Translate this Page

Rating: 3.0/5 (868 votos)



ONLINE
3




Partilhe este Site...

 

 

<

Flag Counter

site, fee epub, link, get pdf, enter link, free book, download book, this link, free book, download pdf,

parabolas de Jesus o filho pródigo
parabolas de Jesus o filho pródigo

O Filho Pródigo


 

Lucas 15: 11-32
. "Havia um homem que tinha dois filhos O mais novo disse ao seu pai: 'Pai, dá-me a minha parte da herança'. Assim, ele repartiu sua propriedade entre eles. "Não muito tempo depois, o filho mais novo reuniu tudo o que tinha, partiu para uma terra distante e lá desperdiçou os seus bens vivendo irresponsavelmente. Depois de ter gasto tudo, houve uma grande fome em toda aquela região, e ele começou a passar necessidade. Por isso foi empregar-se com um dos cidadãos daquela terra, que o mandou para os seus campos a guardar porcos. Ele desejava encher o estômago com as alfarrobas que os porcos comiam, mas ninguém lhe dava nada. 
"Quando ele voltou a si, ele disse: 'Quantos empregados de meu pai têm comida de sobra, e aqui estou eu !. morrendo de fome Eu porei a caminho e voltar para o meu pai e dizer-lhe: Pai, pequei contra o céu e contra ti já não sou digno de ser chamado teu filho;-me como um dos teus empregados. ' Então ele se levantou e foi para seu pai. 
"Mas enquanto ele ainda estava muito longe, seu pai o viu e, cheio de compaixão por ele; ele correu para seu filho, abraçou-o e beijou-o. "O filho lhe disse: 'Pai, pequei contra o Céu e contra ti. Já não sou digno de ser chamado teu filho'. 
"Mas o pai disse aos seus servos: 'Depressa! Tragam a melhor roupa e vistam nele. Coloquem um anel no dedo e sandálias nos pés. Tragam o novilho gordo e matai-o. Vamos fazer uma festa e comemorar.Para este meu filho estava morto e reviveu; estava perdido e foi encontrado '. Então, eles começaram a celebrar. 
"Enquanto isso, o filho mais velho estava no campo. Quando ele chegou perto da casa, ouviu a música e as danças. Então, ele chamou um dos servos e perguntou-lhe o que estava acontecendo. 'Seu irmão voltou ', respondeu ele, "e teu pai matou o vitelo gordo, porque o recebeu de volta são e salvo'. 
"O irmão mais velho tornou-se indignou e não queria entrar. Então seu pai saiu e insistiu com ele. Mas ele respondeu ao seu pai: 'Olha! Todos esses anos eu tenho trabalhado como um escravo para você e nunca desobedeceu suas ordens. No entanto, você nunca me deste um cabrito para eu festejar com os meus amigos. Mas quando esse teu filho, que esbanjou os teus bens com as prostitutas chega em casa, você mata o novilho gordo para ele! ' "'Meu filho," o pai disse:' você está sempre comigo, e tudo o que eu tenho é seu Mas nós tínhamos que celebrar e alegrar-nos, porque este teu irmão estava morto e reviveu;. Estava perdido e é encontrado. '"


As parábolas da ovelha perdida, a moeda perdida, e O Filho Pródigo - foram ditas por nosso Senhor em uma ocasião e para um propósito geral.

A ocasião, como já vimos, foi o carping dos escribas e fariseus na recepção gracioso que os pecadores receberam de Jesus; eo objectivo geral era, para ilustrar a busca de amor e perdão misericórdia de Deus para com o errante, o perdido, eo pródigo.

Nosso Senhor já tinha, em grande medida, justificado seu procedimento em receber pecadores, mostrando, através das duas parábolas anteriores, que era natural que ele deve se sentir um profundo interesse em aqueles que, tendo vagou - já tinha sido recuperado, tendo foi perdida - foram agora encontrados. Mas muitos, provavelmente, de seus ouvintes eram pais, que, uninfluenced, pode ser, por similitudes extraídos da vida pastoral ou nacional, pode ainda ser profundamente tocado por um apelo às emoções dos pais, os outgushings naturais de um coração para os seus filhos. Nada, então, poderia ser mais relevante, tanto para o público que ele se dirigiu, ea verdade que ele desejava fazer cumprir, que os incidentes relacionados tocar na parábola do Filho Pródigo.

Nós imaginar a nós mesmos o venerável pai , abençoada com uma abundância de bens deste mundo, e feliz em possuir dois filhos, a quem ele olhou para o conforto em seus anos de avanço.

Mas o descontentamento já começou o seu trabalho sobre o filho mais novo ; e, depois de muito tempo cuidando de seus sentimentos infelizes, e longo manifestando uma crescente amargura de espírito - ele se apodera alguma desculpa insignificante, e, de uma forma exigente e insensível, demandas, "Pai, quero a minha parte da herança!" Ele deseja para obtê-lo em suas próprias mãos, para gastá-lo como quiser, sem qualquer conselho ou controle parental.

Até agora, os dois filhos tinham compartilhado de seu pai casa, mesa, generosidade e amor; mas, na ocasião da demanda imperativa de o mais jovem - o pai, nas palavras da parábola, "repartiu sua propriedade entre eles."

Esperando "não muitos dias," apenas o tempo suficiente para converter a sua "parte da herança" em dinheiro pronto, ele virou as costas para o pai e casa de sua infância, e "partiu para uma terra longínqua"; onde nenhum controlo parental iria contê-lo em seu caminho de pecado; onde, senhor de si mesmo e de seus meios - ele podia fazer o que desejar.

Neste "país distante", misturando-se com o dissoluto e abandonado - ele logo "desperdiçou os seus bens em vida selvagem!" Abandonado por seus amigos parasitárias, que se uniram a ele apenas enquanto eles poderiam extrair a seiva ea força da sua substância financeira - ele se viu "necessitados", com "fome" de pressionar sobre ele, e não a um amigo apoiar-se, mesmo para um suporte temporário.

Neste morrendo de fome, desolado, condição arruinada - ele busca, como um último recurso, para alguns emprego servil, pelo qual ele pode, pelo menos, satisfazer sua fome, e garantir um abrigo temporário. Deixou-se para fora para contratar a "um dos cidadãos daquela terra," e é enviado por ele "para os seus campos a guardar porcos" - o mais vil de todos os empregos, um abominado pelos judeus como impuros, e tão desprezado pelos egípcios, aquele porco-pastores foram as únicas pessoas excluídas seus templos.

Mas a profundidade de sua miséria ainda não foi alcançado, para tal foram as ânsias da fome, e como a parte miserável de alimentos atribuído a ele, nesta época de fome, que "Ele desejava encher o estômago com as alfarrobas que os porcos estavam comer, mas ninguém lhe dava nada! "

O objeto miserável! destituído de seu dinheiro, encolhido com fome, acabou como um porco-pastor nos campos, um mendigo e um estranho em uma terra distante - com as lembranças alegres de uma vida anterior e feliz, tornando mais viva e dolorosa seu presente miséria. Lá coloca, o filho mais novo de um pai liberal e abundante - repugnante, degradado, miserável - um retrato melancólico de miséria auto-gerado e ai!

Por quanto tempo ele permaneceu, portanto, não é declarado. A próxima intimação que temos dele é que "ele caiu em si", como se todo esse tempo ele não tivesse sido ele mesmo - vinha agindo como um louco; e tinha agora apenas acordou de seu estado demente, e olhou-se em uma verdadeira luz. Ele compara-se não com sua condição anterior e as circunstâncias, quando, como um filho, ele se sentou na mesa de seu pai, e se alojou na mansão de seu pai, e foi esperou por servos de seu pai. Tão baixa que ele é rebaixado em seus próprios olhos, que ele não elevar-se à altura dessa comparação, que, no primeiro pensamento, podemos supor seria o que iria ser dominante em sua mente; mas ele próprio humildemente se compara a de seu pai menials .

E como seus pensamentos vagueiam longe do suína e as cascas em torno dele, para a casa de sua infância distante, eles trazem-se diante dele a abundância que enche a casa de seu pai - os "agentes contratados" muito dos quais com "pão suficiente e de sobra "- enquanto ele, o filho, a quem aqueles servos full-alimentados uma vez obedeceu, agora" perece com fome! "

O pensamento pica-lo para o rápido, e ele resolve, sob a influência da emoção profunda, "Eu me levantarei, e irei ter com meu pai!" Já não vou sentar aqui nestes campos distantes, observando estes suína repugnante - mas lembrando o amor eo cuidado de meu pai, ea abundância que preenche seus celeiros e mesa! Para ele, eu irei; ainda não como um filho; esta relação que tenho perdido por minha deserção base - mas como um servo, e não como um servo única - mas como uma confissão, humilhou penitente, porque eu "dizer-lhe: Pai, pequei contra o céu e diante de ti, e já não sou digno de ser chamado teu filho; trata-me como um dos teus trabalhadores ".

Sua decisão foi seguida por acção . Ele "foi para seu pai"; e quase podemos imaginar sua aparência esentimentos como ele atinge os seus campos nativos, e vem à vista da casa de seu pai. Wan e cansado da viagem, fraco de fome, emaciado com longo jejum e caminhada, com o rosto franzido pela relha de cuidados , e sua testa ondulado pela turbulência de angústia mental , vestida com as roupas esfarrapadas e besmeared de um porco-pastor , e apoiando-se fortemente em cima de sua equipe - ele está no cume da primeira colina de onde ele pode ter um vislumbre de sua casa, uma vez feliz, e como ele atende seus olhos - eles se enchem de lágrimas; e seu coração está cheio demais para que falassem.

A terrível contraste entre seu presente e seu estado passado; os wastings temerosos de vida, saúde, força, dinheiro, que poucos meses fez; as imagens de felicidade infantil apreciado lá; misturando com as sombras profundas que escurecidos sua vida na terra que ele tinha acabado de deixar - deve ter lotado densamente em sua mente, e fez o seu quadro de fraco tremor como essas emoções lutou dentro dele.

O pai espia o filho pródigo voltando mesmo "quando uma ótima maneira off"; sente em seu coração as Wellings-se de compaixão para com seu filho, e não esperando para ver o que era o temperamento e condição de que o filho, ele "corre para encontrá-lo", "cai em cima de seu pescoço" com alegria, e "beija" com afeto paternal. O filho, dominado por esta exibição carinhoso, começa seu discurso premeditado; "Pai, pequei contra o Céu, em sua visão, e já não sou digno de ser chamado teu filho." O pai parou para não mais ouvir; a frase : "Faça-me como um dos teus trabalhadores", foi preso em seus lábios por ordens do pai aos servos: 'Depressa! Tragam a melhor roupa e vistam nele. Coloquem um anel no dedo e sandálias nos seus pés. Tragam o novilho gordo e matai-o Vamos fazer uma festa e comemorar Para este meu filho estava morto e reviveu;.. ele estava perdido e foi achado "!

Assim, por estes quatro sinais, a túnica de livre-homem, o anel do patrício, as sandálias de honra, ea festa da alegria - que o pai manifestar o maior respeito por seu filho, e conferir-lhe as mais altas honras de sua casa.

Que contraste entre a manhã e à noite daquele dia! A manhã suína-pastor, o mendigo desgastado-way, o filho pródigo beliscou-fome - é agora, ao anoitecer, o manto e rodeado e filho sandálias, o andarilho restaurado, o hóspede se banqueteavam, a alegria do coração e casa de seu pai!

Enquanto assim alegre, pai e filho mais novo juntos ", o mais velho filho ", que, quando o encontro aconteceu", estava no campo superintender seus trabalhadores, aproximou-se da casa, e ficou surpreso ao ouvir os sons "de música e dança . "Indagar de" um dos servos "" que era aquilo? ", ele ouviu a história do retorno do filho pródigo. Em vez disso, no entanto, de regozijo para a vinda de trás do seu irmão que erra, e entrando e felicita seu pai, e juntando-se na cena festiva - ele se torna "indignou e não queria entrar."

O pai amável, ouvir dos seus sentimentos, vai para ele, e tem o objetivo de suavizar a sua ira; mas o irmão ranzinza rejeita-o, relacionando sua bondade longa e contínua, e sugere mesmo em serviços sem recompensa - enquanto seu irmão dissoluto não antes retorna de desgraça e miséria e do crime, do que há "o novilho gordo é morto por ele." O ataque mal-humorada do irmão mais velho, tanto em cima do seu pai e do filho pródigo, é satisfeita pela resposta suave, mas pela força do pai: "Meu filho, você está sempre comigo, e tudo o que tenho é seu. Mas tivemos para comemorar e alegrar-nos, porque este teu irmão estava morto e reviveu, estava perdido e foi achado "!

Tal é a rara beleza parábola do Filho Pródigo, que Trench chama de "a pérola da coroa e de todas as parábolas da Bíblia;" e do qual Lavater diz: "Se Cristo só vêm à Terra com o propósito de entregar esta parábola, por conta disso por si só deveria todos os seres mortais e imortais têm concordou em dobrar o joelho diante dele."

Ao considerar a moral desta parábola, descobrimos que ele resolve-se em quatro fases, a saber: 
saída do filho pródigo, 
degradação do filho pródigo, 
retorno do filho pródigo, e 
recepção do filho pródigo.

Em cada um desses cursos de ação, não é fornecido um tipo completo do coração humano; e na recepção que o andarilho retornando encontra-se com, não consta o amor livre e perdoa de um Deus grande e santo.

O filho pródigo começou sua partida pelo pedido exigente, "Dê-me a minha parte da herança!" O desejo de jogar fora as rédeas do governo de Deus e ser independente de ele - é o pecado raiz de todos os pecados. Foi isso que derrubará os anjos rebeldes; aprisionado que Adão à desobediência, e por que a morte foi trazido para o mundo e toda a nossa aflição.

Assim que o coração começa a estar consciente de suas relações e deveres para com Deus - ele cresce inquieto, e inicia os seus esforços na partida. O pecador egoisticamente implora "a sua parte dos bens" de Deus, como se Deus estava obrigado a dividir-lhe a vida; e onde não há essa perversidade da mente, muitas vezes Deus permite aos homens a fazer a experiência que eles desejam. Ele dá-lhes "sua porção nesta vida"; aparece para abençoá-los, e coroar suas vidas com misericórdias.

Até agora, no entanto, de ser satisfeitos - eles coletam as energias da mente e do corpo, a sua influência e seus recursos, e ter "ajuntando tudo", eles começam a sua carreira de apostasia e pecado. Esta carreira é um rapidamente para baixo e um cada vez mais perverso um; para quando a alma outrora tão compactado suas energias como a abandonar o seu dever filial com Deus, e as verificações de seu controle paterno - não há nada que impeça o seu curso descendente, para todas as resoluções humanossão impotentes sobre as rodas de pressa de passion- homem movido. A alma que se afastou de Deus, deu início a uma série de pecados que nunca vai aumentar em tamanho e aumentar em poder , e aprofundar em culpa por toda a eternidade!

Este afastamento de Deus, é um voluntarioso um. Não é Deus o Pai que empurra o filho para fora de sua casa, e exilando-a um "país distante" - mas o filho voluntariamente romper com o Pai, e de forma imprudente mergulhar em ruína, preferindo o "país distante" a casa de seu pai . Que "país distante" éeste mundo caído .

Estamos aqui a uma grande distância moral a partir de nosso Pai Home. Nós aqui desperdiçar os poderes da mente e do corpo numa vida desregrada, em fazer as coisas que Deus proíbe e nossas consciências desaprovam - e as dores da necessidade espiritual em breve apoderar-se de nós. Pois nesta terra distante há uma fome em todas aquelas coisas que a alma mais precisa; eo mundo, tão longe de satisfazer os nossos desejos espirituais - como um mestre duro, nos envia, seres imortais como nós somos, ao mais vil dos empregos e os mais vis dos alimentos.

É marcadamente enfática da influência degradante do mundo , que nosso Senhor deve selecionar um tal repugnante e, pela lei levítico, quase maldito emprego como um porco-pastor, como uma ilustração das profundezas da miséria a que reduziria nós , ter-nos causado primeiro a "perder o nosso substância numa vida desregrada."

Todos essas atividades drudging a que os homens vendem suas almas para o aluguer, são, em comparação com aqueles empregos de santidade em que devem ser envolvidos - como brutal como os porcos-do pastor! Assim também é a comida que o mundo oferece ao espírito faminto mas cascas - sem valor, insatisfatório. A alma nunca pode prosperar em tal dieta bestial, e famishes para algo real, verdadeiro, santo - algo adequado às suas necessidades aqui e seus destinos futuramente.

Assim que a graça de Deus visita tal alma, torna-se ao mesmo tempo consciente de suas necessidades.Há uma abertura do olho para suas misérias, um desencantamento do feitiço que por tanto tempo pervertido o julgamento - ea pobre pecador rebaixado começa a sentir. . . 
sua miséria, 
sua degradação, 
sua condição perecendo!

O pecado de sua partida de Deus entra em visão clara; sua culpa em seu curso subseqüente se destaca em sua verdadeira luz; a desgraça de sua posição atual escurece sobre ele - como uma nuvem redução acusado de relâmpagos de flechas de um Deus irado. E o futuro está diante dele - um bocejo, golfo sem fundo de aflição, à beira da qual ele sente que está acelerando rapidamente!

Esta é a hora em que o Espírito Santo começa sua obra de convicção, mantendo-se os pecados de sua vida à luz da face de Deus, e levando-o a chorar com uma tristeza piedosa que não precisa de se arrepender. Ele mostra-lhe que ele é "um desgraçado, e miserável, e pobre, e cego, e nu." E tendo o convenceu de sua condição desfeita - Ele aponta-o a casa de seu Pai, agita-se dentro de si o desejo de voltar, e fortalece-o a resolver, "Eu me levantarei e irei ter com meu pai!"

Não é, no entanto, até expulsos de cada "refúgio da mentira" - faz o pecador desejo de voltar. Seus rebeldes coração orgulhoso contra voltando para Deus, de quem ele tanto vauntingly partiu. A doutrina da graça gratuita mal comporta com sua alardeada auto-justiça e independência. Se ele pudesse, por quaisquer obras de penitência, cavaram para si mesmo uma salvação, para que o mérito de que seria só dele, e de que ele poderia dizer: "minha força, ea fortaleza da minha mão me adquiriram estas vitória "- ele ficaria feliz em fazê-lo. E ele faz uma grande variedade de tentativas de obter a paz de espírito antes de ele se vira com uma fé simples "Eis o Cordeiro de Deus, que tira o pecado do mundo."

Então é que o pecador "vem para si mesmo." Até este período, ele é ao lado de si mesmo.

Ele chama o mal de bem, e doce amargo; 
seu senso moral é pervertida; 
sua mente age sem o devido controle, 
ele produz a si mesmo como um servo do pecado; 
ele "ama mais as trevas do que a luz," 
ele corre gananciosamente no caminho do pecado; 
ele busca a sua própria egoísta termina supremamente; 
ele está sob a governação de influências meramente mundanos; 
ele fecha os olhos para o futuro, e 
ele corre loucamente sobre a ruína eterna!

Agora, no entanto, esta ilusão está sendo quebrado. Ele começa a olhar para as coisas em sua relação apenas - razão recupera sua ascendência, e reflexão em si ocupa com sua vida passada. Agora ele pensa em Deus, seu Pai, eo que ele deixou na casa de seu Pai, e da prestação ricos há feitas pelas almas de seus servos, ea plenitude de pão nele para tudo que vai recorrer lá. Ele começa seu arrependimento por uma vontade de romper seu atual curso da vida, (pois não há arrependimento , onde há umacontinuidade no pecado), dizendo: "Eu me levantarei"; Eu não vou mais sentar-se nestes campos distantes, neste servilismo brutal. "Eu me levantarei", e renunciando à minha emprego, será "ir para o meu Pai".

E isso indica que o segundo elemento essencial do verdadeiro arrependimento, que é uma viragem para Deus ; para quando o Espírito Santo produz na alma que piedosa tristeza pelo pecado que é o resultado do seu poder de convencimento - então não resulta em um arrependimento que se manifesta em um afastamento do pecado - e uma viragem para Deus , com todo o coração para servi-Lo com sinceridade e verdade. A decisão de voltar é acompanhada por uma confissão penitente : "Pai, pequei contra o céu e diante de ti!"

Sob as influências esclarecedoras do Espírito, o pecador é ensinado para contemplar suas iniqüidadesem um novo ponto de vista. Até agora, ele tem considerado pecado apenas como isso afetou seusmundanos interesses e de pé. Sua atrocidade foi medido pelos desconfortos da mente ou do corpo a que se sujeitou-lo. Agora, no entanto, a mera terrena aspecto do pecado, é overtopped por sua aparência na luz do semblante de Deus. Ele vê que ela seja aquela coisa abominável que Deus odeia! E como ocaráter santo de Deus se levanta na vista, ele vê mais claramente, a baixeza da sua maldade; e tão cheio é ele com um sentido de sua vileza diante de Deus, que ele exclama com David, "contra você, e você só pequei!"

A idéia de que ele "pecou contra o Céu", contra as leis, o amor, a misericórdia, a longanimidade, a santidade do Deus do céu - é a idéia de absorção do pecador arrependido. Ele nunca pensou antes de o pecado como ele aparece na vista de Deus e de Cristo, e do Espírito Santo; e ele está impressionado com sua grosseria e baixeza, e exclama: "Eis que sou vil!" "Eu abomino a mim mesmo, e me arrependo no pó e na cinza! "

Para humildade necessariamente segue o verdadeiro arrependimento e confissão. É impossível para a alma para dizer: "Pai, pequei contra o Céu" - sem que inutilidade consciente por causa de culpa tão humilhante para a alma, como também para chamar o mais exclamação: "Já não sou digno de ser chamado teu filho; trata-me como um dos teus trabalhadores ".

Para ocupar o lugar mais baixo do militante ou Igreja triunfante Igreja, é muito bom para o penitente agora humilhado. Para ser um "porteiro", "jornaleiro", é tudo a que o prostrado, alma ferido pelo pecado ousa aspirar. E ele sente que, para ser " menos no reino de Deus "- é maior honra do que ser o maiornos reinos dos homens.

E bem pode ser a alma humilde, quando se contempla o número, malignidade, e constância de seuspecados de pensamento, palavra e ação, secreto e aberto, de omissão e comissão, por um lado; eo caráter de Deus - Santo, supremo, eterno, infinito - contra quem pecou, ​​por outro lado. Na presença de tais montanha-como pecados, e diante de tal inefavelmente glorioso Deus - o que pode a posição tomada penitente - mas que da mais profunda humildade e auto-humilhação; colocando sua mão sobre sua boca, e sua boca na poeira, chorando: "Imundo, imundo!" "Deus, sê propício a mim, pecador!"

Das profundezas do penitente humildade , ergue-se o cristão mais vigorosa ação . Ele vai adorar Cristo a mais - que viu a maior parte da chaga do seu coração, e foi feito para se sentir com mais intensidade, as bitings da "fome", ea inutilidade das "cascas", em que "país distante" de pecado, em que ele estava em cativeiro. E ele vai trabalhar para Cristo o mais energicamente - quem ama ardentemente, pois não há força motriz para a ação tão forte, tão duradoura, assim como elevar o amor constrangedor de Cristo.

Daí a linha de execução em vigor da resolução, "Eu me levantarei e irei ter com meu pai!" Ele se levanta, se afasta, deixa tudo para trás dele, e dobra os passos ansiosos para a casa de seu Pai. Ele não permite quaisquer dúvidas quanto à prontidão do seu Pai para recebê-lo, para perturbar sua mente. Ele não pára de fazer-se mais respeitável, mais digno externamente. Ele não hesita e diz: "Se o meu pai quer que eu ou me ama, é fácil o suficiente para ele para enviar os seus agentes contratados e encontrar-me, e me trazer para casa."

Na confiança de uma  em prontidão de seu Pai para receber e vontade de perdoar, que é baseada na promessa imutável de Deus - ele vai para que o Pai; para, através da porta de entrada que leva ao Seu propiciatório está inscrito em letras garrafais: "Aquele que vem a mim - eu nunca vou expulsar!"

Assim como não há essa estender do lado da fé , e lançando mão de Cristo como a esperança colocada diante de nós no Evangelho - há uma apreciação sensata do fato de que nosso Pai, enquanto nós "estavam ainda a uma grande distância , "viu-nos, teve compaixão de nós, veio ao nosso encontro; e tem, com mais do que manifestações orientais de Seu amor, nós tomadas para o seu seio e levaram-nos aos seus tribunais terrenos.

Tão belamente como os toques de esta parábola requintado ilustrar a ternura de um pai terrestre - eles vêm longe de expressar o infinito, o divino, o eterno amor de Deus por nós pecadores miseráveis, ou as maravilhosas manifestações de Sua compaixão quando deu o seu bem-amado e unigênito Filho "para morrer - o justo pelos injustos -. para que pudéssemos ser reconciliados com Deus"

Oh, homem impenitente! Obedeça as moções do Espírito Santo, e deixar suas concupiscências suína-like, suas cascas mundanas, sua servidão ao pecado - e levanta-te e vai para o seu pai! Em breve você verá que o Pai acelerando em direção a você; Seu amor divino movendo-Lhe que mais verdadeira compaixão, e causando-lhe para encontrá-lo enquanto "ainda uma ótima maneira off"; para a linguagem deste Pai amoroso é, como Oséias nos diz: "Oh, como posso desistir de você? Como posso deixar você ir? Como posso destruí-lo como Admah ou demolir você como Zeboim? Meu coração está dilacerado dentro de mim e minha compaixão transborda! "

A provisão rica que Deus faz para o pecador arrependido ilustra seu amor Abundante ainda mais. O filho pródigo vem com os trapos de sua degradação, e é, pela mão ministério de fé, vestido com o manto, "o melhor manto ", de perfeita justiça de Cristo, de modo que ele exclama com Isaías:" Eu me regozijo muito no Senhor, a minha alma se alegrará no meu Deus, porque me vestiu de vestes de salvação, cobriu-me com o manto de justiça "!

A mão que desperdiçou presentes de seu pai, e distribuía cascas aos porcos - agora é adornada com umanel , o anel de aliança de uma nova e eterna aliança, a "promessa de token e" de uma união abençoada com o Senhor.

Ele vem, com pés lacerados e cansado com a rugosidade e aspereza do caminho do pecador, e recebe ossapatos da "preparação do evangelho da paz", pelo qual ele está habilitado a trilhar com confiança no caminho do dever, e correr com fleetness no caminho dos mandamentos de Deus.

Ele vem, com fome e faminto - e Deus espalha o Evangelho festa para ele em sua casa, "um banquete de coisas gordurosas, banquete de vinhos puros, de coisas gordurosas cheias de medula, de vinhos puros, bem purificados!" E esta festa eucarística, em que a alma verdadeiramente arrependido e crente se alimenta pela  no corpo e sangue do sacrifício do Calvário, e é alimentada e fortalecida assim - é apenas o prenúncio do que mais glorioso reencontro quando, com Abraão, e Isaque, e Jacob ", ele deve sentar-se para o casamento-ceia do Cordeiro no Céu!"

Ele vem em tristeza e humildade, sentindo que ele é indigno de ser chamado de filho, e desejando ter um lugar baixo, mesmo como "jornaleiro" - e ele é recebido com cada demonstração de alegria. A igreja na terra se alegra, e congratula-lo com música e ação de graças. Cristo se alegra, pois Ele então vê o fruto do trabalho da sua alma, e fica satisfeito. E "há alegria na presença dos anjos de Deus", por causa desta sua terrena "irmão estava morto - e reviveu, estava perdido - e é encontrado!"

fonte William Bacon Stevens, 1857

www.avivamentonosul.blogspot.com