Translate this Page

Rating: 3.0/5 (905 votos)



ONLINE
2




Partilhe este Site...

 

 

<

Flag Counter


parabolas de Jesus o bom Samaritano
parabolas de Jesus o bom Samaritano

                                                            Lucas 10: 25-28

                                              O Bom Samaritano

Devemos notar nesta passagem, a questão solene, que foi dirigida a nosso Senhor Jesus Cristo. Somos informados de que um determinado advogado lhe perguntou: "Que farei para herdar a vida eterna?" O motivo deste homem não era, evidentemente, à direita. Ele só fez esta pergunta para "seduzir" o nosso Senhor, e para provocá-lo a dizer algo sobre o qual seus inimigos pode lançar mão. No entanto, a pergunta que ele propôs foi, sem dúvida, um dos mais profundos importância.

É uma questão que merece a principal atenção de cada homem, mulher e criança na Terra. Somos todos pecadores - pecadores morrendo, e pecadores vão ser julgados após a morte. "Como deve ser perdoado os nossos pecados com os quais devemos chegar diante de Deus como se há de escapar da condenação do inferno Onde vamos fugir da ira vindoura O que devemos fazer para ser salvo?????" - Estas são perguntas que pessoas de todas as classes deveria colocar a si mesmos, e nunca descansar até que encontrem uma resposta.

É uma questão que infelizmente poucos cuidados a considerar. Milhares de pessoas estão constantemente perguntando: "O que vamos comer? Que havemos de beber? Com ​​o que havemos de vestir? Como podemos obter dinheiro? Como podemos nos divertir? Como podemos prosperar no mundo?" Poucos, muito poucos, vai sempre dar um momento de reflexão para a salvação de suas almas. Eles odeiam o assunto. Fá-los desconfortáveis. Eles desviará dele e colocá-lo fora. Fiel e verdadeira é que dizer do nosso Senhor, "Larga é a porta e espaçoso o caminho que conduz à perdição, e muitos são os que entram por ela." (Mat. 07:13).

Não vamos ter vergonha de colocar a pergunta do advogado para nossas próprias almas. Vamos, sim refletir sobre isso, pensar nisso, e nunca se contentar até que ela preencha o primeiro lugar em nossas mentes. Vamos procurar ter o testemunho do Espírito dentro de nós, para que nos arrepender verdadeiramente do pecado, que nós temos uma fé viva na misericórdia de Deus através de Cristo, e que estamos realmente andando com Deus. Este é o caráter dos herdeiros da vida eterna. Estes são os que devem um dia receber o reino preparado para os filhos de Deus.

Devemos notar, em segundo lugar, nesta passagem, a alta honra que nossos lugares Senhor Jesus Cristo na Bíblia. Ele se refere o advogado de uma só vez com as Escrituras, como a única regra de fé e prática. Ele não diz, em resposta à sua pergunta - "O que é que a Igreja judaica dizer sobre a vida eterna O que os escribas e fariseus, sacerdotes e acho que é ensinado sobre o assunto nas tradições dos anciãos??" - Ele toma um rumo directo muito mais simples e muito mais. Ele envia seu interlocutor ao mesmo tempo para os escritos do Antigo Testamento - "O que está escrito na lei Como você ler isso"

Deixe o princípio contido nessas palavras, ser um dos princípios basilares da nossa cristianismo. Deixe que a Bíblia, toda a Bíblia, e nada além da Bíblia, ser a regra de nossa fé e prática. Segurando este princípio nós viajamos em cima estrada real. A estrada às vezes pode parecer limitada, e nossa fé pode ser julgado com severidade, mas não será permitido errar muito. Partindo deste princípio, entramos em um deserto sem caminhos. Não se pode dizer que podemos ser levados a crer ou fazer. Sempre vamos ter isso em mente. Aqui vamos lançar âncora. Aqui vamos respeitar.

Não importa nada que diz uma coisa na religião, se um pai antigo, ou um bispo moderno, ou um divino aprendido. É na Bíblia?Pode ser provado pela Bíblia? Se não, não é para ser acreditado. Não importa nada como belas e inteligentes sermões ou livros religiosos podem aparecer. Eles estão em menor grau contrária às Escrituras? Se eles são, eles são lixo e veneno, e guias de nenhum valor. O que diz a Escritura? Esta é a única regra e medida, e calibre da verdade religiosa. "À lei e ao testemunho", diz Isaías: "Se eles não falarem segundo esta palavra, é porque não há luz neles." (Isaías 08:20).

Devemos notar, por último, nesta passagem, o conhecimento claro do dever para com Deus e os homens, que os judeus no tempo de Nosso Senhor possuía. Nós lemos que o advogado disse que, em resposta à pergunta de nosso Senhor, "Amarás o Senhor teu Deus com todo o teu coração, e de toda a tua alma e com toda sua força, e com toda tua mente, e ao próximo como a si mesmo ". Isso foi bem falado. Uma descrição mais clara do dever prática diária não poderia ser dada pelo cristão mais bem instruídos nos dias de hoje. Não deixe que isso seja esquecido.

As palavras do advogado são muito instrutivas em dois pontos de vista. Eles lançam uma forte luz sobre dois assuntos, sobre os quais muitos erros abundam. Por um lado, eles nos mostram o quão grande eram os privilégios do conhecimento religioso que os judeus gozavam sob o Antigo Testamento, em comparação com o mundo pagão. Uma nação que possuíam tais princípios de dever como aqueles que agora diante de nós, era incomensuravelmente com antecedência da Grécia e Roma. Por outro lado, as palavras do advogado-nos mostrar o quanto head-conhecimento claro que uma pessoa pode possuir, enquanto seu coração está cheio de maldade. Aqui está um homem que fala de amar a Deus com toda a sua alma, e amar o próximo como a si mesmo, enquanto ele é realmente "tentador" Cristo, e tentando fazer-lhe mal, e, ansioso para justificar-se e tornar-se um homem de caridade! Vamos sempre cuidado com este tipo de religião. Limpar conhecimento da cabeça, quando acompanhadas por determinado impenitência do coração, é um estado mais perigoso de alma. "Se você sabe essas coisas", diz Jesus, "bem-aventurados sois se as fizerdes."(João 13:17).

Não nos esqueçamos, ao deixar esta passagem, para aplicar o alto padrão de dever que ele contém, aos nossos próprios corações, e para provar a nós mesmos. Será que amar a Deus com todo o nosso coração, e alma, e força, e mente? Será que amar o nosso próximo como a nós mesmos? Onde está a pessoa que poderia dizer com verdade perfeita, "eu faço?" Onde está o homem que não deveria pôr a mão sobre sua boca, quando ele ouve estas perguntas? Em verdade todos nós somos culpados neste assunto! O melhor de nós, por mais santo que seja, venha muito aquém da perfeição. Passagens como esta, deveria ensinar-nos nossa necessidade de sangue e justiça de Cristo. A ele devemos ir, se ficaremos sempre se levantar com ousadia no bar de Deus. Dele devemos buscar a graça, que o amor de Deus e do homem pode tornar-se governante princípios de nossas vidas. Nele temos de respeitar, que não podemos esquecer os nossos princípios, e que possamos mostrar ao mundo que por eles que desejamos viver.

 

Lucas 10: 29-37

Estas palavras contêm a conhecida parábola do bom samaritano. A fim de compreender a deriva desta parábola, devemos lembrar cuidadosamente a ocasião em que foi falado. Foi falado em resposta à pergunta de um determinado advogado, que perguntou: "Quem é o meu próximo?" Nosso Senhor Jesus Cristo responde a essa pergunta contando a história que acabamos de ler, e os ventos a narrativa por um apelo à consciência do advogado. Que essas coisas não ser esquecido. O objeto da parábola é mostrar a natureza da verdadeira caridade e amor fraternal. Para perder de vista esse objeto, e descubra alegorias profundas na parábola, é brincar com as Escrituras, e privar de nossas almas lições mais valiosas.

Somos ensinados, em primeiro lugar, nesta parábola, quão raro e incomum é o verdadeiro amor fraterno. Esta é uma lição que se destaca de forma proeminente na face da narrativa diante de nossos olhos. Nosso Senhor nos fala de um viajante que caiu nas mãos dos salteadores, e foi deixado nu, ferido, e quase morto na estrada. Em seguida, ele nos fala de um sacerdote e um levita, que, um após o outro, veio viajando dessa forma, e viu o pobre homem ferido, mas não lhe deu ajuda. Ambos eram homens, que a partir de seu escritório religiosa e profissão, deveria ter sido pronto e disposto a fazer o bem a um em perigo. Mas ambos, em sucessão, eram demasiado egoísta, insensível ou muito a oferecer a menor assistência. Eles, sem dúvida, discorriam entre si, que eles não sabiam nada sobre o viajante ferido - que tinha talvez começou a ter problemas por sua própria má conduta - que não teve tempo de parar para ajudá-lo - e que tinham o suficiente para fazer a mente seu próprio negócio, sem que eles próprios incomodando com estranhos. E o resultado foi que, um a seguir ao outro, os dois "passou por, por outro lado."

Temos nesta descrição impressionante, uma imagem exacta do que está acontecendo continuamente no mundo. O egoísmo é a característica principal da grande maioria da humanidade. Que a caridade barato, que custa nada mais do que uma assinatura ou contribuição insignificante, é bastante comum. Mas isso abnegado bondade de coração, que não se importa com o problema está vinculado, desde que o bem pode ser feito, é uma graça que raramente é encontrado com. Há ainda milhares de problemas que podem encontrar nenhum amigo ou ajudante. E ainda existem centenas de "sacerdotes e levitas" que vê-los, mas "passar do outro lado."

Vamos ter cuidado em que esperam muito do bondade do homem. Se fizermos isso, vamos certamente ficar desapontado. Quanto mais vivemos o mais claramente veremos que poucas pessoas cuidar dos outros, exceto por motivos interessados ​​, e que altruísta, desinteressado, puro amor fraterno, é tão escasso como diamantes e rubis. Quão gratos devemos ser que o Senhor Jesus Cristo não é como o homem! Sua bondade e amor são infalível. Ele nunca desilude qualquer de seus amigos. Felizes são aqueles que aprenderam a dizer: "A minha alma, espera somente em Deus,. A minha expectativa é Dele" (Salmo 62: 5).

Somos ensinados, em segundo lugar, nesta parábola, quem são eles a quem devemos mostrar bondade, ea quem devemos amar como vizinhos. Dizem-nos que a única pessoa que ajudou o viajante ferido, dos quais estamos lendo, era um samaritano.Este homem era um de uma nação que não tinha "relações" com os judeus. (João 4: 9.), Ele poderia ter se desculpado dizendo que a estrada de Jerusalém a Jericó foi através do território judeu, e que os casos de angústia deveria ser cuidada por judeus. Mas ele não faz nada do tipo. Ele vê um homem despojado de suas vestes, e deitado quase morto. Ele não faz perguntas, mas ao mesmo tempo sente compaixão por ele. Ele faz sem dificuldades, mas ao mesmo tempo dá ajuda. E nosso Senhor nos diz: "Vá e faça você mesmo".

Agora, se essas palavras significam nada, um cristão deve estar pronto para mostrar bondade e amor fraternal de todo aquele que está em necessidade. Nossa bondade não deve simplesmente estender para as nossas famílias e amigos, e relações. Devemos amar todos os homens, e ser gentil com todos, sempre que a ocasião requer. Devemos tomar cuidado com um rigor excessivo no escrutínio as vidas passadas de quem precisa de nossa ajuda. Eles estão em apuros real? Eles estão em perigo real? Será que eles realmente precisam de ajuda? Em seguida, de acordo com o ensino desta parábola, devemos estar prontos para ajudá-los.

Devemos considerar o mundo inteiro como a nossa paróquia, e toda a raça humana como nossos vizinhos. Devemos procurar ser o amigo de todo aquele que é oprimido, ou negligenciado, ou aflitos, ou enfermo, ou na prisão, ou pobre, ou um órfão, ou um pagão ou um escravo, ou um idiota, ou fome, ou morrendo. Devemos apresentar tal amizade em todo o mundo, sem dúvida, sabiamente, discretamente, e com bom senso, mas de tal amizade que nunca precisa se envergonhar. O ímpio pode zombar-lo como extravagância e fanatismo. Mas não precisamos importa. Para ser amigável a todos os homens, desta forma, é mostrar algo da mente que estava em Cristo.

Somos ensinados, por último, nesta parábola, de que modo, e até que ponto devemos mostrar bondade e amor aos outros.Somos informados de que a compaixão do Samaritano para o viajante ferido não se limitou aos sentimentos e impressões passivos. Ele tomou muita dificuldade para dar-lhe ajuda. Ele agiu assim como se sentia. Ele não poupou dores ou despesa em fazer amizade com ele. Estranho como o homem era, ele foi para ele, atou-lhe as feridas, colocou-o sobre a sua cavalgadura, levou-o para uma estalagem e cuidou dele. E isso não foi tudo. No dia seguinte, ele deu o anfitrião do dinheiro inn, dizendo: "Cuida dele, e tudo o que gastar mais, quando eu voltar eu vou recompensá-lo." E nosso Senhor diz a cada um de nós: "Vá e faça o mesmo."

A lição desta parte da parábola é clara e inequívoca. A bondade de um cristão para com os outros não deve ser em palavras e em apenas língua, mas por obras e em verdade. Seu amor deve ser um amor prático, um amor que implica em ele auto-sacrifício e abnegação, tanto em dinheiro e tempo, e problemas. Sua caridade deve ser visto não apenas em sua fala, mas sua atuação - não apenas em sua profissão, mas em sua prática. Ele deve pensar que há tempo misspent a trabalhar tão duro em fazer o bem a quem precisa de ajuda, como outros trabalham na tentativa de obter dinheiro. Ele não deve ter vergonha de labutar tanto para fazer a miséria deste mundo, em vez menor, como aqueles que labuta caça ou tiro durante todo o dia. Ele deve ter um ouvido pronto para cada conto de tristeza, e uma mão pronta para ajudar cada um na aflição, contanto que ele tem o poder. Tal amor fraternal do mundo pode não entender. Os retornos de gratidão que tal amor se reúne com podem ser poucos e pequenos. Mas, para mostrar como o amor fraternal, é andar nos passos de Cristo, e para reduzir a prática a parábola do bom samaritano.

E agora vamos deixar a parábola com pensamentos graves e buscas profundas de coração. Como poucos cristãos parecem lembrar que essa parábola já foi escrito! O que uma enorme quantidade de mesquinharia, e baixeza, e os maus-natureza, e suspeita que há para ser visto na Igreja, e que mesmo entre pessoas que repetem o credo e vão para a mesa do Senhor! Como raramente vemos um homem que é realmente tipo, e sentimento, e generoso, e liberal e bem-humorada, a não ser para si e seus filhos!Contudo, o Senhor Jesus Cristo falou da parábola do bom samaritano, e falava sério para ser lembrado.

O que somos nós mesmos? Não nos esqueçamos de colocar esta questão aos nossos corações. O que estamos fazendo, cada um na própria estação, para provar que essa poderosa parábola é uma das regras da nossa vida diária? O que estamos fazendo para os pagãos, em casa e no exterior? O que estamos fazendo para ajudar aqueles que estão preocupados em mente, corpo ou propriedade? Há muitos tais neste mundo. Há sempre alguma perto da nossa própria porta. O que estamos fazendo para eles?Qualquer coisa, ou nada? Que Deus nos ajude a responder a estas perguntas! O mundo seria um mundo mais feliz se houvesse cristianismo mais prático.

fonte coment. biblico J.C. Ryle ,1858

www.avivamentonosul.blogspot.com