Translate this Page

Rating: 3.0/5 (901 votos)



ONLINE
1




Partilhe este Site...

 

 

<

Flag Counter


Comentário de Exôdo Exôdus of Commentary (6)
Comentário de Exôdo Exôdus of Commentary (6)

                      Notas de CH Mackintosh no Pentateuco

                          Êxodo 26 versículos 1-37

A seção do nosso livro que agora se abre diante de nós contém a descrição instrutiva das cortinas e revestimentos do tabernáculo, em que o olho espiritual discerne as sombras das várias características e fases de caráter manifesto de Cristo. "Além disso, farás o tabernáculo de dez cortinas de linho fino torcido, e de azul, púrpura e carmesim, com querubins, ás obra esmerada tu torná-los." Aqui temos os diferentes aspectos de "o homem Cristo Jesus." O "linho fino torcido" prefigura a pureza imaculada de sua caminhada e caráter; enquanto o "azul, a púrpura, o carmesim" apresentá-Lo a nós como "o Senhor do céu", que é o de reinar de acordo com os desígnios divinos, mas cujos direitos autorais deve ser o resultado de seus sofrimentos . Assim, temos um homem impecável, um homem celeste, um homem real, um homem sofrimento. Esses materiais não foram confinados às "cortinas" do tabernáculo, mas também foram utilizados em fazer "o véu", (ver. 31), "o véu da porta da tenda", (ver. 36), "o pendurado para a porta do átrio, "( Êxodo 27:16Êxodo 27:16 )," os panos de serviço e as vestes sagradas de Arão ". ( Êxodo 39: 1Êxodo 39: 1 ). Em uma palavra, era Cristo em todos os lugares, Cristo em tudo, Cristo *.

{* A expressão "branco e puro", dá força peculiar e beleza ao tipo que o Espírito Santo apresentou no "linho fino torcido". Na verdade, não poderia haver um emblema mais apropriado da masculinidade impecável.}

"O linho fino torcido", como expressão de masculinidade impecável de Cristo, abre uma mola mais precioso e abundante de pensamento para a mente espiritual; ele fornece um tema sobre o qual não podemos meditar muito profundamente. A verdade respeitando a humanidade de Cristo deve ser recebido com precisão bíblica, realizada com energia espiritual, guardada com zelo santo, e confessou com poder celestial. Se estamos errados quanto a isso, não podemos estar certo quanto a qualquer coisa. É um grande, vital verdade, fundamental e, se não for recebida, realizada, guardado, e confessou, como Deus o revelou em Sua santa Palavra, toda a superestrutura deve ser infundada. Nada pode ser mais deplorável do que a soltura de pensamento e de expressão que parece prevalecer em referência a este tão importante doutrina. Houve mais reverência para com a palavra de Deus, não haveria conhecimento mais preciso com ele; e, desta forma, devemos felizmente evitar todas essas declarações erróneas e desprotegidos que certamente deve entristecer o Espírito Santo de Deus, cuja província é a testemunhar de Jesus.

Quando o anjo anunciou a Maria as boas novas do nascimento do Salvador, ela disse-lhe: "Como se fará isto, visto que não conheço homem algum?" Sua mente fraca era totalmente incompetente para entrar, muito menos de entender, o mistério estupenda de "Deus manifesto na carne". Mas marque cuidadosamente a resposta angelical - uma resposta, não uma mente cética, mas a um piedoso, embora ignorante, coração. "O Espírito Santo virá sobre ti, eo poder do Altíssimo deve ofuscar a ti, por isso, também, o ente santo que há de nascer de ti será chamado Filho de Deus." ( Lucas 1:39Lucas 01:39 ; Lucas 1:35Lucas 1:35 ) Mary, sem dúvida, imaginar que esse nascimento era para ser de acordo com os princípios da geração ordinária. Mas o anjo corrige seu erro, e, corrigindo-o, enuncia um dos mais grandiosos verdades da revelação. Ele declara a ela que o poder divino estava prestes a formar um homem de verdade - "o segundo homem que o Senhor do céu" - aquele cuja natureza era divinamente pura, totalmente incapaz de receber ou comunicar qualquer mácula. Este Santo foi feita " in, à semelhança da carne do pecado", sem pecado na carne. Ele participou de bens de boa-fé carne e sangue, sem uma partícula ou sombra do mal ao mesmo anexar.

Esta é uma verdade cardeal que não pode ser demasiado previsto com precisão segurar ou muito tenazmente realizada. A encarnação do Filho - Sua entrada misteriosa em carne pura e sem mácula, formada pelo poder do Altíssimo, no ventre da virgem, é o fundamento da "grande mistério da piedade" do qual o Topstone é um Deus-homem glorificado no céu, a Cabeça, Representante e Modelo da Igreja resgatada de Deus. A pureza essencial de sua masculinidade perfeitamente satisfeitas as reivindicações de Deus; a realidade dos mesmos satisfeitas as necessidades do homem. Ele era um homem, pois ninguém mais poderia fazer para atender a ruína do homem. Mas ele era um homem como poderia satisfazer todas as reivindicações do trono de Deus. Ele era um homem de verdade impecável, em quem Deus poderia perfeitamente encantar, e sobre quem o homem podia sem reservas magra.

Não preciso lembrar o leitor esclarecido que tudo isso, se tomado além da morte e ressurreição, é perfeitamente disponível para nós. Ele precisava não só um encarnado, mas um Cristo crucificado e ressuscitado. É verdade, Ele deve ser encarnado para ser crucificado; mas é morte e ressurreição que tornam encarnação disponível para nós. É nada menos que um erro fatal supor que, na encarnação, Cristo estava tomando o homem em união com Ele. Isso não poderia ser. Ele mesmo ensina expressamente o contrário. "Em verdade, em verdade eu vos digo: se o grão de trigo, caindo na terra e morrer , fica ele só :. Mas se morrer, dá muito fruto" ( João 12:24João 12:24 ) Não poderia haver nenhuma união entre carne do pecado e santo, puro e impuro, corruptível e incorruptível, mortal e imortal. Morte realizado é a única base de uma unidade entre Cristo e seus membros eleitos. É na bela conexão com as palavras, "Rise, vamo-nos daqui", que ele diz: "Eu sou a videira, vós sois os ramos." "Temos sido unidos a ele na semelhança da sua morte." "Nosso velho homem foi crucificado com ele, para que o corpo do pecado seja destruído". "No qual também sois circuncidados com a circuncisão não feita por mão no despojo do corpo dos pecados da carne, a circuncisão de Cristo; sepultados com ele no batismo, no qual também fostes ressuscitados mediante a fé da poder de Deus, que o ressuscitou dentre os mortos. " Gostaria de referir o meu leitor a Romanos 6: 1-23Romanos 6: 1-23 e Colossenses 2: 1-23Colossenses 2: 1-23 como uma declaração completa e abrangente da verdade sobre este importante assunto. Foi apenas como morto e ressuscitado que Cristo e Seu povo poderia se tornar um. O verdadeiro grão de trigo teve que cair no chão e morrer antes que um ouvido cheio poderia brotar e se reuniram no celeiro celestial.

Mas enquanto isto é uma verdade claramente revelada das Escrituras, é igualmente claro que a encarnação formada, por assim dizer, a primeira camada da superestrutura gloriosa; e as cortinas de "linho fino torcido" prefiguram a pureza moral de "o homem Cristo Jesus." Nós já vimos a maneira da sua concepção; e, quando passamos ao longo da corrente de Sua vida aqui em baixo, nos deparamos com instância após instância da mesma pureza imaculada. Tinha quarenta dias no deserto, tentado pelo diabo, mas não houve resposta em Sua natureza pura a sugestões de falta do tentador. Ele podia tocar o leproso e receber nenhuma mancha. Ele podia tocar o esquife e não contrair o cheiro da morte. Ele poderia passar incólume a atmosfera mais poluída. Ele era, como a Sua humanidade, como um raio de sol que emana da fonte de luz, que pode passar, sem um solo, através do meio mais profanação. Ele estava perfeitamente único na natureza, constituição e caráter. Nenhum, mas Ele poderia dizer: "Tu não o teu Santo veja a corrupção." Isso foi em referência a sua humanidade, a qual, como sendo perfeitamente santo e perfeitamente puro, era capaz de ser um portador de pecados. "Ele mesmo os nossos pecados em seu próprio corpo na árvore." Não para a árvore, como alguns querem nos ensinar; mas " sobre a árvore." Foi na cruz que Cristo foi o nosso portador de pecados, e somente lá. "Ele fez ele ser pecado por nós aquele que não tinha pecado, para que nele fôssemos feitos justiça de Deus nele." ( 2 Coríntios 5:212 Coríntios 5:21 )

" Azul " é a cor etérea, e marca o caráter celestial de Cristo, que, embora Ele tinha vindo para baixo em todas as circunstâncias da humanidade real e verdadeiro - exceto o pecado - ainda era Ele "o Senhor do céu". Embora Ele era "muito cara", mas Ele já andou na consciência ininterrupta da sua adequada dignidade, como um estranho celeste. Ele nunca esqueceu de onde ele tinha vindo, onde estava, nem para onde ele estava indo. A fonte de todas as suas alegrias estava em alta. Terra poderia nem torná-lo mais rico nem mais pobre. Ele encontrou este mundo para ser "uma terra seca e cansada, onde não há água;" e, portanto, seu espírito só poderia encontrar o seu refresco acima. Foi inteiramente celestial. "Ninguém subiu ao céu, senão o que desceu do céu, o Filho do homem que está nos céus." ( João 3:13João 3:13 )

" Roxo " denota realeza, e nos aponta para Ele, que "nasceu rei dos judeus"; que ofereceu a si mesmo como tal à nação judaica, e foi rejeitado; que perante Pôncio Pilatos deu o testemunho da boa confissão, admitindo mesmo um rei, quando, à visão mortal, não havia sequer um único vestígio da realeza. "Tu dizes que eu sou rei." E "daqui em diante vereis o Filho do Homem sentado à direita do Poder, e vindo sobre as nuvens do céu." E, finalmente, a inscrição sobre a cruz, "em letras do hebraico e grego e latim" - a linguagem da religião, da ciência e do governo declarou Ele, para todo o mundo conhecido, para ser "Jesus de Nazaré, o Rei dos judeus ". Terra renegou suas afirmações - tanto pior para ele, mas não tão Céu; Há Sua reivindicação foi plenamente reconhecido. Ele foi recebido como um vencedor nas moradas eternas da luz, coroado de glória e honra, e sentado, em meio às aclamações de hostes angelicais, no trono da Majestade nos céus, há que esperar até que seus inimigos sejam postos debaixo de seus pés. "Por que se amotinam as nações, e os povos imaginam coisas vãs? Os reis da terra se levantam e os governos consultam juntamente contra o Senhor e contra o seu ungido, dizendo: Rompamos as suas ataduras, e rejeitarei . suas cordas de nós, ele que está sentado nos céus se rirá; o Senhor zombará deles Então ele deve falar-lhes em sua ira, e maltratar-los em seu descontentamento ferida Eu tenho estabelecido.. o meu rei sobre o meu santo monte . de Zion I do decreto: o SENHOR me disse: Tu és meu Filho; hoje te gerei Pede-me, e eu te darei as nações por herança, e os confins da terra. por possessão tu os quebrarás com uma vara de ferro;. tu os despedaçarás como a um vaso de oleiro Sê sábio, agora, portanto, ó reis;. ser instruído, ó juízes da terra Servi ao Senhor com medo. , e regozijai-vos com tremor. beijar o Filho, para que não se ire, e pereçais no caminho, quando a sua ira se acendeu, mas um pouco. Bem-aventurados todos aqueles que depositam sua confiança nele "(. Salmos 2: 1-12Salmos 2: 1-12 )

" Scarlet ", quando genuíno, é produzido por morte; e isso faz com que sua aplicação a um sofrimento Cristo seguro e apropriado. "Cristo sofreu por nós na carne." Sem a morte, tudo teria sido inútil. Podemos admirar "azul" e "o roxo", mas sem "escarlate" do tabernáculo teria faltava uma característica muito importante. Foi por morte que Cristo destruiu o que tinha o poder da morte. O Espírito Santo, na criação diante de nós uma figura marcante de Cristo - verdadeiro tabernáculo-não poderia omitir aquela fase do Seu caráter, que constituía o fundamento da Sua conexão com o Seu corpo, a Igreja, do Seu direito ao trono de Davi, e a liderança de toda a criação. Em uma palavra, Ele não só se desenrola o Senhor Jesus ao nosso ponto de vista, nestas cortinas significativas, como um homem impecável, um homem real, mas também um homem sofrimento; aquele que, pela morte, deve fazer boas Suas reivindicações a tudo o que a que, como homem, Ele tinha o direito, nos conselhos divinos.

Mas temos muito mais nas cortinas do tabernáculo do que as fases variadas e perfeitas do caráter de Cristo. Temos também a unidade ea coerência desse personagem. Cada fase é apresentada na sua própria perfeição adequada; e nunca interfere com, ou estraga a beleza requintada de, outro. Tudo estava em perfeita harmonia sob o olhar de Deus, e foi por isso exibida na "o modelo que foi mostrado a Moisés no monte", e na cópia que foi exibido abaixo. "Cada uma das cortinas serão da mesma medida Os cinco serão enlaçadas, cada uma à outra;. E outras cinco serão enlaçadas um para outro." Tal era a justa proporção e consistência em todos os caminhos de Cristo, como um homem perfeito, caminhar sobre a terra, sob qualquer aspecto ou relacionamento que vê-lo. Ao agir em um personagem, nunca encontramos deveria isto é, no mínimo grau, incompatíveis com a integridade divina de outro. Ele era, em todos os momentos, em todos os lugares, em todas as circunstâncias, o homem perfeito. Não havia nada fora dessa proporção justa e encantador que pertencia a Ele, em todos os seus caminhos. "Cada uma das cortinas serão da mesma medida."

Os dois conjuntos de cinco cortinas cada um pode simbolizar os dois aspectos grandiosos do caráter de Cristo, como agir para com Deus e para com o homem. Temos os mesmos dois aspectos na lei, a saber, o que era devida a Deus, e o que era devido ao homem; para que, como a Cristo, se olharmos para dentro, encontramos "a tua lei está dentro do meu coração" e se olharmos para o Seu caráter para fora e caminhada, vemos esses dois elementos ajustado com precisão perfeita, e não apenas corrigidos, mas inseparavelmente ligados entre si pela graça celestial e energia divina que habitava Sua mais gloriosa Pessoa.

"E farás laçadas de azul na orla de uma cortina, a partir do selvedge no acoplamento, e também farás na orla da última outra cortina, no acoplamento do segundo .... E tu. fazer cinqüenta colchetes de ouro, e par as cortinas, juntamente com os colchetes, e será um tabernáculo ". Temos aqui apresentado para nós, nos" laços de azul ", e" colchetes de ouro ", isto celeste graça e divina energia em Cristo que lhe permitiu combinar e ajustar perfeitamente as reivindicações de Deus e do homem; para que na resposta a tanto um quanto o outro, Ele nunca, por um momento, marcado a unidade de Seu caráter. Quando os homens astutos e hipócritas O tentou com a pergunta: "É lícito pagar tributo a César, ou não?" Sua resposta sábia era: "Dai a César o que é de César, ea Deus o que é de Deus."

Também não era meramente César, mas o homem em cada relação que tinha todas as suas reivindicações perfeitamente cumpridas em Cristo. Como Ele uniu em sua pessoa perfeita da natureza de Deus e do homem, para que Ele se encontrou na sua, formas perfeitas as reivindicações de Deus e do homem. O mais interessante seria para detectar, através da narrativa do evangelho, a exemplificação do princípio sugerido pelas "laçadas de azul", e "colchetes de ouro"; mas devo deixar o meu leitor a prosseguir este estudo sob a orientação imediata do Espírito Santo, que se deleita em discorrer sobre cada característica e cada fase desse Uma perfeita quem é o Seu propósito invariável e objeto indivisível para exaltar.

As cortinas em que temos vindo a habitação foram cobertos com outras "cortinas de pêlos de cabras"; (Ver. 7-14) Sua beleza estava escondida daqueles sem pelo que rugosidade bespoke e gravidade. Este último não cumprir a visão daqueles dentro. Para todos os que tiveram o privilégio de entrar no sagrado recinto nada era visível salvar "a azul, a púrpura, o carmesim, e de linho fino torcido", a variada exposição ainda combinada das virtudes e excelências de que Tabernáculo divina na qual Deus habitou dentro do véu - isto é, de Cristo, através de cuja carne, o protótipo de tudo isso, as vigas da natureza divina brilhou tão delicada, que o pecador poderia contemplar sem ser oprimido por seu brilho ofuscante.

Como o Senhor Jesus passou ao longo desta terra, como poucos realmente conheciam! Como poucos tinham olhos ungidos com colírio celestial para penetrar e apreciar o mistério profundo de Seu caráter! Como poucos viram "o azul, a púrpura, o carmesim eo linho fino torcido!" Foi só quando a fé trouxe o homem à Sua presença que Ele nunca permitiu que o brilho do que ele estava a brilhar - nunca permitiu a glória de romper a nuvem. Aos olhos da natureza não parece ter sido uma reserva e uma gravidade sobre Ele, que foram apropriadamente prefigurado pela "cobertura de pêlos de cabra." Tudo isso foi o resultado de Sua profunda separação e do afastamento, não de pecadores pessoalmente, mas a partir dos pensamentos e máximas dos homens. Ele não tinha nada em comum com o homem como tal, nem era dentro do compasso de mera natureza de compreender ou desfrutá-Lo. "Nenhum homem", disse ele, "pode vir a mim, se o Pai que me enviou não o trouxer;" e quando um daqueles "desenhadas" confessou o Seu nome, Ele declarou que "carne e sangue não revelou a ti, mas meu Pai que está nos céus." (Comp. João 6:44João 6:44 ; Matthew 06:17Mateus 06:17 ) Ele era "uma raiz de uma terra seca", não tendo "forma nem formosura" para atrair os olhos ou satisfazer o coração do homem. A corrente popular nunca poderia fluir na direção de alguém que, como ele passou rapidamente pelo palco deste mundo vão, Se envolveu-se em uma "cobertura de pêlos de cabra." Jesus não era popular. A multidão pode segui-lo por um momento, porque o Seu ministério ficou ligado, em seu julgamento, com "pães e dos peixes" que se reuniu a sua necessidade; mas eles estavam tão prestes a chorar: "Fora com ele!" como "Hosana ao Filho de Davi!" Oh! Que os cristãos lembrar disso! Deixe os servos de Cristo lembrar! Que todos os pregadores do evangelho lembrar! Vamos todos e cada um de nós nunca procuramos ter em mente a "

cobrindo uma pele de cabra! "

Mas se as cabras 'skins expressa a gravidade da separação de Cristo da terra ", os carneiros peles tingidas de vermelho" exibem Sua consagração intenso e dedicação a Deus, o que foi realizado até a morte . Ele foi o único perfeito Servo que já estava na vinha de Deus. Ele tinha um objeto que ele prosseguido, com um curso invariável, da manjedoura à cruz, e que era para glorificar o Pai e completar a sua obra. "Não sabeis que me convém tratar dos negócios de meu Pai" era a língua de sua juventude, e a realização desse "negócio" foi o desenho de sua vida. "Sua comida era fazer a vontade daquele que o enviou e realizar a sua obra." "Os carneiros peles tingidas de vermelho" formado como distinta parte do Seu hábito comum como os "cabritos" cabelo ". Sua devoção perfeita a Deus o separava os hábitos dos homens.

"Peles Os texugos" pode apresentar-nos a vigilância benta com que o Senhor Jesus guardado contra a abordagem de tudo hostil ao fim que absorvido toda a sua alma. Ele assumiu sua posição por Deus, e segurou-a com uma tenacidade que nenhuma influência de homens ou demônios, Terra ou do inferno, poderia superar. A coberta de peles de texugos era "acima", (ver. 14), ensinando-nos que a característica mais proeminente no caráter de "o homem Jesus Cristo" foi uma determinação invencível para servir de testemunha de Deus na Terra. Ele era o verdadeiro Nabote, que deu a Sua vida, em vez de entregar a verdade de Deus, ou desistir daquele para o qual ele tinha tomado o seu lugar neste mundo.

A cabra, o carneiro, eo texugo, devem ser consideradas como apresentando certas características naturais, e também como simbolizando certas qualidades morais; e temos de tomar em consideração tanto em nossa aplicação destes valores para o caráter de Cristo. O olho humano só podia discernir o primeiro. Ele podia ver nada da moral graça, beleza e dignidade, que estava sob a forma externa do Jesus desprezado e humilde de Nazaré. Quando os tesouros da sabedoria celestial fluía de Seus lábios, a pergunta era: "Não é este o carpinteiro?" ou "Como sabe este letras, sem nunca ter aprendido?" Quando Ele afirmou Sua filiação eterna e divindade, a palavra foi: "Tu és ainda não cinqüenta anos de idade", ou "Eles pegaram em pedras para lhe atirarem." Em suma, o reconhecimento dos fariseus, em John 9: 1-41João 9: 1-41 , era verdade em referência a homens em geral. "mas quanto a este, não sabemos donde é."

Seria completamente impossível, no compasso de um volume como este, para rastrear os desdobramentos desses recursos preciosos do caráter de Cristo através das narrativas evangélicas. Suficiente foi dito para abrir fontes de pensamento espiritual ao meu leitor, e para fornecer uma pálida idéia dos ricos tesouros que são embrulhados em as cortinas e revestimentos do tabernáculo. ser de Cristo escondido, molas secretas e excelências inerentes - Sua forma exterior e pouco atraente - o que Ele era em si mesmo, o que Ele era Godward, eo que Ele era manward - o que ele era no julgamento de fé, e que no julgamento do natureza - tudo é doce e impressionantemente disse para o ouvido circuncidado, no "cortinas de azul, púrpura, carmesim e linho fino torcido`: 'e as "coberturas de peles".

"As tábuas para o tabernáculo" foram feitas da mesma madeira que foi usada na construção de "a arca da aliança". Além disso, eles foram confirmadas pelas bases de prata formados a partir da expiação; seus ganchos e capitéis sendo da mesma. (Compare com atenção Êxodo 30: 11-16Êxodo 30: 11-16 , com Êxodo 38: 25-28Êxodo 38: 25-28 ) Toda a estrutura da tenda do tabernáculo foi baseado em que falou de expiação ou resgate, enquanto os "ganchos e capitéis" no topo estabelecido o mesmo. As tomadas foram enterrados na areia, e os ganchos e capitéis estavam acima. Não importa o quão profundo você penetrar, ou o quão alto você subir, que a verdade gloriosa e eterna é estampada antes de você ", eu já achei resgate." Bendito seja Deus, "não estamos com coisas corruptíveis, como prata ou ouro, ...... Mas com o precioso sangue de Cristo, como de um cordeiro sem defeito e sem mancha."

O tabernáculo foi dividido em três partes distintas, a saber, "o santo dos santos", "lugar santo", e o átrio do tabernáculo. A entrada em cada um deles foi com os mesmos materiais, "azul, púrpura, carmesim, e linho fino torcido." (Compare Êxodo 26:36Êxodo 26:36 ; Êxodo 27:16Êxodo 27:16 ). A interpretação é simplesmente esta: formas Cristo a única porta de entrada para os campos variados de glória que estão ainda a ser apresentados, quer na terra, no céu, ou no céu dos céus. "Cada família, no céu e terra", será variou sob Sua liderança, como todos serão trazidos para felicidade eterna e glória, na terra de Sua expiação realizado. Este é bastante clara e precisa, nenhum esforço de imaginação para compreendê-lo. Sabemos que é verdade: e quando nós sabemos a verdade, que é prefigurado, a sombra é facilmente compreensível. Se apenas os nossos corações se encham de Cristo, não deve ir longe extraviado em nossas interpretações do tabernáculo e seu mobiliário. Não é uma cabeça cheia de críticas aprendi que vai nos beneficiar muito aqui, mas um coração cheio de carinho por Jesus, e uma consciência em repouso no sangue da sua cruz.

Que o Espírito de Deus nos permitir estudar estas coisas com mais interesse e inteligência! Que Ele possa "abrir nossos olhos para que veja as maravilhas da sua lei."   

 

 

 

          Notas de CH Mackintosh no Pentateuco

                               Exodus 27  versículos 1-21

Temos agora chegou ao altar de bronze que ficava à porta da tenda; e gostaria de chamar a atenção mais especial da minha leitor para a ordem do Espírito Santo nesta parte do nosso livro. Nós já comentou que a partir de Êxodo 25: 1-40 de Êxodo 27:19 , forma uma divisão distinta, em que estão equipados com uma descrição da arca e propiciatório, a mesa e candeeiro, as cortinas e o véu; e, por último, o altar de bronze e o tribunal em que esse altar estava. Se o meu leitor se voltar para Êxodo 35:15 ; Êxodo 37:25 ; Êxodo 40:26 , ele irá observar que o altar de ouro do incenso é notado, em cada um dos três casos, entre o candelabro e o altar de bronze. Considerando que, quando o Senhor está dando indicações para Moisés, o altar de bronze é introduzido imediatamente após o candelabro e as cortinas do tabernáculo. Agora, na medida em que deve haver uma razão divina para esta diferença, é privilégio de todo estudante diligente e inteligente da palavra para perguntar o que isso é.

Por que, então, que o Senhor, ao dar instruções sobre o mobiliário do "lugar santo", omitir o altar do incenso e passar para o altar de bronze que ficava à porta da tenda? A razão, creio eu, é simplesmente isso. Ele primeiro descreve o modo em que ele iria manifestar-se para o homem; e, em seguida, ele descreve o modo de abordagem do homem para Ele. Ele tomou o seu assento no trono, como "o Senhor de toda a terra." Os raios de Sua glória estavam escondidos atrás do véu - tipo de carne de Cristo ( Hebreus 10:20 ); mas houve a manifestação de Si mesmo, em conexão com o homem, como em "a mesa pura", e pela luz e pela força do Espírito Santo, como no candelabro. Então nós temos a personagem manifesta de Cristo como um homem aqui na terra, como visto nas cortinas e revestimentos do tabernáculo. E, finalmente, temos o altar de bronze como a grande exposição do local de encontro entre um Deus santo e pecador. Isso nos conduz, por assim dizer, ao ponto extremo, a partir do qual voltamos, em companhia de Arão e seus filhos, de volta para o lugar santo, a posição sacerdotal comum, onde ficava o altar de ouro do incenso. Assim, a ordem é impressionantemente bonito. O altar de ouro não é falado até que haja um sacerdote para queimar incenso, porque o Senhor mostrou a Moisés as figuras das coisas nos céus de acordo com a ordem em que essas coisas são para ser apreendido pela fé. Por outro lado, quando Moisés dá instruções às congregações ( Êxodo 35: 1-35 ), quando ele registra os trabalhos de "Bezalel e Aoliabe," ( Êxodo 37: 1-29 e Êxodo 38: 1-31 ), e quando ele configura o tabernáculo ( Êxodo 40: 1-38 ), ele segue a ordem simples em que o mobiliário foi colocado.

A investigação orante este assunto interessante, e uma comparação das passagens acima referidas, será amplamente pagar meu leitor. Vamos agora examinar o altar de bronze.

Este altar era o lugar onde o pecador se aproximou de Deus, no poder e eficácia do sangue da expiação. Ele ficou "à porta do tabernáculo da tenda da congregação", e sobre ele todo o sangue foi derramado. Era composta de "madeira de acácia e de bronze." A madeira era a mesma que a do altar dourado de incenso; mas o metal era diferente, ea razão desta diferença é óbvia. O altar de bronze era o lugar onde o pecado foi tratado de acordo com o julgamento divino que lhe diz respeito. O altar de ouro foi o lugar de onde o precioso perfume de aceitabilidade de Cristo subiu ao trono de Deus. A acácia madeira "como a figura da humanidade de Cristo, deve ser a mesma em cada caso, mas no altar de bronze vemos Cristo reunião o fogo da justiça divina; no altar de ouro, que contemplá-Lo alimentar os afetos divinos no antigo. ., o fogo da ira divina foi extinta, nesta última, o fogo de culto sacerdotal, se acendeu a alma se deleita em encontrar Cristo em ambos, mas o altar de bronze é o que atende a necessidade de uma consciência culpada é a própria. primeira coisa para um pobre, desamparado, necessitado pecador, condenado. não pode ser resolvida paz, em referência à questão do pecado, até que os olhos da fé repousa sobre Cristo como o protótipo do altar de bronze. preciso ver meu pecado reduzido a cinzas no pan do altar, antes que eu possa desfrutar de descanso de consciência na presença de Deus. é quando eu sei, pela fé no registro de Deus, que Ele mesmo tem lidado com o meu pecado na Pessoa de Cristo, pelo o altar de bronze - que ele satisfez todas as suas próprias reivindicações justas - que ele colocou o meu pecado de Sua santa presença, de modo que ela nunca pode voltar novamente - é, em seguida, mas não até então, que eu possa desfrutar divina e paz eterna.

Gostaria aqui oferecem uma observação quanto ao significado real do "ouro" e "bronze" no mobiliário do tabernáculo. "Gold" é o símbolo da justiça divina, ou a natureza divina em "Cristo Jesus, homem." "Bronze" é o símbolo da justiça, exigindo julgamento do pecado, como no altar de bronze; ou o julgamento da impureza, como na bacia de bronze. Isto irá contabilizar o facto

dentro da tenda do tabernáculo, tudo era de ouro - a arca, o propiciatório, a mesa, o candelabro, o altar do incenso. Todos estes foram os símbolos da natureza divina - a excelência pessoal inerente do Senhor Jesus Cristo, por outro lado, do lado de fora da tenda do tabernáculo, - tudo era de bronze - o altar de bronze e de seus vasos, a pia ea sua pé.

As reivindicações de justiça, como do pecado e impureza, deve ser divinamente satisfeitas antes que possa haver qualquer apreciação dos mistérios preciosos da pessoa de Cristo, como se desenrolou no santuário interior de Deus. É quando eu vejo todo pecado e toda a impureza perfeitamente julgados e lavados, que eu posso, como sacerdote, aproxime-se e culto no lugar santo, e apreciar a exposição completa de toda a beleza e excelência do Deus-homem, Cristo Jesus.

O leitor pode, com muito proveito, siga a aplicação deste pensamento em detalhe, não apenas no estudo do tabernáculo e do templo, mas também em várias passagens da palavra; por exemplo, no primeiro capítulo do Apocalipse, Cristo é visto "cingido pelos peitos com um ouro cinto", e ter "os seus pés, semelhantes a multa de bronze , como se queimado em um forno." "O cinto de ouro" é o símbolo da Sua justiça intrínseca. Os "pés, semelhantes a latão," expressam o julgamento absoluto do mal - Ele não pode tolerar o mal, mas deve esmagá-lo sob seus pés.

Tal é o Cristo com quem temos de fazer. Ele julga o pecado, mas Ele salva o pecador. A fé vê o pecado reduzido a cinzas no altar de bronze; vê toda a impureza lavados na pia de bronze; e, por fim, é goza de Cristo, como Ele é desdobrada, no segredo da presença divina, pela luz e pela força do Espírito Santo. Ele encontra-Lo no altar de ouro, em todos o valor da sua intercessão. Alimenta-se a ele numa mesa pura. Ele reconhece ele na arca e propiciatório como Aquele que responde a todas as exigências da justiça, e, ao mesmo tempo, atende a todas as necessidades humanas. Ele contempla-Lo no véu, com todas as suas figuras místicas. Lê Seu nome precioso em tudo. Oh! para um coração para prêmio e elogios este incomparável, Cristo glorioso!

Nada pode ser de importância mais vital do que uma compreensão clara da doutrina do altar de bronze; isto é, da doutrina ensinado lá. É a partir da falta de clareza quanto a isso, que muitas almas vão luto todos os seus dias. Eles nunca tiveram uma solução limpa, completa de toda a questão de sua culpa no altar de bronze. Eles nunca realmente viu, pela fé, o próprio Deus se decidir sobre a cruz, toda a questão de seus pecados. Eles estão buscando a paz para suas consciências inquietas na regeneração e suas evidências, - os frutos do Espírito, quadros, sentimentos, experiências, - as coisas muito certas e mais valiosos em si mesmos, mas eles não são o fundamento da paz. O que enche a alma de paz perfeita é o conhecimento de que Deus operou no altar de bronze. As cinzas em pan lá me contar a história que dá a paz que tudo está feito pecados do crente foram todos repudiada pela própria mão do amor redentor de Deus. "Ele fez Cristo pecado por nós, que não conheceu pecado, para que nele fôssemos feitos justiça de Deus nele." ( 2 Coríntios 5: 1-21 ) Todo pecado deve ser julgado, mas pecados do crente já foram julgados na cruz; Por isso, ele é perfeitamente justificada. A supor que poderia haver nada contra o crente muito mais fraco, é negar toda a obra da cruz. Seus pecados e iniqüidades ter sido tudo guardado pelo próprio Deus e, portanto, eles devem necessidades perfeitamente ser posta de lado. Foram todos com a vida derramado do Cordeiro de Deus.

Caro leitor cristão, ver que seu coração está completamente estabelecida na paz que Jesus fez "pelo sangue da sua cruz."        

 

 

 

       Notas de CH Mackintosh no Pentateuco

                                        Êxodo cap.28

                                       versículos 1-43

Estes capítulos desdobrar-nos o Sacerdócio, em todo o seu valor e eficácia. Eles estão cheios de profundo interesse. A própria palavra "sacerdócio" desperta no coração, sentimentos do gratidão mais profunda a graça que tem proporcionado não só uma maneira para nós para entrar na presença divina, mas também os meios de nos manter lá, de acordo com o caráter e alegações de que a posição elevada e santa.

O sacerdócio Aarônico foi provisão de Deus para um povo que estava, em si, a uma distância, e precisava de um a aparecer para eles em Sua presença continuamente. Somos ensinados em Hebreus 7: 1-28 , que esta ordem de sacerdócio pertencia à lei - que foi feito "após a lei de um mandamento carnal" - que "não poderia continuar por motivo de morte" - que os sacerdotes pertencente ao que tinha enfermidade. Não poderia, portanto, conferem perfeição, e, portanto, temos de louvar a Deus porque ele foi instituído "sem juramento." O juramento de Deus só podia ficar conectado com o que foi que subsista para sempre, mesmo o perfeito, imortal sacerdócio, untransferrable do nosso grande e glorioso Melquisedeque, que transmite, tanto para o Seu sacrifício e sacerdócio, todo o valor, a dignidade, e da glória da sua própria Pessoa inigualável. O pensamento de ter um tal sacrifício e tal Priest como Ele faz com que o seio para levantar com as emoções das mais animadas gratidão.

Mas devemos proceder ao exame dos capítulos que estão diante de nós.

No capítulo 28, temos as vestes, e no capítulo 29, temos os sacrifícios. Os primeiros têm referência mais especial para a necessidade das pessoas; o último; Por outro lado, para as reivindicações de Deus. As vestes expressar as funções variadas e qualidades do ofício sacerdotal. "O éfode" foi o grande manto sacerdotal. Foi inseparavelmente ligados com os ombreiras eo peitoral, ensinando-nos, muito claramente, que a força do ombro do padre, ea afeição do coração do sacerdote, eram inteiramente dedicado aos interesses daqueles a quem ele representava, e em cujo nome que ele usava o éfode - esse manto sacerdotal especial. Este, que foi tipificado em Arão, se realiza em Cristo. Sua força onipotente e infinito amor são nossos - nosso eternamente - o nosso, sem dúvida. O ombro que sustenta o universo, sustenta o membro mais fraco e mais obscuro da congregação comprado pelo sangue. O coração de Jesus bate com um carinho eterno, com uma eterna e de um amor todo-duradoura para o membro mais negligenciada do conjunto remidos.

Os nomes das doze tribos gravados nas pedras preciosas, foram suportados tanto nos ombros e no peito do sumo sacerdote. (Veja ver. 9-12, 15-29.) A excelência peculiar de uma pedra preciosa é visto no fato de que quanto mais intensa a luz que é exercida sobre ele, o mais brilhante que brilha. Luz nunca pode fazer uma preciosa dim olhar de pedra; ele só aumenta e desenvolve o seu brilho. As doze tribos, tanto um como o outro, a menor, bem como o maior, foram suportados continuamente sobre o peito e ombros de Aaron diante do Senhor. Eles foram, cada um, mantidos na presença divina, em tudo o que o brilho undimmed e beleza inalterável que pertencia à posição em que a graça perfeita do Deus de Israel lhes tinha definido. As pessoas foram representadas perante Deus pelo sumo sacerdote. Qualquer que seja suas enfermidades, seus erros, ou suas falhas, mas seus nomes brilharam no peitoral com brilho infalível. O Senhor tinha configurá-los lá, e quem poderia arrancá-las dali? O Senhor deu-lhes assim, e quem poderia colocá-los de outra forma? Quem poderia penetrar no lugar santo para arrebatar do peito de Arão, o nome de uma das tribos de Israel? Quem poderia manchar o brilho que se reuniram em volta esses nomes, na posição que o Senhor lhes tinha colocado? Nenhum. Eles estava além do alcance de todos os inimigos - além da influência de todo o mal.

Como encorajador e consolador é para os tentados, esbofeteados, e as crianças auto-humilhado de Deus para lembrar que Deus só vê-los no coração de Jesus, em sua opinião, eles sempre brilhar em todo o esplendor de Cristo; eles estão vestidos de beleza divina. O mundo não pode vê-los assim; mas Deus faz, e isso faz toda a diferença. Homens, em olhar para o povo de Deus, veja só as suas manchas e manchas. Eles não têm capacidade alguma para ver mais longe, e como consequência, o seu julgamento é sempre errado - sempre unilateral. Eles não podem ver as jóias cintilantes, com os nomes dos remidos de Deus, gravada pela mão do amor imutável. É verdade que os cristãos devem ter muito cuidado para não fornecer os homens do mundo com toda a ocasião apenas para maldizer. Eles devem procurar ", com perseverança em fazer o bem, para emudecer a ignorância dos homens insensatos". Se apenas eles entraram, pelo poder do Espírito Santo, para a beleza em que sempre brilhará, na visão de Deus, seria certamente levar a uma caminhada de santidade prática, pureza moral, e elevação, diante dos olhos dos homens. Quanto mais claramente entramos, pela fé, na verdade objetiva, ou o que é verdade para nós em Cristo, o mais profundo, mais experimental, e prática será a obra subjetiva em nós e quanto mais completa será a exposição do efeito moral nossa vida e caráter.

Mas, graças a Deus, nosso julgamento não está com os homens, mas com Ele, e Ele graciosamente nos mostra nosso grande sumo sacerdote ", tendo o nosso juízo sobre o seu coração diante do Senhor continuamente". Isto dá a paz profunda e estabeleceu-se - uma paz que nada pode abalar. Nós podemos ter que confessar e lamentar nossos fracassos constantes e curto-vindas; o olho pode, às vezes, ser tão esmaecido com as lágrimas de um arrependimento genuíno como ser, mas pouco capaz de capturar o brilho das pedras preciosas em que nossos nomes estão gravadas, ainda lá estão eles o tempo todo. Deus vê-los, e isso é suficiente. Ele é glorificado por seu brilho - a luminosidade não são de nossa consecução, mas de Sua imparting. Tivemos nada, exceto escuridão, dulness, e deformidade. Ele transmitiu o brilho, brilho e beleza. A ele seja todo o louvor, ao longo dos tempos eternos!

"O cinto" é o símbolo bem conhecido de serviço e Cristo é o perfeito Servo - Servo dos conselhos e afeições divinas, bem como da necessidade profunda e colector de Seu povo. Com um espírito sincero de dedicação, que nada poderia amortecer, Ele cingiu-se para a Sua obra; e quando a fé vê o Filho de Deus, portanto, cingidos, os julga, certamente, que nenhuma ocasião pode ser grande demais para ele. Nós encontramos, a partir do tipo antes de nós, que todas as virtudes, as dignidades, e as glórias de Cristo, na Sua natureza divina e humana, entrar plenamente em Seu caráter servo. "O cinto curioso do éfode, que estará sobre ele, será da mesma, de acordo com o trabalho dos mesmos até de ouro, de linho fino torcido azul, púrpura, e carmesim, e multa." (Verso 8.) A fé desta deve atender todas as necessidades da alma, e satisfazer os desejos mais ardentes do coração. Nós não só ver a Cristo como vítima morto no altar de bronze, mas também como o cingidos grande sacerdote sobre a casa de Deus. Bem, apóstolo, portanto, que o inspiraram dizer,

"Aproximemo-nos," - "retenhamos firmemente," - "vamos considerar um ao outro." ( Hebreus 10: 19-24 .)

"E tu porás no peitoral do juízo o Urim eo Tumim (" luzes e perfeições, ") e que estejam sobre o coração de Arão, quando entrar diante do Senhor; e Arão levará o juízo dos filhos de Israel sobre o seu coração diante do Senhor continuamente ". Aprendemos com várias passagens da Palavra, que o "Urim" ficou conectado com a comunicação da mente de Deus, em referência às várias questões que surgiram nos detalhes da história de Israel. Assim, por exemplo, na nomeação de Josué, lemos: "E ele se apresentará perante Eleazar, o sacerdote, o qual por ele consultará,, após o julgamento do Urim, perante o Senhor. " ( Números 27:21 ). "E de Levi disse: Sejam teu Tumim e teu Urim (tuas perfeições e as tuas luzes) ser o teu homem santo..... Ensinará Jacob julgamentos teus, e tua lei Israel". ( Deuteronômio 33: 8-10 .) "E quando consultou Saul ao Senhor, o Senhor não lhe respondeu, nem por sonhos, nem por Urim, nem por profetas." ( 1 Samuel 28: 6 .) "E governador lhes intimou que não comessem das coisas sagradas, até que se levantasse um sacerdote com Urim e Tumim." ( Esdras 2:63 ). Assim, aprendemos que o sumo sacerdote não só suportou o julgamento da congregação, perante o Senhor, mas também comunicou o julgamento do Senhor para a congregação - funções solenes, pesadas, e mais preciosos! Tudo isso nós, na perfeição divina, na nossa "grande sumo sacerdote que penetrou os céus." Ele carrega o julgamento do seu povo em seu coração continuamente; e Ele, pelo Espírito Santo, nos comunica o conselho de Deus, em referência às circunstâncias mais minuciosos do nosso curso diário. Nós não queremos sonhos ou visões; se só nós andar no Espírito, que goza de todos a certeza de que o perfeito "Urim", sobre o peito de nosso Sumo Sacerdote, pode pagar.

"E tu farás o manto do éfode todo de azul.... E por baixo, em cima da bainha dele, farás romãs de azul, e de púrpura, e de carmesim, ao redor da bainha dos mesmos e campainhas de ouro entre redor deles. um sino de ouro e uma romã, uma campainha de ouro e uma romã, haverá nas abas do manto ao redor e estará sobre Arão para ministrar, e seu som deve ser ouvido quando ele entrar para o Santo colocar diante do Senhor, e quando ele sai, para que não morra. " (Ver. 31-35.) O manto azul do éfode é expressivo do caráter totalmente celeste de nosso Sumo Sacerdote. Ele foi para o céu, Ele está além do alcance da visão mortal; mas, pelo poder do Espírito Santo, não há testemunho divino à verdade do seu ser vivo, na presença de Deus; e não apenas testemunho, mas fruto da mesma forma. "Um sino de ouro e uma romã, uma campainha de ouro e uma romã." Essa é a ordem bela. Verdadeiro testemunho da grande verdade de que Jesus vive sempre para interceder por nós serão inseparavelmente ligados com fecundidade em Seu serviço. Oh! para uma compreensão mais profunda desses mistérios preciosos e sagrados! *

{* É desnecessário observar que existe adequação divina, bem como significância, em todas as figuras apresentadas a nós na Palavra. Assim, o "romã", quando aberta, é encontrado para consistir de um certo número de sementes, contida num vermelho fluido. Certamente isso tem uma voz. Vamos espiritualidade, não imaginação, juiz.}

"Também farás uma lâmina de ouro puro, e nela como a gravura de um selo, Santidade ao Senhor. E porás em um cordão azul, que pode ser na mitra, bem na frente do mitra estará e estará sobre a testa de Arão, e Arão levará a iniqüidade das coisas santas, que os filhos de Israel consagrarem em todas as suas santas;. e estará continuamente na sua testa, para que eles possam ser aceito diante do Senhor. " (Ver. 36-38.) Aqui está uma verdade importante para a alma. A placa dourada na testa de Aaron era o tipo de santidade essencial do Senhor Jesus Cristo. "Será continuamente na sua testa, para que eles sejam aceitos diante do Senhor." O descanso para o coração em meio a todas as flutuações da própria experiência! Nosso Sumo Sacerdote é "sempre" na presença de Deus por nós. Estamos representados por, e aceito em,-Lo. Sua santidade é nossa. Quanto mais profundamente se familiarizar com a nossa própria vileza pessoal e enfermidade, mais entramos na verdade humilhante que em nós habita bem nenhum, o mais fervor devemos abençoar o Deus de toda graça da verdade que sustenta a alma contida nestes palavras, "ele estará continuamente na sua testa, para que eles sejam aceitos diante do Senhor".

Se o meu leitor deve acontecer de ser um que é frequentemente tentados e assediado por dúvidas e medos, altos e baixos em sua condição espiritual, com uma tendência constante de olhar para dentro sobre sua pobre vagando coração, frio,, rebelde; Se ele fosse julgado com um carácter demasiado vago e falta de realidade sagrada - oh! deixá-lo ficar toda a sua alma sobre a preciosa verdade que este grande Sumo Sacerdote representa-lo diante do trono de Deus. Deixá-lo corrigir o olho em cima da placa de ouro e ler, na mesma inscrição, a medida da sua aceitação eterna com Deus. Que o Espírito Santo lhe permitem saborear a doçura peculiar e poder de sustentação dessa doutrina divina e celestial!

"E para os filhos de Arão farás túnicas, e os farás para eles cintos, e capotas farás para eles, para glória e beleza e os farás calções de linho para cobrir sua nudez E estarão sobre Arão e sobre seus filhos, quando entrarem na tenda da congregação, ou quando chegarem ao altar para ministrar no lugar santo, para que não suportar a iniqüidade e morrer ". Aqui temos Arão e seus filhos, tipificando Cristo e da Igreja, que está no poder de uma justiça divina e eterna. vestes sacerdotais de Arão expressar essas qualidades inerentes, essenciais, pessoais e eterna em Cristo; enquanto os "casacos" e "capotas" dos filhos de Aarão representam as graças com que a Igreja é dotado, em virtude de sua associação com o grande chefe da família sacerdotal.

Assim, em tudo o que se passou antes de nós neste capítulo, podemos ver com que cuidados gracioso Senhor fez provisão para a necessidade do seu povo, em que Ele permitiu que eles para ver o que estava prestes a agir em seu nome, e representá-los na sua presença, vestido com todas essas vestes que se reuniu directamente a sua condição real, como é conhecido a Ele. Nada foi deixado de fora que o coração poderia possivelmente necessidade ou desejo. Eles podem levantar-lo da cabeça aos pés e ver que tudo estava completa. Desde a mitra santa que envolta a testa, os sinos e romãs na orla do seu manto, tudo estava como deveria ser, porque tudo estava de acordo com o padrão mostrado no monte - tudo estava de acordo com a estimativa da necessidade do povo de Jeová e de Suas próprias necessidades.

Mas ainda há um ponto relacionado com vestes de Arão o que exige do leitor atenção especial, e que é o modo em que o ouro foi introduzida na tomada deles. Este é-nos apresentado em Êxodo 39: 1-43 , mas a interpretação vem em adequadamente o suficiente neste lugar. "E bateram o ouro em lâminas delgadas, as quais cortaram em fios, para trabalhá-lo no azul, na púrpura, e entre o carmesim, e entre o linho fino de obra esmerada." (Ver. 3.) Nós já comentou que "o azul, a púrpura, o carmesim, e de linho fino torcido" exibem as várias fases da humanidade de Cristo, o ouro representa a Sua natureza divina. O fio de ouro foi curiosamente insinuou em todos os outros materiais, de modo a ser inseparavelmente conectado com, e ainda assim perfeitamente distinto de,-los.

A aplicação desta figura marcante para o caráter do Senhor Jesus é cheia de interesse. Em várias cenas, ao longo da narrativa do evangelho, podemos facilmente perceber esta união rara e bela de masculinidade e divindade, e, ao mesmo tempo, a sua misteriosa distinção.

Veja, por exemplo, para Cristo no mar da Galiléia. No meio da tempestade ", ele estava dormindo sobre um travesseiro" - exposição precioso da Sua humanidade perfeita! Mas, em uma span class = "T2"> momento, ele levanta-se da atitude de verdadeira humanidade em toda a dignidade e majestade de Deus, e, como o supremo Governador do universo, Ele silencia a tempestade e acalma o mar. Não há nenhum esforço, sem pressa, sem se preparando a si mesmo por uma ocasião. Com toda a facilidade, Ele levanta-se da condição da humanidade positiva para a esfera da Divindade essencial. O repouso do primeiro não é mais natural do que a actividade do último. Ele é tão perfeitamente em casa em um como no outro.

Mais uma vez, vê-lo no caso de os coletores de tributos; no final de Mateus 17: 1-27 . Como o "Deus Altíssimo, o Criador dos céus e da terra," Ele coloca a mão sobre os tesouros do oceano, e diz: "eles são meus"; e, tendo declarado que "o mar é dele e ele o fez:" Ele se vira e, na exposição de perfeita humanidade, Ele liga Si com o Seu pobre servo, por essas palavras emocionantes ", que levam e dão-lhes para mim e ti. " Palavras de graça! peculiarmente gracioso, quando tomado em conexão com o milagre tão completamente expressiva da divindade d'Aquele que estava ligando-se, assim, na infinita condescendência, com um pobre verme, débil.

Mais uma vez, vê-lo no túmulo de Lázaro. ( João 11: 1-57 ). Ele geme e chora, e esses gemidos e lágrimas de emissão das profundezas profundas de uma masculinidade perfeita - desde que o coração humano perfeito que sentia, como nenhum outro coração podia sentir, o que era para ficar na no meio de uma cena em que o pecado produziu frutos tão terríveis. Mas então, como a Ressurreição ea Vida, como Aquele que realizou em seu aperto onipotente "as chaves da morte e do inferno", ele grita: "Lázaro, vem para fora"; e a morte ea sepultura, que responde a Sua voz autoritária, escancarar as portas maciças e deixar ir o cativo.

A mente de meu leitor facilmente recorrer a outras cenas nos evangelhos ilustrativos da bela combinação do fio de ouro com "o, a púrpura, o carmesim eo linho fino torcido azul;" isto é, a união da divindade com a humanidade, na pessoa misteriosa do Filho de Deus. Não há nada de novo no pensamento. Tem sido frequentemente observado por aqueles que estudaram, com qualquer quantidade de cuidado, as Escrituras do Antigo Testamento.

É, no entanto, sempre edificante para ter o bendito Senhor Jesus introduziu a nossos pensamentos como "verdadeiro Deus e verdadeiro homem." O Espírito Santo, com "mão de obra astuto", operou os dois juntos e os apresentou à mente renovada do crente para ser apreciado e admirado. Que possamos ter corações para apreciar este tipo de ensino!

Vamos agora, antes de encerrar esta seção, procure um momento no capítulo 29.

FONTE WWW.AVIVAMENTONOSUL.COM