Translate this Page

Rating: 3.0/5 (868 votos)



ONLINE
5




Partilhe este Site...

 

 

<

Flag Counter

pdf free, enter link, this link, book download, enter link, download book, The Universe Next Door: A Basic Worldview Catalogue pdf free, download pdf, site 797272, download book,

Panorama biblico carta primeira de Pedro
Panorama biblico carta primeira de Pedro

                                              PRIMEIRA CARTA DE PEDRO

  

Pedro era um nativo da Galiléia. Ele foi trazido para o Salvador no início de seu ministério por seu irmão Andrew ( João 01:40John 1:40 , João 1:41João 1:41 ). Seu chamado para o ofício de apóstolo é registrada em Mateus 10: 1-4Mateus 10: 1-4 ; Marcos 3: 13-16Marcos 3: 13-16 . 

Ele ocupava um lugar de destaque entre os discípulos do Senhor. Nos quatro listas dos apóstolos encontrados no Novo Testamento seu nome está em primeiro lugar ( Mateus 10: 2-4Mateus 10: 2-4 ; Marcos 3: 16-19Marcos 3: 16-19 ; Lucas 6: 14-16Lc 6: 14-16 ; At 1,13Atos 1:13 ). Ele é a figura principal nos primeiros doze capítulos dos Atos. É Peter, que prega o primeiro sermão cristão (Atos 2), o que abre a porta do evangelho aos Gentileworld na casa do soldado romano, Cornelius, e tem o prazer requintado de cenas testemunhando muito próxima às de Pentecostes em Jerusalém ( Atos 10: 44-47Atos 10: 44-47 ). Foi-lhe dada pronunciar a sentença solene sobre o par culpado, Ananias e Safira, e para repreender no poder do Espírito profano Simon Magus ( Atos 5: 1-11Atos 5: 1-11 ; Atos 8: 18-23Atos 8: 18-23 ). Nestes e os casos como Peter exibiu a autoridade com que Cristo lhe havia investido ( Mateus 16:19Mateus 16:19 ) - uma autoridade conferida a todos os discípulos ( João 20:22João 20:22 , João 20:23João 20:23 ) - o poder de ligar e desligar.

 

Dois Epístola s é atribuída a Pedro. Da Segunda dúvida e incerteza ter existido desde os primeiros tempos até o presente. A genuinidade e autenticidade da Primeira estão acima de qualquer suspeita.

 

  1. Canonicidade de 1 Pedro. 
  1. Evidência Externa: 

A prova da sua integridade e confiabilidade é amplo e totalmente satisfatório. Ele cai em partes: externo e interno. O certificado de histórico à sua autoridade como um documento apostólica é abundante. Policarpo, discípulo do apóstolo João, martyed em 156DE ANÚNCIOS em 86 ou mais anos de idade, refere-se à Epístola em termos inconfundíveis. Irineu, um homem que pode muito bem ser dito para representar tanto no Oriente como no Ocidente, que era discípulo de Policarpo, cita copiosamente, temos a certeza. Clemente de Alexandria, nascido por volta de 150 dC, morreu por volta de 216 dC, cita-lo muitas vezes em sua Stromata , uma passagem ( 1 Pedro 4: 8 ) sendo citado cinco vezes por contagem real. "O testemunho do início de igreja é resumida por Eusébio ( Historia Ecclesiastica , III, xxiii, 3). Ele coloca entre aqueles escritos sobre o qual há dúvida de que nunca foi levantada, sem dúvida alguma vez entretidos por qualquer parte da igreja católica" (Professor Lumby no Comm Bíblia .). 1 Pedro 4: 8

 

  1. A prova interna: 

A evidência interna em favor da Epístola é tão conclusivo como o externo. O escritor está bem familiarizado com os ensinamentos de nosso Senhor, e ele faz uso dela para ilustrar e fazer cumprir sua própria. As referências que ele faz para que o ensino são muitas, e que incluem os quatro Evangelhos. Ele é familiar da mesma forma com a Epístola s, especialmente James, romanos e Efésios. Mas o que é especialmente digno de nota é o fato de que 1 Pedro em pensamento e da linguagem está em estreita relação com os discursos do apóstolo como registrado em Atos. Ao comparar 1 Pedro 1:171 Pedro 1:17 com Atos 10:34 ; 1 Pedro 1:21 com Atos 2: 32-36 e Atos 10:40 , Atos 10:41 ; 1 Pedro 2: 7 , 1 Pedro 2: 8 com Atos 4 : 10 , Atos 04:11 ; 1 Pedro 2:17 com Atos 10:28 , e 1 Pedro 3:18 com Atos 3:14 , um vai perceber o quão perto o paralelo entre os dois é. A inferência a partir desses fatos parece legítima, ou seja, 1 Peter na dicção e pensamento pertence ao mesmo período de tempo e se move no mesmo círculo de verdade como fazem os outros escritos do Novo Testamento. O escritor foi um apóstolo, e ele estava Simão Pedro. Atos 10:341 Pedro 1:21 Atos 2: 32-36 Atos 10:40Atos 10:411 Pedro 2: 71 Pedro 2: 8 Atos 4:10Atos 4:111 Pedro 2:17 Atos 10:281 Pedro 3:18 Atos 3:14

 

  1. O endereço. 

Pedro escreve aos "eleitos que são peregrinos da Dispersão". James emprega o termo "dispersão" para designar acreditando Hebreus das doze tribos que viviam fora da terra ( James 1: 1James 1: 1 ). Os judeus incluído nele todo o corpo de israelitas espalhados entre os Gentilenations ( João 07:35João 07:35 ). Mas não devemos concluir que a epístola é dirigida aos judeus cristãos sozinho. Crentes gentios não são de forma excluídos, como 1 Pedro 1:141 Pedro 1:14 , 1 Pedro 1:181 Pedro 1:18 , 1 Pedro 1:201 Pedro 1:20 ; 1 Pedro 2:101 Pedro 2:10 ; 1 Pedro 3: 61 Pedro 3: 6 ; 1 Pedro 4: 31 Pedro 4: 3 , 1 Pedro 4: 41 Pedro 4: 4 atestam abundantemente. Na verdade, o elemento Gentile nas igrejas da Ásia Menor, em grande parte predominou na época. O termo "peregrinos" representa um povo longe de casa, estranhos numa terra estranha; a palavra é traduzida como "peregrinos" em 1 Pedro 2:11 e Hebreus 11:13 - um nome apropriado para aqueles que confessam que temos aqui cidade permanente, mas que procuram a futura. Embora, sem dúvida, Peter tinha crentes israelitas em mente quando escreveu, pois ele nunca se esqueceu que o seu ministério pertencia principalmente à circuncisão ( Gálatas 2: 7 , Gálatas 2: 8 ), ele não negligenciar os mais numerosos Gentileconverts, e estes ele fala como fervorosamente quanto aos outros; e estes também eram "peregrinos". 1 Pedro 2:11 Hebreus 11:13 Gálatas 2: 7Gálatas 2: 8

 

Três das quatro províncias Peter menciona, ou seja, Pontus, Capadócia, e na Ásia, teve representantes no Pentecostes memorável em Jerua ( Atos 2: 9Atos 2: 9 ; 1 Pedro 1: 11 Pedro 1: 1 ). Muitos desses "peregrinos da Dispersão" pode ter acreditado a mensagem do apóstolo e aceito a salvação através de Jesus Cristo, e voltou para casa para contar a boa notícia a seus vizinhos e amigos. Este formariam um forte laço de união entre eles e Peter, e abriria o caminho para ele para resolvê-los da maneira familiar e concurso da Epístola .

 

SILVANO

Silvano parece ter sido o portador da carta aos cristãos da Ásia Menor: "Por Silvano, nosso fiel irmão, como eu explicar ele, eu vos escrevi brevemente" ( 1 Pedro 5:121 Pedro 5:12 ). É um pressuposto para afirmar que a partir destas palavras Silvanus foi empregue na composição da carta. A declaração denota vez o portador do que o escritor ou secretário. Silvano foi companheiro de Paulo no ministério para as igrejas asiáticas, e uma vez que não lêem dele como indo com Paulo a Jerusalém ou a Roma, é provável que ele voltou de Corinto ( Atos 18: 5Atos 18: 5 ) para a Ásia Menor e trabalhou lá. Ele e Peter reuniu, onde ninguém sabe, embora não poucos pensam em Roma; tão provável um palpite, talvez, é na Palestina. De qualquer forma, Silvano deu a Pedro um relato das condições nas províncias, as aflições e perseguições contra os crentes, ea necessidade profunda que tinham por simpatia e conselho. Ele seria, por conseguinte, ser da maior assistência ao apóstolo. Isso parece explicar a peculiaridade da linguagem que Pedro usa: "Por Silvano, nosso fiel irmão, eu vos escrevi," como se ele tivesse alguma quota em fornecer o conteúdo da Epístola .

 

III. Local e Horário de Composição. 

De acordo com 1 Pedro 5:131 Pedro 5:13 a Epístola foi escrito na Babilônia. Mas o lugar é destinado? Duas cidades com esse nome eram conhecidos nos tempos apostólicos. Um deles foi no Egito, provavelmente sobre ou perto do local atual de Cairo, e é-nos dito que era uma "cidade de pequena importância." Epifânio chama de "a grande Babilônia" (Zahn). A ausência, no entanto, de toda tradição que tenderia a identificar este lugar com o Babylon da Epístola parece desligá-lo fora do problema. Babilônia sobre o Eufrates é considerado por muitos como o lugar aqui designado. Judeus em números consideráveis ​​ainda vivia na Babilônia, não obstante o massacre de milhares no reinado de Cláudio e a fuga de multidões em outros países. Há muito a ser dito em favor desta cidade como o lugar queria dizer, e ainda a ausência de tradição em seu apoio é uma dificuldade muito séria. Uma terceira visão considera como simbólica de Roma. Os católicos romanos interpretá-lo assim, e não poucos protestantes assim compreendê-lo. Tradição que corre de volta para a primeira metade do século segundo parece favorecê-lo, apesar de muita incerteza e obscuridade ainda cercam as primeiras idades de nossa era, a despeito das pesquisas incansáveis ​​de estudiosos modernos. Papias, bispo de Hierapolis, que viveu na primeira metade do século segundo, parece ter tido nenhuma dúvida de que Pedro foi martirizado em Roma, e que o Babylon da Epístola designa a Cidade Imperial. Há muito graves objecções a esta interpretação. Um deles é, que é totalmente fora de sintonia com os modos de Peter da escrita. Eminentemente ele é direto e matéria-de-fato, em seu estilo. A linguagem metafórica que ele emprega é principalmente extraída do Antigo Testamento, ou, se de si mesmo, é tão comum de uso como ser bem compreendido por todos os leitores. É totalmente improvável que este homem, planície de expressão quase até franqueza, deve interpor no meio de suas explicações pessoais e saudações finais um epíteto tal mística com nenhum indício de que ele quer dizer com isso, ou porque ele emprega um tal modo de falar .

 

  1. BabIlona Não Roma:

 

Além disso, não há nenhuma evidência de que Roma era chamada Babilônia pelos cristãos até que o livro do Apocalipse foi publicada, ou seja, cerca de 90-96 AD. Mas se 1 Peter é dependente do Apocalipse para este nome de Babilônia, como Roma, Pedro não poderia ter sido seu autor, pois ele morreu anos antes dessa data. A Epístola foi escrito cerca de 64 dC, no momento em que perseguições sob o Nero infame foram furiosa, momento em que também o próprio apóstolo prestou seu testemunho e foi para o seu lar celestial, assim como o seu Mestre o tinha prevenido ( João 21:18João 21:18 , João 21:19John 21:19 ). Embora não seja esquecido das grandes dificuldades que afligem a vista, no entanto, estamos reclinado para a opinião de que a Babilônia de 1 Pedro 5:131 Pedro 5:13 é a antiga cidade às margens do Eufrates. .

 

  1. Destino

 

O apóstolo tinha mais de um objeto, tendo em conta quando se dirigiu os "eleitos" na Ásia Menor. O Senhor Jesus o havia acusado, "Apascenta os meus cordeiros" "Apascenta as minhas ovelhas" - "Apascenta as minhas ovelhas" ( João 21: 15-17João 21: 15-17 ). Seus dois Epístola s certificar quão fielmente ele obedeceu a acusação. Com mão amorosa e terna que ele alimenta os cordeiros e tende todo o rebanho, adverte contra os inimigos, guardas do perigo, e leva-os em pastos verdejantes e às águas refrescantes. Ele lembra-lhes a herança gloriosa eles são possuir ( 1 Pedro 1: 3-91 Pedro 1: 3-9 ); exorta-os a andar nos passos de Cristo uncomplaining ( 1 Pedro 2: 20-251 Pedro 2: 20-25 ); para ser compassivo, amoroso, compassivos, humildes, e avisado em sua passagem por este mundo hostil ( 1 Pedro 3: 8-121 Pedro 3: 8-12 ). Ele resume os principais deveres da vida cristã nas frases curtas, mas grávidas, "Honra a todos os homens. Amor a fraternidade. Temei a Deus. Honra ao rei" ( 1 Pedro 2:171 Pedro 2:17 ). Mas seu objetivo supremo é confortar e incentivá-los entre as perseguições e os sofrimentos a que foram injustamente sujeitas, e para fortalecê-los contra os ensaios mais pesadas que foram iminentes.

 

  1. A perseguição: 

Desde o início da igreja cristã foi objeto de desconfiança e do ódio, e muitos de seus adeptos tinham sofrido até a morte nas mãos dos judeus hostis e gentios fanáticos. Mas essas aflições eram geralmente local e esporádica. Havia igrejas de grande adesão e grande influência que foram molestados ( 1 Coríntios 4: 8-101 Coríntios 4: 8-10 ), e que parecem ter sido capaz de obter um tratamento justo em tribunais pagãos ( 1 Coríntios 6: 1-61 Coríntios 6: 1-6 ). Mas a condição trouxe para ver em 1 Pedro é completamente diferente. Provações e aflições do tipo mais severo assaltam-los, e uma inimizade e hostilidade, curvado sobre a sua destruição, persegue-os com energia incansável. O corpo Christian toda compartilhada nas perseguições ( 1 Pedro 5: 91 Pedro 5: 9 ). O julgamento foi uma surpresa ( 1 Pedro 4:121 Pedro 4:12 ), tanto em sua intensidade, por Peter chama de "ardente", e para a sua imprevisibilidade. O apóstolo representa-lo como uma besta selvagem de rapina, um leão que ruge, rondando-os a apreender e devorar ( 1 Pedro 5: 81 Pedro 5: 8 , 1 Pedro 5: 91 Pedro 5: 9 ).

 Uma variedade de acusações foram feitas contra os cristãos, mas eles eram calúnias e difamações, sem qualquer fundamento na realidade. Eles foram pronunciadas contra como malfeitores ( 1 Pedro 2:121 Pedro 2:12 - kakopoiṓn; Malefici , Tácito chama). Seus adversários, blasfemava contra eles ( 1 Pedro 3: 91 Pedro 3: 9 ); injuriado-los ( 1 Pedro 3:161 Pedro 3:16 ); falando mal deles ( 1 Pedro 4: 41 Pedro 4: 4 ); repreendeu-os para o nome de Cristo ( 1 Pedro 4:141 Pedro 4:14 ). Estes são epítetos feias. Eles mostram o quão amarga foi o ódio e quão intensa a hostilidade sentida pelos pagãos para com os cristãos que habitavam entre eles. Se tivesse havido qualquer justificação para tal antagonismo no caráter e a conduta do povo de Cristo, se fossem malfeitores, "inimigos da raça humana", a ser classificados com ladrões e assassinos e intrometidas nos assuntos de outros homens ( 1 Pedro 4: 14-161 Pedro 4: 14-16 ), como eles foram acusados ​​de ser e de fazer, poderíamos entender a feroz oposição que eles e o propósito selvagem assaltado suprimi-los completamente, mas a única base para a inimizade sentiu contra eles foi a recusa dos cristãos para se juntar a seus vizinhos pagãos em suas idolatrias, suas festas, winebibbings, divertimentos, glutonarias, lascívia e paixões em que uma vez que eles livremente compartilhados ( 1 Pedro 4: 2-41 Pedro 4: 2-4 ). Os santos asiáticos tinha renunciado todas essas práticas iníquas, tinham-se separado de seus antigos companheiros na vida desregrada e deboches revoltantes; eles eram testemunhas contra suas imoralidades, e, portanto, tornaram-se os objetos de intensa aversão e perseguindo animosidade. Peter é um testemunho do caráter elevado, a pureza da vida ea devoção abnegado desses crentes. Em toda a Ásia Menor há melhor companhia de homens e mulheres poderia ser encontrado do que esses discípulos de Jesus Cristo; Nada mais submisso à autoridade constituída, nenhum mais pronto para ajudar seus semelhantes, na sua angústia e problemas. A cabeça e frente de seu agressor era sua separação do mundo ímpio sobre eles, ea sua solene testemunho contra os pecados terríveis feito diariamente diante de seus olhos.

 

  1. Exemplo de Cristo: 

Como poderosamente faz o ministro apóstolo a seus amigos que sofrem! Ele os convida a lembrar o Cristo sem queixas quando ele foi injustamente atingidas por homens cruéis ( 1 Pedro 2: 19-251 Pedro 2: 19-25 ). Ele diz a eles como eles podem efetivamente emudecer seus acusadores, e refutar as calúnias e as calúnias que são tão cruelmente circularam contra eles, ou seja, vivendo vidas tão puras e tementes a Deus, por estar tão manso, dócil, paciente, firme, verdadeira e fiel a Deus, que ninguém pode creditar as falsas acusações ( 1 Pedro 2: 1-51 Pedro 2: 1-5 ; 1 Pedro 2: 13-171 Pedro 2: 13-17 ; 1 Pedro 3: 81 Pedro 3: 8 , 1 Pedro 3: 91 Pedro 3: 9 , 1 Pedro 3: 13-171 Pedro 3: 13-17 ; 1 Pedro 5: 6-111 Pedro 5: 6-11 ).

 

  1. Relação com Estado: 

Há pouca ou nenhuma evidência na Epístola que as perseguições foram infligidos pela autoridade imperial ou que o estado estava lidando com os cristãos como inimigos que estavam perigoso para a paz da sociedade. Nas províncias em que foi enviada a carta não parece ter sido completa ausência de julgamento formal e punição pelos tribunais. Pedro não falar de um processo Iegal contra os cristãos pelos magistrados. Pelo contrário, ele exorta-os a estar sujeita a toda autoridade humana por amor do Senhor, quer ao rei, como soberano; ou aos governadores, como por ele enviados para castigo dos malfeitores, e para louvor dos que fazem o bem ( 1 Pedro 2:131 Pedro 2:13 ). Eles são para honrar todos os homens, para honrar o rei ( 1 Pedro 2:171 Pedro 2:17 ). Esta submissão dificilmente ser pressionado se o Estado tinha o cristianismo já proscrito e decretou sua supressão total. Este governo imperial fez mais tarde, mas não há provas que o apóstolo que, em 64DE ANÚNCIOS - a data da Epístola - o governo denunciou formalmente cristãos e determinado a aniquilá-los.

 

Pedro exorta os seus companheiros de fé para silenciar seus perseguidores por sua conduta vertical ( 1 Pedro 2:151 Pedro 2:15 ); eles são, portanto, para colocá-los à vergonha que falsamente acusam ( 1 Pedro 3:161 Pedro 3:16 ); e eles não são para combater o mal com o mal, nem responder a injúria com injúria, mas, pelo contrário, com a bênção ( 1 Pedro 3: 91 Pedro 3: 9 ). O antagonismo aqui indicada, obviamente, brota da população pagã; não há nenhum indício de acusação antes de magistrados ou sujeição a procedimentos legais. É incrédulos que insultam e calúnias e denunciam o povo de Deus nas províncias.

 

Tudo na Epístola aponta para a época de Nero, 64 dC, e não ao tempo de Domiciano ou Trajano, ou mesmo Tito. Em Roma vastas multidões de cristãos foram mortos da forma mais brutal, por isso Tácito diz respeito, mas o historiador afirma que houve um relatório sinistro no sentido de que Nero se instigado a queima da cidade (Julho 19,64), e "ele (Nero) falsamente desviado a carga para um grupo de pessoas a quem o vulgar deu o nome de cristãos (ou Chrestians), e que foram detestados por causa das abominações que eles cometidos." Veja NERO . Certos fatos são claros a partir de declarações de Tácito, ou seja, que na época os cristãos eram conhecidos como uma seita distinta; e que eles foram submetidos a sofrimentos terríveis infligidas a eles, porque eles eram cristãos; e as perseguições da época foram instigados pelo medo e a brutalidade do tirano. Peter reconhece igualmente o fato de que os crentes foram odiados e caluniados por seus vizinhos pagãos, pela mesma razão - eram cristãos: "Se sois vituperados pelo nome de Cristo, bem-aventurados sois" ( 1 Pedro 4:141 Pedro 4:14 ); "Mas se um homem sofrer como cristão, não deixe que ele se envergonhe, antes glorifique a Deus neste nome" ( 1 Pedro 4:161 Pedro 4:16 ). Mas o governo imperial no momento não parece ter tomado ação formal para a derrubada do cristianismo como um sistema hostil ao império. É claro que, no caso de despesas directas de natureza criminal foram feitas contra os cristãos, inquérito judicial contra eles será instituído. Mas, na Epístola que os crentes tiveram de suportar e sofrer foram a detração, o vitupério, o opróbrio e as calúnias vis e malignos com o qual as nações assaltaram-los.

 

  1. traços característicos da Epístola . 

Tem certas marcas muito distintas, algumas das quais podem ser notados. 

  1. Liberdade na Estrutura: 

Ele não observar uma sequência lógica estreita em sua estrutura, como os de Paul de forma tão proeminente exibir. Há verdade na declaração de Dean Alford, embora talvez ele empurra-lo bastante longe: "A ligação entre uma ideia e outra é encontrada, não em qualquer progresso de desdobramento pensamento ou argumento, mas na última palavra da frase anterior que é retomada e seguiu na nova "(veja 1 Pedro 1: 51 Pedro 1: 5 , 1 Pedro 1: 61 Pedro 1: 6 , 1 Pedro 1: 71 Pedro 1: 7 , 1 Pedro 1: 91 Pedro 1: 9 , 1 Pedro 1:101 Pedro 1:10 , etc.). Esta peculiaridade, no entanto, não interfere com a unidade da epístola , que em vez acrescenta a ele, e dá-lhe uma vivacidade que de outra forma não pode possuir. 

  1. Hope: 

É a epístola de esperança. Quanto faz desta graça privilegiada! Peter parece nunca cansar de descrevê-lo e exaltar sua beleza radiante e desirableness. Ele a chama de uma esperança viva ( 1 Pedro 1: 31 Pedro 1: 3 ). Ela nasce, pela ressurreição de Jesus Cristo dentre os mortos, e calmamente aguarda a herança gloriosa que em breve será apreciado. É uma esperança que será aperfeiçoada com o advento de Cristo ( 1 Pedro 1:131 Pedro 1:13 ), e ele é definido em Deus, portanto, não pode deixar ( 1 Pedro 1:211 Pedro 1:21 ). Com doentia, a esperança morrendo estamos bastante familiar. O dispositivo que um determinado estado (Carolina do Sul) inscreveu no seu Grande Selo é, dum spiro spero ( "enquanto eu viver eu espero"). Tal esperança pode servir para uma comunidade cuja existência se limita a este mundo, mas um homem precisa de algo mais duradouro, algo imperecível. "É uma coisa terrível quando um homem e suas esperanças morrer juntos" (Leighton). CA hristian pode confiantemente escrever, "quando eu estou morrendo Eu espero que," por sua é uma esperança viva que preenche e emociona o futuro com uma realidade abençoada.

 

  1. Herança: 

Gloriosa herança do cristão ( 1 Pedro 1: 3-51 Pedro 1: 3-5 ) é retratado em uma das descrições mais abrangentes e sugestivos da herança do crente encontradas na Bíblia. Ele é declarado ser "incorruptível". A palavra aponta para a sua substância. Ele é imperecível. Nele não há nenhum elemento de decadência. Contém em seu coração nenhum germe da morte. Tal como o seu autor, o Deus vivo, que é imutável e eterno. É "sem mácula". Não é manchada pelo pecado, nem poluída por crime, tanto na sua aquisição ou sua posse. Heranças humanas são geralmente marcada por erros humanos. Não há quase um acre de terra que não é manchada por fraude ou violência. A moeda que passa de mão em mão é em muitos casos sujas pela culpa. Mas isso de Peter é absolutamente puro e santo. Ele "não desaparece." Ela nunca murcha. Idade não prejudiquem a sua beleza ou escurecer o brilho. Sua flor permanecerá fresca, sua fragrância intacta, para sempre. Assim, a nossa herança "é glorioso, nestes aspectos: é na sua substância , incorruptível: em sua pureza , sem mácula: em beleza , imarcescível" (Alford).

 Agora, por que o apóstolo na própria abertura de sua Epístola dar tão elevada de um lugar para a herança dos santos? Ele o faz, a fim de confortar e incentivar seus companheiros de fé com as consolações do próprio Senhor, para que tenham stedfastly seus sofrimentos múltiplas e triunfar sobre suas aflições pesadas. Assim, ele escreve: "Em que vós exultam, ainda que agora por um pouco de tempo, sendo necessário, que foram postos à tristeza em ensaios múltiplos, que a prova da vossa fé ... pode ser encontrada em louvor, glória e honra na revelação de Jesus Cristo "( 1 Pedro 1: 6-91 Pedro 1: 6-9 ). Ele levanta seus pensamentos e seu olhar-se muito acima dos problemas e angústias em torno deles para a quem pertencem, a quem eles servem, que vai aos poucos coroa-os com felicidade imortal.

 

  1. Testemunho de Profetas: 

Os profetas e seu estudo estão descritos em 1 Pedro 1:101 Pedro 1:10 , 1 Pedro 1:111 Pedro 1:11 : "a respeito do qual a salvação os profetas procurou e procurou diligentemente, que profetizaram da graça que vos foi dada", etc. Com Pedro e seus companheiros -apostles o testemunho dos profetas era autoritário e final. Onde eles tinham uma palavra clara das Escrituras do Antigo Testamento, eles sentiram que cada questão foi resolvida e controvérsia estava no fim.

 

(1) Salvação. 

O fardo das comunicações proféticas era a salvação. Os profetas falaram sobre diversos assuntos; eles tinham que exortar, repreender e exortar seus contemporâneos rebeldes; para denunciar o pecado, para anunciar julgamento sobre os culpados e recolhê-los ao arrependimento e reforma. Mas de tempos em tempos a sua visão foi preenchido com o futuro e sua bem-aventurança, suas vozes se inchar com o êxtase como eles viram e predisse a grande salvação para ser trazido para o mundo e a graça que seria então copiosamente sair aos homens; para o Messias era para aparecer e a sofrer, o justo pelos injustos, para levar-nos a Deus.

 

(2) Espírito de Cristo. 

Mensagens do profeta foram as mensagens do Espírito de Cristo. Foi Ele quem predizer os sofrimentos de Cristo e as glórias que deve seguir. Os profetas sempre assumem qualquer parte na originação de suas mensagens. Afirmam da maneira mais positiva e solene de que suas previsões não são os seus próprios, mas de Deus. Assim, eles são chamados de "porta-vozes" do Senhor "boca" do Senhor ( Êxodo 04:15Êxodo 04:15 , Êxodo 04:16Êxodo 04:16 ; Êxodo 7: 1Êxodo 7: 1 , Exodus 7: 2Exodus 7: 2 ; 2 Pedro 1:212 Pedro 1:21 ).

 

(3) Estudo Profético. 

Eles "procurou e procurou diligentemente". Estes termos são fortes e enfática. Eles se debruçaram sobre as previsões que o Espírito havia revelado através de si mesmos; que examinou-los com pergunta ansioso e prolongado. Dois pontos engajados sua atenção: "O tempo ou que ocasião de tempo o Espírito de Cristo, que estava neles indicava até." O primeiro "o que" diz respeito ao tempo de advento do Messias; o segundo "o que" os acontecimentos e circunstâncias que frequentam a sua vinda - um tema frutífero, uma que envolve a investigação de estudantes mais nobres - ". quais coisas os anjos desejam atentar"

 

  1. A Irmandade Cristã: 

A fraternidade cristã é descrita em 1 Pedro 2: 91 Pedro 2: 9 , 1 Pedro 2:101 Pedro 2:10 : "Mas vós sois a geração eleita, o sacerdócio real, nação santa, povo de Deus própria possessão, para que vos anunciar as grandezas daquele que vos chamou das trevas para a sua maravilhosa luz ". A irmandade é o novo Israel. O apóstolo descreve-lo em termos que foram aplicadas ao antigo Israel, mas que incluem mais do que o antigo Israel já percebeu. A concepção exaltado é por alguém que era um judeu estrito, o apóstolo da circuncisão, e que teve um pouco de perto para as instituições mosaicas até o fim de sua vida. Ainda mais significativo sobre essa conta é o seu testemunho. Os títulos descritivos que aqui se reúne e coloca na testa da fraternidade cristã são do tipo mais ilustre. Um homem distinto, um nobre, um general, um estadista, às vezes aparece em público com o peito coberto com decorações resplandecentes que marcam a sua posição ou suas realizações. Mas tais distinções afundar na insignificância ao lado deste conjunto deslumbrante. Esta é a nobreza celeste, a família real do Senhor da glória, decorados com emblemas mais brilhante longe do que nunca brilhou no peito do rei ou imperador. Mas, mesmo neste caso Peter recorda aos cristãos do glorioso destino que os espera que eles possam ser fortalecidos e estimulados a firmeza e lealdade no meio das provações e aflições a que estão submetidos ( 1 Pedro 2:11 , 1 Pedro 2:12 ) 1 Pedro 2:111 Pedro 2:12

 

  1. espíritos em prisão: 

Um estudo de 1 Pedro 3: 18-201 Pedro 3: 18-20 - "pregou aos espíritos em prisão" - deve daqui siga na presente revisão superficial dos elementos característicos da Epístola , mas nada parecido com um exame adequado desta difícil passagem exigiria mais espaço que poderia ser dado. Basta citar uma frase do Professor Zahn ( Novo Testamento , II, 289) com o qual o escritor concorda: "Essa interpretação de 1 Pedro 3:191 Pedro 3:19 é provavelmente correta, segundo o qual uma pregação de Cristo no momento da Flood é referido, ou seja, uma pregação através de Noé, de modo que Noah está aqui representado como um pregador da justiça, como em 2 Pedro 2: 5 . " 

  1. Análise. 

Uma análise muito geral da Epístola é o seguinte: (1) privilégios cristãos, 1 Pedro 1 através 02:10. (2) deveres cristãos, 1 Pedro 2:11 através 04:11. (3) As perseguições e provações, 1 Pedro 4:12 através 05:11. (4) questões pessoais e saudações, 1 Pedro 5: 12-14 . 1 Pedro 2:11 1 Pedro 4:12 1 Pedro 5: 12-14. 

Os principais doutrinas do cristianismo são encontrados em 1 Pedro. O sofrimento vicário e morte do Senhor Jesus Cristo ( 1 Pedro 2:241 Pedro 2:24 ; 1 Pedro 3:181 Pedro 3:18 ); o novo nascimento ( 1 Pedro 1: 31 Pedro 1: 3 , 1 Pedro 1:131 Pedro 1:13 ); redenção pelo sangue de Cristo ( 1 Pedro 1:181 Pedro 1:18 , 1 Pedro 1:191 Pedro 1:19 ), fé, esperança, perseverança sob sofrimento injusto, e santidade de vida, são todos pressionado os cristãos com grande seriedade e força.(notas dicinario Charles B. 1950).

fonte  www.avivamentonosul.com