Translate this Page

Rating: 3.0/5 (868 votos)



ONLINE
11




Partilhe este Site...

 

 

<

Flag Counter

site, fee epub, link, get pdf, enter link, free book, download book, this link, free book, download pdf,

Introdução biblica (8)
Introdução biblica (8)

                                                               Bíblia 

 

Bíblia (anglicizado do Βιβλία grega, pequenos livros ou seja, libelli; latinizado Biblia), a designação popular (geralmente na frase "Bíblia Sagrada") agora em toda parte atual para as Sagradas Escrituras do Antigo e do Novo Testamento na sua forma coletado presente. Os livros sagrados eram denominados pelos judeus a escrita (כּתִיב, Kethib ', escrita ou מִקרָא, mikra', recitação), um nome do mesmo caráter que o aplicado pelos maometanos (Corão) para indicar o seu volume sagrado. VER ESCRITURAS, SANTO.

 

A Bíblia está dividida em Antigo e Novo Testamentos, ἡ παλαιά, καὶ ἡ καινὴ διαθήκη. O nome do Antigo Testamento é aplicada aos livros de Moisés por Paulo (2Co 3:14), na medida em que a antiga aliança composta todo o esquema da revelação Mosaic, ea história desta está contido neles. Esta frase, "livro do pacto", feita provavelmente de Ex 24: 7; Ex 1 Macabeus 1:57 (βιβλίον διαθήκης), foi transferido no decurso do tempo por um metonymy-se para significar os escritos. A palavra διαθήκη significa tanto um testamento ou um pacto, mas agora torná-lo testamento, porque os tradutores da versão latina de idade sempre tornava a partir do setembro, mesmo quando foi usado como uma tradução do hebraico, בּרִית, Berith '(aliança), pela palavra Testamentum. Os nomes dados ao Antigo Testamento eram as Escrituras (Mt 21:42), Escritura (2Pe 1:20), as Sagradas Escrituras (Ro 1: 2), as letras sagradas (2 Timóteo 3:15), os livros sagrados (Sanhed . 91, 2), a lei (Jo 12:34), a lei, os profetas e os salmos (Lu 24:44), a lei e os profetas (Mt 5:17), a lei, os profetas, e os outros livros (Prol Ecclus..), os livros da antiga aliança (Ne 8: 8), o livro da aliança (1 Macabeus 1:57; 2 Reis 23: 2). - Kitto, S.V. VER Testamento.

 

Os outros livros (não no cânon) foram chamados apócrifos, eclesiástico, e deuterocanonical. O termo Novo Testamento tem sido de uso comum desde o século III, e é empregado por Eusébio, no mesmo sentido em que é agora comumente aplicada (Hist. Eccles, 2, 23). Tertuliano emprega a mesma frase, e também a de "o Instrumento Divino" na mesma significação. VER Antilegomena; VER Apocrypha.

 

concordância ⇒Bible para BÍBLIA.

 

  1. Apropriação do termo "Bíblia". -

 

  1. Na sua forma grego. - A aplicação da palavra Βιβλία, os livros, especialmente aos livros recolhidos do Antigo e do Novo Testamento, não está a ser traçado mais para trás do que o século 5º. Os termos que os escritores de uso do Novo Testamento das Escrituras do Antigo são γραφή ἡ (2 Timóteo 3:16; Ac 08:32; Ga 3:22), αἱ γραφαί (Mt 21:42; Lu 24:27), τὰ ἱερὰ γράμματα (2 Timóteo. 15). Βιβλίον é encontrado (2 Timóteo 4:13; Re 10: 2; Re 5: 1), mas sem nenhum significado distintivo; nem o uso de τὰ λοιπὰ τῶν βιβλίων para o Hagiographa no prefácio do Eclesiástico, ou de αἱ ἱεραὶ βίβλοι em Josephus (Ant. 1, 6, 2), indica qualquer coisa como para o uso de τὰ βιβλία sozinho como sinônimo de ἡ γραφή. As palavras empregadas pelos escritores cristãos primitivos eram naturalmente derivado da língua do Novo Testamento, e os termos de idade, com epítetos como θεῖα, ἃγια, e similares, continuou a ser usado pelos pais gregos, como o equivalente "Scriptura" foi pela Latina. O uso de ἡ παλαιὰ διαθήκη em 2Co 3:14, para a lei como lido nas sinagogas, e a proeminência dada na Epístola aos Hebreus (Hb 7:22; Hb 8: 6; Hb 9:15) para o contraste entre o παλαιά eo καινή, levou gradualmente à extensão do antigo para incluir outros livros das Escrituras judaicas, e para a aplicação do último como da primeira para um livro ou coleção de livros. Dos equivalentes latinos que foram adoptadas por diferentes escritores (Instrumentum, Testamentum), este último encontrou-se com a aceitação mais geral, e perpetuou-se na linguagem da Europa moderna. Uma passagem de Tertuliano (adv. Marc. 4, 1) ilustra a crescente popularidade da palavra que acabou por prevalecer ", instrumenti vel quod magis em usu est dicere, testamenti." A palavra foi, naturalmente, usado por escritores gregos, falando das partes dessas duas coleções. Eles enumerar (por exemplo Athan Synop Sac Script....) Τὰ βιβλία do Antigo e do Novo Testamento; e como estes foram contrastados com os livros apócrifos circularam por hereges, houve uma tendência natural para a apropriação da palavra como limitada pelo artigo para toda a coleção das Escrituras canônicas. Jerome substitui essas expressões o termo Bibliotheca Divina (ver Hieronymi Opera, ed. Martianay, vol. 1, Proleg.), Uma frase que este pai aprendeu provavelmente emprestado de 2 Macabeus, 02:13, onde Neemias é dito, na "fundação uma biblioteca "(βιβλιοθήκη), para ter" reuniu os atos "dos reis, e os profetas, e de Davi, e as epístolas dos reis relativo ao santo presentes". Mas apesar de ter sido habitual para denominar os livros separados em grego pelo termo Biblia, que é frequentemente aplicado de modo a por Josefo, primeiro encontrá-lo simplesmente aplicada a toda a coleção por São Crisóstomo, em sua

 

Segunda Homilia, "Os judeus têm os livros (βιβλία), mas nós temos o tesouro dos livros, pois eles têm as letras (γράμματα), mas temos tanto espírito e da letra." E, novamente, Hom. IX em Epíst. ad Coloss., "Fornecer-se com livros (βιβλία), a medicina da alma, mas se você deseja nenhum outro, pelo menos, obter a nova (καινή), o Apostolos, os Atos, os Evangelhos". Ele também contribui para a palavra βιβλία o divino epíteto na homilia Décimo em Gênesis: "Tomar antes e após as refeições os livros divinos" (τὰ θεῖα βιβλία), ou, como agora devemos expressá-lo, a Bíblia Sagrada. É, portanto, aplicada de uma forma que mostra que esse uso já se tornaram familiares para aqueles a quem ele escreveu. O uso litúrgico das Escrituras, como o culto da Igreja tornou-se organizada, seria naturalmente favorecem esta aplicação. O MSS. a partir do qual eles foram lidos seria enfaticamente os livros de cada igreja ou mosteiro. E quando esse uso da palavra foi estabelecido no Oriente, era natural que ele deve passar gradualmente para a Igreja Ocidental. A terminologia daquela Igreja dá testemunho todo (por exemplo Episcopus, Presbítero, Diácono, Litania, Liturgia, Monachus, Abbas, e outros) à sua origem grega, e a história da palavra Biblia tem seguido a analogia daqueles que foram referidos . Aqui, também, havia menos risco de que seja usado em qualquer outra do que o maior significado, porque não tinha, apesar da introdução mesmo em Latinity clássica de Biblioteca, Bibliopola, tomou o lugar do libri, ou libelli, na fala comum dos homens.

 

  1. O formulário Inglês. - É digno de nota que "Bíblia" não é encontrada na literatura anglo-saxónica, embora Bibliothece é dada como usado no mesmo sentido que a palavra correspondente em latim medieval para as Escrituras como (Lye, Anglo-Sax Dict..) o grande tesouro-house de livros (Du Cange e Adelung, sv). Se nós derivam da nossa língua materna o equivalente do εὐαγγέλιον grega singularmente feliz, temos recebido a palavra que fica em uma eminência igual com o "Evangelho" como uma das importações posteriores na sequência da conquista normanda e as relações sexuais mais completa com o Continente. Quando o Inglês, que cresceu a partir dessa união aparece pela primeira vez na literatura, a palavra já é naturalizada. Em R. Brunne (p. 290), Piers Plowman (1916, 4271), e Chaucer (Prol. 437), ele aparece no seu sentido distinto, embora este último, em pelo menos uma passagem (House of Fame, bk. 3 ), usa-lo de uma forma que indica que não foi sempre limitado a esse significado. A partir desse momento, no entanto, a utilização superior prevaleceu para a exclusão de qualquer inferior; ea escolha do mesmo, e não de qualquer dos seus synonymes, pelos grandes tradutores das Escrituras, Wickliffe. Luther, Coverdale, fixa-lo para além de qualquer possibilidade de mudança. A transformação da palavra de um plural em um substantivo singular em todas as línguas modernas da Europa, embora originário provavelmente nos solecisms do latim do século 13 (Du Cange, sv Biblia), tornou mais apto do que de outro modo teria sido por seu alto cargo como o título de que, em virtude de sua unidade e plano, é enfaticamente o livro.

 

  1. O livro como um todo. - A história do crescimento das coleções conhecidas como o Velho eo Novo Testamento, respectivamente, serão encontrados totalmente sob CANON. Ele se enquadra no âmbito do presente artigo para indicar de que forma e por que os passos dos dois passou a ser encarado como de autoridade ordenada cooperação e, portanto, como partes de um todo - como, ou seja, a idéia de uma Bíblia completa, mesmo antes de a palavra entrou em uso, apresentou-se para as mentes dos homens. No que se refere a grande parte dos escritos do Novo Testamento, não é demais dizer que eles reivindicam uma autoridade não menor, ou melhor, ainda maior do que o Velho. Aquilo que não havia sido revelado para os "profetas" da dispensação Velho é revelado aos profetas do Novo (Ef 3: 5). Os apóstolos escreveu como tendo o Espírito de Cristo (1Co 07:40), como ensinar e ser ensinado "pela revelação de Jesus Cristo" (Gálatas 1:12). Onde eles não fazem tal afirmação direta a sua língua ainda é a dos homens que ensinam como "ter autoridade", e até agora o velho espírito profético é revivido neles, e seus difere de ensino, assim como a de seu Mestre, das tradições de os escribas. Como a revelação de Deus através do Filho foi reconhecido como mais completa e mais perfeita do que a que tinha sido feito πολυμερῶς καὶ πολυτρόπως aos pais (Hb 1: 1), os registros do que ele tinha feito e disse, quando uma vez reconhecido como autêntico, não podia ser considerada como menos sagrado do que as Escrituras dos judeus. Indicações deste são encontrados até mesmo dentro do N.T. si. Assumindo a autenticidade da Epístola 2d de Pedro, mostra que durante a vida dos apóstolos, as Epístolas de Paul tinha vindo a ser classificados entre o γραφαί da Igreja (2Pe 3:16). A linguagem da mesma Epístola em relação ao ensino registrado dos profetas e apóstolos (3:. 2; comp Ef 2,20; Ef 3: 5; Ef 4:11) mostra que o πᾶσα προφητεία γραφῆς dificilmente pode ser limitado ao escritos do Antigo Testamento. O comando que a carta aos Colossenses era para ser lido na igreja de Laodicéia (Col 4,16), embora isso não prova que ele foi considerado como de igual autoridade com o θεόπνευστος γραφὴ, indica uma prática que seria naturalmente levar a seu ser assim considerado. A escrita de um homem que falou como inspiração não poderia deixar de ser considerados como participantes na inspiração. É parte do desenvolvimento do mesmo sentimento que os primeiros registros do culto da Igreja cristã indicar o uso litúrgico de pelo menos alguns dos escritos do Novo, bem como do Antigo Testamento. Justin (Apol. 1, 66) coloca τὰ ἀπομνημονεύματα τῶν ἀποστόλων como lido em estreita ligação com, ou em lugar de τὰ συγγράμματα τῶν προφητῶν, e essa justaposição corresponde à maneira pela qual Inácio já havia falado de αἱ προφητείαι, νόμος Μωσέως, τὸ εὐαγγέλιον (Ep. ad Smyrn. c. 7). Não se entende, é claro, que essas frases ou tais práticas provar a existência de uma coleção reconhecida, mas eles mostram com que sentimentos escritos individuais foram consideradas. Eles preparam o caminho para a aceitação de todo o corpo do N.T. escritos, assim que a Canon está concluída, como em um nível com as do Velho. Um pouco mais adiante, o reconhecimento é completa. Teófilo de Antioquia (ad Autolyc bk no..), Irineu (adv Haer 2, 27; 3:.. 1), Clemente de Alexandria (Stromata, 3, 10; 5: 5).., Tertuliano (adv Prax 15, 20), todos falam dos escritos do Novo Testamento (o que escritos incluíam sob este título é, naturalmente, uma questão distinta) como tornando-se, com o velho, μία γνῶσις (Clem. Al. lc), "totum instrumentum utriusque testamenti" ( terc. lc), Scripturae universae. Como este foi em parte uma consequência do uso litúrgico a que se refere, por isso reagiram em cima dele, e influenciou os transcritores e tradutores dos livros que eram necessários para a instrução da Igreja. O siríaco Peshito na 3d, ou no final do século 2d, inclui (com a omissão de alguns dos ἀντιλεγόμενα) do Novo Testamento, bem como o Velho. O Alexandrino Codex, apresentando no sentido mais completo da palavra a Bíblia completa, pode ser tomado como o representante da plena maturidade do sentimento que temos visto em seus empreendimentos anteriores. O mesmo pode ser dito do Codex Sinaiticus, recentemente trazidos à luz pelo Prof. Tischendorf.

 

III. Ordem dos Livros. - A existência de uma coleção de livros sagrados reconhecidos como leads autoritário naturalmente para um arranjo mais ou menos sistemática. O arranjo deve repousar em algum princípio de classificação. Os nomes dados aos vários Looks indicará em alguns casos, o entendimento do seu conteúdo, em outros, o tipo de notação aplicado tanto aos maiores e menores divisões dos volumes sagrados. A existência de uma classificação análoga à adotada pelos judeus mais tarde e ainda retida nas Bíblias hebraicas impressos, é indicado antes mesmo da conclusão do O.T. Canon (Zec 7:12). Quando a Canon foi bloqueado em cima como assente, no período coberto pelos livros apócrifos, ele tomou uma forma mais definida. O Prólogo Eclesiástico menciona "a lei e os profetas e os outros livros." No N.T. existe o mesmo tipo de reconhecimento. "A Lei e os Profetas" é o mais curto (Mt 11:13; Mt 22:40; Ac 13:15, etc.); "A Lei, os Profetas e nos Salmos" (Lu 24:44), a declaração mais completa da divisão popularmente reconhecido. O arranjo dos livros de texto Hebreus sob estas três cabeças requer, no entanto, um aviso mais longe.

 

  1. A lei, a Torá ', תּוֹרָה, νόμος, naturalmente, continuou a ocupar a posição que deve ter realizado a partir da primeira como a parte mais antiga e autoritária. O que quer que questões podem ser suscitadas quanto à antiguidade de todo o Pentateuco na sua forma actual, a existência de um livro que leva esse título é feita com base em um período muito cedo na história dos israelitas (Jos 1: 8; Jos 08:34; Jos 24:26). O nome que deve em primeiro lugar ter anexado a essas porções de todo o livro foi aplicada à história anterior e contemporânea relacionada com a promulgação da lei, e atribuiu ao mesmo escritor. A distinção acentuada das cinco partes que compõem a Torah mostra que eles devem ter sido concebido como livros separados; e quando a Canon foi concluída, e os livros na sua forma actual fez o objeto de estudo, nomes para cada livro eram procurados e foram encontrados. Na classificação hebraico os títulos foram tomadas a partir das palavras iniciais, ou palavras de destaque no verso inicial; em que o setembro de eles se destinavam a ser significativa do objecto de cada livro, e por isso temos

 

(1.) בּרֵאשִׁית. . Γένεσις, Genesis. (2.) שׁמוֹת (ואֵלֶּה). Εξοδος, Exodus. (3.) וִיּקרָא. . . . Λευϊτικόν, Levítico. (4.) בּמִדבִּר. . . Αριθμοί, Numbers. (5.) דּבָרִים. . . Δευτερονόμιον, Deuteronômio.

 

Os títulos gregos foram aprovados sem alterações, exceto conforme ao quarto, nas versões latinas, ea partir deles desceram para as Bíblias da cristandade moderna.

 

  1. Os profetas. - O próximo grupo apresenta uma combinação mais singular. O arranjo permanece como segue:

 

Nebiim '. נבִיאִים Prophetae.

 

  1. רִאשׁוֹנִים (priores) Josué. Juízes 1 e 2 Samuel 1; 2Sa 2 Reis.

 

  1. אִחֲרוֹנִים (posteriores)

 

uma. גּדוֹלִים (majores) Isaías. Jeremias. Ezequiel.

 

  1. קמִנִּים (minores) Os doze profetas menores.

 

Os títulos hebraicos desses livros correspondentes aos das Bíblias Inglês; assim também na Septuaginta, a não ser que esta versão (como a Vulgata) calcula que 1 e 2 Samuel como 1 e 2 Reis e 1 e 2 Reis como 3 e 4 Reis.

 

Os motivos pelos quais os livros simplesmente históricos foram classificadas sob o mesmo nome que aqueles que continha os ensinamentos dos profetas, no sentido mais estrito da palavra, não são, à primeira vista, óbvia, mas o O.T. apresenta alguns fatos que possam sugerir uma explicação. Os filhos dos profetas (1 Samuel 10: 5; 2Rs 05:22; 2Rs 6: 1), vivendo juntos como uma sociedade, quase como uma casta (Am 7:14), treinados para uma vida religiosa, cultivando minstrelsy sagrado, deve ter ocupado uma posição como instrutores do povo, mesmo na ausência do chamado especial que lhes enviados como mensageiros de Deus para o povo. Um corpo de homens tão colocados naturalmente se tornam historiadores e analistas, a menos que a atividade intelectual é absorvida no ascetismo. As referências nos livros históricos do O.T. mostram que eles realmente eram tais. O profeta Natã, Gad, o vidente de Davi (1Cr 29:29), Aías e Iddo (2Cr 9:29), Isaías (2Cr 26:22; 2Cr 32:32), são citados como cronistas. O maior antiguidade dos livros históricos anteriores, e talvez a crença tradicional de que eles tinham originado dessa maneira, eram susceptíveis de cooperar na criação deles com um alto lugar de honra no arranjo do cânon judeu, e assim eles foram parecia sobre como tem o caráter profético que foi negado aos livros históricos do Hagiographa. A maior extensão das profecias de Isaías, Jeremias, Ezequiel, não menos do que a posição de destaque que ocupou na história de Israel, conduziu naturalmente a sua sendo reconhecida como a Prophetae majores. A exclusão de Daniel desta subdivisão é um fato mais notável, e um que foi diferente interpretada, a escola racionalista de críticas depois (Eichhorn, De Wette, Bertholdt) vendo nele uma indicação de data posterior, e, portanto, de autenticidade duvidosa, a escola ortodoxa ao contrário, como representado por Hengstenberg (dissert. em Daniel cap. 2, § 4, 5), sustentando que a diferença descansou apenas no facto de, embora o utterer das previsões, ele não tinha exercido, como a outros tinham feito, o escritório de um profeta entre as pessoas. Qualquer que tenha sido a sua origem, a posição deste livro no Hagiographa levou os judeus depois de pensar e falar com desprezo dele, e os cristãos que disputou com eles das suas previsões foram recebidos por comentários depreciativos à sua autoridade (Hengstenberg, 1. c.). O arranjo do Prophetae Minores não ligar para o aviso especial, excepto na medida em que foram contadas, a fim de trazer toda a lista de livros canônicos dentro de um número memorial, respondendo ao das letras no alfabeto hebraico, como um único de volume, e descrito como τὸ δωδεκαπρόφητον.

 

  1. O Hagiographa. - Última, a fim veio o grupo conhecido como Kethubim ', כּתוּבַים (de כָּתִב, para escrever), γραφεῖα, ἁγιόγραφα, ι.ε. "escritos sagrados", incluindo os livros restantes do cânon hebraico, dispostos na seguinte ordem, e divisões subordinadas:

 

(A) Salmos, Provérbios, Job. (B) O Cântico dos Cânticos, Ruth, Lamentações, Eclesiastes, Ester. (C) Daniel, Esdras, Neemias, 1 e 2 Crônicas.

 

Destes, (a) foram distinguidos pela palavra memorial אֶמֶת, "verdade", formada a partir das iniciais dos três livros; (B) como חָמֵשׁ מגַלּוֹת, os cinco rolos, como sendo escrito para uso nas sinagogas em festivais especiais nos cinco rolos separados. Dos títulos hebraicos desses livros, os que são descritivas do seu conteúdo são: תּהַלַּים, Tehilim ", os Salmos; מַשׁלֵי, Mishley ', Provérbios; אֵיכָה, Eykah ', Lamentações (da palavra de lamento em 1 de abertura: 1); Cântico dos Cânticos, שַׁיר הִשַׁירַים, Shir hash Shirim '; Eclesiastes, קֹהֶלֶת, Kohe'leh, o Pregador; 1 e 2 Crônicas, דַּברֵי הִיָּמַים, Dibrey 'feno-yamim', palavras dos dias = registros.

 

A setembro apresenta os seguintes títulos de estes últimos: Ψαλμοί, Παροιμίαι, Θρῆνοι, Ασμα ἀσμάτων, Εκκλησιαστής, Παραλειπόμενα (isto é, as coisas omitidas, como sendo complementar aos livros de Reis). A versão latina importa alguns dos títulos, e traduz os outros: Psalmi, Proverbia, Threni, Canticum Canticorum, Eclesiastes, Paralipômenos, e estes em sua forma traduzida ter determinado a títulos recebidos do livro em nossas Bíblias Inglês - Eclesiastes, em que o título grego é mantido, e Crônicas, em que o hebraico e não o título grego é traduzido, sendo exceções. A setembro apresenta também algumas variações marcantes na ordem dos livros (seguimos a Sixt ed -... MSS são muito diferentes). Tanto neste e na inserção do ἀντιλεγομενα, o que nós sabemos agora como os apócrifos, entre outros livros, traçamos a ausência de tão forte reverência pela Canon e sua ordem tradicional que distinguia os judeus da Palestina. A Lei, é verdade, está em primeiro lugar, mas a distinção entre os profetas maiores e menores, entre os profetas e os Hagiographa, deixa de ser reconhecido. Daniel, com os acréscimos apócrifos, segue a Ezequiel; 1º apócrifo ou um livro 3d de Esdras entra como um primeiro, anterior à Esdras canônico. Tobit e Judith são colocados depois de Neemias, Wisdom (Σοφία Σαλομών) e Eclesiástico (Σοφία Σειράχ) após Cânticos, Baruch antes e a Epístola de Jeremias após Lamentações, os doze profetas menores diante dos quatro maiores e os dois livros dos Macabeus no fechamento de tudo. O Vulg comum. segue quase o mesmo fim, invertendo a posição relativa dos profetas maiores e menores. A separação dos livros duvidosos sob o título de Apocrypha nas versões protestantes das Escrituras deixou os outros na ordem em que temos agora eles. VER SEPTUAGINTA; VER Vulgata.

 

  1. A história do arranjo dos livros do Novo Testamento apresenta algumas variações, não sem juros, como indicando diferenças de sentimento ou modos de pensamento. Os quatro Evangelhos e os Atos dos Apóstolos uniformemente ficar em primeiro lugar. Eles são, portanto, para o Novo que o Pentateuco foi ao Antigo Testamento. Eles não apresentam, no entanto, em si mesmas, como os livros de Moisés, qualquer ordem de sucessão. A ordem real não depende o posto ou função dos escritores a quem são atribuídos. Os dois não escritos por apóstolos são precedidos e seguidos por aquele que era, e parece como se a verdadeira explicação podiam ser encontrados em uma crença tradicional quanto às datas das várias Evangelhos, segundo a qual Mateus, quer na sua grego ou hebraico forma, foi o primeiro, e João o mais tardar. O arranjo, uma vez adoptada, naturalmente confirmar a crença, e por isso achamos assumido por Irineu, Orígenes, Agostinho. A posição dos Atos como um livro intermediário, a sequela com os Evangelhos, o prelúdio para as Epístolas, foi, obviamente, um natural. Após isso, encontrar-se com algumas diferenças marcantes. A ordem na Alexandrino, do Vaticano, e Ephraem MSS. (A, B, C) dá precedência às Epístolas católicas, e como este é também reconhecido pelo Conselho de Laodicéia (Can 60.); Cirilo de Jerusalém (Catech 4, 35).: E Atanásio (Epist Fest ed Bened 1:.... 961), parece ter sido característica das igrejas orientais. Lachmann e Tischendorf (7ª ed.) Siga este arranjo. (. O Sinai MS coloca epístolas de Paulo, mesmo antes dos Atos.) A Igreja ocidental, por outro lado, como representado por Jerome, Agostinho e seus sucessores, deu prioridade de posição para as Epístolas Paulinas; e, como a ordem em que estas foram dadas presentes: (1) aqueles dirigidos às igrejas organizadas de acordo com a sua importância relativa, (2) os dirigidos a indivíduos, o lugar mais importante foi, naturalmente, ocupado pela Epístola aos Romanos. A tendência da Igreja ocidental a reconhecer Roma como o centro da autoridade pode, talvez, em parte, responsáveis ​​por esta partida do costume do Oriente. A ordem do Paulinas-se, no entanto, é geralmente a mesma, e o arranjo única visivelmente diferente que foi de Márcion, que visa uma ordem cronológica. Nos quatro MSS. acima referido, Hebreus vem depois de 2 Tessalonicenses (em que a partir do qual Cod. B foi copiado parece ter ficou entre Gálatas e Efésios). Naqueles seguido por Jerome, que está, como na Bíblia Inglês eo Textus Receptus, depois de Philemon. Possivelmente, a ausência do nome de Paulo, possivelmente, as dúvidas que existiam quanto ao seu ser o único autor de que, possivelmente, a sua aproximação ao caráter das Epístolas católicas, pode ter determinado o arranjo. O Apocalipse, como poderia ser esperado a partir do caráter peculiar do seu conteúdo, ocupava uma posição por si só. O seu reconhecimento relativamente tardio pode ter determinado a posição que tem uniformemente considerada como o último dos livros sagrados.

 

  1. Divisão em capítulos e versículos. - Assim como qualquer pausa é feita na escrita contínua que tem caracterizado em quase todos os países nos estágios iniciais da arte, obtemos os germes de um sistema de divisão. Mas essas divisões pode ser usada para dois fins distintos. Até agora, uma vez que são usados ​​para exibir as relações lógicas de palavras, frases e cláusulas, um ao outro, eles tendem para uma pontuação reconhecido. Medida em que são utilizados para maior conveniência de referência, ou como uma ajuda para a memória, eles respondem aos capítulos e versículos da nossa moderna Bíblias. No momento, estamos preocupados apenas com o último.

 

  1. O hebraico do Antigo Testamento. - É quase impossível conceber o uso litúrgico dos livros do Antigo Testamento sem algum tipo de divisão reconhecido. Na proporção em que os livros foram estudados e comentados nas escolas dos rabinos, a divisão se tornaria mais técnica e completa e, portanto, a notação existente, que é reconhecido no Talmud (Gemara atribuindo-a Moisés [Hupfeld, Stud. Und Krit. 1830, p. 827]) pode, provavelmente, ter originado nos estágios iniciais do crescimento da. o ritual sinagoga. As citações do Novo Testamento-do Velho são, na maior parte citados sem qualquer referência mais específica do que para o livro a partir do qual eles vêm. As referências, no entanto, em Mr 00:26 e Lu 20:37 (ἐπὶ τῆς βάτου), Ro 11: 2 (ἐν Ηλίᾷ) e Ac 08:32 (ἡ περιοχὴ τῆς γραφῆς), indicam uma divisão que se tinha tornado familiar, e mostram que alguns, pelo menos, uma das secções eram conhecidos popularmente por títulos tirados de seus súditos. Da mesma forma, a existência de algum ciclo de lições é indicado por Lu 04:17; Ac 13:15; Ac 15:21; 2Co 3:14; e este, quer sejam idênticas ou não com o ciclo rabínica posterior, deve ter envolvido um dispositivo análogo ao subsequentemente adoptada.

 

(1) A divisão talmúdica está no seguinte plano.

 

[1] A Lei foi, em primeira instância, dividido em cinqüenta e quatro פִּרשַׁיּוֹת, parshiyoth. = Secções, de modo a proporcionar uma lição para cada sábado no ano intercalar judaica, estando previsto para o ano mais curta através da combinação de duas das secções mais curtas. Coexistindo com isso, houve uma subdivisão em menor parshiyoth, que serviu para determinar as porções das secções tomadas pelos vários leitores nos, sinagogas. O menor parshiyoth próprios foram classificadas sob duas cabeças-o "open" (פּתוּחוֹת, pethuchoth '), que serviram para indicar uma mudança de assunto análogo àquele entre dois parágrafos na escrita moderna, e começou a conformidade de uma linha fresca nas MS., e o "fechado" (סתוּמוֹת, sethumoth '), o que correspondeu a divisões menores, e que foram marcadas por apenas um espaço dentro da linha. As letras iniciais פ ס e serviu como uma notação, na margem ou no texto em si, para os dois tipos de secções. A tripla inicial פפפ ou ססס foi usada quando o início de um dos parshiyoth coincidiu com a de uma lição sábado (comp. Keil, Einleitung das A.T. § 170, 171).

 

[2] A terminologia diferente foi empregada para a Prophetme priores e Posteriores, ea divisão foi menos uniforme. A tradição dos judeus que os profetas foram lidas pela primeira vez no serviço da sinagoga, e, consequentemente, dividido em seções, porque a leitura da lei tinha sido proibido por Antíoco Epifânio, repousa sobre uma muito ligeira fundação; mas sua existência é, pelo menos, uma prova de que a Lei se acreditava ter sido sistematicamente divididos antes do mesmo processo foi aplicado para os outros livros. O nome das seções neste caso foi הִפטָרוֹת (haphtaroth ', de פָּטִר, para fechar). Se o nome foram aplicados desta forma porque as lições dos profetas veio no final do culto da sinagoga, e assim foram seguidos pela demissão of'the pessoas (Vitringa, De Synag. 3: 2, 20), a sua história seria pré. enviou uma curiosa analogia ao de "Missa", "Mass", na suposição de que isso também foi derivado do "Ite missa est", pelo qual a congregação estava. formado da conclusão da porção anterior do serviço de a Igreja. O uso peculiar de Missa logo após sua aparição no latino de escritores eclesiásticos em um sentido equivalente ao de haphtaroth ( "sexo Missas de Propheta Esaia facite," Caesar Arelat e Aurelian em Bingham, Ant. 13: 1.) Apresenta, pelo menos, uma coincidência singular. O haphtaroth si mesmos se destinavam a corresponder com o maior parshiyoth da lei, de modo que pode haver uma lição distinta para cada Sabbath no ano intercalar, como antes; mas as tradições do alemão e os judeus espanhóis, ambos de grande antiguidade, apresentam uma considerável diversidade no comprimento das divisões, e mostrar que eles nunca tinha sido determinada pela mesma autoridade como a que se tinha estabelecido o parshiyoth do lei (Van der Hooght, Profat. em Bib. § 35).

 

(2.) das divisões tradicionais da Bíblia hebraica, no entanto, o que exerceu maior influência na disposição recebeu do texto foi a subdivisão das seções maiores em versos (פּסוּקִים, pesukin '). Estes não parecem ter sido usado até a recensão pós talmúdica do texto pelos massoretas do século 9. Eles foram então aplicadas, primeiro para a prosa, e depois aos livros poéticos da Bíblia hebraica, substituindo neste último o arranjo de (στίχοι, κῶλα, κόμματα, linhas e grupos de linhas, que tinham sido baseadas em considerações métricas. A versos das divisões massoréticos foram preservados com relativamente pequenas variações durante a Idade Média, e chegou ao conhecimento de tradutores e editores quando a atenção dos estudiosos europeus foi direcionado para o estudo do hebraico. no MSS hebraico. a notação tinha sido simplesmente marcada

Os versos das divisões massoréticos foram preservados com relativamente pequenas variações durante a Idade Média, e chegou ao conhecimento de tradutores e editores quando a atenção dos estudiosos europeus foi direcionado para o estudo do hebraico. No MSS hebraico. a notação tinha sido simplesmente marcado pela "SophPasuk" (:) na extremidade de cada verso; e em hebraico Bíblias anteriormente impresso (Sabionetta de, 1557, e Plantin de, de 1566) as numeração hebraica que guiam o leitor ao se referir estão ligados a apenas a cada quinto verso. A Concordância de Rabi Nathan, 1450, no entanto, tinha descansado sobre a aplicação de um numeral a cada verso, e este foi adoptado pela Pagninus Dominicana em sua versão latina; 1528, e levou ao longo de todo o Antigo eo Novo Testamento, coincidindo substancialmente, no que diz respeito ao primeiro, com o Massorético, e, portanto, com a divisão moderna, mas que diferem materialmente, quanto ao Novo Testamento, da que foi adotada por Robert Stephens, e através de suas edições de grande circulação passou para recepção geral.

 

(3) Os principais fatos que continuam a ser indicado como às divisões em versículos do Antigo Testamento são de que eles foram adoptadas pelo Stephens em sua edição da Vulgata, 1555, e por Frellon no de 1556; que apareceu, pela primeira vez em uma tradução em Inglês, na Bíblia de Genebra de 1560, e foram dali transferido para Bíblia dos Bispos de 1568 e a Versão Autorizada de 1611. Na Bíblia de Coverdale nos encontrarmos com a notação mais velha, que era em uso familiar para outros livros, e manteve, em alguns casos (por exemplo, referências a Platão), para os tempos atuais. As letras A B C D são colocados a distâncias iguais na margem de cada página, e é feita a referência à página (ou, no caso das Escrituras, o capítulo) e da carta de acordo.

 

  1. A tradução da Septuaginta, juntamente com as versões latinas, com base nela, têm contribuído muito pouco para a divisão recebeu dos .Bibles. Feito num momento em que as subdivisões rabínicas não foram aplicadas, mal talvez existente, e não utilizados no culto da sinagoga, não havia razão para o escrupuloso cuidado que mostrou-se em conta o texto hebraico. A linguagem de Tertuliano (Scorp ii.) E Jerome (em Mic 6: 9; Sofonias 3: 4) implica a existência de "capítulos" de algum tipo; mas a palavra não parece ter sido usado em qualquer sentido mais definitivo do que "lócus" ou "passagem". O uso litúrgico das porções do Antigo Testamento levaria ao emprego de alguma notação para distinguir o ἀναγνώσματα ou "lectiones", e estudantes ou transcritores individuais podem adoptar um sistema de referência de sua própria; mas nós achamos nada correspondente à notação totalmente organizado que se originou com os Talmudists ou Massoretas. É possível, de fato, que o uso geral de Lectionaria-nos quais as porções lidas no serviço da Igreja foram escritos separadamente - pode ter dificultado o desenvolvimento de um tal sistema. Quaisquer que sejam os vestígios de que nós encontramos são, portanto, escasso e flutuante. O modo sticho-métrica de escrever (ou seja, a divisão do texto em linhas curtas, geralmente com muito pouco em conta o sentido), adoptado em 4º ou 5º séculos (ver Prolegom. A Septuaginta do Breitinger, i, 6), embora possa ter facilitada de referência, ou sido útil como um guia para o leitor no meio-canto comumente usado em serviços litúrgicos, era muito arbitrária (excepto nos casos em que correspondiam às cláusulas paralelas dos livros poéticos hebraico) e inconveniente para ser geralmente adotado. O MSS Alexandria. apresentar uma notação parcial de κεφάλαια, mas no que respeita ao Velho Testamento estes são encontrados apenas em partes do Deuteronômio e Josué. existem vestígios (Monum. Eccles. Coteler. em Breitinger, Proleg. ut sup.) de um como ins divisão Numbers, Êxodo e Levítico, e latino-MSS. apresentar com frequência um sistema de divisão em "tituli" ou "capítulos", mas sem quaisquer padrões reconhecidos. No século 13, no entanto, o desenvolvimento da teologia como ciência, bem como a utilização mais frequente das Escrituras como um livro-texto para palestras, levou à adopção geral de uma divisão mais sistemática, tradicionalmente atribuída a Stephen Langton, arcebispo de Canterbury (Triveti Annal p 182, ed Oxon....), mas realizada pelo cardeal Hugh de São Cher (Gibert Génebrard, Chronol 4:. 644), e passando por seu Comentário (Postilla em Universa Eiblia e Concordância, cir. 1240) em uso geral. Nenhuma outra subdivisão dos capítulos foi unido com esta além disso indicado pelas letras marginais A B C D, tal como descrito acima.

 

  1. No que respeita ao Antigo Testamento e, em seguida, o actual acordo surge da união de divisão capitular do Cardeal Hugo e os versos massoréticos. Deve-se notar que os versículos da Bíblia autorizada Inglês ocasionalmente diferem daqueles do Heb. texto massorético, especialmente nos Salmos (onde o Heb. avalia os títulos de ver. 1) e alguns capítulos das Crônicas (talvez através da influência do setembro). Uma exposição tabular destas variações podem ser encontradas no final da Hb do inglês. Concordância (Lond. 1843). Tais discrepâncias também (mas com menos frequência) ocorrem na N.T. Os livros apócrifos, às quais, é claro, nenhuma divisão Massorético era aplicável, não recebeu uma divisão versicular até a edição latina de Pagninus em 1528, nem a divisão agora em uso até edição da Vulgata de Stephen em 1555.

 

  1. A história do Novo Testamento apresenta alguns fatos adicionais de interesse. Aqui, como no caso do Velho, o sistema de notação cresceu a partir das necessidades de estudo.

 

(1.) A comparação das narrativas do Evangelho deu origem a tentativas para expor a harmonia entre eles. Destes, o primeiro dos quais temos qualquer registro foi o Diatessaron de Taciano no século 2d (Euseb. H. E. 04:29). Isto foi seguido por uma obra de caráter semelhante de Amônio de Alexandria, no 3d (Euseb. Epist. Ad Carpianvm). O sistema adotado por Amônio, no entanto, que de anexar ao Evangelho de Mateus as passagens paralelas dos outros três, e inserindo os que não foram paralelas, destruiu a forma externa em que a história do Evangelho tinha sido gravado, e foi praticamente inconveniente. seus trabalhos, nem tinha qualquer efeito direto sobre o arranjo do texto grego, a menos que nós adotamos as conjecturas de Mill e Wetstein que é a Amônio ou Taciano que temos de atribuir a notação marginal de κεφάλαια, marcado por Α Β Γ Δ, que são encontrados no MSS mais velhos. A busca após um método mais conveniente de exibir os paralelismos dos Evangelhos levou Eusébio de Cesaréia para formar os dez cânones (κάνονες, registros), que levam o seu nome, e em que as seções dos Evangelhos são classificados de acordo como o fato narrado é encontrado em um evangelista única, ou em duas ou mais. Ao aplicar este sistema para a transcrição dos Evangelhos, cada um deles foi dividido em seções mais curtas de comprimento variável, e cada um deles foram anexados dois números, um indicando o cânon em que ele poderia ser encontrado, eo outro o seu lugar na que a Canon. Lu 3: 21-22, por exemplo, representaria a secção 13 pertencendo à primeira Canon. Esta divisão, porém, estendida somente aos livros que vieram sob o estudo das Harmonists. Lihe epístolas de Paulo foram divididos pela primeira vez em uma maneira similar pelo bispo desconhecido a quem Euthalius atribui o crédito dele (cir. 396), e ele mesmo, por instigação de Atanásio, aplicado o método de divisão para os actos e a Católica epístolas. Andrew, bispo de Cesaréia na Capadócia, completou o trabalho dividindo o Apocalypse (cir. 500). VER HARMONIAS (dos Gopels).

 

Dos quatro grandes MSS uncial. existentes antes da recente descoberta do Codex Sinaiticus pelo Dr. Tischendorf, A apresenta os números e cânones Ammonian ou Eusebian, C e D Os números sem os cânones. B não tem nem números nem cânones, mas uma notação própria, a principal peculiaridade que é, que as epístolas de Paulo são tratados como um único livro, e trouxe sob uma capitulação contínua. Depois de passar em desuso e assim no esquecimento comparativa, o Eusébio e divisões Euthalian tem recentemente (desde 1827) novamente se familiarizar ao aluno Inglês através de edição do Testamento grego do bispo Lloyd, e outras edições críticas.

 

(2) Com o Novo Testamento, no entanto, como com o Velho, a divisão em capítulos adotado por Hugh de São Cher substituindo aqueles que tinham sido utilizados anteriormente, apareceu em primeiras edições da Vulgata, foi transferido para o Inglês Bíblia por Coverdale, e assim tornou-se universal. A notação dos versos em cada capítulo, naturalmente, seguido do uso dos versos massoréticos para o Velho Testamento. A superioridade de uma divisão como sobre a notação marginal "A B C D '" na Bíblia de São Cher levado os homens a adotar um sistema análogo para o Novo. Veja os capítulos. Na versão latina de Pagninus nesse sentido, há uma divisão versicular, embora diferindo daquele posteriormente utilizada no maior comprimento de seus versos. A ausência de um padrão autoritário como o dos massoretas deixou mais espaço ao critério individual dos editores ou impressoras, ea atividade dos dois Stephenses causado aquilo que eles adotaram em suas várias edições do Novo Testamento grego e Vulgata ser geralmente recebido. No prefácio da Concordância, publicado por Henry Stephens, 1594, ele dá o seguinte relato sobre a origem dessa divisão. .His Pai, ele nos diz, encontrar os livros do Novo Testamento já divididos em capítulos (τμήματα, ou seções), procedeu a uma subdivisão mais longe em versos. O nome versiculi não recomendar-se a ele. Ele teria preferido τμηματία ou sectiunculae, mas a preferência dos outros para o ex levou a adotá-lo. Todo o trabalho foi realizado "entre equitandum" em sua viagem de Paris a Lyon. Enquanto estava em homens de progresso duvidava de seu sucesso. Mal se soube do que se reuniu com a aceitação universal. A edição em que essa divisão foi adotada primeiramente foi publicado em 1551, outro veio da mesma imprensa em 1555. Foi utilizado para a Vulgata, na edição de Antuérpia Hentenius em 1559, para a versão em Inglês publicada em Genebra em 1560, e desde Nessa altura, com ligeiras variações de pormenor, tem sido universalmente reconhecido. A conveniência de um tal sistema de referência é óbvia; mas pode ser questionado se ele não foi comprado por um sacrifício demasiado grande da percepção pelos leitores ordinárias da verdadeira ordem e conexão dos livros da Bíblia. Em alguns casos, a divisão de capítulos separa porções que estão intimamente unidos (ver por exemplo, Mt 09:38; Mt 10: 1; Mt 19:30; Mt 20: 1; Mr 2: 23-28; Mr 3: 1-5 ; Mr 08:38; Mr 9: 1; Lu 20: 45-47; Lu 21: 1-4;

 

Ac 7:60; At 8: 1; 1Co 10:33; 1Co 11: 1; 2Co 4:18; 2Co 5: 1; 2Co 6:18; 2Co 7: 1), e em todo dá a impressão de uma divisão formal totalmente em desacordo com o fluxo contínuo de narrativa ou pensou que caracterizou o livro como ele veio das mãos do escritor. A separação dos versos, aliás conduzido em grande parte ao hábito de construir sistemas doutrinários sobre textos isolados. As vantagens do método recebeu unem-se aos de um acordo que representa o original mais fielmente na estrutura do Parágrafo Bíblias, recentemente publicado por diferentes editores e, no Testamento grego de Lloyd, Lachmann e Tischendorf. O estudante deveria, no entanto, de lembrar, em usar estes, que os parágrafos pertencem ao editor, não o escritor, e são, portanto, sujeitos às mesmas vítimas levantam-se fora das peculiaridades subjetivos, viés dogmático, e similares, como os capítulos de nossas Bíblias comum. Praticamente o risco de tais acidentes foi reduzido quase ao mínimo, o cuidado dos editores para evitar os erros em que os seus antecessores têm caído, mas a possibilidade de o mal existe, e deve, portanto, ser protegidos contra pelo exercício de um julgamento independente . (Davidson, em Introd de Horne new ed ii, 27 sq .; Tregelles, ibid 04:30 sq .; Davidson, Bib Crítica, i, 60;.... Ii, 21.) cf. vv.

(notas enciclopedia Strong).

fonte www.avivamentonosul.com