Translate this Page

Rating: 3.0/5 (887 votos)



ONLINE
9




Partilhe este Site...

 

 

<

Flag Counter

A Book for Her pdf free, download pdf, download pdf, this site, The Adobe Photoshop CC Book for Digital Photographers 2017 pdf free, fee epub, pdf free, site 969919, this link, link 561655,

Geografia biblica da Asia menor (2)
Geografia biblica da Asia menor (2)

                                    Geografia biblica da Asia menor (2)

                             Geografia biblia da ASIA MENOR

  1. A hititas

 

No início da história, Ásia Menor era governado por um povo não-arianos, o Hatti ou hititas sobre qual o conhecimento é actualmente acumulando tão depressa que não conta final por eles pode ser dada. VerHititas. Ásia Menor é agora reconhecida como tendo sido o centro de sua civilização, contra a antiga visão de que eles eram um povo da Mesopotâmia. Esculturas e hieróglifos pertencentes a este povo têm sido conhecidos por todo o país a partir de Smyrna ao Eufrates, e presume-se quase por unanimidade que o seu capital estava em Boghaz Keui (em frente ao Halys de Ancyra). Este site tem sido identificado com muita probabilidade com o Pteria de Heródoto, que Creso capturado quando marchou contra os persas, a inferência é que a parte da terra hitita que ficava ao leste do Halys era naquela época um satrapy do Império Persa. 

 

Escavações em extensa cidade antiga em Boghaz Keui foram recentemente realizada por Winckler e Puchstcin, que descobriram restos de arquivos reais. Esses registros são escritos em tábuas de argila em escrita cuneiforme; são formuladas, em parte, da Babilônia, em parte (presumivelmente) na língua nativa ainda não decifrada. Os documentos na língua babilônica provar que as relações políticas estreitas existiam entre o Hatti e da monarquia oriental. No século 14 aC, os hititas parecem ter conquistado uma grande parte da Síria, e se estabeleceram em Carquemis. A partir daí, eles estavam em contato próximo com a Mesopotâmia. De volta do início do primeiro milênio, os hititas "estavam em relações constantes, hostil ou neutras, com os ninivitas, e daí em diante a sua arte mostra essas características assírios marcados que dificilmente mantém a sua individualidade."

 

  1. frígio e Bitínia Immigrations

 

A data do frígio e imigrações Bitínia. do sudeste da Europa não pode ser fixado com certeza, mas se tivessem ocorrido no início do primeiro milênio antes de Cristo. Estes imigrações coincidem no tempo com o declínio do poder hitita. Depois de muitas andanças, os frígios encontrou uma casa no lado ocidental do planalto, e nenhum poder exercido tal influência sobre o desenvolvimento precoce da Ásia Menor como o frígio, principalmente na esfera da religião.

 

 Os reis da Frígia "bulked mais impressionante na mente grega do que qualquer outra monarquia não-Gr, a sua língua era a língua original e o discurso da própria deusa; seu país era a terra das grandes cidades fortificadas, e os seus reis eram os associados dos próprios deuses. " O material permanece do "país frígio" - o túmulo de Midas com a acrópole fortificada acima dela, e as muitas outras rocha-túmulos ao redor - são as mais impressionantes na Ásia Menor inscrições em um script como o início Jónico são cortadas em alguns dos os túmulos. A linguagem frígio, um discurso Indo-germânica com semelhanças com o grego e as línguas italiana, é provado por algumas inscrições setenta (a pontuação deles ainda não publicado) ter sido de uso comum bem no período cristão. Dois encontrado recentemente inscrições mostram que foi falado até em Icônio, "a cidade mais distante da Frígia," no lado licaônica, até o terceiro século de nossa era. Essas inscrições mencionar os nomes de Ma (Cibele) e Átis, cujo culto exerceu uma profunda influência sobre as religiões da Grécia e de Roma.

 

  1. lídios, gregos e persas

 

A próxima monarquia a subir na Ásia Menor é que de Lydia, cuja origem é obscura. O império frígio tinha caído antes de uma invasão do Cimmerii no bc nono ou oitavo século; Alyattes de Lydia, que ficavam entre Frígia e do Mar Egeu, repeliu uma segunda invasão do Cimmerii em 617 aC. Creso, rei da Lídia (ambos os nomes depois proverbial de riqueza), era senhor de toda o país para o Halys, bem como das colônias gregas na costa. Essas colônias - Fundado da Grécia - tinha atingido o seu apogeu por volta do século 8, e cravejado três costa da Ásia Menor. Sua incapacidade de combinar em uma causa comum colocou-os à mercê de Creso, e mais tarde de seus conquistadores, os persas (546 aC). 

 

Os persas dividido Ásia Menor em satrapies, mas as cidades gregas foram colocados sob dinastias gregas, que possuíam a suserania da Pérsia, e várias das corridas do interior continuaram sob o domínio de seus príncipes nativos. A derrota de Xerxes por Hellas definir as cidades gregas da Ásia Menor livre, e eles continuaram gratuito durante o período da grandeza ateniense. Em 386 aC, eles foram restaurados para o rei da Pérsia pela diplomacia egoísta de Esparta.

 

  1. Alexander e seus sucessores

 

Quando Alexandre o Grande cruzou o Helesponto em 334 aC, uma nova era aberta para os gregos asiáticos. Até agora, as cidades gregas da Ásia Menor, além de esforços espasmódicos em combinação, tinha sido meros comunidades comerciais, independentes um do outro, em concorrência uns com os outros, e ansioso por razões de auto-interesse de trazer o outro para a ruína. Estas colônias, além disso, tinha sido confinado à costa, e os vales dos rios abertas do Ocidente, a idéia de um império grego na Ásia Menor foi originado por Alexander, e materializada por seus sucessores. Daí em diante as rivalidades cidade certamente durou, e em um período posterior animado o desprezo dos romanos impassíveis; mas de agora em diante as cidades gregas eram membros de um império grego, e tinham consciência de uma missão imperial. É neste período que a helenização ou, como Mommsen iria traduzir o termo, a civilização do interior da Ásia Menor pertence.

 

 As fundações dos sucessores de Alexandre, o Attalids e Seleucids, cobriu a península; o seu objectivo era o de consolidar o Estado grego sobre as raças nativas, e, o mais importante de tudo, para levantar essas corridas para o nível da civilização grega e educação. O experimento teve sucesso apenas parcial e temporária; mas tal sucesso, uma vez que o esforço e Roman mais tarde na mesma direção tinha, exerceu uma profunda influência sobre o crescimento inicial do cristianismo no país (veja abaixo).

 

  1. Os gálatas

 

Em sua maneira de entrar e se estabelecer no país, na forma em que ambos veio sob a influência do ambiente asiático, e impressionou o selo de sua individualidade vigoroso sobre a cultura ea história da terra, o Galatae, um Celtic nação que cruzou da Europa em 278-277 aC, para estabelecer-se, em última análise, a leste da Frígia antiga e em ambos os lados da Halys, recordar as características essenciais da imigração frígio de mil anos anteriores. "A região da Galácia, em um período remoto a sede principal da regra anterior oriental sobre a Ásia, e preservando na rocha-esculturas famosos do moderno Boghaz Keui, antiga cidade real de Pteria, reminiscências de uma glória quase esquecido, teve no decorrer dos séculos tornaram na linguagem e costumes uma ilha Celtic em meio a ondas de povos orientais, e assim permaneceu na organização interna, mesmo sob o (Roman) império ". Mas estes gauleses ficou sob forte influência oriental; modificaram, em certa medida, a organização da religião local, que adoptaram; mas eles adotaram tão completamente que apenas uma divindade com um nome celta, até agora apareceu nas inúmeras Cult-inscrições da Galácia (Anderson no Journal of Studies helenísticas de 1910, 163ff). 

 

Também não tem uma única inscrição na língua da Galácia foi encontrado no país, embora saibamos que esse idioma era falado pelas classes mais baixas, pelo menos, tão tarde como o anúncio do século 4. A Galácia parece ter substituído a língua frígio na parte da Galácia, que antigamente era frígio; não há inscrições frígios foram encontrados na Galácia, embora sejam comuns no distrito na fronteira com suas fronteiras sul e oeste. Mas Galácia foi incapaz de competir com o grego como língua das classes educadas, e até mesmo como entre as ordens mais humildes como poderia escrever, escreveu em grego, e greco-romana da cidade-organização substituiu o sistema tribal Celtic muito antes e muito mais completamente em Galácia de organização municipal Roman fez na Gália. Ainda assim, os Gálatas destacou-se em forte contraste, tanto a gregos e para os orientais. Diplomacia Roman reconhecido e incentivado este sentimento de isolamento, e em sua luta contra os orientais e os gregos sob Mithridates, Roma encontrou aliados confiáveis ​​em Gálatas. No período imperial, os Gálatas foram considerados os melhores soldados na Ásia Menor. VerGALÁCIA .

 

  1. Os romanos na Ásia Menor

 

Os romanos exercido um controle efetivo sobre os negócios da Ásia Menor após a derrota de Antíoco, o Grande, em 189 aC, mas foi somente em 133 aC, quando Átalo de Pérgamo legou seu reino de "Asia" para o Estado romano, que o Roman ocupação começou. Este reino formado a província da Ásia; uma segunda herança que caiu para Roma com a morte de NicomedesIII Em 74 aC, tornou-se a província de Bitínia, para que Pontus foi adicionado depois. 

 

Cilícia, a província que deu Paul ao império e da Igreja, foi anexada em 100 aC, e reorganizado por Pompeu em 66 aC. Estas províncias já tinha sido organizado; em outras palavras, a forma romana de governo tinha sido definitivamente estabelecida em-los na fundação do império, e, de acordo com o princípio de que todo o território que tinha sido completamente "pacificada" deve permanecer sob a administração do Senado, enquanto o imperador regiões diretamente reguladas em que ainda eram necessários soldados em números, as províncias acima mencionados, com exceção da Cilícia, caiu para o Senado. Mas todo o território anexado posteriormente na Ásia Menor permaneceu nas mãos do imperador. Vários territórios sobre os quais Roma tinham exercido um protetorado foram agora organizados em províncias, sob o governo imperial direta. 

 

Tais foram: Galácia, para que, sob o seu último rei Amintas, parte da Frígia, Licaônia, Pisídia e Panfília tinha sido adicionado, e que foi feita uma província romana em sua morte, em 25 aC (a extensão da Galácia sob Amintas para incluir Antioch, Icônio, Listra e Derbe ea consequente incorporação destas cidades da província da Galácia, forma a base histórica final da "Teoria da Galácia do Sul"); Paphlagonia, anexado em 7 aC; Capadócia, em 17 ad; Lycia, em 43 ad, e em 63 ad a parte de Pontus situada entre a Iris e Armênia. Isso formou a Ásia Menor romana do tempo de Paulo. VerÁSIA; Bitínia , Etc.

 

III. Ásia Menor, no século I dC

 

  1. A população

 

A partição da Ásia Menor em províncias romanas não correspondia a suas divisões etnológicos, e mesmo essas divisões nem sempre foram claramente identificadas. Como é evidente a partir da breve esboço histórico dado acima, a população da Ásia Menor foi composta de muitos estratos de cobertura de corridas, que tendiam, em parte, a perder sua individualidade e afundar o tipo Anatolian inicial. Respondendo a grosso modo, a separação acima mencionado da Ásia Menor em dois países, e para a sua caracterização como o ponto de encontro entre Oriente e Ocidente, podemos destacar, de entre uma mistura de raças e instituições de dois principais sistemas sociais coexistentes, que podemos chamar de o sistema nativo, eo sistema helenístico. Estes sistemas (especialmente como resultado do governo romano) sobrepõem-se e misturam-se com o outro, mas eles correspondem de uma maneira geral, para a distinção (observada no país por Estrabão) entre a cidade-organização e da vida no sistema aldeia. Um abismo profundo separado estas formas de sociedade.

 

  1. O sistema social Native

 

Sob o Império Romano, houve uma tendência contínua para levantar e absorver os nativos da Anatólia em cidades gregas e cidadania romana. Mas na Era Apostólica, este processo não tinha ido longe no interior do país, e do sistema social nativo ainda foi que, sob o qual uma grande parte da população vivia. Combinou a forma teocrática de governo com instituições derivadas de uma sociedade matriarcal preexistente. O centro da comunidade nativa era o templo do deus, com a sua grande corporação de sacerdotes que vivem nas receitas do templo, e do seu povo, que eram os servos do Deus (hierodouloi; comparar a expressão de Paulo, "servo de Deus"), e trabalhou nas fazendas do templo.

 

As aldeias em que esses trabalhadores viviam eram um acessório inseparável do templo, e os sacerdotes (ou um único sacerdote-dinasta) foram os dominadores absolutos das pessoas. Uma classe especial chamadahieroi desempenhou funções especiais (provavelmente apenas por um período) no serviço do templo. Isto incluiu, na facilidade de mulheres, às vezes um serviço de castidade, às vezes um dos prostituição cerimonial. Uma mulher de Lydia, de boa posição social (como está implícito em seu nome romano) possui em uma inscrição que ela vem dos antepassados ​​que haviam servido antes do deus desta maneira, e que ela tem feito isso a si mesma. Essas mulheres mais tarde casou-se em seu próprio posto, e incorreu nenhuma desgraça. Muitas inscrições provar que o deus (através de seus sacerdotes) exerceu a supervisão estreita ao longo de toda a vida moral e ao longo de todo o dia a dia de seu povo; ele era seu Régua, Juiz, ajudante e curandeiro.

 

  1. Imperador Worship

 

Governo teocrático recebeu uma nova direção e um novo significado a partir da instituição do imperador culto; obediência ao deus agora coincidiu com lealdade ao imperador. Os reis selêucidas e mais tarde os imperadores romanos, de acordo com uma visão altamente provável, tornou-se herdeiros de propriedade dos padres despossuídos (um caso é atestada em Antioquia da Pisídia); e foi para fora do território originalmente pertencentes aos templos que doações de terras para o novo selêucida e fundações romanas foram feitas. Pelos porções de uma propriedade não dotado para a polis ou colonia , o governo teocrático durou por diante; mas ao lado do deus Anatolian apareceu agora a figura do deus-imperador. 

 

Em muitos lugares, o culto do imperador foi estabelecido no santuário mais importante do bairro; o deus-imperador conseguiu ou compartilhado a santidade do deus mais velho, Grecized como Zeus, Apolo, etc .; dedicatórias recordes inscrições feitas ao deus e ao imperador em conjunto. Em outros lugares, e especialmente nas cidades, novos templos foram fundadas para a adoração do imperador. Ásia Menor foi a casa do imperador adoração, e em nenhum lugar que a nova instituição se encaixar muito bem no sistema religioso existente. Inscrições recentemente lançado muita luz sobre uma sociedade deXenoi Tekmoreioi ("Guest-Amigos do sinal secreto"), que viveu em uma propriedade que pertencia aos homens Askaenos lado Antioquia da Pisídia, e estava agora nas mãos do imperador romano. Um procurador (que foi, provavelmente, o principal sacerdote do templo local) gestão da propriedade como representante do imperador. 

 

Esta sociedade é típico de muitos outros cuja existência no interior da Ásia Menor veio à luz nos últimos anos; era aquelas sociedades que promoveram o culto do imperador em seu local como distinto do seu lado provincial (ver ASIARCH), E foi principalmente aquelas sociedades que estabelecem os mecanismos da lei romana em operação contra os cristãos nas grandes perseguições. No decorrer do tempo, as pessoas nas fazendas imperiais tendiam a passar para uma condição de servidão; mas ocasionalmente um imperador levantou a totalidade ou parte de uma propriedade para o posto de uma cidade.

 

  1. O Sistema helenístico

 

Grande parte do interior da Ásia Menor deve, inicialmente, ter sido governada em sistema teocrático; mas a cidade-estado grega gradualmente invadido o território e os privilégios do antigo templo. Várias dessas cidades foram "fundada" pelos selêucidas e Attalids; isso às vezes significava uma nova fundação, mais frequentemente o estabelecimento de grego cidade-governo em uma cidade antiga, com uma adição de novos habitantes. Estes habitantes eram muitas vezes judeus que os Seleucids encontrados colonos fiel: os judeus de Antioquia da Pisídia ( Atos 13:14 ), provavelmente pertencem a essa classe.

 

 O objetivo consciente dessas fundações foi a helenização do país, e seu exemplo influenciou as cidades vizinhas. Com o absolutismo oriental do sistema nativo, a organização das cidades gregas e romanas estava em nítido contraste. Nos séculos anteriores do Império Romano estas cidades se uma medida liberal de auto-governo. Magistraturas foram eletivas; homens ricos na mesma cidade competiram entre si, e da cidade disputavam com a cidade, em erigir magníficos edifícios públicos, em fundar escolas e promover a educação, na promoção de todos os que as nações ocidentais querem dizer com a civilização. Com as cidades gregas, veio o Panteão grego, mas os deuses do Hellas fez pouco mais do que adicionar seus nomes aos dos deuses do país. Onde quer que nós temos nenhuma informação detalhada relativa a um culto na Anatólia interior, reconhecemos sob um grego (ou Romano) disfarçar as características essenciais do antigo deus Anatolian.

 

Os gregos sempre rejeitaram os excessos da religião asiática, bem como a educação mais avançada dos gregos Anatolian não conseguia conciliar-se a um culto degradada, que procurou perpetuar as instituições sociais sob as quais tinham surgido, mas apenas em sua mais feio e mais degradados aspectos. "No país em geral, um tipo superior de sociedade foi mantida e que nos grandes templos do sistema social primitiva foi mantido como um dever religioso na classe chamada Hieroi durante os seus períodos regulares de serviço no templo .... O abismo que divide a religião da vida educada do país tornou-se cada vez mais ampla e profunda. Neste estado de coisas Paul entrou no país; e onde quer que a educação já tinha sido difundido, ele encontrou converte pronto e ansioso. "Isso explica" o efeito maravilhoso e elétrica que é atribuído em Atos para a pregação do Apóstolo na Galácia "(Ramsay, Cidades e bispados da Frígia , 96) .

 

  1. Roman "Coloniae"

 

Sob o Império Romano, é possível traçar uma evolução gradual na organização das cidades gregas na direção do tipo municipal Roman. Um dos principais fatores para esse processo foi a fundação sobre a Ásia Menor interior das colônias romanas, que são "pedaços de Roma" estabelecidas nas províncias. Estas colônias foram organizados inteiramente no modelo romano, e eram geralmente guarnições de veteranos, que mantinham partes indisciplinados do país em ordem. Tal no tempo do Novo Testamento foram Antioquia e Listra (Icônio, que costumava ser considerado como uma colônia de Claudius, é agora reconhecida como tendo sido criado para esse rank por Adriano). No primeiro século latim era a língua oficial nas colônias; nunca deposto grego no uso geral, e do grego logo o substituiu em documentos oficiais. Educação estava em seu nível mais alto nas cidades gregas e nas colônias romanas, e foi para aqueles que exclusivamente Paul dirigiu-se ao evangelho.

 

  1. Cristianismo na Ásia Menor

 

Já na vida de Paulo, o cristianismo tinha-se estabelecido firmemente em muitos dos maiores centros de cultura greco-romana na Ásia e na Galácia. A evangelização de Éfeso, capital da província da Ásia, e do terminal de uma das grandes rotas principais ao longo da península, contribuíram largamente para a propagação do cristianismo nas regiões interiores da província, e, especialmente, na Frígia. Cristianismo, de acordo com o programa de Paul, primeiro criou raízes nas cidades, a partir do qual se espalham ao longo dos distritos do país.

 

Inscrições cristão, etc.

 

 

As inscrições cristãs começam mais cedo na Frígia, onde encontramos muitos documentos que datam do final do segundo e início do terceiro anúncio séculos. A principal característica dessas primeiras inscrições - uma característica que as torna difíceis de reconhecer - é a sua supressão como uma regra de qualquer coisa que parecia abertamente cristão, com o objetivo de evitar o aviso de pessoas que possam induzir os oficiais romanos a tomar medidas contra a sua dedicators. 

 

As inscrições começam licaônica quase um século depois, não, devemos supor, porque o Cristianismo se espalhou menos rapidamente de Icônio, Listra, etc., do que ele fez a partir das cidades asiáticas, mas porque a educação grega levou mais tempo para permear as planícies pouco povoadas da planalto central do que os ricos townships da Ásia. A nova religião é provado por correspondência de Plínio com Trajano (111-13 dC) ter sido firmemente estabelecida na Bitínia no início do século 2. Mais ao leste, onde os grandes templos ainda tinha muita influência, a expansão do cristianismo era mais lento, mas no século 4 Cappadocia produzido homens como Basílio e os Gregories. Os grandes perseguições, como é provado por evidência literária e por muitas inscrições, se enfureceu com a gravidade especial na Ásia Menor. 

 

A influência da igreja na Ásia Menor nos primeiros séculos do Império pode ser julgado a partir do fato de que quase não deixar vestígios da religião de Mitras, o principal concorrente do cristianismo, foi encontrado em todo o país. A partir da data do Concílio de Nicéia (325 dC), a história do cristianismo na Ásia Menor foi o do Império Bizantino. Ruínas de igrejas pertencentes ao período bizantino são encontrados em toda a Península; eles são especialmente numerosos nos distritos centrais e orientais. Um estudo detalhado de uma cidade cristã bizantina de Licaônia, contendo um número excepcionalmente grande de igrejas, foi publicada por Sir WM Ramsay e Miss GL Bell: As Mil e Uma Igrejas . Vilarejos cristãos de língua grega, em muitas partes da Ásia Menor continuar uma conexão ininterrupta com o Império Romano até os dias atuais.Enciclopédia Internacional Standard Bible 1915).

fontwww.mauricioberwaldoficial.blogspot.com