Translate this Page

Rating: 3.0/5 (907 votos)



ONLINE
1




Partilhe este Site...

 

 

<

Flag Counter


o antigo testamento
o antigo testamento

                                                 ANTIGO TESTAMENTO                                               

                             

( r | παλαία διαθήκη , Fetus Testamentum ) é a designação popular dos livros da Bíblia hebraica, em distinção do "Novo Testamento", ou Escrituras Cristãs, que foi emprestado do título na Septuaginta e Vulgata Latina..

I. história do texto.

- Sob essa cabeça, consideraremos apenas as etapas sucessivas por que o texto parece ter atingido a sua forma e condição atual de acordo com a melhor luz que a crítica moderna tem jogado sobre o assunto. Para as subdivisões em livros, etc,); para o conteúdo, ver os vários livros e para os princípios hermenêuticos aplicados em diferentes idades,. As citações aparentes ou reais de uma parte da OT em outra, e no NT, será discutido sob a cabeça de citações.

1 . Período Ante-Rabínico –

 A história do texto do AT deve iniciar corretamente a partir da data da conclusão da Canon; a partir do qual o tempo devemos assumir que há adições a qualquer parte dele pode ser legitimamente feita, o único objeto de quem transmitida e vigiado sendo desde então para preservar o que já foi escrito. Do cuidado, no entanto, com o qual o texto foi transmitido, temos de julgar, quase inteiramente, pelos fenômenos que ela e as versões derivadas dela agora presente, e não por quaisquer fatos registrados com relação a ele.

 Que as dores muito escrupulosos seria agraciado por Esdras, o "escriba hábil na lei de Moisés", e por seus companheiros, na transmissão correcta dessas Escrituras que passaram por suas mãos é realmente antecedentemente provável. A melhor evidência de tais dores, e do respeito com que o texto dos livros sagrados foi, portanto, considerado, encontra-se na precisão ciumento com que as discrepâncias de várias passagens paralelas foram preservados, apesar da tentação que deve ter existido para assimilar los uns aos outros. Tal é o caso com Salmos xiv e LIII, duas versões do mesmo hino, ambos procedentes de David, onde as razões das diversas variações podem no exame ser rastreado.

Esse também é o caso de Salmos 18 e 2 Samuel 22, onde as variações entre as duas cópias são mais de sessenta em número, com exclusão dos que simplesmente consistir na utilização ou não do matres lectionis; e onde. Portanto, mesmo que o projeto de todas as variações não ser percebido, a hipótese de terem originado por acidente implicaria um descuido na transcrição muito além do que até mesmo os críticos rashest tem em outros lugares contemplados.

Quanto à forma em que os escritos sagrados foram preservados, não pode haver dúvida de que o texto foi escrito normalmente em peles, enrolado em volumes, como os modernos rolos sinagoga ( Salmos 40: 7 ; Jeremias 36:14 ; Zacarias 5: 1 ; Ezequiel 2: 9 ). Josefo relata que a cópia enviada de Jerusalém como um presente de Ptolomeu no Egito foi escrito com letras de ouro sobre peles de magreza admirável, as articulações do que não pode ser detectado ( Ant. 12: 2,11).

O personagem original em que o texto foi expressa é que ainda preservada para nós, com exceção de quatro letras, nas moedas Maccabeaan, e ter uma forte afinidade com o personagem Samaritano, que parece ter sido tratados pelos judeus posteriores como idênticos com ele, sendo denominado por elesכתב עברי . Em que data este foi trocado para o presente aramaico ou personagem quadrado, כתבאשורית , ou כתב מרבע , é-ainda não determinada, pois é em que data o uso do idioma aramaico da Palestina substituiu a do hebraico.

A antiga tradição judaica, repetido por Orígenes e Jerônimo, atribuiu a mudança à Ezra. Mas as moedas Maccabeean nos fornecer uma data em que o personagem mais velho ainda estava em uso; e mesmo que nós devemos permitir que tanto pode ter sido usado simultaneamente, a um para sagrado, a outra para fins mais comuns, dificilmente podemos supor que eles existiram lado a lado por um período prolongado. Hassencamp e Genésio estão em desacordo quanto a se tais erros da Septuaginta, surgido de uma confusão de letras do texto original são a favor de que os intérpretes gregos terem tido o mais velho ou o caráter mais moderno diante deles. É suficientemente claro que o uso da escrita quadrado deve ter sido bem estabelecido antes do tempo desses autores que atribuíram a introdução dela para Ezra.

 Nem poderia, em alusão ao Mateus 5:18para o yod como a menor carta muito bem ter sido feita, exceto em referência ao personagem mais moderno. Nós deixai aqui toda a investigação da maneira em que este personagem foi formada, ou do local exacto onde foi derivada. As modificações que podem ter sofrido nas mãos dos escribas judeus, foi em primeira instância introduzida a partir do estrangeiro; e este o seu nome, אשורית כתב , ou seja, a escrita assíria, implica, embora possa geograficamente necessitam de ser interpretados com alguma latitude. (A sugestão de Hupfeld que אשורית pode ser um apelativo, denotando não assírio, mas firme,a escrita, é improvável.)

Em geral, podemos melhor supor, com Ewald, que a adoção do novo personagem foi coevo com a ascensão do os primeiros Targuns, que seria naturalmente escritas no estilo aramaico. Seria, assim, ele logo anterior ao aera cristão; e com esta data todas as provas seriam bem conceder. Ele pode estar certo, no entanto, de mencionar que, embora nos últimos anos Keil tem se esforçado de novo a jogar para trás a introdução da praça escrevendo para o tempo de Esdras, Bleek também, embora não seja geralmente imbuídos dos pontos de vista conservadores de Keil, mantém não só que o uso da praça para escrever os livros sagrados devido à sua origem Ezra, mas também que os livros do AT nunca foram expressas em qualquer outro personagem. .

Não há pontos de vogal foram anexados ao texto: eles eram, por todo o período inicial da sua história, inteiramente desconhecido. Conveniência tinha, de fato, no momento em que os livros do AT foram escritos, sugere um uso maior dos lectionis matres: é assim que nesses livros encontramos os apresentou em muitas palavras que haviam sido escrito sem eles: קודש leva o lugar de דויד קדש deדוד . Um esforço elaborado tem sido feito recentemente pelo Dr. parede para provar que até o início do século 2d dos soros Christian texto hebraico estava livre de vogais cartas, bem como de vogais. Sua teoria é que eles foram, então, interpolado pelos judeus, com vista a alterar, em vez de perpetuar o antigo pronúncia das palavras: o seu ser objecto, de acordo com ele, para perverter, assim, o sentido das profecias, como também para lançar descrédito sobre a Septuaginta, e, assim, enfraquecer ou fugir da força dos argumentos elaborados a partir dessa versão, em apoio das doutrinas cristãs. Improvável como tal teoria é que é ainda mais surpreendente que o seu autor não deveria ter sido impedido de processar ele pelas acusações palpáveis ​​para ele que ele mesmo discernidos.

Quem pode acreditar, com ele, de que os samaritanos, não obstante o ódio mútuo existente entre eles e os judeus, emprestado a interpolação dos judeus, e conspirou com eles para manter isso em segredo? ou que, entre outras palavras, para que por esta interpolação os judeus se aventurou a dar um novo som foram alguns dos nomes próprios mais conhecidos; por exemplo, Isaías, Jeremias? ou que era apenas através de um erro que em Gênesis 1:24 o substantivo חיה em seu estado de construção adquiriu sua última י ,quando a mesma anomalia ocorre em pelo menos três passagens dos Salmos? Tais pontos de vista e argumentos refutam a si mesmas; e enquanto a alta posição ocupada pelo seu autor elogia seu livro para perceber, que só pode ser lamentou que a indústria, a aprendizagem, e engenhosidade deveria ter sido tão mal gasto na vã tentativa de dar substância à sombra. .

Não há razão para pensar que no texto do Antigo Testamento, como originalmente escrito, as palavras eram, em geral, embora não de maneira uniforme, dividida. Das inscrições fenícias, embora a maioria continue continuamente, alguns têm um ponto 'depois de cada palavra, exceto quando as palavras estão intimamente ligados. O mesmo ponto é usado nos manuscritos Samaritano; e é observado por Genésio (uma alta autoridade no que se refere ao Pentateuco Samaritano) que o samaritano e divisões judaicas as palavras geralmente coincidem.

A discrepância entre o texto hebraico e da Septuaginta, a este respeito é suficientemente explicado pela circunstância de que os escribas judeus não separavam as palavras que estavam intimamente ligados: é, no caso de tal forma que a discrepância é encontrada quase que exclusivamente. A prática de separar as palavras por espaços em vez de pontos, provavelmente, veio com a escrita quadrado. Nos rolos sinagoga, que são escritos de acordo com as regras antigas, as palavras são regularmente divididos uns dos outros; e na verdade o Talmud minuciosamente prescreve o espaço que deve ser deixado (Gesenius, Gesch. der Heb. Sprache, § 45).

De antiga data, provavelmente, também são as separações entre o menor parshioth ou seções; se fez, no caso de as divisões mais importantes, pelo início de uma nova linha, ou, no caso de o menos importante. por um espaço vazio no interior da linha.

O uso de letras פ e ס , no entanto, para indicar essas divisões é de origem mais recente: eles não são empregues nos rolos-sinagoga. Estes menor e anterior parshioth, de que há no Pentateuco 669, não deve ser confundida com a maior e mais tarde parshioth, ou Sabbath-aulas, que são mencionadas pela primeira vez no Masorah. O nome parshioth é na Mishná ( Megill. : aplicada às divisões nos profetas, bem como aos do Pentateuco; 4 4) por exemplo, para Isaías 52: 3-5 (com o maior parshioth aqui correspondem a Haphtaroth). Mesmo os salmos são separadas na Gemara também chamado parshioth ( Berach Bab.. fol 9, 2;. 10, 1) Alguma indicação da antiguidade das divisões entre o parshioth pode ser encontrada na circunstância de que a Gemara prende-los a ser (tão antiga quanto Moisés Berach. 12. fol. 2). Da sua idade real, nós sabemos, mas pouco.

Hupfeld descobriu que eles nem sempre coincidem com os capítulos de Jerome. Que eles são, no entanto, mais antiga do que o seu tempo é mostrado pela menção deles na Mishná. Na ausência de prova em contrário, a sua falta de acordo com o Kazin do Pentateuco Samaritano, que são 966 em número, parece indicar que eles tinham uma origem histórica; e é possível que também eles datam do período em que a OT foi transcrita pela primeira vez no caráter quadrado. Nossos capítulos atuais, pode-se observar, a primavera de uma fonte cristã. .

De qualquer divisão lógica, no texto escrito, da prosa da OT em Pesukiin, ou versos, encontramos no Talmud nenhuma menção; e até mesmo nos-rolls sinagogas existentes tal divisão é geralmente ignorado.Embora, portanto, podemos admitir a moeda precoce de uma divisão tão lógico, temos de assumir, com Hupfeld, que era apenas um cumprimento tradicional. Ele tem, de facto, por outro lado, foi argumentado que tais numerações dos versos como os registros do Talmud não poderia muito bem ter sido feito a menos que o texto escrito distinguiu-los.

 Mas, para isso, pode responder por observar que os versos da numeração de que o Talmud fala não poderia ter completamente conformes com as dos tempos modernos, o ex havia no Pentateuco 5888 (ou, como alguns de leitura, 8888); ele contém, mas 5845: o verso média foi calculada como sendo Levítico 13:33 ; com nossos versos presentes é Levítico 8: 5 . Se os versos foram distinguidos no texto escrito na época em que a enumeração talmúdica foi feito, não é facilmente explicável como devem desde ter sido muito alterada: enquanto, foram a divisão lógica meramente tradicional, tradição, naturalmente preservar uma avaliação mais precisa conhecimento dos locais das várias pausas lógico do que da sua importância relativa e, portanto, sem qualquer perturbação da sintaxe, o número de versos computados seria susceptível de aumento contínuo ou diminuição, por separação ou agregação.

 Uma incerteza na divisão versual está agora mesmo indicado pela acentuação de casal e conseqüente vocalização do Decálogo. Nos livros poéticos, o pesukim mencionado no Talmud correspondem às linhas poéticas, não aos nossos versos modernos; e é provável, tanto de algumas expressões de Jerome, e da prática análoga de outras nações, que o texto poético foi escrito stichometrically. Ele ainda é tão escrito em nossos manuscritos nas peças poéticas no Pentateuco e livros históricos; e até mesmo, em geral, em nossos mais antigos manuscritos. Sua desistência parcial pode ser devido, em primeiro lugar, ao desejo de economizar espaço, e, por outro, a diminuição da necessidade de pelo .Introdução dos acentos. .

. 2 . Early Christian Período - Enquanto grande liberdade para lidar com o texto sagrado foi exercido em Samaria e Alexandria, há todas as razões para acreditar que na Palestina o texto foi tanto cuidadosamente preservado e respeitado escrupulosamente.

O orgulho de Josephus (c. Apion. 1, 8) que, através de todas as idades que não tinha quem passou se aventurou a acrescentar ou a tirar, ou para transpor alguma coisa dos escritos sagrados, pode muito bem representar o espírito com que em seu dia de seu próprio país menacted.Nas traduções de Áquila e outros intérpretes gregos, os fragmentos de cujas obras permanecem conosco na Hexapla, temos provas da existência de um texto mas pouco diferente do nosso, assim também nas Targum de Onkelos e Jonathan. Alguns séculos mais tarde, temos, na Hexapla, evidência adicional para o mesmo efeito em transcrições de Orígenes do texto hebraico. E ainda mais importante são as provas do firme estabelecimento do texto, e de sua identidade substancial com o nosso próprio, fornecido pela tradução de Jerônimo, que foi instruído pelos judeus da Palestina, e, principalmente, confiar sua autoridade para conhecimento, não só com o texto propriamente dito, mas também com a vocalização não escrita tradicional da mesma.

Isso nos leva para o meio da idade talmúdica. O aprendizado das escolas que haviam sido formados em Jerusalém sobre o tempo de nosso Salvador por Iillel e Samai foi preservado, após a destruição da cidade, nas academias de Jabné Séforis. Cesarea, e Tiberíades. O grande pilar da literatura judaica desse período foi R. Judá o Santo, a quem é atribuída a compilação, da Mishná, o texto do Talmud, e que morreu cerca de 220 ​​dC Depois de sua morte, cresceu em prestígio a academias judaicas de Sura, Nahardea e Pum-Beditha, sobre o Eufrates.

 A dupla Gemara, ou comentário, foi agora acrescentada ao Mishná, .completing assim o Talmud. The Jerusalem Gemara procedeu dos judeus de Tiberíades, provavelmente, no final do século 4 º: o babilônico das academias, no Eufrates, talvez até o final do 5.Isso, junto com a tarefa de recolher e comentando sobre suas diversas tradições jurídicas, os judeus destas diversas academias precisariam se preocupar com o texto das escrituras sagradas é em todos os sentidos possíveis, e é de fato demonstrado por vários avisos talmúdicos.

É após o período talmúdico que Hupfeld coloca a introdução no texto dos dois pontos grandes (em hebraico סו Š פסוק ,. Soph-versículo ) para marcar o fim de cada verso. Eles são manifestamente de data mais antiga que os acentos, por que eles são, de fato, suplementado (Stud. 1.837 und Krit., P. 857). Coeval, talvez, com o uso do Sof-pasuk é o da lakkeph, ou hífen, para unir as palavras que estão tão intimamente unida a ter apenas um sotaque entre eles. Deve ser mais velha do que as marcas accentual, a presença ou ausência dos quais é determinado por ele. É, sem dúvida, indica a maneira na qual o texto foi tradicionalmente lidos, e, portanto, incorpora autoridade tradicional para o conjunto ou separação de palavras. A evidência interna mostra que este é o caso em passagens como Salmos 45: 5, וענוהאּצדק . Mas o uso do mesmo não pode ser invocado, como muitas vezes nos livros poéticos conflitos com o ritmo; por exemplo, no Salmo 19: 9-10 (. comp Mason e de Bernard Gramática, 2: 187).

3. Período Massorético.

 - Tais modificações do texto uma vez que estes foram os precursores do novo método de lidar com ela que constitui o trabalho dos massoretas. É evidente a partir dos avisos do Talmud que uma série de tradições orais foram gradualmente acumulando respeitando tanto a integridade de passagens específicas do texto em si, e também a maneira pela qual ela era para ser lido.

O momento em comprimento chegou quando se tornou desejável para garantir a permanência de todas essas tradições, comprometendo-os à escrita. O próprio processo de colecioná-los seria acrescentar muito ao seu número; as tradições de várias academias seria acrescentada a um sobre o outro; e com estes seriam gradualmente incorporadas as várias observações críticas dos próprios coletores, e os resultados de suas comparações de diferentes manuscritos. A grande massa heterogênea de tradições e críticas assim compilados e incorporados em formas de escrita que é conhecido como o, מסרה , Masorah, ou seja, a Tradição. Um nome semelhante havia sido aplicado na Mishná à tradição oral antes de ter sido cometida a escrita, onde tinha sido descrito como o hedge ou cerca, סייג da lei ( Pirke Aboth, 3:13).

Buxtorf, em sua Tiberíades, que é dedicado a uma conta do Masorah, seu conteúdo varia de acordo com as três cabeças de observações a respeito dos versos, palavras e letras do texto sagrado.

No que diz respeito aos versos, os massoretas registrou quantos eram, em cada livro, e do verso do meio em cada; também quantos versos começou com particular. letras, ou começou e terminou com a mesma palavra, ou continha um determinado número de palavras e letras, ou palavras específicas de um determinado número de vezes, etc No que diz respeito às palavras, eles gravaram o Keris e Kethibs, onde as palavras eram diferentes para ser lido daqueles contidos no texto, ou onde as palavras eram para ser omitido ou fornecido. Eles observaram que algumas palavras eram para ser encontrado tantas vezes no início, meio ou fim de um verso, ou com uma construção ou significado particular.

Eles observaram também de determinadas palavras, e isso especialmente nos casos em que erros de transcrição eram susceptíveis de surgir, se eram para ser escrito Plene ou com defeito, ou seja, com ou sem as matres lectionis; também a sua vocalização e acentuação, e quantas vezes eles ocorreram de modo vocalizado e acentuado. No que diz respeito às letras, eles computado quantas vezes cada letra do alfabeto ocorreu no AT: eles notaram quinze casos de cartas estigmatizados com os pontos extraordinários: eles comentaram também sobre todas as cartas incomuns, viz. a maiúscula, que variadamente calculado; os minusculs, dos quais eles contados trinta e três anos; o suspensce. em número de quatro; e o inversae, dos quais, sendo a letra em cada caso נ , há oito ou nove.

A compilação do Masorah não conta com a aprovação universal entre os judeus, dos quais alguns lamentou a consequente cessação das tradições orais. Outros condenou o caráter frívolo de muitas de suas observações. A formação do Masorah escrita pode ter estendido a partir da sexta ou sétima do século 10 ou 11. É essencialmente um trabalho incompleto; e os trabalhos dos médicos judeus sobre o texto sagrado pode ter materiais infinitamente decorados para o alargamento das tradições mais antigas, a preservação do que tinha sido o objeto principal em vista. Nem deve ser implicitamente invocada. Seus cálculos do número de letras na Bíblia estão a ser dito longe correta; e suas observações, como é observado por Jacob ben-Chaim, nem sempre concordam com as do Talmud, nem mesmo com o outro; embora nós não temos meios de distinguir entre seu anterior e suas porções posteriores.

O recurso mais valioso da Masorah é, sem dúvida, a sua coleção de Keris. Os primeiros rudimentos desta coleção nos encontrar no Talmud. Daqueles posteriormente recolhido, é provável que muitos foram provenientes da colação de MSS., Outros do julgamento sem suporte dos massoretas próprios.Eles costumam descansar por motivos plausíveis, mas superficiais, originários da vontade de substituir um mais fácil para uma leitura mais difícil; e, para nós, é de pouca importância se fosse um transcritor ou um médico Massorético por quem a substituição foi sugerida pela primeira vez.

 Parece claro que o Keris em todos os casos representam as leituras que os massoretas se aprovados como correta; e não haveria a menor hesitação em sancionar lhes poderíamos supor que eles sempre foram preservados em documentos separados do texto, e que o texto escrito se tivesse permanecido intacto. Com efeito, no entanto, nosso MSS. muitas vezes apresentam o texto com as leituras Keri incorporadas. O número de Keris é, de acordo com Elias Levita, que passou 20 anos no estudo da Masorah, 848; mas a Bíblia contém BOMBERG 1171 a Plantin Bíblia 793. duas listas de um Keristhe exibindo as variações de Bíblias impressas no que diz respeito a eles, o outro distribuindo-os em classes-são dadas no início da Polyglot de Walton, vol. 6.

O Masorah fornece também dezoito casos do que chama סופרים תקון , "Correção dos escribas." A real importância disso é duvidosa; mas a visão recente de Bleek, que se refere a alterações feitas no texto pelos escribas, por causa de alguma coisa lá ofensivo a eles, e que, portanto, a leitura é rejeitado em cada caso, a verdadeira leitura, não é corroborada pela Septuaginta, que em todos os casos, exceto um ( Jó 07:20 ), confirma o presente texto massorético.

Além disso, o Masorah contém certas סבירין , "conjecturas", que ele não elevar à dignidade de Keris, respeitando a verdadeira leitura em passagens difíceis. Assim, em Gênesis 19:23 , por יצא foi conjecturado יצאה , porque a palavra שמש é geralmente feminino.

O Massorá foi inicialmente preservado em livros distintas por si. Um plano de seguida surgiu de transferi-lo para as margens do MSS. da Bíblia. Para este efeito, foram necessárias grandes cortes; e vários transcritores inserido em suas margens apenas o quanto eles tinham espaço para, ou se esforçou para dar-lhe um caráter ornamental, reduzindo-a em formas fantásticas. R. Jacob ben-Chaim, editor da Bíblia BOMBERG, reclama muito da confusão em que tinha caído; eo serviço que, segundo ele prestados em trazê-lo em ordem é honrosamente reconhecido por Buxtorf. Outras melhorias na disposição de que foram feitas pelo próprio Buxtorf em sua Bíblia Rabínica. O Masorah é agora distinguido na magna Masora ea parva Masora, sendo este último um resumo do anterior, incluindo todos os Keris e outras observações resumido e, normalmente, impressos em hebraico Bíblias no. pé da página.

 O Massorá magna, quando acompanha a bíblicos, está disposta, em parte, no lado do texto, contra as passagens para que as suas várias observações referem-se, em parte, no final, em que as sondas são variou na ordem alfabética: é assim dividido em Massorá textualis e os finalis Masora.

O próprio Masorah foi apenas um dos frutos dos trabalhos dos médicos judeus no período massorético.Um trabalho muito mais importante foi o fornecimento do texto com marcas de vogais, pelo qual a pronúncia tradicional do que foi registrado imperecível. Que a inserção dos pontos-vogais hebraicas era pós-talmúdica é mostrado pela ausência no Talmud de todas as referências a eles. Jerome também, na gravação a verdadeira pronúncia de qualquer palavra, fala apenas da maneira em que foi lido; e, ocasionalmente, menciona a ambiguidade resultante da variedade de palavras representadas pelas mesmas letras (Hupfeld;.... Stud und Krit 1830, 549 p quadrados).

 O sistema foi elaborado gradualmente, tendo sido moldado em primeira instância, à imitação da Arábia, que era a própria filha.do sírio. (Então Hupfeld. Ewald afirma que o sistema hebraico foi derivado imediatamente do sírio.) A história da ANID vocalização árabe sírio torna provável que a elaboração do sistema iniciada apenas a partir do sétimo ou oitavo século. As vogais são marcas referidas no Masorah; e como eles são mencionados por R. Judá Chiyug no início do século 11, eles devem ter sido aperfeiçoado antes dessa data. Os rabinos espanhóis dos séculos 11 e 12 não sabia nada sobre sua origem recente. Que o sistema de pontuação com a qual estamos familiarizados foi formado na Palestina é mostrado pela sua diferença em relação ao sistema de assírio ou persa exibido em um dos MSS Oriental. coligidos por Pinner em Odessa.

Contemporânea com a vocalização escrita foi a acentuação do texto. A importação dos acentos era, como Hupfeld mostrou, essencialmente rítmico (Stud und Krit 1837..): Portanto, eles tiveram desde o primeiro tanto uma lógica e um sentido musical. No que diz respeito ao anterior foram chamados טעמים, "sente"; no que diz respeito a este último, נגינות , "tons". Como as vogais marcas, eles são mencionados no Masorah, mas não no Talmud.

As controvérsias do século 16, respeitando a origem tardia das vogais marcas e 'acentos são bem conhecidos. Ambos estão com os judeus os expoentes de autoridade da forma em que o texto é para ser lido.: "Qualquer interpretação", diz Aben-Ezra ", que não está de acordo com a disposição dos acentos, tu não concorda com ele , nem ouvi-la ". Se nos livros de Jó, Salmos e Provérbios os acentos são realizadas por alguns estudiosos judeus para ser posicionados irregularmente (Mason e Bernard Gramática, ii, 235;. Com de Delitzsch no Saltério, vol ii.), A explicação mais provável é que nesses livros o ritmo da poesia tem proporcionado os meios de testar o valor da acentuação e, por conseguinte divulgado suas imperfeições ocasionais. Fazer provisão para estes, devemos ainda no todo admirar a exatidão maravilhosa na Bíblia hebraica, tanto da vocalização e acentuação.

 As dificuldades que, tanto ocasionalmente presente, e que uma crítica superficial que, substituindo-os, por isso, facilmente remover, fornecem a melhor evidência de que ambos encarnam fielmente, não os julgamentos privados dos punetuators, mas as tradições que tinham descido ton-los da anterior gerações.

Além das evidências de várias leituras contidas no Keris do Masorah, temos duas listas de leituras diferentes pretendendo ou presumido ser as adotadas pelos palestinos e judeus babilônicos respectivamente. Ambos são dados em Walton Polyglot, vol. 7 A primeira dessas recensões foi impresso por R. Jacob ben-Chavim na Bíblia BOMBERG editado por ele, sem qualquer menção da fonte de onde ele havia obtido isso. As diferentes leituras são 216 no número: todos se relacionam com as consoantes, com exceção de dois, que se relacionam com o Mappik no ה . Eles são geralmente de pouca importância: muitas das diferenças são ortográfica, muitos idênticos aos indicados pelo Keris e Kethibs.

 A lista não se estende ao Pentateuco. É suposto ser antigo, mas pós-talmúdica. A outra recensão é o resultado de um agrupamento de MSS. feito no século 11 por dois judeus, R. Aaron ben-Asher, um palestino, e R. Jacob ben-Naftali, um babilônico. As diferenças, 864 em número, se relacionam com as vogais, os acentos, a Makkeph, e em um caso ( Cantares de Salomão 8: 6 ) para a divisão de uma palavra em duas. A lista ajuda a fornecer evidências da data em que a pontuação e acentuação do texto deve ter sido concluído. As leituras do nosso MSS. comumente conferir com os de Ben-Asher.

É possível que até mesmo as academias judaicas separados podem em alguns casos, tiveram seus próprios textos "distintivas padrão. Traços de pequenas variações entre os padrões das duas academias babilônicas de Sura e Nahardea são mencionados por De Rossi (Proleg. § 35).

A partir do final, no entanto, o período massorético em diante, o Masorah se tornou o grande autoridade pela qual o texto dado em todo o MSS judaica. foi resolvido. Assim, pode-se dizer que toda a nossa MSS. são Massorético: os de data mais antiga ou eram sofreu a perecer, ou, como alguns pensam, foram intencionalmente consignado a destruição como incorreta. Várias cópias padrão são mencionados pelos judeus, por que, nas transcrições seguintes, sua MSS. foram testados e corrigidos, mas dos quais nenhum é agora conhecido. Tais eram o Codex Hillel em Espanha; o Codex Egyptius, ou Hierosolymitanus, de Ben-Asher; eo Codex Babylonius de Ben-Naftali. Do Pentateuco havia o Codex Sinaiticus, de que a autoridade manteve-se elevada no que diz respeito à sua acentuação; eo Codex Hierichuntinus, que foi avaliado em relação à sua utilização dos lectionis companheiros; também o Codex Ezra, ou Azarah, em Toledo, resgatados do Príncipe Negro para uma grande soma em sua tomada da cidade em 1367, mas destruído em um cerco subseqüente (Scott Porter, Princ. de texto. Crit. p. 74) .

 

FONTE Cyclopedia of Biblical, Theological e Literatura Eclesiástica 1870