Translate this Page

Rating: 3.0/5 (902 votos)



ONLINE
6




Partilhe este Site...

 

 

<

Flag Counter


concilios de Jerusalem
concilios de Jerusalem

                                           CONCILIOS DE JERUSALEM 

   CONCILIOS DE JERUSALEM DESDE O PRIMEIRO DE ATOS 15.

 (Concilia Hierosolymitana). Muito depende, para determinar o número de conselhos realizados, sobre o significado do nome. . Temos espaço aqui só para os principais conselhos realizada em Jerusalém. Eles são,

 I. O primeiro concílio eclesiástico mencionado em Atos 15, que se acredita ter sido realizada durante o ano de 47, sob a Tiago, o Menor, bispo de Jerusalém, em conseqüência da disputa na Igreja de Antioquia sobre a propriedade de distribuição com a circuncisão ( provavelmente provocada por judaizantes). Através das decisões deste conselho, os fiéis receberam a ordem de se abster .

                                  Decretos do Concílio dos Apóstolos em Jerusalém

  

(Atos 15). Estas correspondem às seguintes proibições, "que se abstenham das contaminações dos ídolos, da prostituição, do que é sufocado e do sangue" ( Atos 15:20 ); ou, como é repetido ( Atos 15:29 ), "que vos abstenhais das carnes sacrificadas aos ídolos, e do sangue, e de coisas estranguladas, e de fornicação." Estes são declarados ( Atos 15:28 ) para ser proibições "necessárias". Esta necessidade (como o γάρ , "para," de Atos 15:21 Íntimos) reside no fato de que onde quer que os judeus residia a lei de Moisés foi lido, e, assim, os preceitos em questão eram tão profundamente impresso na mente das pessoas que podia. não tolerar o descaso deles pelos cristãos gentios. Em vez de colocar sobre os gentios a carga de toda a lei, e, consequentemente, da circuncisão, a convenção de apóstolos e anciãos resolveu impor-lhes apenas a recepção de certos preceitos individuais de fácil cumprimento. 

O objeto deste cânone era claramente nada, mas para atender, em certa medida as dificuldades dos cristãos judeus, e para levar os cristãos gentios a evitar qualquer coisa que possa provar ofensivo a seus irmãos judeus, caso contrário, de acordo com os usos e os preconceitos de educação existentes e casta, seria impossível para eles se associam em uma comunidade mista e igreja sem escândalo. Em tudo isso ficou claramente indicado que as proibições não eram absolutas; uma vez deixar os cristãos judeus ser mais completamente liberto das formas de OT, eo fim para o qual foram feitas essas regulamentações não existiria mais. Agora, o terreno em que estes pontos específicos foram levados à vista é explicado pela circunstância de que eles estavam acostumados a ser colocada sobre os prosélitos da Porta nos chamados "sete preceitos de Noé" (comp. Buxtorf, Lex. Rab. sv גֵּר , 407 sq.). 

Este, portanto, é a importação do arranjo, que os cristãos gentios não deve ser obrigado a tornar-se "prosélitos da justiça" pela circuncisão, mas apenas para viver como "prosélitos do portão." Aqueles dos sete preceitos de Noé,  que são aqui omitidos, viz. as relativas a blasfêmia, assassinato, roubo e sedição, era de tal natureza que era evidente para os cristãos que o como não poderia ter lugar entre eles; no presente dinstance não era tanto preceitos de caráter puramente moral que o necessário para ser trazido para a frente, como preceitos que se refere simplesmente à vida exterior. 

 1. que o "contaminações dos ídolos" ( ἀλισγήματα τῶν εἰδώλων ) são, portanto, deve ser entendido de um ato externo, viz. o comer da carne dos sacrifícios, é bastante grampo da expressão análoga, "as coisas sacrificadas aos ídolos" ( εἰδωλόθυτα , ídolos sacrifícios), no versículo paralelo. Tho distinção mais especial feito por Paulo em 1 Coríntios 10, entre tal carne de sacrifícios como foi comprada como qualquer outro no açougue e como foi comido no templo em um festival de ídolo, não é celebrado pela assembleia; eles interditar no sentido mais amplo todos comer dos sacrifícios porque os judeus se ofendeu com isso. 

 2. O mesmo é válido de comer sangue, e, o que é a mesma coisa, do que foi estrangulado, no qual o sangue coagulado permaneceu. Os judeus tinham a maior aversão ao sangue como alimento, que foi aterrada particularmente sobre Levítico 17: 10-11 , onde não se limitou a dizer que Jeová pôs o seu rosto contra o autor desse ato, mas o sangue também é representado como o suporte da alma (. comp Gênesis 9: 4 ), ou seja, da vida física, e é colocado em conexão com a propiciação, que só podem ser feitas por meio do derramamento de sangue ( Hebreus 9:22 ). Esta lei parece ter sido rigorosamente observados pela Igreja primitiva (Eusébio Hist. Ecl. 1 v.), E até mesmo na Idade Média, a liminar foi freqüentemente dado pelas autoridades espirituais para evitar a ingestão de sangue (especialmente na Igreja grega : ver cânon 67 do Concílio em Trullo em 692; na Igreja latina, Agostinho já entendeu direito, contr Faustum, 32:13)..

 . 3 A menção de fornicação ( πορνεία ) parece ser bastante estranha à natureza das outras injunções, e oposta à visão acima dessas ordenanças apostólicas. - Ele combina um preceito puramente moral com decretos que se referem apenas a questões de observância exterior . A emenda conjectural ( πορκείας , ou χοιρείας , para πορνείας , em ambas as passagens) que propõe a remissão desta cláusula para o consumo da carne de porco é negada pelo fato de que tal abstinência é a que aludem os preceitos de Noé; ea explicação forçada do prazo ( πορνεία para θυσία πορνική ), como aludindo a um sacrifício comprado pelo salário de prostituta, é suficientemente refutada pelo argumento de que este se refere a um estado de coisas tão grosseiramente pecaminoso como não poderia ser pensado de entre os cristãos. Sem dúvida, o único caminho correto é trazer à vista a uma maior liberdade de relações entre os sexos, que predominavam entre os gregos e romanos, que WAAS uma abominação para os mais graves judeus, e apareceu-lhes, na verdade, uma espécie de refinados de prostituição. 

Com a palavra em questão, portanto, que compreende não só as violações grosseiras do sétimo mandamento, mas também os pecados mais polidas desse tipo, os irmãos reunidos intimar sobre os cristãos pagãos maior cuidado e. circunspecção em suas relações com o sexo feminino, para que pudessem dar sem ofensa para os judeus cristãos (Olshausen, Comment. , em loc. 3, 336, Am. ed.). Outro motivo para a inserção deste castidade respeitando regra provavelmente foi a violação descarada da pureza que cada qual teve lugar em conexão com as festas pagãs, e constituiu uma razão adicional para um total desconexão com todos os ritos idólatras (Conybeare e Howson, São Paulo , 1: 217). Ver Schaff, Apost. Igreja, § 69; e fornicação..

 (1) a partir de carnes que tinham sido oferecidos aos ídolos (de modo a não ", mesmo que apareça a aprovar o culto dos pagãos),

 (2) a partir de sangue e coisas estranguladas (provavelmente para evitar ofender os preconceitos dos judeus convertidos), e

 (3) da prostituição (vice predominante dos gentios). 

 II. Em 335, quando muitos bispos se encontraram na cidade sagrada para consagrar a igreja do Santo Sepulcro, Constantino ordenou que um esforço deve ser feito para curar as divisões da Igreja. Foi por esse concílio que Arius foi restaurado à comunhão, e autorizado a regressar à Alexandria. Eusébio ( Vit. Const. 4, 47) pronuncia-se o maior ele sabia junto ao Conselho de Nice, com o qual ele mesmo compara.

 III. Uma em cada 349, por Máximo, bispo de Jerusalém, e cerca de sessenta bispos sobre o retorno de Atanásio (qv) de Alexandria, depois da morte de Gregory. Eles rescindiu o decreto que havia sido publicada contra ele, e elaborou uma carta sinodal à Igreja de Alexandria.

 IV. Realizada em 399, na sequência de uma carta sinodal de Teófilo de Alexandria sobre os decretos aprovados em conselho contra os Origenists. Eles concordaram em juízo, e declarou sua resolução de não manter comunhão com qualquer um que negou a igualdade do Pai e do Filho. 

 V. Em 453, na restauração de Juvenal, pelo imperador Marciano, para o bispado de Jerusalém (a partir do qual ele havia sido deposto por conta de sua concordância na opressão de Flaviano na Latrocinium em Éfeso), ea expulsão de Teodósio, um herege Eutychian, que se tornou bispo de lesar o Eudoxia imperatriz e os monges contra Juvenal (qv).

 VI. Realizada em 518, sob o patriarca João III, e composto por trinta e três bispos. Eles enviaram uma carta sinodal de João de Constantinopla indorsing as decisões do conselho daquela cidade, e condenou os Severians e Eutychians.

 VII. Sobre 536, sob patriarca Pedro, com a participação de quarenta e cinco bispos. Eles indorsed os atos do Concílio de Constantinopla (536), relativamente à deposição do patriarca Monothelite Anthymus ea eleição de Menai em seu lugar. Os Acephalists também foram condenados por eles.

 VIII. Realizada em 553, onde os atos do quinto concílio ecumênico de Constantinopla foram recebidos por todos os bispos da Palestina, com a exceção de Alexandre de Abilene, que foi, portanto, deposto.

 IX. Nos 634 Nesse conselho, o patriarca Sophronius dirigiu uma carta sinodal aos diferentes patriarcas, informando-os sobre a sua eleição, e exortando-os a se opor aos Monothelites.

 X. Em 1443, de acordo com Arsênio de Cesaréia, ordenando que nenhuma ordenação de um funcionário deve ser considerada válida se for realizada por um bispo em comunhão com Roma, a menos que o funcionário mostrou aos bispos ortodoxos a sua adesão à fé da Igreja grega.

 XI. Ao longe, o conselho mais importante realizado lá era o de 1672 Ele foi convocado pela Dositheus, na época patriarca de Jerusalém. Estiveram presentes cinqüenta e três prelados da sua diocese, incluindo o ex-patriarca Nectarius; seis metropolitanas, archimandrates, presbíteros, diáconos e monges. O conselho se chamava ἀσπις ὀρθοδοξίας r | ἀπολογία . Seu principal objetivo era erradicar o calvinismo, que ameaçou encontrar muitos adeptos entre este ramo da Igreja do Oriente, em que tinha sido introduzido por Cyrillus Lucaris. As declarações de crença apresentadas por este Conselho deu origem a problemas consideráveis ​​na Igreja Oriental. Muitos carregada com tendências Romanistic, especialmente porque evitou toda a palavra em pontos de diferença entre as duas igrejas; e alegou-se, também, que a sua confissão em oposição direta a confissão de Cyril. (Consulte Harduin, 11, 179;.. Kimmel, Eccles Libri Symbolici Orient) Ver Mansi, Supl. 1, coll. 271; Baronius, 4, Conc. p. 1588; 5, Conc. p. 275, 739; Mansi, observe a Raynaldus, 9, 420; Landon, cara. Conselhos , p. 271 sq .; Herzog, Real-Encyklopädie, 6, 501 sq.

  FONTE Cyclopedia of Biblical, Theological e Literatura Eclesiástica 1870