Translate this Page

Rating: 2.9/5 (954 votos)



ONLINE
8




Partilhe este Site...

 

 

<

Flag Counter

mmmmmmmmmmm


// ]]>


doutrina da santificação
doutrina da santificação

 

                                        DOUTRINA DA SANTIFICAÇÃO

 

afundou-ti-fi ka'-shun: 

Etimologia 

I. sentido formal 

1. No Antigo Testamento 

2. No Novo Testamento 

II. O SENTIDO ÉTICO 

1. Transformação de Formal para Idea Ethical 

2. nossa relação com Deus como pessoal:

 Novo Testamento Idea 

3. Santificação como dom de Deus 

4. Questões de Tempo e Método 

5. Um elemento em toda a vida cristã 

6. Em consequência da comunhão com Deus 

7. É instantânea e toda? 

8. Santificação como tarefa do homem

  

Etimologia: 

A raiz é encontrada no Antigo Testamento, no qadhash verbo hebraico, no Novo Testamento no hagoazo verbo grego. O substantivo "santificação" (hagiasmos) não ocorre no Antigo Testamento e é encontrado, mas 10 vezes no Novo Testamento, mas as raízes mencionadas acima aparecem em um grupo de palavras importantes, que são de ocorrência muito freqüente. Estas palavras são "santos", "hallow", "sagrado", "santidade", "consagrar", "santo", "santificar", "santificação". Deve-se ter em mente que estas palavras são todas as traduções da mesma raiz, e que, portanto, nenhuma delas pode ser tratada de forma adequada, sem referência aos outros. Todos foram submetidos a um certo desenvolvimento. Em termos gerais, este tem sido desde o formal, ou ritual, à ética, e esses significados diferentes deve ser cuidadosamente distinguido.

 

I. O sentido formal. 

Por santificação é normalmente significava que hallowing do crente cristão pelo qual ele se liberta do pecado e habilitado a realizar a vontade de Deus em sua vida. Isto não é, no entanto, o primeiro significado comum ou nas escrituras. Santificar meios comumente tornar santo, isto é, de se separar do mundo e consagrar a Deus.

 

1. No Antigo Testamento: 

Para entender esse significado primário, devemos voltar para a palavra "santo" no Antigo Testamento. Isso é santo, que pertence ao Senhor. Não há nada implicado aqui como ao caráter moral. Pode referir-se dias e as estações, aos lugares, aos objetos utilizados para o culto ou a pessoas. Exatamente o mesmo uso é mostrado com a palavra "santificar". Para santificar qualquer coisa é declará-la como pertencente a Deus. "Santifica-me todo o primogênito .... é minha" ( Êxodo 13: 2 ; comparar Números 03:13 ; 08:17 ). Aplica-se, portanto, tudo o que está relacionado com a adoração, aos levitas ( Números 03:12 ), os sacerdotes e da tenda da congregação ( Êxodo 29:44 ), o altar e tudo o que toca ( Êxodo 29:36 ), e a oferta ( Êxodo 29:27 ; comparar 2 Macabeus 2:18 ; Eclesiástico 07:31). A festa e dias santos devem ser santificados, isto é, para além de definir negócios ordinários como pertencentes a Yahweh (o sábado, Neemias 13: 19-22 ; um jejum, Joel 1:14 ). Assim, a nação como um todo é santificado quando Yahweh reconhece-lo e recebe-lo como seu próprio, "um reino de sacerdotes e uma nação santa" ( Êxodo 19: 5,6 ). Um homem pode, assim, santificar a sua casa ou seu campo ( Levítico 27: 14,16 ), mas não o primogênito do rebanho, pois isso já é do Senhor ( Levítico 27:26 ). 

É este uso formal, sem implicação moral que explica essa passagem como Gênesis 38:21 . A palavra traduzida como "prostituta" aqui é da mesma qadhash raiz, que significa literalmente ,, como em outros lugares, o santificado ou consagrado um (qedheshah; veja margem e compare Deuteronômio 23:18 ; 1 Reis 14:24 ; Oséias 4:14 ). É o hierodule, a figura familiar do antigo templo pagão, o escravo sagrado consagrada ao templo e da divindade para fins imorais. A prática é protestaram contra em Israel ( Deuteronômio 23:17 ), mas o uso do termo ilustra claramente a ausência de qualquer coisa essencialmente ética em seu sentido primário (compare também 2 Reis 10:20 , "E disse Jeú, santificai a assembléia solene . para Baal E eles proclamou-o "; comparar Joel 1:14 ). 

Muito sugestivo é o uso transitivo da palavra na frase, "para santificar o Senhor." Para entender isso, devemos notar o uso da palavra "santo", quando aplicado ao Senhor no Antigo Testamento. Seu significado não é primariamente ético. Santidade do Senhor é a Sua supremacia, sua soberania, sua glória, o seu ser essencial como Deus. Para dizer o Santo é simplesmente dizer Deus. Santidade de Javé é visto em seu poder, a Sua glória manifesta; é que, antes que os povos tremer, o que torna as nações temem ( Êxodo 15: 11-18 ; compare 1 Samuel 06:20 ; Salmos 68:35 ; 89: 7 ; 99: 2,3 ). Significativo é o caminho no qual "ciúmes" e "santo" são quase identificada ( Josué 24:19 ; Ezequiel 38:23 ). É Deus afirmando Sua supremacia, Sua reivindicação única. Para santificar o Senhor, portanto, para torná-lo santo, é afirmar ou reconhecer ou dar à luz o seu ser como Deus, Seu poder supremo e glória, Sua afirmação soberana. Ezequiel traz isso mais claramente. Yahweh foi profanado aos olhos das nações através da derrota e cativeiro de Israel. É verdade, foi por causa dos pecados de Israel, mas as nações pensei que era por causa da fraqueza do Senhor. A ética é não querer nessas passagens. As pessoas estão a ser separadas de seus pecados e recebeu um novo coração ( Ezequiel 36: 25,26,33 ). Mas a palavra "santificar" não é utilizada para isso. É aplicado ao Senhor, e isso significa que a afirmação do poder do Senhor, em triunfo de Israel e da conquista de seus inimigos ( Ezequiel 20:41 ; 28:25 ; 36:23 ; 38:16 ; 39:27 ). A santificação do Senhor é, portanto, a afirmação do seu ser e do poder como Deus, assim como a santificação de uma pessoa ou objeto é a afirmação do direito e da afirmação do Senhor na mesma. 

A história das águas de Meribá ilustra o mesmo significado. Falha de Moisés para santificar o Senhor é a sua incapacidade de declarar a glória eo poder do Senhor no milagre das águas ( Números 20: 12,13 ; 27:14 ; Deuteronômio 32:51 ). A história de Nadabe e Abiú aponta o mesmo caminho. Here "Serei santificado" é o mesmo que "serei glorificado" ( Levítico 10: 1-3 ). Não essencialmente diferente é o uso em Isaías 5:16 : 

"Senhor dos exércitos é exaltado pelo juízo, e Deus, o Santo, é santificado em justiça." Santidade é outra vez o exaltedhess de Deus, Sua supremacia, o que é visto aqui no acórdão (justiça, retidão) dispensado às pessoas desobedientes (compare com o refrão recorrente de Isaías 5:25 ; 9: 12,17,21 ; 10: 4 ;. ver JUSTIÇA) Isaías 08:13 ; 29:23 sugerir a mesma idéia pela maneira em que eles se relacionam "santificar" ao medo e temor. Uma passagem do Novo Testamento nos traz o mesmo significado ( 1 Pedro 3:15 ): "santificai em vossos corações a Cristo como Senhor", isto é, exaltá-Lo como supremo.

 

2. No Novo Testamento: 

Em algumas passagens do Novo Testamento no sentido ritual Antigo Testamento reaparece, como quando Jesus fala do templo santifica o ouro, eo altar o dom ( Mateus 23: 17,19 ; comparar também Hebreus 09:13 ; 1 Timóteo 4: 5 ) . O significado que prevalece é o que encontramos no Antigo Testamento. Santificar é consagrar ou separado. Podemos pegar primeiro as poucas passagens no Quarto Evangelho. Como aplicado a Jesus em João 10:36 ; 17:19 , santificar não pode significar tornar santo no sentido ético. Como todo o contexto mostra, que significa consagrar para a Sua missão no mundo. A referência aos discípulos: "para que também eles sejam santificados na verdade," tem dois significados: 

que eles podem ser separados (por Jesus envia-los, assim como o Pai envia Ele), e que pode ser feito santo em verdade. 

Este mesmo sentido da consagração, ou separação, aparece quando estudamos a palavra santo, que é o mesmo que "um santificados". Além de seu uso nos Salmos, a palavra é encontrada principalmente no Novo Testamento. Fora dos Evangelhos, onde o termo "discípulos" é usado, ele é a palavra comum para designar os seguidores de Jesus, que ocorrem cerca de 56 vezes. Por "santo" não se entende o moralmente perfeito, mas aquele que pertence a Cristo, assim como o sacerdote ou oferta santificada pertencia ao Senhor. Assim, Paulo pode saudar os discípulos em Corinto como santos e um pouco mais tarde repreendê-los como carnal e babes, como aqueles entre os quais estão o ciúme e sentimento faccioso, que andam à maneira dos homens ( 1 Coríntios 1: 2 ; 3: 1-3 ) . Da mesma forma, a frase "os santificados" ou "aqueles que são santificados" é utilizado para designar os crentes. Por "herança entre todos os que são santificados" entende-se a herança do crente cristão ( Atos 20:32 ; 26:18 ; compare 1 Coríntios 1: 2 ; 6:11 ; Efésios 1:18 ; Colossenses 1:12 ) . Este é o significado em Hebreus, que fala do crente como santificada pelo sangue de Cristo. Em 10:29 o escritor fala de alguém que tenha caído, que "profanou o sangue da aliança com que foi santificado uma coisa diabólica." Evidentemente, não é a santidade interior e pessoal deste apóstata que é referido, especialmente em vista da tensa, mas que ele tinha sido separados para Deus por este sangue sacrificial e tinha então contadas santa oferta uma coisa comum. O contraste é entre o sagrado eo comum, e não entre a perfeição moral e pecado (compare 10:10; 13:12). O sentido formal, aparece novamente em 1 Coríntios 7: 12-14 , onde o marido incrédulo é dito para ser santificado pela mulher, e vice-versa. Não é de caráter moral que se quer dizer aqui, mas uma certa separação do profano e impuro e uma certa relação com Deus. Isto é feito planície pela referência aos filhos: 

"Doutra sorte os vossos filhos seriam imundos; mas agora são santos." O sentido formal é menos certo em outros casos em que temos o pensamento de santificação ou pelo Espírito Santo ou em Cristo; como em Romanos 15:16 ", santificada pelo Espírito Santo"; 1 Coríntios 1: 2 , para "os que são santificados em Cristo Jesus"; 1 Pedro 1: 2 ", em santificação do Espírito." A doutrina de Paulo do Espírito como a nova vida em nós parece entrar aqui, e ainda a referência a um Corinthians sugere que o significado primário ainda é o de pôr à parte, a se relacionar com Deus. 

II. O sentido ético. 

Temos considerado até agora o que tem sido chamado de o sentido formal da palavra; mas o principal interesse do pensamento cristão reside na idéia de ética, a santificação considerada como a ação ativa ou processo pelo qual a vida é feita santa. 

1. Transformação de Formal para Idea ético: 

A primeira pergunta é: Como é que a idéia de pertencer a Deus tornar-se a idéia de transformação de vida e caráter? A mudança é, na verdade, nada menos do que uma parte de todo o movimento para o qual todas as Escrituras permanecer como um monumento. A ética é não querer no início, mas a supremacia da moral e espiritual sobre contra o formal, o ritual, o cerimonial, a nível nacional, é a direção clara em que o movimento como um todo tende. Agora o pivô desse movimento é a concepção de Deus. Como o pensamento de Deus cresce mais ético, mais espiritual, molda e muda todas as outras concepções. Assim, o que significa pertencer a Deus (santidade, santificação) depende da natureza de Deus, a quem o homem pertence. Os hierodules de Corinto são mulheres de vergonha por causa da natureza da deusa para cujo templo pertencem. Os profetas pego uma visão do Senhor, não mostrou zeloso da sua prerrogativa, não desejo a honra de cerimonial meticuloso e adequada, mas com um amor gratuito para o seu povo e uma paixão pela justiça. Sua grande mensagem é: 

Este agora é o Senhor; ouvir o que significa pertencer a um Deus assim e servi-Lo. "O que me serve a mim a multidão de vossos sacrifícios .... Lave você, faça você limpa; .... procurar a justiça, aliviar os oprimidos?" ( Isaías 1: 11,16,17 ). "Quando Israel era menino, eu o amei .... eu desejo o bem, e não sacrifício, e o conhecimento de Deus mais do que ofertas de bojo." ( Oséias 11: 1 ; 6: 6 ). 

Desta forma, a idéia formal que temos vindo a considerar torna-se carregada de significado moral. Para pertencer a Deus, para ser Seu servo, o seu filho, não é uma questão meramente externo. O ensinamento de Jesus como a filiação está em questão aqui. A palavra "santificação" não ocorre nos Evangelhos sinópticos em tudo, mas "filiação" com os judeus expressou esta mesma relação de pertença. Para eles, isso significava uma certa obediência, por um lado, um privilégio, por outro. Jesus declara que pertença a Deus significa semelhança com Ele, a filiação está compartilhando seu espírito de amar boa vontade ( Mateus 5: 43-48 ). Irmão e irmã de Jesus são aqueles que fazem a vontade de Deus ( Marcos 3:35 ). Paul ocupa o mesmo pensamento, mas junta-se definitivamente para o palavras "santo" e "santificar". O meio religioso da ética, aqueles "que são santificados" são "chamados a ser santos" ( 1 Coríntios 1: 2 ). Esta última frase significativa é o mesmo que em Romanos 1: 1 ". Paul .... chamado para ser apóstolo", A esta luz, lemos Efésios 4: 1 , "Walk é digno da vocação com que fostes chamados." Compare 1 Tessalonicenses 2:12 ; Filipenses 1:27 . E o fim da sua vocação é que estamos "os predestinou para serem conformes à imagem de seu Filho" ( Romanos 8:29 ). Não devemos nos limitar às palavras "santo" ou "santificar" para obter este ensino com Paul. É o seu apelo moral constante e convincente: 

Você pertence a Cristo; viver com Ele, viver para Ele ( Colossenses 3: 1-4 ; 1 Tessalonicenses 5:10 ). Não é de se pertencer, nenhuma rendição externo formal. É a cedência da vida em suas paixões e propósitos, nas suas mais profundas afeições e maiores poderes, a ser governado por um novo espírito ( Efésios 4: 13,10,23,24,32 ; comparar Romanos 12: 1 ).

 

2. nossa relação com Deus como pessoal: 

New Idea Testamento: 

Mas nós não temos o pleno significado desse pensamento da santificação como consagração, ou pertencentes, até que entender o Novo Testamento pensou em nossa relação com Deus como pessoal. O perigo tem sido sempre que esta consagração deve ser pensado de uma forma negativa ou passiva. Agora a rendição do cristão não é uma autoridade externa, mas para, uma comunhão viva interior. A vida santificada é, portanto, uma vida de comunhão pessoal vivida com o Pai no Espírito de Cristo em confiança e serviço obediente amar. Este significado positivo e vital da santificação domina o pensamento de Paulo. Ele fala de viver para Deus, de viver para o Senhor, e mais expressiva de tudo, de estar vivo até Golf ( Romanos 14: 8 ; comparar Romanos 6:13 ; Gálatas 2:19 ). Assim é completamente sua vida preenchida por essa comunhão que ele pode dizer: "Já não sou eu que vivo, mas Cristo vive em mim" ( Gálatas 2:20 ). Mas não há quietismo aqui. É uma vida muito rica e ativa, esta vida de comunhão a que estamos rendeu. É uma vida de filiação em confiança e amor, com o espírito que nos permite dizer "Abba, Pai" ( Romanos 8:15 ; Gálatas 4: 6 ). É uma vida de bondade inconquistável e boa vontade ( Mateus 5: 43-48 ). É uma vida de "fé que atua pelo amor" ( Gálatas 5: 6 ), é ter a mente de Cristo ( Filipenses 2: 5 ). A vida santificada, então, é a vida, de modo inteiramente entregue a comunhão com Cristo dia a dia que o espírito interior e expressão exterior são governados pelo Seu Espírito. 

3. Santificação como dom de Deus: 

Chegamos agora a esse aspecto que é fundamental para o interesse cristão, a santificação como a tomada de santo da vida, não pelo nosso ato, mas por escritura de Deus e pelo dom de Deus. Se a santidade representa o estado do coração e da vida em conformidade com a vontade de Deus, então a santificação é o ato ou processo pelo qual esse estado é forjado. E esta ação estamos a considerar agora como a obra de Deus. Jesus reza para que o Pai santificar os Seus discípulos em verdade ( João 17:17 ). Assim, Paulo ora pela Tessalonicenses ( 1 Tessalonicenses 5:23 ), e declara que Cristo é para santificar a Sua igreja (compare Romanos 6:22 ; 2 Tessalonicenses 2:13 ; 2 Timóteo 2:21 ; 1 Pedro 1: 2 ). Aqui santificação significa tornar limpo ou santo no sentido ético, embora a idéia de consagração não é necessariamente falta. Mas, além de passagens especiais, devemos levar em conta o ensinamento todo Novo Testamento, segundo a qual todas as partes da vida cristã é o dom de Deus e operou por Seu Espírito. "É Deus que opera em vós tanto o querer como o realizar" ( Filipenses 2:13 ; comparar Romanos 8: 2-4,9,14,16-26 ; Gálatas 5:22 ). Significativo é o uso das palavras "criatura" ("criação", ver margem) e "mão de obra", com Paul ( 2 Coríntios 5:17 ; Gálatas 6:15 ; Efésios 2:10 ; 4:24 ). A nova vida é a segunda obra da criação de Deus. 

4. As questões de tempo e método: 

Quando perguntamos, no entanto, quando e como esse trabalho é feito, não existe essa resposta clara. O que temos é a ideal intransigente um lado e da procura, e, por outro absoluta confiança em Deus. Ao adicionar a estes dois o fato evidente de que os crentes cristãos visto no Novo Testamento estão longe de atingir tal perfeição cristã, alguns escritores assumiram ter a base aqui para a doutrina de que o estado de santidade de vida completo é um especial experiência na vida cristã operou em um momento definido de tempo. É bom perceber que não há passagens do Novo Testamento dar uma resposta específica a estas questões de tempo e método, e que as nossas conclusões devem ser extraídas do ensino geral do Novo Testamento sobre a vida cristã. 

5. Um elemento em toda a vida cristã: 

Em primeiro lugar, deve-se notar que, na opinião santificação Novo Testamento no sentido ético é um elemento essencial e inevitável resultado de toda a vida e experiência cristã. Visto sob o ponto de vista religioso, segue-se a partir da doutrina da regeneração. Regeneração é a implantação de uma nova vida no homem. Medida em que esta é uma nova vida de Deus é ipso facto santo. A doutrina do Espírito Santo ensina a mesma (veja Espírito Santo). Não há vida cristã desde o início que não é obra do Espírito. "Nenhum homem pode (mesmo) dizer, Jesus é o Senhor, mas no .... Espírito" ( 1 Coríntios 12: 3 ). Mas esse Espírito é o Espírito Santo, seja com Paul dizemos Espírito de Cristo ou o Espírito de Deus ( Romanos 8: 9 ). Sua presença, pois, na medida em que significa diante santidade de vida. Do ponto de vista ético, a mesma coisa é constantemente declarado. Jesus constrói aqui contra os profetas: 

nenhuma religião sem justiça; mãos limpas, o coração puro, atos de misericórdia não são meras condições de adoração, mas se juntou aos corações humildes são eles próprios a adoração que Deus deseja ( Amós 5: 21-25 ; Miquéias 6: 6-8 ). Jesus aprofundou a concepção, mas não, alterá-lo, e Paul foi fiel a esta sucessão. "Se alguém não tem o Espírito de Cristo, esse tal não é dele, se Cristo está em vós, .... o espírito vive por causa da justiça." ( Romanos 8: 9-10 ). Não há nada no ensino de Paulo a sugerir que a santificação é o evento especial de uma experiência única, ou que existem dois tipos ou qualidades de santificação. Todos vida cristã significava para ele limpa pura vida, direito, e isso era a santificação. A forma simples, prática na qual ele ataca a causa mortis de impureza sexual em suas congregações pagãos mostra isso. "Esta é a vontade de Deus, a vossa santificação: que vos abstenhais da prostituição, que cada um de vós saiba possuir o próprio do seu próprio vaso em santificação e honra Porque Deus não nos chamou para a impureza, mas para a santificação." ( 1 Tessalonicenses 4: 3,4,7 ). A força do ensinamento de Paulo, de fato, encontra-se aqui nesta combinação de seriedade moral com absoluta dependência de Deus. 

6. Em consequência da comunhão com Deus: 

A segunda conclusão geral de que podemos tirar o ensino do Novo Testamento sobre a vida cristã é esta: 

a santificação, que é uma parte de tudo a vida cristã, decorre da própria natureza do que a vida como a comunhão com Deus. Fundamental aqui é o fato de que a vida cristã é pessoal, que nada pertence a ele, que não podem ser expressos em termos pessoais. É uma vida com Deus no qual Ele graciosamente se dá a nós, e que nós vivemos com Ele e com os irmãos, no espírito de Cristo, que é o Seu Espírito. Os dois grandes fatos como a esta comunhão é, que é um dom de Deus, e que o seu fruto é a santidade. Primeiro, é dom de Deus. O que Deus nos dá é nada menos do que a si mesmo. O presente não é primariamente o perdão, nem a vitória sobre o pecado, nem paz de alma, nem esperança do céu. É comunhão com Ele, que inclui todos esses e sem que nenhum deles pode ser. Em segundo lugar, o fruto dessa comunhão é a santidade. O hallowing real da nossa vida pode vir de nenhum outro modo. Para santidade cristã é pessoal, não é algo formal ou ritual, e sua fonte de energia e pode ser nada mais baixo do que o pessoal. Tal é a comunhão em que Deus graciosamente levanta o crente. O que quer que os seus aspectos místicos, que a comunhão não é mágica ou sacramental. É ético através de e. Sua condição do nosso lado é ético. Para a fé cristã é a rendição moral da nossa vida a Ele em quem a verdade e direita vêm até nós com autoridade para comandar. O significado de que a rendição é ético; está abrindo a vida às realidades morais definidas e poderes, para o amor, a mansidão, gentileza, humildade, respeito, pureza, a paixão pela justiça, para que o que as palavras não podem analisar, mas que nós sabemos como o Espírito de Cristo. Essa comunhão é a força moral supremo para a moldagem da vida. Uma irmandade humana íntima é um análogo do presente, e sabemos com o que poder ele funciona em vida e caráter. Não se pode, no entanto, estabelecido ou a intimidade ou o poder dessa relação suprema e final onde o nosso amigo não é outro, mas é o nosso verdadeiro eu. Tanta coisa nós sabemos: essa comunhão significa um novo espírito em nós, uma vida renovada e diariamente renovar. 

Vale ressaltar que Paul não tem formas duras e rápidas para esta vida. A realidade era muito rico e grande, e seu exemplo deve nos ensinar cautela na insistência sobre formas teológicas que podem servir para comprimir a verdade em vez de expressá-la. Aqui estão algumas de suas expressões para esta vida em nós: 

"ter a mente de Cristo" ( 1 Coríntios 2:16 ; Filipenses 2: 5 ), "o Espírito de Cristo" ( Romanos 8: 9 ), "Cristo está em vós" ( Romanos 8:10 ), "o espírito o que é de Deus "( 1 Coríntios 2:12 ), "o Espírito de Deus" ( 1 Coríntios 3:16 ), "o Espírito Santo" ( 1 Coríntios 6:19 ), "o espírito do Senhor" ( 2 Coríntios 3:17 ), "o Senhor o Espírito" ( 2 Coríntios 3:18 ). Mas em tudo isto um fato se destaca, esta vida é pessoal, um novo espírito em nós, e que o espírito é aquele que temos em comunhão pessoal com Deus; é o Seu Espírito. Especialmente significativa é a maneira pela qual Paulo se refere esta nova vida a Cristo. Nós já observamos que Paulo usa indistintamente "Espírito de Deus" e "Espírito de Cristo", e que na mesma passagem ( Romanos 8: 9 ). A grande contribuição de Paul com a doutrina do Espírito Santo encontra-se aqui. Como ele afirma, em 2 Coríntios 3:17 : "Ora, o Senhor é o Espírito." Com isso toda a concepção do Espírito ganha conteúdo moral e de caráter pessoal. O Espírito é pessoal, não alguma coisa, nem algum poder mágico e estranho. O Espírito é ético; há uma qualidade moral definitiva que se expressa quando dizemos Cristo. Ele tem o Espírito que tem as qualidades de Cristo. Assim, a presença do Espírito não é evidenciado no incomum, o milagroso, a expressão extática do entusiasta, ou algum estranho ato de poder, mas nas qualidades cotidianas de benignidade, bondade, amor, lealdade, paciência, auto-contenção ( Gálatas 5:22 ). Com esta identificação do Espírito e do Cristo em mente, podemos entender melhor as passagens em que Paul traz à tona a relação de Cristo para a santificação do crente. Ele é o objetivo ( Romanos 8:29 ). Estamos a crescer nEle ( Efésios 4:15 ). Ele deve ser formado em nós ( Gálatas 4:19 ). Estamos a contemplá-Lo e ser transformados à Sua imagem ( 2 Coríntios 3:17 ). Isso aprofunda no pensamento de Paulo sobre a relação mística com Cristo. O cristão morre para o pecado com ele para que ele possa viver com Ele uma nova vida. Cristo é agora a sua vida real. Ele habita em Cristo, Cristo habita nele. Ele tem pensamentos de Cristo, a sua mente. Veja Romanos 6: 3-11 ; 8: 9,10 ; 1 Coríntios 02:16 ; 15:22 ; Gálatas 2:20 . 

Essa concepção vital e positivo da santificação do crente deve se afirmar contra algumas interpretações populares. Os símbolos do fogo e da água, como o que sugere a limpeza, por vezes foram feitos a base para toda uma superestrutura de doutrina. (Para o primeiro, observar Isaías 6: 6 ; Lucas 03:16 ; Atos 2: 3 , para estes últimos, Atos 02:38 ; 22:16 ; 1 Coríntios 6:11 ; Efésios 5:26 ; Tito 3: 5 ; Hebreus 10:22 ; Apocalipse 1: 5 ; 07:14 ). Há um perigo duas vezes aqui, a partir do qual esses escritores não escaparam. Os símbolos sugerem limpeza, e seu excesso de ênfase significou primeiro uma ideia negativa e estreito da santificação como principalmente separação do pecado ou contaminação. Esta é uma queda de volta para certos níveis do Antigo Testamento. Em segundo lugar, esses símbolos materiais foram literarizada, eo resultado tem sido uma espécie de concepção mecânica ou mágica da obra do Espírito. Mas a alma não é uma substância de ação mecânica, no entanto sublimada. É a vida pessoal que está a ser santificado, pensamento, afetos, motivações, desejos, vontade e apenas um agente pessoal através da comunhão pessoal pode trabalhar nesse sentido. 

7. É instantânea e Entire ?: 

O claro reconhecimento do caráter pessoal e vital da santificação vai nos ajudar com outro problema. Se a vida santa ser exigência e, ao mesmo tempo seu ato de Deus, por que não deveria esta santificação ser instantânea e toda? E Paul não implica isso, não apenas em suas demandas, mas em sua oração para os tessalonicenses, que Deus pode estabelecer seus corações em santidade, para que Ele possa santificá-los totalmente e preservar o espírito, alma e corpo inteiro, irrepreensíveis para a vinda de nosso Senhor Jesus Cristo ( 1 Tessalonicenses 3:13 ; 5:23 )? 

Em resposta a isso é preciso primeiro discernir entre o ideal eo empírico com Paul. Como João (1 João 1: 6 ; 3: 9 ), Paulo insiste que a vida de Cristo e da vida de pecado, não podemos continuar juntos, e ele sabe que não obediência qualificado, nenhuma norma graduado. Ele traz a maior demanda Christian para os mais pobres dos seus convertidos pagãos. Nem temos qualquer prova mais fina de sua fé do que esse idealismo intransigente. Por outro lado, como ele poderia pedir menos do que isso? Deus não pode exigir menos do que a mais alta, mas é uma outra questão de como o ideal é ser alcançado. No reino do ideal, é sempre um ou outro .... ou. No reino da vida há uma outra categoria. A questão não é simples, é este homem pecador ou santo? É, antes, que ele está se tornando? Essa questão de tornar-se realmente é a questão vital. É este homem tomou o caminho certo com todo o seu poder? É a sua vida totalmente aberto à comunhão divina? Não é o grau de realização, mas a atitude correta para com o ideal, é decisivo. Paulo não pára para resolver paradoxos, mas praticamente ele avalia com esta idéia. Lado a lado com a sua oração para os tessalonicenses são suas admoestações para o crescimento e progresso ( 1 Tessalonicenses 3:12 ; 5:14 ). Nem a demanda absoluta ou a promessa de graça nos dá o direito de concluir como a consumação devem ter lugar. 

8. Santificação como tarefa do homem: 

Esta conclusão podemos chegar apenas como nós voltar novamente ao princípio fundamental do caráter pessoal da vida cristã e da relação, assim, dado entre o ético eo religioso. Toda a vida cristã é dom e tarefa iguais. "Trabalhar a vossa salvação .... pois é Deus quem efetua em vós" ( Filipenses 2:12 ). Tudo é de Deus; só podemos viver o que Deus dá. Mas há um outro lado no presente: 

apenas como nós vivê-la é que Deus pode dar-nos a vida. Isso aparece na doutrina de Paulo quanto à santificação. Não é apenas um dom de Deus, mas a nossa tarefa. "Esta é a vontade de Deus, a vossa santificação" ( 1 Tessalonicenses 4: 3 ). "Tendo, pois, estas promessas .... purifiquemo-nos de toda a imundícia da carne e do espírito, aperfeiçoando a santidade (hagiosune) no temor de Deus" ( 2 Coríntios 7: 1 ). Significativo é o uso de Paulo da palavra "caminhada". Nós somos a "andar em novidade de vida", "por (ou em) do Espírito", "in love" e "em Cristo Jesus, o Senhor" ( Romanos 6: 4 ; Gálatas 5:16 ; Efésios 5: 2 ; Colossenses 2: 6 ). O presente em cada caso se torna a tarefa, e de fato se torna real e eficaz apenas nessa atividade. É somente quando andamos pelo Espírito, que isso se torna poderoso para superar os desejos da carne ( Gálatas 5:16 ; comparar Gálatas 5:25 ). Mas a ética é a tarefa que só termina com a vida. Se Deus dá apenas como vivemos, então Ele não pode dar tudo de uma vez. A santificação é então a questão de uma vida e não de um momento. A vida pode ser consagrada em um momento, a relação correta com Deus assumiu e o homem ficar na poupança comunhão com Ele. A vida é assim, feita santa, em princípio. Mas a tomada de verdadeiro santo é co-extensivo com toda a vida do homem. É nada menos do que a constante in-formação da vida do espírito interior e ação externa com o Espírito de Cristo, até que, "falar a verdade em amor, cresçamos em tudo naquele que é a cabeça" ( Efésios 4:15 ). (Leia também Romanos 6 ; que o cristão está morto para o pecado não é um fato estático fixo, mas é verdade apenas quando ele se recusa a menor e produz os seus membros a uma obediência maior Note que no. 1 Coríntios 5: 7 Paul na mesma verso declara "estais sem fermento", e, em seguida, exorta "Lançai fora o velho fermento, para que sejais uma nova massa"; comparar também 1 Tessalonicenses 5: 5-10 ). 

Podemos resumir da seguinte forma: 

A palavra "santificar" é usada com dois significados principais: 

(1) A primeira é a de dedicar, para consagrar a Deus, a reconhecer como santo, isto é, como pertencente a Deus. Este é o uso regular do Antigo Testamento e é mais comum no Novo Testamento. Os profetas mostraram que este pertença ao Senhor exigiu justiça. O Novo Testamento aprofunda isso em uma entrega de todo o coração para a comunhão de Deus e para o Estado de Seu Espírito. 

(2) Embora a própria palavra aparece em mas algumas passagens com este sentido, o Novo Testamento está cheio de pensamento do tornando santo da vida do cristão pelo Espírito de Deus, em que a comunhão na qual Deus nos eleva por Sua graça e em que Ele dá-Se a nós. Esta santificação, ou santificação, não é mecânico ou mágico. É operada pelo Espírito de Deus de uma comunhão diária para que o homem se dá na aspiração, confiança e obediência, recebendo com coração aberto, vivendo na vida obediente. Não é negativo, a mera separação do pecado, mas a santificação progressiva de uma vida que cresce constantemente em capacidade, como no caráter, na estatura da maturidade plena, uma vez que está em Cristo. E a partir desta sua própria natureza, não é momentânea, mas a escritura eo privilégio de uma vida inteira. 

Veja também Espírito Santo e no artigo seguinte. 

LITERATURA. 

As obras populares e especiais são geralmente demasiado undiscriminating e anti-histórica a ser de valor para o estudo bíblico. Uma exceção é Beterraba, Santidade Simbólico e Real. Material bíblico integral em Cremer, Biblical Theol. Lexicon, mas tratada a partir de pontos de vista especial. Veja teologias sistemáticas, Testament Teologias Velho (compare especialmente Smend), e do Novo Testamento Teologias (compare especialmente Holtzmann).

 

Harris Franklin Rall 

DOUTRINA WESLEYAN 

|| 1. Doutrina Demonstrado 

2. acusações respondidas 

3. Necessário para o Maior Sucesso do Preacher 

4. Hinologia 

5. Seus resultados gloriosos 

6. Testemunho Pessoal de Wesley 

1. Doutrina declarou: 

Perfeição cristã, através de inteira santificação, pela fé, aqui e agora, era uma das doutrinas pelo qual John Wesley deu grande ofensa a seus irmãos do clero na Igreja Anglicana. Desde o início de seu trabalho em 1739, até 1760, ele estava formulando essa doutrina. Na última data, de repente surgiu um grande número de testemunhas entre seus seguidores. Muitas delas ele questionou com habilidade Baconian, sendo o resultado uma confirmação de suas teorias sobre vários pontos. 

No endereço público que ele usou os termos "Perfeição cristã", "Amor Perfeito" e "Santidade", como sinônimo, embora existam diferenças entre eles, quando examinado criticamente. Com Paul ele ensinou que tudo regenerar pessoas são santos, isto é, os santos, como a palavra "santo", do latim Sanctus, através da Norman-Fr, significa ( 1 Coríntios 1: 2 ; 2 Coríntios 1: 1 ). Sua teoria é que, no cristã normal o princípio da santidade, começando com o novo nascimento, gradualmente se expande e se consolida como o crente cresce na graça e no conhecimento da verdade, até que, por uma final, tudo se render ato de fé em Cristo, alcança uma conclusão instantânea através do ato do Espírito Santo, o santificador: 

2 Coríntios 7: 1 "aperfeiçoando a santidade", etc .; Efésios 4:13 , a King James Version "Até que todos cheguemos .... a homem perfeito", etc. Assim, a santificação é gradual, mas a inteira santificação é instantânea ( Romanos 6: 6 , "o nosso homem velho foi crucificado", etc., uma morte súbita; Gálatas 2:20 : "Já estou crucificado com Cristo; e já não sou eu é que vivo"). Em 1 Tessalonicenses 5:23 , a palavra "santificar" é um aoristo grego tenso, significando um ato e não um processo, como também em João 17:19 , "que eles .... sejam santificados na verdade", ou verdadeiramente . (Veja nota de Meyer.) Muitos cristãos experimentar essa mudança em seus leitos de morte. Se a morte de repente acaba com a vida de um cristão crescer antes de ser santificados, o Espírito Santo aperfeiçoa o trabalho. O conselho de Wesley aos pregadores dessa perfeição evangélica foi desenhar e não a dirigir, e nunca para citar quaisquer ameaças da Palavra de Deus contra os filhos de Deus. A declaração: "Sem santificação ninguém verá o Senhor" ( Hebreus 12:14 ), não se aplica aos santos ", os santos." 

A perfeição do amor de Wesley não é a perfeição de grau, mas de tipo. O amor puro é o amor perfeito. O crescimento gradual em direção perfeita pureza do amor está muito bem expresso no hino de Monod, 

"Ó vergonha amarga e tristeza!" 

A primeira resposta ao chamado do Salvador é,

 "Tudo de si, e nenhum de Ti". 

Mas depois de uma visão de Cristo na cruz. a resposta é fraca, 

"Alguns de self, e alguns de Ti". 

Então, depois de um período de crescente amor, o grito é, 

"Menos de si mesmo, e mais de Ti". 

Depois de mais um período, o grito final é, 

"Nenhum de self, e tudo de Ti!" 

uma aspiração para o amor puro, sem qualquer egoísmo. 

A realização desta graça é certificada pela cessação total de todo o temor servil (1 João 4:18 ). Wesley acrescentou a isso o testemunho do Espírito, para que a sua única prova de texto é 1 Coríntios 02:12 . 

2. acusações respondidas: 

(1) Paulo, em Filipenses 3:12 , declara que ele não é "aperfeiçoado": 

(A) em 3:15, ele declara que ele é perfeito; 

(B) "aperfeiçoado" é um termo, emprestado dos jogos antigos, significando um curso acabado. Este é um dos significados de teleioo, como pode ser visto também em Lucas 13:32 margem ", o terceiro dia que eu terminar meu curso." Paul não mais se isenta de perfeição espiritual com estas palavras do que Cristo antes de "o terceiro dia". Paulo afirma em Filipenses 3:15 , pelo uso de um adjetivo, que ele é perfeito. Em 3:12 Paulo afirma que ele não é perfeito como um vencedor, porque a corrida não terminou. Em 3:15 ele afirma que ele é perfeito como um piloto. 

(2) Paulo diz ( 1 Coríntios 15:31 ), "Eu morro todos os dias." Isto não se refere à morte para o pecado, como alguns dizem que ele faz, mas para o perigo diário de ser morto por pregar Cristo, como em Romanos 8:36 , "somos entregues à morte o dia todo." 

(3) 1 João 1: 8 : 

"Se dissermos que não temos pecado nenhum," etc. 

(A) Se o que inclui cristãos, contradiz o próprio João no versículo seguinte, e em 3: 9, o pecado "," Todo aquele que é nascido de Deus não pratica e João 8:36 , "Se .... o filho lhe torná-lo livre ", etc., e em todos esses textos do Novo Testamento que declaram pecados perdoados. 

(B) Bispo Westcott diz que a expressão "ter pecado", se distingue de "pecar", como o princípio pecaminoso se distingue do ato pecaminoso em si. Ele inclui a idéia de culpa pessoal. Westcott afirma que João se refere aos gnósticos, que ensinavam que o mal moral só existe na matéria, e nunca toca o espírito, que é sempre santo; e, por isso, embora culpado de todos os tipos de vícios, seus espíritos não tinha necessidade de expiação, porque eles não foram atingidos pelo pecado, que só existia em seus corpos, como acontece em toda a matéria. Quando disse que isso fez o corpo de Cristo pecaminoso, eles negaram a realidade do seu corpo, dizendo que era apenas um fantasma. Assim, no primeiro verso desta epístola, João escreve, evidentemente, contra o erro gnóstico, citando três dos cinco sentidos para provar a realidade da humanidade de Chrtst. (Por todos os meios, consulte "As Epístolas de João," Cambridge Bíblia para Escolas, etc., 17-21.) 

3. Necessário para o Maior Sucesso do Pregador: 

A relação dessa doutrina para a Igreja Metodista Episcopal nos Estados Unidos é visto nos seguintes perguntas, que foram respondidas afirmativamente em público por todos os seus pregadores sobre a sua admissão às Conferências:

 "Você vai para a perfeição?"; "Você espera ser aperfeiçoado no amor nesta vida?"; "Você está se esforçando seriamente depois dela?" Os hinos de Wesley, ainda universalmente cantada, são preenchidos com esta doutrina, em que ocorram essas expressões como:

 

4. Hinologia: 

"Tirem o nosso dobrado para pecar",

 

"Vamos descobrir o que segundo descanso," .... 

"Fazer e manter-me puro dentro" ....

 "'Tis feito! Tu fazes neste momento salvar, 

Com plena salvação abençoe. ".... 

5. Seus resultados gloriosos: 

Para a pregação da perfeição cristã Wesley atribuiu o sucesso de seu trabalho na conversão, a formação religiosa e formação intelectual das massas da Grã-Bretanha. Ele forneceu-lhe uma multidão de trabalhadores consagrados, muitos deles pregadores leigos, que trabalharam em quase todo vilarejo, e que levaram o evangelho em todas as colônias britânicas, incluindo a América. É declarado pelos historiadores seculares que este grande movimento evangélico, no qual a doutrina da inteira santificação foi tão proeminente, salvou a Inglaterra de uma revolução desastroso, como a que encharcado França com o sangue de sua família real e sua nobreza, na última década do século 18. É certo que o grande trabalho cristão e humanitário de William Booth, originalmente um metodista, foi inspirado por esta doutrina que ele constantemente pregada. Isso permitiu que seus seguidores nos primeiros anos do Exército da Salvação para suportar as perseguições que lhes acontecera naquele momento. 

6. de Wesley Testemunho pessoal: 

Em 06 de março de 1760, Wesley entra em seu Diário o seguinte depoimento de uma Elizabeth Longmore: 

"` Eu senti minha alma era tudo amor. Eu estava tão firme em Deus como nunca me senti antes, e sabia que eu o amava com todo meu coração. .... E o testemunho de que Deus tinha me salvou de todos os meus pecados cresceu mais clara a cada hora. .... Eu nunca encontrei uma vez que meu coração wander de Deus. ' Agora isso é o que eu sempre fiz, e não agora, dizer com perfeição. E isso eu acredito que muitos têm atingido, na mesma prova de que eu acredito que muitos são justificadas ". 

Temos apenas testemunho gravado de Wesley para a sua própria justificação nestas palavras (24 maio de 1738): 

"Eu senti meu coração estranhamente aquecido .... e uma garantia me foi dada de que Ele havia tirado meus pecados", etc.

fonte internacional standard  encylopedia bible 1915