Translate this Page

Rating: 3.0/5 (920 votos)



ONLINE
7




Partilhe este Site...

 

 

<

Flag Counter

mmmmmmmmmmm


// ]]>


historia da igreja da FRANÇA
historia da igreja da FRANÇA

                  A história cristã da França

           A origem da França e dos franceses

Os franceses não são uma única, pessoas homogêneas. França, chamado de "Gália", foi colonizada pelos celtas que migraram para o sul da Gália em 800 aC. Estes gauleses celtas eram, de fato, israelitas dispersos, provavelmente, da tribo de Rúben. 1  Em cerca de 600 aC, os Phocaeans, uma tribo grega, fundada Massalia (Marselha), a cidade mais antiga da França, que também dispõe antigo porto mais da França. Marselha era habitada por celtas, gregos e até fenícios, e desempenhou um papel crucial no desenvolvimento do comércio com cidades gregas, Norte da Europa e até mesmo o Atlântico, pelo qual estanho da Inglaterra foi transportado. O Franks - povos germânicos da Europa Central - então se estabeleceu na França no início do século III dC. Além disso, os Vikings da Noruega, liderados pelo rei Rollo em 911AD, instalou-se na área da Normandia, o "nórdicos" acabou se tornando o "Normandos". Eles também eram de ascendência israelita. Assim, a composição étnica da antiga França foi bastante misto, com uma parte considerável da população descende dos errantes e exiladas tribos de Israel.

 

Os primeiros cristãos na França

França recebeu seu cristianismo diretamente de Jerusalém no século I aC. Depois da morte de Cristo, os cristãos foram perseguidos em Jerusalém e em todas as cidades da Palestina. José de Arimatéia, Lázaro (ressuscitado por Jesus), Maria Madalena , e vários outros seguidores de Jesus foram todos exilados de Israel, e socorrido por seus perseguidores em um -remo menos barco sem vela. O barco milagrosamente chegou a uma área perto de Marselha (hoje chamado de "Les Saintes Maries de la Mer", ou "A Santa Maria (s) do Mar), onde Philip já se acalmou e começou a pregar a Palavra. 2

José de Arimatéia era tio da Virgem Maria. Ele era um comerciante de estanho que era bem conhecido em Marselha, como seu navio iria parar lá no seu caminho para as minas de estanho na Inglaterra. Joseph (com alguns outros discípulos) e continuou em direção ao norte através de Gália, passando por Limoges e Roscoff e através do Canal Inglês antes de finalmente chegar Cornwall, onde estabeleceu a primeira igreja cristã na Inglaterra (veja Christian History of Britain ).

Filipe (um dos doze discípulos de Jesus) tinha sido dada a responsabilidade de difundir o cristianismo na Gália (França), e tinha encomendado José de Arimatéia para ajudá-lo. Joseph e seu grupo tinha sido em Avalon (dia moderno Glastonbury, na Cornualha, Inglaterra) por cerca de quatro anos. Durante esse tempo, os discípulos de Philip venceu as pessoas para Cristo e começou a escolas e igrejas. Philip tinha enviado cerca de 160 cristãos da Gália para ser treinado por Joseph. Em troca, José mandou muitos dos trabalhadores de volta para a Gália, incluindo a maior parte do grupo original que veio com ele.

A primeira que ele enviou foi Lázaro, que foi enviado para Massialia (Marselha); Maximin, que era "jovem rico" e um dos setenta enviados por Jesus, foi para Aix. Maria Madalena, Maria Salomé (mãe de Tiago e João) e Maria, mulher de Cléofas, foi para a Camargue; Eutrópio foi para Saintes (Aquitânia) e, posteriormente, a laranja, Arles e Tarascon. Saturnino foi para Toulouse; Martial foi para Limoges Pármenas (um dos diáconos mencionados em ATOS 6: 5 ) foi para Avignon. Restitutus (o cego curado por Jesus em João capítulo 9) também foi para Aix; Zaqueu (que acompanhou José de Arimatéia) estabeleceu-se em Rocamadour e Sérgio Paulo, um deputado de Paphos (o "homem prudente" em ATOS 13: 7-12 ) foi para Narbonne. Muitos outros que foram enviados como missionários para a Gália / França poderiam ser mencionados. Deve-se notar também que Pilatos foi banido de Jerusalém para Vienne (South Lyon) em AD 38 e Herodes Antipas foi banido para Lyon em AD 39. 3

A Idade das Trevas

Nos séculos seguintes, os cristãos franceses sofreram muito com as perseguições da Igreja Católica Romana, e os fiéis se tornou cada vez mais isolado. A religião católica romana, uma mistura de cristianismo e festivais e práticas pagãs, tornou-se cada vez mais forte ao longo dos séculos seguintes, em todo o Império Romano, incluindo Gália. O verdadeiro evangelho foi perdido na maior parte da França e da Europa, as guerras se enfureceu, e invasões bárbaras turva ainda mais as coisas com as religiões pagãs, superstições e ignorância. Todos os reis, incluindo os mais famosos, como Clóvis e Carlos Magno, com o apoio da Igreja Católica Romana totalmente, o que levou a verdadeira base do Evangelho e do trabalho dos discípulos, e torceu-los em uma paródia cruel do que a Bíblia ordena o igreja para ser assim. A fim de manter a supremacia em toda a Europa, a Igreja Católica Romana se perseguir, prender, torturar e matar todos aqueles que se opõem à sua doutrina. Suas vítimas ao longo dos séculos contados em milhões. No entanto, mesmo neste tempo de escuridão ainda havia testemunhas na França para a Verdade.

Os Albigenses

O massacre de Bezier

O Albigenses (também chamados de "cátaros") teve origem na área de Albi e Toulouse por volta de 1100 AD. Um reavivamento "vento" veio da Europa Oriental, trazendo a luz do Evangelho para o homem comum. Os Albigenses eram "reformadores antes da reforma", acreditando na salvação por meio de receber o Espírito Santo e sendo alterado pela Palavra. Eles lêem a Bíblia na língua comum (A Vulgata Latina), que foi proibido pela Igreja Católica Romana. Como resultado, eles foram acusados ​​de heresia para a utilização de uma Bíblia não católica. Eles aumentou tão rapidamente que muitas cidades foram habitadas exclusivamente por eles, e vários nobres eminentes abraçou suas doutrinas. Entre estes últimos estavam Raymond VI, conde de Toulouse, eo conde de Foix.

Papa Inocêncio III iniciou assim uma cruzada contra eles. Ele foi ajudado por Simão de Monfort e os Barões do Norte. Os Albigenses foram cruelmente torturados e mortos, independentemente de sexo ou idade. Em Bezier, aqueles que se recusaram a abjurar sua fé foram levados em uma tempestade de crueldade. O legado católico, durante o processo infernal, gostei do massacre, e chorei mesmo para as tropas "Matá-los, matá-los todos, matar o homem, mulher e criança. Matar os católicos, bem como Albigenses, pois quando eles estão mortos o Senhor conhece a sua própria. "Bezier foi reduzida a um monte de ruínas e 60 mil pessoas foram assassinadas.

Alguns dos Albigenses fugiu para a área do Piemonte, onde os valdenses também encontraram refúgio depois de sofrer perseguição da Igreja Católica. Apesar do pequeno número de Albigenses que escaparam das perseguições, eles mantiveram firmes em sua fé.

Os valdenses

Muitas pessoas colocam os valdenses como tendo começado no século 12, mas eles datam sua linhagem como sendo muito mais cedo. Seu ensino pode ser rastreada até ao século 4. Apesar de muitas igrejas ao longo dos séculos, já tinham sido colocados sob o poder do papado, doutrina bíblica ainda estava pregado em muitas das igrejas da Lombardia e Piemonte. As imagens foram removidas das igrejas, a justificação pela fé foi pregada, e purgatório eo uso de relíquias e as peregrinações para alcançar mérito foram rejeitadas.

Em 1059 as igrejas no norte da Itália apresentou ao papa, e, embora as planícies foram conquistados, as montanhas permaneceu livre. Aqueles que não querem se submeter fugiu para o Alpes Cottian do Noroeste da Itália. As igrejas bíblicas realizou um forte testemunho evangélico e foram ferozmente perseguidos. Alguns dos cristãos cruzaram o Reno e pregou o Evangelho na medida em Colônia, onde eles foram marcados como maniqueístas, e muitos foram queimados na fogueira.

Em 1173, Peter Waldo, um rico comerciante de Lyon, na França, foi convertido. Alguns dizem que ele recebeu seu sobrenome através de sua associação com os valdenses, que certamente teve um testemunho evangélico antes do tempo de Waldo. Enquanto a maioria dos historiadores nomear Peter Waldo como o autor dos valdenses, o Valdense 'Lição Nobre' remonta, pelo menos, o ano de 1100, muito antes de Waldo nasceu. Waldo foi excomungado em 1183, após ter sido negado o direito de pregar. Seus seguidores foram dispersos, e alguns deles fugiram para o Waldensian Vales. A grande perseguição Dominicana dos Albigenses começou no século 13. Muitos desses cristãos também fugiram para a segurança Valdense.

A importância dos valdenses como causa da Reforma é muitas vezes esquecido. Eles foram evangelísticas, além de ser evangélico. Eles viajaram por toda a Europa meridional e central, muitas vezes disfarçados de vendedores ambulantes, até que deu à luz de seus corações tesouros maior do que as jóias e sedas que vendiam. Eles penetraram na Espanha, e foi tão a leste como a Alemanha, Boêmia e Polônia. Seus passos podem ser rastreados, não só pelas igrejas evangélicas que foram fundadas, mas as apostas sobre o qual muitos foram martirizados. A semente do Evangelho foi muitas vezes regado pelo sangue dos que semeou.

 A Reforma na França e os huguenotes

A perseguição pelos católicos romanos mergulhou a França em trevas espirituais durante vários séculos. Em 1517, Lutero pregou suas 95 teses na porta da sua igreja em Wittenberg, Alemanha, criticando as doutrinas católicas romanas. Este foi o ponto de partida da Reforma que se espalhou por toda a Europa. Começando Calvin , um reformador francês convencido pelas idéias de Lutero, foi forçado a deixar Paris e fiquei em Basileia, Estrasburgo e Genebra, onde se estabeleceu em 1541 (veja a história cristã da Suíça ) . Na França, os seguidores da fé protestante foram chamados huguenotes.

O brasão de armas huguenote

O brasão de armas huguenote. Os 4 corações representa a lealdade ea pomba representa o Espírito Santo.

Depois de um longo período de problemas, na França, a Igreja Católica Romana, vendo que não podiam superar os huguenotes pela força aberta, começou a planejar como eles podem pegá-los pela sutileza e que por duas maneiras: primeiro, por uma comissão de mentirinha enviado para os Países Baixos, que o príncipe de Navarra e Conde era comandar. O objetivo era apenas para saber o que o poder e forçar o almirante de Coligny , um dos líderes do Partido protestante, tinha sob ele, e quem eles eram.

A segunda foi por um casamento entre o príncipe de Navarra (que era huguenote) e irmã católica romana do rei, a rainha Margot, para que viesse a ser convidados todos os principais protestantes da França. Até mesmo a mãe do príncipe, o famoso Jeanne d'Albret veio a Paris. Ela adoeceu pouco depois de sua chegada e morreu dentro de cinco dias, não sem suspeita de veneno (a mãe do rei católico romano, Catarina de Medicis era um perito em que o assunto). Não obstante, o casamento ainda prosseguia. Todos os chefes protestantes foram convidados por carta do rei católico romano, o que garantiu a passagem segura de segurança e dentro de Paris. A armadilha estava pronto e que o casamento teve lugar no dia 19 de agosto de 1572. Quatro dias depois, o Almirante de Coligny, voltando da mesa do conselho, foi baleado com uma pistola carregada com três balas, e feridos em ambos os braços .

Massacre do Dia de São Bartolomeu (24 de agosto de 1572)

Soldados tinha sido nomeado para diferentes partes de Paris, para estar pronto para o comando do rei. Após a palavra de ordem a ser dada, eles irrompem, matando todos os protestantes, começando com os líderes e do próprio Almirante, que foi lançado para fora da janela para a rua, onde a cabeça foi atingida off, embalsamado e enviado ao papa. Seu martírio tinha acabado ocorrido, que as tropas, com raiva e violência, correu cerca de matar todos os protestantes sabiam ou poderia encontrar dentro dos portões da cidade. Isso continuou por muitos dias, mas a maior matança foi nos três primeiros dias em que mais de 10 mil homens e mulheres, jovens e velhos foram assassinados.

Este massacre estendido para outras cidades como Lyon, Orleans, Toulouse e Rouen, onde as crueldades eram, se possível, ainda maior do que na capital. Em um mês, 30 mil huguenotes foram mortos. 4 Quando ele foi coroado rei, Henri IV negado a fé protestante e fez compromissos com a Igreja Católica Romana. Ele trouxe a paz de volta à terra em 1598 , com o Édito de Nantes que concedeu liberdade religiosa aos protestantes. 3

Um famoso líder protestante, John Welch , o filho-de-lei de John Knox, foi exilado para a França em 1606 por 14 anos, até que Louis XIII atacaram a área de La Rochelle. Ele estava em St. Jean d'Angely, onde está registrado que ele ressuscitou dos mortos; foi protegido de balas de canhão quando o exército de Louis XIII cercou a cidade; fez o exército fugir e depois ainda pregou enquanto o rei estava residindo na cidade, o que era proibido. 5

Depois veio a Guerra dos Trinta Anos - uma guerra travada pelos países católicos romanos contra as áreas que aceitaram a Reforma.

A revogação do Édito de Nantes e do período do deserto

Apesar do Édito de Nantes, que "oficialmente" trouxe a paz para os protestantes há algumas décadas, os Hugenots eram na verdade ainda constantemente perseguidos. As crianças foram retiradas de suas famílias, e os pais e pregadores enviados para as galés ou presos, se não for executado. Muitos protestantes fugiram para o estrangeiro (ver histórias de África do Sul e Canadá ). Rei Luís XIV, em seguida, argumentou que, considerando que não havia protestantes na França mais, ele poderia revogar o Édito de Nantes, que já não era relevante.

A revogação (ou cancelamento) do Édito de Nantes , assinado por Luís XIV em 1685 , causou mais protestantes franceses a fugir. Pastores foram ordenados ou a deixar o reino ou ser enviado às galés como punição. Além disso, as igrejas protestantes foram fechadas e destruídas.

Os protestantes foram proibidos de louvar a Deus, quer em público ou em casa. Por esta razão, muitos tentaram fugir, mas foram capturados e enviados para as galés como escravos. Este foi um momento muito escuro para os protestantes. Crianças protestantes nascidos após 1685 também teve que ser batizado por padres católicos. Aqueles que tinha decidido ficar montado secretamente em casas, mas quando isso se tornou muito perigoso, eles se encontraram nas florestas e nos tranquilos lugares desertos do sul da França. Estas reuniões foram chamados "encontros de deserto". 3

Em julho de 1702, a Guerra dos Cévennes começou, também chamada de Guerra dos Camisards , que definem toda uma área (Montélimar-Le Puy-Montpellier) em fogo de 1702 a 1704 as tropas reais de Louis XIV tentou massacrar a população desta área central montanhosa, onde milhares de protestantes encontraram refúgio. Esta guerra se prolongou até 1710, com muitos episódios trágicos, que incluía a famosa "queima dos Cévennes", em Dezembro de 1703 A Guerra dos Camisards mobilizou 20 mil homens das tropas reais e resultou na morte de 25-30,000 homens, mulheres e crianças de ambos os confissões católicas e protestantes.

Durante todo o século 18, a perseguição dos huguenotes continuou. Seus direitos civis foram abolidos e os pregadores fiéis e crentes que não querem comprometer foram enviados para as galés. Cerca de 250.000 protestantes franceses deixaram a França durante esse período, como as únicas escolhas que eles tinham eram a se converter ao catolicismo, ser deportado ou enviado às galés, ou morrer. Milhares de comerciantes, professores, trabalhadores qualificados, agricultores, médicos, etc deixou a França com suas famílias e pertences e migrou para a Inglaterra, norte da Alemanha, Holanda, Suíça e até mesmo para a África do Sul ou da América do Norte.

Em 1787, Luís XVI proclamou a edição de tolerância, o que deu um pouco de liberdade para os protestantes novamente. Durante a Revolução Francesa, com a Declaração des Droits de l'Homme, proclamada em 1789, a Igreja eo Estado foram separados e cada pessoa era livre para escolher sua religião.

The Awakening cristã no século 19

O início do século 19 foi muito trágico para a França, com guerras incessantes. Mais de um quarto da população francesa morreram durante os massacres da revolução e as guerras napoleônicas. Durante todo o século, a religião católica romana ainda era a mais difundida na França e as pessoas tinham que esperar para a paz após a guerra de 1870 (a primeira guerra franco-alemã) para ver a luz do Evangelho brilhar novamente. Ele veio na maior parte do outro lado do Canal, como missionários foram enviados da Inglaterra para a França (Normandia), e algumas áreas como Chambon (nas Cévennes, entre St. Etienne, Le Puy e valências no sul da França) sofreu avivamento. As pessoas também se levantaram contra as instituições protestantes rígidas, que tinha crescido fria e formal ao longo do tempo.

O Chambon tinha um histórico protestante de comprimento, com os primeiros pregadores ali chegando em 1491. Desde essa altura, havia sempre uma influência protestante muito forte e animada, que nunca cessaram, apesar da perseguição. Pastores também realizou encontros "Selvagem" lá durante o século 18. As crianças protestantes escapou escolas católicas e encontraram-se nas escolas não oficiais dirigidas por professores corajosos. No final do século 19, o ensino fazendas foram criados para ajudar as crianças da cidade e ensiná-los sobre o Evangelho. Aqueles que foram para estas escolas foram ensinados a trabalhar em uma fazenda, bem como para restaurar a sua fé e aprender sobre a Palavra.

Em 1881, o Exército da Salvação (veja a história cristã da Grã-Bretanha ) foi criada em Paris por Kate Booth , de 22 anos de idade, filha do General Booth (o segundo edifício foi construído em Le Chambon em 1882). Ajudado por três companheiros de sua idade, Catherine resolvido, no popular bairro de Belleville-Ménilmontant. O início foi duro como eles sofreram escárnio, zombarias e tumultos (Catherine foi chamado de "a esposa do marechal" pelos parisienses). "Noite após noite, durante seis meses, ela se destacou contra um público-vinho liberado encardido de insultos 'ouvriers'. Por fim, quando eles tentaram converter uma reunião de oração em uma dança desenfreada, Kate virou a maré com um desafio inteligente: "Mes amis! Vou dar-lhe 20 minutos para dançar, se você vai me dar 20 minutos para falar "ao mesmo tempo um operário bonito escuro com uma blusa azul ficou de pé:" Cidadãos, é jogo justo "Então, de pé relógio na mão. , ele cronometrado sua capering ao minuto, antes de chamar a Kate. Oitenta minutos depois, com o público ainda encantado, ela sabia que Deus lhe concedeu uma vitória preciosa. Logo ela estava pregando todas as noites para multidões 400 forte: no final do ano, apenas uma nova sala no Quai de Valmy, com capacidade para 1200 poderia contê-los ". 6 a Evangelização foi acompanhada por uma grande obra social que envolve hotéis comércios populares, casas para meninas vulneráveis etc Muitas estações do Exército de Salvação foram criados em toda a França.

Cristianismo no século XX e do Movimento Pentecostal

Desde o início do século 20 até a década de 1930, havia dois principais eventos do movimento pentecostal na França. Um deles foi trazida pelo renascimento que teve lugar no País de Gales, ao mesmo tempo (veja Christian History of Britain ); pessoas oraram e trabalharam para ver o mesmo avivamento na França. Muitas reuniões também foram realizadas em um hotel-restaurante sem álcool, o "Blue Ribbon" em Le Havre (Normandia), de propriedade da senhorita Hélène Biolley . Os missionários chegaram lá e Smith Wigglesworth , o famoso evangelista britânico, visitou várias vezes. As pessoas receberam o Espírito Santo e foram curados; oravam por um reavivamento na França. Senhorita Biolley de "Blue Ribbon" rapidamente se tornou o centro cristão evangélico na Normandia. Livros foram traduzidos lá (principalmente da MB Woodworth Etter), e aqueles que foram convertidos poderia, então, ir para a Inglaterra para escolas bíblicas (como o Instituto Bíblico Elim em Londres).

 Douglas Scott e sua esposa

Em janeiro de 1930, Douglas Scott e sua esposa, recém-casado, chegou ao Le Havre para aprender francês como eles planejavam ir para o Congo como missionários. Sem esperar para aprender a língua, Douglas Scott imediatamente começou a pregar o Evangelho. Ele realizou reuniões, e as pessoas foram batizados com água e receberam o Espírito Santo. Muitos foram curados de várias doenças. Alcoólatras convertidos parou de beber e ladrões devolveram os bens que eles haviam roubado. Até o final da década de 1930, os serviços de batismo foram organizados a cada 5 dias. No entanto, este pequeno avivamento não se espalhou além do Le Havre e foi também limitada no tempo.

Em geral, há muito poucas igrejas pentecostais ou evangélicos, na França, que se manteve de maioria católica.

Conclusão

Após as severas perseguições protestantes franceses passaram por ao longo dos séculos, a França tornou-se um "Estado laico", o que significa que há uma clara separação entre Estado e religião. No entanto, como a religião mais estabelecida em França é o catolicismo romano, houve uma suspeita crescente para as igrejas cristãs nos últimos anos. O "2002 Anti-Cult Lei "mostra isso muito claramente. Desde a implementação da lei, verdadeiras igrejas cristãs sofreram perseguição, uma vez que nenhuma diferença agora é feita entre seitas pagãs e os cristãos verdadeiros. O artigo 10 da Constituição francesa afirma que "ninguém deve ser perturbado quanto às suas próprias idéias, inclusive as religiosas, desde que não perturbe a ordem pública estabelecida pela lei" . Embora este foi originalmente planejado para a proteção da liberdade individual de religião, que agora está sendo usado para parar a propagação do Evangelho e para minar a liberdade de expressão, tornando-se uma ofensa dizer a alguém que eles devem obedecer a Bíblia para ser salvo na eternidade . Como resultado, a França caiu em um estado cada vez pior do pecado e da corrupção.

Oramos para que a nação francesa se ​​transforma novamente com a Bíblia que muitos de seu povo, uma vez acreditava, e começa a seguir o mandamento de Deus, como descrito em JEREMIAS 06:16 : "Assim diz o SENHOR: Ponde-vos nos caminhos, e vede, e perguntai pelas veredas antigas qual é o bom caminho, e andai por ele e achareis descanso para as vossas almas ... "

1. Valerie Martlew, um remanescente de Israel na França

2. John W. Taylor, a vinda do Santos, Coventant Publishers (1969)

3. a. b. c. Henry W. Stough, Discípulos dedicados, Artisan Publishers (1987)

4. John Foxe,  Livro dos Mártires de Fox , editado por William Byron Forbush

. 5 Ethel Barrett, O Homem que não podia ser detido - John Welch

6. Richard Collier, The General Depois de Deus, a história de William Booth eo Exército da Salvação , Collins (1965)

Um remanescente de Israel NA FRANÇA

M pessoas OST conhecer a história o suficiente para perceber que um povo celta chamado os gauleses habitado o que hoje é a França, no tempo dos romanos. Se você já leu algum dos "Asterix" livros, sobre um pouco adversário gaulês corajoso dos romanos, ea "poção mágica" que fez ele e seus colegas tão forte, você vai, pelo menos, estar ciente disto! Sério, porém, os autores de "Asterix" eram notavelmente inteligente e que sabia muito sobre gaulês e história romana, para que seus livros não devem ser descartados como meros "quadrinhos" histórias. Alguma vez você já se perguntou onde os gauleses veio? Eles não eram os habitantes originais da França, para as pinturas rupestres descobertas na Dordogne em Lascaux foram feitas pelos habitantes da Idade da Pedra. Os gauleses eram da tarde Bronze e Idade do Ferro, e eram imigrantes.

A Encyclopaedia Britannica afirma que os gauleses chegaram ao sul do vale do rio Reno, no século 5 aC e estabeleceu-se na medida em que as costas do Mediterrâneo. Não arrisco a rastreá-los ainda mais para trás do que o Reno. No entanto, deve haver algumas pessoas (como eu!) Que precisam de saber como eles chegaram até o Reno, porque seguramente não gerou espontaneamente lá.

Os gauleses eram um ramo da grande corrida Celtic, que se estabeleceram em toda a Europa e as Ilhas Britânicas. Suas características eram grande coragem, um amor feroz da liberdade e da individualidade, e eles produziram alguns heróis maravilhosos, como o gaulês, Vercingetorix, e na Grã-Bretanha, Caradoc (Caractacus) e Boudicca (Boadicea). Seu individualismo estava longe de ser uma mais-valia, por vezes, porque a sua fragmentação em pequenos grupos significou que eles não têm a organização central e de coesão para rivalizar com a dos romanos central disciplinados. O que lhes faltava em organização central, que compensou por seu heroísmo, tenacidade e coragem no campo de batalha, mesmo quando em desvantagem esmagadora. Eles eram inimigos formidáveis ​​para os romanos, e venceu muitas batalhas. Infelizmente, eventualmente, eles perderam a guerra, e ficou sob a dominação romana em toda a Europa. Eles começaram a adotar costumes romanos, e para desfrutar de seus luxos, sendo gradualmente deslocado por novas ondas de tribos germânicas, como os francos, que se estabeleceu na atual França.

Os gauleses estavam entre as primeiras pessoas a receber o Evangelho, depois da Ascensão de Cristo. Muito cedo, de cerca de AD35, discípulos de "The Way" estavam a aterrar no sul da Gália em Massilia, que é atual Marselha. Eles viajaram em torno de Provence, pregando a Palavra, e depois mais longe, seguindo o vale do Ródano e daí para a Bretanha e outras partes da Gália. De Brittany entraram Britain ocidental.

Os gauleses estabeleceram uma colônia oriental, na Ásia Menor, onde hoje é a Turquia, que eles chamaram de Galácia. No tempo de Jesus, e dos Apóstolos, era uma comunidade próspera e Paulo dirigiu uma de suas epístolas aos Gálatas. Postulou-se que ele visitou brevemente a Gália, e também pode ter tido a intenção sua epístola para os gauleses de Gallia, ou moderna França. Certamente, ele visitou muitas terras celtas.

Poucos historiadores traçar os celtas e gauleses mais para trás do que sua suposta "geração espontânea" na Europa. É possível, no entanto, para rastreá-los para a Ásia Menor, via o vale do Danúbio, a Crimeia e do Cáucaso, e outras áreas ao redor do Mar Negro. O link que os historiadores em geral parecem ser incapazes de fazer é que os celtas e suas tribos diversamente nomeados e sub-raças, encontram-se em primeiro lugar na mesma área em que os cativos dez tribos da casa do Norte de Israel desapareceu.

A maioria das pessoas acreditam que eles simplesmente evaporou, ou tornou-se absorvido em nações vizinhas, para nunca mais reaparecer como um povo. A última menção a eles na Bíblia é em II Reis 17: 6;

No ano nono de Oséias, o rei da Assíria tomou Samária, e levou Israel cativo para a Assíria, e os colocou em Hala, e junto a Habor, o rio de Gozã, e nas cidades dos medos.

Temos de recorrer à história secular de aprender do seu destino. Traçando seus passos é como a solução de um quebra-cabeça, e requer uma cuidadosa comparação de diferentes fontes. Para seguir a trilha é um trabalho árduo, mas vale bem a pena o esforço, porque isso prova que o que Deus tem revelado na Bíblia é verdade. Ele não mudou de idéia, ou voltado atrás em suas promessas, como muitos teólogo e até mesmo estudantes da Bíblia bem versados ​​nos querem fazer crer. Isso serve para aprofundar e reforçar a nossa fé. Um dos indícios históricos no apócrifos que consideraremos é o testemunho de Esdras (Esdras). Este livro, embora não em nosso presente Canon, é valioso historicamente e é uma continuação do livro de Esdras, que está em nossas Bíblias. Na II Esdras 13, versículos 40 a 46, lemos:

Essas são as dez tribos, que foram levados prisioneiros para fora da sua terra, no tempo de Osea (Oséias) o rei, a quem Salmanaser o rei da Assíria, levado cativo, e ele levou-os sobre as águas, e assim vieram em outra terra Mas eles tomaram conselho entre si, que deixariam a multidão das nações, e ir adiante para um país mais longe, onde nunca a humanidade habitou. Que eles possam não manter os seus estatutos, que eles nunca mantidos em sua própria terra. E entraram no Eufrates pelas passagens estreitas do rio. Para o Altíssimo, em seguida, fez sinais para eles, e ainda tinha o dilúvio, até que eles passassem. Por meio desse país houve um grande caminho a percorrer, ou seja, de um ano e meio; e a mesma é chamada região Arsareth. Em seguida, eles habitaram ali até o último momento.

O Apocrypha consiste de quatorze livros, que foram adicionados à Septuaginta, a tradução grega do Antigo Testamento. Os judeus não reconhecê-los como parte de suas Escrituras, considerando que eles não foram inspirados como os livros canônicos são, mas isso não diminui a sua importância histórica.

Esdras nos dá uma visão sobre os movimentos dos israelitas cativos. Insatisfeito com a sua sorte, eles determinaram para escapar de seu cativeiro e eles tiveram a oportunidade de fazê-lo cerca de 50 anos após a sua deportação, para o Império Assírio foi atacada pelos babilônios, e eles obviamente necessário todas as suas forças para defender-se contra esta nova ameaça. Os cativos teria sido a menor de suas preocupações!

Esdras nos diz que eles "entraram em Eufrates pelas passagens estreitas do rio ..." Isto significa que as cabeceiras do Eufrates. Heródoto (historiador grego de c. 484-425 aC), em seguida, retoma a história e diz-nos que alguns membros das Dez Tribos deixou o exílio e se mudou para o oeste e para o norte para o que conhecemos como Armênia, em seguida, para um lugar chamado Ar -Sareth. Há um rio chamado Sareth ao noroeste do Mar Negro. Eles foram mais tarde disse ter derrubado Rei Midas da Frígia. Eles eram conhecidos até então como Gimira ou Cimmerians, chamado Kimmeroi pelos gregos. Este nome é aparentado com o assírio Khumri , que é o nome assírio para os cativos, ou seja, "pessoas de Omri ". (Omri foi um rei da Casa do Norte).

De acordo com o Behistún Rock, descoberto por Sir Henry Rawlinson, em 1846, o Gimiri eram as mesmas pessoas como o Sacae. As inscrições on the Rock foram cortadas em 516 aC, e grava-los em três línguas diferentes, babilônico, persa e Susian e, assim, obter os dois nomes diferentes para as mesmas pessoas. Nas versões persas e Susian o Gimiri são chamados Sacae , e entre os vinte e três províncias listadas no Rock é um chamado Sak . A raiz Sak é o mesmo que a raiz do nome dos citas, levando-nos a concluir que eles são as mesmas pessoas, que vivem na mesma área que os citas. Heródoto diz-nos que o Sacae eram conhecidos como citas pelos persas. Agora, a raiz de Sak é o mesmo nome pelo qual Israel era conhecido no livro de Amós:

Agora, pois, ouve a palavra do Senhor: Tu dizes: Não profetizes contra Israel, e não derrama as tuas palavras contra a casa de Isaque . (Amós 7:16)

A House of Isaac é Beth-Saak em hebraico. As consoantes SK são a verdadeira raiz de todas as variações, pois não havia vogais em hebraico antigo escrito.

Heródoto também fala dos citas emergente de repente na mesma área a partir da qual as dez tribos desapareceram, apenas meio século depois de sua deportação.

"Celtas" parece ter se tornado um termo genérico que abrange todos esses povos variadamente chamados, tais como "Sacae", "citas", "cimérios" e gauleses.

A origem da palavra "Gaul" é mais interessante e informativo. O idioma francês era um ramo das línguas celtas, geralmente classificados como Celtic Continental. Era uma língua indo-européia, como pode ser inferida a partir de apenas um exemplo, a palavra rix , que significa "rei" (cf. Vercingeto rix ), que pode ser comparada com a Latina rex eo Irish ri ou Righ. Este é traçado de volta a uma hipotética palavra indo-européia re ou rege , que também encontra eco na Hindu rajá .

A sílaba GL ocorre muitas vezes em hebraico, com vários sons de vogais. Como mencionado anteriormente, as vogais não foram escritos em hebraico antigo, portanto, as palavras variam muito, mas as duas consoantes básicas permanecem as mesmas. Podemos comparar Gileade e Galiléia, ambos da mesma origem. Os hebreus que foram transportados para o cativeiro pelos assírios e babilônios se referiram como gola ou o exílio , ambos significando exilados. A palavra Celt , obviamente, vem da mesma fonte, para um disco "g" facilmente se torna um "c" . Considere os outros celtas das Ilhas Britânicas, que falam gaélico até hoje, e que são conhecidos como gaélicos. O nome "Portugal" significa Porto da Gália. Concordância de Strong diz que "cativeiro" pode ser processado pela gola, galah , e galuwth , sendo este último próximo ao "Gálatas" .

Justin, o historiador romano do século 3 dC, afirmou que os gauleses alegou uma origem da Grécia. Ele disse que eles tomaram posse das partes onde Nova Cartago stands (Cartagena, Espanha) e passou a partir daí para Gallaecia (Galiza, NW Espanha). É bem conhecido que os povos celtas habitado estas peças, e perante este colônias foram estabelecidas por marinheiros fenícios e hebreus que trocaram extensivamente no Mediterrâneo. Houve um grande elemento israelita em fenícios, nomeadamente, da tribo de Dan. Débora, a profetisa reclamou que Dan não participou nas guerras entre as tribos no tempo dos juízes, porque eles tinham levado para seus navios e estavam ausentes do seu território palestino.

Gileade ficou além do Jordão, e Dã por que se deteve com seus navios? (Juízes 5:17)

Território de Dan fronteira que os fenícios, por isso, não é inconcebível que eles se juntaram com eles em empresas-se saindo do mar. Os fenícios foram creditados com o estabelecimento de Massilia (Marselha) como um dos portos mais antigos do sul da França, por isso não é provavelmente um elemento de Dan nessa área.

Vários Apóstolos abordou estas pessoas espalhadas, incluindo James,

Tiago, servo de Deus e do Senhor Jesus Cristo, às doze tribos da Dispersão, saúde. (Tiago 1: 1)

e Paulo, em Romanos 11: 1-2, diz

Digo, pois: Porventura rejeitou Deus o seu povo? Deus me livre. Porque eu também sou israelita da descendência de Abraão, da tribo de Benjamim. Deus não rejeitou o seu povo, que antes conheceu.

Os imigrantes mais recentes, os francos, de quem a França leva o seu nome, eram chamados de "Fraggoi" pelos gregos. Eles entraram em França a partir da área do Baixo Reno, que preservou o nome de Franconia. Foi dito que eles se originaram na Frígia, que era um território próximo Troy na atual Turquia. Eles começaram a se estabelecer na França por volta do século III dC Eles eram um povo de língua germânica. Apesar de terem sido provavelmente uma mistura de raças, é provável que havia um elemento israelita.

Também parece que não são descendentes dos cavalos de Tróia, na França, para a tribo que fundou Paris foram os Parisi (a Guerra de Tróia foi causada pelo rapto de Helena por Paris). Há também Troyes, que deve ter sido nomeado para o antigo lar do Parisi . Trojans veio para a Inglaterra, e fundada em Londres, que eles chamaram de "New Troy" , por isso é possível que outras instalaram-se na Gália.

É bem conhecido que os normandos, que se estabeleceram no norte da França, eram vikings da Noruega, e eles foram em grande parte da tribo de Benjamin, que pode ser inferida a partir de sua heráldica. Em Gênesis 49:27 lemos:

Benjamim Ravin como um lobo: pela manhã devorará a presa, e à tarde repartirá o despojo.

Este deve ter querido dizer que o povo de Benjamin seria corajosa e guerreira. O que é tão importante é que os normandos tinham o lobo como um símbolo e eram conhecidos como lobos-marinhos.

Muitos escritores mensagem do Reino pensar que não são membros da tribo de Rúben, na França. Território de Rúben estava em Gileade, a leste do rio Jordão. Aqui encontramos as duas consoantes GL novamente.

A quarta "brigada" líder do acampamento de Israel no deserto foi Reuben. Esta tribo dos filhos de Jacó-Israel acampados no lado sul da praça vazia, e foi acompanhado por tribos de Simeão e Gade, descendentes de irmão e half.brother de Reuben.

Rúben era o primogênito de Jacó-Israel, e, como tal, deveria ter herdado o direito de primogenitura. Sua história é semelhante ao de Esaú, irmão de Jacó, que tão pouco se importava para sua herança que ele vendeu para Jacob para uma refeição. Reuben não desprezou sua primogenitura suficiente para vendê-lo, mas seu pecado levou a perder o privilégio. Ao longo da história de Israel, Deus permitiu que o direito de primogenitura a ir de o herdeiro natural para o homem que seria mais valor-lo e fazer a Sua vontade. Às vezes é necessário para o cumprimento do Plano de Deus que a transferência deve ocorrer.

Reuben não foi completamente ruim, pois ele mostrou preocupação com seu irmão mais novo, José, quando os outros irmãos, ciúmes que Jacob favorecidas ele, conspiraram para matá-lo. Ele alegou que o menino não deve ser morto, mas deixou em um poço no deserto, onde havia alguma esperança de que ele poderia ser resgatado. (Gênesis 38:12 - 22) .

Apesar de sua deserdação, Reuben desempenhou o seu papel nas migrações, e deixou sua marca na heráldica das nações israelita, da mesma forma como aqueles das tribos de seus irmãos. Na bênção das tribos de Moisés (Deuteronômio 33: 6) , ele deu uma noção da graça de Deus para com o pecador, quando ele disse "Viva Rúben e não morra" . Reuben é mencionado como estando entre o Israel de Deus em Apocalipse 7: 5, ea história do patriarca dá esperança de redenção e salvação aos pecadores, especialmente os da atual dispensação que têm a bênção das promessas e do sacrifício de nosso Senhor Jesus Cristo.

É possível que o nome da cidade de Rouen, no norte da França reflete a liquidação de alguns descendentes de Rúben.

Nós não devemos ficar surpresos ao encontrar todos esses casos, se estamos conscientes das rotas seguidas pelos Dez Tribos nas suas migrações para o oeste, para fundir a Nação Servo.

Eles tornaram-se nações franja ocidental da Europa e das ilhas britanicas.

FONTE www.tempodeavivamentopentecostal.blogspot.com