Translate this Page

Rating: 3.0/5 (908 votos)



ONLINE
14




Partilhe este Site...

 

 

<

Flag Counter


Panorama biblico carta aos Efésios
Panorama biblico carta aos Efésios

                                                    CARTA AOS EFÉSIOS

 

  1. evidência externa

Nenhuma das epístolas que são atribuídas a Paulo tem uma cadeia mais forte de evidência para seu uso precoce e continuada do que aquele que nós conhecemos como a Epístola aos Efésios s. Deixando para o momento em que a questão da relação de Ef a outros escritos do Novo Testamento, encontramos que não somente as cores a fraseologia dos Padres Apostólicos, mas na verdade é citado. Em Clemente de Roma (cerca de 95 dC) a conexão com Éfeso s pode ser devido a alguma forma litúrgica comum em xlvi.6 (compare Efésios s 4: 6 ); embora a semelhança é tão próximo que temos de sentir que a nossa carta era conhecido por Clement tanto aqui como no LXIV (compare Efésios s 1: 3-4 ); XXXVIII (compare Efésios s 05:21 ); xxxvi (compare Efésios s 04:18 ); lix (compare Efésios s 1:18 ; Efésios s 04:18 ). Inácio (falecido em 115) mostra vários pontos de contato com Éfeso s, especialmente em sua Epístola aos efésios s. No cap. xii lemos: "Vós sois associados e colegas dos mistérios com Paulo, que em cada letra faz menção de vós em Cristo Jesus." É difícil decidir o sentido exato da frase "cada letra", mas, apesar de a opinião de muitos estudiosos que deve ser processado "em toda a sua epístola", ou seja, em cada parte de sua epístola, é mais seguro para tomar -lo como um exagero, "em todas as suas epístolas," justificado, em certa medida no fato de que, além de Éfeso s, Paul não mencionar os efésios cristãos em Rom ( Romanos 16: 5 ); 1 Cor ( 1 Coríntios 15:32 ; 1 Coríntios 16: 8 , 1 Coríntios 16:19 ); 2 Cor ( 2 Coríntios 1: 8 f); 1 Tim ( 1 Timóteo 1: 3 ) e 2 Tim ( 2 Timóteo 1:18 ). Na abertura abordar a conexão com Éfeso s 1: 3-6 está muito perto de ser acidental. Há ecos da nossa carta, no cap. i ( Éfeso s 6: 1 ); ix ( Éfeso s 2: 20-22 ); xviii ( oikonomía, Éfeso s 01:10 ); xx ( Éfeso s 2:18 ; Efésios s 04:24 ); e em Ignat. ad Polyc . v temos identidade estreita com Éfeso s 05:25 e menos certa ligação com Éfeso s 4: 2 , e em vi com Éfeso s 6: 13-17 . A Epístola de Policarpo em duas passagens mostra acordo verbal com Ef: no cap. i com Éfeso s 1: 8 e, em xii com Éfeso s 4:26 , onde temos (do grego está faltando aqui) ut sua Scripturis dictum est Hermas fala da tristeza do Espírito Santo, de tal modo a sugerir. Éfeso s ( Mand X, ii;. comparar Éfeso s 04:30 ). Sim. IX, XIII, mostra um conhecimento de Éfeso s 4: 3-6 e, possivelmente, de Éfeso s 05:26 e Éfeso s 01:13 . No Didaqué (4), encontramos um paralelo com Éfeso s 6: 5 : "Servos submeter-se a seus senhores." Em Barnabas há duas ou três voltas da frase que são possivelmente devido a Éfeso s. Há uma conexão ligeiramente mais forte entre II Clement e Éfeso s, especialmente no cap. xiv, onde temos a Éfeso figura da igreja como o corpo de Cristo, e a relação entre eles referidos em termos de marido e mulher.

 

Esta evidência cedo, por menor que seja, é reforçada pela parte de Éfeso s jogado no século 2, onde, como aprendemos de Hipólito, que foi usado pelo Ophites e Basilides e Valentino. (. Acordo com a anca, o último Phil ., VI, 29) citado Éfeso s 3: 16-18 , dizendo: "Isto é o que foi escrito nas Escrituras", enquanto seu discípulo Ptolemais é dito por Irineu ( Adv Haer. . , I.8, 5) ter atribuído Éfeso s 05:13 a Paulo pelo nome. De acordo com a adenda ao oitavo livro da Stromateis de Clemente de Alexandria, Theodotus, um contemporâneo de Valentino, citado Éfeso s 04:10 e Éfeso s 04:30 com as palavras: "O Apóstolo diz," e atributos de Éfeso s 4 : 24 para Paul. Marcião sabia Éfeso s como Tertuliano diz-nos, identificando-a com a carta referida no Colossenses 4:16 como ad Laodicenos . Nós encontrá-lo no Fragmento Muratoriano (10b, l. 20) como a segunda das epístolas que "Paul escreveu seguindo o exemplo de seu antecessor, João." Ele é usado na carta da igreja de Lyon e Vienne e por Irineu, Tertuliano, Clemente de Alexandria, Orígenes e escritores posteriores. Podemos também aceitar o ditado do Dr. Hort que "é quase certo nesta evidência que a Epístola foi em existência em 95 de anúncios; bastante certeza de que era na existência de cerca de quinze anos mais tarde, ou conseguir um pouco mais" (Hort , Judaistic cristianismo , 118).

 

  1. A prova Interno 

Para isso muito forte cadeia de evidências externas, que remonta ao início do século 2, se não no final do 1º, mostrando Éfeso s como parte da coleção Pauline original, que, sem dúvida, Inácio e Policarpo utilizado, devemos adicionar a evidência da própria carta, testá-lo para ver se há alguma razão pela qual a letra, assim, início atestado não deve ser acreditado ao apóstolo.

 (1) Que afirma ser escrito por Paul é visto não só na saudação: "Paulo, apóstolo de Cristo Jesus pela vontade de Deus, aos santos que estão em Éfeso," mas também em Éfeso s 3: 1 , onde lemos: "Por esta causaIPaul, o prisioneiro de Cristo Jesus em favor de vós, os gentios ", uma frase que é continuado em Éfeso s 4: 1 :". Por isso, o prisioneiro no Senhor "Esta afirmação é apoiada por o caráter geral da epístola que é escrito após a norma Pauline, com saudação e agradecimento, levando para e servindo como a introdução do ensino da doutrina especial da epístola. Esta é a primeira grande divisão das epístolas paulinas e é seguido regularmente por uma aplicação do ensinamento a prática assuntos, o que rende à saudações pessoais, ou saudações e a bênção final, comumente escritas pela própria mão do apóstolo. em apenas um faz particulares de Éfeso s deixar de responder completamente a este contorno. a ausência das saudações pessoais tem sido sempre marcado como uma peculiaridade marcante da nossa carta. a explicação para essa peculiaridade vai nos encontrar quando consideramos o destino da epístola (veja III abaixo).

 (2) Outra evidência para a autoria paulina é encontrada no estilo geral e linguagem da carta. Podemos concordar com von Soden ( precoce Cristo. Lit ., 294) que "cada frase contém ecos verbais de epístolas paulinas, na verdade, exceto quando as idéias peculiares para a Epístola vir a expressão é simplesmente um mosaico de Pauline fraseologia," sem aceitar a sua conclusão de que Paulo não escreveu ele. Nós sentimos, como lemos, que temos em nossas mãos o trabalho de alguém com quem as outras epístolas fizeram-nos familiar. No entanto, somos nenhum consciente menos de certas diferenças sutis que dão oportunidade para os vários argumentos que os críticos têm interpostos contra a alegação de que Paul é o autor real. Esta não é questionada até o início do século passado, mas desde então tem sido Schleiermacher e seu discípulo Usteri, embora este último publicou suas dúvidas antes de seu mestre fez o seu. Os estudiosos Tübingen atacou a epístola principalmente no chão de supostos vestígios de gnósticos ou Montanist influências, semelhantes às atribuídas aos Colossenses. Escritores posteriores deram sobre esta reivindicação a apresentar outros com base em diferenças de estilo (De Wette, seguido por Holtzmann, von Soden e outros); dependência de Colossenses (Hitzig, Holtzmann); a atitude dos Apóstolos (von Soden); diferenças doutrinárias, especialmente aqueles que dizem respeito cristologia e da Parusia, a concepção da igreja (Klöpper, Wrede e outros). A tendência, no entanto, parece ser para trás em direção a uma visão mais sã das questões envolvidas; e a maioria daqueles que não aceitam a autoria paulina provavelmente concordaria com Jülicher ( Enciclopédia Bíblica ), que atribui a uma "Pauline Christian intimamente familiarizados com as epístolas paulinas, especialmente com Colossenses, escrevendo cerca de 90", que procurou em Éfeso s "para colocar em um apelo para o verdadeiro catolicismo no significado de Paul e em seu nome."

 (3) Algumas destas posições exigem que devemos examinar as objeções doutrinárias. ( A ) A primeira delas é a alegação de que Éfeso s tem uma concepção diferente da pessoa e obra de Cristo a partir das epístolas reconhecidos de Paul. Não só temos a exaltação de Cristo, que encontramos em Colossenses 1:16 , mas o ainda mais afirmação de que era o propósito de Deus desde o início para "resumir todas as coisas em Cristo, as coisas nos céus e as coisas na terra "( Efésios s 01:10 ). Isto não é mais do que a expansão natural do termo, "todas as coisas", que são atribuídos a Cristo em 1 Coríntios 8: 6 , e é uma idéia que tem, pelo menos, a sua prefiguração em Romanos 8:19 ​​, Romanos 8:20 e 2 Coríntios 5:18 , 2 Coríntios 5:19 . A relação entre Cristo ea igreja como dado em Éfeso s 01:22 e Éfeso s 05:23 é inteiramente de acordo com o ensinamento de Paulo em Romanos 12 e 1 Coríntios 12. Ele ainda é a figura Pauline da igreja como o corpo de Cristo, apesar do fato de que Cristo não é pensado como a cabeça do que o corpo. O argumento na epístola não lidar com a doutrina da cruz do ponto de vista das epístolas anteriores, mas o ensino é exatamente o mesmo. Há redenção ( Efésios s 1: 7 , Éfeso s 1:14 ; Efésios s 04:30 ); reconciliação ( Éfeso s 2: 14-16 ); perdão ( Efésios s 1: 7 ; Éfeso s 04:32 ). O sangue de Cristo derramado na cruz nos redime do nosso pecado e nos restaura a Deus. De modo semelhante, é dito que a Parousia é tratado ( de Éfeso s 2: 7 ) como algo muito distante. Mas Paul já há muito desistido da ideia de que é imediatamente; mesmo em 2 Ts 2, ele mostra que um intervalo indeterminado deve intervir, e em Romanos 11:25 ele vê um período de tempo ainda não cumpridas antes do final. ( B ) A doutrina da igreja é o contraste mais marcante para as epístolas anteriores. Nós já lidaram com a relação de Cristo com a igreja. A concepção da igreja universal é antes das epístolas anteriores, mas é o clímax natural do desenvolvimento da concepção da igreja do apóstolo, como mostrado nas epístolas anteriores. Escrevendo de Roma, com a ideia de império definido antes dele, era natural que Paul deve ver a igreja como um grande todo, e deve usar a palavra ekklesia absolutamente como significando a unidade da fraternidade cristã. Por uma questão de fato, a palavra é usada neste sentido absoluto em 1 Coríntios 12:28 , antes do Cativeiro Epístolas (compare 1 Coríntios 1: 2 ; 1 Coríntios 10:32 ). A ênfase aqui sobre a unidade de judeus e gentios na igreja encontra o seu homólogo no argumento da Epístola aos Romanos, embora em Éfeso s isso é "incitado sobre a base da fé propósito e Christian de Deus, em vez de sobre o Direito e as promessas ". Também não é verdade que, em Éfeso s Lei é falado slightingly, como dizem alguns, pela referência à circuncisão ( Éfeso s 02:11 ). Em nenhum caso é a parte doutrinária do contador epístola ao das epístolas paulinas reconhecidos, embora na questão da igreja, e do relacionamento de Cristo para ele e para o universo, há evidências de progressos na concepção do subjacente do apóstolo verdades, que, não obstante, encontrar ecos nos escritos anteriores. "Novas idéias doutrinárias, ou uma nova proporção dessas ideias, há evidências de autoria diferente." ( C ) Em matéria de organização a posição de Éfeso s não está em nenhum essencial diferente do que temos em 1 Cor. 

(4) O argumento linguística é uma questão técnica da utilização de palavras gregas que não pode bem ser discutidas aqui. As diferenças gerais de estilo, mais tempo "turgid" frases, as repetições, por um lado; a falta de argumento, os completos, inchaço períodos, por outro, encontrar o seu homólogo em porções de Romanos. As pequenas diferenças que se manifestam em palavras novas ou estranhas serão muito reduzidos em número, quando tomamos a partir da lista aqueles que são devido a assuntos que o autor não discutir em outros lugares (por exemplo, os da lista de armadura em Éfeso s 06:13 ). Holtzmann ( Einl , 25) nos dá uma lista dessaslegomenon legomena (76 no total). Mas há nenhuma delas que, como Bloqueio diz, Paul não poderia ter usado, embora haja certa que ele não usa em outros lugares e outros que só são encontrados em seus escritos aceites e aqui. Destacam-se como proporcionando solo especial para objeção. A frase "lugares celestiais" (tá epouránia, Éfeso s 1: 3 , de Éfeso s 1:10 ; Efésios s 2: 6 ; Éfeso s 3:10 ; Efésios s 06:12 ) é peculiar a esta carta. A frase encontra um paralelo parcial lo em 1 Coríntios 15:49 eo pensamento é encontrado em Filipenses 3:20 . O diabo ( diabolos ho, Efésio s 4:27 ; efésio s 6:11 ) é utilizado em lugar do mais Satã habitual (satanás). Mas em Atos Paul é citado como usardiabolos em Atos 13:10 e satanas em Atos 26:18 . É pelo menos natural que ele teria usado o termo grego quando se escreve a partir de Roma a uma comunidade de língua grega. A oposição à expressão "santo" (hagıois) Apóstolos ( Efésios s 3: 5 ) cai no chão quando lembramos que a expressão "santo" (Hagios) É a palavra comum de Paulo para Christian e que ele usa-lo de si mesmo nesta mesma epístola ( Efésios s 3: 8 ). Em como "mistério" forma (musterion ), "Dispensação" (oikonomia ) São encontrados em outras epístolas no mesmo sentido que vamos encontrá-los aqui.

 

O ataque à epístola falhar, se é feito a partir do ponto de ensino ou de linguagem; e não há motivo alguma para questionar a verdade da tradição cristã que Paulo escreveu a carta que conhecemos como a Epístola aos efésios s.

 

  1. Local e data da escrita 

A hora eo local de sua escrita de Éfeso por sua vez s na maior questão da cronologia da vida de Paulo (verPAULO) Ea relação das Epístolas Cativeiro para o outro; E a segunda pergunta se eles foram escritos de Cesaréia ou Roma (para isso veja PHILEMON ,Epístola aos). Aqui basta dizer que o lugar foi, sem dúvida Roma, e que eles foram escritos durante a última parte do cativeiro os dois anos que encontramos registrado em Atos 28:30 . A data será, então, seguindo a cronologia depois, 63 ou 64 dC; seguindo o anterior, que é, em muitos aspectos, a ser preferido, cerca de 58 ad.

 

III. Destino 

A quem foi essa carta escrita? 

  1. Título 

O título diz aos efésios s. Com isso, o testemunho da igreja primitiva quase universalmente aceita. É claramente afirmado na Muratorian Fragment (10b, 1. 20); ea epístola é citado como aos efésios s por Irineu ( Adv Haer. , v.14, 3;. 24, 3); Tertuliano ( Adv. Marc ., V.11, 17; De Praesc , 36;. De Monag ., V); Clemente de Alexandria ( Strom , iv.65;. Paed ., I.18) e Orígenes ( Contra Celsum , III.20). A estes devem ser adicionados a evidência dos manuscritos existentes eVSS, Que se unem em atribuir a epístola aos efésios s. A única exceção à evidência universal é o relato de Marcião de Tertuliano (cerca de 150 dC), que lê Ad Laodicenos ( Adv Marc. , V.11: ". Eu não digo nada aqui sobre outra epístola que temos com o título« aos efésios s ', mas os hereges' para Laodicéia '... (V.17): de acordo com a verdadeira crença da igreja temos esta carta ter sido enviada para os efésios s, não está em Laodicéia, mas Marcião teve de falsificar seu título, que desejam tornar-se um pesquisador muito diligente ").

 

  1. A inscrição 

Esta evidência quase universal para Éfeso como o destino de nossa carta é quebrada quando nos voltamos para a leitura do primeiro verso. Aqui acordo com Textus Receptus do Novo Testamento lemos: "Paul aos santos que estão em Éfeso ( en Epheso ) E aos fiéis em Cristo Jesus. "Quando olhamos para a evidência para esta leitura, descobrimos que as duas palavras en Epheso estão faltando no Codex Sinaiticus e Codex Vaticanus, e que o corrector da cursiva conhecida como 67 atingiu-los para fora de sua cópia. Além destes uma recentemente descrita MS, Cod. Laura 184, dando-nos um texto que é tão estreitamente semelhante ao utilizado por Orígenes que o escriba sugere que ele foi compilado a partir dos escritos de Orígenes, omite estas palavras (Robinson, Éfeso s , 293). Para esta forte evidência do manuscrito contra a inclusão destas duas palavras na inscrição é preciso acrescentar a evidência de Orígenes e Basil. Orígenes, como citado em Cramer Catena no local, escreve: "Nos Éfeso s só encontramos a expressão" aos santos que são, "e nós pedimos, a menos que a frase" que são 'é redundante, o que pode significar. que isto não seja como em Êxodo quem fala a Moisés declara seu nome para ser o Absoluto, assim também aqueles que são participantes da Absolute tornar-se inexistente quando são chamados, por assim dizer, de não-ser para ser? " Orígenes, evidentemente, não sabe nada aqui de qualquer leitura en Epheso, Mas toma as palavras ", que são" em sentido absoluto, metafísico. Basil, um século e meio depois, provavelmente se refere a este comentário de Orígenes ( Contra Eun dizendo: II.19.): "Mas por outro lado, ao escrever aos efésios s, como aos homens que são verdadeiramente unido com o Absoluto Um meio conhecimento claro, nomeia-os como os existentes em uma frase peculiar, dizendo "aos santos que estão e fiéis em Cristo Jesus. ' Por isso aqueles que foram antes de nós entregou-o para baixo, e nós também têm encontrado (esta leitura) em cópias antigas ". Em nota de Jerome sobre este versículo não é talvez uma referência a este comentário sobre Orígenes, mas a passagem é muito indefinidamente expressa para nós ter a certeza de que sua relação com a leitura realmente é. Os escritores posteriores citadas pela Lightfoot ( Essays bíblicos , 384 f) não pode, como mostra a Robinson (Ef, 293), ser utilizadas como testemunhas contra o Textus Receptus. Podemos, portanto, concluir que a leituraen Epheso faltava em muitos manuscritos antigos, e que não é bom terreno para questionar o seu lugar no autógrafos originais.

 

Mas as explicações sugeridas para a passagem, tal como está, sem as palavras, ofender o uso Pauline tão completamente que não podemos aceitá-los. Para tirar ", que são" na frase "os santos que são" (tOIs oúsin) Como absoluta, como Orígenes fez; ou como significando "verdadeiramente", é impossível. É possível tomar as palavras com que se segue, "e fiel" (pistoıs Kai ), E interpretar esta última expressão (pistois), Quer no sentido do Novo Testamento de "crentes" ou no sentido clássico da "firmes." A cláusula passará a ler tanto "aos santos que também são crentes", ou "aos santos que também são fiéis", ou seja firme. Nenhuma delas é inteiramente de acordo com o uso normal de Paulo, mas eles são, pelo menos, possível.

 

  1. A Evidência da própria carta 

O fator determinante para a questão do destino da epístola reside no próprio epístola. Não devemos esquecer que, salvo talvez Corinto, não havia nenhuma igreja com a qual Paul foi tão intimamente associada a que está em Éfeso. Sua longa permanência lá, dos quais Lemos em Atos (capítulos 19; 20), não encontra eco na nossa carta. Não há saudação a alguém da comunidade cristã, muitos dos quais provavelmente eram amigos íntimos. Os laços pessoais, que a cena de Atos 20: 17-38 nos mostra existia entre ele e seus convertidos em Éfeso, não são sequer insinuado. A epístola é uma discussão calma, sem tocar com o calor da alusão pessoal para além da simples afirmação de que o escritor é um prisioneiro ( Efésios s 3: 1 ; Éfeso s 4: 1 ), e seu elogio do Tychicus ( Éfeso s 06:21 , Éfeso s 06:22 ), que era para dizer-lhes sobre a condição de Paulo em Roma. Esta falta de toque pessoal é intensificado pelo pressuposto subjacente a Ef 3 e 4 que os leitores não sabem o seu conhecimento dos mistérios de Cristo. Em Éfeso s 3: 2 e Éfeso s 04:21 , Éfeso s 04:22 existe uma partícula ( EIGE, "Se de fato"), que sugere pelo menos alguma questão de saber até que ponto o próprio Paulo era o missionário através de quem eles acreditavam. Durante toda a epístola há falta desses elementos que são tão constante nas outras epístolas, que marcam a comunhão pessoal próximo e familiaridade entre o apóstolo e aqueles a quem ele está escrevendo.

 

  1. Conclusão 

Este elemento na epístola, juntamente com o estranho fato de Marcião atribuindo-o à igreja de Laodicéia, ea expressão em Colossenses 4:16 que aponta a uma carta proveniente de Laodicéia para Colossos, levou a maioria dos escritores da actualidade para aceitar a sugestão de Ussher que a epístola é realmente uma carta circular às igrejas, quer na Ásia, ou, talvez melhor, em que parte da Frígia, que fica perto de Colossos. Os leitores eram evidentemente gentios ( Efésios s 2: 1 ; Éfeso s 3: 1 , de Éfeso s 3: 2 ) e da missão da Tíquico, sem dúvida, de uma localidade definida, embora pelas razões expostas acima desta não poderia muito bem ser Éfeso sozinho. É bem possível que as cidades a quem João foi convidado para escrever o Apocalipse (Ap 1 a 3) são os mesmos que aqueles a quem Paulo escreveu esta carta, ou pode ser que eles eram as igrejas do vale do Lico e sua imediata Vizinhança. A localização exacta não pode ser determinada. Mas a partir do fato de que Marcião atribuído a epístola a Laodicéia, possivelmente por ter sido escrito assim no primeiro verso, e a partir da conexão com Colossenses, é pelo menos provável que duas dessas igrejas estavam em Colossos e Laodicéia. Nesta teoria, a carta parece ter sido escrito a partir de Roma para as igrejas no bairro de, ou acessível a, Colossos, lidar com o problema da unidade e da comunhão cristã e as relações entre Cristo ea igreja e enviado a eles pelas mãos de Tychicus. A inscrição era para ser preenchido pelo portador, ou cópias deveriam ser feitos com o nome da igreja local escrito em, em seguida, enviado para ou para a esquerda com as diferentes igrejas. Foi a partir de Éfeso, como a principal cidade da Ásia com toda a probabilidade, que as cópias desta carta circular atingiu a igreja no mundo, ea partir deste fato, a carta veio a ser conhecido na igreja em grande quanto o de Éfeso, ea título estava escrito "aos efésios s", e o primeiro verso foi feito para ler para os "santos que estão em Éfeso."

 

  1. Relação com outros escritos do Novo Testamento 

Éfeso s levanta ainda uma outra questão pelas semelhanças estreitas que podem ser rastreados entre ele e vários outros escritos do Novo Testamento.

 

  1. Pedro

 

A conexão entre Éfeso s e 1 Pedro não está fora de questão. Apesar da exclusão de tão cuidadoso um escritor como Dr. Bigg ( ICC ) é impossível acompanhar as referências feitas por Holtzmann e outros e não sentem que Peter tinha conhecimento de Éfeso s ou pelo menos tinha discutido esses assuntos com o seu autor. Pois, como Dr. Hort diz-nos, a semelhança é um do pensamento e da estrutura e não da frase. A seguir estão as passagens mais marcantes com seus paralelos em 1 Pedro: Éfeso s 1: 3 ( 1 Pedro 1: 3 ); Éfeso s 1: 18-20 ( 1 Pedro 1: 3-5 ); Éfeso s 2: 18- 22 ( 1 Pedro 2: 4-6 ); Éfeso s 1: 20-22 ( 1 Pedro 3:22 ); Éfeso s 3: 9 ( 1 Pedro 1:20 ); Éfeso s 03:20 ( 1 Pedro 1:12 ); Éfeso s 04:19 ( 1 Pedro 1:14 ). As explicações que 1 Pedro e Éfeso s são ambos da pena de o mesmo escritor, ou que Éfeso s é baseado em um animal de estimação, são derrubados, entre outras razões, pela estreita relação entre Éfeso s e Colossenses.

 

  1. escritos joaninos 

A conexão com o Apocalipse é baseado em Éfeso s 02:20 , em comparação com Apocalipse 21:14 ; Efésios s 3: 5 e Apocalipse 10: 7 ; Éfeso s 05:11 e Apocalipse 18: 4 , ea figura da noiva de Cordeiro ( Apocalipse 19: 7 ; comparar Éfeso s 05:25 ). Holtzmann adiciona várias semelhanças menores, mas nenhum deles é suficiente para provar qualquer conhecimento real de, deixe a dependência sozinho em Éfeso s. O contato com o Quarto Evangelho é mais positivo. Ame ( boquiaberto ) E conhecimento (Gnosis) São usados ​​com o mesmo sentido em ambas as efésios s e o Evangelho. A aplicação do título messiânico, o Amado ( Efésios s 1: 6 ), a Cristo não aparece no Evangelho (ela é encontrada em Mateus 3:17 ), mas a declaração de amor do Pai por Ele constantemente se repete. A referência ao subir e descer de Cristo ( Efésios s 4: 9 ) está muito próxima da João 3:13 ( "Ninguém jamais subiu ao céu, mas ele", etc.). Assim, também, Éfeso s 05:11 , Éfeso s 5:13 encontra eco em João 3:19 , João 3:20 ; Efésios s 4: 4 , Éfeso s 4: 7 em João 3:34 ; Efésios s 5: 6 em João 3:36 . Éfeso s 5: 8 f é semelhante a 1 João 1: 6 e Éfeso s 2: 3 a 1 ​​João 3:10 .

 

  1. Colossenses 

Quando nos voltamos para Colossenses, encontramos uma situação que não tem paralelo no Novo Testamento. Fora de 155 versos em Éfeso s, 78 são encontradas em Colossenses em diferentes graus de identidade. Entre eles estão estes: Éfeso s 1: 6 paralela Colossenses 1:13 ; Efésios s 01:16 paralelo Colossenses 1: 9 ; Éfeso s 01:21 paralelo Colossenses 1:16 ; Efésios s 02:16 paralelo Colossenses 2:20 ; Efésios s 4: 2 paralelo Colossenses 3:12 ; Efésios s 04:15 paralelo Colossenses 2:19 ; Efésios s 04:22 paralelo Colossenses 3: 9 ; Éfeso s 04:32 paralelo Colossenses 3:12 ; Efésios s 5: 5 paralela Colossenses 3: 5 ; Éfeso s 05:19 paralelo Colossenses 3:16 ; Efésios s 6: 4 paralelo Colossenses 3:21 ; Efésios s 6: 5-9 paralelo Col 3:22 a 4: 1. Para obter uma lista mais completa ver Abbott ( ICC , XXIII). Não só isto é assim, mas não há uma identidade de tratamento, uma semelhança no argumento tão grande que Bishop Barry ( NT Comentário para os leitores ingleses , Ellicott) pode fazer uma análise paralela mostrando a divergência e semelhança, pelo simples mecanismo de tipo diferente. Para isto é preciso acrescentar que há pelo menos uma dúzia de palavras gregas comuns a essas duas epístolas não encontradas em outros lugares. Contra essa semelhança deve ser definido a dissimilaridade. O tema geral das epístolas não é abordado a partir do mesmo ponto de vista. Em um é Cristo como a cabeça de toda a criação, e nosso dever em consequência. Na outra é a igreja como a plenitude de Cristo e nosso dever - colocar constantemente com as mesmas palavras - em decorrência da mesma. Em Éfeso s temos um número de referências do Antigo Testamento, em Colossenses apenas um. Em Éfeso s temos frases únicas, de que "as esferas celestes" ( ta epourania) É mais impressionante, e todo o tratamento da relação entre judeus e gentios na igreja, e o vínculo marital, como exemplificado na relação entre Cristo ea igreja. Em Colossenses temos da mesma maneira distinta passagens que não têm paralelo em Éfeso s, especialmente a seção controversa no capítulo 2, e as saudações. (Na verdade, como Davies Epístolas de São Paulo aos efésios s , Colossenses , e Filipenses .) Também diz: "É realmente difícil dizer, acerca das coincidências de patentes de expressão nas duas epístolas, se os pontos de semelhança ou de dessemelhança entre eles são ainda mais notável ". Esta situação deu origem a várias teorias. O mais complicado é o de H. Holtzmann, que defende que algumas passagens apontam para uma prioridade de Colossenses, outros para o de Éfeso s; e como resultado, ele acredita que Colossenses, como a temos, é um composto, com base em uma epístola inicial de Paulo que foi ampliado pelo autor de Éfeso s - que não era Paul - depois de ter escrito esta carta. Então Holtzmann nos daria a Colossenses original (Pauline), de Éfeso s (com base nele), e o presente Colossenses (não Pauline) expandido a partir do primeiro através do segundo. A teoria cai no chão em sua hipótese fundamental, que Colossenses actual é interpolada. A explicação mais razoável é que tanto Colossenses e Éfeso s são o trabalho de Paul, escrito praticamente ao mesmo tempo, e que, por escrito, sobre os mesmos temas, para pessoas diferentes, haveria apenas as diferenças e semelhanças que temos nestes epístolas. A objeção de que Paul não conseguiu repetir a si mesmo e ainda divergem quanto essas duas cartas fazer é puramente imaginário. Zahn nos mostra que os homens fazem apenas isso mesmo, dando conta do falar de Bismarck sobre um determinado assunto a um grupo de oficiais e mais tarde para um grande grupo de homens, e ainda usando uma linguagem bem diferente. Além disso, Paulo não é avesso a repetir-se (compare Romanos e Gálatas e 1 Timóteo e 2 Timóteo), quando o fizer, irá servir a sua finalidade. "Autoria simultânea por um escritor", e que o escritor Paul, é a única explicação que irá satisfazer todos os fatos no caso e dar-lhes devida proporção.

 

  1. O Propósito 

Se nossa interpretação das circunstâncias, composição e destino de Éfeso s estar certo, estamos agora em condições de olhar abaixo da superfície e perguntar por que o apóstolo escreveu. Para compreender o seu tema central é preciso lembrar que Paulo, o prisioneiro no Senhor, está escrevendo a calma de sua prisão, longe do barulho e tumulto, o conflito e discórdia, que marcou sua vida anterior. Ele agora é capaz de olhar para fora na igreja e ter uma visão do que em sua totalidade, para ver a parte que é jogar no esquema de Deus para a restauração da raça humana, para ver o propósito de Deus nele e para ele e sua relação a Ele. Com este ponto de vista dos que ele pode escrever às igrejas sobre Éfeso, por ocasião do retorno Tychicus 'para Colossos, não para corrigir falsos pontos de vista sobre algum ponto especial, mas para enfatizar a grande verdade central que ele tinha colocado na vanguarda de sua carta. O propósito eterno de Deus é reunir em um todo o universo criado, para restaurar a harmonia entre as Suas criaturas e entre estes ea Si mesmo. Toda a oração do apóstolo é para este fim, todo o seu esforço e desejo é para este objetivo: para que tenham pleno conhecimento, claro desse propósito de Deus, que Ele está trabalhando por meio de Cristo Jesus, que é a cabeça da igreja, o muito plenitude daquele que está sendo cumprida em todo o mundo. Tudo, para o apóstolo, como ele olha adiante sobre o império, centra no propósito de Deus. A discórdia entre os elementos na igreja, a distinção entre judeus e gentios, tudo isso deve ceder a essa propósito maior. A visão é de uma grande unidade em Cristo e por Ele em Deus, a unidade de nascimento e de fé e de vida e de amor, como os homens, tocados com o fogo daquele propósito Divino, procuram cumprir, cada um em si mesmo, a parte que Deus deu-o a desempenhar no mundo, e, lutando contra os inimigos de Deus, para superar a última. 

É um propósito nobre para definir diante dos homens este grande mistério da Igreja como meio de Deus pelo qual, em Cristo, Ele pode restaurar todos os homens a união com Ele. É uma visão impossível a não ser para aquele que, como Paulo era, no momento, está em uma situação onde a luta e agitação da vida exterior pode entrar, mas pouco, mas uma situação onde ele pode olhar com uma visão calma e, na meio da discórdia do mundo, discernir o que Deus está realizando entre os homens.(notas International Standard Bible Encyclopedia 1915).

fonte  www.avivamentonosul.com