Translate this Page

Rating: 3.0/5 (914 votos)



ONLINE
6




Partilhe este Site...

 

 

<

Flag Counter


Estudo e comentario de Genesis (5)
Estudo e comentario de Genesis (5)

 

Notas de CH Mackintosh no Pentateuco 

Genesis 32 

versículos 1-32

Jacó também seguiu o seu caminho, e os anjos de Deus o conheci. "Ainda assim a graça de Deus segue-o, apesar de tudo." Nada muda carinho de Deus. "A quem Ele ama e como Ele ama, Ele ama até o fim. Seu amor é como "Si," o mesmo ontem, hoje e para sempre ". Mas como pouco efeito "exército de Deus" tinha sobre Jacob pode ser visto por seus atos, como aqui definido antes de nós. "e enviou Jacó mensageiros diante de si a Esaú, seu irmão, à terra de Seir, território de Edom." Ele evidentemente se sente desconfortável em referência a Esaú, e não sem razão ;. Ele o havia tratado mal, e sua consciência não estava et facilidade; mas em vez de lançar-se sem reservas a Deus, ele entrega-se ao seu planejamento normal de novo, a fim de evitar a ira de Esaú. Ele tenta gerenciar Esaú, em vez de inclinar-se, Deus.

E ordenou-lhes, dizendo: Assim direis a meu senhor Esaú; Teu servo Jacob diz assim, peregrino morei com Labão, e ficou lá até agora. "Tudo isso evidencia uma alma muito fora de seu centro em Deus." Meu senhor, "e" teu servo, "não é como a linguagem de um irmão, ou de um na dignidade consciente da presença de Deus; mas era a linguagem de Jacó, e de Jacob, também, com uma má consciência.

"E os mensageiros voltaram a Jacó, dizendo: Fomos a teu irmão Esaú, e também ele vem para encontrar-te, e quatrocentos homens com ele. Jacó teve muito medo e ficou aflito." Mas o que ele primeiro fazer? Será que ele imediatamente lançou-se a Deus? Não; ele começa a gerenciar. "Ele dividiu o povo que com ele estava, e as ovelhas, e vacas, e os camelos, em dois bandos; e disse: Se Esaú vier a um empresa e ferir-lo, em seguida, a outra empresa que é deixado escapará." O primeiro pensamento de Jacob sempre foi um plano, e neste temos uma imagem real do coração humano pobre. Na verdade, ele se volta para Deus, depois ele faz o seu plano, e clama a Ele por libertação; mas não antes que ele cessamos de orar do que ele retoma o planejamento. Agora, orando e planejamento nunca vai fazer juntos. Se eu planejar, eu estou inclinado, mais ou menos no meu plano; mas quando eu rezo, eu deveria inclinar-se exclusivamente a Deus. Assim, as duas coisas são perfeitamente incompatível; eles praticamente destruir uns aos outros. Quando meu olho é preenchido com a minha própria gestão das coisas, não estou preparado para ver Deus agindo para mim; e, nesse caso, a oração não é a pronunciação de minha necessidade, mas o simples desempenho supersticiosa de alguma coisa que eu acho que deveria ser feito, ou pode ser, pedindo a Deus para santificar os meus planos. Isso nunca vai fazer. Não é pedir a Deus para santificar e abençoar meus meios, mas é pedir-Lhe para fazer tudo sozinho. *

{* Sem dúvida, quando a fé permite que Deus agir, ele vai usar sua própria agência; mas isso é uma coisa totalmente diferente de sua propriedade e abençoando os planos e arranjos de incredulidade e impaciência. Esta distinção não é suficientemente compreendido.}

Embora Jacob pediu a Deus para livrá-lo de seu irmão Esaú, ele evidentemente não estava satisfeito com isso, e, portanto, ele tentou "apaziguá-lo com um presente." Assim, a sua confiança estava na competição "presente", e não inteiramente em Deus. "Enganoso é o coração acima de todas as coisas, e desesperadamente corrupto." Muitas vezes, é difícil detectar o que é o verdadeiro fundamento de confiança do coração. Nós imaginamos, ou de bom grado convencer a nós mesmos, que estamos apoiando-se em Deus, quando estamos, na realidade, inclinado sobre algum esquema da nossa própria concepção. Que, depois de dar ouvidos à oração de Jacob, no qual ele diz: "Livra-me, peço-te, da mão de meu irmão, da mão de Esaú, porque eu o temo; porventura não venha e me fira, ea mãe com as crianças ", podia imaginá-lo dizendo:" Eu vou satisfazê-lo com um presente. " Se ele tivesse esquecido a sua oração? Ele estava fazendo um Deus de seu presente? Será que ele colocar mais confiança em algumas cabeças de gado do que em Jeová, a quem ele tinha acabado de se comprometer? Estas são perguntas que naturalmente surgir de atos de Jacob em referência a Esaú, e podemos facilmente responder-lhes, olhando para o copo de nossos próprios corações. Não aprendemos, bem como na página da história de Jacob, quanto mais aptos estamos a inclinar-se em nosso próprio gerenciamento do que a Deus; mas não vai fazer; que devem ser levados a ver o final de nossa administração, que é loucura perfeito, e que o verdadeiro caminho da sabedoria é repousar em plena confiança em Deus.

Nem vai fazer para tornar nossas orações parte de nossa administração. Muitas vezes sentimos muito bem satisfeitos com nós mesmos quando adicionar oração ao nosso arranjo, ou quando temos utilizado todos os meios lícitos, e apelou a Deus para abençoá-los. Quando este for o caso, nossas orações valem tanto quanto os nossos planos, na medida em que estamos inclinados sobre eles, em vez de em Deus. Devemos ser realmente trouxe para o fim de tudo com que eu tem deve fazer; pois até então, Deus não pode mostrar-se. Mas não podemos nunca chegar ao fim dos nossos planos, até que foram trazidos até o fim de nós mesmos. Temos de ver que "toda a carne é erva, e toda a goodliness dele é como a flor do campo." ( Isaías 40: 6 )

Assim, é neste capítulo interessante; quando Jacob tinha feito essas disposições prudentes, lemos: "E Jacó ficou só; e lutou com ele um homem até o romper do dia." Este é um ponto de viragem na história deste homem muito notável. Para ser deixado sozinho com Deus é a única forma de se chegar a um conhecimento apenas de nós mesmos e nossos caminhos. Nós nunca pode obter uma estimativa verdadeira da natureza e todos os seus atos, até que tenhamos pesou na balança do santuário, e lá nós apurar o seu valor real, não importa o que possamos pensar em nós mesmos, nem o que o homem pode pensar em nos; a grande questão é: o que Deus pensa de nós? e a resposta a esta questão só pode ser ouvido quando estamos "deixado sozinho." Longe do mundo; longe de si mesmo; longe de todos os pensamentos, raciocínios, imaginações e emoções de mera natureza, e "sozinho" com Deus - assim, e somente assim, podemos obter um julgamento correto sobre nós mesmos.

"Jacob foi deixado sozinho; e lutou com ele um homem." Mark, não foi Jacob lutando com um homem; mas um homem lutando com Jacob. Esta cena é muito comumente referido como um exemplo do poder de Jacob em oração. Que não é isso é evidente a partir do simples texto da passagem. Minha luta com um homem, e um homem lutando comigo, apresentam duas ideias totalmente diferentes para a mente. No primeiro caso, eu quero ganhar algum objeto dele; no segundo, ele quer ganhar algum objeto de mim. Agora, no caso de Jacob, o objeto divina foi para trazê-lo para ver o que um pobre, frágil criatura, inútil ele era, e quando Jacob tão obstinadamente realizou-se contra o abuso de informação divina com ele ", tocou a juntura da coxa, e a juntura da coxa de Jacob era fora do comum enquanto lutava com ele. " A sentença de morte deve ser escrito na carne - o poder da cruz deve ser celebrado antes que possamos de forma constante e, felizmente, andar com Deus. Temos seguido Jacob, até agora, em meio a todos os enrolamentos e funcionamento de seu caráter extraordinário - o vimos planejamento e gestão durante os seus vinte anos peregrinam com Laban; mas não até que ele "foi deixado sozinho", ele conseguiu uma verdadeira ideia do que é uma coisa perfeitamente impotente ele era em si mesmo. Em seguida, o assento de sua força de ser tocado, ele aprendeu a dizer: "Eu não vou deixar -te ir."

"Eu tenho abrigo none;

Se agarra a minha alma impotente para ti ".

Esta foi uma nova era na história da suplantação, planejamento, Jacob. Até este ponto, ele tinha segurado por seus próprios meios e modos; mas agora ele é levado a dizer: "Eu não vou deixar -te ir." Agora, a minha observação leitor, que Jacob não expressar-se, assim, até que "a juntura da coxa foi tocado." Este simples fato é suficiente para resolver a verdadeira interpretação de toda a cena. Deus estava lutando com Jacob para trazê-lo a este ponto. Nós já vimos que, quanto ao poder de Jacob em oração, ele não tinha mais cedo proferiu algumas palavras de Deus do que ele soltou o verdadeiro segredo de dependência de sua alma, dizendo: "Eu vou satisfazê-lo (Esaú) com um presente. " Que ele teria dito isso se ele tinha realmente entrado no sentido da oração, ou verdadeira dependência de Deus? Certamente que não. Se ele tivesse olhado para Deus somente para apaziguar Esaú, ele poderia ter dito: "Eu vou satisfazê-lo por um presente" Impossível: Deus e a criatura deve ser mantida distinta, e será mantida assim em cada alma que sabe muito do realidade sagrada de uma vida de fé.

Mas, infelizmente, aqui é onde nós falhamos, se assim se pode falar em nome de outro. Sob a fórmula plausíveis e aparentemente pio da utilização de meios, nós realmente Cloke infidelidade positiva dos nossos pobres corações engano; nós pensamos que nós estamos olhando para Deus que abençoe os nossos meios, enquanto que, na realidade, estamos fechando-Lo para fora, inclinando-se sobre os meios, em vez de inclinar-se sobre ele. Oh! pode nossos corações ser ensinado o mal de agir assim. Que possamos aprender a agarrar-se de forma mais simples a Deus por si só , para que assim a nossa história pode ser mais caracterizada por que a elevação santo acima das circunstâncias, através do qual estamos passando. Não é, de forma alguma, uma questão fácil de modo a chegar ao fim da criatura, em todos os seus aspectos, a ponto de ser capaz de dizer: "Eu não te deixarei ir se me não abençoares." Para dizer isto de coração, e não ficarem no poder dele, é o segredo de toda a verdadeira força. Jacob disse que quando a juntura da coxa foi tocado; mas não até então. Ele lutou muito tempo, antes que ele cedeu, porque a sua confiança na carne era forte. Mas Deus pode trazer até o pó o personagem mais vigoroso. Ele sabe como tocar a mola da força da natureza, e escrever a sentença de morte cuidadosamente sobre ela; e até que isso seja feito, não pode haver "Power com Deus ou do homem." real Devemos ser "fraco" antes de podermos ser "forte". "O poder de Cristo" só pode "descansar sobre nós" em conexão com o conhecimento das nossas fraquezas. Cristo não pode colocar o selo de Sua aprovação sobre a força da natureza, a sua sabedoria, ou a sua glória, tudo isso deve afundar para que Ele possa subir. A natureza nunca podem formar, em qualquer forma, um pedestal no qual exibir a graça ou poder de Cristo; pois se ele poderia, então pode carne glória em Sua presença; mas isso, sabemos, não pode nunca ser.

E, na medida em que a exibição da glória de Deus, eo nome ou o caráter de Deus, está conectado com toda a anulação da natureza, assim, até que esta última é posta de lado a alma nunca pode apreciar a divulgação do primeiro. Por isso, apesar de Jacob, é chamado para dizer o seu nome, para possuir que seu nome é Jacob, ou um usurpador ", ele ainda não recebe nenhuma revelação do nome Dele mho tinha sido lutando com ele, e trazê-lo para baixo na poeira . Ele recebeu para si o nome de Israel, ou príncipe ", que foi um grande passo à frente ?; mas quando ele diz: "Diga-me, peço-te, o teu nome;" ele recebeu a resposta: "Por que é que perguntas pelo meu nome?" O Senhor se recusa a dizer seu nome, embora ele tinha suscitado a partir de Jacob a verdade a respeito de si mesmo, e Ele abençoa-lo em conformidade. Quantas vezes este é o caso nos anais da família de Deus! Não é a divulgação de auto em toda a sua deformidade moral; mas deixamos de se apossar praticamente do que Deus é, embora ele chegou muito perto de nós, e nos abençoou, também, em conexão com a descoberta de nós mesmos. Jacob recebeu o novo nome de Israel quando a juntura da coxa havia sido tocado. Ele tornou-se um poderoso príncipe quando ele tinha sido levado a conhecer a si mesmo como um homem fraco; mas ainda assim o Senhor tinha a dizer: "Por que é que perguntas pelo meu nome?" Não há divulgação do nome daquele que, no entanto, tinha tirado o nome real e condição de Jacob.

De tudo isso me aprender que é uma coisa para ser abençoado pelo Senhor e outra coisa é ter a revelação de Seu caráter, pelo Espírito, aos nossos corações. "Ele abençoou ali"; mas ele não disse o seu nome. Não está abençoando em ser trazido, em qualquer medida, para conhecer a nós mesmos, para aí somos levados a tomar um caminho, em que somos capazes, com mais clareza, para discernir o que Deus é para nós em detalhe. Assim foi com Jacob. Quando a juntura da coxa foi tocado ele encontrou-se em uma condição em que foi Deus ou nada. Um homem de parada pobres pouco podia fazer, é, portanto, convinha-lhe para agarrar-se a um que era todo-poderoso.

Gostaria de observar, antes de deixar este capítulo, que o livro de Jó é, em certo sentido, um comentário detalhado sobre esta cena na história de Jacob. Ao longo dos primeiros trinta e um capítulos, Job lida com seus amigos, e mantém o seu ponto de encontro todos os seus argumentos; mas em Jó 32: 1-22 Deus, pela instrumentalidade de Eliú, começa a lutar com ele; e em Jó 38: 1-41 Ele desce sobre Ele diretamente com toda a majestade do seu poder, domina-lo pela exibição de Sua grandeza e glória, e provoca dele as palavras bem conhecidas, "Tenho ouvido falar de ti pela a audição do ouvido: mas agora vêem os meus olhos te Pelo que me abomino e me arrependo no pó e na cinza ".. ( Jó 42: 5-6 ) Isto foi realmente tocar a juntura da coxa. E marcar a expressão, "os meus olhos te vêem." Ele não diz, "Eu me vejo" meramente; não; mas "ti". Nada mas uma visão do que Deus é, pode realmente levar ao arrependimento e auto-aversão. Assim será com o povo de Israel, cuja história é muito semelhante com a de Job. Quando eles devem olhar para Aquele que trespassaram, eles vão chorar, e em seguida, haverá a restauração completa e bênção. O seu fim, como Jó, será melhor do que o seu início. Eles vão aprender o sentido pleno da palavra, "ó Israel, tu destruiu a ti mesmo, mas em Mim é tua ajuda." ( Oséias 13: 9 )

 

 

 

Notas de CH Mackintosh no Pentateuco

 

Genesis 33

         

Podemos aqui ver como infundada temores tudo de Jacob, e como inúteis todos os seus planos. Não obstante o wrestling, a tocar a juntura da coxa, e a detenção, encontramos Jacob ainda está planejando. "E Jacob levantou os olhos, e olhei, e eis que vinha Esaú, e com ele quatrocentos homens. E ele repartiu os filhos entre Lia, e Raquel, e as duas servas. E pôs as servas e seus filhos na frente, Lia e seus filhos depois, e Raquel e José ". Este arranjo provou a continuidade de seus medos. Ele ainda antecipou vingança da mão de Esaú, e ele expôs aqueles de quem ele se importava menos, ao primeiro golpe de que a vingança. Como maravilhosa são as profundezas do coração humano? Como lenta é a confiar em Deus! Tinha Jacob foi realmente apoiando-se em Deus, ele nunca poderia ter previsto a destruição de si mesmo e sua família; mas, infelizmente! o coração sabe algo da dificuldade de simplesmente repousando, na confiança calma, em cima de um longo momento, Deus todo-poderoso, e infinitamente misericordioso.

Mas marca, agora, a vaidade completa da ansiedade do coração. "e Esaú correu-lhe ao encontro, abraçou-o, e caiu sobre seu pescoço eo beijou; e eles choraram." O presente era totalmente desnecessário - o plano, inútil. Deus "apaziguar" Esaú, nós Ele já havia apaziguado Laban. Assim, é Ele que nunca se deleita em repreender o nosso pobre, covarde, corações incrédulos, e puseram em fuga todos os nossos medos. Em vez da espada temida de Esaú, Jacob encontra seu abraço e beijo; em vez de luta e conflito, eles misturam suas lágrimas. Tais são os caminhos de Deus. Quem não gostaria de confiar nele? Quem não gostaria de honrá-lo com plena confiança do coração? Por que é que, apesar de todas as evidências doce de Sua fidelidade àqueles vai colocar sua confiança nEle, estamos tão prontos, em todas as ocasiões fresco, duvidar e hesitar? A resposta é simples, não estamos suficientemente familiarizados com Deus. "Apega-te com Ele e estar em paz." ( Jó 22:21 ) Isto é verdade, quer em referência ao pecador não convertido, ou para o filho de Deus. O verdadeiro conhecimento de Deus, conhecido real com Ele, é vida e pence. "Esta é a vida eterna: que te conheçam a ti, o único Deus verdadeiro, ea Jesus Cristo, a quem enviaste." ( João 17: 3 ) Quanto mais íntima a nossa familiaridade com Deus, mais sólida será a nossa paz, e quanto mais se nossas almas ser levantado acima de qualquer dependência criatura. "Deus é uma rocha", e nós só precisa inclinar-se todo o nosso peso sobre ele, para saber como pronto e como capaz Ele é para nos sustentar.

Depois de toda essa manifestação da bondade de Deus, encontramos Jacob estabelecendo-se em Sucote, e, contrário ao espírito e princípios de uma vida peregrina, a construção de uma casa, como se fosse sua casa. Agora, Sucot era, evidentemente, não o seu destino divinamente designada. O Senhor não lhe tinha dito: "Eu sou o Deus de Sucot;" não; mas "Eu sou o Deus de Betel". Bethel, portanto, e não Sucot, deveria ter sido grande objetivo de Jacob. Mas, infelizmente! o coração está sempre propenso a ficar satisfeito com uma posição e uma porção curta do que Deus iria graciosamente atribuir.

Jacob então se move para Siquém, e as compras chão, ainda aquém da marca divina, e o nome pelo qual ele chama de seu altar é indicativo da condição moral de sua alma. Ele chama isso de "El-elohe Israel", ou "Deus, o Deus de Israel." Este foi tendo uma visão muito contratado de Deus. É verdade que é nosso privilégio de conhecer a Deus como nosso Deus; mas é uma coisa superior a conhecê-Lo como o Deus da sua própria casa, e nos vemos como parte dessa casa. É privilégio do crente a conhecer a Cristo como sua cabeça; mas é uma coisa superior para conhecê-Lo como a cabeça de seu corpo, a Igreja, e nos conhecer como membros desse corpo.

Veremos, quando chegamos a Gênesis 35: 1-29 que Jacob é levado a tomar uma superior e uma visão mais ampla de Deus; mas em Siquém ele era manifestamente em terreno baixo, e ele foi feito para inteligente para isso, como é sempre o caso quando param de próprio terreno de Deus. As duas tribos e meia assumiu a sua posição sobre este lado do Jordão, e eles foram os primeiros a cair nas mãos do inimigo. Assim foi com Jacob. Vemos, em Gênesis 34: 1-31 os frutos amargos da sua estada em Siquém. Há uma mancha lançada sobre sua família, que Simeão e Levi tentativa de acabar com, no mero energia e violência da natureza, que só levou a ainda mais profunda tristeza; e que, também, que tocou Jacob ainda mais intensamente do que o insulto oferecido a sua filha: "E Jacó disse a Simeão ea Levi: Tendes-me perturbado, fazendo-me odioso aos habitantes da terra, aos cananeus e os perizeus e eu sendo poucos em número, eles devem se ajuntam contra mim , mata- me , e eu será destruído, eu e a minha casa ". Assim, foi as consequências em referência a si mesmo que afetaram Jacob mais. Ele parece ter andado em constante apreensão de perigo para si ou para sua família, e na manifestação de um ansioso, um cauteloso, tímido, espírito calculista, totalmente incompatível com uma vida de fé genuína em Deus.

Não é que Jacob não foi, no essencial, um homem de fé; ele certamente era, e como tal, recebe um lugar entre a "nuvem de testemunhas" em Hebreus 11: 1-40 . Mas, em seguida, ele exibiu triste fracasso de não andar no exercício habitual de que o princípio divino. Poderia fé o levaram a dizer: "serei destruído, eu e minha casa?" Certamente não. A promessa de Deus em Gênesis 28: 14-15 , deveria ter banido todos os medos de seu pobre espírito tímido. "Eu te guardarei ..... eu não te deixarei. Isto deveria ter tranquilizou seu coração. Mas o fato é que sua mente estava mais ocupado com o perigo entre os siquemitas do que com sua segurança na mão de Deus. Ele deveria ter sabido que "nem um só cabelo da sua cabeça poderia ser tocado, e, portanto, em vez de olhar Simeão e Levi, ou pelas consequências da sua atuação erupção cutânea, ele deveria ter-se julgados por estar em tal posição em tudo. Se ele não tivesse resolvido em Siquém, Dinah não teria sido desonrado, ea violência de seus filhos não teriam sido expostos. Estamos constantemente a ver os cristãos de entrar em profunda tristeza e problemas através de sua própria infidelidade; e, em seguida, em vez de julgar a si mesmos, eles começam a olhar para as circunstâncias, e para lançar sobre eles a culpa.

Quantas vezes vemos os pais cristãos, por exemplo, em angústia aguda da alma sobre a selvageria, unsubduedness e mundanismo dos seus filhos; e, ao mesmo tempo, eles têm principalmente se culpar por não andar fielmente diante de Deus em referência à sua família. Assim foi com Jacob. Ele estava em terreno baixo moral em Siquém; e, na medida em que ele não tinha essa sensibilidade refinada que o teria levado para detectar o terreno baixo, Deus, em muito fidelidade, usou suas circunstâncias, para castigá-lo. "Deus não se zomba, pois tudo o que o homem semear, que também ceifará." Este é um princípio que flui para fora do governo moral de Deus, um princípio, a partir da aplicação de que ninguém pode possivelmente escapar; e é uma misericórdia positiva para os filhos de Deus que eles são obrigados a colher os frutos de seus erros. É uma graça a ser ensinado, de forma alguma, a amargura da partida, ou parar com falta de, do Deus vivo. Devemos aprender que este não é o nosso descanso; para, bendito seja Deus, Ele não nos daria um descanso poluído. Ele jamais teria nos descansando, e com ele mesmo. Tal é a Sua graça perfeita; e quando o nosso coração fundador, ou aquém, Sua palavra é: "Se queres voltar, voltar a mim". Falsa humildade, que é simplesmente o fruto da incredulidade, levaria o andarilho ou desviado para tomar térreo, não sabendo o princípio ou medida de restauração de Deus. O filho pródigo procuraria a ser feito um servo, não sabendo que, tanto quanto ele estava preocupado, ele não tinha mais título a ter lugar de um servo do que a de um filho; e, além disso, que seria totalmente indigno do caráter do pai para colocá-lo em tal posição. Devemos chegar a Deus em um princípio e de uma maneira digna de si mesmo, ou não em todos.

 

 

 

Notas de CH Mackintosh no Pentateuco

 

Genesis 35

 

versículos 1-29

Estes capítulos apresentam-nos a história de Jacob - pelo menos, as principais cenas em que a história. O Espírito de Deus aqui nos apresenta a instrução mais profunda, em primeiro lugar, quanto ao propósito de infinita graça de Deus; e, por outro, quanto à inutilidade e depravação da natureza humana.

Há uma passagem em Gênesis 25: 1-34 que eu propositadamente passou por cima, a fim de ter se aqui em cima, para que possamos ter a verdade em referência a Jacob totalmente antes de nós ", Isaque orou insistentemente ao Senhor por sua mulher, porquanto ela era estéril; eo Senhor se aplacou para com ele, e Rebeca, sua mulher, concebeu os filhos lutavam dentro dela, e ela disse: Se assim é, por que sou assim e ela foi consultar o Senhor e.?. o Senhor lhe disse: duas nações há no teu ventre, e dois tipos de pessoas devem ser separadas das tuas entranhas, e um povo será mais forte que o outro povo, eo mais velho servirá ao mais novo ". Isto é referido em Malaquias, onde lemos: "Eu vos amei a vós, diz o Senhor: ainda dizeis: Em tu nos amou não era Esaú irmão de Jacob diz o Senhor:? Mas eu vos amei a Jacó, e odiei Esaú . " Esta é novamente referido no Romanos 9: 1-33 : "Para as crianças ainda não ter nascido, nem tendo feito bem ou mal, para que o propósito de Deus, segundo a eleição, ficasse firme, não por obras, mas por aquele que chama foi dito a ela: o maior servirá o menor, como está escrito, amei Jacó, mas odiei a Esaú ".

Assim, temos muito claramente diante de nós, o propósito eterno de Deus, segundo a eleição da graça. Há muito envolvido nesta expressão. Ele bane qualquer pretensão humana de cena, e afirma o direito de Deus para agir como Ele o fará. Este é o último importância. A criatura pode desfrutar sem aventurança real até ele é levado a inclinar a cabeça para a graça soberana. Torna-se-lhe assim fazer, na medida em que ele é um pecador, e, como tal, totalmente sem pretensão de agir ou ditar. O grande valor de encontrar-se com esse fundamento é, que não será mais uma questão do que nós merecemos chegar, mas simplesmente do que Deus tem o prazer de dar. O filho pródigo pode falar de ser um servo, mas ele realmente não merecia o lugar de servo, se fosse para ser feita uma questão de deserto; e, portanto, ele só tinha que tomar o que o pai estava satisfeito para dar - e que era o lugar mais alto, mesmo o lugar de comunhão com ele mesmo. Assim, ele deve sempre ser. "Graça todo o trabalho deve coroar, através de dias eternos." Feliz para nós que é assim. Como nós vamos sobre, dia a dia, fazendo novas descobertas de nós mesmos, precisamos ter debaixo dos nossos pés a base sólida da graça de Deus: nada mais poderia sustentar-nos na nossa crescente auto-conhecimento. A ruína é impossível, e, portanto, a graça deve ser infinito, e infinito que é, que tenham origem no próprio Deus, seu canal em Cristo, e o poder de aplicação e gozo no Espírito Santo. A Trindade é trazido para fora em conexão com a graça que salva um pobre pecador. "A graça reina pela justiça, para a vida eterna, por Jesus Cristo, nosso Senhor." É apenas na redenção que esse reinado de graça podia ser visto. podemos ver na criação do reino de sabedoria e poder; podemos ver na providência o reinado de bondade e longanimidade; mas apenas na redenção que vemos o reinado da graça, e que, também, no princípio da justiça.

Agora, temos, na pessoa de Jacob, uma exposição mais marcante do poder da graça divina; e por esta razão, que temos nele uma exposição marcante do poder da natureza humana. Nele vemos a natureza em toda a sua obliquidade, e, portanto, vemos graça em toda a sua beleza moral e poder. A partir dos fatos de sua história notável, parece que, antes de seu nascimento, no seu nascimento, e depois de seu nascimento, a energia extraordinária da natureza foi visto. Antes de seu nascimento, lemos: "os filhos lutavam dentro dela." Em seu nascimento, lemos, "agarrada sua mão ao calcanhar de Esaú." E, depois de seu nascimento - sim ao ponto de viragem da sua história, em Gênesis 32: 1-32 , sem nenhuma exceção - o seu curso exibe nada, mas os traços mais unamiable da natureza; Mas tudo isso só serve, como um fundo monótono, para pôr em relevo a graça daquele que condescende se chamar pelo nome tocar peculiar, "o Deus de Jacó" - um nome mais docemente expressivo de graça.

Vamos agora examinar os capítulos consecutivamente. Genesis 27: 1-46 apresenta uma imagem mais humilhante de sensualidade, engano e astúcia; e quando se pensa em tais coisas em conexão com o povo de Deus, é triste e doloroso para o último grau. No entanto, como verdadeiro e fiel é o Espírito Santo! Ele deve dizer tudo. Ele não pode nos dar uma visão parcial. Se ele nos dá uma história do homem, ele deve descrever o homem como ele é, e não como ele não é. Então, se Ele nos revela o caráter e caminhos de Deus, Ele nos dá a Deus como Ele é. E isso, precisamos dificilmente observação, é exatamente o que precisamos. Precisamos da revelação de um perfeito em santidade, ainda perfeito em graça e misericórdia, que poderia vir para baixo em toda a profundidade da necessidade do homem, sua miséria e sua degradação, e lidar com ele lá, e levantá-lo fora dele em pleno , comunhão sem impedimentos com Ele em toda a realidade do que Ele é. Isto é o que a Escritura nos dá. Deus sabia o que precisávamos, e Ele a deu a nós, bendito seja o Seu nome!

E, seja lembrado, que, ao estabelecer diante de nós, no amor fiel, todos os traços de caráter do homem, é simplesmente com vista a ampliar as riquezas da graça divina e de admoestar nossas almas. Não é, por qualquer meio, a fim de perpetuar a memória dos pecados, para sempre apagada de sua vista. Os borrões, as falhas e os erros de Abraão, Isaac e Jacob, foram perfeitamente lavados, e eles tomaram seu lugar no meio "os espíritos dos justos aperfeiçoados;" mas sua história continua a ser, na página de inspiração, para a exibição da graça de Deus, e para o aviso do povo de Deus em todas as idades; E, além disso, que a minha claramente ver que Deus bendito não foi lidar com os homens e mulheres perfeitos, mas com os de "como paixões que nós" que Ele foi andando e tendo com as mesmas falhas, as mesmas fraquezas, os mesmos erros, como aqueles sobre os quais estamos de luto todos os dias. Isto é particularmente reconfortante para o coração; e pode muito bem estar em contraste marcante com a maneira em que a grande maioria de biografias humanos são escritos, em "que, na sua maior parte, encontramos, não a história dos homens, mas de seres desprovidos de erro e da enfermidade. histórias tem sim o efeito desencorajador do que de edificar quem os lê. eles são bastante histórias do que os homens deveriam ser, do que do que elas realmente são, e eles são, portanto, inútil para nós, sim, não só inútil, mas travesso .

Nada pode edificar salvar a apresentação de Deus lidando com o homem como ele realmente é; e é isso que a palavra nos dá. O capítulo antes de nós ilustra isto muito plenamente. Aqui encontramos o velho patriarca Isaac, de pé, por assim dizer, no portal da eternidade, da terra e da natureza rápido desaparecendo de sua vista, ainda ocupava cerca de "carne saborosa", e sobre a agir em oposição direta com o divino conselho, abençoando o mais velho em vez do mais novo. Verdadeiramente este era natureza, ea natureza, com seus "olhos apagados." Se Esaú vendeu sua primogenitura por um prato de lentilhas, Isaac estava prestes a dar a bênção por um prato de carne de veado, Como muito humilhante!

Mas o propósito de Deus deve ficar de pé, e Ele fará todo o Seu prazer. A fé sabe disso; e, no poder do que o conhecimento, pode esperar o tempo de Deus. Esta natureza nunca pode fazer, mas deve definir sobre ganhar seus próprios fins, pelas suas próprias invenções. Estes são os dois pontos grandes trazidos na história de Jacob - efeito da graça de Deus, por um lado; e, por outro, a natureza conspirar e tramar para alcançar o que o efeito teria infalivelmente provocado, sem qualquer enredo ou esquema em tudo. Isso simplifica a história de Jacob, surpreendentemente, e não só simplifica-lo, mas aumenta o interesse da alma também. Não há nada, talvez, em que estamos tão lamentavelmente deficiente, como na graça do paciente, dependência auto-renunciando a Deus. Natureza estará trabalhando em alguma forma ou de outra, e, portanto, tanto quanto nele se encontra, dificultando o resplendor da graça e do poder divino. Deus não precisa da ajuda de elementos como a astúcia de Rebeca e engano bruta de Jacob, a fim de cumprir o Seu propósito. Ele havia dito, "o mais velho servirá ao mais jovem." Isso foi o suficiente - o suficiente para a fé, mas não o suficiente para a natureza, que deve sempre adotar seus próprios caminhos, e não sabe nada do que é esperar em Deus.

Agora, nada pode ser mais verdadeiramente abençoada do que a posição de pendurar na dependência pueril em Deus, e sendo totalmente satisfeito que esperar para o seu tempo. É verdade, que irá envolver julgamento; mas a mente renovada aprende algumas de suas lições mais profundas, e goza de algumas das suas experiências mais doces, enquanto espera no Senhor; e quanto mais pressionando a tentação de tomar-nos para fora de suas mãos, a mais rica será a bênção de deixar-nos lá. É tão excessivamente doce encontrar-nos inteiramente dependente aquele que encontra infinita alegria em nos abençoar. É somente aqueles que provaram, em qualquer pequena medida, a realidade desta posição maravilhosa que pode em todos apreciá-lo. O único que já ocupou perfeitamente e ininterruptamente foi o próprio Senhor Jesus. Ele estava sempre dependente de Deus, e totalmente rejeitado todas as propostas do inimigo para ser outra coisa. Sua linguagem era, "em ti confio;" e novamente, "fui lançado sobre ti desde o ventre." Assim, quando tentado pelo diabo para fazer um esforço para satisfazer sua fome, sua resposta foi: "Está escrito: O homem não vive só de pão, mas de toda a palavra que sai da boca de Deus". Quando tentado a lançar-se do pináculo do templo, Sua resposta foi: "Também está escrito: Tu não tentarás o Senhor teu Deus." Quando tentados a tomar os reinos do mundo a partir do lado de outro que não Deus, e fazendo homenagem a outro que não ele, sua resposta foi: "Está escrito: Tu adorar o Senhor teu Deus, e só a ele servirás. " Em uma palavra, nada poderia seduzir o homem perfeito do local de absoluta dependência de Deus. É verdade, era o propósito de Deus para sustentar o Seu Filho; que era Seu propósito que Ele de repente virá ao seu templo; era seu propósito de dar-Lhe os reinos deste mundo; mas esta foi a razão pela qual o Senhor Jesus iria simplesmente e sem interrupção esperar em Deus para a realização de Seu propósito, em Seu próprio tempo e à Sua própria maneira. Ele não começou a realizar seus próprios fins. Ele deixou a Si mesmo totalmente à disposição de Deus. Ele só iria comer quando Deus lhe deu pão; Ele só iria entrar no templo quando enviado de Deus; Ele irá ascender ao trono quando Deus nomeia o tempo. "Assenta-te à minha direita, até que eu ponha os teus inimigos escabelo de teus pés." ( Salmos 110: 1-7 )

Esta profunda submissão do Filho ao Pai é admirável além da expressão. Embora inteiramente igual a Deus, Ele tomou, como homem, o lugar de dependência, regozijando-se sempre na vontade do Pai; dando graças mesmo quando as coisas pareciam estar contra Ele; fazendo sempre as coisas que agradavam ao Pai; fazer: é Sua grandiosa e uvarying objeto para glorificar o Pai; e, finalmente, quando tudo foi realizado, quando Ele tinha perfeitamente consumado a obra que o Pai lhe entregara, assoprou Seu espírito nas mãos do Pai, e Sua carne descansou na esperança da glória prometida e exaltação. Bem, portanto, que o apóstolo inspirado diz: "De sorte que haja em vós, que houve também em Cristo Jesus, que, sendo em forma de Deus, não julgou como usurpação o ser igual a Deus, mas a si mesmo se esvaziou e, tomando a forma de servo, tornando-se em semelhança de homens; e, achado na forma de homem, humilhou-se, tornando-se obediente até à morte e morte de cruz Pelo que também Deus. o exaltou soberanamente, e lhe deu o nome que está acima de todo nome, para que ao nome de Jesus se dobre todo joelho dos que estão nos céus, e na terra, e debaixo da terra, e toda língua confesse que Jesus Cristo é o Senhor, para glória de Deus Pai "

Quão pouco Jacob sabia, na abertura de sua história, desta mente abençoado! Quão pouco ele estava preparado para esperar o tempo de Deus e da maneira de Deus! Ele preferia muito mais o tempo de Jacob e forma de Jacob. Ele pensou que muito melhor para chegar à bênção e da herança por todo tipo de astúcia e engano, do que pela simples dependência e sujeição a Deus, cuja graça eletiva havia prometido, e cuja onipotente poder e sabedoria seria seguramente realizar tudo para ele.

Mas, oh! quão bem se sabe a oposição do coração humano a tudo isso! Qualquer atitude para ele salvar a de paciente espera em Deus. É quase o suficiente para conduzir a natureza para distração para encontrar-se desprovidos de todo o recurso, mas Deus. Isto diz-nos, em linguagem para não ser mal interpretado, o verdadeiro caráter da natureza humana. A fim de saber o que a natureza é, eu não precisam viajar para as cenas de vício e crime que justamente chocar todo o senso moral refinado. Não; tudo o que é necessário é apenas para experimentá-lo por um momento no lugar de dependência, e ver como ele vai realizar-se lá. Ela realmente não sabe nada de Deus, e, portanto, não pode confiar nele; e aqui foi o segredo de toda a sua miséria e degradação moral. É totalmente ignorantes do verdadeiro Deus, e pode, portanto, ser nada mais, mas uma coisa em ruínas e sem valor. O conhecimento de Deus é a fonte da vida - sim, é a própria vida; e até que um homem tem a vida, quem é ele? ou, o que pode ser?

Agora, em Rebeca e Jacó, vemos a natureza aproveitando da natureza em Isaac e Esau. Foi realmente isso. Não há espera em Deus que seja. Os olhos de Isaac foram dim, ele poderia, portanto, ser imposta, e puseram-se a fazê-lo, em vez de olhar fora a Deus, que teria inteiramente frustrados propósito de Isaac para abençoar aquele a quem Deus não abençoar - um propósito? fundada na natureza, ea natureza mais desagradável, para "Isaac preferia Esaú," não porque ele era o primogênito, mas "porque comia da sua caça." Como humilhante!

Mas temos a certeza de trazer tristeza sem mistura sobre nós, quando tomamos nós mesmos, nossas circunstâncias, ou os nossos destinos, fora das mãos de Deus. * Assim foi com Jacob, como veremos na sequência. Tem sido observado por outro, que quem observa a vida de Jacob, depois de ter obtido secretamente a bênção de seu pai, vai perceber que ele gostava muito pouca felicidade mundana. Seu irmão propósito de matá-lo, para evitar que ele foi forçado a fugir da casa de seu pai; seu tio Labão enganado ele, como ele havia enganado seu pai, e tratou-o com grande rigor; depois de uma servidão de vinte e um anos, ele foi obrigado a deixá-lo de forma clandestina, e não sem perigo de ser trazida de volta ou assassinado por seu irmão enfurecido; Assim que estes medos mais, do que ele experimentou a vileza de seu filho Reuben, em contaminando sua cama; ele tinha ao lado de lamentar a traição e crueldade de Simeão e Levi em relação siquemitas; então ele tinha que sentir a perda de sua amada esposa; ele estava próximo imposta por seus próprios filhos, e teve que lamentar o fim prematuro suposto de José; e, para completar tudo, ele foi forçado pela fome de ir para o Egito, e ali morreu em uma terra estranha. Então, só, maravilhoso, e instrutivo são todos os caminhos da Providência ".

{* Devemos sempre lembrar, em um lugar de julgamento, que o que nós queremos não é uma mudança de circunstâncias, mas a vitória sobre o auto.}

Este é um retrato verdadeiro, tanto quanto Jacob estava em causa; mas isso só nos dá um lado, e que o lado sombrio. Bendito seja Deus, há um lado positivo, da mesma forma, porque Deus tinha a ver com Jacob; e, em cada cena de sua vida, quando Jacob foi chamado para colher os frutos de sua própria trama e desonestidade, o Deus de Jacob trouxe o bem do mal, e causou sua graça abundar sobre todo o pecado e loucura de Seu pobre servo . Isso veremos como proceder à sua história.

I deve apenas oferecer uma observação aqui sobre Isaque, Rebeca, e Esaú. É muito interessante observar como, apesar da exposição de fraqueza excessiva da natureza, na abertura de Gênesis 27: 1-46 , Isaac mantém, pela fé, a dignidade que Deus lhe conferiu-lhe. Ele abençoa com toda a consciência de ser dotado de poder de abençoar! Ele diz: "Eu tenho abençoado, sim, e ele será abençoado .. Eis aqui, tenho-o teu Senhor fez, e todos os seus irmãos lhe tenho dado por servos; e de trigo e de vinho o tenho fortalecido; e o que devo fazer agora a ti, meu filho? " Ele fala como alguém que, pela fé, tinha à sua disposição todos os tesouros da terra. Não há nenhuma falsa humildade, não tomando um terreno baixo em razão da manifestação da natureza. Na verdade, ele estava às vésperas de cometer um erro grave - mesmo de se mover para a direita athwart o conselho de Deus; Ainda assim, ele sabia que Deus, e tomou seu lugar em conformidade, dispensando bênçãos em toda a dignidade e poder da fé. "Eu já o abençoou, sim, e ele será bendito." "Com o milho eo vinho o tenho fortalecido." É a província de fé correta para superar a falha própria tudo de um e as consequências daí resultantes, para o lugar onde a graça de Deus nos colocou.

Como a Rebeca, ela foi chamada para sentir todos os tristes resultados de seus atos ardilosos. Ela, sem dúvida, imaginou que ela estava administrando assuntos mais habilmente; mas, infelizmente! ela nunca viu Jacob novamente: tanto para a gestão! Quão diferente teria sido se ela deixou o assunto inteiramente nas mãos de Deus. Esta é a maneira em que a fé gere, e é sempre um ganhador. "Qual de vós, por preocupar-se, pode adicionar à sua estatura de um côvado?" Nós não ganha nada com a nossa ansiedade e planejamento; nós só excluídos Deus, e que há ganho. É um justo julgamento da mão de Deus para ser deixada para colher os frutos, dos nossos próprios dispositivos; e eu sei de algumas coisas mais triste do que ver um filho de Deus tão completamente esquecendo seu devido lugar e privilégio, como para assumir a gestão dos seus assuntos em suas próprias mãos. As aves do céu e os lírios do campo, pode muito bem ser os nossos professores quando até agora esquecer a nossa posição de dependência sem ressalvas em Deus.

Então, novamente, como a Esaú, o apóstolo chama de "uma pessoa profana, que por uma refeição vendeu o seu direito de primogenitura", e "depois, quando ele ainda depois herdar a bênção, foi rejeitado; porque não achou lugar de mudança de mente, ainda que o buscou diligentemente com lágrimas. " Assim, aprendemos que uma pessoa profana é, viz. aquele que gostaria de realizar dois mundos; aquele que gostaria de desfrutar o presente, sem perder o seu título para o futuro. Este é, de modo algum, um caso incomum. Ela expressa a nós o professor mundana mero, cuja consciência nunca se sentiu a acção da verdade divina, e cujo coração nunca sentiu a influência da graça divina.

Nós agora são chamados para rastrear Jacob em seu movimento de debaixo de seu teto pais, a vê-lo como um andarilho sem teto e solitário na terra. É aqui que as operações especiais de Deus com ele começar. Jacob agora começa a perceber, em alguma medida, o fruto amargo de sua conduta, em referência a Esaú; enquanto, ao mesmo tempo, Deus é visto subindo acima de tudo a fraqueza e loucura de Seu servo, e exibindo Sua própria graça soberana e profunda sabedoria em Seu trato com ele. Deus realizará seu próprio propósito, não importa pelo que instrumentalidade; Mas se Seu filho, na impenitência do espírito, ea incredulidade de coração, vai levar-se fora de suas mãos, ele deve esperar muito exercício triste e dolorosa disciplina. Assim foi com Jacob: ele poderia não ter tido a fugir para Haran, se tivesse permitido Deus para agir em seu nome. Deus seria, certamente, têm lidado com Esaú, e levou-o a encontrar o seu lugar destinado e parte; e Jacob poderia ter desfrutado de que a paz doce que nada pode render economia de toda sujeição em todas as coisas à mão e conselho de Deus.

Mas aqui é onde a fraqueza excessiva de nossos corações é constantemente divulgado. Nós não mentem passivo nas mãos de Deus; estaremos agindo; e, por nossa atuação, que impedem a exibição de graça e poder de Deus em nosso favor. "Aquietai-vos e sabei que eu sou Deus", é um preceito que nada, salvar o poder da graça divina, pode permitir a obedecer. "Seja a vossa moderação conhecida de todos os homens. O Senhor está próximo. ( Eggus ) Tenha cuidado para nada, mas em tudo, pela oração e súplica com ações de graças, sejam as vossas petições conhecidas diante de Deus." Qual será o resultado desta atividade? "A paz de Deus, que excede todo o entendimento, guarnição ( phrouresei ) seus corações e mentes em Cristo Jesus." ( Filipenses 4: 5-7 )

No entanto, Deus graciosamente anula nossa loucura e fraqueza, e enquanto nós somos chamados a colher os frutos de nossos caminhos incrédulos e impaciente, ele aproveita a ocasião com eles para ensinar nossos corações lições ainda mais profundos de sua própria graça concurso e sabedoria perfeita. Este, ao mesmo tempo que, seguramente, não oferece qualquer garantia sequer para a incredulidade e impaciência, não mais maravilhosamente exibem a bondade do nosso Deus, e confortar o coração, mesmo enquanto nós pode estar passando através das circunstâncias dolorosas decorrentes de nosso fracasso. Deus está acima de todos; e, além disso, é sua prerrogativa especial para trazer o bem do mal; para fazer a carne de rendimento comedor, ea forte doçura de rendimento; e, portanto, se é bem verdade que Jacob foi obrigado a ser um exilado de telhado de seu pai, em consequência de sua própria atuação inquieto e enganoso, é igualmente verdade que ele nunca poderia ter aprendido o significado de "Betel" que ele tinha sido discretamente em casa. Assim, os dois lados da imagem são fortemente marcadas em cada cena da história de Jacob. Foi quando ele foi levado, por sua própria loucura, da casa de Isaac, que ele foi levado a gosto, em alguma medida, a bem-aventurança e solenidade de "casa de Deus".

"E Jacó de Berseba, e foi a Harã e ele caiu em um determinado lugar, e passaram ali a noite toda, porque o sol era posto;. E tomou uma das pedras do lugar e pondo-a debaixo da cabeça, deitou-se naquele lugar para dormir. " Aqui encontramos o andarilho sem teto apenas na própria posição em que Deus poderia encontrá-lo, e no qual ele poderia se desdobrar Seus propósitos de graça e glória. Nada poderia ser mais expressivo de desamparo e nada do que a condição de Jacob como aqui definido antes de nós. Sob o dossel do céu aberto, com um travesseiro de pedra, na condição de desamparo do sono. Foi assim que o Deus de Betel desdobrado para Jacob Seus propósitos com respeito a ele e à sua descendência. "E sonhou: e eis uma escada posta na terra, cujo topo chegava ao céu;. E eis que os anjos de Deus subindo e descendo por ela E eis que o Senhor estava em cima dela, e disse: Eu sou o Senhor, Deus de Abraão teu pai, eo Deus de Isaac:. a terra em que estás deitado, te hei de dar a ti, e à tua descendência ea tua descendência será como o pó da terra, e tu espalhados ao serão benditas em ti e na tua descendência todas as famílias da terra e eis que eu estou contigo, e te guardarem em todos os lugares para onde: oeste e para o leste, e para o norte e para o sul. fores, e te farei tornar a esta terra;. para que eu não te deixarei, até que eu tenha feito o que eu tenho falado a ti de "

Aqui temos, de fato, "graça e glória." A escada "definir sobre a terra" naturalmente leva o coração a meditar sobre a exibição da graça de Deus, na Pessoa e obra de Seu Filho. Sobre a terra era que a obra maravilhosa foi realizado que constitui a base, a base forte e eterno, de todos os conselhos divinos em referência a Israel, a Igreja e o mundo em geral. Na terra que foi que Jesus viveu difícil. é morreu; que, através da Sua morte, Ele pode remover para fora do caminho todos os obstáculos à realização do propósito divino de bênção para o homem.

Mas "o topo da escada chegava ao céu." Ele formou o meio de comunicação entre o céu ea terra; e "eis que os anjos de Deus subindo e descendo por ela" - impressionante e bela foto dele por quem Deus desceu em toda a profundidade da necessidade do homem, e por quem também ele trouxe o homem e colocou-o em sua própria presença para sempre, no poder da justiça divina! Deus fez provisão para a realização de todos os seus planos, apesar da loucura e pecado do homem; e é para a alegria eterna de qualquer alma a encontrar-se, pelo ensinamento do Espírito Santo, dentro dos limites do propósito da graça de Deus.

O profeta Oséias leva-nos ao tempo em que foi prenunciado pela escada de Jacó terá a sua plena realização. "E naquele dia farei por eles aliança com as feras do campo, e com as aves do céu, e com os répteis da terra; e eu quebrarei o arco, ea espada, ea batalha, -se da terra, e os farei deitar em segurança e desposar-te-ei comigo para sempre;. sim, desposar-te-ei comigo em justiça, e em juízo, e em benignidade, e em misericórdias; I e desposar-te-ei comigo em fidelidade, e saberás que o Senhor e virá para passar naquele dia, eu os ouvirei, diz o Senhor, eu ouvirei dos céus, e estes responderão a terra;. ea terra responderá ao trigo, e ao vinho, e ao azeite, e estes responderão a Jizreel e eu semeá-la-ei comigo em terra;. e terei misericórdia de sua misericórdia que não tinha obtido, e eu vou dizer a eles que não era meu povo: Tu és o meu povo; e ela dirá: Tu és o meu Deus ". ( Oséias 2: 18-23 ) Há também uma expressão no primeiro capítulo de João, tendo em cima notável visão de Jacob; É a palavra de Cristo a Natanael: "Em verdade, em verdade eu vos digo: vereis o céu aberto e os anjos de Deus subindo e descendo sobre o Filho do homem." (Ver. 51)

Agora essa visão de Jacob é uma divulgação muito abençoado da graça divina para Israel. Fomos levados para ver algo do caráter real de Jacob, algo, também, de sua condição real; ambos eram, evidentemente, como para mostrar que ele deve ser tanto a graça divina para ele, ou nada. Ao nascimento, ele não tinha direito; nem ainda pelo caráter. Esaú pode apresentar alguma reclamação sobre estes dois motivos; ou seja, desde prerrogativa de Deus foram postos de lado; mas Jacob não tinha direito algum; e, portanto, enquanto Esaú só poderia estar sobre a exclusão da prerrogativa de Deus, Jacob só poderia estar sobre a introdução e estabelecimento dos mesmos. Jacob era um pecador, e tão completamente desprovido de qualquer reivindicação, tanto por nascimento e pela prática, que ele não tinha nada para descansar após salvar propósito de pura graça, livre e soberana de Deus. Assim, na revelação que o Senhor faz ao Seu servo escolhido, na passagem que acabamos de citar, é um simples registro ou previsão daquilo que ele próprio ainda faria. " Eu sou .... I vai dar .... I vai manter .... I vai trazer ..... eu não te deixarei até que eu fiz o que eu falei a ti, desde a" Era tudo Ele mesmo. Não há nenhuma condição que seja. Sem se ou mas ; para quando a graça age não pode haver tal coisa. Onde há um caso , ele não pode, eventualmente, ser a graça. Não que Deus não pode colocar o homem em uma posição de responsabilidade, em que ele tem que dirigir a ele com um 'se'. Sabemos que Ele pode; mas Jacob dormindo sobre um travesseiro de pedra não estava em uma posição de responsabilidade, mas do desamparo mais profunda e necessidade; e, portanto, ele estava em uma posição para receber uma revelação da graça máximo, mais rico e mais incondicional.

Agora, não podemos deixar de possuir a bem-aventurança de estar em tal condição, que não temos nada para descansar após salvar o próprio Deus; e, além disso, que é no estabelecimento mais perfeita da própria personalidade e prerrogativa que obtemos toda a nossa verdadeira alegria ea bênção de Deus. De acordo com este princípio, seria uma perda irreparável para nós ter qualquer fundamento de nossa própria para ficar em cima, pois nesse caso, Deus deve nos dirigir no chão de responsabilidade, e o fracasso seria então inevitável. Jacob era tão ruim, que ninguém senão o próprio Deus poderia fazer por ele.

E, seja ele observou, que era sua falha no reconhecimento habitual isso que o levou a tanta dor e pressão. Revelação de Si mesmo de Deus é uma coisa, eo nosso descanso em que a revelação é outra completamente diferente. Deus se mostra a Jacob, na infinita graça; mas não antes faz Jacob despertarmos do sono, do que encontrá-lo a desenvolver seu verdadeiro caráter, e provando o quão pouco ele sabia, praticamente, do Abençoado que tinha acabado de ser revelando-se tão maravilhosamente com ele. "Ele estava com medo, e disse: Quão terrível é este lugar! Esta é outra ninguém senão a casa de Deus, e esta é a porta dos céus." Seu coração não estava em casa na presença de Deus; nem qualquer coração ser assim até que tenha sido completamente esvaziada e quebrada. Deus está em casa, bendito seja o Seu nome, com um coração quebrantado e um coração quebrado em casa com ele. Mas o coração de Jacob ainda não estava nessa condição; nem tinha ainda aprendido a depositar, como uma criança pequena, no amor perfeito de alguém que poderia dizer: "Amei Jacó." "O perfeito amor lança fora o medo;" mas caso tal amor não é conhecida e plenamente realizado, sempre haverá uma medida de desconforto e perturbação. Casa de Deus e a presença de Deus não são terríveis para uma alma que conhece o amor de Deus expressa no sacrifício perfeito de Cristo. tal alma é, em vez levou a dizer: "Senhor, eu amo o recinto da tua casa eo lugar onde permanece a tua glória." ( Salmos 26: 8 ) E, novamente, "Uma coisa pedi ao Senhor, para que eu a buscarei: que eu possa morar na casa do Senhor todos os dias da minha vida, para contemplar a formosura do Senhor , e inquirir no seu templo ". ( Salmos 27: 4 ) e novamente,! ". Quão amáveis são os teus tabernáculos, ó Senhor dos exércitos minha alma suspira! Sim, desfalece pelos átrios do Senhor" ( Salmos 84: 1-12 ) Quando o coração está estabelecido no conhecimento de Deus, ele certamente vai amar a Sua casa, seja qual for o caráter dessa casa pode ser, quer se trate de Bethel, ou o templo em Jerusalém, ou a Igreja agora composta por todos os crentes verdadeiros ", edificaram juntos para morada de Deus no Espírito". No entanto, o conhecimento de Jacob, tanto de Deus e Sua casa, era muito rasa, naquele momento de sua história em que estamos agora a habitação.

Teremos ocasião, mais uma vez, para se referir a alguns princípios relacionados com Betel; e deverá, agora, fechar nossas meditações sobre este capítulo, com um breve aviso de barganha de Jacó com Deus, tão verdadeiramente característico dele, e assim demonstrativa da verdade da declaração no que diz respeito à superficialidade de seu conhecimento do caráter divino. "E Jacó fez um voto, dizendo: Se Deus for comigo, e me guardar nesta maio que eu vá, e me der pão para comer e vestes para vestir, de modo que eu volte para a casa de meu Pai em paz, então o Senhor será o meu Deus, e esta pedra que tenho posto por coluna será casa de Deus; e de tudo o que me deres, eu certamente vai dar o décimo a ti ". Observe-se, " se Deus estará comigo." Agora, o Senhor tinha acabado de dizer, enfaticamente: "Eu estou contigo, e te guardarei em todos os lugares para onde fores, e te farei tornar a esta terra," & c. E o coração ainda pobre Jacob não pode ir além de um " se ", nem, nos seus pensamentos de bondade de Deus, ele pode subir mais alto do que o "pão para comer e vestes colocar." Tais eram os pensamentos de alguém que tinha acabado de ver a magnífica visão da escada que chegava da terra ao céu, com o Senhor de pé acima, e prometendo uma multidão incontável de sementes, e uma possessão eterna. Jacob era evidentemente incapaz de entrar na realidade e plenitude dos pensamentos de Deus. Ele mediu a Deus por si mesmo, e, assim, falhou completamente para capturá-lo. Em suma, Jacob ainda não tinha, na verdade, chegou ao final de si mesmo; e, portanto, ele não tinha realmente começado com Deus.

"Então Jacob também seguiu o seu caminho e chegou à terra dos filhos do Oriente." Como acabamos de ver, em Gênesis 28: 1-22 Jacob falha completamente na apreensão do caráter real de Deus, e atende toda a rica graça de Bethel com um "se" e uma barganha miserável sobre comida e roupa. Temos agora segui-lo em uma cena de tomada de negócio completo. "Tudo o que o homem semear, isso também ceifará." Não há nenhuma possibilidade de escapar dessa. Jacob ainda não tinha encontrado o seu verdadeiro nível, na presença de Deus; e, portanto, Deus usa as circunstâncias para corrigir e quebrá-lo para baixo.

Este é o verdadeiro segredo de muito, muito, do nosso sofrimento e provação no mundo. Nossos corações nunca foram realmente quebrado diante do Senhor; nunca fomos auto-julgado e auto-esvaziado; e, portanto, uma e outra vez, nós, por assim dizer, bater a cabeça contra a parede. Ninguém pode realmente desfrutar de Deus até que ele chegou ao fundo de si mesmo, e por esta razão simples, que Deus começou a exibição de si mesmo no próprio momento em que o final da carne é visto. Se, portanto, eu não chegou ao fim da minha carne, na experiência profunda e positiva da minha alma, é moralmente impossível que eu posso ter qualquer coisa como uma apreensão apenas do caráter de Deus. Mas devo, de alguma forma ou de outra, ser conduzida para a verdadeira medida da natureza. Para alcançar este fim, o Senhor faz uso de várias agências que, não importa o que eles são, só estão eficaz quando usado por Ele com a finalidade de divulgar, em nossa opinião, o verdadeiro caráter de tudo o que está em nossos corações. Quantas vezes nós encontrar como no caso de Jacob, que, mesmo embora o Senhor pode vir perto de nós, e falar aos nossos ouvidos, ainda não entendemos a sua voz, ou tomar o nosso verdadeiro lugar na Sua presença. "O Senhor está neste lugar, e eu sabia que não ..... Quão terrível é este lugar!" Jacob não aprendeu nada com tudo isso, e, portanto, precisava de vinte anos de escolaridade terrível, e que, também, em uma escola maravilhosamente adaptadas para a sua carne; e mesmo que, como veremos, não foi suficiente para quebrá-lo para baixo.

No entanto, é notável ver como ele recebe de volta em uma atmosfera tão inteiramente adequada à sua constituição moral. O Jacob de tomada de negócio, se reúne com o Laban de tomada de negócio, e ambos são vistos, por assim dizer, esticando cada nervo para enganar o outro. Também não podemos admirar Laban, pois ele nunca tinha sido em Betel: ele tinha visto nenhum céu aberto, com uma escada que chegava dali para a terra; ele tinha ouvido sem promessas magníficas dos lábios do Senhor, garantindo a ele toda a terra de Canaã, com uma semente inúmeras: não é de admirar, portanto, que ele deve apresentar um espírito agarrar rastejante; ele não tinha outro recurso. É inútil esperar de homens mundanos outra coisa que não um espírito mundano, e princípios mundanos e formas; eles têm obtido nada superior; e você não pode trazer uma coisa limpa da impureza. Mas para encontrar Jacob, depois de tudo o que tinha visto e ouvido em Betel, lutando com um homem do mundo, e procurando, por tais meios, para acumular bens, é humilhante peculiar.

E, no entanto, infelizmente! Não é uma coisa incomum encontrar os filhos de Deus esquecendo assim os seus altos destinos e herança celestial, e descendo para com os filhos deste mundo da arena, a lutar lá para as riquezas e honras de perecimento, terra ferido pelo pecado. Na verdade, a tal ponto isso é verdade, em muitos casos, que muitas vezes é difícil traçar uma única evidência de que o princípio que São João nos diz "vence o mundo." Olhando para Jacob e Laban, e julgando deles em princípios naturais, seria difícil rastrear qualquer diferença. Deve-se chegar por trás das cenas, e entrar em pensamentos de Deus sobre ambos, a fim de ver quão amplamente eles diferiam. Mas foi Deus que os fizera diferem, e não Jacob; e assim é agora. Por mais difícil que possa ser para rastrear qualquer diferença entre os filhos da luz e os filhos das trevas, não há, no entanto, uma diferença muito grande, na verdade - uma diferença fundada no fato solene de que os primeiros são "vasos de misericórdia, que Deus tem de antemão preparou para a glória ", enquanto os últimos são" os vasos da ira, equipados (não por Deus, mas por causa do pecado) para a destruição ". Romanos 9: 22-23 ) * Isso faz uma diferença muito grave. O Jacobs e os Labans diferir materialmente, e têm diferido, e será diferente para sempre, embora o primeiro pode tão tristemente falhar na realização e exibição prática do seu verdadeiro caráter e dignidade.

{* É profundamente interessante para a mente espiritual para marcar como diligentemente o Espírito de Deus, em Romanos 9: 1-33 e certamente durante todo todas as escrituras, protege contra a inferência horrível que a mente humana extrai da doutrina da eleição de Deus - quando ele fala de "vasos de ira", ele simplesmente diz: "preparados para a perdição". Ele não diz que Deus "equipado"-los.

Considerando, por outro lado, quando Ele se refere a "vasos de misericórdia", diz ele, "a quem de antemão preparou para a glória." Este é mais marcante.

Se o meu leitor se voltar por um momento para Mateus 25: 34-41 , ele vai encontrar um outro exemplo marcante e bela da mesma coisa.

Quando o rei se dirige àqueles à sua direita, ele diz: " Vinde, benditos de meu Pai, possuí por herança o reino que vos está preparado desde a fundação do mundo." (Verso 34) Mas quando se dirige que estiverem à sua esquerda, Ele diz: "Afasta de mim malditos". Ele não diz, "maldito de meu Pai." E, além disso, Ele diz: "para o fogo eterno, preparado," não para você , mas "para o diabo e seus anjos". (Verso 41)

Em uma palavra, então, é claro que Deus tem "preparado" um reino de glória, e "vasos de misericórdia" para herdar o reino; mas Ele não se preparou "fogo eterno" para os homens, mas para o "diabo e seus anjos" nem tem provido os "vasos de ira", mas eles têm se equipado.

A palavra de Deus estabelece como claramente "eleição", uma vez que diligentemente protege contra " reprovação ". Todo aquele que se encontra no céu terá de agradecer a Deus por isso; e todos que se encontra no inferno terá de agradecer a si mesmo.}

Agora, no caso de Jacob, conforme estabelecido nos três capítulos agora diante de nós, toda a sua labuta e de trabalho, como seu negócio miserável antes, é o resultado de sua ignorância da graça de Deus, e sua incapacidade de pôr implícita confiança na promessa de Deus. O homem que poderia dizer, depois de uma promessa mais sem reservas por Deus para dar-lhe toda a terra de Canaã, "Se Deus me der pão para comer e vestes para vestir," poderia ter tido, mas um muito ténue apreensão de quem Deus era ou o que a Sua promessa era qualquer um; e, por isso, podemos vê-lo a tentar fazer o melhor que pode para si mesmo. Este é sempre o caminho quando a graça não é compreendido: os princípios da graça pode ser professada, mas a verdadeira medida da nossa experiência do poder da graça é outra coisa. Um teria imaginado que a visão de Jacob lhe tinha dito um conto da graça; mas a revelação de Deus em Betel, e atos de Jacó em Haran, são duas coisas muito diferentes; mas este último dizer o que estava sentido de que o ex-Jacob. Caráter e conduta provar a medida real da experiência e convicção da alma, qualquer que seja a profissão pode ser. Mas Jacob nunca tinha ainda sido levada ao medir-se na presença de Deus, e por isso ele era ignorante da graça, e ele provou a sua ignorância, medindo-se com Labão, e adotando suas máximas e maneiras.

Não se pode deixar de observar o fato de que na medida em que Jacob não conseguiu aprender e julgar o caráter inerente de sua carne diante de Deus, pois ele era, na providência de Deus, levou na própria esfera em que esse personagem foi totalmente expostas em suas linhas mais amplas . Ele foi conduzido para Haran, o país de Labão e Rebeca, a própria escola de onde esses princípios, em que ele foi, um notável perito, emanava, e onde eles foram ensinados, exibiu, e mantida. Se alguém quisesse saber o que Deus era, ele deve ir a Betel; se a aprender o que o homem era, ele deve ir para Haran. Mas Jacob não tinha tomado na revelação do próprio Deus em Betel, e ele, portanto, foi para Haran, e não mostrou o que era - e oh, o embaralhamento e raspar! o que baralhar e mudança! Não há confiança santa e elevada em Deus, não olhando simplesmente para e esperando Nele. É verdade que Deus estava com Jacob - pois nada pode impedir o resplendor da graça divina. Além disso, Jacob em uma medida possui presença e fidelidade de Deus. Ainda nada pode ser feito sem um esquema e um plano. Jacob não pode permitir que Deus para resolver a questão de suas esposas e seus salários, mas procura resolver tudo por sua própria astúcia e gestão. Em suma, é "o usurpador" por toda parte. Deixe a sua vez, leitor, por exemplo, para Gênesis 30: 37-42 , e dizer onde ele pode encontrar uma peça mais magistral de astúcia. É, na verdade, uma imagem perfeita de Jacob. No lugar de permitir que Deus multiplique "os listrados, salpicados e malhados", como ser mais seguramente poderia ter feito, ele tinha sido confiado, ele define sobre como proteger a sua multiplicação por um pedaço de política que só poderia ter encontrado a sua origem no a mente de um Jacob. Assim, em todos os seus atos, durante a estada seus vinte anos com Labão; e, finalmente, ele, mais caracteristicamente, "rouba", mantendo assim, em tudo, a sua coerência com o próprio.

Agora, ele está em traçar verdadeiro caráter de Jacob, de etapa em etapa de sua história extraordinária, que se obtém uma vista maravilhosa da graça divina. Nenhum, mas Deus poderia ter suportado com um tal, como só Deus teria tomado tal um. Graça começa no ponto mais baixo. Leva-se o homem como ele é, e lida com ele na inteligência completa do que ele é. É o último importância compreender esta característica da graça em sua primeira partida; permite-nos suportar, com firmeza de coração, o pós descobertas de vileza pessoal, que tão frequentemente abalar a confiança e perturbam, a paz dos filhos de Deus.

Muitos são os que, num primeiro momento, falhar na apreensão completa da ruína da natureza, como olhou na presença de Deus, embora seus corações foram atraídos pela graça de Deus, e suas consciências tranquilizou, em algum grau, pela aplicação do sangue de Cristo. Assim, à medida que ficam na em seu curso, eles começam a fazer descobertas mais profundas do mal dentro, e, por ser deficiente em suas apreensões da graça de Deus, e a extensão e eficácia do sacrifício de Cristo, eles imediatamente levantar uma questão de saber seus filhos de Deus em tudo. Assim, eles são retirados Cristo, e jogado em si mesmos, e então eles quer-se valer ainda de ordenanças, a fim de manter o seu tom de devoção, ou então cair de volta para o mundanismo completa e carnalidade. Estes são consequências desastrosas, e todo o resultado de não ter "o coração criada em graça".

É isso que torna o estudo da história de Jacob tão profundamente interessante e eminentemente útil. Ninguém pode ler os três capítulos agora diante de nós, e não ser atingido no incrível graça que poderia levar até um tal como Jacob, e não só levá-lo para cima, mas dizem que, após a descoberta cheio de tudo o que havia nele, "ele não se observa iniqüidade em Jacó, nem se vê maldade em Israel." ( Números 23:21 ) Ele não diz que a iniqüidade e perversidade não estavam nele. Isso nunca daria a confiança do coração - a mesma coisa, acima de todos os outros, o que Deus deseja dar. Ela não bastam para assegurar o coração de um pobre pecador, para ser dito que não havia nenhum pecado nele ; para, infelizmente! ele sabe muito bem que existe; mas para ser dito que não há pecado em ele, e que, além disso, aos olhos de Deus, no simples fundamento do sacrifício perfeito de Cristo, deve infalivelmente o seu coração e de consciência em repouso. Se Deus tivesse tomado Esaú, não devemos ter tido, por qualquer meio, de uma exposição tão abençoada de graça; por esta razão, que ele não aparecer diante de nós na luz unamiable em que vemos Jacob. Quanto mais o homem se afunda, a graça mais de Deus sobe. Como a minha dívida sobe, na minha opinião, da cinquenta cêntimos até quinhentos, assim que meu senso de graça sobe também, a minha experiência de amor que, quando "não tinha nada a pagar, poderia" francamente perdoar "a todos nós. ( Lucas 07:42 ) bem pode o apóstolo diz, "é uma coisa boa que o coração se fortifique com a graça:. não com alimentos, que não trouxeram proveito algum aos que foram nele ocupada" ( Hebreus 13: 9 )

versículos 1-29

"E disse Deus a Jacó. Levanta-te, sobe a Betel e habita ali." Isto confirma o princípio em que temos vindo a habitação. Quando há falha ou declinação, o Senhor chama a alma de volta a Ele. "Lembra-te pois donde caíste, e arrepende-te e fazer as primeiras obras." ( Apocalipse 2: 5 ) Este é o princípio divino de restauração. A alma deve ser recuperado para o ponto mais alto; ele deve ser trazido de volta para o padrão divino. O Senhor não dizer, 'se lembrar onde você está;' não; mas "lembrar a posição elevada de onde você caiu." Assim, apenas um pode aprender o quão longe ele caiu, e como ele é para refazer seus passos.

Agora, é quando assim recordados para alto e santo padrão de Deus, que um é realmente levado a ver a triste mal da própria caído condição. Que medo quantidade de mal moral se reuniram rodada família de Jacó, não julgada por Ele, até que sua alma foi despertado pela chamada para "sobe a Betel." Siquém não era o lugar em que para detectar todo este mal. A atmosfera daquele lugar foi muito impregnado de elementos impuros que admitir de discernimento da alma, com algum grau de clareza e precisão, o verdadeiro caráter do mal. Mas o momento em que a chamada para Bethel caiu na orelha de Jacob, "Então disse Jacó à sua família, ea todos os que com ele estavam: Lançai fora os deuses estranhos que há no meio de vós, e ser limpo e alterar as suas vestes, e deixe-nos surgir e subamos a Betel; e ali farei um altar ao Deus que me respondeu no dia da minha angústia, e que foi comigo no caminho por onde andei ". A simples menção da "casa de Deus" atingiu um acorde na alma do patriarca; que o levou, num abrir e fechar de olhos, ao longo da história de vinte anos agitados. Ele estava em Betel ele tinha aprendido que Deus era, e não em Siquém; portanto, ele deve voltar a Betel novamente, e erguer um altar sobre uma base totalmente diferente, e sob um nome totalmente diferente, do seu altar em Siquém. Esta última foi conectado com uma massa de impureza e idolatria.

Jacob poderia falar de "El-elohe-Israel", enquanto cercado por uma quantidade de coisas absolutamente incompatíveis com a santidade da casa de Deus. É importante ser claro no que se refere a este ponto. Nada pode manter a alma em um caminho de separação consistente e inteligente do mal salvar o sentido do que "casa de Deus" é, eo que torna-se naquela casa. Se eu simplesmente olhar para Deus, em referência a mim mesmo, eu não tenho um completo sentido claro, e divina de tudo o que flui para fora de um devido reconhecimento da relação de Deus para sua casa. Alguns há que consideram que é uma questão de menor importância como eles são misturados com materiais impuros no culto de Deus, desde que eles mesmos são verdadeiros e retos de coração, Em outras palavras, eles pensam que podem adorar a Deus em Siquém; e que um altar, chamado "El-elohe Israel," é tão elevado, tanto de acordo com Deus, como um altar chamado "El Bethel". Esta é evidentemente um erro. O leitor de mente espiritual vai de uma vez detectar a grande diferença moral entre a condição de Jacó em Siquém, e sua condição em Betel; ea mesma diferença é observável entre os dois altares. As nossas ideias, em referência ao culto de Deus, deve, necessariamente, ser afetado por nossa condição espiritual; eo culto que apresentamos será baixo e contratados, ou elevada e abrangente, apenas na proporção em que entramos na apreensão de Seu caráter e relacionamento.

Agora, o nome do nosso altar, eo caráter de nosso culto, expressar os mesmos ides. El-Betel adoração é, maior do que o culto El-elohe-Israel, por essa simples razão, que transmite uma ideia maior de Deus. Dá-me um pensamento mais elevado de Deus para falar de Deus como o Deus da sua casa, que como o Deus de uma verdade indivíduo solitário, há bela graça expressa no título: "Deus, o Deus de Israel"; e a alma deve sempre se sentir feliz em olhar para o caráter de Deus, tão graciosamente conectar-Se com cada pedra separada de sua casa, e todos os membros separados do corpo. Cada pedra no edifício de Deus é um "pedras vivas", como relacionadas com a "pedra viva", tendo comunhão com o Deus vivo, "pelo poder do" Espírito da vida. " Mas enquanto tudo isso é abençoadamente verdadeiro, Deus é o Deus da sua casa; e quando somos capacitados ,: por uma inteligência espiritual ampliada, a vê-lo como tal, podemos desfrutar de um caráter mais elevado de adoração do que aquela que flui de apenas apreender o que Ele é para nós individualmente.

Mas há outra coisa a se observar na recordação de Jacó a Betel. Ele é dito para fazer um altar "ao Deus que te apareceu quando fugiste da face de Esaú, teu irmão." Ele é, portanto, lembrar de "o dia da sua aflição." Muitas vezes, é bem ter nossas mentes levou desta maneira até o ponto em nossa história em que nós nos encontramos trouxe para o mais baixo degrau da escada. Assim Saul é trazido de volta ao tempo em que ele era "pequeno aos seus próprios olhos." Este é o verdadeiro ponto de partida com todos nós. "Quando tu pequeno aos teus próprios olhos," é um ponto de que muitas vezes precisam ser lembrados. É então que o coração realmente se apóia em Deus. Depois começamos a fantasia nos a ser alguma coisa, e o Senhor está obrigado a ensinar-nos de novo a nossa própria nulidade. Quando a primeira pessoa entra em um caminho de serviço ou de testemunho, o que é um sentido, há de fraqueza pessoal e incapacidade! e, como consequência, o tendências em Deus! o sincero, fervoroso apelo a ele por ajuda e força. Depois começamos a pensar que, de tão longa no trabalho, nós podemos seguir por nós mesmos, pelo menos, não há a mesma sensação de fraqueza, ou o mesmo simples dependência de Deus; e, em seguida, o nosso ministério se torna um,, coitada escassa irreverente, prolixo, sem unção ou poder - uma coisa que flui, não a partir da maré inesgotável do Espírito, mas a partir de nossas próprias mentes miseráveis.

De ver. 9-15, Deus repete Sua promessa de Jacob, e confirma o novo nome de "príncipe" em vez de "usurpador"; e Jacob novamente chama o nome do lugar "Betel". No versículo 18 temos um exemplo interessante da diferença entre o juízo da fé e do julgamento da natureza Este último olha para as coisas através da névoa obscura com a qual ele é cercado; o antigo olha para eles, tendo em conta a presença e conselhos de Deus. "E sucedeu que, como sua alma estava em partida, (porque morreu), que chamou o seu nome Ben-oni; mas seu pai chamou-lhe Benjamim." Nature chamou, "o filho de minha tristeza;" mas a fé "o filho da mão direita." Assim é que nunca. A diferença entre os pensamentos de natureza deve ser sempre ampla, na verdade, e devemos sinceramente desejo que nossas almas deve ser regida por esta última, e não pela primeira.

 

 

 

 

Notas de CH Mackintosh no Pentateuco

 

Genesis 37

 

 

versículos 1-26

Em que nos deteremos mais particularmente. Não há nas escrituras um tipo mais perfeito e belo de Cristo do que José. Quer ver Cristo como o objeto do amor do Pai, o objeto da inveja de sua autoria, - Na sua humilhação, sofrimentos, exaltação morte, e glória, em tudo o que temos a Ele notavelmente tipificado por Joseph.

Em Gênesis 37: 1-36 temos sonhos de José, a declaração dos quais destaca-se a inimizade de seus irmãos. Ele era o objeto do amor de seu pai, e o assunto de muito altos destinos, e na medida em que o coração de seus irmãos não estavam em comunhão com essas coisas, o odiaram. Eles não tinham comunhão no amor do pai. Eles não iriam ceder ao pensamento de exaltação de José. Em tudo isso, eles representam os judeus nos dias de Cristo. Ele veio para os Seus e sua não o receberam. "Ele" não tinha parecer nem formosura em seus olhos. "Eles não possuem, como o Filho de Deus, nem rei de Israel. Seus olhos não estavam abertos para contemplar" a sua glória, glória como do unigênito do Pai, cheio de "graça e de verdade." Eles não teriam Ele; sim, eles odiavam.

Agora, no caso de José, vemos que ele, de modo algum, relaxou seu testemunho em consequência da recusa do seu primeiro sonho de seus irmãos. "E José teve um sonho, que contou a seus irmãos;" e eles odiaram ainda mais .... e sonhou contudo um outro sonho, eo contou a seus irmãos "Este foi o testemunho simples fundada sobre a revelação divina;. mas foi testemunho que levaram José descer à cova Se ele tivesse mantido. cópia de seu testemunho, ou retirado deveria de sua borda e poder, ele poderia ter se poupado, mas não; ele lhes disse a verdade, e, portanto, o odiaram.

Assim foi com grande Antítipo de José. Ele deu testemunho da verdade - Ele testemunhou uma boa confissão, ele reteve nada - ele só poderia falar a verdade porque Ele era a verdade, e Seu testemunho da verdade foi respondida, por parte do homem, pela cruz, o vinagre, o lança do soldado. O testemunho de Cristo, também, estava conectado com o mais profundo, mais cheio de graça, mais rico. Ele não só veio como "a verdade", mas também como a expressão perfeita de todo o amor do coração do Pai: "a graça ea verdade vieram por Jesus Cristo." Ele foi a divulgação completa para o homem do que Deus era. Portanto, o homem foi deixado inteiramente sem desculpa. Ele veio e mostrou Deus para o homem, eo homem odiava Deus com um ódio perfeito. A exposição mais completa do amor divino foi respondido pelo máximo de exposição do ódio humano. Isto é visto na cruz; e nós temos que touchingly prenunciado no poço em que Joseph foi lançado por seus irmãos.

"E quando o viram de longe e, antes que chegasse a eles, conspiraram contra ele para o matarem E disseram uns aos outros: Eis que lá vem o sonhador;. Venha agora, portanto, e vamos matá-lo, e lançá-lo numa das covas; e diremos: uma besta-fera o devorou; e veremos que será dos seus sonhos ". Estas palavras à força nos lembram da parábola em Mateus 22: 1-46 . "Mas, por último, enviou-lhes seu filho, dizendo: Terão respeito a meu filho. Mas os lavradores, vendo o filho, disseram entre si: Este é o herdeiro, venha, vamos matá-lo, e apoderemo-nos na sua herança. e, agarrando-o, lançaram-no fora da vinha, eo mataram. " Deus enviou o Seu Filho ao mundo com este pensamento: "Terão respeito a meu filho"; mas, infelizmente! o coração do homem não tinha reverência pelo "bem amado" do Pai. Eles lançaram-no fora. A terra eo céu estava em causa em relação a Cristo; e eles estão em causa ainda. Homem crucificaram; mas Deus o ressuscitou dentre os mortos. Man O colocou em uma cruz entre dois ladrões; Deus colocou-o à sua direita nos céus. O homem deu-lhe o mais baixo lugar na terra; Deus deu-lhe o lugar mais alto do céu, em majestade mais brilhante.

Tudo isso é mostrado na história de José. "José é um ramo frutífero, ramo frutífero junto a um poço, cujos ramos correm sobre o muro Os arqueiros foram dolorosamente triste ele, e disparou contra ele, e o odiava;. Mas o seu arco permaneceu firme, e os braços de sua mãos foram fortalecidos pelas mãos do poderoso de Jacó, (daí é o pastor, a pedra de Israel;), mesmo pelo Deus de teu pai, o qual te ajudará, e pelo Todo-poderoso, o qual te abençoará com bênçãos dos altos céus, com bênçãos do abismo que jaz embaixo, com bênçãos do mama e do útero; as bênçãos de teu pai excederão as bênçãos de meus pais, até os limites máximos dos montes eternos; eles devem estar no cabeça de José, e sobre o alto da cabeça daquele que foi separado de seus irmãos ". ( Gênesis 49: 22-26 )

Estes versos lindamente apresentar a nossa visão "dos sofrimentos de Cristo, ea glória que deve seguir." "Os arqueiros" têm feito o seu trabalho; mas Deus foi mais forte do que eles. O verdadeiro Joseph foi baleado e gravemente ferido na casa de seus amigos; mas "os braços de suas mãos foram feitos fortes" no poder da ressurreição e fé agora o conhece como base de efeitos de bênção e glória de todo o deus em referência à Igreja, Israel, e toda a criação. Quando olhamos para Joseph no poço, e na prisão, e olhar; para ele depois como governador sobre toda a terra do Egito, vemos a diferença entre os pensamentos de Deus e o. pensamentos dos homens; e assim, quando olhamos para a cruz, e ao "trono da Majestade nos céus", vemos a mesma coisa.

Nada jamais trouxe o estado real do coração do homem para com Deus, mas a vinda de Cristo. "Se eu não tivesse vindo e falado a eles, eles não teriam pecado." ( João 15:22 ) Não é que eles não teria sido pecadores. Não; mas "eles não teriam pecado." Então Ele diz, em outro lugar: "Se fôsseis cegos, vós não deve ter nenhum pecado." ( João 9:41 ) Deus aproximou-se homem na pessoa de Seu Filho, e o homem foi capaz de dizer: "Este é o herdeiro;" mas ainda assim ele disse, "vem, vamos matá-lo." Por isso, "não têm desculpa do seu pecado." Aqueles que dizem que vêem, não tem desculpa. cegueira confessou não é de todo a dificuldade, mas vista professado . Este é um princípio verdadeiramente solene para uma idade professa como o presente. A permanência do pecado está ligado com a mera profissão de ver. Um homem que é cego, e sabe disso, pode ter os olhos abertos; mas o que pode ser feito para aquele que pensa que vê, quando ele realmente não faz?

 

 

 

Notas de CH Mackintosh no Pentateuco

 

Genesis 38

 

versículos 1-30

 

Apresenta uma dessas circunstâncias extraordinárias em que a graça divina é visto gloriosamente triunfou sobre o pecado do homem. "É evidente que nosso Senhor procedeu de Judá." ( Hebreus 7:14Hebreus 07:14 ) Mas como? "Judá gerou Farés e Zara de

Thamar ". ( Matthew 1: 3Mateus 1: 3 ) Isto é particularmente marcante Deus, em Sua grande graça, elevando-se acima do pecado e loucura do homem, a fim de trazer os seus próprios propósitos de amor e misericórdia Assim, um pouco mais adiante,.. em Mateus, lemos: "o rei Davi gerou Salomão, daquela que foi mulher de Urias." é digno de Deus, portanto, para agir. o Espírito de Deus está nos conduzindo ao longo da linha através do qual, segundo a carne , Cristo veio, e, ao fazê-lo, ele nos dá, como links na cadeia genealógica, Thamar e Bate-Seba como evidente é que não há nada do homem neste como está claro é que, quando chegarmos ao fim do! primeiro capítulo de Mateus, é "Deus manifestado na carne" que encontramos, e que, também, a partir da caneta do homem Espírito Santo nunca poderia ter inventado tal genealogia. é totalmente divina, e nenhuma pessoa espiritual pode lê-lo sem ver nele uma exposição abençoada da graça divina, em primeiro lugar, e da inspiração divina da Matthews gospel, em segundo lugar, pelo menos, de sua conta genealogia de Cristo segundo a carne. Eu acredito que uma comparação de 2 Samuel 11: 1-272 Samuel 11: 1-27 e Gênesis 38: 1-30Gênesis 38: 1-30 com Mateus 1: 1-25Mateus 1: 1-25 fornecerá o cristão pensativo com a matéria para uma meditação muito doce e edificante.

Ao examinar estas seções interessantes de inspiração, percebemos uma cadeia notável de atos providenciais, todos tendendo a um grande ponto, ou seja, a exaltação do homem que tinha sido na cova; e, ao mesmo tempo, trazendo para fora, aliás, um certo número de objectos subordinadas. "Os pensamentos de muitos corações" deviam ser "revelado"; mas Joseph era para ser exaltado. "Chamou a fome sobre a terra: o partiu toda a equipe de pão Mandou perante eles um homem, mesmo José, que foi vendido como escravo; cujos pés apertaram com grilhões; foi posto em ferros; até!. o tempo em que chegou a sua palavra;. a palavra do Senhor o provou o rei mandou soltá-lo;. até mesmo o governante do povo, e deixá-lo ir livre Fê-lo senhor da sua casa, e governador de toda a sua fazenda; para vincular seus príncipes a seu gosto, e ensinar sua sabedoria senadores. " ( Salmos 105: 16-22Salmos 105: 16-22 )

É bom ver que o objeto líder deveria exaltar a quem os homens tinham rejeitado; e, em seguida, para produzir nesses mesmos homens um senso de seus pecados em rejeitar. E como admiravelmente tudo isso é efetuado! O mais trivial e o mais importante, o mais provável e mais improvável, as circunstâncias são feitos para servir para o desenvolvimento dos propósitos de Deus.

fonte www.avivamentonosul.com