Translate this Page

Rating: 3.0/5 (905 votos)



ONLINE
2




Partilhe este Site...

 

 

<

Flag Counter


lições BETEL adultos familia 4 trim-2016 (N.1-13)
lições BETEL adultos familia 4 trim-2016 (N.1-13)

   

 

                                              

 

                CONTEUDO DO TRIMESTRE N.1 2016 

Lições Bíblicas

LIÇÕES EDITORA BETEL 2016

1º Trimestre de 2016

Janeiro a Março

CASAMENTO E FAMÍLIA

PROJETOS DE DEUS PARA O BEM-ESTAR DA SOCIEDADE 

Comentarista: Pr. Valdir Alves de Oliveira (AD do Gama/DF).

 

Introdução à Lição

Sumário

Lição 01 - O cristão e a família do século XXI

Lição 02 - Casamento, uma instituição divina

Lição 03 - Deveres da família à luz da Bíblia

Lição 04 - Ataques constantes contra a família

Lição 05 - Exercitando o amor no casamento

Lição 06 - Vivendo a felicidade no lar

Lição 07 - Cultivando o diálogo, a renúncia e a tolerância

Lição 08 - Preservando a ética no matrimônio

Lição 09 - Administrando as finanças no lar

Lição 10 - Superando os conflitos no lar

Lição 11 - A melhor idade na presença de Deus

Lição 12 - As demandas da juventude

Lição 13 - Os desafios de educar filhos

 

                   ESCOLA DOMINICAL - Conteúdo da Lição 1 -

                           Revista da Editora Betel 

                  O cristão e a Família do Século XXI

                          3 de janeiro de 2016 

 

Texto Áureo

“Porque derramarei água sobre o sedento, e rios, sobre a terra seca; derramarei o meu Espírito sobre a tua posteridade, e a minha Bênção, sobre os teus descendentes”. Isaias 44.3

 

Verdade Aplicada

A família é um fenômeno social presente em todas as sociedades. Sem família não existe sociedade.

 

Textos de Referência.

 

Deuteronômio 6.4-9

4 Ouve, Israel, o Senhor, nosso Deus, é o único Senhor.

5 Amarás, pois, o Senhor, teu Deus, de todo o teu coração, e de toda a tua alma, e de todo o teu poder.

6 E estas palavras, que hoje te ordeno, estarão no teu coração;

7 E as intimarás a teus filhos, e delas falarás assentado em tua casa, e andando pelo caminho, e deitando-te, e levantando-te.

8 Também as atarás por sinal na tua mão e te serão por testeiras entre os teus olhos.

9 E as escreverás nos umbrais de tua casa e nas tuas portas.

 

Introdução

O século XXI traz o desafio de um mandamento cultural na contramão do que foi vivido nos séculos passado. É preciso estar alicerçado em Deus não somente para compreender esse tempo, mas para viver sob a égide divina (CL 2.8).

 

  1. Família, criação de Deus.

A família sempre foi o alvo principal das forças do mal. A Igreja está atenta a esses ataques, pois os tais não somente desestruturam a fé cristã, como também desintegram a sociedade de modo geral. A família é um tesouro e como tal, deve ser guardada e preservada (Mt 6.21).

 

1.1. Família um tesouro.

Segundo a Declaração Nacional dos Direitos Humanos, a família é o elemento natural, universal e fundamental da sociedade. Sem família não há sociedade. A degradação da sociedade acontece por causa da deterioração da família. A Igreja é uma família composta por famílias. Se uma família estiver edificada, a Igreja também estará. Todavia, se a família for destruída, a Igreja também será. É nosso dever cuidar das famílias. Se a sociedade se dissolve, o problema está na ausência de famílias solidificadas em Cristo.

 

1.2. A importância da família à luz da criação.

Deus não uniu o homem e a mulher somente para que um suprisse as necessidades e carências do outro. Seu projeto vai além de companheirismo e procriação. Deus sempre quis ser conhecido através das famílias. Adão foi o modelo original, feito á imagem e semelhança de Deus. Isto significa que toda a humanidade descendente de Adão portaria consigo a mesma essência divina (Gn 1.26). Desse modo, os atributos e a grandeza de Deus surgiriam naturalmente através dos filhos gerados pelo primeiro casal. A grande comissão sempre foi um projeto do Éden (Mt 28.18-20). O plano do inimigo é sempre sabotar essa essência, como no Éden, e assim fazer com que a humanidade seja apartada de Deus, gerando filhos assassinos, violentos e cheios de promiscuidade (Jo 10.10).

 

1.3. A família e a sociedade atual.

A sociedade atual vive uma mutação em comparação com a família dos séculos passados. A autoridade patriarcal e a divisão de papéis ganharam novos significados nesse século. Em geral, a mulher do século XXI é uma mulher independente, que gera seus próprios recursos e que, ao lado de seu esposo, soma na renda familiar. Ela já administra empresas, leciona em faculdades, lidera, pilota aviões e preside nações. Durante muito tempo, a mulher viveu estigmatizada, censurada e vista pela sociedade somente como uma ajudadora e procriadora. Esse projeto igualitário traz a compreensão de ajuda mútua (Ec 4.9-10). Por outro lado, os filhos têm sofrido com a ausência dos pais.

 

  1. A família e os desafios.

Prevenção é a única maneira pela qual evitamos o mal. A vida cristã não é fácil e é ainda mais complicada porque lutamos contra o que não vemos. Nossos inimigos são invisíveis e atuam nas áreas de nossas vidas que não estão alicerçadas (Ef 6.12).

 

2.1. Conflitos na família.

Jesus disse que, antes de construir, devemos fazer cálculos da construção, para que, pondo os alicerces, não deixemos a obra sem terminar e sejamos escarnecidos (Lc 14.28-30). Nosso século é o século dos casamentos precoces, onde meninas se tornam mães antes da maioridade e os jovens casais vão morar com os pais por falta de planejamento. Temos uma sociedade recheada de casais imaturos e o resultado dessa ausência de planejamento é um número sem fim de mães solteiras e filhos em pais. Estes, por falta de alicerces familiares, repetem os mesmos erros de seus pais em seus relacionamentos e, assim, a sociedade vai se transformando em um campo de batalha por causa da ausência dos padrões divinos estabelecidos para o matrimônio (Ef 5.31).

 

2.2. Comunicação entre pais e filhos.

A ausência de diálogo entre pais e filhos é um dos grandes males deste século e o grande vilão é a falta de tempo. As responsabilidades do lar são parte integrante da vida do casal e isto inclui a tarefa de instruir os filhos. Infelizmente, em muitos lares, os filhos são instruídos pela TV, internet, entre outros. É dever dos pais ensinar (Pv 22.6). Deus ordenou aos pais que instruíssem seus filhos, que dialogassem com eles acerca da Lei (Dt 6.6-7). A semente do diálogo deve ser plantada já na infância. Pais e filhos precisam ser amigos e confiar um no outro. Quando Jesus disse: “Eu e o Pai somos um” (Jo 10.30), nos revelou a grandeza do relacionamento entre pais e filhos.

 

2.3. Relacionamentos entre pais e filhos.

Nosso maior exemplo de filho é Jesus Cristo. Ele nos ensinou como um filho se relaciona com um pai, como respeita seu legado e como deve honrá-lo (Ef 6.2-3). Por não terem aprendido a se relacionar com seus pais e nem tampouco a respeitá-los, há muitos filhos maldizentes em nossa sociedade, que apenas pensam em si mesmos e não correspondem ao sacrifício feito por seus pais. Quanto aos pais, estes também devem honrar seus filhos, serem presentes sem suas vidas, dar-lhes amor, amizade e atenção. Enquanto os filhos devem aprender a honrar seus pais, os pais devem funcionar como pais, não somente dando ordens, mas sendo amigos íntimos e exemplos de vida para eles.

 

  1. A família e a Igreja.

A relação família e Igreja é fundamental para a existência de ambas. Enquanto os ditames do mundo bombardeiam as famílias moral e espiritualmente, a Igreja é a única instituição onde a família cristã pode refugiar-se e sobreviver aos ataques do maligno (Mt 16.18b).

 

3.1. A EBD e a família.

Deus nos ensinou que só existe uma coisa que conduz Seu povo à perdição: a falta de conhecimento (Os 4.6). A Escola Bíblica Dominical é uma porta aberta para o ensino cristão. É um instrumento de crescimento espiritual para as famílias. Tanto a família quanto a EBD possuem o mesmo alvo: formar cristãos maduros e produtivos, que honram a Deus e o servem. Assim como os pais tem como obrigação instruir seus filhos no caminho do Senhor, a EBD age da mesma maneira com os filhos espirituais da Igreja.

 

3.2. A relevância do culto doméstico.

Quando um lar cristão abre as portas para a Palavra, abre tanto para a felicidade quanto para a felicidade quanto para o êxito. Cultuara Deus no lar nada mais é que cumprir uma ordenança divina (Dt 6.6-9; Pv 1.7-9; 6.20). Quando nos esforçamos em conduzir nossos filhos e família a um relacionamento pessoal com Deus através do ensino da Palavra, estamos não somente preparando-os para a salvação, mas conduzindo-os a uma vida saudável e sem contaminação. A igreja tanto é uma extensão de nossa casa, quanto nossa casa deve ser uma extensão da igreja. Tudo começa no lar e não existirá igreja forte se as famílias estiverem fracas.

 

3.3. Família servindo a Deus.

O que conduz qualquer família ao desmoronamento é a ausência de Deus. A presença de Deus torna um lar agradável e pacífico. Numa casa onde há tempo para se buscar a Deus e adorá-lo a atmosfera é agradável e santa. A Bíblia nos ensina que se o Senhor não edificar a casa, em vão trabalham os que a edificam (Sl 127.1). O Senhor bate a nossa porta e devemos abrir para que ele entre, sente à nossa mesa e ceie conosco (Ap 3.20). Quanto mais íntimos de Deus, mais afastados seremos do mundo.

 

Conclusão.

Nosso Deus é um Deus pessoal. Ele é um Deus de relacionamentos. O Pai da Eternidade é um pai extremamente amoroso. Ele deseja ser íntimo de todos os filhos gerados á Sua imagem e semelhança (Gn 1.26).

fonte www.avivamentonosul21.comunidades.net

 

 

 

 

                   ESCOLA DOMINICAL - Conteúdo da Lição 2                                           Casamento, Uma Instituição Divina

                                10 de janeiro de 2016 

 

Texto Áureo

 

“E disse o Senhor Deus: Não é bom que o homem esteja só; far-lhe-ei uma adjutora que esteja como que diante dele”. Gênesis 2.18

 

Verdade Aplicada 

O projeto do casamento é de Deus. No entanto, a administração dele é nossa, está em nossas mãos e devemos lutar por ele.

 

Textos de Referência. 

 

Gênesis 2.20-24

20 E Adão pôs os nomes a todo o gado e às aves dos céus, e a todo animal do campo; mas para o homem não se achava adjutora que estivesse como diante dele.

21 Então o Senhor Deus fez cair um sono pesado sobre Adão, e este adormeceu; e tomou uma das suas costelas e cerrou a carne em seu lugar.

22 E da costela que o Senhor Deus tomou do homem formou uma mulher; e trouxe-a a Adão.

23 E disse Adão: Esta é agora osso dos meus ossos e carne da minha carne; esta será chamada varoa, porquanto do homem foi tomada.

24 Portanto deixará o varão o seu pai e a sua mãe e apegar-se-á à sua mulher, e serão ambos uma carne.

 

Introdução

É preciso compreender que, ao criar a mulher, Deus procurou atender às necessidades afetivas do homem e, consequentemente, da mulher, e também atender á procriação e perpetuação da raça humana (Gn 1.26).

 

  1. Casamento: um projeto de Deus.

 

O surgimento da família vem através da união de um homem com uma mulher, pois foi assim que o próprio Deus planejou. O casamento não é invenção do homem, vem de Deus. Deus é o mentor. Foi Ele o primeiro juiz de paz a celebrar um casamento, pois nasceu no Seu coração a união entre Adão e Eva, formando assim a família, uma das Suas obras primas. 

1.1. Uma adjutora para o homem. 

Deus identificou que o homem estava só, mesmo depois de várias criações. Disse o Senhor; “...far-lhe-ei uma adjutora que esteja como diante dele” (Gn 2.18). A ajuda da mulher é substancial ao homem. Corresponder é falar a mesma linguagem, é estar à altura. Todos os animais tinham o seu par, mas para o homem não se achava adjutora que estivesse como diante dele. Então, Deus criou a mulher da própria costela do homem. È importante ressaltar que o casamento é uma instituição monogâmica. A Bíblia diz: “Deixará o homem pai e mãe e unir-se-á “à sua mulher” (Gn 2.24). Uma única correspondência de um para um. Não se aceita bigamia e poligamia. Cada um tenha a sua própria mulher e cada uma tenha o seu próprio marido (1Co 7.2). 

1.2. As necessidades afetivas do homem e da mulher.

 

O homem e a mulher tem carência afetiva. A atração física faz com que eles coabitem e o sexo, além da procriação, atende a uma necessidade orgânica. A vida íntima dos cônjuges faz parte do plano de Deus. Só o casamento santifica e legitima a união sexual marido/mulher. É o método lícito, moral e puro. Não há nada de errado nem sujo na união sexual de marido e mulher legitimamente casados entre si. A ordem de Deus é que as atividades sexuais do homem e da mulher sejam concretizadas dentro do casamento. Para o cristão, não há outra forma de estabelecer um relacionamento íntimo moralmente correto entre um homem e uma mulher, senão através do casamento. 

1.3. A procriação e perpetuação da raça humana. 

O homem e a mulher receberam a incumbência da procriação, isto é, povoar a terra e perpetuar a raça humana. Sendo assim, cada casal contribui com a sua parcela. A geração de filhos é a coisa mais linda e consagrada que verificamos na união de um casal. Além de serem considerados herança do Senhor (Sl 127.3), os filhos são os frutos do ventre e a felicidade do casamento. Eles não são um mero acidente biológico, mas o planejamento de Deus para preservar a espécie humana. A propagação do gênero humano foi entregue aos cônjuges, que deverão exercer com responsabilidade e amor essa ordenança do Senhor. 

  1. Casamento: uma só carne. 

A união física do casal deve ser com amor e consensual. A Palavra de Deus mostra essa união em uma só carne (Gn 2.23). Não é apenas sexo. É sentir a dor do outro. É complementar uma ao outro. É a felicidade de um alcançando também ao outro. É estar intimamente ligados de corpo e alma. 

2.1. Melhor é serem dois do que um.

 

A passagem bíblica de Eclesiastes 4.9-12 enfatiza o companheirismo e a ajuda mútua. No casamento, as duas pessoas se comprometem a viver uma em função da outra, procurando o entendimento, a compreensão e compartilhando todos os momentos da vida juntos, não importando quais sejam eles. O relacionamento e o companheirismo fazem parte do viver em sociedade (Gn 1.31). 

2.2. Deus não quer ninguém vivendo na solidão nem isolado. 

Deus viu que não era bom o homem estar só. Mesmo no meio de tantas criações, o homem estava solitário. Às vezes, estamos rodeados de pessoas e é como se estivéssemos sozinhos. Por isso, precisamos de alguém especial para estar ao nosso lado. O homem precisa de uma auxiliadora. A mulher é considerada o radar do marido e sua grande conselheira. 

2.3. Firmado em Deus. 

O casamento precisa estar firmado em Deus. Foi Ele quem criou e Ele sabe preservar, sabe consertar; porque o cordão de três dobras não se rompe facilmente (Ec 4.12). A família foi criada por Deus para cumprir a Sua vontade e é a coroa da Sua criação. O casal precisa temer ao Senhor para vá bem e seja bem-aventurado, para que o seu lar seja de harmonia e de felicidade (Sl 128). O casamento é uma instituição honrada (Hb 13.4). Ele é mais do que um contrato. É um pacto sagrado, uma aliança divina. O casamento é algo de destaque que deve ser honrado por todos. 

  1. Casamento: uma criação divina.

 

O casamento é totalmente sedimentado nas Sagradas Escrituras. O casamento não é um contrato social, mas uma aliança permanente entre um homem e uma mulher. O casamento não pode ser em caráter experimental, mas em definitivo. O casamento tem características marcantes que o tornam diferente de todas as demais instituições. Querem acabar com o casamento, mas não conseguirão, pois o que Deus faz, ninguém pode desfazer. 

3.1. O manual do fabricante é a Bíblia Sagrada.

 

Quem criou forneceu o manual de uso, Todo equipamento precisa de orientação para o seu manuseio e funcionamento. Quem não seguir as instruções do fabricante poderá danificar o seu produto. A Palavra de Deus é o manual, a bússola, o direcionamento. A Bíblia está recheada de regras básicas para manter o nosso casamento forte e a família unida.

Merece ser especialmente esclarecido para os alunos que o manual não admite machismo nem feminismo na relação marido e mulher. O relacionamento deve ser pautado na observância do papel de cada um, sem atropelos e sem querer um mandar no outro e tomar a dianteira de forma escravizadora. Tudo está bem definido de forma clara e objetiva para que não haja reclamação posterior.

3.2. Quem quer se dar bem na vida deve cumprir as regras. 

Os casais cristãos devem se conscientizar de que enquanto não forem observados os princípios bíblicos concernentes ao casamento não terão o sucesso esperado. Há leis que regem o lar. Se, em algum momento, elas forem desrespeitadas, trarão consequências graves à família. O casal deve viver as ordenanças divinas, sempre obedecendo aos princípios que Deus estabeleceu para o casamento, para que a família goze das bênçãos prometidas. Podemos afirmar que casa é uma construção de cimento e tijolos, no entanto, lar é uma construção de valores e princípios. O casamento é uma instituição moral. Ele mostra valores, crenças, princípios e costumes que orientam o comportamento da sociedade no casamento de acordo com a natureza de Deus. A imoralidade na área sexual é um mal, assim como a indecência de não saber possuir o próprio corpo em santificação e honra (1Ts 4.4). O cristão deve conservar-se puro, pois a imoralidade deforma o caráter diante de Deus e apaga a imagem e semelhança de Deus (Gn 1.27). Ele não nos criou para a imundícia. As práticas ilícitas são abomináveis ao Senhor (Rm 1.26-27).

3.3. Três pilares que sustentam o casamento.

 

Há três pilares que sustentam o casamento. O primeiro deles é a presença de Deus. Podemos afirmar que a presença de Deus fortalece o espírito e dá consistência e harmonia ao casamento, levando o casal a adorar a Deus em espírito e em verdade (Jo 4.24). O segundo pilar do casamento é o amor. Podemos afirmar que o amor enche o coração. O terceiro pilar é a responsabilidade. Podemos assegurar que a responsabilidade é a tarefa de cuidar um do outro. 

Conclusão.

Quando estabelecido segundo a vontade de Deus e orientado de acordo com a Bíblia, o casamento tem a garantia do sucesso. O casamento firmado em Cristo produz resultados surpreendentes, passando por cima das barreiras e sendo exemplo de união perfeita para a sociedade. 

 

 

           Conteúdo da Lição 4 - Revista Betel 

         Ataques Constantes Contra a Família

                  24 de janeiro de 2016

 

 

Texto Áureo

“Porque tudo o que há no mundo, a concupiscência da carne, a concupiscência dos olhos e a soberba da vida, não é do Pai, mas do mundo”. 1Jo 2.16

 

Verdade Aplicada

Devemos preservar os nossos lares para impedir que não seja desqualificado o que foi criado por Deus.

 

Textos de Referência.

1Co 6.19 - Ou não sabeis que o vosso corpo é o templo do Espírito Santo, que habita em vós, provenientes de Deus, e que sois de vós mesmo?

1Co 6.20 – Porque fostes comprados por bom preço; glorificai, pois, a Deus no vosso corpo e no vosso espírito, os quais pertencem a Deus.

1Co 10.23 – Todas as coisas me são lícitas, mas nem todas as coisas convêm; todas as coisas me são lícitas, mas nem todas as coisas edificam.

2Co 13.5 – Examinai-vos a vós mesmo se permaneceis na fé; provai-vos a vós mesmos. Ou não sabeis, quanto a vós mesmos, que Jesus Cristo está em vós? Se não é que já estais reprovados.

 

Introdução

Os desafios da família cristã frente aos ataques constantes e diretos ao casamento e à família trazem uma ruptura dos valores e quebra de princípios que precisam ser enxergados com muito cuidado.

 

  1. Meios de comunicação e redes sociais.

A tecnologia entrou nos lares trazendo lucros e prejuízos incalculáveis. Consequentemente, a sociedade moderna mudou o conceito de família e desqualifica os valores da instituição criada por Deus.

 

1.1. A televisão.

A televisão tem afastado os membros da família, que não se alimentam mais juntos à mesa. As novelas fazem apologia e ensinam infidelidade conjugal, bigamia, poligamia, o sexo antes do casamento, o fim da virgindade e o homossexualismo. A licenciosidade, leviandade e irresponsabilidade têm trazido decadência moral para a família. Muitos programas indecentes de pessoas inescrupulosas têm tirado a atenção dos crentes, que faltam cultos para ficar na frente da televisão. As mensagens subliminares, que são apresentadas por meio de palavras, objetos, desenhos animados, filmes, jogos, músicas, gestos e figuras, como se fossem ingênuas e inofensivas, têm sido trabalhadas na mente das pessoas, naquilo que são os seus alvos, influenciados inclusive nas atitudes dos filhos.

 

1.2. A Internet e as redes sociais.

Através também das redes sociais, a internet está viciando os jovens e adolescentes, e até as crianças. Muitos ficam por horas na frente do computador e celular, entre outros. São filhos que estão precisando de acompanhamento psicológico pelo vício que causa depressão e dependência. Os pais estão perdendo o controle sobre os filhos porque muitos deles se isolam nos quartos e acessam programas não convenientes para menores de idade. É uma grande dor de cabeça para os pais, porque muitos não têm acesso à rede e não sabem nem como funciona.

 

1.3. O avanço tecnológico e a globalização.

Por mais que tenham a sensação de avanço e progresso tecnológico que chegou aos nossos lares, vemos um veneno mortífero que aos poucos está tentando destruir a formação moral e ética dos nossos filhos, fazendo com que percam os valores cristãos. Quando não é bem utilizada, a tecnologia traz embutida a iniquidade (Mt 24.12). Todo cuidado é pouco, porque vem entrando sorrateiramente nos nossos lares.

 

  1. Evoluções, ocupações e amizades.

As evoluções são benéficas ou maléficas? Depende de como as usamos em nossas vidas. Para que elas sejam bênção e não maldição, as evoluções precisam ser confrontadas com a Palavra de Deus, pois não podemos abandonar os valores cristãos.

 

2.1. Choque de gerações entre pais e filhos.

O choque de gerações é uma realidade. O que não se praticava antigamente, hoje está passando a ser normal. Os pais precisam entender que os filhos não vão viver a sua geração, mas também os filhos precisam entender que muitos pais não alcançarão os níveis que eles chegaram. Neste caso, o equilíbrio é a saída. Só a compreensão de ambas as partes para se chegar a um acordo. O diálogo, a aproximação, o respeito e a amizade entre os pais e filhos diminuirão os prejuízos destas evoluções.

 

2.2. Individualismo: a falta de tempo para a família.

Com a correria dos grandes centros urbanos e o trânsito, as pessoas passam duas ou mais horas dentro de um veículo particular ou transporte coletivo. Quando sobra um tempinho é preenchido com as academias, pescarias e os encontros sociais e a família vai ficando em segundo plano. A necessidade de estudar, se aperfeiçoar para a concorrência no mercado de trabalho também é outro agravante. Muitos pais só têm contato com os filhos nos finais de semana, o que é pouco para quem precisa de mais atenção, carinho e educação.

 

2.3. Jugo desigual com os ímpios.

As amizades do mundo não podem interferir no casamento e na família (2co 6.14). Quando aceitamos a Cristo, o nosso ciclo de amizade precisa mudar. Muitas amizades conseguidas através das redes sociais têm sido uma dor de cabeça para os pais e um estrago para as famílias. Muitos jovens cristãos ao namorar com descrentes pensam que depois de casados conseguirão levá-los para a igreja. Isto raramente acontece, é uma bênção pode virar uma maldição ao abrir as portas e ceder para o judô desigual.

 

  1. Novas leis concernentes à família.

Há projetos de leis circulando nas comissões, gabinetes e plenários do Parlamento que são contra os princípios cristãos. A sociedade pós-moderna tem recebido uma enxurrada de leis que favorecem as práticas pecaminosas, tão combatidas pela Palavra de Deus. Precisamos ficar atentos e não nos conformarmos com este mundo cheio de iniquidades (Rm 12.2).

 

3.1. O tratamento dado ao menor de idade.

Pela compreensão de Estatuto da Criança e do Adolescente, os pais estão quase impedidos de disciplinar os filhos, conforme ensina a Palavra de Deus (Pv 23.13; 29.15,17). É claro que tudo deve ser feito dentro de parâmetros aceitáveis, não se pode tirar sangue dos filhos, mas também não se pode retirar a disciplina da correção. O serviço dado aos menores de idade é considerado trabalho infantil, mas os filhos precisam ganhar interesse pelo trabalho desde cedo. A coerência e o equilíbrio precisam prevalecer.

 

3.2. Aborto, união de pessoas do mesmo sexo e legalização da prostituição.

Quem aceita o aborto simplesmente porque acha que foi um descuido se engravidar, ou porque acha que não é hora de se ter um filho, e manda retirar o feto, já é considerado criminoso (Sl 139.16). A Bíblia diz: “Não matarás” (Êx 20.13; Rm 13.9). O aborto não pode ser considerado caso de saúde pública. Uma gravidez deve ser encarada com dignidade e respeito à criança, e também como um mandamento bíblico (Gn 1.28). Os direitos humanos têm defendido o casamento de pessoas do mesmo sexo. No entanto, o homossexualismo é combatido de forma veemente pela Palavra de Deus (Rm 1.26-27). A possível legalização da prostituição é uma afronta à família e aos princípios cristãos. A profissionalização da venda do corpo, defendida por uma parte dos legisladores, é uma depravação e uma coisa perniciosa para as famílias de bem e a sociedade como um todo. A Bíblia mostra a vontade de Deus para os cristãos, Isto é, abster-se da prostituição e saber possuir o próprio corpo em santificação e honra (1Ts 4.3-4)

 

3.3. União estável e contratos Temporários.

Pode ser concedida a regulamentação do concubinato “união estável”, lavrada em cartório, para divisão de herança e reconhecimento doa filhos. A Igreja precisa preservar o casamento civil, que é definitivo e não pode ter quebra de acordo, conforme diz a Bíblia (1Co 7.39). Os contratos temporários, também aceitos pelas autoridades, mais parecem um teste de adaptação, que, quando não dão certos, são descartáveis, e, no final do contrato, cada um segue a sua vida. O casamento não é em caráter experimental, mas definitivo.

 

Conclusão

Vivemos os últimos dias da Igreja aqui na Terra. As instituições estão sendo fragilizadas e vulgarizadas diante das inovações e conceitos de homens sem o temor de Deus. Cabe a Igreja pregar contra estas práticas e não concordar com este mundo, que a cada dia fica mais distante de Deus.

 

 

               ESCOLA DOMINICAL BETEL  

      Conteúdo da Lição 7 - Revista da  Betel 

Cultivando o Diálogo, a renúncia e a tolerância

14 de fevereiro de 2016 

Texto Áureo

“Para se conhecer a sabedoria e a instrução; para se entenderem as palavras da prudência" Pv 1.2

 

Verdade Aplicada

O homem sábio é aquele que ouve e pratica a Palavra de Deus. Ele constrói sua casa e seus relacionamentos sobre fundamento sólido.

 

Textos de Referência

Ef 4.2 – Com toda a humildade e mansidão, com longanimidade, suportando-vos uns aos outros.

Ef 4.3 – Procurando guardar a unidade do Espírito pelo vínculo da paz.

Fp 2.2 – Completai o meu gozo, para que sintais o mesmo, tendo o mesmo amor, o mesmo ânimo, sentindo uma mesma coisa.

Fp 2.3 – Nada façais por contenda ou por vanglória, mas por humildade; cada um considere os outros superiores a si mesmo.

Fp 2.4 – Não atente cada um para o que é propriamente seu, mas cada qual também para o que é dos outros.

 

Introdução

O diálogo leva a compreensão do que o outro pensa e sente. A renúncia é a compreensão de que não se pode agir sempre como se gostaria. A tolerância faz parte do sentimento de que todos falham e de que ninguém é perfeito.

 

  1. A eficácia do diálogo na comunicação

As pessoas precisam aprender a se comunicar. Sem um transmissor e um receptor a comunicação não se efetiva.O monólogo não é suficiente para duas pessoas se relacionarem. Existem várias formas de comunicação, mas a mais eficiente é o diálogo. O ato de dialogar deve ser estimulado e treinado, pois quem tem uma boa comunicação se sobressai. 

 

1.1. Ouvir e falar no momento certo

No diálogo é preciso saber falar e ouvir no momento certo. O diálogo desarma o silêncio diabólico. Com o diálogo se quebra o gelo e as barreiras caem. Sem o diálogo tudo se esfria, se distancia, há um vazio, há uma barreira, um isolamento. Mas com o diálogo se renova o compromisso, as pessoas ficam mais unidas, se conhecem melhor e aperfeiçoam os laços. A Bíblia diz em Eclesiastes 3.7 que há tempo de falar e tempo de ficar calado, saiba discernir isto. Não podemos atropelar quem está com a palavra, nem responder antes da hora, mas quem fala precisa dar oportunidade para quem está ouvindo para se expressar também.  

 

1.2. Promover a edificação

O diálogo precisa ocorrer de forma clara e objetiva, sempre trazendo a edificação. Se a pessoa não se expressar, o seu cônjugue não saberá o que ela está pensando nem as suas necessidades. A conversa clara e objetiva, sem rodeios, será salutar para a vida do casal. O diálogo de coisas passadas que fizeram mal ao casal deve ser evitado, sob pena de se abrir feridas já cicatrizadas. Tudo que não traz edificação deve ser desprezado (1Co 10.23)

 

1.3. Verdade, educação e respeito

O diálogo precisa ocorrer com verdade, educação e respeito. A honestidade e a sinceridade precisam prevalecer. Muitos lares estão contaminados com a mentira, um vício na comunicação. Cuidado! Apocalipse 21.8 diz que ficarão de fora todos aqueles que amam e praticam a mentira. Não pense que a verdade irá ferir a pessoa amada, desde que ela seja transmitida com amor e com educação e respeito, pois a verdade deve libertar e dar vida, jamais ferir ou matar a pessoa (Jo 8.32). Cuidado para não perder o respeito. A Palavra de Deus diz que é mais difícil reconquistar uma pessoa que foi desrespeitada ou ofendida do que uma cidade fortificada.

 

  1. A vida é marcada por renúncias

Jesus disse aos Seus discípulos: "Se alguém quiser vir após mim, renuncie-se a si mesmo, tome sobre si a sua cruz, e siga-me" (Mt 16.24) Para tudo na vida há necessidade de renúncias. Para o casamento não é diferente. Muitas coisas que gostamos precisamos renunciar ou negociar com o nosso cônjugue, pois não se admite posições ferrenhas e radicais no casamento.   

 

2.1.  O fortalecimento da harmonia

A renúncia de posições radicais fortalece a harmonia. Renunciar dá uma conotação de se esvaziar de si mesmo, tirar o egoísmo e trabalhar em benefício da união e unidade no casamento. Renunciar posições radicais que nada contribuem ou acrescentam ao casamento, a não ser conflitos e desgastes. Precisamos também renunciar a forma grosseira, agressiva e ignorante de tratar a pessoa amada, pois só tira a paz e corrói o amor.

 

2.2. Um dever para os casados

A renúncia da vida de solteiro é um dever para os casados. Depois de casado, precisa-se abrir mão do

individual em benefício do mútuo. Para estar casado não se pode viver um vida como se estivesse solteiro, não tendo hora de chegar em casa, saindo a hora que bem quer, estando com quem quer, tendo a mesma vida que levava quando tinha liberdade de fazer o que queria. Os amigos de solteiro ou passam a ser amigos do casal ou precisam ser analisados para se tomar uma decisão inteligente. As amizades antigas podem causar ciúmes ao casal, o que é prejudicial ao casamento.

 

2.3. Deve partir dos dois lados

A renúncia deve partir dos dois lados, isto é, marido e mulher. Para um casamento duradouro é necessário uma boa dose de renuncia. Exige-se que a renúncia tenha pista dupla, deve partir dos dois lados. Isto requer maturidade, amadurecimento e sabedoria de ambas as partes. O homem não pode agir com machismo, sem nunca abrir mão das suas posições. O marido precisa olhar para a mulher conforme está registrado em 1 Pedro 3.7: "Igualmente vós maridos vivei com elas com entendimento, dondo honra à mulher, como vaso mais frágil, e como sendo elas herdeiras convosco da graça da vida, para que não sejam impedidas as vossas orações". A correspondência também é recíproca, uma vez que a mulher não deve relegar o marido a segundo plano.

 

  1. A tolerância requer paciência

Tolerar é aceitar o cônjugue com a sua personalidade. É amá-lo e respeitá-lo. É aceitar como a pessoa é. É suportar as imperfeições. É esperar crescer e adquirir maturidade. O namoro e noivado são estágios probatórios para o casamento, mas muitos casaram pensando que poderia mudar a natureza de seus cônjugues após o casamento, mas hoje descobriram que isto é muito difícil. Agora precisam aprender a conviver com algumas situações que não são o ideal, mas resta ter paciência e suportar uns aos outros em amor (Ef 4.2; Cl 3.13)

 

3.1. Tolerar as tradições do cônjuge

Todos nós temos as nossas tradições que envolvem a família, a religião, os costumes, as comemorações, a formação, a alimentação, etc. Muitas coisas que as pessoas fazem passaram de geração para geração, de pai para filho. As comemorações que marcam dias especiais na família são uma coisa muito particular. A alimentação é regional e muitos preservam as comidas típicas do seu estado. A concepção religiosa de usos e costumes variam de pessoa para pessoa, mesmo dentro da mesma denominação.

 

3.2. Tolerar as limitações do cônjugue

Todos nós temos os nossos limites, isto é, vamos até um determinado ponto, depois não conseguimos mais avançar. Os cônjugues precisam entender isto. Não adianta exigir além das possibilidades físicas e intelectuais. Cada pessoa tem um capacidade de absorção e de assimilação. O nosso desenvolvimento intelectual diferencia um do outro. Um dos cônjugues pode chegar mais longe nos estudos ou galgar uma posição social de mais destaque, mas isso não lhe dá o direito de desprezar a pessoa amada. O limite pode ser diferente do outro, mas não devemos nos desesperar, porque isto é normal.

 

3.3. Tolerar as imperfeições do cônjugue

Todos nós temos falhas, um mal costume, ou mesmo um cacoete. Sempre temos algum coisa que desagrada o outro. Mas a maturidade diz que é preciso tolerar as imperfeições do conjugue e tentar ajudá-lo a corrigir as falhas com amor e respeito. Nunca devemos zombar ou criticar a pessoa amada por um defeito, pois talvez não tenhamos o defeito dela, mas em contrapartida, temos um defeito que ela não tem. Nunca podemos pensar que somos perfeitos, que não temos imperfeições e que não carecemos de nenhuma melhora. 

 

Conclusão

É extremamente necessário para quem almeja viver dias felizes e ter um casamento alegre e duradouro atentar para a seguinte orientação: "Não se esqueça jamais de cultivar atitudes que coloquem essas três palavras em evidência: diálogo, renúncia e tolerância".

 

       ESCOLA DOMINICAL BETEL - Conteúdo da Lição 9                                     Revista da  Betel

                  Administrando as Finanças no Lar

                            28 de fevereiro de 2016  

Texto Áureo

Olha pelo governo de sua casa e não come o pão da preguiça. Provérbios 31.27. 

Verdade Aplicada

Uma das áreas de nossas vidas que mais requer disciplina e responsabilidade é, sem duvida, a financeira. 

Textos de Referência.

Eclesiastes 5:19 E quanto ao homem, a quem Deus deu riquezas e fazenda e lhe deu poder para delas comer, e tomar a sua porção, e gozar do seu trabalho, isso é dom de Deus.

Eclesiastes 10:19 Para rir se fazem convites, e o vinho alegra a vida, e por tudo o dinheiro responde.

Lucas 14.28-30

28 Pois qual de vós, querendo edificar uma torre, não se assenta primeiro a fazer as contas dos gastos, para ver se tem com que a acabar?

29 Para que não aconteça que, depois de haver posto os alicerces e não a podendo acabar, todos os que a virem comecem a escarnecer dele,

30 Dizendo: Este homem começou a edificar e não pôde acabar.

 

Introdução

O descontrole no uso do dinheiro representa um dos fatores que mais contribuem para a ocorrência de brigas, frustrações e desestabilização no meio da família. 

  1. As consequências do desequilíbrio.

A falta de controle orçamentário pode causar consequências desastrosas na vida do homem principalmente na saúde física e emocional, além de trazer perturbações diversas. O desequilíbrio nas finanças pode ser advindo de várias situações: falta de emprego, preguiça, esbanjamento, etc. 

1.1. Perda do sono e dor de cabeça.

Dever na praça e não ter condições de saldar os compromissos leva a pessoa a ter insônia, perder o sono, colocar a cabeça no travesseiro e ficar pensando o que fazer. Também ocasiona enxaqueca, muitas vezes de origem emocional e outros tipos crônicos de cefaleias. Muitos já estão com os seus nomes nas listas de devedores inadimplentes do Serasa, do SPC e outros órgãos. Tudo isto acontece, na maioria das vezes, por falta de controle financeiro.

 

1.2. Mau humor e perda de concentração.

Não ter condições de pagar as contas faz com que a pessoa esqueça as coisas com mais facilidades, isto é, perda ou enfraquecimento da memória. A atenção fica debilitada, falta concentração, perde-se o poder de raciocínio, de ideias criativas, fica improdutivo, atrapalha o desempenho íntimo e fica de mau humor, irritado e com os nervos à flor da pele. Ninguém pode falar nada com o mal-humorado já vem com pedras nas mãos. Sempre tem uma resposta na ponta da língua, murmura o tempo todo pela falta de dinheiro e torna-se uma pessoa iracunda.

 

1.3. Brigas e desentendimentos em casa.

A falta de recursos para cumprir todas as obrigações do lar leva os cônjuges a desentendimentos, brigas, discussões frequentes. Os filhos não entendem nada, pois os pais passam o tempo todo arrumando desculpas, explicando aos filhos porque não tem dinheiro para leva-los a um lanche nem a um lazer digno, porque também faltam parte dos materiais escolares e dos uniformes. A esposa sempre reclamando que não tem um dia de descanso, nem alguém para ajuda-la. Tudo isso acontece, na maioria dos casos, por descontrole financeiro.

 

  1. Atitudes perigosas nas finanças.

Uma situação que tem trazido muita dor de cabeça é o crédito fácil. As financeiras estão na rua oferecendo dinheiro em 36 ou 48 vezes e até mais. Os bancos colocam linhas de crédito nos terminais. Você não precisa nem conversar com o gerente, basta inserir o cartão e digitar a senha e estão lá os recursos disponíveis. É ótimo, porém perigoso. Para quem não sabe administrar os recursos financeiros é “uma faca de dois gumes”.

 

2.1. O perigo de gastar mais do que ganha.

O que temos visto com uma certa frequência são as pessoas gastarem mais do que ganham. As saídas são superiores às entradas. Desta maneira, nenhum orçamento do mundo funciona. O 13º salário é gasto muito antes do natal, as férias são vendidas e a restituição do Imposto de Renda é negociada com o banco. Gastar por antecipação é descontrole financeiro.

 

2.2. O perigo de recorrer a agiotas, cheques especiais ou cartões de créditos.

Muitos estão enterrados nos agiotas, correndo risco até de morte, ficando escravo de quem empresta e pagando juros extorsivos (Pv 22.7). Para muitos, o cheque especial já está fazendo parte do salário. Todo mês precisa usá-lo para complementar os pagamentos, sem se lembrar dos juros altíssimos também. Os cartões de crédito são outra dor de cabeça, pois sempre estão com os seus valores negociados e rolados mês a mês, pagando juros exorbitantes. O pagamento de juros é um dinheiro que jogamos fora e vai pelo ralo, nunca mais volta. Além de tudo isto, ainda tem os cheques pré-datados, sem nenhum critério e controle. 

2.3. O perigo de não dar valor aos pequenos gastos.

Cuidado com os pequenos gastos. Normalmente não se dá valor às coisas baratas, como se elas não fizessem diferença no orçamento. Porém, somando vários valores pequenos, se chega a um valor considerável. Uma torneira pingando um dia todo consome muitos litros de água. Lâmpadas acesas em cômodos onde não há ninguém é desperdício.

 

  1. Conselhos importantes.

Vivemos numa sociedade consumista, onde se compra produtos sem necessidade, só por comprar, e às vezes, por causa da moda. O gastador compulsivo precisa ser reeducado nas compras. A Bíblia também nos ensina a não sermos preguiçosos nem a ficar escolhendo serviços (PV 19.15; 21.25). Aquele que está desempregado não pode se dar ao luxo de escolher o tipo de serviço. Muitos dizem: “Não é a minha profissão”. No entanto, a família não pode esperar. 

3.1. Cuidado com extremos, ostentação, supérfluos e miséria.

Os exageros fazem mal no controle dos recursos. Não gaste naquilo que não é pão ou em coisas sem utilidade. Evite comprar o supérfluo, aquilo que não vai usar tão cedo ou nunca usará. Às vezes compramos uma determinada coisa só porque está em oferta, sabendo que o seu uso será esporádico. Cuidado com a ostentação! Ninguém precisa mostrar que possui determinadas coisas. Muitos estão vivendo de aparência, mostrando uma vida regalada sem lastro financeiro, o que logo lhe levará ao precipício. Cuidado também com a miséria! Não seja uma pessoa mão fechada, avarenta, que não paga uma pizza para a família, que não compra uma pipoca ou um sorvete para as crianças, que nunca leva a esposa para almoçar fora ou para um passeio. 

3.2. Cuidado ao não estabelecer prioridades nem fazer poupança.

É preciso que você tenha em mente aonde você quer chegar. Estabeleça prioridades, metas. Elas podem ser quinzenais ou anuais. Quem não estabelece prioridades adquire coisas menos importantes primeiro. Compre um bem de cada vez, se o orçamento estiver apertado. Poupar do que se ganha é muito importante. Estabeleça um percentual da renda de acordo com as suas possibilidades e seja disciplinado. Quem guarda sempre tem e está preparado para os imprevistos. 

3.3. Cuidado com a mentira, a desonestidade e o dinheiro ilícito.

Não queira dar uma de espertalhão. O negócio só é abençoado se for bom para os dois lados. Não queira ganhar dinheiro fácil, sugando o próximo, passando-o para trás (Pv 11.1). Não fique com as coisas alheias (Hc 2.6). Não sonegue imposto (Mt 22.21). Devolva o troco recebido a mais. Não consuma nada durante as compras; é um hábito negativo e um mau exemplo para os filhos. Se consumir algo, guarde a embalagem e pague no caixa. Devolva o que tomou emprestado e seja justo com as suas coisas. Tenha certeza de que o Senhor cuidará da sua vida (Sl 37.25) 

Conclusão.

Lembre-se sempre de que os que querem ficar ricos caem em tentação e laço e em muitas concupiscências loucas e nocivas (1Tm 6.8-10). Não se esqueça de que na primeira linha do seu orçamento não pode faltar o dízimo. Portanto seja um dizimista fiel (Ml 3.10-11; Pv 3.9-10; 2Co 9.6-12).

 

                ESCOLA DOMINICAL BETEL

        Conteúdo da Lição 10 - Revista  Betel

              Superando os Conflitos no Lar

                       6 de março de 2016

Texto Áureo

“As muitas águas não poderiam apagar este amor nem os rios afogá-lo; ainda que alguém desse toda afazenda de sua casa por este amor, certamente a desprezariam”. Cantares 8.7

 

 

Verdade Aplicada

Quando as crises no casamento são identificadas e não há omissão para trata-las nem para deixar que se acumulem, fica mais fácil superá-las.

 

Textos de Referência.

 

Efésios 5.24-25; 28; 33

24 De sorte que, assim como a igreja está sujeita a Cristo, assim também as mulheres sejam em tudo sujeitas a seu marido.

25 Vós, maridos, amai vossas mulheres, como também Cristo amou a igreja e a si mesmo se entregou por ela,

28 Assim devem os maridos amar as suas próprias mulheres como a seus próprios corpos. Quem ama a sua mulher, ama-se a si mesmo.

33 Assim, também vós, cada um em particular, ame a sua própria mulher como a si mesmo, e a mulher reverencie o marido.

 

Introdução

Os obstáculos que se opõem ao casamento são vencidos quando o casal se une e entrega nas mãos do Senhor Deus todas as preocupações, confiando na Sua poderosa e maravilhosa intervenção.

 

  1. Não existe casamento perfeito.

Em todas as parcerias, sociedades e associações existem conflitos. Onde se reúnem no mínimo duas pessoas já existem problemas de relacionamento. O importante é adquirir a capacidade de resolver as situações conflitantes para apaziguar e amenizar um desfecho que poderia ser traumático. O casamento não é diferente. Muitas situações surgem e precisamos aprender a lidar com todas elas, sob pena de perder o nosso convívio familiar. Por isso, o casamento não é perfeito, porque somos seres humanos sujeitos a falhas. No entanto, não podemos desistir de caminhar rumo à perfeição.

 

1.1. O diálogo é vital

O que mantém o casamento não é capacidade de não brigar. O sustento de um matrimônio honroso é a capacidade do casal dialogar e chegar a um acordo. É a capacidade do casal se arrepender de uma coisa feita de forma errada. É a capacidade do casal se reconciliar. É a capacidade do casal se perdoar. Os conflitos entre os cônjuges existem normalmente. Imaginamos que no casamento não há lugar para discórdia, discussões, mas só mar de rosas, lua de mel, alegria e harmonia. Porém, infelizmente, a realidade é outra, pois são pessoas de diferentes personalidades buscando objetivos comuns. São características individuais de personalidade, pontos de vistas diferentes, valores de referência. O que é essencial para um cônjuge pode ser supérfluo para outro.

 

1.2. É preciso superar os conflitos.

O que mantém o casamento não é a capacidade de resolver todos os problemas. É a capacidade de superar os conflitos, mesmo que não chegue a um acordo satisfatório. É a capacidade de conviver com os problemas, mesmo com aqueles que aparentemente não tenham solução. É a capacidade de aceitar as imperfeições um do outro. É a capacidade de aceitar o cônjuge sem remodela-lo, sem querer modificá-lo. É a capacidade de entender que errar é humano. Conflitos existem desde que o mundo é mundo, desde o Jardim do Éden, desde a primeira família criada por Deus, com um jogando a culpa no outro. Achar a solução e conservar firme, zelando pela preservação da harmonia no casamento, é o nosso dever e o nosso grande desafio, pois é uma instituição de Deus.

 

1.3. É preciso se esforçar para ter harmonia.

O que mantém o casamento não é a capacidade de satisfazer todos os desejos do cônjuge,. É a capacidade de diagnosticar as prioridades buscando solução. É a capacidade de mostrar que nem tudo é possível. É a capacidade de se fazer entender diante do sim e do não.

 

  1. É preciso aceitar os limites do cônjuge.

Todas as pessoas possuem limites físicos, intelectuais, emocionais e psicológicos. Limites são linhas demarcatórias que dizem até onde podemos avançar. É o fim das nossas capacidades, quando não temos forças suficientes para seguir em frente. Entenda que isto é normal no ser humano. Exigir mais do que a pessoa possa oferecer é uma insensatez.

 

2.1. Elogie e reconheça o valor do cônjuge.

É a capacidade de elogiar cada progresso conquistado pelo cônjuge. É a capacidade de reconhecer todos os dotes da pessoa amada. É a capacidade de não criticar pelo progresso em que demora a chegar. É a capacidade de esperar pelo desenvolvimento do cônjuge, e compreender que às vezes nunca chegará, pois na vida algumas coisas mudam, outras não.

 

2.2. Aprecie a qualidade do relacionamento.

É a capacidade de atender às necessidades íntimas do cônjuge dentro de um padrão aceitável por ambos. É a capacidade de entender que não é a quantidade, mas a qualidade do relacionamento que se torna mais importante e saudável É a capacidade de compreender quando o cônjuge não está bem e precisa de um tempo.

 

2.3. O que mantém o casamento não é a capacidade de subjugar o cônjuge.

É a capacidade de entender que não se amarra uma pessoa com cadeados, correntes, trancasse algemas. No entanto, se mantém com amor e carinho. É a capacidade de compreender que a pessoa amada é um ser humano, que vive de emoções, tem carências afetivas, precisa de atenção e destaque. É a capacidade de saber que a grosseria é o câncer que devora o amor. É a capacidade de não praticar o ciúme doentio que apaga a felicidade. É a capacidade de confiar na pessoa amada e não suspeitar mal.

 

  1. Os problemas não podem se avolumar.

É preciso conscientizar-se da necessidade de não deixar os problemas se acumularem no casamento, a ponto de se tornarem maiores do que o marido e a mulher. É preciso resolver os conflitos e as crises enquanto elas são poucas, pequenas e recentes.

 

3.1. Personalidade versus individualidade.

O que mantém o casamento não é a capacidade de apagar a própria personalidade. É a capacidade de renunciar por livre e espontânea vontade a alguma posição radical e egoísta. É a capacidade de repensar coisas que eram feitas individualmente e passar a fazê-las a dois sempre com um objetivo comum. É a capacidade de aceitar acordo para harmonia e sucesso, pois não andarão dois juntos se não estiverem de acordo (Am 3.3). É a capacidade de compreender que o pessoal continua existindo, mas nunca ao ponto de atrapalhar o mútuo.

 

3.2. Equilíbrio versus confronto.

O que mantém o casamento é a capacidade de manter a família e o cônjuge debaixo dos princípios da Palavra de Deus, É a capacidade de transformar o lar num cantinho do céu. É a capacidade de conduzir a família à igreja e mantê-la congregando. Os conflitos entre pais e filhos devem ser vistos como choque de gerações. Aliás, o que para os pais, às vezes, era um absurdo, impraticável e, às vezes era tido como pecado, hoje, após uma compreensão melhor das Sagradas Escrituras, é uma atitude normal entre os filhos. A adaptação é racional, o equilíbrio e o discernimento devem ser vistos com “bons olhos”.

 

3.3. Beleza física versus beleza interior.

O que mantém o casamento não é a capacidade de manter a beleza física o tempo todo. É a capacidade de entender que os anos passam e a nossa beleza física diminui consideravelmente (1Pe 1.24). É a capacidade de compreender que o corpo esbelto e escultural da época de namoro, noivado e recém-casado, não dura para sempre. É a capacidade de cuidar do corpo da melhor forma possível e não relaxar, como muitos, infelizmente, fazem. É a capacidade de se produzir dentro de sua faixa etária e ficar atraente para o seu cônjuge. É a capacidade de fazer com que a beleza interior, que é a mais importante, se sobressaia (1Pe 3.3-3).

 

Conclusão.

Precisamos refletir sobre o nosso casamento antes que ele venha a naufragar. O casamento não é uma simples experiência nem tem prazo de validade. É uma aliança entre duas pessoas para o resto da vida. Qualquer fama ou sucesso que venha colocar em risco o casamento deve ser repensado pelos cônjuges.

 

 

    ESCOLA DOMINICAL BETEL -

Conteúdo da Lição 11

Revista da Betel

A Melhor Idade na Presença de Deus

13 de março de 2016

Texto Áureo

“Também há entre nós encanecidos e idosos, muito mais idosos do que teu pai.” Jó 15,10

 

Verdade Aplicada

A Palavra de Deus alimenta e estimula o respeito pelos mais velhos.

 

Textos de Referência. 

Josué 14.9-11

9 Então Moisés naquele dia jurou, dizendo: Certamente a terra que pisou o teu pé será tua, e de teus filhos, em herança perpetuamente; pois perseveraste em seguir ao Senhor meu Deus.

10 E, agora, eis que o Senhor me conservou em vida, como disse; quarenta e cinco anos há agora, desde que o Senhor falou esta palavra a Moisés, andando Israel ainda no deserto; e, agora, eis que já hoje sou da idade de oitenta e cinco anos.

11 E, ainda hoje, estou tão forte como no dia em que Moisés me enviou; qual a minha força então era, tal é agora a minha força, para a guerra, e para sair, e para entrar. 

Introdução

Calebe se destacou em todas as fases da sua vida. Quando jovem, superou o cativeiro do Egito; na meia idade, venceu as dificuldades do deserto e, na velhice, foi em busca dos seus sonhos (Js 14.10-11).

 

  1. Os idosos são exemplos para os jovens.

A Palavra de Deus está repleta de exemplos que mostram o quanto os idosos são uma verdadeira bênção para os mais jovens.

 

1.1. Uma fé de longo alcance.

 

Noé tinha 600 anos quando o dilúvio veio sobre a Terra (Gn 7.6). Ele construiu a arca, ajuntou os animais e pregou para as pessoas na sua época (2Pe 2.5),. Por temer a Deus, Noé, junto com sua família, sobreviveu ao dilúvio. Ele tornou-se o pai de todas as pessoas que vivem na Terra atualmente. Mesmo bem idoso, Noé permaneceu fiel ao Senhor. Sua fé e determinação produziram benefícios que são vistos até o dia de hoje e merecem ser imitados por servos de Deus de todas as idades (Hb 11.7).

 

1.2. Influência na família.

O Eterno Deus ordenou que Abrão saísse de sua terra aos 75 anos (Gn 12.1-2). Ele obedeceu e só depois de 25 anos viu a realização da promessa do Senhor (Gn 21.2),5). Ele morou em tendas e como estrangeiro durante o restante de sua vida (Gn 12.4: Hb 11.8-9). A perseverança do patriarca Abraão teve forte influência na vida do seu filho Isaque, que permaneceu toda a sua existência (180 anos), como estrangeiro em Canaã. A base da perseverança de Isaque era sua fé na promessa de Deus feita aos seus pais e que, mais tarde, o próprio Deus se encarregou de reforçar (Gn 26.2-5). Os idosos que servem lealmente ao Senhor podem ter uma influência saudável sobre os membros de sua família (Pv 22.6).

 

1.3. Influência sobre os irmãos na fé.

Com 110 anos, José deu uma ordem a respeito dos seus ossos (Gn 50.25; Hb 11.22). Sua atitude foi um raio de esperança para o povo de Israel durante os anos de escravidão que se seguiram após sua morte, dando-lhes a certeza de que a libertação viria. Baseado nesse ato de fé que Moisés, aos 80 anos, levou os ossos de José para fora do Egito (Êx 13.19).Vale ressaltar também que o próprio Moisés foi uma fonte de conselhos maduros e de sabedoria para o jovem Josué (Êx 24.12-18; 32.15-17; Nm 11.28). Com essa injeção de ânimo e influência poderosa, Josué e Calebe motivaram seus irmãos na fé durante a conquista da Terra Prometida (Js 14.6-13).

 

  1. A Bíblia, a Igreja e o idoso.

É importante compreender que as Sagradas Escrituras fazem questão de mencionar a idade daqueles que falecem em adiantada velhice, tamanha a sua relevância.

 

2.1. Sábios conselhos.

O Senhor ordenou ao povo de Israel, por intermédio de Moisés, que os anciãos fossem extremamente respeitados (Lv 19.32). Ao instruir o jovem Timóteo, o apóstolo Paulo certamente tinha essa ordenança guardada em seu coração (1Tm 5.1). Por outro lado, o imprudente rei Roboão não levou em consideração o sábio conselho dos anciãos para diminuir a carga tributária e, então, provocou a divisão do reino de Israel (1Rs 12.1-15). Os idosos devem ser apreciados por sua experiência (Pv 20.29). Sem dúvida alguma, os jovens podem aprender lições valiosas da vida dos idosos (Sl 71.18). 

2.2. Conselhos para os idosos.

Preocupado com a boa reputação da Igreja e com o avanço do Evangelho, o apóstolo Paulo instrui a Tito quanto aos mais idosos na comunidade cristã (Tt 2.2-5). Ele encoraja os homens idosos a serem constantes e sadios na fé. Quanto às mulheres idosas, Paulo aconselha a serem sérias no seu viver e não caluniadoras. O apóstolo incentiva as irmãs idosas a serem mestras no bem e professoras das mais novas. Vale ressaltar que não se trata aqui da instrução formal, mas que o conselho e encorajamento das irmãs idosas às mais novas se dê pela palavra e pelo exemplo. É admirável quando os idosos realizam esse importante trabalho de aconselhamento, de ensino, de transição, para que os mais novos saibam como fazer e por que fazer. 

2.3. Um ministério específico para os idosos.

A Igreja possui um grande número de idosos acima de sessenta anos e, assim como possui ministério específico com crianças, jovens e adultos, precisa criar o ministério próprio para os idosos. Tem que ser um ministério que se preocupe e se comprometa com a atenção e cuidado, buscando formas e métodos que correspondam ás suas necessidades e expectativas espirituais, sociais, psicológicas e biológicas. Um ministério que promova a independência, participação, atenção, realização pessoal e dignidade. Sabendo que o idoso ainda pode contribuir com sua família, igreja e sociedade, porque a Bíblia valoriza o idoso (Sl 92.12-15).

 

  1. Três níveis de compreensão.

Diante de uma realidade cada vez mais frequente, o desafio do ministério com idosos é trabalhar com três níveis de compreensão. São eles:

 

3.1. Compreensão para o idoso.

Trata-se da educação para o envelhecimento, levando-os a refletir sobre algumas questões como: Qual a visão do seu auto envelhecimento? O que o envelhecimento significa para você? Com que idade alguém se torna “velho”? Como fazer para que os anos acrescentados de esperança de vida transcorram com uma qualidade de vida mais satisfatória? Como você pode ajudar os outros a envelhecerem com mais sucesso?

 

3.2. Compreensão do idoso.

Para isso, é necessário quebrar paradigmas da sociedade em geral quanto ao envelhecimento. Combater intensamente o preconceito contra os idosos, permitindo-lhes manter sua independência, reconhecer sua autonomia para tomar suas decisões e reafirmar a sua dignidade, respeito, valor e reconhecimento.

 

3.3. Compreensão com o idoso.

Nesse estágio é necessário preparar e capacitar àqueles que desejam atuar no ministério com a melhor idade para que os reconheçam, honrem, integrem e os envolvam com as demais gerações (inter geracionalidade). É necessária a formação de um grupo de convivência para a melhor idade, objetivando um envelhecimento saudável e de forma integral, isto é, bio-psico-social-espiritual para os idosos. Para isso, devemos ter em mente alguns objetivos específicos: proporcionar aos idosos a oportunidade de formação e fortalecimento de amizades e o desenvolvimento do companheirismo; criar oportunidades de compartilhar e valorizar experiências vividas; possibilitar o aprendizado de novas habilidades, ampliando o interesse pelo mundo à sua volta; proporcionar alternativas para utilização das novas e antigas habilidades (voluntariado e remunerado); oferecer atualização de conhecimentos; criar oportunidades para a realização de passeios, viagens e excursões; proporcionar momentos de reflexão a respeito do processo de envelhecimento; proporcionar capacitação física e recreativa através do lazer, atividades lúdicas, sociais e culturais; despertar e reforçar princípios cristãos que permitam uma vivência mais significativa e feliz.

 

Conclusão.

É preciso entender que a contribuição do idoso pode ser valiosíssima no desenvolvimento da família, da Igreja e da sociedade. Seu envelhecimento pode ser caracterizado por atividades produtivas. O que você será quando envelhecer? O que fará quando envelhecer?

 

 

 

ESCOLA DOMINICAL BETEL - Conteúdo da Lição 12 - Revista  Betel

As Demandas da Juventude

20 de março de 2016

Texto Áureo

“Lançando sobre ele toda a vossa ansiedade, porque ele tem cuidado de vós”. 1 Pedro 5.7

Verdade Aplicada

Nosso Deus é poderosamente capaz de cuidar de cada um de nós, mesmo diante de nossas maiores preocupações.

 

Textos de Referência. 

1 João 2.13-16

13 Pais, escrevo-vos, porque conhecestes aquele que é desde o princípio. Mancebos, escrevo-vos, porque vencestes o maligno. Eu vos escrevi, filhos, porque conhecestes o Pai.

14 Eu vos escrevi, pais, porque já conhecestes aquele que é desde o princípio. Eu vos escrevi, jovens, porque sois fortes, e a palavra de Deus está em vós, e já vencestes o maligno.

15 Não ameis o mundo, nem o que no mundo há. Se alguém ama o mundo, o amor do Pai não está nele.

16 Porque tudo o que há no mundo, a concupiscência da carne, a concupiscência dos olhos e a soberba da vida, não é do Pai, mas do mundo. 

Introdução

O jovem faz parte do projeto de Deus chamado família. Por isso, abordaremos as demandas da juventude no contexto pessoal, espiritual e familiar no mundo contemporâneo, tendo como base os princípios da Palavra de Deus.

 

  1. Crises e desafios.

A vida é repleta de oportunidades, dramas e desafios, mas é na juventude que essas facetas da existência se apresentam de forma mais intens. Nessa fase é preciso sabedoria. A sociedade e até mesmo a família cobram do Jovem uma definição em diversas áreas da vida. Essa pressão por todos os lados pode resultar em crises prejudiciais ao desenvolvimento saudável do indivíduo.

 

1.1. Crise de identidade.

 

Uma das muitas crises que podem atingir o jovem cristão é a crise de identidade. O filho pródigo da parábola contada por Jesus é um exemplo disso (Lc 15.11-31). Motivado pela curiosidade e insatisfação com sua realidade, o filho mais novo busca numa terra distante a mudança que deseja, para perceber, depois de algum tempo e de algumas perdas, que o melhor lugar para estar era de onde nunca deveria ter saído, isto é, a casa do pai. A crise de identidade é vencida através da aceitação de si mesmo e da própria realidade. A rebeldia e a revolta devem ser substituídas pela fé, que nos faz crer que quem somos e onde estamos hoje não determina quem seremos e onde estaremos amanhã (Fp 4.13).

 

1.2. Baixa autoestima.

 

Autoestima é o conceito que a pessoa tem de si mesma. È como ela se vê. Uma pessoa com autoestima saudável se ama, se respeita, se aceita, se valoriza, se acha digna. A baixa estima é o sentimento oposto. Quem possui baixa autoestima está sempre pra baixo. Tem problemas com a própria aparência, se acha incapaz de tudo e por isso não tenta nada e perde oportunidades incríveis. Uma pessoa assim vive insegura, tem dificuldades de se relacionar e fazer amigos porque acha que não será aceita. Muitas vezes a baixa autoestima evolui para um quadro depressivo. Não se esqueça que Satanás usa esses equipamentos para impedir seu crescimento. Somos aquilo que pensamos (Pv 23.7). Por isso, proteja seus pensamentos (Cl 3.1).

 

1.3. Desafios do cristão contemporâneo.

 

Existem três grandes desafios que o jovem cristão deve aceitar para que possa glorificar a Cristo de maneira plena em sua vida. Primeiro, o desafio moral. Em um mundo de verdades relativas e valores invertidos, fazer a coisa certa, na hora certa e de maneira certa, conforme a Palavra de Deus, é um grande desafio. Segundo, o desafio intelectual. Ainda existe muita gente que pensa que o Evangelho é para gente ignorante, sem estudo e desprovida de informação. Essa nova geração de cristãos deve mostrar ao mundo que eles estão enganados. Deus precisa de jovens capacitados, qualificados e íntegros em todas as esferas da sociedade. Por último, o desafio espiritual. O jovem deve ter caráter, ser estudioso, “antenado”, mas não pode abdicar da sua comunhão com Deus. Jesus crescia em estatura, sabedoria e graça diante de Deus e dos homens (Lc 2.52). Ele é nosso modelo de crescimento integral.

 

  1. O papel do jovem cristão na família.

Enquanto não forma seu próprio lar, a grande maioria dos jovens mora com os pais e isso implica em assumir algumas responsabilidades dentro de casa.

 

2.1. Honrar aos pais.

 

Este princípio deve ser preservado do nascimento até o fim da vida. Honrar aos pais é o primeiro mandamento com promessa (Êx 20.12). O mandamento não foi “Honra a teu pai e tua mãe se eles forem legais com você”, ou ainda, “honra a teu pai e tua mãe quando eles estiverem com a razão”. O mandamento foi: “Honra a teu pai e tua mãe”. Honrar e muito mais do que obedecer. É apoiar, proteger cuidar, não criticar e nutrir um profundo respeito por aqueles a quem Deus conferiu a autoridade sagrada de pai e mãe. Se alguém não sabe como honrar seus pais, então deve colocar-se no lugar deles e pensar que deve trata-los da mesma forma que gostaria de ser tratado e cuidado quando tiver seus próprios filhos.

 

2.2. Contribuir para manutenção do lar.

 

Existem algumas contribuições que o jovem cristão pode praticar dentro de casa para que o lar seja o mais abençoado e agradável. São elas: contribuição espiritual através da oração, intercessão e compartilhamento das coisas espirituais com os membros da família; contribuição financeira, ajudando no orçamento familiar; contribuição emocional, mantendo abertos os canais de comunicação.

 

2.3. Ganhar a família não crente.

 

Seria maravilhoso se todos pudessem dizer como Josué “Eu e minha casa serviremos ao Senhor”; mas nem todos possuem essa felicidade. Muitos jovens fazem parte de uma família onde um ou mais membros não conhecem a Cristo; e quantos sofrem perseguição, afronta e escárnio por causa da sua fé! O que fazer quando a família não é crente? Primeiro, os pais devem ser honrados e amados mesmo que eles não compreendam seu estilo de vida. Além disso, toda família deve ser alvo de oração e intercessão (Tg 5.16). Por último, tenha um bom testemunho.

 

  1. O preparo para construir uma família.

O casamento não é uma obrigação, é uma opção. Pode ser que alguém queira optar por viver solteiro, mas tanto os que desejam se casar quanto os que desejam permanecer solteiros precisam ter a motivação e a preparação adequada (1Co 7.7-40).

 

3.1. Motivações erradas para casar.

 

Para que seja bem-sucedido, o casamento necessita de motivações corretas. Citemos alguns motivos pelos quais as pessoas não devem se casar. 1) para sair da casa dos pais, pois querem liberdade. 2) para serem felizes. O casamento só acrescenta felicidade para quem já é feliz antes de se casar. 3) para poderem fazer sexo sem pecar. O casamento é muito mais que sexo. 4) por causa da pressão da sociedade e da família: por interesses materiais e egoístas. 5) por achar que está passando da idade e bate aquela aflição. 6) porque está todo mundo casando. 7) por causa de “visões, revelações e profecias”.

 

3.2. Motivações corretas para casar.

 

Se há motivações erradas para casar, também existem as razões corretas para isso. Primeiro, quero casar, pois amo essa pessoa. Lembrando que amor é muito mais que sentimento. É comportamento, comprometimento, atitude e ação. A paixão passa; o amor fica. Segundo, quero casar para fazer o outro feliz. Ao contrário da motivação egoísta, deve-se pensar na pessoa amada em primeiro lugar. Por último, “quero casar com o(a) meu(minha) melhor amigo(a) para o resto da vida”.

 

3.3. Preparando-se para o casamento.

 

O que um jovem cristão deve fazer com sua vida enquanto se casa? Simples; viva sua vida na presença de Deus, seja feliz e se prepare. Quantos se ocupam em encontrar a pessoa certa ao invés de buscarem ser a pessoa certa. Procure conhecer a si mesmo. Existem bagagens que são levadas para o casamento, mas quanto menos melhor. Muitos traumas e complexos são adquiridos ao longo da nossa história, a maioria no seio familiar. Esses problemas, se não forem tratados, serão levados para o futuro casamento. Além disso, lembre-se: “Quem casa quer casa”. Então, estude, tenha uma profissão, busque uma boa colocação no mercado de trabalho, não se esqueça de servir a igreja e, o mais importante: priorize Jesus em sua vida (Mt 6.33).

 

Conclusão

Apesar de todas as demandas que os jovens possuem, cremos que na Palavra de Deus encontramos orientação, resposta e direção para tudo o que precisam. Além disso, nosso Deus não está distante (Sl 37.17-18). Ele está bem perto para falar e revelar a Sua vontade (Sl 25.12). 

fonte www.avivamentonosul21.comunidades.net     

 

 

 

 

ESCOLA DOMINICAL  BETEL - Conteúdo da Lição 13 - Revista Betel 

Os Desafios de Educar Filhos

27 de março de 2016 

 

Texto Áureo

“Instrui o menino no caminho em que deve andar, e, até quando envelhecer, não se desviará dele”.

Provérbios 22.6

 

Verdade Aplicada

Os pais não podem agir com coação, estupidez ou maus tratos com os filhos, pois, além de não ser a forma ideal, existem leis que preveem sanções aos pais infratores.

 

Textos de Referência. 

Deuteronômio 6.6-7

6 E estas palavras, que hoje te ordeno, estarão no teu coração;

7 E as intimarás a teus filhos e delas falarás assentado em tua casa, e andando pelo caminho, e deitando-te, e levantando-te.

Salmos 127.3-4

3 Eis que os filhos são herança do Senhor, e o fruto do ventre o seu galardão.

4 Como flechas na mão do valente, assim são os filhos da mocidade.

Efésios 6.4

4 E vós, pais, não provoqueis a ira a vossos filhos, mas criai-os na doutrina e admoestação do Senhor.

Colossenses 3.21

21 Vós, pais, não irriteis a vossos filhos, para que não percam o ânimo.

 

Introdução

Hoje os nossos filhos têm mais informações do que tínhamos no passado. Por isso, os pais também devem acompanhar o desenvolvimento e o progresso tecnológico para ajudar os filhos a crescerem sem prejuízo.

 

  1. Filhos Herança do Senhor

Os filhos são herança do Senhor e o fruto do ventre o seu galardão (Sl 127.3). A responsabilidade recai sobre os pais, que deverão cuidá-los bem, da melhor maneira possível, pois os pais são apenas mordomos cuidando daquilo que não é deles. Tanto é que os filhos nascem, crescem, se casam e vão embora constituir novas famílias.

 

1.1. Presente de Deus aos pais.

 

Os filhos são recompensas da parte de Deus. São bens ativos e não dívidas. O Senhor espera que sejamos bons despenseiros na criação e educação dos filhos. Eles são privilégios dados a nós. É uma bênção usufruirmos durante a vida da companhia, do carinho e do amor dos filhos. Não podemos abrir mão da missão deliciosa que Deus nos confiou.

 

1.2. Responsabilidade dos pais.

 

Os pais têm a responsabilidade de ensinar aos filhos “no” caminho em que devem andar (Pv 22.6).Não adianta mostrar a porta, há necessidade de entrar por ela. Os pais não devem mandar os filhos para a igreja, devem ir juntos. Não adianta querer o filho na igreja se a mãe fica assistindo novela ou o pai assistindo futebol. Além dos pais serem guias, sacerdotes e provedores, também deverão dar as suas vidas como exemplo aos filhos.

 

1.3. Pais, espelhos dos filhos.

 

Muitos filhos querem imitar os pais, inclusive na profissão. Cuidado com os maus exemplos, pois os filhos poderão copiá-los. Alguém, certa feita, disse: “As palavras comovem, mas o exemplo arrasta”. A maior herança que deixamos para os nossos filhos não são os estudos nem os bens patrimoniais, mas um nome limpo, uma vida honrada e digna, um exemplo a ser seguido. Infelizmente, alguns pais pensam que os filhos são bobos e que não estão de olho nas suas atitudes.

 

  1. Limites: quem manda em sua casa?

Aceitar os filhos mandarem nos pais é negativo e fora dos princípios da Palavra de Deus (Hb 12.8). A Palavra de Deus afirma em 1Timóteo 3.4-5 que o obreiro (mas esse princípio vale para todos) precisa governar bem a própria casa, tendo seus filhos sob disciplina, com todo o respeito, pois se alguém não sabe governar a sua própria casa, como cuidará da Igreja de Deus? Com essa palavra, o apóstolo Paulo nos dá prova suficiente sobre quem deve mandar na casa.

 

2.1. Limites estabelecidos por Deus.

 

Os filhos devem obedecer e honrar os pais porque é um mandamento com promessa, além de ser extremamente agradável ao Senhor (Ef 6.13; Cl 3.20). No entanto, os pais também não podem provocar a ira dos filhos, para que não percam o ânimo (Ef 6.4; Cl 3.21). Os filhos precisam de normas para serem obedecidas, pois onde não há regras nem regulamentos vira bagunça (Pv 29.17). Os pais devem estabelecer limites justos e lógicos. Não devem exagerar nos limites. Devem elogiar quando cumprirem os horários e os limites pré-estabelecidos. Não devem colocar limites inatingíveis para evitar desgastes. Nunca punir injustamente. Devem corrigir sempre com justiça. Jamais disciplinar os filhos com as emoções afloradas.

 

2.2. Limites, um ato de amor.

 

Quem ama ensina e coloca limites. Os pais devem ensinar aos filhos a ouvir e aceitar o “sim” e o “não”. Deve-se sempre educar os filhos sob o princípio de que na vida não se pode fazer somente o que se quer (Pv 29.15). Ensinar que não se pode ter tudo que quer. Desejar tudo que quer é uma ilusão perigosa. Ensinar que nem tudo que se acha bonito é bom, pois nem tudo que reluz é ouro. Ensinar que não precisa experimentar de tudo na vida para saber que não vale a pena, pois algumas coisas não são legítimas nem boas, além de serem prejudiciais à saúde física e à vida espiritual.

 

2.3. Disciplina à luz da Bíblia.

 

A Palavra de Deus afirma em Hebreus 12.7-8 que é para disciplina que suportamos a correção, pois o nosso Deus nos trata como filhos. E faz uma simples pergunta: “Que filho há a quem o pai não corrige?”. Logo após, dá uma célebre resposta: “O filho que fica sem disciplina, da qual todos devem ser participantes, passa a ser bastardo e não filho”. Assim como somos corrigidos constantemente por Deus para o nosso próprio bem, visto que somos Seus filhos (Jo 1.12), mediante a fé (Ef 2.8-9), não devemos retirar a disciplinados nossos filhos (Pv 23.13), mas devemos ter o cuidado para não os espancar. É uma atitude que necessita de moderação. Disciplina o teu filho e ele te dará descanso; dará delícias à tua alma (Pv 29.17). Mais do que nunca, é preciso que os pais entendam que o caráter, através do qual a sabedoria se expressa, é uma planta que cresce com mais força após ser podada (Pv 5.11-12; 15.32-33; Hb 12.11) – e isto desde os dias da infância (Pv 13.24; 22.6). No caso da criança entregue a si mesma, o único resultado que se pode prever é a vergonha para os seus pais (Pv 29.15).

 

  1. Educar versus treinar.

Ao educar nossos filhos, estamos passando valores éticos, morais e cristãos, mas, com o mundo agonizando por falta desses elementos, se torna uma missão dificílima, pois o que eles enxergam na sociedade, e ás vezes até dentro das igrejas, são comportamentos totalmente desvirtuados dos conceitos bíblicos e valores cristãos. Mesmo com todas as dificuldades, precisamos preparar os filhos para o futuro, torna-los hábeis e capazes de vencer na vida.

 

3.1. Educar a luz da Bíblia.

 

Os filhos precisam ser educados na disciplina e admoestação do Senhor (Ef 6.4). A Bíblia recomenda ensinar a criança no caminho em que deve andar e, ainda quando for velho, não se desviará dele (Pv 22.6). Não podemos deixar de transmitir os valores cristãos (teoria e prática) desde cedo. Inculque nos filhos a Palavra do Senhor desde criança, assentado em casa, andando pelo caminho, ao deitar e ao levantar (Dt 6.6-7).

 

3.2. Educar e treinar para a vida.

 

Educar é um desafio diário e essa tarefa compete aos pais e não à igreja ou escola. Educar filhos para a vida é educar embasado no amor, equilíbrio emocional, limites e diálogo. Isso propiciará qualidade aos ensinamentos. Educar é, acima de tudo, dar exemplos. Invista tempo com seus filhos, ouça-os, ame-os incondicionalmente, não abra mão da disciplina, desenvolva diariamente a autoestima deles e nunca deixe de ensinar a amar a Deus e a Sua Palavra (Pv 22.6). Pais, Deus deu essa missão a vocês!

Não queira que o seu filho já tenha a experiência e a sua maturidade. Mostre para os alunos o seguinte versículo bíblico: “Quando eu era menino, falava como menino, sentia como menino, mas, logo que cheguei a ser homem, acabei com as coisas de menino” (1Co 13.11). Diga para eles que ninguém adquire experiência de um dia para outro. Os nossos filhos vão sendo treinados aos poucos. Lembre para eles que uns podem demorar mais do que os outros.

 

3.3. A família e o comportamento infantil.

 

O ser humano precisa de outras pessoas para se desenvolver, pois é um ser social. Na infância, há necessidade de a criança reproduzir o ambiente familiar onde vive. Através dos gestos, falas e atitudes, pode-se notar indicadores de relação familiar com a qual a criança está inserida. Como a família é um modelo cultural, social e emocional, a criança extrairá dele o aprendizado. É nessa fase de formação da personalidade que esse meio estabelece vínculos afetivos e construções de aprendizagem para toda vida. É necessário que a família esteja atenta às atitudes, formas e conteúdos que estão repassando, de forma indireta, às suas crianças.

 

Conclusão

Educar filhos nos dias de hoje é um desafio. Os pais devem se conscientizar de que não se pode criar filhos hoje como fomos criados no passado. A cada década, precisamos nos atualizara respeito de como educar os nossos filhos. Não dá para pararmos no tempo e ignorarmos a evolução e a modernidade.

fonte www.avivamentonosul21.comunidades.net