Translate this Page

Rating: 3.0/5 (905 votos)



ONLINE
4




Partilhe este Site...

 

 

<

Flag Counter


JERONIMO SAVORANAROLA (pre-reforma biografia)
JERONIMO SAVORANAROLA (pre-reforma biografia)

                           JERONIMO SAVORANAROLA "PRE-REFORMA 

                Reformador Jerônimo Savonarola(1452-1498)

 

 Girolamo Savonarola ou Jeronimo Savonarola como é conhecido ,foi um pré-reformador que atuou na Itália .Savonarola nasceu em Ferrara;onde seu avô paterno ;um médico conhecido por sua devoção o tinha educado.Desde a sua influencia foi instruído de acordo com os princípios cristãos que o levaram;ainda jovem ;unir-se á ordem dos pregadores dominicanos.Em pouco tempo Savonarola se destacou por ser estudante da bilbia e por sua vida santificada(notas gonzalez;justo;era da reforma;p.157). 

  O primeiro destes foi Jeronimo Savonarola ;um monge dominiciano.Ainda muito novo;julgou ter recebido visões celestiais;isso levou-o a entrar no convento de Bolonha;onde seus jejuns e penitencia atraíram a atenção dos seus superiores.Foi mais tarde removido para o convento de S.Marcos em Florença;e ali chegou á dignidade de prior;fazendo então ;toda a diligencia para restituir ;tanto quanto possível a primitiva simplicidade de vida monacal.(notas A.knitght;e W.anglin;hist;crist;p.201;cpad).

 Mas o que chamou a atenção de Roma a ele foi a sua fama como pregador reformador e;fora do seu convento;as suas inexoráveis denuncias contra o papa;os seus ataques aos vícios do clero ;as suas tristes lamentações pelo torpor das coisas espirituais naquele tempo.Seu ministério de pregação fez presente em diversas regiões da Itália ;até que chegou a Florença ;local em que pregaria seus sermões mais "bombásticos" e acabariam por leva-lo ao martírio.

 Depois de pregar em varias regiões no norte da Itália ;chegou a Florença em 1490;para servir como preletor público em San Marco;a pedido de Lourenço de Médicis.Savonarola foi mestre de estudos no convento Dominicano de Bologna.(notas;gonzalez;justo;hist da reforma;p.158.) 

 O povo povo de toda a italia afluia em numero sempre crescente a florença.A famosa Duomo não mais comportava as enormes multidões.O pregador Jeronimo avivado com poder da Palavra e sentindo a iminenencia do julgamento de Deus ;trovejava contra o vicio ;o crime e a corrupção desenfreada na própria igreja.O povo abandonou a leitura das publicações torpes e mundanas;para ler os sermões do avivado pregador :deixou os canticos das ruas;para cantar os hinos a Deus.(notas herois da fép.15 cpad).

  Em florença ,as cianças fizeram procissões coletanto as máscaras carnavalescas ,os livros obsenos e todos os objetos supérfulos que serviam á vaidade .Com isso formaram em praça publica uma pirámide de 20 metros de altura e atearam fogo .Enquanto o monte ardia ,o povo cantava hinos e os sinos da cidade dobravam em sinal de vitória.Se o ambiente fosse politico o mesmo que depois veio a ser na Alemanha ,o intrépido e devoto Jeronimo teria sido o instrumento usado para iniciar a grande reforma,em vez de Martinho Lutero.

    Apesar de tudo Savonarola tornou-se um dos ousados  e fiéis arautos para conduzir o povo á fonte pura a ás verdades apostólicas registradas nas Sagradas Escrituras.(notas o.s.boyr,p.16 cpad) 

  Jeronimo era o terceiro dos sete filhos da familia.Nasceu de pais cultos e mundanos ,mas de grande influencia.Seu avo paterno era um famoso médico na corte do duque de Ferrara e os pais de Jeronimo planejavam que o filho ocupasse o lugar do avo.No colégio era aluno esmerado .

  Mas os estudos da filosofia de Platão e Aristótoles ;deixaram-lhe a alma sequiosa.Foram ,sem dúvida ,os escritos de Tomaz DE AQUINO QUE MAIS O INFLUENCIARAM(A NÃO SER AS PRÓPIAS ESCRITURAS)A ENTREGAR INTEIRAMENTE O CORAÇÃO E A VIDA A DEUS. Quando ainda menino ,tinha o costume de orar e ao ,crescer ,o seu ardor em jejuar e orar aumentou.Passava oras seguidas em oração.A decadencia da igreja ,cheia de toda a qualidade de vicio e pecado ,o luxo e a ostentação dos ricos em contraste com a profunda pobreza dos pobres ,magoavam-lhe o coração.(ibid p.15-16).

    Passava muito tempo sozinho ,nos campos e á beira do rio pó,em contemplação perante DEUS,e ora cantando ,ora chorando,conforme os sentimentos que lhe viam em seu peito.Quando ainda jovem ,DEUS começou a falar-lhe em visões.A oração era a sua grande consolação;os degraus do altar onde se prostava oras a seguidas repentinamente molhado de suas lagrimas.(notas ibid p.16).

       Houve um tempo em que Jeronimo começou a namorar certa moça Florentina.Mas quando ele mostrou ser desprezo alguem da sua orgulhosa familia Strozzi ,unir-se a alguem da familia de savonarola ,abandonou para sempre a idéia de casar-se .Voltou a orar com crescente fervor.Enojado do mundo ,desapontado acerca dos seus própios anelos,sem achar uma pessoa compassiva a quem pudesse pedir conselhos ,e cançado de presenciar injustiças e perversidades que o cercavam ,coisas que não podia remediar,resolveu abraçar a vida monastica.(ibidp.16).

         A o apresentar-se no convento ,não pediu o privilegio  de se tornar monge,mas rogou que o aceitassem para os serviços mais vis,da cozinha ,da horta e do mosteiro.Na vida do clausto ,Savonarola passava ainda mais tempo em oração e jejum e contemplação perante DEUS ,sobrejugava todos os outros monges em humildade ,sinceridade e obediencia ,sendo apontado para lecionar filosofia ,posição que ocupou até sair do convento.Depois de passar sete anos no mosteiro de Bolongna,frei Jeronimo foi para o convento de São Marcos,em Florença.Grande foi o seu desapontamento ao ver que o povo florentino era tão depravado como o dos demais lugares.(Até então ainda não reconhecia que somente a fé em DEUS salva o pecador.(notas ibid p.18).

        Ao completar um ano no convento de São Marcos,foi apontado instrutor dos novacianos e,por fim ,designado pregador do mosteiro .Apesar de ter ao seu dispor uma excelente biblioteca ,Savonarola utilizava mais e mais da bilbia como seu livro de instrução.Sentia cada vez mais o terror e a vingança do dia do Senhor que se aproxima e,as vezes ,entregava-se a trovejar do pulpito contra a impiedade do povo.Eram tão poucos os que assistiam ás suas pregações que Savonarola resolveu dedicar-se inteiramente á instrução dos novacianos .

        Contudo ,como Moises ,não podia escapar á chamada de DEUS.Certo dia ao dirigir-se a uma feira,viu repentinamente,em visão ,os céus abertos e passando perante seus olhos todas as calamidades que sobrevirão á igreja.Então lhe pareceu ouvir uma voz do Céu ordenando -lhe anunciar estas coisas ao povo.(ibid p.18).

         Convicto de que a visão era do Senhor ,começou novamente a pregar com voz de trovão.Sob a nova renovação do Espirito Santo a sua condenação ao pecado era feita com tanto avivamento  que muitos dos ouvintes depois andavam atordoados sem falar ,nas ruas.Era coisa comum ,nas menssagens ,seus sermões ,homens e mulheres de todas as idades e de todas as classes romperem em veemente choro.

         O fervor de Savonarola na oração aumentava dia após dia e sua fé crescia na mesma proporção.Certa vez ,enquanto sentado no pulpito ,sobreveio uma visão ,durante a qual ficou ímovel por 5 horas,quando o seu rosto brilhava ,e os ouvintes na igreja o contemplavam.(ibid p.18-19).

         Em toda a    parte onde pregava ,seus sermões contra o pecado produziam profundo terror.Os homens mais cultos começavam então a assistir ás pregações em Florença;foi necessário realizar reuniões na Duomo,famosa catedral ,onde continuo a pregar durante 8 anos.Opovo se lamentava á meia noite e esperava na rua até a hora de abril a catedral.

         O corrupto regente de Florença,Lorenzo medici,experimentou todas as formas :de bajulação,as peitas ,as ameaças e os rogos ,para induzir Savonarola a desistir de pregar contra o pecado ,e especialmente contra a perversidade do regente.Por fim,vendo que tudo era em vão,contratou o famoso pregador ,Frei Mariano,para pregar contra Savonarola .Frei mariano pregou um sermão ,mas o povo não prestou atenção,e le não ousou pregar mais.(ibidp.19).

 

 

        Nessa altura ,Savonarola profetizou que Lorenzo ,o papa e o rei de Nápoles morreriam dentro de um ano ,e assim sucedeu.Depois da morte de Lorenzo ,Carlos 8°,da França,invadiu a italia e a influencia de Savonarola aumentou ainda mais.O povo abandonou a literatura torpe e mundana para ler os seus sermões do famoso pregador.  Os ricos socorriam os pobres em vez de oprimi-los.Foi neste tempo que o povo fez a grande fogueira na "pizza"de Florença e queimou grande quantidade de seus artigos usados para alimentar vicios vaidades.Não cabia mais,na grande Duomo ,seu imensso auditório.(ibidp.119).

Certo dia, ao dirigir-se a uma feira, viu, repentinamen_te, em visão, os céus abertos e passando perante seus olhos todas as calamidades que sobrevirão à igreja. Então lhe pareceu ouvir uma voz do Céu ordenando-lhe anunciar es_tas coisas ao povo.

Convicto de que a visão era do Senhor, começou nova_mente a pregar com voz de trovão. Sob a nova unção do Espírito Santo a sua condenação ao pecado era feita com tanto ímpeto, que muitos dos ouvintes depois andavam atordoados sem falar, nas ruas. Era coisa comum, durante seus sermões, homens e mulheres de todas as idades e de todas as classes romperem em veemente choro.

O ardor de Savonarola na oração aumentava dia após dia e sua fé crescia na mesma proporção. Freqüentemente, ao orar, caía em êxtase. Certa vez, enquanto sentado no púlpito, sobreveio-lhe uma visão, durante a qual ficou imóvel por cinco horas, quando o seu rosto brilhava, e os ouvintes na igreja o contemplavam.

Em toda a parte onde Savonarola pregava, seus ser_mões contra o pecado produziam profundo terror. Os ho_mens mais cultos começaram então a assistir às pregações em Florença; foi necessário realizar as reuniões na Duomo, famosa catedral, onde continuou a pregar durante oito anos. O povo se levantava à meia-noite e esperava na rua até a hora de abrir a catedral.

O corrupto regente de Florença, Lorenzo Medici, expe_rimentou todas as formas: a bajulação, as peitas, as amea_ças, e os rogos, para induzir Savonarola a desistir de pregar contra o pecado, e especialmente contra a perversidade do regente. Por fim, vendo que tudo era debalde, contratou o famoso pregador, Frei Mariano, para pregar contra Savo_narola. Frei Mariano pregou um sermão, mas o povo não prestou atenção à sua eloqüência e astúcia, e ele não ousou mais pregar.

Nessa altura, Savonarola profetizou que Lorenzo, o Papa e o rei de Nápoles morreriam dentro de um ano, e as_sim sucedeu.

Depois da morte de Lorenzo, Carlos VIII, da França, invadiu a Itália e a influência de Savonarola aumentou ainda mais. O povo abandonou a literatura torpe e munda_na para ler os sermões do famoso pregador. Os ricos socor_riam os pobres em vez de oprimi-los. Foi neste tempo que o povo fez a grande fogueira, na "piazza" de Florença e quei_mou grande quantidade de artigos usados para alimentar vícios e vaidade. Não cabia mais, na grande Duomo, o seu imenso auditório.

Dos séculos XV a XIX, a Itália esteve dividida em diversos estados, ducados, repúblicas, e reinos. No centro havia os estados da igreja, governados pelo papa, sendo a cidade de Roma a capital. A corrupção nos estados do papa era medonha. A maioria dos papas procurava constituir seus parentes como príncipes nos estados vizinhos. Nos últimos quarenta anos deste século (XV) o crime político aumentou consideravelmente. De vez em quando papas honestos e sinceros eram eleitos, e procuravam reformar o estado de corrupção que existia, mas estes eram desprezados por todos, e quando morriam as condições imorais voltavam ainda piores. 

Os príncipes secretamente assassinavam seus rivais. Os papas eram ímpios, levavam vida escandalosa, e alguns deles eram verdadeiros monstros de iniqüidade. O pior deles foi Alexandre VI, da família Borgia, cujos filhos eram o terror de Roma. A República de Florença foi governada por um monge chamado Girolamo Savonarola, que pela vida santa e pregação que apresentava produziu uma reforma na república, mas sua vida e pregação (embora um católico verdadeiro) era uma repreensão à vida e à iniqüidade do papa, e Alexandre tratou logo de processá-lo, e Savonarola foi condenado e queimado em praça pública em 1498.

Daí por diante a Itália tornou-se um campo de batalha dos exércitos espanhóis, franceses e alemães. No ano de 1527, Roma foi tomada, o papa preso no castelo, e a cidade saqueada por 30.000 soldados. Durante os 340 anos que se seguiram após o saque de Roma, a Itália foi repartida por países estrangeiros e sua história é uma série de guerras entre as famílias reais dos Habsburgos e dos Bourbons.

No Estado de Piemont, no Norte, existiam colônias de crentes primitivos chamados Valdenses (ou Vaudois). Estes eram os descendentes dos seguidores de Pedro Waldo, um negociante rico de Lyon, na França, que sendo convertido, deixou seu negócio para pregar o Evangelho (1170). Seus seguidores, sendo perseguidos, fugiram das cidades e esconderam-se nos vales entre os Alpes, e séculos depois foram achados na província do Oriente, da França. Estes crentes espalharam-se na Itália, procurando evangelizar os italianos, mormente o povo mais humilde, mas quando veio a perseguição voltaram para as montanhas.

Os pastores deste povo chamavam-se "barbas", e ouvindo acerca das novas doutrinas da Reforma enviaram dois deles: Jorge Morei e Pedro Masson a Basiléia para visitar o reformador Oecolâmpade, a fim de conferir suas doutrinas. Achavam que havia muito em comum entre os Waldenses e os reformadores, embora existissem também certas diferenças. Depois, o pregador Guilherme Farei foi convidado a assistir a uma conferência com os representantes dos Waldenses. A esta conferência assistiram anciões das igrejas da Itália, não somente do Norte, mas também do Sul, e crentes da França, Alemanha e Boêmia. Entre eles havia alguns nobres da Itália, que tomaram parte na discussão. Farei era o pregador principal; ele era um homem eloqüente e espiritual. Nessa reunião, ficou resolvido fazer uma melhor tradução da Bíblia na língua francesa. Esta obra foi feita por um crente francês chamado Olivetan.

A igreja de Roma fez muitas tentativas de apagar a voz do Evangelho, perseguindo os crentes e mandando exércitos para exterminá-los, mas essa luz nunca foi completamente apagada.

O povo protestante da Inglaterra tem mostrado seu interesse e simpatia para com os Waldenses desde o tempo do Protetor Oliver Cromwell. Havendo no ano 1650 uma grande perseguição, o Protetor interessou-se em favor do povo perseguido, de tal modo que seus inimigos foram obrigados a desistir da perseguição. O poeta Milton descreveu num poema os sofrimentos dos Waldenses durante esse tempo, e uma grande coleta foi levantada no país para ajudá-los, e o dinheiro enviado aos que tanto sofriam. No reinado da rainha Ana da Inglaterra, um subsídio foi mandado pelo governo britânico para ajudar os pastores Waldenses, e continuou até o tempo de Napoleão. No ano de 1823 um ministro anglicano visitou os vales de Piemont e escreveu um livro contando sua experiência entre os Waldenses. 

O livro foi lido por um coronel do exército inglês chamado Beckwith. Este, não tendo mais serviço no exército, resolveu dedicar o resto da sua vida em promover o bem-estar da igreja Waldense. Durante 35 anos, Beckwith trabalhou entre esse povo, estabelecendo 120 escolas; ele edificou uma igreja em Turim, capital de Piemont, no ano de 1849. Uma missão inglesa ainda funciona nessa zona.

O domínio francês, no tempo de Napoleão, trouxe mais liberdade à Itália, mas não trouxe mais luz evangélica. Durante cinqüenta anos depois da queda de Napoleão, a história da Itália era uma luta entre a tirania dos governadores austríacos no Norte; do papa no Centro, e dos reis de Nápoles (da família dos Burbons) no Sul. Tirania, corrupção e opressão reinavam em toda a parte. Os homens que faziam qualquer propaganda em favor da liberdade eram metidos em prisões, sem processo, ou foram mortos.

É provável que os estados papais fossem o pior e o mais corrupto lugar que o mundo jamais viu. Um homem que, mais do que outro qualquer, ajudou a libertação do país, foi Giussepe Garibaldi. Serviu, na sua mocidade, na Guerra dos Farrapos, no Rio Grande do sul (Brasil) e casou-se com uma brasileira - Anita Garibaldi - que o animou na sua tarefa na Itália. Os exércitos do rei de Nápoles fugiram diante de Garibaldi e seus "camisas vermelhas", e Vitor Emannuel, rei de Sardenha, ajudado pelo exército francês, venceu os austríacos. Finalmente tomaram Roma, e os estados da igreja, e toda a Itália foi unida num reino, e o papa retirou-se para o Vaticano, perdendo assim o seu poder temporal, onde ele e seus predecessores governaram tão mal. Durante estas lutas, existiam grupos de crentes italianos, mas a maior parte deles era gente humilde.

No princípio do século XIX, o grande duque de Toscana, um dos estados do Norte da Itália, convidou o Conde Guicciardini para organizar um sistema superior de educação. O Conde, em busca de bons livros para esse fim, achou uma Vulgata (Bíblia em Latim) na sua biblioteca, e começou a estudá-la, mas ficou espantado quando observou que seu ensino não confirmava o da igreja romana. Nesta altura, o conde, certo dia, viu um seu criado lendo um livro, que se apressou em esconder quando recebeu seu patrão.

 O conde perguntou-lhe que era o que lia. 0 criado pediu-lhe então que não o traísse, e mostrou-lhe a Bíblia em italiano. O conde pediu ao servo que subisse a um quarto de seu palácio a fim de eles juntos estudarem o livro. Guicciardini foi convertido desta maneira, e achando grupos de crentes, que eram pessoas humildes, reuniu-se a eles. No ano 1851, foi promulgada uma lei, instigada pelos jesuítas, proibindo tais reuniões e o Conde foi obrigado a sair da sua pátria, e ir para a Inglaterra, onde gozava da comunhão dos crentes. Ele foi o meio da conversão de um seu patrício de nome Rosseti. 

Quando veio a liberdade, no ano de 1871, Guicciardini voltou à Itália, pregou e ensinou até a sua morte. Desde o dia em que o papa perdeu seu poder temporal, e retirou-se como "prisioneiro do Vaticano", o país tem-se desenvolvido. Nesse tempo o papa achou consolo na declaração do Sínodo do Vaticano acerca de sua infalibilidade que foi anunciada no ano de 1870, e aceita pela Igreja Romana como uma das suas doutrinas. Essa igreja ainda procura impedir a evangelização no país, mas uma lei sobre religião, embora com certas restrições, ga­rante essa liberdade.
A primeira Grande Guerra, que terminou em 1918, deixou a Itália muito abatida, embora com mais território. O país tem-se desenvolvido, mas, infelizmente, numa direção militar em desacordo com o caráter do povo italiano, e agora (1941) o país está envolvido em outra guerra, que é capaz de enfraquecer a Itália consideravelmente.notas historia do cristianismo,A.Knight e W.Anglin,2009,cpad).  

  

                                           Perseguição contra Savonarola

 

         Contudo ,o sucesso de Savonarola foi muito,então surgiu a perseguição.O pregador foi ameaçado ,excomungado e ,por fim ,no ano de 1498,por ordem do papa ,foi queimado em praça pública .Com as palavras :"o SENHOR sofreu tanto por mim,terminou a vida terrestre de um dos maiores e mais dedicados mártires de todos os tempos.Apesar de ele continuar  até a morte a sustentar muitos dos erros de Igreja Romana ,ensinava que todos os que são realmente crentes estão na verdadeira igreja.Alimentava continuamente a alma com a Palavra de DEUS.

 

        As margens das paginas da sua bilbia estão cheias de notas enquanto meditava nas escrituras.Conhecia uma grande parte da Bilbia de cor e podia abrir o livro instataneamente e achar qualquer texto.Passava noites inteiras em oração,Seus livros sobre humildade ,oração etc,continuam a exercer grande influencia ,e verdade pregada ao povo hoje também são como sementes para a grande reforma que viria com Luetro.(notas herois da fép.19-20).

FONTE http://www.historiadareformaprotestante.blogspot.com.br/