Translate this Page

Rating: 3.0/5 (905 votos)



ONLINE
2




Partilhe este Site...

 

 

<

Flag Counter


historia das cruzadas (cronologia)
historia das cruzadas (cronologia)

 

Cronologia das Cruzadas:

 

«Peregrinos diante da Igreja do Santo Sepulcro
de Jerusalém, guardada por Sarracenos.»

A expansão Árabe antes das Cruzadas

 
(622-1089)

622:

Maomé (570-632) é obrigado a sair de Meca, retirando-se para Medina (cidade do Profeta). Começo da Hégira (exílio), ponto de partida do calendário muçulmano (16 de Julho de 622).

630, 1 de Janeiro:

Maomé regressa a Meca, após ter derrotado as forças de Meca e os seus aliados. A nova doutrina triunfa na Arábia.

632:

Morte de Maomé em Medina. Abu Bakr é escolhido por aclamação como primeiro califa. Os falsos profetas são derrotados, e as tribos rebeldes derrotadas.

634 – 644:

O califa Omar, o primeiro a usar o título de Amir al-Mu'minin (príncipe dos Fiéis), transforma o Estado nacional árabe num império teocrático internacional e estabelece uma administração militar. O chefe das tropas de ocupação transforma-se em governador civil, chefe religioso e juiz temporal.

634:

Teodoro, irmão do imperador bizantino Heráclio, é derrotado em Ajnadayn, entre Gaza e Jerusalém, pelo exército árabe.

636:

Derrota do exército bizantino em Yarmuk, ao sul do Lago Tiberíades.

638:

O califa Omar apodera-se de Jerusalém. Conquista da Palestina e da Síria.

639-641:

Conquista da Mesopotâmia, actual Iraque, pelos exércitos árabes.

642:

Conquista do Egipto, negociada pelo patriarca de Alexandria. As condições acordadas garantiam a segurança de pessoas e bens, e a liberdade de culto para os cristãos. Fundação do Cairo (al-Fustât)

649:

Conquista de Chipre.

655:

Conquista de Cabul.

687:

Começo da construção da mesquita de Omar em Jerusalém.

711:

Invasão da Península Ibérica. Derrota de Rodrigo, último rei Visigodo de Espanha.

 

Conquista da região do Indo (actual Paquistão e Afeganistão).

716 - 717:

Cerco de Constantinopla

732:

Batalha de Poitiers. Fim da expansão árabe na Europa.

747:

Sublevação abássida no Kkorassan.

750:

Derrota do último califa Omíada de Damasco na batalha do Grande Zab, na Pérsia revoltada pelos Chiitas.

750 – 1258:

Dinastia Abássida (de Abbas, tio de Maomé), sedeada em Bagdade, cidade inteiramente nova construída nas margens do rio Tigre. Fundada por Abu al-Abbas.

755 – 103:

Emirado, e mais tarde Califado (929), Omíada de Córdova, na Península Ibérica. Fundado por Abd al-Rahman, fugido do massacre dos omíadas em Damasco.

c. 800:

Mercadores muçulmanos em Cantão. Fábrica de papel fundada em Bagdade.

809:

Morte do califa Haroun al-Rachid, conhecido pelas Mil e Uma Noites. Apogeu do império árabe.

825:

Ocupação da ilha de Creta pelos muçulmanos.

827:

O Mu'tazilismo, escola do Islão clássico fortemente influenciada pelo racionalismo, é proclama doutrina oficial.

830:

Primeiras peregrinações a Santiago de Compostela. Depois de se ter encontrado o túmulo em 813.

831:

Conquista de Palermo, na Sicília, pelos Árabes

842:

Conquista de Messina, na Sicília, e de Tarento, na Península Itálica, pelos Árabes

842 – 902:

Conquista da Sicília pelos Árabes.

846:

Incursão muçulmana em Roma.

857:

Morre Muhâsibi, um dos primeiros mísiticos (Çufis).

864:

Surge a doutrina do «encerramento das portas do raciocínio individual» em matéria de interpretação da Lei.

868-883

Revolta dos escravos negros (Zandj) no Baixo-Iraque.

869:

Conquista árabe da ilha de Malta.

874:

Nascimento do teólogo al-Ash'ari: conciliação do racionalismo mu'tazilita com o tradicionalismo sunnita.

875:

Massacre dos comerciantes muçulmanos na China.

940 – 1258:

O califado dos Abássidas deixa de ter qualquer importância política. Devido ás revoltas chiitas, e à incapacidade do califa, aparecem várias dinastias locais cujos príncipes tomam o título de califa.

960:

Conversão ao Islão dos Turcos Qarakhânidas.

961:

Reconquista de Creta pelos bizantinos.

962:

Fundação da dinastia Ghaznévida, no Afeganistão, primeira dinastia turca no mundo muçulmano. Existirá até 1186.

 

Os Bizantinos retomam Alepo.

969:

Os Fatimidas, dinastia aparecida no Norte de África por volta de 910, apoderam-se do Egipto.

 

Fundação do novo Cairo (al-Aâhira).

 

Os Bizantinos voltam a ocupar Antioquia.

993:

Nascimento de Ibn Hazm, poeta e teólogo andaluz: apologia da interpretação literal do Corão e da tradição.

996:

Massacre de mercadores de Amalfi, porto no sul de Itália, no Cairo.

997:

Incursão muçulmana contra S. Tiago de Compostela.

1009:

O califa fatimida do Cairo, al-Hakim, manda destruir as igrejas de Jerusalém.

1017:

Começo da pregação druza.

1019:

Proclamação, pelo califado de Bagdade, de um credo de inspiração hanbalita, uma das quatro escolas do Islão sunnita, que se caracteriza pela sua atenção ao respeito da tradição corânica e profética. Uma 2ª proclamação dá-se em 1042 e uma 3ª em 1053.

1031:

Fim do Califado de Córdova. As possesões muçulmanas da Península Ibérica são repartidas em principados (tawa'if), conhecidos por Taifas.

1035:

Peregrinação a Jerusalém de Roberto, o Diabo (ou o Magnífico), duque da Normandia.

1036:

Muçulmanos e Bizantinos concordam em reconstruir as igrejas cristãs de Jerusalém.

1040:

Vitória dos Turcos Seljúcidas sobre os Ghaznévidas em Dandanaqan.

1043:

Miguel Cerulário torna-se patriarca de Jerusalém.

1054, 25 de Julho:

Cisma entre Roma e Constantinopla. Miguel Cerulário, excomungado pelo papa Leão IX, excomunga todos os latinos.

1055:

Os Turcos seljúcidas conquistam Bagdade.

1062:

O papa Alexandre II concede o perdão dos pecados a quem combater os muçulmanos.

1063:

Cruzada de cavaleiros borgonheses à Península Ibérica. O exército cruzado conquista a cidade de Barbastro, em 1064, após 4 meses de cerco.

1064:

O arcebispo Gunther de Maiença e os bispos Guilherme de Utrecht e Otto de Ratisbona organizam uma peregrinação de 7.000 pessoas a Jerusalém.

1071, 19 de Agosto:

Os Bizantinos são derrotados pelos Turcos Seljucidas em Manzikert.

Cerca de 1080:

Mercadores de Amalfi fundam, perto do Santo Sepulcro, o hospital de São João de Jerusalém, para recolher os peregrinos pobres.

 

Fundação da seita muçulmana dos Assassinos.

1081:

Aleixo Comneno, imperador do Oriente.

1082:

Devido à ajuda prestada contra os Normandos, Veneza obtêm o direito de comerciar em todo o Império Bizantino, sem pagar direitos alfandegários.

1084:

Antioquia cai nas mãos dos Turcos.

1085:

Os Normandos dominam a Sicília.

 

Conquista de Toledo por Afonso VI de Castela.

1086:

Afonso VI de Castela é vencido na batalha de Sagrajar pelos berberes almorávidas, chamados à Península Ibérica pelos reis muçulmanos das Taifas, devido à conquista de Toledo.

1086 – 1090:

Peregrinação à Terra Santa do conde de Flandres, Roberto de Frison.

1087:

Cruzada francesa a Espanha, organizada por Urbano II, e dirigida por Raimundo de Saint-Gilles, conde de Toulouse e Eudes I, duque da Borgonha.

1090:

Conquista de Malta pelos Normandos.

 

Os «Assassinos» apoderam-se do castelo de Alamute, na Pérsia.

1092:

Os «Assassinos» matam o vizir Nizam al-Mulk.

 

 

 

Pedro, o Eremita discursa aos cruzados diante de Jerusalém.

A Primeira Cruzada 

e os novos estados da Terra Santa 

(1096 - 1099 - 1143)

 

1095, começos:

Aleixo I Comneno, imperador bizantino, envia uma embaixada ao papa Urbano II, para lhe pedir ajuda.

1095, Primavera

O papa Urbano II inicia a sua viagem a França.

1095, 18 de Novembro:

Abertura do Concílio de Clermont.

1095, 26 de Novembro:

Urbano II lança o seu apelo à Cruzada.

1096, Abril:

Partida da Cruzada popular dirigida por Pedro, o Eremita, e Gautier Sans Avoir. Massacres de judeus na Renânia.

1096, 6 de Julho:

Concílio de Nimes: Urbano II confia a Raimundo de Saint-Gilles o comando de uma das expedições à Terra Santa.

1096, 1 de Agosto

A Cruzada popular chega a Constantinopla.

1096, Verão:

Partida da Cruzada dos barões (Godofredo de Bulhão; Raimundo IV conde de Toulouse; Boemundo de Tarento; Estêvão conde de Blois; Tancredo de Hauteville e Roberto II conde da Flandres). O imperador alemão, Henrique IV, e o rei de França, Filipe I, estando excomungados, não puderam dirigir a Cruzada.

1096, 21 de Outubro:

As tropas turcas e búlgaras do sultão de Niceia, Kilij Arslan, aniquilam a Cruzada popular na Anatólia. Pedro, o Eremita escapa ao massacre e foge para Constantinopla.

1096, 23 de Dezembro:

Chegada de Godofredo de Bulhão a Constantinopla. O imperador de Bizâncio exige, e obtém, após muitas recusas, a promessa de restituição das terras e das cidades retomadas aos muçulmanos, e a aceitação da sua suserania sobre as novas conquistas.

1097, fim de Abril:

O exército dos barões abandona Constantinopla, passando para a Ásia Menor.

1097, Maio:

Tiro cai nas mãos dos Fatimidas do Egipto.

1097, Junho:

Tomada de Niceia pelos cruzados, restituída a Bizâncio.

1097, 1 de Julho:

Vitória franca contra o sultão turco de Iconium (Konya), em Dorileia.

1097, 13 de Setembro:

Os cruzados dividem o exército em dois forças em Heracleia.

1097, 20 de Outubro:

Chegada dos cruzados a Antioquia, e começo do cerco.

1097, 15 de Novembro:

Balduíno de Bolonha abandona o campo dos cruzados e toma a direcção de Edessa, devido ao pedido de apoio do príncipe arménio da cidade.

1098, Fevereiro:

Os Bizantinos abandonam o cerco de Antioquia. Balduíno chega a Edessa.

1098, Março:

Balduíno de Bolonha proclama-se príncipe de Edessa, após a morte de Thoros, príncipe arménio, que lhe tinha pedido ajuda e o tinha adoptado. Funda assim o primeiro Estado Latino do Oriente.

1098, 3 de Junho:

Tomada de Antioquia pelos Cruzados. Boemundo I de Tarento, chefe dos normandos da Itália meridional, recusa devolvê-la aos bizantinos e proclama-se príncipe de Antioquia.

1098, 4 de Junho:

Os cruzados são cercados em Antioquia por um exército de socorro, comandado por Kerbogha, enviado pelo Sultanato seljúcida da Pérsia. 

1098, 14 de Junho:

Pedro Bartolomeu descobre a Santa Lança debaixo das lajes de uma igreja de Antioquia.

1098, 28 de Junho:

Os cruzados de Antioquia derrotam as forças sitiantes muçulmanas.

1098, 26 de Agosto:

Os Fatimidas ocupam Jerusalém.

1098,12 de Dezembro:

Os cruzados apoderam-se de Maarat An Noman, na Siria. A população é massacrada e a cidade destruída.

1099, 13 de Janeiro:

Os Francos retomam a sua marcha para Jerusalém.

1099, 2 de Fevereiro:

O exército passa por Qal'at-al-Hosn, o futuro Krak dos Cavaleiros.

1099, 7 de Junho:

O exército franco chega a Jerusalém.

1099, 13 de Junho:

Primeiro assalto à cidade, sem qualquer preparação prévia, que falha.

1099, 10 de Julho:

Assalto a Jerusalém. A muralha circundante é atravessada.

1099, 15 de Julho:

Conquista de Jerusalém pelos cruzados. Massacre da população muçulmana e judia.

1099, 12 de Agosto:

Os Francos derrotam os Egípcios em Ascalon, na costa mediterrânica, a norte de Gaza.

1099, 22 de Julho:

Eleito rei de Jerusalém pelos barões, Godofredo de Bulhão só aceita o título de defensor do Santo Sepulcro.

1099, 1 de Agosto:

Arnoul Malecorne, patriarca de Jerusalém. É substituído em 31 de Dezembro por Daimbert, bispo de Pisa, legado do papa.

1100:

Acordo comercial entre Veneza e o Reino Franco de Jerusalém.

1100, 18 de Julho:

Morte de Godofredo de Bulhão. Balduíno de Bolonha, irmão de Godofredo, príncipe de Edessa, é coroado primeiro rei de Jerusalém em Belém, no dia 25 de Dezembro.

1100-1101:

Cruzadas de socorro. Cruzada lombarda (1) dirigida pelo arcebispo de Milão, Anselmo du Buis, Raimundo de Saint-Gilles, Estêvão-Henrique, conde de Blois, Estêvão, conde da Borgonha e o primeiro oficial do Santo Sepulcro, Conrado. Cruzadas de Nevers (2) e da Aquitânia (3). Nenhuma delas consegue atravessar a Ásia Menor, sendo sucessivamente vencidas por uma coligação dos diferentes potentados turcos da Anatólia.

1101, Março:

Tancredo de Hauteville, um dos chefes da primeira Cruzada, abandona Jerusalém regressando ao Ocidente por Antioquia.

1101, 17 de Maio:

Os Francos tomam Cesareia.

1102:

Raimundo de Saint-Gilles toma Tortosa.

 

Vitória de Balduíno em Ramla.

1103:

Início do cerco de Trípoli pelos Francos.

1104, 7 de Maio:

Derrota dos Francos em Harran: Balduíno du Bourg é feito prisioneiro. Paragem do avanço da Cruzada na Mesopotâmia, que se dirigia para Mossoul, no rio Tigre.

1104, 26 de Maio:

Os cruzados tomam Acre com a ajuda de uma esquadra genovesa.

1105, 28 de Fevereiro:

Raimundo de Saint-Gilles morre em Mont-Pèlerin, durante o cerco de Trípoli. É sucedido por Bertrand de Saint-Gilles.

1105-1113:

Os «Assassinos» redobram de actividade.

1108:

Conflito entre Tancredo e Balduíno du Bourg a propósito da restituição de Antioquia a este último.

1109, Julho:

Trípoli cai na mão dos Francos. O conde Bertrand conquista finalmente a cidade de que é titular.

1110:

Conquista do Castelo Branco (Safita) e do Krak dos Cavaleiros.

1111:

Mawdud, emir ortoqida de Mossul, ataca os Francos, e massacra a população de Edessa quando esta se dirigia para a margem ocidental do rio Eufrates.

1113:

Bula do papa Pascoal II reconhecendo oficialmente a ordem do Hospital de São João de Jerusalém.

1115:

Conquista pelos francos do castelo de Shawbak (Montréal), a sul do Mar Morto.

1118:

Morte do imperador Aleixo Comneno; a sua filha Ana começa a redacção da Alexíada.

1118, Abril:

Morte de Balduíno I; sucede-lhe Balduíno du Bourg.

1119:

Batalha de «Ager sanguinis» (do campo de sangue). O emir el Ghazi, de Diyarbakir aniquila o exército franco de Antioquia, pertp de Atareb.

1119-1120:

Nove cavaleiros ocidentais fundam, em Jerusalém, a Milícia dos Pobres Cavaleiros de Cristo (Futura Ordem do Templo).

1123, 29 de Maio:

Os Egípcios são derrotados em Ibelin pelo primeiro oficial do rei, Eustáquio Garnier, regente do reino durante o cativeiro de Balduíno II.

1124, 7 de Julho:

Tomada de Tiro pelos cruzados.

1129, Janeiro:

Concílio de Troyes: a Ordem do Templo é oficialmente reconhecida pelo papa Honório III.

1129, 18 de Junho:

Zinki instala-se em Alepo; faz apelo à Jihad contra os Francos.

1131, 14 de Setembro:

Morte de Balduíno II; Foulques V, de Anjou, rei de Jerusalém.

1135:

O Hospital de São João de Jerusalém transforma-se em ordem militar.

1142:

O Krak dos Cavaleiros é cedido aos Hospitalários de São João.

1143, 25 de Dezembro:

Zinki, atabaque de Alepo e de Mossul, toma Edessa.

 

 

 

«O rei de França Luís VII e o imperador Conrado III partem para a Segunda Cruzada»





A Segunda Cruzada 

e o aparecimento de Saladino 

(1147 - 1149 - 1189)

 

1145, 14 de Dezembro:

O Papa Eugénio III proclama a 2.ª Cruzada.

1146, 31 de Março:

Sermão de São Bernardo de Claraval na basílica de Vézelay, a pregar a Cruzada.

1146, 15 de Setembro:

O atabaque de Alepo, Zinki é assassinado pelos seus pajens. O reino de Edessa é partilhado pelos seus dois filhos, Ghazi e Nur ed-Din.

1146, 27 de Outubro – 3 Novembro:

Jocelino II reocupa Edessa.

1146, 25-27 de Dezembro:

São Bernardo de Claraval ordena a Conrado III, imperador alemão, que dirija a cruzada.

1147:

Partida do rei de França, Luís VII, e de Conrado III para a Palestina.

1147, 4 de Outubro:

Luís VII chega a Constantinopla.

1147, 26 de Outubro:

Os cruzados alemães, abandonados pelos bizantinos, são esmagados em Dorileia.

1148, Março:

Luís VII desembarca em Antioquia.

1148, 23 de Julho:

As tropas francesas, os sobreviventes da cruzada alemã e os cavaleiros da Terra Santa põem cerco a Damasco. Abandonam-no cinco dias depois, sem terem conseguido conquistar a cidade.

1149, Primavera:

Luís VII e Conrado regressam a França. A Segunda Cruzada falha e o mito da invicibilidade dos Francos é destruído.

1149, 29 de Junho:

Nur ed-Din derrota os francos em Ma'arra, e mata Raimundo de Poitiers.

1150:

Perante a ameaça muçulmana, Balduíno III abandona Turbessel e outras fortalezas do Norte do reino de Jerusalém.

1153, 19 de Agosto:

Os Francos tomam Ascalon, que lhes resistia desde a Primeira Cruzada.

1153, 20 de Agosto:

São Bernardo morre no mosteiro cistercense de Claraval, de que era abade desde 1115.

1154:

Nur ed-Din entra em Damasco.

1155:

Ataque normando contra Alexandria, no Egipto.

1155-1156:

Renaud de Châtillon, príncipe de Antioquia, põe Chipre a saque.

1158:

Harim é retomada por Balduíno III.

1159:

O Príncipe de Antioquia reconhece o Imperador Bizantino como seu suserano.

 

Os Francos com a ajuda dos Bizantinos põem cerco a Alepo.

 

Os Bizantinos fazem a paz com Nur ed-Din.

1162, 10 de Janeiro:

Morte de Balduíno III. O seu sobrinho, Amaury I sobe ao trono de Jerusalém.

1164:

Amaury I cerca Pelusa, mas tem que levantar o cerco porque Nur ed-Din retoma Harim.

1167:

Amaury I, rei de Jerusalém, ocupa o Cairo.

1168:

Expedição de Amaury I ao Egipto, que fracassa.

 

Nur ed-Din reocupa o Cairo.

1169:

Saladino (Salah ed-Din), fundador da dinastia curda dos Ayyubidas, é nomeado vizir do Egipto por Nur ed-Din, califa de Damasco.

1170:

Amaury I bate Nur ed-Din no Mar Morto e Saladino em Gaza.

1171:

Saladino suprime o califado fatimida do Cairo. A divisão dos muçulmanos entre o califado de Damasco e o califado do Cairo desaparece.

1173:

Saladino manda construir uma nhanqab (convento) no Cairo. Adopta o título de malik - rei - e ocupa o Alto Egipto e envia uma expedição ao Iémen.

1174, 15 de Maio:

Morte de Nur ed-Din. Saladino apodera-se do poder na Síria.

 

Morte de Amaury I. Começo do reinado de Balduíno IV.

1176:

Os Turcos seljucidas do Rum aniquilam o exército bizantino do imperador Manuel Comneno em Myriocéfalo.

 

Saladino começa a construção da grande cidadela do Cairo.

1177:

Cruzada dirigida pelo conde da Flandres, Filipe da Alsácia.

1177, 25-26 de Novembro:

Saladino é derrotado em Montgisard por Balduíno IV.

1179:

Saladino ataca Tiro.

1180:

Saladino e Balduíno IV assinam uma trégua.

1182, Agosto:

Saladino ataca Nazaré e Tiberíade e tenta tomar Beirute para dividir em dois os Estados latinos.

 

Massacre de Latinos em Constantinopla.

1183:

Expedição de Renaud de Châtillon contra Medina. A expedição é aniquilada por Saladino, que se torna o grande vingador do Islão. A trégua de 1180 acaba.

1183-1184:

Saladino ataca Alepo e devasta a Samaria e a Galileia.

1184:

Advento de Abu Yusuf Ya'qub al-Mançur. Apogeu do império almóada..

1185:

Assinatura de uma nova trégua de quatro anos entre Saladino e Balduíno IV.

1187:

Guy de Lusignan torna-se rei de Jerusalém, depois do breve reinado de Balduíno V, impedindo a subida ao trono de Raimundo III de Tripoli, que se refugia em Tiberíade.

 

Renaud de Châtillon ataca uma caravana que se dirigia para Meca, pondo fim à trégua acordada dois anos antes.

1187, 4 de Julho:

Desastre de Hattin, onde Guy de Lusignan é feito prisioneiro.

 

Saladino volta a tomar Acre, Jafa, Cesareia, Sídon, Beirute e Ascalon.

1187, 20 de Setembro – 2 de Outubro:

Cerco e tomada de Jerusalém pelos muçulmanos. O Santo Sepulcro é fechado e as mesquitas reabertas.

 

 

 

«Luís VII, rei de França, cerca São João de Acre»





A Terceira Cruzada 

(1189 - 1192 - 1197)

 

1187:

O arcebispo de Tiro prega a Cruzada.

1188:

Frederico Barba-Roxa, imperador alemão, Filipe Augusto, rei de França, e Ricardo Coração de Leão, rei de Inglaterra, organizam uma Cruzada a pedido do papa Gregório VIII.

1188, 1 de Janeiro:

Saladino abandona o cerco de Tiro, defendido por Conrado de Montferrat, marquês piemontês.

1188:

Saladino conquistou todo o território franco, tirando Tripoli, Tiro e Antioquia.

1189:

Guy de Lusignan, antigo rei de Jerusalém, preso por Saladino, é liberto e cerca São João de Acre.

1189, Maio:

Frederico Barba-Roxa parte para a Terra Santa.

1190:

Fundação da Ordem Teutónica.

1190, 18 a 20 de Maio:

Frederico conquista Konya, capital do sultanato turco da Ásia Menor.

1190, 10 de Junho:

Frederico afoga-se nas águas do Selef na Cilícia.

1190:

A Cruzada alemã dirigida por Frederico da Suábia, filho de Barba-Roxa, dirige-se para S. João de Acre.

1190, 4 de Julho:

Filipe Augusto e Ricardo Coração de Leão partem de Vézelay para a Palestina, passando pela Sicília, onde se demorarão seis meses.

1191, 20 de Abril:

Filipe Augusto desembarca em São João de Acre.

1191, 6 de Maio a 6 de Junho:

Ricardo Coração de Leão conquista Chipre aos Bizantinos, e dirige-se em seguida para São João de Acre.

1191, 12 de Julho:

São João de Acre é reconquistada.

1191, 2 de Agosto:

Filipe Augusto, rei de França, regressa à Europa.

1191, 7 de Setembro:

Ricardo derrota Saladino no palmar de Arsouf.

1192:

Guy de Lusignan, antigo rei de Jerusalem, recebe de Ricardo Coração de Leão a ilha de Chipre, enquanto feudo.

1192, 28 de Abril:

Assassínio de Conrado de Monferrat, senhor de Tiro, rei consorte de Jerusalém, por dois membros da seita dos Assassinos.

1192, Maio:

Henrique II de Champagne casa com Isabel, viúva de Conrado de Monferrat, e torna-se rei de Jerusalém.

1192, 1 e 5 de Agosto:

Batalha de Jafa: vitória de Ricardo Coração de Leão sobre Saladino.

1192, 2 de Setembro:

Paz de Jafa entre Saladino e Ricardo Coração de Leão: trégua de três anos. Os muçulmanos mantêm-se em Jerusalém, mas permitem as peregrinações ao Santo Sepulcro. Os cruzados ocupam uma faixa contínua de território de Tiro a Jafa.

1193, 3 de Março:

Morte de Saladino em Damasco.

1194:

Amaury de Lusignan sucede a Guy de Lusignan no trono de Chipre.

1197, 10 de Setembro:

Henrique II de Champagne, rei de Jerusalem, tendo morrido acidentalmente, Amaury de Lusignan, rei de Chipre, casa com a sua viúva e torna-se rei sob a designação de Amaury ll.

1197, 24 de Outubro

Amaury II reconquista Beirute aos muçulmanos e assina a paz com Melik-al-Adel, sultão do Egipto e irmão de Saladino.

 

 

 

«Os Cruzados conquistam Constantinopla (1204)»





A Quarta Cruzada 

(1202 - 1204 - 1212)

 

1198:

O Papa Inocêncio III proclama a 4.ª cruzada, que será pregada por Foulques de Neuilly e dirigida por Bonifácio I de Montferrat e Balduíno IX de Flandres.

1200, Verão:

Os barões reunidos em Compiègne nomeiam seis representantes, entre os quais Godofredo de Villehardouin, para negociar com a República de Veneza o transporte dos cruzados até à Terra Santa.

1201, começos:

Tratado entre os cruzados e a República de Veneza, para o transporte de 33.500 combatentes até à Palestina, por 85.000 marcos de prata.

1201, 24 de Maio:

Thibaud III de Champagne morre. A 4.ª cruzada perde um dos seus principais chefes.

1201, Agosto:

Bonifácio, marquês de Monferrat, é escolhido para comandante da expedição.

1202, Verão:

Os cruzados chegam a Veneza. Os combatentes e o dinheiro não são suficientes para cumprir o tratado acordado no ano anterior. O doge veneziano Enrico Dándolo propõe a tomada da cidade de Zara, como pagamento do transporte dos cruzados.

1202, Novembro:

Conquista e pilhagem de Zara na costa ocidental dos Balcãs, na Dalmácia.

1203, Janeiro:

Os cruzados recebem uma embaixada de Aleixo Ange, filho do imperador bizantino destronado Isaac ll. Em nome daquele propõem aos cruzados que reponham o basileus no trono em troca de uma ajuda financeira e material para prosseguir a cruzada.

1203, 17 de Julho:

Primeira conquista de Constantinopla. O Imperador Isaac ll é restaurado.

1203, 1 de Agosto:

Aleixo Ange é proclamado imperador associado, com o nome de Aleixo IV, e pede aos cruzados que prolonguem a sua estadia por mais um ano, para fortalecer a sua posição.

1203-1204, Inverno:

As relações entre Francos e Bizantinos degradam-se sensivelmente, devido à falta de cumprimento do prometido por Aleixo IV.

1204, Fevereiro:

Assassínio de Aleixo IV, sendo o pai deste afastado. Aleixo Doukas «Murzuphle», faz-se proclamar imperador, mas também não cumpre as promessas feitas aos cruzados por Aleixo IV.

1204,12 de Abril:

Segunda tomada de Constantinopla pelos Francos. Pilhagem da cidade e massacre da população.

1204, 9 de Maio:

Balduíno IX da Flandres é eleito imperador do Oriente. Torna-se Balduíno I de Constantinopla, dando origem ao Império Latino do Oriente.

1205, Abril:

Morte de Amaury ll, rei de Jerusalém. Maria, filha de Isabel e de Conrado de Montferrat torna-se rainha. Devido a só ter 14 anos, a regência é confiada ao seu tio João de Ibelin, senhor de Beirute.

1210, 14 de Setembro:

João de Brienne casa com Maria de Monferrat, rainha de Jerusalém. A 3 de Outubro o casal é consagrado enquanto rei e rainha de Jerusalém na catedral de Tiro.

1212:

Cruzada das crianças. Milhares de rapazes e raparigas embarcam em Marselha. Os armadores dirigem-nos para Alexandria onde são vendidos como escravos.

 

Uma coligação de forças cristãs vindas de todos os estados hispânicos, derrota os muçulmanos na Batalha de Navas de Tolosa. O reino almóada da Hispânia, existente desde 1145, desaparece.

 

 

 

 

«Tomada de Damieta»

A Quinta Cruzada 

(1217-1221)

 

1215:

Inocêncio III lança um novo apelo à cruzada durante o sermão de abertura do 4.° Concílio de Latrão. Será dirigida por João de Brienne, rei de Jerusalém e André II, rei da Húngria.

1216, Janeiro:

Morte de Inocêncio III.

1217, Setembro:

André II da Hungria e Leopoldo VI, duque da Áustria, desembarcam em Acre para apoiar as tropas reunidas por João de Brienne.

1217, Dezembro:

Os Francos abandonam o cerco da fortaleza do monte Tabor.

1218, 29 de Maio:

O exército de João de Brienne desembarca em Damieta.

1219:

Primeira incursão dos Mongóis de Gengis-Khan contra territórios muçulmanos.

1219, Março:

Os muçulmanos desmantelam as fortificações de Jerusalém.

1219, 5 de Novembro:

Tomada de Damieta pelos cruzados. Fuga do sultão al-Kamil.

1220, 29 de Março:

João de Brienne entra na Síria.

1221, fim de Junho:

Pelágio, legado do Papa, decide conquistar o Cairo.

1221, 30 de Agosto:

Derrota dos cristãos em Mansurá. Evacuação de Damieta.

 

 

 

«Frederico II a negociar a restituição de Jerusalém com o sultão do Egipto»

A Sexta Cruzada 

(1228-1244)

 

1225:

Novembro. O imperador Frederico II de Hohenstaufen casa com Isabel de Jerusalém. João de Brienne, o sogro, deverá ceder-lhe a coroa.

1227, 28 de Setembro:

Gregório IX excomunga Frederico II, que tarda a partir para a cruzada.

1228, 4 de Maio:

Morte de Isabel de Jerusalém. Frederico continua a administrar o reino em nome do seu filho e herdeiro, o futuro Conrado IV.

1228, Julho:

Frederico II desapossa João de Ibelin do reino de Chipre.

1228, 7 de Setembro:

Frederico II desembarca em São João de Acre.

1228, Novembro:

Início da fortificação de Jafa.

1229, 11 de Fevereiro:

Conclusão do tratado de Jafa, entre al-Malik al-Kamil e Frederico II, com recuperação de Jerusalém, Nazaré e Belém.

1229, 18 de Março:

O imperador é coroado rei de Jerusalém no Santo Sepulcro.

1229, 1 de Maio:

Frederico II é expulso de Acre por uma turba popular.

1232:

Ivan (João) Asen II, rei dos búlgaros, cortou com Roma e tornou a igreja búlgara independente.

1235:

Aliança de João Asen com o imperador bizantino de Niceia contra os Francos.

1237, Junho:

120 cavaleiros cruzados são massacrados pelos Alepinos.

1238, Março:

Morte do sultão al-Kamil.

1239, Julho:

Fim da trégua assinada entre Frederico II e al-Kamil.

1239,1 de Setembro:

Desembarque em Acre da expedição dirigida por Thibaud IV de Champagne.

1239, 13 de Novembro:

Derrota dos cruzados em Gaza. Reconquista de Jerusalém pelos muçulmanos.

1240:

Aliança do malik de Damasco com os Francos, com devolução de Beaufort e Safed aos Latinos.

1240, Outubro:

Chegada a Acre da cruzada inglesa dirigida por Ricardo da Cornualha.

1241, 23 de Abril:

Paz de Áscalon, com devolução da Galileia, Jerusalém e Belém aos Francos.

1244, 23 de Agosto:

Tomada definitiva de Jerusalém pelos Turcos Kharezmianos, que pilham o Santo Sepulcro.

1244, 17 de Outubro:

Desastre de La Forbie: os Kharezmianos aniquilam o exército franco composto essencialmente por Cavaleiros Templários, Hospitalários e Teutónicos.

1247:

Os Turcos reocupam Tiberíades e Áscalon.

 

 

 

«Desembarque de São Luís no Egipto»

A Sétima Cruzada 

(1248-1250-1269)

 

 

1244, Dezembro:

Luís IX de França, São Luís, decide partir em cruzada.

1245, Junho – Julho:

Reunião do Concílio de Lyon, onde a nova cruzada é proclamada.

1248, 25 de Agosto:

Os Franceses embarcam para a Cruzada. Chegaram a Chipre a 17 de Setembro, passando aí o Inverno.

1249, 5 de Junho:

Luís IX desembarcam em Damieta, na costa mediterrânica do Egipto.

1249, 20 de Novembro:

O exército cruzado dirige-se para o Sul em direcção ao Cairo.

1250, 12 de Fevereiro:

Batalha de Mansurá. A vanguarda do exército é destruída, mas a vitória pertence aos cruzados.

1250, 5 de Abril:

O exército cruzado começa a retirar para Damieta.

1250, 7 de Abril:

Luís IX e o exército cruzado são feitos prisioneiros pelos Egípcios.

1250, 6 de Maio:

Restituição de Damieta aos muçulmanos, por troca com o rei de França, Luís IX, sendo assinada uma trégua de dez anos.

1250 - 1254:

O rei de França reorganiza a Palestina e a Síria.

1252:

Luís IX estabelece uma aliança com os Mamelucos.

1254, 24 de Abril:

Luís IX chega a França.

1258, Fevereiro:

Os Mongóis tomam Bagdade. Extinção da dinastia dos Abássidas.

1260:

Os Mongóis invadem Alepo, Damasco e Homs.

1260, Setembro:

Tomada do poder pelo sultão mameluco Baibars. Governará até 1277.

1260, 3 de Setembro:

Vitória dos Mamelucos sobre os Mongóis em Ain Jalud, depois de os Francos autorizarem os muçulmanos a atravessar os seus Estados para se colocarem na frente dos invasores tártaros.

1261, 25 de Julho:

O exército grego do Império de Niceia, comandado por Aleixo Stragopulos, reconquista Constantinopla. O Império Latino do Oriente desaparece.

1265, 27 de Fevereiro:

Tomada de Cesareia e Arsuf pelos Mamelucos.

1268:

Os Francos perdem Jafa, Beaufort e Antioquia.

1269:

Cruzada aragonesa dirigida pelos bastardos do rei de Aragão, Fernando Sanchez e Pedro Fernandez.

 

 

 

«Partida de São Luís para a Cruzada»





A Oitava Cruzada 

(1270)

 

1270, Março:

Luís IX, São Luís, decide organizar uma nova cruzada.

1270, 2 de Julho:

As tropas francesas deixam Aigues-Mortes.

1270,18 de Julho:

Desembarque de Luís IX em Tunes, possivelmente por insistência de Carlos de Anjou, rei de Nápoles e da Sicília, irmão mais novo do rei de França. A peste dizima o exército cruzado.

1270, 25 de Agosto:

Morte do rei.

1270, começo de Novembro:

Afonso de Poitiers e as tropas francesas embarcam com intenção de se dirigirem à Síria.

1270, 15-16 de Novembro:

A frota francesa é destruída por uma tempestade. A expedição não pode continuar caminho.

 

 

 

«O Regresso da Cruzada, de Karl Friedrich Lessing»

O Fim dos Estados Latinos no Oriente

 

 

1271:

Cruzada inglesa dirigida por Eduardo Plantageneta, duque de Guyenne e futuro rei de Inglaterra, que continua a 8.ª Cruzada.

 

Gregório X (1271-1276), cardeal Visconti, é eleito Papa. Terá três objectivos principais: pacificar a Itália, controlar o poder de Carlos de Anjou, rei de Napóles, e o da França e pacificar a Alemanha.

1271, 7 de Abril:

Baibars, sultão mameluco do Egipto, apodera-se do Krak dos Cavaleiros. Os Cavaleiros Hospitalários que defendiam a fortaleza são conduzidos em direcção à costa.

1274:

O Papa Gregório X prega a cruzada, no Concíçio de Lyon. Devido à sua morte o projecto é posto de parte.

1274 - 1275:

Os Mamelucos saqueiam a Cilícia.

1277:

Morte de Baibars.

 

Carlos de Anjou declara-se pretendente à coroa de Jerusalém, ocupando São João de Acre.

1282:

Henrique II de Chipre torna-se rei de Jerusalém.

1289, 27 de Abril:

Os Mamelucos comandados pelo sultão Qalawun tomam Trípoli. A cidade é arrasada.

1291, 18 de Maio:

Os Mamelucos dirigidos por Khalil, sucessor de Qalawun, entram em São João de Acre. A cidadela ocupada pelos Templários resiste até ao dia 28.

1291, Verão:

Evacuação das outras praças-fortes da Palestina. Chipre, último território franco no Oriente mediterrânico, será governada pela dinastia dos Lusignan até 1489.

1294:

Bonifácio VIII (1294-1303), cardeal Gaetani, é eleito Papa. Um céptico em questões religiosas, mas que acreditava em amuletos e em magia, é considerado o último Papa da Idade Média. Foi o último pontífice a proclamar a autoridade universal do Papado, como tinha sido defendida por Gregório VII e mantida por Inocêncio III. Mas, de facto, o seu principal objectivo foi o engrandecimento da família Gaetani.

1299:

Os Mongóis conquistam Damasco.

1303:

Os Templários abandonam o ilhéu de Rouad.

1303, Setembro 8:

«O Dia Terrível em Anagni»: Dois enviados do rei de França Filipe IV, o Belo, entram nos aposentos do Papa, ameaçam-no matar, tentando conseguir a sua resignação pública, e prendem-no com intenção de o levar para França, mas são impedidos devido à reacção pública. Bonifácio morrerá pouco tempo depois.

1307,13 de Outubro:

Filipe IV, manda prender os Templários no seu reino.

1310, 15 de Agosto:

Os Hospitalários são senhores de Rodes. Governarão a ilha até 1523.

1312, 22 de Março:

O papa Clemente V, francês, arcebispo de Bordéus, decreta a supressão do Templo na sua bula Vox in excelso.

 

FONTE www.estudarhistoriadaigreja.blogspot.com