Translate this Page

Rating: 2.9/5 (954 votos)



ONLINE
6




Partilhe este Site...

 

 

<

Flag Counter

mmmmmmmmmmm


// ]]>


historia da interpretação do apocalipse
historia da interpretação do apocalipse

 

        Uma Breve História da Interpretação do Livro do Apocalipse

 

O nosso grande Deus Soberano tem a primeira palavra, a palavra intermediária ea última palavra. Esta é a linha de fundo do livro culminante e conclusivo no cânon bíblico. Como apt, como montagem, como apropriado. Como Gênesis começa com a criação dos céus e da terra, o homem ea mulher, rios, a árvore da vida, paraíso perdido, com a entrada do pecado, a ascensão de Babel, morte e exclusão - e agora o Apocalipse, livro de resultados de Deus , caps off Sagrada Escritura com o Novo Céu e Nova Terra, o último Adão e sua noiva, "o rio da água da vida", paraíso recuperado na cidade jardim de Deus, a condenação de Babilônia, a vida e reconciliação para o Senhor própria - Eden mais de restaurado - e nós nos maravilhamos novamente na perfeição, a beleza arquitetônica e gênio da Sagrada Escritura! Não admira que Satanás e seus asseclas odeio o Apocalipse! 1

..... sua canonicidade foi contestado. quase universalmente aceite no oeste

mas contestada por Eusébio e do Oriente por causa de seu ódio chiliasm. Westcott e Laird colocar para fora as provas -. Solidamente trancada no lugar 2

..... sua autoria tem sido debatida. Apesar de algumas diferenças estilísticas e outros, Beasley-Murray afirma "as afinidades entre o Evangelho de João eo Apocalipse." 3 o apóstolo João é o seu autor.

1 DHLawrence: "A obra de uma mente de segunda categoria - apelando para mentes de segunda categoria." Ataque típica.

2 BFWestcott, uma análise global da História da Canon do Novo Testamento (1889); R. Laird

Harris, Inspiração e Canonicity da Bíblia (1957). A evidência é enorme.

3 GRBeasley-Murray, Novo Comentário Bíblico (1953) 1168.

...... que foi tristemente ignorada em muitos círculos. Os primeiros Lutero teria

nada disso; o venerado João Calvino se recusou a escrever um comentário sobre ele e Zwingli não acho que foi um verdadeiro livro da Bíblia, etc, etc Grievous.

...... Sua data de meados dos anos noventa foi assaltado, mas Mark Hitchcock mais ultimamente e outros fizeram um caso decisivo da data tradicional para. Esta é a chave!

...... E ainda é verdade, como RH Charles observado há muito tempo:

"Desde os primeiros séculos da Igreja, tem sido universalmente admitido que o Apocalipse é o livro mais difícil de toda a Bíblia." 4

Sempre tivemos que lidar com os "sabe-nada", como Gloagg que argumentavam que ninguém sabe o que significa Apocalipse ou Martin Kiddle que escreveu sobre o Apocalipse para o Moffatt Comentários que defendia que

" Apocalipse está cheio de obscuridades - o livro é tão estranho como se tornar sem sentido -. estudiosos estão perdidos no labirinto Visions são tingidas com incoerências de modo que a maior parte do livro parece incapaz de explicação razoável - tais fantasias e contradictions- incoerente -intentionally enigmática Os primeiros leitores tinham a chave-mestra que desvendou os mistérios -. que perdemos a chave ... " 5

Tanto para intenção autoral. Em seguida, ele escreve 460 páginas do livro!

LANÇAMENTO DO INTERPRETAÇÃO ECLESIAL DE APOCALIPSE

A igreja primitiva era praticamente universal na realização do iminente retorno e pré-milenar de Cristo e estava empenhada em seu interesse e uso do livro do Apocalipse. Ela ainda não tinha formulado ou desenvolveu um sistema de entendimento escatológico e não foi claro sobre a parusia de dois estágios (como acontece com cristológica, trinitária e doutrina soteriológica), mas isso estava por vir. Os primeiros intérpretes percebido o inter-travamento da

4 HR Charles, Palestras sobre o Apocalipse, em Wilbur M. Smith, Commentary Wycliff Bible (1962) 1491

5 Martin Kiddle, O Apocalipse de São João - Moffatt (1940) xvii-xxi

reservar com o OT (com seus 278 alusões, principalmente de Daniel, Ezequiel e Zacarias). Esta inter-travamento inclinado los fortemente ao futurismo. Eles derivado imenso consolo da representação da derrota final da forma final do Império Romano, pois diariamente enfrentou a ferocidade de uma forma mais antiga do Império, em seu próprio tempo de vida (correlacionada com Daniel 2,7).

Embora tenhamos perdido o comentário de Hipólito sobre o Apocalipse (d. 232), temos seu comentário sobre Daniel em que ele enfatiza as destacadas sete anos como a chave para o wrap-up da história do espaço-tempo. Ele vê a sua

ecoar nos 3 anos 1/2, 42 meses e 1260 dias de Apocalipse, bem como o significado de "santos" com base em Daniel 7 e as "virgens" de Apocalipse 14 como companheiros da noiva. Isso Chiliasm foi ortodoxia nesses primeiros séculos é concedido por praticamente tudo, incluindo o amillennial Ned B. Stonehouse de Westminster cuja tese de doutorado foi sobre o Apocalipse na Igreja Primitiva. 6 Simcox é apenas típico pesando sobre a questão:

"Desde o tempo de Tertuliano e Hipólito - para não dizer Justin e Irineu - temos uma expectativa consistente do curso de eventos que precedem o juízo ...." 7

Jerome começa a ter dúvidas sobre Chiliasm e Augustine, uma vez por premillenarian confirmou foi seduzido por Ticónio, o donatista lay-teólogo que foi tingido por inclinações alegorizando de Orígenes. Sua domesticação desastroso do Reino faz o Apocalipse incompreensível e representa o abandono da escatologia. A

6 Ned B. Stonehouse, O Apocalipse na Igreja Antiga (1929). Mostra Vitorino (d.304) serra

claramente que o reinado de terror do Anti-Cristo foi ao clímax em três anos e meio de tirania.

7 G.A. Simcox, O Apocalipse de São João, o Divino , em Wilbur M. Smith, op. cit. 1493

Existe Igreja como o reinado 1.000 anos entre os dois adventos e Apocalipse não faz previsões sobre eventos específicos de outras que a soltura de Satanás por um curto enxurrada no final dos mil anos.

Definhando em letargia DO STATUS QUO

Embora a compreensão futurista de Apocalipse foi em grande parte sufocado por idealista híbrido de Agostinho / poética 8 , havia sempre excepções vigorosos, como St. Patrick o evangelista irlandês que viu mais de 12.000 vir a Cristo. No ano de 1000 dC, houve uma espécie de comoção escatológico (especialmente entre aqueles que de forma latente subscreveu a teoria 6.000 anos da história humana). Apocalipse, com suas visões perturbadoras de julgamento foi retratada nas representações artísticas encontradas em Chancel da igreja em toda a cristandade. Joaquim de Fiore no século 12 desafiaram o miasma agostiniano com sua tese eletrizante: é "no meu tempo" que o Apocalipse será cumprida. Ele escreveu um comentário sobre Apocalipse 9 que enviou ondas de choque em toda a Europa durante séculos.

As repercussões deste historicismo cedo atingiu o Luther mais tarde que praticamente abandonou sua Augustinianism mais cedo e proclamou:. 'O Papa é o anticristo "e, consequentemente, o fim dos tempos está próximo Ele se apressou para terminar o seu comentário sobre Ezequiel para que o retorno do Senhor achar que é incompleto. Os outros reformadores, em vez mansamente seguiu no presente, mas sem o seu entusiasmo berros. historicistas tendem a ver como Apocalipse

8 O espiritualista de interpretação idealista / / poética realmente focas e fecha Apocalipse, cf Daniel 12: 9,

Apocalipse 22:10. Milligan em O Expositor da Bíblia sermões e Tom Torrance dos são exemplos.

a história da humanidade, o surgimento do Islã, a história das Cruzadas, a invenção da imprensa e as Guerras Napoleônicas. John Napier, um escocês, em seu A Plaine Descoberta do Apocalipse Whole de São João (1593), correlaciona-se a derrota da Armada Espanhola em 1588 com "um calendário preciso descoberto em Apocalipse, até mesmo a determinação de que o sétimo e última era da história começou em 1541 e duraria até 1786 " 9

H. Grattan Guiness (1835-1920) representa o clímax do historicismo. Ele era um pregador, educador e missionário estadista dotado. No entanto, ele vê toda a história do papado em Daniel 7 Apocalipse é sobre catolicismo. Sua escatologia complicado figuras 1.260 anos a partir do decreto de Justiniano em 533 dC para a Revolução Francesa. Então? Em seu último livro, em 1917, ele é despertely tentando esticar as datas terminais. Porque o sistema tinha atingido o seu máximo em revisão contínua, é agora kaput. O saudoso e amado David L. Cooper em ver a Primeira Guerra Mundial como o sinal chave do fim tornou-se um historicista / futurista. Então temos todos nós que ver o retorno dos judeus a partir de 105 países para Israel no nosso tempo como um cumprimento significativo da profecia. A mistura de esquemas interpretativos que é cada vez mais comum em nossa época teve o seu início na Idade Média.

Há muito tempo existem preteristas entre nós que vimos a Besta do Apocalipse 13 como Roma; os reis do oriente como generais romanos. O mais interessante é que não há nenhum registro de preterism na igreja primitiva. Nós

9 Jeffrey D. Arthurs, Pregando com Variety: Como reabrir o Dynamics of Biblical Gêneros (Kregel) 2007 À luz de tal absurdo, quase se pode apreciar parecer impertinente de GB Shaw que "Apocalipse é um registro curioso das visões de um viciado em drogas. "

nos apoiaria a idéia de que a queda de Jerusalém está em um sentido real a antecipação proleptic da queda da fase final do quarto grande império mundial de "os tempos dos gentios". Somente aqueles que, como J. Stuart Russell são preteristas consistentes (ou pantelists). A maioria dos preteristas contemporâneos fundir sua preterism com pós-milenarismo e poderia, portanto, ser denominada preteristas "duplex" / futuristas. Muito poucos puristas nesta área.

VIVER no frenesi da febre PROFÉTICA

Na esteira de Joaquim de Fiore da periodização da história e sua visão implacavelmente historicista e futurista do Apocalipse, abalos sísmicos continuaram a fazer-se sentir em toda a Europa. Savonarola pregou poderosamente a partir do livro do Apocalipse, em Florença, na Itália, no século XV. James Reston Jr. nos mostra a atmosfera apocalíptica em Espanha no século XV, em que João, o revelador era o santo padroeiro. Apocalipse estava prestes a ser cumprida - a Igreja como a "mulher" do capítulo doze iria atropelar a serpente debaixo dos seus pés. Entrelaçados em grande parte deste foi intensa antipatia aos judeus. Como o ano de 1500, aproximou-se do jovem artista precoce Nuremberg, Albrecht Durer produzido seus retratos woocut perturbadoras de Apocalipse, o mais famoso dos quais mostra os quatro horsement galopando pelo céu pressentimento. 10

Este foi um daqueles momentos em que a visão de João, conforme descrito no Apocalipse

"Espalhar a exercer uma influência formativa sobre diversos movimentos sociais e

10 James Reston Jr., Cães de Deus: Columbus, a Inquisição ea derrota dos mouros (Doubleday)

2005.

e mais amplos setores da sociedade. " 11 Então as pessoas como disperate como o Sacro Imperador Romano Frederico II e até mesmo Cristóvão Colombo em suas viagens de época para "difundir o Evangelho em todo o mundo" se viam como encaixe para o cenário apocalíptico de Apocalipse. foi há sempre um livro como este em toda a história? Isaac Newton o grande cientista escreveu comentários sobre Daniel e Apocalipse e Roger Bacon viu seu trabalho na ciência como complemento para as profecias do Apocalipse.

Rainha Elizabeth I viu seu tempo (como fizeram muitos de seus súditos, como John Foxe (do Livro dos Mártires fama), como definido em "nestes dias últimos e piores do mundo", como esboçado no Apocalipse. não só no que é normalmente chamada "Reforma Radical" (os anabatistas e profetas de Zwickau), mas em anglicanos mainline firmes como Joseph Mede e Thomas Brightman em Cambridge (quem viu as sete igrejas como prefigurando a história da Igreja), vemos uma absorção fascinante no Apocalipse. A Venerável Bede (673-735), em seu comentário sobre o Apocalipse Latina pode ter seguido Ticónio e Agostinho, mas a maioria seguiu a exegese histórico-gramatical antioqueno de Hipólito, como Bispo Bale (que escreveu o primeiro comentário sobre o Apocalipse Inglês) começou postmillennially ... mas veio a iminência e premillennialism Mesmo que rapscalion James I da Inglaterra escreveu um comentário sobre o Apocalipse Um dos temas cativante de discussão foi a identidade das duas testemunhas em Apocalipse 11 12 Os Puritanos amado Apocalipse - era o único livro

11 Leonard I. Doce, "O Revelatioin de St. John e História", em Christianity Today, 11 de marco de 1973, 9F

12 Rodney L. Peterson, Pregando nos últimos dias: o tema das duas testemunhas no 16tth e

Séculos 17 (Oxford) 1993.

em que Jonathan Edwards escreveu um comentário. John Cotton de Boston

dissertou sua congregação por semanas em Apocalipse 13 e publicou suas reflexões em 1655 Cotton foi um postmill. 13 A Mathers premill.

Os pietistas continentais não eram indolentes nesta efusão do apocalíptico - JA Bengel (1687-1752), o pai da crítica textual, escreveu dois comentários sobre o Apocalipse. Ele influenciou John Wesley para se tornar um premillennialist e foi bastante eclético em sua interpretação do Apocalipse. Os gostos de Vitringa, Cocceius e Philip Spener ficou com Bengel em ver os 144.000 como judeus que seriam convertidos e os 1000 anos no fim do mundo. Ironicamente, Friedrich Engels (de Marx e Engels) estimou que o Apocalipse de São João foi "vale mais do que todo o resto do Novo Testamento juntos", com a qual não concorda, mas nota com interesse. É possível falar de negligência "benigno" deste livro?

Deleitavam-se nas generosidade da escatologia BÍBLICA

Com o colapso virtual do puritano e ortodoxia Pietistic eo atendente e ataque relacionado do racionalismo iluminista, o século 18 teria sido um wash-out desastroso nesta crônica espiritual além do derramamento do Grande Despertar. Não alheios a esse renascimento, são os dias felizes de um interesse renovado no Apocalipse, no século 19 ea sistematização de longo desenvolvimento da escatologia. As várias escolas de pensamento "cavou" mas nenhuma de forma mais dramática e impressionante do que o dispensacionalismo eo pré-tribulacionismo como um sério

13 Documentado em meu The Company of Hope: A History of Profecia Bíblica na Igreja (2004)

tentar em direção a uma hermenêutica literal consistente em que o significado claro, simples, normal, histórico e original do texto é procurado neste gênero literário como em todos os outros. A Conferência Powerscourt na Irlanda e as Conferências Albury, na Inglaterra gerou os gostos de John Nelson Darby e sua família espiritual, que na base do eixo de Daniel / Apocalipse construído um sistema de compreensão verdade profética com notável influência sobre as escolas, empresa missionária e uma vasta fonte de produção literária. Embora nem mesmo consciente de seus precursores em ver a parusia de dois estágios, Darby viu o exegético e necessidade lógica de diferenciação entre o signless vinda de Cristo para os Seus santos ea vinda de inscrição plena de Cristo com seus santos para configurar a milenar Theocratic Unido e regra para 1000 anos.

E no ápice desse projeto hercúleo foi o entendimento do livro do Apocalipse, que, mesmo com uma série de variações idiossincráticas realizada o terreno elevado contra o assalto contínuo de Augustinianism e uma infinidade de outros esquemas incríveis. 14 Uma enorme literatura tem desenvolvido, que reverentemente trata estes temas como culminou e confirmados no Apocalipse. O hymnody sozinho (até Larry Norman "Eu gostaria que tivéssemos sido tudo pronto") é impressionante. Valendo-se das vertentes divergentes da interpretação histórica, veríamos alguns preteristas, idealista, elementos historicistas, mas predominantemente elementos futuristas em Apocalipse. "Há muitos anti-cristos", mas não está vindo "o Anti-Cristo."

14 O livro das Escrituras suscitou tais interpretações absurdas como grande obra de seis volumes de Emmanuel Swedenborg, O Apocalipse Revelado, no qual ele argumenta o Juízo Final teve lugar em 1757 e em 1758 a parusia Ele viveu 1688-1772. Suecos pode ser denso. Ou trabalho Adela Yarbro Collins (ela é professora NT no McCormick), Crise e Catarse: The Power of the Apocalypse (1984), no qual

ela diz que concorda com EDHirsch mas depois corre Revelação através da grade de CG Jung o analista.

Olhando para as PRINCIPAIS QUESTÕES para o intérprete

O livro do Apocalipse, afinal, não é o "a velha loja de curiosidade." Desafiamos desconstrucionismo literário e sua negação dos direitos do autor. Um texto não é um nariz de massa para ser moldado em qualquer forma o seu usuário deseja. Mas em apenas deslizando ao longo de dois mil anos de interpretação, deve-se perguntar: por que houve tanta diferenças e disparidades na compreensão do significado desta "revelação" de Jesus Cristo? Se Peter encontrei algumas coisas "difíceis de entender" nos escritos do apóstolo Paulo, o que diremos sobre o Apóstolo João, em sua obra-prima de Patmos? Por que tem sido tão difícil este livro e assim debatido ao longo de sua longa história?

 

 

1) O texto grego do livro tem suas peculiaridades gramaticais, mas estes são deliberada. O autor parece estar pensando em hebraico, mas escrito em grego.

2) visões apocalípticas abundam em símbolos e imagens. Esta é mais o uso do discurso indireto, como também é visto em narrativas, parábolas, hinos e poesia. O uso da linguagem simbólica não exclui pessoas literais, eventos e números. Às vezes, o símbolo é explicado no texto ou pode ser entendido a partir do contexto mais amplo (por exemplo, mar em Apocalipse 17:15). Nós lutar com o significado da coluna, vários cavalos coloridos, gafanhotos, sol, lua e estrelas, as duas oliveiras, a secagem do Eufrates, chifres e coroas e cabeças. 15 é necessária uma constante referência à outra apocalíptico - viz . o Sermão do Monte de nosso Senhor, as cartas tessalonicenses, etc.

3) forte dependência João do Revelador na OT exige o domínio virtual do Daniel e Zacarias e outros materiais proféticos corolário.

4) A unidade impressionante e estrutura (da série de sevens, quatro, twelves) são

15 Mais útil aqui é a discussão em W. Graham Scroggie, A Grande Unveiling (1979) 55ff

crítica e reconhecer que o livro é mais ou menos cronológica, mas com algumas pausas significativas e parênteses (como nos trinta minutos de silêncio no céu em 8: 1 e segs., como o sétimo selo produz as sete trombetas por unidade, quero dizer que o soberano Deus está sempre chamando ao arrependimento e à salvação. Este é um grande livro de julgamento, mas também de salvação. cenas de adoração celestial interpor em momentos críticos. hinos e linguagem litúrgica abundam como Cristo é o foco de louvor. "O Cordeiro que está no meio do trono", ressalta o Seu vitória através da Sua morte sacrificial ("o sangue do Cordeiro"). Aqui vemos a depravação humana em suas formas mais flagrantes e Julgamento do Grande Trono Branco (não há universalismo aqui), mas Cristo conquistando em combate.

5) visões sucessivas ressaltar mandato de João: "Escreva o que vê" (1:11). 140 vezes que "ver", "contemplar", ou "perceber". Cenas alternadas entre o céu ea terra eo uso de ambos sala do trono e sacrário / TEM imagens ple pouco complicar, mas enriquecem muito a nossa leitura. A "espada afiada de Sua boca" (1:16, 19:15) é abit difícil de visualizar fazendo no entanto quase por um retrato impressionista.

Apocalipse foi dado a nós para ser compreendido - para que nós, que ouvi-lo pode "levá-la ao coração!" (1: 3). Há concomitantes práticas que devem ser seguidas em nossa compreensão do seu significado (22: 7). Em outras palavras, o Apocalipse é um guia para a nossa conduta, bem como a fonte de nossa doutrina. E nós já temos o divino autor do livro, o Espírito Santo, para orientar e direta.

OUVIR da profecia deste livro, porque

O tempo está próximo

As grandes linhas de interpretação são claras, se usarmos uma hermenêutica consistente. Tudo o que está nos 26 livros anteriores das pontes NT em Apocalipse e sua apresentação panorâmica da consumação do século. Onde está toda a semelhança do pessimismo premillenial de que tanto ouvimos? O que um final glorioso como o Alfa eo Omega de quebra-lo - as pessoas terrenas e as pessoas celestiais em seus devidos lugares, a cidade santa ea Nova Jerusalém! Todos os louvores ao nosso Deus! Como CS Lewis diz de Asalen na conclusão de O Leão, a Feiticeira eo Guarda-Roupa :

"Asalen é um grande e poderoso leão, e Asalen é um bom leão."

O texto em seus diversos contextos (unidade de pensamento natural, capítulo, o livro como um todo) é a realidade que procuramos para a minha. Devemos pregar o que o texto não diz que o nosso sistema (embora vamos pregar a partir de um sistema, quer queiramos ou não). As linhas das escolas históricas de interpretação turva, até certo ponto, e estamos todos eclético em um sentido básico. Estamos, afinal procurando escutar o Senhor Deus ", que é, e que era, e que há de vir, o Todo-Poderoso" (1, 8). Para ser substantivamente um preterista parece-me a andar em um cul-de-sac. Como Merrill Tenney colocá-lo tão bem: "O preterista tem uma interpretação que tem um pedestal firme, mas que não tem nenhuma escultura acabado de colocar sobre ela." 16 O idealista é corrrect na busca de princípios aplicáveis ​​mas cortou solto da exegese séria e qualquer intertextualidade.

O historicista é morto na água. Aqui é o lugar onde a história pode ajudar, e não como um substituto para o trabalho duro de exegese ou teologia, mas como uma exposição vital da queda-out das escolas de interpretação e de alerta para todos nós. A

16 Merrill C. Tenney, Interpreting Revelation (1959) 144 Um estudo sábio e prudente.

futurista substantiva está convencido de que as Escrituras (e em particular o Livro do Apocalipse) têm muito a dizer sobre o que Jesus Cristo ainda vai fazer. Ele não está in absentia. Ele não é ignorante e pendurado em perguntando sobre resultados como os "teístas abertos" teria.

O Senhor tem muito ainda que pretende fazer e realizar!

A história da interpretação profética também deve gerar um certo grau de humildade hermenêutica. Como muitos dos nossos camaradas foram atraídas para bypaths doentias e hiper-especulação? Over-alcance e sobre-declaração pode minar a nossa credibilidade tão rapidamente. É cada questão de clareza uniforme? Acreditamos na perspicácia da Sagrada Escritura (sua clareza essencial) - mas é toda interpretação, ao mesmo nível de certeza como é o nascimento virginal de Nosso Senhor? Nós saborear em antecipação a prospecção dos capítulos abençoadas deste livro único e extraordinário que nos foi dado --- mas pode haver questões que não são todos ver exatamente iguais:

 

Quem vai ser as duas testemunhas?

Será que as sete igrejas têm uma aplicação para além do seu primeiro século

lições para, de alguma forma presságio sucessivas e, em alguns casos

idades paralelos na história da Igreja? Algumas grandes mudanças aqui.

O Babylon de 17-18 mais europeu ou mais do Oriente Médio? A

Comitê da Bíblia Scofield referência original dividido ao meio

sobre esta questão. Poderia ser os dois? Tem tornou Babilônia código para o

sincretismo último imenso como "Gog e Magog", usado no Apocalipse

20 ilustra a telescópica profética da guerra 38-39 Ezequiel?

Lembre-se de William R. Newell sentiu a primeira besta em Apocalipse 13 é o

Anti-Cristo no fim dos tempos (como eu tenho certeza que a maioria de nós), mas caro HA

Ironside vi a segunda besta da terra como o Anti-Cristo.

Onde e quando será "a ceia marrige do Cordeiro?"

Eu sempre fui a certeza de que "a noiva" no capítulo 19 é a Igreja e

então eu li o meu amado Graham Scroggie. Eu ainda não estou convencido.

Quem são os 24 anciãos? Parece tão claro para mim, mas não para outros que possam

não ser mais velhos do que eu, mas mais sábio e mais perceptivo?

Às vezes, nestas questões, simplesmente reconhecer que há

uma diferença de opinião sobre o assunto será suficiente sem desnecessariamente

mastigando um tempo precioso com a argumentação complexa e interminável.

Depois é só seguir em frente e anunciar o Evangelho!

O que uma escolha afortunada de um assunto para a nossa deliberação nestes dias. Caro velho Lange em 1870 colocar desta forma:

"Sem dúvida, no futuro, a importância ea influência deste livro (o Apocalipse) vai aumentar constantemente com a crescente confusão e tristeza dos tempos, com o aumento do perigo que eles oferecem ao som e fé sóbria." 17

Ou, para concluir com o testemunho de G. Campbell Morgan, cujo amor pela Palavra tem sido uma grande benção para tal que muitos de nós:

"Não há nenhum livro da Bíblia que eu li tantas vezes, nenhum livro a que eu tentei dar uma atenção mais paciente e persistente ..... não há nenhum livro na Bíblia para que eu vire mais ansiosamente em horas de luta e batalha do que isso, com todos os seus mistérios e tantos detalhes que eu não entendo totalmente .... " 18

"Àquele que nos amou e nos libertou dos nossos pecados em seu próprio sangue e nos fez para ser um reino de sacerdotes para o seu Deus e Pai --- A ele seja a glória eo poder para todo o sempre! AMEN "(1, 5b-6)!

17 na Wilbur M. Smith. op. cit. 1501. observação interessante pelo Dr. Paul Boyer, da Universidade de Wisconsin, em sua Quando o tempo não será mais (Harvard, 1992): "O setor energizado mais dinâmica (American) a religião tem sido a evangélica ea visão .

fonte   WWW.ESTUDARESCATOLOGIABIBLICA.BLOGSPOT.COM