Translate this Page

Rating: 3.0/5 (907 votos)



ONLINE
2




Partilhe este Site...

 

 

<

Flag Counter


Didaque manual dos apostolos de ensino
Didaque manual dos apostolos de ensino

 

                    Didaqué historia manual dos apostolos

 

  1. . -Isso Ao mesmo tempo um livro chamado o Ensinamento ou Ensinamentos dos Apóstolos tinha uma extensa circulação nos círculos cristãos há muito era evidente antes da descoberta real de nenhum manuscrito . A natureza deste livro, tão estimada em certos meios, era uma questão de conjectura. Foi pensado por alguns como um outro nome para as Constituições Apostólicas . Outros, como o arcebispo Ussher, estavam certos de que ele deve ser um documento muito mais curto, omitindo muito do que a compilação mais tarde. Ele chegou a ser reconhecido que por trás de todo o desenvolvimento de obras como a Igreja Apostólica Portaria e as Constituições e Cânones Apostólica deve haver um original em comum. Uma tentativa de brilhante a reconstrução foi feita por Krawutzscky ( Theol. Quartalschrift , iii. [1882] pp. 359-445), que, a partir da matéria comum a estas duas obras, emoldurado um documento que antecipou com maravilhosa precisão a primeira parte do Didaqué , mas que ele chamou, depois de Rufino, Duœ Viae vel judicium Petri .

 

No momento em que este foi publicado, um manuscrito do Didache já tinha sido descoberto na biblioteca do mosteiro Jerusalém no Fanar ou bairro grego de Constantinopla, e foi dada ao mundo no final de 1883 por seu descobridor, Filoteu Bryennios , o Metropolita de Nicomédia. O manuscrito pertence ao século 11. Ele contém, além da Didaqué , seis outros escritos iniciais ou grupos de escritos, começando com Crisóstomo da Sinopse do Antigo e Novo Testamentos , e incluindo a Epístola de Barnabé e as epístolas de Clemente de Roma. No seu fim, o escriba foi acrescentada uma nota para o efeito que ele estava acabado "pela mão de Leo, notário e pecador, 'em am 6564, ou seja, ad 1056.

 

Nenhum outro livro do cristianismo primitivo fora do NT encontrou tantos e tais editores diligentes. Este manuscrito é ainda o único conhecido de toda a Didaqué , mas na edição de Harnack ( Texte e Untersuchungen ii. 1, 2 [1884]) von Gebhardt chama a atenção para um fragmento latim de um manuscrito do 10o cent., Anteriormente na biblioteca convento de Melk, que, mesmo na sua brevidade, tem uma diferença marcante do nosso Didaqué , a ser referido mais tarde. Então, em 1900, J. Schlecht publicado de um manuscrito de Munique da 11ª cento. uma versão antiga latim ( Doctrina XII. Apostolorum , Freiburg i. B., 1900), co-extensivo com os seis primeiros capítulos da Didaqué , contendo, entre outras variações, a mesma omissão notável. Estes são os textos em que todos os presentes investigação deve descansar.

 

A re-descoberta da Didaqué criou uma grande sensação, e ele foi saudado como um achado mais importante. Foi visto para preencher uma lacuna entre a Igreja Apostólica e da Igreja da 2ª cento., Em matéria de culto, ministério e doutrina.

 

'Até a descoberta do Didaché ", diz Sanday ( Expositor , 3ª sor. V. [1887] 106)," houve certos fenômenos da era Apostólica qual pendia uma vez que estavam no ar. Eles eram como fios cortados abruptamente do que vimos no início, mas nem meio nem fim. Fica apenas a estes fenómenos que a Didaché ocupa, traz-los novamente para nossos olhos, e os conecta com o curso da história posterior ».

 

Ele viu-se para ser o precursor real de toda uma série de obras posteriores no Oriente. Ela difere de seus sucessores na medida em que não reivindica a inspiração apostólica direta; é simplesmente o resumo do que seu autor concebido para ser o ensinamento dos apóstolos.

 

'Ele é anônimo, mas não sob pseudónimo; Apostólica pós-, mas não pseudo-Apostólica "(Schaff, mais velho Igreja manual 3 , New York, 1889, p. 14).

 

  1. Conteúdo .-O Didache não é um documento longo. É aproximadamente o mesmo tamanho que a Epístola aos Gálatas. No manuscrito não é dividida; mas agora há uma divisão padrão em capítulos e versículos, que é seguido nesta discussão. Esta divisão é bastante satisfatória, excepto em um ponto-xi. 1, 2 deveria pertencer ao ch. x.

 

O Didaché pode ser dividido em duas partes principais, o último contendo três secções, assim:

 

  1. Chs. i-vi. Pré-baptismal ensinamento moral.
  2. Caps. vii-xvi. Instruções gerais para a comunidade cristã a respeito:

( Um ) ritos (VII-XI. II).

( B ) detentores de um cargo (xi. Iii-xv).

( C ) as últimas coisas e o dever de vigilância (xvi).

Na cabeça do manuscrito aparece o título, "O Ensino dos Doze Apóstolos" ( Διδαχὴ τῶν δώδεκα ἀποστόλων ). A primeira parte abre com um sub-título, que é executado continuamente com o texto (ver fac-símile em Schaff ou Rendel Harris). O sub-título é "O Ensino do Senhor pelos Doze Apóstolos para os gentios" ( Διδαχὴ Κυρίου διὰ τῶν δώδεκα ἀποστόλων τοῖς ἔθνεσιν ).

 

Esta sub-título era ou o título original de toda a obra, o presente título que é uma abreviatura (caso em que a palavra ἔθνεσιν refere-se aos cristãos gentios) ou, como só é possível a partir de sua posição no manuscrito , que era originalmente o título de um trabalho mais curto correspondente ao comprimento da Versão Latina, caso em que ἔθνεσιν significa "aqueles que ainda não recebida dentro do rebanho cristão", e indica que a obra contém o ensinamento moral dada para aqueles que ainda estão fora da igreja-os candidatos para batismo.

 

A primeira parte consiste em um delineamento das duas maneiras: o modo de vida eo caminho da morte. O modo de vida consiste em obediência a três mandamentos: ( a ) O amor a Deus, ( b ) O amor aos próprios companheiros, e ( c ) a regra de ouro na sua forma negativa. O modo de vida é diante não definida como um desenvolvimento lógico destes três, por sua vez, mas primeiro positivamente, e em seguida negativamente. O desenvolvimento positivo (i. 3-6) consiste principalmente de extratos do Sermão da Montanha. O negativo começa com uma proibição de pecados graves (ii.); procede, à maneira de um judeu "cerca para a Lei," a uma advertência contra as formas mais sutis que levam para o mais grosseiro (iii.); conclui com a inculcação de funções necessárias para uma vida verdadeira na Igreja e no lar (iv.). O caminho da morte é delineado em uma lista de pecados e pecadores (v.). A instrução moral termina com uma advertência contra extravio de 'this Way do Ensino ", e a liminar para segui-lo na medida do possível. Esta parte, ao contrário do resto do livro, é dirigida a um indivíduo, o elo de ligação entre ela ea outra parte dirigida à comunidade sendo as palavras: «Tendo primeiro ensinou todas essas coisas, batizar-vos. '

 

A segunda parte começa com ( um ) instruções quanto ao batismo, que é a de seguir esta instrução moral do catecúmeno (vii.); jejum e seus dias; oração, seus tempos e sua forma, a oração do Senhor (viii.); a Eucaristia ea refeição comum associado a ele, juntamente com formas de oração (ix. ex.). Acrescenta-se, no entanto, que os profetas devem ser deixados livres em oração. A menção do profetas leva para a próxima seção, mas antes de tudo há um elo de ligação mais directa na liminar para receber todos os que vêm ensinar "todas estas coisas acima mencionado. ( B ) A secção sobre o Ministério ofertas cristãs do primeiro com os apóstolos e sua recepção, pois eles passam em seu caminho para o campo de trabalho (xi. 3-6), em seguida, mais longamente com o profetas (xi. 7, 12) , que eram visitantes, evidentemente, mais familiares. Comumente eles eram itinerante, mas eles podem ser liquidadas em uma comunidade. Testes simples de caráter são dadas, pois há o perigo constante de ser enganado por um pretenso profeta. O profeta itinerante sugere a hospitalidade a ser dada aos cristãos-se saindo maneira (XII.). O profeta estabelecida sugere a eliminação dos primeiros frutos (xiii.), Conforme normas também para o dia do Senhor e da Eucaristia (XIV.). O ministério local de bispos e diáconos é tratada em um curto capítulo (XV.), Que fecha esta seção sobre os detentores de um cargo da Igreja. ( C ) A última seção (XVI.) Aconselha vigilância e preparação tendo em vista o fim que se aproxima. Sinais do fim são enumeradas, e "então o mundo ver o Senhor vindo sobre as nuvens do céu." Com estas palavras, a Didaqué chega a uma conclusão.

 

  1. Fontes -Para começar com cotações expressas, há dois da OT (xiv 3 =. Malaquias 1:11 ; Malaquias 1:14 , xvi 7 =. Zacarias 14: 5 )., Dois do NT (viii 2 = Mateus 6: 5 . ff, ix 5 =. Mateus 7: 6 ), e um provavelmente de algum livro apócrifo desconhecido (i 6).. Há, além disso, três referências separadas para o que o Senhor ordenou no evangelho (xi. 3, xv. 3, 4). Além de citações expressas, reminiscências da OT são claras, especialmente nos primeiros seis capítulos, eo mesmo se aplica ao OT Apocrypha (Eclesiástico e Tobit). Empréstimos diretos do NT são ainda mais numerosos. Harnack ( op. Cit. Pp. 70-76) tem tabulados 23 e, destes, 17 são de Mateus. (Para uma lista completa dos paralelos reais com o NT vê Schaff, op. Cit. Pp. 82-95.) Certas características apontam para familiaridade com Lucas- por exemplo, a forma de as citações do Sermão da Montanha, em i. 3-5, ea ordem do copo e do pão em ix. 2, 3, mas não há nenhuma prova conclusiva de que Lucas foi realmente utilizado. Mark parece ser não utilizado. O caso de John é duvidosa. Há semelhanças com John 6, 17 nas orações eucarísticas, sendo o uso da fórmula 'Santo Pai' (o mais notável πάτερ ἅγιε , x. 2 = João 17:11 ). Tantos e tão sutil são os paralelos, que familiaridade com John deve ser admitido, ou então se deve supor que a Didaqué , ou pelo menos as suas formas litúrgicas, originado em um joanina meio . O Evangelho canônico de Mateus parece ser a principal fonte de conhecimento de nosso autor do ensinamento do Senhor, mas ao lado deste Evangelho escrito que ele estava familiarizado com frases da tradição oral. Sobre a questão do uso das Epístolas de St. Paul, quase todos os posição intermediária foi ocupada entre a de Harnack (1884), que poderia encontrar nenhum traço claro de seu uso, e que de Armitage Robinson ( Jornal de Estudos Teológicos xiii. [1912] 350), que considera o escritor em intimamente familiarizado com 1 Coríntios: "ele imitou suas subdivisões, emprestado suas palavras e frases, e modificou seus pensamentos para atender seus próprios propósitos." Existem, certamente, traça, mas eles são poucos em número. Sua dívida para St. Paul não é grande. Muito mais acentuada é sua dívida para com escritos judaicos. O trabalho tem sido chamado de "uma espécie de Igreja Catecismo intensamente judaica" ( Westminster Review de 1885 de janeiro, p. 206). Além de i. 3-5 há pouco que é especificamente cristão na primeira parte, e quase todos tem seus paralelos na literatura puramente judaica. Para esta seção não foi posta como fonte um catecismo prosélito judeu dos "Dois Caminhos", e paralelos e empréstimos não faltam nas porções posteriores da Didaqué bem (cf. C. Taylor, O Ensino dos Doze Apóstolos, com ilustrações do Talmud , Cambridge, 1886).

 

  1. Integridade .-Não há dúvida de que a Didaqué como nós temos no manuscrito Constantinopla lê-se como uma unidade. Suas partes estão intimamente unidos e siga um desenvolvimento ordenado. Que o primal Didaqué foi co-extensivo com o nosso texto, talvez com algumas omissões e algumas variações textuais, parece quase certo inferência. Mas os dois fatos, que o latino de Schlecht (L) contém apenas a primeira parte sem nenhum sinal de estar inacabada, mas, pelo contrário, com uma conclusão da sua própria, e que certos escritos aparentemente dependentes parecem ter conhecido esses capítulos somente, sugerem que a Didaqué fez uma vez, na verdade, existem em uma forma tão curto. As duas questões principais que surgem sempre que a integridade da mais completa Didaché é discutido surgir nesta forma. Desde que Taylor apontou os inúmeros paralelos judaicos, e mesmo antes disso, a teoria da sua dependência de um catecismo judeu convertido uma das duas formas tem sido avançado e defendido. A descoberta de L parece confirmar isso. Já houve, então, um catecismo, tais judaica? E foi puramente um catecismo das duas maneiras, ou ele ainda conter material? O caso de um original de judaica parece provado. Era natural que os cristãos criados no judaísmo, familiarizado com propaganda missionária judaica e métodos de convertidos instruindo, deve assumir e usar as formas que eles tinham visto observados na recepção de prosélitos, eo Didache carrega muitos um traço de ser tão judaica documento trabalhado ao longo do interesse Christian. Foi essa escrita ou oral catequese de co-extensivo com caps judaísmo. Eu. vi., ou devemos procurar um documento maior tendo importa em paralelo com algumas partes do caps. vii-xvi.? Foi certamente de se esperar que qualquer dessas instruções devem conter, além de preceitos morais, ensinando no que diz respeito às exigências cerimoniais e legais do judaísmo-circuncisão, o sábado, alimentos, primeiros frutos, jejuns, orações, festivais, e assim por diante. E quando encontramos fenômenos como esses-os jejuns cristãos e orações cuidadosamente diferenciados dos jejuns e orações dos 'hipócritas' (viii 1, 2.); o dia semanal de adoração, chamado o Dia do Senhor do Senhor ( κυριακὴ κυρίου , correspondente ao "Sábado do Senhor '(, xiv 1.) Levítico 23: 3 )., instruções para a eliminação dos primeiros frutos (xiii 3 -7), obviamente, dependente, e em contraste com, costumes, então judeus parece quase uma certeza que a fonte judaica que contêm matéria correspondente em alguma medida para os últimos capítulos da nossa Didaqué . Além disso, tendo em conta o interesse escatológica de pensamento judaica contemporânea, seria natural que um tal manual deve conter uma secção escatológica paralelo com CH. xvi.

 

Mas se houvesse, como parece natural, e parece ser uma inferência justificável dos fenômenos do texto, um judeu catequese , oral ou escrito, correspondente à matéria em ambas as partes da Didaqué , parece seguir-se que a primeira forma do Didache não era a forma truncada de L, mas a forma mais completa do manuscrito Constantinopla ; em uma palavra, que caps. vii-xvi. pertencem ao documento primal. Temos, então, considerar L como uma abreviatura. Mas esta é credível? Como pode qualquer abreviar escritor cristão da maneira em que isso foi feito? É fácil explicar a omissão de caps. vii-xvi. . Se L pertence à 4ª cento, como Schlecht-se mantido, haveria pelo menos dois fatores na omissão: (1) condições igreja fez não em todos correspondem em seu dia com a situação no Didache , e (2) a material do Didache já havia sido trabalhada e modernizado em outros documentos cognatos a ser considerado na próxima seção. A única objeção grave de toda esta hipótese, a natureza primária de toda a mais completa Didaqué -é a omissão em L de i. 3-ii. 1, ea omissão na Epístola de Barnabé de qualquer traço desta passagem. Como podemos explicar a psicologia de um abbreviator que poderiam omitir a um especificamente parte Christian, supondo que ele seja primário? Certas explicações sugerem-se. Ele pode ter contado estes versos entre os conselhos de perfeição, e considerou imprudente colocá-los no início, antes catecúmenos. Será que eles não pertencem a um estágio posterior e um plano superior de realização? Ou ele pode ter considerado a sua versão dos dois caminhos como uma espécie de equivalente à diaboli abrenuntiatio , e considerou preceitos positivos fora do lugar. Com toda a probabilidade houve um voto batismal negativo e positivo desde os primeiros dias ( ἀποταγή e συνταγή ). Explicação não é impossível, mas também não é necessário. A conclusão do presente escritor é, que a mais completa Didaqué , com a provável exceção de i. 3-ii. 1, ou suas partes, e algumas expressões isoladas depois, é a forma primária; que não é uma ampliação de uma forma que corresponde a G, mas que L é ou uma sua abreviatura, o que não é inexplicável, ou mais provavelmente uma abreviatura de uma forma anterior da versão completa.

 

As etapas da história da Didaqué foram algo como isto: (1) documento judaico das duas maneiras mais instruções sobre os usos e costumes da fé judaica; (2) uma adaptação Christian ( Δ ) correspondente ao nosso Didaqué com algumas poucas omissões, dos quais (3) a versão latina (L) é um trecho, e dos quais (4) a Didaqué (D) é uma versão ligeiramente revista, com provavelmente mais algumas adições definitivamente cristãos. O conteúdo do Δ eram praticamente idênticos com a nossa Didaqué . (Para as análises da história do texto que empregam um número maior de recensões ver Harnack, Gesch. Der altchristl. Litteratur , i. [Leipzig, 1893] 87, e Hennecke no Zeitschrift für die neutest. Wissenschaft ii. [1901] 58ff .)

 

  1. obras Cognate e dependentes

 

(a) Barnabé .-Que a Epístola de Barnabé é um trabalho cognato é óbvio. Mas o significado do material comum tem sido interpretado de maneiras muito diferentes. A diversidade de opiniões é talvez mais claramente visto no primeiro alemão e as primeiras edições em inglês. Os próprios fenômenos que provam para Harnack a prioridade de Barnabé, para Hitchcock e Brown provar o seu carácter mais tarde e derivados. O grosso da matéria comum é para ser encontrada em três capítulos (XVIII-XX.), Que contêm a maior parte da matéria em Didaché IV., Com a excepção de i. 3-ii. 1. Mas há também um paralelo muito perto, muito perto de ser uma coincidência, com o fez. Xvi. 2 em Barnabas iv. 9, 10. Note-se de passagem que a prioridade da Didaqué parece ser insinuado, se não implícita, na forma em que esta matéria comum é introduzido no Barnabé: "Passemos para outro conhecimento e ensino ( διδαχήν ). Para sem pressionar a palavra, a sugestão é aqui, pelo menos de transição para uma nova fonte de material. Sem entrar em detalhes, a conclusão vir a dizer, que Barnabé usou a Didaqué , mas no cristão recensão anteriormente ( Δ ). Se ele tinha diante dele em forma documental, ele expandiu-lo livremente, mas ele pode ter citado material familiar da memória e amplificado no processo.

 

(b) Hermas .-A conexão com Hermas é nem tão alargado, nem tão óbvio. A relação desempenhou um grande papel nas discussões anteriores de sua influência sobre a questão da data, mas já recuaram para segundo plano. É questão de consenso geral agora que Hermas usou a Didaqué , mas há muito a ser dito para a tese da Hennecke, que tanto Barnabé e Hermas usou o cristão recensão anteriormente ( Δ ), enquanto que a forma final (D) está em dívida em algumas muito pequenas pontos a ambos.

 

(c) A Igreja Apostólica Portaria .-Esta é uma adaptação da Didaqué para atender a condição eclesiástica alterado do Egito no final do 3º ou início do século 4. Aqui, a maior parte do material da primeira parte da Didaqué é distribuído entre os apóstolos individuais, que por sua vez contribuem sua parte em uma espécie de diálogo dramático. Na sequência disso, e correspondente ao resto do Didache , são igualmente entregues indicações sobre bispos, presbíteros, diáconos, leitores, viúvas, diaconisas, a conduta dos leigos, e a participação das mulheres no serviço litúrgico, mostrando tanto no enumeração das funções exercidas e os poderes que lhes são atribuídos numa fase muito mais desenvolvido da organização da Igreja. Como fonte da Igreja Apostólica Portaria tem uma forma de a Didaqué muito como a nossa: ela pode ter sido o cristão recensão anteriormente, embora a massa de pontos de evidência textual sim para que seja o nosso mais Barnabas.

 

(d) Didascalia .-Este trabalho cumprido para a Síria em direção ao final do 3º cento. o que o último nominado fez para o Egito um pouco mais tarde. Não é, no entanto, como ele, simplesmente uma adaptação do Didache . Na verdade, ele foi anteriormente considerado como totalmente independente, mas sua dependência pode agora ser realizada como provado (cf. C. Holzhey, Die Abhängigkeit d. Syr. Didascalia vd Didaqué , Freiburg, 1898). Sem certa conclusão pode ser tirada a respeito de que forma o seu autor tinha diante de si.

 

(e) Constituições e Cânones Apostólica .-Os seis primeiros capítulos incorporam a Didascalia , e, nessa medida, a Didaqué é usado de segunda mão. Relação direta se limita aos primeiros 32 capítulos do sétimo livro. A maior parte da Didaqué é aqui incorporada, mas com alterações significativas e acréscimos que traem uma idade mais avançada. A adaptação é claramente baseada em nosso texto da Didaqué . Aqui, finalmente, não há dúvida grave de dependência de uma recensão anteriormente.

 

( F ) Outros trabalhos .-Para uma lista completa do leitor é remetido para Harnack ( Gesch. Der altchristl. Litt . I. 87), Rendel Harris ( Ensino dos Apóstolos , 1888), e Vernon Bartlet ( Dicionário da Bíblia de Hasting (5 vols) v. 442). A principal delas podem ser mencionadas: Atanásio, Syntagma Doctrinae , que é obviamente dependente fez. I-vi, e menos obviamente, XII, XIII, o texto subjacente sendo provavelmente a recensão anteriormente (.. Δ ); o pseudo-Atanásio Fides Nicœna e Didascalia cccxviii. Patrum , onde a base é, evidentemente, o Syntagma ; a vida de Schnudi, que inclui a maior parte da primeira parte em uma versão árabe, derivado provavelmente da Igreja Apostólica Portaria .

 

Temos, portanto, continuando os números no final do § 4, (5) Barnabas (B) e Hermas (H), dependente do cristão recensão anteriormente ( Δ ) e provavelmente conhecido para o tomador do recension final (D) ; (6) a Igreja Apostólica Portaria (CO), possivelmente com base em Δ , mas mais provavelmente em D + B; (7) as Constituições e Cânones Apostólica (A), claramente baseada em D; (8) o Syntagma (S) e obras dependentes baseado na recensão anterior ( Δ ).

 

A evidência, então, aponta, com grande probabilidade, por isso nunca pode ascender a demonstração, a (1), a circulação ea utilização de duas versões da Didaqué , uma anterior e uma posterior, que diferem na omissão e inclusão, respectivamente, do i. 3-ii. 1 e em certos outros pontos verificáveis ​​de pouca importância; (2) o desaparecimento gradual da segunda parte da Didaqué nas duas formas de ( a ) omissão, como em B e L-in B, por falta de relevância, em L por falta de correspondência com as condições reais; ( B ) superação por uma reformulação completa do material para atender às condições eclesiásticas alterados como em CO e A, e, pode-se acrescentar, por omissão e superação em conjunto, como em S; (3) a preservação sorte de uma cópia completa da última das referidas recensões por um escriba, cujo manuscrito completo mostra interesse no que ele concebeu, em geral, com razão, para ser restos genuínos da antiguidade cristã.

 

O resultado geral pode ser tabulados assim;

 

original judaica

 

  1. Local de origem e data

 

(1) Local .-Ambos local e data parecem assumir importância quando começamos a discutir a importância do trabalho em relação aos problemas da Igreja primitiva. Mas isto é verdade para o lugar apenas de forma muito limitada. Pois, se fosse provado para ter originado em alguma comunidade mais isolada, mas sua aceitação por tão ampla um círculo iria mostrar que ele não era um mero reflexo de condições anormais que existiam em nenhum outro lugar. A maioria das regiões em que o cristianismo primitivo tinha qualquer espera têm sido sugeridos como o local de origem-Síria (em particular, Palestina), Egito, Ásia Menor, Tessalônica, Roma. Mas a grande maioria da opinião é quase igualmente dividida entre o Egito ea Síria. Em nome do Egito pode ser, e tem sido, pediu que as primeiras referências e citações pertencem ao Egito; que o trabalho tinha lá a partir de uma data de início de autoridade quase canônica, e foi usado livremente desde o tempo de Clement ao de Atanásio e posterior. Por outro lado, o testemunho de uso da Síria, embora menos imponente, também é forte. Além disso, a forma da doxologia na oração do Senhor tem afinidades egípcios. Omite 'reino' com a versão Sahidic. Mas o próprio doxologia origem na Síria, e foi dali adotado em textos sírios do NT (Westcott e Hort, NT , 1882, Anexo p. 9). Contra o pedido de Egito há o que Schaff chama de "insuperável objection'-a alusão ao pão repartido tendo sido espalhados em grãos" sobre os montes '. Mas depois de tudo isso só prova que esta forma particular de oração aqui incorporada não se originou no Egito, mas em alguma terra Hillier. A objeção não é "insuperável", mas tem mais peso do que é comumente permitido, para posteriores trabalhos egípcios certamente sentiu a dificuldade. ( 'Sobre as montanhas' é omitido no Apost. Const. , E representado por 'sobre esta tabela' no trato pseudo-Atanásio de Virginitate .) Em nome da Síria, em particular, da Palestina, não pode ser instado a afinidade acentuada da a Didaqué com a Epístola de Tiago e de outros produtos reconhecidos do cristianismo palestino, eo fato de que ele deve ter surgido em uma comunidade onde era necessário para tornar decisiva a distinção entre eles e os judeus não-cristãos, por exemplo, nos regulamentos sobre jejuns ( VIII. 1). Uma multidão de indicações menores são instados em ambos os lados, mas é completamente desnecessário fazer qualquer pronunciamento decisivo em favor de qualquer um. O ponto essencial é que, desde cedo, ela foi aceita em ambos, em uma ou outra revisão de texto, e, portanto, vem do coração de uma situação que não podia ser considerada como impossível, ou mesmo como irregular, em qualquer um.

 

(2) Data .-Em relação à data, não tem sido a mesma grande divergência-datas terem sido sugeridos a partir de anúncios de 50 a 500 e o mesmo acordo substancial. A grande massa da opinião, no entanto, é novamente dividido, em porções um pouco desiguais, entre dois períodos: o número maior favorecendo uma data entre 80 e 100, e quanto menor agarrados firmemente a uma data entre 120 e 160. O espaço impede uma análise detalhada das evidências. Pode-se dizer brevemente, no que diz respeito à evidência externa, que a data anterior é confirmado por tais indicações como a citação da Didaqué como Escritura por Clemente de Alexandria eo fato de que é uma adaptação de um manual judaica. Esta adaptação só poderia ser feita mais cedo. E uma coisa a ser lembrado é que, muito antes de sua descoberta real que tinha sido atribuído, necessariamente evidência externa, por Grabe (1698) para os anos finais do 1º cento. ou o próprio início do segundo. A evidência interna confirma isso. A correspondência geral das condições com os da Ascensão de Isaías (ver Dicionário da Bíblia de Hasting (5 vols) v 448-9.), O vívido contraste com os costumes judaicos, a natureza simples da liturgia, tudo aponta para essa conclusão. Outro ponto foi bem feita por Taylor ( op cit.. , Que diz em relação às regras para o batismo contida na p 53). Didaqué :

 

"Esta distinção deve ser feita mais rabbinico entre os tipos de água a ser utilizada é uma das evidências da origem judaica e data antecipada do Ensino . Tertuliano ( de Bapt . 4) enumera os vários tipos, não fazendo distinção (Nulla distinctio est, mari QUIS uma stagno, flumine uma fonte, LACU um dilnatur alveo); enquanto em um data posterior ainda encontramos apenas a liminar para batizar em água ( Apost. Const . vii. 22). "

 

Mas se Barnabé e Hermas teve influência sobre o texto do nosso Didaqué , parece dirigido a alguma tal conclusão como esta-se as datas cristão recensão anteriores do período anterior (80-100) e mais tarde, o que difere apenas em alguns detalhes insignificantes , a partir da mais tarde (120-160).

 

  1. Tendência -Antes. Passamos a discutir a evidência da Didaqué , e os rolamentos de que as evidências sobre os problemas do Apostólica e sub-Apostólica Igreja, temos de enfrentar esta questão: Tem a Didaqué qualquer finalidade especial ou tendência o que nos levaria a suspeitar ou para desacreditar sua evidência? A este respeito, encontramos pela primeira vez a contenção da Hilgenfeld que é colorido por Montanism. Mas a discussão geral a que o livro deu um grande impulso deixou claro que ele deve ser pré-Montanist. Para se Montanism tinha surgido, e seus problemas tiveram que ser enfrentados, então este livro, se produziu no interesse ortodoxo, teria dito muito menos sobre os profetas, e se por escrito a partir de um ponto de vista montanista, não poderia ter resistido dizendo Mais. Krawutzscky, que tinha tão completamente antecipou a primeira parte do Didache na sua reconstrução, que lhe é atribuído, por sua aparência, a um herege Ebionite no final do século segundo. Mas procurando a crítica não foi capaz de discernir qualquer vestígio clara de que a heresia. Tem sido caracterizada, por razões óbvias, como pró-Judaistic e anti-Judaistic, o que implica que preserva o equilíbrio do cristianismo normal. Investigação não conseguiu deslocá-lo a partir da corrente principal da vida da Igreja. Nenhum escritor com uma predileção por qualquer tipo de heresia precoce poderia ter escondido tão bem, nem seu livro ordenei tal reconhecimento universal.

 

Neste menção conexão deve ser feita de contenção da Armitage Robinson que o livro reflete não há condições reais que já existiram em qualquer lugar, mas é uma "criação livre" do autor a trabalhar com base em 1 Cor. com estreita dependência Mateus e João. Mas é certamente impensável que qualquer escritor Christian poderia ter produzido um manual que quase não teve correspondência com as condições da Igreja da qual ele era um membro e tão pouco com as condições da Igreja do NT, e sem qualquer sugestão de substituindo um novo ideal de vida e governo da Igreja. A Didaqué certamente tem suas raízes no NT; ele também tem suas diferenças a partir dele; mas isso é porque o Cristianismo familiar para o seu autor teve suas raízes no NT, mas tinha entretanto cresceu para algo diferente. A Didaqué representa uma etapa real no desenvolvimento através do qual a Igreja passou. O propósito do seu autor era, evidentemente, para representar, justificar e confirmar as condições reais, e para se proteger contra perigos evidentes.

 

  1. Condições da Igreja .-É uma comunidade simples com o qual são postos em contacto na Didaqué , sem a organização desenvolvida e atividade oficial colector das comunidades para as quais os corpos posteriores da legislação foram compiladas (ver artigo Constituições Apostólicas). As instruções, mesmo no que diz respeito ao batismo e da Eucaristia, são dirigidas à comunidade, e não a qualquer personagem oficial ou classe de funcionários. A "soberania da comunidade 'está implícito por toda parte. Foram feitas tentativas para contornar esta. A mais recente já foi referido ( Jornal de Estudos Teológicos xiii. 339ff.). O significado do endereço é aqui descontado como um mero truque de estilo, emprestada da prática de St. Paul. Mas isso permanece ou cai com toda a teoria de que a Didaqué é uma "criação livre" do autor, sem relação com as condições reais, uma teoria que acabamos de mostrar bom motivo de rejeição. Nenhuma obra que passou e menosprezado a posição manifesta de funcionários acreditados poderia ter encontrado essa moeda geral e adquiriu tal reputação de largura. A comunidade, portanto, é soberano. Ele testa os viajantes e os profetas; faz provisão para os pobres Christian; que diferencia dos bispos e diáconos '; exerce a disciplina; os sacramentos da Igreja são a sua preocupação. É, obviamente, uma comunidade pequena, mas não isolado ou fora de contato com o corpo geral dos cristãos. É tricotar a eles por o fio de ouro de hospitalidade, pelas visitas de apóstolos itinerantes e dos profetas, pela unidade do único pão. Ele está situado em uma localidade onde o cristianismo é passado seus primeiros começos. A propaganda missionária da Igreja está agora mais longe. Apóstolos são conhecidos apenas como visitantes excepcionais no caminho para suas esferas próprias de trabalho em outros lugares. Embora passado seus primórdios, ainda não está além da possibilidade de ser tomado por pessoas de fora de uma mera fase do judaísmo. Abrir divergência de práticas de ordenanças exteriores é, portanto, fortemente enfatizada. Os requisitos morais da comunidade são da mais alta ordem, mas a sua posição doutrinária, embora estritamente ortodoxo, está querendo em precisão e plenitude. A falta de ênfase em soteriology parece ter sido sentida por Barnabé, que, seguido a este respeito pela Igreja Apostólica Portaria , somada às palavras da maneira de abrir Life-'Thou te amo Deus que fez thee'-as palavras, 'Tu glorificá-Lo que te resgatou da morte.'

 

Os membros se reúnem no Dia do Senhor para o culto. Aqui temos o primeiro testemunho fora do NT para o Dia do Senhor como um dia de adoração pública. Um pouco mais tarde Plínio relata a Trajano de Bitínia que os cristãos lá estavam acostumados em um dia fixo ( stato die ) para montar antes do amanhecer para cantar hinos a Cristo como um Deus, e para vincular-se por um sacramentum . Em cada detalhe deste relatório, temos uma nova luz a partir do Didache . A adoração é no Dia do Senhor. Consiste na fração do pão, ações de graças e confissão de pecados, o sacramentum (?). E a Eucaristia (veja abaixo) tem como uma de suas frases finais, "Hosana ao Deus de David'-um hino a Cristo como um Deus.

 

O batismo é o rito de iniciação. "Água Viva", ou seja, água de nascente ou riacho, é preferível a outros tipos, mas até mesmo a água quente é permitido em circunstâncias excepcionais. A imersão é normal, mas, onde a água é insuficiente, alusão é admissível. O rito é administrada após um curso definido de instrução, e sempre em nome da Trindade. O candidato para o batismo é a jejuar de antemão. O jejum, recomendou ao batizador e aqueles associados com ele, se impôs na batizados. Nenhuma menção é feita de qualquer unção, ou o uso de qualquer coisa, salvo água.

 

A Eucaristia é o centro do culto cristão, mas a evidência da Didaqué provou ser um ponto de discórdia. Instruções em relação a ele parecem ser dada duas vezes, nos caps. ix, x., e no cap. xiv. É no que diz respeito aos antigos instruções que surgem dificuldades e controvérsias surgiram. As instruções são assim introduzido: 'Agora que se refere à Eucaristia (o Thank-oferta) dar graças desta maneira' ( περὶ δὲ τῆς εὐχαριστίας , οὕτω εὐχαριστήσατε ). Formas de oração são dadas, simples e não-teológica.

 

"Nós Te agradecemos, nosso Pai, e pela vinha santa de Davi, teu servo, que fizeste conhecido por nós através de Jesus, teu servo [ παῖς ]: a Ti seja a glória para sempre. '

 

"Nós Te agradecemos, Pai nosso, pela vida e conhecimento que fizeste conhecido por nós através de Jesus, teu servo. A Ti seja a glória para sempre. Como este pão partido estava espalhado [em grãos] sobre os montes e estando reunidos tornou-se um, para que Tua Igreja seja reunida desde os confins da terra ao Teu Reino: pois Teu é a glória eo poder através de Jesus Cristo para sempre . '

 

O primeiro é dada para o copo ( ποτήριον ), este último para o pão partido ( κλάσμα ), e não há outra forma, similar no pensamento e na dicção, mas mais longo, para o fim, depois de ser preenchido ( μετὰ τὸ ἐμπλης θῆναι ).

 

As dificuldades no que diz respeito a estas duas capítulos surgir nesta forma. Não há nenhum traço das palavras da instituição, e parece não haver lugar para eles. Foram essas orações simples significado como orações de consagração? Eles foram destinados para o uso do irmão presidir a tudo, ou eles estavam escrito para ser usado pelo destinatário (para Box, Jornal de Estudos Teológicos iii. 367f.)? Porque é que a ação de graças para a taça vir antes da ação de graças pelo pão? Por que essas palavras, que soam como um convite para a mesa, colocada no final: 'Se alguém é santo, venha; todo aquele que não é santo, que se arrependa? E por que o fim capítulo anterior com um 'cercas das mesas, "semelhante dada no próprio meio das formas de oração (" que ninguém comer ou beber de sua Eucaristia, exceto aqueles que foram batizados em nome do Senhor ')? O que as palavras μετὰ τὸ ἐμπλησθῆναι implica? Eles estão a ser interpretado de forma literal ou espiritual? Finalmente, por que foi necessário para dar instruções sobre a Eucaristia no cap. xiv., se estes já tinha sido dada em detalhe no cap. ix. e x.?

 

Começando com a última pergunta, tem sido sugerido (V. Ermoni, L'Agape dans l'Eglise primitiva , 1904, p. 17ss.) Que as primeiras instruções referem-se à Agape, eo Agape sozinho. Mas não há nenhum outro caso em que qualquer escritor usa a palavra εὐχαριστία no sentido exclusivo do Ágape. Todas as indicações apontam para uma Agape combinados e Eucaristia, ea palavra εὐχαριστία refere-se a esta combinação, ou seja, inclui o Agape, assim como em Inácio ( Smyrn . 8) a palavra Ágape tem o mesmo significado, ou seja, ele inclui a Eucaristia. As palavras nunca eram intercambiáveis, mas também, ao que parece, pode ser usado da celebração combinada. A probabilidade, então, sendo que estes capítulos referem-se a uma tal combinação, podemos separar o Agape da Eucaristia? Eles estão intimamente misturada, ou podemos ver que um precedido o outro? Algumas das perguntas feitas abate parecem apontar para a primeira alternativa, mas o balanço é claro: com este último, e aponta para a Agape anteriores à Eucaristia. A expressão «após ser preenchido" parecem-nos calar-se para isso. A tentativa de encontrar verdadeiras analogias com a interpretação espiritual ou mística falhou. João 6:12 , tantas vezes objecto de recurso, companheiros para a opinião contrária. E o autor das Constituições Apostólicas , que estava lidando apenas com a Eucaristia, tem de alterar as palavras para 'após a recepção' ( μετὰ δὲ τὴν μετάληψιν ). As orações já dadas para o copo e o pão se referem, em seguida, à Agape: o "cercas das tabelas 'no final do cap. ix. é preparatória para a Eucaristia adequada; a oração no cap. x. é a transição, a oração de encerramento da Agape, ou a oração da Eucaristia de abertura, de acordo com o ponto de vista; a Eucaristia segue imediatamente na oração. Nenhuma fórmula é dada por isso. As palavras da instituição pode, então, ter benção recitada. Em ambos os Agape e da Eucaristia, os profetas devem ter plena liberdade na oração. O convite de fechamento é catecúmenos presente para vir para a frente para o privilégio completo e deveres dos membros da Igreja. Uma objeção grave com esta interpretação é que ela pressupõe uma liturgia simples para o Ágape e nenhum, ou quase nenhum, para a Eucaristia. A priori , esperamos que o exato oposto. Mas há outra explicação parece satisfazer quase tantas das condições. Além disso, a ausência de formas fixas é característica da Eucaristia forno mais tarde. Justin Mártir ( Primeira Apologia , 65-67) nos diz que o oficial que preside ( ὁ προεστώς ) oferece orações e ações de graças segundo a sua capacidade ( ὅση δύναμις αὐτῷ ).

 

O Agape, então, nesta pequena comunidade, é combinada com a Eucaristia. É uma refeição comum partilhado pelos irmãos, com um simples liturgia própria, de origem judaica, com afinidade marcada para bênçãos judaicas nas refeições. Ela é seguida pela Eucaristia tão de perto que tudo é um serviço. Nenhum, mas os batizados participam. Formas estão faltando, como um membro do ministério carismático parece, em geral, para presidir, e ele deve ser deixado livre para seguir os sussurros do Espírito. Catecúmenos e membros sob disciplina não são excluídos do local de celebração. Pelo contrário, eles são esperados para estar presente, e são instados publicamente para adquirir ou recuperar o direito de participação. A Eucaristia é um sacrifício ( θυσία ), e as palavras de Malaquias são tomadas como uma profecia de que, "Em cada lugar e tempo me oferecer um sacrifício puro, porque eu sou grande Rei, diz o Senhor." Mas isso não indica, como pensava Bickell, o germe da doutrina da Missa, nem o que é tecnicamente conhecido como o Sacrifício eucarístico. O sacrifício, como todo o uso de aproximadamente contemporâneo da palavra confirma, consiste na oração, o louvor, a adoração, e os dons de crentes (veja Encyclopaedia of Religion and Ethics v. 546f.).

 

Não há vestígio de um ano cristã no Didache , mas há uma semana cristã. O Dia do Senhor é o dia de culto; Quarta-feira e sexta-feira são jejuns. A única razão evidente para a escolha destes dias é a necessidade de ser distinta em todas as coisas a partir do 'hypocrites'-judeus-que incrédulos rápido às segundas-feiras e quintas-feiras; mas a razão subjacente real pode ter sido o que foi apresentado mais tarde para estes dias, como semi-jejuns, viz. que quarta-feira foi o dia da Traição e sexta-feira que da Crucificação. Há também o que pode ser chamado de um dia cristã. O início de um certo formalismo em exercícios devocionais aparecer na liminar para orar, usando a oração do Senhor, três vezes por dia. Isto, também, é fundada sobre a prática judaica. Não horas definidas são nomeados, e, portanto, é sugerida nenhuma mudança de hora. Tertuliano, depois, prescreve horas definidas. Os cristãos devem orar, no terceiro, sexto, nono e horas, além de manhã e à noite orações comuns dos quais nenhum cristão precisa de ser lembrado. Estas devoções são para incluir a oração do Senhor ( de Orat . Xxv., X.). Clemente de Alexandria, na obra em que ele cita a Didaqué como Escritura, embora ele sabe, e, em certa medida, elogia, as três horas de oração, em vez deprecie a adesão a estas horas definidas. 'O γνωστικός reza ao longo de toda a sua vida, esforçando-se por meio da oração para ter comunhão com Deus "( Strom . Vii. 7).

 

Ele estava em sua conta as funções exercidas da Igreja e da natureza do ministério que o recuperou Didaqué produziu a impressão mais profunda. Contas de origens e desenvolvimento, como Lightfoot de foram grandemente fortalecida na maioria dos elementos, mas outros receberam dele um acidente vascular cerebral fatal. Os detalhes e até mesmo a tendência geral dessas controvérsias estão fora do escopo deste artigo. Nossa atenção é limitada às provas da Didaqué si. Mesmo em sua primeira seção que coloca um valor muito alto no ministério. O catecúmeno é chamado a 'lembrar-se dia e noite daquele que fala a ti a palavra de Deus, por onde quer que o senhorio é falado, não é o Senhor. " Que estão incluídos entre aqueles que falam a palavra de Deus? A referência claramente é, em primeiro lugar, ao ministério unlocalized ou carismático, que ocupa um lugar tão grande na parte lidando com funções exercidas. Este ministério não é nomeado pelos membros da Igreja, seu escritório é transmitida através de nenhum canal humano. Eles compreendem apenas os três primeiros da lista de St. Paul, em 1 Coríntios 12:28 -apostles, profetas e professores.

 

Os apóstolos são, evidentemente, como já foi dito, visitantes raras. O trabalho missionário da Igreja está em outro lugar. Mas a cada apóstolo que faz uma visita deve ser recebido como o Senhor. Ele não é de permanecer mais de dois dias, por impostores são abundantes, e o desejo de viver por mais de dois dias com a generosidade da comunidade e na luz do sol de seu favor, é um sinal certo de um falso profeta. O apóstolo genuína não vai pedir dinheiro, nem levar com ele mais do que o alimento necessário para a próxima etapa de sua viagem. Profetas são mais comuns, mas são tidos em alta estima. O verdadeiro profeta não deve ser julgado ou provados; sua palavra é para ser aceito como a de alguém que fala no Espírito. Ele deve ser livre das regras e formas que se ligam outros homens. Mas abusos ter havido no ofício profético, e falsos profetas estão a ser detectado pelo seu comportamento, especialmente pelo seu pedindo dinheiro para si, ou mandar Agape para seu próprio benefício. Um profeta pode desejar para conectar-se com uma comunidade particular. Tal profeta estabelecida é digno de apoio. Primeiro-frutas devem ser reservados para o uso destes homens, pois, a este respeito, eles são como os sumos sacerdotes dos judeus. Havia comunidades sem qualquer profeta residente. Em tal os primeiros frutos eram para ser dado diretamente aos pobres. Uma frase obscura sobre o profeta 'na montagem de um mistério mundana "ou" agir com vista para o mistério mundana da Igreja "(mesmo a tradução é duvidoso) tem, até agora, não recebeu nenhuma interpretação satisfatória. Pouco é dito sobre a terceira turma do ministério geral, os professores. Eles também são dignos de apoio. Isto implica que não eram ambos professores itinerantes e liquidadas. A leveza ou a referência não pode ser devido à sua raridade. Pode não ser devido ao seguinte? É comumente argumentado que o Pastor de Hermas passou sobre os profetas, porque pertencia ao seu autor nessa ordem. Pode não ser igualmente que a Didaqué diz pouco sobre os professores por uma razão similar? O próprio nome do seu trabalho indicaria que o seu autor foi contado entre os professores.

 

Além deste ministério para toda a Igreja, há um ministério local de bispos e diáconos. São nomeados e consagrados pela igreja local. Sua autoridade é, assim, não diretamente derivado do Espírito Santo. Eles estão em perigo de ser desprezado, mas devem ser honrados, juntamente com os profetas e mestres. Tal é o caráter do ministério, como é conhecido o autor do Didache . Ele nos mostra o ministério local fortalecendo sua posição em uma pequena comunidade e na necessidade de ter a sua posição reforçada, enquanto o ministério geral está desaparecendo para o fundo através da prevalência de contrafacções plausíveis de motivos mercenários, (Para uma discussão mais completa do significado de tudo este ver Harnack, Texte e Untersuchungen ii 1, 2, pp 93-157;.. CH Turner, Estudos em História da Igreja Primitiva , 1912, pp 1-32;. TM Lindsay, a Igreja eo Ministério ., 1902, p esp . 170ff).

 

Com essa imagem de corpo inteiro de condições igreja contemporânea, não é notável que a Didaqué foi saudado como um achado mais importante. Às vezes a sua importância pode ter sido superestimado, mas certamente preenche um vazio no nosso conhecimento. Ele define claramente diante de nós fatos que poderiam ter sido, e de fato foram, atingido por reunir as indicações dispersas e menos definitivos de outras obras. Ele esboça a natureza do trabalho, o culto, e o ministério em uma comunidade que, embora pequeno, não foi isolado; embora indivíduo, sem dúvida, não era peculiar. Ele deu o impulso inicial para obras de caráter semelhante, sem os quais o nosso conhecimento dos primeiros séculos nestas matérias seriam muito mais escassa do que é.

Dicionário Hasting

fonte www.avivamentonosul21.comunidades.net