Translate this Page

Rating: 3.0/5 (905 votos)



ONLINE
3




Partilhe este Site...

 

 

<

Flag Counter


o que é uma testemunha de Jesus ? (conceito)
o que é uma testemunha de Jesus ? (conceito)

                 O QUE É UMA TESTEMUNHA DE JESUS? CONCEITO                 

  

O conceito bíblico de testemunho ou testemunha está intimamente ligada com o sentido legal do Antigo Testamento convencional de testemunho dado em um tribunal de direito. Linguisticamente, o termo bíblico principalmente deriva do hebraico Yaad, ud , Aná [אָנָה gregas] e marturein [ μαρτυρέω ] grupos de palavras; conceitualmente, é amplamente influencia os padrões de pensamento, reivindicações de verdade, e teologia de quase toda a Escritura. 

Sua validade consiste em certificáveis, fatos objetivos. Em ambos os Testamentos, ele aparece como o padrão primário para estabelecer e testar reivindicações de verdade. Reivindicações certificáveis ​​subjetivas, opiniões e crenças, ao contrário, aparece na Escritura como testemunho inadmissível. Mesmo o depoimento de uma testemunha é testemunho para ser aceitável, deve ser estabelecido por duas ou três testemunhas (para insuficiente- Deuteronômio 19:15 ). 

Assim, dentro Escritura existe um vínculo inseparável entre a mensagem e sua confiabilidade histórica com base no testemunho de som. A mensagem é tão confiável quanto os próprios eventos. No Antigo Testamento, as reivindicações de verdade tem a ver, principalmente, com Deus e com a revelação de si mesmo a Israel; no Novo Testamento, esta imagem é muito aprofundado, com a revelação adicional de Jesus Cristo, e agora a todo o mundo. 

Testemunho no Antigo Testamento . Testemunho como a Revelação de Deus . A idéia de testemunho é intrínseca à idéia da revelação bíblica. O conteúdo da revelação bíblica, geral ou especial, permanece como testemunho do seu Doador. Além disso, Deus revelou a verdade divina para as pessoas dentro da matriz da história secular. Isso significa que as pessoas foram capazes de verificar a revelação divina. Paulo proclama que a vinda de Jesus e a propagação mundial do evangelho foram "não fez em qualquer canto" ( Atos 26:26 ). Estes eventos foram bem observado por muitos. Essa avaliação é válido para a maioria da revelação bíblica.

 

Quanto Antigo Testamento revelação geral, o salmista louva a ordem criada para revelar e dar testemunho de glória e supremacia de Deus ( Salmo 8: 1-4 ; 19: 1-6 ; 29 ver Jó 36: 24-33 ; 37: 1-13 ). O sol / lua e dia / noite ciclos aparecem como eternamente estabelecido fiéis testemunhas, afirmando Javé como um Deus que guarda promessa ( Salmo 89: 35-37 ; Jeremias 33: 20-21 , 25 ). 

No que diz respeito a revelação especial de Deus de si mesmo a Israel do Antigo Testamento, os Dez Mandamentos são chamados do Testemunho ( Êxodo 31: 8 ); como a revelação da legislação de Deus, eles testemunham a sua pessoa e trabalho e suas expectativas para Israel. A arca e do tabernáculo são também ocasionalmente chamado de arca do testemunho ( Êxodo 25:22 ; Números 4: 5 ; Josué 04:16 ) ea tenda / tenda do testemunho ( Êxodo 38:21 ; Números 10:11 ; 2 Crônicas 24: 6 ). Nesses casos, o testemunho refere-se mais especificamente à auto-testemunho revelador de Deus para o seu povo. Aqui, pela arca do tabernáculo, Deus testifica sua própria existência no ato de se revelar a Moisés ( Êxodo 25:22 ; 33: 9-11 ; Números 7:89 ) e para as futuras gerações ( Êxodo 29:42 ) . 

Os profetas do Antigo Testamento também revelam a mente de Deus e quando depuseram contra Israel ( 2 Crônicas 24:19 ; Amós 3:13 ) e as nações ( Sofonias 3: 8 ). Todos os exemplos deste tipo de profecia no Antigo Testamentof que há manyappear como testemunho divino contra os povos não arrependidos. O conteúdo do testemunho profético é muitas vezes diretamente inspirada revelação. Sua pretensão de verdade reside em última análise, em seu cumprimento. Mas a história do cumprimento profético também garante sua confiabilidade. 

Testemunho e o corte de justiça de Deus . A sede de justiça em Israel do Antigo Testamento foi a montagem legal, o que geralmente se encontraram perto da porta da cidade. Aqui o acusador e defensor apresentaram seus casos perante os anciãos da cidade, que presidiu a assembléia como juízes. Os litigantes muitas vezes chamado de testemunhas para comprovar os seus casos. 

Escritores do Antigo Testamento freqüentemente usam a linguagem da corte de justiça para expressar a disposição de Deus para com vários indivíduos e grupos de pessoas. Ele aparece como defensor, acusador e juiz. Como defensor, Deus é implorou para assumir a causa, para dar testemunho em nome de uma parte prejudicada. Job, por exemplo, apela a Deus para defendê-lo como testemunha, advogado, intercessor, e amigo ( Jó 16: 19-21 ). Em outros lugares, Deus defende a causa dos pobres, doentes e marginalizados ( Deuteronômio 10:18 ; Salmo 10:18 ; 72: 4 ; 82: 3 ; Provérbios 23:10 ), o justo ( Salmo 119: 154 ), e Israel ( Jeremias 50:34 ; 51:36 ). Como acusador, Deus testifica contra Israel por causa do seu pecado ( Salmo 50: 7 , 21 ; Isaías 57:16 ; Oséias 4: 1 ; Micah 1: 2 ; 6: 2 ; Malaquias 2:14 ); como juiz, ele chega a um veredicto apenas com base no seu próprio testemunho ( Oséias 12: 2 ; Miquéias 6: 2 , 9-16 ; Sofonias 3: 7-8 ; Malaquias 3: 5 ). Mas mesmo como acusador e juiz, o amor misericordioso de Deus ainda está em vigor: "Ele nem sempre vai acusar, nem ele nos trata segundo os nossos pecados, nem nos retribui segundo as nossas iniqüidades" ( Salmo 103: 9-10 ). O desejo de Deus pela justiça estabelece um precedente para o seu povo a seguir. Para defender a causa da impotência e de testemunhar contra a injustiça refletir o conhecimento dos caminhos de Deus e obediência pessoal para ele ( Isaías 01:17 ; Jeremias 22:16 ). 

Testemunho também aparece no Antigo Testamento como prova legal de confiabilidade de Deus. Certain evidência visível existia dentro Israel atestando a idoneidade da revelação de Deus de si mesmo para eles. O Cântico de Moisés ( Deuteronômio 31: 14-32 : 44 ) e do Livro da Lei ( Deuteronômio 31:26 ) permanecem como testemunho contra Israel; estes documentos contêm previsão de Deus que Israel vai um dia rebelde contra ele e se voltam para os ídolos. Legado da apostasia de Israel verifica a confiabilidade das previsões de Deus que eles iriam abandoná-lo. Mais amplamente, o cumprimento destas previsões na história de Israel apoia a confiabilidade de toda a revelação de Deus dada por Moisés.

 

Testemunho aparece, além disso, como um lembrete visível da supremacia de Deus. As tribos Transjordânia de Rúben, Gade e Manassés construiu uma réplica do altar do Senhor, perto do Jordão, não para holocaustos e sacrifícios, mas como testemunho para Israel que eles iriam permanecer fiel à lei de Deus dada a Moisés e que eles tinham uma contínua direito legal de adorar no tabernáculo do Senhor, apesar de viver fora da terra prometida ( Josué 22: 27-28 ). Eles chamaram o memorial: testemunho entre nós que o Senhor é Deus (v 34).. Ergue-se como prova visível de que o Senhor é supremo. O profeta Isaías, aparentemente, leva-se as idéias de altar e memorial de Joshua 22 em descrever uma conversão futura significativa de egípcios ao Senhor. Naquela época, eles também terão o direito legal para adorar o Deus soberano de Israel em seu tabernáculo / templo ( Isaías 19: 19-20 ). 

Além disso, para invocar a Deus como testemunha em juramentos e acordos vinculativos no Antigo Testamento implicitamente indica confiança completa do participante em Deus como irrepreensível e, assim como totalmente confiável. Por essa razão, ele é chamado de "a testemunha verdadeira e fiel" ( Jeremias 42: 5 ). 

Testemunho como a proclamação de Deus como Senhor e Salvador . Em Isaías 43: 8-13 , o profeta descreve as nações como formando um conjunto legal para proclamar a superioridade e salvar o trabalho de seus deuses. Mas o seu caso prova infundada. Seus deuses são meros ídolos surdos, feitos de materiais mais comuns cego e; seus fabricantes não são nada, mas os homens. Por isso, a sua mensagem não é nada além de uma mentira (43: 10,12; 44: 9-20). As nações em última análise, não tem nenhum caso, porque eles não têm qualquer evidência para apoiar as suas reivindicações (44:11). 

Na mesma reunião, Israel toma o banco das testemunhas (43: 10,12; 44: 8) para proclamar o Senhor como o Senhor e que, além dele não há salvador (43:11). O seu caso, em contraste, é inegável. A história de Israel é a prova. Deus tem, historicamente, uma e outra vez, revelou-se a Israel e os remiu da opressão (43:12). A revelação de Deus de si mesmo a Moisés, a sua promulgação da lei, sua presença permanente no tabernáculo (e templo) e sua redenção de Israel do Egito fornecer as testemunhas israelitas com provas sólidas para apoiar as suas reivindicações. Ao defender o Senhor, Israel proclama ao nações senhorio de Deus e que a salvação só pode ser encontrada nele.

 Aqui testemunho é equivalente a proclamação. Ela apresenta uma evidência histórica que comprove a única pessoa, posição e obra de Deus. Simultaneamente, é evangelístico: a mensagem da obra salvífica de Deus na história de Israel, se torna uma oferta de salvação para os ouvintes. 

Testemunho no Novo Testamento . O Novo Testamento ocupa o Antigo Testamento conceito de testemunho e muito expande-lo à luz da revelação especial de Deus em Jesus Cristo. Aqui, novamente, o conteúdo do testemunho é certificável provas, objetiva ( João 3:11 ; Atos 1: 21-22 ; 1 João 1: 1-4 ), e por esta razão, é considerado verdadeiro ( João 03:33 ; 5 : 32-33 ; 19:35 ; 21:24 ; 3 João 12 ). A associação de testemunho cristão com o sofrimento e martírio, por outro lado, é principalmente um desenvolvimento cristão pós-Novo Testamento.

 Testemunho sobre a identidade divina da Earthly Jesus . Escritos bíblicos e não-bíblicos primeiros indubitavelmente afirmar que Jesus realmente viveu. Mas o Novo Testamento explícita e implicitamente testemunha que o Jesus terreno considerava-se como Deus encarnado. 

O Evangelho de João, em particular, oferece uma riqueza de auto-declarações de Jesus a respeito de sua identidade divina (veja os numerosos "eu sou"). Na verdade, todo o Evangelho ostensivamente aparece como uma defesa legal da filiação divina de Jesus. Jesus considerava o seu testemunho pessoal como válidos (8:14), mas sabendo que, de acordo com a lei judaica, aparecendo como a própria testemunha sem confirmação invalida o testemunho (5:31; 8: 13-18), convocou outras testemunhas, cujas testemunho que ele também considerou indiscutível. Jesus salientou que as suas obras milagrosas afirmou seu status divino (05:36; 10: 25,38; 14:11; 15:24). Ele não poderia ter realizado los se ele não fosse de Deus. Esta unidade implica, além disso, que o Pai atesta sua identidade divina, bem como (5: 32,37; 8: 17-18). No mesmo sentido, Jesus declara que as Escrituras do Antigo Testamento testemunhar sobre ele (5:39), assim como o Espírito Santo, que ele vai enviar para seus seguidores do céu (15:26) e os apóstolos (15:27). João Batista também oferece testemunho endossando as auto-declarações de Jesus sobre sua divindade (3:26; 5: 32-33): Jesus é a verdadeira luz por meio do qual todas as pessoas podem ser salvas (1: 7-9), é preexistente ( 1:15), vos batizará com o Espírito (1: 32-33), e é o Filho de Deus (01:34). 

Jesus como testemunho a respeito de Deus . Escritura afirma uniforme que ninguém jamais viu a Deus ( João 1:18 ; 1 Timóteo 6:16 ). Deus é espírito ( João 4:24 ; 2 Coríntios 3: 17-18 ) e invisível ( Colossenses 1:15 ; 1 Timóteo 1:17 ). Jesus, por outro lado, declara que seu propósito para vir ao mundo foi para dar testemunho da verdade ( João 18:37 ). De acordo com João 14: 6 , Jesus é a verdade. Só que ele tenha visto o Pai ( João 6:46 ) e por isso tem vindo a tornar Deus conhecido ( João 1:18 ). O testemunho de Jesus é, portanto, a respeito de Deus como revelado por ele. 

Assim, para ver Jesus é ver como Deus é: "Quem me vê a mim vê o Pai" ( João 14: 9 ). Jesus é a imagem do Deus invisível ( 2 Coríntios 4: 4 ; Colossenses 1:15 ); ele é a representação exata do ser de Deus ( Hebreus 1: 3 ). 

A importância teológica desta realidade é que a pessoa de Jesus, qualidades, atitudes e comportamento imagem expressamente o pai. Para Jesus de bom grado ter desistido de sua vida para que pudéssemos viver não só retrata o ponto mais baixo de sua carreira terrena e descreve a profundidade do seu amor por nós ( Filipenses 2: 8 ), mas correspondentemente revela o que significa quando João diz que Deus é amor ( 1 João 4: 8 , 16 ): Porque Deus amou o mundo, que lhe deu de si mesmo em dar Jesus ( João 3:16 ). Por causa da encarnação, agora temos recebido "o conhecimento da glória de Deus, na face de Cristo" ( 2 Coríntios 4: 6 ). 

Testemunho e do Evangelho . O sentido legal do testemunho como a apresentação de provas desempenha um papel decisivo na propagação da igreja do Novo Testamento do evangelho. No Novo Testamento, a evidência histórica confiável é uma serva para o significado teológico da mensagem do evangelho. Testemunho ocular é de extrema importância. A confiança da igreja do Novo Testamento, no Evangelho como a poupança é diretamente proporcional à sua confiança na fiabilidade histórica dos próprios acontecimentos do evangelho. Ela teria sido insustentável para cristãos judeus a usar o procedimento legal do Antigo Testamento para estabelecer a legitimidade do evangelho através do depoimento de várias testemunhas, se o tempo todo sabendo que, historicamente, os eventos não havia acontecido da maneira que eles tinham tão reivindicado. Oponentes judaicas do cristianismo seria, de outra forma, têm sido capazes de encontrar testemunhas genuínos de sua própria (algo historicamente não foram capazes de fazer) para refutar a legitimidade das reivindicações cristãs. 

O Novo Testamento dois tipos de testemunho como testemunho legal. Primeiro, ele aparece como uma defesa tribunal literal de Jesus e do evangelho. Ela decorre do próprio ensinamento de Jesus. Jesus anunciou aos seus seguidores que eles serão julgados perante as autoridades judeus e gentios como testemunhas a eles por causa dele ( Mateus 10:18 ; Marcos 13: 9 ; Lucas 21:13 ; João 15:27 ; Atos 10:42 ). No Novo Testamento, no livro de Atos especialmente atesta o cumprimento desta promessa. Lucas narra várias ocasiões quando os crentes apareceu em configurações judiciais dar testemunho de Jesus como salvador perante as autoridades judaicas, gregas e romanas. Em segundo lugar, como testemunha testemunho legal freqüentemente aparece como uma maneira de apresentar o evangelho. Em seu uso técnico, refere-se estritamente aos seguidores de Jesus que testemunharam todo o seu ministério terrestre, a partir de batismo de João para a ascensão. Eles atestou a segurança da mensagem do evangelho a partir de seu conhecimento em primeira mão dos eventos da carreira terrena de Jesus, e desde fontes capazes para o conteúdo dos Evangelhos. Em um sentido mais geral, também se refere à maneira como os crentes apelou para a vida de Jesus, a Escrituras do Antigo Testamento, o Espírito de presença e testemunho pessoal para comprovar a legitimidade da mensagem do evangelho. 

Além disso, no Novo Testamento, a confiabilidade histórica da vida, morte e ressurreição de Jesus é intrínseco à pregação do evangelho. A inter-relação entre a depor e pregação no Novo Testamento se assemelha ao exemplo do Antigo Testamento em Isaías 43-44 . Paul, por exemplo, enquanto em Corinto "dedicou-se exclusivamente à pregação, testificando aos judeus que Jesus era o Cristo" ( Atos 18: 5 ). Para Paulo para apresentar provas de que Jesus era o Messias era ao mesmo tempo a intenção de induzir uma resposta acreditando dos seus ouvintes judeus. Proclamação do Novo Testamento significa testemunhar a confiabilidade histórica da obra salvadora de Deus em Jesus. A autenticidade da mensagem pregada é o que concede a mensagem de sua autoridade. Para pregar o evangelho às nações é desafiá-los com o fato de Jesus ( Mateus 24:14 ; Marcos 13:10 ; Lucas 24:48 ; Atos 1: 8 ). 

Outra forma Novo Testamento do testemunho de Jesus e do Evangelho é através de conduta cristã apropriada. Jesus diz aos seus discípulos ( João 13: 34-35 ), "Um novo mandamento vos dou:.. Amai-vos como eu vos amei, que também vos ameis uns aos outros por isso todos saberão que sois meus discípulos, se vos amardes uns aos outros. " O comando para o amor não é nova (cf. Levítico 19:18 ; Deuteronômio 6: 5 ). O que é novo é a revelação do amor de Deus por meio de Jesus. Como Jesus deu testemunho do amor de Deus para o mundo com a sua vida e da morte ( João 3:16 ), seus seguidores, amando como Ele amou irá revelar um amor semelhante ao de Cristo a um mundo que nunca o viu. Qualquer inquérito sobre a razão para este amor desinteressado vai encontrar a boa notícia de Jesus salvando evento workan historicamente confiável e teologicamente certo. Conduta cristã apropriada, portanto, fornece testemunho intemporal a expressão perfeita e final de Jesus do amor de Deus. 

O Testemunho do Espírito como o testemunho de Deus . De acordo com 1 João 5: 6-11 , o testemunho do Espírito aparece como testemunho de Deus que Jesus é seu Filho. O testemunho do Espírito dá é reconhecível para o exterior para todas as pessoas e para dentro, para os crentes. Externamente, "os sinais, prodígios e vários milagres, e dons do Espírito Santo" aparecem como testemunho de Deus para a salvação primeiro anunciado por Jesus e depois confirmada por testemunhas oculares ( Hebreus 2: 3-4 ). A evidência tangível da presença do Espírito é exibida tanto na vida de Jesus e na experiência da igreja. O ministério do Espírito na Igreja torna-se, com efeito, provas incontestáveis ​​ao judaísmo (e às nações) que a mensagem da Igreja sobre Jesus vem de Deus. Jesus predisse que o Espírito vai depor sobre ele ( João 15:26 ). Internamente, o Espírito testifica aos crentes que eles são filhos de Deus ( Romanos 8:16 ; 1 João 3:24 ) e têm o testemunho de Deus sobre Jesus em seus corações ( 1 João 5:10 ). 

A linguagem forense dessas passagens do Novo Testamento é histórica e teologicamente importante. Witnessyet do Espírito visível para nós agora mesmo! Verifica que, historicamente, Jesus não recebeu sua filiação divina por adoção. A testemunha pela água e pelo sangue ( 1 João 5: 6-7 ) indica que Jesus já era o Filho de Deus, no momento de seu batismo nas águas por John e sua morte na cruz. O Espírito da Verdade ( João 15:26 ; 1 João 5: 6 ) afirma isso. Portanto, como testemunhas da água, sangue, e do Espírito concordam unanimemente que Jesus era o Filho de Deus por natureza divina, não por determinação divina ( 1 João 5: 8 ).

 A Palavra de Deus e do testemunho de Jesus . Apocalipse de João descreve maravilhosamente a unidade de Deus e Jesus na designação composto "a Palavra de Deus e do testemunho de Jesus Cristo" (1: 2,9; 6: 9; 20: 4). Os títulos separados significam a mesma coisa. Ambos referem-se a Jesus. John prevê Jesus no momento da sua vinda gloriosa como "vestido com um manto tinto de sangue, e seu nome é a Palavra de Deus" (19:13). A palavra final de Deus da revelação e ato redentor foram consumadas no trabalho paixão de Jesus. A frase "a Palavra de Deus e do testemunho de Jesus" não se refere a um conceito, mas para um evento: a encarnação. A realidade histórica da vida e paixão de Jesus é central para a confissão cristã e situa-se no coração da denominação composta. Seu uso na introdução do livro (1: 2) indica a sua importância temática para toda a obra. Jesus é o verdadeiro e duradouro testemunho do amor de Deus (1: 5; 3:14). Ele é o Cordeiro que foi morto de Deus que, vindicado por Deus, hoje reina supremo por parte de pai. Portanto, para os crentes que enfrentam perseguição e martírio possível para dar testemunho da Palavra de Deus e do testemunho de Jesus em um tribunal de direito humano, John lembra-los com o livro do Apocalipse que o seu destino final é tão garantida quanto a confiabilidade da mensagem eles pregam: o próprio Senhor Jesus vai reivindicar-los na corte de justiça celestial.

 

 Evangélica Dicionário de Baker de Teologia Bíblica