Translate this Page

Rating: 3.0/5 (890 votos)



ONLINE
1




Partilhe este Site...

 

 

<

Flag Counter


Comentario bíblico primeira carta de João cap.3
Comentario bíblico primeira carta de João cap.3

,          Comentario bíblico da primeira carta de João cap.3 

 

 verso 1

1 Eis O segundo argumento é a dignidade e excelência da nossa vocação; pois não era comum honra, diz ele, que o Pai celeste nos concedeu, quando ele nos adotou como seus filhos. Sendo este um tão grande favor, o desejo de pureza deve ser acendeu em nós, de modo a serem conformes à sua imagem; nem, na verdade, pode ser de outra forma, mas que aquele que se reconhece ser um dos filhos de Deus devem purificar-se. E para tornar esta exortação mais convincente, ele amplifica o favor de Deus; para quando ele diz que o amor foi concedido , ele significa que é da mera generosidade e benevolência que Deus nos seus filhos faz; de onde vem a nós de tal dignidade, com exceção do amor de Deus? Amor, então, é declarado aqui para ser gratuita. Há, de fato, uma impropriedade na língua; Mas o apóstolo preferiu falar assim ao invés de não expressar o que era necessário para ser conhecido. Ele, em suma, significa que a bondade mais abundantemente de Deus se manifestou em relação a nós, maiores são as nossas obrigações para com ele, de acordo com o ensinamento de Paulo, quando ele suplicou os romanos pelas misericórdias de Deus para apresentar-se como sacrifícios puros para ele. ( Romanos 12: 1 ). Nós somos, ao mesmo tempo ensinado, como já disse, que a adopção de toda a piedosa é gratuita, e não depende de qualquer respeito a obras.

 

O que os sofistas dizer, que Deus prevê aqueles que são dignos de ser adotada, é claramente refutada por estas palavras, para, desta forma, o presente não seria gratuita. Cabe a nós, especialmente para entender esta doutrina; Porque desde que a única causa da nossa salvação é a adoção, e uma vez que o apóstolo testifica que esta decorre da mera amor de Deus por si só, não há nada a nossa dignidade ou os méritos de obras. Para por que somos filhos? Mesmo porque Deus começou a nos amar livremente, quando merecia o ódio em vez de amor. E como o Espírito é o penhor da nossa adoção, é, portanto, segue-se que se há algum bom em nós, não deve ser criada em oposição à graça de Deus, mas, pelo contrário, a ser atribuído a ele .

 

Quando ele diz que somos chamados , ou chamado , a expressão não é sem o seu significado; porque Deus é o que com sua própria boca nos declara filhos, como ele deu um nome para Abraão de acordo com o que ele era. (75)

 

Por isso o mundo é um julgamento que grievously assalta nossa fé, que não são muito considerados como filhos de Deus, ou que nenhuma marca de tão grande uma excelência aparece em nós, mas que, pelo contrário, quase todo o mundo nos trata com o ridículo e desprezo. Por isso, dificilmente pode ser inferida a partir de nosso estado presente que Deus é um Pai para nós, para o diabo por isso inventa todas as coisas como a obscurecer esse benefício. Ele elimina esta ofensa dizendo que não somos ainda reconhecido como tal como somos, porque o mundo não conhece a Deus: um exemplo notável isto mesmo é encontrado em Isaac e Jacó; para que ambos foram escolhidos por Deus, mas Ismael perseguiu a ex-com risos e provocações; e Esaú, este último com ameaças e a espada. No entanto, em seguida, podemos ser oprimidos pelo mundo, ainda nossa salvação permanece segura e segura.

 

verso 2

2 agora somos filhos de Deus vem ele com o que cada um sabe e sente-se a si mesmo; pois embora o ímpio não pode induzir-nos a desistir de nossa esperança, mas a nossa condição atual é muito menos do que o brilho dos filhos de Deus; por tanto ao nosso corpo somos pó e uma sombra, e da morte está sempre diante de nossos olhos; que também estão sujeitos a mil misérias, ea alma está exposta a inúmeros males; de modo que encontramos sempre um inferno dentro de nós. O mais necessário é que todos os nossos pensamentos devem ser retirados do presente visão das coisas, para que as misérias por que somos de todos os lados cercada e quase esmagada, deve agitar a nossa fé em que a felicidade que ainda mentiras esconderam. Para o significado do Apóstolo é este, que agimos muito tolamente quando estimar o que Deus nos tem concedido de acordo com o presente estado de coisas, mas que devemos, com fé undoubting segurar naquilo que ainda não aparece.

 

Mas sabemos que, quando ele se manifestar A partícula condicional deve ser processado como um advérbio de tempo, quando , mas o verbo aparecer não significa a mesma coisa que quando ele usou isso antes. O apóstolo acaba de dizer, ainda não se manifestou o que havemos de ser , porque o fruto da nossa adoção é ainda escondeu, no céu é a nossa felicidade, e agora estamos longe viajando pela terra; para esta vida desvanecer-se, constantemente expostos a cem mortes, é muito diferente do que a vida eterna, que pertence aos filhos de Deus; para ser inscrita como escravos na prisão da nossa carne, nós somos muito distante da plena soberania do céu e da terra. Mas o verbo agora se refere a Cristo, quando , ele se manifestar ; pois ele ensina a mesma coisa com Paul, em Colossenses, onde ele diz:

 

"Sua vida está escondida com Cristo em Deus: quando Cristo, que é a sua vida, se manifestar, então também vós vos manifestareis com ele em glória."

( Colossenses 3: 3 )

 

Para a nossa fé não pode ficar, excepto em olhando para a vinda de Cristo. A razão pela qual Deus adia a manifestação da nossa glória é essa, porque Cristo não se manifesta no poder do seu reino. Este, então, é a única maneira de sustentar nossa fé, para que possamos esperar pacientemente para a vida prometida a nós. Assim como qualquer pessoa se desvia o mínimo de Cristo, ele deve necessariamente falhar. (76)

 

A palavra de saber , shews a certeza da fé, a fim de distingui-lo de opinião. Nem o conhecimento simples nem universal é aqui pretendida, mas a que cada um deve ter para si mesmo, para que ele possa se ​​sentir seguro de que ele será em algum momento como Cristo. Embora, em seguida, a manifestação da nossa glória é conectado com a vinda de Cristo, mas o nosso conhecimento deste é procedente.

 

Seremos semelhantes a ele Ele não entende que deve ser igual a ele; pois deve haver alguma diferença entre a cabeça e os membros; mas seremos semelhantes a ele, porque ele vai fazer o nosso corpo abatido conforme ao seu corpo glorioso , como Paulo também nos ensina em Filipenses 3:21 . Para o Apóstolo destinados em breve para mostrar que o fim último da nossa adoção é, que o que tem, a fim precedido em Cristo, deve por fim ser concluída em nós.

 

A razão que é adicionado pode, no entanto, parece inadequado. Para se ver Cristo nos torna semelhantes a ele, vamos ter isso em comum com os ímpios, porque eles também verá a sua glória. A isto respondo, que este é vê-lo como um amigo, que não será o caso com os ímpios, porque eles temem sua presença; ou melhor, eles vão evitar a presença de Deus, e ser preenchido com terror; seu brilho será tão deslumbrar os seus olhos, que serão estupefato e confundidos. Pois vemos que Adão, consciente de ter feito de errado, temia a presença de Deus. E Deus declarou isso por Moisés, como uma verdade geral como para os homens,

 

"Nenhum homem me ver e viver." ( Êxodo 33:20 ).

 

Para saber como ele pode ser de outra forma, mas que a majestade de Deus, como um fogo consumidor, nos consumirá como se estivéssemos restolho, tão grande é a fraqueza da nossa carne. Mas, tanto quanto a imagem de Deus se renova em nós, nós temos olhos preparados para ver Deus. E agora, na verdade, Deus começa a renovar em nós sua própria imagem, mas em que uma pequena medida! Exceto em seguida, ser despojado de toda a corrupção da carne, nós não seremos capazes de ver a Deus face a face.

 

E isso também é expresso aqui, como ele é Ele não faz, de fato, por exemplo, que não há nenhuma visão de Deus agora; mas como diz Paulo,

 

"Vemos agora através de um vidro, escura."

( 1 Coríntios 13:12 ).

 

Mas ele em outro lugar faz a diferença entre este modo de vida, e a visão do olho. Em suma, Deus agora se apresenta para ser visto por nós, e não como ele é, mas como podemos compreender. Assim se cumpriu o que foi dito por intermédio de Moisés, que vemos apenas como se fosse a sua volta, ( Êxodo 33:23 ;) pois há muito brilho em seu rosto.

 

Devemos ainda observar, que a forma que o Apóstolo menciona é retirado do efeito, não a causa da; pois ele não nos ensina que seremos semelhantes a ele, porque haveremos de vê-lo; mas ele, portanto, prova que seremos participantes da glória divina, para exceto a nossa natureza eram espiritual, e dotado de uma imortalidade celeste e abençoada, que nunca poderia chegar tão perto de Deus ainda a perfeição da glória não será tão grande em nós , que a nossa visão nos permitirá compreender tudo o que Deus é; para a distância entre nós e ele será mesmo assim muito grande.

 

Mas quando o Apóstolo diz que o veremos como ele é , ele sugere uma nova e uma forma inefável de vê-lo, que não gosta de agora; durante o tempo que andamos por fé, como Paulo ensina-nos, estamos ausentes ele. E quando ele apareceu aos pais, que não estava em sua própria essência, mas nunca foi visto sob símbolos. Daí a majestade de Deus, agora escondeu, então só pode ser visto em si mesmo, quando o véu desta mortal e natureza corruptível deve ser retirado.

 

perguntas refinados eu passar por: para nós ver como Agostinho atormentado-se com estes, e ainda assim nunca conseguiu, tanto nas suas Epístolas aos Paulus, de Fortunato, e na Cidade de Deus, (2: 2), e em outros lugares. O que ele diz, no entanto, é digno de ser observado, que a maneira em que vivemos aproveita mais nesta pergunta que a maneira em que falamos, e que temos de ter cuidado, para que de disputas quanto à maneira pela qual Deus pode ser visto, perdemos a paz e santidade, sem a qual ninguém verá ele.

 

verso 3

3 E qualquer que nele tem esta esperança Ele agora chama essa inferência, que o desejo de santidade não deve crescer frio em nós, pois nossa felicidade tem como ainda não apareceu, para que a esperança é suficiente; e nós sabemos que o que se esperava é ainda escondeu. O significado, então, é que, embora não temos Cristo já presente diante de nossos olhos, mas, se esperamos nele, ele não pode ser, mas que esta esperança vai excitar e estimular-nos a seguir pureza, pois nos leva diretamente a Cristo, a quem saber para ser um modelo perfeito de pureza.

 

verso 4

4 Todo aquele que comete , ou pratica, o pecado . O apóstolo já mostrou quão ingratos nós devemos ser a Deus, se fizermos mas pouco em conta a honra de adoção, pelo qual ele de sua própria boa vontade nos antecipa, e se não o fizermos, pelo menos, torná-lo o amor mútuo. Ele, ao mesmo tempo, introduziu esta admoestação, que o nosso amor não deve ser diminuída, porque a felicidade prometida é adiada. Mas agora, como os homens estão acostumados a se locupletar mais do que deveriam, em males, ele reprova esta indulgência perversa, declarando que todos os que pecado são maus e transgressores da lei. Pois é provável que houvesse, em seguida, aqueles que extenuado seus vícios por este tipo de lisonja, "Não é de admirar, se pecarmos, porque somos homens; mas há uma grande diferença entre o pecado ea iniqüidade ".

 

Esta desculpa frívola o apóstolo agora se dissipa, quando ele define o pecado ser uma transgressão da lei divina; por seu objetivo era produzir ódio e horror como ao pecado. A palavra pecado parece luz para alguns; mas a iniquidade ou transgressão da lei não pode aparecer a ser tão facilmente perdoado. Mas o apóstolo não faz pecados iguais, através da cobrança de todos com a iniqüidade que o pecado; mas ele significa simplesmente para nos ensinar, que o pecado surge de um desprezo de Deus, e que por pecar, a lei é violada. Daí esta doutrina de João não tem nada em comum com os paradoxos delirantes dos estóicos.

 

Além disso, para o pecado aqui, não quero ofender, em alguns casos; nem é a palavra pecado a ser tomada para cada defeito ou errado um homem pode cometer .; mas ele chama que o pecado, quando os homens com todo o seu coração correr para o mal, nem se entender que os homens pecam, exceto aqueles que estão entregues ao pecado. Para os fiéis, que são ainda tentados pelos desejos da carne, não devem ser considerados culpados de iniqüidade, embora eles não são puros ou livre do pecado, mas o pecado não reina neles, João diz que eles não pecado, como eu atualmente uma explicação mais pormenorizada.

 

A importação da passagem é, que a vida perversa de quem se entrar na liberdade de pecar, é odioso a Deus, e não podem ser suportadas com por ele, porque ele é contrário à sua lei. Não, portanto, seguir, nem pode ser, portanto, inferir, que os fiéis são iníqua; porque desejam obedecer a Deus, e aborrecer seus próprios vícios, e que em todos os casos; e eles também formar a sua própria vida, tanto como em -los se deitar, de acordo com a lei. Mas quando há um propósito deliberado para o pecado, ou um curso continuou em pecado, então a lei é transgredida. (77)

 

Podemos tornar o quarto verso, portanto, -

 

"Cada praticante do pecado, é também o praticante da injustiça;

para o pecado é injustiça"

 

ou iniqüidade, como Calvin torna.

 

A palavra ἀνομία , literalmente, é rebeldia, mas nunca é usado estritamente nesse sentido, quer na setembro ou o Novo Testamento. Os termos em que é comumente expressas, são, maldade, iniqüidade, a transgressão injustiça. Veja 1 João 3: 7 . - Ed

 

verso 5

5 E bem sabeis que ele se manifestou, ou, já apareceu . Ele shews por outro argumento quanto pecado e fé diferem uma da outra; pois é o ofício de Cristo para tirar os pecados, e para este fim foi ele enviado pelo Pai; e é pela fé participamos da virtude de Cristo. Então aquele que crê em Cristo é necessariamente purificação dos seus pecados. Mas é dito em João 1:29 , que Cristo tira os pecados, porque ele os expiou pelo sacrifício de sua morte, que não pode ser imputada a nós diante de Deus: John significa neste lugar que Cristo realmente, e, por assim dizer, na verdade, leva os pecados, porque por ele o nosso velho homem é crucificado, e seu Espírito, por meio do arrependimento, mortifica a carne com todos os seus desejos. Para o contexto não nos permite explicar isso da remissão de pecados; pois, como já disse, ele, portanto, razões: "Os que deixam para não pecar, nulidade dos benefícios derivados de Cristo, uma vez que ele veio para destruir o poder reinante do pecado." Isto pertence à santificação do Espírito.

 

E nele não há pecado Ele não fala de Cristo pessoalmente, mas de todo o seu corpo. (78) Onde quer que Cristo difunde sua graça eficaz, ele nega que haja mais espaço para o pecado. Ele, portanto, imediatamente chama essa inferência, que não pecar que permanecem em Cristo. Para se ele habita em nós pela fé, ele realiza seu próprio trabalho, ou seja, ele nos purifica de pecados. É, portanto, aparece o que é pecado para Cristo pelo seu Espírito não perfeitamente renovar-nos de uma vez, ou em um instante, mas ele continua a nossa renovação ao longo da vida. Não pode, então, ser, mas que os fiéis estão expostos a pecar enquanto eles vivem no mundo; mas, tanto quanto o reino de Cristo prevalece neles, o pecado é abolida. Enquanto isso, eles são designados de acordo com o princípio que prevalece, isto é, eles são disse a ser justos e viver retamente, porque sinceramente aspiram a justiça.

 

Eles são disse para não pecar , porque não consentimento para o pecado, embora eles trabalham sob a fraqueza da carne; mas, pelo contrário, eles lutam com gemidos, para que eles possam verdadeiramente testificam com Paulo que fazem o mal que não o faria.

 

Ele diz que os fiéis obedecer em Cristo, porque somos pela fé unidos a Ele, e fez um com ele.

 

verso 6

6 Todo aquele que vive pecando não o viu. De acordo com a sua forma habitual, acrescentou a cláusula oposto, para que saibamos que a fé em Cristo e conhecimento dele são em vão fingiu, exceto que não seja novidade de vida. Para Cristo nunca está dormente onde ele reina, mas o Espírito torna eficaz o seu poder. E pode-se dizer com razão dele, que ele coloca o pecado de vôo, não o contrário do que como o sol afasta a escuridão por seu próprio brilho. Mas estamos novamente ensinado neste lugar quão forte e eficaz é o conhecimento de Cristo; por isso nos transforma em sua imagem. Então por vendo e sabendo que devemos entender nenhuma outra coisa do que a fé.

 

verso 7

  1. Aquele que pratica a justiça As shews apóstolo aqui que novidade de vida é testemunhado pelas boas obras; nem que semelhança do que tem falado, que está entre Cristo e seus membros, aparecem, exceto pelos frutos que eles produzirem; como se ele tivesse dito: "Desde que nos convém para serem conformes a Cristo, a verdade ea evidência deste deve aparecer em nossa vida." A exortação é o mesmo com a de Paulo em Gálatas

 

"Se vós viver no Espírito, a pé, também no Espírito."

( Gálatas 5:25 )

 

Para muitos de bom grado persuadir-se de que eles têm essa justiça enterrado em seus corações, enquanto iniqüidade ocupa, evidentemente, os pés e as mãos, e língua, e os olhos.

 

verso 8

8 Quem comete o pecado, Esta palavra, para cometer , ou fazer , refere-se também às obras para fora, de modo que o significado é que não há vida de Deus e de Cristo, onde os homens agem perversamente e perversamente, mas que tal se , pelo contrário, os escravos do diabo; e por este modo de falar ele expõe mais plenamente quão diferente eles são a Cristo. Porque, como ele tem antes representava Cristo como a fonte de toda a justiça, então agora, por outro lado, ele menciona o diabo como o princípio do pecado. Ele negou que qualquer um pertence a Cristo, senão aquele que é justo e shews como tal por suas obras; agora ele atribui ao diabo todos os outros, e os submete ao seu governo, a fim de que saibamos que não há condição de centro, mas que Satanás exerce sua tirania, onde a justiça de Cristo não possui a primazia.

 

Não são, porém, dois princípios adversos, como os maniqueístas ter imaginado; pois sabemos que o diabo não é mau por natureza ou por criação, mas tornou-se tão através de deserção. Também sabemos que ele não é igual a Deus, para que ele possa com igual direito ou autoridade contender com ele, mas que ele é involuntariamente sob restrição, de modo que ele não pode fazer nada, exceto no aceno de cabeça e com a permissão do seu Criador. John, em último lugar, ao dizer que alguns nasceram de Deus e parte do diabo, imaginou nenhuma tradição, como os maniqueístas sonhou; mas ele significa que os primeiros são governados e guiados pelo Espírito de Deus, e que os outros são desviados por Satanás, como Deus concede a ele esse poder sobre os incrédulos.

 

Porque o diabo peca desde o início Como antes de falar não de Cristo, pessoalmente, quando ele disse que ele é justo, mas o mencionou como a fonte ea causa da justiça; agora, quando ele diz que os pecados do diabo, ele inclui todo o seu corpo, mesmo todos os réprobos; como se ele tivesse dito, este pertence ao Diabo, para seduzir os homens para o pecado. É, portanto, segue-se que os seus membros, e todos os que são governados por ele, entregar-se a cometer pecado. Mas o início que o Apóstolo menciona, não é desde a eternidade, como quando ele diz que a Palavra é, desde o início, pois há uma grande diferença entre Deus e as criaturas. Começando como a Deus, refere-se a qualquer momento. Desde então, a Palavra sempre estava com Deus, você pode encontrar nenhum ponto de tempo em que ele começou a ser, mas você deve necessariamente admitir sua eternidade. Mas aqui John não significava outra coisa do que o Diabo tinha sido um apóstata desde a criação do mundo, e que a partir desse momento ele nunca tinha deixado de espalhar o seu veneno entre os homens.

 

Para isto o Filho de Deus se manifestou Ele repete em outras palavras, o que ele tinha dito antes, que Cristo veio para tirar os pecados. Daí duas conclusões estão a ser desenhado, que aqueles em quem reina o pecado não pode ser contado entre os membros de Cristo, e que eles podem de modo algum pertencem ao seu corpo; para onde quer que Cristo coloca diante de seu próprio poder, ele coloca o diabo em fuga, bem como o pecado. E é isso que John acrescenta imediatamente; para a próxima frase, onde ele diz que aqueles que não pecam são nascidos de Deus, é uma conclusão do que é ido antes. É um argumento elaborado a partir do que é inconsistente, como já disse; para o reino de Cristo, que traz justiça com ele, não pode admitir o pecado. Mas eu já disse que não pecar meios. Ele não faz filhos de Deus totalmente livre de todo pecado; mas ele nega que qualquer glória pode realmente nessa distinção, exceto aqueles que com o coração se esforça para formar a sua vida em obediência a Deus.

 

O Pelagians, de fato, e os Catharians fez anteriormente fazer um uso errado dessa passagem, quando eles vão imaginar que os fiéis estão neste mundo dotado de pureza angelical; e em nossa própria idade alguns dos anabatistas renovaram esta velhice. Mas todos aqueles que sonham com uma perfeição deste tipo, suficientemente mostrai que consciências estúpido eles devem ter. Mas as palavras do Apóstolo estão tão longe de countenancing seu erro, que eles são suficientes para refutar isso.

 

verso 9

Ele diz que eles não pecar que são nascidos de Deus. Agora, temos de considerar, se Deus nos regenera totalmente de uma vez, ou se os restos do velho continuar em nós até a morte. Se a regeneração ainda não é plena e completa, não nos exime da escravidão do pecado, exceto na proporção de sua própria medida. É, portanto, parece que ele não pode ser, mas que os filhos de Deus não estão livres de pecados, e que eles pecam diariamente, ou seja, na medida em que tem ainda alguns resquícios de sua velha natureza. No entanto, o que o Apóstolo afirma para estandes inalteráveis, que o projeto de regeneração é para destruir o pecado, e que todos os que são nascidos de Deus levar uma justa e uma vida santa, porque o Espírito de Deus restringe a cobiça do pecado.

 

O Apóstolo significa a mesma coisa, a semente de Deus; para o Espírito de Deus, para formar os corações dos piedosos para santas afeições, que a carne e suas concupiscências não prevalecem, mas sendo subjugado e colocar como se fosse sob um jugo, eles são verificados e contido. Em suma, o Apóstolo atribui ao Espírito a soberania nos eleitos, que por seu poder reprime o pecado e sofre não para governar e reinar.

 

E ele não pode pecar Aqui o apóstolo sobe mais alto, pois ele claramente declara que os corações dos piedosos são tão eficazmente governados pelo Espírito de Deus, que através de uma disposição inflexível eles seguem a sua orientação. Este é de fato muito longe da doutrina dos papistas. O Sorbons, é verdade, confesso que a vontade do homem, a menos assistida pelo Espírito de Deus, não pode desejar o que é certo; mas eles imaginam tal moção do Espírito como deixa-nos a livre escolha do bem e do mal. Daí que atraio méritos, porque de bom grado obedecer a influência do Espírito, que está em nosso poder para resistir. Em suma, eles desejam a graça do Espírito para ser apenas isso, que estamos habilitado a escolher o certo, se quisermos. João fala aqui agora de outra forma; pois ele não só shews que não pode pecar, mas também que o poder do Espírito é tão eficaz, que necessariamente nos mantém em contínua obediência para a justiça. E isso não é a única passagem da Escritura que nos ensina que a vontade é assim formado que não pode ser de outra forma do que certo. Porque Deus testifica que ele dá um novo coração para seus filhos, e promete fazer isso, para que andem nos seus mandamentos. Além disso, John não só shews como eficazmente Deus funciona uma vez no homem, mas claramente declara que o Espírito continua a sua graça em nós até o fim, de modo que a perseverança inflexível é adicionado à novidade de vida. Não vamos, então, imagine com os sofistas que é algum movimento neutro, o que deixa os homens livres, quer seguir ou rejeitar; mas deixe-nos saber que os nossos próprios corações estão tão governado pelo Espírito de Deus, que eles constantemente unirá à justiça.

 

Além disso; o que os sofistas objeto absurdamente, pode ser facilmente refutado: dizem que, assim, a vontade é tirada do homem; mas eles dizem isso falsamente: a vontade é um poder natural; mas, como a natureza está corrompido, tem inclinações única depravados. É, portanto, necessário que o Espírito de Deus deve renová-lo, a fim de que ele pode começar a ser bom. E, então, como os homens imediatamente cair longe de o que é bom, é necessário que o mesmo Espírito deve continuar o que ele começou, até o fim.

 

Quanto ao mérito, a resposta é óbvia, por isso não pode ser considerado estranho que homens merecem nada; e ainda assim boas obras, que fluem da graça do Espírito, não deixam de ser assim considerada, porque eles são voluntários. Eles também têm uma recompensa, pois eles são pela graça atribuída aos homens como se fossem seus próprios.

 

Mas aqui surge uma questão, Se o medo eo amor de Deus pode ser extinto em qualquer um que foi regenerado pelo Espírito de Deus? para que isso não pode ser, parece ser a importação de palavras do Apóstolo. Aqueles que pensam o contrário consulte o exemplo de David, que durante algum tempo trabalhou sob um estupor como bestial, que nem uma centelha de graça apareceu nele. Além disso, em Salmos 51:10 , ele reza para a restauração do Espírito. É, portanto, segue-se que ele foi privado dele. Eu, no entanto, a dúvida não, mas que a semente, comunicada quando Deus regenera os seus eleitos, como é incorruptível, mantém a sua força perpetuamente. I, na verdade, admitir que às vezes pode ser sufocada, como no caso de Davi; mas ainda assim, quando toda a religião parecia ser extinto nele, uma brasa viva estava escondido sob as cinzas. Satanás, na verdade, trabalha para acabar com tudo o que é de Deus nos eleitos; mas quando a máxima é permitido a ele, há sempre permanece uma raiz escondida, que depois surge. Mas João não fala de um ato, como se diz, mas do curso contínuo de vida.

 

Alguns sonho fanáticos de algo que eu não sei o quê, isto é, de uma semente eterna nos eleitos, que eles sempre trazem desde o ventre de sua mãe; mas para o efeito, muito escandalosamente perverter as palavras de João; pois ele não fala de eleição eterna, mas começa com a regeneração.

 

Há também aqueles que são duplamente frenético, que detêm, sob esse pretexto, que, tudo é lícito aos fiéis, isto é, porque João diz que eles não podem pecar. Em seguida, defendem que possamos seguir indiscriminadamente o que quer que nossas inclinações pode nos levar a. Assim que tomar a liberdade de cometer adultério, roubar, a matar, porque não pode haver pecado onde o Espírito de Deus reina. Mas, longe de outra forma é o significado do Apóstolo; para ele nega que o pecado fiéis por esta razão, porque Deus tem gravado sua lei em seus corações, de acordo com o que o Profeta diz ( Jeremias 31:33 ).

 

verso 10

10 Neste dos filhos de Deus se manifestam. Ele logo chama a esta conclusão, que aqueles na reivindicação vão um lugar e um nome entre os filhos de Deus, que não provar-se a ser tal por uma vida piedosa e santa, uma vez que por este provas que mostrar que eles diferem dos filhos do diabo. Mas ele não quer dizer que eles são, portanto, manifestado, de forma a ser reconhecido abertamente por todo o mundo; mas o seu significado é só isso, que a fruta e adoção sempre aparecem na vida.

 

verso 11

10 E aquele que não pratica a justiça. Para fazer justiça, e fazer o pecado, estão aqui colocadas em oposição um ao outro. Então, para fazer justiça não é outra coisa do que temer a Deus com o coração, e andar nos seus mandamentos, tanto quanto a fraqueza humana permitirá; pois, embora a justiça em sentido estrito é uma perfeita harmonia da lei, a partir do qual os fiéis são sempre muito longe; ainda como infracções e quedas não são imputados a eles por Deus, a justiça é que a obediência imperfeita que render a ele. Mas João declara que todos os que não viver retamente não é de Deus é, porque todos aqueles a quem Deus chama, ele se regenera pelo seu Espírito. Daí novidade de vida é uma evidência de sempre da adopção divina.

 

Nem o que não ama a seu irmão . Ele acomoda uma doutrina geral o seu próprio propósito. Porque até então ele vem exortando os fiéis ao amor fraternal; Agora, para o mesmo fim, ele refere-se a verdadeira justiça. Daí esta cláusula é adicionado, em vez de uma explicação. Mas eu já disse a razão pela qual toda a justiça está incluído no amor fraterno. O amor de Deus tem, de fato, o primeiro lugar; mas como dela depende amor para com os homens, é muitas vezes, como uma parte pelo todo, compreendido sob ele, e também o último sob o antigo. Em seguida, ele declara que todo aquele que é dotado de benevolência e da humanidade, é, portanto, justo, e deve ser assim considerada, porque o amor é o cumprimento rito da lei. Ele confirma essa declaração dizendo que os fiéis tinham sido assim ensinados desde o início; por estas palavras que ele dá a entender que a declaração que ele fez não deveria ter aparecido novo para eles.

 

verso 12

12 Não como Caim Esta é uma outra confirmação, feita a partir do que é contrário; no réprobos e os filhos do ódio diabo reina, e que detém, por assim dizer, o lugar principal na sua vida; e ele traz para a frente Cain como uma instância. Ele serviu, entretanto, para dar-lhes consolo, como ele longamente concluiu dizendo, Marvel não, se o mundo vos odeia.

 

Esta explicação deveria ser cuidadosamente notado, para os homens nunca errar quanto ao modo de viver, porque eles fazem a santidade consistir em obras fictícias, e enquanto eles se atormentar com ninharias, julgam-se duplamente agradável a Deus, como os monges, que orgulhosamente, seu modo de viver um estado de perfeição; nem há qualquer outro culto de Deus sob o papado, mas uma massa de superstições. Mas o apóstolo testifica que esta justiça sozinha é aprovada por Deus, isto é, se nos amarmos uns aos outros; e ainda, que os reinados diabo onde o ódio, a dissimulação, a inveja e inimizade prevalecem. Devemos, no entanto, ao mesmo tempo, ter em mente o que já tocou em cima, que o amor fraternal, como ele procede do amor de Deus como um efeito de uma causa, não é dissociadas a partir dele, mas, pelo contrário é elogiada por John nesta conta, porque é uma evidência do nosso amor a Deus.

 

Ao dizer que Cain foi impulsionado a matar seu irmão, porque as suas obras eram más , ele sugere o que eu já disse, que quando as regras de impiedade, o ódio ocupa o primeiro lugar. Ele refere-se a de Abel justas obras, para que possamos aprender a suportar pacientemente quando o mundo nos odeia gratuitamente, sem qualquer apenas provocação.

 

verso 14

14 Nós sabemos. Ele elogia amor a nós por um elogio notável, porque é uma evidência de uma transição da morte para a vida. É daí resulta que, se amamos os irmãos somos abençoados, mas que somos miseráveis ​​se odeiam. Não há ninguém que não desejam ser libertados e entregues a partir de morte. Aqueles que, em seguida, pelo apreço ódio voluntariamente entregar-se à morte, deve ser extremamente estúpida e sem sentido. Mas quando o Apóstolo diz, que é conhecido pelo amor que passamos na vida, ele não quer dizer que o homem é o seu próprio libertador, como se ele pudesse, amando os irmãos resgatar-se da morte, e adquirir vida para si mesmo; pois ele não faz aqui tratar da causa da salvação, mas como o amor é o fruto especial do Espírito, é também um símbolo certeza de regeneração. Em seguida, o Apóstolo chama um argumento do sinal, e não da causa. Porque, assim como ninguém ama sinceramente seus irmãos, só que ele é regenerado pelo Espírito de Deus, ele, portanto, com razão, conclui que o Espírito de Deus, que é vida, habita em todos que amamos os irmãos. Mas seria absurdo para qualquer um para inferir, portanto, que a vida é obtida por amor, porque o amor está em ordem de tempo posterior a ele.

 

O argumento seria mais plausível, foram disse que o amor nos torna mais certo da vida: em seguida, confiança como para a salvação seria decúbito em obras. Mas a resposta para isso é óbvio; pois, embora a fé é confirmada por todas as graças de Deus como auxiliares, mas ainda assim não deixa de ter seu fundamento na misericórdia de Deus único. Como por exemplo, quando nós desfrutar da luz, estamos certos de que o sol brilha; se o sol brilha sobre o lugar em que estamos, temos uma visão mais clara do mesmo; mas ainda quando os raios visíveis não vêm para nós, estamos satisfeitos que o sol difunde o seu brilho para o nosso benefício. Então, quando a fé está fundada em Cristo, algumas coisas podem acontecer para ajudá-lo, ainda que repousa na graça de Cristo.

 

verso 15

15 é um assassino Para nos estimular ainda mais a amar, ele shews como detestável diante de Deus é ódio. Não há ninguém que não teme um assassino; ou melhor, todos nós execrar o próprio nome. Mas o apóstolo declara que todos os que odeiam seus irmãos são assassinos. Ele poderia ter dito nada mais atroz; nem é o que é dito hiperbólica, por desejamos-lhe a perecer a quem odiamos. Não importa se um homem mantém as mãos do mal; para o próprio desejo de fazer o mal, bem como a tentativa, é condenado diante de Deus: ou melhor, quando nós não nos procuram fazer uma lesão, mas se quisermos um mal acontecer com o nosso irmão de alguma outra pessoa, estamos assassinos.

 

Em seguida, o Apóstolo define a coisa simplesmente como é, quando ele atribui o assassinato ao ódio. Por isso é provado a loucura dos homens, que, embora eles abominam o nome, eles ainda não fazem nenhuma conta do próprio crime. De onde é isso? até porque a face externa das coisas engrosses nossos pensamentos; mas o sentimento interior trata de uma conta diante de Deus. Ninguém, pois, atenuar mais tão grave um mal. Vamos aprender a consultar nossos julgamentos para o tribunal de Deus.

 

verso 16

16 Nisto conhecemos , ou, por isso nós sabemos . Ele agora shews que é amor verdadeiro; por isso não teria sido suficiente para recomendá-la, a menos que o seu poder é compreendido. Como um exemplo de amor perfeito, ele coloca diante de nós o exemplo de Cristo; para ele, por não poupando sua própria vida, testemunhou o quanto ele nos amou. Isso, então, é a marca para a qual ele pede-lhes para avançar. A soma do que é dito é que o nosso amor é aprovado, quando transferir o amor por nós, de nossos irmãos, para que cada um, de um modo esquecendo-se, deve procurar o bem dos outros. (79)

 

É, de fato, certo, que estão longe de ser igual a Cristo, mas o Apóstolo nos recomenda a imitação dele; para que nós não ultrapassá-lo, ele está ainda se encontram, que devemos seguir seus passos, embora a uma distância. Sem dúvida, uma vez que foi objeto do Apóstolo derrubou a ostentação de hipócritas, que alcançaram a glória que eles tinham fé em Cristo, embora sem amor fraternal, ele insinuou por estas palavras, que, exceto este sentimento prevalece em nossos corações, não temos nenhuma ligação com Cristo. Nem ele, no entanto, como eu disse, diante de nós o amor de Cristo, de modo a exigir-nos a ser igual a ele; para o que seria isso, mas para todos nós levar ao desespero? Mas ele quer dizer que nossos sentimentos devem ser assim formado e regulado, que pode desejo de dedicar a nossa vida e também a nossa morte, primeiro a Deus e depois aos nossos vizinhos.

 

Há outra diferença entre nós e Cristo, - a virtude ou benefício de nossa morte não pode ser o mesmo. A ira de Deus não está pacificada pelo nosso sangue, nem é vida adquiridos pela nossa morte, nem é castigo devido a outros sofridas por nós. Mas o Apóstolo, nessa comparação, não tinha em vista o fim ou o efeito da morte de Cristo; mas ele significava apenas que a nossa vida deve ser formado de acordo com o seu exemplo.

 

verso 17

17 Mas de quem tem esta do mundo bom , ou, Se qualquer um tem o sustento do mundo . Ele agora fala dos deveres comuns de amor, que fluem de que o chefe da fundação, ou seja, quando estamos preparados para servir os nossos vizinhos até a morte. Ele, ao mesmo tempo, parece à razão do maior para o menor; pois aquele que se recusa a aliviar de seus bens a falta de seu irmão, enquanto que a sua vida é seguro e seguro, muito menos que ele iria expor para ele sua vida ao perigo. Então, ele nega que haja amor em nós, se recusar a ajuda de nossos vizinhos. Mas ele assim o recomendar essa gentileza externa, que, ao mesmo tempo que muito apropriadamente expressa a maneira certa de fazer o bem, e que tipo de sentimento deveria ser em nós.

 

Deixe isso, então, ser a primeira proposição, que ninguém realmente ama seus irmãos, exceto que ele realmente shews isso sempre que uma ocasião ocorre; o segundo, que, tanto quanto qualquer um tem os meios, ele é obrigado até agora para ajudar seus irmãos, para que o Senhor nos fornece, assim, a oportunidade de exercer o amor; a terceira, que a necessidade de cada um deve ser visto para, para que qualquer um precisa de comida e bebida ou outras coisas das quais temos abundância, para que ele requer a nossa ajuda; a quarta, que nenhum ato de bondade, a não ser acompanhado com simpatia, é agradável a Deus. Há muitos aparentemente liberal, que ainda não se sente para as misérias de seus irmãos. Mas o Apóstolo requer que nossas entranhas deve ser aberto; o que é feito, quando estamos dotados de um sentimento como a simpatizar com os outros em seus males, não há outra forma que não como se fossem nossos próprios.

 

O amor de Deus Aqui ele fala de amar os irmãos; por que então ele menciona o amor de Deus? até porque este princípio está a ser realizada, que não pode ser, mas que o amor de Deus irá gerar em nós o amor dos irmãos. (80) E assim Deus tenta nosso amor a ele, quando ele nos manda amar os homens de um relação a si mesmo, de acordo com o que é dito em Salmos 16: 2 ,

 

"Meu Deus não atinge a ti, mas para os santos que estão sobre a terra é minha vontade e meu cuidado . "

 

verso 18

  1. Deixe não amemos de palavra Há uma concessão nessa primeira cláusula; pois não podemos amar em apenas língua; mas como muitos falsamente fingir que isso, o Apóstolo admite , de acordo com o que é feito muitas vezes, o nome da coisa a sua dissimulação, porém, na segunda cláusula, ele reprova sua vaidade, quando ele nega que haja realidade, exceto na escritura . Porque assim deveria as palavras a serem explicados, - Deixe-nos não professam pela língua que nós amamos, mas prová-lo por obra; porque esta é a única forma de mostrando amor. (81)

 

"Meus queridos filhos, amemo-nos, não só através da palavra, ou com a língua, mas por obra e em verdade."

 

Ou seja, não amemos só a divulgação em palavras belas promessas, ou por expressar simpatia com a língua, mas por dar efeito a nossa simpatia pelas obras, e fazendo a nossa palavra verdadeira, por cumpri-lo. Aqui encontramos a mesma disposição como em muitos outros casos; a "palavra" tem a sua correspondência em "verdade"; e "língua no" trabalho ".

 

É justamente observado por Macknight , que "o apóstolo não se pode supor para proibir a nossa usando discursos afetuosos aos nossos irmãos em perigo Mas ele nos proíbe de nos contentar com estes." - Ed

 

verso 19

19 E nisto conhecemos , ou, por isso nós sabemos . A palavra verdade , ele leva agora em um sentido diferente; mas há uma semelhança notável com as palavras, - Se nós, na verdade, amar os nossos vizinhos, nós temos uma evidência de que nascemos de Deus, que é verdade, ou que a verdade de Deus habita em nós. Mas devemos sempre lembrar, que não tem do amor do conhecimento que o Apóstolo menciona, como se estivéssemos a procurar a partir dele a certeza da salvação. E, sem dúvida, não sabemos de outra forma que somos os filhos de Deus, que como ele sela seu adoção livre em nossos corações pelo seu próprio Espírito., E como nós recebemos pela fé a promessa certeza disso oferecido em Cristo. Então, o amor é acessório ou uma ajuda inferior, um suporte para a nossa fé, e não uma base sobre a qual repousa.

 

Por que, então, o Apóstolo diz: Nós asseguraremos nossos corações diante de Deus ? Ele nos lembra por estas palavras, que a fé não existe sem uma boa consciência; Não que a garantia surge a partir dele ou depende dele, mas isso só então estamos realmente e não falsamente certeza da nossa união com Deus, quando pela eficácia do seu Santo Espírito se manifesta em nosso amor. Pois está sempre atender e adequado para considerar o que o Apóstolo alças; Porque, como ele condena fingida e falsa profissão de fé, ele diz que uma garantia de genuína diante de Deus que não podemos ter, a não ser o seu Espírito produz em nós o fruto do amor. No entanto, apesar de uma boa consciência não pode ser separada da fé, no entanto, ninguém deve, portanto, concluir que temos de olhar para as nossas obras, a fim de que a nossa garantia pode ser determinada.

 

verso 20

  1. Porque, se o nosso coração nos condena Ele prova, por outro lado, que em vão possuir o nome ea aparência de cristãos, que não têm o testemunho de uma boa consciência. Porque, se alguém está consciente de culpa, e é condenado por seu próprio coração, muito menos que ele pode escapar do julgamento de Deus. É, portanto, segue-se que a fé é subvertida pela inquietação de uma má consciência.

 

Ele diz que Deus é maior que o nosso coração , com referência ao julgamento, isto é, porque ele vê muito mais profundamente do que nós, e busca mais minuciosa e juízes mais severamente. Por esta razão, Paulo diz que, embora ele não estava consciente do mal a si mesmo, mas ele não era, portanto, justificada, ( 1 Coríntios 4: 4 ;) pois sabia que no entanto cuidadosamente atentos ele foi ao seu escritório, ele errou em muitas coisas e por ignorância era ignorante de erros que Deus percebidos. Qual é então o Apóstolo quer dizer é que aquele que é perseguido e condenado pela sua própria consciência, não pode escapar do julgamento de Deus.

 

Para o mesmo fim é o que se segue imediatamente, que Deus sabe ou vê todas as coisas para como essas coisas se esconderam dele que nós, que em comparação com ele são maçantes e cego, são constrangidos a ver? Em seguida, tomar esta explicação: "Uma vez que Deus vê todas as coisas, ele é muito superior aos nossos corações." Para prestar um copulative como uma partícula causal não é uma coisa nova. O significado é agora claro, que desde o conhecimento de Deus penetra mais profundamente do que as percepções da nossa consciência, ninguém pode resistir diante dele exceto a integridade de sua consciência o sustenta.

 

Mas aqui a questão pode ser levantada. É certo que os réprobos são por vezes afundado por Satanás em tal estupor, que eles não estão mais conscientes de seus próprios males, e. sem alarme ou medo, como diz Paulo, se precipitar para a perdição; também é certo, que os hipócritas normalmente lisonjear-se, e orgulhosamente desconsiderar o juízo de Deus, para, sendo embriagado por uma falsa presunção quanto à sua própria justiça, eles se sentem nenhuma convicção de pecado. A resposta a estas coisas não é difícil; hipócritas são enganados porque eles evitam a luz; e os reprovados não sinto nada, porque eles já partiram de Deus; e, na verdade não há segurança para a má consciência, mas em esconderijos.

 

Mas o apóstolo fala aqui de consciência que Deus vem para frente para a luz, as forças de seu tribunal, e enche de uma apreensão de seu julgamento. Ainda; é, ao mesmo tempo geralmente verdade, que não podemos ter uma paz calma, exceto o que o Espírito de Deus dá aos corações purificados; para aqueles que, como já dissemos, estão estupefatos, muitas vezes se sentem escrúpulos secretos e atormentam-se na sua letargia.

 

verso 21

21 Se o nosso coração não condena Eu já expliquei que este não se refere a hipócritas nem aos desprezadores brutas de Deus. Por quanto muchsoever o réprobo pode aprovar de suas próprias vidas, mas o Senhor , como diz Solomon, pesa os corações . ( Provérbios 16: 2 .) O saldo de Deus, pelo qual ele tenta os homens, é de tal ordem, que ninguém pode gabar-se de que ele tem um coração puro. O significado, então, as palavras do Apóstolo é, que só então entramos em calma confiança na presença de Deus, quando nós trazemos conosco o testemunho de um coração consciente do que é certo e honesto. Esse provérbio de Paul é verdade, que, pela fé, que conta com a graça de Cristo, um acesso a Deus com confiança é aberto para nós, ( Efésios 3:12 ); e também, que a paz nos é dada pela fé, que nossas consciências podem ficar em paz diante de Deus. ( Romanos 5: 1 ). Mas não há muita diferença entre essas frases; por Paul shews a causa da confiança, mas John menciona apenas um complemento inseparável, que adere necessariamente a ele, embora não seja a causa.

 

Aqui, porém, surge uma dificuldade maior, o que parece não deixar a confiança em todo o mundo; pois quem pode ser encontrado cujo coração reprova ele em nada? Para esta resposta I, que os piedosos são assim reprovado, para que possam ao mesmo tempo ser absolvido. Para ele é realmente necessário que eles devem ser seriamente perturbado interiormente por seus pecados, que o terror pode levá-los à humildade e um ódio de si mesmos; mas presentemente fugir para o sacrifício de Cristo, onde eles têm certeza de paz. No entanto, o Apóstolo diz, em outro sentido, que eles não estão condenados, porque no entanto deficiente podem confessar-se para estar em muitas coisas, eles ainda estão aliviados por este testemunho de consciência, que eles verdadeiramente e de coração temer a Deus e desejo de submeter-se a sua justiça. Todos os que possuem esse sentimento divino, e ao mesmo tempo saber que todos os seus esforços, como muchsoever eles vêm longe da perfeição, mas agradar a Deus, são justamente dito ter um calmo ou um coração tranquilo, porque não há nenhum constrangimento para dentro para perturbar sua alegria calma.

 

verso 22

22 E tudo o que pedimos Essas duas coisas estão ligadas, de confiança e oração . Como antes, ele mostrou que a má consciência é inconsistente com confiança, então agora ele declara que ninguém pode realmente orar a Deus, mas aqueles que com um coração puro, medo e com razão adorá-lo. Esta última resulta da anterior. É uma verdade geral ensinado nas Escrituras, que os ímpios não são ouvidas por Deus, mas que, pelo contrário, seus sacrifícios e orações são uma abominação para ele. Daí a porta está fechada aqui contra hipócritas, para que não com desprezo dele apressar em sua presença.

 

Ele ainda não significa que uma boa consciência devem ser trazidos, como se obteve favor a nossas orações. Ai de nós se olharmos em obras, que não têm nada em si, mas o que é uma causa de temor e tremor. Os fiéis, então, não pode de outra forma vir a tribunal de Deus do que por confiar em Cristo, o Mediador. Mas como o amor de Deus está sempre conectado com a fé, o apóstolo, a fim de que ele poderia reprovar o mais severamente hipócritas, priva-os de que o privilégio singular com que Deus favorece seus próprios filhos; isto é, para que não se deve pensar que suas orações ter um acesso a Deus.

 

Ao dizer, porque guardamos os seus mandamentos , ele não significa que a confiança na oração se baseia em nossas obras; mas ele ensina isso só que a verdadeira religião ea adoração sincera de Deus não pode ser separada da fé. Também não deveria parecer estranho que ele usa uma partícula causal, embora ele não fala de uma causa; para uma adição inseparáveis ​​às vezes é mencionado como uma causa como quando se diz, porque o sol brilha sobre nós ao meio-dia, há mais de calor; mas isso não quer dizer que o calor vem da luz.

 

verso 23

23 E seu mandamento é este Ele novamente acomoda uma verdade geral o seu próprio propósito. O significado é que tal é a discórdia entre nós e Deus, que são mantidos fora de um acesso a ele, exceto estamos unidos pelo amor um ao outro. Ao mesmo tempo, ele não faz aqui elogiar só o amor, como antes, mas se junta a ele como o companheiro e atendente de fé.

 

Os sofistas por suas glosas distorcer estas palavras, como se a liberdade para rezar foram obtidos por nós, em parte, pela fé e em parte pelas obras. Como John obriga-nos a guardar os mandamentos de Deus para que possamos orar corretamente, e mais tarde nos ensina que esta manutenção refere-se a fé e amor, eles concluem, que a partir destas duas coisas deveríamos derivar confiança na oração. Mas eu já várias vezes lembrou-lhe, que o assunto aqui não é como ou por que meios os homens podem preparar-se para que eles possam ter confiança para orar a Deus, pois ele não fala aqui da causa dos males ou de qualquer merecimento. John única shews, que Deus favorece nenhum com a honra eo privilégio das relações sexuais com ele, mas seus próprios filhos, mesmo aqueles que foram regenerados pelo seu Espírito. A importação, então, do que é dito é, onde o medo eo amor de Deus não prevalecem, pode não ser que Deus ouvirá oração.

 

Mas, se é nosso propósito de obedecer aos seus mandamentos, vamos ver o que ele comanda. Ele não faz, no entanto, a fé separada do amor; mas ele requer os dois juntos de nós. E esta é a razão pela qual ele usa a palavra mandamento no singular.

 

Mas esta é uma passagem notável; pois ele define brevemente, bem como lucidamente no que toda a perfeição de uma vida santa é composto. Então, não há razão que devemos alegam qualquer dificuldade, uma vez que Deus faz de modo algum nos levam cerca através de longos labirintos, mas simplesmente e logo coloca diante de nós o que é certo eo que ele aprova. Além disso, neste brevidade não há obscuridade, para ele shews-nos claramente o início e o fim de uma vida correctamente formados. Mas que uma menção é aqui apenas feita de amor fraternal, enquanto o amor de Deus é omitido , a razão é, como já dissemos em outro lugar, que, como o amor flui fraternais do amor de Deus, por isso é uma prova segura e real de isto.

 

No nome de seu Filho O nome refere-se à pregação; e essa conexão merece ser notado, por poucos entendem o que é crer em Cristo; mas a partir deste modo de falar, podemos facilmente concluir que a única fé verdadeira é aquela que abraça Cristo como ele é apresentado no Evangelho. Daí, também, que seja, que não há fé sem ensino, como Paulo também shews para nós em Romanos 10:14 . Devemos, ao mesmo tempo observar, que o Apóstolo inclui fé no conhecimento de Cristo; pois ele é a imagem viva do Pai, e nele são definidos de segurança de todos os tesouros da sabedoria e do conhecimento. Assim, então, à medida que se desviam dele, não podemos fazer outra coisa senão passear em erro.

 

verso 24

24 E aquele que guarda os seus mandamentos Ele confirma o que eu já disse, que a união que temos com Deus é evidente quando se entreter amor mútuo: não que a nossa união começa assim, mas que não pode ser infrutífera ou sem efeito, sempre que ele começa a existir. E ele prova isso adicionando uma razão, porque Deus não permanece em nós, exceto o seu Espírito habita em nós. Mas onde quer que o Espírito é, ele necessariamente manifesta o seu poder e eficiência. Nós, portanto, facilmente concluir, que nenhum permanece em Deus e estão unidos a ele, mas os que guardam os seus mandamentos.

 

Quando, pois, diz ele, e por isso nós sabemos , o copulative, e , como uma razão é dado aqui, é para ser processado ", pois," ou, "porque." Mas o caráter do presente razão deveria ser considerada; pois, embora a sentença em palavras concorda com a de Paul, quando ele diz que o Espírito testemunha ao nosso coração que somos filhos de Deus, e que através dele clamar a Deus, Abba, Pai, ainda há alguma diferença na sentido; para Paulo fala da certeza da adoção gratuita, que o Espírito de selos de Deus sobre os nossos corações; mas John aqui respeita aos efeitos que o Espírito produz, enquanto que habita em nós, como o próprio Paulo faz, quando ele diz que esses são filhos de Deus que são guiados pelo Espírito de Deus; pois também ele está falando da mortificação da carne e novidade de vida.

 

A soma do que é dito é, que, portanto, parece que somos filhos de Deus, isto é, quando suas regras Spirit e governa nossa vida. John ao mesmo tempo nos ensina, que tudo o que as boas obras são feitas por nós, proceder a partir da graça do Espírito, e que o Espírito não é obtido por nossa justiça, mas é livremente dado a nós.

Comentário bíblico de João Calvino (N.T)

fonte www.avivamentonosul21.comunidades.net