Translate this Page

Rating: 3.0/5 (914 votos)



ONLINE
3




Partilhe este Site...

 

 

<

Flag Counter


POVO DE ISRAEL אנשים ישראל
POVO DE ISRAEL אנשים ישראל

                                        POVO DE ISRAEL אנשים ישראל

 

Na Bíblia "Israel" é o nome nacional das pessoas que são conhecidas racialmente como "hebreus". Na condição tribal nenhum nome abrangente foi historicamente aplicado a todo o povo. A história ( Genesis 32:24Gênesis 32:24 e segs. ) Da mudança de nome de "Jacob" para "Israel" é em parte um reflexo do facto histórico da união das tribos e de seu triunfo final sobre os cananeus.

Final da Babilônia Origin.

Se considerado politicamente ou etnologicamente, Israel deve ser considerado um povo compósitos. Isto parece tanto das declarações genealógicos da Bíblia e de casos registrados de amálgama racial. Não é, no entanto, fácil de determinar exatamente todos os elementos raciais de Israel e os começos estão envolvidos na maior obscuridade. A contribuição da Babilônia primária é pelo menos provável. A tradição que Abrão como o fundador da raça veio de Ur dos Caldeus não tem sentido se for uma mera referência geográfica e ao fato de que os hebreus compartilhado com os babilônios suas mais antigas reminiscências literárias, tais como formas característicos da Criação e do Dilúvio histórias, é, aparentemente, uma confirmação da tradição.

 

A tradição bíblica mais imediato é no sentido de que Israel estava fundamentalmente Aramean e esta crença não é incompatível com a descida da Babilônia parcial. O curso da história mais antiga foi, talvez, um pouco como se segue: Durante a dominação babilônica do oeste não país- mais tarde do que cerca de 1600BC- Um grupo de emigrantes da Eufrates menores chegaram à região cerca de Harã, a sede de uma colónia da Babilônia antiga. Depois de um tempo de certas famílias deles foi mais longe para o oeste e sul, fixando-se em bandas espalhadas tanto leste e oeste do Jordão. A partir desses povos hebraicos, incluindo os hebreus adequada, os moabitas, amonitas, edomitas e, reivindicaram a descida. Pelos ancestrais dos hebreus adequada as antigas filiações foram mantidos por um tempo pelas adesões sírios, para que mais tarde poderia ser dito de Israel ", um nômade Aramean era teu pai" ( Deuteronômio 26: 5Deuteronômio 26: 5 ., Hebr).

 

Não são, portanto, dado alguns clãs resistentes, o mais proeminente sendo marcados fora por suas afiliações sírios, formando assentamentos para si na Palestina e nunca inteiramente abandoná-los, até pela energia moral e física superior fazem bom sua reivindicação à posse de mais de o país. Ao colocar em ordem cronológica mais provável a substância das patriarcais e tribais tradições e tabelas genealógicas, e utilizando o escasso avisos de fontes externas, a seguinte história esboço preliminar pode ser construído:

 

Existência início das Tribos.

 

Os tribos antes do Êxodo: A maioria, se não todas, as tribos de Israel tinham algum tipo de existência orgânica antes de 1200 BC, A data aproximada do Êxodo do Egito, embora possam não em todos os casos, em seguida, suportado os nomes que se tornaram histórico. O esquema das Doze Tribos é uma construção mais tarde, baseado em parte em dados genealógicos e, em parte, as fronteiras geográficas ainda este esquema ainda é o principal guia para determinar a distribuição tribal no período que precedeu a invasão.

 

Divisão e distribuição das Tribos.

A classificação tradicional das tribos ( Gênesis 30 ) para os filhos de Lia, os filhos de Raquel, e os filhos de suas duas empregadas é de valor histórico essencial. O mais velho de quatro foram os primeiros a fazer uma solução independente em Canaã. Reuben foi o primeiro líder mas cedo perdeu a preeminência, e fez o seu lar permanente em toda a Jordânia. Simeão e Levi quase foram destruídos em uma briga com cananeus da região de Siquém, com quem tinham feito uma aliança. Os restos dispersos de Simeão foram posteriormente absorvidos por Judah. Se Levi longamente tornou-se reabilitado em Israel como a tribo sacerdotal não é completamente certo (vejalevitas). Judá nestes primeiros dias aliou com cananeus dos distritos de Adulão e Timna, e manteve sua existência tribal, apesar de muitos desastres ( Gênesis 38 ). Precoce e tardia Judah derivada força a partir da absorção de outsiders.

 

Algum tipo de acordo também foi provavelmente feita por Issacar e Zabulon na planície de Jezreel e para o norte antes do retorno do Egito, o que explicaria a proeminência dessas tribos tão pouco tempo depois que era (juízes v.) Naqueles fértil e muito- regiões cobiçadas. Joseph e Benjamin são de conseqüência mais relativa na Palestina, depois do que antes da permanência no Egito. No momento anterior a ambição eo progresso da tribo de Joseph provocou a inveja das outras tribos, e foi obrigado a migrar para o Egito, como era a moda com muitos asiáticos durante as dinastias XVIII e XIX. Benjamin como uma tribo em Canaã foi talvez inexistente até depois da era egípcia. A localização histórica do Gad, Aser, Dan e Naftali é sugestivo de sua origem predominantemente estrangeira, o que explica o seu ser contabilizadas como os filhos dos damas de Lia e Raquel. Como conectado com Israel não eram de destaque até o momento da liquidação geral. Mas nos registros egípcios de cerca de 1300BC um povo chamado "Aseru", em seguida, ocuparam o território mais tarde atribuído a Asher.

 

A questão de uma federação de qualquer das tribos é obscura. Mas não parece ter sido um "Israel" em algum sentido em Canaã antes do Êxodo, for Me (r) neptah, filho de Ramsés II., Refere-se a ter devastado Israel em Canaã. Nenhuma outra suposta alusão monumental para Jacob ou Joseph ou os hebreus pode ser usado como ainda para fins históricos.

 

Moisés e Jahvism.

 

A era egípcia e Êxodo: Enquanto isso o povo de Joseph prosperou tão grandemente no Egito que muitas famílias de tribos aparentadas migraram para lá. Mas uma mudança de política sob os reis da dinastia XIX trouxe uma opressão sore dos hebreus, de modo que a sua vida não se tornou intolerável. O grande projeto de restaurá-los para Canaã foi acalentado por Moisés, hebreu de educação egípcia, mas neste momento um fugitivo na península do Sinai, em consequência da partizanship ativo na causa de seus irmãos oprimidos. Lá, ele adotou a religião de seus anfitriões, os queneus, que eram adoradores de Yhwh. Ele então retornou ao Egito, induzida seu povo para migrar com ele, e efetuou uma passagem de um braço do Mar Vermelho, quando pressionados pelos perseguidores egípcios. Após esta libertação, tornou-se mais fácil para os fugitivos para fazer o culto deYhwh o seu próprio eo novo vínculo religioso foi reforçada por uma prolongada visita à sede do Yhwh, Mount Sinai. Desta religião Moisés foi o primeiro sacerdote, embora o ministério foi posteriormente transferida para outras mãos. Como líder civil e sacerdote em que ele era o juiz supremo e como o intérprete da vontade deYhwhele foi o primeiro e, em certo sentido, o maior dos profetas. Direito e justiça, os rudimentos das quais foram transmitidos por Moisés ao seu povo, eram também da essência da revelação.

 

Liquidação leste da Jordânia.

 

A ocupação da Palestina: os homens da tribo de José, agora dividida em dois grandes clãs, eram naturalmente na cabeça e na frente do movimento sobre a Palestina. Seu esforço principal foi o de efetuar uma entrada para "a região montanhosa de Efraim", onde seus parentes eram mais numerosos. Tentativas de alcançar este objetivo, a oeste e sul foram encontrados para ser impossível e depois de muitos atrasos longos um tour de foi feita em torno da terra de Edom, uma união que está sendo realizada com a população israelita já leste do Jordão e seus aliados. Os principais inimigos de todos os povos hebraicos desta vez foram os amorreus, que pela invasão dos recém-chegados foram expulsos da Gilead e da fronteira norte de Moabe, com o resultado de que novos assentamentos israelitas foram feitas na região norte e sul do Jaboque.

 

Liquidação em Canaã adequada.

Com estas realizações da vida e obra de Moisés se acabaram. Seu lugar foi tomado por Joshua, o representante da tribo dominante de Efraim. Sob a nova liderança do Jordão foi atravessada perto de Jericó ( c. 1160 BC) E com a entrada em planalto central, o antigo Israel já na Palestina e os novos imigrantes, dotado com o espírito de uma religião conquistador do mundo, fizeram causa comum na ocupação gradual da terra da promessa e da realização de um nacional ideal. É duvidoso, porém, se havia alguma federação completa das tribos antes da era do reino. Por mais de um século a liquidação estendeu-se, em parte através da conquista, mas principalmente através da assimilação pacífica das comunidades cananéia. Principalmente porque os cananeus poderia manter-se em cidades fortificadas a conquista completa e rápida de todo o país estava fora de questão (comp. Judgesi.). Contra o mais numerosos e ricos, mas dividida cananeus a principal vantagem possuída pelos hebreus era uma acção comum sobre uma área extensa, inspirado por terra a fome e pelo entusiasmo religioso.

 

Fortunas dos tribos.

À primeira agressão foi, naturalmente, o fator principal. A ocupação da região montanhosa central, lançou as bases do grande liquidação do povo de Joseph com a própria Efraim no centro, Manassés (Maquir) no norte, ea nova tribo de Benjamim, no sul. Este território foi mantido firmemente e permaneceu por muito tempo o kernel e defesa de Israel. As outras tribos ajustada-se gradualmente a esta condição primária. Aqueles ao norte, Issacar, Zabulão e Neftali, reforçou a sua influência sobre a planície de Jezreel e além, e em um estágio inicial da ocupação geral ( c. 1130 BC), Com a ajuda de Maquir (Manassés), com Efraim e Benjamin (Juízes v.), Fez bom sua reivindicação contra uma combinação desesperada de cananeus do norte. As tribos do sul, Judá, Simeão, e Dan, pouco se envolveram no trabalho distintivo de garantir Canaã por Israel. No entanto, Judah, viril e empreendedor, continuamente ampliado-se de centros de bem escolhidas, absorvendo clãs inteiros de pessoas de fora, como o Kenites eo Quenezeu, assim como o resto de Simeon. Dan realizou uma parte do Shephela por posse precária, primeiro contra os cananeus, e mais tarde contra os filisteus, até que ele foi forçado a migrar para o pé de Hermon, onde desde então permaneceu inativa nos assuntos comuns de Israel. No noroeste Asher foi reivindicado para o povo deYhwh( Ib. 5:17), mas nunca foi assimilado. Gileade e Basã se tornou um lar para os emigrantes, especialmente a partir do território superlotadas de Manassch e Gilead, na verdade, tornou-se sinônimo de Gad ( ib. ).

 

Período dos Juízes: Depois de séculos de controle militar Canaã tinha sido abandonada pelos egípcios ( c. 1170 BC) Para tornar-se em grande medida a posse dos israelitas. Mas o título dos novos ocupantes não estava a ser indiscutível. Ataques bem sucedidos, por vezes, no montante de ocupações prolongadas, foram feitas por sírios (que vieram em grande número ao longo do Eufrates para substituir as comunidades hititas agora quase extinta), por moabitas, por midianitas e leste do Jordão por amonitas. Apenas uma parte do país foi atacado e despojada por cada um dos exércitos invasores e em cada ocasião um líder foi levantado para libertar seu povo. A incursão mais grave foi que fez pelos midianitas, que ( c. 1090 BC) Atingiu no centro do território de Israel por meio dos bens de Manassés. Após a repulsa Gideon, o líder ou "juiz", foi quase fez um rei por sua tribo e da falta de uma liderança comum era doravante tão fortemente que se tornou apenas uma questão de tempo quando deveria ser estabelecido um reino de Israel.

 

O Espírito Nacional.

O último e maior dos juízes foi Samuel ( c. 1030 BC). Ele foi o primeiro legítimo sucessor de Moisés, como sendo uma época de tomada de sacerdote, profeta e juiz em um. Moisés havia sido o fundador de Israel, no que ele tinha imbuído seu povo com o espírito nacional, juntamente com a religião deYhwh. Mas a idéia de nacionalidade estava sendo rapidamente destruído pelo efeito de desintegração da agricultura sobre um povo principalmente nômades, pelo estabelecimento de famílias individuais e seitas em suas próprias várias explorações e distritos, e pela adoção inevitável em quase toda parte de costumes cananéias, com separado governo municipal e a adoração de divindades locais (veral Ba ' ).

 

Influências externas parecia ainda mais destrutivo. Mais urgente de todos os perigos imediatos foi o crescente poder dos filisteus. Eles tinham ( c. 1040 BC ) Repetidamente derrotou os exércitos de Israel tinham destruído a cidade sagrada de Shiloh com seu santuário que tinha apreendido os principais redutos de Efraim, Benjamim e foram agora segurando centro de Israel em vassalagem.

 

O Reino Unido: Samuel agora percebido que só um rei pode recuperar e unir Israel e por ele Saul, um latifundiário rico de Gibeá de Benjamim, foi consagrada ao ofício real ( c. 1030 BC). primeira conquista de Saul era de presságio felizes. A cidade de Jabes-Gileade estava sob cerco pelos amonitas, e reivindicou a protecção das tribos ocidentais. Saul disparou o coração de Israel, proclamando uma guerra santa em nome desta cidade. O resgate que se seguiu deu coração para os afluentes desanimados dos filisteus e uma série de vitórias brilhantes, em que o príncipe herdeiro, o nobre Jonathan, assumiu a liderança, serviu para tornar Israel forte e unida. Saul se reuniram com ele homens de força e promessas, e deu-lhes o comando de corpos escolhidos de milícia. Abner, o chefe do exército, era um líder valente e habilidoso e entre os oficiais era um jovem de gênio, Davi, filho de Jessé, de Belém de Judá, o primeiro de que tribo para tomar parte ativa nos assuntos de Israel. Jonathan e David se tornaram amigos e sua aliança prometeu bem para o resgate de seu país.

 

Batalha de Gilboa.

Tudo correu feliz por um tempo. Os filisteus, expulsos da Palestina central, foram mantidos à distância e se Saul tivesse sido um estadista, bem como um soldado do estado poderia ter sido salvo sob seu gime ré. Mas ele não tinha o dom de administração tão essencial para a edificação da nação. Ele também se tornou temperamental e melancolia, e suspeitaram de uma conspiração contra ele por parte de ambos David e Jonathan. David foi obrigado a fugir do juiz. Fez-se o líder de uma banda ousada de bandidos. Embora muitas vezes perseguido por Saul, ele não iria retaliar. Ele se tornou um vassalo nominal do rei de Gate, mas ajudou os filisteus tão pouco, e seus próprios homens de Judá, tanto quanto possível. Os filisteus incapazes de penetrar nos passes ocidentais de Benjamim e Efraim, marchou para o norte, e atacou Israel, desde a planície de Jezreel. Em uma encosta do Monte Gilboa a fatídica batalha foi travada, na qual Saul e três de seus filhos, Jonathan, Abinadabe e Malquisua, as suas vidas e os israelitas mais uma vez tornou-se tributário seus inimigos terríveis ( c. 1000 BC ).

 

David tinha colocado para ele a fundação de um reino na sua própria tribo separada e quando Ishbaal (Isbosete), um filho sobrevivente de Saul, foi proclamado Rei de Israel por Abner, ele (David) levou-se uma residência real em Hebron, onde ele reinou como rei de Judá, durante alguns anos, provavelmente em bons termos com seus antigos aliados dos filisteus. O reinado de Ishbaal foi muito breve e ele nunca possuiu verdadeira autoridade ocidental do Jordão, sua capital estar em Maanaim, em Gileade. Ele foi destronado por seu general depois de uma briga e Abner, quando uns poucos anos de anarquia tinha passado, entregou o reino a David, que, em seguida, recebeu a fidelidade dos anciãos de Israel ( c. 995 BC ).

 

Rei David.

David foi o criador política de Israel. Antes dele tinha havido aspirações nacionais, mas nunca uma nação unida. Ele foi a figura pública mais dominante na história de Israel. Superou na arte de guerra por seu general e parente próximo, Joab, a quem ele devia maior parte de seu sucesso militar, ele era incomparável em seu gênio para a diplomacia. Sua eventual falha comparativa como um governante foi devido à fraqueza moral e um temperamento emocional exagerada.

 

Suas primeiras realizações como Rei de Israel foram a expulsão definitiva dos filisteus desde suas guarnições na região central da captura de Jerusalém dos jebuseus cananéias, que ele fez sua capital ea cidade sagrada de Yhwh , Assegurando, assim, a aliança dos poderosos e belicosos Benjamin ea fidelidade religiosa de todo o Israel o seu estabelecimento de uma administração organizada com autoridades estaduais permanentes e a formação de um guarda-costas regular de soldados treinados como o núcleo de um exército permanente.

 

Há logo começou um período de guerras estrangeiras, que terminou na subjugação dos moabitas, edomitas e amonitas, além dos sírios do sul e centro da Síria. suserania de Israel sobre todos estes, exceto os sírios durou até bem no reinado do sucessor de David.

 

O reino adequada foi, no entanto, ainda não completamente organizados internamente e os próprios crimes e loucuras de Davi quase rasgando-a em fragmentos. Adultério com Bate-Seba, a esposa de um oficial fiel, e do assassinato do marido foram seguidos na segunda metade do seu reinado por dissensões fatais entre os filhos de suas muitas esposas, e, finalmente, pela rebelião aberta de Absalão, o herdeiro ao trono. Através da fidelidade de alguns amigos dedicados a segurança de David foi assegurado, e através da estratégia de Joabe, Absalão foi derrotado e morto. Dissensões locais foram mais uma vez para fora curada, e os últimos anos do reinado do grande rei foram passados ​​na tranquilidade comparativa. A intriga da corte no fim de dias de Davi pôs fim às pretensões e a vida do próximo herdeiro, Adonias, e, assim, Salomão, filho de Bate-Seba, sucedeu ao trono ( c. 965 BC ).

 

Solomon.

Mérito Salomão eram menores e seus deméritos mais numerosos do que os de seu pai. Ele cultivou paz e amizade com seus vizinhos, desenvolvida comércio e produção, e organizou o reino em distritos administrativos e com a ajuda de trabalhadores e materiais trazidos de Phenicia, ele ergueu o grande templo em Moriah, juntamente com um suntuoso palácio para si próprio. Por outro lado, ele era sensual em seus hábitos, e sem profundidade religiosa ou firmeza. Ele empobreceu o resto do reino para construir Judá e de Jerusalém, para reembolsar as suas dívidas aos fenícios, para manter um tribunal esplêndido, e para satisfazer seus próprios gostos luxuosos e extravagantes. Antes de seu reinado terminou ele tinha perdido a fidelidade de todos os estados vassalos, e provocou um descontentamento ameaçador em todo o norte de Israel. Seu reinado foi a primeira época da história literária em hebraico para, em seguida, foi feita a mais antiga coleção de baladas épicas e das tradições de heróis tribais.

 

O Reino Dividido: Com a morte de Salomão (934 BC) Seu filho Roboão reivindicou soberania sobre todo o Israel. Mas o descontentamento nas tribos do norte se mostrou de uma vez em um grande "folkmote" em Siquém. Lá, eles escolheram como Jeroboão, rei, efraimita que tinha sido um fugitivo no Egito por conta de uma tentativa de rebelião no reinado de Salomão. Benjamin, em cujo território foram Jerusalém e do Templo, permaneceu com Judá. Assim, o ideal de uma Europa unida Israel foi destruída para sempre. A partir daí por um tempo havia inimizade e contenda entre o norte (Israel) e do sul (Judá) e, embora não chegaram em tempo um longo período de paz quase ininterrupta, mas a esperança de reencontro nunca mais foi apreciada.

 

O Reino do Norte.

Apesar da popularidade da eleição de Jeroboão, norte de Israel foi mantido em um estado de anarquia total ou parcial por meio século. Para competir com o Templo em Jerusalém santuários foram erigidos em Dã e em Betel, e fortalezas fortes foram construídos em ambos os lados do Jordão. Mas em primeiro lugar Israel estava em desvantagem em comparação com Judá. O último foi pequena numericamente, mas tinha uma força bem disciplinado de guerreiros, juntamente com a sede legítima de governo e de culto. O verdadeiro fundador do Reino do Norte foi Omri (886BC), Que construiu a fortaleza forte Samaria e fez dela sua capital. Sob sua amizade dinastia foi cultivada com tanto Judahites e fenícios, e no leste da guerra extenuante Jordan foi travada com o crescente poder de Damasco. Seu sucessor, Ahab (875), continuou a sua política, mas Jorão, filho de Acabe, foi derrubado e morto pelo usurpador Jeú.

 

A nova dinastia sofreu terrivelmente nas mãos de Damasco, mas depois disso estado poderoso tinha sido esmagada pelos assírios (797) Israel reviveu, e sob Jeroboão II. (783-742) atingiu o auge de seu poder. Sucessores de Jeroboão, porém, tinha reina breves e infelizes até que em 733 tanto Damasco e Samaria foram capturados pelos assírios, que anexou o conjunto de Israel norte de Jezreel. Oséias, o rei vassalo em Samaria, rebelou-se em 724 por instigação da dinastia etíope intrigante no Egito, e sua capital foi tomada depois de um cerco que dura até o final de 722. Muitas das pessoas do reino foram exilados, e os seus lugares foram tomadas por colonos pagãos deportados para lá da Babilônia. Dos assuntos internos os mais importantes foram a ascensão e influência do profeta pregando Elias ( c. 870) e sua escola, e dos primeiros grandes profetas literários, Amos ( c. 760) e Oséias ( c. 740).

 

O Reino do Sul.

O reino de Judá, depois de seus primeiros sucessos contra Israel, desempenhou um subordinado rô le há mais de um século. Sua struggles- mais feroz de variar com sucesso foram travadas com os edomitas e continuou a crescer a naturalização de estrangeiros para o sul. Sob Uzias (783-738) que atingiu o auge de sua prosperidade, tendo muito do filisteu e edomita território sob tributo. Mas em 734, sob Acaz (735-719), tornou-se tributário aos assírios, que foram, então, que devastam norte da Palestina. O filho de Acaz, Ezequias (719-690), juntou-se uma revolta importante contra Assíria em 701. O reino foi devastadas muitos habitantes foram deportados e Jerusalém foi salvo da captura somente através da quebra de uma praga no exército assírio, perto da fronteira do Egito. A partir daí quase até a queda de Nínive (607) Judá continuou um vassalo assírio.

 

Em 608 Palestina foi atravessado por uma força egípcia sob Faraó-Neco e o jovem rei, Josias (639-608), tendo saiu para dar-lhe batalha, foi derrotado e morto. Uma breve gime ré egípcia foi encerrado em 604 pelo grande Nabucodonosor da Babilônia, que sucedeu ao império caído da Assíria. Os egípcios, expulsos da Palestina, ainda manteve intrigante, e de Judá sob Joaquim (608-597) foi induzida a se rebelar em 598. No ano seguinte, o recém ascendido rei Joaquim foi tirada com a sua cidade e deportados para a Babilónia com muitos de seus súditos, incluindo o profeta Ezequiel. Em 588 Judah novamente se rebelou sob Zedequias (598-586). Em 586 Jerusalém foi tomada, o rei e muitos mais de seus pessoas foram deportadas, eo reino foi finalmente abolida.

 

O Remanescente na Palestina.

Nos Judahites esquerda na Palestina um governador de sua própria raça, Gedalias, foi nomeado. Em poucos anos, ele foi assassinado por um apóstata chamado Ismael. Como punição pelo assassinato de um terço de deportação foi feito na Babilônia, enquanto um bando de fugitivos, levando o idoso profeta Jeremias com eles, fizeram o seu caminho para o Egito e foram ouvidos de não mais. Um número considerável ainda permaneciam na Palestina.

 

Os exilados, como um todo, se saído bem na Babilônia. A maior parte da primeira ou principal deportação foi colocado ao lado do Canal Chebar, não muito longe de Nippur, no centro de Babilônia. Aqui e em outros lugares a maioria dos cativos foram empregados em obras públicas, e muitos de todas as classes dos exilados finalmente ganhou sua liberdade e subiu para posições influentes. Daí Babilônia forneceu um forte apoio moral e financeiro ao judaísmo há muitos séculos. Aqui, também, a fé e devoção religiosa de Israel foram renovadas a literatura do reino foi estudada, reeditado, e adaptado às necessidades da comunidade revitalização ea esperança de restauração à Palestina foi pregado e acarinhados. Sobre 545 esta aspiração tomou forma mais definida. Ciro, rei da Pérsia, tinha por esse tempo atingiu o domínio sobre todo o planalto da Ásia, tanto quanto as margens do gean Mar Æ, e parecia aos videntes de Israel (o segundo Isaías e outros) que as terras baixas semitas faria logo caem para ele também. Por uma questão de fato, o império babilônico tornou-se sua posse, quando a cidade de Babilônia se rendeu ao seu exército sem resistência em julho, 539.

 

A Restauração.

Logo depois Cyrus emitiu uma proclamação dando a permissão Judahite e outros exilados a voltar para suas próprias terras. Os judeus de bom grado aproveitou a oportunidade. A "príncipe" da linhagem de Davi, Sesbazar, com um grande número de seguidores, partiu para Jerusalém, em 538. As dificuldades de reassentamento eram enormes, em grande parte devido ao ciúme e intriga por parte dos samaritanos e outros povos da Palestina. A fundação de um templo foi colocada, mas não foi até 521, quando Darius Hystaspes, o grande patrono das religiões sujeitos, deram maior incentivo, de que um impulso decisivo foi dado pelos esforços de Zorobabel, um príncipe da mesma linhagem real, apoiados por um contingente de novos colonos. Através de sua agência, juntamente com a de Josué, sumo sacerdote, e as palavras inspiradoras dos profetas Ageu e Zacarias, o templo foi terminado e dedicado em 516.

 

Reformas de Esdras e Neemias.

A liquidação hebraico ainda era pouco mais do que uma colônia lutando e durante as próximas duas gerações mostrou um declínio acentuado na seriedade religiosa e, portanto, bem-estar social e política. Separação dos pagãos e semi-pagãos povos de toda a região era indispensável. Mas casamentos com eles eram frequentes e com estas alianças as práticas de cultos proibidos passou de mão em mão. A grande reforma foi agora trazido por Esdras, sacerdote e escriba na Babilônia, que veio a Jerusalém (458?), Com a autoridade do rei Artaxerxes I., para reformar a comunidade judaica. Seus esforços teria sido de pouca valia se não tivessem sido apoiada pela poderosa influência de Neemias, copeiro judeu de Artaxerxes, que veio com uma escolta real e com uma comissão do governador para definir certos assuntos dos seus compatriotas na Palestina.

 

Neemias, cujo gênio era eminentemente prático, reconstruiu os muros de Jerusalém forçou os judeus mais ricos para liberar o imóvel hipotecado a elas por seus irmãos mais pobres proibiu a tomada de usura, a contratação de casamentos mistos, e a profanação do sábado. A maior obra de Ezra foi o mais duradouro, sendo nada menos do que uma nova edição da Lei, que logo se tornou o pilar mais forte do judaísmo. Ele foi lido perante uma grande congregação em 444. A segunda visita de Neemias em 432 resultou na vigorosa a realização de algumas das reformas mais extremamente necessários.

 

Durante o século que se seguiu até 330 pouco se sabe com precisão das fortunas do Estado judeu. As pessoas eram homogéneos e que o resultado do trabalho de Neemias e Esdras foi visto no fato de que a pureza religiosa da comunidade foi mantida.

 

As conquistas de Alexandre, o Grande trouxe Síria sob influência helenística, num primeiro momento, principalmente exercido pelos Ptolomeus do Egito a partir de Alexandria como um centro (323-203), e mais tarde por Antíoco III. da Síria e seus dois sucessores, reinando em Antioquia (203-165).

 

Regra dos Ptolomeus.

O que o Egito dos faraós não conseguiram fazer na Palestina, o Egito dos Ptolomeus, em grande medida realizado. Não só foi um controle político estabelecido lá, mas uma forte influência intelectual foi exercida. Ptolomeu Logi, que ocuparam Jerusalém em 320, levou grande número de judeus para o Egito como colonos e os cidadãos em potencial. Outros judeus seguido, forte em sua lealdade ao Judaísmo estabelecida por Ezra: precursores e tipos de judeus fiéis desde então espalhados por todo o mundo. Os judeus prosperaram no Egito e Alexandria reagiu sobre Jerusalém em matéria intelectual. A capital egípcia tornou-se um centro de aprendizagem judaica e os judeus devotos que recorreram para o culto à sua Cidade Santa familiarizar o povo da terra para casa com a perspectiva alargada e conhecimento do mundo adquirida no Egito. Além disso, a primeira tradução grega do Antigo Testamento foi feito e usado por judeus helenísticos. No seu conjunto, a ré gime de Ptolomeu foi um benefício para o Judaísmo.

 

Seleucid Dominion.

Em 203Antiochus III. wrested Judéia do Egito. Sob seu segundo sucessor, Antíoco Epifânio, a época fatal do mundo liness e compromisso com o paganismo começou com o sucesso de seu esforço para corromper o sacerdócio. Seu próximo passo foi para aproveitar o Templo e profaná-la.

 

Nesta conjuntura um heroísmo digna dos melhores dias de Israel foi exibido pelo nobre sacerdote Matatias da família Hasmonean, que em 167 elevou o padrão de rebelião. Sob seu filho e sucessor, Judas Macabeu, Jerusalém foi recuperado, o Templo purificado, e sua adoração restaurada (165). A regra dos Macabeus foi finalmente estabelecida na Judéia, e foi mantida durante um século inteiro, até que a Síria se tornou uma província romana.

 

Bibliografia: Josephus, Ant. (1853 as histórias de GRA tz . Et seq .. Engl ed, abreviada de 1891 e segs. ), Ewald (1864 et seq. ), Hitzig (1869), Stade (1887 et seq. ), Renan (1887 et seq. ), Kittel (1888,1892), Wellhausen (1894), Klostermann (1896), Kent (1896 et seq. ), Piepenbring (1898), Cornill (1898), Winckler (1895,1900), e Guthe (1899) Milman, História dos judeus (1829) FW Newman, hebraico monarquia (1847) Stanley, History of the Jewish Church McCurdy, História, Profecia, e os Monumentos (1894 et seq. ) artigos sobre Israel por Wellhausen em Encyc . Brit. Por Barnes em Hastings, Dict. Bíblia e por Guthe em Cheyne e Black, Encyc. Bibl. E. G. H. JF MCC.

Enciclopédia judaica 1910

fonte www.avivamentonosul21.comunidades.net