Translate this Page

Rating: 3.0/5 (914 votos)



ONLINE
7




Partilhe este Site...

 

 

<

Flag Counter


Panorama biblico carta aos Tessalonissenses
Panorama biblico carta aos Tessalonissenses

                           Primeira e Segunda Epístolas aos Tessalonicenses

  1.                                           A Igreja de Tessalônica

 

(1) A narrativa de Atos 17.-Tessalônica, uma cidade grega livre com o direito de invocar a sua própria montagem, era um porto florescente e capital de uma das quatro divisões da Macedónia. Ali, no decurso da sua segunda viagem missionária, vieram Paul, juntamente com Silas e Timóteo, para continuar a obra interrompida em Filipos pelo poder civil. Começando como de costume com os judeus, o Apóstolo pregou na sinagoga três sábados consecutivos. O resultado de sua pregação foi a conversão de alguns dos judeus, de uma grande multidão de prosélitos gregos, e de um número considerável das principais mulheres. Posteriormente os judeus, ajudados pela ralé * [Nota: Lake (.. Primeiras Epístolas de St. Paul, p 69 n) sugere que ἀγοραίων (Atos 17: 5) significa não 'vadios', mas 'agitadores' (cf. Plutarco , aemil. Paul. 38), e que o δῆμος a que os apóstolos estavam ter sido trazido não era um corpo jurídico especial, mas apenas a reunião agitação chamado à existência pela ἀγόραιοι.] da cidade, criou um alvoroço, invadiram a casa onde os apóstolos apresentado, e arrastou Jason seu hospedeiro antes da assembleia municipal. Lá, eles o acusaram de abrigar homens cuja presença era uma ameaça para a paz pública, adeptos de uma imperador rival, que é Jesus. Para tal taxa não oficial imperial poderia seguramente fazem ouvidos moucos, muito menos em uma cidade que possui privilégios peculiares. No entanto, a ação dos politarchs foi branda. Eles amarraram sobre Jason e 'o resto' para manter a paz da cidade e deixá-los ir, provavelmente, mantendo-os responsáveis ​​pela continuada ausência de Paulo e Silas de Tessalônica (Ramsay, St. Paul do viajante e do Cidadão romano, p. 231). Enquanto isso, os apóstolos e Timothy tinha sido enviado por noite para Bereia, onde continuaram seu trabalho missionário. Mas a hostilidade dos judeus tessalonicenses ainda persegue, e seu trabalho teve que ser abandonado. Paulo saiu para o mar, * [Nota: Zahn, seguindo no versículo 14 a leitura do MSS HLP ὡς ἐπὶ τὴν θάλασσαν, sugere que Paulo viajou por terra até Atenas (Introd ao NT, Eng TR, 3 vols..... , Edimburgo, 1909, vol. ip 214).] provavelmente para Dium, onde ele embarcou para Atenas. Silas e Timóteo ficaram em Beréia com instruções para se juntar a ele o mais rápido possível (ὡς τάχιστα, Atos 17:15).

 

(2) detalhes adicionais fornecidas pelo Epistles.-A confiabilidade de Atos 17 é atestada pela precisão de suas informações focal. A existência do δῆμος Tessalônica (Atos 17: 5), o πολιτάρχης título (Atos 17: 6-8), a maior liberdade das mulheres na vida macedônio, em comparação com a de Atenas (Atos 17: 4), são todos os fatos fundamentados pelas provas contemporânea (cf. Lightfoot, Essays bíblicos, p 237 e segs .; Ramsay, St. Paul o Traveller, p 227, AJTh [Nota:. jth American Journal of Theology]... ii [1898] 598-632). No entanto, a narrativa Atos é um esboço esboço em vez de uma imagem acabada (Ramsay, São Paulo, o viajante, p 233;. Cf. Harnack, Atos dos Apóstolos, Londres, 1909, p 206).. Sua aparência é consideravelmente alterado pela adição de detalhes recolhidos a partir de 1 Tessalonicenses.

 

(A) Embora o escritor dos Atos admite que a maioria dos cristãos de Tessalônica eram gentios, ele só fala de prosélitos gentios ao judaísmo (τῶν τε σεβομένων Ἑλλήνων, Atos 17: 4). 1 Tes. implica que a igreja de Tessalônica foi composta em grande parte dos convertidos do paganismo (1 Tessalonicenses 1: 9; 1 Tessalonicenses 2:14; 1 Tessalonicenses 4: 1-5). Esta discrepância certamente desaparece se nós consideramos como o verdadeiro texto de Atos 17: 4 emendation de Ramsay πολλοὶ τῶν σεβομένων, καὶ Ἑλλήνων πλῆθος πολὺ κτλ. (São Paulo, o viajante, p 226 n.. [Nota:. Nota.]). Mas, provavelmente, a inserção de καὶ pela Bezan e manuscritos 'inferiores' na qual se baseia representa apenas a tentativa de um escriba para evitar a frase incomum τῶν σεβομένων Ἑλλήνων (Askwith, Uma Introdução à Tessalônica Epístolas, p. 12 e ss.). 

(B) Atos 17 parece sugerir que Paulo deixou Tessalônica logo após suas três semanas de ensino sinagoga. A partir de 1 Tes. concluímos que o apóstolo estabeleceu a sua actividade comercial ordinário (1 Tessalonicenses 2: 9; cf. 2 Ts 3: 8), tratou-se pessoalmente com os convertidos individuais (1 Tessalonicenses 2: 7-11), e construiu-se uma forma simples de igreja organização (1 Tessalonicenses 5:12). Duas vezes em Tessalônica ele recebeu doações de Filipos (Filipenses 4: 15-16). Essas coisas dificilmente ser lotados em três semanas. É evidente que o apóstolo passou muito mais tempo em Tessalônica. O esquema cronológico de Atos permitiria uma estadia de seis meses (Ramsay, São Paulo, o viajante, p. 228). 

(C) A partir de Atos 18: 5 seria naturalmente se inferir que Silas e Timóteo voltou primeira Paul em Corinto. 1 Tes. deixa claro que, antes disso, haviam estado com ele em Atenas (1 Tessalonicenses 3: 1). Estas diferenças entre Atos e 1 Tes., Enquanto eles traem qualquer contradição fundamental, mas servem para mostrar a total independência das duas narrativas. "É evidente que essa carta não estava nas mãos do autor de Atos ... nem foi Actos nas mãos do autor de 1 Tes." (Enciclopédia Biblica iv. 5040 f.). 

  1. ocasião e data da Epistles.-Em Atenas Paulo foi acompanhado por Silas e Timóteo, que lhe causou grande inquietação pelas suas novas de novas perseguições sofridas pela Igreja de Tessalônica (1 Tessalonicenses 3: 1-5). Mais de uma vez Paul planejado um retorno a Tessalônica, mas a forma como foi barrado. O obstáculo específico é o significado da frase Oriental ἐνέκοψεν ἡμᾶς ὁ Σατανᾶς (1 Tessalonicenses 2:18) é incerto. Talvez fosse a proibição unrescinded dos politarchs Tessalônica (Ramsay, St. Paul do viajante, p. 231). Seja qual for a sua natureza, não afetou a Timóteo, e, consequentemente, Paulo e Silas (cf. ἐπέμψαμεν, 1 Tessalonicenses 3: 1) o enviou em seu lugar para aprender o estado de coisas da Igreja, e fortalecer os cristãos perseguidos. Deixado sozinho em Atenas, depois de uma estada na cidade de não mais do que quatro ou cinco semanas Paul passou a Corinto, onde Silas e Timóteo encontrou-o em seu retorno da Macedónia * [Nota: Logo após a saída de Timothy de Atenas, Silas parece foram enviados em uma missão semelhante a uma outra igreja da Macedônia (Atos 18: 5)., talvez para Filipos (Filipenses 4:15)] (Atos 18: 5). O relatório de Timothy, complementado talvez por uma carta do Tessalonicenses, foi em toda a extremamente satisfatória (ver Expositor, quinta sor. viii. [1898] 161 ff, por uma tentativa de reconstruir a carta supostamente). A constância dos tessalonicenses, sob a perseguição não só provou-los dignos da sua "eleição", mas também causou o seu exemplo a ser realizada para a imitação de todos os crentes em toda a Macedônia e Acaia (1 Tessalonicenses 1: 2-10; 1 Tessalonicenses 3 : 5-8) mas eles foram assolado por perigos. Adversários dos apóstolos tinha deturpado as suas motivações na pregação em Tessalônica, possivelmente tornando capital para fora da partida secreta da cidade (1 Tessalonicenses 2:. 3 ff, onde as palavras πλάνη, ἀκαθαρσία, δόλος, κολακεία, πλεονεξία, ζητοῦντες δόξαν parecem echo encargos reais interpostos contra os escritores). Se os cristãos de Tessalônica já foram levados a desconfiar de seus professores, parecia provável que a perseguição logo levá-los de volta ao paganismo. 

Além disso, as dificuldades existiam dentro da comunidade cristã. Heathen vida social e da impureza tolerada pela opinião pública ainda tinha atrações para alguns (1 Tessalonicenses 4: 1-6); alguns estavam inclinados a abandonar o emprego útil para uma vida de ociosidade (1 Tessalonicenses 4:11), enquanto outros nevou um espírito de desordem e desprezo por aqueles que têm autoridade (1 Tessalonicenses 5: 12-14). Mal-entendidos tinha surgido quanto ao uso dos dons espirituais peculiares (1 Tessalonicenses 5: 19-20). Alguns cristãos que haviam perdido amigos por morte, estavam ansiosos para saber qual parte estes devem ter na parusia.

 Harnack ( "Das Problem des zweiten Thessalonicherbriefs, 'em SBAW [. Nota: BAW Sitzungsberichte der Berliner Akademie der Wissenschaften] de 1910) pensa que Timóteo também relataram uma clivagem séria entre judeus e gentios convertidos; daí a insistência em "todos os irmãos", por exemplo, 1 Tessalonicenses 3:12; 1 Tessalonicenses 5:15; 1 Tessalonicenses 5:26. 

Para remover estas dificuldades, os dois apóstolos e Timothy escreveu a Epístola conjunta, 1 Tessalonicenses. Foi o único substituto possível para uma visita pessoal, e cada parágrafo testemunha o calor do afeto pessoal existente entre professores e alunos. Quem deu esta carta para o seu destino, e se voltou imediatamente para Paul, nós não sabemos. Por alguns meios, no entanto, o apóstolo aprendeu que problemas fresco tinha surgido em Tessalônica. A perseguição continuou e ainda foi bravamente suportou (2 Tessalonicenses 1: 4); mas uma nova fonte de ansiedade tinha surgido a partir de uma crença espalhando na iminência da parusia. 1 Tes. tinha falado não parte do tempo, mas apenas da rapidez de vir, mas uma frase do Senhor, pelo menos, (ἡμεῖς οἱ ζῶντες κτλ., 1 Tessalonicenses 4:15) parecia dar cor à ideia de que era de se esperar dentro do tempo de vida da geração existente. Esta ideia foi promovida por homens que reivindicaram a autoridade não só da carta apostólica, mas também do seu próprio presente pessoal de profecia 1 Tessalonicenses 2: 2). excitação selvagem seguido, e os homens começaram inteiramente a negligenciar os deveres da vida diária (1 Tessalonicenses 3:11). 

Para terminar esta desordem, os três professores escreveu uma segunda carta. Seu ponto principal reside na seção 2 Tessalonicenses 2: 1-12., Que complementa o ensino escatológico de 1 Tessalonicenses, por deter sobre o número de coisas que devem acontecer antes da vitoriosa vinda do Senhor, e assim removendo todo terreno para a crença de que ele está próximo à mão.

 Esta conta do fim da escrita das duas Epístolas é geralmente aceite por aqueles que admitem a sua autenticidade. Harnack, no entanto, sugere que eles foram escritos pelo ou menos ao mesmo tempo, 1 Tes. ao Thess Gentile, 2. para a seção judaica do † comunidade [Nota: Esta teoria do destino de 2 Tes. baseia-se principalmente sobre a tez essencialmente judaica da Epístola, especialmente 2: 1-12, e na leitura εἴλατο ὑμᾶς ὁ θεὸς ἀπαρχὴν εἰς σωτηρίαν (2:13). Seu autor é inspirado por um desejo de aceitar a autenticidade de 2 Tessalonicenses., Embora ele pensa que a sua diferença de tom entre 1 Tes. torna incrível que as duas Epístolas foram escritas para as mesmas pessoas sobre o mesmo tempo] ( "Das Problem des zweiten Thessalonicherbriefs, 'em SBAW [Nota: BAW Sitzungsberichte der Berliner Akademie der Wissenschaften] de 1910.)..

 

A data real atribuído ao Epístolas depende do sistema particular de Pauline cronologia adotada. Ambos, se genuíno, foram escritos durante a estadia de Paulo em Corinto, no final de sua segunda viagem missionária (Atos 18:11; veja Encyclopaedia Biblica iv 5037.), E deve, em qualquer caso ter sido composta entre dC 47 e 53 (ver Moffatt, histórico NT2, pp. 121-137). O intervalo entre eles seriam no máximo algumas semanas.

 

  1. Conteúdo das Epístolas 

(I.) 1 Thessalonians.-Após a saudação de abertura (1 Tessalonicenses 1: 1), o que representa uma combinação das saudações grego e hebraico convencionais do período (χάρις καὶ εἰρήνη), a Epístola se divide em duas seções.

 

(A) Narrativa e pessoal (1 Tessalonicenses 1: 2 a 1 Tessalonicenses 3:13) .- (1) Ação de Graças para a firmeza dos tessalonicenses sob provação e de progresso na fé, que fizeram-lhes um padrão para todos os cristãos em toda a Macedônia e Acaia. Sua nova força brota do fato de que eles tornaram-se servos de um Deus que é viva e real (1 Tessalonicenses 1: 2-10).

 (2) Com certeza eles não podem ter dúvidas sobre os motivos dos apóstolos, quando eles recordam a sua liberdade de todo egoísmo, a sua solicitude para os indivíduos, a perseguição que sofreu, o trabalho e privação necessária em virtude da sua independência voluntária. Os próprios alunos testemunho de que a atitude dos seus professores foi o de um pai exortando seus filhos a andar de maneira digna de Deus (1 Tessalonicenses 2: 1-12). 

(3) Os filhos têm respondido com nobreza. A mensagem do poder que eles receberam os inspirou bravamente para suportar a perseguição às mãos dos seus concidadãos o mesmo que os cristãos judeus já tinha feito na Judéia (1 Tessalonicenses 2: 13-16).

 (4) Expulsos de Tessalônica, os apóstolos desejava voltar. Mais de uma vez Paulo planejava fazê-lo, mas em vão. Incapaz de suportar o suspense, ele e Silas enviou Timothy de Atenas para aprender como eles se saíram * [Nota: κἀγὼ ἔπεμψα (1 Tessalonicenses 3: 5) talvez possam implicar que St. Paul enviou ft segundo mensageiro por sua própria conta.]. A boa notícia que ele trouxe de volta colocou nova vida em apóstolos. Apesar da perseguição, os tessalonicenses se mantiveram firmes. Os apóstolos, pois, abriram o coração em ação de graças a Deus, e no novo anseio de rever e fortalecer seus filhos espirituais (1 Tessalonicenses 2:17 a 1 Tessalonicenses 3:10). Que Deus assim lhes conceder o seu desejo, e levar seus convertidos ainda mais no caminho da santidade (1 Tessalonicenses 3: 11-13).

 

(B) exortatório e doutrinal .- (1) Até agora, eles fizeram bem. Eles não devem relaxar seus esforços. A palavra de ordem Christian é um progresso. progresso cristão envolverá ruptura total da impureza da vida pagã. Eles que voluntariamente o pecado contra o corpo, a morada do Espírito, se expõem à vingança de Deus (1 Tessalonicenses 4: 1-8). 

(2) O amor fraternal, já uma prova clara da orientação Divina neles, deve ser mantida. Uma das marcas de sua presença será tal desempenho silencioso dos deveres diários como será um exemplo para pagãos vizinhos (1 Tessalonicenses 4: 9-12).

 (3) Que ninguém estar muito preocupados com amigos falecidos. Os cristãos são um com Cristo. Aqueles que dormem vai acordar e têm o seu lugar juntamente com os vivos na Sua vinda (1 Tessalonicenses 4: 12-18). Quando Ele virá nenhum homem pode contar. Os cristãos devem viver de modo a estar preparado para Sua vinda a qualquer momento (1 Tessalonicenses 5: 1-11).

 (4) Por fim, é preciso lembrar o seu dever de obediência aos de autoridade e de ajuda mútua e tolerância ao outro. Alegria, oração, agradecimento são a base da vida cristã. Peculiares dons espirituais devem ser nem desanimado nem sobre-estimado: o que é bom deve ser realizada rapidamente; tudo o que carrega a imagem do mal deve ser rejeitada (1 Tessalonicenses 5: 12-22).

 A epístola termina com uma oração para sua santificação completa, um pedido de suas intercessões, um comando para fazer circular o próprio Epístola, e uma bênção final (1 Tessalonicenses 5: 23-28).

 (Ii.) 2 Tessalonicenses .- (1) A saudação (2 Tessalonicenses 1: 1-2) leva até uma ação de graças pelo progresso espiritual dos leitores, especialmente para a sua resistência sob perseguição. Essa constância é uma prova de que os espera no julgamento final (2 Tessalonicenses 1: 2-4). O julgamento final é então descrito numa passagem rítmica com base em frases AT (2 Tessalonicenses 1: 5-10), talvez uma adaptação de um hino cristão primitivo (Bornemann, Die Thessalonicherbriefe, pp 329, 336.). Que eles possam ser dignos de expor a glória do nome do Senhor Jesus naquele dia (2 Tessalonicenses 1: 10-12).

 (2) Mas que não se deixe enganar. Esse dia ainda não é, o que os professores equivocadas podem dizer, embora eles afirmam que o suporte da carta do Apóstolo (2 Tessalonicenses 2: 1-3). Será que eles não se lembra o ensinamento do Apóstolo? Um mistério da iniqüidade está no trabalho no mundo, mas ainda é mantido em cheque. Em primeiro lugar deve vir a remoção do poder de restrição, a grande apostasia, o clímax da ilegalidade na pessoa do homem do pecado e da época do seu sucesso temporário. Então, e não antes, em seguida, irá Cristo veio na vitória para destruir o "homem do pecado" e seus seguidores (2 Tessalonicenses 2: 1-12). Graças a Deus que entregou os leitores de tal destino: que eles se apegam às coisas que tenham recebido, e que Deus possa fortalecer e mantê-los firmes (2 Tessalonicenses 2: 13-17).

 (3) Deixe-os orar por seus professores, que têm plena confiança em sua sinceridade. Deus conceder-lhes amor e paciência (2 Tessalonicenses 3: 1-5).

 (4) irmãos de marcha lenta e indisciplinados devem ser evitados. Tal conduta se opõe tanto ao ensino e ao exemplo dos apóstolos. O cristão deve ser auto-apoio ou ser cortado da comunidade (2 Tessalonicenses 3: 6-15). Maio próprio descanso paz de Deus sobre todos eles (2 Tessalonicenses 3:16). A epístola termina com uma saudação na própria caligrafia de Paul.

 

  1. Ensino das Epístolas 

(I.) Doutrina da God.-O pensamento dominante é que Deus é uma realidade pessoal vivo, ao contrário das abstrações da filosofia pagã ou a mera fantasias da religião pagã (1 Tessalonicenses 1: 9-10.). Deus deu aos apóstolos a sua mensagem (1 Tessalonicenses 2: 4; 1 Tessalonicenses 2:13), e seu poder interior mudou seus ouvintes a aceitá-la (1 Tessalonicenses 2:13, 2 Tessalonicenses 2:13), de modo que a sua vida é agora viveu em Sua presença (ἔμπροσθεν τοῦ θεοῦ, 1 Tessalonicenses 1: 3). De sozinho Ele vem graça ea paz (1 Tessalonicenses 3:12, 1 Tessalonicenses 5:23, 2 Tessalonicenses 2:16; 2 Tessalonicenses 3:16). Ele é o nosso juiz (1 Tessalonicenses 2: 4), mas ele também é nosso Pai (1 Tessalonicenses 1: 3, 1 Tessalonicenses 3:11, 1 Tessalonicenses 3:13, 2 Tessalonicenses 1: 1-2; 2 Tessalonicenses 2:16) .

 

(Ii.) Cristologia 

(A) A pessoa de Christ.-Não é demais dizer que a Divindade essencial de Cristo e Sua igualdade essencial com o Pai está em todos os lugares um dado adquirido. Cristo é o Filho (1 Tessalonicenses 1:10): Ele está ligado com o Pai como a fonte da vida da Igreja (1 Tessalonicenses 1: 1, 2 Tessalonicenses 1: 1; cf. 1 Ts 2,14), como o objeto da oração (1 Tessalonicenses 3:11, 2 Tessalonicenses 2:16), como o doador de bênçãos supremas (2 Tessalonicenses 1: 2; 2 Tessalonicenses 3:18, 1 Tessalonicenses 5:28). Para uma treinada nas monoteísmo judaico, isso pode ter significado nada menos do que o próprio Cristo é Deus (veja Sanday no Dicionário da Bíblia (5 vols) iii. 648 do Hasting). Ele, portanto, é naturalmente chamado κύριος ὁ, um título comumente aplicada a Deus entre os judeus helenistas. Ao mesmo tempo Sua humanidade é indicado pelo uso do nome humana simples 'Jesus' (1 Tessalonicenses 1:10; 1 Tessalonicenses 4:14), e Seu Messias pela repetição frequente do título Χριστός.

 (B) Trabalho de Christ.-na terra, Cristo morreu e ressuscitou (1 Tessalonicenses 1:10; 1 Tessalonicenses 4:14; 1 Tessalonicenses 5:10). Sua morte foi o meio de salvação do homem (1 Tessalonicenses 5: 9-10); Sua ressurreição é a promessa da ressurreição de Seus seguidores (1 Tessalonicenses 4:14), que deve seguir compartilhar sua vida glorificado (1 Tessalonicenses 4:17, 1 Tessalonicenses 5:10). Como o Messias Ele vai finalmente vencer as forças do mal (2 Tessalonicenses 2: 8-10), e sentar-se na cadeira de juiz (2 Tessalonicenses 1: 7-10).

 (Iii.) O espírito santo-Como o Filho está ligada com o Pai, assim também o Espírito Santo está associada com a atividade divina. O Espírito Santo inspirou tanto a convicção com que os apóstolos pregaram e a alegria com que a sua mensagem foi recebida (1 Tessalonicenses 1: 5-6). Do Espírito Santo veio esses dons carismáticos que o abuso pareciam susceptíveis de pôr em desprezo (1 Tessalonicenses 5:19). impureza corporal é um pecado contra o Espírito Santo de Deus plantada dentro (1 Tessalonicenses 4: 8). Ele não pode ser invocada, no entanto, que o Espírito Santo é mencionado como distintamente pessoal. 

(Iv.) Eschatology.-O ensino escatológico destes Epístolas centrada em torno da doutrina da vitoriosa vinda do Senhor Jesus como o clímax da história humana. No entanto, em nenhum Epístola fazer os escritores professam a dar uma descrição completa desse evento final. Eles selecionam apenas os pontos que têm relação direta com a questão prática diante deles no momento. O ensino da Primeira Epístola é moldado para responder à pergunta "Que parte vai cristãos mortos tomar na Parousia?" Isso da Segunda Epístola é moldada pelo desejo de acalmar a agitação histérica em Tessalônica com uma garantia de que a parusia não é iminente. Se as declarações das duas Epístolas têm poucos pontos de contato, é porque eles estão lidando com inteiramente diferentes aspectos do assunto.

 

(1) 1 Tessalonicenses 4: 13-18; 1 Tessalonicenses 5: 1-10 

(A) A Parusia e da ressurreição dos mortos (1 Tessalonicenses 4: 13-18) .- Sem ansiedade precisa ser sentida sobre os fiéis defuntos. Quando Jesus voltar, Deus, que o ressuscitou dentre os mortos, também nos ressuscitará a aqueles que estão unidos a Ele * [Nota:. Este parece ser o sentido da difícil versículo 1 Tessalonicenses 4:14 se ligar a διὰ cláusula τοῦ Ἰησοῦ com ἄξει e não com κοιμηθέντας.] nem serão em qualquer desvantagem em comparação com os vivos. "Porque o mesmo Senhor descerá do céu com uma palavra de comando (κελεύσματι), com a voz do arcanjo e com a trombeta de Deus." O que morreram em Cristo primeiro subir; em seguida, eles que estão (ainda) viva será arrebatado junto com eles no ar em nuvens ao encontro do Senhor: assim, eles serão sempre com o Senhor (1 Tessalonicenses 4: 15-18). Nesta passagem, os autores afirmam estar falando ἐν λόγῳ Κυρίου (1 Tessalonicenses 4:15). Se eles estão se referindo aos provérbios reais registradas nos Evangelhos (por exemplo, Mateus 24:30 e ss., John 06:39) ou para alguma revelação pessoal para Paul é incerto (cf. Milligan, Tessalonicenses, ad loc.). Mas não pode haver dúvida quanto à fonte de muitos dos detalhes de sua imagem. Eles têm emprestado livremente as imagens corajosa de judaica Apocalyptic. Este deve ser um alerta suficiente contra uma interpretação demasiado literal de suas declarações.

 κέλευσμα, φωνὴ ἀρχαγγέλου, σάλπιγξ θεοῦ, sejam elas idéias sinônimas ou distintos, são o prelúdio habitual para uma teofania em imagens judaica (Êxodo 19:16, Zacarias 9:14), e são especialmente conectado com o fim da última era do mundo ea ressurreição (Daniel 12: 1; Daniel 12: 4 Esdras 6:23; cf. Targum em Zacarias 14: 4, "naquele tempo Jeová levar na mão uma grande trombeta e com ele explodir dez explosões de ressuscitar os mortos '). A vantagem daqueles que sobrevivem ( 'qui derelicti sunt'; cf. οἱ περιλειπόμενοι) no final através da morto é discutido em 4 Esd 13:24, embora a conclusão seja diferente da de 1 Ts. A menção de nuvens em conexão com a vinda do Senhor parece voltar para Daniel 7:13 (cf. Mateus 24:30; Mateus 26:64). O apanhando dos vivos nas nuvens como em uma carruagem (cf. Salmo 104: 3) não tem paralelo conhecido em autores mais antigos ou contemporâneos, mas a idéia é bastante em keepings com noções apocalípticos judaicos (ver Thackeray, a relação do St. Paul de Contemporary Jewish Thought, cap. v.).

 Estes exemplos são suficientes para mostrar como uma grande utilização é feita em 1 Tes. de idéias judaicas tradicionais. Mas essas idéias tornaram-se a definição de novas verdades-the cristãos conhecimento da ressurreição de Cristo como um fato, ea garantia de que Sua ressurreição é a promessa da ressurreição de Seus servos (Sl 04:14, Salmos 5:10). É nestas verdades que encontramos o verdadeiro centro de interesse dos escritores. Para eles, como para nós, o cenário é relativamente sem importância. A lição permanente do seu ensino é que "nem a morte nem qualquer crise cósmica no futuro fará qualquer diferença essencial para a estreita relação entre o cristão e seu Senhor" (Moffatt, do Expositor Testamento grego, 'Tessalonicenses ", p. 38).

 (B) O tempo da Parousia.-A expressão ἡμεῖς οἱ ζῶντες οἱ περιλειπόμενοι (Sl 04:15, 17) é geralmente entendida implicar que Paulo esperava a Parusia estar dentro de sua própria vida. Talvez esta é a leitura muito em suas palavras. Os Tessalonicenses tinham feito uma pergunta sobre as vantagens relativas de 'aqueles que estão mortos "e de" nós que ainda estão vivos, "em caso de um rápido retorno de Cristo. Pode ser que a resposta do Apóstolo se limita a repetir os termos da questão. Ou a cláusula ἡμεῖς οἱ ζῶντες οἱ περιλειπόμενοι pode muito bem ser parafraseada: 'Quando digo "nós", quero dizer aqueles que estão vivendo, aqueles que sobrevivem a esse dia' (Lightfoot, Notas sobre Epístolas de São Paulo, p. 66) . De qualquer forma, os escritores definitivamente recusar-se a prever 'tempos e as estações "(Salmos 5: 1-2). o dever do cristão não é procurar conhecer o futuro, mas para viver de modo a ser preparado para a vinda do Senhor a qualquer momento (Salmos 5: 4. ff).

 

(2) 2 Tessalonicenses 2: 1-12 

Os sinais da end.-O ensino escatológico da Segunda Epístola é complementar à do primeiro. Ele lida com os tempos angustiosos que precedem imediatamente o Segundo Advento. A vinda de Cristo é certa, mas o fim ainda não chegou. Em primeiro lugar deve vir a apostasia, e o culminar do mal na pessoa do "homem do pecado", que vai entrar em guerra com todos os objetos de veneração humana, e tomar o seu lugar no templo, alegando honras divinas como sua direita. Enganados pelos sinais e maravilhas que ele exibe, aqueles que rejeitaram o verdadeiro Cristo irá acelerar a seguir esse imitador blasfêmia. Sua paixão é a punição divina de sua cegueira voluntária anterior.

 O "mistério da iniqüidade", dos quais estas coisas será o clímax, já está trabalhando no mundo. Mas, actualmente, é impedido por alguma influência (τὸ κατέχον, 2 Tessalonicenses 2: 6) ou pessoa (ὁ κατέχων, 2 Tessalonicenses 2: 7) de alcançar seu pleno desenvolvimento. Somente quando o poder de restrição foi removida será o "homem do pecado" ser revelado. Para uma vez que ele terá êxito, mas seu reinado será encerrado pela vinda do Senhor Jesus para destruí-lo e estabelecer o reino dos santos (2 Tessalonicenses 2: 1-12). Este ensinamento afirma ser apenas um eco de instruções já dadas aos Tessalonicenses de boca em boca (2 Tessalonicenses 2: 5). Isso vai ajudar a explicar por que a nós parece fragmentada e obscura. Os leitores para quem se pretendia tinha pistas sobre o seu significado, que já não possuem. Uma coisa, no entanto, é determinada. As principais características deste "Pauline Apocalypse 'são tomadas não modificada a partir de fontes puramente judeu.

 Mais tarde escatologia judaica sempre falou do momento imediatamente anterior à vinda do Messias como um dos grandes convulsões entre as nações, e de quebra sem precedentes fora do mal (ver 4 Ezra 5: 1-12; Ezra 6: 19-22, Apoc. bar. LXX., Jub. xxiii., Ass. Mos. x .; cf. Mateus 24). Seja ou não essa idéia tem suas raízes em uma Criação mito babilônico primitiva (assim Bousset, The Legend Anticristo, Londres, 1896; e H. Gunkel, Schöpfung und Caos no Urzeit und Endzeit, Göttingen, 1895) é imaterial. É suficiente para traçar seu desenvolvimento na literatura judaica. A mais antiga 'messiânico' * [Nota: É conveniente falar dessas passagens como "messiânico", embora alguns deles não contêm qualquer referência a um Messias pessoal. O fato de que em alguns casos a descrição da era messiânica é de muito mais tarde do que a conta do conflito não é importante. É suficiente que eles foram colocados lado a lado, quando os livros proféticos tomou sua forma definitiva.] Profecias do AT representam a Idade de Ouro como precedida por um período de conflito-o conflito que irá destruir o opressor particular de Israel na época, e acabar com o ímpio em Israel (por exemplo, Amos 9, Isaías 10: 28-34; Isaías 11: 1-9; 11: 31-32; cf. Ageu 2: 6-9). O poder de ser superado é em cada caso um realmente existente Império-Assíria, Babilônia, Pérsia ou-cuja queda irá imediatamente inaugurar o glorioso reino de paz. Nos livros proféticos posteriores a diferença aparece. A idade messiânico é jogado para a frente para um futuro remoto, e é introduzido por uma luta em uma escala muito mais vasta. Não uma, mas todas as nações pagãs se reúnem em um ataque combinado sobre Jerusalém, e são destruídos (Ezequiel 38, 39, Joel 3: 9-21; cf. Zacarias 14: 1-7; Zacarias 14:12). Obviamente, essas descrições são simbólica. Elas marcam a transição de estágio entre a profecia propriamente dita e apocalipse.

 Na literatura apocalíptica de um período posterior, a noção geral de um conflito final entre os poderes do mundo e o reino dos santos reaparece sob formas variadas. Em tempos de opressão incomum que parecia ser à mão, e governadores pagãos existentes parecia representar a própria encarnação do mundo pelo espírito que desafiam o céu. O livro de Daniel tem essa visão de Antíoco Epifânio (Daniel 11:36 e ss.), E em um momento posterior dos Salmos de Salomão parecem considerar Pompey em um similar, forma (Pss.-Solomon 2: 1, 2:20, 17: 3).

 Em imagens posteriores da última luta de uma figura sombria às vezes aparece, meio-humano, meio-demoníaca, que está a liderar as forças-mundo nos últimos tempos (Apoc Bar xl .; cf. 4 Esdras 5:.. 1 e segs. , Sib. Orac. III. 60ff.). Seu reinado será um tempo de impiedade geral (4 Esdras 5: 1; Ezra 5: 10-12); ele vai fazer milagres (veja 4 Ezra 5:....... 4; Ezra 5: 7, Sib Orac iii 65ff, Asc Isa iv 5) e enganar até mesmo os fiéis (... Sib Orac iii 69), até finalmente, ele é morto por Messias (Apoc. Bar. xl.). Esta é a pessoa familiar a especulação mais tarde, sob o nome de "Anticristo", um nome que aparece pela primeira vez em 1 João 2: 18-20. Uma alusão a esta ideia é, possivelmente, a ser encontrada no caráter pessoal dada ao 'abominação da desolação' pelo uso da ἐστηκότα particípio masculino em Marcos 13:14. Bousset, menos provavelmente, vê uma referência semelhante nas palavras de João 5:43: "Se outro vier em seu próprio nome, a esse recebereis" (O Anticristo Legend, p. 134).    

A imagem do "homem do pecado" é indubitavelmente uma fase da tradição Anticristo. Como todos os Apocalyptists, o escritor sentiu-se livre para introduzir novos detalhes, isto é, a impiedade coroação de sentar-se como Deus no templo, e a idéia de um poder de restrição, o que era necessário para explicar por que o final foi adiada. Mas o valor apresentado é puramente convencional, e não está directamente ligada a uma pessoa histórica ou circunstâncias. Suas principais características são emprestados a partir da conta de Antíoco Epifânio (Daniel 11:36 e ss.) De Daniel, com um possível reminiscência de descrição de Ezequiel do príncipe de Tiro (Ezequiel 28: 2). A ideia, comum a obras mais apocalípticos, de uma ampla apostasia nos últimos tempos parece ter surgido a partir da memória da apostasia real de muitos judeus no tempo de Antíoco (1 Macabeus 1:11, 1 Macabeus 2:15, 1 Macabeus 2:23; cf. Mateus 24: 10-13). Para os milagres realizados pelo "homem do pecado", sua ilusória dos judeus, e sua destruição por Messias, paralelos judaicos já foi citado (cf. também Marcos 13:22). Não é necessário supor que o escritor de 2 Tessalonicenses 2 destina-se a fazer qualquer pedido de perto os detalhes da tradição antiga para as circunstâncias de sua própria idade. Muitas interpretações do capítulo foram com base nessa suposição, mas eles são, na melhor precária e completamente desnecessário (veja Milligan, Tessalonicenses, p. 166 e segs .; Findlay, Tessalonicenses, p. 223 e segs .; dicionário de Hasting da Bíblia (5 vols) iv. 748). O único ponto que pode ser concedida é que pela força que restringe o surto final da ilegalidade se entende o Império Romano * [Nota:. Τὸ κατέχον será, então, o poder do Império: ὁ κατέχων o Imperador como o representante de que o poder ou, talvez, o anjo que preside o destino do Império (cf. Daniel 10:13).] o 'mistério da iniquidade' é qualquer poder, seja judeu ou gentio, que se opõe ativamente a difusão do Reino de Cristo. O retrato do "homem do pecado" é totalmente ideal, uma espécie de personificação do esforço supremo das forças anti-cristãs.

 

Superficialmente visto, esse ensinamento pode parecer ser apenas um eco de um mito obsoleto. Mas não se deve esquecer que a linguagem do Apocalipse é essencialmente simbólica. Paul não hesitou em usar todas as imagens de judaica Apocalyptic, mas através deste simbolismo convencional, ele expressa a confiança verdadeiramente cristã que no final a causa de Cristo deve triunfar e todos os poderes de cessar o mal estar (ver Findlay, Tessalonicenses, p . 230;. Kennedy, Concepções de São Paulo das últimas coisas, p 184).

 

  1. autenticidade das Epístolas 

(I.) 1 Thessalonians.-Hoje em dia é praticamente necessário para defender a autenticidade ou até mesmo a integridade de 1 Tessalonicenses. Ambos são aceitos como plenamente estabelecida por todos os críticos modernos (por exemplo Jülicher, Wrede, Harnack, Milligan, Moffatt, Lake), exceto a pequena minoria que consideram todas as Epístolas Paulinas como espúrios (veja Encyclopaedia Biblica, artigo 'Paul', § 38) . A única realmente duvidoso cláusula de Isaías 2:16 b, ἔφθασεν δὲ ἐπ' αὐτοὺς ἡ ὀργὴ εἰς τέλος, o que parece ser uma reminiscência de teste. Levi, vi. 11, e pode ter sido adicionada depois da queda de Jerusalém. A autenticidade do resto da Epístola é colocado acima de qualquer dúvida pelo seu estilo completamente Pauline, sua independência da narrativa Atos, ea ausência de qualquer interesse doutrinário ou polêmico que poderia fornecer o motivo de uma falsificação.

 (Ii.) 2 Thessalonians.-O caso 2 Tes. não é tão clara. Sua autenticidade foi posta em dúvida pelos seguintes motivos.

 (1) sua semelhança em estrutura a 1 Tes., Com o que é dito ser acoplado a diferença de tom e cor tão grande como para torná-lo incrível que as duas epístolas foram escritas pelo mesmo autor a uma mesma comunidade sobre o mesmo tempo (Wrede). Esta é a objeção mais importante que tem sido avançado, mas não é de forma conclusiva. Pode-se admitir que, além das seções 2 Tessalonicenses 1: 5-12; 2 Tessalonicenses 2: 1-12; 2 Tessalonicenses 2:15; 2 Tessalonicenses 3: 1-5; 2 Tessalonicenses 3:10; 2 Tessalonicenses 3:13; 2 Tessalonicenses 3:17, a Segunda Epístola é quase uma reprodução da Primeira. No entanto, em meio a essa semelhança geral, não encontramos essas diferenças sutis de vocabulário e sintaxe que traem a mão do imitador. A diferença de vocabulário não é maior do que pode ser explicado por razões naturais (Moffatt, Introd. De Literatura do Novo Testamento (Moffatt)., P. 79). Há uma rigidez un-paulinos e formalidade sobre o estilo de algumas passagens (por exemplo, 2 Tessalonicenses 1: 5-10, 2 Tessalonicenses 2: 7-10), mas ele ocorre principalmente no que pode ser cotações de algumas frases semi-litúrgicas ( . cf. Findlay, Tessalonicenses, p LVII; Encyclopaedia Biblica iv 5044).. Uma possível explicação para a semelhança entre as duas Epístolas pode ser que Paul tinha uma cópia do 1 Tes. antes dele quando ele ditou 2 Tessalonicenses. Tal referência à Epístola anteriormente seria bastante natural, em vista de ter sido citado para apoiar idéias equivocadas sobre a parusia (2 Tessalonicenses 2: 2). O tom mais frio, mais oficial de 2 Tes. em comparação com a primeira epístola pode ser explicada pela necessidade de franqueza ocasionada pelos erros de alguns Tessalonicenses. Sua aparência mais judaica é devido à natureza essencialmente judaica de seu assunto. A teoria de Harnack de que é dirigida exclusivamente para a comunidade judaica é engenhosa, mas não convence.

 (2) A sua escatologia .- (a) Um ex-geração de estudiosos sustentaram que a passagem 2 Tessalonicenses 2: 1-12 contém referências a acontecimentos muito mais tarde do que a morte de Paul (assim Kern, Baur, Hilgenfeld, Bahnsen). Esta posição não é mais sustentável. Maior conhecimento da escatologia judaica e cristã primitiva mostrou que as referências da epístola não são a eventos reais, mas as expectativas tradicionais.

 (B) Um segundo argumento foi baseado no fundamento de que o ensino de 2 Tessalonicenses 2: 1-12, que representa a Parusia, como anunciado por muitos sinais, é incompatível com a visão de 1 Tessalonicenses 5: 1. Ff, que será súbita e inesperada. Em qualquer caso, esta não é uma objeção fatal para a autoria paulina de qualquer Epístola. Tais inconsistências aparentes são característicos de todas as concepções cristãs primitivas de final (por exemplo, Mateus 24:29 e ss.). Mas é possível exagerar a discrepância. Talvez o significado que o escritor de 1 Tessalonicenses 5: 1 ff. a intenção de transmitir foi que "o dia do Senhor virá como um ladrão na noite" apenas para aqueles que estão dormindo na indiferença. Aqueles que estão despertos não será pego de surpresa (veja Encyclopaedia Biblica iv. 5042). Se isto é a verdadeira explicação da passagem, a discrepância entre as duas Epístolas desaparece.

 (3) As referências ao forjada epistles.-A objeção menor à autenticidade de 2 Tes. foi encontrado em sua suposta referência à existência de cartas forjadas (2: 2, μήτε δι' ἐπιστολῆς ὡς δι' ἡμῶν). É certamente difícil acreditar que espúrias Epístolas Paulinas foram circuladas, enquanto o apóstolo estava vivo. Mas um exame minucioso a sintaxe do versículo 2: 2 mostra que a cláusula ὡς δι' ἡμῶν deve ser conectada não com ἐπιστολῆς mas com θροεῖσθαι. A alusão é, então, não epístolas espúrias, mas a interpretações errôneas de um genuíno (Askwith, Tessalônica Epístolas, p. 92 e ss.). Várias teorias sobre a origem dos 2 Ts. foram formuladas no pressuposto de que a totalidade ou parte dele é espúria, por exemplo (Α), que em um genuinamente Pauline Epístola foram interpolados as duas seções posteriores 2 Tessalonicenses 1: 5-12; 2 Tessalonicenses 2: 1-12 (. P. Schmidt, ad loc); (Β) que 2 Tessalonicenses 2: 1-12 é um fragmento Pauline genuíno para que um escritor mais tarde providenciou uma definição por uma imitação perto de 1 Tes. (Hausrath, História de NT Times, Eng tradução, 4 vols, Londres, 1895, iii 215...); (Γ) que a Epístola foi escrito por Timothy, que foi influenciado por um "Caligula-apocalipse '(Spitta, Zur Geschichte und Litteratur des Urchristentums, i 111 ff..); (Δ) que o conjunto de dois Ts. foi escrito para contrariar as visões escatológicas incentivados pelo Epístolas Paulinas. O escritor levou 1 Tes. como seu modelo, pois contém o esboço mais notável Pauline escatologia (Wrede, 'Die Echtheit des zweiten Thessalonicherbriefs,' em TU [Nota:. L Texte e Untersuchungen], novo Ser ix 2..). Todas essas teorias levantam mais dificuldades do que remover. O estilo de 2 Tes. é muito uniforme em toda a emprestar qualquer apoio à teoria da interpolação. A Epístola devem permanecer ou cair como um todo. Por outro lado, é difícil acreditar que um falsificador que desejam corrigir o ensinamento de Paulo iria abordar o seu trabalho a uma Igreja já na posse de um Epístola reconhecido de Paul. Quando todas as possíveis objeções foram totalmente pesados, a conclusão a que apresenta a menor dificuldade é que 2 Tes. é realmente o que ela afirma ser-uma carta autêntica de Paulo aos cristãos de Tessalônica. Como tal, ele encontrou um lugar no cânon de Marcião e nas antigas traduções latinas e sírias do NT. Mais cedo ainda a sua linguagem (2 Tessalonicenses 1: 4) (.. Ad Phil xi) foi citado como Pauline por Policarpo, embora por engano ele cita-a como dirigida aos Filipenses.

 

  1. Valor das Epístolas .- (1) O tessalonicense Epístolas são, provavelmente, os primeiros escritos cristãos existentes. Que nos apresentam um estágio primitivo no crescimento da Igreja, e uma forma primitiva de ensino cristão. Eles podem ser comparados com os discursos de Paulo em Listra (Atos 14:15 e ss.) E em Atenas (Atos 17:22 e ss.) Como exemplos de sua pregação para o mundo pagão. Apesar de seu ensino é simples e pouco desenvolvida, é completamente Pauline no tom, e latente em que podemos encontrar os germes da teologia adulta Pauline.

 (2) Estas cartas são uma expressão interessante da personalidade do escritor. Eles nos mostram Paulo, o pastor e seu método de tratamento de recém-feitos convertidos, sua devoção abnegada, seu delicado lidar com as dificuldades e tentações pessoais, seu desejo contínuo para os seus filhos na fé. Eles nos mostram Paul hebraico, saturado com as idéias escatológicas de sua própria raça e idade, embora para ele toda a escatologia que importa é resumida nas palavras: 'Se nós acordamos ou se dormimos, vivemos juntos com Cristo' ( cf. 1 Tessalonicenses 5:10). .(notas International Standard Bible Encyclopedia 1915).

fonte www.avivamentonosul.com