Translate this Page

Rating: 3.0/5 (868 votos)



ONLINE
11




Partilhe este Site...

 

 

<

Flag Counter

site, fee epub, link, get pdf, enter link, free book, download book, this link, free book, download pdf,

Estudo e comentario do livro de Ester (4)
Estudo e comentario do livro de Ester (4)

Comentário Completo de Matthew Henry sobre a Bíblia 

Esther 9

 

Introdução

Deixamos dois decretos reais em vigor, ambos administrados na corte de Shushan, uma data de rolamento no dia treze do primeiro mês, nomeando que no dia treze do duodécimo mês, em seguida, ao lado seguiu todos os judeus deveriam ser mortos outra data rolamento da vigésimo terceiro dia do terceiro mês, capacitando os judeus, no dia marcado para o seu abate, para desenhar a espada em defesa própria e fazer a sua parte bem contra seus inimigos, bem como poderiam. Grande expectativa que havia, sem dúvida, deste dia, eo problema dele. Causa dos judeus estava a ser julgado por batalha e o dia foi fixada para o combate pela autoridade. Seus inimigos resolveu não perder as vantagens que lhes são conferidos pelo primeiro edital, na esperança de dominá-los por números os judeus contavam com a bondade de Deus e da sua justiça de sua causa, e resolveu fazer seus maiores esforços contra seus inimigos. O dia vem no comprimento e aqui nos é dito, I. Que dia glorioso que era, naquele ano, aos judeus, e os dois dias seguintes - um dia de vitória e triunfo, tanto na cidade de Susã e, em todo o demais províncias do rei, Esther 9: 1-19 . II. O que uma memorável dia em que foi feito para a posteridade, por uma festa anual, em comemoração deste grande livramento, chamado de "a festa de Purim", Esther 9: 20-32 .

 

versículos 1-19

Os judeus vingado.        BC 509.

1 Ora, no duodécimo mês, que é, o mês de adar, no dia treze do mesmo, quando a ordem do rei eo seu decreto estavam para se executar, no dia em que os inimigos dos judeus esperavam ter poder sobre eles, (embora foi transformado em contrário, que os judeus tinham domínio sobre os que os odiavam) 2 os judeus se ajuntaram em suas cidades, em todas as províncias do rei Assuero, para pôr as mãos naqueles que procuravam o seu mal ; e ninguém podia resistir-lhes o medo deles caiu sobre todas as pessoas. 3 E todos os príncipes das províncias, e os tenentes, e os deputados e oficiais do rei, auxiliavam os judeus porque o medo de Mardoqueu caiu sobre eles. 4 Pois Mardoqueu era grande na casa do rei, ea sua fama se espalhava por todas as províncias, porque o homem Mardoqueu encerado cada vez maior. 5 Assim, os judeus feriram todos os seus inimigos a golpes de espada, com matança e destruição, e fez o que faria para os que os odiavam. 6 E em Susã, a capital, os judeus mataram e destruíram quinhentos homens. 7 E Parshandatha e Dalphon, Aspata, 8 e Porata e Adalia, e Aridatha, 9 E Parmashta e Arisai e Aridai e Vajezatha, 10 os dez filhos de Hamã, filho de Hamedata, o inimigo dos judeus, Matamos eles, mas no despojo não estenderam a mão. 11 Naquele dia o número dos mortos em Susã, a capital foi levado perante o rei. 12 E disse o rei à rainha Ester, os judeus mataram e destruíram quinhentos homens em Susã, a capital, e os dez filhos de Haman O que eles fizeram no resto das províncias do rei? agora o que é a tua petição? e te seja concedido: ou o que é teu rogo? e vos será feito. 13 Então disse Ester: Se parecer bem ao rei, que seja concedido aos judeus que estão em Susã fazer amanhã também de acordo até o dia do decreto, e que os dez filhos de Hamã sejam pendurados na forca. 14 E o rei mandou que assim a ser feito: eo decreto foi dada em Shushan e eles enforcaram os dez filhos de Hamã. 15 Para os judeus que estavam em Susã reuniram-se também no dia catorze do mês de Adar, e mataram trezentos homens em Susã, mas ao despojo não estenderam a mão. 16 Mas os demais judeus que estavam nas províncias do rei se reuniram, e ficou por suas vidas, e tiveram repouso dos seus inimigos, matando dos seus inimigos setenta e cinco mil, mas não puseram as mãos sobre a presa, 17 On no dia treze do mês de adar e no dia catorze do mesmo descansaram, e fez dele um dia de festa e alegria. 18 Mas os judeus que estavam em Susã se ajuntaram no dia treze dias do mesmo, e no décimo quarto dia do mesmo e no décimo quinto dia do mesmo descansaram, e fez dele um dia de festa e alegria. 19 Portanto os judeus das aldeias, que habitavam nas cidades não muradas, fazem do dia catorze do mês de adar dia de alegria e de banquetes, e um bom dia, e de mandarem presentes uns aos outros.

 

Temos aqui uma batalha decisiva travada entre os judeus e os seus inimigos, em que os judeus foram vitoriosos. Nenhum dos lados foi surpreendido por ambos tinham conhecimento dele o tempo suficiente antes, de modo que era um julgamento justo de habilidade entre eles. Ambos os lados, nem poderia chamar os outros rebeldes, pelo que foram ambos apoiados pela autoridade real.

 

  1. Os inimigos dos judeus eram os agressores. Eles esperavam que, não obstante o último edital, para ter poder sobre eles, em virtude da antiga ( Esther 9: 1 ), e fez ataques sobre eles nesse sentido eles se formaram em corpos, e juntou-se em confederação contra eles, para procurar o seu mal, Esther 9: 2 . A paráfrase Caldeu diz que nenhum apareceu contra os judeus, mas amalequitas apenas, que ficaram fascinados, e teve os seus corações endurecidos, como Faraó contra Israel, a pegar em armas para sua própria destruição. Alguns teve uma malícia implacável tais inveterado contra os judeus que a queda de Haman e avanço de Mardoqueu, em vez de convencê-los, mas fez exasperar-los e torná-los o mais escandaloso e resoluto para cortar todas as suas gargantas. Os filhos de Haman, em particular, prometeu vingar a morte de seu pai, e prosseguir os seus desenhos, que eles chamam nobre e valente, o que quer perigos que correm e um forte partido que tinham formado tanto em Shushan e nas províncias em hereunto ordem. Luta fariam, embora eles claramente viu luta Providence contra eles e, assim, eles eram apaixonados para sua própria destruição. Se eles teria sentado ainda, e tentou nada contra o povo de Deus, nem um só cabelo da sua cabeça teria caído no chão, mas eles não podem persuadir-se de fazer isso eles devem ser intromissão, apesar de vir a sua própria ruína, e rolar uma pedra pesada, que retornará sobre eles.

 

  1. Mas os judeus foram os vencedores. Naquele mesmo dia, quando o decreto do rei para a sua destruição era para ser posto em execução, e que os inimigos pensaram que teria sido o seu dia, mostrou-se de Deus dia, Salmo 37:13 . Foi virou o contrário do que se esperava, e os judeus tinham domínio sobre os que os odiavam, Esther 9: 1 . Estamos aqui disse,

 

  1. O que os judeus fizeram para si próprios ( Esther 9: 2 ): Eles se congregaram nas suas cidades, incorporados, e se pôs sobre a sua defesa, oferecendo a violência para ninguém, mas o desafio de licitação para todos. Se eles não tivessem tido um decreto para justificar a eles, não se atreviam a ter feito isso, mas, sendo por isso compatível, eles se esforçaram legalmente. Se tivessem agido separadamente, cada família à parte, que teria sido uma presa fácil para os seus inimigos, mas agindo em conjunto, e reunir-se em suas cidades, eles reforçado um ao outro, e o rosto Durst seus inimigos. Vis unita Fortior - forças agem mais poderosamente quando combinados. Aqueles que escrevem sobre o estado dos judeus no dia de hoje dar isso como uma razão pela qual, embora eles são muito numerosos em muitas partes, e muito rico, eles são ainda tão desprezível, porque eles são geralmente tão egoísta que eles não pode incorporar, e, estando sob a maldição de dispersão, eles não podem unir-se, nem (como aqui) se reúnem, para, se pudessem, eles podem, com seus números e riqueza ameaçar os estados mais potentes.

 

  1. O que os governantes das províncias fez por eles, sob a influência de Mordecai. Todos os oficiais do rei, que, pelo decreto de sangue, foram requisitados para ajudar a encaminhar a sua destruição ( Esther 3:12 , 13 ), conformados com o último edital (que, sendo um estopel contra um estopel, tinha fixado o assunto em grande, e deixou-os em liberdade para observar que quisessem) e ajudou os judeus, que transformaram a escala do seu lado, Esther 9: 3 . As províncias, em geral, fazer como os governantes das províncias inclinadas, e, portanto, sua favorecendo os judeus seria de grande incentivá-las. Mas por que eles ajudá-los? Não porque eles tinham alguma simpatia por eles, mas por causa do medo de Mardoqueu caiu sobre eles, ele ter manifestamente o rosto ambos Deus e ao rei. Todos viram que o seu interesse para ajudar os amigos de Mardoqueu, porque ele não foi o único grande na casa do rei, e acariciada pelas cortesãos (como muitos estão que não têm valor intrínseco para apoiar a sua reputação), mas a sua fama por sabedoria e virtude saiu dali por todas as províncias: em todos os lugares ele foi exaltado como um grande homem. Ele foi encarado também como um homem próspero, e que encerado cada vez maior ( Esther 9: 4 ), e, portanto, de medo dele todos os oficiais do rei auxiliavam aos judeus. Grandes homens podem, por sua influência, fazer uma grande dose de bom muitos que não temo a Deus vai permanecer no temor deles.

 

  1. O que Deus fez para eles: ele atingiu todas as pessoas com um medo deles Esther 9: 2 ), como os cananeus foram feitos com medo de Israel ( Josué 2: 9 , 5 : 1 ), de modo que, embora tivessem tanta resistência a atacá-los, mas eles não tiveram coragem de processar o assalto. Seus corações não-los quando eles chegaram a se envolver, e nenhum dos homens de força poderia encontrar suas mãos.

 

  1. O que eles fizeram execução hereupon: ninguém podia resistir-lhes ( Esther 9: 2 ), mas eles fizeram o que faria para aqueles que os odiavam, Esther 9: 5 . Então, estranhamente eram os judeus fortalecido e animado, e os seus inimigos enfraquecido e desanimado, que nenhum dos que se tinham marcado para sua destruição escapou, mas eles feriram a golpes de espada. Particularmente, (1.) No décimo terceiro dia do mês de Adar mataram na cidade Shushan 500 homens ( Esther 9: 6 ), e os dez filhos de Haman, Esther 9:10 . Os judeus, quando na festa de Purim que ler este livro de Ester, obrigam-se a ler os nomes dos dez filhos de Hamã tudo em um só fôlego, sem qualquer pausa, porque eles dizem que eles foram todos mortos juntos, e todos deram o fantasma apenas no mesmo momento .-- Buxt. Synag. Jud. C. 24. A Chaldee paráfrase diz que, quando estas dez foram mortos, Zeres, com mais de seus filhos setenta, escapou e depois pediu o seu pão de porta em porta. (2.) No décimo quarto dia eles mataram em Susã 300 mais, que tinha escapado a espada sobre a ex-dia da execução, Esther 9:15 . Esta licença obtida Esther do rei para que eles façam, para o maior terror dos seus inimigos, eo esmagamento total dessa parte maligna dos homens. O rei tinha tido em conta os números que foram passados pela espada do primeiro dia ( Esther 9:11 ), e disse Esther ( Esther 9:12 ), e perguntou-lhe o que mais desejava. "Nada", diz ela, "mas a comissão para fazer esse tipo de trabalho de um outro dia." Esther era certamente nenhum dos sedento de sangue, nenhum daqueles que deliciar-se com o abate, mas tinha algumas muito boas razões que a levou a fazer este pedido. Ela também desejou que os cadáveres dos dez filhos de Hamã pode ser enforcados na forca em que seu pai foi enforcado, para a maior desgraça da família e terror do partido ( Esther 9:13 ), e foi feito em conformidade, Esther 9:14 . Supõe-se que eles foram enforcados em cadeias e deixado pendurado por algum tempo. (3) Os judeus no país manteve a suas ordens, e matou mais de seus inimigos do que aquilo que foram mortos no dia treze, que estavam em tudo, entre todas as províncias, 75.000, Esther 9:16 . Se todos estes foram amalequitas (como os judeus dizem), com certeza agora era que a memória de Amaleque foi totalmente colocar para fora, Exodus 17:14 . No entanto, o que as justifica na execução de muitos é que eles fizeram isso em sua própria defesa justa e necessária que ficou por suas vidas, autorizados a fazê-lo pela lei de auto-preservação, bem como por decreto do rei. (4) Nestas várias execuções é tomado conhecimento de que ao despojo não estenderam a mão, Esther 9:10 , 15 , 16 . A comissão do rei lhes tinha garantido para tomar o despojo dos seus inimigos por despojo ( Esther 8:11 ), e uma oportunidade justa tiveram de se enriquecerem com ele, se o partido de Haman tinha prevalecido, sem dúvida, eles teriam feito uso do seu autoridade para apreender os bens e propriedades dos judeus, Esther 3:13 . Mas os judeus não iria fazê-lo por eles, [1] que eles possam, à honra de sua religião, a evidência um desprezo santo e generoso da riqueza terrena, à imitação de seu pai Abraão, que desprezou a enriquecer-se com os despojos de Sodoma. [2] Que eles possam fazer parecer que eles visam nada, mas sua própria preservação, e usou o seu interesse na corte para a salvação de suas vidas, não para a captação de suas propriedades. [3] A Comissão deu-lhes poder para destruir as famílias de seus inimigos, mesmo os mais pequenos e as mulheres, Esther 8:11 . Mas sua humanidade proibiu de fazer isso, porém, que foi projetado contra eles. Eles mataram ninguém, mas aqueles que encontraram nos braços e, portanto, eles não tomar o despojo, mas deixou-o às mulheres e pequeninos, a quem eles poupados, para a sua subsistência de outra forma como lhes boa mata como privá-los, tirar suas vidas como tomar de distância seus meios de subsistência. Aqui eles agiram com uma consideração e compaixão bem digno de imitação.

 

  1. Qual a satisfação que teve em sua libertação. Os judeus no país limpou-se dos seus inimigos no dia treze do mês, e descansaram no dia catorze ( Esther 9:17 ), e fez que um dia de graças, Esther 9:19 . Os judeus em Shushan, a cidade real, levou dois dias para a sua execução militar, de modo que eles descansaram no dia quinze, e fizeram que a sua acção de graças dias, Esther 9:18 . Ambos comemoraram seu festival no mesmo dia depois de terem terminado o seu trabalho e ganhou seu ponto. Quando recebemos misericórdias sinal de Deus que devemos ser rápido e veloz em fazer nossos retornos grato a ele, enquanto a misericórdia é fresco e as impressões dele são mais sensata.

 

versículos 20-32

A festa de Purim. BC 509.

20 E Mordecai escreveu estas coisas, e enviou cartas a todos os judeus que estavam em todas as províncias do rei Assuero, tanto perto e longe, 21 Para estabelecer esta entre eles, que eles devem manter o dia catorze do mês de Adar, e no dia quinze do mesmo, todos os anos, 22 como os dias em que os judeus tiveram repouso dos seus inimigos, eo mês que se lhes mudou a tristeza em alegria, eo pranto em um dia bom: que eles fizessem dias de festa e alegria, e de mandarem porções escolhidas uns aos outros, e dádivas aos pobres. 23 E os judeus se comprometeram a fazer como já tinham começado, e como Mardoqueu lhes tinha escrito 24 Porque Hamã, filho de Hamedata, o agagita, o inimigo de todos os judeus, tinha intentado contra os judeus para destruí-los, e tinha lançado Pur , que é, a sorte, para consumi-los e destruí-los 25 Mas quando Esther veio perante o rei, ordenou ele por cartas que o mau, que ele projetara contra os judeus recaísse sobre a sua cabeça, e que ele e seus filhos fossem pendurados na forca. 26 Portanto aqueles dias se chamaram Purim, segundo o nome Pur. Portanto, para todas as palavras daquela carta, e do que o que eles tinham testemunhado nesse sentido, e que tinha vindo-lhes: 27 Os judeus ordenado, e tomaram sobre si e sobre a sua descendência, e por todos os que se juntaram aos -los, de modo que não deve falhar, que eles iriam guardar estes dois dias de acordo com a sua escrita, e de acordo com o seu designado tempo todos os anos 28 e que esses dias devem ser lembrados e guardados por toda geração, família, província e cada cidade e que esses dias de Purim não fossem revogados entre os judeus, e que a memória deles nunca perecesse dentre a sua descendência. 29 Então a rainha Ester, filha de Abiail, eo judeu Mardoqueu escreveram cartas com toda a autoridade para confirmar esta segunda carta a respeito de Purim. 30 E ele enviou cartas a todos os judeus, às cento e vinte e sete províncias do reino de Assuero, com palavras de paz e verdade, 31 para confirmar esses dias de Purim nos seus tempos determinados, de acordo como o judeu Mardoqueu e Esther a rainha lhes tinha ordenado, e como eles se haviam obrigado por si e pela sua descendência no tocante a seus jejuns e suas lamentações. 32 E a ordem de Ester confirmou estas questões de Purim e estava escrito no livro.

 

Podemos muito bem imaginar o quanto afetada Mordecai e Esther estavam com os triunfos dos judeus sobre os seus inimigos, e como eles viam a questão desse dia decisivo com um proportionable satisfação ao cuidado e preocupação com que o esperava. Como foram seus corações ampliado com alegria em Deus e sua salvação, e que novas canções de louvor foram colocados em suas bocas! Mas aqui nos é dito o que é claro que eles levaram para difundir o conhecimento do mesmo meio do seu povo, e para perpetuar a lembrança dele para a posteridade, para a honra de Deus e o incentivo de seu povo a confiar nele em todos os momentos.

 

  1. A história foi escrita, e cópias do mesmo foram dispersos entre todos os judeus em todas as províncias do império, aos de perto e de longe, Esther 9:20 . Todos sabiam algo da história, sendo quase preocupados em que - foram pelo primeiro edital feita sensata do perigo e pelo segundo de sua libertação, mas como este incrível por sua vez, foi dado que eles não poderia dizer. Portanto, Mordecai escreveu todas estas coisas. E se este livro ser o mesmo que ele escreveu, como muitos pensam que é, eu não posso deixar de observar a diferença que existe entre o estilo de Mordecai e Neemias da. Neemias, em cada turno, toma conhecimento da Providência divina ea boa mão do seu Deus sobre ele, o que é muito bom para agitar afetos devotos nas mentes de seus leitores, mas Mordecai nunca tanto como menciona o nome de Deus em todo o território história. Neemias escreveu seu livro em Jerusalém, onde a religião estava na moda e um ar de ele apareceu na conversa comum dos homens Mordecai escreveu seu em Susã, a capital, onde a política reinou mais de piedade, e ele escreveu de acordo com o gênio do lugar. Mesmo aqueles que têm a raiz da questão neles estão aptos a perder o sabor da religião, e deixe a sua folha murcha, quando eles conversam inteiramente com aqueles que têm pouco religião. Recomende-me a maneira de escrever de Neemias que gostaria de imitar, e ainda aprender com Mordecai do que os homens podem ser verdadeiramente devoto que eles não abundam nos shows e manifestações de devoção, e, portanto, que não devemos julgar nem desprezar nossos irmãos. Mas, porque há tão pouco da língua de Canaã neste livro, muitos pensam que não foi escrito por Mardoqueu, mas foi um extrato fora das revistas dos reis da Pérsia, dando conta da questão de fato, que o judeus se sabia como comentar.

 

  1. Um festival foi instituído, a ser observado anual de geração em geração pelos judeus, em memória desta maravilhosa obra que Deus lhes deu, para que as crianças que devem ser nascidos pode conhecê-lo, e declará-la a seus filhos, para que pudessem a sua esperança em Deus, Salmo 78: 6 , 7 . Seria para a honra de Deus como o protetor de seu povo, e a honra de Israel como o cuidado do Céu, uma confirmação da fidelidade da aliança de Deus, um convite a estranhos a entrar em títulos do mesmo, e um incentivo para o povo de Deus com alegria a depender de sua sabedoria, poder e bondade, nos maiores angústias. Posteridade iria colher os benefícios desta libertação, e, portanto, deve celebrar a memória dele. Ora, quanto a este festival estamos aqui disse,

 

  1. Quando foi observado - a cada ano em os dias XIV e XV do décimo segundo mês, apenas um mês antes da páscoa, Esther 9:21 . Assim, o primeiro mês eo último mês do ano mantido em memória os meses que eram passado, até os dias em que Deus preservou-los. Eles mantiveram dois dias juntos como dias de graças, e não acho que eles muito para gastar em louvando a Deus. Não sejamos niggardly em nossos retornos de louvor a ele que concede seus favores tão liberalmente em cima de nós. Observe, eles não manter o dia em que eles lutaram, mas os dias em que eles descansaram, e no décimo quinto aqueles em Shushan, e ambos os dias eles continuaram. O sábado foi nomeado não no dia que Deus terminou seu trabalho, mas no dia em que ele descansou a partir dele. Os judeus modernos observar o décimo terceiro dia, o dia designado para a sua destruição, como o jejum dias, fundamentando a prática de Esther 09:31 , as questões de seus jejuns e chorar. Mas isso se refere ao que era no dia da sua aflição ( Ester 4: 3 , 16 ), que não era para ser continuado quando Deus tinha virado seus jejuns em júbilo e alegria, Zacarias 08:19 .

 

  1. Como foi called-- A festa de Purim Esther 9:26 ), a partir Pur, uma palavra persa que significou muito, porque Haman tinha por sorteio determinou que este é o tempo da destruição dos judeus, mas o Senhor, a cuja disposição o lote é, havia determinado que ele seja o momento de seu triunfo. O nome deste festival iria lembrá-los do domínio soberano do Deus de Israel, que serviu seus próprios propósitos pelas superstições tolas dos gentios, e enganado os prognosticadores em seu próprio ofício ( Isaías 47:13 ), frustrando os tokens dos mentirosos e fazendo os adivinhadores louco, Isaías 44:25 , 26 .

 

  1. Por quem ele foi instituído e promulgada. Não era uma instituição divina e, portanto, não é chamado um dia santo, mas um compromisso humano, pelo qual foi feito um dia bom, Esther 9:19 , 22 . (1.) Os judeus ordenado-lo, e ele tomou sobre si mesmos ( Esther 9:27 ), voluntariamente se comprometeram a fazer como já tinham começado. Esther 9:23 . Eles amarraram-se a este de comum acordo. (2.) Mordecai e Ester confirmou a sua vontade, que poderia ser mais vinculativa para a posteridade, e pode vir bem recomendado por esses grandes nomes. Eles escreveu, [1] com toda a autoridade ( Esther 9:29 ), assim eles poderiam, Esther ser rainha e Mordecai primeiro-ministro de Estado. É bem quando aqueles que estão em posição de autoridade usar sua autoridade para autorizar o que é bom. [2] . Com palavras de paz e verdade Embora eles escreveram com autoridade, que escreveu com ternura, não imperiosa, não impondo, mas em uma linguagem como o conselho na utilização de Jerusalém em seu decreto ( Atos 15:29 ): "Se você faz assim e assim, você deve fazer bem. Fare-lo bem. " Tal era o estilo dessas cartas, ou como a saudação ou despedida deles: Paz e verdade estar com você.

 

  1. Por quem era para ser observado - por todos os judeus, e por sua descendência, e por todos os que se juntaram a eles, Esther 9:27 . A observância desta festa era para ser universal e perpétua prosélitos deve observá-lo, em sinal de sua afeição sincera à nação judaica e suas com interesses unidos com eles. A concordância em alegrias e louvores é um ramo da comunhão dos santos.

 

  1. Por que foi a serem observadas - que o memorial das grandes coisas que Deus tinha feito por sua igreja nunca pode perecer a partir de sua semente, Esther 9:28 . Deus não trabalha maravilhas para um dia, mas para ser tido em memória eterna. O que ele deve ser para sempre, e, portanto, deve para sempre ser tido em mente, Eclesiastes 3:14 . Neste caso eles se lembrariam, (1.) más práticas de Hamã contra a igreja, a sua reprovação perpétua ( Esther 9:24 ): . Porque tinha projetado contra os judeus para destruí-los Deixe este ser mantido em mente, que o povo de Deus nunca pode ser seguro, enquanto eles têm tais inimigos maliciosos, sobre quem deveria ter um olho ciumento. Seus inimigos visam não inferior a sua destruição em Deus, portanto, deixá-los dependem para a salvação. (2.) bons serviços de Ester para a igreja, a sua honra imortal. Quando Esther, em perigo de sua vida, veio perante o rei, ele revogou o edital, Esther 9:25 . Isso também deve ser lembrado, que onde quer que esta festa deve ser mantido, e essa história lida em explicação do mesmo, isto que ela fez pode ser contado para memória sua. As boas obras feitas para o Israel de Deus deve ser lembrado, por o incentivo de outras pessoas para fazer o mesmo. Deus não vai esquecê-los e, portanto, não devemos. (3.) suas orações, e as respostas dadas a eles ( Esther 9:31 ): . As questões de seus jejuns e suas lamentações Quanto mais gritos que oferecemos em nosso problema, e quanto mais orações pela libertação, o mais somos obrigados a ser gratos a Deus por libertação. Invoca-me no tempo de angústia, e, em seguida, oferecer a Deus ação de graças.

 

Como foi a serem observados 6.. E desta vamos ver,

 

(1.) O que estava aqui ordenado, que foi muito boa, que eles deveriam fazê-lo, [1] Um dia de alegria, um dia de festa e alegria ( Esther 9:22 ), e um banquete foi feita para rir, Eclesiastes 10:19 . Quando Deus dá-nos motivos para se alegrar por isso que não devemos expressar nossa alegria? [2] Um dia de generosidade, enviando presentes uns aos outros, em sinal de sua simpatia e respeito mútuo, e sua estejam unidos por este e outros perigos comuns e os livramentos tanto quanto mais perto uns aos outros em amor. Os amigos têm os seus bens em comum. [3] Um dia de caridade, o envio de presentes para os pobres. Não é para os nossos parentes e vizinhos ricos apenas que estão a enviar sinais, mas para os pobres, os aleijados, Lucas 14:12 , 13 . Aqueles que receberam a misericórdia deve, em sinal de sua gratidão, mostrar misericórdia e nunca quer ocasião, para os pobres, temos sempre conosco. Ação de Graças e esmola deve ir junto, que, quando se alegram e bendizendo a Deus, o coração dos pobres podem regozijar-se com a gente e os seus lombos pode nos abençoe.

 

(2.) O que foi adicionada a esta, que foi muito melhor. Eles sempre, na festa, leia toda a história sobre na sinagoga cada dia, e colocar-se três orações a Deus, na primeira das quais louvar a Deus por contá-los dignos de participar deste serviço divino na segunda que agradecê-lo por a preservação milagrosa de seus antepassados ​​no terceiro eles elogiam-lhe que eles viveram para observar um outro festival em memória dele. Então bispo Patrick.

 

(3.) O que desde então tem se degenerado para, o que é muito pior. Seus próprios escritores reconhecem que esta festa é comumente comemorado entre eles com a gula, a embriaguez e excesso de motim. Sua Talmud diz expressamente que, durante a festa do Purim, um homem deve beber até que ele saiba não a diferença entre Maldito Haman, e Bendito seja Mordecai. Veja o que a natureza corrupta e perversa do homem, muitas vezes traz que a que estava em primeiro poço destina-se: aqui é uma festa religiosa se transformou em um carnaval, um revel perfeito, como esteiras estão entre nós. Nada mais purifica o coração e adorna religião do que santa alegria nada mais polui o coração e reprova religião do que a alegria carnal e prazer sensual. Corruptio optimi pessima est - O que é melhor torna-se quando corrompido o pior.

fonte www.avivamentonosul.com