser, que Cristo foi em guarda contra eles, porque sabia que eles não estavam na posição vertical e fiel, não parecem-me expressar suficientemente bem o significado de evangelista. Menos ainda posso concordar com o que diz Agostinho sobre o recém-convertidos. O evangelista contrário, significa, na minha opinião, que Cristo não acho que eles sejam autênticos discípulos, mas desprezava tão volátil e instável. É uma passagem que deve ser cuidadosamente observada, que nem todos os que professam ser seguidores de Cristo são tais em sua estimativa. Mas devemos também adicionar a razão que segue imediatamente:

 

Porque ele conhecia todos. Nada é mais perigoso do que a hipocrisia, por esta razão, entre outras, de que é um erro muito comum. Há quase nenhum homem que não está satisfeito consigo mesmo; e enquanto nós mesmos nos enganamos com lisonjas vazias, imaginamos que Deus é cego como nós. Mas aqui somos lembrados de quão amplamente seu julgamento diferente da nossa; pois vê claramente as coisas que não podemos perceber, porque eles estão escondidos por algum disfarce; e ele estima acordo com sua origem oculta, ou seja, de acordo com o sentimento mais secreta do coração, aquelas coisas que deslumbram os olhos por falso brilho. Isto é o que Salomão diz, que

 

Deus pesa em sua balança os corações dos homens, quando eles mesmos lisonjear em suas maneiras, ( Provérbios 21: 2 ).

 

Lembremo-nos, portanto, que nenhum são os verdadeiros discípulos de Cristo, mas aqueles a quem ele aprova, porque em tal questão só Ele é competente para decidir e julgar.

 

A questão agora é: quando o evangelista diz que Cristo conhecia todos eles , que ele quer dizer apenas aqueles de quem ele ultimamente tinha falado, ou a expressão referem-se a toda a raça humana? Alguns estendê-lo para a natureza universal do homem, e acho que o mundo inteiro está aqui condenado por hipocrisia mau e pérfido. E, certamente, é uma afirmação verdadeira, de que Cristo pode encontrar nos homens nenhuma razão para que ele deveria se dignou a colocá-los no número de seus seguidores; mas eu não ver que isso está de acordo com o contexto, e, portanto, limitá-lo aos que tinham sido anteriormente mencionado.

 

verso 25

  1. Para ele sabia o que havia no homem. Como ele pode ser posta em dúvida de onde Cristo obteve esse conhecimento, o evangelista antecipa esta questão e responde que Cristo percebida cada coisa em homens que está oculto de nosso ponto de vista, de modo que ele poderia por conta própria autoridade fazer uma distinção entre os homens. Cristo, portanto, que conhece os corações, não tinha necessidade de qualquer um para informá-lo que tipo de homens eram. Ele sabia que eles tenham essa disposição e esses sentimentos, que ele justamente considerados como pessoas que não pertenciam a ele.

 

A questão colocada por alguns - se também nós somos autorizados pelo exemplo de Cristo para manter as pessoas como suspeitos que não nos deram prova de sua sinceridade - não tem nada a ver com o presente passagem. Existe uma grande diferença entre ele e nós; para Cristo sabia as raízes das árvores, mas, com excepção dos frutos que aparecem exteriormente, não podemos descobrir o que é a natureza de qualquer uma árvore. Além disso, como Paulo nos diz, que a caridade não é suspeito , ( 1 Coríntios 13: 5 ,) não temos o direito de entreter suspeitas desfavoráveis ​​sobre os homens que são desconhecidos para nós. Mas, que nem sempre pode ser enganado por hipócritas, e que a Igreja não pode ser demasiado expostos a suas imposturas maus, ele pertence a Cristo para comunicar-nos o Espírito de discrição.

comentario biblico de João Calvino (N.T)

fonte www.avivamentonosul21.comunidades.net