Translate this Page

Rating: 3.0/5 (931 votos)



ONLINE
5




Partilhe este Site...

 

 

<

Flag Counter

mmmmmmmmmmm


// ]]>


hinologia e poesia cristã
hinologia e poesia cristã

 

                                       HINOLOGIA E POESIA 

 

"A poesia e sua música irmã gêmea são as artes mais sublimes e espirituais, e são muito mais parecido com o gênio do cristianismo, eo ministro muito mais copiosamente para fins de devoção e edificação de arquitetura, pintura e escultura. Eles empregam palavra e tom, e pode falar assim, mais diretamente para o espírito do que as artes plásticas em pedra e cor, e dar expressão mais adequada a toda a riqueza do mundo do pensamento e do sentimento.

 

 No Antigo Testamento, como é sabido, eles foram essenciais partes do culto divino;. e então eles têm sido em todos os séculos, e quase todos os ramos da Igreja Cristã das várias espécies de poesia religiosa, o hino é o mais antigo e mais importante Ele tem uma história rica, em que o mais profundo. experiências de vida cristã são armazenados. Porém ela alcançou plena floração (como notaremos abaixo) na Igreja evangélica da língua alemã e Inglês, em que, como a Bíblia, tornou-se pela primeira vez verdadeiramente a posse das pessoas, em vez de ser restrito ao sacerdote ou coro "(Schaff, Ch. História). "Um hino é um discurso lírico aos sentimentos. Deve ou excitar ou expressar sentimentos. A recitação de fatos históricos, descrições de paisagens, narrativas de eventos, meditações. Podem todos tendem a inspirar sentimentos. Hinos não devem ser excluídos, portanto, , porque eles são deficientes em forma lírica ou no sentimento, se a experiência mostra que eles têm o poder de despertar emoções piedosas. Not muitos. hinos de Newton pode ser chamado de poético, mas alguns hinos no idioma Inglês são mais úteis "(Beecher, Prefácio à coleção Plymouth). O hino, como tal, não se destina a ser didático, e ainda é um dos meios mais seguros de transmitir a "sã doutrina", e de perpetuá-lo na Igreja. Os gregos e padres latinos entenderam bem isso. Bardesanes (veja abaixo) "difundido seus erros gnósticos em hinos siríaco, e até que a linguagem deixou de ser o órgão vivo de pensamento, os pais da Síria adotou este modo de inculcar a verdade em composições métricas.

Os hinos de Arius foram grandes favoritos, e contribuiu para espalhar suas doutrinas peculiares. Crisóstomo encontrados os hinos de adoração Arian tão atraente que ele teve o cuidado para neutralizar o efeito deles, tanto quanto possível, fornecendo a Igreja Católica com composições métricas. Agostinho também compôs um hino a fim de verificar os erros dos donatistas, que representa como fazendo uso de hinos recém compostas para a propagação de suas opiniões. Os escritos de Efrém Syrus, do século 4, contêm hinos sobre vários temas, relacionados principalmente às questões religiosas do dia, que agitou a Igreja "No entanto, um mero ajuste diante da doutrina cristã no versículo não constitui um hino;. Dos pensamentos ea linguagem das Escrituras deve ser reproduzido de uma forma lírica, a fim de atender às necessidades de música. 

Os hinos mais populares e duradouros são aqueles que são mais lírico em forma, e ao mesmo tempo mais penetrou profundamente com a vida cristã e sentimento . Nem pode hinos, no sentido próprio da palavra, ser diferente de popular. Igreja Romana desencoraja adoração congregacional, e, portanto, ela produz alguns hinos, não obstante o número de belas composições religiosas, que podem ser encontrados em seus escritórios, e as belas produções métricas da Idade Média, dos quais mais de uma parte posterior deste artigo. Hinos para os protestantes, sendo "composta para uso congregacional, deve expressar todas as variedades de emoção comum para o cristão. Eles devem incluir na sua vasta gama o tremor do pecador, a esperança ea alegria do crente; eles devem fazer soar o alarme para os impenitentes, e torcer os aflitos; eles devem chamar a Igreja a um seguimento sério do seu Redentor, desça com a morte para o vale da morte, e torná-lo vocal com as notas de triunfo; eles devem assistir o cristão em todas as etapas de sua vida como uma melodia celestial. Não pode haver nada de esotérico no hino. Além 'disso, o hino, habilmente ligados com a música, torna-se o companheiro de horas solitárias de um cristão.

 É a propriedade de uma boa letra de existir na mente como uma presença espiritual; e, portanto, como uma ' alma escondida de harmonia ", que habita uma alma na alma, e eleva-se, muitas vezes, não procurado, na consciência distinta. O Gothe mundana aconselhados, como um meio de tornar a vida menos comum, que se deve " todos os dias, pelo menos, ouvir um pouco de música ou ler um bom poema. " Mais feliz aquele que, a partir de seu conhecimento abundante com letras cristãs, tem a música dentro de si; que pode seguir o conselho mais pura de Paul, e " fale consigo mesmo, com hinos e cânticos espirituais, cantando e louvando de coração ao Senhor "( Efésios 5:19 ) "(Metodista Quarterly, de julho de 1849). Para o vocal execução de hinos, como parte do serviço na Igreja, , e para os seus acompanhamentos instrumentais,.

Sobre a questão do uso de hinos de composição humana. na Igreja, houve disputas em um período muito cedo. O Conselho de Braga (Portugal), AD 563; proibia o uso de qualquer forma de cântico, senão salmos e passagens das Escrituras (cânon 12). Sobre este assunto, Bingham comenta que foi em tempos antigos "não-objeção contra a salmodia da Igreja que ela às vezes fez uso de salmos e hinos de composição humana, além daqueles dos escritores sagrados e inspirados. Pois, embora St. Austin reflete sobre os donatistas para seus salmos de composição humana, ainda não foi simplesmente porque eles eram humanos, mas porque preferia os hinos divinos da Escritura, e sua maneira indecente de cantar eles, para o túmulo e método sóbrio da Igreja. St . próprio Austin fez um salmo de muitas partes, à imitação do Salmo 119, e isso ele fez para o uso de seu povo, para preservá-los dos erros de Donato Seria absurdo pensar que aquele que fez um salmo si mesmo. para o povo a cantar deve brigar com outros salmos simplesmente porque eram de composição humana.

Demonstrou-se que sempre houve tais salmos, e hinos, e doxologias compostas por homens piedosos, e usado na Igreja desde a primeira fundação da mesma; nem qualquer mas Paulus Samosatensis tomar exceção ao uso deles; e ele não fez isso porque eles eram de composição humana, mas porque eles continham uma doutrina contrária às suas opiniões particulares. St. Hilary e St. Ambrose fez muitos desses hinos, que, quando algum murmurou contra nas igrejas espanholas, porque eles eram de composição humana, o IV Concílio de Toledo fez um decreto para confirmar o uso deles. juntamente com os doxologias " Glória ao Pai ", etc, " Glória a Deus nas alturas, "excomunhão ameaçador para qualquer que deve rejeitá-los. 

A única coisa de peso a ser instado contra tudo isso é um cânone do Concílio de Laodicéia, que proíbe a ἰδιωτικοὺς ψαλμούς , todos os salmos privadas, e todos os livros não-canônicos para ser lido na Igreja. Para que possa parecer que por salmos privadas que significam todos os hinos de composição humana. Mas se pretendia, em vez de excluir apócrifo, hinos, como foi sob o nome de Salomão, como Balzamon e Zonaras compreendê-lo, ou então, como não foram aprovados pela autoridade pública na Igreja. Se ser prorrogado, contradiz a prática corrente de toda a Igreja, além disso, e não pode, em razão, ser interpretado como aliado mais do que uma ordem particular para as igrejas daquela província, feita em cima de algumas razões específicas desconhecidas para nós neste dia . Não obstante, por isso, qualquer argumento a ser desenhado a partir deste cânone, é evidente que os antigos não fez nenhum escrúpulo de usar salmos ou hinos de composição humana, desde que fossem piedosa e ortodoxa para a substância, e composta por homens eminentes, e recebido por só autoridade, e não trouxe clandestinamente para a Igreja "(Orig Eccles bk 14.:... ch 1).

A Igreja cristã, em todos os períodos, está acostumado, como já dissemos, para usar salmos, e hinos na adoração pública. Os salmos são porções dos Salmos de Davi; os hinos são composições humanas. Sobre a história de cantar no culto em geral, (Veja Salmodia ), ao abrigo do qual a cabeça também será dado um relato dos hinários padrão nas diversas denominações evangélicas.

I. Antiga Hymns. - Alguns hinos têm chegado até nós da antiguidade muito remota. "Basil cita um hino à noite de um autor desconhecido, que ele descreve como no seu tempo (século 4) muito antiga, passada de pais, e em uso entre as pessoas. Dr. J. Pye Smith considera o mais antigo existente hino . Segue-se a tradução do mesmo: "Jesus Cristo, luz alegre do santo! Glória do Eterno, celestial, santo, abençoado Pai! Tendo agora chegado ao pôr do sol, contemplando a luz da noite, louvamos o Pai, e do Filho, e do Espírito Santo de Deus. Tu és digno de louvor, de vozes sagradas, em todas as estações, (Filho de Deus, que dás vida Portanto o universo glorifica-te "(Coleman, o cristianismo antigo, cap 16:.!. § 5) A partir da carta do ancião. Plínio a Trajano, sabemos que, logo no início do segundo século, os cristãos elogiou Cristo como seu Deus em músicas, e de Eusébio (. Eccles . Hist . 5, 28), aprendemos que havia uma grande multidão de tais músicas, mas o hino mais antigo para o Cristo, permanecendo nos completa do período de perseguição, é a de Clemente de Alexandria (qv) É dado em cheio o grego eo latim, em Coleman. (1 c.): ver também Piper Cementis Hymnus é Salvatorem (G ö . tting 1835) e Balt, Defensio fidei Nicceae, § .. 111, 2 pc, citado por Coleman "Embora considerado como uma produção poética, tem pouca pretensão de consideração, mostra a tensão da devoção do primeiros cristãos: vemos nele o coração de piedade primitiva trabalhando para dar expressão aos seus sentimentos de admiração, amor e gratidão, tendo em vista os escritórios e caráter do Redentor. Ela não é encontrada nos escritórios posteriores da Igreja, porque, como é suposto, ele foi pensado para assemelhar-se, na sua medida e estrutura antiphonal, as músicas usadas na adoração pagã "(Coleman, Prim. Igreja, p. 370). 

Os mais antigos hinos-escritores cristãos, no entanto, foram em sua maioria gnósticos em suas doutrinas, e eles parecem ter usado suas músicas como "um meio popular de elogiar e propagar seus erros." O primeiro deles foi Bardesanes, na Igreja sírio da segundo século, que escreveu na imitação dos Salmos 150 hinos, com adições gnósticos. Valentino de Alexandria pertence também aos mais antigos escritores hymn- (comp. Muinter, Odae Gnosticae, Copenh. 1.712). A Gloria in Excelsis (qv), que ainda é mantido em uso, é atribuído ao terceiro século.

 

1. Oriental e grego. –

 

 O Therapeutae no Egito cantou em suas assembléias hinos antigos transmitidos pela tradição. Quando, sob Constantino, o Grande, o cristianismo se tornou a religião do Estado, os hinos adquiriu a importância de canções regulares da Igreja litúrgicas. Efrém Syrus (qv), no século 4, que pode ser considerado como o representante de toda a hymnology sírio, procurou trazer os hinos heréticos dos gnósticos em desuso. Na Igreja Oriental, os hinos de Arius tinha, por seu espírito cristão prático, adquiriu mais popularidade do que os hinos ortodoxos, que consistia principalmente de um conjunto de fórmulas dogmáticas. Para se opor a esta tendência, Gregório de Nazianzeno e Sinésio compôs uma série de novos hinos ortodoxos, mas, não sendo adaptado para a compreensão das pessoas em geral, estes não se tornou popular, e, portanto, não atendeu ao objetivo dos escritores. Poesia sacra em geral começou a declinar entre os gregos; e como no século seguinte, a contenda sobre a adoração de Maria e dos santos começou, os hinos ortodoxos tornaram-se meros cânticos de louvor a estes. Tais são os hinos de Cosmas, bispo de Majumena (780); Andreas, bispo de Creta (660-732); Germano, patriarca de Constantinopla (634-734); João Damasceno, no século 8, e Teófanes, metropolitana de Nicéia, e Josephus, diácono de Constantinopla, no dia 9.

 

Na história da hymnology, Schaff distingue três períodos, tanto na poesia grega e da Igreja Latina:

(1) a de formação, ao mesmo tempo que foi lentamente jogando fora metros clássicos e inventar o seu estilo peculiar, para cerca de 650;

 

(2) que a perfeição, até 820;

 

(3) que de declínio e decadência, de 1400, ou para a queda de Constantinopla. "O primeiro período, bela como são algumas das odes de Gregório Nazianzeno e Sofrônio de Jerusalém impressionou mal quaisquer vestígios sobre os livros de escritório gregas. 

O período de florescimento da poesia grega coincide com o período das controvérsias de imagem, e os poetas mais eminentes eram ao mesmo tempo defensores de imagens; proeminente entre eles, sendo João de Damasco, que tem a dupla honra de ser o maior teólogo eo maior poeta da Igreja Grega A flor da poesia grega pertence, portanto, a um mais tarde. divisão da nossa história. Contudo, uma vez que encontrar pelo menos o aumento do mesmo no século 5, daremos aqui uma breve descrição de seu caráter peculiar. Os primeiros poetas da Igreja grega, especialmente Gregório Nazianzeno no quarto, e Sophronius de Jerusalém, no século 7, empregou os metros clássicos, que são totalmente inadequados para as idéias cristãs e música Igreja, e, portanto, caiu gradualmente em desuso. Rhyme encontrou-não entrada na Igreja grega.

 Em seu lugar a prosa métrica ou harmônica foi adotada a partir da poesia hebraica e os primeiros hinos cristãos de Maria, Zacarias, Simeão, e as hostes angelicais. Anatólio de Constantinopla ( † 458) foi o primeiro a renunciar a tirania do metro clássico e riscar um novo caminho. Os pontos essenciais no sistema peculiar da versificação grega são os seguintes: A primeira estrofe, que constitui o modelo de os sucessivos, é chamada em linguagem técnica Hirmos, porque chama os outros depois dele. As estrofes seguintes, são chamados Troparia (estrofes), e são divididos, por cantar, por vírgulas, sem levar em conta o sentido. Um número de troparia de três a vinte ou mais, formam uma Ode, e isso corresponde à Sequência latina, a qual foi introduzida com a mesma altura, a Notker Monge em St. Gall. Cada um hino é fundada em um hirmos, e termina com uma troparion em louvor da Virgem Santa. As odes são comumente organizadas (provavelmente seguindo o exemplo de tal Salmos como o 25, 112th, e 119), em acróstico, por vezes, em ordem alfabética. Nove odes formar uma Canon. 

As odes mais velhos sobre os grandes acontecimentos da encarnação, a ressurreição ea ascensão, são, por vezes, sublime; mas os cânones longas posteriores, na glorificação dos mártires desconhecidos, são extremamente prosaico e tedioso, e cheio de elementos estranhos ao Evangelho. Mesmo as melhores produções hymnological do Oriente falta a simplicidade saudável, naturalidade, fervor e profundidade do latim e do hino protestante evangélica.

 

"A poesia Igreja grega está contida nos livros litúrgicos, especialmente nos doze volumes do Menmea, que correspondem ao Breviário Latina, e consistem, em sua maior parte, de odes poéticas ou metade poéticas em prosa rítmica. Estes tesouros, em que nove séculos trabalharam, até agora foram quase exclusivamente confinada à Igreja Oriental, e, de fato, o rendimento, mas alguns grãos de ouro para uso geral. Neale tem ultimamente feito um esforço feliz para reproduzir e tornar acessível em modernas metros Inglês, com abridgments muito consideráveis, os hinos mais valiosos da Igreja grega. Damos alguns exemplares de traduções de Neale de hinos de ' t. Anatólio, patriarca de Constantinopla, que participou do Concílio de Calcedônia (451). O primeiro é um hino de Natal, início em grego: Μέγα καὶ παράδοξονθαῦμα .

 

" A grande e poderosa maravilha, A festiva faz seguro: A Virgem traz o Menino Com Virgin honra puro.

A Palavra se encarnou, e ainda permanece em alta: E querubins cantam hinos aos pastores do céu.

E nós com eles triunfante Repita o hino novamente: "A Deus seja a glória nas alturas, e paz na terra aos homens!"

Enquanto assim eles cantam sua Monarch, Essas bandas angelicais brilhantes, Alegra-te, ó vales e montanhas oceanos Ye, bata palmas! Desde tudo o que Ele vem para o resgate, por tudo ser Adorava, O Menino nascido em Belém, o Salvador e Senhor!

 

Agora formas de ídolos pereça, todo erro deve decadência e chirst empunhará o cetro, nosso Deus e Senhor para sim. '

Outra amostra de um hino de Natal, pelo mesmo, com início ἐν Βηθλεέμ :

' Em Belém é Ele nasceu! Criador de todas as coisas, Deus eterno! Ele abre o portão de Éden, Monarch of idades! Daí a espada de fogo Dá gloriosa passagem; Daí a meados de parede separando derrubado, os poderes da Terra e do Céu são um; Anjos e homens renovar sua liga antigo, o puro reunir a pura, em união feliz! Agora, a Virgin-ventre Como alguns trono angelical containeth Ele, o incontrolável: Bears Ele, que enquanto eles carregam os serafins tremer! carrega-lo, como ele vem para regar sobre o mundo A plenitude do Seu amor eterno! '

 

Mais um em Cristo acalmando a tempestade, ζοφερᾶς τρικμίας , como reproduzido por Neale:

 

' Fierce foi o vagalhão selvagem, Dark foi a noite; Remos labor'd fortemente; Espuma glimmer'd branco; Mariners tremeu; Peril estava próxima; Então disse o Deus de Deus, "Paz! É."

 

Cume da onda montanha, Abaixe a tua crista! Lamento da Euroclydon, sê em repouso! Perigo pode ser nenhum Sorrow deve voar Onde diz a Luz da luz, "Paz! É I.

 

Jesu, Libertador! Vinde a mim: Acalme Tu meu voyaging sobre o mar da vida! Tu, quando a tempestade de rugidos de morte por varrer, Sussurro, ó Verdade da verdade! "Paz! ' tis I. "

 

2. Latina Igreja.

 

 - Do muito mais importância para a Igreja cristã do que a grega são os hinos latinos produzidos nas idades mais precoces, ou o período que abrange o quarto para os séculos 16. Embora menor em bússola, hymnology Latina ultrapassa de longe o grego "em simplicidade natural e de verdade, e na riqueza, vigor e plenitude de pensamento, e é muito mais parecido com o espírito protestante. Com caráter churchly objetivo combina sentimento mais profundo e mais subjetiva apropriação e experiência de salvação e, portanto, mais calor e fervor do que o grego. Ele forma, nestes aspectos, a transição para o hino evangélico, o que dá a expressão mais bela e profunda para o prazer pessoal do Salvador e sua graça redentora. A melhor hinos latinos vieram através do Breviário Romano em uso geral, e através de traduções e reproduções se naturalizaram em igrejas protestantes. Eles tratam, em sua maior parte, dos grandes fatos da salvação e as doutrinas fundamentais do Cristianismo "(Schaff, Ch. Hist. 2, 585).

 

Mas muitos deles, como as produções posteriores da Igreja Grega, são dedicados aos louvores de Maria e dos mártires, e padecem com todos os tipos de superstições. Um dos escritores mais antigos de hinos latinos é Hilário de Poitiers (Pictaviensis), que morreu em 368 Banido para Frígia, ele foi incitado pelo ouvir o canto dos hinos arianos para compor algum para a Igreja Ortodoxa, e entre essas produções sua largitor Lucis splendide é o mais célebre. Não há dúvida de que a autoria de um grande número de hinos é espúrio, especialmente no caso de Ambrose (qv), bispo de Milão, que morreu em 397, e que é geralmente considerado o pai da música adequada Igreja Latina. Entre suas produções genuínas encontramos os grandes hinos O lux beata Trinitas; Veni Redemptor omnium; Deus omnium criador, etc A chamada música Ambrosiana de louvor, Te Deum laudamus, "de longe, o mais célebre hino", anteriormente atribuído a Ambrósio, "o único que teria feito seu nome imortal", e que, com o Gloria in excelsis, é " ' , de longe, o legado mais valioso da antiga poesia Igreja Católica, e que será orado e cantado com devoção em todas as partes da cristandade até o fim do tempo ", ele disse ter composto para o batismo de Agostinho. Mas agora está acordado pelos nossos melhores críticos que este hino foi escrito em data posterior (Schaff, cap. Ii Hist., 592).

 Outro escritor hino distinto da Idade Média foi Agostinho, " o maior teólogo entre os Padres da Igreja ( † 430), cuja alma se encheu com a verdadeira essência da poesia. "Ele disse ter composto o hino ressurreição, Cum rex gloriae Christus ;. hino na glória do Paraíso, Ad perennis vitae Fontem Mens sitivit Arida, e outros Damasco, bispo de Roma ( † 384), que se diz ter sido o autor da rima de que falamos acima, talvez não seja menos célebre do que os nomes anteriores Muito destaque classificar também Prudentins, em Espanha (. † 405), a quem Neale chama de "o príncipe dos poetas cristãos primitivos", o autor de Jam moesta quiesce querela, e outros; Paulino de Nola; Sedulius, que compostas de dois hinos de Natal, A solis cardine Ortus e Hostis Herodes impie; Enodius, bispo de Pavia ( † 521), e de Fortunato, bispo de Poitiers (cerca de 600), que escreveu os hinos paixão, Pange Lingua gloriosi Praelium certaminis e Vexillca regis prodeunt . Esses hinos (o texto e traduções de a maioria dos quais são dadas por Schaff, 1 c.) logo se tornou popular, e não apesar de muitos deles, muito em uso na Igreja, foram a ser posta de lado, ainda, o Conselho de Toledo (633) recomenda o uso somente de tais hinos como os de Hilary, Ambrose, etc, no culto público. Gregório Magno, que introduziu um novo sistema de cantar na Igreja (Veja canto gregoriano ), também compôs hinos, entre outros, o Omnium Rex Christefactor; Primo omnium dierum, geralmente considerado como o seu melhor, etc

Depois dele, os mais notáveis ​​escritores de hinos são Isidorus, bispo de Sevilha; Eugenius, Ildefonso e Juliano, os bispos de Toledo; e venerabilis Beda. Carlos Magno (século 8), que introduziu o canto gregoriano na França e na Alemanha, também tentou poesia sagrada, e é dito ser o autor do hino de Pentecostes, Veni Creator Spiritus, embora outros atribuí-la, e talvez com melhores fundamentos, a Rhabanus Maurus. Alcuíno e Paulus Diaconus também compôs hinos. Embora o Cristianismo, durante esse século e no próximo, espalhados por França, Alemanha, e para o norte, ainda hinos latinos permaneceu em uso exclusivo durante toda a Idade Média, como o clero só tomou parte ativa no culto divino. No século 9 apareceu alguns hinos-escritores notáveis. Theodulf, bispo de Orleans, cuja Gloria laus et honra tibi sempre foi cantado no Domingo de Ramos; Rhabanus Maurus; Walafrid Estrabão, o primeiro escritor hymn- alemão; Notker ( † 912), que introduziu o uso de sequências e recitativos nos hinos, e compôs o canto alternativo de renome, o Media vita em morfe sumus. Durante os séculos 10 e 11 poesia sagrada era cultivada pelos monges beneditinos de Constance, entre os quais Hermann de Veringen ( † 1054) foi especialmente distinguidos. 

Rei Robert de France escreveu o hino de Pentecostes, Veni Sancte Ritus; Petrus Damiani escreveu também hinos penitenciais. Para o século 11 pertence o hino alternativo para Mary intitulada Salve Reginae mater misericordiae. No dia 12 hymnwriting século floresceu, particularmente na França, onde notamos Marbord (1123); Hillebert de Tours; Petrus venerabilis; Adam de St. Victor; Bernard-de Claraval, autor do anúncio Faciem Salve Jesus, eo hino começando Salve cruentatum caput; Abelardo, autor do hino Anunciação, Mttit anúncio virginem; e Bernardo de Cluny, autor de "The Celestial País", sobre AD 1145.-se, além disso, a prática da disciplina conventual para conectar hinos com todos os vários departamentos da vida diária: assim houve hinos para serem cantados antes e depois da refeições, a iluminação de lâmpadas para a noite, em jejuns, etc No século 13 o sentimentalismo dos franciscanos se tornou uma rica fonte de poesia, e os hinos latinos talvez atingiram sua máxima perfeição sob escritores dessa ordem. Francisco de Assis se escreveu poesia sagrada. Entre o hino franciscano escritores são especialmente para ser notado Tomás de Celano (depois de 1255), autor do grande hino Juízo, Dies Irae morre illa (Veja Dies Irae ); Bonaventura; Jacoponus, que escreveu o Stabat mater dolorosa e Stabat Mater speciosa.

Entre os dominicanos, Tomás de Aquino se destacou por seu gloriosi Pange Lingua e Lauda Sion Salvatorem. Depois de atingir esta eminência hinos latinos retrogradadas novamente durante os séculos 14 e 15, e tornou-se meras peças rimadas. Os místicos Henry Suso (QV) e Thomas a Kempis (qv) só merecem menção entre os escritores de bons hinos.

Em hinos da Idade Antiga e Média, ver Bingham, Oriq. Eccles. bk. 13 cap. 5, e vol. 14 cap. 1; Daniel, Thesaurus Hymnologicus, hymnorum sive, etc, Collectio amplissima (Leipz 1841-1856, 5 vols 8vo..); uma boa seleção de K ö nigsfeld, Lat. Hymnen und Gesdnge, em que as versões latino e alemães são impressos face a face, com um Introd. e notas de AW von Schlegel (Bonn, 1847, 12mo, e segunda coleção 1865, 12mo); Trench, Sacred Latina Poesia, principalmente Lyrical, com notas, etc (2 ª ed Lond 1864, 18mo..); Coleman, apostólica e primitiva Igreja, cap. 12; Coleman, o cristianismo antigo, cap. 16; Walch, De Hymnis Eccles. 

Apostolicae (Jena, 1837); Rambach, Anthologie Christl. Gesänge (Altona, 1817-1833); Bjorn, hymni Vet. Patrum Cristo. Eccles. (Hafn 1818.); Kehrein, Lateinische Anthologie (Frankf 1840.); (Ultramontane) Mone, Lat. Hymnen des Mittelalters (Freib 18i53.sq, 3 vols 8vo...); Moll, Hymnasarium (Halle, 1861, 18mo); Wackernagel, Das deutsche Kirchenleid (Lpz. 1864-1865, 2 vols.), Parte do vol. 1, p. 9-362; Chandler, Hinos da Igreja primitiva (Lond 1837.); Neale, Hymns 'da Igreja Oriental (3 edição de Londres, 1866.); Medieval Hinos e Sucessões (3 ª ed Londres, 1867.); A Voz da vida cristã na canção, ou Hinos e escritores hino de muitas terras e Idade (NY 1864, 12mo); Miller, nossos hinos, seus autores e Origin (Lond 1866, 12mo.); Koch, Gesch. d. Kirchenl. (.. Segunda edição Stuttgart de 1852 m², 4 vols, especialmente, 1, 10 a 30.); Edilestand du Meril, Poésies populaires Latines anterieres tau Douzième siècle (Paris, 1843); Fortlage, Gesänge Christl. Vorzeit (Berlim, 1844); Milman, cristianismo latino, 8: 302 sq .; Hill, Inglês monaquismo, p. 324-373 (em livros medievais e hinos); Rheimvald, Kirchl. Archa ö lp 262 sq .; Augusti, tiandb. christl der. Archa ö l. 2, 106 sq .; Riddle, Christian Antiguidades, p. 384 sq .; Martigny, Dict. des Antiquites, p. 475 sq .; Cristo. Examiner, 28 art. 1; Christian Remembrancer, 44, art. 4; N. Amer. Rev. 1857, art. 4; e sobre os primeiros seis séculos, uma muito excelente artigo, publicado no Ev britânicos e estrangeiros. Rev. (outubro 1866), em Schaff, Ch. Hist. 3: 575 sq.

 

II. Uma hinografia Moderna. -

 

. 1 alemão. - A origem dos hinos alemães, que são, sem dúvida, o mais rico de qualquer em línguas modernas, pode ser rastreada até o século 9. Mas a história da hinologia alemã, a rigor, não começa mais cedo do que a Reforma. Para "não foi até o povo possuía a Palavra de Deus, e liberdade para adorá-lo em sua própria língua, que tal corpo de canções poderia ser criado, embora hinos e letras vernáculas sagrados existia na Alemanha durante a Idade Média. Ele Foi então que uma grande explosão de poesia nacional e da música ocorreu, o que refletia o espírito daqueles tempos;. e em uma escala um pouco menor a mesma coisa que aconteceu antes e desde essa altura a cada grande crise na história do alemão pessoas. " 

O mais marcante desses períodos são, além da Reforma, dos séculos 12 e 13, ou o período Crusading, e- a última parte do 17, e início do século 18. As primeiras tentativas de hinos alemães são rastreados para o século 9. Para alguns séculos precedentes a Igreja Romana tinha abandonado o canto congregacional, e os hinos faziam parte do serviço litúrgico realizado pelos sacerdotes e os cantores canônicos. Em algumas igrejas, no entanto, as pessoas ainda continuou " a velha prática de proferir a resposta Kyrie Eleison, Christe Eleison, em determinados intervalos durante o canto dos hinos e salmos Latina, que finalmente degenerou num clamor confuso de vozes. A primeira tentativa de remediar esta foi feita pela adição de, logo após Notker, que originou a sequência ou prosa latina, algumas rimas alemãs para o Kyrie Eleison ", a partir das últimas sílabas das quais esses primeiros hinos alemães foram chamados Leisen".

 Mas como eles nunca foram usados ​​no serviço de Massa, mas se limitaram a festas populares, romarias, e assim por diante, eles não entraram em uso geral, e pode-se dizer que o emprego real do Leisen (ou Leiche, como eles também foram chamado) não começou antes do século 12. Naquele tempo havia se tornado a propriedade comum do povo alemão, e hinos no vernáculo foram produzidos livremente, entre eles o mais antigo hino alemão Páscoa, Christus ist auferstanden, atribuído a Sperrvogel, que desceu aos nossos dias como um verso de um dos melhores hinos de Lutero:

 

Cristo, o Senhor ressuscitou

 

Fora da prisão escura da morte;

 

Vamos todos alegrar hoje,

 

Cristo deve ser a nossa esperança e estadia:

 

Kyrie eleison.

 

Aleluia, Aleluia, Aleluia!

 

Vários dos grandes hinos latinos também foram traduzidos para o alemão, e embora o seu uso na Igreja foi mais ou menos restrito, e sempre foi visto com desconfiança pelos mais papal do clero, mas eles continuaram a ser favorecido pelo povo, como é totalmente evidenciado pela quantidade de verso sagrado escrito a partir deste momento em diante. Assim Wackernagel, em seu trabalho sobre poesia religiosa, antes da Reforma (Das deutsche Kirchenleid vd altest. Zeit bis zu Anfang d. Dias 17 Jahrhundert), exibe cerca de 1.500 exemplares, e os nomes de não menos de 85 poetas diferentes, com muitos autores anônimos. Entre os escritores nomeados não encontrar alguns dos célebres cavaleiros de minas-cantores, como Hartmann von Aue veados, Wolfram von Eschenbach, Walther von der Vogelweide e outros. Mas as canções sagradas alemães dessa época, como os antigos hinos latinos, foram confinados para enfrentar os santos, e, acima de tudo, a Virgem Maria. "

A antiga classe não é muito importante, tanto como para o número ou a qualidade, mas a Marien-Lielder e, em menor grau, Annen-Lieder (hinos a Maria ea Anne), constituem uma classe muito grande anti conhecido entre os poemas dos tempos ante-Reforma na Alemanha. ... Eles formam uma espécie de contraparte espiritual à Minne-canções ou cânticos de amor endereçada a sua senhora terrena pelo cavaleiro. Era fácil transferir a sua vez de expressão e tom do pensamento a partir do objeto terrestre para o celestial, e do grau em que isso é feito é para nós, muitas vezes, assustando as honras e títulos pertencentes ao nosso Senhor Jesus Cristo são atribuídos à sua mãe;. se diz que Deus criou o mundo por ela, e ter descansado em seu no sétimo dia, ela disse ter saído da tumba no terceiro dia, e subiu aos céus, ela dirige-se não apenas como um mediador persuasivo com o seu Filho, mas como ela mesma a principal fonte de misericórdia e ajuda, especialmente na hora da morte e no dia do julgamento. 

Aos poucos, sua mãe é investido com alguns de seus próprios atributos; pois é dito, se Cristo iria obedecer a sua própria mãe, não devia ela muito mais que obedecer a dela? Assim, um conjunto de hinos a Anne surgiu, no qual ela é instado a pagar auxílio na morte, e obter o perdão para os pecadores de Cristo e de Maria, que irá recusá-la nada "(Winkworth, Christiana Cantores da Alemanha, p. 96, 97). (Veja Hiperdulia ). Não é à toa que, em face de tais extravagâncias Wackernagel é obrigado a dizer que a existência de tantos hinos ateus dirigida à Virgem e aos santos, ou ensinar toda a doutrina das indulgências, é uma testemunho incontestável da degeneração em que a nação tinha caído, tornando a Reforma necessária, e que a existência de tantos respirar um cristianismo sem mácula é ao mesmo tempo uma testemunha para a preservação da verdadeira religião tanto como fez a Reforma de todo possível . o uso de hinos alemães foi feita pelas seitas heréticas que começaram a surgir sob a influência perseguidor de Roma. 

Os flagelantes alemães, os boêmios, os valdenses, e os místicos, que todos incentivaram o estudo das Escrituras, é claro favoreceu o canto de hinos alemães; e contribuíram não poucas próprias canções sagradas para os já existentes. Assim, o místico Tauler (qv) (a quem foi atribuída a longo Theologia Germania. com toda a probabilidade a obra de Nicolau de Basileia) escreveu vários hinos, que se tornou amplamente conhecido. Seu melhor, talvez, são as seguintes: o que devo fazer.

 

"De criaturas exteriores devo fugir,

 

E buscar de coração unidade profundamente dentro

 

Se eu gostaria de chamar a minha alma a Ti,

 

Ó Deus, e mantê-lo puro do pecado ", etc

 

SÓ JESUS.

 

"O Jesu Christ, mais bom, mais justo,

 

Mais do que o ar perfumado florido de Maio

 

Quem te dentro de sua alma o urso,

 

Verdadeiro motivo de alegria vos ganhou!

 

Mas será que um te em seu coração,

 

De todas as auto-será que ele deve ir embora;

 

Licitação de Deus apenas quando tu és

 

Deve cada vez mais ser feito.

 

Onde Jesus deste modo age verdadeiramente habitar,

 

Sua presença Acaso todos os tumultos sufocar,

 

E cuida transitórios de dissipar terra

 

Como névoas antes que o sol ", etc

 

A acentuada melhoria, no entanto, ocorreu em hymnology alemã durante o século 15, especialmente perto do fim. O hino-escritor-chefe desse período foi Henry de Laufenberg, que esteve particularmente activo na transformação secular em canções religiosas, como era frequente neste momento; ele também traduziu para o alemão muitos dos antigos hinos latinos. Um dos melhores exemplares de uma canção religiosa transformada citamos aqui. O original era "Innsbruck, devo te desampararei."

 

DESPEDIDA.

 

O mundo, devo te desampararei,

 

E longe valer-me,

 

Para buscar a minha terra natal;

 

Contanto que eu morava na tristeza,

 

Eu não desejo agora para alegria,

 

Alegrias da Terra para mim são o 'er.

 

Sore é a minha tristeza e solidão,

 

E posso dizer que só

 

Para ti, meu amigo mais certeza!

 

Deus, que Tua mão me defender,

 

Teu coração compassivo me envolvem,

 

Por mais que eu sou o mais pobre.

 

Meu refúgio onde eu me esconder,

 

De Ti repartirá me nada,

 

Sem dor, sem pobreza:

 

Nada é tão ruim para temê-la,

 

Se és lá para compartilhá-la;

 

Meu coração pede apenas Ti.

 

Muitos desses hinos transformadas foram preservados, como a acima citada, através da Reforma. Outro hino muito popular, Den liebsten den puelen ich Fan ist der em des Himels Trone, foi transformada a partir da música "Den liebsten puelen ich den han der liegt beim Wirt im Keller." Da transformação das baladas pelos minnesingers em hinos a Mary e Anne já falamos. Voltamos, portanto, Laufenberg, e citar um de seus hinos, que bem merece ser chamado, não só um dos melhores de sua idade, mas uma das mais belas canções sagradas que já foi escrito. Nós copiar a primeira estrofe de que a partir Sra Winkworth (p 93.):

 

Cradle Song.

 

Ah Jesu Cristo, meu Senhor mais querida,

 

Como já foste uma vez uma criança aqui,

 

Então dê esta criança, eu oro,

 

Tua graça e bênçãos no dia a dia:

 

Ah Jesus, divino Senhor,

 

Guarda-me este bebê meu!

 

Laufenberg também escreveu e amplamente introduziu o uso de muitos hinos em latim e alemão misto, uma espécie de verso que era a diversão favorita dos monges, e que tinha adquirido considerável popularityat seu tempo. A mais conhecida dessas produções era uma canção de Natal, que data do século 14, In Dulci Jubilo, Nu sinete und seid fro. Peter Dresdensis foi, em geral, mas erroneamente, considerado como o autor destas talvez apropriadamente chamadas de "Hinos mistos." Seu verdadeiro trabalho, no entanto, estava nas grandes esforços que ele fez para introduzir hinos no vernáculo mais livremente no culto público, especialmente no serviço da Missa, "a partir da qual eles tinham, como já tivemos ocasião de observar, foram excluídos .

 Mas esses esforços se reuniu com a violenta oposição da Igreja, e do uso de hinos no vernáculo ainda continuou a ser quase exclusivamente confinado a festivais e como ocasiões. Entre esses hinos vernáculas são particularmente célebre "Ein Kindelein tão lobelich", "Cristo fure zu Himmel "," Gott sei gelobet und gebenedeist "," Wir danken dir lieber Herre ", etc Após a invenção da arte da impressão, os seguidores de Huss, que haviam se formado em uma separada e organizada Igreja de sua própria em 1467 (Boémia e Morávia Irmãos), e que fez dela uma das suas peculiaridades distintas para usar hinos no vernáculo, como o serviço foi realizado, principalmente, na sua língua materna, especialmente suas orações, deu novo alento à escrita de hinos alemães. Em 1504, Lucas, então chefe do Bohemians, coletados de 400 dos mais populares dos hinos alemães e eles tinham impresso. Este é "o primeiro exemplo de um hinário composto por composições originais em língua vernácula para ser encontrado em qualquer país ocidental que tinha possuído uma vez a supremacia de Roma." Antes dessa época, para o fim do século 15, havia duas ou três coleções de versões alemãs dos hinos latinos e seqüências, mas são de mérito muito inferior.

 

A Reforma, no século 16 marca a nova era na história da hinologia alemã. A introdução do vernáculo na liturgia da Igreja deu um impulso para a língua alemã que só foi eclipsado pela tradução de Lutero da Bíblia para a edificação e educação de todo o povo alemão. Mas era de Lutero como objectivo não só de fornecer aos seus seguidores o livro dos livros, mas também para introduzir em todos os lugares o canto desses hinos como já existia no vernáculo, e pela criação de um gosto entre os povos para o Alemão sagrado ' canção para promover seu cultivo. Desse pôs-se o melhor exemplo. Como na causa da religião que ele sabia como mobilizar um grande círculo de homens e estudiosos para realizar seus grandes projetos eminentes, também, com uma verdadeira apreciação da arte sacra, tanto em poesia e música, ele logo se reuniram com ele muitos amigos , que se tornaram os compiladores de várias coleções de hinos, que foram emitidos pela imprensa em intervalos extremamente curtos. .

 

O próprio Lutero, além de traduzir de novo muitos dos hinos latinos ", que ele contava entre as coisas boas que o poder de Deus e de trabalho maravilhoso tinha mantido vivo em meio a tanta corrupção", e, além de transformação ou reprodução cerca de quatro dos hinos alemães início, composto alguns vinte e um no vernáculo, a maioria dos quais são conhecidos no nosso próprio dia a maioria das nações protestantes do mundo, e alguns dos quais são favoritos particulares, mesmo com as pessoas que falam Inglês. O objeto especial da composição desses hinos, em que Lutero jogou "toda a sua própria fé fervorosa e profunda devoção"; Foi, sem dúvida, "para dar ao povo uma breve confissão de fé clara, fácil de ser lembrado. Para as doutrinas que Lutero propagadas foram ainda muito novo para ser bem entendido por todos como ele desejava que fossem. 

Ele desejou que os homens sabem o que professavam o protestantismo significava a profissão de fé por opção, e não por compulsão;.. crença de que foi acalentado pelo confessor, e não a obediência cega depois que o professor Ele exigiu uma compreensão de suas grandes doutrinas da justificação pela fé, da um só Mediador entre Deus e os homens, o que deu a paz à consciência, entregando-o do fardo dos pecados do passado, e uma nova fonte de vida para a alma, mostrando homens que sua dependência não estava em qualquer coisa em si mesmos, em nenhuma obra de seu próprio desempenho, mas no infinito amor e misericórdia de Deus, que ele havia manifestado a toda a humanidade em seu Filho; da sua doutrina do sacerdócio universal de todos os crentes, que porei um espírito novo para a Igreja, por reivindicar para cada membro de que o seu direito e dever de oferecer para si o sacrifício de louvor e oração, e estudar por si mesmo a Palavra de Deus nas Escrituras "(comp. Winkworth, p. 105). Um dos hinos de Lutero mais conhecidos para nós é que fundada no Salmo 46, o famoso "Marselhesa da Reforma", como Heine chamou. Ele é geralmente suposto ter escrito em seu caminho para a Dieta de Worms. Alguns, no entanto, acho que ela foi composta no final da segunda Dieta de Spire (1529). Tem sido repetidamente traduzido. Sra Winkworth nos dá a seguinte:

 

A fortaleza.

 

A fortaleza que o nosso Deus é que ele,

 

Um escudo e arma fiel;

 

Nossa ajuda ele vai ser, e nos libertar,

 

Qualquer que seja mal pode acontecer.

 

Aquele velho inimigo malicioso nos Pretende ai mortal;

 

Armado com a força do inferno,

 

Eo ofício mais profundo bem

 

Na Terra não é seu companheiro.

 

Através da nossa própria força que nada pode,

 

Direto estávamos perdidos para sempre,

 

Mas para nós luta com o homem adequado

 

Por que Deus enviou para entregar.

 

Pedi que isso pode ser?

 

Cristo Jesus é chamado ele,

 

Dos Exércitos do Senhor,

 

Deus único a ser adorado;

 

Tis ele deve vencer a batalha.

 

E fosse o mundo com os demônios cheios,

 

Todos ansiosos para nos devorar,

 

Nossas almas para temer deveria pouco rendimento;

 

Eles não podem dominar-nos.

 

Sua temido príncipe não mais

 

Pode nos prejudicar como outrora;

 

Olhar sombrio como e'er ele pode,

 

Condenado é o seu domínio antigo,

 

Uma palavra pode derrubá-lo.

 

Ainda assim, eles devem deixar que o mundo o seu poder,

 

E ainda não graças devem merecer;

 

Ainda assim ele está com a gente na luta

 

Por suas boas dádivas e Espírito.

 

E'en eles devem levar a nossa vida,

 

Mercadorias, honra, filhos, esposa,

 

Apesar de todos estes tinham ido embora,

 

No entanto, nada tem que venceram o reino de Deus a nossa permanece!

 

Outro hino de Lutero, que ganhou uma circulação mundial é o que foi escrito por ele sobre a queima de dois mártires da sua fé em Bruxelas, em 1523, e que foi traduzido, ou melhor, transformada por D'Aubigné em sua História da Reforma, começo,

 

"Atiradas ao vento desatentos,

 

Ou nas águas lançam,

 

Suas cinzas serão observados,

 

E reuniram-se no passado ", etc

 

Como exemplo das músicas que ele transformou a maioria com sucesso, citamos a velha cantiga,

 

"Ó tu, Judas impertinente!

 

O que fizeste,

 

Para trair o nosso Mestre,

 

Filho único de Deus!

 

Mas tu deve sofrer

 

Agonia companheiro de Lúcifer do inferno

 

Deve sempre ser. Kyrie, eleison! "

 

Este Luther alterado para o seguinte:

 

"Twas nossa grande transgressão

 

E o nosso delito ferida Feito o Senhor nosso Salvador

 

Na cruz, a sangrar.

 

Não depois de ti, pobre Judas,

 

Nem sobre a tripulação judaica,

 

Nossa vingança ousamos visitar-

 

Nós somos os culpados, não você. Kyrie, eleison!

 

"Salve a ti, Cristo Jesus,

 

Quem hungest na árvore,

 

E bor'st pelas nossas transgressões

 

Ambos vergonha e agonia.

 

Agora ao lado de teu Pai

 

Dominas-te ao alto;

 

Abençoa-nos toda a nossa vida,

 

Leve-nos quando morremos! Kyrie, eleison! "

 

(Christian Examiner, 1860, p. 239 sq.)

 

Dos amigos que Lutero foi bem sucedido em se alistar como escritores para seus novos hinários temos espaço aqui para citar apenas os nomes mais proeminentes. Um deles, Justus Jonas, era um colega de Lutero e Melanchton na Universidade de Wittenberg. Seu serviço especial foi a transformação dos Salmos em versões alemã métricas ", " escolher, como se pode entender muito bem, aqueles que falam de sofrimentos de Davi dos seus inimigos, e sua confiança no livramento de Deus. " Um de seus melhores está no Salmo 124, começando assim:

 

"Se Deus não fosse sobre o nosso lado,

 

Quando os inimigos em torno de nós raiva;

 

Não fosse o próprio nosso Guia de ajuda e,

 

Quando amarga guerra que travam

 

Se não fosse poderoso protetor de Israel,

 

Para quem seus ofícios extremos devem ceder,

 

Nós certamente deve ter perecido. "

 

Outro dos trabalhadores colegas de Lutero foi Paul Eber, cujos hinos têm "um tom de ternura e emoção que é muito menos característica desse período do que a sepultura, trustfulness viril de Lutero e Jonas." Mas eles se tornaram muito amplamente conhecido, e durante o período de provação da guerra dos trinta anos ", eles estavam constantemente ouvida tanto em público como em todo o hearthstone família. Um favorito especial na época era a única, composta quando os exércitos imperiais estavam sitiando Wittenberg (1547), a partir:

 

"Quando, na hora de maior necessidade,

 

Nós não sabemos onde procurar ajuda,

 

Quando os dias e noites de pensamento ansioso

 

Também não ajuda, nem de conforto ainda trouxeram,

 

Então este nosso conforto está sozinho,

 

Para que possamos cumprir antes de teu trono,

 

E chorar, ó Deus fiel, a Ti,

 

Para resgate de nossa miséria. "

 

Dois dos hinos do Eber para os moribundos têm sido grandes favoritos ao lado do leito de morte e em funerais, não só entre os protestantes alemães, mas também entre os católicos romanos. O primeiro é Herr Jesu Christ, wahr Mensch und Gott (Senhor Jesus Cristo, verdadeiro homem e Deus); a outra é a seguinte expressão infantil de perfeita confiança, lindamente prestados pelo Sr. Winkworth (p 12.):

 

MORTE NO SENHOR.

 

"Eu adormecer nos braços de Jesus,

 

Sin lavados, silenciou todos os alarmes,

 

Para seu querido sangue, sua justiça,

 

Minhas jóias são, meu vestido glorioso,

 

Onde antes meu Deus eu estou

 

Quando eu chegar a terra celestial.

 

Com paz e alegria que agora partem,

 

Filho de Deus estou com todo o meu coração:

 

Graças te dou, Morte; tu me levais

 

Para que a verdadeira vida onde eu estaria.

 

Assim purificados por Cristo que não temo a morte,

 

Senhor Jesus, tu fortalecer a minha fé! "

 

Mas Lutero e seus companheiros eram apenas os fundadores da nova hymnology alemão, que logo se espalhou ao longo de um campo muito mais extensa. Escritores Hymn- tornou-se comum por toda a terra, e seu número é legião, de modo que é quase impossível para nós, em nosso espaço limitado, para dar mais do que um breve relato dos mais ilustres, e os nomes apenas daqueles de menor nota. Assim Nicholas Décio, um monge convertido, produziu uma tradução da Gloria in Excelsis ("Allein Gott in der Hoh ', sei Ehr.," Glória a Deus nas alturas), que, com a sua nobre coral, logo entrou em uso em toda a Alemanha. Paul Speratus (von Spretten), o capelão do duque da Prússia, é talvez o mais importante de todos os hymnologists deste período, e é mais conhecido como o autor do hino sobre a doutrina da justificação pela fé:

 

"Salvação chegou até nós

 

Dos mais livre graça e amor,

 

Obras não pode ficar diante da lei de Deus,

 

A cana quebrada que provar;

 

A fé olha para Jesus Cristo,

 

Ele deve por todos os nossos pecados expiar,

 

Ele é o nosso único Redentor. "

 

Isso, na época de Lutero, era tão popular entre os alemães como um de seus próprios hinos. Na verdade, diz-se que quando Lutero ouviu pela primeira vez cantada por um mendigo na beira da estrada, deu-lhe a última moeda que tinha. Príncipes também se tornaram poetas sagrados, como o Margrave de Brandenburg e Hesse, conhecido como o autor de:

 

"Concede-me, Deus eterno, tal graça

 

Isso sem desconforto

 

Pode me causar e'er a fugir de ti ", etc

 

O eleitor João da Saxônia também era, naquele tempo, cortejada entre os escritores hymn-, mas agora parece que ele nunca escreveu nenhum hinos si mesmo, embora ele fosse apaixonadamente deles. Hans Sachs (1494-1576), o célebre poeta e popular deste período, também escreveu versos sagrados, e figuras não menos destaque do que as pessoas cujos nomes já mencionamos. O mais famoso de seus hinos, ele escreveu durante o cerco de Nuremberg, sua cidade natal, em 1561: "Por que estás abatida, assim, o meu coração?" (Warum betr ü bst du dich mein Herz?). Ele também escreveu um belíssimo hino com a confiança explícita nos méritos salvadora de Cristo, intitulado "O Mediador", o que é traduzido pela Sra Winkworth (Cristo. Cante. P. 134). 

Entre os Irmãos Boêmios, que. como se sabe, eram intimidade com os luteranos, Michael Weiss distingue-se como o tradutor de hinos Bohemian para o alemão, e como o autor de uma série de belos hinos alemães. Dois deles, "Uma vez que ele veio a bênção," eo conhecido "Cristo, o Senhor, ressuscitou" (Christus ist erstanden von des Todes Banden), traduzido para o Inglês por Sra Winkworth, podem ser encontradas em seu Lyra Gernanica, 2, 62, e em Schaff, Christ in Song, p. 15, 259 Não menos digno de nota, embora talvez não tão proeminente em seu dia, são Johann Matthesius ( † 1561) e Nicholas Hermann ( † 1561). O ex-escreveu, entre outros, o belo hino da manhã: "Meu coração íntimo agora levanta" (Aus meines de Herzen Grunde), que era um dos favoritos com hinos do rei Gustavus Adolphus Hermann encontram-se em quase todos os alemães hinários. Entre seus hinos são 'Lobt Gott ihr Christen allzugleich e Wenn mein St ü ndlein vorhanden ist. Sra Winkworth dá de Matthesius "Canção do mineiro" (p. 144) e Hermann de "Hymn for the Dying".

 

Na segunda metade do dia 16, e até mesmo no início do século 17, um declínio gradual manifesta-se na qualidade dos hinos, embora a quantidade continuou. Eles já não eram a produção espontânea de homens de todas as classes, mudou-se para adorar a Deus em cânticos de louvor, mas o trabalho de hymnologists profissionais. "Ainda este período, também, tem alguns muito bons e bons hinos, mas uma mudança marcante de tom é perceptível na maioria deles, pois eles já não são preenchidos com as boas-vindas alegre de um novo dia: eles mais frequentemente lamentam a maldade do idade, e antecipar vinda maus tempos, ou o fim do mundo em si. " O mais proeminente entre o hino-autores deste período são as seguintes:

 

(1) Ambrose Lobwasser, que traduziu o Saltério francesa de Marot e Beza; mas o mérito literário da obra foi bastante medíocre.

"Isso não subir acima do nível de uma espécie de prosa rimada, e forneceu um modelo infeliz para uma enxurrada de paráfrases rimadas muito prosaicas de declarações doutrinárias ou passagens das Escrituras, que se tornou maravilhosamente numerosos neste momento." 

 

(2) Bartholomaeus Ringwaldt (1530-1598) é o autor do hino, na Inglaterra erroneamente atribuída a Lutero: "Grande Deus, o que eu vejo e ouço", que foi escrito em imitação do " Dies Irae, morre illa. " Ele realmente merece ser colocada em primeiro lugar entre os hymnologists deste período. Ele está incorporado no New Congregacional Hymn-book (Londres), n º 420 Seus hinos participar do estilo penitencial, por que, como acima comentou, este período é caracterizado. Uma de suas melhores em "Penitência" Mrs. Winkworth vestiu em Inglês vestido (p. 149).

 

(3) Nicolaus Selnecker (1530-1592), autor de Gleich wie sein Haus der Vogel baut, baseado no Salmo 84.

 

(4) Louis Helmboldt, o poeta laureado do imperador Maximiliano, que escreveu "O verdadeiro cristão Vade-mécum" (De Deus deve nada me dividir, Sra Winkworth, p. 154), que está contido em todos hymn- alemão livros ", e se enraizou entre o povo." Para este período pertencem também Martin Schalling (15321608), entre cujos hinos Herzlich Lieb hab 'ich Dich o Herr ("Ó Senhor, eu te amo", em Schaff, Christ in Song, p 609.) É mais conhecido; Kaspar Melissander ("Herr, wie du willst, então mit de Schick mir"), Mart. Moller, Mart. Behemb. Mart. Rutilius ("Ach;. Herr Gott u, u bruto wie schwer.!"), Job. Pappus ("Ich hab mein Sach 'Gott heimgestellt"), e mais especialmente Philip Nicolai (1556-1608), que foi o primeiro a reintroduzir, após a Reforma, a união mística de Cristo com a alma em seus hinos, onde eles têm muitas vezes foi chamado de " Hinos do Amor de Jesus "Seus dois melhores hinos ganharam uma popularidade notável", e são, de facto admirável para seu fervor da emoção e do domínio sobre os ritmos musicais difíceis, mas "Eles são, Wachet auf;.. ruft uns morrer Stimme ("Wake, desperta, para a noite está voando", em Schaff, Christ in Song, p 382;. no Novo Congregacional hinário, n º 749), e Wie schon der leuchtet Morgenstern ("Como é lindo brilha o Estrela, "Christ in Song, p. 551), sendo que este último, especialmente," tornou-se tão popular que suas músicas eram frequentemente opinou pela cidade sinos, linhas e versos foram impressos a partir dele por meio de enfeite na cerâmica comum do país, e era invariavelmente usado em casamentos e certos festivais. "Todos os hinários alemães ainda contê-lo, embora de uma forma ligeiramente modificada.

 

A tempestade da guerra, que por trinta anos percorreu a Alemanha, e causou um conto de desastres a partir do qual seria parecem sociedade poderia nunca ter se recuperado, mesmo promovido, ou, pelo menos, não impediu de forma alguma, a atividade literária e intelectual do alemão mente; e este período não só é reconhecido como tendo sido sinalizada por "uma grande explosão de música religiosa", mas como tendo produzido mais famosos hymnologists da Alemanha. A primeira delas está o grande Martin Opitz (1597-1639), da escola da Silésia de poetas alemães, que melhorou muito a poesia alemã. Ele escreveu muitas versões de algumas das epístolas, e de muitos dos Salmos, e do Cântico dos Cânticos. Mas suas versões originais são de longe o melhor; por exemplo, o hino da manhã: "Ó Luz, que por eras nascido Luz" (Winkworth, p. 173). 

Ao lado dele encontramos Paul Fleming (qv) (1609-1640), autor de "In allen unseren Thaten." Mas o mais famoso nesta época eram, sem dúvida, Johann von Rist (qv) (1607-1667), Johann Heermann (qv) (1685-1647), e, um pouco mais tarde, Paul Gerhard (qv) (1606-1676), que era o maior de todos eles, "o príncipe hymnists alemães." Rist escreveu até 600-700 poemas e hinos religiosos, "destina-se a fornecer todos os possíveis exigência de adoração pública ou experiência privada." Seu melhor são, talvez, "Werde munter mein Gemuthe", "Auf, auf ihr Reichsgenossen" e "Werde Licht, du Volk der Heiden" (tradução em Schaff, Christ in Song, p. 118). Melhores hinos de heermann são "Herzliebster Jesu, foi hast du verbrochen" (Christ in Song, p. 171), "Jesu. Deine Tiefe Wunden", "Zion Klage mit Angst u. Schmerzen" (Winkworth, p. 198), "Fruth Morgens da morte aufgeht Sonn '"(Christ in Song. p. 263), e" O Jesu Christe, wahres Licht "(Christ in Song, p. 116). Muito bonito é o seguinte (trad pela Sra Winkworth.):

 

Nas tentações.

 

"Jesus, vencedor do pecado,

 

Ajuda-me agora a luta para vencer.

 

Tu vencer uma vez, eu sei,

 

Aquele que procura a minha derrubada;

 

Assim, a Ti a minha fé vai clivar,

 

E ela espera nunca vai sair,

 

Até a batalha cansado é feito,

 

E o triunfo final ganhou;

 

Pois eu também através de Ti pode ganhar,

 

A vitória sobre a morte eo pecado. "

 

Nas mãos de Gerhard o hino alemão atingiu seu maior perfeição, e seu nome é o alemão justamente mais caro do que o de qualquer outra economia de Lutero. Seus hinos são " ' permeado por um espírito do mais alegre e saudável piety- uma piedade que se manifesta não apenas na devoção direto a Deus ea Cristo, mas de um amor puro e infantil da natureza, e de boa vontade para com os homens. Eles exemplificar linhas de Coleridge:

 

' Ele está orando melhor quem ama a melhor

 

Todas as coisas grandes e pequenas;

 

Para o querido Deus que nos ama,

 

Ele fez e ama a todos ".

 

Eles têm a simplicidade caseira de Lutero, e uma força como a dele, se não completamente igual a ele, com uma versatilidade, suavidade e acabamento literário para não ser encontrado oi Lutero, e insuperável em qualquer período de hymnology alemão "(Christian Examiner, 1860, p 247) Gerhardt foi adequadamente considerado "o poeta típico da Igreja Luterana, como Herbert é do Inglês,"... mas não deve ser pensado que ele era de forma alguma um escritor prolífico, pelo contrário, ele sóescreveu no total cerca de 120 hinos Sua vida e escritos foram debruçou sobre tanto em detalhes que não podemos fazer melhor aqui do que deixá-lo com algumas palavras de homenagem tão habilmente pago pela Sra Winkworth.: "Seus hinos parecem ser a manifestação espontânea de um coração que transborda de amor, confiança e louvor; sua linguagem é simples e puro; se tem por vezes um toque de simplicidade, não tem vulgarism, e às vezes ele sobe para a beleza e graça que sempre dá a impressão de ser espontâneo, mas dificilmente poderia ter sido melhorado pelo art.

 

Sua ternura e fervor nunca degenerar em sentimentalismo e vaidades mesquinhas que já estavam se tornando moda em seus dias, nem o seu penitente e tristeza em que o desânimo mórbida. para que as decepções de sua própria vida poderia ter fornecido alguma desculpa "Outros hinos-escritores deste período são Andreas Gryphius (1616-1664) do mesmo país que Opitz, e, como ele, também um grande escritor da literatura secular.; Martin Rinkart (qv), o escritor de Nun danket alle Gott ("Que todos os homens louvar o Senhor"); Simor Dach (qv), autor de Ich bin ja Herr em Deinec Maccht; Heinrich Albertus (1604-1668), cujo melhor hino é considerado Gott d Himnels ud Erden;. Geors ' Weissel (primeira metade do século 17), que escreveu Mach hoch morrer Th ü . r morrer Thor macht weit (em Cristo na Canção, p 17), o electoress Louisa Henrietta de Brandenburg, que compôs em 1649, após a morte de seu primeiro marido, o hino Jesus, meine Zuversicht, conhecido no vestido Inglês, "Jesus, meu Redentor, vive" (ver Cristo, na Canção, p 265.); Ernst Chr. Homburg (1605-1681), cujos hinos foram publicados juntos sob o título Geistliche Lieder (Naumb. 1.758). Talvez o seu melhor hino é Jesu meines Lebens Leben, ou "Cristo, a vida de todos os viventes" (Cristo em Song, p. 183); outro, não menos bela, é o seu "Man of Sorrows". bem conhecido Johann Frank (1618 77), "que ocupa apenas a segunda Gerhardt como um escritor de hinos, e, com ele, marca a transição do anterior para a escola depois da poesia religiosa alemã", publicou suas canções sagradas sob o título de Geistliches Sião (Guben, 1764). 

Uma de suas melhores é Schm ü cke dich o liebe Seele, "Orna-te, a minha alma" (Winkworth, Lyra Germânica, II, 133; Schaff, Christ in Song, p 590.). Nós adicionamos aqui apenas Georg Neumark (qv) (1621-1681), para um professor de tempo da poesia e poeta laureado na Universidade de K ö nigsberg, cujo hino mais famoso é Wer porca den lieben Gott Walten Lasst: "Deixe Deus para ordenar todos os teus caminhos "(Lyra Germânica, p 152.); JM Meyfarth (15901642), Jerusalém du hochgebaute Stadt, traduzido no Examiner Christian, 69, 254 ("Jerusalém, high-construído, morada justa"), e em Lyra Germnanica, 2, 285); Friedrich V. Spee (1591 ou 1595-1635), um católico romano, que trabalhou intensamente para introduzir hinos vernáculas no serviço divino da sua Igreja. escreveu Auf, auf, Gott vai gelobet sein; Johann Jacob Balde (160368), também um católico romano, mas ele escreveu em sua maioria em latim (seus poemas sagrados sendo publicado sob o título de Carmina Lyrica); Georg Filipenses Harsdorfer (1607-1658), do Sul da Alemanha; AH Buchholz (1607-1671); Johann Olearius (1611-1684), pertencente a uma família que neste século foram hinos-escritores de alguma nota.

 

Angelus Silesius (1624-1677) (como um luterano, Johann Scheffer) escreveu belos hinos, 205 dos quais foram publicados sob o título de Heilige Seelenlust, oder Geistliche Hirtenlieder (Bresl. 1.657, e muitas vezes). Particularmente excelente são sua Ich will dich lieben meine Stairke ("te hei de amar, minha força, minha torre"), e Liebe, die sich zum Du Bilde ("O Amor, que me formedst", em Schaff, Christ in Song, p 414;. Christian Examiner, 69, 245). Angelus foi o fundador da chamada segunda escola da Silésia de poetas, como Opitz é considerado como o líder da primeira. Eles escreveram poesia secular e religiosa, mas este último agora supera o anterior. Para esta escola pertencia Homburg ,. mencionado acima; as duas condessas de Schwarzburg Rudolfstadt; Knorr V. Rosenroth (1636-1689), que escreveu a lovely little hino, Morgenglanz der Ewigkeit ("Aurora da eternidade"); Christian Scriver, autor de Jesu meiner Seele Leben, e outros; . Sigismund v Birken (1626-1681), que, com Harsdorfer, já observado, pertenciam à escola sentimental; Gottfried Wilhelm Sacer (1635-1699), G. Hoffmann, B. Pratorius, Johann Neunherz, Kaspar Neumann, que escreveu Auf mein Herz des Herrn, também Tug, O Gott von dem wir haben Alles, e muitos outros. Em flagrante contraste com os hinos formais e não-espirituais da segunda escola da Silésia estão escritos poéticos dos chamados Pictists, originários com Spener ", que durante quase cem anos exerceu uma influência mais poderosa tanto na vida religiosa e social da Alemanha . "

 Os representantes desta escola são Philip Jacob Spener (1635-1705); seu amigo e sócio, August Hermann Francke (1663-1727), o fundador da Halle Orphan Asylum; Anastácio Freylinghausen, uma lei genro de Franke, que escreveu 44 hinos e publicado (1704), uma coleção que permaneceu por algumas gerações, a coleção favorita para leitura privada entre pessoas piedosas na Alemanha. Para o mesmo período pertencem JC Schade; Pe von Canitz; Joachim Ner ander (1640-1680), da Igreja Reformada, que escreveu Lobe den Herrn den Machtigen; Johann C. Sch ü tz, autor de Sei Lob u. Ehr dent Gut Höchsten; Christian Tittius; Adolph Drese; Samuel Rodigast, que compôs em 1675 o mundialmente famoso foi Gott que, das ist wohlgethan ("whate'er meu Deus ordena é certo"); J. anúncio. Hasslocher; Cristo. Pressovius; Laur. Laurenti, cujo melhor hino Dr. Schaff designa Ermunztert euch ihr Frommen ("Alegrai-vos todos os crentes vós,« em Cristo, Canção e 383 p.); JB Freistein; C. Ginther. Halt im Gedachtniss e Jesum Cristo; Sal. Liskovius; JT Breithaupt; J. Lange; JD Herrnschmid; Cristo. F. Richter; JG ' Lobo; Chr. A. Bernstein; Chr. J. Koitsch; J. Tribechov Vius; JJ Winkler; JH Schrider; JE Schmidt; P. Lackmann; J. Chr. Lange; LA Gotter; B. Crasselius, Heiligster Jesu Heiligungsquelle; M. M ü ller; A. Hinkelmann; HG Neuss; A. Creutzberg; J. Muthmann; Ernst Lange (1650-1727), Im Abend blinkt der Morgenstern, ou "Os sábios perguntando rastrear de longe" (Christ in Song, p 120.); LJ Schlicht; CH von Bogatzky, o célebre autor do "Golden Tesouro" (Das Goldene Schatzkstlein), também um dos compiladores da "Cothen hinário;" JJ Rambach; TLK Allendorf LFF Lehr; JS Kunth; EG Woltirsdorf, e muitos outros. 

Havia também o Wurtembergers, os melhores representantes do pietismo do sul da Alemanha, dos quais Albert Bengel (1687-1732) pode ser encarado como um líder de destaque, embora como um escritor do hino foi muito superado por outro grande luz desta seção da Alemanha, Philip Friedrich Hiller (1699-1769), que assumiu Paul Gerhardt para o seu modelo. Ele publicou vários volumes de hinos, dos quais o "Caixão dos Cânticos Espirituais" (Geistliches Liederklstlein), contendo apenas as suas próprias canções sagradas ", obtidos muito grande popularidade", e é "ainda o livro mais comum em Wirtemberg ao lado da própria Bíblia" (Winkworth, p. 283 sq.). Aqui merecem destaque, também, JR Hedinger, S. Urlsperger, FO Hilleri Ph. H. Weissensee, EL Fischer, J. Chr. Storr, - Ph; D. Bark, Chr. Pe Ottinger, Chr. KL von Pfeil; JT von Moser, e outros ainda. A escola de Spener desenvolveu os místicos e os separatistas, que também forneceu um número de contribuintes para hymnology; mas, apesar de alguns deles foram bastante capaz, a influência das novas escolas, como um todo, em hymnology "foi, em sua maior parte, simplesmente maldoso, e seus hinários contêm sobre os piores espécimes de ser encontrado pobres como poesia, ferozmente intolerante para com os seus companheiros cristãos, e cheio de adoração fantástico e irreverente do Redentor "(Winkworth, cantores cristãos da Alemanha, p. 290). As únicas hymnologists que realmente merecem elogios são Gottfried Arnold (1666-1714) e Gerhard Tersteegen (16971769).

 O primeiro, apesar de uma extensa escritor em História da Igreja, etc, é, de fato, mais lembrado em nossos dias por seus hinos, dos quais ele escreveu 130, e entre eles vários de grande beleza. Talvez o melhor de hinos de Arnold é o seu profundamente pensativo "Como bless'd para todos os teus seguidores, Senhor, o caminho", etc Tersteegen (qv), que, apesar de nunca ter realmente separados da Igreja Reformada, à qual pertencia, era no entanto, "um místico do tipo mais puro", escreveu mais de 100 hinos; mas ele tornou-se especialmente familiar aos cristãos de língua inglesa pelo vestido Inglês que Wesley deu a dois de seus melhores hymns- "Deus Lo está aqui;! adoremos" e "Tu amor escondido de Deus, cuja altura", etc . luzes menores dessas escolas são J. Dippel, JW Petersen, G. Arnold, e outros.

 

Aqui também, finalmente, merecem atenção o hino-escritores dos Morávios, que não tiveram nenhuma influência desprezível na hymnology. De crédito especial são alguns dos hinos contagem de Zinzendorf, que, infelizmente, se preocupava mais com sua quantidade do que a sua qualidade; ele escreveu mais de 2000, muitos dos quais, naturalmente, encontrou um lugar em hinários ingleses. Sua própria seita inseriu 128 Charles Wesley também traduziu alguns deles. Entre seus melhores são "Jesus, ainda lideram em" (Jesu geh voran), e "Jesus, o teu sangue e justiça" (Christi Blut u. Gerechtigkeit). Podemos também mencionar na mesma conexão J. Nitschmann, Chr. David, LJ Dober, F. von Watteville, AG Spangenberg, Louisa von Hayni, e outros.

 

Até o final do século, a influência do pietismo fez-se sentir mesmo entre os chamados "ortodoxos", que imitavam os pietistas na produção de muitos hinos que podem ser contados entre os melhores escritos neste momento. Dos representantes dessa escola que citar alguns: Benjamin Schmolke, que escreveu mais de 1000 hinos, muitos dos quais foram traduzidos para o Inglês. Entre seu melhor contamos "Bem-vindo vencedor na contenda" (Wilkommen Realizada IMS Streite), e "Heavenward Acaso nossa jornada tendem" (Himamelan geht unsre Bathn). Wolfgang G. Dessler escreveu Wie ist mir o Wohl Freund der Seelen (Christ in Song, p 491, 555, 342.); Salomon e Frank; Schm ü cke dich, o liebe Seele ("a ti mesmo deck, a minha alma", em Lyra Germânica, 2, 133; Cristo na Canção, p 590.). Aqui merecem destaque, também, Erdmann Neumeister, B. Marperger, JG Hermann, J. Chr. Wentzel, F. Fabricius, P. Busch, J. Lehmus, e outros; da Igreja Reformada: JJ Spreug, C. Zollikofer, e, mais tarde. JE Lavater.

 

Hinologistas alemães modernos.

 

- Para o fim do século 18 Alemanha estava acordando para uma nova era na literatura. Mas o filosófico, ou, como alguns agudamente chamam, "a dúvida crítica" religião deste período, de modo algum afetada hymnology favorável ", pois realmente bons hinos devem ter neles algo da natureza da canção popular, que devem brotar de , uma fé inquestionável cordial, que não tem dúvidas sobre a resposta que evocará de outros corações. "

 A influência da filosofia de Leibnitz-wolffiana, e da escola de poesia de Gottsched, fez com que os cantos sagrados de ser de um estilo seco, duro, e artificial. "Até mesmo os hinos clássicos, embora consagrada por associação, já não podia satisfazer o gosto mais pedante da idade, e lá surgiu uma mania perfeito para alterá-los, e para fazer novas coleções de tais versões modernizadas .... Essas alterações geralmente consistiu na diluição do antigo vigor, substituindo ' virtude 'de ' santidade 'ou ' fé ', ' Ser Supremo 'para ' o nosso Deus fiel ", e assim por diante", para que esses hinos modificados pode ser dito ter sido alterado de religiosa músicas morais. (Veja Salmodia ). Um deles, porém, cujas canções, por conta de sua "piedade racional e tranquila bom gosto," merece louvor especial, é Christian F ü rchtegott Gellert (qv). Outros hymnologists desta vez, para a menção de cujos nomes nós temos apenas o espaço aqui, são JA Schlegel, JF von Cronegk, JP Uz, JF Lowen, JS Diterich, JS Patzke, JF Feddersen, B. M ü nter, JF Mudre, HC Heeren, JA Hermes, FW Loder, J. Eschenburg, J. Chr. Frobing, SG Biirde, Chr. F. Neander, B. Hang, Cristo. G. Goz, e outros. A direção patética foi feita por Friedrich Gottlieb Klopstock (qv), em seu Aufersteh'n, ja aulfersteh'n. Ele foi seguido por JA Cramer, um hymnologist muito popular, e um amigo Gellert e Klopstock, GP Funk, CW Ramler, Chr. Chr. Sturm, AH Niemeyer, Chr. F. Dan, Schubart, e outros.

 

Mas o realmente "grande passo" que foi feita em hymnology alemão neste momento foi a sanção oficial do uso de hinos vernáculas nas igrejas católicas romanas do Sul da Alemanha e da Áustria. Naturalmente, muitos dos hinos católicos romanos do período são traduções do latim; muitas das composições originais acompanhar de perto no estilo tanto Gellert e Klopstock; ou melhor, as produções de vários hymnologists protestantes, especialmente os dos dois poetas último nominado, foram ainda utilizados na Igreja Católica Romana, é claro, muitas vezes em uma forma ligeiramente modificada e até mesmo distorcida., de seus próprios hinos-escritores, o seguinte merecem menção especial: JM Sailer (bispo de Ratisbona), JM Fenneberg, JHC von Wessenberg, J. Sperl, e J. Franz. Aqui merecem atenção também os morávios, Chr. Gregor, H. von Bruiinigk, C. von Wobeser, GH Loskiel, JJ Bossart, e outros; W ü rtemburgers, CF Hartmann, WL HOSCH, CDH. Anúncio. Daun, I. Hahn, Cristo. G. Pregizer; em outras províncias alemãs, C. Liebich, Mat.th. Claudius, JG Schiner; e na Igreja Reformada, H. Annoni, FA Krummacher, Jung-Stillilg, G. Menkein; o precursor do último período é Friedrich von Hardenberg (Novalis).

 

Hinologia presente alemão

 

. - O período mais moderna começa com a guerra de libertação (1813-1815), e com o despertar de uma vida religiosa autêntica, que, afinal, está lentamente a ganhar a vantagem sobre que geralmente se supõe ceticismo dominante. Embora nas produções modernas do subjetivo predomina muito, e eles ainda são bastante a obra de arte, em vez de canções populares, mas eles não chegam a atingir a força ea gravidez condensada dos hinos clássicos, de modo que não é muito evidente em si um lutando pela objetividade, e "eles têm pelo menos muita doçura, seriedade e simplicidade." Para a escola romântica de que Novalis foi mencionadas pertencem EM Arndt, M. von Schenkendorf, Fr. H. de la Motte Fouque, Louise Hensel, e Fr. R ü ckert. Dos outros mais recentes hymnologists luteranas, cujos representantes mais proeminentes são Alb. Knapp, Vict. Strauss, JC Ph. Spitta, Chr. RH Puchta, CA Doring, merecem menção aqui: Chr. CJ Asscelenfeld, JF Bahnmaier, Chr. G. Barth, J. Bentz, ed. Eyth, FA Feldhoff, GW Fink, WR Freudenthal, C. von Gr ü Neisen, W. Hey, Cristo. G. Kern, J. P. M ö ller, Chr. FH Sachse, R. Stier, e Chr. H. Zeller; entre os reformados, JP Lange. Entre os Morávios, o posto mais alto neste período pertence a JB von Albertini, um dos seus bispos, cujos hinos, diz-se, Schleiermacher pediu para ter lido a ele em suas horas agonizantes. 

CB Garve aqui merece também elogios altos como hymnologist. Entre os católicos romanos, cujo modelo é destaque Spee ", com todos os defeitos, não menos que as belezas do estilo," a Virgem servindo como o tema mais usual, M. von Diepenbrock merece especial menção. A extensão da hymnology alemão pode ser inferida a partir do fato de que a Igreja Evangélica Só o não menos produzida de 80.000 hinos. (Veja Salmodia ). (JHW)

 

2. Inglês.

 

      A poesia sagrada da Inglaterra antecipa, em muitas gerações o seu verdadeiro hinology 

 

O autor de Antífona da Inglaterra (George Macdonald) dedica um capítulo interessante para as letras sagradas do século 13, no qual ele dá amostras de uma verdadeira canção devocional das publicações da Sociedade de Percy, tiradas de MSS. no Museu Britânico, e atribuiu ao reinado de Eduardo I. "Mary na cruz", "The Disciple Mourning", e as "horas canônicas" de William de Shoreham fornecem ilustrações do mais terno e versículo bíblico, mas são escritos em um dialeto que precisa de tradução freqüente em Inglês moderno.

 O "Miracle Plays" foram originalmente introduzido pelos normandos após a conquista, e são escritos em francês normando, mas em 1338 o papa lhes permitiu ser traduzida em Inglês. Neste século 14 ", o pai de Inglês poesia", Geoffrey Chaucer, deu uma nova voz à canção cristã. Estava cheio 200 anos de seu advento antes Inglaterra produziu outro realmente grande poeta. Mas a idade de Elizabeth, como se para compensar a esterilidade de séculos anteriores, é notável o grande número de seus escritores de versos sagrados, bem como para seus outros prodígios literários. Em uma seleção feita e editado por Edward Farr, esq., Para a "Sociedade Parker", que consiste. principalmente de poemas devocionais, ele deu os nomes e breves notas biográficas de não menos de 137 autores diferentes. Entre os escritores ilustres de versos sagrados nesta era encontramos rainha Elizabeth, arcebispo Parker, Edmund Spenser, George Gascoigne, Michael Drayton, Sir Walter Raleigh, Sir Philip Sidney, os irmãos Phineas e Giles Fletcher, Dr. Donne, George Withers, Senhor Bacon, a condessa de Pembroke (irmã de Sir Philip Sidney, e co-autor com ele de uma versão dos Salmos). 

Mais tarde ainda encontramos pitoresco velho Philip Quarles, e Robert Southwell, o monge mártir e seu contemporâneo, doce George Herbert. Os grandes dramaturgos da época de ouro deixaram aqui e ali algumas explosões de poesia religiosa profunda e música, que, pelo menos, manifestar suas obrigações para com a Bíblia e ao Cristianismo do período. Haywood, Shirley, e Ben Jonson, Beaumont e Fletcher e Shakespeare, o maior de todos, inchar o coro de hinos. Mas o dramático cedeu gradualmente a poesia lírica e, no século seguinte, temos um número crescente de devotos poetas, dos quais o Milton imortal deve ser sempre o principal. No entanto, o fato singular é que durante todos estes séculos não havia "nada como hinário do Povo, na Inglaterra." É verdade que o culto cristão não era sem suas músicas do templo. Os Salmos de David, o Te Deum, o Magnificat, o Glorias, ea "Canção dos anjos", o "ambrosiano", e alguns dos hinos da Idade Média, eram cantados nas igrejas e catedrais. Mas os chamados hinos de Spenser e Milton, e de escritores menores, nunca entrou no coração cristão, vida e culto do cristianismo britânico. Alemanha possuía uma literatura clássica deste tipo de um século e meio antes de a Inglaterra tinha um hinário.

 A versão rudes dos Salmos por Sternhold e Hopkins, a versão mais suave, mas 'insípida de Brady e Tate que substituiu, ea versão escocesa mais fiel, o que foi o trabalho de um puritano Inglês (Rouse), foram cantadas por aqueles cuja popa revolta contra o catolicismo levou-os a rejeitar até mesmo o que foi muito bom e bíblico em sua forma de culto e livros litúrgicos. As falhas da idade são visíveis em sua poesia. É intelectual, metafísico, reflexivo, literário, cheio de "ironiza ,. e manivelas, e artimanhas devassa;" cumbrous e exagerado. 

Com poucas exceções, não há nada que as pessoas se importaria de cantar, ou podia cantar, pois há pouco desse elemento emocional que sai na expressão musical. As rimas são rude e irregular, ea própria arte da poesia parece desafiar qualquer tentativa de defini-lo para a música popular. Para "as pessoas não podem pensar e cantar, pois eles só podem sentir e cantar." Mesmo magnífico hino de Milton, "On the Morning ' do Nascimento de Cristo, "não é adaptado para o culto do sábado comum; e há poucos versos de George Herbert que sobrevivem nas canções do santuário.

 

O período seguinte este renascimento da literatura produzida alguns poetas cristãos da nota, e alguns hinos, que sobrevivem seus autores. Bunyan, e Baxter, e Jeremy Taylor tudo escrevia versos, mas a sua prosa tinha mais de poesia nele do que suas tentativas de música. Entre aqueles cujos hinos bom velho têm resistido ao teste do tempo, não devemos esquecer o Rev. John Mason, de água-Stratford, que morreu em 1694, autor de "Venha, meu querido Senhor, e alimentar as tuas ovelhas, neste dia doce de resto, "" Agora, a partir do altar de nossos corações "," Que darei eu ao meu Deus? " etc Ele publicou um volume de "cânticos espirituais" em 1686 o Dr. Watts emprestado muito com ele. 

O bom não jurado, bispo Ken (1637-1711), legou à cristandade o seu famoso "Manhã e Tarde Hinos", e que doxologia incomparável, "Glória a Deus, de quem todas as bênçãos de fluxo." Em seguida, vem Joseph Addison, cuja versão elegante do Salmo XIX, início "O firmamento espaçoso no alto", apareceu pela primeira vez no Spectator, em 1712, no final de um artigo sobre "os meios certos para fortalecer a fé;" e quase ao mesmo tempo, foi publicado seu doce paráfrase do vigésimo terceiro Salmo. Talvez o mais conhecido de seus hinos é que começo "Quando todas as tuas misericórdias, ó meu Deus."

A Reforma na Inglaterra não fez, como na Alemanha, crescer pela expressão espontânea de música cristã popular.

 

 Isso foi deixado para o período do grande avivamento evangélico, que coroou o século passado, com suas bênçãos. Tudo o que tinha sido feito antes foi tão amplo e profundo trabalho de base, rude e unchiseled, mas forte e essencial para a superestrutura majestoso, que subiu em cima dele. O fluxo do verso cristão fluiu em seus canais de idade até a publicação dos Salmos e Hinos do Dr. Watts começou uma nova era em Inglês hymnology. O poeta Montgomery diz que "Dr. Watts pode quase ser chamado de inventor de hinos na nossa língua, pois até agora partiu de todos os precedentes que poucos de suas composições se assemelham aos de seus precursores, enquanto até agora estabeleceu um precedente para toda a sua sucessores que nenhum se afastaram o contrário do que de acordo com o turno peculiar da mente do escritor, eo estilo de expressar a verdade cristã empregado pela denominação a que pertencia. " Dissidente como ele era, sua salmos, e hinos são tão católica em seu espírito que muitos deles foram adotados por todas as denominações de cristãos protestantes no seu culto do sábado. Suas canções divinas para crianças, e alguns dos seus Salmos, viverá enquanto 'a linguagem dura.

 Os defeitos de seu estilo são evidentes em muitas de suas letras, que evidenciam pressa e negligência, rimas com defeito, e uma fraqueza prosing de expressão. No entanto, ele quebrou bravamente através dos maneirismos de idades precedentes, e inaugurou um estilo de hymnology cristã, que tem igualmente enriquecido a poesia evangélica da língua Inglês, e encheram os templos e casas da raça que fala essa língua com os louvores mais aprazíveis da Altíssimo. Seu exemplo foi seguido com sucesso por outros. 

Mas para ele pertence a honra de ser indiscutível o grande apresentador do imenso coro que ele vai levar para sempre nessas harmonias gloriosas. Seu primeiro hino foi dada à Igreja em circunstâncias de interesse profético. Ele se queixou de algum funcionário na igreja Independente de Southampton, da qual seu pai era um diácono. "Que os hymnists do dia foram, infelizmente fora de gosto." "Dá-nos algo melhor, meu jovem", foi a resposta. O jovem fez, ea Igreja foi convidada a fechar seu serviço de noite com um novo hino, que se iniciou,

 

"Olhai para as glórias do Cordeiro

 

Em meio trono do Pai;

 

Prepare novas honras por seu nome,

 

E as músicas antes desconhecido. "

 

A partir desse momento a sua musa sempre pronto deu para trás, em linhagens que são quase divina, "harmonias" para o nome de seu Salvador! e "músicas antes desconhecido." Precisamos apenas indicar algumas das primeiras linhas: "Quando eu olho a maravilhosa cruz", "Meu Deus, a fonte de todas as minhas alegrias", "Quando eu posso ler meu título claro", "Vinde, que amam o Senhor "" Venha, vamos juntar nossas músicas alegres "," Ele morre, o amigo dos pecadores morre. " Seu "Cradle Hymn" ensinou inúmeras mães e crianças a cantar de Jesus, e os anjos e manjedoura de Belém: "Calma, minha querida, mentira e ainda sono." Foi ao olhar para fora da janela de seu tranquila câmara em Southampton "sobre a bela paisagem do porto e rio, e sobre as clareiras verdes do New Forest em sua margem mais distante, que a idéia em si sugerido de a imagem da Canaã celestial, "que ele logo encarnada naqueles mais doce de todos os seus versos:" Não é uma terra de puro deleite ", etc 

 

Apenas sete anos antes da primeira edição dos hinos de Watts foi dada ao mundo, Philip Doddridge nasceu (1702); e antes da morte de seu grande predecessor, cujos versos aplaudiram suas próprias horas de morrer em uma terra distante, ele publicou a maioria de seus hinos mais doces. Alguns destes são incorruptíveis, pois eles se tornaram parte da vida espiritual do nosso cristianismo protestante. Muitos deles surgiu de e foram anexadas aos seus sermões, que se cristalizaram em tais hinos como "sábados terrenos teu, Senhor, nós amamos" ( Hebreus 4: 9 ), "Jesus, eu amo o teu nome encantador" ( 1 Pedro 5 : 7 ).

 Sua Ascensão e Progresso da Religião na Alma, que foi escrito por sugestão do Dr. Watts, e tem beep traduzida nas principais línguas da Europa, e sua Expositor Família do Novo Testamento, são monumentos de seu maravilhoso poder religioso e utilidade . Mas seus hinos serão cantados em suas obras maiores são nunca ouviu falar, e que o mundo nunca vai deixar de ecoar as cepas de canções como "Desperta, minha alma, esticar cada nervo!" "Hark, o som alegre, vem do Salvador!" "Graça, ' tis um som encantador "," candeeiros de ouro Ye do céu, adeus!

O mais volumoso e bem sucedido de todos os hymnists inglês é o Rev. Charles Wesley. Mais de sete mil salmos, e hinos foram escritos por sua caneta fácil; e estes foram apenas o by-play de um evangelista itinerante incansável, que, com seu irmão mais famoso John, ele próprio também um escritor do hino de nenhum poder médios, pregou o Evangelho no Velho e do Novo Mundo, e deu um novo estilo de música cristã. Sua história, trabalhos, perseguições e triunfos são tão conhecidos que precisamos apenas mencionar os seus nomes santificados. John Wesley foi o autor ou tradutor de vários excelentes hinos, e um capital crítico sobre hymnology. De hinos de Charles Wesley um grande número ter tomado um lugar mais do que clássica em nossa literatura poética. 

A Igreja Cristã nunca deixará de cantar "Oh amor divino, és tu, quão doce!" "Jesus, amante da minha alma", "Hark! Os anjos cantam", "A terra, com toda a sua plenitude é dono", "Vem, vamos juntar os nossos amigos acima." Dr. Watts disse de prestação inimitável de Charles Wesley da luta de Jacó em Peniel com o anjo: "Esse poema single, ' Wrestling Jacob, "vale a pena todos os versos que eu já escrevi." Sem dúvida, muito do poder de seus hinos é imputável a circunstâncias que lhe deram origem, e à sua facilidade em dar-lhes as mais frescas e vivas formas de expressão. No último rocha projetando Fim da Terra, Cornwall, ele se levantou e escreveu esse hino memorável, "Lo! Numa estreita faixa de terra", etc Seu julgamento hino, que começa "De pé, o decreto onipotente", e dois outros, foram escrito e publicado em 1756, logo após a destruição da cidade de Lisboa por um terremoto. "Glória a Deus, cuja graça soberana", foi escrito para os mineiros de Kingswood, cuja maravilhosa conversão, sob a pregação de Whitefield e os Wesley, foi um dos milagres da graça que assistiram o seu ministério apostólico. "Oh por mil línguas, a cantar o meu grande elogio do Redentor", comemora o seu próprio nascimento espiritual, e foi escrito em resposta a um amigo alemão, a Morávia Peter Boehler, que disse a ele, quando hesitando em confessar publicamente a sua conversão " Se você tivesse mil línguas, você deve publicá-lo com todos eles. " Outro acessório poderoso dos hinos de Wesley foi a música com que muitos deles foram acompanhados. 

O grande compositor Handel definir alguns deles para músicas nobres, o MSS. dos quais ainda estão preservados na biblioteca da Universidade de Cambridge. Mas seu maior interesse e sucesso, sem dúvida, vem de sua personagem bíblico, sua imensa gama sobre todas as variedades da experiência cristã, e sua íntima relação com o grande reavivamento da religião de que esses homens notáveis ​​e seus compadres foram os instrumentos principais. (A ilustração impressionante de todos esses recursos é dado no hino ao mesmo tempo expositiva e experimental, de que tem espaço para apenas uma parte de uma estrofe:

 

"Tis mistério todo-o imortal morre!

 

Quem pode explorar seu desenho estranho?

 

* * *

 

Tis misericórdia todos! deixe adore Terra:

 

Vamos mentes anjo não mais perguntar. ")

 

Eles estavam entre os acontecimentos providenciais e gracioso de um período cujas influências, no final de cem anos, ainda estão apenas começando a se manifestar os altos louvores de seu Mestre.

 

Temos dado mais espaço para esses escritores célebre hino por causa de suas relações históricas com o novo soro de música devocional e santuário que eles introduziram.

 

 A partir desse período, o número, variedade e excelência das contribuições para nossas letras cristãs aumentou, até que o hymnology do Inglês ' língua é apenas a segunda a da Alemanha em volume e diversidade. O caráter literário "dessas produções foi aumentada para um padrão mais elevado, e seu valor escritural e experimental foi testado tanto por seus usos denominacionais, e por esse espírito verdadeiramente católico que os tornou a propriedade da Igreja Universal. Composições inferiores têm sido gradualmente abandonada, e substituídos por outros de mérito inquestionável, até as coleções de várias igrejas cristãs têm transbordou com os melhores hinos de todas as idades. A evidência mais notável destas demonstrações é encontrado na recente atenção dada à história e à literatura de nossa poesia sagrada pelo Inglês e escritores americanos, que pacientemente exploraram todo o campo, e têm recebido os seus tesouros em muitas coleções admiráveis. Referindo-se aos nossos leitores a estas publicações acessíveis, podemos dedicar o espaço limitado deixou neste artigo apenas para breves avisos dos principais contribuintes para o volume de louvores divinos desde os Wesley morreram.

 

De seus contemporâneos, nunca podemos esquecer Augustus Toplady (1741- 1778), e seu hino quase inspirada, "Rock of Ages, fendida por mim", e outros de sua excelente coleção. (Veja toplay ). Nem as igrejas deixam de cantar os acordes magníficos de seu adversário teológico, Thomas Olivers (1725-1799), em seu julgamento hino, que começa com "Vem, Rei imortal da glória". (Veja OLIVERS ). Junto com eles vieram William Williams (1717-1791), a Metodista "Watts de Gales," cantar "O'er as colinas sombrias das trevas" e "Guia-me, oh tu grande Jeová;" e John Cennick, a Morávia devoto, a quem somos gratos por dois dos melhores hinos já escrito: "Levanta-te, minha alma, e estende tuas asas" e "Lo! ele vem com as nuvens descendente." Este último foi erroneamente atribuída a Olivers, em cujo julgamento hino são estrofes que se assemelha, em alguns aspectos, mas uma inspeção mais minuciosa mostra que eles sejam produções completamente diferentes. Hino de Cennick apareceu pela primeira vez em uma "Coleção de Hinos Sagrados" em 1752

Em seguida, a fim surgiu a coleção de hinos pelo Rev. Benjamin Beddome (1717- 1795), um clérigo Batista, a quem uma congregação de Londres não poderia tentá para deixar seu pequeno rebanho na Bourton, onde trabalhou 52 anos, e pregou e cantou de Jesus. Ele foi o autor de "Será que Cristo o'er pecadores choram?" "A fé, ' tis uma preciosa graça "," Let nomes do partido não mais ", etc Thomas Haweis, capelão da condessa de Huntington, um autor teológico de nota, e um dos fundadores da Sociedade Missionária de Londres (1739-1820 ), foi o autor de mais de duzentos e cinqüenta hinos, alguns dos quais são os favoritos ainda; mas com a condessa se, o patrono e amigo de Whitefield, e Berridge, e Romaine, estamos em dívida para tal eterno-hinos como "Oh! quando meu juiz justo deve vir", "Em breve ouvirá o clamor da meia noite." 

Ela morreu em 1791, com a idade de oitenta e quatro anos, tendo dedicado a sua fortuna e vida à causa de Cristo. Alguns dos hinos mais doces para a Igreja ea casa que esta idade produzidos foram escritas pela filha de um clérigo Batista em Broughton, Senhorita Anne Steele (1.716-1.778). Ela reteve o seu nome a partir de seus poemas, mas o mundo cristão de língua Inglês ainda canta de seus corações inumeráveis ​​e línguas: "Pai, o que quer de felicidade terrena", "Jesus, meu Senhor, na tua querida nome unir todas as coisas do meu coração chama grande , ou bom, ou doce, "etc .; "Vinde, vós os que amam o nome do Salvador;" e alguns de seus hinos sacramentais são belos exemplares de música cristã.

O próximo hinário da importância que apareceu na Grã-Bretanha foi a Olney Hymns, que é a produção conjunta desses homens dotados e ilustres, tão diferentes em seus personagens e vidas, e ao mesmo tempo tão unidos no amor de Cristo, o Rev. John Newton e William Cowper. Para este livro Newton mobiliado 286 hinos e Cowper e sessenta e dois. Foi publicado pela primeira vez em 1779, antes de a reputação de Cowper como poeta foi feito. 

Os hinos foram escritos entre 1767 e 1779, e sem dúvida teria continha mais de contribuições de Cowper mas para um retorno de sua insanidade. A história desses colegas nobres para Cristo é muito bem conhecido por exigir mais do que essa alusão. Suas experiências pessoais profundas são escritos em muitos de seus versos maravilhosos, e reflecte-se na vida cristã de sucessivas gerações. Quem se lembra de que a conversão maravilhosa de Newton, e sua posterior vida de piedade e distinto utilidade, até sua morte, com a idade de oitenta e dois (1807), não vai apreciar o fervor com que ele cantou,

 

"Maravilhosa graça! Quão doce o som

 

Que salvou um miserável como eu ";

 

ou

 

"Como é doce o nome de sons de Jesus

 

No ouvido de um crente; "

 

ou

 

"surpresas Às vezes, uma luz

 

O cristão enquanto ele canta; "

 

ou

 

"Dia do julgamento, dia de maravilhas,

 

Ouça! horrível som da trombeta? "

 

 E a linguagem Inglês se deve morrer antes de música melancólica de Cowper deixa de vibrar através almas dos crentes nesses hinos quase perfeita em que ele escreveu e ainda veladas as experiências estranhas, doces e atraentes de sua própria vida religiosa: "Para Jesus, o coroa da minha esperança "," Longe do mundo, ó Senhor, eu fugir "," Oh! para uma caminhada mais íntima com Deus, "" Há uma fonte cheia de sangue "," Deus se move de forma misteriosa. " Foi bem dito pelo Dr. Cheever que "se Cowper nunca tinha dado à Igreja na Terra, mas uma única pontuação dessas respirações requintados de um coração e criações de seu próprio gênio piedoso, que tinha sido um legado vale uma vida de sofrimento realizar. "

Foi muito antes de outro bardo se levantou para pegar a lira, que o cantor suave previsto. Algumas cepas vêm flutuando através dos anos seguintes, como Robinson "Vem, ó fonte de todas as bênçãos" e "Jesus, e nunca o poderia ser, um homem mortal vergonha de ti!" escrito em 1774 por Thomas Green de Ware, em seguida, um menino precoce de apenas 10 anos! De hymnists femininos que temos neste período Sra Barbauld (1743-1825) e Jane Taylor, ambos haviam deixado alguns hinos doces para o santuário. 

O primeiro será mais lembrado por suas belas linhas sobre a morte de um crente "Sweet é a cena em que os cristãos morrem;" este último por seus hinos para o infante Minds. Para eles, é preciso acrescentar a senhorita Hannah More (1744-1833), cuja prática cristã escritos em prosa possuem um vigor masculino e seriedade bíblica, e cuja poesia, embora não seja da mais alta ordem, mas muitas vezes transborda de melodia e sentimento terno. Seu hino de Natal, "Oh! Quão maravilhosa é a história do nascimento de nosso Redentor," é um espécime favoráveis. Entre os poetas menores deste período podemos citar Dr. John Ryland, nascido em 1753, autor de "Em todas as formas de meu Senhor designou", "Senhor, ensina uma criança a orar", "Governante Soberano do céu", " Ó Senhor, eu teria prazer em ti; " eo Rev. John Logan, que morreu em 1788, com a idade de quarenta anos, um pregador escocês famoso por sua eloqüência, que escreveu esses hinos como "onde o alto das arquibancadas templo celestial", "Oh, cidade do Senhor, a começar música universal "," Oh Deus de Betel! por cuja mão o teu povo ainda são alimentados "," A hora da minha partida de vir ", etc Para o poeta dos pobres, Rev. George Crabbe, estamos em dívida para essas linhas deliciosas "Peregrino, sobrecarregados com o teu pecado, vem o caminho para o portão de Sião"; e Rev. Samuel Medley, um pastor batista de Liverpool (1738-1799), para as letras agitação, "Mortais, acordado! com anjos junta-se" e "Desperta, minha alma, em configurações alegres." 

O nome de Henry Kirke Branco (1785-1808) nunca vai viver no hino esplêndido em que ele cantou a história do nascimento do Redentor e de sua conversão: "Quando empacotado na grande planície." De sua pena também fluiu aqueles hinos característicos iniciais "O Senhor nosso Deus é cheio de força", "Ó Senhor, um dia é hasteada", "Através noite de tristeza e caminho do perigo. O hino da coroação, "Salve o poder do nome de Jesus", foi escrito pelo Rev. Edward Perronet, um clérigo dissidente Inglês, que morreu em Canterbury em 1792, exclamando: "Glória a Deus no auge de sua divindade, glória a Deus na profundidade de sua humanidade, glória a Deus em sua auto-suficiência, e em suas mãos o meu espírito! " A grande música que sempre foi associada com estas linhas foi composta para eles por um Sr. Shrubsole, um amigo do autor, e organista da capela do Spa Fields, Londres, 1784-1806. Nós só podemos aludir em uma frase para os hinos ocasionais bem conhecidos dos grandes poetas, Papa e Dryden, Wordsworth, Campbell, Moore, Southey, e alguns dos seus associados.

Mas a Igreja Universal deve um maior dívida com James Montgomery (1771-1854). Nenhum homem desde os tempos de Cowper adicionou tantas versões admiráveis ​​dos salmos e hinos nobres para o idioma Inglês como este talentoso Morávia, cuja musa prolífico nunca deixou de esbanjar os seus tesouros até. em oitenta anos, ele subiu mais alto. Sua paráfrase do septuagésimo segundo Salmo, começando "Hail to the ungido do Senhor," é um clássico completo do velho fogo hebraico e do melhor espírito missionário moderno. Seu "Três vezes santo" ( Isaías 6: 3 ), começando "Santo, Santo, Santo é o Senhor", parece misturar as vozes de "santos e serafins" em um hino profético glorioso. 

De seus outros hinos precisamos apenas citar o Aleluia, "Hark a música do Jubileu;!" os coros de Natal, "Anjos dos reinos de glória" e "Viva o ungido do Senhor"; a música dos céus ", sempre com o Senhor"; o hino sobre a morte de um ministro idade, "Servo de Deus, bem feito", escrito em memória de seu amigo, Rev. Thomas Taylor; e que na morte do Rev. John Owen, secretário do Exterior britânico e Sociedade Bíblica: "Vá para o túmulo em toda a tua gloriosa principal." Seus versos: "A oração é o desejo sincero da alma", "Oh! Onde repousará ser encontrado?" "O que são estes em conjunto brilhante?" são apenas algumas das pedras preciosas que ele tem colocado na coroa de nossos louvores cristãos

Neste período posterior de Inglês hymnology muitos e muito doce foram os cantores e suas canções sagradas. Há Henry F. Lyte, o reitor da Brixham (1793-1847), autor de "Jesus, eu a minha cruz ter tomado", e daquelas deliciosas "hinos de debaixo da nuvem", "Meu espírito em teu cuidado, Salvador abençoado , eu reclinar. " e ele durar que ele já escreveu, "Abide with me, rapidamente cai a tarde." Foi de seus contos em verso que o professor Wilson, no "Noctes Ambrosianae", escreveu: "Agora que é o tipo certo de poesia religiosa. Ele deve nos dar um outro volume." Esse volume veio logo, Poemas direito, principalmente religiosos. Os hymnists femininos aumentam em número e em poder neste período. Sra Felicia Hemans, Caroline Bowles, e outros de grande renome, liderar o caminho com sua doce música. Temos aprendido a cantar "Mais perto, meu Deus, a ti", de Miss Sarah F. Adams, que morreu em 1849 em sua antiga casa, Dorsetshire; e Charlotte Elliott, de Torquay, atingiu um novo acorde para todo o mundo quando escreveu, em 1836, esses versos inimitáveis, "Assim como eu sou, sem um pedido."

 Ela é autora de vários volumes, e mobilado cento e dezessete hinos a Hymnbook do inválido, a última edição do qual ela supervisionadas. Sra Barret Browning, a senhora Charles, de "Schonberg Cotta" fama, senhorita Adelaide Proctor, Mary Howitt, e as irmãs Bronte - Charlotte, Emily e Anne, Isabella Craig, ea senhora Craik, anteriormente senhorita Mulock, autor John Halifix, Gentleman, estão entre as principais posteriores cantores do sexo cujos versos têm enriquecido nossos hinários. Sir John Bowring, nascido em 1792, autor de "Na cruz de Cristo eu glória", "Watchman, conte-nos da noite"; o reitor da St. Paul, Dr. Henry Hart Milman, arcebispo Trench, John Keble, com seu ano cristão, o líder poeta do movimento católico anglicano no estabelecimento Inglês, Alexander Knox, Allan Cunningham, Robert Pollok, bispo Heber com o seu glorioso advento, e julgamento, e missionárias hinos, Bernard Barton, o poeta Quaker, canon Wordsworth, eo falecido decano Alford, da Abadia de Westminster, Faber, o hymnist romana devota, e Dr. John H. Newman, uma vez de Oxford e agora de Roma, Robert Murray M'Cheyne, e John R. M'Duff, os pregadores escoceses, com Horatius Bonar, de Kelso, autor dos Hinos deliciosas de fé e esperança, muitos dos quais já estão familiarizados, como palavras de casa, e Edward H. Bickersteth, cujo poema "Ontem, hoje e para sempre" é "um dos mais notáveis ​​do mundo" tudo isso, e muito mais que não podemos ainda citar, inchar o volume majestoso do nosso mais recente canção sagrada britânica.

 Não é nenhum exagero dizer que muitos de seus hinos irá comparar favoravelmente com o melhor que os precederam, e que alguns deles nunca pode morrer enquanto sua língua materna é o veículo de louvor cristão.

 

3. poesia americana não foi cultivado em nossa idade heróica para seu próprio bem, e os cantores eram poucos e distantes entre si.

 

As igrejas usado principalmente os salmos, e hinos, que trouxeram com eles a partir do Velho Mundo depois da Guerra Revolucionária. Presidente Davies (1724-1761) deixou alguns poemas, entre os quais as linhas sobre o nascimento de uma criança, eo hino nobre início "Grande Deus de maravilhas! Todos os teus caminhos", estão mais familiarizados. O célebre Dr. Timothy Dwight, a pedido dos ministros Congregacional de Connecticut, revisou os salmos de Dr. Watts, e acrescentou mais de vinte de seus próprios versificações ao volume. De tudo o que ele escreveu, no entanto, nenhum tem tanta beleza e vitalidade, como a sua prestação de Salmos 119: "Quão preciosa é o divino livro!" Salmos 137: "Eu amo o teu reino, Senhor"; e dos Salmos 150: "Em portões sagrados de Sião". Estes são favoritos universais. Em seu prefácio a esse volume admirável, Cristo em Song, Dr. Philip Schaff diz: "A Lyra Sacra da América está bem representada. Embora apenas cerca de 30 anos de idade, é muito mais rico do que os nossos amigos britânicos estão conscientes." Provas abundantes de sua riqueza é fornecido nos Hinos de Immanuel, que o autor reuniu nesta notável colecção de poesia cristológica, alguns dos quais foram fornecidos por seus autores para este trabalho. É necessário muito pouco nestas páginas para citar em qualquer comprimento aqueles hinos que têm sido adotadas em quase todos os livros recentes de louvor para as várias denominações. Vamos, portanto, referem-se apenas os autores mais notáveis, e dar peças de alguns dos hinos que parecem destinados a garantir um lugar permanente em nossos hinários americanos.

 Os poetas anteriores - Percival, Pierpont, Henry Ware Jr., Richard H. Dana, Washington Alston, John Neal, NPWillis, Brainard, JW Eastburn, Carlos Wilcox, Hillhouse, com Bryant, Longfellow, Tuckerman, e Whittier, que ainda estão vivendo-ter todas as contribuições feitas ocasionais ao estoque de hinos populares, principalmente do unitarista e ' corpos universalista. O clero das igrejas americanas têm sido provavelmente os contribuintes mais férteis para este departamento de adoração santuário durante este período.

O falecido bispo Doane (qv), de New Jersey, escreveu alguns muito belos hinos, que há muito tempo passaram para além do corpo do qual ele era um campeão nos hinários de outras igrejas. Seu hino à noite é digno de comparação até mesmo com a do bom bispo Ken: ' Softly agora a luz do dia "Há uma música trompete-como em suas linhas majestosas no banner da Cruz, que nos faz lembrar de Heber e Milman.: "arremessar para fora a bandeira! deixá-lo flutuar ", etc A mesma Igreja também tem nos dado bem conhecido hino de Dr.WA Muhlenbergh," eu não viver para sempre ", e outros versos deliciosos de sua musa agora patriarcal. Outro bispo, Dr. Arthur Cleveland Coxe, entre suas baladas cristãs finas e poemas, tem prestado em verso, com mais espírito e poder do que qualquer outro escritor Inglês, as palavras de Cristo: "Eis que estou à porta e bato."

Para o falecido Dr. James W. Alexander (qv) devemos a melhor versão na nossa língua de cântico imperecível de Gerhardt, "Oh sagrada cabeça! Agora ferida." Um dos mais casto e fervoroso do nosso hino escritores foi o falecido Dr. George W. Bethune (qv), autor de "Não é a morte para morrer", "Oh Jesus, quando penso em ti, a tua manjedoura, cruz e coroa ", e muitas outras letras bem conhecidas. O Rev. Dr. Alexander R. Thompson, da Igreja Reformada, Nova York, publicou alguns hinos originais admiráveis ​​para o Natal ea Páscoa, e muito animada, traduções de hinos antigos e medievais. Nós especificar apenas a sua versão da "Aurora coelum purpurit", que, com outras pessoas de sua pena, são dadas em pleno em Cristo de Schaff em Canção. Muito em outra linha, mas não menos feliz, é um novo hino pelo Rev. D. Ganse Hervey, um clérigo popular da mesma Igreja em New York City.

 É a história de Bartimeu, tão docemente disse que lamentamos que não tem espaço para pelo menos uma parte dela. Não há hinos mais deliciosos na língua do que os do Rev. Ray Palmer, DD, um clérigo Congregacional, autor de hinos dos meus santos Horas, Hinos e peças sacras, e muitos poemas sagrados. Esse "selectest e mais perfeita de nossos hinos modernos", "Minha fé olha para Ti", etc, foi composta em 1830 Foi traduzido para o árabe, Tamil ,. Tahitian, o Mahratta, e outras línguas, e parece destinado a seguir a Cruz por todo o mundo. Entre seus outros hinos são aqueles começando "Jesus, estes olhos nunca vi essa forma radiante da tua"; "Sozinho contigo! Sozinho contigo, ó amigo divino", "Ó Jesus! Doces lágrimas que derramei," "Jesus! Tu alegria de corações amorosos", etc

 

O reverendo Russell S. Cook (qv) escreveu e enviou a Miss Elliott, o autor de "Assim como eu sou, sem um fundamento," uma contrapartida para o seu próprio hino doce, tão bonita e completa que parece quase como se o mesma caneta ambos tinha dado ao mundo: "Assim como tu és, sem um traço," etc Desde então, foi incorporada com o livro de Sir Roundell Palmer de Louvor e vários hinários americanos.

Seria imperdoável, num resumo como este, omitir um tributo saudável de reconhecimento às mulheres hino-escritores do nosso país. A primeira delas, a senhora Sigourney, que pode ser chamado de Hannah More of America, tem: um lugar estabelecido entre esses autores homenageados, embora a maioria de sua poesia foi escrita em verso branco, ou no metro não adaptados a música da Igreja.

 No entanto, seus hinos de aniversário para escolas dominicais e reuniões missionárias têm sido muito popular. Seus versos são cheios de uma proposta, espírito devocional, e expressa em linguagem casta e bela. Sra Harriet Beecher Stowe, em alguns de seus poemas religiosos, publicado em 1867, foi capturado o espírito da palavra inspirada, e tornou suas declarações em verso com felicidade singular. Podemos exemplo os hinos finas com início "Quando os ventos estão furiosos na parte superior do oceano", "mistério da vida profunda, inquieto como o oceano", "Essa palavra mística do teu. Senhor soberano", e aquele intitulado "Mesmo assim, ainda com ti ".

 As irmãs Cary, Phoebe e Alice, foram adicionados alguns hinos graciosos e tocar a nossa Lyra Americana, e tem sido particularmente bem sucedido em sua escrita para os jovens. Esse hino favorito e delicioso (o que nos lembra de cepas sensíveis de Cowper), "Eu te amo para roubar um tempo longe de todos os cuidados cumbering", foi escrito pela senhora Phoebe H. Brown depois de ter sido interrompido durante a oração. Em desistindo de seu único filho para pregar Cristo aos gentios, ela escreveu que missionário doce hino início

 

"Vai mensageiro do amor, e dará à luz

 

Sobre a tua asa suave

 

A canção que serafins adoram ouvir,

 

E a alegria dos anjos a cantar. "

 

Muitos um reavivamento da religião tem sido procurado e promovido no uso de suas linhagens familiares,

 

"Ó Senhor, a Tua obra reviver

 

Na hora sombria de Sião ".

 

Estes são apenas exemplares de alguns dos nossos melhores hymnists femininos. Muitos outros-não podemos sequer mencionar, a quem toda a Igreja tem uma dívida de gratidão "salmos, e hinos, e cânticos espirituais", em que eles têm ensinado a ela para "fazer melodia para o Senhor." Para a literatura adicional. 

fonte encyclopedia of biblical theological and eclesiastic 1870