Translate this Page

Rating: 3.0/5 (902 votos)



ONLINE
2




Partilhe este Site...

 

 

<

Flag Counter


lições CPAD livro de Daniel 4 trim-2014
lições CPAD livro de Daniel 4 trim-2014

                            Lições Bíblicas CPAD 4 TRIMESTRE

                                        Jovens e Adultos 

                                         4º Trimestre de 2014 

 

Título: Integridade Moral e Espiritual - O Legado do Livro de Daniel Pará uma Hoje Igreja

Comentarista: Elienai Cabral  

Lição 1: Daniel, Nosso "Contemporâneo"

Dados: 05 de Outubro de 2014 

TEXTO Áureo 

"Quando, POIs, VIRDES that a abominação da desolação, de that falou o profeta Daniel, esta no Lugar Santo (Quem Lê, Que entenda)" (Mt 24,15).

 

VERDADE PRÁTICA

 

Daniel E hum Exemplo de Perseverança na Fidelidade a Deus e de Integridade moral, estimulando-SOE uma Confiar não divino Projeto.

 

Hinos SUGERIDOS

 

58, 61, 84.

 

LEITURA Diaria

 

Segunda - Gn 3.15

A Primeira Profecia escatológica

 

 

Terça - Gn 22.18; 26,4; 28,14; 49.10

Um parágrafo Promessa Abraão

 

 

Quarta - é 7,14; 9,6; 42,1-4; 52,13-15

A predição da Vinda do Rei e Redentor

 

 

Quinta - Dn 2.44,45; 7.13,14

A predição do reino Vindouro

 

 

Sexta - Jr 23,3; É 11,11; Ez 37,1-11

A Promessa de Restauração de Israel

 

 

Sábado - Mt 24,15

Jesus cita Daniel

 

LEITURA EM CLASSE Biblica

 

Daniel 1.1,2; 7,1; 12.4.

 

Daniel 1

1 - No Terceiro Ano do Reinado de Jeoaquim, rei de Judá, Veio Nabucodonosor, rei de Babilônia, a EA sitiou Jerusalém.

2 - E o Senhor entregou NAS SUAS Mãos a Jeoaquim, rei de Judá, e Uma Parte dos Utensílios da Casa de Deus, e ELE OS Pará Levou uma terra de Sinar, par a casa do Seu deus, e POS OS Utensílios na casa do Tesouro fazer Seu deus.

 

Daniel 7

1 - No Primeiro Ano de Belsazar, rei de Babilônia, TEVE Daniel, na SUA cama, um Sonho e visões da SUA Cabeça; Logo escreveu O Sonho e relatou a suma das Coisas.

 

Daniel 12

4 - E tu, Daniel, fecha ESTAS Palavras e sela Este Livro, comeu AO FIM DO TEMPO; muitos correrão de Uma Parte Pará OUTRA, EA Ciência se multiplicará.

 

Interação

 

Prezado Professor, Neste Trimestre estudaremos o Livro do profeta Daniel. Este Livro E hum dos Preferidos das Pessoas Que gostam de Estudar uma escatologia Bíblica. Aprendemos com Daniel de: Não SOMENTE Acerca de Assuntos escatológicos, POIs o Seu Testemunho E hum Exemplo de Fidelidade a Deus e de Integridade moral. Daniel viveu grande Parte dos SEUS Anos Como exilado los Uma Sociedade idólatra, Servindo a reis ímpios, todavía de: Não se contaminou. O comentarista fazer Trimestre E o pastor Elienai Cabral - Conferencista e autor de varias Obras Publicadas Pela CPAD,: Membro da Academia Evangélica de Letras do Brasil e also da Casa de Letras Emílio Conde. Que Deus abençoe a SUA Vida Alunos eA de SEUs. Bons Estudos!

 

OBJETIVOS

 

APOS ESTA aula, o Aluno Devera Estar apto a:

· Conhecer panoramicamente o Livro de Daniel.

· Explicar a autoria eA História POR Trás do Livro de Daniel.

· Compreender OS Fatos that propiciaram o exílio na Babilônia.

 

Orientação Pedagógica

 

Professor, um Fim de introduzir a Primeira Lição fazer Trimestre, reproduza o Esquema Abaixo parágrafo OS Alunos. Utilizando o Quadro, Faca Uma Exposição Panorâmica do Livro de Daniel, explicando o Propósito e SUAS principais divisoes. Enfatize OS Personagens Centrais, OS acontecimentos Mais IMPORTANTES e como principais profecias. Que VOCÊ POSSA extrair IMPORTANTES Lições of this Grande Livro do Antigo Testamento.

 

 

Comentario

 

INTRODUÇÃO

 

Palavra Chave

Providência: Ação pela qua Deus conduz OS acontecimentos e como Criaturas para- O FIM that lhes para Destinado.

 

Dada a importancia do Livro de Daniel, Nós estudaremos o soluçar de uma Perspectiva da escatologia Bíblica. Indiscutivelmente, Daniel E hum profeta Bíblico that de: Não ficou Restrito AO Passado. ELE E Contemporâneo! O Seu nome, a SUA vida e obra de São hum Exemplo de Perseverança los Deus. Embora Vivendo o em circunstâncias adversas e n'uma cultura Pagã, Daniel de: Não Perdeu a Fé sem Deus Altíssimo EO Vínculo com o Seu Povo.

O Capítulo 24 do Evangelho de Mateus Revela hum dos Mais IMPORTANTES Discursos proféticos de Jesus. Ali, o Mestre de Nazaré cita o profeta Daniel (v.15). Conquanto que remetam profecias de Jesus nsa AO Contexto de Israel, como Evidências proféticas descritas los Mateus 24 Localidade: Não se aplicam apenas à História do Povo Judeu, mas igualmente à TODAS como ETAPAS da História Humana Como descrita nenhuma Livro de Daniel.

 

I. A HISTÓRIA POR TRÁS DO LIVRO DE DANIEL

 

1. A Formação Histórica de Israel. A história do Povo Judeu COMECA com Abraão e Sara (Gn 12,1-3). ELES tiveram hum filho Chamado Isaque, o filho da Promessa de Deus (Gn 15,4; 17,18; 21,1-3). Isaque, POR SUA Vez, gerou Dois Filhos, Esaú e Jacó. Do filho Segundo, Jacó, surgiu hum Clã de 12 Filhos. O Clã cresceu e multiplicou-se e, posteriormente Mudou-se par o Egito. Ali uma Família de Jacó aumentou o em numero, tornando-se hum Povo Altamente abundante los Terra Estrangeira. A Partir de entao, formou-se Israel, a futura Nação Projetada POR Deus. Mas com o Passar do Tempo de Família Perdeu judaica como benesses that desfrutava nsa Anos do Rei Egípcio that respeitava a Liderança eA História de José não Egito. EntreTanto, atraves de Uma Intervenção divina, e soluçar uma Liderança de Moisés, Os israelitas sairam do Egito e peregrinaram Pelo deserto comeu uma terra de Canaã POR Quarenta Anos. A Partir da Libertação Egípcia, Israel viveu um soluçar égide de hum Governo teocrático, Isto É, governado diretamente POR Deus e atraves de Homens chamados POR He parágrafo ESTA funcao.

2. O Governo teocrático. Moisés Morreu EO Seu Substituto FOI Josué. Sob o Seu Comando, Israel conquistou a terra de Canaã e instituiu hum Governo in that a Autoridade governamental Vinha de Deus - uma teocracia. ESSE Período perdurou Approssimato Trezentos Anos, incluíndo o Período dos Juízes. FOI UM ritmo Difícil PORQUE Israel afastou-se da Direção divina e "Cada hum Fazia O Que parecia reto AOS SEUS Olhos" (Jz 21,25).

3. O Governo monárquico. O reino de Israel Esteve soluçar uma Liderança de Saul, Davi e Salomão POR Cento e Vinte Anos. O rei Salomão Morreu o em 931 aC marcando ASSIM um Decadência Política, e moral religiosa da monarquia. Roboão, o Seu Filho, assumiu o reino, mas Acabou dividindo-o o em Dois: o do Norte OE do Sul.

O reino do Norte constituía-Sé de Dez Tribos. O do Sul, de apenas Duas Tribos, Judá e Benjamim. No Ano de 722 aC o Império Assírio dominou o reino do Norte e subjugou o Seu rei, Os Príncipes e TODO O Povo.

O reino do Sul Teve momentos de Glória, mas igualmente de Calamidades. Constituido POR Alguns reis piedosos e os Outros ímpios, Acabou POR Ser invadido Pelo Império da Babilônia. Entre OS ANOS 606 aC e 587 aC, Nabucodonosor Levou o em Cativeiro OS Nobres de Jerusalém: Príncipes, intelectuais e Homens de guerra, etc., deixando o em Judá apenas OS Pobres e Os Deficientes. Toda ESTA História propiciou uma Intervenção divina na vida de Israel Pará Preservação fazer Projeto de original Deus.

 

 

SINOPSE DO Tópico (I)

 

Deus chamou Abraão eA Partir DELE DEU Início A História do povo Judeu.

 

 

II. OS Fatos QUE PROPICIARAM O exilio NA Babilonia

 

1. O Contexto Político fazer reino de Judá. Em 606 aC Nabucodonosor invadiu Jerusalém e, Além da Nobreza, Tomou da Cidade de Todos os Utensílios do Templo: Ouro, Prata e Pedras preciosas. Jeoaquim, rei de Judá, Não resistiu e tornou-se Tributário da Babilônia, perdendo o Dominio do Seu reino e also a Confiança dos SEUS Valentes. Entre OS cativos Expatriados Pará Babilônia estava o profeta Ezequiel (Ez 1,1-3). O Exército de Nabucodonosor destruiu o Templo, saqueou Jerusalém e Arrasou Política, moral e espiritualmente o reino de Judá. Babilônia se impos Como Império POR Mais de Quatro Décadas. Israel humilhado FOI, Passando de Nação Próspera à Tributária da Babilônia!

2. Israel não babilônico exílio. Quando Uma Liderança Perde um Intimidade com Deus e, consequencia POR, uma credibilidade Entre Homens OS, Como Aconteceu Com Os Últimos reis de Israel e de Judá, uma Tragédia Espiritual e Inevitável E moral. O Cativeiro de 70 años nd Babilônia, profetizado POR Jeremias, FOI cabalmente Cumprido (2Cr 36.21). Por Lado Outro, Deus Nos Ensina a Conhecer OS SEUS desígnios. FOI nenhum exílio babilônico that Israel Aprendeu a Conhecer a Deus e de: Não aceitar Outro deus los Seu Lugar. O Cativeiro propiciou a Volta do povo de Deus à Comunhão com o Altíssimo.

A Partir desse panorama Histórico compreenderemos o Livro do profeta Daniel. Para Isto É, precisamos igualmente Conhecer OS Aspectos gerais eA importancia do Livro e da Pessoa não Chamado "profeta do Cativeiro".

 

 

SINOPSE DO topico (II)

 

O Povo de Deus se rebelou contra o Senhor e se arrependeu Como de: Não, sofreu com o exílio na Babilônia.

 

 

III. DANIEL, O AUTOR EO LIVRO

 

1. O Homem Daniel. A Há Pouca Informação Histórica Sobre a Família de Daniel, senão a de that ELE era da linhagem Real de Israel (Dn 1.3). Levado Pará uma Babilônia AINDA Muito Jovem, Daniel destacava-se Como hum Judeu inteligente e Bem instruído. He possuía Firmes convicções sem Deus de Israel e era Contemporânea de Dois IMPORTANTES Profetas da Nação Israelita: Jeremias e Ezequiel. Certamente sos Profetas deixaram SEUS Exemplos Como legados para a Vida do Jovem Daniel. Em 597 aC, Ezequiel havia Sido levado par a Babilônia (Ez 43.6,7). Ali ESSE Experiente profeta Chega um CITA-lo o em Seu Livro, descrevendo Daniel Como Um Homem de Sabedoria e de Justiça (Ez 14,14).

2. A Importância do Livro. O Livro de Daniel possui Dois CONTEÚDOS: o Histórico EO profético. No Plano Geral da Revelação divina, o Livro de Daniel Ocupa hum lugar de suma importancia. Do Capítulo 1 AO 6 o Conteúdo e Histórico, e fazer 7 AO 12, profético.

O Conteúdo Histórico do Livro Contém Experiências that revelam uma Soberania EO Cuidado de Deus par com aqueles Que LHE São Fiéis. Ja o Conteúdo profético predições Traz escatológicas, EM SUA maioria, cumpridas AINDA NAO. Por this Último Conteúdo cremos na "contemporaneidade" de Daniel.

3. A autoria e como Caracteristicas do Livro. Indiscutivelmente, FOI O PROPRIO Daniel Quem escreveu O Livro Entre OS Anos 606 e 536 aC He iniciou SUA obra Escrevendo na Babilônia e, posteriormente, encerrou-a no Palácio de Susã (Dn 8.2). O Livro Contém doze Capítulos, majoritariamente Escrito los hebraico, excetuando a Seção 2.4 ATÉ 7,28, that was Escrita los Dialeto aramaico.

De Além de histórico, o Livro de Daniel Contém revelações proféticas cumpridas e Otras that AINDA VAO SE Cumprir no Futuro. São revelações concernentes AO Povo de Israel de e EAo gentios. Deus revelou a Daniel o Futuro das Nações atraves da Linguagem alegórica. Portanto, PODE-SE classificar o Livro de Daniel Como Gênero apocalíptico PORQUE desvenda o Futuro do Mundo trazendo Esperança Para O Povo de Deus, POIs ali, Israel e O Ponto Convergente DOS Fatos Futuros.

 

 

SINOPSE DO topico (III)

 

Umas das Razões da importancia do Livro de Daniel ESTA nenhuma Fato de Que, EM SUA maioria, como predições escatológicas AINDA Localidade: Não se cumpriram.

 

 

CONCLUSÃO

 

O Livro de Daniel Nos Mostra o Compromisso de Um Homem Que se dispoe a SERVIR a Deus, mantendo um SUA Integridade de e moral Espiritual Concessões de Fazer SEM AO Sistema idólatra e opressor da Babilônia. Aprendemos igualmente that a História Humana Localidade: Não E casual, mas Dirigida Pelo Deus Soberano, que Faz Todas As Coisas contribuírem parágrafo O Bem daqueles Que Amam AO Senhor.

 

Vocabulario

 

Acurácia: Precisão de Uma Determinado Processo de Informação.

 

BIBLIOGRAFIA SUGERIDA

 

ZUCK, Roy (Ed). Teologia fazer Antigo Testamento. 1ª Edição. RJ: CPAD, 2009.

LAHAYE, Tim. Enciclopédia Popular de Profecia Bíblica. 5ª Edição. RJ: CPAD, 2013

 

Exercícios

 

1. Com Quem TEM Início A história do Povo Judeu?

R. A história do Povo Judeu COMECA com Abraão e Sara (Gn 12,1-3).

 

2. Quantas Tribos constituíam Reinos OS do Norte e do Sul?

R. O reino do Norte constituía-Sé de Dez Tribos. O do Sul, de apenas Duas Tribos, Judá e Benjamim.

 

3. QUANTO ritmo Durou o Cativeiro de Israel?

R. Setenta Anos.

 

4. Daniel era Contemporânea de cais Quais d'Orsay Profetas?

R. De Jeremias um e Ezequiel.

 

5. cais Quais d'Orsay São Os Dois CONTEÚDOS distintos do Livro de Daniel?

R. O Livro de Daniel possui Dois CONTEÚDOS: o Histórico EO profético.

 

Auxílio Bibliográfico I

 

Subsídio Hermenêutico

 

"Uma correta Interpretação de Daniel esclarece a Revelação de Deus that TEM UM Futuro parágrafo Israel. Um Raciocínio Crítico Acerca da Mensagem Profética de Daniel cria Uma Concepção ficticia da importancia do Livro. Tamanho Erro na Interpretação exclui o significado das profecias e Torna o Livro de Daniel los hum conto de fadas.

O Livro de Daniel E uma chave de Todas As profecias bíblicas. Sem ELE, remotas revelações escatológicas e Seu escopo profético São inexplicáveis. Como Grandes profecias do Senhor, não Discurso do Monte das Oliveiras (Mt 24,25; Mc 13; Lc 21), Bem Como 2 Tessalonicenses 2 EO Livro de Apocalipse (Ambos mencionam o Anticristo de Daniel 11), a Só PODEM Ser compreendidas com uma Ajuda das profecias de Daniel "(LAHAYE, Tim Enciclopédia Popular de Profecia Bíblica 5ª Edição RJ:... CPAD, 2013, p.175).

 

Auxílio Bibliográfico II

 

Subsídio Hermenêutico

 

"Uma correta Interpretação do Livro de Daniel

Um Fim de interpretar corretamente Daniel, Duas premissas Relevantes Sao: (1) O Livro e genuino e FOI Escrito Pelo profeta Daniel não Século VI aC Muitos Críticos afirmam that O Livro de Daniel Faz Parte daquilo Que conhecemos Como literatura Apocalíptica, Que Veio a surgir JÁ não helenístico Período. ELES sustentam that Fraudes de autoria e dados São Comuns Neste Gênero literário. Tais suposições racionalistas São, contudo, inaceitáveis. A Interpretação de QUALQUÉR Livro considerado apocalíptico de: Não Exige Uma Hermenêutica Específica UO Sistemas interpretativos Especiais. Mudar SUA Hermenêutica E separar a Profecia Bíblica de Seu cumprimento Historico. E UMA Tentativa liberal de se considerar uma Profecia Como mito fantasia ou. (2) Uma Interpretação Precisa Depende fazer Fato de uma Profecia de: Não Ser apenas Possível, mas also fazer Fundamento dos verdadeiros e genuínos Escritos Bíblicos apocalípticos. Como profecias levaram muitos supostos estudiosos a rejeitarem a genuinidade das visões de Daniel. Muitos Críticos rejeitaram de forma cabal O Que E Uma Profecia claramente predita. A Única forma de explicarem um DAS meticulosidade eA acurácia profecias de Daniel E relegando-as a posterior eA Uma Época hum Outro autor "(LAHAYE, Tim Enciclopédia Popular de Profecia Bíblica 5ª Edição RJ:... CPAD, 2013, p.175)

 

SUBSÍDIOS ENSINADOR Cristão

 

Daniel, Nosso Contemporâneo

 

O Livro de Daniel de Liberdade de Informação (e TALVEZ AINDA SEJA) Objeto de algumas controvérsias between OS teólogos. Não Por Acaso, um crente batista, Willian Miller (UO Guilherme Miller), não Ano de 1831, atraves de Uma Série de Cálculos, popularizou a Interpretação de Daniel 8.14 Cujo Resultado previa a Volta de Jesus lhes 22 de Outubro de 1844. Miller errou na Interpretação e ATÉ HOJE O Nosso Senhor Veio de: Não!

Anteriores a Willian Miller, os Outros Intérpretes chegaram Às CONCLUSÕES semelhantes: o Jesuíta Manuel Lacunza (1731-1801); o Jurista mexicano, Gutierry de Rozas (1835); Adam Burwell, Missionário da Sociedade Canadense do Pará propagação fazer Evangelho (1835); R. Scott, padre anglicano e, EM SEGUIDA, pastor Batista (1834); o Missionário Inglês, Joseph Wolff (1829). Por Que hum Livro Bíblico, a Palavra de Deus, traria Tantas discrepâncias?

O Problema de: Não ESTA NA BIBLIA, mas los QUEM uma interpre-. Por ISSO, devemos considerar algumas INFORMAÇÕES AO Iniciar o Nosso Estudo los Daniel:

Um Relato Histórico. O Conceito conversador e tradicional de that O Livro de Daniel e Histórico e Remonta OS próprios dias do profeta era unânime ATÉ aparecer A Crítica moderna da Biblia. AINDA ASSIM, Não TEMOS Razões Para change this Conceito Hoje.

O Livro. O Texto Escrito was in hebraico, EntreTanto, OS Capítulos da Seção 2.4 a los aramaico 7,28 were redigidos. Derivado da Caldeia, o aramaico era hum idioma DAS populares Relações Internacionais do periodo imperial babilônico.

O Esboço. Este nºs Ajuda a compreender a Unidade Literária do Livro de Daniel. A Estrutura da obra Bíblica CONSTA ASSIM: (I) História [1-6] e (II) Profecia [7-12].

(I) História: Daniel na Babilônia [1]; como DUAS IMAGENS - O Sonho EA Estatua de Nabucodonosor [2 e 3]; Dois reis soluço disciplina - o Orgulho de Nabudonosor eA profanação de Belsazar [4 e 5]; O decreto de Dario [6].

(II) Profecia: Como Duas visões dos Animais-impérios - Os Quatro animais / o bode EO carneiro [7 e 8]; Um DAS explicação Duas profecias - os 70 Anos de Jeremias e Os acontecimentos dos Últimos tempos [9-12].

 

Propósito. Revelar o escapar de Deus Para o Seu Povo, apesar das injustiças promovidas Pelos impérios pagãos. O profeta Daniel Mostra Que o Senhor julgará OS Poderes Políticos do Mundo that institucionalizam uma injustiça. Quando entendemos a Unidade Literária de Daniel Simbolos OS e como Figuras apresentadas No livro tornam-se complementos fazer ASSUNTO centrais: a Soberania de Deus.

 

Lições Bíblicas CPAD

Jovens e Adultos

 

 

4º Trimestre de 2014

Título: Integridade Moral e Espiritual - O Legado do Livro de Daniel Pará uma Igreja de Hoje

Comentarista: Elienai Cabral

 

 

Lição 2: A firmeza do carater moral e Espiritual de Daniel

Dados: 12 de Outubro de 2014

 

TEXTO Áureo

 

"E Daniel assentou no Seu Coração de: Não se contaminar com uma Porcão fazer manjar do Rei, [...] portanto, pediu AO chefe dos eunucos that LHE concedesse de: Não se contaminar" (Dn 1,8).

 

VERDADE PRÁTICA

 

A Integridade de carater implica Uma disposição interior do Pará se MANTER fiel AOS Principios da Vida Cristã.

 

Hinos SUGERIDOS

 

107, 162, 186.

 

LEITURA Diaria

 

Segunda - Dn 1.8

A Fidelidade de Daniel

 

 

 

Terça - Lv 11,43-45

A Alimentação de Daniel

 

 

 

Quarta - Sl 65.5; 118.8,9; É de 26,4

Daniel eA Confiança los Deus

 

 

 

Quinta - Dn 6.10

A firmeza de Daniel

 

 

 

Sexta - Dn 2.30

A humildade de Daniel

 

 

 

Sábado - Ez 14.14,20

Daniel piedosos between OS

 

LEITURA EM CLASSE Biblica

 

Daniel 1.1-8,17,20.

 

1 - No Terceiro Ano do Reinado de Jeoaquim, rei de Judá, Veio Nabucodonosor, rei da Babilônia, um bis sitiou Jerusalém.

2 - E o Senhor entregou NAS SUAS Mãos a Jeoaquim, rei de Judá, e Uma Parte dos Utensílios da Casa de Deus, e ELE OS Pará Levou uma terra de Sinar, par a casa do Seu deus, e POS OS Utensílios na casa do Tesouro fazer Seu deus.

3 - E Disse o rei a Aspenaz, chefe dos eunucos, that trouxesse Alguns dos Filhos de Israel, e da linhagem real e dos Nobres.

4 - Jovens em Quem Localidade: Não houvesse defeito Algum, formosos de aparencia, os e instruídos los Toda a Sabedoria, e sabios em Ciência, os e entendidos sem Conhecimento, e that tivessem habilidade Pará Viver no Palácio do rei, um Fim de that fossem ensinados NAS letras e na Língua dos Caldeus.

5 - E o rei lhes determinou a Ração de Cada Dia, da Porcão fazer manjar do Rei e do Vinho that ELE bebia, e that ASSIM fossem criados POR Três Anos, parágrafo Que No FIM Deles pudessem Estar Diante do rei.

6 - E between enguias se achavam, dos Filhos de Judá, Daniel, Hananias, Misael e Azarias.

7 - E o Chefe DOS eunucos lhes pos Outros Nomes, um sabre: a Daniel pos o de Beltessazar, eA Ananias, o de Sadraque, eA Misael o de Mesaque, eA Azarias, o de Abede-Nego.

8 - E Daniel assentou no Seu Coração de: Não se contaminar com uma Porcão fazer manjar do Rei, Nem com o vinho Que ELE bebia; portanto, pediu AO chefe dos eunucos that LHE concedesse de: Não se contaminar.

17 - Ora, um sos Quatro Jovens Deus DEU o Conhecimento eA Inteligência em Todas As Letras e Sabedoria; mas a Daniel DEU Entendimento los Toda Visão e Sonhos.

20 - E o em Toda Matéria de Sabedoria e de Inteligência Sobre that O Rei lhes PERGUNTAS Fez, OS Achou dez Vezes Mais doutos fazer that de Todos os magos astrólogos OU that havia los TODO o Seu reino.

 

Interação

 

ESTA Lição mostrará o carater ilibado de Daniel E SEUS amigos. MESMO Vivendo los Uma Sociedade Pagã enguias de: Não se deixaram contaminar. A Fé de Daniel fez com that ELE se tornasse hum Exemplo de Fidelidade parágrafo OS crentes de TODAS como épocas. O profeta compreendia visões e Sonhos. ELE OS SEUS amigos e estudaram com Afinco a Língua dos Caldeus, Bem Como a SUA literatura. Os Jovens se aplicaram e Deus lhes recompensou. Treinados Pela academia real, Daniel e SEUS companheiros recusaram-se a comer Alimentos reais. ELES ERAM Vegetarianos de: Não, mas Judeus Como uma lei proibia that comessem animais "imundos" (Lv 11; Dt 14). Nas Sociedades Pagas, como carnes los Geral also ERAM dedicadas a divindade alguma. A decisão de Nao comer o verdadeiro Alimento Uma era forma de Dizer de: Não à idolatria e paganismo babilônico AO.

 

OBJETIVOS

 

APOS ESTA aula, o Aluno Devera Estar apto a:

Fazer Uma retrospectiva da Situação moral e Política de Israel.

Explicar a Força do carater de Daniel.

Analisar como atitudes de Daniel e amigos SEUS nd corte babilônica.

 

Orientação Pedagógica

 

Professor, parágrafo introduzir o Segundo Tópico da Lição Faca uma SEGUINTE pergunta: "Daniel e SEUS amigos ERAM Vegetarianos?". "O that they fez escolherem Uma Diferente Alimentação, natural?". Ouca OS Alunos e PEÇA Que leiam Daniel 1.12. Em SEGUIDA explique that a decisão de Daniel de comer apenas legumes, verduras e Água, estava sem Fato de Que uma lei Mosaica proibia OS Judeus de comerem carne de animais "imundos" (Lv 11). A EA Fé obediência AOS principios divinos de: Não permitiria that such ELE comesse Alimentos. Diga that Outro Fato Importante Que precisamos observar era uma Ocorrência da idolatria NAS Culturas Pagas, POIs uma Maior Parte dos Alimentos, EM ESPECIAL um vinho carne eo, Dedicados ERAM uma divindade alguma. A decisão de Nao comer o verdadeiro Alimento Uma era forma de Dizer de: Não à idolatria e paganismo babilônico AO.

 

Comentario

 

INTRODUÇÃO

 

Palavra Chave

Determinação: Na Lição e A Forte inclinação de Daniel E SEUS Amigos em Localidade: Não se contaminar com iguarias como fazer rei.

 

A Lição de Hoje retrata a História de Quatro Jovens Judeus levados cativos parágrafo a Babilônia. Dos Quatro Rapazes - Daniel, Ananias, Misael e Azarias - a Pessoa de Daniel é Quem TEM Maior ênfase nessa Narrativa. A SUA Fidelidade a Deus e Integridade São moral demonstradas los Meio uma Pagã Uma cultura. Fruto da Formação moral e Espiritual recebida de SEUS pais, como atitudes de Daniel fizeram-no desafiar a Ordem do rei da Babilônia, a Maior Autoridade do Mundo de outrora. ESTAMOS não Século 21, um ritmo MARCADO Pelo paganismo. Ao lermos a História de Daniel e bis de Amigos SEUS, Somos desafiados a ter firmeza de carater. Adotando Uma Postura moral that jamais negue a Fé eA Ética Cristas no Mundo. A moral de Integridade Daniel TEM Muito um nºs ensinar.

 

I. UMA RESTROSPECTIVA Historica

 

1. A SITUAÇÃO moral e Política de Judá. Apos a deposição fazer Seu Irmão Jeoacaz, Jeoaquim (Dn 1.1) ascendeu AO Trono de Judá POR Intermédio de Neco, o faraó do Egito (2 RS 23,34). Perversidades e rebeliões contra Deus fizeram contraditório fazer antecedente Histórico do Rei de Judá. No Ano 606 aC, Nabucodonosor invadiu e dominou a Cidade de Jerusalém levando um par Babilônia Tesouros OS do Templo. Mas como pretensões de Nabucodonosor de: Não ERAM SOMENTE de cunho material, e sim igualmente cultural, POIs ELE Levou OS Nobres da Casa versados ​​reais não Conhecimento, dentre OS cais Quais d'Orsay estavam Daniel, Ananias, Misael e Azarias.

2. A SITUAÇÃO Espiritual de Judá. DEPOIS da Grande Reforma Política e Religiosa los Judá, promovida Pelo rei Josias, Os Filhos of this se desviaram do Deus de Israel. Sacerdotes OS, a casa real, e TODO O Povo perverteram-se espiritualmente. O rei Zedequias, Por Exemplo ", endureceu a SUA cerviz e tanto se obstinou no Coração Seu, Que se de: Não converteu AO Senhor, Deus de Israel" (2Cr 36.13). Judá permitiu Que a casa de Deus Fosse profanada Pelas abominações gentílicas. O reino do Sul conseguiu entristecer o Coração do Senhor!

3. O Império babilônico arrasa o reino de Judá. A Sequência do Texto do Primeiro versiculo Diz: "Veio Nabucodonosor, rei da Babilônia, um bis sitiou Jerusalém" (v.1). Houve Tres incursões do Rei da Babilônia contra Judá. Na Primeira, o Império babilônico Levou OS Tesouros da casa do Senhor. Isto É ocorreu nenhuma Terceiro Ano do Reinado de Jeoaquim (Ano 606 aC). Na Segunda incursão, não Oitavo Ano fazer Reinado de Jeoaquim, Nabucodonosor deportou OS Nobres da Casa Real (Ano 597 aC). A Última incursão DEU-SE Nenhum Ano 586 aC, quando o Templo de Jerusalém was saqueado, Destruido e Queimado, Bem Como OS muros da Cidade santa, derrubados (2RS 25,8-21). Nabucodonosor Levou OS Utensílios da Casa de Deus par o Santuário da divindade babilônica, Marduque, also Chamado de Bel, um rei babilônico Quem o atribuía Todas As Conquistas imperiais.

 

 

 

SINOPSE DO Tópico (I)

 

Judá se encontrava Espiritual e politicamente los Uma SITUAÇÃO desfavorável, O Que facilitou a Invasão EO Dominio de Nabucodonosor.

 

 

 

II. A FORÇA DO carater

 

1. Uma Tentativa de aculturamento dos Jovens hebreus (1.3,4). Os teóricos da Psicologia definem carater Como "uma Parte enrijecida da Personalidade de Uma pessoa". Os Jovens hebreus tinham hum carater ilibado, Mediante a Educação EO Testemunho observado los SEUS pais. Para obter Apoio daqueles Jovens e USAR a Inteligência Deles AO Seu favor, Nabucodonosor that sabiá, obrigatoriamente, térios de Molda-los, aculturando-os NAS Ciências dos Caldeus. Porem, Muito Cedo OS babilônios perceberam Que a Formação e cultural, sobretudo, religiosa dos Jovens hebreus, era forte. Localidade: Não Seria Fácil faze-los esquecer de SUAS convicções de Fé. Por ISSO, OS Nabucodonosor submeteu um Processo de aculturamento. Para this finalidade, o Imperador caldeu elaborou hum Programa cultural Que Fosse Eficaz na extinção da cultura judaica: Os Jovens hebreus participariam da mesa do Rei (1,5).

2. O carater colocado à Prova (1,5-8). Daniel e OS SEUS amigos were colocados à Prova los Uma cultura Diferente de Uma terra igualmente Estranha. A Formação Desses Jovens chocava-se com a cultura babilônica. Em Otras Palavras, ELES ERAM Firmes los Seu carater! Em especial, não Caso de Daniel, o Seu carater íntegro tinha um ver com a SUA Personalidade. He assentara o em Seu Coração de: Não se contaminar com iguarias como fazer rei Que, Como se sabe, ERAM oferecidas AOS deuses de Babilônia. Daniel e OS SEUS companheiros, apesar de Serem Bem Jovens, demonstraram Maturidade Suficiente Para reconhecer o exílio babilônico that era Fruto do Pecado cometido Pelo Povo de Judá e SEUS governantes.

O Mundo Hoje oferece hum Banquete vistoso par contaminar OS Discípulos de Cristo. EntreTanto, devemos nºs ATER AO Exemplo de Daniel E DOS SEUS amigos. ELES COM Aprendamos, PIs como SUAS Vidas de: Não consistiam los Meras Tradições Religiosas, mas los Uma profunda Comunhão com Deus. ELES ERAM Fieis AO Deus de Israel e guardavam a SUA Palavra no Coração parágrafo Localidade: Não pecar contra Ele (Sl 119,11).

 

 

 

SINOPSE DO topico (II)

 

Daniel e SEUS amigos tinham hum carater e Imaculado de: Não se deixaram seduzir Pelas Ofertas malignas de Nabucodonosor.

 

 

 

III. A ATITUDE DE DANIEL E DE SEUS AMIGOS

 

1. Uma firme Resolução: Não se contaminar (Dn 1.8). Quando Aspenaz, chefe DOS eunucos, recebeu Ordens de Nabucodonosor parágrafo preparar Os Jovens hebreus, ELE OS reuniu e DEU-lhes Ordens QUANTO à Dieta diaria (1,5). Em Seguida, trocou-lhes Nomes OS hebreus POR To Us Link babilonicos: Daniel FOI Chamado "Beltessazar"; Ananias, "Sadraque"; Misael, "Mesaque" e Azarias ", Abede-Nego". Porem, cuidadosa e inteligentemente, Daniel Propos OUTRA Dieta a Aspenaz EO convenceu. Como fazer iguarias como rei da Babilônia ERAM oferecidas EAo deuses, Daniel e SEUS AMIGOS Localidade: Não quiseram se contaminar. ESSA corajosa atitude representava Muito e tinha hum profundo significado na Fé de Daniel E DOS SEUS amigos. ELES sabiam that seriam Protegidos fazer mal!

2. Daniel, um Modelo de Excelência. MESMO Sendo levado Muito Jovem Pará o exílio babilônico, Daniel conhecia verdadeiramente o Deus do Seu Povo. Daniel tinha convicção de that Alimento Algum, POR Melhor Que fosse, térios Mais valor that o Relacionamento Entre ELE e Deus. Um Exemplo de os Outros Jovens descritos na biblia - Samuel (1Sm 3,1-11), José (Gn 39.2), Davi (1Sm 16.12) e Timóteo (2Tm 3,15) -, Daniel E hum Modelo de Excelência Pará uma equipa juventude that Busca de Uma vida retidão e Compromisso com o Evangelho EA SUA Ética. A devoção de Daniel E inspiradora para Todos that desejam conciliares uma vida cultural, EM Uma Sociedade SEM Deus, com Uma vida de Oração e de Compromisso com o Evangelho (Dn 6.10).

3. Daniel: Modelo de Integridade x Sociedade corrupta. A imponência dos Templos babilonicos, o Poder Político do Estado eA classe sacerdotal dos Caldeus escondiam o Processo de Corrupção Sistemática that, Mais Tarde, culminaria nd Qaeda daquele Império. Em Meio A Toda Aquela cultura Pagã, o Jovem Daniel manteve-se íntegro, crente, honrando a Deus NAS Atividades Políticas e respeitando como Autoridades Superiores. ELE cumpriu OS deveres esperados de hum BOM Cidadão babilônico. Todavía, quando Daniel FOI desafiado Pelos Hook Ministros do Império a abandonar a Fé, o profeta de: Não se dobrou, os antes, continuou perseverante na Fé Uma Vez dada AOS santos. MESMO that Isto É custasse um SUA Integridade Física. Daniel manteve-se fiel!

 

 

 

SINOPSE DO topico (III)

 

Daniel estava no exílio, mas Seu Relacionamento com DEUS NÃO FOI afetado. He manteve-se fiel AO Senhor e As SUAS leis.

 

 

 

CONCLUSÃO

 

Como Preservar hum carater puro los Meio a Sociedade Uma corrompida? ESTA PODE Ser pergunta respondida à luz da vida de Daniel E SEUS amigos. Elas estimulam-SOE um ver a vida com o Olhar de Deus, O Nosso Pai. Fomos chamados POR Deus um Ser sal da terra e luz of this Mundo. Pará ISSO, precisamos guardar o Nosso Coração e Viver Uma vida de Comunhão com Deus. Testemunhando o Evangelho para Todos quantos necessitam Desta Verdade libertadora.

 

 

Exercícios

 

1. Quem subiu AO Trono de Judá DEPOIS da deposição de Jeoacaz?

R. O rei Jeoaquim.

 

2. Faca hum breve comentário da Situação Espiritual los Que se encontrava Judá.

R. DEPOIS da Grande Reforma Política e Religiosa los Judá, promovida Pelo rei Josias, Os Filhos of this se desviaram do Deus de Israel. Sacerdotes OS, a casa real, e TODO O Povo perverteram-se espiritualmente.

 

3. Quantas incursões Nabucodonosor fez uma Jerusalém?

R. Houve Tres incursões do Rei da Babilônia contra Judá.

 

4. Como OS teóricos da Psicologia

carater definem?

R. Os teóricos da Psicologia definem carater Como "uma Parte enrijecida da Personalidade de Uma pessoa".

 

5. Qual FOI uma atitude de Daniel amigos e SEUs Diante DAS iguarias do Rei?

R. Daniel E SEUS amigos de: Não quiseram se contaminar.

 

Auxílio Bibliográfico I

 

Subsídio Bibliológico

 

"Que tivessem habilidade Pará Viver no Palácio do rei

Quando Deus permitiu a Nabucodonosor uma Vitória Sobre Jeoaquim los 605 aC, o monarca babilônico Levou Alguns Vasos do Templo e also Alguns escolhidos dentre OS Príncipes e Nobres. DEPOIS da Destruição de Nínive, Sete Anos pingos, o Império babilônico começou a Crescer Tão rapidamente that de: Não dispunha de Números suficientes de babilônios cultos Pará uma cúpula governamental. Por ISSO, Nabucodonosor Levou um par Babilônia Jovens Saudáveis ​​de boa aparencia e de alto Nível cultural um Fim de ensinar-lhes uma eA cultura Língua dos Caldeus e, Assim, Torna-los Úteis não real Serviço. Entre enguias estavam Daniel e SEUS Três Amigos "(Biblia de Estudo Pentecostal RJ:. CPAD, 1995, p.1244).

 

Auxílio Bibliográfico II

 

Subsídio Bibliológico

 

"Jovens de carater (1,6-16)

Os Quatro Heróis de Daniel se sobressaíram between de Todos os Vencedores do Exame rigoroso. ESSES pertenciam AOS Filhos de Judá e tinham uma Reputação de Serem da linhagem de Davi. ELES ERAM Daniel, Ananias, Misael e Azarias. ESSES Quatro Jovens de Judá, Por Intermédio DOS SEUS nomos, testemunhavam fazer Único e Verdadeiro Deus. Quaisquer that tivessem Sido como limitações do Seu Ambiente Religioso los Judá, SEUS pais LHE Deram nomos that serviam de Testemunho AO Deus that serviam: Daniel significava: 'Deus é Meu Juiz "; Ananias significava: 'O senhor TEM Sido gracioso OU bondoso'; Misael significava: "He E alguem that VEM de Deus" e Azarias declarava: "O Senhor é Meu Ajudador". A Continuação da História claramente indica Que, embora os Outros Pais los Judá pudessem ter falhado o em Relação à Educação dos SEUS Filhos, OS pais Desses Meninos tinham dado um they Uma base de Solida los Relação Às convicções e Responsabilidades Dignas dos SEUS nomos. (. Comentário Bíblico Beacon Volume 4. 1ª Edição RJ.: CPAD, 2005, p.503) Seu Treinamento Piedoso havia cultivado Profundas raízes de carater ".

 

SUBSÍDIOS ENSINADOR Cristão

 

A firmeza do carater moral e Espiritual de Daniel

 

Quem era o Jovem Daniel? Ananias QUEM ERAM, Misael e Azarias, amigos SEUS? O Livro de Daniel Iniciá A História Desses Jovens situando-os no Processo de deportação de Jerusalém Pará uma Babilônia de Nabudonosor. A Respeito Desses Quatro Jovens, uma biblia IMPORTANTES descreve Cinco Características: Eram "de linhagem real, dos Nobres"; "Sem defeito Algum"; "Formosos de aparência"; "Instruídos los Toda a Sabedoria"; "Sabios em Ciência".

A Identidade dos Quatro Jovens

Flávio Josefo, historiador Judeu de linhagem sacerdotal (37-103 dC), EM SUA obra célebre, História dos hebreus, editada Pela CPAD, Confirma uma linhagem real, e nobre de Daniel e dos SEUS Três Amigos: "Dentre de Todos os Filhos da Nação judaica , Parentes do Rei Zedequias e os Outros de Origem Mais ilustre, Nabucodonosor escolheu OS that ERAM Mais Perfeitos e competentes ". Outro apontamento de Josefo Chama-SOE uma Atenção: "Dentre OS Moços that ERAM Parentes de Zedequias, havia Quatro perfeitamente honestos e Inteligentes: Daniel, Ananias, Misael e Azarias". Tanto Pela biblia QUANTO POR Fonte extra, ESTA Claro that sos Jovens pertenciam à Realeza e à Nobreza de Israel. Ambos Parentes ERAM do Rei Zedequias. EntreTanto, como characteristics Mais IMPORTANTES destacadas Pela biblia e, igualmente POR Josefo, ERAM a honestidade, firmeza e Integridade sem carater.

Educados na Lei de Deus, Os Jovens levavam a Sério a Ética Social da Torá na cultura paganizada da Babilônia. Prova Disso FOI uma Tentativa de Nabudonosor los apagar uma Identidade e social, religiosa Deles. He trocou OS nomos dos Rapazes Pará nomenclaturas Pagas: a Daniel DEU o nomo de Beltessazar; Ananias o chamou Sadraque; a Misael, Mesaque; um Azarias, Abede-Nego.

A firmeza do carater

Frequentemente, o Termo carater E conceituado Como hum Tipo UO Sinal convencionado n'uma Sociedade. REFERÊ-se à índole, AO temperamento eA forma moral. A Família, a Escola EA RELIGIÃO de hum Grupo sociais contribuem parágrafo Formar o carater de Uma Pessoa.

 

Ao impor um "mudando" Troca dos nomos de Daniel e OS SEUS Três Amigos o rei Nabucodonosor estava a Identidade Deles, Tanto religiosa QUANTO cultural, advinda da Lei de Deus. Mas O Que fizeram Os Jovens Rapazes? Resistiram sabiamente, propondo OUTRA Estratégia parágrafo viverem não da Babilônia Palácio SEM desonrar a Deus e conservando a Integridade de carater herdado fazer Seu Povo.

Lições Bíblicas CPAD

Jovens e Adultos

 

 

4º Trimestre de 2014

 

Título:  Integridade Moral e Espiritual - O Legado do Livro de Daniel Pará uma Igreja de Hoje

Comentarista:  Elienai Cabral

 

 

Lição 4:  A Providência Divina na Fidelidade Humana

Dados:  26 de Outubro de 2014

 

TEXTO Áureo

 

Eis Que O Nosso Deus, a Quem servimos NÓS, E Que nsa PODE livrar; ELE Nos livrará do forno de fogo ardente e da tua mao, ó rei " (Dn 3.17) .

 

VERDADE PRÁTICA

 

Se Formos Fiéis, a Providência divina jamais faltará.

 

Hinos SUGERIDOS

 

178, 244, 296.

 

LEITURA Diaria

 

Segunda - Sl 34.17

DEUS clamamos Ouve quando

 

 

Terça - Sl 68.10

A BONDADE de Deus

 

 

Quarta - Fp 2,8-11

Jesus, nome sobre todo o nomo

 

 

Quinta - Sl 50.15

Livra dEUS Nós do mal

 

 

Sexta - Sl 59.16

O Senhor Nos protegido na Angústia

 

 

Sábado - Mt 6.13

Pertencem a Deus o reino, o Poder EA Glória

 

LEITURA EM CLASSE Biblica

 

Daniel 3.1-7,14.

 

1 -  O Rei Nabucodonosor fez Uma Estatua de Ouro, cuja Altura côvados era de sessenta, a EA SUA Largura, de SEIS côvados; levantou-a no campo de Dura, na Província de Babilônia.

2 -  E o rei Nabucodonosor Mandou ajuntar OS sátrapas, Prefeitos, Presidentes de SO OS, OS Juízes, tesoureiros OS, Conselheiros OS, OS Oficiais e de Todos os governadores das Províncias, parágrafo Que viessem à consagração da ESTÁTUA Que o rei Nabucodonosor tinha Levantado.

3 -  entao, se ajuntaram OS sátrapas, Prefeitos, Presidentes de SO OS, OS Juízes, tesoureiros OS, Conselheiros OS, OS Oficiais e de Todos os governadores das Províncias, par a consagração da ESTÁTUA Que o rei Nabucodonosor tinha Levantado, e estavam em Pé Diante da Imagem that Nabucodonosor tinha Levantado.

4 -  E o arauto apregoava o em Alta Voz: Ordena-se a Vos, ó Povos, Nações e gente de TODAS como Línguas:

5 -  Quando ouvirdes o som da buzina, fazer Pífaro, da harpa, da sambuca, fazer Salterio, da gaita de foles e de Toda sorte de Música, vos prostrareis e adorareis a Imagem de Ouro Que o rei Nabucodonosor TEM Levantado.

6 -  E QUALQUÉR Que se de: Não prostrar e Localidade: Não uma Adorar Será, na MESMA hora lançado Dentro do Forno de fogo ardente.

7 -  Portanto, não MESMO Instante los de Todos os Povos that ouviram o som da buzina, fazer Pífaro, da harpa, da sambuca, fazer Salterio e de Toda sorte de Música, se prostraram Todos Povos OS, Nações e Línguas e adoraram a estatua de Ouro Que o rei Nabucodonosor tinha Levantado.

14 -  Falou Nabucodonosor e lhes Disse: É de Propósito, ó Sadraque, Mesaque e Abede-Nego, Que Vos de: Não servis a Meus deuses NEM adorais a Estatua de Ouro that levantei?

 

Interação

 

VOCE JÁ FOI desafiado los SUA Fe? Deus permite that situations adversas nºs sobrevenham parágrafo PROVAR A Nossa Fidelidade. Os Amigos de Daniel were provados Por uma Fornalha ardente, todavía enguias se mantiveram Fiéis e Deus OS livrou da maldade dos homens. A Fé Que Nos Faz recuar de: Não, Não Temer e Permanecer Firmes Diante dos machos da vida. Amigos Os de Daniel de: Não concordaram los se dobrar Diante de Uma ESTÁTUA e desobedeceram a lei Uma that ia Principios OS contra divinos. Diante de leis injustas (Como um that Legaliza o aborto), a obedecer Quem, um Homem Deus OU AO? Obedecer a Deus é de sempre uma Alternativa Melhor, MESMO Que nsa leve comeu uma Fornalha ardente. Ananias, Misael e Azarias de: Não se intimidaram Diante da afronta de Nabucodonosor, POIs aqueles that confiam SUAS Vidas um Deus Não Tem Medo da Morte OU fazer that O Homem POSSA Fazer. Que tenhamos uma MESMA Fé dos Amigos de Daniel parágrafo enfrentar como tribulações Desta vida.

 

OBJETIVOS

 

APOS ESTA aula, o Aluno Devera Estar apto a:

  • Analisar  uma Tentativa de Nabucodonosor de instituir Uma RELIGIÃO Mundial.
  • Conscientizar-se  de Que NAO PODEMOS aceitar a idolatria.
  • Compreender  a Fidelidade dos Amigos de Daniel ante uma Fornalha ardente.

 

Orientação Pedagógica

 

Professor, parágrafo concluir o Tópico Três da Lição Faca uma SEGUINTE indagação: "Quem era o Quarto Homem na Fornalha?" Incentive a Participação dos Alunos. Em SEGUIDA leia Daniel 3.25 e explique that, SEGUNDO OS teólogos, O Quarto Homem PODE ter Sido Um Anjo OU Uma Manifestação pré-Encarnada do proprio Jesus. Porem, o Mais Importante E Que Deus livrou OS SEUS servos e Que Jesus, o Filho de Deus, Prometeu Estar AO Nosso Lado Durante a Nossa Caminhada (Mt 28,20).

 

Comentario

 

INTRODUÇÃO

 

Palavra Chave

Providência:  Ação pela qua Deus conduz OS acontecimentos e como Criaturas parágrafo O Fim that was lhes Destinado.

 

A História narrada não Capítulo Três ocorreu possivelmente não definitiva do Reinado de Nabucodonosor. O Texto e Mais Uma Prova de que Vale a Pena Ser fiel a Deus ATÉ MESMO quando Somos desafiados los Nossa Fé. Nabucodonosor JÁ havia se esquecido da Manifestação do Poder de Deus na Revelação dos SEUS Sonhos (Dn 2,1-49). Tornou-se hum déspota that exigia dos SEUS súditos hum servilismo irracional. No Meio da Multidão dos súditos, porem, estavam Os Três Jovens hebreus, Fieis AO Deus de Israel, faz qua de: Não transigiram de Modo Algum.

 

I. A Tentativa DE SE INSTITUIR UMA RELIGIÃO MUNDIAL

 

1. A ESTÁTUA Grande.  Embriagado Pelo Poder e Pelo fulgor de SUA Própria Glória, o rei caldeu Chegou AO Ápice da presunção, Não se contentando los Ser apenas um "Cabeça de ouro" da grande ESTÁTUA fazer Seu "Primeiro" Sonho (Dn 2.36 -45). Nabucodonosor Perdeu O Bom Senso e construiu Uma Enorme Estatua de Ouro maciço (Dn 3.1). Tambem ordenou that OS Representantes das Nações, súditos SEUS, se ajoelhassem e adorassem uma ESTÁTUA that o representava.

Uma grande estatua de Nabucodonosor Remete-SOE uma OUTRA Uma ESTÁTUA Que Será erguida Pelo Último Império Mundial gentílico, profetizado Como o reino do Anticristo that aparecerá no "Tempo do Fim" (Ap 13.14,15).

2. A Diferença Entre como Estátuas.  E necessary destacar a Diferença Entre uma ESTÁTUA fazer Capítulo Dois eA fazer Capítulo Três de Daniel. Enquanto uma ESTÁTUA fazer era Dois Capítulo simbólica e apareceu nenhum Sonho de Nabucodonosor, a fazer era Três Capítulo literal, construida POR ORDEM DO rei caldeu. A ESTÁTUA erigida tinha uma forma de hum obelisco that revelava, Segundo se supõe, uma intenção Vaidosa de Nabucodonosor los autodeificar-se (cf. Dn 4.30).

3. A Inauguração da Estatua de Ouro.  Com o Coração engrandecido, Nabucodonosor desejou Ser Adorado Como deus (vv.1-5). Localidade: Não LHE bastou uma Revelação de that o Único Deus Verdadeiro triunfaria na História (Dn 2.47). ELE preferiu exaltar a si MESMO AOS SEUS e deuses. O Objetivo era escravizar de Todos os SEUS súditos e obrigá-los a servirem como divindades caldeias. ELE queria Uma RELIGIÃO totalitaria that los como PESSOAS obedecem de: Não Pela Lealdade, mas Pela Força bruta (vv.5,6).

 

 

SINOPSE DO Tópico (I)

 

Ao constr uir uma ESTÁTUA e exigir that de Todos os súditos se encurvassem Diante dela, Nabucodonosor desejava instituir Uma RELIGIÃO oficial.

 

 

II. O Desafio à idolatria

 

1. A Ordem do rei a todos OS SEUS súditos (vv.4-7).  Nabucodonosor Teve Duas motivações principais Pará Construir um grande ESTÁTUA (v.1). Uma das motivações era exibir-se perante OS Povos do Mundo representados naquele Evento. Como Dimensões eA magnitude da Estatua impressionantes ERAM: Aproximadamente 27 metros de Altura POR 6 de Largura. A soberba, arrogância e insolência do Rei Localidade: Não tinham Limites. A Biblia Diz Que "a soberba precede a Ruína" (Pv 16.18). A Motivação de Segunda Nabucodonosor era o anelo de Ser Adorado Como divindade Pelos SEUS súditos. Por ISSO, ELE DEU Ordens Pará that de Todos os Oficiais do reino se reunissem um Fim de adorarem um SUA ESTÁTUA (Dn 3.1-7).

2. A intenção do Rei EO Espírito do Anticristo.  A intenção de Nabucodonosor prenunciava o Espírito do Anticristo, Que levantará a Imagem da Besta parágrafo Ser adorada no Tempo do Fim (Mt 4,8-10; Ap 13,11-17). A intenção do Rei era impor uma RELIGIÃO Diabólica de Sua Imagem Para dominar o Mundo, Não Só Nos campos de material e Politico, mas also não Espiritual.

3. Coragem parágrafo Localidade: Não Fazer Concessões à idolatria (Dn 3.12).  Os Três Jovens hebreus estavam naquele local, POR Força da Ordem do rei. TODOS OS Grandes nomos fazer país, Os chefes de governos, sátrapas OS, OS Governadores das Províncias, sabios OS, OS Sacerdotes dos cultos pagãos VARIOS, Todos estavam Lá. A Ordem era that quando uma fossa Música tocada Todos deveriam ajoelhar-se e Adorar a ESTÁTUA do Rei. Quem de: Não obedecesse séria lançado na Fornalha de fogo ardente. Como sabemos, Os Três Jovens hebreus preferiram Morrer Queimados um Negar.

 

 

SINOPSE DO topico (II)

 

A DOS fé Amigos de Daniel permitiu that they de: Não fizessem Concessões à idolatria.

 

 

III. A FIDELIDADE A DEUS ANTE A Fornalha Ardente (Dn 3,8-12)

 

1. Os Jovens hebreus were acusados ​​e denunciados (vv.8-12).  O rei FOI Informado da desobediência dos Judeus. He ficou enfurecido e Mandou that they fossem trazidos à SUA Presença. Os Jovens hebreus interrogados were, mas mantiveram SUA Fidelidade AO Deus de Israel. ELES de: Não se intimidaram Diante das ameaças, PORQUE sabiam Que Deus poderia Intervir Naquela SITUAÇÃO.

2. A RESPOSTA corajosa dos Jovens hebreus (Dn 3,16-18).  Aqueles Jovens sabiam Que a Fidelidade a Deus é Algo inegociável. A Lealdade Desses Jovens era Mais Que Uma Qualidade de carater. Era Uma Confiança inabalável los Deus. A also RESPOSTA resultava do Conhecimento that tinham do Primeiro mandamento fazer Decálogo (Êx 20,3-5). Deus Busca Homens e Mulheres Que LHE sejam Fiéis MESMO quando ameaçados. Por ISSO, MESMO inquiridos Pelo rei caldeu, Ananias, Misael e Azarias de: Não se intimidaram e mantiveram SUA posição (Dn 3,16-18).

. 3. Reação à intimidação (Dn 3,16-18)  do Ao perguntar-lhes: "Quem É O Deus Que vos poderá livrar das Minhas Mãos?" (Dn 3.15), Nabucodonosor afrontou OS Jovens em SUA Fé. ELES de: Não tiveram Dúvida de that Valia a pena Permanecer Fiéis AO Todo-Poderoso. Entao, SEM Temor e com grande Fé, responderam AO rei: "Eis Que O Nosso Deus, a Quem servimos NÓS, E Que nsa PODE livrar; ELE Nos livrará do forno de fogo ardente e da tua mao, ó rei. E, se nao, FICA Sabendo, ó rei, Que Localidade: Não serviremos a teus deuses NEM adoraremos a estatua de Ouro that levantaste "(Dn 3.17,18). Os Três Jovens de: Não cederam Às ameaças e de: Não ficaram livres da Fornalha, POIs Deus JÁ OS Esperava ali. A Companhia do Quarto Homem Visto Pelo rei Dentro da Fornalha was that they Suficiente parágrafo saíssem ilesos e SEM UM Único fio de Cabelo Queimado.

This RESPOSTA dos Jovens hebreus confronta a posição de muitos crentes de Hoje. Quão fácilmente cedemos e ATÉ negamos a Fé, fugindo do Caminho da provação. Todavía, Deus Conta com crentes Fiéis Que sejam capazes DE, que responde ameaças SEM Temer.

 

 

SINOPSE DO topico (III)

 

Ananias, Misael e Azarias mantiveram-se Fiéis AO Senhor e were libertos da Fornalha.

 

 

CONCLUSÃO

 

A Grande Lição Que aprendemos com sos Três Jovens e that "they confiaram SUAS Vidas a Deus e de: Não se preocuparam com a consequencias da Fornalha". MESMO Que DEUS NÃO OS impedissem de Morrer Queimado enguias de: Não negariam a Fé! Que tenhamos ESSA MESMA Fé Pará enfrentar como tribulações da vida.

 

BIBLIOGRAFIA SUGERIDA

 

ZUCK, Roy B. (Ed).  Teologia do Antigo Testamento.  1ª Edição. RJ:. CPAD, 2009 
. LAHAYE, Tim  Enciclopédia Popular de Profecia Bíblica.  5ª Edição. RJ: CPAD, 2013.

 

Exercícios

 

1.  A ESTÁTUA construida Pelo rei nºs Remete a qua OUTRA ESTÁTUA Que Será erguida?

R.  A grande estatua de Nabucodonosor, Remete-SOE uma OUTRA Uma ESTÁTUA Que Será erguida Pelo Último Império Mundial gentílico, profetizado Como o reino do Anticristo that aparecerá no "Tempo do Fim" (Ap 13.14,15).

 

2.  Explique a Diferença Entre uma ESTÁTUA fazer Capítulo Dois eA fazer Três.

R.  A Diferença Entre uma ESTÁTUA do Capítulo Dois eA fazer Capítulo Três de Daniel era that enquanto uma ESTÁTUA fazer era Dois Capítulo simbólica e apareceu nenhum Sonho de Nabucodonosor, a fazer era Três Capítulo literal, construida POR ORDEM DO rei caldeu.

 

3.  Qual era a Verdadeira intenção fazer rei caldeu AO Construir uma ESTÁTUA?

R.  Era o anelo de Ser Adorado Como divindade Pelos SEUS súditos.

 

4.  O Que aconteceria com aquele that de: Não obedecesse a Ordem de Adorar a ESTÁTUA?

R.  Quem de: Não obedecesse séria lançado na Fornalha de fogo ardente.

 

5.  Transcreva uma RESPOSTA dos Três Jovens AO rei quando were intimidados POR Localidade: Não se dobrarem Diante da ESTÁTUA.

R.  "Eis Que O Nosso Deus, a Quem servimos NÓS, E Que nsa PODE livrar; ELE Nos livrará do forno de fogo ardente e da tua mao, ó rei. E, se nao, FICA Sabendo, ó rei, Que Localidade: Não serviremos a teus deuses NEM adoraremos a estatua de Ouro that levantaste "(Dn 3.17,18).

 

Auxílio Bibliográfico

 

Subsídio Bibliográfico

 

"Conspiração contra hebreus os (3,8-18)

Localidade: Não Deveria nºs surpreender that Os Três hebreus, recentemente promovidos a Liderança Política de cargas, despertassem Uma Certa Inveja Entre os Outros Funcionários Públicos OS. A ausencia de Daniel da Convocação PODE Ser explicada Pelo Fato de Estar cumprindo alguma Tarefa especial par o rei. Alguns Homens Caldeus, Não uma casta sacerdotal, mas Cidadãos babilonicos, tomaram como Devidas precauções Pará that Os Três hebreus de: Não escapassem. Quando o rei ficou Sabendo da atitude dos Três hebreus, ficou furioso e convocou Os Três imediatamente. SEM Dar-lhes acaso de se defenderem, DEU-lhes Mais uma Oportunidade de Prestar Adoração Apos o som especial da Música. A recusa faze-los lo significaria um Imediata Execuções fazer decreto irreversível - ELES seriam lançados Dentro do Fogo ardente; Quem E o Deus Que vos poderá livrar das Minhas Mãos ?, vociferou o rei.

O Equilíbrio eA calma dos Três servos fazer Deus Altíssimo estavam los Claro contraste com a Fúria incontida do Rei. A (ousadia da Fé Deles era equiparada à SUA Serenidade "Comentário Bíblico Beacon.  Volume 4. RJ 1ª Edição.: CPAD, 2006, p.510).

 

SUBSÍDIOS ENSINADOR Cristão

 

A Providência Divina na Fidelidade Humana

 

O Primeiro Tópico da quarta Lição, soluçar o título "uma Tentativa de se instituir Uma RELIGIÃO Mundial" Leva-SOE A pensar o ASSUNTO do Ecumenismo e Diálogo Inter-fazer Religioso. De Uma caracteristica de da Sociedade Brasileira de e uma pluralidade DAS Religiões E DOS trajes. Igualmente, como denominações Cristas nenhuma Brasil São plurais. Por ISSO e de suma importância definirmos expressões Tão mal compreendidas no Meio evangélico Como o Ecumenismo EO Diálogo Inter-Religioso.

 

Ecumenismo

Em Primeiro Lugar começaremos dizendo O Que Localidade: Não E o Ecumenismo. He Localidade: Não E uma Tentativa de reunir varias Religiões n'uma assim. A Há muitas afirmações equivocadas Sobre o Conceito de Ecumenismo. Em parte, devido a propagação de hum Conceito errôneo da Própria Mídia brasileira. EntreTanto, A Palavra Ecumenismo provém da Grega Oikoumene that DESIGNA a ideia de "Toda a terra Habitada". Em Otras Palavras, do Ponto de vista da Teologia Cristã, e Segundo o pastor Claudionor de Andrade, Ecumenismo é "uma concretização do ideal apostólico de agregação de Todos os that professam o Nome de Cristo". Isto É, hum Movimento dialogal e Cooperativo between como Igrejas Cristas, especificamente, "a Igreja Católica, a Igreja Ortodoxa eA Igreja Protestante". Devido AOS muitos Aspectos Culturais e Teológicos, o ecumenismo Cristão ATÉ ágora Localidade: Não FOI Possível.

 

Diálogo Inter-Religioso

O Dicionário Teológico do pastor Claudionor de Andrade, Acerca do Termo Ecumenismo Diz that "com o Passar dos tempos, porem, a Palavra de Liberdade de Informação Sendo desvirtuada ATÉ Ser Tomada Como hum Perfeito sinónimo Pará o sincretismo Religioso". O Termo passou Por uma Série de evoluções Tanto não QUANTO nenhuma secular Cenário Religioso. EntreTanto, Os Conceitos Modernos da Teologia VEM resgatando uma ideia do Diálogo Entre como Igrejas de Tradição Cristã Como Sendo uma Identidade do Ecumenismo. Por Lado Outro, uma Expressão Diálogo Inter-Religioso Dara Conta da Tentativa de se agregar como Diversas Religiões da Sociedade. Ou SEJA, o Diálogo Inter-Religioso Reúne OS Representantes das Diversas Religiões Pará dialogarem. Portanto, quando VOCÊ assiste a hum Sacerdote, um pastor, um rabino e hum imã (o dirigente Muçulmano) Reunidos num MESMO Lugar O Que ocorre ali Localidade: Não E UM ATO Ecuménico, mas o Diálogo inter-Religioso. EntreTanto, um bis pentecostal Tradição reformada, Ambas de Tradição Cristã, entendem como Escrituras exclusivistas Como o em Matéria de Fé e Prática, POR ISSO, Ambas rejeitam o Diálogo Entre Religiões.

 

Lições Bíblicas CPAD

Jovens e Adultos

 

 

4º Trimestre de 2014

 

Título:  Integridade Moral e Espiritual - O Legado do Livro de D aniel parágrafo a Igreja de Hoje

Comentarista:  Elienai Cabral

 

 

Lição 5:  Deus abomina a soberba

Dados:  2 de Novembro de 2014

 

TEXTO Áureo

 

Agora, POIs, eu, Nabucodonosor, louvo, e exalço, e glorifico AO Rei dos Céus; PORQUE TODAS SUAS como Obras São Verdades; e OS SEUS Caminhos, Juízo, e PODE humilhar AOS Que Andam na soberba " (Dn 4.37) .

 

VERDADE PRÁTICA

 

A soberba E o Pecado Que Mais afronta a Soberania divina.

 

Hinos SUGERIDOS

 

46, 244, 306.

 

LEITURA Diaria

 

Segunda - Pv 8.13

Deus aborrece a soberba

 

 

Terça - Pv 11.2

A soberba E afronta

 

 

Quarta - Mc 7,20-22

A soberba E o Pecado do Coração

 

 

Quinta - 1Jo 2.16

A soberba da vida Localidade: Não E de Deus

 

 

Sexta - Gn 17.1; Jó 11.7

Nenhuma soberba resiste a Deus

 

 

Sábado - 2Cr 26,3-21

O rei Uzias eA soberba

 

LEITURA EM CLASSE Biblica

 

Daniel 4,10-18.

 

10 -  Eram ASSIM como visões da Minha Cabeça, na Minha cama: eu estava olhando e vi Uma Árvore no Meio da terra, cuja era Altura Grande;

11 -  crescia ESSA Árvore e se Fazia forte, de Maneira Que a SUA Altura chegava ATÉ AO Céu; e vista FOI ATÉ AOS confins da terra.

12 -  A era SUA folhagem formosa, EO Seu Fruto, abundante, e havia Nela Sustento para Todos; Debaixo dela, animais OS-do-campo achavam sombra, e como aves do Céu faziam morada nsa SEUS ramos, e Toda carne se mantinha dela.

13 -  Estava vendo ISSO NAS visões da Minha Cabeça, na Minha Cama; e eis Que hum vigia, um santo, descia do Céu,

14 -  clamando fortemente e dizendo ASSIM: Derribai uma Árvore, e cortai-LHE OS ramos, e sacudi como SUAS Folhas, e espalhai o Seu Fruto; afugentem-se OS animais de Debaixo dela e como aves dos SEUS ramos.

15 -  Mas o tronco, com o SUAS como raízes, deixai na terra e, com cadeias de ferro e de bronze, na erva do campo; e SEJA Molhado fazer Orvalho do Céu, EA SUA Porcão SEJA COM OS animais na grama da terra.

16 -  SEJA Mudado o Seu Coração, parágrafo Que Localidade: Não SEJA Mais Coração de Homem, e SEJA-LHE dado Coração de animal; e passem Sobre ELE Sete tempos.

17 -  This Sentença E POR decreto dos vigiadores, e this Ordem, Por mandado dos santos; Fim de um that conheçam OS viventes Que o Altíssimo TEM Domínio Sobre OS Reinos dos Homens; e Os da uma Quem Quer e ATÉ AO Mais Baixo dos homens constitui Sobre enguias.

18 -  ISSO em Sonho eu, rei Nabucodonosor, vi; tu, POIs, Beltessazar, dize a Interpretação; sabios OS TODOS do Meu reino de: Não puderam Fazer-me um sabre Interpretação, MAS Podes tu; POIs HÁ em TI O Espírito dos deuses santos.

 

Interação

 

Deus abomina a soberba. Este Sentimento pernicioso E hum prenúncio da Queda (Pv 16.18). Como Conquistas de muitos impérios EO Enriquecimento contribuíram Pará that Nabucodonosor se tornasse Soberbo e altivo. Entao Deus decidiu LHE ensinar Uma Lição de suma importância, Assim Como havia ensinado AO Seu Povo. O rei Perdeu SUA Consciência e ficou Durante hum Período de ritmo se comportando Como hum animal. DEPOIS of this Período Tão Difícil, Nabucodonosor Aprendeu Que o Altíssimo ESTA Acima de TODO reino e Poder Humano. O Sr. E Soberano, He remover Os Reis e Os estabelece.

Que a soberba de: Não encontre guarida nossos EM Corações, nos Fazendo Agir Como tolos. Humildes Que sejamos, honrando a Deus lhes Toda a Nossa Maneira de Viver.

 

OBJETIVOS

 

APOS ESTA aula, o Aluno Devera Estar apto a:

·         Analisar  a divina Soberania na vida de Nabucodonosor.

·         Saber  Que Deus falou com Nabucodonosor POR Intermédio dos Sonhos.

·         Compreender  a Fidelidade da Pregação de Daniel Para o rei.

 

Orientação Pedagógica

 

Professor, parágrafo introduzir uma Lição reproduza o Quadro Abaixo parágrafo SEUS Alunos. Utilizando o Quadro, enfatize OS Pontos Fortes de Nabucodonosor e como SUAS fraquezas. Explique that this was rei Chamado, Segundo o profeta Jeremias, de "servo do Senhor" (Jr 25,9). Deus usou Nabucodonosor parágrafo punir Seu Povo. O Sr. E Soberano, He also exalta e abate. Porem, o Coração do Rei se tornou Soberbo e ELE entao experimentou o Juízo de Deus. Leia Proverbios 16.18 e conclua enfatizando OS perigos da soberba.

 

 

Comentario

 

INTRODUÇÃO

 

Palavra Chave

Soberba:  Comportamento excessivamente orgulhoso; arrogância, presunção.

 

Na aula de Hoje estudaremos o Capítulo Quatro de Daniel, Cujo Conteúdo do consiste de hum Testemunho Pessoal do rei Nabucodonosor. He was submetido a hum Estado de Loucura, RESULTANTE DE SUA de soberba, Que o Levou a Viver Como hum animais do Campo POR "Sete tempos", comeu Que Deus o Tirou daquela condição. Ao final, desse Período, Nabucodonosor reconheceu a Soberania do Deus dos cativos de Judá.

A História Revela O Que ocorre com OS Que se exaltam e se tornam soberbos ante a majestade do Todo-Poderoso. A Trajetória de Nabucodonosor demonstra a Soberania divina Sobre Toda a Criação, POIs nenhuma Criatura PODE usurpar a Glória de Deus. O Episódio Ilustra also that a Misericórdia eA Justiça divinas São capazes de salvar o Homem arrependido.

 

I. A PROVA DA DIVINA Soberania (Dn 4,1-3)

 

1. Nabucodonosor, Chamado POR Deus parágrafo hum Designio especial (Jr 25,9). Segundo a História, Nabucodonosor reinou na Babilônia há Período de 605 a 562 aC FOI UM rei Que Deus, dominador de Todas As Nações do Mundo, levantou parágrafo hum Designio especial , permitindo Que o Seu reino prosperasse e crescesse Extensão em. O profeta Jeremias Diz Que Deus chamou um Nabucodonosor de "servo meu" (Jr 25,9). Na Verdade, Nabucodonosor FOI o Instrumento Divino de punição do povo de Deus. Israel FOI POR castigado Ter Abandonado O Sr. E Tomado O Caminho da idolatria E DOS trajes pagãos.

2. A soberba de Nabucodonosor.  Apesar de Ser hum "Instrumento" USADO Pelo Senhor, Segundo o pastor Matthew Henry, "Nabudonosor FOI o rival Mais ousado da Soberania do Deus Supremo fazer that QUALQUÉR Outro mortais jamais pudesse ter Sido". Traspassado Pela presunção, Nabucodonosor ficou Longos "Sete tempos" NUMA SITUAÇÃO irracional à semelhança dos animais do Campo (Dn 4,28-33). Só Assim o Soberano caldeu Viu Que o Altíssimo ESTA Acima DELE.

3. Nabucodonosor Proclama a Soberania de Deus (Dn 4,1-3).  DEPOIS de ter experimentado uma punição de SUA soberba, Nabucodonosor se arrependeu fazer Seu Pecado e FOI SUA restaurado de Demência. ISSO o Levou a Fazer Uma proclamação Acerca fazer eterno Dominio de Deus (Dn 4,34-37). O rei babilônio Aprendeu Que o Senhor, EM SUA Soberania, E aquele "que muda OS tempos e como Horas; ELE remover Os Reis e estabelece Os Reis "(Dn 2.21).

 

 

SINOPSE DO Tópico (I)

 

Nabucodonosor FOI POR Chamado Deus parágrafo Uma Missão especial, todavía ELE deixou that uma soberba dominasse Seu Coração.

 

 

II. DEUS FALA Novamente A Nabucodonosor POR MEIO DE SONHOS (Dn 4,4-9)

 

1. Deus Adverte Nabucodonosor atraves de Um Sonho.  Tanto no Antigo los Como o Novo Testamento OS Sonhos ERAM UM dos Canais de Comunicação Entre Deus EO Homem. No Caso do Sonho Que Teve Nabucodonosor, SEUS sabios e adivinhos nada puderam Revelar. O rei, entao, se lembrou de Daniel, o Único Capaz de trazer a Revelação do Sonho that Certa Vez ELE tivera (Dn 2,1-45; 4,8). Obviamente, Não se tratava de um Sonho Comum, era POIs Uma Revelação divina Acerca do Futuro de Nabucodonosor. Apesar da Narrativa, E Importante frisar that today TEMOS uma Palavra de Deus Como o canal revelador da Vontade de Deus AOS Homens.

2. Daniel E convocado (Dn 4.8).  Interpretar era Sonhos Uma habilidade Espiritual de Daniel Reconhecida from quando ELE Entrou na Babilônia (Dn 1.17). Por ISSO, Nabucodonosor Contou-LHE O Sonho Que tivera e solicitou-LHE uma Interpretação. Daniel ouviu Atentamente o Relato do Rei e pediu-LHE UM tempo, env estava atônito e SEM Coragem parágrafo Revelar A Verdade do Sonho (Dn 4.19).

3. Daniel Ouve O Sonho e da Um SUA Interpretação (Dn 4,19-26).  Dos versículos 9 a 18, Nabucodonosor Conta a Daniel TODO o Seu Sonho. O rei Viu Uma grande Árvore de Dimensões enormes that produzia Belos frutos e that era Visível los Toda a terra. OS animais-do-campo se abrigavam Debaixo dela e OS Pássaros faziam ninhos ramos los SEUS (vv.10-12). O monarca caldeu "Viu" also Descer do Céu "um vigia, um santo" (v.13). ESSE vigia clamava forte: "Derribai A Árvore e cortai-LHE OS ramos" (v.14).

a) Uma Árvore majestosa (vv.11,12).  A árvore indicava uma formosura, a grandeza, o Poder EA Riqueza fazer reino de Nabucodonosor. Ninguem na terra havia alcançado TODO ESSE Poder pingos DELE. Daniel declarou that Aquela Árvore that séria Cortada era o rei babilônio (Dn 4.22). ASSIM E a Glória dos Homens, Como Uma Árvore Que Cresce e se Torna frondosa e, de Repente, E derribada. Da MESMA forma, Deus soberbos destroi OS.

b) Juízo e Misericórdia São demonstrações da Soberania divina.  O Texto do versiculo 15 Diz Que a Ordem divina era that "o tronco com raízes SUAS seriam deixadas na terra", indicando a intenção de: Não that era Destruir a Nabucodonosor, e sim dar-LHE uma Oportunidade de se converter e reconhecer a Glória de Deus. O rei FOI tirado do Meio dos Homens e ficou Completamente Louco, indo Conviver Com Os animais do Campo POR "Sete tempos" (Dn 4.25). DEPOIS, Nabucodonosor voltou AO normal, mas logotipo los SEGUIDA Seu reino FOI POR sucedido Belsazar that, POR profanar como Coisas de Deus, Perdeu o Trono Pará Dario, o rei dos medos (Dn 5,1-31).

c) O Papel dos Anjos Nos desígnios divinos.  Não Sonho do Rei, Viu ele "hum vigia" que descia do Céu Com uma Missão de proclamar OS Juízos de Deus (vv.14,15). No Antigo Testamento, Os Anjos tinham Uma Atividade Mais Presente na vida do povo de Deus. Em o Novo Testamento, Eles continuaram SUAS Atividades lhes obediência AO Criador, porem, par a Orientação da Igreja de Cristo, Deus concedeu o Espírito Santo Que a Tudo assiste em.

 

 

SINOPSE DO topico (II)

 

Deus, Por Intermédio de Um Sonho, falou com Nabucodonosor EO advertiu de SUA soberba.

 

 

III. A Pregação DE DANIEL

 

1. A Pregação de Daniel.  Apesar de inicialmente ter SENTIDO Certo Temor apos interpretar O Sonho, Daniel DEU UM conselho de Nabucodonosor that Lembra uma Mensagem neotestamentária de Cristo à Igreja de Éfeso (cf. Dn 4,27 Ap 2.5). Será, that TEMOS Coragem de Fazer o MESMO Diante dos poderosos terra Dessa?

2. O Pecado de Nabucodonosor los Relação EAo Pobres.  Daniel Diz AO rei Que ELE Deveria desfazer OS SEUS Pecados Praticando a Justiça ", usando de Misericórdia do Pará com OS Pobres" (Dn 4.27). Em Otras Palavras, os antes do Pecado Pessoal da soberba, o rei estava pecando e sociais estruturalmente los Relação AOS Menos favorecidos fazer reino. A Atualidade desse Ponto e Tão Verdadeira that um MESMA Recomendação de Cuidado Aparece los o Novo Testamento, não Contexto da Igreja (Gl 2.10).

 

 

SINOPSE DO topico (III)

 

Deus EUA Seu servo Daniel parágrafo Revelar O Sonho de Nabucodonosor e aconselhá-lo a fazer Respeito Seu Pecado.

 

 

CONCLUSÃO

 

Que Deus Nos Livre da soberba, POIs ELA E Como Uma disease that contagiosa se aloja no Coração do Homem e Faz Com que ELE Perca o senso de autocrítica, Passando a Agir irracionalmente (Sl 101.5; 2Cr 26.16). Estejamos atentos, POIs uma Palavra de Deus Nos Mostra Que a soberba nºs cega (1Tm 3.6; 6.4), nos afasta de Deus e Traz Ruína.

 

BIBLIOGRAFIA SUGERIDA

 

ZUCK, Roy B. (Ed).  Teologia do Antigo Testamento.  1ª Edição. RJ:. CPAD, 2009 
. LAHAYE, Tim  Enciclopédia Popular de Profecia Bíblica.  5ª Edição. RJ: CPAD, 2013.

 

Exercícios

 

1.  Qual was a Missão Pará qua Deus designou Nabucodonosor?

R.  Deus usou Nabucodonosor Pará castigar Seu Povo.

 

2.  Por Que O Povo de Israel punido FOI?

R.  porqué tomaram O Caminho da idolatria E DOS trajes pagãos.

 

3.  Qual E Hoje o canal revelador da Vontade de Deus Para o crente?

R.  A Palavra de Deus.

 

4.  Maior do Que Os Anjos, Quem assiste a Igreja de Cristo atualmente?

R.  O Espírito Santo.

 

5.  As apostas iniciais do Pecado da soberba, EM that Pecado Nabucodonosor incorreu?

R.  ELE EAo pecou los Relação Pobres.

 

Auxílio Bibliográfico I

 

Subsídio Bibliográfico

 

"Cumprimento e Destronização (4,28-33)

A falha de Nabucodonosor los Prestar Atenção e voltar-se par Deus POR Meio de hum Arrependimento Genuíno E hum Reflexo Ilustrativo da Fraqueza e da perversidade Humana. Doze Meses se passaram eA Visão apavorante desvaneceu-se. TALVEZ uma Visão de: Não se tornar um VIESSE Realidade. Certo dia, los hum Momento de glorificação Própria, o rei começou a se exultar Pelas SUAS Grandes Realizações. Enquanto caminhava Pelo 'Terraço do Palácio Real ", Debaixo dos SEUS Pés estava o Edifício Mais Esplendido that a Babilônia JÁ tinha Visto, adornado los Ouro com ladrilhos lustrosos de núcleos Brilhantes. Próximo fazer ficava Palácio, um Montanha de e artificial OS jardins suspensos construidos parágrafo um SUA Rainha das Montanhas da mídia. This era um grande Babilônia. De Uma Pequena Cidade de hum Lado do rio Eufrates o rei havia dobrado SUA área parágrafo Os Dois Lados do rio. ELE havia enchido com Novas Construções e Templos com Uma Arquitetura distinta. He um havia cercado com muros conhecidos Pela Altura e Largura.

(Com ESSE Tipo de Visão enchendo uma Mente, PODEMOS Imaginar uma soberba do Rei " . Comentário Bíblico Beacon  . 1ª Edição Volume 4. RJ: CPAD, 2006, p.514).

 

Auxílio Bibliográfico II

 

Subsídio Teológico

 

"A Restauração Loucura eA (4,33-37)

Demente, o rei nivela-se a hum animal, e Passa a Viver AO desabrigo, EM Uma área Onde a Temperatura variava de 50 Graus Positivos nenhuma Verão, um Abaixo de zero, sem inverno. Recuperado, o rei Finalmente Responde adequadamente AO Senhor. Nabucodonosor, entao: 1) glorifica a Deus; 2) o Honra Como o Rei supremo do Universo; 3) Expressa SUA total de Dependência da Vontade de Deus e, 4) reconhece that Tudo O Que Faz ELE E correto 'e PODE humilhar OS Que Andam na soberba "(RICHARDS, Lawrence O.  Guia do Leitor da Biblia:  Uma Análise de Gênesis um Apocalipse Capítulo Capítulo POR 1ª Edição RJ:.. CPAD, 2005, p.516).

 

SUBSÍDIOS ENSINADOR Cristão

 

Deus abomina a soberba

 

Imaginem hum rei that ControlA como Vidas das Pessoas e decidir se ELAS Vivem OU morrem, mas de Repente, de Uma hora Pará OUTRA se tornar hum Louco, um Lunático e hum irracional? Este rei Nabucodonosor FOI. O Capítulo 4 de Daniel Traz uma Imagem de Uma Árvore Florescente REPRESENTANDO uma Figura de Nabucodonosor, o Imperador da Babilônia. Num belo dia o rei olhou parágrafo TODAS como Criações fazer Seu Império e, Consigo MESMO, viveu uma síndrome de Narciso: pensou Que era o Responsável POR TODAS como Realizações fazer babilônico Império. Na Imagem apresentada uma Nabucodonosor Um Homem anuncia that A Árvore Cortada séria e ficariam apenas como raízes. This Árvore era o rei Nabucodonosor. Daniel FOI corajoso lhes anunciar uma ISSO ELE!

 

O Conceito de soberba

O Relato do Quarto Capítulo de Daniel demonstra o sutil, mas desastroso, a efeito da soberba. Um Comportamento excessivamente orgulhoso, arrogante e presunçoso caracteriza o Sentimento da soberba. A ideia de Poder Sobre os Outros SO POR si portanto E Loucura UMA. Segundo a psicóloga Rosemeire Zago, "a soberba lev O Homem de desprezar OS Superiores eA desobedecer como leis. Ela nada Mais E Que o Desejo distorcido de grandeza "e Completa:" uma Pessoa Que Manifesta a soberba atribui apenas a si proprio OS Bens that possui. Tem Ligação Direta com uma ambição desmedida, a vanglória, a hipocrisia, a ostentação, a presunção, a arrogância, a altivez, a Vaidade, EO Orgulho excessivo, com a Conceito Elevado OU exagerado de si próprio ". Nabucodonosor concentrou TODAS ESTAS characteristics perdendo-se o em si MESMO nenhum obscuro Mundo do Orgulho.

 

Localidade: Não percamos a lucidez

 

Quantas Vezes sentimos uma síndrome de narciso Como um that se abateu Sobre Nabucodonosor? Pretendemos USAR O Nosso Raio de Influência parágrafo Fazer hum Pequeno Império Onde NÓS determinamos, impomos E mandamos? Sobre O "destino" das Pessoas. Por ISSO that Tomás de Aquino atribuiu uma soberba hum Pecado Específico, embora, Como Bem retratou uma psicóloga Rosemeire Zago, num Artigo publicado no UOL, uma soberba Apareça EM To Us Link Pecados. A soberba adoece a alma. Localidade: Não fomos chamados parágrafo Ser irracionais lunáticos UO não exercício das funções Nossas Humanas. Por ISSO, o Verdadeiro antídoto contra a ambições das Nossas Almas e Jesus de Nazaré, O Homem "manso e humilde de Coração".

 

Lições Bíblicas CPAD

JOVENS E ADULTOS

 

 

4º TRIMESTRE DE 2014

 

Título:  Integridade Moral e Espiritual - O Legado do Livro de Daniel Pará uma Igreja de Hoje

Comentarista:  Elienai Cabral

 

 

Lição 6:  A Queda do Império Babilônico

Dados:  9 de Novembro de 2014

 

TEXTO Áureo

 

E te levantaste contra o Senhor do Céu, [...] de Além Disso, of this louvores AOS deuses de prata, de Ouro, de cobre, de ferro, de madeira e de pedra, Que Localidade: Não veem, Não ouvem, NEM SABEM; mas um Deus, cuja los Mão ESTA a tua vida e de Todos os teus Caminhos, um ELE Localidade: Não glorificaste " (Dn 5.23) . 

 

VERDADE PRÁTICA

 

SE Nºs rebelarmos contra o Soberano e Santo Deus, He nn abaterá.

 

Hinos SUGERIDOS

 

198, 211, 212.

 

LEITURA Diaria

 

Segunda - Sl 2.1-4; É 44,23-28

Deus frustra OS maus intentos

 

 

Terça - Êx 34,5-7; Na 1.3

Deus é Paciente e Tardio los IRAR-se

 

 

Quarta - Nm 14,18-20

Deus Não Tem AO culpado POR inocente

 

 

Quinta - Gl 6.7

De DEUS NÃO SE Zomba

 

 

Sexta - é de 42,8

DEUS NÃO Dá uma SUA Glória a outrem

 

 

Sábado - 1Co 29,10-14

Deus é Senhor Sobre reis e Nações

 

LEITURA EM CLASSE Biblica

 

Daniel 5.1,2,22-30.

 

1 -  O rei Belsazar DEU UM grande Banquete um mil dos SEUS Grandes e bebeu vinho na Presença dos mil.

2 -  Havendo Belsazar Provado o vinho, Mandou trazer OS Utensílios de Ouro e de Prata that Nabucodonosor, seu pai, tinha tirado do Templo Que estava los Jerusalém, parágrafo that bebessem Neles o rei, OS SEUS Grandes e como SUAS Mulheres e concubinas.

22 -  E tu, seu filho Belsazar; Localidade: Não humilhaste o teu Coração, AINDA that soubeste de Tudo Mais ISSO.

23 -  E te levantaste contra o Senhor do Céu, POIs were trazidos OS Utensílios da Casa DELE perante ti, e tu, Os teus Grandes, como Tuas Mulheres e como Tuas concubinas bebestes vinho Neles; Disso de Além, of this louvores AOS deuses de prata, de Ouro, de cobre, de ferro, de madeira e de pedra, Que Localidade: Não veem, Não ouvem, NEM SABEM; mas um Deus, cuja los Mão ESTA a tua vida e de Todos os teus Caminhos, um ELE Localidade: Não glorificaste.

24 -  entao, DELE FOI enviada Aquela Parte da mao, e escreveu-se this escritura.

25 -  Esta, POIs, E a escritura Que se escreveu: MENE, MENE, TEQUEL e PARSIM.

26 -  This E a Interpretação daquilo: MENE: Contou Deus o teu reino EO Acabou.

27 -  TEQUEL: Pesado foste na Balança e foste Achado los Falta.

28 -  PERES: Dividido FOI o teu reino e DEU-SE AOS medos e persas AOS.

29 -  entao, Mandou Belsazar that vestissem Daniel de púrpura, e that LHE pusessem Uma Cadeia de Ouro AO Pescoço, e proclamassem a Respeito DELE Que havia de Ser o Terceiro dominador fazer reino.

30 -  Naquela Noite MESMA, FOI morto Belsazar, rei dos Caldeus.

 

Interação

 

Na Lição de Hoje estudaremos a Respeito de hum Fato ocorrido Durante o Reinado de Belsazar. Este rei, Tomado Pelo vinho, decidir zombar de Deus, utilizando OS Utensílios Sagrados do Templo los hum Banquete. O Altíssimo de: Não tolerabilidade escárnio. Naquela Noite MESMA o Juízo de Deus was Visto Por Todos. Uma Mão misteriosa escreveu Uma Sentença NAS paredes do Palácio. O rei aterrorizado Quer saber a Interpretação e Mais uma Vez o profeta Daniel Entra em Cena Pará desvendar OS Mistérios Divinos. Deus Revela OS SEUS Segredos AOS SEUS Profetas (Am 3,7). Naquela MESMA Noite, O Rei was morto e Os persas passaram a dominar a Cidade. Que venhamos Realizar a obra de Deus com Temor e reverencia, POIs Um Dia also seremos Julgados Pelo Nosso Senhor.

 

OBJETIVOS

 

APOS ESTA aula, o Aluno Devera Estar apto a:

·        Saber a Respeito do festim de Belsazar profano.

·        Compreender Que o Juízo de Deus é irrevogável.

·        Analisar a Sentença contra Belsazar eA Queda da Babilônia.

 

Orientação Pedagógica

 

Professor, converse com SEUS Alunos explicando that Belsazar utilizou OS Utensílios do Templo los Seu Banquete e Deus condenou tal atitude. Em SEGUIDA Faca uma SEGUINTE indagação: "É licito utilizar Aquilo that was Dedicado a Deus, Como o Edifício da Igreja, parágrafo QUALQUÉR FIM?" Ouca OS SEUS Alunos com Atenção. Incentivo a Participação de Todos. Leia Ezequiel 44.23. Conclua enfatizando that precisamos distinguir O Que E santo fazer that e Profano. PODEMOS Nao Explique that utilizar como dependencias da Igreja OU OS Objetos consagrados AO Senhor, Como Instrumentos Musicais, barbatanas Pará Outros. Precisamos Ser cuidadosos com O Que Pertence AO Todo-Poderoso.

 

Comentario

 

INTRODUÇÃO

 

Palavra Chave

Profanação:  Desrespeito OU violação fazer that E santo, sagrado; insulto, irreverência.

 

A Lição Desta Semana Mostra Mais uma Vez uma divina Soberania. Apos a morte de Nabucodonosor, o em 562 aC, Evil-Merodaque, o Seu filho, sucedeu-o AO Trono babilônico. EntreTanto, Dois Anos Depois, Mal Merodaque FOI assassinado Pelo Seu cunhado, Neriglissar. Mas Quem assumiu o Trono FOI Nabonido, o genro de Nabucodonosor. Nabonido era o pai de Belsazar, o qua se tornou corregente com o Seu Pai, Três Anos Mais Tarde. Cruel, devasso e profanador do Sagrado São adjetivos, AINDA leves, parágrafo Qualificar a Belsazar. FOI NUMA Noite de festa, Regada a Muito vinho e prostituição, Que o rei Belsazar Viu o reino Escapar da SUA Mão e Teve SUA morte decretada. O reino babilônico daria Lugar ao Medo-Persa, representado Pelo Peito e Braços de Prata da ESTÁTUA sonhada POR Nabucodonosor.

 

I. O Festim Profano DE Belsazar

 

1. A zombaria de Belsazar (Dn 5.1-4).  O rei Belsazar DEU UM Maiorais Grande Banquete parágrafo OS fazer Seu reino. A festa ocorreu no Palácio babilônico, mas ELE Localidade: Não demonstrou nenhum escrúpulo com uma RELIGIÃO Alheia, o Judaísmo. Embriagado, o rei Mandou vir OS Utensílios Sagrados do Templo de Jerusalém, trazidos Como espólio de guerra POR Seu Avô, Nabucodonosor, Usados ​​parágrafo Serém não Banquete POR ELE oferecido. Homens corruptos e prostitutas profanariam o sagrado. Uma orgia com O Que era santo! Belsazar Demais Longe de Liberdade de Informação, POIs parágrafo OS SEUS satisfazer instintos Baixos, frívolos e profanos, escarneceu do Deus de Israel e fazer Seu Povo.

2. A crueldade insensatez eA não autocrata Belsazar.  historiadores OS SEGUNDO, enquanto o pai de Belsazar, Nabonido, estava há Interesses campo de Batalha Pará defensor OS fazer reino, ele, Belsazar, divertia-se com Mulheres e Amigos para satisfazer como SUAS Paixões . O festim de Belsazar era incompatível com o Período de enfraquecimento do Império da Babilônia. Habituado a ter Tudo AO Seu Alcance, o rei de: Não hesitava los Fazer SUA Vontade prevalecer, Tanto Para Matar OS SEUS oponentes QUANTO Pará se cercar de Pessoas de SUA ESTIRPE. Era Belsazar Um Homem cruel!

3. Uma festa Profana.  A despeito da grandeza e da opulencia imperial, uma festa Oferecida POR Belsazar e dedicada AOS Maiorais fazer reino, era hum festejo degenerado, from env ia como bebedeiras Às orgias com Homens e Mulheres. Onde a Luxúria, a ostentação predominam Riqueza eA, ha prazeres pervertidos e maldades. ASSIM FOI Aquela festa dedicada AOS deuses babilonicos! Havia, A Partir do Palácio, Uma forte Influência dos Demônios, O Que Confirma O Que Disse Paulo AOS crentes Corintios (1 Coríntios 10.20).

 

 

SINOPSE DO Tópico (I)

 

Belsazar de: Não temia AO Senhor, POR ISSO OS utilizou Objetos Sagrados do Templo los SUA festa Profana.

 

 

II. O Juízo IRREVOGÁVEL DE DEUS

 

1. O dedo de Deus escreve na Parede (Dn 5.5).  A RESPOSTA FOI Imediata divina: Deus interferiu Naquela festa Escrevendo SUA Sentença na Parede fazer salão, Diante dos Olhos de Belsazar e de Todos os SEUS convivas. Ali, o Barulho das Taças e dos jarros de Vinhos, Bem Como a "alegria" de outrora, cessaram. De Modo assombroso e assustador estava Escrito uma Sentença contra o rei Belsazar EO Seu reino. Aquela Visão demonstrava o Fruto do desprezo do Rei babilônico AO Deus de Israel: o Reino da Babilônia FOI rasgado. Fez-se hum Silêncio sepulcral não recinto!

2. A rainha lembrou-se fazer profeta Daniel (Dn 5,6-12).  A Mensagem na Parede estava n'uma Linguagem ininteligível (v.7). No Momento Primeiro, ninguem compreendia O Que estava Escrito. Belsazar convocou de Todos os sabios Pará decifrar o "enigma". EntreTanto, they were incapazes de faze-lo.

Quando ouviu como Palavras do Rei e percebendo hum Movimento Diferente não Palacio, uma rainha, FILHA DE Nabucodonosor, rei Belsazar Mãe fazer, Entrou na Presença fazer Seu filho Pará sabre O Que acontecera. Apos inteirar-se fazer ASSUNTO, a rainha lembrou-se de Daniel, um Homem de Confiança do tanto faz Seu pai QUANTO fazer Seu Marido. ELE PODIA interpretar uma Mensagem Que o rei vira. Mas Daniel de: Não estava não Palacio.

3. Daniel Entra na Presença de Belsazar (Dn 5.13).  Belsazar de: Não via uma Como servo Daniel que Deus Altíssimo, mas apenas Como hum dos sabios do Palácio. A Mãe de Belsazar, contrariamente, o conhecia e tinha Certeza that Daniel era Uma pessoa Diferente EO Seu Deus, Poderoso. Ela havia testemunhado MESMA como proezas fazer Deus de Israel lhes Otras ocasiões da História daquele reino.

Daniel era Um Homem Que Fazia Concessões de: Não uma Fé SUA. He Entrou na Presença do Rei e apos LHE oferecerem PRESENTES, o profeta rejeitou-os Diante do Imperador (Dn 5.17).

 

 

SINOPSE DO topico (II)

 

O Juízo de Deus o profano rei Belsazar era contra irrevogável e se cumpriu Naquela Noite MESMA.

 

 

III. A Sentença CONTRA QUEDA DE Belsazar EA Babilonia (5,22-28)

 

1. Os sabios de: Não decifraram como Palavras Escritas nd Parede (5.15).  A Mensagem era Curta e Objetiva, mas como Palavras ERAM desconhecidas dos sabios do Palácio e enguias de: Não puderam Decifra-la. Por ISSO E Daniel Chamado, Não Pelo rei Belsazar, Más por indicação de SUA Mãe, parágrafo desvendar-LHE O Mistério. O profeta Daniel tinha o Espírito Santo Vida em sua, POR ISSO, Deus o revelou o significado daquelas Palavras (Dn 5,10-12).

2. As Quatro Palavras "misteriosas" (Dn 5,25).  As Palavras Escritas na Parede Não foram interpretadas Pelos sabios do Império. Estes Localidade: Não achavam o SENTIDO delas. Porem, Sem Medo e Seguro, Daniel interpretou como. Como Duas Primeiras Palavras estavam repetidas - MENE, MENE - e significavam "Contar OU contado". A Palavra TEQUEL tinha o SENTIDO de "Pesado". A Palavra Ultima, PARSIM, significava "dividido" (Dn 5,25). Para interpretar uma Mensagem Daniel usou o Termo "PERES", Palavra correlata de PARSIM. O SENTIDO daquela E o MESMO Desta.

Entao, dos versículos 26 AO 28, o profeta explicou Cada DAS UMA Palavras: "Esta è uma Interpretação daquilo: MENE: Contou Deus o teu reino EO Acabou. TEQUEL: Pesado foste na Balança e foste Achado los Falta. PERES: Dividido FOI o teu reino e DEU-SE AOS medos e persas AOS ".

3. O repentino Fim do Império babilônico (vv.30,31).  Naquela Noite fatídica Deus demonstrou uma SUA Soberania Sobre Os Reis da Terra. ELE E o Todo-Poderoso e TEM o cetro do Governo do Mundo em SUAS Mãos. Nada Escapa AOS SEUS Olhos. Tão logotipo FOI dada uma Interpretação da Mensagem e como honrarias feitas a Daniel parágrafo Ser o Terceiro Homem do Império, o rei Belsazar FOI morto EO Exército de Dario Entrou na Cidade da Babilônia. Medos OS E OS persas passariam a Reinar não Lugar do Império da Babilônia.

No Capítulo Cinco de Daniel, aprendemos A Lição de Que NAO PODEMOS NOS Nºs fechar los mesmos. DEUS NÃO suporta Uma vida de egoísmo, soberba e perversidade. PODEMOS Nao profanar Aquilo Que O Nosso Pai consagrou Como santo. Nao sejamos profanos. Santifiquemo-nn uma Com Deus As Nossas Vidas.

 

 

SINOPSE DO topico (III)

 

Deus é o justo juiz, He de: Não Aceita escárnio OU zombaria de Homem Algum.

 

 

CONCLUSÃO

 

A opulencia da Babilônia, a crueldade de Belsazar e como fazer orgias reino tipificam Uma vida tremendamente fechada los si MESMA. A Intervenção de Deus lhes Meio Aquela festa Profana demonstra that He de: Não admite a soberba EO egoísmo. O Pai Celestial, Jesus Cristo los, julgará a todos OS Que se mostram soberbos e arrogantes. A Queda do Império babilônico E UMA Lição para Todos NOS. Um dia, quando da Segunda Vinda gloriosa de Jesus, de Todos os Povos Serao Julgados Pelo Nosso Senhor.

 

BIBLIOGRAFIA SUGERIDA

 

ZUCK, Roy B. (Ed). Teologia do Antigo Testamento. 1ª Edição. RJ:. CPAD, 2009 . LAHAYE, Tim Enciclopédia Popular de Profecia Bíblica. 5ª Edição. RJ: CPAD, 2013.  
  

 

Exercícios

 

1.  O Que o rei Belsazar Mandou trazer parágrafo USAR nenhum POR ELE Banquete oferecido?

R.  Mandou UTENSILIOS trazer OS Sagrados do Templo.

 

2.  Que Tipo de festejo era O Banquete oferecido POR Belsazar?

R.  Era hum festejo degenerado, profano.

 

3.  Belsazar através de uma Como Daniel hum servo de Deus?

R.  Belsazar de: Não via um servo Daniel Como fazer Deus Altíssimo, mas apenas Como hum dos sabios do Palácio.

 

4.  cais Quais d'Orsay OS significados das Palavras MENE, TEQUEL e PARSIM?

R.  MENE: Contou Deus o teu reino EO Acabou. TEQUEL: Pesado foste na Balança e foste Achado los Falta. PERES: Dividido FOI o teu reino e DEU-SE AOS medos e persas AOS.

 

5.  O Que aprendemos com o Capítulo cinco de Daniel?

R.  No Capítulo cinco de Daniel, aprendemos A Lição de Que NAO PODEMOS NOS Nºs fechar los mesmos. DEUS NÃO suporta Uma vida de egoísmo, soberba e perversidade. PODEMOS Nao profanar Aquilo Que O Nosso Pai consagrou Como santo.

 

Auxílio Bibliográfico I

 

Subsídio Bibliológico

 

"Uma escritura (5,25)

Localidade: Não existem vogais na forma Escrita da Família de Línguas Às cais Quais d'Orsay pertencem o hebraico EO aramaico. O Manuscrito PODE Muito Bem ter Sido grafado Como uma 'mina', o 'siclo' EO 'peres' (Meio siclo). This Ordem e de valor decrescente, de a Acordo com a Expressão Monetária. Conquanto POSSA representar Uma desvalorização progressiva do reino, Certa Feita liderado POR Nabucodonosor, SUA Interpretação permanece hum Mistério. Daniel acrescenta vogais Diferentes parágrafo Que se POSSA LER 'numerado, numerado, Pesado, dividido ". AINDA ASSIM, Não Tem Algum significado ATÉ OS that Atos de Belsazar fossem explicados, numerados cuidadosamente, Pesados ​​e considerados insuficientes POR Daniel. Seu reino estava Prestes a Ser dividido e dominado. Deus enumera e pesa OS Atos de Todos os Homens e Mulheres. Que Localidade: Não nsa encontremos lhes falta "(RICHARDS, Lawrence O. Guia do Leitor da Biblia: Uma Análise de Gênesis a Apocalipse Capítulo POR Capítulo 1º Edição RJ:.. CPAD, 2005, p.517).  

 

Auxílio Bibliográfico II

 

Subsídio Bibliológico

 

"Falsa Segurança

O rei festejava com 'OS SEUS Grandes', POIs Todos supunham estarem Protegidos Pelas Muralhas maciças. O Que Localidade: Não podiam Imaginar E that como Forças persas haviam Mudado o Curso do rio that atravessava uma Cidade. Com a Queda do Nível de Água, O Inimigo Simplesmente caminhou AO Longo da Cabeceira do rio, o das Baixo POR graus de Proteção, e surpreendeu OS babilônios não interior da Cidade.

Devido uma vastidão do Lugar, MESMO DEPOIS Muito ritmo that como áreas periféricas haviam Sido Tomadas, OS Habitantes AINDA continuavam a Ignorar O Que Vinha ocorrendo, POIs, Como estavam envolvidos na festa, continuaram Dançando e se divertindo ATÉ that, Finalmente tomaram Conhecimento fazer ocorrido . Que semelhança Entre tanta gente da Atualidade, Que se Sente segura POR Trás dos Muros da Riqueza OU da posição social jamais imaginando that A Ruína ESTA Tão Perto, comeu Que seja Tarde Demais "(RICHARDS, Lawrence O. Guia do Leitor da Biblia: Uma Análise de Gênesis a Apocalipse Capítulo POR Capítulo. 1ª Edição RJ:. CPAD, 2005, p.517).   

 

SUBSÍDIOS ENSINADOR Cristão

 

A Queda do Império Babilônico

 

MENE, MENE, TEQUEL e PARSIM ". Era O Que estava Escrito na Parede revestida POR estuque fazer Real Palácio. Imagem de Uma assombrosa e amedrontadora that colocou Ponto festa finais na do Palácio. Deus estava Falando that chegara ao Fim o espetáculo fazer Deboche da Fé Alheia.

O Capítulo cinco de Daniel retrata uma Imagem de Uma Festa no Palácio do Co-Regente da Babilônia. Belsazar havia Ordenado AOS SEUS Subordinados that trouxessem OS Utensílios de Ouro deportados do Templo de Jerusalém. COM em Estes utensilios O Rei promoveria UMA festa Regada um Vinhos Pará convivas OS. Era uma festa que Deboche! Faça Deboche da Fé de hum Povo. Faça Deboche dos costumes e Hábitos de Uma Nação. Faça Deboche da cultura religiosa de hum Povo. Faça Deboche fazer Deus de Uma Nação.

 

A divina Ação

O quinto Capítulo do Livro de Daniel demonstra hum Deus Soberano that perscruta uma Motivação do Coração Humano. He fez ISSO com o rei Belsazar. Este Caiu na MESMA Tentação fazer Seu Avô, Nabucodonozor. E adoeceu de alma Pensando Fazer com o Poder imperial O Que Bem entendesse SEM Ser alvejado Pelas SUAS Escolhas. Belsazar escolheu o Caminho Mais sórdido e absurdo: o da profanação da Identidade religiosa e cultural de hum Povo, os e das Coisas consagradas a Deus. SOMENTE Pará mostrar that ELE, Belsazar, era Mais Importante Que o Deus de Israel. EntreTanto, soluço o rei mal sabiá Que estava o Olhar desse Deus.

Para a Motivação de Belsazar FOI dado hum Xeque Mate: MENE, MENE, TEQUEL e PARSIM. Estás Palavras São uma Mensagem de Deus Revelada a Daniel: "Esta è uma Interpretação daquilo: MENE: Contou Deus o teu reino EO Acabou. TEQUEL: Pesado foste na Balança e foste Achado los Falta. PERES: Dividido FOI o teu reino e DEU-SE AOS medos e persas AOS ". Naquela Noite o Deus de Israel acabara com a Festa do Deboche das Coisas consagradas a Deus e fazer Seu Povo. E Belsazar Morreu ali MESMO.

 

Um Cuidado na Interpretação do Texto

 

Ao lermos Este Texto TEMOS de ter o Cuidado de Nao fazermos Interpretações um Fim de colocarmos OS Utensílios dos nossos cultos Hoje Acima das Pessoas. No Antigo Testamento O Povo de Israel, Profetas OS e como lideranças judaicas de: Não haviam conhecido a Revelação de Jesus de Nazaré. IstoÉ hum dado Muito Importante! PODEMOS NAO LER o Antigo Testamento SEM considerar o Evangelho ensinado POR Jesus de Nazaré, o Deus encarnado em Pessoa, e como Cartas apostólicas: O Novo Testamento. 

 

Lições Bíblicas CPAD

Jovens e Adultos

 

 

4º Trimestre de 2014

 

Título:  Integridade Moral e Espiritual - O Legado do Livro de Daniel Pará uma Igreja de Hoje

Comentarista:  Elienai Cabral

 

 

Lição 7:  Integridade los tempos de Crise

Dados:  16 de Novembro de 2014

 

TEXTO Áureo

 

Entao, OS Príncipes e Os Presidentes procuravam Acar Ocasião contra Daniel a Respeito do reino; mas Localidade: Não podiam Acar Ocasião OU culpa alguma; PORQUE ELE era fiel, e de: Não se achava Nele nenhum Vício NEM culpa " (Dn 6.4) .

 

VERDADE PRÁTICA

 

Um Ser DEVE Integridade uma Marca nossa, compreendendo igualmente Coração, Mente e Vontade.

 

Hinos SUGERIDOS

 

175, 310, 394.

 

LEITURA Diaria

 

Segunda - Sl 7.8

Deus julga-SOE Conforme Nossa Integridade

 

 

Terça - Jó 1.1; 2.3

Era Jó Homem íntegro

 

 

Quarta - 1Rs 9,4

Integridade E Símbolo de inteireza

 

 

Quinta - Mt 6,19-24

Jesus ensinou Sobre a Integridade

 

 

Sexta - 2Cr 25.2; 1Rs 9.4

Integridade los Tudo

 

 

Sábado - 1Jo 2,15-17

Integridade E Localidade: Não Dividir o Coração

 

LEITURA EM CLASSE Biblica

 

Daniel 6.3-5,10,11,15,16,20.

 

3 -  entao o MESMO Daniel se distinguiu destes Príncipes e Presidentes, PORQUE Nele havia hum Espírito excelente; EO rei pensava constituí-lo sobre todo o reino.

4 -  entao OS Príncipes e Os Presidentes procuraram Acar Ocasião contra Daniel a Respeito do reino; mas Localidade: Não podiam Acar Ocasião OU culpa alguma; PORQUE ELE era fiel, e de: Não se achava Nele nenhum Vício NEM culpa.

5 -  entao Estes Homens disseram: Nunca acharemos Ocasião alguma this contra Daniel, se de: Não a procurarmos contra ELE na Lei do Seu Deus.

10 -  Daniel, POIs, quando soube that a escritura estava assinada, Entrou los Sua Casa (ora havia nenhuma Seu Quarto Janelas Abertas da banda de Jerusalém), e Três Vezes nenhum dia se Punha de Joelhos, e orava, e dava Graças, Diante fazer Seu Deus, Como also as antes costumava Fazer.

11 -  entao aqueles Homens were juntos, e acharam a Daniel Orando e suplicando Diante do Seu Deus.

15 -  entao aqueles Homens were juntos AO rei, e disseram AO rei: Sabe, ó rei, Que E UMA Lei dos medos e dos persas that nenhum edito OU ordenança, Que o rei determine, se PODE se mudar.

16 -  Entao o rei ordenou that trouxessem a Daniel, EO lançaram na cova dos Leões. E, Falando o rei, Disse a Daniel: O teu Deus, a Quem tu continuamente serve, ELE te livrará.

20 -  E, Chegando-se à cova, chamou Daniel com POR Voz triste; e, Falando o rei, Disse a Daniel: Daniel, servo do Deus vivo! Dar-se-ia O Caso Que o teu Deus, a Quem tu continuamente serve, tenha podido livrar-te dos Leões?

 

Interação

 

Daniel viveu los Uma Sociedade Pagã, porem ELE manteve-se fiel e temente AO Senhor. FOI UM Importante profeta e estadista Que Fez a Diferença Diante dos reis uma Quem SERVIU. A vida of this servo de DEUS NÃO FOI nada Fácil. He experimentou terríveis Provas, Como uma cova com Leões famintos, mas o em TODAS ELAS Agiu Como hum Vencedor. Embora exercendo funções IMPORTANTES nenhum reino, Daniel de: Não descuidava da SUA vida de Oração e de: Não permitiu Que hum edito real, o tirasse da Presença de Deus. VOCÊ TEM, professor, also Uma vida devocional Como Daniel? Localidade: Não permita that dificuldade alguma o impeça de se achegar a Presença de Deus Oração los. Jamais espere that Uma SITUAÇÃO Difícil Chegue parágrafo LHE ensinar a Respeito da Oração.

 

OBJETIVOS

 

APOS ESTA aula, o Aluno Devera Estar apto a:

·        Saber  that Daniel era Um Homem íntegro, MESMO Vivendo los hum Meio corrompido.

·        Analisar  o carater íntegro de Daniel.

·        Compreender  PORQUE FOI Parar Daniel na Cova dos Leões.

 

Orientação Pedagógica

 

Professor, reproduza o Quadro Abaixo de Maneira Que Cada Aluno tenha o Seu. Utilize-o parágrafo introduzir uma Lição. Mostre de Todos os Reis a quem de Daniel SERVIU e enfatize o carater íntegro of this servo de Deus, MESMO estando los hum Meio Político corrupto. Explique that a Fé de Daniel fez com that ELE se mantivesse inabalável. A Nossa Fé in Deus nsa Livra das investidas de nossos Inimigos e nsa lev a ter Uma vida Integra.

 

 

Comentario

 

INTRODUÇÃO

 

Palavra Chave

Integridade:  carater, quaiidade de Uma pessoa integra, honesta, incorruptível, cujos Atos e atitudes São irrepreensíveis.

 

O Capítulo SEIS do Livro de Daniel, Objeto de Estudo Desta Lição, destaca o valor da Integridade e moral Espiritual de Daniel e SEUS amigos Durante o Reinado de Dario. Ágora era Daniel Um Homem Idoso, todavía, Fe SUA los Deus é Sua Fidelidade permaneceram inabaláveis, MESMO Diante das Falsas acusações e da condenação that fizeram Com que ELE enfrentasse uma cova dos Leões.

 

I. DANIEL, UM HOMEM INTEGRO EM UM MEIO POLITICO Corrupto (Dn 6,1-6)

 

Mais de sessenta Anos JÁ haviam se Passado from that Daniel e SEUS companheiros were levados par o Palácio babilônio. Apesar Disso, Eles permaneceram íntegros, e mantiveram uma Fé inabalável sem Deus vivo, MESMO Vivendo o em Meio à idolatria e Corrupção. ELES de: Não se corromperam com tão Ofertas palacianas.

1. Dario reorganiza o Governo e delega Autoridade Administrativa (Dn 6,1-3).  Pareceu Bem AO rei nomear 120 Príncipes Pará presidirem sobre todo o reino. Dentre estes, Três seriam OS principais. Os os Outros teriam that Prestar Contas a sos. Daniel estava between Os Três e, dentre enguias, logotipo se destacou e chamou a Atenção do Rei Dario, POIs tinha "um Espírito excelente" (v.3). ASSIM, Não demorou Muito parágrafo Que o rei, devido à Aptidão de Daniel, o constituísse sobre todo o reino (v.3). Tal decisão despertou ciúme e Inveja nsa os Outros Líderes, logotipo cais Quais d'Orsay OS se tornaram Inimigos de Daniel (vv.4,5).

2. Daniel se Torna Alvo de Uma Conspiração (Dn 6.4,5).  A Inveja EO ciúme fizeram com that Homens malignos, sedentos de Poder, tentassem derrubar Daniel. O Problema era that POR Mais Que OS Inimigos de Daniel procurassem hum Motivo, Político OU moral, parágrafo Acusa-lo, nada encontravam that pudesse Manchar SUA Reputação. A EA Integridade Lealdade de Daniel ERAM Tão imbatíveis that SEUS Inimigos resolveram armar Uma SITUAÇÃO ardilosa ELE contra, utilizando uma Própria Fidelidade de Daniel a Deus (v.5).

3. O Perigo das confabulações Políticas.  A intenção do Rei, de promover Daniel AO posto de Maior destaque no Governo, suscitou Raiva Nºs os Outros Príncipes, POIs hum Estrangeiro térios Poder Sobre enguias. Os Príncipes se utilizaram da Vaidade e do ego fazer proprio monarca parágrafo estabelecer Uma trama that prejudicasse Daniel. Invejosos se Uniram e were Ate O rei e propuseram Que Fosse Feito hum edito real, determinando that, Durante o Período de Trinta dias, ninguem fizesse uma Oração Outro deus, Homem UO, that de: Não Fosse AO rei Dario. Tal edito agradou o Vaidoso monarca desejava Que Ser Adorado Como hum deus (vv.6-9). Daniel de: Não fóruns Consultado Sobre tal decreto, mas certamente sabiá Que o Objetivo era atingir a SUA vida devocional e prejudicar SUA Comunhão com Deus.

DEPOIS Que o rei aprovou o edito, OS Inimigos de Daniel ficaram na espreita, Esperando O Momento los Que ELE estaria Orando AO Senhor. Daniel Seria um apanhado los flagrante. EntreTanto, Daniel de: Não ficou abalado OU preocupado com edito tal (v.10). He de: Não permitiria Que Nada VIESSE atrapalhar SUA Comunhão com Deus e SUAS orações.

 

 

SINOPSE DO Tópico (I)

 

MESMO Vivendo los Uma Sociedade Pagã, corrompida Pelo Pecado, Daniel se manteve íntegro.

 

 

II. DANIEL, UM HOMEM INTEGRO QUE NAO COM SUA FÉ TRANSIGIU EM DEUS (Dn 6,10-16)

 

1. Nenhuma trama Política mudaria o em Daniel o Seu Hábito devocional de Oração (Dn 6.10).  A PalavraIntegridade  PODE Ser definida Como "Solidez, uo Estado de Ser Inteiro, é isto, completo". AINDA Muito Jovem Daniel entendera that SUA vida dependia de SUA Relação com Deus. A Oração era uma Maneira de Ser Orientado ELE los SUAS decisões Pessoais e Políticas. Da MESMA forma, Deus Nos orienta e Revela a SUA Vontade POR Intermédio das Nossas orações.

2. A momentânea Vitória DOS conspiradores.  Daniel soube fazer verdadeira edito, mas Localidade: Não abriria Mão da SUA Fé, MESMO Que Tal Resistência LHE custasse uma vida (v.10). Cientes da Integridade de Daniel, OS Inimigos apenas esperaram o Horário costumeiro parágrafo Fazer o flagrante do "infrator" (v.11). De posse da DAS Provas, were AO rei e reivindicaram that uma lei dos medos e dos persas Fosse cumprida (vv.12,13). Só entao Dario percebeu Que havia Sido USADO parágrafo Que OS Inimigos de Daniel conseguissem o Seu intento (vv.13-15)

3. Preservando a Integridade (Dn 6,18-22).  Daniel nn deixou o Exemplo de that E Possível Permanecer íntegro MESMO Vivendo o em Meio a Corrupção. Os servos de Deus São chamados parágrafo Que sejam luz los Meio Às trevas. Uma pessoa Íntegra Localidade: Não E dividida, a idade de: Não com duplicidade, Não finge, Não Faz de Conta e, MESMO Diante do Perigo, Não nega a SUA Fé. Daniel Nunca escondeu SUA Fé EO Fato de Que Orava a Deus, POIs Segundo o Texto Bíblico, ELE orava los Seu Quarto com As Janelas Abertas (v.10). Como PESSOAS Integras de: Não escondem nada de ninguem. SUAS Vidas São Transparentes.

 

 

SINOPSE DO topico (II)

 

A Fé de Daniel contribuiu Pará that ELE tivesse Uma vida devocional bem-sucedida.

 

 

III. DANIEL NA COVA DOS Leões (Dn 6,16-24)

 

1. Daniel preferiu Morrer a se dobrar Diante de hum edito maligno (Dn 6.16,17).  Daniel de: Não discutiu NEM questionou com o rei o Seu edito. Quando soube da lei real, was Para O Seu Quarto e, Como de costume, Orou a Deus (v.10). Na Verdade, Daniel tinha Certeza de Que Deus poderia Livra-lo se o quisesse ASSIM. A Grande Lição E that SUA Integridade de: Não o livrou da maldade e da Inveja dos SEUS Inimigos, POIs FOI denunciado, Preso e lançado na cova dos Leões (vv.16,17).

2. Daniel FOI Protegido da morte Pelo anjo de Deus (Dn 6.22,23).  A firmeza de Daniel estava Acima de QUALQUÉR trama Diabólica. Com ESSA Confiança, resignadamente aceitou a SUA arbitrária condenação (vv.16,17). Porem, na Cova, Daniel constatou o Livramento faz Senhor, Que enviou o Seu anjo e fechou a boca dos Leões, OS cais Quais d'Orsay de: Não puderam Devora-lo (v.22).

O rei Dario ficou Temeroso e triste AO ver Que Localidade: Não poderia livrar Seu fiel súdito daquela SITUAÇÃO (v.14). Porem, não íntimo Seu, o rei sabiá Que o Deus de Daniel poderia operar hum Milagre. Por ISSO, FOI A Cova Pará constatar o Livramento (vv.18-20). Ali, o monarca FOI surpreendido Pelos Feitos fazer Todo-Poderoso. Daniel FOI Retirado da Cova SEM ferimento nenhum (vv.22,23). Entao, o rei ordenou that Todos aqueles Que haviam tramado contra Daniel fossem lançados na cova (v.24). Os Inimigos experimentaram o castigo that they mesmos haviam Preparado.

3. Deus Mais uma Vez FOI glorificado atraves da vida de Daniel (Dn 6.22,23,25-28).  Daniel de: Não Saiu da Cova esbravejando e amaldiçoando OS conspiradores. Ao contrario ELE reafirmou SUA Inocência e Disse Que Deus havia enviado o Seu anjo Pará Livra-lo (v.22). Mediante a Fidelidade de Daniel, o rei Dario Aprendeu Uma Lição de suma importância e, POR ISSO, decidiu honrar o Deus de Daniel com hum edito. Este decretava that de Todos os Habitantes do Império babilônico temessem AO Deus de Daniel "PORQUE ELE E o Deus vivo e parágrafo Semper permanente, EO Seu reino de: Não se PODE Destruir; o Seu Domínio E ATÉ AO FIM. He Livra, e salva, e opera Sinais e Maravilhas não Céu e na terra; ELE livrou Daniel do Poder dos Leões "(vv.26,27). Portanto, Não Há e houve NEM UM Deus Como o da Igreja.

 

 

SINOPSE DO topico (III)

 

Daniel de: Não se dobrou Diante de hum edito maligno. He was fiel EO Senhor o livrou dos Leões.

 

 

CONCLUSÃO

 

Daniel FOI Próspero e abençoado Durante TODO o Reinado de Dario e não Reinado de Ciro, o persa (v.28). Deus honrou a Fé do Seu servo. He also Vai honrar a SUA Fé EO livrará de TODO o mal. Confie! Atualmente, OS Inimigos dos servos de Deus also procuram, Mediante Articulações ardilosas, caluniar e mentir contra aqueles that servem AO Senhor fielmente e se destacam no Cenário Político e eclesiástico. Estes lançam calúnias a Fim de denegrir a Integridade daqueles that legislam e realizam Seu Trabalho com Excelência. Muitas Vezes OS íntegros also padecem Diante de leis injustas. A Fé do profeta fez com that ELE mantivesse SUA Comunhão com Deus MESMO em Tempo de Crise. A Fé in Deus Nós da paz e convicção interior do Pará enfrentar como situations adversas da vida. Como crentes, estaríamos dispostos a sacrificar Nossa Vida e ATÉ Morrer Pelo Nome de Jesus? O Mestre declarou Que No DOS finais Tempos OS verdadeiros Discípulos odiados seriam, atormentados e levados à morte. TEMOS PESSOAS Como Daniel? Oremos a Deus parágrafo Que sejamos Como Este profeta.

 

BIBLIOGRAFIA SUGERIDA

 

ZUCK, Roy B. (Ed).  Teologia do Antigo Testamento.  1ª Edição. RJ:. CPAD, 2009 
. LAHAYE, Tim  Enciclopédia Popular de Profecia Bíblica.  5ª Edição. RJ: CPAD, 2013.

 

Exercícios

 

1.  SEGUNDO A Lição, O Que destaca o Capítulo Seis de Daniel?

R.  O Capítulo SEIS do Livro de Daniel destaca o valor da Integridade e moral Espiritual de Daniel e SEUS amigos Durante o Reinado de Dario.

 

2.  O Que Fez Com que Daniel se destacasse between OS Demais Presidentes?

R.  He tinha "um Espírito excelente".

 

3.  Os Inimigos de Daniel confabularam contra ELE buscando that Tipo de falha?

R.  Falhas Políticas OU morais.

 

4.  DeFina Integridade A Palavra.

R.  A Palavra Integridade PODE Ser definida Como "Solidez, uo Estado de Ser Inteiro, Isto É, completo"

 

5.  Quem Deus enviou par fechar a boca dos Leões?

R.  Deus enviou Seu anjo.

 

Auxílio Bibliográfico I

 

Subsídio Bibliológico

 

"Os machos da Inveja (6.4)

Os companheiros de carga de Daniel, movidos POR amarga Inveja, tinham más intenções contra o servo de Deus.

Todos TEM de VIGIAR contra this mostro Destruidor: a Inveja. AINDA Neste versiculo vemos OUTRA Virtude de Daniel: Integridade de carater 'nenhum Erro NEM culpa'. O plano diabólico de matar Daniel séria executado atraves dos Dirigentes do povo, e da Vaidade do Rei. Em Daniel 2.12, o Diabo, o em Seu plano anterior de matar Daniel, Agiu atraves da ira do Rei Nabucodonosor. Agora ELE usou Outro rei e Otras armas: a presunção, a Vaidade, o Orgulho, a vanglória Pessoal.

O Diabo percebeu that Daniel séria O Homem Que intercederia Junto a Deus, com Oração e jejum, parágrafo Que OS cativos de Israel retornassem à SUA terra.

O rei séria hum deus POR Trinta Dias (v.7). ASSIM, POR Movido Orgulho e Vaidade, assinaria o decreto de morte (v.9). AINDA Hoje, muitos Decretos, leis, estatutos, resoluções, decisões, votações e reunioes São feitas Pará prejudicar OS Outros "(GILBERTO, Antônio.  Daniel e Apocalipse:  . Como entendre o plano de Deus parágrafo OS Últimos Dias RJ: CPAD, 2006, p.38).

 

Auxílio Bibliográfico II

 

Subsídio Bibliológico

 

"Avanço Político de Daniel (6,1-3)

Na reorganização do Governo, Dario seguiu a Política liberal de Ciro e logotipo dividiu a Responsabilidade da Administração. A nomeação de 120 Presidentes, Sobre OS cais Quais d'Orsay were colocados Três Príncipes, PODE ter Sido hum arranjo Temporário Para assegurar a Coleta normal dos Impostos e MANTER UM Sistema de arrecadação e Contabilidade. Uma breve explicação do versiculo 2 parece INDICAR ISSO: AOS cais Quais d'Orsay sos Presidentes DESSEM Conta, parágrafo Que o rei de: Não sofresse Dano.

Dos Três Presidentes, Daniel se distinguiu. E Dario encontrou Nele hum Espírito excelente e planejava estender SUA Autoridade sobre todo o reino.

Daniel Devia ter los Torno de 85 Anos OU TALVEZ SE aproximasse DOS 90 Anos. He tinha Passado crises Diversas Políticas. Agora, a SUA Reputação de Homem íntegro e honesto chegara AO Conhecimento dos Novos governantes. TALVEZ informantes tenham aconselhado OS Novos governantes Acerca da posição de Daniel na Noite da Queda fatal de Belsazar. Quaisquer that fossem como circunstâncias, O Homem de Deus estava pronto parágrafo SERVIR Onde Fosse necessary.

Um Homem de Fidelidade e honestidade E desconcertante Pará maquinadores desonestos. Ver Daniel Prestes a Receber Uma Promoção Que o colocaria Acima Deles era Mais do Que OS Príncipes e Os Presidentes podiam tolerar. ELES precisavam Destruir Daniel um clien QUALQUÉR. O Fracasso los encontrar falhas na Administração de Daniel OS fez buscar Uma Maneira de Ataca-lo não Seu Ponto Mais forte SUA RELIGIÃO EA lei fazer Seu Deus.

O rei FOI Ingênuo não that tange à Sugestão dos Inimigos de Daniel. Era Bastante Comum parágrafo OS governantes dos medos e persas colocar-se no lugar de hum dos SEUS deuses e requerer a Adoração do povo. Dario sentiu-se lisonjeado los Ser o centro da devoção religiosa POR UM MES, ASSIM, ESTA Assinou escritura e edito "(PRICE, Ross E .; GRAY, Paulo C. (Eds.).  Comentário Bíblico Beacon.  Volume 4. 1ª Edição . RJ: CPAD, 2005, pp.518-9).

 

SUBSÍDIOS ENSINADOR Cristão

 

Integridade los tempos de Crise

 

E Possível Ser íntegro los Meio à Corrupção? E Possível sujeitar-se a Deus quando AO Nosso Redor ESTAMOS Cercados de Exemplos contrários AO divino ideal? ESTAS PERGUNTAS São como norteadoras Desta Sétima Lição.

 

A História

O Capítulo Seis de Daniel Revela Que o profeta fóruns colocado Como hum alto oficial do Império de Babilônia nenhum Governo de Nabucodonosor e, posteriormente, o Dario assentara Como Líder de Governo do Império Medo-Persa. Dario dividiu uma escala de Poder do Império Medo-Persa Da Maneira SEGUINTE: tres Príncipes supervisionavam OS 120 Presidentes constituídos NAS Províncias do Império (vv.1,2). Daniel era hum dos Príncipes. Mas between Os Três o profeta se destacara.

Os Príncipes e Os Presidentes armaram Uma cilada Política envolvendo uma RELIGIÃO do Império. Localidade: Não podiam sujar o carater de Daniel NAS Esferas Sociais, Morais e Políticas, entao OS Príncipes e Presidentes do Império usaram uma RELIGIÃO par atingir uma vida de Daniel. O plano: Durante Trinta Dias Quem dirigisse Uma prece a Deus OU uma Um Homem séria lançado na cova dos Leões. AINDA ASSIM, o profeta Daniel de: Não alterou a Rotina SUA. Todos Os Dias, Daniel dirigia-se parágrafo Uma sala não superiores da Casa SUA andar, Onde se Punha de Joelhos Pará ORAR (de Além de ajoelhar-se, OS Judeus ficavam de Pé com como Mãos erguidas parágrafo O Céu e also prostravam-se de Como Diante de Deus). Ate that was denunciado Pelos SEUS Colegas de Governo e Daniel Condenado a cova dos Leões.

 

Política e RELIGIÃO

A História da Humanidade Registra Testemunhos contundentes Acerca da Mistura Entre uma RELIGIÃO Política ea. Um Exemplo dos Inimigos de Daniel, muitos usaram uma RELIGIÃO Pará se beneficiarem politicamente. ELES CRIAM de: Não lhes nada: nenhum culto that praticavam e nenhum deus Que diziam SERVIR. Apenas usavam e abusavam Desses Expedientes da Religião com O Fim de colocar OS SEUS Interesses Políticos los Primeiro Lugar. A História da Igreja Confirma a Tragédia do Corpo Institucional de Cristo quando se misturou o Poder temporal, EO Espiritual. "O Meu Reino Localidade: Não E of this mundo" Jesus Disse. A Igreja Católica Romana Perdeu-se no Caminho POR SE Acar detentora do Poder temporais fazer "Sacro Império Romano". Algumas Igrejas Protestantes se amalgamaram com o Estado. Vide a Divisão da Anglicana, Luterana e Reformada na Europa! O Que Dizer das Igrejas brasileiras envolvidas com a Política partidária?




Lições Bíblicas CPAD

JOVENS E ADULTOS 

 

4º TRIMESTRE DE 2014

 

Título: Integridade Moral e Espiritual — O legado do livro de Daniel para a Igreja de hoje

Comentarista: Elienai Cabral

 

 

Lição 8: Os Impérios Mundiais e o Reino do Messias

Data: 23 de Novembro de 2014

 

TEXTO ÁUREO

 

E o reino, e o domínio, e a majestade dos reinos debaixo de todo o céu serão dados ao povo dos santos do Altíssimo; o seu reino será um reino eterno, e todos os domínios o servirão, e lhe obedecerão” (Dn 7.27).

 

VERDADE PRÁTICA

 

Enquanto os impérios humanos caem, o Reino de Deus se expande através de Jesus Cristo.

 

HINOS SUGERIDOS

 

90, 94, 599.

 

LEITURA DIÁRIA

 

Segunda - Hb 1.3

Jesus é rei eternamente

 

 

Terça - Dn 2.44

O reino do Messias será único e eterno

 

 

Quarta - Dn 7.14

O reino do Messias é invencível

 

 

Quinta - Ap 19.15

Jesus, o Rei dos reis

 

 

Sexta - Ap 20.4

O reino milenial de Cristo

 

 

Sábado - Mt 6.33; Mc 4.11; Mt 12.28

A realidade do Reino de Deus

 

LEITURA BÍBLICA EM CLASSE

 

Daniel 7.3-8,13,14.

 

3 - E quatro animais grandes, diferentes uns dos outros, subiam do mar.

4 - O primeiro era como leão e tinha asas de águia; eu olhei até que lhe foram arrancadas as asas, e foi levantado da terra e posto em pé como um homem; e foi-lhe dado um coração de homem.

5 - Continuei olhando, e eis aqui o segundo animal, semelhante a um urso, o qual se levantou de um lado, tendo na boca três costelas entre os seus dentes; e foi-lhe dito assim: Levanta-te, devora muita carne.

6 - Depois disto, eu continuei olhando, e eis aqui outro, semelhante a um leopardo, e tinha quatro asas de ave nas suas costas: tinha também este animal quatro cabeças, e foi-lhe dado domínio.

7 - Depois disto, eu continuava olhando nas visões da noite, e eis aqui o quarto animal, terrí­vel e espantoso, e muito forte, o qual tinha dentes grandes de ferro; ele devorava e fazia em pedaços, e pisava aos pés o que sobejava; era diferente de todos os animais que apareceram antes dele, e tinha dez pontas.

8 - Estando eu considerando as pontas, eis que entre elas subiu outra ponta pequena, diante da qual três das pontas primeiras foram arrancadas; e eis que nesta ponta havia olhos, como olhos de homem, e uma boca que falava grandiosamente.

13 - Eu estava olhando nas minhas visões da noite, e eis que vinha nas nuvens do céu um como o filho do homem: e dirigiu-se ao ancião de dias, e o fizeram chegar até ele.

14 - E foi-lhe dado o domínio e a honra, e o reino, para que todos os povos, nações e línguas o servissem: o seu domínio é um domínio eterno, que não passará, e o seu reino o único que não será destruído.

 

INTERAÇÃO

 

O texto bíblico que vamos estudar é o capítulo sete de Daniel. Antes, prezado professor, precisamos considerar algumas informações para obtermos êxito na preparação da aula. O nosso estudo sobre o livro de Daniel trata de um capítulo inteiro, por isso, você deverá fazer ao menos duas leituras ou mais, de preferência, utilizando versões diferentes. Um dicionário bíblico e um bom comentário lhe orientarão nos estudos. Muitas pessoas não compreendem o livro de Daniel por acharem-no difícil. É verdade que a obra do profeta é complexa, mas, igualmente, muito do que se diz ser complicado pode ser resolvido através de uma leitura atenta com o auxílio de uma versão contemporânea. E com a ajuda dos eruditos que, através dos dicionários e dos comentários bíblicos, disponibilizaram uma vida inteira de estudo para nos auxiliar.

 

OBJETIVOS

 

Após esta aula, o aluno deverá estar apto a:

  • Descrever e explicar a visão dos quatro animais.
  • Identificar o clímax da visão do profeta.
  • Compreender a volta de Jesus à luz do capitulo sete de Daniel.

 

ORIENTAÇÃO PEDAGÓGICA

 

Prezado professor, no primeiro tópico da presente lição, os itens (1) e (2) estão estruturados assim: (1) A Visão e (2)Interpretação. O primeiro item é a descrição pura e simples da visão de Daniel de acordo com o texto bíblico. O segundo é a interpretação, isto é, a explicação da visão.

Sugerimos que você siga rigorosamente a leitura do texto bíblico de acordo com a estrutura da lição. Em seguida, afirme aos alunos que o capítulo sete de Daniel retrata uma grande parte da história antiga da civilização humana. A Palavra de Deus já falara dos acontecimentos históricos antes mesmo de eles acontecer. Boa aula!

 

COMENTÁRIO

 

INTRODUÇÃO

 

Palavra Chave

Império: Forma de governo monárquico, cujo soberano tem o título de imperador ou de imperatriz.

 

Na lição desta semana, veremos uma mudança narrativa no capítulo sete de Daniel. Agora estamos diante de uma série de quatro visões do profeta. É o “apocalipse do Antigo Testamento” apresentando quatro impérios simbolizados por quatro animais. A visão do capítulo dois foi dada a um rei pagão, Nabucodonosor, enquanto que a do capítulo sete, a um servo de Deus, o profeta Daniel.

Veremos que em Nabucodonosor, a visão revela o lado político dos impérios apresentados como uma grande estátua. Em Daniel, através dos quatro animais, ela revela o lado moral e espiritual desses impérios. Os fatos são os mesmos, mas os objetivos das duas visões têm finalidades distintas. No capítulo sete, Deus revela a Daniel o fim dos quatro impérios e o surgimento do reino eterno do Messias prometido.

 

I. A VISÃO DOS QUATRO ANIMAIS (Dn 7.1-8)

 

1. A visão. Daniel recebeu a visão sobre os quatro animais no primeiro ano do rei Belsazar da Babilônia. É importante lembrarmos, aqui, que Belsazar não governou sozinho. Ele foi corregente com o seu pai, Nabonido. Veremos agora a primeira parte da visão de Daniel (vv.1-3):

a) O “leão com asas de águia” (v.4). O versículo quatro descreve um animal semelhante ao leão com asas de águia. Enquanto Daniel o contemplava, as asas do leão eram arrancadas. Posteriormente, o animal foi erguido da terra, posto de pé como um ser humano e, logo depois, ele recebeu um coração humano. O leão representava o império da Babilônia.

b) O urso (v.5). Daniel viu uma figura semelhante a um urso. Este fora erguido de um lado e tinha em sua boca três costelas. A este animal as pessoas diziam: “Levanta-te, devora muita carne”. O urso simbolizava o império Medo-Persa.

c) O leopardo com quatro asas (v.6). Outro animal era uma figura semelhante ao leopardo. Este possuía quatro cabeças e tinha quatro asas de aves em suas costas. Foi-lhe dado domínio. O leopardo simbolizava o império da Grécia.

d) Uma aparência indescritível (vv.7,8). “Terrível, espantosa e extremamente forte” era a figura do quarto animal. Ela tinha enormes dentes de ferro, comia e triturava o que encontrasse pelo caminho. Em sua cabeça havia ainda dez chifres. Enquanto Daniel prestava atenção nos dez chifres, um chifre pequeno surgiu entre os dez; mas três dos primeiros dez chifres foram arrancados pela raiz. No chifre pequeno havia também olhos como “olhos humanos” e uma boca que proferia “palavras arrogantes”. O animal, aqui descrito, simbolizava o império romano.

2. A interpretação. O bloco dos versículos 9 a 14 revelam mais duas figuras: a do Ancião e a do Filho do Homem. Após este bloco de versículos, Daniel passa a narrar a interpretação dos animais dada a ele ainda na mesma visão (vv.15-27):

a) As figuras dos animais (15-18). As figuras representadas pelo leão, urso, leopardo e o quarto animal, significam quatro reis que se levantaram sobre a terra, isto é, o rei da Babilônia, o rei Medo-Persa, o rei da Grécia e o rei de Roma (v.17).

b) A ênfase no quarto animal (vv.23-27). O quarto animal foi o que mais chamou a atenção do profeta Daniel: “Então, tive desejo de conhecer a verdade a respeito do quarto animal, que era diferente de todos os outros” (v.19). Daniel precedeu o tempo em que o império romano se tornara uma superpotência. Roma foi o império mais devastador da história do mundo. Era forte (ferro), pela sua força e eficácia administrativa, mas frágil (barro), dada a grande corrupção que ajudou a sepultar “um sonho chamado Roma”.

c) Os dez chifres e o pequeno chifre. Os dez chifres que saíam da cabeça do quarto animal prefiguravam dez reis advindos do antigo império romano. Mas outro rei, representado pelo pequeno chifre, se levantará após os dez reis e abaterá os três primeiros, arrancando-os tal como descreve a visão. Este pequeno chifre é o Anticristo escatológico tipificado na pessoa de Antíoco Epifânio, o qual estudaremos rapidamente na próxima lição e, com maiores detalhes, na lição 12.

 

 

SINOPSE DO TÓPICO (I)

 

Em Daniel 7.1-8 o profeta recebe visões sobre os quatro animais que simbolizavam os quatros grandes impérios do mundo.

 

 

II. O CLÍMAX DA VISÃO PROFÉTICA

 

1. Tronos, “ancião de dias” e juízo divino (vv.9-14). Entramos na segunda parte da visão de Daniel, que trata do julgamento celeste. O versículo nove nos diz: “foram postos uns tronos, e um ancião de dias se assentou” (v.9). A figura de vários tronos tipifica um contexto de julgamento e justiça. A profecia nos fala que o juiz do julgamento é o “ancião de dias”, isto é, Deus é retratado no livro tendo cabelos brancos e vestido de branco. É aquele que Abraão reconheceu como o “Juiz de toda a terra” (Gn 18.25). O tribunal demonstrado no sétimo capítulo de Daniel revela que Deus julgará “o pequeno chifre” e decretará a sentença final contra o quarto animal (Roma) (vv.11,12). Aqui está o ápice da visão de Daniel, ou seja, o Altíssimo julgando as maldades, crueldades e perversidades das nações deste mundo!

2. O “Filho do Homem” (vv.13,14). A expressão “filho do homem” ou, de acordo com os melhores manuscritos antigos, “filho de homem”, aparece mais de 80 vezes no livro de Ezequiel. A fórmula é regularmente traduzida como “homem” ou “ser humano”, pois na Bíblia trata-se de expressões sinônimas. Tanto em Daniel quanto em Ezequiel, “filho do homem” refere-se a um ser humano distinto que recebe de Deus a soberania celestial. Posteriormente, os santos apóstolos de Cristo identificaram “filho do homem” com a pessoa de Jesus de Nazaré (Mt 24.27,30). Em o Novo Testamento, Jesus introduziu o Reino de Deus no mundo como o próprio verbo divino feito carne, a plena revelação de Deus (Jo 1.1,14). Foi-lhe dado um nome que é sobre todo o nome e todo o poder sobre a Terra (Fp 2.9-11). Jesus Cristo virá pela segunda vez e instaurará o governo literal de Deus no mundo o reino milenar (Ap 20.2,6).

3. A Grande Tribulação (vv.24,25). Segundo a visão conservadora-tradicional e evangélica, estamos diante de um texto que aponta para um tempo de grande sofrimento no mundo, especialmente em relação à nação de Israel. “O chifre pequeno”, advindo da região do quarto império, Roma, promoverá engano e assombro no planeta. Na linguagem neotestamentária, ele é o “Anticristo”, o blasfemador de Deus e dos seus preceitos. Por “um tempo, e tempos, e metade de um tempo”, o “Anticristo” terá autoridade no mundo. Esse período equivale a “três anos e meio”, ou “quarenta e dois meses” ou “mil e duzentos e sessenta dias” (Dn 12.7; 9.27; Ap 12.14; 7.14). Ele compreende a metade dos sete anos finais prescritos como a Grande Tribulação e o fim do “tempo dos gentios”. Nos primeiros “três anos e meio” o Anticristo fará acordos com Israel, mas não os cumprirá. Este é o período de grande poder e influência política desse líder mundial sobre o mundo e os judeus. Mas o Messias o dominará e quebrará o seu reino de mentira. O Anticristo será condenado e a plenitude do Reino de Deus será estabelecida para sempre!

 

 

SINOPSE DO TÓPICO (II)

 

O clímax da visão profética de Daniel marca o advento da grande tribulação, do filho do homem e do juízo divino.

 

 

III. A VINDA DO FILHO DO HOMEM

 

1. A visão (vv.13,14). Explicamos anteriormente a expressão “filho do homem” e vimos que ela fora atribuída pelos apóstolos a Jesus Cristo. O versículo 13 de Daniel afirma que o “filho do homem” voltará nas nuvens do céu. Este é o entendimento remontado em Atos 1.9-11 quando da afirmação dos santos anjos sobre a volta do Cristo de Deus: “E, quando dizia isto, vendo-o eles, foi elevado às alturas, e uma nuvem o recebeu, ocultando-o a seus olhos. [...] [Os anjos] lhes disseram: Varões galileus, por que estais olhando para o céu? Esse Jesus, que dentre vós foi recebido em cima no céu, há de vir assim como para o céu o vistes ir”. Da mesma forma o apóstolo João escreveu no Apocalipse uma mensagem recebida do próprio Jesus: “Eis que vem com as nuvens, e todo olho o verá, até os mesmos que o traspassaram” (Ap 1.7). O reino de Cristo será eterno, único e jamais perecerá (v.14).

2. “Os santos do Altíssimo” (v.18). Para os primeiros leitores do livro de Daniel, a expressão “os santos do Altíssimo” era identificada por eles como o povo judeu que estava em cativeiro. Entretanto, de modo mais abrangente, e de acordo com Apocalipse 7.9-17, e a partir da revelação progressiva da Palavra de Deus ao longo da história bíblica, esses grupos de mártires e santos são os crentes advindos da Grande Tribulação, de todos os lugares, tribos e nações, que tiveram as suas roupas lavadas no sangue do Cordeiro.

3. A destruição do Anticristo (vv.26,27). Deus intervirá na história dos judeus e trará juízo contra o Anticristo. Este será julgado e condenado para sempre. A sua destruição dar-se-á quando do final do segundo período de “três anos e meio” da Grande Tribulação. Mas a Igreja de Cristo, lavada e remida no sangue do Cordeiro, não passará pela Grande Tribulação. Antes de iniciar esse tempo de grande sofrimento, o Corpo de Cristo será tirado do mundo para estar para sempre com o Senhor.

 

 

SINOPSE DO TÓPICO (III)

 

O profeta Daniel viu o dia em que virá o Messias e Ele julgará tanto os grandes quanto os pequenos.

 

 

CONCLUSÃO

 

Lamentavelmente, devido à multiplicação da “doutrina” da prosperidade, e de muitas igrejas e pregadores propalarem o “aqui e agora”, a profecia bíblica quanto ao futuro ficou de lado. Outros caem no erro de ensinar que as profecias de Daniel e do Apocalipse são alegorias e produtos de um tempo e de uma cultura sem conexão com a era atual. Estudemos a Palavra de Deus para não nos acharmos soberbos, deleitosos e não sejamos, pois, a Laodiceia contemporânea (Ap 3.14-22)!

 

VOCABULÁRIO

 

Clímax: Parte do enredo (livro, filme, peça etc.) em que os acontecimentos centrais ganham o máximo de tensão, prenunciando o desfecho; ápice.

 

BIBLIOGRAFIA SUGERIDA

 

LAHAYE, Tim; HINDSON, Ed. Enciclopédia Popular de Profecia Bíblica. 1ª Edição. RJ: CPAD, 2004.
GILBERTO, Antônio. Daniel & Apocalipse. RJ: CPAD, 2006.

 

EXERCÍCIOS

 

1. Quais são os animais que aparecem na visão de Daniel?

R. Um leão com asas de águia; um urso com três costelas na boca; um leopardo com quatro asas; um animal com uma aparência indescritível com dentes de ferro que comia e triturava tudo o que via no caminho.

 

2. De acordo com o que você aprendeu na lição, dê a interpretação de cada animal.

R. As figuras representadas pelo leão, o urso, o leopardo e o quarto animal, significam quatro reis que se levantaram sobre a terra, isto é, o rei da Babilônia, o rei Medo-Persa, o rei da Grécia e o rei de Roma.

 

3. Explique o significado dos dez chifres e o “pequeno chifre”.

R. Os dez chifres que saíam da cabeça do quarto animal prefiguravam dez reis advindos do antigo império romano. O pequeno chifre é o Anticristo escatológico.

 

4. Explique o que significa a expressão “filho do homem”.

R. A expressão “filho do homem” refere-se a um ser humano distinto que recebe de Deus a soberania celestial.

 

5. Como se dará a vinda do filho do homem?

R. O “filho do homem” voltará nas nuvens do céu.

 

AUXÍLIO BIBLIOGRÁFICO I

 

Subsídio Teológico

 

“As Quatro Bestas

Durante o primeiro ano do reinado de Belsazar, Deus revelou a Daniel um outro resumo dos impérios mundiais que estavam por vir. Por meio de um sonho e visões noturnas, Daniel viu o mar revolto (representando os povos da terra). Dele, subiam quatro grandes animais ‘diferentes uns dos outros’ (7.2-3). Os animais eram um leão, um urso, um leopardo e um outro não definido, que era ‘terrível, espantoso e sobremodo forte’ (7.7). Sobrepondo-se à profecia da estátua no sonho de Nabucodonosor, os animais representavam a Babilônia (o leão); a Medo-Pérsia (o urso); a Grécia (o leopardo), com seus quatro generais que dividiram o reino de Alexandre, o Grande, logo após sua morte; Roma (o quarto animal)” (LAHAYE, Tim; HINDSON, Ed.Enciclopédia Popular de Profecia Bíblica. 1ª Edição. RJ: CPAD, 2004, p.177).

 

AUXÍLIO BIBLIOGRÁFICO II

 

Subsídio Teológico

 

“O Filho do Homem

A Daniel foi concedida a visão celestial do Filho do Homem perante o tremendo e resplandecente trono do Deus Todo-Poderoso, o Ancião de Dias (Dn 7.9-14). Durante suas palavras no cenáculo, o Senhor Jesus disse a seus discípulos que Ele (o Filho do Homem) retornaria ao seio de seu Pai celestial, que o enviara para morrer pela humanidade (Jo 14.1-6,28; 16.28). Na verdade, sua volta para a glória foi testemunhada por aqueles fiéis discípulos. Os anjos lhe disseram: ‘Esse Jesus que dentre vós foi assunto ao céu virá do modo como o vistes subir’ (At 1.11). Daniel pode ter testemunhado a ascensão do Senhor e sua entrada diante do trono de Deus, depois de morrer pelos pecados da humanidade. Daniel viu: ‘[...] eis que vinha com as nuvens do céu um como o filho do homem, e dirigiu-se ao ancião de dias, e o fizeram chegar até ele’ (Dn 7.13). Tanto a divindade como a humanidade de Cristo são vistas nas palavras que o identificam. Era o Filho de Deus (Sl 2.7) e o Filho do Homem que havia sido profetizado. Ser chamado de Filho do Homem mostra que Cristo não era apenas uma divindade, mas também um ser humano.

Ao Filho do Homem, ‘foi-lhe dado domínio, e glória, e o reino, para que os povos, nações e homens de todas as línguas o servissem; o seu domínio é domínio eterno, que não passará, e o seu reino jamais será destruído’ (Dn 7.14). Trata-se, na verdade, de um quinto reino cuja duração será de mil anos na história da terra (Ap 20.4-9). Este reino, contudo, prosseguirá pela eternidade com a Nova Jerusalém e novos céus e nova terra, onde a paz e a justiça prevalecerão (Ap 21-22)” (LAHAYE, Tim; HINDSON, Ed. Enciclopédia Popular de Profecia Bíblica. 1ª Edição. RJ: CPAD, 2004, p.177).

 

SUBSÍDIOS ENSINADOR CRISTÃO

 

Os Impérios Mundiais e o Reino do Messias

 

Prezado professor, a partir deste capítulo, o sete, iniciaremos outro gênero de narrações sobre o profeta Daniel e os seus amigos. Até o capítulo seis o gênero predominante no livro é classificado como história. Mas a partir do capítulo sete, o gênero que passa a dominar a obra é o das visões de Daniel. Uma série de visões dadas por Deus ao profeta é revelada a respeito do futuro do mundo e do Reino de Deus.

 

Orientações

Professor, para explicar didaticamente o primeiro tópico da lição recomendamos que ministrasse a aula de acordo com a descrição do tópico I: a descrição da visão e, posteriormente, a interpretação da visão. Descreva o primeiro animal, o segundo, o terceiro e o quarto. Então, em seguida, trabalhe a questão da interpretação destes animais. Leve em conta que a interpretação evangélica conservadora tende a compreender estes quatro animais como sendo os quatro impérios do mundo: Babilônia, Pérsia, Grécia e Roma. Estes impérios representam o período de tempo desde Daniel até a segunda vinda de Cristo. Considere também que os muitos intérpretes de Daniel tendem a colocar a profecia do capítulo 7 e 8 como uma continuação do capítulo 2. Lembra do que trata este capítulo? Os impérios são representados por uma grande estátua com cabeça de ouro; peito e braços de prata; ventre e quadris de bronze; pés de ferro e de barro. Entretanto, a estátua é derrubada por uma pedra. Esta pedra é o Reino de Deus destruindo toda a concepção humana de imperialismo. Além do primeiro, do segundo e do terceiro, o quarto animal traz algo bastante específico: “dez chifres” e um “chifre pequeno”. Quando o professor explicar estes elementos considere que ao longo dos anos muitas especulações foram feitas a respeito dessas duas figuras. Não vá além do que menciona o texto bíblico.

 

No passado, muitos crentes sinceros consideraram Hitler o pequeno chifre, isto é, o Anticristo. Outros consideraram Stalin o líder mundial. Alguns disseram que o Comunismo iria gerar o Anticristo. Outros ainda compreenderam que o papa João Paulo II era o Anticristo. A história provou que todas estas especulações não se sustentaram. Não sabemos a respeito do Anticristo porque simplesmente a sua identidade não foi ainda declarada. Ao que parece, nem saberemos. Não seremos arrebatados antes? Boa aula!

 

Lições Bíblicas CPAD

Jovens e Adultos

 

 

 

4º Trimestre de 2014

 

Título: Integridade Moral e Espiritual — O legado do livro de Daniel para a Igreja de hoje

Comentarista: Elienai Cabral

 

 

 

Lição 9: O prenúncio do Tempo do Fim

Data: 30 de Novembro de 2014

 

TEXTO ÁUREO

 

E disse: Eis que te farei saber o que há de acontecer no último tempo da ira; porque ela se exercerá no determinado tempo do fim” (Dn 8.19).

 

VERDADE PRÁTICA

 

O tempo do fim não é o fim do mundo, mas o tempo de tratamento de Deus com o povo de Israel, prenunciando a vinda de Cristo.

 

HINOS SUGERIDOS

 

304, 334, 469.

 

LEITURA DIÁRIA

 

Segunda - Tt 2.13

O aparecimento do grande Deus

 

 

 

Terça - Dn 7.13

Cristo vindo em glória nas nuvens

 

 

 

Quarta - Mc 13.26

Cristo vindo com grande poder

 

 

 

Quinta - Mt 25.31,32

Jesus vindo em glória para julgar as nações

 

 

 

Sexta - At 1.10,11

Os anjos afirmam que Jesus voltará

 

 

 

Sábado - Mt 16.27

Jesus vindo para julgar a cada um

 

LEITURA BÍBLICA EM CLASSE

 

Daniel 8.1,3-11.

 

1 - No ano terceiro do reinado do rei Belsazar, apareceu-me uma visão, a mim, Daniel, depois daquela que me apareceu no princípio.

3 - E levantei os meus olhos e vi, e eis que um carneiro estava diante do rio, o qual tinha duas pontas; e as duas pontas eram altas, mas uma era mais alta do que a outra; e a mais alta subiu por último.

4 - Vi que o carneiro dava marradas para o ocidente, e para o norte, e para o meio-dia; e nenhuns animais podiam estar diante dele, nem havia quem pudesse livrar-se da sua mão; e ele fazia conforme a sua vontade e se engrandecia.

5 - E, estando eu considerando, eis que um bode vinha do ocidente sobre toda a terra, mas sem tocar no chão; e aquele bode tinha uma ponta notável entre os olhos;

6 - dirigiu-se ao carneiro que tinha as duas pontas, ao qual eu tinha visto diante do rio; e correu contra ele com todo o ímpeto da sua força.

7 - E o vi chegar perto do carneiro, irritar-se contra ele; e feriu o carneiro e lhe quebrou as duas pontas, pois não havia força no carneiro para parar diante dele; e o lançou por terra e o pisou aos pés; não houve quem pudesse livrar o carneiro da sua mão.

8 - E o bode se engrandeceu em grande maneira; mas, estando na sua maior força, aquela grande ponta foi quebrada; e subiram no seu lugar quatro também notáveis, para os quatro ventos do céu.

9 - E de uma delas saiu uma ponta mui pequena, a qual cresceu muito para o meio-dia, e para o oriente, e para a terra formosa.

10 - E se engrandeceu até ao exército dos céus; e a alguns do exército e das estrelas deitou por terra e os pisou.

11 - E se engrandeceu até ao príncipe do exército; e por ele foi tirado o contínuo sacrifício, e o lugar do seu santuário foi lançado por terra.

 

INTERAÇÃO

 

“O tempo do fim”. Há pessoas que têm arrepios quando ouvem tal expressão. Mas esta nada tem com o fim do mundo. Todavia, parece que o tema escatológico do fim do mundo mexe com os sentimentos das pessoas. Não por acaso, a indústria cinematográfica americana tem investido bilhões de dólares acerca destes temários. No meio evangélico não é diferente, pois não poucos autores e cineastas têm assustado pessoas fazendo com que as profecias pareçam um filme de Hollywood. Quando ensinamos o oitavo capítulo do livro de Daniel, a nossa perspectiva de ensino não pode ser a do terror, mas a da esperança. Apresentando aos nossos alunos o triunfo do Reino de Deus mediante o contexto profético apresentado no capítulo em estudo.

 

OBJETIVOS

 

Após esta aula, o aluno deverá estar apto a:

  • Conhecer os símbolos proféticos do carneiro e do bode.
  • Identificar a visão do chifre pequeno.
  • Compreender o período do tempo do fim.

 

ORIENTAÇÃO PEDAGÓGICA

 

Prezado professor, após lecionar o primeiro tópico da lição, sugerimos que reproduza o esquema abaixo. A ideia é reforçar o aprendizado dos alunos. De acordo com o esquema elaborado e objetivando a assimilação das informações pelos alunos, é salutar ao professor acrescentar ao esquema proposto figuras do bode, do carneiro e dos impérios medo-persa e grego — as imagens podem ser identificadas na internet ou adquiridas nas lojas da CPAD. A exposição oral do assunto conjugado ao esquema e as figuras dos animais farão com que os alunos tenham sucesso no processo ensino-aprendizagem. Boa aula!

 

 

 

COMENTÁRIO

 

INTRODUÇÃO

 

Palavra Chave

Tempo: Período contínuo no qual os eventos se sucedem.

 

No capítulo sete, Daniel tem a visão dos quatro animais, cada um destes representando um império mundial. No capítulo oito, que estudaremos nesta lição, o profeta tem sua segunda visão. Ele viu um carneiro lutando contra um bode. Na verdade, este capítulo repete muito da predição do capítulo dois, e especialmente do capítulo sete. Todavia, o capítulo oito acrescenta detalhes importantíssimos quanto aos períodos medo-persa e grego.

 

I. A VISÃO DO CARNEIRO E DO BODE (Dn 8.3-5)

 

1. A visão do carneiro (Dn 8.3,4,20). Esse carneiro simbolizava o império medo-persa (v.20). Segundo os historiadores, no caso dos persas, os seus reis sempre levavam como emblema uma cabeça de carneiro em ouro sobre a cabeça, principalmente quando passavam em revista os seus exércitos. De acordo com a história, os medos haviam prevalecido na guerra com a Babilônia. Dario foi o primeiro governante da união entre a Média e a Pérsia. Porém, logo os persas prevaleceram em força e Ciro tornou-se o rei do império.

O carneiro identificado como o império medo-persa venceu e derrotou o império babilônico quando Belsazar estava no poder. No mesmo dia em que Belsazar zombou de Deus ao utilizar os utensílios sagrados do templo de Jerusalém, ele caiu nas mãos dos medo-persas. Nota-se que há uma repetição do predito na visão do capítulo sete sobre o segundo e o terceiro impérios, porém, Deus de maneira especial mostrou a Daniel o que estaria fazendo no futuro desses impérios e com o próprio povo de Israel.

2. Os chifres do carneiro. Os dois chifres do carneiro não eram iguais, pois um dos chifres era maior que o outro. O maior representava Ciro, o persa (v.3) e o menor representava Dario, da Média. Na cronologia histórica, Ciro sucedeu a Dario. Eventos importantes aconteceram no período desses dois reis até que o carneiro foi vencido, surgindo na visão de Daniel a figura de um bode que ataca o carneiro e o vence (vv.5-7).

3. A visão do bode (Dn 8.5-8). A figura do bode, na mitologia do mundo de então, simbolizava o poder e a força. Na visão de Daniel, o bode arremeteu contra o carneiro com muita força, ferindo-o e quebrando os seus dois chifres. Segundo aBíblia de Estudo Pentecostal, “o bode representava a Grécia, e seu grande chifre refere-se a Alexandre, o Grande (8.21)”. O carneiro foi totalmente dominado e humilhado. Seus dois chifres foram quebrados e, após isso, ainda foi pisoteado sem compaixão pelo bode. Foi uma profecia de completa sujeição e derrota do império medo-persa pelos gregos.

Nos versículos oito e nove, a “ponta notável” se quebra e surge em seu lugar quatro outras pontas (ou chifres). Esses quatro chifres menores representam os quatro generais que assumiram o império grego depois da morte de Alexandre, o Grande.

 

 

 

SINOPSE DO TÓPICO (I)

 

A visão do bode e do carneiro refere-se respectivamente aos impérios medo-persa e grego.

 

 

 

II. O CHIFRE PEQUENO (Dn 8.9)

 

1. A visão da ponta pequena. Na visão do profeta Daniel, surge de uma das quatro pontas notáveis, “uma ponta mui pequena” (v.9). Daniel percebeu que esta “ponta pequena” cresceu muito, especialmente direcionada para a “terra formosa”, Israel. Essa “ponta pequena” refere-se a Antíoco Epifânio que tornou-se um opressor terrível contra os judeus. Ele surgiu da partilha do império de Alexandre e a ele coube o domínio da Síria, Ásia Menor e Babilônia.

2. A ultrajante atividade desse rei contra Israel (Dn 8.10,11). Os versículos dez e onze falam das ações ultrajantes do “pequeno chifre” contra o povo de Deus, profanando o santuário de Israel e tentando acabar com o “sacrifício contínuo” que Israel fazia ao Senhor.

3. A purificação do santuário (Dn 8.14). Segundo a história, a purificação do santuário ocorreu três anos e dois meses depois de o altar do Senhor ter sido removido por Antíoco. Deus é bom e misericordioso. Mesmo seu povo sendo infiel, Ele iria purificá-los e restaurá-los.

 

 

 

SINOPSE DO TÓPICO (II)

 

O chifre pequeno de Daniel 8.9 refere-se à Antíoco Epifânio, um opressor cruel e terrível contra Israel.

 

 

 

III. ANTÍOCO EPIFÂNIO, O PROTÓTIPO DO ANTICRISTO

 

1. Antíoco Epifânio. Por ora basta dizer que este foi um rei da dinastia Selêucida (Babilônia e Síria) que perseguiu os judeus de Jerusalém e da Judeia. Trata-se do rei de cara feroz descrito no versículo vinte e três. Este monarca cometeu tantas atrocidades contra o povo de Deus, que muitos o veem como um tipo do Anticristo.

2. A visão do anjo Gabriel (Dn 8.16). O “Gabriel” mencionado no versículo dezesseis é um anjo que o Senhor enviou com o propósito de explicar a Daniel a visão. Esse mesmo Gabriel também foi enviado a Zacarias e, igualmente, a Maria, para anunciar o nascimento de Jesus (Lc 1.1-38). Como veremos, no capítulo nove ele aparece novamente a Daniel.

3. O tempo do fim (Dn 8.17). Segundo a Bíblia de Estudo Aplicação Pessoal, “o fim do tempo”, neste caso é uma alusão a todo o período entre o final do exílio e a segunda vinda de Cristo. Os governantes e impérios vistos por Daniel no capítulo oito já não existem mais. Homens como Alexandre e Epifânio morreram e seus impérios chegaram ao fim, pois os reinos deste mundo são efêmeros. Somente um reino nunca terá fim — o reino do Messias: “O reino, e o domínio, e a majestade dos reinos debaixo de todo o céu serão dados ao povo dos santos do Altíssimo; o seu reino será reino eterno, e todos os domínios o servirão e lhe obedecerão” (Dn 7.27).

 

 

 

SINOPSE DO TÓPICO (III)

 

Por perseguir os judeus em Jerusalém e na Judeia, por cometer tantas atrocidades contra o povo de Deus, Antíoco Epifânio é considerado por muitos estudiosos um tipo do Anticristo.

 

 

 

CONCLUSÃO

 

Deus é soberano e a história do mundo faz parte dos seus desígnios. Ele conhece toda a história, começo e fim. O futuro do homem e do mundo está sob o olhar do Altíssimo.

 

BIBLIOGRAFIA SUGERIDA

 

PFEIFFER, Charles F.; VOS, Howard, F. Dicionário Bíblico Wycliffe. RJ: CPAD, 2009.
SILVA, Severino Pedro. Daniel Versículo por Versículo: As visões para estes últimos dias. 13ª Edição. RJ: CPAD, 2005.
STAMPS, Donald C. (Ed.). Bíblia de Estudo Pentecostal: Antigo e Novo Testamento. RJ: CPAD, 1995.

 

EXERCÍCIOS

 

1. Quais são os dois animais da visão do capítulo oito?

R. O carneiro e o bode.

 

2. O carneiro simbolizava qual império?

R. O império medo-persa.

 

3. O que representava os dois chifres do carneiro?

R. Ciro, o persa; Dario da média.

 

4. A ponta pequena do chifre refere-se a quem?

R. Essa “ponta pequena” refere-se à Antíoco Epifânio que tornou-se um opressor terrível contra Israel.

 

5. Alguns teólogos veem Antíoco como um protótipo de quem?

R. Protótipo do Anticristo.

 

AUXÍLIO BIBLIOGRÁFICO I

 

Subsídio Histórico

 

“MEDOS, MÉDIA

Em Isaías 13.17,18 e Jeremias 51.11,28, foi predito o papel que os medos iriam desempenhar na queda da Babilônia, embora nessa época os persas estivessem dominando. Daniel também atribui aos medos um papel importante na queda da cidade da Babilônia (Dn 5.30,31). Talvez em 539 a.C. os exércitos de Ciro o Grande fossem dirigidos por um Dario, o medo, que ‘ocupou o reino, na idade de sessenta e dois’ (v.31). Entretanto, é difícil identificar esse Dario, o medo. O estudioso J. C. Whitcomb Jr. acredita que era o Gubaru das Crônicas de Nabonido” (PFEIFFER, Charles F.; VOS, Howard, F. Dicionário Bíblico Wycliffe. RJ: CPAD, 2009, pp.1242-43).

 

AUXÍLIO BIBLIOGRÁFICO II

 

Subsídio Histórico

 

“PÉRSIA

Os reis assírios foram os primeiros a mencionar a Pérsia em seus relatos. Salmanaser III recebeu tributo dos reis da Parsua em 836 a.C., Tiglate Pilaser III invadiu a Parsua em 737, e Senaqueribe lutou contra eles em Halulina em 681. Aquêmenes (Hakhmanish da Pérsia) foi o ancestral epônimo que fundou a dinastia persa. Teispes, filho de Aquêmenes, dois netos, Ariyaramnes e Ciro I, e um bisneto, Cambises, governaram a terra natal, mas foram subordinados aos seus primos mais poderosos do norte, os medos. A pátria deste povo de língua indo-europeia era chamada de Parsa, mas eles a chamavam de Airyana, do sânscrito arya, ‘nobre’, e a partir daí o atual Irã. O país situava-se a leste de Elão a partir do golfo Pérsico até o Grande Deserto de Sal. Este povo passou pelo planalto do Irã e ocupou esta região no início do primeiro milênio a.C.

Depois da queda de Nínive, em 612 a.C., os medos controlaram todo o norte da Mesopotâmia. O casamento de Cambises com a filha do rei medo Astíages, resultou no nascimento de Ciro II. Este líder uniu as tribos persas e juntou forças com Nabu-na’id (Nabonido) da Babilônia, em uma revolta contra os medos. Em pouco tempo, o controle da Média caiu nas mãos de Ciro o Grande, em 547 a.C. ele venceu Creso, o rei de Lídia que governava a Anatólia ocidental.

Ciro não fez uma mudança radical quando tomou os reinos dos caldeus, mas instituiu reformas. Colocou o templo da Babilônia sob sua própria administração, mas teve uma atitude iluminada em relação às religiões que eram diferentes da sua. Os judeus exilados não foram os únicos a receber liberdade religiosa e voltar para a sua terra natal” (PFEIFFER, Charles F.; VOS, Howard, F. Dicionário Bíblico Wycliffe. RJ: CPAD, 2009, pp.1515-16).

 

SUBSÍDIOS ENSINADOR CRISTÃO

 

O prenúncio do Tempo do Fim

 

O oitavo capítulo de Daniel retrata os impérios Medo-Persa e Grego respectivamente. O carneiro de dois chifres representa o império Medo-Persa. O Bode é figura do império Grego e o grande chifre do bode refere-se a Alexandre Magno, o mais célebre conquistador do Mundo Antigo.

Alexandre humilhou o império Medo-Persa sem compaixão e piedade. Representado pelo grande chifre do bode que foi quebrado, o imperador grego morreu prematuramente. A visão de Daniel apresenta mais quatro chifres que cresceram no seu lugar. Eles representavam os quatro generais que dividiram o império Grego em quatro regiões, após a morte de Alexandre, isto é, Macedônia, Ásia Menor, Síria-Babilônia e Egito. Entretanto, desses quatro chifres cresceu um pequeno chifre que foi visto na figura de Antíoco Epífanes, o rei da Dinastia Selêucida que governou a Síria entre 174 e 164 a.C.

Antíoco Epífanes atacou as quatro regiões e suas respectivas potências militares. A história confirma também o assassinato do sumo-sacerdote judeu Onias em 170 d.C. e a profanação do templo de Jerusalém. Daniel teve uma visão extensa e assustadora ao ponto de lhe tirar a força física para fazer as coisas mais básicas da vida. Mas era uma visão que devia ser guardada em segredo. Muitos estudiosos concordam que o capítulo oito de Daniel traz um testemunho de uma profecia histórica que se cumpriu parcialmente. A história teria testemunhado os acontecimentos que os santos profetas, sem os conhecerem de antemão, profetizaram em nome do Senhor. É bem verdade que o nosso Deus zela pela sua Palavra.

A Bíblia diz que o espírito do anticristo opera no mundo. De acordo com a crueldade, a ignomínia e a covardia de Antíoco Epifânio muitos estudiosos o relacionam como um tipo do Anticristo de que fala o Novo Testamento. Mas enquadrá-lo como Anticristo ainda passa por especulação. Todavia, o que deve alegrar o crente são as vidas que abrem os olhos espirituais e percebem por si mesma o benefício de crermos na graça preciosa e suficiente de Deus, o nosso bendito e eterno Pai.

Aproveite a aula de hoje para mostrar aos alunos como o nosso Deus relaciona-se com o Seu povo escolhido. Somos a igreja de Deus, um povo escolhido e chamado por Ele para anunciar as boas novas da vida eterna. Não permita que o seu aluno deixe a aula sem este esclarecimento: o de que o Senhor, através do Seu Filho Jesus, e na força do Espírito Santo, tem cuidado de nós.4º Trimestre de 2014

 

Título: Integridade Moral e Espiritual — O legado do livro de Daniel para a Igreja de hoje

Comentarista: Elienai Cabral

 

 

Lição 11: O Homem vestido de linho

Data: 14 de Dezembro de 2014

 

TEXTO ÁUREO

 

E levantei os meus olhos, e olhei, e vi um homem vestido de linho, e os seus lombos, cingidos com ouro fino de Ufaz” (Dn 10.5).

 

VERDADE PRÁTICA

 

Deus revela o futuro, para que o seu povo não fique amedrontado e confuso.

 

HINOS SUGERIDOS

 

77, 125, 500.

 

LEITURA DIÁRIA

 

Segunda - Mt 7.8

O poder da oração constante

 

 

Terça - Sl 37.1-7

Deus responde a oração sincera

 

 

Quarta - Dn 10.4,5; Ap 1.13-17

A visão de Daniel e João

 

 

Quinta - Dn 10.13; Ef 6.10-12

Atividade no mundo espiritual

 

 

Sexta - Dn 10.12-14

Pela oração vencemos as potestades diabólicas

 

 

Sábado - Ez 37.1-14; Mt 24.32; Lc 21.29,30

Israel, a figueira brotando

 

LEITURA BÍBLICA EM CLASSE

 

Dasiiel 10.1-6,9,10,14.

 

1 - No ano terceiro de Ciro, rei da Pérsia, foi revelada uma palavra a Daniel, cujo nome se chama Beltessazar; e a palavra é verdadeira e trata de uma guerra prolongada; e ele entendeu essa palavra e teve entendimento da visão.

2 - Naqueles dias, eu, Daniel, estive triste por três semanas completas.

3 - Manjar desejável não comi, nem carne nem vinho entraram na minha boca, nem me ungi com unguento, até que se cumpriram as três semanas.

4 - E, no dia vinte e quatro do primeiro mês, eu estava à borda do grande rio Hidéquel;

5 - e levantei os meus olhos, e olhei, e vi um homem vestido de linho, e os seus lombos, cingidos com ouro fino de Ufaz.

6 - E o seu corpo era como turquesa, e o seu rosto parecia um relâmpago, e os seus olhos, como tochas de fogo, e os seus braços e os seus pés, como cor de bronze açacalado; e a voz das suas palavras, como a voz de uma multidão.

9 - Contudo, ouvi a voz das suas palavras; e, ouvindo a voz das suas palavras, eu caí com o meu rosto em terra, profundamente adormecido.

10 - E eis que uma mão me tocou e fez que me movesse sobre os meus joelhos e sobre as palmas das minhas mãos.

14 - Agora, vim para fazer-te entender o que há de acontecer ao teu povo nos derradeiros dias; porque a visão é ainda para muitos dias.

 

INTERAÇÃO

 

Os anjos são seres espirituais presentes na Bíblia. Ele está envolvido com o futuro de Israel, no Antigo Testamento, e com o futuro da Igreja, em o Novo Testamento. Além disso, os anjos ministram por ordem divina e, por isso, não recebem adoração em hipótese alguma. Infelizmente, muitos têm ensinado uma falsa doutrina acerca dos anjos, dizendo que Gabriel está ali, Miguel, acolá. E Jesus? Onde fica nisso tudo? Prezado professor, você tem uma boa oportunidade, através do capítulo dez de Daniel, de desmistificar crendices que não exaltam a Deus e nem edificam vidas.

 

OBJETIVOS

 

Após esta aula, o aluno deverá estar apto a:

  • Discorrer sobre a visão celestial de Daniel.
  • Explicar o significado do homem vestido de linho.
  • Saber que os anjos de Deus são seres espirituais ajudadores.

 

ORIENTAÇÃO PEDAGÓGICA

 

Professor, para concluir a aula da presente lição, reproduza o esquema abaixo de acordo com as suas possibilidades. O esquema é uma adaptação da explicação do teólogo pentecostal escocês, radicado nos EUA, Myer Pearman. Destaque para os alunos o que a Bíblia revela acerca da natureza dos anjos: são criaturas, espíritos, imortais e numerosos. A partir da análise da natureza angelical, enfatize que a Bíblia não nos ensina crendices quanto aos anjos. Boa aula!

 

 

COMENTÁRIO

 

INTRODUÇÃO

 

Palavra Chave

Visão: Concepção ou representação, em espírito, de situações, questões, etc. Interpretação.

 

Ao estudarmos o capítulo dez, precisamos compreender que já se haviam passado uns quatro anos desde que Gabriel apareceu a Daniel com uma mensagem da parte de Deus. Era o terceiro ano do reinado de Ciro da Pérsia, e Daniel era um homem com mais de 90 anos de idade. Mesmo assim, não desistiu de orar e jejuar em favor do seu povo.

O capítulo dez trata da última visão do profeta a respeito dos acontencimentos dos últimos dias.

 

I. UMA VISÃO CELESTIAL (Dn 10.1-3)

 

1. “Foi revelada uma palavra a Daniel”. O capítulo dez tem início com a visão que Daniel teve a respeito dos acontecimentos dos últimos dias. Neste capítulo, temos apenas o início da visão e da revelação de Daniel. Deus é Senhor e tem o conhecimento total e completo do futuro. Sua revelação é infalível e não deixa nenhuma dúvida.

2. Daniel um homem de oração. Lendo os primeiros versículos do capítulo dez, podemos ver que Daniel estava mais uma vez se dedicando à oração e ao jejum. Mesmo estando exilado e tendo que servir a reis pagãos, Daniel não se descuidou de sua vida de jejum e oração. Ele era um homem que tinha um espírito excelente, por isso Deus lhe revelou seus desígnios.

Daniel era um homem determinado e consciente da situação do seu povo. Talvez, por isso, tivesse por três semanas consecutivas (21 dias) orado, jejuado e não se ungido com unguento (v.3). A perseverança de Daniel em oração fez com que os céus se abrissem. Temos um Deus que ouve e responde as nossas orações (Jr 33.3). Daniel não desistiu de clamar e pedir pelo retorno do seu povo. Ele sabia o quanto Deus é Poderoso e que no tempo certo Ele agiria em favor dos israelitas. O tempo de Deus não está preso às circunstâncias históricas. No tempo devido, seus desígnios são concretizados. Daniel havia entendido que o plano de Deus para o seu povo não havia findado.

3. A tristeza de Daniel. “Estive triste por três semanas completas” (10.2). Não sabemos o motivo real que trouxe tamanha tristeza e dor ao coração de Daniel. Todavia, sabemos que ele não se deixou abater por sua melancolia. Daniel continuou a orar e jejuar, buscando o socorro divino. As adversidades e tristezas desta vida não podem nos impedir de orar e prosseguir em nossa caminhada. Talvez um dos motivos da tristeza de Daniel seja o fato de que no terceiro ano de Ciro o trabalho da reconstrução do Templo havia sido interrompido (Ed 4.4,5,23,24).

 

 

SINOPSE DO TÓPICO (I)

 

Daniel, um homem de oração, sentiu o peso da tristeza acerca da revelação das últimas coisas.

 

 

II. A VISÃO DO HOMEM VESTIDO DE LINHO (Dn 10.4,5)

 

1. Um “homem vestido de linho”. A visão de Daniel é muito parecida com a que João teve na ilha de Patmos (Ap 1.12-20) e com a do profeta Ezequiel (Ez 1.26). Acredita-se que, assim como João e Ezequiel, o profeta Daniel tenha visto o Senhor Jesus Cristo. Tanto João como Daniel tiveram a mesma reação diante de tal visão: desfaleceram. Eles não encontraram forças para ficar de pé (Dn 10.8; Ap 1.17). Homem algum pode resistir diante da glória do Senhor. A visão do Filho do Homem fez com que as forças físicas de Daniel se esgotassem, todavia, o Senhor enviou um anjo para tocar o seu profeta (Dn 10.10).

2. “Eis que uma mão me tocou”. Daniel é tocado pelo anjo de Deus e ouve palavras de consolo. Os anjos são seres celestiais reais, porém nem sempre podemos vê-los (Hb 12.22). A Palavra de Deus declara que eles são “espíritos ministradores, enviados para servir a favor daqueles que hão de herdar a salvação” (Hb 1.14). Alguns anjos se rebelaram contra Deus (Jd 6), cometendo um grave pecado. Estes foram expulsos do céu.

O número de anjos é imenso (Hb 12.22), porém, no livro do profeta Daniel encontramos a referência a dois anjos em especial: Gabriel, que ajudou a Daniel a compreender as revelações divinas (Dn 9.21-27) e Miguel, o arcanjo, protetor de Israel (Dn 12.1). No Antigo Testamento, uma das atribuições dos anjos era guardar o povo de Deus (2Rs 6.17). Na Bíblia os anjos também foram utilizados como agentes na execução do julgamento divino (Gn 19.1).

3. “O príncipe do reino da Pérsia”. Quem era este príncipe? A maioria dos teólogos acredita que este príncipe seja um anjo satânico. Estes seres malignos obedecem ao comando de seu chefe, o Diabo. Neste capítulo, eles aparecem em oposição ao povo de Deus (vv.13,20). Precisamos de discernimento em relação aos anjos, pois a Palavra de Deus afirma que o próprio Satanás pode disfarçar-se em anjo de luz (2Co 11.14).

 

 

SINOPSE DO TÓPICO (II)

 

A visão de Daniel acerca do homem vestido de linho é semelhante a que o apóstolo João teve na Ilha de Patmos e com a do profeta Ezequiel.

 

 

III. DANIEL É CONFORTADO POR UM ANJO (Dn 10.10-12)

 

1. Daniel é confortado por um anjo (10.10-12). Diante da visão o profeta perdeu as suas forças. Porém, o Senhor envia um anjo para tocar Daniel e restaurar as suas forças físicas. A mão do anjo tocou o profeta e o ergueu. Observe que Daniel, “o homem mui desejado,” ficou como morto e depois de joelhos diante do Senhor. No grande dia, como ficarão aqueles que rejeitam e desprezam o Filho de Deus?

2. O conflito entre o Arcanjo Miguel e o príncipe do reino da Pérsia (10.13). No capítulo dez do livro de Daniel, dois príncipes das milícias satânicas são identificados: “o príncipe do reino da Pérsia” (v.13) e o “príncipe da Grécia” (v.20). Estes príncipes não eram homens comuns, mas anjos satânicos. Estes anjos caídos só foram derrotados depois que Deus enviou Miguel, o príncipe de Israel (v.21). O anjo que falava com o profeta explicou que o príncipe da Pérsia estava impedindo que a mensagem de Deus fosse entregue. O propósito de Satanás era impedir que Daniel recebesse a revelação do Senhor.

3. A hostilidade espiritual contra o povo de Deus. O Inimigo tenta de todas as formas destruir Israel, todavia o Senhor tem uma aliança eterna com o seu povo. Satanás não pode impedir a bênção de Deus para Israel. O Inimigo também tenta de todas as formas destruir a Igreja de Cristo. Ele se opõe a Igreja assim como o rei da Pérsia se opôs a Daniel e ao anjo do Senhor.

Há resistência espiritual às nossas orações e a nós. Quando oramos entramos em batalha contra as potestades do mal (Ef 6.12). Israel tem o seu ajudador, o arcanjo Miguel. A Igreja é guardada pelo próprio Senhor Jesus Cristo, aquele que venceu as forças do Inimigo ao morrer e ressuscitar ao terceiro dia.

 

 

SINOPSE DO TÓPICO (III)

 

Diante da visão Daniel desfaleceu. Mas, Deus enviou-lhe um anjo para confortá-lo e reerguê-lo.

 

 

CONCLUSÃO

 

Duas vezes o anjo de Deus tocou em Daniel para que ele pudesse recobrar as suas forças físicas. O toque de Deus nos anima e nos fortalece para que possamos, como Daniel, servir ao Senhor com temor e amor.

 

BIBLIOGRAFIA SUGERIDA

 

GILBERTO, Antônio. Daniel & Apocalipse. RJ: CPAD, 2006.
LAHAYE, Tim; HINDSON (Ed.). Enciclopédia Popular de Profecia Bíblica. 1ª Edição. RJ: CPAD, 2004.

 

EXERCÍCIOS

 

1. Como se inicia o capítulo dez?

R. Com a visão que Daniel teve a respeito dos acontecimentos dos últimos dias.

 

2. Qual era o motivo da tristeza de Daniel?

R. Não sabemos o motivo real que trouxe tamanha tristeza e dor ao coração de Daniel. Todavia, sabemos que ele não se deixou abater por sua melancolia. Daniel continuou a orar e jejuar, buscando o socorro divino.

 

3. A visão de Daniel no capítulo dez se parece com quais visões?

R. A visão de Daniel é muito parecida com a que João teve na ilha de Patmos (Ap 1.12-20) e com a do profeta Ezequiel (Ez 1.26).

 

4. Quem era o “homem vestido de linho”?

R. Acredita-se que, assim como João e Ezequiel, o profeta Daniel tenha visto o Senhor Jesus Cristo.

 

5. Segundo a lição, quem era o príncipe da Pérsia?

R. A maioria dos teólogos acredita que este príncipe seja um anjo satânico.

 

AUXÍLIO BIBLIOGRÁFICO I

 

Subsídio Exegético

 

“Uma Visão Celestial de Conflitos Terrenos, 10.1-12.13

A maioria dos intérpretes concorda em que os últimos três capítulos do livro de Daniel constituem uma unidade. Keil descreve os conteúdos dessa seção como ‘A revelação das aflições do Povo de Deus Infligidas pelos Governantes do Mundo até a Consumação do Reino de Deus’. Essa seção não está em forma de sonho ou visão. Ela é uma revelação, que vem diretamente a Daniel por intermédio de um ser celestial que age como o mediador da verdade. A expressão foi revelada uma palavra a Daniel (10.1) contém a palavra niglah, a forma passiva do verbo que significa ‘desvendar, manifestar, revelar’. Essa manifestação culminante experimentada por Daniel veio a ele na forma mais elevada de revelação, através do encontro direto com a deidade. Keil descreve essa experiência como uma teofania, uma manifestação ou aparição de Deus” (PRICE, Ross; GRAY, C. Paul (et al). Comentário Bíblico Beacon: Isaías a Daniel. 1ª Edição. Volume 4. RJ: CPAD, 2005, pp.538-39).

 

AUXÍLIO BIBLIOGRÁFICO II

 

Subsídio Bibliológico

 

“Anjos Caídos

Os anjos malignos, dos quais Satanás é o príncipe (Jo 12.31; 14.30; Ef 2.2; cf. 6.12), se opõem aos bons (Dn 10.13), perturbam o bem-estar do homem às vezes adquirindo o controle que Deus tem sobre as forças da natureza (Jó 1.12-19) e as doenças (Jó 2.4-7); cf. Lc 13.16; At 10.38. Eles tentam o homem para pecar (Gn 3.1-7; Mt 4.3; Jo 13.27; 1Pe 5.8) e espalham falsas doutrinas (1Rs 22.21-23; 2Co 11.13,14; 2Ts 2.2; 1Tm 4.1). No entanto, sua liberdade para tentar e testar o homem está sujeita à vontade permissiva de Deus (Jó 1.12; 2.6).

Embora eles ainda tenham a sua habilitação no céu e, às vezes, tenham acesso ao próprio trono de Deus (Jó 1.6), serão lançados à terra por Miguel e seus anjos antes da Grande Tribulação (Ap 12.7-9), e finalmente serão lançados no lago de fogo e enxofre ‘preparado para o diabo e seus anjos’ (Mt 25.41).

Os anjos, como seres criados separadamente, não se casam nem se dão em casamento (Mt 22.30; Lc 20.36). Em contraste, os homens são todos participantes da raça humana e descenderam do primeiro casal, Adão e Eva. Deus, portanto, não pode lidar com os anjos através de um representante e, sendo assim, os anjos caídos não podem ser remidos por um comandante federal como o homem (por exemplo, ‘em Adão’ e ‘em Cristo’ Rm 5.12ss.; 1Co 15.22).

Com que base Deus, então, separou os santos anjos (Mt 25.31; Mc 8.38) daqueles que pecaram (2Pe 2.4; cf. Jd 6)? Com base em sua obediência, amor e lealdade a Ele. Aqueles que seguiram a Lúcifer em sua rebelião contra Deus (Is 14.12-17; Ez 28.12-19) desse modo pecaram e caíram. Alguns destes foram colocados em cadeias eternas (Jd 6), mas os outros ainda estão livres e ativos e são chamados demônios. Aqueles anjos que continuaram firmes em amor, lealdade e obediência a Deus foram confirmados em um caráter de justiça. Assim, os anjos podiam pecar ou permanecer puros até serem totalmente testados e confirmados em justiça” (PFEIFFER, Charles F.; VOS, Howard, F. Dicionário Bíblico Wycliffe. 1ª Edição. RJ: CPAD, 2009, p.139).

 

SUBSÍDIOS ENSINADOR CRISTÃO

 

O Homem vestido de linho

 

O capítulo que ora vamos estudar encontra-se numa seção que se destaca dos capítulos sete a nove: a de dez a doze. Estes aparecem como profecia que os remete a uma retrospectiva histórica dos capítulos sete a nove. A seção dos capítulos dez a doze dividi-se basicamente em três partes: introdução longa que descreve a aparição do emissário divino para Daniel (cap. 10); a revelação que envolve a história dos quatro impérios mencionados em profecias anteriores (11.1-12.4); a consumação dos segredos divinos até o tempo do fim (12.5-13).

O capítulo dez retrata o envio de um emissário celestial, conhecido como o homem vestido de linho, que trouxe uma mensagem a Daniel acerca do futuro das nações e do povo de Israel. O profeta Daniel esgotou-se fisicamente diante da realidade espiritual permeada na batalha entre anjos cuja maioria dos estudiosos conservadores diz serem aqueles anjos guardiões das nações que habitavam a região da Palestina e adjacências.

Mais importante é destacar que neste capítulo os anjos aparecem com uma missão específica em relação ao desenrolar da história revelada em visão a Daniel. Os seres espirituais são enviados pela parte de Deus para auxiliar o profeta concernente a interpretação de algo que Daniel buscava compreender. Perceba que em nenhum momento há uma atitude de deslumbramento por parte do profeta com relação aos seres espirituais. Pois o seu desgaste físico tem haver com a dimensão do mundo espiritual que ele viu-se imerso. Por isso, não podemos usar este texto para justificar os movimentos contemporâneos de “cair no espírito”. É um “assalto” hermenêutico utilizar textos como este de Daniel para justificar movimentos que nada tem haver com o desenrolar do futuro das nações onde Deus se predispõe a revelar os mistérios divinos.

Não se pode deixar de apontar também que no nascimento de Jesus de Nazaré esta dimensão celestial foi novamente representada através dos anjos. O anjo Gabriel anunciou o advento do Messias. Na tentação de Jesus, após Ele ser provado e ter vencido as tentações, anjos o serviram. O apóstolo Paulo nos falou que a nossa luta não é contra carne e sangue, mas contra as potestades nas regiões celestiais. Os anjos são reais, o mundo espiritual é real e, por isso, não podem ser banalizados por meninices e falta de bom senso e respeito às coisas de Deus.

 

Lições Bíblicas CPAD

Jovens e Adultos

  

4º Trimestre de 2014

 

-de sites confiáveis, revistas de história e livros que abordem o período considerado interbíblico. Este é um período pouco estudado pelos professores, mas crucial para compreender o momento histórico da invasão em Jerusalém após o retorno do cativeiro e a pessoa de Antíoco Epifânio como a figura do futuro Anticristo. Boa aula!

 

COMENTÁRIO

 

INTRODUÇÃO

 

Palavra Chave

Anticristo: Falso Cristo; falso profeta.

 

No capítulo onze, Deus revela a Daniel eventos proféticos que se cumpriram no período interbíblico, ou seja, o período entre o Antigo e o Novo Testamentos. Nesta revelação profética destaca-se o personagem histórico que estudaremos nesta lição, Antíoco Epifânio. Esse personagem prefigura o Anticristo revelado em o Novo Testamento (Mt 24.15; 2Ts 2.3-12).

 

I. PREDIÇÕES PROFÉTICAS CUMPRIDAS COM EXATIDÃO (11.2-20)

 

Essas profecias reveladas a Daniel cumpriram-se fielmente por uns 500 anos até o período interbíblico, que vai do fim de Malaquias ao início de Mateus.

1. A revelação sobre o fim do Império Medo-Persa (11.2). Aparece no versículo primeiro o nome do rei “Dario, o medo” que é o mesmo de Daniel 5.31. A história bíblica diz que Ciro constituiu a Dario como rei. No capítulo onze é revelado a Daniel uma sucessão de reis que vai de Ciro até o desmoronamento do reino de Alexandre. Foi revelado a Daniel que o rei valente (v.3), Alexandre, se levantaria e dominaria muitos reinos, todavia o Senhor mostrou também que embora imponente, o reino de Alexandre seria partido aos quatro ventos do céu (v.4). Os reinos deste mundo, por mais importantes que sejam, são todos passageiros. Somente o Reino de Deus é eterno.

A história apresenta diferentes datas quanto a estes reis, mas isso não afeta o cumprimento, com exatidão, dos fatos proféticos do capítulo onze.

2. Um rei valente (11.3). O rei valente que seria levantado era Alexandre Magno. A importância dessa profecia está no fato de que é Deus que dirige a história para que sua soberana vontade seja exercida especialmente em relação a Israel.

Até o versículo 35 a profecia de Daniel se concentra em revelar os reinos gentílicos. Depois, o foco principal passa a ser o povo de Deus e seus sofrimentos.

Os reis do Sul descritos no versículo cinco eram os Ptolomeus, sucessores de Ptolomeu Soter, general de Alexandre. E os reis do Norte (v.6) eram os Selêucidas, sucessores de Seleuco I, que governou parte da Ásia Menor e Síria.

3. A divisão do reino entre quatro generais (11.4-20). Afirma o versículo quatro que “estando ele em pé, o seu reino será quebrado”. Alexandre morreu na Babilônia aos 33 anos de idade. O seu reino, como havia sido revelado pelo Senhor, “foi repartido para os quatro ventos do céu” (v.4). Alexandre não teve um sucessor e seu reino foi dividido entre os seus quatro generais: Cassandro, Lisímaco, Seleuco e Ptolomeu. Ainda que os historiadores neguem a questão da soberania de Deus no destino das nações, não podemos duvidar que Ele permite que reinos sejam estabelecidos e destruídos. “Os quatro ventos do céu” (v.4) lembra a profecia sobre a figura das quatro cabeças do leopardo alado (7.6) e a visão do bode com quatro chifres notáveis (8.8). As figuras são diferentes, mas as representações dessas figuras são as mesmas, porque falam do Império Grego e sua divisão, depois da morte de Alexandre. Cassandro reinou na Macedônia; Lisímaco reinou na Trácia e Ásia Menor; Ptolomeu reinou no Egito e Seleuco reinou sobre a Síria e o restante do Oriente Médio.

Nos versículos 5 a 20, temos uma sucessão de guerras entre esses quatro reis, especialmente entre Egito e Síria, entre os reinos do Norte e do Sul. O rei do Norte, Antíoco Epifânio (entre 175 e 164 a.C.) o qual tornou -se um tipo do Anticristo.

 

 

SINOPSE DO TÓPICO (I)

 

O capítulo onze de Daniel é uma profecia a respeito da queda do império medo-persa, a ascensão do império grego e a sua posterior divisão em quatro partes.

 

 

II. O CARÁTER PERVERSO DE ANTÍOCO EPIFÂNIO (11.21-35)

 

Os quatro generais de Alexandre que se tornaram reis não se contentaram com seus territórios e passaram a lutar entre si. Seleuco IV ocupava o trono da Síria em Antioquia e reinou de 187 a 175 a.C. Ele morreu envenenado e seu filho deveria assumir o trono, mas seu tio Antíoco Epifânio tomou o trono da forma mais ignominiosa e detestável possível. Assumiu o trono sírio e mudou seu título de Antíoco IV para Antíoco Epifânio, isto é, o glorioso.

1. Antíoco Epifânio foi um rei perverso e bestial. Ele chegou ao poder em 175 a.C. e tinha apenas 40 anos de idade. O vocábulo Antíoco significa adversário, e Epifânio significa ilustre, o que é uma contradição. Segundo a história, reinou apenas onze anos, e morreu em 164 a.C. Porém, em seus poucos anos de reinado usou artifícios mentirosos, enganosos e cruéis como ninguém. Antíoco Epifânio não tinha escrúpulo. Sua ascensão ao trono da Síria foi através de intrigas e engano (11.21). Ele derramou muito sangue em guerras. Enriqueceu com os despojos quando lutou contra o Egito (11.25-28). O versículo vinte e um o chama de “homem vil”, porque fingindo amizade e aliança, entrou no Egito e se apoderou do reino de Ptolomeu Filometer.

2. Antíoco Epifânio invadiu Jerusalém (11.28). Antíoco Epifânio, depois de ter entrado no Egito e ter tomado posse do reino de Ptolomeu VI (vv.25,26), resolveu investir contra a Terra Santa, especialmente, Jerusalém. Ele tinha um ódio enorme de Israel. Por isso, partiu para a profanação do Templo e fez cessar os sacrifícios diários (11.30,31). Houve resistência da parte de judeus fieis que não cederam aos abusos de poder e a arrogância desse rei sírio. Ele ordenou o sacrifício de porcos sobre o altar sagrado para profanar o Santuário.

3. Antíoco Epifânio era cruel (vv.31-35). Ao invadir Jerusalém, Antíoco Epifânio desrespeitou valores morais e éticos da sociedade israelita. Estabeleceu regulamentações contra a circuncisão, a observância do sábado e outras práticas dietéticas do povo hebreu. O versículo 31 fala da “abominação desoladora”, quando Epifânio construiu um altar a Zeus, deus grego, sobre o altar dos holocaustos no Templo.

 

 

SINOPSE DO TÓPICO (II)

 

O imperador Antíoco Epifânio era perverso, bestial e cruel. Ele arrasou a cidade de Jerusalém.

 

 

III. ANTÍOCO EPIFÂNIO, TIPO DO ANTICRISTO

 

1. O “ homem vil” que chega ao poder. Até o versículo 35 a história se cumpriu perfeitamente. A partir do versículo 36, os fatos acontecem de modo especial e fala de um rei que agirá segundo a sua própria vontade. Trata-se de um homem que chega ao poder, prospera, cresce em força e, então, investe contra o Deus de Israel. Esse rei, na figura de Antíoco Epifânio, assume o papel de divindade. Essa profecia tem o respaldo do Novo Testamento nas palavras de Paulo, quando diz que “se opõe contra tudo que se chama Deus ou se adora” (2Ts 2.4).

2. O futuro governante mundial no “tempo do fim”. Nos versículos 36 a 45 do capítulo onze está escrito que ele fará conforme sua própria vontade. O versículo quarenta fala do “fim do tempo” apontando para a Grande Tribulação que é a septuagésima semana do texto de Daniel 9.27. Nesse período, os reis do Norte e do Sul se unirão numa coligação de nações na “terra gloriosa” (11.41) para a grande batalha do Armagedom, onde o Anticristo será derrotado na Segunda Vinda de Cristo (Ap 19.11-20).

3. Precisão profética. Como vimos, Antíoco Epifânio é um personagem da história que representa o rei futuro, o Anticristo, que provocará o grande conflito com Israel e fará tudo para destruir a nação, até que venha o Senhor para aniquilar o seu poder.

 

 

SINOPSE DO TÓPICO (III)

 

Antíoco Epifânio assumiu o papel de divindade tal qual o apóstolo Paulo revela acerca do Anticristo: “se opõe contra tudo que se chama Deus ou se adora”.

 

 

CONCLUSÃO

 

A Bíblia declara que o “último dia” não acontecerá sem que primeiro venha a apostasia e seja manifestado “o homem da iniquidade, o filho da perdição” que é o Anticristo (2Ts 2.3). Isto se dará no período da Grande Tribulação, todavia, a Igreja do Senhor não estará mais na Terra e assim não verá o Anticristo.

 

VOCABULÁRIO

 

Ignominiosa: Que provoca horror, vergonha.
Escrúpulo: Consciência dotada de sentido moral; caráter íntegro.
Despojos: O que se toma ao inimigo; presa, espólio.
Profanar: Tratar desrespeitosamente; ofender, afrontar, macular.
Dietética: Relativo a dieta.

 

BIBLIOGRAFIA SUGERIDA

 

LAHAYE, Tim; HINDSON (Ed.). Enciclopédia Popular de Profecia Bíblica. 1ª Edição. RJ: CPAD, 2004.
SILVA, Severino Pedro. Daniel Versículo por Versículo: As visões para estes últimos dias. 13ª Edição. RJ: CPAD, 2005.

 

EXERCÍCIOS

 

1. Quem constituiu a Dario como rei?

R. A história bíblica diz que Ciro constituiu a Dario como rei.

 

2. Qual é a importância da profecia a respeito do Império Grego?

R. A importância dessa profecia está no fato de que é Deus que dirige a história para que sua soberana vontade seja exercida especialmente em relação a Israel.

 

3. Quais eram os quatro generais de Alexandre?

R. Os seus quatro generais eram Cassandro, Lisímaco, Seleuco e Ptolomeu.

 

4. Segundo a lição, qual é o significado do nome Antíoco Epifânio?

R. O vocábulo Antíoco significa adversário, e Epifânio significa ilustre.

 

5. Antíoco Epifânio é um tipo de quem?

R. Um tipo do Anticristo.

 

AUXÍLIO BIBLIOGRÁFICO I

 

Subsídio Teológico

 

“A advertência de nosso Senhor parece sugerir que os falsos messias irão, na verdade, se infiltrar nas fileiras daqueles que fogem. Embora o povo de Deus possa fugir das perseguições do Anticristo, eles não conseguirão escapar dos agentes mentirosos de Satanás, que irão evidentemente segui-los até o esconderijo. Mesmo em seu exílio da ameaça da aniquilação, os refugiados constantemente ouvirão pessoas mentirosas afirmar, ‘Eis que o Cristo está aqui’; ‘Ali’ (v.23).

‘Eis que ele está no deserto!’ Ou, ‘Ele está nas salas interiores!’ Todas estas afirmações serão mentiras, talvez até deliberadamente planejadas para atrair os refugiados para fora do esconderijo. Os crentes são, com antecedência, solenemente instruídos a não darem atenção a elas” (MACARTHUR JR., John. A Segunda Vinda. 1ª Edição. RJ: CPAD, 2013, p.117).

 

AUXÍLIO BIBLIOGRÁFICO II

 

Subsídio Teológico

 

“A Marca da Besta (13.16-18)

O versículo 18 oferece uma pequena lista para se entender o sentido da marca e do nome, ou caráter, da besta. O número 666, no entanto, tem-se tornado mui controvertido, e vem promovendo mais especulações que qualquer outra coisa da Bíblia. Antes da invenção dos números arábicos (0,1,2,3...), os judeus e gregos tinham de escrever os números por extenso. Com o passar do tempo, começaram a substituir as letras do alfabeto pelo nome dos números. Assim, as primeiras dez letras eram usadas para os números de 1 até 10. A letra seguinte designava o 20, a outra 30, e daí por diante.

Vem se constituindo num passatempo popular adicionar letras aos mais diversos nomes para se obter a identidade da besta. Alguns concluem que o Anticristo haja sido Nero César, pois tal nome em caracteres hebraicos soma 666. Contudo, o Apocalipse está no grego, e fala do Alfa e do Ômega, letras do alfabeto grego; e não ‘Alefe’ e ‘Tau’, letras do alfabeto hebraico. Assim há somente especulação ao atribuir-se o número 666 a Nero.

Através da história, vem-se tentando identificar nos ditadores e tiranos. Quando me encontrava em Israel em 1962, um judeu convertido disse-me para prestar atenção no nome de Richard Nixon, pois vertido em hebraico soma exatamente 666. Mais tarde, um irmão da Itália contou-me que a inscrição dedicada ao papa, e que pode ser vista no interior da basílica de São Pedro, em Roma, em algarismos latinos, também soma 666. É digno de nota que alguns escribas antigos substituíssem o número 666, por 6I6, para que se encaixasse com o nome de calígula. A igreja primitiva, unanimemente, rejeitou o artifício.

O Apocalipse, contudo, nada fala sobre a soma de números do nome da besta. A única chave é esta: ‘é o número de um homem’. Expositores da Bíblia interpretam o seis para simbolizar a raça humana. O três para designar a Trindade. A tripla repetição — 666 — pode simplesmente significar que o Anticristo é um homem que crê ser um deus, membro de uma trindade composta pelo Anticristo, Falso Profeta e Satanás (2Ts 2.4; Ap 13.8)” (HORTON, Stanley M. Apocalipse: As coisas que brevemente devem acontecer. 2ª Edição. RJ: CPAD, 2001, p.185).

 

SUBSÍDIOS ENSINADOR CRISTÃO

 

Um tipo do futuro anticristo

 

Antíoco IV Epifânio foi um déspota selêucida cruel, vingativo e opressor. Para a aula do capítulo 11 do livro de Daniel, precisamos conhecer um pouco mais sobre as ações desse rei que procurou “helenizar” a Palestina entre 168-164 a.C.

A história nos conta que a partir das rixas locais em Jerusalém Jasão, por exemplo, tentou se reconduzir ao cargo de Sumo-Sacerdote matando partidários de Menelau Antíoco Epifânio invadiu a Cidade Santa massacrando muitos judeus, saqueando o Templo e reempossando Menelau a função de Sumo-Sacerdote. Note que o Sumo-Sacerdócio há muito havia deixado de ser uma instituição nomeada por Deus. Era uma instituição marcada pela conquista do poder pelo poder. Essa cultura permaneceria assim com o advento do Senhor Jesus. Através dessa cultura de poder o nosso Senhor foi assassinado em plena Palestina.

Anos mais tarde Antíoco Epifânio voltou a atacar a Palestina. Dentre as suas intenções para com aquela região estava não somente o ataque, mas a mudança da mentalidade cultural dos judeus, da sua religião e da sua identidade como povo. Veja as seguintes ações de Epifânio:

1.    Forçou a aculturação dos judeus na cultura helênica.

2.    Ordenou uma perseguição amarga e sangrenta aos que resistiram à cultura e à religião helenísticas na Palestina.

3.    Em 167 a.C., erigiu um ídolo consagrado a Zeus e sacrificou porcos sobre o altar no Templo de Jerusalém.

4.    Proclamou-se divino. Seu sobrenome, “Epifânio”, significa “deus manifestado”.

A figura de Antíoco Epifânio representa o ápice do cumprimento da profecia bíblica. Foi um ser cruel e histórico. Entrou no lugar santo o blasfemou. Voltou-se contra o Deus de Israel profanando o altar do Templo. Antíoco Epifânio é uma prova de como uma profecia bíblica cumpri-se na história. Mostra como Deus é atemporal e encontra-se para além da história. De acordo com os estudiosos da linha dispensasionalista, até o versículo trinta e cinco do capítulo onze de Daniel vemos a exata descrição de Antíoco Epifânio.

Pelo caráter traiçoeiro, cruel, astuto e enganador de Antíoco Epifânio é que muitos estudiosos colocam como um tipo do Anticristo de acordo com o Novo Testamento. Estudar a história de um povo para compreendermos o todo de uma profecia é uma tarefa importantíssima.

 

Lições Bíblicas CPAD

Jovens e Adultos

 

 

4º Trimestre de 2014

 

Título: Integridade Moral e Espiritual — O

 

legado do livro de Daniel para a Igreja de hoje

 

Comentarista: Elienai Cabral

 

 

Lição 13: O tempo da profecia de Daniel

 

Data: 28 de Dezembro de 2014

 

TEXTO ÁUREO

 

Ninguém, de maneira alguma, vos engane, porque não será assim sem que antes venha a apostasia e se manifeste o homem do pecado, o filho da perdição” (2Ts 2.3).

 

VERDADE PRÁTICA

 

O tempo do fim é a ocasião em que Deus fará com que o seu Reino triunfe sobre todos os poderes do mal.

 

HINOS SUGERIDOS

 

2, 334, 432.

 

LEITURA DIÁRIA

 

Segunda - Mc 13.22

Os falsos cristos e profetas

 

 

Terça - 2Ts 2.3,4

“O homem da iniquidade”

 

 

Quarta - Ap 13.1-18

A falsa trindade

 

 

Quinta - Dn 9.24-27

A Grande Tribulação

 

 

Sexta - Dn 9.27; 12.7

O controle do tempo do fim está com Deus

 

 

Sábado - 1Ts 4.16-18

O Arrebatamento da Igreja será antes da Tribulação

 

LEITURA BÍBLICA EM CLASSE

 

Daniel 12.1-4,7-9,11-13.

 

1 - E, naquele tempo, se levantará Miguel, o grande príncipe, que se levanta pelos filhos do teu povo, e haverá um tempo de angústia, qual nunca houve, desde que houve nação até àquele tempo; mas, naquele tempo, livrar-se-á o teu povo, todo aquele que se achar escrito no livro.

2 - E muitos dos que dormem no pó da terra ressuscitarão, uns para a vida eterna e outros para vergonha e desprezo eterno.

3 - Os sábios, pois, resplandecerão como o resplendor do firmamento; e os que a muitos ensinam a justiça refulgirão como as estrelas, sempre e eternamente.

4 - E tu, Daniel, fecha estas palavras e sela este livro, até ao fim do tempo; muitos correrão de uma parte para outra, e a ciência se multiplicará.

7 - E ouvi o homem vestido de linho, que estava sobre as águas do rio, quando levantou a sua mão direita e a sua mão esquerda ao céu e jurou, por aquele que vive eternamente, que depois de um tempo, de tempos e metade de um tempo, e quando tiverem acabado de destruir o poder do povo santo, todas essas coisas serão cumpridas.

8 - Eu, pois, ouvi, mas não entendi; por isso, eu disse: Senhor meu, qual será o fim dessas coisas?

9 - E ele disse: Vai, Daniel, porque estas palavras estão fechadas e seladas até ao tempo do fim.

11 - E, desde o tempo em que o contínuo sacrifício for tirado e posta a abominação desoladora, haverá mil duzentos e noventa dias.

12 - Bem-aventurado o que espera e chega até mil trezentos e trinta e cinco dias.

13 - Tu, porém, vai até ao fim; porque repousarás e estarás na tua sorte, no fim dos dias.

 

INTERAÇÃO

 

“Ressurreição dos mortos”, “castigo eterno dos ímpios”, “estado eterno de justiça”, você crê nestas promessas? A pergunta faz sentido quando temos a consciência de estarmos vivendo um período materialista e consumista. Uma das maiores dificuldades dos discípulos de Jesus foi a de entender que o Reino de Deus não era deste mundo. Não por acaso, quando Jesus partiu para ser crucificado seus discípulos o abandonaram. Eles não suportaram a decepção de ver o representante “do reino de Israel” morrer sem estabelecê-lo na Terra. Que risco não entender a mensagem de Jesus! Os discípulos só a compreenderiam depois de caminhar três anos com Ele e após a Sua ressurreição.

 

OBJETIVOS

 

Após esta aula, o aluno deverá estar apto a:

  • Compreender o tempo do cumprimento da profecia entregue a Daniel.
  • Explicar a doutrina da ressurreição do corpo na Bíblia.
  • Reconhecer a nossa limitação e finitude como seres humanos.

 

ORIENTAÇÃO PEDAGÓGICA

 

A doutrina da ressurreição de Jesus e do corpo é o fundamento da fé cristã e da esperança da Igreja. Ao iniciar o segundo tópico da aula, leia os seguintes textos bíblicos: Jó 19.25-27; Sl 16.9,10; 17.15; Dn 12.1-3; Mt 22.23-32; Jo 6.39,40,44 e 54; At 17.18; 24.15; 1Co 15.17,22; 2Tm 2.18. Destaque alguns deles juntamente com os seus alunos. Em seguida, reconheça que muitos crentes têm dificuldades de entender a ideia da ressurreição do corpo no Antigo Testamento. Mas, por intermédio dos textos destacados, afirme que tanto no Antigo quanto em o Novo Testamento, a Bíblia confirma a realidade da ressurreição do nosso corpo. E a prova disso é a de que Jesus ressuscitou dentre os mortos. Esta é a nossa esperança!

 

COMENTÁRIO

 

INTRODUÇÃO

 

Palavra Chave

Ressurreição: Ato ou efeito de ressurgir ou ressuscitar; retorno da morte à vida.

 

Chegamos ao fim de mais um trimestre e bem como ao de mais um ano. Os meus votos são de que ao longo deste trimestre você tenha crescido no conhecimento e na graça de nosso Senhor! Que a esperança da iminente volta de Jesus possa inflamar o seu coração!

Na lição desta semana estudaremos o capítulo 12 do livro de Daniel. Nele, não encontramos nenhum aspecto profético em relação às histórias das nações, como encontramos até o capítulo 11.35, excetuando Daniel 9.27. Mas veremos os seguintes temas mencionados no último capítulo de Daniel: O tempo da profecia, a ressurreição dos mortos, a recompensa dos justos e o castigo eterno dos ímpios. Bons estudos!

 

I. O TEMPO DA PROFECIA (Dn 12.1)

 

1. Qual é o tempo? (v.1). A expressão “naquele tempo” se refere ao período da Grande Tribulação. Quando o Anticristo liderará o mundo política e belicamente. Será um período de brutal e sangrenta perseguição contra os judeus e tantos quantos estiverem a favor de Israel (Dn 11.35,40).

Em suas terras, o povo judeu sofreu muitas invasões de inimigos. Porém, nem as piores incursões contra Israel, como as da Babilônia e os horrores do holocausto nos dias de Hitler (1939-1945), podem se comparar com o “tempo de angústia, qual nunca houve, desde que houve nação até àquele tempo” (v.1). A proporção deste conflito ultrapassará qualquer outro momento da história da civilização (Mt 24.21,22; cf. Jr 30.5-7).

2. A libertação de Israel. No livro de Daniel, o arcanjo Miguel, príncipe de Deus, entrou em batalha contra as forças do mal a fim de que o anjo Gabriel levasse a mensagem ao profeta. Miguel é o guardião de Israel contra as potestades satânicas, identificadas como “reis e príncipes da Pérsia e da Grécia”. Estes criavam obstáculos aos desígnios divinos.

No capítulo doze, para proteger o povo de Deus, Miguel entrou mais uma vez em batalha contra as forças opositoras de Satanás. Aqui, há uma relação escatológica com a passagem de Apocalipse 12.7-9, isto é, a batalha de Miguel com o Dragão e os seus anjos. Segundo a visão do apóstolo João, no meio desta batalha havia uma mulher vestida com o sol, a lua sob os pés e uma coroa de doze estrelas na cabeça (Ap 12.1). Esta visão não é a respeito da Igreja, mas de Israel, que receberá de Deus uma intervenção através do arcanjo Miguel (Ap 12.7,8).

3. Os anjos no mundo hoje. O mundo espiritual é real e muitas vezes não o percebemos. Os anjos são espíritos ministradores em favor não só da nação de Israel, mas especialmente da Igreja de Cristo. Eles não recebem adoração de homens e nem podem interferir na vida espiritual dos filhos de Deus sem a expressa ordem do Pai. Portanto, não sejamos meninos nem infantis neste assunto (Cl 2.18; Gl 1.8). Os anjos de Deus terão uma participação especial antes e após o arrebatamento da Igreja e nas circunstâncias que envolverão Israel e o resto do mundo na Grande Tribulação (1Ts 4.13-17; Ap 12.1-9).

 

 

SINOPSE DO TÓPICO (I)

 

O capítulo doze de Daniel mostra dois mundos: o material (libertação de Israel) e o espiritual (atuação dos anjos). Deus intervindo na criação.

 

 

II. RESSURREIÇÃO E VIDA ETERNA (Dn 12.2-4)

 

1. Ressurreição. Quando lemos o Antigo Testamento temos a impressão de não vermos a doutrina da ressurreição dos mortos com clareza, principalmente nos livros da Lei, o Pentateuco. Entretanto, aqui, Daniel não nos deixa dúvidas quanto à veracidade desta gloriosa doutrina: “E muitos dos que dormem no pó da terra ressuscitarão, uns para a vida eterna e outros para vergonha e desprezo eterno” (v.2).

2. As duas ressurreições. O texto de Daniel, versículo 1, nos informa um livro onde constam os nomes dos santos a ressuscitar para a vida eterna e dos ímpios para a vergonha e o desprezo eterno. Entretanto, o versículo 2 não se refere a uma ressurreição geral, isto é, de todos os que já dormem. O texto diz apenas “muitos dos que dormem”. Esta expressão pode se referir aos “mártires da grande tribulação que ressuscitarão” (Ap 7.14,15). O texto sugere também o advento das duas ressurreições conforme vemos no Apocalipse (20.12,13). A primeira ressurreição refere-se aos justos e a segunda, após o Milênio, aos ímpios (Jo 5.29; Mt 25.46; cf. Dn 12.2; Jo 5.28,29; 1Co 15.51,52).

3. “A ciência se multiplicará” (v.4). Muitos pensam que esta expressão é uma profecia sobre os avanços do conhecimento científico e da tecnologia. Todavia, precisamos compreender a completude desse versículo. Estamos diante de um texto que menciona uma ordem expressa de Deus para Daniel: guardar a revelação até o tempo do seu cabal cumprimento. O Senhor ainda diz a Daniel que “muitos correrão de uma parte para outra”, em busca da verdade. Entretanto, “a ciência se multiplicará”.

O sentido da palavra “ciência”, no texto de Daniel, tem a ver com o saber das coisas, “ser ou estar informado” ou “ter conhecimentos específicos sobre algo”. Por isso, a multiplicação da ciência refere-se ao aumento do conhecimento sobre o conteúdo expresso da profecia de Daniel, não tendo relação alguma com o avanço da ciência formal.

Louvado seja Deus! pelos muitos estudiosos que vêm se debruçando sobre estas profecias. Compreendendo o seu contexto histórico e cultural, evitando falsos alardes e preservando a gloriosa esperança de que a profecia de Daniel um dia se cumprirá fielmente: Veremos o advento da plenitude do Reino de Deus no mundo!

 

 

SINOPSE DO TÓPICO (II)

 

Os justos e os injustos que foram mortos serão ressuscitados para estar diante do Senhor.

 

 

III. A PROFECIA FOI SELADA (Dn 12.8-11)

 

1. A profecia está selada. Daniel recebeu a ordem de “fechar” e “selar” o livro da profecia sobre a história do mundo (v.4). O ato de selar o livro, à época do profeta Daniel, dava a garantia da veracidade ao que havia sido lhe revelado. Não tinha mais segredos e nada mais estava escondido que Deus não houvesse trazido à luz. O selo do livro assegurava que a revelação era dada por Deus.

A profecia quando dada pelo Senhor, como no livro de Daniel e de todos os santos profetas, não é uma palavra impenetrável, fechada ou restrita a poucas pessoas que se acham “capazes”. Não! A palavra de Deus é a revelação divina para todos os homens. Não foi somente para a nação de Israel, mas a todos quantos temerem a Deus e porfiarem por compreender os desígnios do Senhor para o mundo.

2. O “tempo do Fim”. “Qual será o fim dessas coisas?” Foi a pergunta de Daniel. Note a resposta do homem vestido de linho ao profeta: “Vai, Daniel, porque estas palavras estão fechadas e seladas até ao tempo do fim” (v.9). O profeta foi orientado pelo homem vestido de linho a prosseguir a sua peregrinação existencial porque a profecia já fora “fechada” e “selada”. E Daniel tinha de viver a vida sem a informação requerida.

3. Humildade e finitude. Uma declaração de Daniel chama-nos atenção: “Eu, pois, ouvi, mas não entendi” (v.8). Após o homem vestido de linho afirmar que depois “de tempos e metade de um tempo” e “quando tiverem acabado de destruir o poder do povo santo” virá o fim; Daniel o ouviu, mas não o compreendeu! O profeta havia recebido a visão de Deus, todavia, não a entenderia. Aqui, Daniel demonstrou a sua humildade e reconheceu a sua finitude! Não devemos sentir-nos inferiores a outras pessoas quando não entendermos um assunto bíblico. O que não devemos é inventar teorias que contrariam as Escrituras. E para isso é preciso entender o que a Bíblia diz.

As palavras de Daniel são uma grande advertência para quem lida com as profecias e a interpretação da Bíblia em geral. Atentemos para as palavras de Jesus quando foi indagado pelos discípulos a respeito da restauração do reino a Israel: “Não vos pertence saber os tempos ou as estações que o Pai estabeleceu pelo seu próprio poder” (At 1.7).

 

 

SINOPSE DO TÓPICO (III)

 

A profecia está selada. Devemos reconhecer a nossa limitação e finitude quanto àquilo que não sabemos.

 

 

CONCLUSÃO

 

Neste trimestre estudamos o livro de Daniel. Vimos como a soberania de Deus age na história. Aprendemos sobre a importância de mantermos um caráter íntegro na presença de Deus e diante dos homens. Vivendo à luz da esperança do arrebatamento da Igreja, é urgente vigiar, orar e dedicar-nos ao estudo da Palavra de Deus.

Jesus Cristo voltará! Esta era a esperança dos apóstolos e da Igreja Primitiva. E igualmente era a esperança de muitos cristãos até o século IV. Mas por muitos anos, parte da Igreja se descuidou a respeito desta esperança. Contudo, com o advento da Reforma Protestante, a esperança quanto à vinda de Jesus foi renovada na Igreja. Com o Movimento Pentecostal Clássico deu-se a explosão dessa mensagem. Em nosso país, qual o pentecostal que não conhece a célebre frase: “Jesus Cristo salva, cura, batiza com o Espírito Santo e breve voltará”? Maranata! Ora vem Senhor Jesus!

 

VOCABULÁRIO

 

Belicamente: Concernente à guerra ou ao belicismo; belicoso.

 

BIBLIOGRAFIA SUGERIDA

 

GILBERTO, Antônio. Daniel & Apocalipse. RJ: CPAD, 2006.
MACARTHUR JR., John. A Segunda Vinda. 1ª Edição. RJ: CPAD, 2013.
HORTON, Stanley M. Apocalipse: As coisas que brevemente devem acontecer. 2ª Edição. RJ: CPAD, 2001.

 

EXERCÍCIOS

 

1. Segundo a lição, qual é o significado da expressão “naquele tempo”?

R. A expressão “naquele tempo” se refere ao período da Grande Tribulação.

 

2. Quem são e como agem os anjos hoje?

R. Os anjos são espíritos ministradores em favor não só da nação de Israel, mas especialmente da Igreja de Cristo.

 

3. Cite o versículo que deixa clara a doutrina da ressurreição dos mortos no Antigo Testamento.

R. “E muitos dos que dormem no pó da terra ressuscitarão, uns para a vida eterna e outros para vergonha e desprezo eterno” (Dn 12.2).

 

4. Explique a expressão “a ciência se multiplicará”.

R. A multiplicação da ciência refere-se ao aumento do conhecimento sobre o conteúdo expresso da profecia de Daniel, não tendo relação alguma com o avanço da ciência formal.

 

5. Com as sua palavras comente a resposta de Daniel: “Eu, pois, ouvi, mas não entendi”.

R. Daniel demonstrou a sua humildade e reconheceu a sua finitude! Não devemos sentir-nos inferiores a outras pessoas quando não entendermos um assunto bíblico. O que não devemos é inventar teorias que contrariam as Escrituras.

 

AUXÍLIO BIBLIOGRÁFICO

 

Subsídio Teológico

 

“E muitos dos que dormem no pó da terra ressuscitarão (2). Essa é a revelação mais clara da doutrina da ressurreição no Antigo Testamento. Ela nos lembra que é Cristo que ‘trouxe à luz a vida e a incorrupção’ (2Tm 1.10). Alguns intérpretes acreditam que a ressurreição mencionada aqui é uma ressurreição parcial relacionada somente aos judeus que morreram na tribulação. Calvino insiste em que esse estreitamento do escopo é injustificável. Para ele, esse texto ressalta o aspecto do mal e do bem, ou seja, alguns serão separados para a vida eterna e outros para a vergonha e condenação eterna. Ele entende que a palavra muitos significa ‘os muitos’ ou ‘todos’ e que aqui se tem em mente a ressurreição geral” (PRICE, Ross; GRAY, C. Paul (et al). Comentário Bíblico Beacon: Isaías a Daniel. 1ª Edição. Volume 4. RJ: CPAD, 2005, pp.543-44).

 

SUBSÍDIOS ENSINADOR CRISTÃO

 

O tempo da profecia de Daniel

 

Prezado professor, a décima terceira lição marca o final de mais um trimestre. E neste caso, o final de mais um ano. Época de avaliarmos o nosso ano educativo como educadores cristãos. Como se deu o ensino? Os objetivos propostos foram alcançados? O que os alunos acharam dos métodos pedagógicos usados? São perguntas que valem a pena ser feitas. Então o professor poderá fazer uma avaliação honesta e sincera, consigo mesmo.

Como estamos na última lição é importante o prezado professor fazer uma revisão do conteúdo aplicado ao longo deste quarto trimestre. Em seu plano de aula para ministrar a décima terceira lição, destaque os assuntos considerados mais importantes. Aqui, você poderá relembrar a condição de cativos do profeta Daniel e dos seus amigos; o sonho de Nabucodonozor; a estátua que o rei da Babilônia erigiu etc. Enfim, assuntos não faltam.

O livro de Daniel encerra descrevendo um tempo de angústia, sofrimento, engano, genocídios e atrocidades perpetradas por ímpios que não conhecem a Deus e não respeitam a dignidade humana. Mas em meio a esse tempo de angústia há promessa de intervenção divina na história (12.10).

Três versículos devem nos chamar atenção: “E tu, Daniel, fecha estas palavras e sela este livro, até ao fim do tempo” (v.4); “Vai, Daniel, porque estas palavras estão fechadas e seladas até ao tempo do fim” (v.9); “Tu, porém, vai até ao fim; porque repousarás e estarás na tua sorte, no fim dos dias” (v.12). Estes versículos demonstram o conselho de Deus para o profeta Daniel. Diante da visão que ele recebera era natural o profeta ter uma atitude de medo acerca do futuro. Mas a palavra de Deus encorajou o profeta, que por certo estava no final da vida, a “ir” até ao fim da existência vivendo em confiança em Deus.

A Escatologia Bíblica não pode paralisar a vida. Quando as profecias concernentes ao futuro foram escritas, Deus inspirou os autores com o objetivo de nos trazer esperança. A escatologia não pode fazer terrorismo às pessoas. Quando João recebe a revelação mediante Jesus triunfante, era para lembrar as igrejas que, apesar do mal aparente, o Senhor nosso Deus é o dono da história e nunca será pego de surpresa. A vida é dom de Deus! Por isso, temos de vivê-la alegremente. Enquanto o nosso Senhor não vem, vivamos a vida com fé, amor (amando a Deus e o próximo) e esperança no aparecimento glorioso do Senhor e Salvador Jesus Cristo!

fonte  www.avivamentonosul21.comunidades.net