Translate this Page

Rating: 3.0/5 (868 votos)



ONLINE
3




Partilhe este Site...

 

 

<

Flag Counter

A Book for Her pdf free, download pdf, download pdf, this site, The Adobe Photoshop CC Book for Digital Photographers 2017 pdf free, fee epub, pdf free, site 969919, this link, link 561655,

Panorama biblico carta aos Colossences
Panorama biblico carta aos Colossences

                                                CARTA AOS COLOSSENCES

 

Ko -losh'ans , Ko -los'i -ANZ: Este é um do grupo das epístolas de Paulo conhecida como a Cativeiro Epístolas.

. Autenticidade

1. evidência externa

A evidência externa para a epístola aos Colossenses, antes da metade do século segundo, é bastante indeterminado. Em Inácio e Policarpo temos aqui e ali frases e terminologia que sugerem uma familiaridade com Colossenses, mas não muito mais (Ignat,. Ephes , x.3 e Polyc X.1;.. Comparar com Colossenses 1:23 ). A frase em Ep Barnabas , xii, "no ele são todas as coisas e para ele são todas as coisas", pode ser devido a Colossenses 1:16 , mas é bastante como, possivelmente, uma fórmula litúrgica. As referências em Justin Mártir Diálogo com Cristo como o primogênito ( prototokos) São muito provavelmente sugerido por Colossenses 1:15 , "o primogênito de toda a criação" ( Dial ., 84, 85, 138). A primeira testemunha definitiva é Marcião, que incluiu esta carta na sua coleção de aqueles escritos por Paul (Terc., Adv. Marc ., Colossenses 1:19 ). Um pouco mais tarde, o Fragmento Muratoriano menciona Colossenses entre as epístolas de Paulo (10 b , l. 21, Colosensis ). Irineu cita com freqüência e por nome ( Adv. Haer ., III.14, 1). Ele é familiar para os escritores dos séculos seguintes (por exemplo, terc,. De praescrip , 7;. Clemente de Alexandria, Strom ., I, 1;. Orig, Contra Celsum , v. 8).

 

2. A prova Interno 

A autenticidade não foi questionada até o segundo trimestre do século 19, quando Mayerhoff requeridos, pela razão de estilo, vocabulário, e pensei que não era pelo apóstolo. A escola Tübingen alegou, com base em uma suposta Gnosticismo, que a epístola foi obra do século 2 e por isso não Pauline. Esta posição foi completamente respondida por mostrando que o ensino é essencialmente diferente do gnosticismo do século 2, especialmente na concepção de Cristo como antes e maior do que todas as coisas criadas (ver V abaixo). O ataque em anos posteriores tem sido, principalmente, em razão do vocabulário e estilo, a posição doutrinária, especialmente a cristologia e o ensinamento sobre os anjos, e a relação com o de Éfeso epístola. A objecção com o fundamento de vocabulário e estilo é baseado, como é frequentemente o caso, no pressuposto de que um homem, não importa o que ele escreve sobre, deve usar as mesmas palavras e estilo. Há trinta e quatro palavras Colossenses que não estão em qualquer outro livro do Novo Testamento. Quando se remove as que são devidas à diferença de objecto, o total não é maior do que a de algumas das cartas reconhecidos. A omissão de partículas familiares paulinos, o uso de genitivos, de "todo" (pás), E de sinônimos, encontrar paralelos em outras epístolas, ou são devido a uma diferença de assunto, ou talvez à influência sobre a linguagem do apóstolo de sua vida em Roma (von Soden). A posição doutrinária não é no coração contraditório ao ensino antes de Paulo (compare Godet, Introdução ao Novo Testamento ; epístolas de Paulo , 440 f). A cristologia está em toda harmonia com Phil (que ver) que é geralmente admitido como Pauline, e é apenas um desenvolvimento do ensino em 1 Coríntios ( 1 Coríntios 8: 6 ; 1 Coríntios 15: 24-28 ), especialmente no que diz respeito a ênfase colocada sobre "a atividade cósmica do Cristo pré-encarnado." Finalmente, a forma em que Paulo coloca a cristologia é que melhor calculada para atender o falso ensino dos hereges de Colossos (compare V abaixo). Nos últimos anos H. Holtzmann tem defendido que esta epístola é uma forma interpolada de uma epístola Paulina original para a Colossenses, e o trabalho do autor da Epístola aos efésios s (que ver). Uma modificação desta teoria da interpolação foi recentemente sugerido por J. Weiss ( Theologische Literaturzeitung , 29 de setembro de 1900). Ambas as teorias são demasiado complexos para ficar de pé, e até mesmo von Soden, que a princípio seguido Holtzmann, abandonou a posição (von Soden, Einleitung. , 12); enquanto Sanday ( DB 2) mostrou como absolutamente insustentável que é. Críticas sóbrio hoje tem vindo a perceber que é impossível negar a autoria paulina desta epístola. Esta posição é reforçada pela estreita relação entre Colossenses e Filemon, dos quais Renan diz: "Paul sozinho, pelo menos assim parece, poderia ter escrito esta pequena obra-prima" (Abbott, Comentário Crítico Internacional , LVIII). Se Philemon (que ver) se destaca como Pauline, como deve, em seguida, a autenticidade de Colossenses é estabelecida além de controvérsia.

 

II. Lugar e data

 

A autoria paulina sendo estabelecida, torna-se evidente de imediato que o apóstolo escreveu Colossenses junto com o outro Cativeiro Epístolas, e que é melhor datada de Roma (veja PHILEMON ,Epístola aos), E durante o primeiro cativeiro. Isto seria de cerca de 58 ou, se a cronologia posterior é preferido, 63 ou 64.

 

III. Destino 

A carta foi escrita, em face disso, à igreja de Colossos (que ver), uma cidade no vale do Lico, onde o evangelho tinha sido pregado provavelmente por Epafras (Col 17; Colossenses 4:12 ), e onde Paul foi, ele próprio, desconhecido pessoalmente ( Colossenses 1: 4 , Colossenses 1: 8 , Colossenses 1: 9 ; Colossenses 2: 1 , Colossenses 2: 5 ). A partir da epístola é evidente que os cristãos de Colossos eram gentios ( Colossenses 1:27 ), para quem, como tal, o apóstolo sente a responsabilidade ( Colossenses 2: 1 ). Ele envia a eles Tychicus ( Colossenses 4: 7 ), que é acompanhado por Onésimo, um de sua própria comunidade ( Colossenses 4: 9 ), e exorta-os a não se esqueça de ler outra carta que irá alcançá-los de Laodicéia ( Colossenses 4: 16 ).

 

IV. Relação com outros escritos do Novo Testamento 

Além da conexão com Éfeso s (que ver) que precisamos notar apenas a relação entre Colossenses e Rev. Na carta de Laodicéia ( Apocalipse 3: 14-21 ), temos duas expressões: "o princípio da criação de Deus", e "vou dar a ele a sentar-se comigo no meu trono", no qual temos um eco de Colossenses, que "sugere uma familiaridade e reconhecimento do ensino do apóstolo anteriores por parte de João" (Lightfoot, Colossenses , 42, nota 5).

 

V. O Propósito 

A ocasião da epístola era, podemos ter certeza, as informações trazidas pelos Epafras que a igreja de Colossos estava sujeita ao ataque de um corpo de cristãos judaizantes que estavam tentando derrubar a fé do Colossenses e enfraquecer a sua consideração por Paul ( Zahn). Este "heresia", como é comumente chamado, teve muitas explicações. A escola Tübingen ensinou que era gnóstico, e procurou encontrar nos termos as provas utilizadas apóstolo para a composição século 2 da epístola.Pleroma e Gnosis ( "Plenitude" e "conhecimento") não só não exigem essa interpretação, mas não vai admitir isso. O coração do gnosticismo, ou seja, a teoria da emanação e a concepção dualista que vê a matéria como o mal, não encontra lugar em Colossenses. O uso dePleroma neste ea epístola irmã, Ef, não implica vistas gnósticos, seja realizada pelo apóstolo ou pelos leitores das cartas. O significado em Colossenses desta e das outras palavras adotadas pelo gnosticismo nos últimos anos é bastante distinto do que o significado mais tarde. O ensinamento subjacente é igualmente distinta. O Cristo de Colossenses não é o aeon Cristo do gnosticismo. Em Essenismo, por outro lado, Lightfoot e certos alemães buscam a origem desta heresia. Essenismo tem certas afinidades com o gnosticismo, de um lado e do Judaísmo, do outro. Dois forem levantadas objecções a esta explicação da origem da heresia de Colossos. No primeiro Essenismo lugar, tal como a conhecemos, é encontrado no bairro do Mar Morto, e não há nenhuma evidência para a sua criação no vale do Lico. Em segundo lugar, há referências são encontradas em Colossenses a certos ensinamentos essênios distintas, por exemplo, aquelas sobre o casamento, lavagens, comunismo, regras do sábado, etc.

 

A heresia de Colossos é devido a influências judaizantes, por um lado e crenças nativas e superstições, por outro. Os elementos Judaistic neste ensino são patentes, a circuncisão ( Colossenses 2:11 ), a Lei ( Colossenses 2:14 , Colossenses 2:15 ), e as estações especiais ( Colossenses 2:16 ). Mas há mais do que o judaísmo neste falso ensino. Seus professores olham para espíritos intermediários, anjos a quem eles adoram; e insistir em um ascetismo muito rigoroso. A procurar a origem do culto anjo no judaísmo, como é comumente feito, é, como AL Williams mostrou, perder o verdadeiro significado da atitude dos judeus para os anjos e para ampliar as vaias amargas de Celso. Além de frases usadas em exorcismo e magia que ele nos mostra que não há nenhuma evidência de que o judeu anjos sempre adorados ( JTS , X, 413 f). Este elemento na heresia de Colossos era local, encontrando seu antecedente no culto dos espíritos dos rios, e em anos posteriores a mesma tendência deu o impulso para a adoração de Michael como o santo padroeiro de Colossos (assim também Ramsay, Hastings, Dictionary of a Bíblia (cinco volumes), sob a palavra "Colossos"). O perigo de ea falsidade neste ensinamento eram de dois tipos. Em primeiro lugar, trouxe o evangelho sob as bandas da Lei, mais uma vez, não agora com a formalidade dos adversários da Galácia, mas, no entanto, certamente. Mas como os leitores do apóstolo são gentios ( Colossenses 1:27 ) Paul não está interessado em mostrar o aspecto de preparação da Lei. Ele simplesmente insiste para eles que eles são bastante livre de todas as obrigações da Lei, porque Cristo, em quem eles foram batizados ( Colossenses 2:12 ), apagou toda a Lei ( Colossenses 2:14 ). O segundo perigo é que a sua crença e culto dos poderes celestiais, idéias falsas a respeito de Cristo e do mundo material, desenvolveria ainda mais longe do que tinha. Eles, por causa de sua união com Ele, precisa temer nenhum ser angelical. Cristo triunfou sobre todos eles, levando-os como se fosse cativos em seu trem ( Colossenses 2:15 ), como Ele conquistou na cruz. Os poderes espirituais deixam de ter qualquer autoridade sobre os cristãos. É para definir Cristo para a frente, desta forma, como Cabeça sobre toda a criação como verdadeiro Deus, e da sua relação com a igreja e para o universo para desenvolver a vida cristã, que o apóstolo escreve.

(Notas International Standard Bible Encyclopedia, 1915).

fonte www.avivamentonosul.com