Translate this Page

Rating: 3.0/5 (890 votos)



ONLINE
1




Partilhe este Site...

 

 

<

Flag Counter


historia e geografia da palestina تاريخ وجغرافية
historia e geografia da palestina تاريخ وجغرافية

                HISTORIA E GEOGRAFIA DA PALESTINA

                               تاريخ وجغرافية فلسطين

 

Lexicons

pal'es - lata ( פּלשׁת , pelesheth ; Φυλιστιείμ , Phulistieım , Ἀλλόφυλοι , Allóphuloi ; King James Version Joel 3: 4 (Versão Revisada (britânico e americano) "Philistia"), "Palestina"; King James Version Êxodo 15:14 ; Isaías 14:29 , Isaías 14:31 ; compare Salmo 60: 8 ; Salmo 83: 7 ; Salmo 87: 4 ; Salmo 108: 9 ): Joel 3: 4 Êxodo 15:14Isaías 14:29Isaías 14:31Salmo 60: 8Salmo 83: 7Salmo 87: 4Salmo 108: 9

 

  1. CONDIÇÕES FÍSICAS

 

  1. Características gerais geográficos

 

  1. abastecimento de água

 

  1. Condições Geológicas

 

  1. Fauna e Flora

 

  1. Clima

 

  1. As chuvas

 

  1. seca e fome

 

  1. PALESTINA no Pentateuco

 

  1. lugares visitados por Abraham

 

  1. lugares visitados por Isaac

 

  1. lugares visitados por Jacob

 

  1. mencionado em conexão com Judah

 

  1. Revisão de Geografia de Gênesis

 

  1. Êxodo e Levítico

 

  1. Números

 

  1. Deuteronômio

 

III. PALESTINA nos livros históricos da O LD TESTAMENTO

 

  1. Livro de Josué

 

  1. Livro dos Juízes

 

  1. Livro de Ruth

 

  1. Livros de Samuel

 

  1. Livros de Reis

 

  1. pós-exílio Livros Históricos

 

  1. PALESTINA nos livros poéticos do Velho TESTAMENTO

 

  1. Livro de Jó

 

  1. Livro dos Salmos

 

  1. Livro dos Provérbios

 

  1. Cântico dos Cânticos

 

  1. PALESTINA nos Profetas

 

  1. Isaías

 

  1. Jeremias

 

  1. Ezequiel

 

  1. Profetas Menores

 

  1. PALESTINA na Apocrypha

 

  1. Livro de Judite

 

  1. Livro da Sabedoria

 

  1. 1 Macabeus

 

  1. 2 Macabeus

 

VII. PALESTINA NO NOVO TESTAMENTO

 

  1. Evangelhos Sinópticos

 

  1. Quarto Evangelho

 

  1. Livro de Atos

 

LITERATURA

 

A palavra significa propriamente "Philistia", mas parece ser usado pela primeira vez no sentido alargado, no sentido de toda a "Terra de Israel" ou "Terra Santa" ( Zacarias 02:12Zacarias 2:12 ), por Philo e por Ovídio e os autores mais tarde romanas ( Reland, Palestina Illustr ., I, 38-42).

 

  1. Condições físicas.

 

A Bíblia em geral pode-se dizer que respirar o ar da Palestina; E é aqui a intenção de mostrar como é importante para a crítica de som é a consideração de sua geografia, e das inúmeras alusões incidentais para o natural recursos, fauna, flora, cultura e clima da terra em que a maioria dos livros da Bíblia foram escritos . Com a história mais tarde e topografia da Palestina, depois de 70 dC, não estamos aqui em causa, mas um breve relato de suas atuais condições físicas e geológicas é necessária para o nosso propósito.

 

  1. Características gerais geográficas:

 

Palestina ocidental do Jordão, entre Dan e Beersheba, tem uma área de cerca de 6.000 milhas quadradas, o comprimento de Hermon o sul sendo cerca de 150 milhas, e a largura aumentando gradualmente de 20 milhas a Norte a 60 milhas ao sul. É, portanto, sobre o tamanho de Gales, e a altura das montanhas palestinos é aproximadamente o mesmo que o do País de Gales. A leste do Jordão uma área de cerca de 4.000 milhas quadradas foi incluída na terra de Israel. As características geográficas gerais são familiares a todos.

 

(1) O terreno é dividido pelo profundo abismo do vale do Jordão - uma falha geológica antiga continuar no Mar Morto, onde a sua profundidade (na parte inferior do lago) Isaías 2.600 ft. abaixo do Mediterrâneo.

 

(2) A oeste do vale do cume da montanha, que é uma continuação do Líbano, tem declives muito íngremes no leste e esporas longos no Ocidente, de que lado os contrafortes (Hebrew Shephelah ou "várzea") formam um bairro distinto, alargando-se gradualmente para o sul, enquanto entre esta região eo mar nas planícies de Sharon e Philistia esticar para o areal e falésias baixas de uma costa harborless.

 

(3) Em Alta Galileia, no Norte, o cume da montanha sobe para 4.000 pés acima do Mediterrâneo. colinas Baixa Galiléia, para o Sul, inclui arredondadas menos de 1.000 ft. acima do mar, ea planície triangular de Esdraelon drenada pelo rio Kishon entre o divisor de águas Gilboa no Oriente e no longo esporão de Carmel, a oeste.

 

(4) Em Samaria as montanhas são extremamente robusto, mas uma pequena planície perto Dothan contígua a de Esdraelon, e outros trechos leste de Siquém, 2.500 pés acima do nível do vale do Jordão. Na Judéia o cume principal sobe para Hebron e depois afunda ao nível das planícies Beersheba cerca de 1.000 pés acima do mar. O deserto de Judá forma um platô (500 pés acima do nível do mar.), Entre este cume e do Mar Morto, e é todo árida e sem água; mas as montanhas - que média cerca de 3.000 pés acima do mar -. estão cheios de boas molas e adequado para o cultivo da videira, figo e azeite. As terras mais ricas são encontrados no Shephelah região - especialmente na Judéia - e nas planícies de milho de Esdraelon, Sharon, e Philistia.

 

(5) a leste do Jordão o planalto de Basã (média de 1.500 pés acima do mar) é também um país de milho bem. Sul desta, Gilead apresenta uma região de montanha subindo para 3.600 pés acima do nível do mar em Jebel Osha ' E ligeiramente inclinada sobre o Oriente para o deserto. As encostas íngremes ocidentais são regadas pelo rio Jaboque, e por muitos riachos perenes. No norte da Gilead especialmente as colinas arborizadas apresentar algumas das paisagens mais pitorescas da Terra Santa. Sul da Gilead, o planalto Moab (cerca de 2.700 pés acima do nível do mar) é agora um deserto, mas está montado para cultivo de grãos, e, em alguns lugares, para a vinha. Uma prateleira inferior ou plateau (cerca de 500 a 1.000 pés do nível do mar acima) se interpõe entre o planalto principal e as falésias do Mar Morto, e respostas para o deserto de Judá oeste do lago.

 

  1. abastecimento de água:

 

O abastecimento de água da Palestina é abundante, exceto nas regiões desérticas acima notado, que incluem apenas uma pequena parte de sua área. A Jordan corre para o Mar Morto, que não tem saída, e que mantêm o seu nível apenas por evaporação, sendo, portanto, muito sal; a superfície é de cerca de 1.300 pés. abaixo do Mediterrâneo, enquanto o Mar da Galiléia (680 pés abaixo do nível do mar) é doce e cheio de peixes. O Jordan é alimentado, não só pelas neves do Hermon, mas por muitos córregos afluentes de ambos os lados. Existem vários streams também em Sharon, incluindo o Rio Crocodilo sob Carmel. Nas montanhas, onde o calcário dolomítico disco está na superfície, nascentes perenes são numerosos. Nas colinas inferiores, onde este calcário é coberto por uma pedra calcária mais macia, o abastecimento depende de poços e cisternas. Nas planícies Beersheba a água, correndo sob a superfície, é atingido por escavar poços rasos - especialmente aqueles perto de Gerar, para ser notado mais tarde.

 

  1. Condições Geológicas:

 

A fertilidade e cultivo de qualquer país depende principalmente de suas condições geológicas. Estes são relativamente simples na Palestina, e não tenham sofrido qualquer alteração desde a idade quando o homem apareceu pela primeira vez, ou desde os dias dos patriarcas hebreus. O país foi levantada primeiro do oceano na idade Eoceno; e, na idade miocena subsequente, o grande fenda na superfície da Terra ocorreu, que formou um golfo estreito que se estende desde a do 'UMA qabah no Sul quase ao pé do Hermon. Além disso convulsão, acompanhado por surtos vulcânicas que cobriam os planaltos de Golan, em Basã, e Baixa Galiléia com lava, cortar o vale do Jordão, desde o Mar Vermelho, e formaram uma longa lago, no fundo da qual continuou a afundar no sul até à sua nível actual durante os períodos Pleiocene e pluviais, após o qual - sua fauna peculiares ter desenvolvido entretanto - o lago gradualmente secou, ​​até que foi apenas representou, como é agora, pela pantanosa Huleh , O mar em forma de pêra da Galiléia, e do Mar Morto. Estas mudanças ocorreram todos longas eras antes do aparecimento do homem. As camas upheaved incluem: (1) o Nubian Sandstone (do período Greensand¹), que foi cortado ao longo da linha do Jordão culpa leste do rio, e que só aparece nas encostas ocidentais de Hermon, Gilead, e de Moabe; (2) os calcários do período Cretáceo, incluindo a dolomite duro, e com camas cheias de fósseis característicos; (3) do calcário Eoceno macio, que aparece principalmente nas esporas ocidentais e no sopé, o ângulo de turbulência sendo menos acentuada do que o da formação principal mais velha. Nas margens do Mediterrâneo uma pedra calcária ainda depois de areia forma as falésias baixas de Sharon. Vejo Geologia da PALESTINA .

 

  1. Fauna e Flora:

 

No que diz respeito a fauna, flora e cultura, é suficiente aqui para dizer que eles ainda são praticamente o mesmo descrito em toda a Bíblia. O leão eo touro selvagem ( Bos primigenius ) foram exterminados em tempos históricos, mas deixaram seus ossos nos cascalhos Jordânia, e em cavernas. O urso tem gradualmente retirado para Hermon e no Líbano. O búfalo foi introduzido desde a conquista muçulmana. Entre as árvores a maçã caiu fora do cultivo desde a Idade Média, e o cacto foi introduzida; mas a Palestina ainda é uma terra de trigo, vinho e azeite, e famoso por seus frutos. Suas árvores, arbustos e plantas são aqueles notado na Bíblia. Suas madeiras foram diluídos na Baixa Galiléia e Norte de Sharon, mas, por outro lado, o bosque tem crescido frequentemente sobre o local dos antigos vinhedos e aldeias, e não há nenhuma razão para pensar que qualquer dessecação geral tem ocorrido nos últimos 40 séculos, tais como afetaria a chuva.

 

  1. Clima:

 

O clima da Palestina é semelhante ao de outras terras do Mediterrâneo, como Chipre, Sicília ou Sul da Itália; e, apesar das febres de distritos mosquito nas planícies, é muito melhor do que a da Delta no Egito, ou da Mesopotâmia. O calor do verão é opressivo apenas por alguns dias em um momento, quando (espescially em Maio), o vento seco - deficiente em ozono - sopra do deserto oriental. Para a maioria da temporada uma brisa do mar carregado de umidade, subindo cerca de 10 AM, sopra até a noite, e fertiliza todas as encostas ocidentais dos montes. Nos desertos nuas a diferença entre F. de 90 ° durante o dia e 40 ° F., de noite dá um frio refrescante. Com o vento oriental a temperatura sobe para 105o F., e as noites são opressivas. No vale do Jordão, no outono, a temperatura sombra atinge 120 ° F. Nesta temporada névoas cobrir as montanhas e inchar as uvas. No inverno, a neve, por vezes, encontra-se por vários dias no cume de bacias hidrográficas e nas montanhas edomitas, mas no verão, mesmo Hermon é por vezes bastante snowless a 9.000 pés acima do mar. Não há talvez nenhum país em que essa gama de clima podem ser encontrados, a partir da Alpine ao tropical, e nenhum em que a gama de fauna e flora é, portanto, tão grande, desde o Europeu ao Africano.

 

  1. A precipitação:

 

A precipitação da Palestina é entre 20,30 polegadas por ano, ea estação das chuvas é o mesmo que em outros países do Mediterrâneo. Os "antigos" chuvas começam com as tempestades de novembro, e os "últimos chuvas" cessar com chuveiros de abril. De dezembro a fevereiro - exceto em anos de seca - as chuvas são pesadas. Na maior parte dos anos, o fornecimento é suficiente para fins de cultivo. A lavoura começa no outono, eo milho é raramente estragado por tempestades no verão. Os frutos amadurecem no outono e sofrer apenas a partir do aparecimento ocasional de enxames de gafanhotos. Não parece haver nenhuma razão para supor que o clima ou a precipitação ter sofrido qualquer alteração desde os tempos da Bíblia; e uma consideração de alusões bíblicas confirma este ponto de vista.

 

  1. seca e da fome:

 

Assim, a ocorrência de seca, e da consequente fome, é mencionado no Antigo Testamento como ocasionais em todos os tempos ( Genesis 00:10Gênesis 00:10 ; Genesis 26: 2Genesis 26: 2 ; Genesis 41:50Gênesis 41:50 ; Levítico 26:20Levítico 26:20 ; 2 Samuel 21: 12 Samuel 21: 1 ; 1 Reis 8:351 Reis 8:35 ; Isaías 5: 6Isaías 5: 6 ; Jeremias 14: 1Jeremias 14: 1 ; Joel 1: 10-12Joel 1: 10-12 ; Ageu 1:11Ageu 01:11 ; Zacarias 14:17Zacarias 14:17 ), e as secas também são notados na Mishná ( Ta'ănı̄th, Eu. 4-7) como ocorrendo no outono, e até mesmo duradoura ao longo da estação chuvosa até a primavera. Boas chuvas foram uma bênção de Deus, e a seca era um sinal de Seu desagrado, na crença hebraica ( Deuteronômio 11:14Deuteronômio 11:14 ; Jeremias 05:24Jeremias 05:24 ; Joel 2:23Joel 2:23 ). Um temporal na época da colheita (Maio) era mais incomum ( 1 Samuel 00:171 Samuel 00:17 , 1 Samuel 00:181 Samuel 00:18 ), mas uma tempestade que ainda ocorrem como um fenômeno muito excepcional. Por "neve na messe" ( Provérbios 25:13Provérbios 25:13 ) não estamos a entender uma tempestade de neve, por isso é comparado a um "mensageiro fiel", e a referência é ao uso de neve para o vinho, que ainda é comum em Damasco arrefecimento . O aviso de febre nas margens do Mar da Galiléia ( Matthew 08:14Mateus 08:14 ) mostra que esta região era tão insalubre como ainda é no verão. A decadência da irrigação em Sharon pode ter tornado a planície mais malarious que no passado, mas a identidade da flora palestinos com o da Bíblia indica que o clima, em geral, mantém-se inalterado.

 

  1. Palestina no Pentateuco.

 

  1. locais visitados pelos Abraham:

 

O livro de Gênesis é cheio de alusões a locais sagrados para a memória dos patriarcas hebreus. No tempo de Abraão a população consistia de tribos, principalmente semitas, que vieram originalmente da Babilônia, incluindo cananeus ( "lowlanders") entre Sidon e Gaza, e no vale do Jordão, e amorreus ( "highlanders") nas montanhas ( Genesis 10: 15-19Gênesis 10: 15-19 ; números 13:29Números 13:29 ). Sua linguagem era semelhante ao hebraico, e é somente no Egito que lemos de um intérprete sendo necessário ( Genesis 42:23Gênesis 42:23 ), enquanto restos escavados de Seal-cilindros e outros objetos, mostram que a civilização da Palestina foi semelhante à da Babilônia.

 

(1) Siquém.

 

O primeiro lugar notado é o santuário ou "estação" ( Makom ) De Siquém, com a Elon Moré, a Septuaginta "alto carvalho"), onde Jacob depois enterrou os ídolos de suas esposas, e onde Joshua configurar uma pedra pelo "lugar santo" ( Gênesis 12: 6 ; Genesis 35: 4 ; Josué 24:26 ). Tradição samaritano mostrou o site local Gênesis 12: 6Genesis 35: 4Joshua 24:26Balata ( "o carvalho"), no sopé do Monte Garizim. O "cananeu era então na terra" (no tempo de Abraão), mas foi exterminado ( Genesis 34:25Gênesis 34:25 ) por filhos de Jacó. De Siquém Abraham viajaram para o sul e levantou um altar entre Betel (Beitin ) E Hal (hayan ), A leste da cidade de Luz, cujo nome ainda sobrevive disco-by na primavera de Lôzeh ( Genesis 12: 8Gênesis 12: 8 ; Genesis 13: 3Genesis 13: 3 ; Genesis 28:11Gênesis 28:11 , Genesis 28:19Gênesis 28:19 ; Genesis 35: 2Genesis 35: 2 ).

 

(2) O Negeb.

 

Mas, em seu retorno do Egito com grandes rebanhos ( Genesis 00:16Gênesis 00:16 ), ele se estabeleceu na região pastoral, entre Beersheba ea Cades ocidental ( Genesis 13: 1Gênesis 13: 1 ; Genesis 20: 1Genesis 20: 1 ), chamado em hebraico oneghebh, País "seco", no limite das terras cultivadas. Do leste de Betel, há uma bela vista da parte inferior do vale do Jordão, e aqui Lot ", levantando os olhos" ( Genesis 13:10Gênesis 13:10 ), e escolheu as terras grama ricos do que vale para os seus rebanhos. As "cidades da planície" (kikkār) Eram claramente neste vale, e Sodoma deve ter sido perto do rio, uma vez que a jornada de Lot para Zoar ( Genesis 19:22Gênesis 19:22 ) ocupava apenas uma ou duas horas ( Genesis 19:15Gênesis 19:15 , Genesis 19:23Gênesis 19:23 ) através da planície ao pé das montanhas de Moab. Essas cidades não são disse ter sido visível a partir de perto de Hebron; mas, a partir do cume leste da cidade, Abraham poderia ter visto "a fumaça da terra" ( Genesis 19:28Gênesis 19:28 ) levantando-se. A primeira área possuída por ele foi o jardim de Mamre ( Genesis 13:18Gênesis 13:18 ; Genesis 18: 1Gênesis 18: 1 ; Genesis 23:19Gênesis 23:19 ), com a caverna-túmulo que a tradição ainda aponta sob o assoalho da mesquita de Hebron. Sua tenda foi espalhada no âmbito do "carvalhos de Mamre" ( Genesis 18: 1Gênesis 18: 1 ), onde seus convidados misteriosos descansou "sob a árvore" ( Genesis 18: 8Gênesis 18: 8 ). Um carvalho idoso, ainda sobrevive no apartamento térreo Oeste da cidade, mas esta árvore é muito raro nas montanhas de Judá. Em todos estes toques acidentais temos provas do conhecimento exato da Palestina que distingue a história dos patriarcas.

 

(3) Campanha de Amraphel.

 

Palestina parece ter sido uma província periférica do império. Hammurabi, rei de Babilônia, no tempo de Abraão; ea campanha de Amraphel se assemelhavam aos de senhores assírios posteriores exigentes tributo de pequenos reis. A rota ( Gênesis 14: 5-8Gênesis 14: 5-8 ) estabelecem através de Basã, Gilead e Moabe a Cades (provavelmente em Petra), eo retorno através do deserto de Judá para as planícies de Jericó. Assim Hebron não foi atacada (ver Genesis 14:13Gênesis 14:13 ), ea busca por Abraão e seus aliados amorreus levou até o vale do Jordão para Dan, e daí a norte de Damasco ( Genesis 14:15Gênesis 14:15 ). A Salem cujo rei abençoado em seu retorno foi pensado pelos samaritanos, e por Jerome, para ser da cidade, perto do vale do Jordão depois visitada por Jacob ( Genesis 14:18Gênesis 14:18 ; Genesis 33:18Gênesis 33:18 ). VejoJERUSALÉM .

 

(4) Gerar.

 

Abraham voltou para as planícies do sul, e "peregrinou em Gerar" ( Genesis 20: 1Gênesis 20: 1 ), agoraUmm Jerrâr, 7 milhas ao sul de Gaza. Os poços que ele cavou neste vale ( Genesis 26:15Gênesis 26:15 ) foram escavações sem dúvida rasas como aqueles a partir do qual os árabes ainda obter o fluxo de água sob a superfície na mesma vizinhança ( SWP , III, 390), apesar de que, em Beersheba ( Genesis 21: 25-32Gênesis 21: 25-32 ), a que Isaac acrescentou outro ( Genesis 26: 23-25Gênesis 26: 23-25 ​​), pode ter sido mais permanente. Três poços de alvenaria já existem naBir es Seba ', Mas a alvenaria é moderno. O plantio de uma "tamarisk" neste lugar ( Genesis 21:33Gênesis 21:33 ) é um toque interessante, uma vez que a árvore é distintivo das planícies secas. De Beersheba Abraham viajou para a "terra de Moriá" Septuaginta "terras altas") para sacrificar Isaque ( Gênesis 22: 2Gênesis 22: 2 ); e a montanha, segundo a tradição hebraica ( 2 Crônicas 3: 12 Crônicas 3: 1 ), em Jerusalém, mas de acordo com os samaritanos foi Gerizim perto da Elon Moré - uma cimeira que certamente poderia ter sido visto "de longe" ( 2 Crônicas 3: 42 Crônicas 3: 4 ) no terceiro dia."

 

  1. locais visitados pelos Isaac:

 

Isaac, vivendo na mesma região selvagem pastoral, ao Cades ocidental ( Genesis 25:11Gênesis 25:11 ) e em Gerar ( Genesis 26: 2Gênesis 26: 2 ), sofreu como seu pai em um ano de seca, e teve dificuldades semelhantes com os filisteus. No Gerar semeava grão ( Genesis 26:12Gênesis 26:12 ), e os arredores ainda é capaz de tal cultivo. Daí, ele recuou Sudeste para Rehoboth ( Ruḥeibeh), A norte de Kadesh, onde os poços antigos, como os de Beersheba ainda existem ( Genesis 26:22Gênesis 26:22 ). Para Beersheba ele finalmente devolvido ( Genesis 26:23Gênesis 26:23 ).

 

  1. locais visitados pelos Jacob:

 

Quando Jacob fugiu para a Haran de Beersheba ( Genesis 28:10Gênesis 28:10 ) ele dormia no "lugar" (ou santuário) consagrada pelo altar de Abraão perto de Betel, e como qualquer visitante árabe moderno para um santuário - erguido um memorial de pedra ( Genesis 28:18Gênesis 28:18 ), que renovou vinte anos depois ( Genesis 35:14Gênesis 35:14 ), quando Deus apareceu para ele "de novo" ( Genesis 35: 9Gênesis 35: 9 ).

 

(1) Haran a Sucote.

 

Sua viagem de retorno de Haran para Gilead levanta uma questão interessante. A distância é de cerca de 350 milhas de Haran ao Galeede ou "montão testemunha" ( Genesis 31:48Gênesis 31:48 ) em Mispa - provavelmente SUF em North Gilead. Esta distância Laban é dito ter coberto de 7 dias ( Genesis 31:23Gênesis 31:23 ), o que seria possível para uma força montados em camelos de equitação. Mas a notícia da fuga de Jacob alcançou Laban no 3º dia ( Genesis 31:22Gênesis 31:22 ), e algum tempo iria decorrer antes que ele pudesse reunir seus "irmãos". Jacob com seus rebanhos e manadas deve ter necessário 3 semanas para a viagem. É notável que a proximidade de Mispa ainda apresenta monumentos antigos, como o "pilar" ( Genesis 31:45Gênesis 31:45 ) em torno do qual o "memorial monte de pedras" (yeghar -sāhădhūthā) foi formado. A partir deste local Jacó viajou a Maanaim (provavelmenteMaḥmah), Sul do rio Jaboque - um lugar que mais tarde se tornou a capital do Sul da Gilead ( Genesis 32: 1Gênesis 32: 1 f; 1 Reis 04:14 ); mas, ao ouvir do avanço de Esaú de Edom, ele retirou-se do outro lado do rio ( Gênesis 32:22 ) e depois chegou a Sucot ( Gênesis 33:17 ), que se acredita ser 1 Reis 4:14Genesis 32:22Genesis 33:17Contar Der'ala , Norte do fluxo.

 

(2) A partir do Jordão, para Hebron.

 

Passando o Jordão por um dos vários vaus nesta vizinhança, Jacob aproximou Siquém pelo fluxo perene de Wady Far'ah , E acamparam em Shalem ( Salim ) No lado leste da planície fértil que se estende daí para Siquém, e aqui ele comprou terra dos heveus ( Gênesis 33: 18-20 ). Não nos é dito que ele cavou um poço, mas a necessidade de cavar um em uma região cheia de molas só pode ser explicado por heveu ciúme dos direitos sobre a água, e o poço ainda existe leste de Siquém (compare João 4: 5 f), não muito longe da Elon Moré, onde foram enterrados o Genesis 33: 18-20John 4: 5 teraphim ( Genesis 35: 4Gênesis 35: 4 ) ou "espíritos" (Assírio,tarpu) A partir de Haran ( Genesis 31:30Gênesis 31:30 ), sob o carvalho de Abraão. Estes, sem dúvida, eram pequenas imagens, como são tantas vezes desenterrado na Palestina. O maior progresso de Jacob liderado por Betel e Belém para Hebron ( Gênesis 35: 6Gênesis 35: 6 , Genesis 35:19Gênesis 35:19 , Genesis 35:27Gênesis 35:27 ), mas alguns de seus filhos mais velhos parecem ter permanecido em Siquém. Assim, José foi enviado depois de Hebron ( Genesis 37:14Gênesis 37:14 ) para visitar seus irmãos lá, mas os achou em Dotã.

 

(3) Dothan.

 

Dothan ( Genesis 37:17Gênesis 37:17 ) estava em uma planície na principal rota de comércio do Egito para Damasco, que cruzou a baixo divisor de águas neste momento e levou para o vale para Jezreel e o Jordão para Basan. O "bem do poço" ( SWP , II, 169) ainda é mostrado naContar DothanE os ismaelitas, de Midiã e Gilead, escolheu esta rota de caravanas fácil ( Genesis 37:25Gênesis 37:25 , Genesis 37:28Gênesis 37:28 ) para camelos carregados com o bálsamo e especiarias Gilead. A planície foi montado para alimentar rebanhos de Jacob. Os produtos da Palestina, em seguida, incluiu também o mel, pistache e amêndoas ( Genesis 43:11Gênesis 43:11 ); e alguns séculos mais tarde, encontramos aviso em um texto do ThothmesIII de mel e balsâmico, com azeite, vinho, trigo, espelta, cevada e frutas, como rações das tropas egípcias em Canaan (Brugsch, Hist Egito , I, 332).

 

  1. mencionado em conexão com Judá;

 

O episódio de Judá e de Tamar está conectado com uma região no Shephelah , Ou baixas colinas de Judéia. Adullam ( 'Ajuda - el - mamãe ), Chezib ( 'Ain Kezbeh ), E Timna ( Tibneh ) Não são distantes ( Gênesis 38: 1 , Genesis 38: 5 , Gênesis 38:12 ". Tosquiadores de ovelhas"), sendo este último em um vale pastoral onde Judah encontrou seus Tamar sentou-se "a entrada de Enaim" (compare Gênesis 38:14 , Gênesis 38:22 a Versão Revisada Inglês) ou Enam ( Josué 15:34 ), talvez em Genesis 38: 1Genesis 38: 5Genesis 38:12Genesis 38:14Genesis 38:22 Joshua 15:34Kefr 'Ana, 6 milhas Noroeste de Timna. Ela foi confundido com umḳedhēshāhOu votary (prostituta sagrada) de Ashtoreth ( Genesis 38:15Gênesis 38:15 , Genesis 38:21Gênesis 38:21 ), e sabemos das leis de Hammurabi que esses devotos já foram reconhecidos. A menção de sinete e equipe de Judá ( Genesis 38:18Gênesis 38:18 ) também nos lembra de costumes babilônicos como descrito por Heródoto (i. 195), e sinete-cilindros de estilo babilônico, e da data de início, foram descobertos na Palestina em Gezer e em outra parte (compare a "veste babilônica", Joshua 07:21Joshua 07:21 ).

 

  1. Revisão da Geografia do Génesis:

 

De um modo geral, a geografia do Gen não apresenta dificuldades, e mostra um profundo conhecimento do país, enquanto as alusões a produtos naturais e aos costumes estão de acordo com os resultados da descoberta científica. Apenas uma dificuldade precisa de aviso prévio, onde Atad ( Genesis 50:10Gênesis 50:10 ) no caminho do Egito para Hebron é descrita como "além do Jordão". Neste caso, a língua assíria talvez nos ajuda, pois nesse língua Yaur -Danu significa "grande rio", e a referência pode ser para o próprio Nilo, que é chamado Yaur em hebraico (Ye'or ) E assíria iguais.

 

  1. Êxodo e Levítico:

 

Exodus está preocupado com o Egito eo deserto do Sinai, embora possa ser observado que as suas leis simples agrícolas ( Êxodo 21 a 23), que muitas vezes lembram as de Hammurabi, teria sido necessária de uma só vez na conquista de Gileade e Basã, antes passando o Jordão. Em Levítico 11 , temos uma lista de animais a maioria dos quais pertencem ao deserto - como por exemplo, o "Coney" ou hyrax ( Levítico 11: 5 ; Salmo 104: 18 ; Provérbios 30:26 ), mas outros - como a suína ( Levítico 11: 7 ), a cegonha ea garça ( Levítico 11:19 ) - para o Levítico 11: 5Salmo 104: 18Provérbios 30:26Levítico 11: 7Levítico 11:19 'UMArabah e do vale do Jordão, ao passo que a poupa (o "poupa" King James Version Levítico 11:19Levítico 11:19 ) vive em Gilead e no oeste da Palestina. Em Deuteronômio 14, o gamo e as ovas ( Deuteronômio 14: 5Deuteronômio 14: 5 ) são agora habitantes de Tabor e Gilead, mas o "cabra selvagem" (ibex), "boi selvagem" (buball), "pygarg" (Addax) e "chamois "(carneiro selvagem), são encontrados na'Arabá e nos desertos.

 

  1. Números:

 

Em Números, a conquista do leste da Palestina é descrito, e na maioria das cidades mencionadas são conhecidos (21: 18-33); o aviso de vinhas em Moab ( números 21:22Números 21:22 ) concorda com a descoberta de antigos lagares de corte de rocha perto de Hesbom ( setembro , I, 221). O ponto de vista de Israel, no acampamento em Shittim por Balaão ( números 22:41Números 22:41 ), que estão no topo de Pisgah ou Mt. Nebo, tem sido mostrado para ser possível pela descoberta deJebel Neba, onde foram encontrados também dolmens rudes recordando altares de Balaque ( setembro , I, 202). O planalto de Moabe ( Números 32: 3Números 32: 3 ) é descrita como uma "terra para gado", e ainda suporta rebanhos árabes. Os campos em que Israel deixou o seu gado, mulheres e crianças durante as guerras, por 6 meses, esticado ( números 33:49Números 33:49 ) de Bete-Jesimote (Suweimeh ), Perto do canto nordeste do Mar Morto sobre Abel-Sitim ( "prado de acácia" - um nome que ainda carrega) em uma planície regada por vários riachos, e ter boa forragem na primavera.

 

  1. Deuteronômio:

 

(1) Alusões físicas.

 

A descrição da "boa terra" em Deuteronômio ( Deuteronômio 8: 7Deuteronômio 8: 7 ) se aplica em alguns detalhes com força especial para Mt. Gilead, que possui mais córregos perenes do que ocidental Palestina em toda - "uma terra de ribeiros de águas, de fontes e nascentes, fluindo nos vales e colinas"; uma terra também "de trigo e cevada, e videiras e figueiras e romãs, uma terra de oliveiras e de mel" é encontrado em Gileade e Basã. Própria Palestina não é um país de mineração, mas as palavras ( Matthew 8: 9Mateus 8: 9 ), "uma terra cujas pedras são ferro, e de cujos montes poderás cavar o cobre," pode ser explicada pelos fatos que minas de ferro existiam perto de Beirute no do século 10 AD, cobre e minas de Punom Norte da Petra no século 4 dC, como descrito por Jerome ( Onomasticon , sob a palavra "Phinon"). Em Deuteronômio também ( Deuteronômio 11:29Deuteronômio 11:29 ; comparar Deuteronômio 27: 4Deuteronômio 27: 4 ; Joshua 08:30Joshua 08:30 ) Ebal e Gerizim são notadas, como ao lado do "carvalhos de Moré." Ebal a montanha de maldições (3, 077 ft. Do nível do mar acima) e Gerizim a montanha de bênçãos (2, 850 ft.) São os dois maiores tops em Samaria, e Siquém fica em um vale rico entre eles. O primeiro centro sagrado de Israel foi assim estabelecida no local onde Abraão construiu seu primeiro altar e Jacó cavou seu poço, onde José foi enterrado e onde Joshua reconheceu um lugar santo ao pé do Garizim ( Joshua 24:26Josué 24:26 ). Os últimos capítulos de Deuteronômio gravar a famosa vista do Monte Pisgah Nebo (34: 1-3), que responde em todos os aspectos para que a partir deJebel Neba, Exceptuando-se a Dan, e o mar ocidental (ou "ocidental"), nenhum dos quais é visível. Aqui nós provavelmente deve ler-se "em direção" ao invés de "a", e não há outra colina acima das planícies de Shittim donde uma visão melhor pode ser obtido do vale do Jordão, desde Zoar até Jericó, das montanhas de bacias hidrográficas, tanto do Norte como Gilboa e Tabor, e das encostas da Gilead.

 

(2) Arqueologia.

 

Mas além dessas alusões físicas, o progresso da exploração serve para ilustrar a arqueologia do Deuteronômio. Israel foi ordenado ( Deuteronômio 12: 3Deuteronômio 12: 3 ) para derrubar os altares de Canaã, para quebrar as pedras de pé que eram emblemas da superstição, para gravar o"Asherah pólos (ou árvores artificiais), e para derrubar as imagens esculpidas. Que estes comandos foram obedecidas é clara. Os altares rudes e pedras de pé agora são encontrados apenas em Moab, e em partes remotas da Gilead, em Basã, e Galiléia, não alcançados pelo poder de reformar reis de Judá. o"Asherah pólos desapareceram, as imagens são encontrados, apenas a profundidade sob a superfície. Os comprimidos esculpidas que permanecem em Damasco, e na Fenícia e da Síria, que representam os deuses de Canaã ou dos hititas, não têm contrapartida na Terra Santa. Mais uma vez, quando lemos das antigas "marcos" ( Deuteronômio 19:14Deuteronômio 19:14 ; Provérbios 22:28Provérbios 22:28 ; Provérbios 23:10Provérbios 23:10 ), não estamos a entender uma simples pedra de fronteira, mas sim um daqueles monumentos comuns na Babilônia - tão cedo, pelo menos, como o século 12BC - em que os limites de um campo são minuciosamente descritos, a história da sua concessão pelo rei detalhado, e uma maldição (compare Deuteronômio 27:17Deuteronômio 27:17 ) pronunciada contra o homem que se atreve a remover a pedra. Veja a ilustração sobNABUCODONOSOR .

 

III. Palestina nos livros históricos do Antigo Testamento.

 

  1. Livro de Josué:

 

Joshua é o grande livro geográfica do Antigo Testamento; ea grande maioria dos 600 nomes de lugares, rios e montanhas na Palestina mencionados na Bíblia são encontradas neste livro.

 

(1) A precisão topográfica.

 

Cerca de metade deste total de nomes eram conhecidos ou foram fixadas pelo Dr. Robinson, entre 1838,1852, e cerca de 150 novos sítios foram descobertos (1872-1878,1881-1882) em consequência do 1-in. levantamento trigonométricas do país, e foram identificados pela presente escritor durante este período; alguns sites interessantes foram adicionados por M. Clermont-Ganneau (Adullam e Gezer), por A. Henderson (Quiriate-Jearim), por WF Birch (Zoar em Contar esh Shaghur ), E por outros. Assim, mais de três quartos dos sites foram fixados com mais ou menos certeza, a maioria deles preservar seus nomes antigos. É impossível estudar essa topografia sem ver que os escritores da Bíblia tinha conhecimento pessoal do país; e é incrível que um sacerdote hebreu, escrito na Babilônia, poderia ter possuído que íntima familiaridade com todas as partes da terra que se manifesta nos capítulos geográficos de Joshua. As cidades são enumerados na devida ordem por distritos; as fronteiras tribais seguem linhas naturais - vales e cumes da montanha - e o caráter de várias regiões está corretamente indicada. Também não podemos supor que essa topografia refere-se a condições posteriores ao retorno do cativeiro, pois estes eram bem diferentes. Simeon tinha deixado de habitar o sul pelo tempo de Davi ( 1 Crônicas 4:24 ), eo monte de Dan foi colonizada por homens de Benjamim depois do cativeiro ( 1 Crônicas 8:12 , 1 Crônicas 8:13 ; Neemias 11: 34 , Neemias 11:35 ). Tirza é mencionado ( Josué 00:24 ), em Samaria, ao passo que a futura capital de Omri não é. Ai é dito ter sido feito "um montão para sempre" ( Josué 08:28 ), mas foi habitado, aparentemente, no tempo de Isaías ( Isaías 10:28 = Aiate) e, certamente, depois do cativeiro ( Esdras 2:28 ; Neemias 07:32 ; Neemias 11:31 = Aija). O mais tardar, a topografia parece ser que a idade de Salomão, no entanto, é notável que muito poucos lugares em Samaria são notados no livro de Josué. 1 Crônicas 4:241 Crônicas 8:121 Crônicas 8:13Neemias 11:34Neemias 11:35Joshua 00:24Joshua 08:28Isaías 10:28 Ezra 02:28Neemias 07:32Neemias 11:31

 

(2) A passagem do Jordão.

 

Israel atravessou o Jordão com o menor ford Leste de Jericó. O rio estava em inundação, inchado pelas neves de derretimento de Hermon ( Joshua 03:15Josué 03:15 ); a paralisação ocorreu 20 milhas mais para cima em Adam (ed -Dâmieh ), As falésias calcárias em um lugar estreito sendo provavelmente prejudicada e caindo em, diques, assim, o fluxo. SOUescritor oslem afirma que uma paralisação semelhante ocorreu no século 13, perto do mesmo ponto. (VejoRIO JORDÃO .) O primeiro acampamento foi estabelecido em Gilgal (Jilgûlieh), 3 milhas a leste de Jericó, e um "círculo" de 12 pedras foi erguido. Jericho não estava no local medieval (er Riha ) A sul de Gilgal, ou no local de Herodes Mais a oeste, mas no grande primavera 'Ain es Sultão, Perto das montanhas para que os espiões escaparam ( Joshua 02:16Josué 02:16 ). Os grandes montes foram encontrados por Sir C. Warren consistir de tijolos secos ao sol, e novas escavações (ver Mitteil . Der deutschen Orient-Gesell ., De dezembro de 1909, No. 41) revelaram pouco, mas os restos de casas de várias datas.

 

(3) Primeira Campanha de Josué.

 

A primeira cidade nas montanhas atacadas por Israel era Ai, perto Chayan, 2 milhas sudeste de Bethel. Ele tem um profundo vale para o Norte, como descrito ( Joshua 08:22Josué 08:22 ). A queda de Ai e Betel ( Joshua 08:17Josué 08:17) Parece ter resultado na ocupação pacífica da região entre Gibeão e Siquém ( Josh 08:30 ) parece ter resultado na ocupação pacífica da região entre Gibeão e Siquém (Jos 08:30 através 09:27); mas enquanto os heveus apresentou os amorreus de Jerusalém e do Sul atacaram Gibeão (el lança de guindaste ) E foram levados para baixo da passagem íngreme de Bete-Horom (Beit 'Aur) Para as planícies ( Joshua 10: 1-11Josué 10: 1-11 ). Grande invasão de Joshua, após esta vitória, passou pela planície Maqueda, agora chamadoel Mughâr, A partir da "caverna" (compare Joshua 10:17Josué 10:17 ), e por Libna a Laquis (Contar el Ḥesy ), Onde ele foi até Hebron, e "virou" Sul para Debir (edh Dhâherıyeh ), Assim a subjugar Shephelah de Judá, e nas montanhas do sul, embora a capital em Jerusalém não foi tomada. está agora muito geralmente admitido que as seis letras dos amorreus, rei de Jerusalém incluído noContar el -Amarna As letras podem referir-se a esta guerra. o'Abıri ou Ḥabiri nela estão notado como um povo feroz de Seir, que "destruiu todos os governantes", e que atacou Ajalon, Laquis, Ashkelon, Ceila (na estrada principal para Hebron) e outros lugares. VejoÊXODO , A .

 

(4) A segunda campanha.

 

A segunda campanha ( Joshua 11: 1-14Josué 11: 1-14 ) foi contra as nações da Galiléia; ea vitória hebraico foi adquirida a "águas de Merom" ( Joshua 11: 5Josué 11: 5 ). Não há nenhuma razão sólida para a sua integração naHuleh lago; eo pantanosa Jordan vale era um campo muito improvável de batalha para os carros cananeus ( Josué 11: 6Josué 11: 6 ). Os reis notadas são as de Madon (Madin ), Sinrom (Semmunieh ), Dor (possivelmente Contar Thorah ), "No oeste", e de Hazor (Ḥazzûr), Todos na Baixa Galiléia. A busca foi ao longo da costa em direção a Sidon ( Josué 11: 8Josué 11: 8 ); e Merom podem ser idênticos com Sinrom-meron ( Joshua 00:20Josué 00:20 ), agoraSemmunieh , Caso em que as "águas" foram os da corrente perene em Wady el Melek, 3 milhas para o Norte, que fluem do Oeste para se juntar a parte inferior do Kishon. Sinrom-meron foi uma das 31 cidades reais da Palestina Ocidental do Jordão ( Josh 12: 9-24, 3 milhas para o Norte, que fluem do Oeste para se juntar a parte inferior do Kishon. Sinrom-meron foi uma das 31 cidades reais da Palestina Ocidental do Jordão (Js 12: 9-24).

 

As regiões esquerda não conquistado por Josué ( Joshua 13: 2-6Josué 13: 2-6 ) foram os mais tarde conquistada por Davi e Salomão, incluindo as planícies dos filisteus, e da costa sidônio de Meara (el Mogheirıyeh ) Para o norte para Aphek (Afka) No Líbano, na fronteira do país amorreus que ficava ao sul da "terra dos hititas" ( Josué 1: 4Josué 1: 4 ). Sul do Líbano, de Gebal (Jubeil ) E a "entrada de Hamate" (Vale do Eleutério) no Ocidente, a Baal-Gade (provavelmente em 'Ain Judeideh na encosta noroeste do Hermon) também foi incluído na "terra", de David ( 2 Samuel 8: 6-102 Samuel 8: 6-10). Mas toda a leste da Palestina ( Josh 13: 7-32 ). Mas toda a leste da Palestina (Josh 13: 7-32), e do Oeste da Palestina, exceto as planícies da costa, foi alocado para as 12 tribos. Judá e José (Efraim e Manassés), sendo o mais forte, parecem ter ocupado as montanhas eoShephelah , Tanto do Norte como Baixa Galiléia, antes da colocação final.

 

Assim, o lote de Simeão foi dentro desse herdada por Judá ( Joshua 19: 1Josué 19: 1 ), e que de Dan parece ter sido parcialmente tomada de Efraim, desde muito de José originalmente chegou a Gezer ( Josué 16: 3Josué 16: 3 ); mas Benjamin parece ter recebido a sua parte inicial (compare Joshua 15: 5-11Joshua 15: 5-11 ; Joshua 16: 1Joshua 16: 1 , Joshua 16: 2Joshua 16: 2 ; 18: 11-28). Este lote foi maior do que a de Efraim, e Benjamin não era então "a menor das tribos de Israel" ( 1 Samuel 09:211 Samuel 09:21 ), desde a destruição da tribo não ocorreu até depois da morte de Josué e Eleazar ( juízes 20:28juízes 20:28 ).

 

As doze tribos foram distribuídas em várias regiões que podem aqui ser brevemente descritos. Reuben realizada planalto Moab ao Arnon ( Wady Môjub ) Sobre o Sul e para o "rio de Gad" ( Wady Nā'aûr ) Sobre o Norte, incluindo, portanto, parte do vale do Jordão perto do Mar Morto. Gad realizado todo o oeste da Gilead, sendo separado dos amonitas pelo curso superior do Jaboque. Tudo o resto do vale do Jordão a leste do rio foi incluído neste lote. Manassés realizada Basan, mas a conquista não foi concluída até mais tarde. Simeão teve a neghebh planalto sul de Beersheba. Judah ocuparam as montanhas do Sul de Jerusalém, com o Shephelah ao seu Oeste, e afirmou Philistia Sul de Ekron. Benjamin tinha as planícies Jericó e as montanhas entre Jerusalém e Betel. A fronteira correu ao sul de Jerusalém ao túmulo de Rachel ( 1 Samuel 10: 2 ), e daí Ocidente para Quiriate-Jearim ( 'Erma) e Ekron. Dan ocuparam a colinas mais baixas West of Benjamin e Efraim, e reivindicou a planície de Ekron para Racom ( 1 Samuel 10: 2Contar er Raḳḳeit) Do Norte de Jope. Manassés tinha uma grande região, correspondendo a Samaria, e incluindo Carmel, Sharon e metade do vale do Jordão, com as montanhas ao norte de Siquém; mas esta tribo ocupava apenas as colinas, e foi incapaz de dirigir os Cannanites fora das planícies ( Joshua 17:11Josué 17:11 , Joshua 17:16Josué 17:16 ) Efraim também se queixou da pequenez do seu lote ( Joshua 17:15Josué 17:15 ), que estava em acidentada montanhas entre Betel e Siquém, incluindo no entanto, o planalto de grãos do leste desta última cidade. Issacar realizada nas planícies de Esdraelon e Dothan, com o vale do Jordão para o Oriente, mas logo se tornou sujeito aos cananeus. Zabulon tinha as colinas de Baixa Galiléia, e da costa de Carmel para Aco. Naftali propriedade das montanhas da Alta Galiléia, e os ricos platô entre Tabor e do Mar da Galiléia. Asher tinha o colinas baixas Oeste de Naftali, e as planícies costeiras estreitas de Aco a Tiro. Assim, cada tribo possuía uma proporção de montanha ajuste terra para o cultivo de figos, azeitonas e videiras, e das terras aráveis ​​apto para o milho. As áreas atribuídas parecem corresponder com a densidade da população que as várias regiões foram ajustados a suportar.

 

As cidades levíticas foram fixados nas várias tribos como centros para o ensino de Israel ( Deuteronômio 33:10Deuteronômio 33:10 ), mas um levita não era obrigado a viver em tal cidade, e era esperado para ir com o seu curso anual para o centro sagrado, antes que eles se retiraram para Jerusalém para o rompimento do reino ( 2 Crônicas 11:142 Crônicas 11:14). Os 48 cidades ( Josh 21: 13-42 ). Os 48 cidades (Js 21: 13-42) incluem 13 em Judá e Benjamin para os sacerdotes, entre os quais Bete-Semes ( 1 Samuel 06:131 Samuel 06:13 , 1 Samuel 06:151 Samuel 06:15 ) e Anatot ( 1 Reis 2:261 Reis 2:26 ) são cedo notado como levítico. As outras tribos tinham 3 ou 4 tais cidades cada, divididas entre os coatitas (10), Gérson (13), e Merari (12). As seis cidades de refúgio foram incluídos no total, e foram colocados 3 cada lado da Jordânia no sul, no centro e no norte, ou seja, Hebron, Siquém e Quedes, a oeste, e Bezer (desconhecido), Ramot (Reimûn ) E Golan (provavelmente Saḥem el Jaulân) A leste do rio. Uma outra lista menos perfeita dessas cidades, com 4 omissões e 11 pequenas diferenças, principalmente clerical, é dada em 1 Ch 6: 57-81) A leste do rio. Uma outra lista menos perfeita dessas cidades, com 4 omissões e 11 pequenas diferenças, principalmente clerical, é dada em 1 Ch 6: 57-81. Cada uma dessas cidades tinha "subúrbios", ou espaços abertos, que se estendem ( Números 35: 4Números 35: 4 ), cerca de um quarto de milha além da parede, enquanto os campos, a cerca de meia milha de distância, também pertenciam aos levitas ( Levítico 25:34Levítico 25:34 ).

 

  1. Livro dos Juízes:

 

(1) Os primeiros Wars.

 

Em Juízes, as histórias dos heróis que sucessivamente surgiram para salvar Israel das nações levar-nos a todas as partes do país. "Depois da morte de Josué" ( Juízes 1: 1Juízes 1: 1 ) os cananeus parecem ter recuperado o poder, e de ter reconstruído algumas das cidades que ele havia arruinado. Judá pelejaram os perizeus ( "moradores") na Berek ( berkah) Nas colinas baixas Ocidental de Jerusalém, e fogo mesmo conjunto a essa cidade. Caleb atacou Debir (JSG Josué 1: 12-15Josué 1: 12-15 ), que é descrito (compare Joshua 15: 15-19Joshua 15: 15-19 ) como estando em uma região (King James Version "sul") "seco", mas com molas não está longe. O site real (edh Dhâherıyeh) É uma vila com túmulos antigos 12 milhas ao sudoeste de Hebron; ele não tem molas, mas cerca de 7 milhas para o Nordeste há um fluxo perene com "fontes superiores e inferiores." Quanto às cidades dos filisteus ( juízes 1:18Juízes 1:18 ), a leitura Septuaginta parece preferível; para o grego diz que Judá "não tomou Gaza", nem Ashkelon nem Ekron, que concorda com o fracasso em conquistar o "vale" ( juízes 1:19Juízes 1:19 ), devido aos cananeus com "carros de ferro." Os carros cananeus são frequentemente mencionados sobre esse tempo noContar el -Amarna Letras e contas egípcios falam de seu ser chapeados de metais. Manassés, Efraim, Zabulon, Asher e Naftali, foram igualmente impotentes contra cidades nas planícies ( Juízes 1: 27-33Juízes 1: 27-33 ); e Israel começou a misturar-se com os cananeus, enquanto a tribo de Dã parece nunca ter realmente ocupada sua região alocado, e permaneceu acampado nas fronteiras de Judá até alguns, pelo menos, de seus guerreiros encontrado uma nova casa ao pé de Hermom ( juízes 1:34Juízes 1 : 34 ; 18: 1-30), no tempo de Jonathan, o neto de Moisés.

 

(2) Derrota de Sísera.

 

A opressão de Israel por Jabim 2 de Hazor, na Baixa Galiléia, parece ter ocorrido na época de Ramsés II, que, em seu 8º ano, conquistou Shalem ( Salim , Norte da Tanac), Anem ( 'Anin ), Dapur ( Debûrieh , Ao pé do Tabor), com Anate ( 'Ainitha ) Em Alta Galileia (Brugsch, História do Egito , II, 64). Sísera pode ter sido um residente egípcia na corte de Jabim ( Juízes 4: 2 ); sua derrota ocorreu perto do pé da Tabor ( Juízes 04:14 ), ao qual ele avançou Leste desde Harosete ( Juízes 4: 2juízes 4:14el Ḥarathıyeh) Na borda da planície mar. Seu anfitrião "pereceram em Endor" ( Salmo 83: 9Salmo 83: 9 ) e no Kishon pantanosa ( juízes 5:21Juízes 5:21 ). O site da Quedes, em "a planície de pântanos" ( juízes 4:11Juízes 04:11 ), ao qual ele fugiu é duvidosa. Talvez Quedes de Issacar ( 1 Crônicas 6:721 Crônicas 6:72 ) destina-se aContar Ḳadeis, 3 milhas a norte de Tanac, para a planície está aqui pantanosa em partes. A liga cananeu de pequenos reis lutaram de Tanac para Megido ( juízes 5:19Juízes 5:19 ), mas a antiga identificação da última cidade com a cidade romana de Legio (Lejjûn) Foi uma mera suposição, que não se encaixa com as contas egípcios colocando Megido, perto do Jordão. A grande site emMugedd'a, No Vale de Jezreel parece ser mais adequado para todo o Antigo Testamento, bem como para as contas egípcias ( SWP , II, 90-99).

 

(3) A vitória de Gideão.

 

A opressão subsequente por midianitas e outros parecem ter coincidido com os problemas que ocorreram no dia 5, ano de Minepthah (veja ÊXODO , A). Casa de Gideão ( juízes 6:11Juízes 6:11 ), a Ofra, em Manassés, é colocado por Samaritano tradição naFer'ata, 6 milhas a oeste de Siquém, mas sua vitória foi ganha no vale de Jezreel ( Juízes 7: 1-22, 6 milhas a oeste de Siquém, mas sua vitória foi ganha no vale de Jezreel (Juízes 7: 1-22); os locais de Bete-shittah (Shatta ) E Abel-Meolá ('Ain Helweh ) Mostram como os midianitas fugiram por este vale e do Sul ao longo da planície Jordan, cruzando o rio perto de Sucot (Contar Der'ala ) E subindo as encostas de Gilead para Jogbeá (Jubeiḥah) E Noba ( Juízes 8: 4-11Juízes 8: 4-11 ). Mas Orebe ( "O Corvo") e de Zeebe ( "o lobo") pereceram em "rock do corvo" e "do lobo oca" (compare juízes 7:25Juízes 7:25 ), a oeste da Jordânia. É notável (como apontado pelo autor em 1874) que, 3 milhas a norte de Jericó, um pico agudo é agora chamado de "ninho do corvo", e uma ravina 4 milhas mais ao norte é chamado de "covas de lobo". Estes sites são bastante mais longe do Sul do que seria de esperar, a menos que os dois chefes foram separados dos fugitivos, que seguiram Zeba e Zalmuna a Gileade. Neste episódio "Mt. Gilead" ( Juízes 7: 3Juízes 7: 3 ) parece ser um erro de escrita para "Mt. Gilboa," a menos que o nome sobrevive em forma corrupta em'Ain Jâlûd ( "Primavera de Golias"), que é uma grande piscina, geralmente suposto ser a fonte de Harode ( Juízes 7: 1Juízes 7: 1 ), onde Gideon acampados, ao leste de Jezreel.

 

A história de Abimeleque, nos leva de volta a Siquém. Ele foi feito rei pela "carvalho da coluna" ( Juízes 9: 6Juízes 9: 6 ), que foi, sem dúvida, o carvalho de Abraão já percebeu; parece também ser chamado de "a encantar.

standard encyclopedia bible

fonte www.avivamentonosul21.comunidades.net