Translate this Page

Rating: 3.0/5 (887 votos)



ONLINE
3




Partilhe este Site...

 

 

<

Flag Counter

A Book for Her pdf free, download pdf, download pdf, this site, The Adobe Photoshop CC Book for Digital Photographers 2017 pdf free, fee epub, pdf free, site 969919, this link, link 561655,

Comentario bíblico de Romanos cap.5
Comentario bíblico de Romanos cap.5

                       Comentario bíblico de Romanos cap.5

 

verso 1

Romanos 5: 1 . Justificados - No caminho mostrado no capítulo anterior, recebemos muitos privilégios e vantagens abençoados em decorrência da mesma. Aqui, para confortar os crentes em Roma, e em outros lugares, sob os sofrimentos que a profissão do evangelho trouxe sobre eles, o apóstolo prossegue para enumerar os privilégios que pertencem a verdadeiros crentes em geral. E de sua conta ao que parece, que os privilégios de descendência de Abraão pela fé, são muito maiores do que aqueles que pertencem a tais como estavam sua semente por descendência natural, e que são descritos, Romanos 2: 17-20 . O primeiro privilégio desta semente espiritual é que, sendo justificados pela fé, temos paz com Deus - Ser alienado de Deus e exposto a condenação e ira não, mas levados a um estado de reconciliação e paz com ele. "Nossos medos culpados são silenciados, e somos ensinados a olhar para ele com doce serenidade de alma, enquanto nós não concebê-lo como um inimigo, mas sob o caráter agradável de um amigo e um pai." Por nosso Senhor Jesus Cristo - Através de sua mediação e graça. Eles têm também diversos outros privilégios e bênçãos aqui enumerados, que são todos os frutos da justificação pela fé; de modo que, quando eles não estão, que a fé não é. "Parece muito razoável", diz Dr. Doddridge ", que quando o apóstolo escreveu passagens como esta, e Efésios 1: 1-3 , ele deve significar para excluir-se, que não era gentio; eles não são, portanto, a ser exposta como falado particularmente dos gentios; nem poderia certamente intenção por estes grandes descrições e representações patéticos, para falar apenas de tais privilégios externos, como poderia ter sido comum a Simão, o Mago, ou qualquer outro professor de hipócrita e mau do cristianismo. E se ele não pretendia isso, ele deve falar de todos os verdadeiros cristãos como tal, e como tomar por garantido que aqueles a quem ele se dirigiu a todos os seus inúmeros epístolas foram, no geral, como, embora possa haver alguns poucos exceção casos, que ele não acho que é necessário muitas vezes para tocar em cima. E esta é a verdadeira chave para tais passagens em suas epístolas como tenho mais particularmente declarado e justificado no posfácio que tenho adicionado ao prefácio de meus sermões sobre a regeneração, a que devo pedir licença para se referir meu leitor, e espero que eu será dispensado de um exame mais específico de que muito diferente esquema de interpretação que o Dr. Taylor foi tão laboriosamente tentaram reviver. Os princípios fundamentais que são, penso eu, bem refutadas pelo meu amigo piedoso e digno, Dr. Guyse, no prefácio de sua Paráfrase sobre esta carta.

 

verso 2

Romanos 5: 2 . Pelo qual também temos acesso - grega, την προσαγωγην , admissão, entrada, ou introdução. A palavra, como Raphelius mostrou desde o historiador pagão, Heródoto, é muitas vezes usado como uma frase sacerdotal, e significa " estar com grande solenidade introduzido como à presença mais imediata de uma divindade no seu templo, de modo (por uma suposta intérprete, dali chamado προσαγωγευς , o introdutor ) para ter um tipo de conferência com tal divindade. " pela fé a esta graça - Into este estado de favor, e um estado em que recebemos, ou pode receber, graça para socorro em todo tempo de necessidade. A palavra também mostra que a bênção se fala aqui é diferente e superior para a paz com Deus, mencionado no versículo anterior. Na qual estamos firmes - permanecem, respeitar; ou melhor, manter-se firme, como a palavra εστηκαμεν significa. "Como o apóstolo muitas vezes compara os conflitos que os primeiros cristãos mantidos, contra perseguidores e os falsos mestres, os combates gregos, talvez, por estar firme, ele quis dizer que, como lutadores fortes, eles com sucesso mantiveram sua fé no evangelho, em oposição tanto a judeus e pagãos, não obstante os sofrimentos que a profissão de sua fé tinha trazido sobre eles ". e nos gloriamos na esperança da glória de Deus - Aqui outras duas bênçãos são mencionados, o aumento no grau acima tanto o anterior; a esperança da glória de Deus e alegria daí decorrentes. Por a glória de Deus se entende a visão e desfrute do Deus de glória em um estado futuro, particularmente após a ressurreição e o julgamento geral; incluindo uma plena conformidade com Jesus Cristo, o Senhor da glória, em corpo e alma; (a quem deve ser feito semelhante, porque o veremos como ele é, 1 João 3: 2 ;) também a sociedade gloriosa dos santos e dos anjos, e um mundo glorioso, o lugar da nossa morada eterna. Desse total, aqueles que são justificados pela fé têm uma esperança viva e bem fundamentada, sendo herdeiros dele em consequência da sua justificação, Tito 3: 7 ; e da sua aprovação, Romanos 8: 14-17 ; Gálatas 4: 6-7 ; e através desta esperança, a que são gerados de novo pela fé na ressurreição de Cristo, que subiu as primícias dos que dormem, e perdoando e renovando a graça, comunicada por e através dele, eles se alegram com frequência com alegria indizível e cheio de glória, 1 Peter 1: 3-8 ; sendo selados para o dia da redenção e ter um penhor da sua herança futura pelo Espírito de Deus em seus corações.

 

Verse 3-4

Romanos 5: 3-4 . E não somente isso - Não só possuem a quatro previsão mencionado inestimáveis ​​bênçãos; mas também nos gloriamos nas tribulações - o qual estamos tão longe de estimar uma marca do desagrado de Deus, que nós recebê-los como sinais de seu amor paterno, pelo qual pode ser activado para lhe fazer honra mais singular, e estar preparado para uma felicidade mais exaltado. Os judeus, muitas vezes opôs o estado perseguidos dos cristãos como inconsistente com o que eles concluíram seria a condição do povo do Messias. É, portanto, com grande propriedade que o apóstolo tantas vezes discorre sobre o benefício decorrente dessa mesma coisa. Os apóstolos e dos primeiros cristãos vangloriou de tribulações: 1º, Porque decide seu estado foi feito para se parecer com o de Cristo, com quem eles morreram, que eles possam viver; sofreu, para que pudessem reinar, Romanos 8:17 ; 2 Timóteo 2: 11-12 . 2d, porque as suas graças foram ora exercida, e, portanto, aumentou. E, 3d, Eles foram decide purificado e refinado, como ouro e prata na fornalha. Veja Isaías 1: 4-5 ; Zacarias 13: 9 . Sabendo que a tribulação - Sob a influência da graça divina, sem o qual não poderia produzir tal efeito; produz a paciência - Chamadas em exercício, e assim aumenta gradualmente a nossa paciência; até mesmo um humilde e resignado, tranquila estado, contente de espírito: sugerindo destas considerações que ao mesmo tempo mostrar a razoabilidade desse dever, e estabelecer uma base sólida para isso. E a paciência a experiência - O paciente duradouro de tribulação nos dá mais experiência do verdade e grau de nossa graça, do cuidado de nós de Deus e do seu poder, e de amor, e fidelidade, empenhados em apoiar-nos sob os nossos sofrimentos, e levando-os a trabalhar para o nosso bem. A expressão original, δοκιμη , rendido experiência, significa ser . Aprovado em julgamento Antes somos introduzidos na tribulação, sabendo o poder de Deus, podemos acreditar que ele pode oferecer; e sabendo o seu amor e fidelidade à sua palavra, podemos acreditar que ele vai entregar: mas depois que foram efectivamente postos em tribulação, e foram apoiados ao abrigo do mesmo, e entregue fora dele, pode-se dizer, por experiência própria, ele os entregou ; e são, portanto, encorajados a confiar nele em vez de vir. Assim Sadraque e seus companheiros, antes de serem lançados na fornalha, poderia dizer ( Daniel 3:17 ), a Nabucodonosor, nosso Deus, a quem nós servimos, é capaz de nos livrar da fornalha de fogo ardente; e eles também poderia acrescentar, Ele nos livrará. Mas depois de terem sido lançados na fornalha, e a sua fé, e obediência a seu Deus tinha sido posto ao fogo ardente, sua paciência forjado experiência; e eles poderiam dizer, por experiência, Ele nos entregou, como foi reconhecido pela altiva próprio monarca, dizendo: Bendito seja o Deus de Sadraque, & c., que livrou os seus servos, que confiaram nele. Ea experiência, esperança - Ou seja, uma maior e mais confirmada esperança do que é possuído antes da experiência é alcançada; a saber, primeiro, de ajuda continuada, apoio e libertação. 2d, de um problema de vontade dos nossos ensaios em tempo útil. 3d, da salvação eterna, finalmente, Mateus 5:12 , João 16: 20-22 . Observe, leitor, assim que somos justificados, e fez os filhos e herdeiros de Deus, cap. Romanos 8:17 , esperamos, por boas razões, para a glória de Deus; mas a nossa fé e outras graças não ter sido, em seguida, tentou, a nossa esperança de vida eterna deve ser misturado com dúvidas e medos que respeitem a nossa firmeza quando expostos a ensaios, (que são ensinadas na palavra de Deus que esperar,) e nossa perseverança até o fim. Mas quando foram trazidos para dentro e passaram por várias e longas-continuou ensaios, e, no meio delas têm sido tão apoiada pela graça divina a ter a possibilidade de continuar na fé, fundados e firmes, e não para ser transferida afastar da esperança do evangelho, a nossa expectativa de perseverar no bom caminho, e ser finalmente salvo, alcança uma confirmação e criação: ea nossa gratidão e alegria, 1 Pedro 1: 3 , a nossa paciência, pureza e diligência em todos os obras de piedade e virtude, 1 Tessalonicenses 1: 3 , 1 João 3: 3 ; 1 Coríntios 15:58 , são aumentados e confirmada em proporção ao mesmo.

 

verso 5

Romanos 5: 5 . E a esperança - Essa esperança como é o fruto da fé, paciência e experiência, ou seja, a completa certeza da esperança; Não faça vergonha - não faz vergonha e confundir-nos com a decepção, mas vamos certamente obter o bom coisas que se esperam; sim, nós sabemos que não podemos vergonha ou nos decepciona, porque já temos dentro de nós o início de que o céu em que ele aspira. Pelo amor de Deus - isto é, o amor a Deus, decorrente de uma manifestação do seu amor por nós , mesmo que o amor que nos constitui ao mesmo tempo tanto santo e feliz, e por isso é o penhor da nossa herança futura em nossos corações; que o amor, na perfeição de que a bem-aventurança daquele mundo celeste é composto; é derramado - grega, εκκεχυται , foi derramada; em nossos corações, pelo Espírito Santo que nos foi dado - A causa eficiente de todos estes presentes bênçãos, e como penhor aqueles que virão. Como um espírito de sabedoria e de revelação, o Espírito Santo nos permite discernir o amor de Deus para nós; e como um Espírito de santidade e de consolo, ele nos capacita a nos deliciar diariamente nele, embora para o presente que ele nos destinou ensaios que podem parecer rigoroso e severo.

 

versículos 6-8

Romanos 5: 6-8 . Para - Como podemos agora dúvida do amor de Deus, desde quando estávamos sem força - Ou para pensar, vai, ou fazer qualquer coisa boa; foram totalmente incapaz de fazer qualquer expiação pelas nossas transgressões, ou de entregar-nos da profundidade de culpa e miséria em que estavam mergulhados; no devido tempo - nem muito cedo nem muito tarde, mas naquele mesmo ponto do tempo que a sabedoria de Deus sabia a ser mais adequada do que qualquer outra; Cristo morreu pelos ímpios - para o bem, e em vez de, como eram inimigos de Deus, ( Romanos 5:10 ), e não podia merecer qualquer favor dele: isto é, para os judeus e gentios, quando eles eram, como ficou provado nos três primeiros capítulos, todos sob o pecado. Observe, leitor, Cristo não somente morreu para libertar-nos um exemplo, ou para nos adquirir poder para segui-lo, mas para expiar nossos pecados; pois não parece que esta expressão, de morrer por qualquer um, tem qualquer outro significado que o de resgatar sua vida, estabelecendo nosso próprio. "Até o ímpio aqui, Sr. Locke entende gentios, como também pelos fracos, pecadores, inimigos, & c. Eles são, sem dúvida, incluído; mas parece muito inconsistente com toda a tensão do argumento do apóstolo nos capítulos anteriores, para confiná-la a eles. Compare Romanos 3: 9-20 ; Romanos 3: 22-23 ; Romanos 4: 5 ; Romanos 5:20 . Por isso, "diz o Dr. Doddridge," ao longo de toda explicar essas passagens no sentido mais amplo; e acho que nada no mais claro todo Novo Testamento, do que o evangelho supõe toda criatura humana, a quem é dirigida, para estar em um estado de culpa e condenação, e incapaz de ser aceito com Deus, qualquer outra forma que não através da graça e misericórdia que ela proclama. Compare João 3:16 ; João 3:36 ; Jo 5:24 ; 1 João 3:14 ; Marcos 16: 15-16 ; Lucas 24:47 ; e, especialmente, 1 João 1:10 , de que nenhuma afirmação pode ser mais positivo e expressar ". Porque apenas para um justo, ou seja, honesto, justo e irrepreensível homem - Aquele que dá a todos o que é estritamente sua devida; seria um estar dispostos a morrer - Embora apreendido para estar no perigo mais imediato: ainda para um homem bom - uma espécie, homem compassivo, generoso misericordioso; porventura se anime a morrer - Cada palavra aumenta a estranheza da coisa, e declara mesmo que isso seja algo grande e incomum. Mas Deus - grega, συνιστησι , recommendeth. expressão a mais elegante e adequada; para aqueles que estão acostumados a ser recomendada para nós, que foram antes de qualquer um desconhecido, ou alienado de nós. Em que sendo nós ainda pecadores - Longe de ser bom, que não foram ainda assim; e não foram apenas indignos de seu favor , mas desagradável para ira e punição; Cristo morreu por nós - morreu em nosso lugar, que a nossa culpa pode ser cancelado, e nós levados a um estado de aceitação com Deus.

 

versículos 9-11

Romanos 5: 9-11 . Muito mais, então - Desde que, portanto, aprouve ao Deus bendito para nos dar uma demonstração tão sem precedentes do seu amor como esse, o quão alto pode o nosso expectativas aumentam, e como confiança podemos concluir que tanto mais agora, sendo justificados pelo seu sangue - derramado por nós, isto é, com a sua morte, que é a causa meritória de nossa justificação, enquanto a fé em que o sangue é a causa instrumental; que devem ser salvos da ira - De futuro castigo, da vingança do fogo eterno; por meio dele - Se ele nos amou tanto que deu seu Filho para morrer por nós, quando éramos meros pecadores culpados, podemos nos assegurar que, tendo agora nos constituídos justos, e nos aceitou como tal, perdoando todos os nossos pecados por causa do sacrifício do sangue de Cristo, ele certamente vai nos salvar da condenação eterna; nós que continuam na fé, fundados e firmes, e não são movidos afastar da esperança do evangelho. Porque, se nós, quando inimigos - por meio da perversidade de nossas mentes, e a rebelião de nossas vidas, (ver Colossenses 1:21 ;) fomos reconciliados com Deus pela morte de seu Filho - que expiou os pecados, e rendeu Deus reconcileable e que obteve para nós o Espírito Santo, para remover a inimizade de nossas mentes, dando-nos, ao mesmo tempo, tal demonstração do amor de Deus para nós, como venceu nossos afetos a ele; muito mais, sendo assim, reconciliados, seremos salvos - santificado e glorificado, pela sua vida - restaurado, a fim de nosso ser, assim, salvos, isto é, por sua vez vivendo para interceder, e seu recebendo, assim, para nós, e comunicando-nos, fontes contínuas de graça. Ele que fez a coisa maior, que é, de inimigos para nos fazer amigos, certamente vai fazer o menor, o que é, quando somos amigos nos tratam como tal, e ser gentil e agradável para nós. Mas a oposição não é apenas entre reconciliar inimigos, e preservando os amigos, sendo este último menos difícil do que o primeiro, mas também entre as de Cristo a morte e vida, sua vida se fala aqui, não sendo a sua vida na carne, mas a sua vida no céu , que a vida que se seguiu após a sua morte. Veja Romanos 14: 9 . Agora, se sua morte, quando ele foi crucificado em fraqueza, executou o trabalho mais difícil, isto é, reconciliou os seus inimigos, não deve sua vida, que é mais forte, (pois ele vive com o seu poder divino como o Príncipe da vida, que não puderam ser realizada em morte,) efetuar o trabalho mais fácil, e preservar e salvar perfeitamente, aqueles que já são feitas seus amigos? Pois, somos reconciliados por Cristo humilhado, e finalmente salvo por Cristo exaltado, sendo, em consequência da sua exaltação à mão direita de Deus, e seu que está sendo investido de todo o poder no céu e na terra, e fez cabeça sobre todas as coisas para sua igreja, que ele completa e consuma a nossa salvação. e não somente isso - Ou seja, que devem ser reconciliados e salvos, mas também nos gloriamos, grego, καυχωμενοι , glória, em Deus - na relação em que ele está para nós como nosso Deus, e em todas as suas perfeições gloriosas e ilimitados, o que vemos são contratados por nós; por nosso Senhor Jesus Cristo - por quem somos apresentados a este estado feliz, que é a nossa paz, e fez Deus e nós um; por quem temos agora - que somos crentes; recebido a reconciliação - grega, την καταλλαγην , . a reconciliação assim, a palavra significa, e em todas as outras passagens em que ocorre é tão traduzido, sendo derivado do verbo καταλλασσω , que é duas vezes prestados conciliar no verso anterior, e para a qual tem uma referência tão evidente, que é surpreendente que deveria ter sido aqui traduzida por tão diferentes uma palavra como expiação, especialmente como é bastante impróprio falar do nosso receber uma expiação que Deus recebe como fez por nossos pecados. Mas, quando são feitos os verdadeiros crentes em Cristo, recebemos a reconciliação, e que não só evita os terrores da ira de Deus, mas abre em cima de nós todas as bênçãos da sua amizade perpétua e amor; de modo que o Pai eo Filho chegará a nós, e fazer sua morada em nós, João 14:23 ; e nós conhecemos e cremos no amor que ele tem por nós, e por conseguinte, de habitar no amor e, portanto, habitar em Deus e Deus em nós. Todo o parágrafo de Romanos 5: 3-11 podem ser tomados em conjunto, assim: Nós não só nos gloriamos na esperança da glória de Deus, mas também no meio das tribulações, nos gloriamos em Deus mesmo por nosso Senhor Jesus Cristo, pela qual nós ter recebido a reconciliação.

 

Verse 12-13

Romanos 5: 12-13 . Portanto - Refere-se a todo o discurso anterior, a partir do qual o apóstolo deduz o seguinte: ele não, portanto, fazer uma digressão, mas volta a falar de novo do pecado e da justiça; como se ele tivesse dito: "Podemos inferir a partir dessas premissas, que o benefício que os crentes recebem de Cristo é igual ao prejuízo que derivam de Adão; sim, é em geral maior do que a "Pois. como por um homem - Ou seja, Adão, o pai comum da espécie humana; (ele é mencionado, e não Eve, como sendo o representante da humanidade;) entrou o pecado no mundo - o pecado atual, ou seja, a transgressão de Adão e sua consequência, uma natureza pecaminosa, que teve lugar em ele, através de seu primeiro pecado e que ele transmitiu a toda a sua posteridade, ea morte - com todos os seus assistentes. Ele entrou no mundo quando entrou em ser; para até então não existia; pelo pecado - Por isso, não pôde entrar em antes do pecado; e assim - Ou seja, por um homem; a morte passou - De uma geração para outra; a todos os homens, porque todos pecaram - Ou seja, em Adão, seu representante, e como estando em seus lombos. Ou seja, eles são até agora envolvidos em sua primeira transgressão e as suas consequências, e assim certamente derivar uma natureza pecaminosa dele, que eles se tornam desagradável para a morte. Em vez de, para isso, Dr. Doddridge torna εφ ' Ê , para a qual, (ou seja, até a morte, mencionada na cláusula anterior,) todos pecaram. Em que sempre maneira a expressão é processado, as palavras são manifestamente destinado a atribuir a razão pela qual a morte veio a todos os homens , as crianças em si não exceção. Porque antes da lei - Pois, a partir da queda de Adão, até o tempo em que Deus deu a lei por Moisés, bem como depois, estava o pecado no mundo - como apareceu pela execução contínua do seu punição; isto é, a morte: mas - É um princípio evidente por si mesma que o pecado não é, e não pode ser, imputado onde não há lei - Desde a própria essência do pecado consiste na violação de uma lei. E, por conseguinte, uma vez que vemos, na verdade, que o pecado foi imputado, devemos concluir que as pessoas, para cuja conta foi cobrada, estavam sob alguma lei. Agora, isso, no que diz respeito às crianças, pode não ser a lei da natureza, (mais do que a lei de Moisés,) para lactentes não poderia transgredir isso; deve, portanto, ter sido o direito dado a Adão, a transgressão da qual é, em certo sentido, imputada a todos, mesmo a crianças, sendo ele o representante de toda a sua posteridade, e todos eles estar em seus lombos. Em outras palavras, eles não morrem por quaisquer pecados reais da sua própria, sendo incapazes, enquanto que na infância, de cometer qualquer, mas por causa do pecado de Adão sozinho.

 

verso 14

Romanos 5:14 . No entanto - Embora a lei ainda não foi dada por Moisés, mas o pecado estava no mundo, e foi imputado, como parece com isso, que a morte, que é o castigo do pecado, estava no mundo naquela época e reinou - Trouxe tudo sob o seu poder, desde Adão até Moisés - Como Romanos 5:21 e Romanos 6:12 , mesmo sobre aqueles, & c. -. Não apenas sobre os que pecaram à semelhança da transgressão de Adão, mas também sobre as crianças que não tinham cometido o pecado atual, como Adam tinha feito, e mais outros que não tinham, como ele, pecou contra uma lei expressa Quem é o figura daquele que havia de vir - um tipo animada de Cristo em sua capacidade pública, cada um deles sendo uma pessoa pública, e uma cabeça federal da humanidade: a fonte do pecado e da morte para a humanidade por sua ofensa, o outro de justiça e vida por seu dom gratuito. Até agora, o apóstolo mostra a concordância entre o primeiro eo segundo Adão: depois ele mostra a diferença entre eles. O acordo pode ser resumido assim: como por um homem entrou o pecado no mundo, e pelo pecado a morte; assim por um homem justiça entrou no mundo, ea vida com justiça. Como a morte passou a todos os homens, em que todos pecaram; assim que a vida passou a todos os homens, (que estão no segundo Adão, pela fé,) em que todos são justificados. E como a morte, através do pecado do primeiro Adão, reinou mesmo sobre aqueles que não pecaram à semelhança da transgressão de Adão: -lo através da justiça de Cristo, mesmo aqueles que não obedeceram à semelhança de sua obediência, reinará em vida. Podemos acrescentar, como o pecado de Adão, sem os pecados que depois cometeu, nos trouxe a morte: por isso a justiça de Cristo, sem as boas obras que depois executam, nos traz vida, embora ainda toda boa, bem como o mal de trabalho receberão a devida recompensa.

 

Verse 15-16

Romanos 5: 15-16 . Mas não como a ofensa, & c. - O apóstolo agora descreve a diferença entre Adão e Cristo, e que muito mais directa e explicitamente que o acordo entre eles. Agora, a queda e o dom gratuito diferem, primeiro, em amplitude, Romanos 5:15 ; Romanos 2 d, Ele, de quem o pecado veio, e Ele de quem o dom gratuito veio, (denominado também o dom da justiça, ) diferem no poder, Romanos 5:16 ; Romanos 3 d, A razão de ambos é subjoined, Romanos 5:17 ; Romanos 4 th, esta premissa, a ofensa e o dom gratuito são comparadas no que diz respeito ao seu efeito, Romanos 5:18 . E no que diz respeito à sua causa, Romanos 5:19 . Não como a ofensa - O pecado de Adão, e a miséria que se segue sobre ela; assim também é o dom gratuito - O benefício que se coloca para nós a partir da obediência de Cristo; isto é, não há uma perfeita igualdade e proporção entre o mal que vem por meio de Adão, eo benefício que vem por Cristo:. eles não são iguais em sua influência e eficácia Porque, se pela ofensa de um morreram muitos - Se o transgressão de um mero homem foi eficaz para reduzir a morte, condenação e ira sobre toda a sua posteridade, ou a semente natural; muito mais a graça de Deus - seu amor e favor; eo dom - a salvação; pela graça, que é de um homem - Quem, no entanto, é Deus, assim como o homem; mesmo Jesus Cristo - O divinamente-comissionados e ungido Salvador, abundou sobre muitos - é mais abundantemente eficaz de obter a reconciliação, o perdão, justiça e vida, por tudo o que vai aceitá-los, e tornar-se a sua descendência espiritual. Projeto do apóstolo aqui é comparar o pecado de Adão e obediência de Cristo, em relação a sua virtude e eficácia, e para mostrar que a eficácia da obediência de Cristo, deveis estar muito mais abundante do que o do pecado de Adão. E não, & c. - Uma vez que existe uma diferença na relação das pessoas a quem estes efeitos são derivados, e a vantagem está no lado de Cristo; para que haja uma diferença também no que diz respeito à extensão da eficácia dos seus actos: assim, um pecado trouxe condenação; o mal surgiu de uma só ofensa: aqui não só que um pecado, mas também muitos pecados, - sim, todos os pecados dos crentes, - são perdoados, e sua natureza é renovada:. de modo que o benefício supera o mal Para o julgamento - a culpa que expôs a julgamento; foi por um - Ou seja, por um delito; a de Adão condenação - ocasionando a sentença de morte para ser passado sobre ele, o que, por consequência, oprimido sua posteridade: mas o dom gratuito - para χαρισμα , o dom da graça, é de muitas ofensas - estende-se ao perdão, não só de que o pecado original, mas de todos os outros pecados pessoais e reais; para justificação - Unto a compra do mesmo para todos os homens, não obstante as suas muitas ofensas, ea atribuição de -lo sobre todo o verdadeiramente penitentes que crêem em Cristo.

 

verso 17

Romanos 5:17 . Pois, & c. - Aqui ele mostra a diferença no que diz respeito a consequência desses actos, ou a diferente natureza dos efeitos, que a morte veio de um, a vida do outro; como se ele tivesse dito, Além disso, há um outro artigo importante, na qual a graça do Evangelho supera a gravidade aparente que assistiu a imputação de culpa do nosso primeiro pai, Adão, ou seja, que, se por morte ofensa de um só reinou por um - Mais de toda a sua posteridade, como observamos acima, os que recebem - Pela fé, João 1:12 ; a abundância da graça - Uma medida abundante do amor de Deus, das influências do seu Espírito, e do dom da justiça, exibido em o Evangelho; ou seja, aqueles benefícios que Cristo, pela sua obediência até à morte, comprou para nós; deve muito mais reinado na vida, por um - O grande restaurador e Recuperador de sua semente; Jesus Cristo - Ou seja, os crentes devem por ele ser levado ao uma vida muito mais nobre e mais excelente do que a partir do qual Adão caiu, e que eles perderam nele.

 

Verse 18-19

Romanos 5: 18-19 . Portanto, & c. - Aqui o apóstolo compara Cristo e Adam juntos novamente, quando ele começou a fazer Romanos 5:12 , com o qual este versículo parece estar ligado, (todos os versos intermediários que chegam como um parêntese,) e ele faz a comparação completa em ambas membros; que lá, em razão de intervir matéria, foi deixada de fora imperfeito. Como se ele tivesse dito: Em geral você vê, como eu comecei a observar a você antes, que como por uma só ofensa, veio o juízo sobre todos os homens para condenação - Ou, a sentença condenatória foi passou a todos os homens; mesmo assim , pela justiça de um - a obediência de Cristo, o dom gratuito - Ou dom da graça; veio sobre todos os homens - está prevista, e se ofereceu para, toda a raça humana, e é realmente conferida toda a descendência espiritual do segundo Adão, em todos os verdadeiros crentes; para justificação de vida - até que a justificação pela graça mediante a fé, pelo qual temos o direito e título para a vida eterna. Ou, deixando de fora as palavras em itálico, que não estão no original, o versículo pode ser parafraseada assim: "À medida que a consequência de uma infracção por um lado estendido a todos os homens, para trazer condenação sobre eles; assim também, na outro lado, a conseqüência de um grande ato de justiça estendida a todos os homens, que recebem e abraçá-lo; assegurando-lhes que a justificação que será coroado com o gozo de eterna vida "Porque, como pela desobediência de um só homem muitos. - Ou seja, todos os homens, foram feitas, ou constituídos pecadores - sendo então nos lombos de seu primeiro pai, o cabeça comum e representante de todos eles, e tornou-se desagradável para a morte, assim também pela obediência de um - por sua obediência até a morte, por sua morte por nós; muitos - Ou seja, todos os que crêem com uma fé que atua pelo amor; deve ser, ou são, constituídos justos - ou seja, perdoado, justificado e santificado, e deve ser tratado como tal no dia da conta final de Deus; embora eles não têm perfeita justiça de sua própria para pleitear, em consequência do qual eles devem estar diante de Deus e reivindicar a recompensa. Com relação ao esquema de interpretação do Dr. Taylor, que justamente é observado aqui pelo Dr. Doddridge, que, apesar de "tornar-se sujeito à morte pelo crime de outro está de fato sendo assim constituída, ou melhor tratados, como um pecador, uma vez que a morte é na sua opinião primário deve ser considerado como o salário do pecado, ou a censura de um Deus justo em cima dele; "ainda", apenas para ser ressuscitado dos mortos não está sendo feito justo, ou tratado como uma pessoa justa; uma vez que é um caso muito supposable, e será de fato o caso de milhões, que um pecador pode ser aumentado, a fim de punição mais digna e terrível. Toda a interpretação, portanto, que o Dr. Taylor deu deste texto, neste ponto de vista, parece-me desprovido de um fundamento suficiente ".

 

Romanos 5: 20-21 , porém, a lei - Feito um pouco de entrada, como o Dr. Doddridge traduz παρε ισηλθεν ; sentido também dado pela Vulgata, sub intravit. Assim, a entrada parcial e limitada da lei distingue-se de que a entrada universal do pecado, que passou em todos. Outros, no entanto, como L'Enfant e Wesley, torná-lo, A lei interveio, ou veio entre Adão e Cristo, a ofensa e o dom gratuito; para que a ofensa abundam - Ou seja, a consequência (não o design) do a lei de entrar, não era a remoção do pecado, mas o aumento do mesmo; mas, onde o pecado abundou, a graça fez muito mais abundante - não é apenas na remissão de pecado que Adão trouxe sobre nós, mas de todos os nossos próprios pecados; não apenas na remissão dos pecados, mas a infusão de santidade; não apenas na libertação da morte, mas a entrada para a vida eterna; uma muito mais nobre e excelente vida útil além do que já perdeu pela queda de Adão. Que, como o pecado reinou na morte - Na destruição ampla e universal feito de aqueles a quem ela tinha trazido sob essa frase fatal; a graça reinasse - que não puderam reinar antes da queda, antes que o homem tivesse pecado; pela justiça - imputada, implantado, e praticada; através da justificação de pessoas dos homens, a renovação de sua natureza, e sua obediência prática para a santa lei de Deus, a vida eterna, por Jesus Cristo nosso Senhor - Aqui é apontado, primeiro, a fonte de todas as nossas bênçãos, a graça rica e livre de Deus. 2d, a causa meritória; Não quaisquer obras ou justiça do homem, mas os sozinhos méritos de nosso Senhor Jesus Cristo. 3D, o efeito ou fim de tudo; não só o perdão, mas a vida, a vida divina, levando a glória.

Comentario biblico Joseph Benson 1771

fonte www.avivamentonosul21.comunidades.net