Translate this Page

Rating: 3.0/5 (902 votos)



ONLINE
2




Partilhe este Site...

 

 

<

Flag Counter


subsidio CPAD adultos escatologia 4trim 2016 1-13
subsidio CPAD adultos escatologia 4trim 2016 1-13

              

                  

                ESCATOLOGIA INTRODUÇÃO GERAL  

                ESCATOLOGIA VISÃO PANORAMA 

 

                      

                 

          

                 PAZ DO SENHOR DOIS SUBSIDIOS

                                                    LIÇÃO N.13

                       Destruição, morte, inferno

Lugar de punição retributiva final de Deus. Escritura desenvolve progressivamente esse destino dos ímpios: o Antigo Testamento descreve o quadro, enquanto o Novo Testamento desenvolve-lo. Jesus, porém, é mais responsável pela definição de inferno.

O Antigo Testamento . No Testamento Sheol Old denota a morada dos mortos; almas conscientes enfrentar uma existência sombria nesta "terra do esquecimento" ( Jó 10:21 ; Sl 88:12 ; Eclesiastes 9:10 ; Isaías 14:10 ). Desde a morte não é uma ocorrência natural, mas problemas com a queda, o Antigo Testamento aguarda com confiança demonstração de seu domínio sobre a sepultura de Deus, elevando os justos para a vida ( Gênesis 2-3 ; Salmo 16:10 ; 49:15 ; Isaías 25: 8 ; Oséias 13:14 ). Enquanto a realeza de Deus também tem implicações para os ímpios, aqui o Antigo Testamento é mais reservado. O Antigo Testamento sugere raramente uma ressurreição corporal para os ímpios ( Daniel 12: 2 ), um julgamento final e castigo para maldades ( Salmo 21:10 ; 140: 10 ; Malaquias 4: 1-2 ). No entanto, o destino desprezível e horrível dos ímpios, irremediavelmente isolado do justo, é claro ( Salmo 09:17 ; 34: 15-16 ).

 

O Período Intertestamental . A literatura intertestamental construídos cenários divergentes para a aniquilação mortos, incluindo maus (4Ezra 7:61; 2Apoc Baruch 82: 3 e segs .; 1 Enoque 48: 9 ; 99:12 ; 1 QS iv 11-14.) E tormento sem fim (JUB 36:11; 1Enoch 27: 1-3; 103: 8; T Gad 7: 5). Sheol frequentemente tornou-se um local provisório para os mortos, distinguido do lugar de castigo final (1Enoch 18: 9-16; 51: 1). Essa punição final foi geralmente localizado em um vale ao sul de Jerusalém, conhecido em hebraico como Gen Hinnom ou o Vale de Hinom (2Apoc Baruch 59:10 ; 4 Esdras 7:36 ), e em grego como gehenna [ 2 Reis 16: 3 ; 2 Crônicas 28: 3 ; 33: 6 ; Jeremias 7: 31-34 ; 19: 6 ), este vale foi ainda mais profanado, quando Josias usou como despejo de lixo de Jerusalém ( 2 Reis 23:10 ) e foi profetizado como o lugar da futuro julgamento de fogo de Deus ( Isaías 30:33 ; 66:24 ; Jeremias 7: 31-32 ). Enquanto alguns escritos intertestamentais equiparar o inferno com o "lago de fogo" neste "vale amaldiçoado" de Hinom (1Enoch 90: 26,27; 54: 1,2), outros usam para denotar um lugar no submundo (Sib Or 4 : 1184-1186).

 

Além disso, os respectivos cenários para o mau, se as imagens aniquilação ou tormento eterno, em forma de julgamento de Deus. Por exemplo, às vezes o fogo consome os ímpios (1Enoch 99:12); em outros textos fogo e vermes atormentar suas vítimas a uma existência inútil ( Judith 16:17 ).

 

O Novo Testamento . No inferno do Novo Testamento é onde o réprobo existir após a ressurreição de Hades e o julgamento final. Neste lago de fogo Deus castiga os maus, junto com Satanás e seus capangas ( Mateus 25:41 ), pondo fim a formas livres do mal.

 

Geena [ Apocalipse 19:29 ; 20: 14-15 ), e "julgamento". Versões em inglês, ocasionalmente traduzir hades [ Lucas 16:23 ) e tartaroo [ 2 Pedro 2: 4 ) como o inferno. No entanto, estes termos aparecem para indicar o estado intermediário, e não o destino final dos ímpios. 

Jesus diz mais sobre o inferno do que qualquer outra figura bíblica. Suas advertências do julgamento escatológico são generosamente colorido com a imagem do inferno ( Mateus 5:22 ; 7:19 ; 8:12 ; par. Lucas 13: 28-30 ; Mateus 10: 15,28 ; 11: 22,24 ; 18: 8-9 .; par Marcos 9: 43-49 ; Lucas 17: 26-29 ; João 15: 6 ). Ele retrata este julgamento futuro através de fotos da destruição de Sodoma ( Lucas 17: 29-30 ): fogo, enxofre ardente, e uma fornalha de fogo ( Gênesis 19: 24-25 ). Estas imagens do julgamento de Deus estavam bem estabelecidos no Antigo Testamento e literatura intertestamental. Retratos importantes do inferno também estão presentes nas parábolas de Jesus, incluindo o joio ( Mateus 13: 40-42 ), o líquido ( Mateus 13:50 ); a grande ceia ( Mateus 22:13 ), o servo bom e do servo mau ( Mateus 24:51 ; par. Lc 12: 46-47 ), os talentos ( Mateus 25:30 ), eo último julgamento ( Mateus 25: 46 ). Aqui "choro e ranger de dentes" ( Mateus 13:50 ; 24:51 ; 25:30 ) e "escuridão" ( Mateus 22:13 ; 25:30 ) são frases descritivas chave.

 

A concepção do Novo Testamento sobre o inferno não exceda a descrição de Jesus. Os seguintes títulos delinear suas características essenciais.

 

  1. Sinners vai ocupar o inferno . Enquanto Deus nos criou para uma relação amorosa com ele mesmo, na humanidade queda rebelou. O julgamento de Deus cai sobre todos os pecadores, a menos que tenham fé em Jesus. Depois que o estado provisória de Hades e o julgamento final, a ira de Deus culmina no inferno. De acordo com o Novo Testamento, os objetos de gama ira de Deus de os hipócritas piedosas ( Mateus 23:33 ) e aqueles não para ajudar os pobres ( Mateus 25: 31-46 ; Lucas 16: 19-31 ) para o vil e assassinos ( Apocalipse 21: 8 ).

 

Alguns argumentam que só um repúdio explícito de Jesus atrai a ira eterna de Deus, fazendo referência a Lucas 12: 8-9 . No entanto, Jesus diz que "o Filho do homem veio buscar e salvar o que estava perdido" ( Lucas 19:10 ). Em outras palavras, ele veio oferecer graça a um mundo que foi "já está condenado" ( João 3: 17-18 ). 

Desde o inferno não é um elemento natural da criação, mas resulta da queda e é o destino dos ímpios, o Novo Testamento, ocasionalmente, personifica o inferno como as forças demoníacas atrás pecado. A língua da carne é própria despertada e "incendiada pelo inferno" ( Tiago 3: 6 ). Da mesma forma, Jesus rotula os fariseus "filhos do inferno", identificar a raiz de sua hipocrisia ( Mateus 23:15 ). 

  1. O inferno existe para a retribuição e castigo de más ações . O inferno é o lugar do juízo final de Deus. Aqui Deus, nosso Rei e Juiz Supremo, finalmente corrige erros através de sua ira retributiva. Aqui, o condenado será pago de volta para o mal que fizeram ( Mateus 16:27 ; Lucas 12: 47-48 ; 2 Pedro 2:13 ; Jude 15 Apocalipse 14: 9-11 ). Wrath não é a consequência natural de escolhas mal em um universo moral ou misconstrual do pecador do amor de Deus. Pelo contrário, como o uso de Paulo de orge mostra, a ira é uma emoção ou sentimento na Divindade, e, assim, a ação pessoal de Deus ( Romanos 1: 18-32 ). Por extrinsecamente impor condições penais sobre o pecador, Deus corrige erros e restabelece seu governo justo ( Mateus 25: 31-46 ; Romanos 12:19 ; 1 Coríntios 15: 24-25 ; 2Col 5:10). 
  1. O inferno é um lugar final da escravidão e isolamento dos justos . Depois da ressurreição e do julgamento final, os ímpios e até mesmo Hades são jogados no inferno. O Novo Testamento descreve o inferno como um lugar: um forno ( Mateus 13: 42,50 ), um lago de fogo ( Apocalipse 19:20 ; 20: 14-15 ; 21: 8 ), e uma prisão ( Apocalipse 20: 7 ) . Os ímpios estão presos aqui, então eles não podem prejudicar as pessoas de Deus ( Mateus 5: 25-26 ; 13: 42,50 ; 18:34 ; Judas 6 Apocalipse 20: 14-15 ). 

Enquanto a parábola de Lázaro e do rico ocorre no Hades, o estado intermediário, e não Geena, que faz prenunciar o último. Jesus diz um abismo intransponível espacial separa esses dois modo que ninguém pode "passar de lá" ( Lucas 16:26 ). A visão de João em Apocalipse 21 da nova cidade em uma montanha alta confirma essa separação entre o bem-aventurado e os condenados após o dia do julgamento. Consequentemente, a Escritura não fornece nenhuma garantia para essas imagens especulativas do regozijo justos na tortura dos condenados. A profecia de Isaías 66:24 , que tem sido tão usado, não se refere a este evento escatológico, para a ressurreição do corpo não ocorreu. 

  1. Sinners sofrer penalidades no inferno . Jesus acentua repetidamente dreadfulness e horror do inferno: "Se o teu olho te faz tropeçar, arranca-o É melhor entrar na vida com um olho do que ser jogado no fogo do inferno" ( Mateus 18: 9 ). Embora a Bíblia permanece reticente sobre os tormentos específicos para o impenitente, certas dimensões são claras. 

No julgamento final, Deus vai declarar: "Eu não sei você Afasta de mim, malditos, para o fogo eterno" ( Mateus 25: 12,41 ). Os ímpios no inferno são excluídos da presença amorosa de Deus e a "vida" para que os seres humanos foram criados originalmente ( João 5:29 ). Os condenados são "lançados para fora, para a escuridão" ( Mateus 08:12 ; 22:13 ). Consequentemente, esta "segunda morte" ( Apocalipse 21: 8 ) é uma existência inútil e arruinada ( Mateus 25:30 ; Lucas 09:25 ; João 3: 16-18 ; 2 Tessalonicenses 1: 9 ; 2 Pedro 2:12 ; Jude 12 ; Apocalipse 21: 8 ). O pecado completamente apagado todas as virtudes. Os réprobos tornaram-se obstinados em sua rebelião contra Deus, como "animais irracionais" ( Jude 10,13 ; 2 Pedro 2: 12-22 ). Consequentemente, as portas do inferno pode ser trancada por dentro, como CS Lewis observa. 

No inferno, os condenados recebem o seu vencimento para "as coisas, enquanto no corpo" (2Col 5:10; 2 Pedro 2:13 ; Jude 15 Apocalipse 14: 9-11 ). O "verme que não morre" tem sido muitas vezes interpretado como tormento interno da alma, cobiça e luto o que foi perdido ( Marcos 9:48 ). Este arrependimento é agravado desde os reprovados não são penitente, mas fechado em sua rebelião. Mas worms e escuridão da sepultura também são imagens comuns de um destino desprezível. Escritura sugere que existem graus de punição no inferno. A única "que não sabe e faz coisas que merecem punição será castigado com poucos golpes." Mais grave é o castigo devido ao desobediente que foram "confiados com muito" ( Marcos 12:40 ; Lucas 12:48 ). 

Annihiliationsim ea extensão do Inferno . A extensão do inferno tem ocasionado muita discussão em estudos recentes. Há três pontos principais de contenção. 

Alguns aniquilacionistas argumentaram que a imagem bíblica de um fogo consumidor, destruição e perecimento implica a cessação da vida (Stott). No entanto, as imagens de Jesus do inferno não são descrições literais, mas metáforas. Eles são mutuamente exclusivas, se tomado literalmente, para os fogos de conflito inferno com sua "completa escuridão." Na literatura intertestamental a imagem metafórica de um incêndio poderia sugerir aniquilação ou castigo eterno, mostrando a falta de conclusões este argumento. 

Alguns aniquilacionistas argumentaram que quando o adjetivo grego para eternas, aionios [ Marcos 3:29 ), por exemplo, não é apenas um pecado, mas uma ação que irremediavelmente debilita por isso só pecados. Da mesma forma, a salvação eterna ( aionios [ Romanos 8: 1 ; Efésios 1:13 ; Colossenses 2: 6-7 ; 2 Timóteo 2:10 ). Então aionios soteria [ αἰώνιος σωτηρία ] refere-se ao eterno de Cristo ( aionios [ αἰώνιος salvação]) dos bem-aventurados, uma ação que é eterno, bem como final. 

Em Mateus 25:46 Jesus diferencia os dois futuros da vida eterna e castigo eterno, utilizando o mesmo adjetivo para cada um, aionios [ João 3:36 ). Enquanto a ira de Deus permanece sobre eles, os condenados devem existir. Imagem de Jesus do inferno como um lugar onde "o seu verme não morre, eo fogo não se apaga" ( Marcos 9:48 ) indica que esta manifestação da ira de Deus é infinito. Outras passagens do Novo Testamento reiterar aviso terrível de Jesus, descrevendo o inferno como "tormento eterno." Aniquilacionistas sequer admitir a dificuldade de tais textos para a sua posição. 

Objecções aos inferno . O inferno é uma realidade terrível. Assim como Cristo chorou sobre Jerusalém, os crentes são similarmente perturbado e angustiado com esse destino dos perdidos. Alguns levantaram sérios desafios para a realidade do inferno. 

Uma dificuldade perene diz respeito à relação entre amor e santidade de Deus: Como um Deus amoroso poderia rejeitar para sempre a criatura que ama? Esta questão assume que a criatura é o mais alto bem intrínseco, mesmo para Deus. Mas o maior bem para o Deus da Escritura não é a humanidade. A humanidade foi criada por Deus, e não pode ser definida em termos de si mesmo; nós existimos para glorificar a Deus ( Salmo 73: 24-26 ; Romanos 11:36 ; 1 Coríntios 10:31 ; Colossenses 1:16 ). É por isso que Jesus insiste que é idólatra para alistar-se a Deus como servo da humanidade ( Lucas 17: 7-10 ). Certamente Deus ama a criatura; a própria criação reflete o amor gratuito de Deus. Mas desde que o amor de Deus é completo em si mesmo, mesmo antes da criação, a criatura não pode ser presumido como seu único fim. Nem pode o caráter do amor de Deus ser decidido a priori, mas apenas por revelação. Consequentemente, alertando para a ira de Jesus para vir ( Mateus 25: 31,41,46 ) deve ser aceite como uma possibilidade inerente do amor de Deus. 

Alguns reconhecem retribuição, mas pergunta por que os maus são eternamente mantidos em existência a sofrer. Em causa está a punição devida pecado. Desde orgulho esconde verdadeira dívida do pecador a Deus, o juiz, mais uma vez esta questão deve ser respondida examinando obra sacerdotal de Cristo de propiciação. Na cruz Deus em Cristo se tornou nosso substituto para suportar o castigo pelos nossos pecados, a fim de "ser justo e aquele que justifica o homem que tem fé em Jesus" ( Romanos 3:26 ; cf. 2Col 05:21; 1 Pedro 2:24 ). O homem-Deus propiciou o nosso pecado. Este fato, que Deus, o juiz, o "Senhor da glória" O próprio ( 1 Coríntios 2: 8 ), aceitou a punição devida a nós, sugere que a pena para o pecado contra o infinito é infinito. 

Perguntas permanecerá. Mas os crentes conhecer pessoalmente o amor de Deus em Jesus Cristo. E sua resposta a um mundo perdido será paralela a de seu Senhor, que se humilhou a nossa condição, sofreu e morreu pelos ímpios. (NOTAS Dic. HASTNG. (N.T)

 

SUBSIDIO CPAD ADULTOS SEOL (1) HADES (2) INFERNO (3)

 

 Velho Testamento . A palavra hebraica Seol [ Salmo 88: 3,5 ). Através de muito do período do Antigo Testamento, acreditava-se que todos foram um lugar, seja humano ou animal ( Salmo 49: 12,14,20 ), seja justo ou mau ( Eclesiastes 9: 2-3 ). Ninguém poderia evitar Sheol ( Salmo 49: 9 ; 89:48 ), que foi pensado para ser para baixo nas partes mais baixas da terra ( Deuteronômio 32:22 ; 1 Samuel 28: 11-15 ; Job 26: 5 ; Salmo 86 : 13 ; Isaías 7:11 ; Ezequiel 31: 14-16,18 ).

Ao contrário deste mundo, Sheol é desprovido de amor, ódio, inveja, trabalho, pensamento, conhecimento e sabedoria ( Eclesiastes 9: 6,10 ). As descrições são sombrias: Não há luz ( Jó 10: 21-22 ; 17:13 ; Sl 88: 6,12 ; 143: 3 ), há lembrança ( Salmo 6: 5 ; 88:12 ; Eclesiastes 9: 5 ), nenhum louvor de Deus ( Salmo 6: 5 ; 30: 9 ; 88: 10-12 ; 115: 17 ; Isaías 38:18) - , na verdade, nenhum som ( Salmo 94:17 ; 115: 17 ). Seus habitantes são fracas, tons trêmulos ( Jó 26: 5 ; Salmo 88: 10-12 ; Isaías 14: 9-10 ), que nunca pode esperar para escapar de suas portas ( Jó 10:21 ; 17: 13-16 ; Isaías 38 : 10 ). Sheol é como uma besta voraz que engole a vida sem ser saciado ( Provérbios 01:12 ; 27:20 ; Isaías 5:14 ). Alguns pensaram que os mortos foram cortadas de Deus ( Salmo 88: 3-5 , Isaías 38:11 ); enquanto outros acreditavam que a presença de Deus chegou até à sepultura ( Salmo 139: 8 ).

 

Perto do final do Antigo Testamento, Deus revelou que haverá a ressurreição dos mortos ( Isaías 26:19 ). Sheol consumirá mais; em vez Deus vai engolir Death ( Isaías 25: 8 ). Os fiéis serão recompensados ​​com a vida eterna, enquanto o resto vai experimentar o desprezo eterno ( Daniel 12: 2 ). Esta teologia desenvolvida no período intertestamental.

 

O Novo Testamento . Na época de Jesus, era comum para os judeus a acreditar que os mortos justos ir para um lugar de conforto, enquanto os ímpios vão para o Hades ( "Hades" normalmente se traduz "Seol" na LXX), um lugar de tormento ( Lucas 16 : 22-23 ). Da mesma forma, no cristianismo, os crentes que morrem ir imediatamente para estar com o Senhor ( 2 Coríntios 5: 8 ; Filipenses 1:23 ). Hades é um lugar hostil cujos portões não podem prevalecer contra a igreja ( Mateus 16:18 ). Na verdade, o próprio Jesus tem as chaves da morte e do inferno ( Apocalipse 1:18 ). Morte e Hades acabará por abandonar os seus mortos e serão lançados no lago de fogo ( Apocalipse 20: 13-14 ).

 

O fato de que a teologia se desenvolve dentro do Antigo Testamento e entre o Velho Testamento eo Novo Testamento não significa que a Bíblia é contraditória ou contém erros. Apenas indica revelação progressiva, que Deus revelou mais de si mesmo e seu plano de salvação como o tempo passou. Que alguns santos do Antigo Testamento acreditavam em Sheol, enquanto o Novo Testamento ensina claramente a respeito do céu e do inferno, é nem mais um problema do que o Antigo Testamento contém um sistema de expiação pelo sacrifício de animais agora tornada obsoleta em Cristo ( Hebreus 10: 4? 10 ) ou que o Antigo Testamento ensina que Deus é um ( Deuteronômio 6: 4 ), enquanto o Novo Testamento revela uma Trindade.

 

                          HADES INFERNO

sinônimos

Hades é um Lat. palavra adotada do Gr. Ἅιδης (ᾅδης), que é usado na Setenta para traduzir a Hb. Sheol e no NT Gr. para denotar a mesma idéia que foi expressa pelo Sheol é o OT, viz. '. A morada dos mortos' A palavra tem sido constantemente utilizada na versão revista do NT para tornar ᾅδης em cada uma das 10 ocasiões de sua ocorrência (Mateus 11:23; Mateus 16:18, Lucas 10:15; Lucas 16:23, Atos 02:27; Atos 02:31 [em 1 Coríntios 15:55 textos críticos dar θάνατε para ᾅδη de TR [Nota: Textus Receptus, Texto Recebido].], Apocalipse 1:18; Apocalipse 6: 8; Apocalipse 20: 13-14), no lugar do 'inferno' enganosa da Versão Autorizada.

 

Em Mateus 11:23 (Lucas 10:15), a palavra é empregada em um sentido puramente figurativa. Cafarnaum, "elevada até o céu", é "ir para baixo até Hades," ou seja, deve ser totalmente derrubado. Figurativa é também a declaração em Mateus 16:18 que "as portas do inferno não prevalecerão contra 'a Igreja de Cristo. Como a força de uma cidade murada dependia da força de suas portas, "as portas do inferno 'é metáfora para o poder da morte, e a promessa equivale a uma garantia da indestrutibilidade da Igreja. Em Lucas 16:23 o homem rico levanta os olhos no Hades, estando em tormentos, e viu ao longe Abraão e Lázaro no seu seio. Hades é usado aqui no sentido tradicional do mundo sob dos mortos, seja justo ou injusto. Não só Dives e Lázaro está lá. Mas já não é concebida na forma negativa da OT como um reino de existência indiferenciada em que não há nem recompensas, nem de sanção. De acordo com o desenvolvimento pré-cristã de pensamento judaica (cf. 2 Macabeus 00:45, Eth. Enoque, 22), é representado agora como uma cena de questões morais e contrastantes experiências do homem rico egoísta é "atormentado nesta chama'; o mendigo humilde é "confortado" no seio de Abraão. A lição moral que a recompensa do caráter é certo e que começa imediatamente após a morte é muito claro; mas vai além da intenção didática de nosso Senhor em uma parábola de encontrar aqui uma doutrina detalhada quanto às circunstâncias e condições do estado intermediário.

 

Atos 2:27 é uma citação do Salmo 16:10, que no v. 31 é aplicada a Cristo, de quem, como ressuscitado do túmulo, diz-se que Ele não foi 'deixada no inferno,' ou seja, nas regiões do morto. No mesmo sentido geral e comum da palavra é usada em Apocalipse 1:18: "Eu tenho as chaves da morte e do Hades; cf. a estreita associação na OT da morte com Sheol (Salmos 116: 3, Provérbios 5: 5).

Em Apocalipse 6: 8 Hades é personificada como um seguidor de morte em seu cavalo amarelo. Na visão do autor do Julgamento (Apocalipse 20:11 e ss.) O mar e Morte e Hades entregaram os mortos que neles há (Apocalipse 20:13), e, finalmente, a morte eo inferno são eles próprios lançados no lago de fogo ( Apocalipse 20:14).

 

                          INFERNO Sheol, Hades

Termo grego amplamente utilizado para designar a divindade do submundo e da morada dos mortos. O uso do Novo Testamento do Hades ( Hades [ ᾅδης ]) baseia-se no seu paralelo hebraico, Sheol (se'ol), que era a tradução preferida na Septuaginta.

 

O Antigo Testamento . Sheol refere-se principalmente à morte e a morada dos mortos, tanto pio e ímpio ( Gênesis 37:25 ; Sl 16:10 ; 88: 10-12 ; Isaías 14: 9 ). Estas almas conscientes enfrentar uma existência letárgica, aparentemente sem recompensa ou castigo ( Jó 10:21 ; Eclesiastes 9:10 ; Isaías 14:10 ). Desde a morte não é uma ocorrência natural, mas invadiu a criação através da queda e trabalho destrutivo de Satanás ( Gênesis 2-3 ), o Antigo Testamento personifica Sheol como o poder de Satanás e suas hostes demoníacas ( Jó 18:14 ; Sl 18: 4-5 ; Isaías 28:15 ; Jeremias 09:21 ). Enquanto um antagonista, Sheol em última análise, existe a serviço do Senhor ( 1 Samuel 2: 6 ; Salmo 55:23 ; 139: 8 ). O Antigo Testamento aguarda com confiança a vitória de Deus sobre o Sheol ( Salmo 98 ; Isaías 25: 8 ; Oséias 13:14 ). Mas a expectativa precisa de uma ressurreição corporal para os ímpios e a concepção relacionado de Sheol como um estado intermediário é tarde ( Daniel 12: 2 ).

 

O Novo Testamento . Esta imagem indeterminado de Sheol e sua tradução grega, Hades , permitiu diversas interpretações por judeus intertestamentais. Na revelação e salvífico a obra de Novo Testamento Cristo decisivamente dar forma a este prazo. Porque Cristo estabeleceu autoridade sobre todos os poderes ( Efésios 1: 20-23 ), mesmo aquele que "tem o poder da morte" ( Hebreus 2:14 ; 2 Timóteo 1:10 ). Ele é o "Senhor tanto de mortos como de vivos" ( Romanos 14: 9 ).

 

Hades é o estado em que toda a exist mortos . No Novo Testamento, uma descida ao Hades pode simplesmente se referem à morte de alguém e existência desencarnada. Neste sentido, mesmo Jesus entra Hades . Seguindo a profecia de Davi no Salmo 16:10 , Peter interpreta a ressurreição como Deus entregar Jesus de Hades ( Atos 2: 27,31 ). Da mesma forma, Jesus profetiza que o Filho do Homem vai ser entregue a partir do coração da terra, assim como Deus libertou Jonah de Hades ( Mateus 12:40 ). Em ambos os casos, Hades refere-se a uma existência sem corpo. 

O Novo Testamento não explorar residência ou atividade precisa de Jesus, enquanto no Hades , ao contrário das tradições da igreja posteriores da "angustiante do inferno" ou um " Hades Evangelho". É amplamente aceito que a proclamação em 1 Pedro 3:19 ocorre depois e não antes de sua ressurreição, e que os mortos em (v 18, "vivificado pelo Espírito".) 1 Pedro 4: 6 são crentes falecidos que ouviram a evangelho enquanto vivo. No entanto, a descida de Jesus ao Hades é teologicamente importante. Este é o caminho do Antigo Testamento justos ( Isaías 53 ). Além disso, esta descida confirma que Deus assumiu a natureza humana e até mesmo o nosso destino pecado, a morte (2Col 5: 14,21; Hebreus 2:14 ). Finalmente, a libertação de Jesus de Hades estabelece a nova vida para a humanidade ( 1 Coríntios 15 ). 

Parábola do homem rico e Lázaro de Jesus retrata características adicionais deste estado ( Lucas 16: 19-31 ). Um abismo intransponível separa os maus e os justos mortos. Morte fixou o destino do ser humano sem mais oportunidade para o arrependimento. O homem rico recorda o seu destino e de sua família, e grita em perigo a Abraão para enviar-lhes um sinal e aliviar a sua punição, mas sem sucesso. Normalmente, os detalhes de parábolas não deve ser pressionado para ensinar a doutrina. Neste caso vívida descrição de Jesus das condições básicas dos mortos piedosos e ímpios é indispensável para ponto da parábola. Outras Escrituras também retratam os pedidos dos mortos e a fixidez de seu futuro (2Col 05:10; Hebreus 9:27 ; Apocalipse 6: 9-10 ).

 

Hades é o lugar onde a residir ímpios mortos e são punidos . Na parábola do homem rico e Lázaro, o homem rico experimenta tormento no Hades . Este é o estado intermediário, para a ressurreição corporal e o julgamento final ainda estão futuro. Ponto de Jesus é que Hades prefigura o julgamento final do rico. Da mesma forma, Lázaro descansa ao lado de Abraão, conotando a morada alegre dos mortos justos ( Lucas 16:23 ). 

Esta diferenciação entre os ímpios e os justos mortos continua durante todo o Novo Testamento. Os justos mortos são "em casa com o Senhor" ( 2 Coríntios 5: 8 ), "no paraíso" ( Lucas 23:43 ), ou na presença de Deus ( Apocalipse 6: 9 ; 7: 9 ; 14: 3 ) . Os injustos são realizadas em punição e anjos maus estão presos no Tártaro, um termo grego que designa a parte mais baixa do Hades ( 1 Pedro 3:19 ; 2 Pedro 2: 4,9 ; Judas 6 ). Ai Jesus em Cafarnaum não arrependido que ele será levado ao Hades não é simplesmente uma profecia de sua morte terrena, mas o seu julgamento ( Lucas 10:15 ). 

Para alguns commentations essas referências à Hades e os mortos são problemáticas e contradizem o Antigo Testamento. G. Vos resolve estes problemas através da distinção entre Hades como um estado desencarnado para todos os mortos e a morada específica dos ímpios. Como ele astutamente observa, apenas o ímpio residir em um lugar punitiva chamado Hades . Os mortos piedosos estão com Jesus em um estado desencarnado também chamado de Hades . O Novo Testamento não modifica significativamente o Antigo Testamento conceito de Hades como uma morada sombria de todos os mortos. Este maior desenvolvimento, no entanto, concorda com o senhorio de Jesus sobre os vivos e os mortos.

 

Hades poder "é conquistada . Como o Antigo Testamento, o Novo Testamento personifica Hades e termos associados, como a morte, abismo, e Abaddon, como as forças demoníacas atrás pecado e ruína ( Atos 02:24 ; Romanos 5: 14,17 ; 1 Coríntios 15: 25- 26 ; Apocalipse 6: 8 ; 9: 1-11 ; 20:14 ). Quando Jesus promete que "as portas do Hades " nunca vai superar a igreja ( Mateus 16:18 ), esta frase é paralela expressões do Antigo Testamento vinculados ao poder e perseguição do mal ( Salmo 09:13 ; 107: 17-20 ). A referência de Jesus para o futuro em Mateus 16:18 concorda com a visão de Revelação do ataque final de Satanás sobre o povo de Deus (19:19; 20: 7-9). Jesus prometeu que vai conquistar Hades para que ele não vai derrotar a igreja. Na verdade, a sua ressurreição estabelece que esse império do mal já está quebrado. Cristo agora possui as chaves, a autoridade sobre a morte e Hades ( Apocalipse 1:18 )! 

O fim de Hades . Jesus é o conquistador de todos os poderes, o Um exaltado, e como tal, ele enfeitou sua igreja ( Efésios 4: 7-10 ). Com Hades vencido ( Apocalipse 1:18 ) os crentes sabem que nada, nem mesmo a morte, não pode separá-los de Cristo ( Romanos 8:39 ). Eles ainda aguardam o próximo ato na história da salvação, quando Jesus consuma seu reino. Então Hades vai liberar seus mortos pela ressurreição e julgamento final ( Apocalipse 20:13 ). Posteriormente Hades , Satanás, e os réprobos serão lançados no inferno, o lugar de punição retributiva final de Deus. ( Hades tem apenas uma existência limitada; Geena ou o inferno é o lugar final de julgamento para os ímpios Muitas versões em inglês promover confusão, traduzindo ambas as expressões são. "Inferno".) 

Em resumo, o Novo Testamento afirma que Cristo conquistou Hades . Embora existam mortos crentes neste estado, eles também são "com o Senhor." Hades também denota a fortaleza vencidos das forças de Satanás cujo fim é certo eo lugar intermediário de punição para os ímpios mortos até o julgamento final.

 

 

                  SUBSIDIO JUIZO FINAL LIÇÃO N.12

 

Professor, estamos próximo ao término do trimestre. Sua classe tem crescido na graça e no conhecimento conforme nos adverte a Bíblia? Como sua turma tem se comportado durante as lições? Estão motivados? Interessados? Estão participando ativamente por meio de perguntas e colocações. Faça uma avaliação! Elabore um questionário com perguntas sobre as lições anteriores. Recapitule. A recapitulação é sumamente importante para garantir o encadeamento de ideias e um elevado nível de retenção dos conteúdos de ensino. Quando pontos mais importantes são revistos, reforça-se o aprendizado de conceitos-chaves. 

O vocábulo grego traduzido por “tribunal” no Novo Testamento é “bema”, cujo significado literal é “passo”, representando “uma medida pequena”. A expressão em Atos 7.5 “bema podos” traduzido por “julgarei” é no grego “o espaço de um pé”, referindo-se à plataforma oficial de onde se proferia discursos (At 12.21), juízos e sentenças (Jo 19.13), ou onde o réu comparecia (At 25.6). Portanto, a palavra se refere ao “tribunal” ou a um “trono de julgamento”. O Novo Testamento menciona três tipos de tribunais: humano (1 Co 4.3), de Cristo e de Deus (2 Co 5.10; Rm 14.10), bem como cinco categorias de julgamentos: das nações (Mt 25.31-40), de Israel (Ez 20.34-38; Ml 3.2-5), dos crentes nos céus (2 Co 5.10), dos anjos (1 Co 6.3; 2 Pe 2.4; Jd v.6) e do Grande Trono Branco (Ap 20.11-15). Neste último, serão julgados todos os homens não inscritos no Livro da Vida (Ap 20.12,15). Após o julgamento, o destino ou estado final destes são identificados como “fogo e tormento eterno”(Mt 25.41,46) e, “segunda morte” (Ap 21.8). 

introdução

 

Terminada a Segunda Guerra Mundial, os aliados reuniram-se na cidade alemã de Nuremberg, a fim de julgar os líderes nazistas por haverem estes cometido o mais hediondo crime contra a humanidade. Apesar de vários assessores de Hitler serem punidos com a morte, outros criminosos, igualmente culpáveis, conseguiram fugir ao julgamento, e refugiarem-se em confortáveis anonimatos.

No Julgamento Final, entretanto, ninguém escapará à justiça divina. Contra esta não há casuísmo nem brechas jurídicas. Os culpados serão, severamente, lançados no lago de fogo, onde serão atormentados pelos séculos dos séculos.

Nesta lição, estaremos considerando o Julgamento Final. Veremos por que este será instaurado e como atuará.

 

  1. O JULGAMENTO FINAL 
  1. Definição. O Julgamento Final é a sessão judicial que terá lugar na consumação de todas as coisas temporais que, conduzido pelo Todo-Poderoso, retribuirá a cada criatura moral o que esta tiver cometido através do corpo durante a sua vida terrena.
  2. No Antigo Testamento. Embora seja o Julgamento Final tratado, implicitamente, do primeiro ao último livro do Antigo Testamento, foi o profeta Daniel que discorreu, de forma mais explícita, acerca deste ato que haverá de realçar a supremacia e a singularidade da justiça divina: “Naquele tempo, livrar-se-á o teu povo, todo aquele que se achar escrito no livro. E muitos dos que dormem no pó da terra ressuscitarão, uns para a vida eterna, e outros para vergonha e desprezo eterno. Os sábios, pois, resplandecerão como o resplendor do firmamento; e os que a muitos ensinam a justiça refulgirão como as estrelas, sempre e eternamente” (Dn 12.1-3).
  3. No Novo Testamento. No Sermão Profético, o Senhor deixa bem claro que o Julgamento Final não é uma mera hipótese; é uma realidade: “E, quando o Filho do Homem vier em sua glória, e todos os santos anjos, com ele, então, se assentará no trono da sua glória; e todas as nações serão reunidas diante dele, e apartará uns dos outros, como o pastor aparta dos bodes as ovelhas” (Mt 25.31-41).

Paulo, Pedro e João tratam do Julgamento Final como algo integrante do plano redentivo de Deus. Na presente era, o Todo-Poderoso, através de seu Filho, oferece gratuitamente a salvação a todos os que creem, mas, na vindoura, haverá de condenar a quantos rejeitaram o Senhor Jesus e a graciosa salvação que ele consumou na cruz (2 Tm 4.1; 1 Pe 4.5; Ap 20.4).

  1. Nosso Credo. O Credo das Assembleias de Deus no Brasil afirma de forma bem clara e irrespondível: “Cremos no Juízo Vindouro que justificará os fiéis e condenará os infiéis”.

 

  1. OBJETIVOS DO JULGAMENTO FINAL 

Tem o Julgamento Final vários objetivos conforme revelam-nos as Sagradas Escrituras:

  1. Mostrar que a justiça de Deus deve ser observada e acatada por todos. Quando intercedia por Sodoma e Gomorra, indaga Abraão ao Senhor: “Não faria justiça o Juiz de toda a terra?” (Gn 18.25). Esta mesma pergunta é feita ainda hoje por milhões de seres humanos inconformados com a situação a que este mundo chegou. No Julgamento Final, contudo, mostrará Deus que a sua justiça haverá de prevalecer de forma absoluta tanto sobre os vivos como sobre os que já tiverem morrido. Nosso Deus não compactua com a impunidade.
  2. Punir os que rejeitaram a Cristo Jesus e sua tão grande salvação. Os que aceitam a Cristo Jesus são automaticamente justificados pela fé diante de Deus. Todavia, aqueles que rejeitam a sua justiça, hão de ser lançados no lago de fogo (Ap 20.15; Mt 25.41). Jamais entraremos nos céus fiados em nossa justiça que, aos olhos de Deus, não passa de trapos de imundície (Is 64.6).
  3. Destruir a personificação do mal. Afirma Paulo aos irmãos de Corinto que iremos julgar os anjos: “Não sabeis vós que havemos de julgar os anjos? Quanto mais as coisas pertencentes a esta vida?” (1 Co 6.3). O apóstolo refere-se, logicamente, aos anjos que acompanharam o ungido querubim em sua estúpida rebelião contra Deus; aos tais reservou o Senhor o lago de fogo (Mt 25.41). E, assim, estará sendo destruída, de uma vez por todas, a personificação do mal. Aliás, o Diabo há de ser lançado no eterno tormento antes mesmo da instauração do Julgamento Final (Ap 20.10-12).

 

III. OS FUNDAMENTOS DO JULGAMENTO FINAL 

Se os falhos e imperfeitos julgamentos humanos têm os seus fundamentos, o que não diremos do Julgamento Final que será efetuado pelo justíssimo Deus. Vejamos, pois, em que consistem os fundamentos do Julgamento Final.

  1. A natureza justa e santa de Deus. Em sua primeira carta, João oferece-nos uma das mais belas definições essenciais do Todo-Poderoso: “Deus é amor” (1 Jo 4.8). Contudo, não podemos esquecer-nos de que Deus possui uma natureza santa e justa. Todas as vezes que a sua santidade é ferida, sua justiça reclama, de imediato, uma reparação. Por conseguinte, estes dois atributos de Deus: a justiça e a santidade acham-se a fundamentar o Julgamento Final. Neste, todos os que porfiaram em menosprezar a santidade de Deus terão de se haver ante a sua justiça (Rm 2.5-10).
  2. A Palavra de Deus. Além da natureza santa e justa de Deus, o Julgamento Final terá como fundamento a Palavra de Deus. Os que hoje a desprezam, serão por ela julgados conforme realçou o Senhor Jesus Cristo: “Quem me rejeitar a mim e não receber as minhas palavras já tem quem o julgue; a palavra que tenho pregado, essa o há de julgar no último dia” (Jo 12.48).
  3. A consciência das criaturas morais. Os impenitentes também serão julgados por sua própria consciência que, embora falha, não deixa de ser um dos fundamentos do Julgamento Final: “Os quais mostram a obra da lei escrita no seu coração, testificando juntamente a sua consciência e os seus pensamentos, quer acusando-os, quer defendendo-os” (Rm 2.15). A lei moral divina acha-se gravada na consciência de todo o ser humano. É um dos “livros” a ser aberto no dia do juízo (Ap 20.12).

 

  1. COMO SE DARÁ O JULGAMENTO FINAL 

O Julgamento Final terá início logo após o Milênio. O Apocalipse mostra que, terminados os mil anos, Satanás será temporariamente solto, e sairá a seduzir as nações, buscando induzi-las a se revoltarem contra o Cristo de Deus. Mas eis que sairá fogo do céu, e destruirá por completo os que se houverem levantado contra o Senhor (Ap 20.7-10).

Em seguida, terá início o Julgamento Final, que o Livro de Apocalipse descreve de forma vívida:

“E vi um grande trono branco e o que estava assentado sobre ele, de cuja presença fugiu a terra e o céu, e não se achou lugar para eles. E vi os mortos, grandes e pequenos, que estavam diante do trono, e abriram-se os livros. E abriu-se outro livro, que é o da vida. E os mortos foram julgados pelas coisas que estavam escritas nos livros, segundo as suas obras. E deu o mar os mortos que nele havia; e a morte e o inferno deram os mortos que neles havia; e foram julgados cada um segundo as suas obras. E a morte e o inferno foram lançados no lago de fogo. Esta é a segunda morte. E aquele que não foi achado escrito no livro da vida foi lançado no lago de fogo” (Ap 20.11-15). 

Hoje, através de Cristo Jesus, somos justificados por Deus. A partir do momento em que, pela fé, recebemos a Jesus como o nosso único e suficiente Salvador, passamos a ser vistos por Deus como se jamais tivéssemos cometido qualquer pecado; passamos a ser vistos como santos.

Se você ainda não recebeu a Jesus, faça-o agora mesmo! Somente Ele pode justificar-nos.

Querido Jesus, agradecemos-te, porque morreste na cruz, para que fôssemos plenamente justificados. E, agora, com base no teu precioso sangue, nenhuma condenação pesa sobre nós. Como a tua graça é maravilhosa! Tu nos livraste da ira vindoura. 

“Este será o grande dia: o Juiz, o Senhor Jesus Cristo, vestido de majestade e terror. As pessoas que serão julgadas são os mortos, pequenos e grandes, jovens e velhos; altos e baixos; ricos e pobres. Ninguém é tão vil que não tenha talentos dos quais deverá prestar contas; e ninguém é tão grande que possa se livrar da prestação de contas; não somente os que estiverem vivos quando Cristo vier, mas todos os mortos também. Há um livro de memórias para o bem e o mal; o livro da consciência dos pecadores, mesmo que antes secreto, então será aberto. Cada homem recordará todos os seus atos passados, ainda que muitos os tenham esquecido há muito tempo. Outro livro será aberto, o livro das Escrituras, a regra da vida; representa o conhecimento do Senhor sobre o seu povo e suas declarações de arrependimento, a fé e as boas obras deles, mostrando as bênçãos do novo pacto. Os homens serão condenados ou justificados pelas suas obras; Ele provará seus princípios por suas práticas... Esta é a segunda morte, a separação final entre os pecadores e Deus. Que o nosso grande desejo seja observar se as nossas Bíblias nos justificam ou nos condenam agora; Cristo julgará os segredos de todos os homens conforme o Evangelho. Quem habitará com as chamas devoradoras?” (HENRY, M. Comentário Bíblico de Matthew Henry. 3 ed., RJ: CPAD, 2003, pp.1113-4).

 

 

                 PAZ DO SENHOR 4 SUBSIDIOS

                  SUBSIDIO A NOVA JERUSALEM

             COMENTARIO BIBLICO APOCALIPSE

                             versículos 9-27

                            A Nova Jerusalém. .

9 E veio a mim um dos sete anjos que tinham as sete taças cheias das últimas sete pragas, e falou comigo, dizendo: Vem, eu te mostrarei a noiva, a esposa do Cordeiro. 10 E ele levou-me em espírito a um grande e alto monte, e mostrou-me a grande cidade, a santa Jerusalém, que descia do céu da parte de Deus, 11 tendo a glória de Deus; ea sua luz era semelhante a uma pedra mais preciosíssima, como a pedra de jaspe, como o cristal 12 e tinha um grande e alto muro, e tinha doze portas, e nas portas doze anjos, e nomes escritos sobre elas, que são os nomes das doze tribos dos filhos de Israel : 13 ao oriente havia três portas, ao norte três portas, ao sul três portas e ao ocidente três portas. 14 E o muro da cidade tinha doze fundamentos, e neles estavam os nomes dos doze apóstolos do Cordeiro. 15 E aquele que falava comigo tinha uma cana de ouro para medir a cidade, e as suas portas, eo seu muro. 16 A cidade era quadrangular; eo seu comprimento é tão grande como a sua largura e mediu a cidade com a cana até doze mil estádios. O comprimento e a largura ea altura eram iguais. 17 E mediu o seu muro, uma centena e quarenta e quatro côvados, segundo a medida de homem, isto é, de anjo. 18 E a construção do muro era de jaspe, ea cidade era de ouro puro, semelhante a vidro límpido. 19 E os fundamentos do muro da cidade estavam adornados de toda espécie de pedras preciosas. O primeiro fundamento era de jaspe o segundo, safira, o terceiro, uma calcedônia o quarto, esmeralda 20 O quinto, sardônica, o sexto, sárdio, o sétimo, Chrysolite o oitavo, berilo, o nono, um topázio o décimo, crisópraso o décimo primeiro, um jacinth o duodécimo, ametista. 21 As doze portas eram doze pérolas cada uma das portas era uma pérola; ea praça da cidade era de ouro puro, como vidro transparente. 22 E não vi templo nele; porque o Senhor Deus Todo-Poderoso eo Cordeiro são o templo dela. 23 E a cidade não necessita de sol nem de lua, para que nela resplandeçam, porque a glória de Deus a iluminou, eo Cordeiro é a sua lâmpada. 24 E as nações dos que são salvos andarão à sua luz; e os reis da terra lhe trazem a sua glória e honra para ele. 25 E as suas portas não se fecharão de dia, porque ali não haverá mais noite lá. 26 E lhe trarão a glória ea honra das nações. 27 E não devem de modo algum entrará nela coisa alguma que contamine, nem tudo o que pratica abominação ou arrisca uma mentira; mas somente os que estão inscritos no livro da vida do Cordeiro.

 

Nós já considerada a introdução à visão da nova Jerusalém, em uma ideia mais geral do estado celestial chegamos agora à própria visão, em que observar,

 

  1. A pessoa que abriu a visão para o apostle-- um dos sete anjos, que tinham as sete taças cheias das últimas sete pragas, Apocalipse 21: 9Apocalipse 21: 9 . Deus tem uma variedade de trabalho e de emprego para os seus santos anjos. Às vezes, eles estão a soar a trombeta da Providência divina, e dar o aviso justo a um mundo descuidado às vezes eles são a derramar as taças da ira de Deus sobre os pecadores impenitentes e às vezes para descobrir coisas de uma natureza celestial para aqueles que são os herdeiros da salvação . eles facilmente executar todas as comissões que recebem de Deus e, quando este mundo deve ser, no fim, ainda que os anjos serão empregados pelo grande Deus no trabalho agradável adequada para toda a eternidade.

 

  1. O local de onde o apóstolo tinha essa visão gloriosa e perspectiva. Ele foi levado, em êxtase, em uma alta montanha. A partir de tais homens situações geralmente têm as vistas mais distintos de cidades adjacentes. Aqueles que têm uma visão clara do céu deve chegar o mais perto céu como eles podem, ao monte de visão, o monte da meditação e da fé, onde, a partir do cume de Pisga, que vejam a boa terra de Canaã celestial.

 

III. O objecto da vision-- a noiva, a esposa do Cordeiro ( Apocalipse 21:10Apocalipse 21:10 ), isto é, a igreja de Deus em sua gloriosa perfeito estado, e triunfante, sob a semelhança de Jerusalém, tendo a glória de Deus brilhando em seu brilho, como uxor splendit radiis mariti - a noiva graciosa através da formosura colocar junto de seu marido gloriosa na sua relação com Cristo, à sua imagem agora aperfeiçoada nela, e em seu favor brilhando sobre ela. E agora temos uma grande descrição da igreja triunfante sob o emblema de uma cidade, muito superior, em riqueza e esplendor todas as cidades do mundo e esta nova Jerusalém é aqui representada a nós, tanto no exterior e da parte interior do mesmo.

 

  1. A parte exterior da cidade-- a parede e as portas, a parede para a segurança e as portas de entrada.

 

(1) A parede de segurança. O céu é um estado seguro aqueles que estão lá são fechados com uma parede, que os separa e protege-los de todos os males e inimigos: agora, aqui, na conta da parede, observa-se, [1] A altura dele, que , dizem-nos, é muito elevado, setenta jardas ( Apocalipse 21:17Apocalipse 21:17 ), suficiente tanto para o ornamento e segurança. [2] A questão de que: Era como jaspe uma parede toda construída das pedras mais preciosas, pela firmeza e brilho, Apocalipse 21:11Apocalipse 21:11 . Esta cidade tem uma parede que é inexpugnável, bem como precioso. [3] A forma de que era muito regular e uniforme: Foi quatro quadrados, o comprimento tão grande quanto a largura. Na nova Jerusalém, todo será igual em pureza e perfeição. Deve haver uma uniformidade absoluta na igreja triunfante, uma coisa queria e desejava na terra, mas não se espera até que entremos para o céu. [4] A medida da parede ( Apocalipse 21: 15,16 ): doze mil estádios em cada sentido, cada lado, que é de quarenta e oito mil estádios em toda a extensão, ou mil e quinhentas milhas alemãs. Aqui é espaço suficiente para todas as pessoas de Deus-- muitas moradas na casa de seu Pai. [5] A fundação da parede, para o céu é uma cidade que tem os seus fundamentos ( Apocalipse 21:19 ) a promessa e poder de Deus ea compra de Cristo, são as bases sólidas de segurança e felicidade da igreja. As fundações são descritas pelo seu number-- doze, aludindo às doze apóstolos ( Apocalipse 21:14 ), cujas doutrinas do evangelho são os alicerces sobre os quais se constrói a Igreja, Cristo é a principal pedra da esquina e, como para o assunto dessas fundações, foi vários e preciosa, estabelecido por doze tipos de pedras preciosas, denotando a variedade e excelência das doutrinas do evangelho, ou das graças do Espírito Santo, ou as excelências pessoais do Senhor Jesus Cristo.Apocalipse 21:15 , 16Apocalipse 21:19Apocalipse 21:14

 

(2.) Os portões de entrada. O céu não é inacessível há um caminho aberto para o mais santo de todos há uma entrada gratuita para todos os que são santificados, não devem encontrar-se excluído. Agora, como a esses portões, observar, [1.] Seus number-- doze portas, respondendo às doze tribos de Israel. Todo o verdadeiro Israel de Deus deve ter acesso, para a nova Jerusalém, como cada tribo tinha na Jerusalém terrena. [2] Os guardas que foram colocadas sobre eles-- doze anjos, a admitir e receber as várias tribos do Israel espiritual e impedir a entrada de outros. [3] A inscrição na gates-- os nomes das doze tribos, para mostrar que eles têm o direito à árvore da vida, e a entrar pelas portas na cidade. [4] A situação das portas. Como a cidade tinha quatro lados iguais, respondendo aos quatro cantos do mundo, leste, oeste, norte e sul, assim por diante cada lado havia três portas, o que significa que a partir de todos os cantos da terra haverá alguns que devem ficar com segurança para o céu e ser recebido ali, e que não há entrada como livre de uma parte do mundo como do outro pois em Cristo não há judeu nem grego, bárbaro, cita, escravo, nem livre. os homens de todas as nações, e línguas, que acreditam em Cristo, têm por ele acesso a Deus em graça aqui e na vida futura glória. [5.] Os materiais destes portões - todos eles foram de pérolas, e ainda com grande variedade: cada porta uma pérola, qualquer uma única pérola daquela vasta grandeza, ou um único tipo de pérola. Cristo é a pérola de grande valor, e ele é o nosso caminho para Deus. Não há nada de magnífico suficiente neste mundo totalmente para expor a glória do céu. Poderíamos, no vidro de uma imaginação forte, contemplar a cidade como é aqui descrito, assim como para a parte exterior do mesmo, tal muro, e tais portas, como surpreendente, quão gloriosa, seria a perspectiva ser! No entanto, essa é apenas uma representação fraca e fraca do que o céu é em si mesmo.

 

  1. A parte interior da nova Jerusalém, Apocalipse 21: 22-27Apocalipse 21: 22-27 . Vimos a sua forte muro e portões imponentes, e os guardas gloriosos agora estamos a ser liderado pelas portas na própria cidade ea primeira coisa que observamos não é a rua da cidade, que é de ouro puro, como transparente vidro, Apocalipse 21:21Apocalipse 21:21 . Os santos no céu pisar ouro. A nova Jerusalém tem suas várias ruas. Não é a ordem mais exato no céu: cada santo tem sua mansão adequada. Há converse no céu: os santos são, em seguida, em repouso, mas não é um mero repouso passivo não é um estado de sono e inatividade, mas um estado de movimento deliciosa: As nações que estão guardadas caminhada à luz do mesmo. eles andam com Cristo em branco. Eles têm comunhão não só com Deus, mas um com o outro e todos os seus passos são firmes e limpo. Eles são pura e clara como o ouro e vidro transparente. Observe-se,

 

(1.) O templo da nova Jerusalém, que havia templo material, feito por mãos humanas, como a de Salomão e Zorobabel, mas um templo totalmente espiritual e divina porque o Senhor Deus Todo-Poderoso, eo Cordeiro, são o templo do mesmo . Há os santos estão acima da necessidade de portarias, que eram os meios de sua preparação para o céu. Quando a extremidade é atingido os meios não são mais úteis. Comunhão perfeita e imediata com Deus mais do que suprir o lugar das instituições do evangelho.

 

(2.) A luz desta cidade. Onde não há luz, não pode haver brilho nem prazer. O céu é a herança dos santos na luz. Mas o que é essa luz? Não há lua sol nem brilhando lá, Apocalipse 21:23Apocalipse 21:23 . A luz é doce, e uma coisa é agradável de se ver o sol. Que mundo sombrio que isso seria se não fosse pela luz do sol! O que há no céu que abastece a falta dela? Não há falta de luz do sol, para a glória de Deus ilumina aquela cidade, eo Cordeiro é a sua lâmpada. Deus em Cristo será uma fonte eterna de conhecimento e alegria para os santos no céu e, em caso afirmativo, não há necessidade do sol ou da lua, mais do que nós aqui precisa configurar velas no dia do meio-dia, quando o sol, quando resplandece na sua força.

 

(3.) Os habitantes desta cidade. Eles são descritos aqui várias maneiras. [1] por seus números - nações inteiras de almas salvas algumas de todas as nações, e muitos fora de algumas nações. Todas essas multidões que foram selados na terra são salvos no céu. [2] Por sua dignidade - alguns dos reis e príncipes da terra: grandes reis. Deus terá alguns de todas as categorias e graus de homens para preencher as mansões celestiais, de alta e baixa e quando os maiores reis vêm para o céu eles vão ver todos os seus ex-honra e glória engolida desta glória celestial que tanto se destaca. [3] A sua adesão contínua e entrada nesta cidade: . As portas não se fecharão Não há noite e, portanto, não há necessidade de fechar as portas. Uma ou outra está chegando a cada hora e momento, e aqueles que são santificados sempre encontrar os portões abrir eles têm uma entrada abundante no reino.

 

(4.) As acomodações desta cidade: Toda a glória e honra das nações será trazido para ele. O que quer que é excelente e valioso neste mundo estará ali apreciado em um tipo mais refinado, e em muito maior degree-- coroas brilhantes, uma substância melhor e mais duradouro, mais festas doces e prazerosos, um atendimento mais glorioso, um sentido mais verdadeiro da honra e mensagens muito mais altos de honra, um temperamento mais glorioso da mente, e um formulário e um semblante mais gloriosa do que nunca eram conhecidos neste mundo.

 

(5.) A pureza sem mistura de todos os que pertencem à nova Jerusalém, Apocalipse 21:27Apocalipse 21:27 . [1] Há os santos não terá qualquer coisa impura restante neles. No artigo de morte, eles devem ser limpos de tudo o que é de natureza profanação. Agora eles sentem uma mistura triste da corrupção com as suas graças, o que lhes dificulta a serviço de Deus, interrompe sua comunhão com ele, e intercepta a luz do seu rosto, mas, na sua entrada no santo dos santos, eles são lavados na pia do sangue de Cristo, e apresentada ao Pai sem mancha. [2] Há os santos não devem ter pessoas impuras admitidos entre eles. No Jerusalém terrena, haverá uma comunhão mista, depois de todo o cuidado que podem ser tomadas. Algumas raízes de amargura surgirão para problemas e contaminam as sociedades cristãs, mas na nova Jerusalém, há uma sociedade perfeitamente puro. Em primeiro lugar, livre de tais como são abertamente profano. Não há nenhum admitidos no céu que trabalham abominações. Nas igrejas na terra as coisas às vezes abomináveis ​​são feitas, solenes profanados e prostituídas aos homens abertamente vicioso, para fins mundanos, mas nenhuma dessas abominações pode ter lugar no céu. Em segundo lugar, livre de hipócritas, como fazer com que mentiras, dizem judeus, e não são, mas mentem. Estes irão insinuar-se as igrejas de Cristo na terra, e pode mentir escondido há muito tempo, talvez todos os seus dias, mas eles não podem invadir a nova Jerusalém, que é totalmente reservado para aqueles que são chamados, e eleitos, e fiéis, que são todos escritos, não só no registo se a igreja visível, mas no livro da vida do Cordeiro.

Comentário bíblico Matthew Henrys (N.T)

  

  

           SUBSIDIO (2)AS MUDANÇAS NA TERRA

NOMILENIO     LIÇÃO N.10     ZACARIAS 14.9-21

versículos 8-15

Bênçãos prometidas aos Julgamentos Igreja ameaçada. B. C. 500.

8 E será naquele dia, que águas vivas correrão de Jerusalém metade delas para o mar oriental, e metade delas para o mar ocidental: no verão e no inverno será. 9 E o Senhor será rei sobre toda a terra; naquele dia haverá um Senhor, e o seu nome. 10 Toda a terra se converterá em planície, desde Geba até Rimom, ao sul de Jerusalém; ela será exaltada, e habitada no seu lugar, desde a porta de Benjamim até o lugar da primeira porta, até a porta da esquina, e desde o torre de Hananel até lagares do rei. 11 E habitarão nela, e não haverá mais destruição absoluta, mas Jerusalém será habitada com segurança. 12 E esta será a praga com que o Senhor ferirá todos os povos que guerrearam contra Jerusalém Sua carne será consumida, estando eles de pé, com os olhos desfarão nas suas órbitas, ea língua se lhes apodrecerá na sua boca. 13 E há de ser que naquele dia, que uma grande perturbação do Senhor entre eles e pegará cada um na mão do seu próximo, e sua mão se levantará contra a mão do seu próximo. 14 E também Judá pelejará em Jerusalém, e as riquezas de todas as nações em redor serão reunidos, ouro e prata, e vestidos em grande abundância. 15 E assim será a praga dos cavalos, dos muares, dos camelos e dos jumentos e de todos os animais que estiverem nessas tendas, já que esta praga.

Aqui estão, I. bênçãos prometidas a Jerusalém, o evangelho em Jerusalém, no dia do Messias, e por toda a terra, em virtude de as bênçãos derramadas sobre Jerusalém, especialmente para a terra de Israel.

  1. Jerusalém será uma fonte de água viva para o mundo foi feito por isso, quando há o Espírito foi derramado sobre os apóstolos, e daí a palavra do Senhor difundiu-se às nações sobre (Zacarias 14: 8): Águas Vivas sairá de Jerusalém para aí começaram, e daí as estabelecidas que eram para pregar o arrependimento ea remissão dos pecados a todas as nações, Lucas 24:47. Nota, onde o evangelho vai, e as graças do Espírito de Deus ir junto com ele, há águas vivas vão os fluxos que alegram a cidade do nosso Deus alegram o país também, e torná-lo como o paraíso, como o jardim do Senhor , que foi bem regada. Era a honra de Jerusalém, que dali a palavra do Senhor saiu (Isaías 2: 3) e, até agora, mesmo no seu pior e mais degenerado idade, para velho conhecido-sake, foi feita uma bênção, e ser tão é para ser abençoado. Metade dessas águas deve ir para o ex-mar e metade para o mar ocidental, como todos os rios dobrar seu curso em direção a algum mar ou outra, alguns para o leste, outros para o oeste. O evangelho deve se espalhar em todas as partes do mundo, em algum que se encontram longe de Jerusalém de uma maneira e outros que se encontram tão longe uma outra maneira para o domínio do Redentor, que foi, assim, a ser criado, deve ser de mar a mar (Salmo 72: 8), e a terra deve estar cheia do conhecimento do Senhor, como as águas cobrem o mar, como as águas que, em vários canais correm para o mar. O conhecimento de Deus deve difundir-se: (1) todos os sentidos. Estas águas vivas produzir ambas as igrejas orientais e igrejas ocidentais, que deve cada um deles, por sua vez ser ilustre. (2.) Todos os dias: No verão e no inverno será. Note-se, aqueles que estão empregados na divulgação do evangelho podem encontrar-se trabalhar tanto no inverno e no verão, e são para servir ao Senhor nele em todas as estações, Atos 20:18. E um poder tão divino vai junto com essas águas vivas que eles não secarão, nem o curso deles ser obstruída, seja pelas secas no verão ou pelas geadas no inverno.
  2. O Reino de Deus entre os homens será um reino universal e unida, Zacarias 14: 9. (1.) Será um reino universal: O Senhor será rei sobre toda a terra. Ele é, e sempre foi, por isso, de direita, e nas alienações de soberania de sua providência seu reino faz reinar sobre todos e nenhum são isentos de sua jurisdição, mas é aqui prometeu que será assim por posse real dos corações de sua assuntos que devem ser reconhecidos rei por todos em todos os lugares a sua autoridade devem ser propriedade e apresentadas e lealdade juramentados a ele. Este terá a sua realização com essa palavra (Apocalipse 11:15), Os reinos deste mundo se tornaram os reinos de nosso Senhor e do seu Cristo. (2.) Será um reino unido: Haverá um só Senhor, e o seu nome. Todos devem adorar um Deus somente, e não ídolos, e deve ser unânime na adoração a ele. Todos os falsos deuses deve ser abandonado, e todas as falsas formas de culto abolido e como Deus deve ser o centro de sua unidade, em quem todas elas devem cumprir, de modo a escritura deve ser a regra de sua unidade, pela qual devem todos a pé.
  3. A terra da Judéia, e de Jerusalém, sua cidade-mãe, devem ser reparadas e reabastecido, e levado sob a proteção especial do Céu, Zacarias 14: 10,11. Alguns pensam que isto denota favor particular ao povo dos judeus, e aponta para a sua conversão e restauração nos últimos dias, mas é bastante para ser entendido em sentido figurado do evangelho da igreja, tipificado por Judá e Jerusalém, e significa as graças abundantes com a qual a igreja deve ser coroado, ea fecundidade dos seus membros, e o grande número de-los. (1.) A igreja deve ser como um país fértil, abundante em todos os produtos ricos do solo. toda a terra da Judéia, que é naturalmente irregular e montanhoso, se converterá em planície, que se torne um vale nível suave, desde Geba, ou Gibeá, a sua maior fronteira norte, para Rimon, que ficava ao sul de Jerusalém e foi o maior limite sul da Judéia. O evangelho de Cristo, onde ele vem em seu poder, os níveis das montanhas de terra e colinas são humilhados por ele, que só o Senhor pode ser exaltado. (2) Deve ser como uma cidade populosa. Como a terra santa deve ser nivelado, por isso a cidade santa deve ser povoado, será reconstruída e reabastecido. Jerusalém será levantada fora do seu baixo imobiliários, serão levantados fora de suas ruínas quando a terra se transforma como uma planície, e não só no Monte das Oliveiras removidos (Zacarias 14: 4), mas outras montanhas também, em seguida, Jerusalém, os seja levantado, isto é, aparecerá o mais visível, ela será habitada no seu lugar, em Jerusalém, Zacarias 12: 6. Toda a cidade será habitada na maior extensão dela, e nenhuma parte dele saiu a deitar resíduos. Os limites máximos de que são aqui mencionados, entre os quais não haverá o terreno perdido, mas todas construídas em cima, a partir Benjamin's-gate Nordeste para o canto-gate Noroeste, e desde a torre de Hananel, no sul do lagares do rei do norte, quando as igrejas de Cristo em todos os lugares são reabastecidos com um grande número de santos, humildes, os cristãos sérios, e muitos desses são diariamente adicionado a ele, então esta promessa seja cumprida. (3.) Este país e esta cidade são igualmente seguros, tanto a carne no país e as bocas da cidade: Aqueles que habitam nela habitarão seguros, e não haverá quem os espante não haverá mais desse total destruição que fez cair os resíduos cidade e do campo, não mais um anátema (como alguns lê-lo), não mais cortar, mais maldição, ou separação de Deus para o mal, não mais esses julgamentos desoladores como você foram gemendo sob , mas Jerusalém será habitada com segurança não haverá perigo, nem qualquer apreensão do mesmo nem seus amigos ter medo de inquietar-se, nem seus inimigos formidáveis ​​para inquietar-los. Essa promessa de Cristo explica isso - que as portas do inferno não prevalecerão contra a igreja e assim fazer a segurança santo e serenidade de espírito que os crentes desfrutam na contando com a proteção divina.
  4. Aqui estão ameaçadas de sentenças contra os inimigos da igreja, que guerrearam, ou que luta, contra Jerusalém e a ameaça destes julgamentos está em ordem para a preservação da igreja em segurança. Homens que lêem e ouvem destas pragas vão ter medo de lutar contra Jerusalém, muito mais quando essas ameaças são cumpridas em alguns vão ouvir os outros e medo. Aqueles que lutam contra a cidade de Deus, e ao seu povo, serão encontrados lutando contra Deus, contra quem ninguém jamais endureceu o seu coração e foi bem sucedido (Zacarias 14:12): Esta será a praga com que o Senhor ferirá todos os povos que lutaram contra Jerusalém sejam eles quem forem, Deus vai castigá-los para a afronta feita a ele, e vingar Jerusalém sobre eles. 1. Devem definhar sob doenças graves e definhando: Sua carne será consumida, e eles serão o miseravelmente magro, mesmo quando eles estão em seus pés, de modo que eles serão andando esqueletos nada deve permanecer, mas pele e ossos. A carne, que mimado e se entregava, e fez provisão para, quando eles foram alimentados ao máximo com os despojos do povo de Deus, passa a consumir de distância, que não pode ser visto, e os ossos que não eram vistos deve ficar fora, Job 33:21. Eles mantêm seus pés, e esperamos manter o seu terreno, rastejando sobre o tempo que eles podem, mas eles devem produzir no último. Os órgãos da visão, as saídas do pecado, seus olhos, desfarão em seus buracos, deve afundar em suas cabeças ou talvez começar fora deles seus olhos adúlteras maliciosos invejosos, os olhos tinham tantas vezes alimentados com espetáculos de miséria, estas devem consumir, o que fará não só os seus semblantes medonho, mas suas vidas miseráveis. Os órgãos da fala, as saídas do pecado, sua língua, desfarão em sua boca, pela qual Deus vai contar com eles para todas as suas blasfêmias contra si mesmo e invectivas contra o seu povo. Assim suas próprias línguas cairá sobre eles, e sua punição deve ser legível em seu pecado, como sua era cuja língua era atormentado no inferno de chamas. Assim, Antíoco e Herodes consumido distância. 2. Devem ser despedaçada uns contra os outros (Zacarias 14:13): Uma grande perturbação do Senhor entre eles. Mas são tumultos do Senhor, que é o Deus de ordem, e não de confusão? Como eles são o pecado daqueles que lhes levantar eles não são do Senhor, mas a partir do maligno, e das próprias concupiscências dos homens, mas, como eles são a punição daqueles que sofrem por eles, eles são do Senhor, que serve seus próprios fins, e carrega em suas intenções, pelos pecados, e loucuras, e espíritos inquietos, dos homens. É de si que morder e devorar um ao outro, mas é do Senhor, justo juiz, que, assim, eles são consumidos uns dos outros (Gálatas 5:15) como Acabe foi enganado por um espírito de mentira da parte do Senhor, de modo Abimeleque e os cidadãos de Siquém foram divididos, e assim destruídos, por um espírito maligno da parte do Senhor, juízes 9:23. Nota, Aqueles que são confederado e combinados contra a igreja vai ser justamente separadas, e definir um contra o outro e seus tumultos levantada contra Deus será vingado nos tumultos entre si. E pegará cada um na mão do seu próximo, para segurá-lo de fazer greve, ou para prendê-lo como seu prisioneiro ou melhor, sua mão se levantará contra a mão do seu próximo, à greve e feri-lo. Nota, aquelas que visam destruir a igreja muitas vezes são feitas para destruir um ao outro e espada de cada um às vezes é definido contra o outro, por ele cuja espada todos eles são. Alguns pensam que isto foi cumprido nas facções e dissensões que estavam entre os judeus, quando os romanos eles estavam destruindo tudo por que tinham lutado contra a Jerusalém espiritual, o evangelho da igreja e que bem o suficiente concorda Zacarias 14:14, também tu, ó Judá! ás luta contra Jerusalém, a nação judaica deve ser arruinada por si só, morrerá por suas próprias mãos a cidade eo país deve estar em guerra uns com os outros, e assim ambos serão destruídos. Suis et ipsa Roma viribus ruit - Roma foi instado na ruína por sua própria força. 3. O saque de seu acampamento deve enriquecer grandemente o povo de Deus, ou os despojos de seu país (Zacarias 14:14), e Judá deve comer em Jerusalém (assim que um intérprete aprendeu lê-lo) as pessoas virão de todas as partes para compartilhar na presa como quando o exército de Senaqueribe foi encaminhado diante de Jerusalém havia a presa de abundantes despojos se repartirá (Isaías 33:23), assim será agora as riquezas de todos os gentios em redor, que tinha estragado Jerusalém, será reunidos , ouro e prata, e vestidos em grande abundância, que um dividendo igual podem ser feitas entre todas as partes têm direito a uma parte do prémio. Nota, a riqueza do pecador é muitas vezes reservada para o justo, e o Israel de Deus enriquecido com os despojos dos egípcios. 4. Os próprios bovinos deverão contribuir para a praga com que os inimigos da igreja de Deus será cortado, como fizeram em mergulhadores das pragas do Egito (Zacarias 14:15): Todos os animais que estiverem nas tendas de estes homens ímpios, quando Deus vem de lidar com eles, perecerão com eles, não só Bestas usado na guerra, como o cavalo, mas os utilizados para viagens ou no arado, como a mula, o camelo, e do jumento. Nota, as criaturas inferiores muitas vezes sofrem pelo pecado do homem e nas suas pragas. Assim, Deus vai mostrar a sua indignação contra o pecado, e fará com que a criatura que é, portanto, sujeita à vaidade gemido a ser entregue para a liberdade da glória dos filhos de Deus, Romanos 8: 21,22.

versículos 16-21

Previsões ameaças e promessas perspectivas animadoras evangélica. B. C. 500.

16 E ela deve vir a passar, que todos os que restarem de todas as nações que vieram contra Jerusalém, subirão de ano em ano para adorar o Rei, o Senhor dos exércitos, e para celebrarem a festa dos tabernáculos. 17 E será que aquele que não vai vir para cima de todas as famílias da terra a Jerusalém para adorar o Rei, o Senhor dos exércitos, não cairá sobre ela a chuva. 18 E, se a família do Egito não subir, e não vir, que não têm nenhuma chuva não será a praga, com que o Senhor ferirá as nações que não subirem a celebrar a festa dos tabernáculos. 19 Esse será o castigo do Egito, eo castigo de todas as nações que não subirem a celebrar a festa dos tabernáculos. 20 Naquele dia se gravará sobre as campainhas dos cavalos: SANTIDADE AO SENHOR e as panelas na casa do Senhor serão como as bacias diante do altar. 21Yea, todas as panelas em Jerusalém e Judá serão consagradas ao Senhor dos exércitos; e todos os que sacrificarem virão, e delas tomarão, e faze ali; e naquele dia não haverá mais cananeu na casa do Senhor dos exércitos.

Três coisas são aqui anunciado: -

  1. Que um evangelho vias de adoração a ser criada na igreja não deve ser um grande recurso para ele e um atendimento geral em cima dele. Aqueles que foram deixados dos inimigos da religião deve ser tão sensível da misericórdia de Deus para eles em sua fuga estreito que devem aplicar-se à adoração do Deus de Israel, e pagar a sua homenagem a ele, Zacarias 14:16. Aqueles que não foram consumidos serão convertidos, e isso torna sua libertação misericórdia, na verdade, um duplo misericórdia. É uma grande mudança que a graça de Deus faz com que sobre eles os que tinham vindo contra Jerusalém, encontrando suas tentativas vãs e infrutíferas, deve tornar-se tanto seus admiradores que nunca tinham sido seus adversários, e virão a Jerusalém para adorar lá, e ir em concordância com aqueles a quem eles tinham ido ao contrário do. Note-se, como alguns dos inimigos de Cristo deve ser feita escabelo de seus pés, de modo que outros deles será feito seus amigos e, quando o princípio de inimizade é morto neles, seus antigos atos de hostilidade são perdoados a eles, e os seus serviços são admitidos e aceito, como se nunca tivesse lutado contra Jerusalém. Eles subirão a Jerusalém para adorar, porque esse era o lugar que Deus tinha escolhido, e não o templo era, que era um tipo de Cristo e sua mediação. Convertendo graça nos define direita, 1. No objeto de nossa adoração. Eles já não adorarão o Molochs e Baal, os reis e senhores, que os gentios adoração, as criaturas de sua própria imaginação, mas o Rei, o Senhor dos exércitos, o eterno Rei, o Rei dos reis, o Senhor soberano de todos . 2. Nas ordenanças de culto, aquelas que o próprio Deus designou. Evangelho culto é aqui representada pela manutenção da festa dos tabernáculos, por causa desses dois grandes graças que estavam em uma maneira especial agiram e significado na medida em que festa-desprezo do mundo, e alegria em Deus, Neemias 08:17 . A vida de um bom cristão é uma festa constante dos tabernáculos, e, em todos os atos de devoção, devemos retirar do mundo e alegrai-vos no Senhor, o adorem como na festa. 3. Na Mediador da nossa adoração é preciso ir a Cristo, nosso templo com todas as nossas ofertas, pois nele única nossos sacrifícios espirituais são aceitáveis ​​a Deus, 1 Pedro 2: 5. Se nós descansar em nós mesmos, chegamos curta de agradar a Deus, devemos ir até ele, e mencionar apenas a sua justiça. 4. No tempo de que temos de ser constante. Eles subirão de ano para ano, nos horários designados para esta festa solene. Todos os dias da vida de um cristão é um dia da festa dos tabernáculos, e cada dia do Senhor, especialmente (que é o grande dia da festa) e, portanto, todos os dias devemos adorar o Senhor dos Exércitos e cada dia do Senhor, com uma solenidade peculiar.
  2. Que aqueles que negligenciam os deveres do evangelho culto será contado por sua negligência. Deus vai obrigá-los a vir e se prostrarão diante dele, suspendendo seus favores daqueles que não mantém seus preceitos: Sobre eles não haverá chuva, Zacarias 14:17. Alguns entendem que figurativamente a chuva da doutrina celeste serão retidos, e da graça celestial, que deve acompanhar essa doutrina. Deus vai comandar as nuvens que não derramem chuva sobre eles. Nota: É uma coisa justo diante de Deus a reter as bênçãos da graça daqueles que não freqüentam os meios da graça, para negar os pastos verdes para aqueles que não freqüentam tendas do pastor. Ou podemos levá-la literalmente: Neles não haverá chuva, para fazer o seu terreno fértil. Nota, os dons da providência comum são justamente negado àqueles que a negligência e desprezar ordenanças instituídas. Aqueles que esqueceram de construir o templo foram punidos com a falta de chuva (Ageu 2:17), e assim foram os que de dispensar lá quando ela foi construída. Se é estéril e infrutífera para com Deus, com justiça é a terra feita de modo a nós. Muitos são cruzadas, e ir para trás, em seus assuntos, e esta é a parte inferior do mesmo - eles não mantêm perto da adoração a Deus como eles devem ir para fora da parte de Deus, e, em seguida, ele caminha contrário a eles. Se omitir ou adiar as funções que ele espera de nós, é apenas com ele para negar os favores que esperamos dele. Mas o que deve ser feito para os infractores da terra do Egito, a quem o risco da falta de chuva não é ameaçador, pois eles não têm chuva a qualquer momento eles precisam de nenhum eles desejam nenhum rio Nilo é para eles em vez do nuvens do céu, waters sua terra, e faz frutificar, de modo que o que é um castigo para os outros não é nada para eles? Zacarias 14: 18,19. ameaçou-se que, se a família do Egito não subir, que não têm nenhuma chuva, mas Deus vai descobrir uma maneira de se encontrar com eles, pois não será, com efeito, a mesma praga com que outras nações estão feridos por sua negligência. Deus pode, e muitas vezes fez, conter o transbordamento do rio, que foi equivalente ao fechar acima das nuvens ou se o rio fez a sua parte, e subiu tão alto como costumava fazer, Deus tinha outros meios de trazer fome sobre -los e destruir os frutos do seu solo, como ele fez por vários dos dez pragas do Egito, para que este (isto é, o mesmo) será o castigo do Egito, que é a punição de outras nações que não subirem a celebrar a festa dos tabernáculos. Nota, Aqueles que se acham menos em dívida com, e dependendo, à mercê do céu, não pode, portanto, pensar-se protegida contra a justiça do Céu. Daí não se segue que aqueles que podem viver sem chuva, portanto, pode viver sem Deus, não só para os céus, mas todas as outras criaturas, são de que para nós que Deus faz que eles sejam, e sem mais nem podem caminho de qualquer homem de vida capacitá-lo para definir a luz pelos juízos de Deus. Este será o castigo - margem, este será o castigo do Egito, e o pecado de todas as nações, que não subirem a celebrar a festa dos tabernáculos. A mesma palavra significa tanto pecado e do castigo do pecado, tão perto e inseparável é a conexão entre eles (como Gênesis 4: 7), eo pecado é muitas vezes a sua própria punição. Note-se, omissões são pecados, e nós temos de entrar em juízo para eles aqueles culpa contrato que não ir para o culto nos tempos determinados, como eles têm oportunidade e é um pecado que é a sua própria punição, para aqueles que abandonam a desistência dever o privilégio de comunhão com Deus.

III. Que aqueles que desempenhará as funções de gospel adoração terá graça para adornar sua profissão, os deveres de um evangelho da conversa também. Este é prometido (Zacarias 14: 20,21), e é necessário para a conclusão da beleza e da felicidade da igreja. Em geral, tudo será santidade ao Senhor.

  1. O nome eo caráter de santidade não devem ser confinados como antigamente. Santidade ao Senhor tinham sido escritos somente sobre a testa do sumo sacerdote, mas agora ele não deve ser tão apropriado. Todos os cristãos devem estar vivendo templos e sacerdotes espirituais, dedicado à honra de Deus e empregados em seu serviço.
  2. santidade real será mais difusa do que tinha sido, porque não haverá meios mais potentes de santificação, mais regras excelentes, argumentos mais convincentes e padrões brilhantes da santidade, e porque haverá um derrame mais abundante do Espírito de santidade e santificação, depois da ascensão de Cristo do que nunca.

(1) Não haverá santidade introduzido em coisas comuns e essas coisas devem ser dedicado a Deus, que parecia muito estranho. [1] A mobília de seus cavalos serão consagrados a Deus. "Após as campainhas dos cavalos será gravado Santidade ao Senhor, ou sobre os freios dos cavalos (de modo que a margem) ou as armadilhas. Os cavalos utilizados na guerra não será mais usado contra Deus e seu povo, como eles têm sido, mas para ele e para eles. Mesmo suas guerras será guerras santas, suas tropas que servem sob a bandeira de Deus. seus grandes homens, que montam no estado com uma comitiva pomposo, fará a conta que seu maior ornamento para honrar a Deus com suas honras. Santidade ao Senhor será escrito sobre o cinto de suas carruagens-cavalos, como grandes homens têm, por vezes, o seu brasão de armas com o seu lema pintados em seus treinadores todos os cavalheiros devem tomar lema do sumo sacerdote para a sua, e glória na mesma, e torná-lo uma lembrança para si mesmo que não fazer qualquer coisa indigna dela. os viajantes devem tê-lo em seus freios, com a qual eles guiam seus cavalos, como aqueles que desejam ser sempre colocar em mente de que, por tê-lo continuamente diante deles, e orientar-se em todos os seus movimentos por esta regra. As campainhas dos cavalos, que são projetados para acelerar-los em sua jornada e para dar aviso de sua abordagem, terá Santidade ao Senhor sobre eles ", para significar que isto é o que devemos ser influenciados por nós mesmos, e fazer profissão de para os outros, onde quer que vamos. [2] a mobília de suas casas também devem ser consagradas a Deus, a serem empregados em seu serviço. em primeiro lugar, o mobiliário das casas dos padres ou apartamentos contíguos à casa do Senhor. as taças comuns que eles usaram serão como as bacias diante do altar, que foram usados ​​tanto para receber o sangue dos sacrifícios ou para apresentar o vinho eo azeite em, que eram para as libações. os vasos que eles usaram para os seus próprios quadros devem ser utilizados de uma forma tão religioso, com tanta sobriedade e temperança, tais dedicação para a glória de Deus, e essa mistura de pensamentos e expressões piedosas, que as suas refeições deve olhar como sacrifícios que devem comer e beber, não para si mesmos, mas para aquele que se espalha suas mesas e enche os copos. E assim, nas famílias dos ministros especialmente, devem acções comuns ser feito depois de um modo digno de Deus, no entanto eles são feitos em outras famílias. Em segundo lugar, os móveis de outras casas, os das pessoas comuns: "todas as panelas em Jerusalém e Judá serão consagradas ao Senhor Os potes em que ferver a carne, os copos dos quais eles bebem seu vinho (Jeremias 35. : 5), em boas criaturas estes de Deus nunca deve ser abusado em excesso, nem que fez a comida e combustível de luxúria que deve ser óleo para as rodas da obediência ", como anteriormente tinha sido, quando todas as mesas estavam cheias de vômitos e de sujidade Isaías 28: 8. "O que eles comer e beber fora de estas devem nutrir seus corpos para o serviço de Deus e, destes, devem dar liberalmente para o alívio dos pobres", em seguida, são santidade ao Senhor, como a mercadoria eo aluguer do convertida Tyrians estão a ser dito (Isaías 23:18), tanto em nossas gettings e nos nossos gastos devemos ter um olho com a vontade de Deus como nossa regra e a glória de Deus como nosso fim. Em terceiro lugar, quando haverá uma tal abundância de verdadeira santidade das pessoas não deve ser agradável e curioso sobre a santidade cerimonial: "Aqueles que sacrificarem virão e tirar desses vasos comuns, e faze seus sacrifícios nele, não fazendo distinção entre eles e as tigelas diante do altar. " No Evangelho vezes os verdadeiros adoradores adorarão a Deus em espírito e em verdade, e nem neste monte nem em Jerusalém, João 4:21. Um lugar que deve ser o mais aceitável a Deus como outro (eu lhe que os homens orem em todo lugar) e um navio deve ser tão aceitável quanto o outro. Pouco será tida em conta para a circunstância, desde que não seja indecente nada ou desordenada, enquanto que a substância é religiosamente preservada e respeitada. Alguns pensam que sugere que deve haver um maior número de sacrifícios oferecidos do que os vasos do santuário serviria para, mas, ao invés de qualquer deve ser ligado novamente ou diferida, eles não fará nenhuma dificuldade em tudo do uso de vasos comuns, como os levitas nas caso de necessidade ajudaram os padres de matar os sacrifícios, 2 Crônicas 29:34.

(2) Não haverá falta de santidade introduzidas em suas coisas sagradas, para eles corrompido: Naquele dia não haverá mais cananeu na casa do Senhor dos exércitos. Alguns lê-lo, Não haverá mais o comerciante, por isso um cananeu, por vezes, significa e eles acham que foi cumprida quando Cristo, uma vez e outra vez levou os compradores e vendedores para fora do templo. Ou que aqueles que estavam cananeus, estranhos e estrangeiros, será trazido para a casa do Senhor, mas eles deixam de ser cananeus terão nada do espírito ou disposição de cananeus neles. Ou ele dá a entender que embora na evangelho vezes as pessoas devem crescer indiferente ao vasos sagrados, mas eles devem ser muito rigorosos na igreja-disciplina, e cuidado para não admitir o profano para ordenanças especiais, mas para separar entre o precioso e vil, entre israelitas e cananeus. No entanto, este não terá sua curta plena realização da Jerusalém celeste, que a casa do Senhor dos exércitos, no qual nada impuro entra para no final do tempo, e não antes, Cristo colherão do seu reino tudo o que ofende, e do joio e do trigo devem ser perfeitamente e eternamente separados.

 

 

          SUBSIDIO(3) O REINO MILENAL DE JESUS

              Apocalipse 20.1-6.LIÇÃO N.10

Professor, comente com a classe acerca da falibilidade dos governos humanos. Fale também sobre “certos projetos políticos” que nos são apresentados repetidamente, mas nunca se concretizam. Mediante estes argumentos, introduza a lição apresentando o governo justo e eficaz de Cristo no Milênio.

As Escrituras afirmam que Deus é “Rei eterno” (Sl 10.16), “Rei da Glória” (Sl 24.8), “Rei sobre a terra” (Sl 47.2), e “Rei de Israel” (Is 44.6). O seu reino é atemporal (Sl 74.12) e domina sobre todas as coisas (Sl 103.19). Ele o “dá a quem quer” (Dn 4.25). Deus, como Rei, estabeleceu um reino teocrático com Adão, a quem deu o domínio sobre a criação (Gn 1.28), com o governo humano (Gn 9.1-7), com os reis de Israel (1 Sm 12.13), e com os gentios (Dn 4.17). Porém, esses monarcas falharam na execução da justiça e no reconhecimento da soberania de Deus sobre os reinos da terra (Dn 4). No entanto, Deus, através do herdeiro eterno do trono de Davi, Jesus (2 Sm 7.16; Hb 1.8), mostrará às nações, durante mil anos, a excelência de um governo regido com justiça e equidade (Hb 1.8) e orientado pela Palavra do Senhor (Is 2.3). 

 

introdução

O Século 21, aguardado ansiosamente como um novo recomeço para a humanidade, viu-se turbado pelos trágicos acontecimentos de 11 de setembro de 2001. Aquele atentado, que atingiu o coração da mais poderosa nação do planeta, haveria de desdobrar-se em guerras e desentendimentos. De repente, todo o sonho de paz desfazia-se em pesadelos, tornando inevitável a pergunta: O que nos reserva o futuro?

A Bíblia Sagrada mostra que, apesar de nossos temores, haverá uma era de tranquilidade e refrigério. Isto acontecerá quando o Senhor Jesus, logo após o Arrebatamento da Igreja e da Grande Tribulação, vier a este mundo instaurar o Milênio.

Nesta lição, veremos que o Milênio, ao contrário do que muitos alegam, têm sólidas bases bíblicas.

 

  1. O QUE É O MILÊNIO

O termo “Milênio” não consta do texto bíblico, mas a expressão correspondente (“mil anos”), sim. Não obstante, a doutrina do Milênio é essencialmente bíblica e consistentemente teológica.

  1. Definição. O Milênio é um período de mil anos durante o qual Cristo há de reinar plenamente sobre o mundo, de acordo com o que explicita João no Apocalipse (20.1-5).

Trata-se de um reino literal, cujo principal objetivo é a exaltação de Jesus não somente como o Messias de Israel, mas como o Desejado de todas as nações (Ag 2.7).

  1. O Milênio e o Reino de Deus. O Milênio pode ser considerado ainda a manifestação plena do Reino de Deus na terra. E isto nada tem a ver com a doutrina de algumas seitas que, renegando as verdades bíblicas acerca do arrebatamento da Igreja, ensinam que este mundo haverá de melhorar, pouco a pouco, até transformar-se num paraíso.

 

  1. QUANDO SERÁ O MILÊNIO

O Milênio terá início logo após a Grande Tribulação, quando Nosso Senhor Jesus Cristo, na companhia de todos os seus santos, houver aniquilado o dragão, o falso profeta e a besta (Ap 19.11-21). O Milênio, por conseguinte, dar-se-á, logicamente, depois do arrebatamento da Igreja.

Neste período, Satanás estará amarrado até que se completem os mil anos. Em seguida, importa que ele seja solto por um pouco de tempo, até que seja definitivamente lançado no lago de fogo (Ap 20.2,7,10). Ver também Mt 25.41.

 

III. QUEM ESTARÁ NA TERRA DURANTE O MILÊNIO

Estarão na terra, durante o Milênio, o povo de Israel e os gentios que houverem sobrevivido à Grande Tribulação e ao juízo das nações (Mt 25.31-41). A Igreja, como já o dissemos, estará, juntamente com Cristo, regendo o mundo. Afinal, dele recebemos esta promessa (Ap 2.26,27).

Não sabemos exatamente em que lugar encontrar-se-á a Igreja durante o Milênio: se no céu ou se entre a terra e o céu. De uma coisa temos absoluta certeza: com os nossos corpos já glorificados, estaremos reinando juntamente com Jesus. Aleluia! Onde estará o rei, aí também estará o seu reino e os seus súditos. Os maravilhosos detalhes desse evento encontram-se de posse do Rei dos reis.

 

  1. OBJETIVOS DO MILÊNIO

 

O Milênio será implantado, tendo vários objetivos bem definidos:

  1. Exaltar a Cristo. Todos os povos, principalmente Israel, terão de se curvar ante Jesus Cristo, cujo nome será sublime e soberanamente exaltado como o Rei dos reis e Senhor dos senhores (Fp 2.5-11; Ap 19.16). Ler também 1 Co 15.24-26.
  2. Manifestar o Reino de Deus na sua plenitude. Na Oração Dominical, o Senhor Jesus ensinou-nos a orar: “Venha o teu reino” (Mt 6.10). Esta petição será plenamente respondida quando vier o Senhor Jesus, juntamente com a sua Igreja, inaugurar o Milênio — a exposição mais visível do Reino de Deus na terra.
  3. Mostrar que este mundo pode ser administrado com justiça e equidade. Em consequência da corrupção e dos desmandos administrativos dos governantes, a população da terra é assolada pela fome, pela falta de habitação e por muitas outras necessidades básicas. Todavia, quando Cristo instaurar o seu governo, mostrará que todos esses problemas podem ser rápida e perfeitamente solucionados.
  4. Deixar bem claro que os reinos deste mundo pertencem a Cristo. No deserto, Satanás tentou a Cristo, alegando serem dele todos os reinos deste mundo. Na verdade, tudo pertence a Jesus: “Os reinos do mundo vieram a ser de nosso Senhor e do seu Cristo, e ele reinará para todo o sempre” (Ap 11.15). Desta forma, cumprir-se-á a aliança que Deus estabeleceu com a casa de Davi, da qual veio, legalmente, o Senhor Jesus (Is 9.7; Dn 7.14).

 

  1. COMO SERÁ O MILÊNIO

 

O Milênio será um reino não somente de bênçãos espirituais, como também materiais, conforme o explicitam as Sagradas Escrituras. Por conseguinte, o Milênio:

  1. Terá início com um grande derramamento do Espírito Santo. Profetiza Zacarias que, quando os israelitas se virem cercados pelas nações da terra, para destruí-los, clamarão angustiados pelo socorro divino. Nessa ocasião crucial, Jesus haverá de se manifestar com grande poder e majestade sobre Jerusalém e, juntamente com sua Igreja glorificada, livrará Israel de certeira destruição. Israel pranteará, humilhado e arrependido, aceitando o Senhor Jesus, a quem rejeitaram na sua primeira vinda (Zc 12.9,10; 13.1; 14.2-9; Ap 1.7; Is 66.15,16). Neste exato momento, experimentarão uma grande efusão do Espírito Santo: “E sobre a casa de Davi e sobre os habitantes de Jerusalém derramarei o Espírito de graça e de súplicas; e olharão para mim, a quem traspassaram: e o prantearão como quem pranteia por um unigênito; e chorarão amargamente por ele, como se chora amargamente pelo primogênito” (Zc 12.10).
  2. Será um período de grande conhecimento da Palavra de Deus. “E virão muitos povos e dirão: Vinde, subamos ao monte do SENHOR, à casa do Deus de Jacó, para que nos ensine o que concerne aos seus caminhos, e andemos nas suas veredas; porque de Sião sairá a lei, e de Jerusalém, a palavra do SENHOR” (Is 2.3). Diz ainda Isaías: “Não se fará mal nem dano algum em todo o monte da minha santidade, porque a terra se encherá do conhecimento do SENHOR, como as águas cobrem o mar” (Is 11.9).

Jerusalém será não somente a sede do governo messiânico como também o centro de adoração divina (Zc 14.16).

  1. Será um tempo de paz universal. “E julgará entre muitos povos e castigará poderosas nações até mui longe; e converterão as suas espadas em enxadas e as suas lanças em foices; uma nação não levantará a espada contra outra nação, nem aprenderão mais a guerra” (Mq 4.3).
  2. Será uma era de abundante saúde física e mental. “Confortai as mãos fracas e fortalecei os joelhos trementes. Dizei aos turbados de coração: Esforçai-vos e não temais; eis que o vosso Deus virá com vingança, com recompensa de Deus: ele virá. e vos salvará. Então, os olhos dos cegos serão abertos, e os ouvidos dos surdos se abrirão. Então, os coxos saltarão como cervos, e a língua dos mudos cantará, porque águas arrebentarão no deserto, e ribeiros, no ermo” (Is 35.3-6).
  3. Será uma era de prosperidade, segurança e vida longa. “Não edificarão para que outros habitem, não plantarão para que outros comam, porque os dias do meu povo serão como os dias da árvore, e os meus eleitos gozarão das obras das suas mãos até à velhice” (Is 65.22).
  4. Será um período de plena recuperação ecológica da terra. “O deserto e os lugares secos se alegrarão com isso; e o ermo exultará e florescerá como a rosa. Abundantemente florescerá e também regorgitará de alegria e exultará; a glória do Líbano se lhe deu, bem como a excelência do Carmelo e de Sarom; eles verão a glória do SENHOR, a excelência do nosso Deus” (Is 35.1,2).
  5. Israel habitará seguro, e estará de posse de todo o território que o Senhor prometera a Abraão. O capítulo 48 de Ezequiel descreve, em detalhes, os termos que as doze tribos de Israel ocuparão no período do Milênio. Será um território muito maior e muito mais amplo em relação ao ocupado hoje pelo Estado de Israel.

Ora, se o Milênio é tão maravilhoso, o que não diremos da Nova Jerusalém? O primeiro, apesar de suas realizações, será imperfeito e temporário; o segundo não, pelo contrário, há de ser eterno e perfeitíssimo. Já pensou quando entrarmos naquela cidade, cujo arquiteto e construtor é o próprio Deus? Como descrever a formosa cidade?

Senhor Jesus, ajuda-nos a cumprir nossa carreira neste mundo, para que possamos adentrar na Jerusalém Celeste. Queremos a tua companhia; desejamos ver o teu rosto. Sê conosco, meigo Salvador.

 

“Apocalipse 20.1-3 e vv.7-10 tratam da condenação de Satanás. Ficará preso no abismo durante mil anos. O abismo permanecerá trancado e lacrado acima dele, de modo que não terá nenhuma atividade na terra durante aquele período. Depois, será solto por um pouco de tempo, antes de seu castigo eterno no lago de fogo.

Entre esses dois eventos, a Bíblia fala, em Apocalipse 20.4-6, daqueles que são sacerdotes de Deus e de Cristo, e que reinarão com Ele durante mil anos.

Apocalipse 20.4 trata de dois grupos de pessoas: O primeiro se assentará em tronos para julgar (isto é: governar). A mensagem a todas as igrejas (Ap 3.21,22) indica que são os crentes oriundos da Era da Igreja que permaneceram fiéis, sendo vencedores (Ap 2.26,27; 3.21; 1 Jo 5.4). Entre eles, conforme a promessa de Jesus, estarão os doze apóstolos julgando (governando) as doze tribos de Israel (Lc 22.30). Isso porque Israel, restaurado, purificado, com a plenitude do Espírito Santo de Deus, ocupará sem dúvida a totalidade da terra prometida a Abraão (Gn 15.18)” (HORTON, S. M.: As últimas coisas. In HORTON, S. M. (ed.) Teologia Sistemática: Uma perspectiva Pentecostal. RJ: CPAD, 1996, p.638-9). 

  

 

 SUBSIDIO (4)ADULTOS O MILENIO E REINO DE JESUS                    

             Apocalipse 20.1-7.LIÇÃO N.10

 

O Milênio é alvo de muitas profecias através da Bíblia. Porém, hoje, há pessoas que materializam e outras que espiritualizam excessivamente o assunto. Precisamos evitar tais extremos e conduzir a classe para interpretação correta das profecias bíblicas.Nesta lição estudaremos acerca do mais esplendoroso reino que existirá neste mundo, predito pelos profetas do Antigo Testamento e confirmado pelo próprio rei Jesus. Chegamos a um ponto altamente importante da escatologia bíblica, pois trata-se da época em que Cristo tomará as rédeas do governo do mundo e reinará aqui por mil anos, com Seus santos (a Igreja), tendo Israel como sede do governo mundial.

ORIENTAÇÃO

 

Para fazer um elo com a lição anterior e introduzi-los ao novo assunto, converse com os alunos sobre o final da Grande Tribulação e a vinda do Senhor em glória, antes de explicar os tópicos da lição. Pergunte-lhes sobre os objetivos da vinda de Jesus em glória. Ajude-os no raciocínio, lembrando a seqüência dos eventos e explicando-lhes o propósito de cada um, os quais são: 1º) derrotar o Anticristo; 2º) prender o Anticristo e o Falso Profeta; 3º) derrotar o poder das nações sob o domínio do Anticristo, que estarão no fragor da batalha contra Israel; 4º) ressuscitar os que, na Grande Tribulação, morreram por não aceitarem adorar o Anticristo; e 5º) estabelecer o trono de Glória de Cristo Jesus. Veja, agora, qual o conceito que cada um possui de um reino perfeito, e apresente-lhes o Reino Milenial de Cristo.

 

INTRODUÇÃO

A volta pessoal e visível de Cristo à Terra está prevista em toda a Bíblia. Deus estabeleceu o programa de um reino teocrático, iniciado com o povo de Israel, prosseguindo no período milenial e culminando no reino eterno.

  1. O FIM DA GRANDE TRIBULAÇÃO
  2. A volta pessoal de Cristo. O texto de Zacarias 14.3,4 indica a intervenção divina sobre o monte das Oliveiras, em Israel. As nações reunidas pelo Anticristo para combater e destruir Israel serão surpreendidas pela vinda do Senhor. O texto de Jl 3.2,12 fala do vale de Josafá, identificado também como o Cedrom, localizado entre Jerusalém e o monte das Oliveiras. Será nesse lugar o encontro do Senhor contra as nações inimigas de Israel. O monte das Oliveiras, o lugar exato de onde Cristo subiu ao céu, também sobre ele descerá gloriosamente.
  3. A seqüência dos eventos finais (Mt 24.27-30). Nesses versículos Jesus apresentou a realidade da Tribulação (Mt 24.21). No v.27, Ele fala de sua vinda visível como “o relâmpago que sai do Oriente e se mostra até o Ocidente”. No v.28, Jesus retrata mais uma vez a visibilidade de Sua vinda usando a ilustração dos abutres atraídos pela matança. No v.29, dá a entender que a Sua vinda será logo depois da tribulação daqueles dias. No v.30, fala do sinal dessa vinda no céu, uma prova de que Ele, o Messias, virá sobre as nuvens do céu.
  4. A derrota do Anticristo e seus exércitos (Ap 19.15-21). Nos versículos anteriores ao 14, Cristo aparece como um grande general de exército (como nos tempos bíblicos), e o v.15 mostra um Cristo preparado para fazer juízo sobre a impiedade do Anticristo. Diz o texto que “saía da sua boca uma espada afiada, para ferir com ela as nações”. A partir do v.17, uma grande ceia é apresentada para comer as carnes de todos os inimigos do povo de Israel que se ajuntaram para destruí-lo. Mas eles serão aniquilados pelos exércitos de Cristo. No v.20, a Besta, que é o Anticristo, juntamente com o Falso Profeta são presos e lançados vivos no Lago de Fogo. Esses dois personagens não são meras figuras ou metáforas, mas realmente dois homens da parte do Diabo, que se levantarão naqueles dias.
  5. A vinda em glória (Ap 19.11-16). Refere-se especialmente a forma da descida gloriosa de Cristo sobre um cavalo branco. O cavaleiro que monta o cavalo do capítulo 19 de Apocalipse é Jesus, porque é identificado como “Fiel e Verdadeiro”. Nada tem a ver com o cavaleiro do cavalo branco do capítulo 6 de Apocalipse o qual se refere ao Anticristo. O v.14 de Apocalipse fala dos santos que acompanham a Cristo na Sua volta à Terra. Eles montam cavalos brancos e os seus cavaleiros estão vestidos de linho finíssimo. São os anjos e a Igreja de Cristo que gloriosamente participam da Sua conquista.

 

  1. PREPARAÇÃO PARA O REINO MILENIAL

 

Com a derrota do Anticristo e seus exércitos, Israel verá que Aquele a quem rejeitaram na primeira vinda, não é outro senão o seu Messias.

  1. A conversão a Cristo da parte dos judeus. Zc 12.10 fala do espírito de súplicas que será derramado sobre a casa de Davi, e prantearão pelo que fizeram a Cristo na sua primeira vinda. Vários textos bíblicos da profecia indicam essa conversão e renovação (Zc 13.9; Ez 36.24-31; Is 25.9; Rm 11.26). Todas estas passagens mostram que os judeus sobreviventes daqueles dias serão leais a Cristo, aceitando-o como o Messias. Porém, haverá, também, muitos judeus rebeldes os quais sofrerão o juízo de Cristo (Ez 20.33-38; Ml 3.1-5).
  2. A prisão de Satanás (Ap 20.1-3). Antes que o Senhor instale o seu reino milenial, Satanás será preso por mil anos com todos os seus anjos, e assim não estarão livres para tentar as criaturas nos dias do reino milenial de Cristo.

 

III. O REI JESUS

Será um período de completa manifestação da glória de Cristo no Seu domínio, governo, justiça e reino (Is 9.6; Sl 45.4; Is 11.4; Sl 72.4; Dt 18.18,19; Is 33.21,22; At 3.22).Vários são os títulos e nomes de Cristo no Milênio. Ele é chamado: o Renovo (Is 4.2; 11.1; Jr 23.5; 33.15; Zc 3.8,9; 6.12,13); Senhor dos Exércitos (Is 24.23; 44.6); o Ancião de dias (Dn 7.13); o Altíssimo (Dn 7.22-24); o Filho de Deus (Is 9.6; Dn 3.25); o Rei (Is 33.17,22; 44.6; Dn 2.44); o Juiz (Is 11.3,4; 16.5; 33.22; 51.4,5); o Messias Príncipe (Dn 9.25,26). Muitos outros títulos destacam as atividades do Rei Jesus.

 

  1. CARACTERÍSTICAS DO REINO MILENIAL

 

  1. Justiça. Somente os justos serão admitidos no reino (Mt 25.37; Is 60.21; 26.2). A justiça será sinônimo do Messias (Ml 4.2; Is 46.13; 51.5).
  2. Obediência. Foi o propósito original de Deus na criação do mundo o estabelecimento de um princípio de obediência completa e voluntária a Deus. A árvore da vida foi colocada no Éden como uma prova de obediência (Gn 2.16,17). Diz a Bíblia que Deus sujeitou todas as coisas Àquele que é o Senhor (Ef 1.22).
  3. Conhecimento universal de Deus (Is 11.9; Jr 3134). O conhecimento estará disseminado e determinado em toda a Terra. Na verdade, todas as pessoas terão conceitos corretos sobre Deus, porque o mal estará detido naquele tempo.
  4. Paz e prosperidade (Is 2.4; 35.1,2). A maldição do pecado estará detida, sem poder de alastramento. A paz será universal porque a sua base será a justiça do Messias.
  5. Longevidade (Is 65.20,21,22; 33.24). Uma vez que o mal estará detido, a vida física dos habitantes da Terra naqueles dias não sofrerá tanto como hoje. E verdade que as pessoas não estarão isentas da morte. Mas viverão muito mais.

 

  1. FINAL DO MILÊNIO
  2. A soltura de Satanás e seus anjos. Vemos uma descrição na Terra que mostra o fim do período milenial (Ap 20.2,3,7-9). A razão pela qual Satanás será solto é discernida pela sua atividade no tempo de sua soltura. Ele sairá para enganar as nações e promover sua última batalha contra o povo de Deus.
  3. Gogue e Magogue (Ap 20.8). Esses dois nomes referem-se aos inimigos de Israel. Podem representar dois tipos de inimigos: povos vindos do Norte; e, também, povos em geral. O que prevalece mais fortemente é a representação de povos vindos do norte. Na verdade, a batalha não será muito extensa, porque haverá a intervenção divina.

 

  1. PÓS-MILÊNIO

Todos esses fatos conduzem ao Grande Trono Branco, que é o Juízo Final (Ap 20.11), símbolo do poder de Deus para executar a justiça. Jesus será o Juiz (At 17.31; Jo 5.22,27). Diante do Supremo Juiz, todos haveremos de comparecer. Os perdidos não escaparão ao Lago de Fogo (Ap 19.20; 20.10,14,15; 21.8). O Lago de Fogo é um lugar, e não um conceito, uma idéia ou estado mental.

Na segunda fase de Sua vinda em glória (visível em todo o mundo), Cristo vai julgar as nações (Juízo das Nações) e inaugurar o Milênio, a gloriosa era de paz a ser implantada na Terra. Seguindo-se o Grande Trono Branco, o Juízo Final, ocasião em que somente haverá dois destinos: a morte eterna ou a vida eterna. Os crentes em Jesus estarão livres de qualquer condenação e irão desfrutar da eternidade.

“O Apocalipse não oferece nenhum pormenor do Milênio, provavelmente porque as profecias anteriores já sejam suficientes. Depois dos mil anos, Satanás será solto, provavelmente para levar a uma vindicação final da justiça de Deus. Isto é: embora as pessoas tenham experienciado o governo maravilhoso de Cristo, parece que seguirão a Satanás na primeira oportunidade que se lhes ofereça. Assim fica demonstrado que, com ou sem conhecimento de como é o reino de Cristo, os inconversos se rebelam. Na Sua justiça, Deus nada mais poderá fazer senão separá-los eternamente das suas bênçãos. Satanás, o grande enganador, também engana a si mesmo, a ponto de acreditar que ainda conseguirá derrotar a Deus. Mas sua derradeira tentativa fracassará. Nunca mais haverá rebelião contra Deus e o seu amor”. (Teologia Sistemática, CPAD)

“O apóstolo Paulo tinha um grande amor pelo povo de Israel, que então rejeitara o Evangelho. Estava disposto a desistir da própria salvação eterna, se isto garantisse a salvação deles (Rm 9.1 -5). Ele sabia que isso seria impossível, mas demonstra o quanto os amava. E pergunta, em Romanos 11.1: ‘Porventura, rejeitou Deus o seu povo?’ Ele mesmo responde: ‘De modo nenhum!’ (no grego, me genoito). Deus jamais permitirá que isso aconteça. Está claro que Deus não rejeitou o seu povo! E o contexto mostra que a Bíblia está falando de um Israel literal, e que Deus não alterou suas promessas.

“Lembremo-nos, ainda, que os 12 apóstolos julgarão, ou governarão, as 12 tribos de Israel (Mt 19.28; Lc 22.30). Isso requer uma restauração literal de Israel. Não há como a Igreja possa vir a ser dividida em 12 tribos.

“Assim, a visão pré-milenista é a única que permite a restauração de Israel como nação e o cumprimento literal das profecias de paz e bênção que Isaías e outros profetas previram.” (Doutrinas Bíblicas, CPAD)

“À medida que a eternidade for ‘passando’, conheceremos mais e mais da sabedoria e do poder insondáveis de Deus. As infinitas belezas celestiais irreveladas começarão a ser conhecidas. ‘Mas como está escrito: Nem olhos viram, nem ouvidos ouviram, nem jamais penetrou em coração humano o que Deus tem preparado para aqueles que o amam’ (1Co 2.9). Os maravilhosos e profundos mistérios de Deus começarão a ser conhecidos. 1 Coríntios 4.5 diz: ‘Portanto, nada julgueis antes do tempo, até que venha o Senhor, o qual não somente trará à luz as cousas ocultas das trevas, mas também manifestará os desígnios dos corações; e então cada um receberá de Deus o louvor’. Esta é uma das razões por que Jesus vem revelar e explicar os grandes segredos que hoje tanto nos intrigam, mas que nossa mente não os alcançaria se hoje fossem revelados.

“Os salvos oriundos do Milênio viverão para sempre na terra, mediante a árvore da vida (Ap 22.2), não mediante a ressurreição, nem porque passaram do estado mortal para o imortal.

“Jesus, em sua forma humana, pessoal, a qual jamais deixará, estará eternamente associado ao Pai na regência do Universo, conforme a promessa divina feita a Davi: ‘Este edificará uma casa ao meu nome, e eu estabelecerei para sempre o trono do seu reino’. ‘Porém a tua casa e o teu reino serão firmados para sempre diante de ti: o teu trono será estabelecido para sempre’(2 Sm 7.13,15). ‘Este será grande e será chamado Filho do Altíssimo; Deus, o Senhor, lhe dará o trono de Davi, seu pai’. ‘Ele reinará para sempre sobre a casa de Jacó, e o seu reinado não terá fim’ (Lc 1.32.33). ‘O reino do mundo se tornou de nosso Senhor e do seu Cristo, e ele reinará pelos séculos dos séculos’ (Ap 11.15).” (O Calendário da Profecia, CPAD)

 

 

 

 

 

 PAZ DO SENHOR POSTAMOS 3 SUBSIDIOS 

 SUBSIDIO (1) VINDA DE JESUS (YECHUA) EM                                GLORIA NO MONTE

                    DAS OLIVEIRAS ZACARIAS 14

Introdução

Diveras coisas foram preditas, nos dois capítulos anteriores, o que deve acontecer "naquele dia" neste capítulo fala de um "dia do Senhor que vem", um dia de seu julgamento, e dez vezes nos capítulos anteriores, e sete vezes neste, ele é repetido, "naquele dia", mas o que esse dia é que está aqui significou é incerto, e talvez será assim (como os judeus dizer) até Elias vem se referem a todo o período de tempo de dias do Profeta para os dias do Messias, ou para alguns eventos particulares nesse tempo, ou para a vinda de Cristo, e a criação de seu reino sobre as ruínas da política judaica, não podemos determinar, mas os mergulhadores passagens aqui parecem olhar o mais à frente do evangelho vezes. Agora, o "dia do Senhor" traz consigo tanto o julgamento e misericórdia, misericórdia para com sua igreja, o julgamento de seus inimigos e perseguidores. I. As portas do inferno estão aqui ameaçando a igreja ( Zacarias 14: 1,2 ) e ainda não em vigor. II. O poder do Céu aparece aqui pela igreja e contra os inimigos dele, Zacarias 14: 3,5 . III. Os eventos relativos a igreja está aqui representado como misto ( Zacarias 14: 6,7 ), mas a emissão bem no último. IV. A difusão dos meios de conhecimento é aqui anunciado, ea criação do evangelho-reino do mundo ( Zacarias 14: 8,9 ), que deverá ser o alargamento e criação de outra Jerusalém, Zacarias 14: 10,11 . V. Aqueles deve ser contada com que lutou contra Jerusalém ( Zacarias 14: 12-15 ) e aqueles que negligenciam sua adoração lá, Zacarias 14: 17-19 . VI. Prometeu-se que haverá grande resort para a igreja, e grande pureza e piedade nele, Zacarias 14: 16,20,21 .

 

versículos 1-7

A perseguição dos julgamentos da Igreja e Misericórdias perspectivas animadoras. BC 500.

1Behold, o dia do L ORD vem, que os teus despojos se repartirão no meio de ti. 2 Porque eu ajuntarei todas as nações a peleja contra Jerusalém ea cidade será tomada, e as casas serão saqueadas, e as mulheres forçadas e metade da cidade sairá para o cativeiro, mas o resto do povo não será exterminado da cidade. 3E é o L ORD sairá, e pelejará contra estas nações, como quando peleja no dia da batalha. 4 E estarão os seus pés naquele dia sobre o monte das Oliveiras, que está defronte de Jerusalém para o oriente, e o monte das Oliveiras será fendido pelo meio, para o oriente e para o ocidente, e haverá um vale muito grande e metade do monte se removerá para o norte, ea outra metade dele para o sul. 5 E fugireis para o vale das montanhas para o vale dos montes chegará até Azal; sim, fugireis, como como vós fugiram de diante do terremoto nos dias de Uzias, rei de Judá: e o L ORD minha Deus vem, e todos os santos com ele. 6 E virá para passar naquele dia, que a luz não deve ser clara, nem escuro: 7 Mas será um dia que será conhecido do L ORD , nem dia nem noite, mas ela deve vir a passar , que na parte da tarde haverá luz.

 

providências de Deus a respeito de sua igreja estão aqui representados como estranhamente mudando e estranhamente mista.

 

  1. Como estranhamente mudando. Às vezes a maré corre alto e forte contra eles, mas actualmente verifica-se, e vem a ser a favor deles e Deus tem, para fins sábios e santos, defina a um defronte do outro.

 

  1. Deus aparece aqui contra Jerusalém julgamento começa na casa de Deus. Quando o dia do Senhor vem ( Zacarias 14: 1 ) Jerusalém deve passar pelo fogo para ser refinado. O próprio Deus reúne todas as nações a peleja contra Jerusalém ( Zacarias 14: 2 ), ele dá-lhes uma taxa, como ele fez Senaqueribe, para tomar o despojo e tomar a presa ( Isaías 10: 6 ), para o povo de Jerusalém tornaram-se agora as pessoas de sua ira. E quem pode resistir diante dele ou antes de nações reunidos por ele? Onde ele dá comissão que ele lhe dará sucesso. A cidade será tomada pelos romanos, que têm nações no comando as casas serão saqueadas, e todas as riquezas deles levados, pelo inimigo e, para satisfazer um desejo insaciável de impureza, bem como a avareza, as mulheres devem ser violadas, como se a vitória fosse uma licença para a pior das vilanias, sceleri datum jusque - e crimes foram sancionados pela lei. Metade da cidade será então levado para o cativeiro, para ser vendido ou escravizados, e não será capaz de ajudar a si mesmo, tal é a destruição que devem ser feitas no grande e terrível dia do Senhor.

 

  1. Atualmente, ele muda sua forma, e aparece para Jerusalém, para, embora o julgamento começar na casa de Deus, mas, como ele não deve terminar lá, por isso não deve fazer uma destruição final lá, Jeremiah 4: 27,30: 11 .

 

(1.) A remanescente é que será poupado, o mesmo com que terceira parte falado, Zacarias 13: 8 . A metade irá para o cativeiro, onde eles possam vir a ser buscado de volta, eo resto do povo não deve ser cortado off, como se poderia ter temido, . da cidade Muitos dos judeus deve receber o evangelho, e assim deve impedir que eles sejam cortados da cidade de Deus, a sua igreja na terra. Nela será um décimo, Isaías 6: 13 Ver Ezequiel 5: 3 .

 

(2.) A sua causa deve ser invocada contra os seus inimigos ( Zacarias 14: 3 ): Então, quando Deus fez uso dessas nações como um flagelo para o seu povo, ele deve ir adiante e lutar contra eles por seus juízos, como quando ele lutou contra os inimigos de sua igreja anteriormente no dia da batalha, com os egípcios, os cananeus, e outros. Nota: Os instrumentos da ira de Deus a si mesmos serão efetuados os objetos de que para isso virá a sua vez de beber o copo de tremor e que Deus luta contra ele vai ter a certeza de superar e ser muito difícil para. E cada ex- dia da batalha, que Deus fez ao seu povo um dia de triunfo, pois é um compromisso com Deus para aparecer para o seu povo, porque ele é o mesmo, por isso é um incentivo para que eles confiem nele. É perceptível que o império romano não floresceu, após a destruição de Jerusalém como tinha feito antes, mas em muitos casos, Deus lutou contra ela.

 

(3.) Embora Jerusalém e do templo ser destruído, mas Deus terá uma igreja no mundo, na qual os gentios serão admitidos, e com quem os judeus crentes devem ser incorporados, Zacarias 14: 4,5 . Estes versos são escura e difícil de ser compreendido, mas os mergulhadores bons expositores levar isso para ser o significado deles. [1] Deus irá inspeccionar cuidadosamente Jerusalém, até então, quando os inimigos de que estão colocando-o desperdício: estarão os seus pés naquele dia sobre o monte das Oliveiras, onde ele pode ter uma visão completa da cidade e do templo, Mark 13 : 3 . Quando o refinador coloca seu ouro na fornalha ele fica por ele e está de olho nele, para ver que ele não recebe nenhum dano por isso, quando Jerusalém, ouro de Deus, é para ser refinado, ele terá a supervisão do mesmo. Ele vai ficar por sobre o monte das Oliveiras este foi literalmente cumprida quando o nosso Senhor Jesus foi muitas vezes sobre esta montanha, especialmente quando daí, ele subiu ao céu, Atos 01:12 . Foi o último lugar em que seus pés estavam nesta terra, o lugar de onde ele tomou ascensão. [2] A partição-parede entre judeus e gentios será tirado. As montanhas ao redor de Jerusalém, e particularmente isso, significava que ele seja um gabinete, e que ficou no caminho daqueles que se aproximaria a ele. Entre os gentios e Jerusalém esta montanha de Bether, de divisão, de pé, Cântico dos Cânticos 2:17 . Mas, pela destruição de Jerusalém esta montanha-se-á fendido pelo meio, e por isso a pálida judaica devem ser tomadas para baixo, e a igreja colocou em comum com os gentios, que foram feitos um com os judeus pela quebra desta muro de separação, Efésios 2:14 . Quem és tu, ó grande monte? E uma grande montanha a lei cerimonial estava no caminho da conversão dos judeus, que, se poderia pensar, nunca poderia ter sido superou ainda antes de Cristo e seu evangelho foi feito simples. Esta montanha parte, esta colina remove, mas o pacto de paz não pode ser quebrado para a paz ainda está pregada ao que está longe, e para aqueles que estão próximo. [3] Um novo e vivo caminho deve ser aberto para a nova Jerusalém , tanto para vê-lo e entrar em-lo. A montanha a ser dividida, metade para o norte , ea outra metade para o sul, haverá um vale muito grande, isto é, uma ampla forma de comunicação aberta entre Jerusalém e o mundo gentio, pelo qual os gentios devem ter livre admissão no evangelho em Jerusalém, ea palavra do Senhor, que sai de Jerusalém, devem ter um curso livre no mundo Gentile. Assim, o caminho do Senhor é preparado, por todo monte e outeiro serão abatidos, e vales simples e agradáveis ​​virá no quarto deles, Isaías 40: 4 . [4] Aqueles dos judeus que acreditam entrarão, e juntar-se aos gentios, e incorporar com eles no evangelho-igreja: Você deve fugir para o vale das montanhas, que vale que se abre entre as metades divididas do Monte das Oliveiras, devem apressar para dentro da igreja com os gentios, como antigamente os gentios com eles, Zacarias 08:23 . O vale das montanhas é o evangelho da igreja, ao qual foram adicionados dos judeus diária , como devem ser guardados, que fugiram para aquele vale quanto ao seu refúgio. Isso vale das montanhas é dito que chegará até Azal, ou para o lugar separado, isto é, a todos aqueles a quem Deus separou para si. Quando Deus faz seus montes um caminho ( Isaías 49:11 ), fazendo-lhes uma vale, o caminho deve ser aberto a todos os homens se saindo maneira ( Isaías 35: 8 ), e, até mesmo os loucos, que . não devem errar nisso Ou, para aqueles que agora estão separados de Deus este vale se chegar para os gentios, que estão longe, deve ser feita perto, com os judeus, que são um povo que lhe, e ambos têm um acesso, um acesso mútuo entre si e um acesso conjunto a Deus como um Pai em um só Espírito, Efésios 2: 18 . [5.] Eles devem fugir para o vale das montanhas, ao evangelho da igreja, sob apreensões terríveis de seu perigo da maldição da lei. Eles devem fugir da ira vindoura, contra o vingador do sangue, que está em busca de-los, para a Igreja como para a cidade de refúgio, ou como as pombas para as suas janelas, como eles fugiram de diante do terremoto nos dias de Uzias, Amos 1: 1 . por isso o evangelho revela a ira de Deus do céu ( Romanos 1:18 ) para que possamos ser despertados para escapar de nossas vidas, a fugir a partir de um terremoto, por que sentimos a terra pronto para afundar sob nós, e podemos encontrar nenhuma base firme nele, e, portanto, deve fugir para Cristo, em quem só podemos ficar rápido e ser fácil.

 

(4.) Deus deve aparecer em sua glória para o cumprimento de tudo isto: O Senhor meu Deus virá, e todos os santos com ele, o que pode se referir a sua vinda para destruir Jerusalém, ou para destruir os inimigos de Jerusalém, ou sua vinda para estabelecer o seu reino no mundo, que é chamado a vinda do Filho do homem ( Mateus 24:37 ), ou à sua última vinda, no final do tempo, porém, ela nos ensina, [1] isso o Senhor virá-lo foi a fé de todos os santos, Eis que o Senhor vem para cumprir cada palavra que ele tem falado a seu tempo. [2] Quando ele vem todos os seus santos vêm com ele, assistir seus movimentos e está pronto para servir os seus interesses. Cristo virá no final do tempo com os seus milhares de santos, como quando ele veio para dar a lei no Monte Sinai. [3] Cada crente particular, estando relacionado a Deus como seu Deus, pode triunfar na expectativa da sua vinda e falar sobre isso com prazer, O Senhor meu Deus virá, virá para o conforto de todos os que estão a favor, "Bendito Senhor, todos os santos hão de ser contigo, e será a sua felicidade eterna para habitar na tua presença e, portanto, vem, Senhor Jesus. " E alguns pensam que isso pode ser lido como uma oração, No entanto, ó Senhor meu Deus! vir, e trazer todos os santos contigo.

 

  1. Providências de Deus apareça aqui estranhamente mista ( Zacarias 14: 6,7 ): Naquele dia do Senhor a luz não deve ser clara nem escura, nem dia nem noite , mas . No tempo da tarde haverá luz Alguns referem que isso o tempo todo daqui para a vinda do Messias a igreja judaica não tinha nem a paz perfeita, nem problemas constante, mas um dia nublado, nem chuva nem sol. Mas pode ser tomada de forma mais geral, como projetado para representar o método que Deus geralmente leva na administração do reino, tanto da providência e graça. Aqui está, 1. Uma ideia do curso habitual e tenour das dispensações de Deus no dia da sua graça e no dia de sua providência são claras nem escuro, nem dia nem noite. É assim com a igreja de Deus neste mundo onde Sol da justiça tem aumentado não pode ser noite escura, e ainda menos do que o céu não vai ser dia claro. É assim com santos particulares não são trevas, mas luz no Senhor, e, no entanto, enquanto há muito erro e corrupção permanecendo nelas, não é dia perfeito. Por isso, é quanto às providências de Deus que se relacionam com a sua igreja, em geral, os assuntos da igreja não são nem boas nem más em qualquer extremidade, mas há uma mistura de ambos estamos cantando tanto de misericórdia e julgamento, e é incerto que prevalecerá, quer se trate de uma noite ou um crepúsculo da manhã. Estamos entre a esperança eo medo, sem saber o que fazer com as coisas. 2. Uma insinuação de conforto com referência hereunto: . Ele será um dia que será conhecido ao Senhor Esta insinua, (1.) A beleza e harmonia de tais eventos mistos existe um e o mesmo design e tendência em todos tudo as rodas fazer, mas uma roda, todas as revoluções, mas um dia. (2.) A brevidade deles é, por assim dizer, mas por um dia, por um pequeno momento a nuvem que escurece a luz em breve acabe. (3.) O olho de Deus tem sobre todos estes acontecimentos, e a mão que ele tem em todos eles estão los a conhecer ao Senhor que ele toma conhecimento deles, e ordens e dispõe de tudo para o melhor, de acordo com o conselho da sua vontade . 3. Uma questão muito alegre assegurado por fim: Na noite em tempo haverá luz: haverá luz clara, e não mais escura temos a certeza de que no outro mundo, e esperamos por ele neste mundo - pelo noite de tempo, quando as nossas esperanças estão bastante gasto com esperando o dia todo sem propósito, ou melhor, quando tememos que ele vai ser muito escuro, quando as coisas estão no pior e no caso da igreja é mais deplorável. Quanto aos inimigos da igreja que o sol se ponha ao meio dia, assim a igreja se levanta durante a noite até as molas verticais a luz das trevas ( Salmo 112: 4 ) A libertação vem quando o conto de tijolos é dobrado, e quando o povo de Deus ter feito olhando para ele, e por isso vem com uma surpresa agradável.

 

versículos 8-15

Bênçãos prometidas aos Julgamentos Igreja ameaçada.    BC 500.

8 E será naquele dia, que águas vivas correrão de Jerusalém metade delas para o mar oriental, e metade delas para o mar ocidental: no verão e no inverno será. 9 E o L ORD será rei sobre toda a terra; naquele dia haverá um L ORD , e seu nome. 10 Toda a terra se converterá em planície, desde Geba até Rimom, ao sul de Jerusalém; ela será exaltada, e habitada no seu lugar, desde a porta de Benjamim até o lugar da primeira porta, até a porta da esquina, e desde a torre de Hananel até lagares do rei. 11 E os homens habitarão nela, e não haverá mais destruição absoluta, mas Jerusalém será habitada com segurança. 12 E esta será a praga com que o L ORD ferirá todos os povos que guerrearam contra Jerusalém Sua carne será consumida, estando eles de pé, com os olhos desfarão nas suas órbitas, ea língua se lhes apodrecerá na sua boca. 13 E há de ser que naquele dia, que uma grande perturbação do L ORD estará entre eles e pegará cada um na mão do seu próximo, e sua mão se levantará contra a mão do seu próximo. 14 E também Judá pelejará em Jerusalém, e as riquezas de todas as nações em redor serão reunidos, ouro e prata, e vestidos em grande abundância. 15 E assim será a praga dos cavalos, dos muares, dos camelos e dos jumentos e de todos os animais que estiverem nessas tendas, já que esta praga.

 

Aqui estão, I. bênçãos prometidas a Jerusalém, o evangelho em Jerusalém, no dia do Messias, e por toda a terra, em virtude de as bênçãos derramadas sobre Jerusalém, especialmente para a terra de Israel.

 

  1. Jerusalém será uma fonte de água viva para o mundo foi feito por isso, quando há o Espírito foi derramado sobre os apóstolos, e daí a palavra do Senhor difundiu-se às nações sobre ( Zacarias 14: 8 ): Águas Vivas sairá de Jerusalém para aí começaram, e daí os estabelecidos que estavam a pregar o arrependimento ea remissão dos pecados a todas as nações, Lucas 24:47 . Nota, onde o evangelho vai, e as graças do Espírito de Deus ir junto com ele, há águas vivas vão os fluxos que alegram a cidade do nosso Deus alegram o país também, e torná-lo como o paraíso, como o jardim do Senhor , que foi . bem regada era a honra de Jerusalém, que dali a palavra do Senhor saiu ( Isaías 2: 3 ) e, até agora, mesmo no seu pior e mais degenerado idade, para velho conhecido-sake, foi feita uma abençoando, e para ser assim é para ser abençoado. Metade dessas águas deve ir para o ex-mar e metade para o mar ocidental, como todos os rios dobrar seu curso em direção a algum mar ou outra, alguns para o leste, outros para o oeste. O evangelho deve se espalhar em todas as partes do mundo, em algum que se encontram longe de Jerusalém de uma maneira e outros que se encontram tão longe uma outra maneira para o domínio do Redentor, que foi, assim, a ser criado, deve ser de mar a mar ( Salmo 72: 8 ), e a terra deve estar cheia do conhecimento do Senhor, como as águas cobrem o mar, como as águas que, em vários canais correm para o mar. O conhecimento de Deus deve difundir-se: (1) todos os sentidos. Estas águas vivas produzir ambas as igrejas orientais e igrejas ocidentais, que deve cada um deles, por sua vez ser ilustre. (2.) Todos os dias: No . Verão e no inverno deve ser Note, aqueles que estão empregados na divulgação do evangelho podem encontrar-se trabalhar tanto de inverno e verão, e são para servir ao Senhor nele em todas as estações, Atos 20:18 . E um poder tão divino vai junto com essas águas vivas que eles não secarão, nem o curso deles ser obstruída, seja pelas secas no verão ou pelas geadas no inverno.

 

  1. O Reino de Deus entre os homens será um reino universal e unida, Zacarias 14: 9 . (1.) Será um reino universal: . O Senhor será rei sobre toda a terra Ele é, e sempre foi, por isso, de direita, e nas alienações de soberania de sua providência seu reino faz domínio sobre toda e nenhum são isentos de sua jurisdição, mas ele está aqui prometeu que será assim por posse real dos corações de seus assuntos que devem ser reconhecidos rei por todos em todos os lugares a sua autoridade devem ser propriedade e apresentadas e lealdade jurou ele. Este terá a sua realização com essa palavra ( Apocalipse 11:15 ), Os reinos do mundo vieram a ser os reinos de nosso Senhor e do seu Cristo. (2.) Será um reino unido: Haverá um só Senhor, e o seu nome. Todos devem adorar um Deus somente, e não ídolos, e deve ser unânime na adoração a ele. Todos os falsos deuses deve ser abandonado, e todas as falsas formas de culto abolido e como Deus deve ser o centro de sua unidade, em quem todas elas devem cumprir, de modo a escritura deve ser a regra de sua unidade, pela qual devem todos a pé.

 

  1. A terra da Judéia, e de Jerusalém, sua cidade-mãe, devem ser reparadas e reabastecido, e levado sob a proteção especial do Céu, Zacarias 14: 10,11 . Alguns pensam que isto denota favor particular ao povo dos judeus, e aponta para a sua conversão e restauração nos últimos dias, mas é bastante para ser entendido em sentido figurado do evangelho da igreja, tipificado por Judá e Jerusalém, e significa as graças abundantes com a qual a igreja deve ser coroado, ea fecundidade dos seus membros, e o grande número de-los. (1.) A igreja deve ser como um país fértil, abundante em todos os produtos ricos do solo. Toda a terra da Judéia, que é naturalmente irregular e montanhoso, será tornará em planície, que se torne um vale nível suave, desde Geba, ou Gibeá, a sua maior fronteira norte, para Rimon, que ficava ao sul de Jerusalém e foi o maior limite sul da Judéia. O evangelho de Cristo, onde ele vem em seu poder, os níveis das montanhas de terra e colinas são humilhados por ele, que só o Senhor pode ser exaltado. (2) Deve ser como uma cidade populosa. Como a terra santa deve ser nivelado, por isso a cidade santa deve ser povoado, será reconstruída e reabastecido. Jerusalém será levantada acima fora de seu baixo imobiliários, serão levantados fora de suas ruínas, quando a terra se transforma como uma planície, e não só o monte das Oliveiras removidos ( Zacarias 14: 4 ), mas outras montanhas também, então Jerusalém será levantada, isto é, aparecerá o mais visível, ela será habitada no seu lugar, mesmo em Jerusalém, Zacarias 12: 6 . Toda a cidade será habitada na maior extensão dela, e nenhuma parte dele saiu a deitar resíduos. Os limites máximos de que são aqui mencionados, entre os quais não haverá o terreno perdido, mas todas construídas em cima, a partir Benjamin's-gate Nordeste ao canto-gate Noroeste, e desde a torre de Hananel , no sul do lagares do rei do norte, quando as igrejas de Cristo em todos os lugares são reabastecidos com um grande número de santos, humildes, os cristãos sérios, e muitos desses são diariamente adicionado a ele, então esta promessa seja cumprida. (3.) Este país e esta cidade são igualmente seguros, tanto a carne no país e as bocas da cidade: Aqueles que habitam nela habitarão seguros, e não haverá quem os espante não haverá mais desse total destruição que fez cair os resíduos cidade e do campo, não mais um anátema (como alguns lê-lo), não mais cortar, mais maldição, ou separação de Deus para o mal, não mais esses julgamentos desoladores como você foram gemendo sob , mas Jerusalém será habitada com segurança não haverá perigo, nem qualquer apreensão do mesmo nem seus amigos ter medo de inquietar-se, nem seus inimigos formidáveis ​​para inquietar-los. Essa promessa de Cristo explica isso - que as portas do inferno não prevalecerão contra a igreja e assim fazer a segurança santo e serenidade de espírito que os crentes desfrutam na contando com a proteção divina.

 

  1. Aqui estão ameaçadas de sentenças contra os inimigos da igreja, que lutaram, ou que luta, contra Jerusalém e do risco destes julgamentos está em ordem para a preservação da igreja em segurança. Homens que lêem e ouvem destas pragas vão ter medo de lutar contra Jerusalém, muito mais quando essas ameaças são cumpridas em alguns vão ouvir os outros e medo. Aqueles que lutam contra a cidade de Deus, e ao seu povo, serão encontrados lutando contra Deus, contra quem ninguém jamais endureceu o seu coração e foi bem sucedido ( Zacarias 14:12 ): Esta será a praga com que o Senhor ferirá todos os povos que lutaram contra Jerusalém sejam eles quem forem, Deus vai castigá-los para a afronta feita a ele, e vingar Jerusalém sobre eles. 1. Devem definhar sob doenças graves e definhando: sua carne será consumida de distância, e eles serão miseravelmente magro, mesmo enquanto eles estão em seus pés, de modo que eles serão andando esqueletos nada deve permanecer, mas pele e ossos. A carne, que mimado e se entregava, e fez provisão para, quando eles foram alimentados ao máximo com os despojos do povo de Deus, passa a consumir de distância, que não pode ser visto, e os ossos que não eram vistos deve ficar fora, Job 33:21 . Eles manter os pés, e espero poder manter o seu chão, rastejando sobre o tempo que eles podem, mas eles devem produzir no último. Os órgãos da visão, as saídas do pecado, seus olhos, desfarão em seus buracos, deve afundar em suas cabeças ou talvez começar fora deles seus olhos adúlteras maliciosos invejosos, os olhos tinham tantas vezes alimentados com espetáculos de miséria, estas devem consumir, o que fará não só os seus semblantes medonho, mas suas vidas miseráveis. Os órgãos da fala, as saídas do pecado, sua língua, desfarão em sua boca, pela qual Deus vai contar com eles para todas as suas blasfêmias contra si mesmo e invectivas contra o seu povo. Assim suas próprias línguas cairá sobre eles, e sua punição deve ser legível em seu pecado, como sua era cuja língua era atormentado no inferno de chamas. Assim, Antíoco e Herodes consumido distância. 2. Devem ser despedaçada uns contra os outros ( Zacarias 14:13 ): Uma grande perturbação do Senhor entre eles. Mas são tumultos do Senhor, que é o Deus de ordem, e não de confusão? Como eles são o pecado daqueles que lhes levantar eles não são do Senhor, mas a partir do maligno, e das próprias concupiscências dos homens, mas, como eles são a punição daqueles que sofrem por eles, eles são do Senhor, que serve a própria propósitos, e carrega em suas intenções, pelos pecados, e loucuras, e espíritos inquietos, dos homens. É de si que morder e devorar um ao outro, mas é do Senhor, justo juiz, que, assim, eles são consumidos uns dos outros ( Gálatas 5:15 ) como Acabe foi enganado por um espírito de mentira da parte do Senhor, de modo Abimeleque e os cidadãos de Siquém foram divididos, e assim destruídos, por um espírito maligno da parte do Senhor, juízes 9:23 . Nota, Aqueles que são confederado e combinados contra a igreja vai ser justamente separadas, e definir um contra o outro e seus tumultos levantada contra Deus será vingado nos tumultos entre si. E eles devem lançar mão cada um na mão do seu próximo, para segurá-lo de fazer greve, ou para prendê-lo como seu prisioneiro ou melhor, sua mão se levantará contra a mão do seu próximo, à greve e feri-lo. Nota, aquelas que visam destruir a igreja muitas vezes são feitas para destruir um ao outro e espada de cada um às vezes é definido contra o outro, por ele cuja espada todos eles são. Alguns pensam que isto foi cumprido nas facções e dissensões que estavam entre os judeus, quando os romanos eles estavam destruindo tudo por que tinham lutado contra a Jerusalém espiritual, o evangelho da igreja e que bem o suficiente concorda Zacarias 14:14 , também tu, ó Judá! ás luta contra Jerusalém a nação judaica deve ser arruinada por si só, morrerá por suas próprias mãos a cidade eo país deve estar em guerra uns com os outros, e assim ambos serão destruídos. Suis et ipsa Roma viribus ruit - Roma foi instado a ruína por sua própria força. 3. A pilhagem de seu acampamento deve enriquecer grandemente o povo de Deus, ou os despojos de seu país ( Zacarias 14:14 ): também Judá comer em Jerusalém (para que se aprendeu intérprete lê-lo) as pessoas virão de todas as partes a participar na rapina, como quando o exército de Senaqueribe foi encaminhado diante de Jerusalém havia a presa de abundantes despojos se repartirá ( Isaías 33:23 ), assim será agora a riqueza de todos os gentios em redor, que tinha estragado Jerusalém, será reunido, ouro e prata, e vestidos em grande abundância, que um dividendo igual podem ser feitas entre todas as partes têm direito a uma parte do prémio. Nota, a riqueza do pecador é muitas vezes reservada para o justo, e o Israel de Deus enriquecido com os despojos dos egípcios. 4. Os próprios bovinos deverão contribuir para a praga com que os inimigos da igreja de Deus será cortado, como fizeram em mergulhadores das pragas do Egito ( Zacarias 14:15 ): Todos os animais que serão nas tendas destes homens ímpios, quando Deus vem de lidar com eles, perecerão com eles, não só Bestas usado na guerra, como o cavalo, mas os utilizados para viagens ou no arado, como a mula, o camelo, ea bunda. Nota , as criaturas inferiores muitas vezes sofrem pelo pecado do homem e nas suas pragas. Assim, Deus vai mostrar a sua indignação contra o pecado, e fará com que a criatura que é, portanto, sujeita à vaidade gemido a ser entregue para a liberdade da glória dos filhos de Deus, Romanos 8: 21,22 .

 

versículos 16-21

Previsões ameaças e promessas perspectivas animadoras evangélica.   BC 500.

16 E ela deve vir a passar, que todos os que restarem de todas as nações que vieram contra Jerusalém, subirão de ano em ano para adorar o Rei, o L ORD dos exércitos, e para celebrarem a festa dos tabernáculos. 17 E será que, de que aquele que não vai vir para cima de todas as famílias da terra a Jerusalém para adorar o Rei, o L ORD dos exércitos, não cairá sobre ela a chuva. 18 E, se a família do Egito não subir, e não vir, que têm nenhuma chuva não será a praga, com o qual o L ORD ferirá as nações que não subirem a celebrar a festa dos tabernáculos. 19 Esse será o castigo do Egito, eo castigo de todas as nações que não subirem a celebrar a festa dos tabernáculos. 20 Naquele dia se gravará sobre as campainhas dos cavalos: SANTIDADE AO SENHOR e as panelas na L ORD house 's serão como as bacias diante do altar. 21Yea, todas as panelas em Jerusalém e Judá serão consagradas ao L ORD dos exércitos; e todos os que sacrificarem virão, e delas tomarão, e faze ali; e naquele dia não haverá mais cananeu na casa do o L ORD dos exércitos.

 

Três coisas são aqui anunciado: -

 

  1. Que um evangelho vias de adoração a ser criada na igreja não deve ser um grande recurso para ele e um atendimento geral em cima dele. Aqueles que foram deixados dos inimigos da religião deve ser tão sensível da misericórdia de Deus para eles em sua fuga estreito que devem aplicar-se à adoração do Deus de Israel, e pagar a sua homenagem a ele, Zacarias 14:16 . Aqueles que não foram consumidos serão convertidos, e isso torna sua libertação misericórdia, na verdade, um duplo misericórdia. É uma grande mudança que a graça de Deus faz sobre eles aqueles que tinham vindo contra Jerusalém, encontrando suas tentativas vãs e infrutíferas, deve tornar-se tanto seus admiradores que nunca tinham sido seus adversários, e deve vir a Jerusalém para ali adorar, e ir em concordância com aqueles a quem eles tinham ido ao contrário do. Note-se, como alguns dos inimigos de Cristo deve ser feita escabelo de seus pés, de modo que outros deles será feito seus amigos e, quando o princípio de inimizade é morto neles, seus antigos atos de hostilidade são perdoados a eles, e os seus serviços são admitidos e aceito, como se nunca tivessem lutado contra Jerusalém. eles devem ir para o culto em Jerusalém, porque esse era o lugar que Deus tinha escolhido, e não o templo era, que era um tipo de Cristo e sua mediação. Convertendo graça nos define direita, 1. No objeto de nossa adoração. Eles devem deixar de adorar os Molochs e Baal, os reis e senhores, que os gentios adoração, as criaturas de sua própria imaginação, mas o Rei, o Senhor dos Exércitos , o Rei eterno, o Rei dos reis, o Senhor soberano de todos. 2. Nas ordenanças de culto, aquelas que o próprio Deus designou. Evangelho culto está aqui representado pela manutenção da festa dos tabernáculos, por causa desses dois grandes graças que estavam em uma maneira especial agiram e significados em que festa-desprezo do mundo, e alegria em Deus, Neemias 08:17 . A vida de um bom cristão é uma constante festa dos tabernáculos, e, em todos os atos de devoção, devemos retirar do mundo e alegrai-vos no Senhor, o adorem como na festa. 3. Na Mediador da nossa adoração é preciso ir a Cristo, nosso templo com todas as nossas ofertas, pois nele única nossos sacrifícios espirituais são aceitáveis ​​a Deus, 1 Pedro 2: 5 . Se nós descansar em nós mesmos, chegamos curta de agradar a Deus, devemos ir até ele, e mencionar apenas a sua justiça. 4. No tempo de que temos de ser constante. Eles subirão de ano para ano, nos horários designados para esta festa solene. Todos os dias da vida de um cristão é um dia da festa dos tabernáculos, e cada dia do Senhor, especialmente (que é o grande dia da festa ) e, portanto, todos os dias devemos adorar o Senhor dos Exércitos e cada dia do Senhor, com uma solenidade peculiar.

 

  1. Que aqueles que negligenciam os deveres do evangelho culto será contado por sua negligência. Deus vai obrigá-los a vir e se prostrarão diante dele, suspendendo seus favores daqueles que não mantém seus preceitos: Sobre eles não haverá chuva, Zacarias 14:17 . Alguns entendem que figurativamente a chuva da doutrina celeste serão retidos, e da graça celestial, que deve acompanhar essa doutrina. Deus vai comandar as nuvens que não derramem chuva sobre eles. Nota: É uma coisa justo diante de Deus a reter as bênçãos da graça daqueles que não freqüentam os meios da graça, para negar os pastos verdes para os que não a frequentam tendas dos pastores. Ou podemos levá-la literalmente: Neles não haverá chuva, para fazer o seu terreno fértil. Nota, os dons da providência comum são justamente negado àqueles que a negligência e desprezar ordenanças instituídas. Aqueles que esqueceram de construir o templo foram punidos com a falta de chuva ( Ageu 2:17 ), e assim foram os que de dispensar lá quando ela foi construída. Se é estéril e infrutífera para com Deus, com justiça é a terra feita de modo a nós. Muitos são cruzadas, e ir para trás, em seus assuntos, e esta é a parte inferior do mesmo - eles não mantêm perto da adoração a Deus como eles devem ir para fora da parte de Deus, e, em seguida, ele caminha contrário a eles. Se omitir ou adiar as funções que ele espera de nós, é apenas com ele para negar os favores que esperamos dele. Mas o que deve ser feito para os infractores da terra do Egito, a quem o risco da falta de chuva não é ameaçador, pois eles não têm chuva a qualquer momento eles precisam de nenhum eles desejam nenhum rio Nilo é para eles em vez do nuvens do céu, waters sua terra, e faz frutificar, de modo que o que é um castigo para os outros não é nada para eles? Zacarias 14: 18,19 . Ameaçou-se que , se a família do Egito não subir, que não têm nenhuma chuva, no entanto, Deus vai descobrir uma maneira de se encontrar com eles, pois não será, com efeito, a mesma praga com que outras nações estão feridos por sua negligência. Deus pode, e muitas vezes fez, conter o transbordamento do rio, que foi equivalente ao fechar acima das nuvens ou se o rio fez a sua parte, e subiu tão alto como costumava fazer, Deus tinha outros meios de trazer fome sobre -los e destruir os frutos do seu solo, como ele fez por vários dos dez pragas do Egito, para que esta (isto é, o mesmo) será o castigo do Egito , que é a punição de outras nações que não subirem a celebrar a festa dos tabernáculos. Note, Aqueles que se acham menos em dívida com, e dependendo, à mercê do céu, não pode , portanto, pensar-se protegida contra a justiça do céu. Daí não se segue que aqueles que podem viver sem chuva, portanto, pode viver sem Deus, não só para os céus, mas todas as outras criaturas, são de que para nós que Deus faz que eles sejam, e sem mais nem podem caminho de qualquer homem de vida capacitá-lo para definir a luz pelos juízos de Deus. Este será o castigo --margin, este será o castigo do Egito, e o pecado de todas as nações, que não subirem a celebrar a festa dos tabernáculos. A mesma palavra significa tanto o pecado eo castigo do pecado, tão perto e inseparável é a conexão entre eles (como Genesis 4: 7 ), eo pecado é muitas vezes a sua própria punição. Note-se, omissões são pecados, e nós temos de entrar em juízo para eles aqueles culpa contrato que não ir para o culto nos tempos determinados, como eles têm oportunidade e é um pecado que é a sua própria punição, para aqueles que abandonam a desistência dever o privilégio de comunhão com Deus.

 

III. Que aqueles que desempenhará as funções de gospel adoração terá graça para adornar sua profissão, os deveres de um evangelho da conversa também. Este é prometido ( Zacarias 14: 20,21 ), e é necessário para a conclusão da beleza e da felicidade da igreja. Em geral, tudo será santidade ao Senhor.

 

  1. O nome eo caráter de santidade não devem ser confinados como antigamente. Santidade ao Senhor tinham sido escritos somente sobre a testa do sumo sacerdote, mas agora ele não deve ser tão apropriado. Todos os cristãos devem ser vivendo templos, e sacerdotes espirituais, dedicado à honra de Deus e empregados em seu serviço.

 

  1. santidade real será mais difusa do que tinha sido, porque não haverá meios mais potentes de santificação, mais regras excelentes, argumentos mais convincentes e padrões brilhantes da santidade, e porque haverá um derrame mais abundante do Espírito de santidade e santificação, depois da ascensão de Cristo do que nunca.

 

(1) Não haverá santidade introduzido em coisas comuns e essas coisas devem ser dedicado a Deus, que parecia muito estranho. [1] A mobília de seus cavalos serão consagrados a Deus. " Após as campainhas dos cavalos será gravado Santidade ao Senhor, ou sobre as rédeas dos cavalos (de modo que a margem) ou as armadilhas. Os cavalos utilizados na guerra não será mais usado contra Deus e seu povo, como eles têm sido, mas para ele e para eles. Mesmo suas guerras será guerras santas, suas tropas que servem sob a bandeira de Deus. seus grandes homens, que montam no estado com uma comitiva pomposo, fará a conta que seu maior ornamento para honrar a Deus com suas honras. Santidade ao Senhor deve ser escrito no chicote de suas carruagens-cavalos, como grandes homens têm, por vezes, o seu brasão de armas com o seu lema pintados em seus treinadores todos os cavalheiros devem tomar lema do sumo sacerdote para a sua, e glória na mesma, e torná-lo uma lembrança para si mesmo que não fazer qualquer coisa indigna dela. os viajantes devem tê-lo em seus freios, com a qual eles guiam seus cavalos, como aqueles que desejam ser sempre colocar em mente de que, por tê-lo continuamente diante deles, e orientar-se em todos os seus movimentos por esta regra. as campainhas dos cavalos, que são projetados para acelerar-los em sua jornada e para dar aviso de sua abordagem, terá Santidade ao Senhor sobre eles ", para significar que isto é o que devemos ser influenciados por nós mesmos, e tornar a profissão de para os outros, onde quer que vamos. [2] A mobília de suas casas também devem ser consagrados a Deus, para ser empregado em seu serviço. Em primeiro lugar, O mobiliário das casas dos sacerdotes, ou apartamentos adjacente à casa do Senhor. As taças comuns que eles utilizados devem ser como as bacias diante do altar, que foram usados ​​tanto para receber o sangue dos sacrifícios ou para apresentar o vinho eo azeite em que fosse para as libações. Os recipientes que utilizaram para consumo próprios quadros devem ser utilizados de uma forma tão religioso, com tanta sobriedade e temperança, tais dedicação para a glória de Deus, e essa mistura de pensamentos e expressões piedosas, que as suas refeições deve olhar como sacrifícios que devem comer e beber, para não si mesmos, mas para aquele que se espalha suas mesas e enche os copos. E assim, nas famílias dos ministros especialmente, devem acções comuns ser feito depois de um modo digno de Deus, no entanto eles são feitos em outras famílias. Em segundo lugar, Os móveis de outras casas, os das pessoas comuns: " todas as panelas em Jerusalém e em Judá será consagrado ao Senhor. os potes em que ferver a carne, os copos dos quais eles bebem seu vinho ( Jeremias 35: 5 ), em boas criaturas estes de Deus nunca deve ser abusadas em excesso, nem que fez a comida e combustível de luxúria que deve ser óleo para as rodas da obediência ", como tinha sido anteriormente, quando todas as mesas estavam cheias de vômitos e imundícia, Isaías 28: 8 . "O que eles comer e beber fora de estas devem nutrir seus corpos para o serviço de Deus e, destes, devem dar liberalmente para o alívio dos pobres", em seguida, são santidade ao Senhor, como a mercadoria eo aluguer do convertida Tyrians estão a ser dito ( Isaías 23:18 ), tanto em nossas gettings e nos nossos gastos devemos ter um olho com a vontade de Deus como nossa regra e a glória de Deus como nosso fim. em terceiro lugar, quando haverá uma tal abundância de verdadeira santidade das pessoas não deve ser agradável e curioso sobre a santidade cerimonial: " Aqueles que sacrificarem virão e tirar desses vasos comuns, e faze seus sacrifícios nele, não fazendo distinção entre eles e as bacias diante do altar. " No Evangelho vezes os verdadeiros adoradores adorarão a Deus em espírito e em verdade, e nem neste monte nem em Jerusalém, João 4:21 . Um lugar que deve ser o mais aceitável a Deus como outro ( Quero que os homens orem em todo lugar ) e um navio deve ser tão aceitável quanto o outro. Pouco será tida em conta para a circunstância, desde que não seja indecente nada ou desordenada, enquanto que a substância é religiosamente preservada e respeitada. Alguns pensam que sugere que deve haver um maior número de sacrifícios oferecidos do que os vasos do santuário serviria para, mas, ao invés de qualquer deve ser ligado novamente ou diferida, eles não fará nenhuma dificuldade em tudo do uso de vasos comuns, como os levitas nas caso de necessidade ajudaram os padres de matar os sacrifícios, 2 Crônicas 29:34 .

 

(2) Não haverá falta de santidade introduzidas em suas coisas sagradas, para corrompê-los: . Naquele dia não haverá mais cananeu na casa do Senhor dos exércitos Alguns lê-lo, Não haverá mais o comerciante, por tanto um cananeu, por vezes, significa e eles acham que foi cumprida quando Cristo, uma vez e outra vez levou os compradores e vendedores para fora do templo. Ou que aqueles que estavam cananeus, estranhos e estrangeiros, será trazido para a casa do Senhor, mas eles deixam de ser cananeus terão nada do espírito ou disposição de cananeus neles. Ou ele dá a entender que embora na evangelho vezes as pessoas devem crescer indiferente ao vasos sagrados, mas eles devem ser muito rigorosos na igreja-disciplina, e cuidado para não admitir o profano para ordenanças especiais, mas para separar entre o precioso e vil, entre israelitas e cananeus. No entanto, este não terá sua curta plena realização da Jerusalém celeste, que casa do Senhor dos exércitos, no qual nada impuro entra para no final do tempo, e não antes, Cristo colherão do seu reino tudo o que ofende, e do joio e do trigo devem ser perfeitamente e eternamente separados.

 

 

 

 

 SUBSIDIO (2) ADULTOS A VINDA DE JESUS EM

       GLORIA APOC.19.11-21     (LIÇÃO N.9)

verso 11

E vi o céu aberto - Ele viu uma nova visão, como se uma abertura foram feitas através do céu, e ele foi autorizado a olhar para o céu. Veja as notas em Apocalipse 4: 1 .

 

E eis um cavalo branco - sobre o cavalo branco como um símbolo, veja as notas na Apocalipse 6: 2 . Ele está aqui o símbolo da vitória final que será obtida sobre a besta eo falso profeta Apocalipse 19:20 , e do triunfo final da igreja.

 

E o que estava assentado sobre ele chama-se Fiel e Verdadeiro - Ele não está aqui designado por seu nome usual e real, mas por seus atributos. Não pode haver dúvida de que o Messias se destina, como ele sai para a subjugação do mundo a si próprio. Os atributos aqui referidos - fiéis e verdadeiras - são especialmente apropriadas, pois não são apenas atributos fortemente marcadas de seu caráter, mas eles seriam particularmente manifesta nos eventos que são descritos. Ele teria, assim, mostrar que ele era fiel - ou digno da confiança de sua igreja em entregá-lo de todos os seus inimigos; e fiel a todas as promessas que ele fez a ela.

 

E em justiça julga - Todos os seus atos de julgamento na determinação do destino das pessoas são justos. Veja as notas em Isaías 11: 3-5 .

 

E fazer a guerra - Ou seja, a guerra que ele trava não é uma guerra de ambição; não é para o mero propósito de conquista; é para salvar os justos, e para punir os ímpios.

 

verso 12

Seus olhos eram como chama de fogo - Veja as notas em Apocalipse 01:14 .

 

E sobre a sua cabeça havia muitas coroas - Muitos diademas, indicativos do seu reinado universal. Não é dito como estes foram usados ​​ou organizados em sua cabeça - talvez os vários diademas usadas pelos reis eram, de alguma forma envolta em um.

 

E ele tinha um nome escrito - Ou seja, provavelmente na frontlet deste composto diadema. Compare as notas em Apocalipse 13: 1 ; Apocalipse 14: 1 .

 

Que ninguém sabia senão ele mesmo - Veja as notas em Apocalipse 2:17 . Isso não pode aqui significa que ninguém poderia ler o nome, mas a idéia é, que ninguém além de si mesmo poderia compreender plenamente a sua importação. Tratava-se de uma profundidade de significado, e um grau de santidade, e uma relação com o Pai, que só ele poderia apreender em sua verdadeira importância. Isto é verdade para o nome aqui designada - "a Palavra de Deus" - o "Logos" - Λόγος Logosand é verdade de todos os nomes que ele carrega. Veja Mateus 11:27 . Comparar uma citação do Dr. Buchanan na asiático Pesquisas, vol. 1, vi. p. 264, citado por Rosenmuller, Morgenland, in loco.

 

verso 13

E ele estava vestido com um manto tinto de sangue - Red, como se salpicada de sangue - emblema do abate. O original desta imagem é provavelmente Isaías 63: 2-3 . Veja as notas sobre essa passagem.

 

E seu nome é chamado A Palavra de Deus - O nome que, em Apocalipse 19:12 , diz-se que ninguém sabia senão ele mesmo. Este nome é Ὁ λόγος τοῦ Θεοῦ Ho logos tou Theouor Ou seja, este é o seu nome original "o Logos de Deus."; um nome que pertence somente a ele, e que o distingue de todos os outros seres. O nome "Logos", como aplicável ao Filho de Deus, e expressiva de sua natureza, é encontrada no Novo Testamento apenas nos escritos de John, e é usado por ele para denotar a natureza superior ou divino do Salvador. No que diz respeito ao seu significado, ea razão pela qual ela é aplicada a ele, veja as notas na João 1: 1 . O leitor também pode consultar, com grande vantagem, um artigo do Prof. Stuart na Bibliotheca Sacra, vol. vii. pp. 16-31. O seguinte pode ser algumas das razões por que se diz Apocalipse 19:12 que ninguém entende isso, mas ele mesmo:

 

(1) Não um, mas ele pode entender o seu pleno de importação, uma vez que implica tão alto conhecimento da natureza da Divindade;

 

(2) ninguém, mas ele pode entender a relação que se supõe em relação a Deus, ou a relação do Filho com o Pai;

 

(3) ninguém, mas ele pode entender o que está implícito nele, considerado como o método em que Deus se revela a suas criaturas na terra;

 

(4) ninguém, mas ele pode entender o que está implícito nele no que diz respeito à maneira pela qual Deus se dá a conhecer a outros mundos.

 

Pode-se acrescentar, como mais uma ilustração deste, que nenhuma das tentativas feitas para explicá-lo não deixaram o assunto de modo que não há questões não resolvidas que seria um prazer em perguntar.

 

verso 14

E os exércitos que estão no céu o seguiam - As hostes celestiais; particularmente, ao que parece, os remidos, como haveria alguma incongruência na representação dos anjos como andar dessa maneira. Sem dúvida, o original da imagem é Isaías 63: 3 ; "Eu pisei no lagar sozinho, e dos povos não havia nenhum comigo". Estas máquinas dos remidos em cavalos brancos acompanhá-lo a ser testemunhas de sua vitória, e para participar da alegria do triunfo, não engajar no trabalho de sangue.

 

Em cavalos brancos - Emblemas de triunfo ou vitória. Veja as notas em Apocalipse 6: 2 .

 

Vestidos de linho fino, branco e puro - A vestimenta habitual daqueles que estão no céu, como em todos os lugares representados neste livro. Veja Apocalipse 3: 4-5 ; Apocalipse 4: 4 ; Apocalipse 7: 9 , Apocalipse 7:13 ; Apocalipse 15: 6 .

 

verso 15

E da sua boca saía uma espada afiada - Veja as notas em Apocalipse 01:16 . Naquele lugar a espada parece ser um emblema de suas palavras ou doutrinas, como penetrar o coração das pessoas; aqui está o emblema de uma obra de destruição trabalhou em seus inimigos.

 

Que, com ela ferir as nações - As nações que se opunham a ele; a saber, sobretudo aqueles que foram representados pela besta eo falso profeta, Apocalipse 19: 18-20 .

 

E ele as regerá com vara de ferro - Veja as notas em Apocalipse 2:27 ; Apocalipse 12: 5 .

 

E ele pisa o lagar do furor da ira do Deus Todo-Poderoso - Esta linguagem é provavelmente derivado de Isaías 63: 1-4 . Vê-lo explicado nas notas sobre esse lugar, e em Apocalipse 14: 19-20 . Isso significa aqui que os seus inimigos seriam certamente esmagado antes dele - como as uvas são esmagadas sob os pés do que pisa no lagar.

 

verso 16

E ele tem em seu manto - Ou seja, este nome foi visivelmente escrito em sua roupa - provavelmente sua túnica militar.

 

E na sua coxa - O manto ou capa militar pode ser concebida como aberto e fluindo, de modo a expor os membros do piloto; ea ideia é que o nome foi visivelmente escrita não só na veste de fluxo, mas nas outras partes de seu vestido, de modo que devem ser bem visíveis se a sua capa militar foram embalados estreitamente em torno dele, ou se ele foi aberto ao brisa. Grotius supõe que este nome era na borda ou no punho da espada que dependia de sua coxa.

 

Um nome escrito - Ou um título descritivo do seu personagem.

 

Rei dos reis e Senhor dos senhores - Como em Apocalipse 17: 5 , por isso aqui, não há nada no original para indicar que esta deve ser distinto, como é, por letras maiúsculas. Como um título evidente, no entanto, não é descabido. Isso significa que ele é, na verdade, o soberano sobre os reis da terra, e que todos os nobres e os oficiais estão sob seu controle - um posto que pertence propriamente ao Filho de Deus. Compare as notas em Efésios 1: 20-22 . Veja também Apocalipse 19:12 deste capítulo. O costume aqui aludida de inscrever o nome ou categoria de pessoas de destaque em suas vestes, para que eles possam ser facilmente reconhecido, não era incomum nos tempos antigos. Para a prova completa deste, consulte Rosenmuller, Morgenland, vol. III. pp. 232-236. As autoridades citadas existem, os cursos de Thevenot, vol. ip 149; Gruter, p. 989; De Dempster Etruria Regalis, t. II. guia. 93; Montfaucon, Antiq. Expliq. t. III. guia. 39. Assim Heródoto (vol. II. P. 196), falando das figuras de Sesostris em Ionia, diz que, "sobre o peito, de ombro a ombro, há uma inscrição em caracteres sagrados do Egito,

 

verso 17

E vi um anjo em pé no sol - Um anjo diferente, evidentemente, da que tinha antes de lhe apareceu. O número de anjos que apareceram a João, tal como referido neste livro, era muito grande, e cada um entrou em uma nova missão, ou com uma nova mensagem. Todos devem ser atingido com a imagem aqui. A descrição é tão simples como pode ser; e ainda tão sublime. As menor número de palavras possíveis são utilizados; e ainda assim a imagem é nítida e clara. Um ser celestial está no incêndio dos mais brilhantes dos orbes que Deus nos permite aqui para ver - ainda não consumidos, e ele próprio tão brilhante que ele pode ser claramente visto no meio dos esplendores deslumbrantes de que luminária. É difícil conceber uma imagem mais sublime do que isso. Por que ele tem o seu lugar ao sol não é indicado, pois não parece ser nada mais do pretendido por isso do que para dar grandeza e imponência à cena.

 

E clamou com grande voz - para que todas as aves do céu podia ouvir.

 

Dizendo a todas as aves que voavam pelo meio do céu - Ou seja, a todas as aves de rapina - tudo o que se alimentam de carne - como a pairar sobre um campo de batalha. Compare as notas em Isaías 18: 6; Isaías 56: 9. Veja também Jeremias 07:33; Jeremias 12: 9; Ezequiel 39: 4-20 .

 

Venha e ajuntai-vos - Tudo isto imagens são tomadas a partir da idéia de que haveria uma grande matança, e que os corpos dos mortos seriam deixados insepultos às aves de rapina.

 

À ceia do grande Deus - Como se o grande Deus estava prestes a dar-lhe uma festa - a saber, as carcaças de que foram mortos. É chamado de "seu jantar", porque ele dá-la; ea imagem é meramente que haveria uma grande matança de seus inimigos, como é especificado no verso seguinte.

 

verso 18

Para que comais a carne dos reis - Dos reis sob o controle da besta eo falso profeta, Revelação 16:14 ; Apocalipse 17: 12-14 .

 

E a carne dos capitães - Daqueles subordinado a reis no comando. A palavra grega é χιλιάρχων chiliarchōn- "chiliarchs" - denotando capitães de mil, ou, como diríamos, os comandantes de um regimento. A palavra "coronel" seria melhor transmitir a idéia com a gente; como ele é o comandante de um regimento, e um regimento geralmente é composto por cerca de mil pessoas.

 

E a carne dos fortes - A palavra aqui significa "forte", e a referência é a soldadesca robusta - fileiras do exército.

 

E a carne dos cavalos e dos que se sentar sobre eles - Cavalaria - para a maioria dos exércitos são compostas em parte de cavaleiros.

 

E a carne de todos os homens, livres e servos - homens livres e escravos. Não é incomum que homens livres e escravos são misturados no mesmo exército. Este foi o caso na Revolução Americana, e é comum no Oriente.

 

Pequenos e grandes - Jovens e idosos; de tamanho pequeno e de grande porte; de os humildes, e as de elevada posição. Os exércitos posteriores de Napoleão foram compostas em grande parte dos recrutas, muitos dos quais eram apenas cerca de 18 anos de idade, e esta circunstância muitas de suas derrotas posteriores devem ser rastreados. No exército que foi levantada após a invasão da Rússia não menos do que 150 mil dos recrutas foram entre dezoito e dezenove anos de idade (História da Europa de Alison, vol. 4, p. 27). De fato, é comum na maioria dos exércitos que uma parte considerável das inscrições são daqueles no início da vida; e, além disso, é usual empregar meros meninos em vários serviços de cerca de um acampamento.

 

verso 19

E vi a besta - notas sobre Apocalipse 13: 1 , Apocalipse 13:11 . Compare Apocalipse 17:13 .

 

E os reis da terra, e os seus exércitos reunidos - Há alusão aqui para a mesma montagem de forças hostis que é descrito em Apocalipse 16: 13-14 , para a grande batalha decisiva que é determinar o destino do mundo - a questão de saber se o Messias ou o anticristo reinar. Não pode haver dúvida de que o escritor nessas passagens projetados para se referir aos mesmos eventos - os ainda futuros cenas que estão a ocorrer quando o romano, o pagão, e os poderes Muhammedan deve ser despertado para fazer causa comum contra a religião verdadeira, e deve participação de todos na questão do grande conflito. Veja as notas em Apocalipse 16: 13-14 .

 

Contra ele que estava montado no cavalo - O Messias - o Filho de Deus. notas sobre Apocalipse 19:11 .

 

E contra o seu exército - Os anfitriões que estão associados com ele - o seu povo redimido. Veja as notas em Apocalipse 19:14 .

 

verso 20

E a besta foi presa - que é, foi levado vivo, a ser lançado no lago de fogo. Os anfitriões foram mortos Apocalipse 19:21 , mas os líderes foram feitos prisioneiros de guerra. A idéia geral é que esses exércitos foram superados, e que o Messias foi vitorioso; mas há uma adequação na representação aqui que os líderes - os autores da guerra deve ser levado cativo, e reservada para a punição mais severa do que a morte no campo de batalha seria - pois tinham incitado os seus hospedeiros, e convocou esses exércitos para fazer rebelião contra o Messias. A besta aqui, como o tempo todo, se refere ao poder papal; e a ideia é a de sua derrubada completa e absoluta, como se o líder de um exército foram levados cativos e atormentado em chamas ardentes, e todos os seus seguidores foram cortadas no campo de batalha.

 

E com ela o falso profeta - Como haviam sido praticamente associada juntos, havia uma propriedade que eles devem compartilhar o mesmo destino. Em relação ao falso profeta, ea natureza dessa aliança, veja as notas na Apocalipse 16:13 .

 

Que os milagres operados antes dele - isto é, o falso profeta tinha sido unido com a besta em enganar as nações da terra. Veja as notas na Revelação 16:14 .

 

Com que enganou os que receberam o sinal da besta - notas em Apocalipse 13: 16-18 . Por estas artes que tinham sido enganados - ou seja, eles tinham sido levados para a aliança, e que tinha sido sustentada em sua oposição à verdade. Toda a representação é a de uma aliança para impedir a propagação da verdadeira religião, como se o papado e Mohammedanism foram combinados, e aquele foi sustentado pelos milagres pretensas do outro. Haveria uma matriz prática contra o reino do Filho de Deus, como se essas grandes potências devem agir em conjunto, e como se os pedidos especiais que cada conjunto em nome da sua própria origem divina tornou-se uma reivindicação que foi para apoiar o toda a organização combinada.

 

Estes dois foram lançados vivos no lago de fogo - A besta e o falso profeta. Ou seja, a derrubada será como sinal e a destruição tão completa, como se os líderes dos exércitos combinados deve ser tomado vivo, e jogado em um poço ou lago que arde com um calor intenso. Não há necessidade de supor que isso é para ser literalmente infligido - para toda a cena é simbólica - o que significa que a destruição desses poderes seria tão completa como se eles foram lançados em tal lago ardente. Compare as notas em Apocalipse 14: 10-11 .

 

Arde com enxofre - Enxofre - a expressão comum para designar calor intenso, e especialmente como referindo-se à punição dos ímpios. Veja as notas em Apocalipse 14:10 .

Notas da bíblia Alber  Barnes (N.T) 

 

 

SUBSIDIO(3) CPAD A VOLTA DE JESUS EM GLORIA. 

                      Apocalipse 19.11-21.

 

11 - E vi o céu aberto, e eis um cavalo branco. O que estava assentado sobre ele chama-se Fiel e Verdadeiro e julga e peleja com justiça.

12 - E os seus olhos eram como chama de fogo; e sobre a sua cabeça havia muitos diademas; e tinha um nome escrito que ninguém sabia, senão ele mesmo.

13 - E estava vestido de uma veste salpicada de sangue, e o nome pelo qual se chama é a Palavra de Deus.

14 - E seguiam-no os exércitos que há no céu em cavalos brancos e vestidos de linho fino, branco e puro.

15 - E da sua boca saía uma aguda espada, para ferir com ela as nações; e ele as regerá com vara de ferro e ele mesmo é o que pisa o lagar do vinho do furor e da ira do Deus Todo-poderoso.

16 - E na veste e na sua coxa tem escrito este nome: REI DOS REIS E SENHOR DOS SENHORES.

17 - E vi um anjo que estava no sol, e clamou com grande voz, dizendo a todas as aves que voavam pelo meio do céu: Vinde e ajuntai-vos à ceia do grande Deus,

18 - para que comais a carne dos reis, e a carne dos tribunos, e a carne dos fortes, e a carne dos cavalos e dos que sobre eles se assentam, e a carne de todos os homens, livres e servos, pequenos e grandes.

19 - E vi a besta, e os reis da terra, e os seus exércitos reunidos, para fazerem guerra àquele que estava assentado sobre o cavalo e ao seu exército.

20 - E a besta foi presa e, com ela, o falso profeta, que, diante dela, fizera os sinais com que enganou os que receberam o sinal da besta e adoraram a sua imagem. Estes dois foram lançados vivos no ardente Iago de fogo e de enxofre.

21 - E os demais foram mortos com a espada que saía da boca do que estava assentado sobre o cavalo, e todas as aves se fartaram das suas carnes.

Caro mestre, neste domingo, comece a lição perguntando a seus alunos se eles creem no triunfo do bem sobre o mal, no julgamento dos ímpios e na recompensa dos justos. Preste bastante atenção nas respostas. Verifique se estão de acordo com o conteúdo exposto na lição. Procure esclarecer ou corrigir as posições equivocadas ou antibíblicas. Explique que este tema é um bálsamo e um estímulo à crença de que Jesus retribuirá a cada um conforme as suas obras.

 

O término da Grande Tribulação terá como marco a volta visível de Jesus Cristo em glória. Nesta segunda fase de sua vinda, Jesus aparecerá de forma corpórea (Dn 7.13; Mt 24.30; Lc 24.39), para livrar o povo judeu da destruição na Batalha do Armagedom. Biblicamente, “Armagedom” (Ap 16.16) significa “a grande colheita” (Ap 14.14,16; Jl 3.13), que se dará no vale de Josafá ou Esdrelom localizado entre o mar da Galileia e o monte Carmelo, e, também é conhecido como “o vale da decisão” (Jl 3.2,9-14). Três demônios que procederão da besta, do falso profeta e do dragão incitarão os reis da terra a pelejarem contra o Todo-Poderoso (Ap 16.13-14). As nações se ajuntarão no vale do Armagedom e caminharão contra Jerusalém para destruí-la (Zc 12.8-9; 14.2-14; Ap 19.19-21). Mas, exatamente nesse momento, Jesus virá com seus anjos e a Igreja (Ap 19.14; Zc 14.5; Jd v.14 ), e os seus pés pisarão o monte das Oliveiras, fendendo-o ao meio (Zc 14.3-5; Ap 16.18,19), e livrará a Israel, vencendo os reis da terra, o Anticristo, o falso profeta e o dragão.

ORIENTAÇÃO 

Professor, com o auxílio da lousa ou de uma cartolina, apresente a seus alunos esse Quadro Demonstrativo dos eventos escatológicos da Grande Tribulação que precedem a Volta Triunfal de Cristo. Esse quadro demonstra as agruras desse período até a manifestação Triunfal de Cristo. Está baseado nos textos de Ap 6.2-17; 8-9.1-21; 11.15-19; 15.1-16.17; 19.11-21.

Palavra Chave

Sistema Mundano do Anticristo: A sociedade organizada e rebelada contra Cristo.

  1. O QUE É A VOLTA TRIUNFAL DE CRISTO

Antes de mais nada, faz-se necessário relembrar: a volta de Nosso Senhor Jesus Cristo dar-se-á em duas fases distintas. Na primeira, virá Ele para os seus santos; e, na segunda, com os seus santos, manifestando-se visivelmente aos olhos de todo o mundo.

  1. O que é a volta triunfal de Cristo. É o glorioso retorno de Cristo que, juntamente com a sua Igreja, virá instaurar, neste mundo, o Reino de Deus, de conformidade com o que predisseram os profetas, os apóstolos e o próprio Cristo (Is 9.6; Dn 7.13; Mt 6.10).
  2. Como se dará o retorno triunfal de Cristo. Como vimos acima, na primeira fase de sua segunda vinda, retornará o Senhor Jesus para buscar a sua Igreja; e, na segunda, terá por objetivo derrotar o sistema mundano do Anticristo, a fim de implantar, na terra, o Reino dos Céus. Assim o autor do Apocalipse viu o triunfal retorno de Nosso Senhor.

 

  1. QUANDO SE DARÁ A VOLTA TRIUNFAL DE CRISTO

Enquanto estivermos nos céus, participando das bodas do Cordeiro e, de suas mãos, recebendo os galardões a que farão jus os trabalhos que realizamos em prol do Reino de Deus, estará a terra vivendo a Septuagésima Semana de Daniel que, profeticamente, terá a duração de sete anos, e pode assim ser dividida:

  1. A primeira metade da semana, cuja duração será de três anos e meio, será ocupada pelo governo do Anticristo.
  2. A segunda metade da semana, que terá a mesma duração da primeira, caracterizar-se-á pela Grande Tribulação.

Por conseguinte, a Septuagésima Semana de Daniel terá, ao todo, a duração de sete anos (Dn 9.27). Logo: a volta triunfal de Cristo, que se fará acompanhar por sua Igreja, ocorrerá sete anos após o arrebatamento. O termo original traduzido por “semana” em Daniel 9.27 é literalmente “setenário”, isto é, sete anos.

 

III. OBJETIVOS DA VOLTA TRIUNFAL DE CRISTO

De acordo com o que podemos depreender dos vários textos proféticos, tanto do Antigo quanto do Novo Testamento, estes são os principais objetivos da volta triunfal de Nosso Senhor Jesus Cristo:

  1. Punir os ímpios. “Eis que é vindo o Senhor com milhares de seus santos, para fazer juízo contra todos e condenar dentre eles todos os ímpios, por todas as suas obras de impiedade que impiamente cometeram e por todas as duras palavras que ímpios pecadores disseram contra ele” (Jd vv.14,15).
  2. Socorrer Israel. Zacarias, antevendo a angústia de Israel durante a Grande Tribulação, mostra de que forma o Senhor intervirá em favor de seu povo: “Eis que vem o dia do SENHOR, em que os teus despojos se repartirão no meio de ti. Porque eu ajuntarei todas as nações para a peleja contra Jerusalém; e a cidade será tomada, e as casas serão saqueadas, e as mulheres, forçadas; e metade da cidade sairá para o cativeiro, mas o resto do povo não será expulso da cidade. E o SENHOR sairá e pelejará contra estas nações, como pelejou no dia da batalha. E, naquele dia, estarão os seus pés sobre o monte das Oliveiras, que está defronte de Jerusalém para o oriente; e o monte das Oliveiras será fendido pelo meio, para o oriente e para o ocidente, e haverá um vale muito grande; e metade do monte se apartará para o norte, e a outra metade dele, para o sul” (Zc 14.1-4).
  3. Levar Israel à conversão nacional. No exato momento em que o Senhor Jesus estiver intervindo em favor dos israelitas, estes, de imediato, haverão de reconhecê-lo como o seu Messias. É o que profetiza Zacarias: “E o SENHOR primeiramente salvará as tendas de Judá, para que a glória da casa de Davi e a glória dos habitantes de Jerusalém não sejam exaltadas acima de Judá. Naquele dia, o SENHOR amparará os habitantes de Jerusalém; e o que dentre eles tropeçar, naquele dia, será como Davi, e a casa de Davi será como Deus, como o anjo do SENHOR diante deles. E acontecerá, naquele dia, que procurarei destruir todas as nações que vierem contra Jerusalém. E sobre a casa de Davi e sobre os habitantes de Jerusalém derramarei o Espírito de graça e de súplicas; e olharão para mim, a quem traspassaram; e o prantearão como quem pranteia por um unigênito; e chorarão amargamente por ele, como se chora amargamente pelo primogênito” (Zc 12.7-10). Trata-se, como vemos aqui, de uma operação do Espírito Santo.
  4. Derrotar as forças do Anticristo e implantar o Milênio. “E vi descer do céu um anjo que tinha a chave do abismo e uma grande cadeia na sua mão. Ele prendeu o dragão, a antiga serpente, que é o diabo e Satanás, e amarrou-o por mil anos. E lançou-o no abismo, e ali o encerrou, e pôs selo sobre ele, para que mais não engane as nações, até que os mil anos se acabem. E depois importa que seja solto por um pouco de tempo. E vi tronos; e assentaram-se sobre eles aqueles a quem foi dado o poder de julgar. E vi as almas daqueles que foram degolados pelo testemunho de Jesus e pela palavra de Deus, e que não adoraram a besta nem a sua imagem, e não receberam o sinal na testa nem na mão; e viveram e reinaram com Cristo durante mil anos” (Ap 20.1-4).

 

Estará você entre os que acompanharão o Senhor Jesus em seu triunfal retorno à terra para derrotar Satanás e instaurar, aqui, o Milênio? Eis a promessa que encontramos em sua Palavra: “Se sofrermos, também com ele reinaremos; se o negarmos, também ele nos negará” (2 Tm 2.12).

Cristo amado, que jamais venhamos a negar-te o nome. Ajuda-nos a permanecer fiéis até aquele grande dia. E, contigo Senhor, queremos reinar. Amém!

 “Que tipo de pessoas temos que ser? Pedro diz que devemos viver ‘de maneira santa e piedosa, esperando o dia de Deus e apressando-vos para a vinda do Dia de Deus’ (2 Pe 3.11-12). A espera do futuro não é permissão para viver irresponsavelmente no presente. Aguardemos com expectativa o dia da vinda do Senhor.

Muitos de nós não temos problema em esperar, ou, eu deveria dizer que esperar é o problema? Estamos aguardando, mas não cheios de expectativa. Esquecemo-nos de perscrutar, investigando seu retorno. Temos tanta paciência que nos acomodamos. Estamos satisfeitos. Raramente atentamos para os sinais e mais raramente ainda vamos ao templo. Não permitimos que o Espírito Santo altere nossa agenda, mude nossos planos e nos conduza à adoração a fim de vermos Jesus.

O Senhor Jesus está falando aos que o esperam, mas não vigiam o suficiente: ‘Quanto ao dia e hora ninguém sabe, nem os anjos dos céus nem o Filho, senão somente o Pai. Portanto, vigiem, porque vocês precisam estar preparados, porque o Filho do homem virá numa hora em que vocês menos esperam’ (Mt 24.36,42,44).

Simeão é o exemplo de alguém que aguarda com expectativa (Lc 2.25). Pacientemente vigiando. No entanto, uma paciência que não perde a vigilância e uma vigilância que não perde a paciência”. (LUCADO, M. Quando Cristo voltar: O começo da melhor parte. RJ: CPAD, 1999, p.34-5).

 

 

 

 PAZ DO SENHOR POSTAMOS 8 SUBSIDIOS PARA LIÇÃO N.8

 

SUBSIDIO (N.1) A FORMAÇÃO DO IMPERIO ROMANO E GRANDE TRIBULAÇÃO.

                              Daniel 7.7-14.

7 - Depois disso, eu continuava olhando nas visões da noite, e eis aqui o quarto animal, terrível e espantoso e muito forte, o qual tinha dentes grandes de ferro; ele devorava, e fazia em pedaços, e pisava aos pés o que sobejava; era diferente de todos os animais que apareceram antes dele e tinha dez pontas.

8 - Estando eu considerando as pontas, eis que entre elas subiu outra ponta pequena, diante da qual três das pontas primeiras foram arrancadas; e eis que nessa ponta havia olhos, como olhos de homem, e uma boca que falava grandiosamente.

9 - Eu continuei olhando, até que foram postos uns tronos, e um ancião de dias se assentou; a sua veste era branca como a neve, e o cabelo da sua cabeça, como a limpa lã; o seu trono, chamas de fogo, e as rodas dele, fogo ardente.

10 - Um rio de fogo manava e saía de diante dele; milhares de milhares o serviam, e milhões de milhões estavam diante dele; assentou-se o juízo, e abriram-se os livros.

11 - Então, estive olhando, por causa da voz das grandes palavras que provinha da ponta; estive olhando até que o animal foi morto, e o seu corpo, desfeito e entregue para ser queimado pelo fogo.

12 - E, quanto aos outros animais, foi-lhes tirado o domínio; todavia, foi-lhes dada prolongação de vida até certo espaço de tempo.

13 - Eu estava olhando nas minhas visões da noite, e eis que vinha nas nuvens do céu um como o filho do homem; e dirigiu-se ao ancião de dias, e o fizeram chegar até ele.

14 - E foi-lhe dado o domínio, e a honra, e o reino, para que todos os povos, nações e línguas o servissem; o seu domínio é um domínio eterno, que não passará, e o seu reino, o único que não será destruído.

Os versículos 33-35 do capítulo 2 do livro de Daniel referem-se ao final do período dos gentios, no vale do Armagedom, onde os dez reinos escatológicos (que são uma extensão do Império Romano), serão destruídos pela pedra, que é Cristo, surgindo um novo reino.

No capítulo 7 de Daniel, temos a visão dos quatro animais que representam a história moral e religiosa desses quatro reinos: o leão — Babilônia (4); o urso — Média e Pérsia (5); o leopardo — Grécia (6); o animal terrível — Roma (7). Os dez dedos da estátua correspondem aos dez chifres do animal e aos dez da besta (Dn 2.41; 7.24; Ap 13.1; 17.12), que representam dez regiões administrativas que abrangerão um território maior do que o Antigo Império Romano. O Novo Império Romano dará apoio ao Anticristo (Dn 7.25), mas será um governo instável (Dn 2.41-43), marcado por guerras (Dn 7.24) e por sistemas políticos distintos — ferro e barro (Dn 2.33).

 

ORIENTAÇÃO

Professor, nesta lição, usaremos uma Correspondência Lógica entre as profecias. Este recurso apresenta a relação entre duas profecias que se completam (Dn 2.31-45 7.3-28). Preencha o quadro diante dos alunos. Solicite a participação de todos. 

O renascimento do Império Romano não é uma hipótese. Se ao término da Segunda Guerra Mundial, parecia ele utopia numa Europa humilhada e destruída, hoje mostra-se mais real do que nunca. Não importa o nome que se lhe dê: União Europeia ou Novo Império Romano. O terrível animal, visto por Daniel, acha-se prestes a pisar e a despedaçar a quantos se lhe opuserem. Esse reino, que não terá paralelo na história dos grandes impérios, devido a sua maldade, dará todo o suporte político, econômico e religioso ao Anticristo, a fim de que este venha a dominar o mundo todo.

O Senhor Jesus, porém, o abaterá, reduzindo-o a um monturo. O Rei dos reis e Senhor dos senhores não tolerará a soberba do inimigo.

A Europa reunificada, por conseguinte, não é um mero fenômeno político, mas o cumprimento da profecia bíblica. É o que veremos nesta lição.

 

  1. A ORIGEM DO IMPÉRIO ROMANO

 

Fundada em 753 a.C, foi a cidade de Roma estendendo-se até assenhorear-se dos mais distantes e desconhecidos reinos. Seus domínios iam da Europa à Babilônia, englobando o Norte da África e o Oriente Médio.

Em 66 a.C, as forças romanas chegaram à Terra Santa. Comandadas pelo general Pompeu, conquistaram o território israelita e subjugaram Jerusalém. Mostrando nenhum respeito ao vencido, Pompeu invade a Casa de Deus, escarnece dos ministros do altar e profana o Santo dos santos.

O terrível animal começava a exibir suas garras.

 

  1. O IMPÉRIO ROMANO NA BÍBLIA

 

  1. A profecia de Moisés. A Europa era praticamente desabitada, quando Moisés profetizou a ascensão de Roma como a grande opressora dos filhos de Israel: “O SENHOR levantará contra ti uma nação de longe, da extremidade da terra, que voa como a águia, nação cuja língua não entenderás; nação feroz de rosto, que não atentará para o rosto do velho, nem se apiedará do moço” (Dt 28.49,50).

Foi exatamente isso o que aconteceu no ano 70 de nossa era, quando os exércitos romanos, comandados por Tito, destruíram Jerusalém, derribaram o Santo Templo e dispersaram os poucos judeus que sobreviveram à ira romana.

  1. A profecia de Daniel. Em duas ocasiões distintas, o profeta Daniel refere-se tipologicamente ao Império Romano. No capítulo dois, descreve ele a aparência exterior deste; ao passo que, no capítulo sete, revela sua índole e caráter.
  2. a) Sua aparência exterior. “E o quarto reino será forte como ferro; pois, como o ferro esmiúça e quebra tudo, como o ferro quebra todas as coisas, ele esmiuçará e quebrantará” (Dn 2.40).
  3. b) Seu caráter. “Depois disso, eu continuava olhando nas visões da noite, e eis aqui o quarto animal, terrível e espantoso e muito forte, o qual tinha dentes grandes de ferro; ele devorava, e fazia em pedaços, e pisava aos pés o que sobejava; era diferente de todos os animais que apareceram antes dele e tinha dez pontas” (Dn 7.7).

No capítulo 13 de Apocalipse, o Império Romano é mostrado como a base para os dois representantes de Satanás: a Besta e o Falso Profeta. Veja como as profecias de Daniel acham-se em perfeita harmonia com as de João.

 

III. TENTATIVAS DE SE ERGUER O IMPÉRIO ROMANO

 

Não foram poucas as tentativas de se ressuscitar o Império Romano. O que dizer do Sacro Império Romano Germânico? Ou das tentativas da Igreja Católica em ocupar o espaço deixado pelos imperadores de Roma?

No início do século XIX, o imperador francês, Napoleão Bonaparte, à frente de um formidável exército, saiu a unificar uma Europa retalhada por ódios e nacionalismos irreconciliáveis. Ele, porém, fracassou como haveria de fracassar Adolf Hitler durante a Segunda Guerra Mundial.

Se por um lado, ostenta a Europa a dureza do ferro; por outro, mostra ser tão frágil quanto o barro. Além do mais, como pode o ferro unir-se ao barro?

 

  1. O IMPÉRIO ROMANO NA ERA ESCATOLÓGICA

 

Que ninguém se engane! A era escatológica já chegou. E uma de suas maiores evidências é o ressurgimento do Império Romano que, desta feita, terá as seguintes características:

  1. Apesar das aparências, estará cronicamente dividido. “E, como os artelhos eram em parte de ferro e em parte de barro, assim por uma parte o reino será forte e por outra será frágil. Quanto ao que viste do ferro misturado com barro de lodo, misturar-se-ão com semente humana, mas não se ligarão um ao outro, assim como o ferro se não mistura com o barro” (Dn 2.42,43).

Houve um tempo na Europa que, não obstante o parentesco de seus monarcas, estavam estes sempre em guerra. Foram-se quase todos os reis, e veio a União Europeia; a situação, porém, em nada foi alterada. Os ingleses continuam a não aturar os franceses, que desconfiam dos alemães, que não se dão com os italianos, que não aturam os espanhóis...

É justamente sobre bases tão frágeis que está sendo construído o Novo Império Romano.

  1. A formação administrativa do Novo Império Romano. Tanto Daniel como João mostram o Novo Império Romano constituído a partir de dez unidades (Dn 2.41,42; Ap 13.1). Pensava-se, de início, que seria ele formado por apenas dez nações. Hoje, porém, já são 25 os países que formam a União Europeia. Como entender esta aparente contradição?

Na verdade, não são dez países; e, sim, dez regiões administrativas que abrangerão um território maior do que o Antigo Império Romano. Logo, o Novo Império Romano ocupará não somente a Europa, mas também o Norte da África e o Oriente Médio. Por conseguinte, cada região administrativa será composta por mais de um país.

  1. O objetivo do Novo Império Romano. Terá o Novo Império Romano, por objetivo, sustentar o governo que Satanás, através da Besta e do Falso Profeta, implantará no mundo logo após o arrebatamento da Igreja. De acordo com Apocalipse 13, o domínio do Anticristo abrangerá tanto a economia e a política como a religião. Todavia, este reino não subsistirá; Cristo fará dele um monturo.
  2. A destruição do Novo Império Romano. Ainda que o Império Romano se reerga, Cristo o destruirá. Nosso Senhor é aquela pedra que, sem esforço humano, abateu-se sobre a estátua vista por Nabucodonosor (Dn 2.34,35,44).

Daniel continua a descrever a ruína do Novo Império Romano, agora mostrado como aquele animal terrível: “Estive olhando até que o animal foi morto, e o seu corpo, desfeito e entregue para ser queimado pelo fogo” (Dn 7.11). Por quem foi o animal morto? Pelo Filho de Deus! E. assim, recebe o Senhor Jesus o poder, a glória e a majestade.

Por mais poderosos que se mostrem os reinos deste mundo, não subsistirão ante a soberania divina. Roma dominou nações e reinos; pisou os mais aguerridos povos e humilhou os mais altivos soberanos. Mas nada poderá fazer contra o Senhor Jesus. Ele é o Rei dos reis e o Senhor dos senhores.

Não tarda o dia em que o Império Romano, base do governo do Anticristo, haverá de prestar contas a Deus por todos os seus pecados e iniquidades. Ainda que renascido, não subsistirá.

Senhor Jesus, quem poderá subsistir ante o teu poder? Que a honra, a força e a glória sejam-te tributadas para todo o sempre.

 

 “[...] Consideração das principais escolas escatológicas:

Preterista. Interpreta as profecias de Daniel e do Apocalipse como já cumpridas, com exceção de umas poucas....

Nessa visão das profecias, quase todo o livro de Daniel se cumpriu no período interbíblico (antes de Cristo) e o Apocalipse, na sua quase totalidade, foi cumprido nos primeiros três séculos da Era Cristã....

Progressista. Como o próprio nome já indica, interpreta Daniel e o Apocalipse como o desenvolvimento histórico do mundo. [...] Ela procura os cumprimentos proféticos nos grandes eventos, como o papado, a Reforma, a Revolução Francesa etc, e seus adeptos chegaram a marcar diversas datas para a volta de Cristo, sendo a principal delas a de 22 de outubro de 1844....

Futurista. Segundo essa escola, quase todas as profecias de Daniel e do Apocalipse se cumprirão durante os sete anos que se seguirão ao arrebatamento da Igreja, que, por sua vez, ocorrerá repentinamente.” (ALMEIDA, A. Israel, Gogue e o Anticristo. 11.ed., RJ: CPAD, 1999, pp.122-3).FONTE CPAD     

 

SUBSIDIO (N.2) OS 144 MIL JUDEUS E AS DUAS TESTEMUNHAS

                              Apocalipse 14.1-7.

1 - E olhei, e eis que estava o Cordeiro sobre o monte Sião, e com ele cento e quarenta e quatro mil, que em sua testa tinham escrito o nome dele e o de seu Pai.

2 - E ouvi uma voz do céu como a voz de muitas águas e como a voz de um grande trovão; e uma voz de harpistas, que tocavam com a sua harpa.

3 - E cantavam um como cântico novo diante do trono e diante dos quatro animais e dos anciãos; e ninguém podia aprender aquele cântico, senão os cento e quarenta e quatro mil que foram comprados da terra.

4 - Estes são os que não estão contaminados com mulheres, porque são virgens. Estes são os que seguem o Cordeiro para onde quer que vai. Estes são os que dentre os homens foram comprados como primícias para Deus e para o Cordeiro.

5 - E na sua boca não se achou engano; porque são irrepreensíveis diante do trono de Deus.

6 - E vi outro anjo voar pelo meio do céu, e tinha o evangelho eterno, para o proclamar aos que habitam sobre a terra, e a toda nação, e tribo, e língua, e povo,

7 - dizendo com grande voz: Temei a Deus e dai-lhe glória, porque vinda é a hora do seu juízo. E adorai aquele que fez o céu, e a terra, e o mar, e as fontes das águas.

Uma das características dos habitantes do mundo atual é o estilo de vida baseado na incredulidade do juízo final. Paradoxalmente, na Grande Tribulação essa característica será mais aflorada. Todavia, os moradores da terra, através de um anjo, serão alertados para a realidade da iminência do juízo vindouro de Deus (Ap 14.7). Nações, tribos, línguas e todos os povos do mundo terão de se confessar perante o Rei dos reis e Senhor dos senhores, Cristo Jesus: Ricos e pobres; poderosos e fracos; intelectuais e ignorantes; todos os homens, sem exceção, se prostrarão diante do Eterno e confessarão que só Ele é Deus; seja para a vida ou perdição eterna (14.6; Mt 25.31-46).

 

ORIENTAÇÃO

Caro professor, na aula de hoje deparamo-nos com alguns personagens que causam algumas controvérsias na interpretação bíblica escatológica. Por isso, apresentamos a explicação do renomado teólogo pentecostal Stanley M. Horton, de acordo com o esquema abaixo. Para embasar os tópicos III, IV e V reproduza o esquema conforme as suas possibilidades. Explique aos alunos a relevância desses personagens bíblicos na proclamação da Palavra eterna de Deus durante a Grande Tribulação.

144 mil selados

“Tem havido muita controvérsia acerca desses santos. Dizem alguns serem os mesmos 144.000 saídos das 12 tribos de Israel, conforme nos mostra o capítulo sete. Outros dizem ser [...] crentes fiéis [...] de diferentes lugares e épocas. [...] Veem-no como um número de plenitude de maneira a incluir todos os crentes que tem andado com o Senhor [...]. Seja como for, podemos ter certeza de que Jesus conhece os que lhe pertencem” (Horton, p.198).

 

As duas Testemunhas

“Tem havido muita especulação a respeito de quem são estas duas testemunhas. Alguns interpretam como duas comunidades, ou dois grupos de pessoas. Contudo, a descrição é específica. Tratam-se realmente de duas pessoas. [...] As duas testemunhas de Apocalipse 11.3 são descritas como castiçais que estão diante do Deus da terra; isto é, diante do Deus verdadeiro. Estão constantemente em sua presença. Quando profetizam espargem a luz que vem de Deus [...]” (Horton, p.154).

 

O Evangelho eterno

“O evangelho eterno é o mesmo proclamado pelos apóstolos e registrado no Novo Testamento. Não há outro evangelho, como bem acentuou Paulo: ‘Mas, ainda que nós, ou mesmo um anjo vindo do céu vos pregue evangelho que vá além do que temos pregado, seja anátema’ (Gl 1.18). Mesmo em meio a Grande Tribulação, Deus tudo faz para trazer os pecadores ao arrependimento. A mensagem do evangelho é sempre redentora; convida o povo a reconhecer o amor, a soberania e a santidade de Deus” (Horton, p.202).

 

          Evangelho: Boas Novas de Jesus Cristo, o Messias.

 

Apesar de sua truculência e soberba, o Anticristo não conseguirá emudecer a voz do Evangelho nem calar a voz dos mártires. Durante a Grande Tribulação, Deus levantará muitas vozes eloquentes e poderosas que não temerão proclamar-lhe a Palavra. É o que nos mostra claramente o Apocalipse. O que disso concluímos? A Bíblia Sagrada continuará a ser a inspirada, inerrante e soberana Palavra de Deus. E a sua pregação e ensino não serão interrompidos. Logo, haverá também salvação de almas após o arrebatamento.

Nesse tempo, a Igreja de Cristo já não estará na terra. Todavia, Deus continuará no controle de tudo. Até o próprio Diabo, que dará a impressão de reinar absoluto, estará sob o seu comando. A voz divina não pode ser calada.

 

  1. A PALAVRA DE DEUS APÓS O ARREBATAMENTO

 

Muita gente ainda supõe que, após o rapto da Igreja, a Bíblia Sagrada perderá a sua inspiração. Tal crença origina-se de teologias e narrativas extravagantes e anti-bíblicas. A Palavra de Deus, porém, subsiste eternamente (Is 40.8).

  1. A Palavra de Deus é eterna. A própria Escritura testifica de sua perenidade: “A palavra do Senhor permanece para sempre” (1 Pe 1.25). Ora, se a Bíblia viesse a perder a sua inspiração após o arrebatamento, como ficariam os últimos atos do plano divino? A propósito, será com base nas Escrituras, que o Israel do Milênio será reorganizado. Leia com atenção os últimos oito capítulos de Ezequiel.
  2. A Palavra de Deus é o fundamento do Juízo Final. Além do livro da vida, outros livros serão abertos no dia do Juízo Final. Conclui-se, pois, que as Escrituras Sagradas lá estarão; nelas se encontram tanto as promessas quanto os juízos divinos (Ap 20.12). E cada um dos juízos de Deus é para sempre (Sl 119.160).

Posto que a Bíblia Sagrada não perderá a sua divina inspiração, quem a proclamará após o arrebatamento da Igreja? O Apocalipse mostra que esse trabalho ficará a cargo dos mártires, dos cento e quarenta e quatro mil, das duas testemunhas e do anjo que percorrerá os céus com o evangelho eterno.

  1. O Espírito Santo após o arrebatamento da Igreja. Se o Apocalipse mostra que haverá salvação nesse período e que nesse período a Palavra de Deus continuará a ser proclamada, perguntamos: Estará o Espírito Santo na terra durante a Grande Tribulação? Sim! Ele aqui estará. Mas, como conciliar essa assertiva com 2 Tessalonicenses 2.7?

Deixo a resposta com o pastor Donald Stamps, comentarista da Bíblia de Estudo Pentecostal: “No começo dos sete anos de tribulação, o Espírito Santo será ‘afastado’. Isso não significa ser Ele tirado do mundo, mas que cessará sua influência restritiva à iniquidade e ao surgimento do Anticristo. Todas as restrições contra o pecado serão removidas, e começará a rebelião inspirada por Satanás. O Espírito Santo, todavia, agirá na terra durante a tribulação, convencendo pessoas dos seus pecados, convertendo-as a Cristo e dando-lhes poder (Ap 7.9,14; 11.1-11; 14.6,7)”.

 

  1. A PROCLAMAÇÃO DOS MÁRTIRES

 

Tanto no Império Romano como em nossos dias, muitos são os torturados e mortos por amor a Cristo. Todavia, os martírios durante o governo do Anticristo superarão a todas as cifras já registradas. Será o Holocausto dos holocaustos.

  1. A identidade dos mártires. Chamaremos de mártires aqueles que, na Grande Tribulação, arrepender-se-ão de seus pecados e se recusarão a adorar a imagem da besta e a receber o seu código. Eles são mostrados no Apocalipse como “uma multidão, a qual ninguém podia contar, de todas as nações, e tribos, e povos, e línguas” (Ap 7.9).
  2. A fé sob o martírio. Por causa de sua postura confessante e testemunhal, serão degolados pelo governo do Anticristo (Ap 20.4). Eles, porém, não temerão perturbar o império do mal com o Evangelho do Reino.

 

III. A PROCLAMAÇÃO DOS 144 MIL

 

Além dos mártires oriundos de todos os povos e nações, haverá um grupo de 144 mil judeus, que também estará confessando a Cristo durante o governo do Anticristo.

  1. A identidade dos 144 mil. São israelitas que se converterão a Cristo logo após o arrebatamento da igreja (Ap 7.1-8). E precederão a conversão nacional de Israel, que se dará no final da Grande Tribulação (Zc 12.10). Por isso são tratados por Deus como as suas primícias (Ap 14.3).
  2. A elevada posição dos 144 mil. Inferimos do texto sagrado, que Deus os tomará para si após os terem assinalado. Isto porque, mais adiante, João os vê no monte Sião acompanhando o Cordeiro (Jo 14.1). Em sua testa, o nome do Pai e do Filho.

 

  1. A PROCLAMAÇÃO DAS DUAS TESTEMUNHAS

 

Se bastou Moisés para perturbar o Egito e Elias para conturbar o reino apóstata de Israel, o que não farão dois profetas semelhantes a eles atuando conjuntamente? É o que se dará durante o governo do Anticristo.

  1. A identidade das duas testemunhas. Quem serão as duas testemunhas do Apocalipse? Moisés e Elias? A Bíblia não o diz. Por isso, não quero especular sobre as suas identidades. Aprendi que não preciso ter voz quando a Palavra de Deus se cala.

São eles as duas oliveiras e os dois castiçais, que se encontram diante de Deus (Ap 11.4).

Os dois profetas agitarão o reino do Anticristo, desmascarando-o como emissário de Satanás e proclamando sobre toda a terra os juízos divinos. O seu ministério durará 1260 dias (Ap 11.1-3). Eles “têm poder para fechar o céu, para que não chova nos dias da sua profecia; e têm poder sobre as águas para convertê-las em sangue e para ferir a terra com toda sorte de pragas, quantas vezes quiserem” (Ap 11.6).

  1. A morte das duas testemunhas. Terminado o seu ministério de quarenta e dois meses, a besta os matará. E expor-lhes-á os corpos na praça da cidade que, espiritualmente, se chama Sodoma e Egito (Ap 11.8). E todos se alegrão com a sua morte.
  2. A ressurreição das duas testemunhas. Depois de três dias e meio, Deus enviar-lhes-á o espírito de vida, pondo-os de pé à vista de todos. Em seguida, serão levados para o céu. Logo após o seu arrebatamento, a cidade será abalada por um grande terremoto (Ap 11.11-13).

 

  1. A PROCLAMAÇÃO DO ANJO

 

Agora, entra em cena um anjo solitário, que proclama o Evangelho Eterno (Ap 14.6). Toda a terra o ouve. Sua mensagem é de arrependimento.

  1. O anjo evangelista. Os anjos são criaturas divinas, cuja função é adorar a Deus e zelar pelos que hão de herdar a vida eterna (Is 6.1-3; Hb 1.14). No Apocalipse, são encarregados de ministrar os juízos divinos.
  2. O Evangelho Eterno. O que é o Evangelho Eterno? É o evangelho que pregamos e, que às vezes, é chamado de Evangelho do Reino (Mt 24.14). É o evangelho que vem sendo proclamado desde o Gênesis. Sim, é o evangelho que, um dia, Abraão ouviu do próprio Deus (Gl 3.8). Será este também o evangelho a ser anunciado por ocasião do governo do Anticristo.
  3. A mensagem de arrependimento. Não obstante a Igreja já ter sido arrebatada, Deus, em seu inexplicável amor, continuará a estender a sua graça a um mundo perverso e impenitente. Através de seu anjo, insta a todos ao arrependimento: “Temei a Deus e dai-lhe glória, porque vinda é a hora do seu juízo. E adorai aquele que fez o céu, e a terra, e o mar, e as fontes das águas” (Ap 14.7). Mesmo na pior apostasia da humanidade, Deus insistirá com os filhos de Adão, buscando levá-los ao arrependimento.

 

Conforme vimos, a Palavra de Deus será amplamente proclamada durante a Grande Tribulação. E muitas serão as conversões nesse período. Deus não ficará sem testemunho.

Os crentes desta geração, porém, porfiaremos por tomar parte no arrebatamento da Igreja. Se hoje já enfrentamos dificuldades para professar a santíssima fé, quanto mais naqueles dias. Este é o momento da oportunidade. Por que desperdiçar um momento como este? Maranata! Ora vem, Senhor Jesus.

 

“O Ministério [Das Duas Testemunhas]

O ministério destas duas testemunhas incluirá pregação, profecias e realização de milagres. Elas chamarão as pessoas ao arrependimento, predirão eventos futuros e anunciarão que é chegado o reino. Como Zorobabel e Josué, que procuraram restaurar Israel à sua terra, as duas testemunhas encorajarão a fidelidade a Deus, independentemente das circunstâncias individuais.

Apocalipse 11.4 descreve as testemunhas como ‘as duas oliveiras e os dois castiçais que estão diante do Deus da terra’. Este versículo é uma alusão a Zacarias 4.3,11,14, em que Zorobabel e Josué, o sumo sacerdote, líderes de Israel na época de Zacarias, são retratados como um castiçal, ou luz para Israel. O seu combustível é o azeite de oliva, que representa o poder do Espírito Santo. Assim também, nos últimos dias, as duas testemunhas se levantarão pelo poder de Deus e trabalharão em seu cargo profético.

Deus protegerá as duas testemunhas daqueles que tentarem causar-lhes mal antes que a sua missão esteja concluída. Apocalipse 11.5-6 registra os poderes milagrosos dados a estas testemunhas e declara que se alguém lhes quiser fazer mal, será destruído pelo fogo. [...] De maneira similar, os idólatras e inimigos de Moisés foram destruídos pelo fogo (Nm 16.35)” (LAHAYE, T.; HINDSON, E. (Eds.). Enciclopédia Popular de Profecia Bíblica. l.ed., RJ: CPAD, 2008, p.l57).fonte CPAD

 

 

SUBSIDIO (N.3) OS GENTIOS NA GRANDE TRIBULAÇÃO.

        Mateus 24.15,21; Daniel 2.40-44; 7.24,25.

 

Mateus 24

15 — Quando, pois, virdes que a abominação da desolação, de que falou o profeta Daniel, está no lugar santo (quem lê, que entenda).

21 — porque haverá, então, grande aflição, como nunca houve desde o princípio do mundo até agora, nem tampouco haverá jamais.

Daniel 2

40 — E o quarto reino será forte como ferro; pois, como o ferro esmiúça e quebra tudo, como o ferro quebra todas as coisas, ele esmiuçará e quebrantará.

41 — E, quanto ao que viste dos pés e dos artelhos, em parte de barro de oleiro e em parte de ferro, isso será um reino dividido; contudo, haverá nele alguma coisa da firmeza do ferro, pois que viste o ferro misturado com barro de lodo.

42 — E, como os artelhos eram em parte de ferro e em parte de barro, assim por uma parte o reino será forte e por outra será frágil.

43 — Quanto ao que viste do ferro misturado com o barro de lodo, misturar-se-ão com semente humana, mas não se ligarão um ao outro, assim como o ferro se não mistura com o barro.

44 — Mas, nos dias desses reis, o Deus do céu levantará um reino que não será jamais destruído; e esse reino não passará a outro povo; esmiuçará e consumirá todos esses reinos e será estabelecido para sempre.

Daniel 7

24 — E, quanto às dez pontas, daquele mesmo reino se levantarão dez reis; e depois deles se levantará outro, o qual será diferente dos primeiros e abaterá a três reis.

25 — E proferirá palavras contra o Altíssimo, e destruirá os santos do Altíssimo, e cuidará em mudar os tempos e a lei; e eles serão entregues nas suas mãos por um tempo, e tempos, e metade de um tempo.

 

Se Deus comunicou a existência dos principais impérios muito antes de sua chegada, é porque desejava que o Seu povo tomasse conhecimento disso, apontava para o Seu reino eterno. Vemos nestes capítulos estudados o poder e a fidelidade de Deus no cumprimento das profecias. Algumas, não se realizaram ainda na sua plenitude. Porém, somos desafiados a estudá-las, tanto as passadas quanto as que estão para se cumprir, sabendo que a chegada dos governos futuros é certa, pois foram vaticinados por Deus.

 DIDÁTICA

Para, principalmente, levar os alunos a compreender os desígnios de Deus com relação aos reinos deste mundo, apresente uma reflexão em Romanos 13.1. Dê cinco minutos para que discutam com o colega ao lado. Após a reflexão peça que relatem suas conclusões. Você poderá encontrar orientações complementares na Bíblia de Estudo Pentecostal, no texto de rodapé referente a este versículo. Conclua o assunto mostrando que Deus sabia quem reinaria e como seriam os reinados, mesmo antes de existirem. Mostre que ainda falta o cumprimento de um governo que se estabelecerá durante a Grande Tribulação. Neste período a Igreja terá sido arrebatada por Jesus. Por isso, estará livre deste governo iníquo. Inicie agora o comentário sobre cada tópico da lição.

  1. OS TEMPOS DOS GENTIOS (Lc 21.24)
  2. Que são os tempos dos gentios. O texto de Lucas refere-se a um período especial no qual Jerusalém será pisada pelos gentios.
  3. A duração dos tempos dos gentios. Esse período (não o da Grande Tribulação) teve seu início quando uma parte de Israel foi levada de sua terra para o cativeiro na Babilônia em 586 a.C. (2 Cr 36.1-21; Dn 1.1,2) e só terminará quando Cristo voltar para governar sobre todo o mundo, e assumir o trono de Davi (Lc 1.31,32).

 

  1. O CURSO DOS TEMPOS DOS GENTIOS

Duas revelações paralelas no livro de Daniel nos dão a descrição completa desse período.

  1. O paralelo entre os capítulos 2 e 7 de Daniel. No capítulo 2 a visão foi dada a um rei pagão, Nabucodonozor e, no capítulo 7, a visão foi dada a um servo de Deus, o profeta Daniel.

A Nabucodonozor Deus revelou o lado político dos reinos gentios representados na grande estátua. A Daniel, Deus revelou o lado moral e espiritual desses reinos representados pelos “quatro animais”. A história política havia sido mostrada a Nabucodonozor, mas a história espiritual foi mostrada a Daniel.

Notemos ainda o seguinte: No capítulo 2, as figuras representadas são tomadas da esfera inanimada, materiais como ouro, prata, bronze, ferro e barro. No capítulo 7, as figuras são representadas por seres animados, aqueles animais estranhos.

  1. Os quatro ventos e o Mar Grande (Dn 7.2).
  2. a) os quatro ventos. Simbolizam os poderes celestiais que movimentam o mundo nos seus quatro pontos cardeais. São ventos que agitam as nações do mundo nos seus quatro cantos e, podem representar as grandes comoções políticas, conflitos sociais e mudanças climáticas. São poderes usados por Deus para agitar a humanidade. São específicos. Obedecem e cumprem fielmente sua missão, agitando geologicamente mares, rios e a terra com seus vulcões. Açoitam a Terra varrendo os continentes, e também sopram brandamente sobre a Terra, avisando-a de possíveis catástrofes.
  3. b) O Mar Grande. Duas correntes de interpretação têm sido apresentadas por vários estudiosos. Uns interpretam o Mar Grande como representando toda a humanidade, e não se refere a nenhum mar em particular. No entanto, esse não é outro, senão o mar Mediterrâneo, uma vez que, os quatro reinos mundiais (Babilônia, Medo-Persa, Grécia e Roma) surgem junto dele.

A palavra “mar” na linguagem escatológica sempre representa as nações gentílicas (Is 17.12,13). O ressurgimento do antigo Império Romano é identificado geograficamente na Bíblia como sendo junto ao Mar Grande, que é o Mediterrâneo. O animal terrível e espantoso de Daniel 7.3, que representa o Império Romano, saía do Mar Grande.

 

III. O PODER DOS GENTIOS (Dn 7.3-8)

  1. O leão com asas de águia (v.4). Assim como a cabeça de ouro da estátua do capítulo 2 representa o reino da Babilônia, também o leão na visão de Daniel (Dn 2.37,38). No mundo animal o leão é o rei dos animais, por isso, Nabucodonozor destacou-se como o leão, pela sua riqueza e imponência. Era um leão com asas de águia. A águia é uma ave solitária e rainha dos ares, e indica conquista em extensão territorial. Dn 7.4 diz que, depois, “foram-lhe arrancadas as asas” para indicar a queda do poderio desse rei diante do poder de Deus (Dn 4.24,25,32-37).
  2. O urso destruidor (v.5). Representa o império medo-persa, seqüente, que derrotou a Babilônia, e na visão do capítulo 2 é representado pelo peito e os braços de prata (Dn 2.39). Diz o texto que o urso surgiu com três costelas entre os dentes. Isto indica que dominou sem reservas as nações à sua frente. O texto de Dn 2 esclarece melhor esse fato pois os braços da estátua indicam mais especificamente a aliança da Média e da Pérsia. Daí o reino medo-persa, conhecido pelos reis que o governaram, Ciro, o persa (Dn 10.1) e Dario, o medo (Dn 11.1).
  3. O leopardo altivo (v.6). Animal de indescritível rapidez que representa o império grego, em paralelo com o ventre e as coxas de cobre (ou bronze) da estátua de Dn 2.32. Esse leopardo, dada a sua rapidez conquistou o mundo velozmente, a saber: Alexandre, o Grande. O animal tinha quatro asas (Dn 7.6) denotando o seu rápido progresso em apenas 12 anos. Tinha, também, quatro cabeças que tipificam as quatro divisões do império grego logo depois da morte de Alexandre, o seu conquistador.
  4. O animal terrível e espantoso (v.7). A característica principal desse animal é o fato de não haver nele nada comparável no mundo animal. Era, de fato, incomparável em força e presença e representa o Império Romano. No capítulo 2, esse império é representado pelas pernas de ferro e os pés com mistura de ferro e barro (Dn 2.33,41). O animal se destaca pela força bruta e dureza típica do ferro, metal que o representa. Na história mundial, esses quatro impérios foram fortes e tiveram seu final com o quarto que foi o romano. Entretanto, a profecia sobre esse último império indica seu ressurgimento no futuro, especialmente no período da Grande Tribulação.

 

  1. O FIM DO PODER MUNDIAL DOS GENTIOS
  2. A forma política e material do poder gentio. É destacada especialmente nos dez dedos com barro e ferro (Dn 2.41,42). O fim do poder gentio está marcado pela divisão. Por isso, a ênfase nos dez dedos dos pés da estátua, o que caracteriza a fragilidade e força, autocracia e democracia do quarto reino, o romano, uma confederação simbolizada pelo ferro e o barro. Essa mistura não é natural porque se constitui de elementos soltos, ainda que juntos. Não há muita consistência. Ferro e barro se juntam, mas não se misturam.

Outra verdade acerca da forma final do poder gentio é a indicação de uma ação futura, profética, algo que ainda não aconteceu (a pedra cortada do monte) marcará o fim desse império, nos dias da Grande Tribulação (Dn 2.45).

  1. Visão espiritual do poder dos gentios. No capítulo 2, a forma final do poder dos gentios é demonstrada pela união de dez reis e seus reinos. Em Daniel 7.7, o destaque é o animal que aparece com dez chifres sobre a cabeça. Esses chifres indicam, também, a confederação de dez reis (nações gentílicas) para a formação do quarto grande reino mundial (Dn 7.24).
  2. O líder que surgirá do poder gentio (Dn 7.8). Dentre os dez reinos (dez chifres) surgirá o líder (o chifre pequeno) que se levantará e se manifestará como “o homem da perdição”, ou “Anticristo”, o qual blasfemará contra o Altíssimo até que lhe venha o juízo (Dn 7.25). Na verdade, na segunda metade da “semana” predita (Dn 9.27), esse “chifre pequeno”, o Anticristo, assumirá a direção política dos reinos dos “dez chifres”, (dez dedos da estátua), e infligirá sobre Israel grande perseguição (Ap 17.12,13).

Sua influência será mundial, pois conquistará o apoio das nações do mundo inteiro contra Israel. Mas ao final, esse chifre pequeno será destruído. O poder mundial dos gentios representado na estátua do capítulo 2, será detonado pela “pedra cortada do monte sem mãos” (Dn 2.34,35; 7.26,27). Tudo isso acontecerá exatamente em três anos e meio, ou seja, no período de “um tempo (1 ano), dois tempos (2 anos) e metade de um tempo (meio ano)”. Podem ser, também, o período de 42 meses iguais a 1.260 dias, conforme o calendário judaico (Dn 9.27; 12.7; Ap 12.14). Todas essas cifras correspondem a um mesmo período, a Grande Tribulação, que só se findará com a vinda do Filho do Homem, Jesus Cristo (Dn 7.13,14).

Em 1968 foi fundado em Roma o chamado Clube de Roma, sendo seus membros desde então, personalidades de gabarito reconhecidamente mundial, na política, na economia, nas ciências e na educação. O objetivo fundamental do clube é estudar o futuro da raça humana, considerando o seu passado e o seu presente, para planejar o seu futuro. Uma das conclusões a que chegou o clube, há poucos anos, é a de que a humanidade necessita urgentemente de um governo único e centralizado para resolver seus problemas e suprir suas necessidades.

Aqui está mais uma indicação da iminência do surgimento do super-homem de Satanás — a Besta, que presidirá a confederação de nações que espelhamos na parte anterior. Talvez este homem já esteja aí, camuflado, aguardando apenas o momento de manifestar-se, o que ele está impedido de fazer enquanto a Igreja do Senhor permanecer aqui. (Ler 2 Tessalonicenses 2.7,8.) O ‘ministério da iniqüidade’ aí mencionado é o diabólico princípio oculto da rebelião contra Deus e contra a autoridade constituída, a qual vem dele. Esta diabólica ação secreta, subterrânea, vem operando desde o princípio do mundo, porém neste tempo do fim não haverá restrição para sua total manifestação e operação. O rapto da Igreja ocorrerá antes dessa manifestação pública do Anticristo. Depois disso o pecado não conhecerá limites.

O Anticristo será um homem personificando o Diabo, porém, apresentando-se como se fosse Deus. ‘Este rei fará segundo a sua vontade, e se levantará e se engrandecerá sobre todo o deus; e contra o Deus dos deuses; falará coisas incríveis, e será próspero, até que se cumpra a indignação; porque aquilo que está determinado será feito’ (Dn 11.26). ‘Ninguém de nenhum modo vos engane, porque isto não acontecerá sem que primeiro venha a apostasia, e seja revelado o homem da iniqüidade, o filho da perdição, o qual se opõe e se levanta contra tudo que se chama Deus, ou objeto de culto, a ponto de assentar-se no santuário de Deus, ostentando-se como se fosse o próprio Deus’ (2Ts 2.3,4). (O Calendário da Profecia, CPAD)

O comentário sobre os versículos 10 e 11 do capítulo 17 no livro Daniel e Apocalipse (CPAD), diz o seguinte:

“Daniel 7.24 diz: ‘dez reis que se levantarão daquele mesmo reino’. É pois uma forma daquele antigo império. É claro que não poderá ser o mesmo, porque aquele era regido por um único soberano, e o futuro sê-lo-á por dez reis com suas dez capitais. Eles formarão uma confederação de nações durante a Grande Tribulação. Dizemos confederação porque num pé os dedos são ligados (Dn 2.42). Com a formação desses dez estados estará pronto o palco para a formação do reino do Anticristo—o oitavo rei (v.11). A área geográfica desses dez reinos é a mesma do antigo Império Romano, isto é, parte da Europa, parte da Ásia e parte da África (Ver um mapa do antigo Império Romano)”.

 

SUBSIDIO (N.4)  ISRAEL NA GRANDE TRIBULAÇÃO.

                         Apocalipse 12.1-12.

 

1 — E viu-se um grande sinal no céu: uma mulher vestida do sol, tendo a lua debaixo dos pés e uma coroa de doze estrelas sobre a cabeça.

2 — E estava grávida e com dores de parto e gritava com ânsias de dar à luz.

3 — E viu-se outro sinal no céu, e eis que era um grande dragão vermelho, que tinha sete cabeças e dez chifres e, sobre as cabeças, sete diademas.

4 — E a sua cauda levou após si a terça parte das estrelas do céu e lançou-as sobre a terra; e o dragão parou diante da mulher que havia de dar à luz, para que, dando ela à luz, lhe tragasse o filho.

5 — E deu à luz um filho, um varão que há de reger todas as nações com vara de ferro; e o seu filho foi arrebatado para Deus e para o seu trono.

6 — E a mulher fugiu para o deserto, onde já tinha lugar preparado por Deus para que ali fosse alimentada durante mil duzentos e sessenta dias.

7 — E houve batalha no céu: Miguel e os seus anjos batalhavam contra o dragão; e batalhavam o dragão e os seus anjos,

8 — mas não prevaleceram; nem mais o seu lugar se achou nos céus.

9 — E foi precipitado o grande dragão, a antiga serpente, chamada o diabo e Satanás, que engana todo o mundo; ele foi precipitado na terra, e os seus anjos foram lançados com ele.

10 — E ouvi uma grande voz no céu, que dizia: Agora chegada está a salvação, e a força, e o reino do nosso Deus, e o poder do seu Cristo; porque já o acusador de nossos irmãos é derribado, o qual diante do nosso Deus os acusava de dia e de noite.

11 — E eles o venceram pelo sangue do Cordeiro e pela palavra do seu testemunho; e não amaram a sua vida até à morte.

12 — Pelo que alegrai-vos, ó céus, e vós que neles habitais. Ai dos que habitam na terra e no mar! Porque o diabo desceu a vós e tem grande ira, sabendo que já tem pouco tempo.

A palavra disciplina na Bíblia tem a ver com correção e castigo com punição. A Grande Tribulação tem como alvo a disciplina da nação de Israel. Ou seja; corrigi-la da desobediência e obstinação para com Deus. “O Senhor corrige ao que ama...”, (Hb 12.6). Portanto, por mais que seja difícil aceitar, a Grande Tribulação é um ato do amor de Deus para com Israel.

 

DIDÁTICA

Através de Hebreus 12.6 entendemos que Deus deseja a restauração de Seus filhos, e não apenas aplicar punição pelo seus erros. Para ajudar sua classe a entender essa atitude do amor de Deus para com Israel leve-os a refletir sobre as diferenças entre castigo e disciplina usada no livro Socorro temos filhos do doutor Bruce Narramore. Use uma folha de papel pardo ou um quadro-de-giz com linhas verticais, formando duas colunas. Transcreva conforme descrito abaixo:É o povo de Israel a razão mais evidente da Grande Tribulação. Ele é o alvo principal por causa das suas relações com o plano redentor de Deus para com a humanidade. Israel foi escolhido para representar os interesses divinos na Terra. Mas, lamentavelmente, não foi fiel aos pactos e, por isso, houve a mudança no plano divino. Sua desobediência, prevaricação e idolatria serão castigadas nesse período. No entanto, o propósito de Deus não é só o de castigar Israel, mas também o de mostrar sua fidelidade e amor para com o Seu povo.

  1. A MULHER VESTIDA DE SOL (Ap 12.1,2)

Depois dos vários eventos catastróficos efetivados pela abertura dos sete selos e das sete trombetas, surge um intervalo com uma série de visões e, então, haverá o derramamento das sete taças de pragas sobre a Terra.

Três personagens são destacados no capítulo 12 de Apocalipse: a mulher vestida de sol, o grande dragão vermelho e o filho varão.

  1. Quem é a mulher vestida de sol? Há várias interpretações acerca dessa mulher e o que ela representa. Segundo a linha de interpretação que adotamos entendemos que ela não representa a Igreja de Cristo, uma vez que esta estará no céu com Cristo. Também a mulher não representa a Igreja do Antigo Testamento, nem tampouco representa Maria, a mãe humana de Jesus. Indiscutivelmente, representa o povo de Israel.
  2. Os símbolos da mulher. Os símbolos que estão em torno da mulher — o sol, a lua e 12 estrelas — estão associados aos filhos de Israel (Gn 37.9; Jr 31.35,36; Js 10.12-14; Jz 5.20; Sl 89.35-37).

 

  1. O GRANDE DRAGÃO VERMELHO (Ap 12.3,4)
  2. Quem é o grande dragão vermelho. Representa Satanás (Ap 12.9). Essa criatura animalesca e vermelha é a figura do poder do mal e da destruição que virá sobre a nação israelita naqueles dias. O vermelho indica o seu poder sanguinário objetivando matar especialmente a mulher e seu filho.
  3. O poder do dragão. Um detalhe especial desse dragão são as sete cabeças e dez chifres, além de sete coroas sobre essas cabeças (Ap 12.3). As mesmas características desse dragão aparecem sobre a Besta nos capítulos 13 e 17 de Apocalipse. Os poderes que a Besta (Anticristo) demonstrará nos dias da Grande Tribulação serão advindos de Satanás. As sete cabeças e os diademas sobre elas simbolizam os grandes reinos e os poderes desses reinos. Satanás usará de toda a sua força para destruir Israel naqueles dias. Ele é o dragão vermelho que se lançará contra o povo de Deus representado pela mulher.
  4. Que representam as estrelas do céu? (Ap 12). Alguns intérpretes afirmam que serão homens proeminentes do mundo que se levantarão contra Israel para destruí-lo da face da Terra. Porém, a interpretação mais aceitável indica que se trata de demônios sob a égide de Satanás, os quais, lançados sobre o mundo, promoverão grande desordem moral, social e espiritual no seio da humanidade.

 

III. O FILHO VARÃO (Ap 12.5)

  1. Quem é o filho varão. Os intérpretes divergem aqui. Há os que afirmam se tratar da Igreja, equivocadamente. Outros entendem que se trata dos mártires da Grande Tribulação, e outros afirmam que esse filho varão representa o remanescente judeu de então.
  2. Jesus, o mais evidente. A interpretação mais aceitável diz que esse filho varão representa Jesus, uma vez que somente Ele, o Messias, “regerá as nações com vara de ferro”. O Salmo 2 é messiânico e se constitui num rico contexto profético no cumprimento da profecia de Apocalipse 12.5. Israel representa a mulher, e o filho varão representa Jesus. Ele nasceu de mulher israelita. Por isso, quando o texto diz que a mulher (Israel) deu à luz um filho varão, está, na realidade, falando do nascimento humano de Jesus. Quando fala que o “filho foi arrebatado para Deus e para o seu trono”, refere-se à ascensão vitoriosa de Cristo depois da Sua ressurreição.

Há um paralelo entre Ap 12 e Miquéias 5, que identifica a mulher como a nação israelita. Mq 5.2 fala sobre o nascimento dAquele que seria o Senhor em Israel, o Messias. Entretanto, por causa da rejeição deste governante (o Messias) na Sua primeira vinda, a nação foi posta de lado. O texto de Mq 5.3 declara assim: “os entregará até ao tempo em que a que está de parto tiver dado à luz”, indicando que a nação estará com dores de parto até ao tempo de dar à luz o filho. Também, em Rm 9.4,5 o apóstolo Paulo fala dos israelitas e declara que Cristo veio de Israel, segundo a carne.

  1. A tentativa inútil do grande dragão contra o filho varão. Satanás, o grande dragão vermelho não conseguirá alcançar o filho varão porque ele foi arrebatado para o seu trono. O filho varão de Israel, arrebatado do poder de Satanás, um dia descerá em grande pompa sobre o monte das Oliveiras (Zc 14.1-9) e, então, tomará as rédeas do governo mundial sob o poder do Diabo, o Anticristo e o Falso Profeta.

Na vinda poderosa do filho, o Anticristo e o Falso Profeta serão lançados no Lago de Fogo (Ap 19.19,20). No mesmo ímpeto da gloriosa vinda do filho varão, o grande dragão, que é Satanás, será amarrado e lançado no Poço do Abismo (Ap 12.7-9; 20.1-3).

 

  1. A FUGA DA MULHER PARA O DESERTO (Ap 12.6)
  2. O deserto (Ap 12.6). Não se refere aqui especificamente a um lugar geográfico, mas metafórico. Nas terras do Oriente Médio o deserto é o lugar mais apropriado para fugitivos. A mulher representa a nação de Israel, depois de perseguida pelo grande dragão vermelho, que foge para um lugar de refúgio no deserto, para escapar à fúria do dragão, o Diabo.
  3. O período do refúgio (Ap 12.6). As pressões sobre Israel serão enormes naquele período, mas o grupo fiel encontrará refúgio por 1.260 dias. No calendário judaico de 360 dias, os 1.260 dias equivalem à metade da semana profética de Daniel 9.27, ou seja, três anos e meio. Essa mesma cifra de 1.260 dias equivale a outras cifras tais como quarenta e dois meses, ou “um tempo, tempos e a metade de um tempo”. Essa diferença de linguagem não muda o sentido real da profecia, porque a cifra é a mesma. E exatamente o período mais terrível que sobrevirá sobre Israel na sua terra.
  4. O remanescente judeu (Ap 12.17). No período final da Grande Tribulação, o remanescente judeu, constituído de israelitas fiéis ao antigo pacto, não se submeterá ao sistema do Anticristo, que é a Besta que subiu do mar de Ap 13.1,2, e terá de fugir para o deserto (Ap 12.17). É, sem dúvida, o remanescente judeu salvo na Grande Tribulação.

 

  1. UMA BATALHA ANGELICAL NO CÉU (Ap 12.7-9)
  2. O arcanjo Miguel. Nessa batalha os anjos de Deus sob o comando do arcanjo Miguel, o protetor dos filhos de Israel, abatem completamente os anjos caídos sob o comando de Satanás, o grande dragão vermelho. É interessante notar que Miguel está ligado ao destino do povo de Israel (Dn 12.1). Ele é o guardião dos interesses divinos para com Israel, conforme vemos em Dn 10.13,21; Jd v.9.
  3. Satanás, o dragão vermelho. Nessa batalha vemos o esforço de Satanás para neutralizar o plano vindicativo de Deus através dos anjos na história do mundo e, especialmente, quanto a Israel. E um conflito entre o bem e o mal. Satanás é o grande dragão vermelho que, mais uma vez investe contra o poder de Deus representado pelo arcanjo Miguel e seus anjos. Mas o dragão é derrotado fragorosamente e expulso do céu. Os seus domínios foram desfeitos.
  4. A vitória do bem sobre o mal. Na visão de João, o dragão quis devorar o filho varão da mulher, mas foi impedido por uma força maior, uma milícia superior a dele. Essa batalha indica que os poderes de Satanás foram reduzidos, e o mundo começa a se preparar para receber o Messias. Aprendemos aqui que o direito sempre terá de triunfar sobre o erro, o bem sobre o mal, a verdade sobre a mentira. As vantagens de Satanás foram anuladas para que a vitória do povo de Deus prevalecesse no mundo. No texto de Ap 12.9, o dragão vermelho é definido como “o acusador” (Diabo), a “antiga serpente”.

Depois da vitória de Miguel e seus anjos contra o dragão e seus aliados (demônios), diz a Bíblia que houve regozijo e alegria no céu (Ap 12.10). Esta alegria resulta do fato que a Grande Tribulação findará para Israel e para o mundo, quando Cristo voltar gloriosamente.

“Em sua perseguição para destruir os judeus, a Besta conduzirá seus exércitos contra Jerusalém.

“‘... E contra ela (Jerusalém) se ajuntarão todas as nações da terra’ (Zc 12.3b); ‘Porque eu ajuntarei todas as nações para a peleja contra Jerusalém; e a cidade será tomada, e as casas serão saqueadas, e as mulheres forçadas; metade da cidade sairá para o cativeiro, mas o restante do povo não será expulso da cidade’ (Zc 14.2).

“Nessa ocasião crítica, parte de Israel refugiar-se-á nos montes e abrigos naturais de Edom, Moabe e Amom. (Ler Isaías 16.1-5; Salmo 60.9; Ezequiel 20.35-38; Daniel 12.6,13,14.) Estas passagens todas tratam disso. Esses antigos países bíblicos (Edom, Moabe e Amom) constituem hoje em dia o centro-sul da Jordânia. Durante o Milênio eles pertencerão a Israel (Nm 24.17,18; Sl 60.8,9; Is 11.14). Em Isaías 16.1 é mencionada a capital de Edom — Selá (em grego: Petra), a elevada cidade-fortaleza, plantada nas rochas. Isso fica a 96 km ao sul do mar Morto. Edom, Moabe e Amom serão poupados por Deus durante a investida arrasadora do Anticristo contra Israel, a fim de que para aí os judeus escapem. (Ler Daniel 11.41.) Já uma vez Israel refugiou-se aí, quando Babilônia os hostilizou (Jr 40.11,12).” (O Calendário da Profecia, CPAD)

Apocalipse 12.2-4 trata sobre o conflito dos séculos. “É a luta do Diabo, tudo fazendo para que o Messias não viesse ao mundo. Esse conflito vemo-lo de Gênesis aos Evangelhos. Momentos houve em que parecia que o inimigo tinha ganhado a batalha. As cinco piores ocasiões na história de Israel foram: 1) na apostasia do bezerro de ouro, quando apenas uma tribo ficou leal a Deus (a de Levi); 2) no caso da corrupção moral de Israel, em Sitim, durante u peregrinação no deserto, por conselho de Balaão; 3) no caso do pecado de Davi, com o qual Deus fizera aliança quanto ao nascimento do futuro Messias; 4) no caso do livro de Ester, quando houve um plano para exterminar todos os judeus: 5) no caso de Belém, quando o rei Herodes decretou a matança dos inocentes, para naquele meio, Jesus ser morto. Em todos esses momentos críticos o inimigo perdeu a batalha. Por fim, numa noite, os anjos anunciaram o nascimento do Salvador, o qual caminhou resoluto em direção ao Calvário, onde, por fim, bradou agonizante, mas triunfantemente: ‘Tudo está consumado!’ Aleluia!

“Versículo 3. O dragão com sete cabeças. Isso fala de sua plenitude de astúcia. Sete chifres representam seu imenso poderio. Sete diademas, seu domínio. O dragão era vermelho, que é a cor do sangue e do fogo. Isso indica, como sabemos, que ele é o provocador de mortes, guerras, intrigas, contendas e tensões individuais e coletivas, quentes como o fogo e que terminam explodindo. (Ler Gênesis 4.5,8 comparando com 1 João 3.12.)

“Versículo 4. ‘a terça parte das estrelas do céu’. Isto refere-se aos anjos que caíram com Lúcifer, conforme Isaías 14.12 e Ezequiel 28.16. Muitas referências na Bíblia apontam os anjos como estrelas. Exemplo: Juízes 5.20; Jó 38.7: 25.5; Isaías 14.13, etc. ‘A sua cauda arrasta a... ’. É conhecida a grande força que a serpente e outros répteis, como o jacaré, têm na cauda. Os animais pré-históricos do tipo réptil tinham gigantesca força nas suas caudas para ataque e defesa. O termo dragão significa animal monstruoso; serpente gigantesca. O dragão no versículo 3 figura o Diabo, e é chamado serpente em 12.9. O termo no original deriva de um verbo que significa ver de modo penetrante.” (Daniel e Apocalipse, CPAD)

 

 SUBSIDIO (N.5) RECONSTRUÇÃO DO TEMPLO DE SALOMÃO.

                              Ezequiel 43.1-9.

1 - Então, me levou à porta, à porta que olha para o caminho do oriente.

2 - E eis que a glória do Deus de Israel vinha do caminho do oriente; e a sua voz era como a voz de muitas águas, e a terra resplandeceu por causa da sua glória.

3 - E o aspecto da visão que vi era como o da visão que eu tinha visto quando vim destruir a cidade; e eram as visões como a que vi junto ao rio Quebar; e caí sobre o meu rosto.

4 - E a glória do Senhor entrou no templo pelo caminho da porta cuja face está para o lado do oriente.

5 - E levantou-me o Espírito e me levou ao átrio interior; e eis que a glória do Senhor encheu o templo.

6 - E ouvi uma voz que me foi dirigida de dentro do templo; e um homem se pôs junto de mim

7 - e me disse: Filho do homem, este é o lugar do meu trono e o lugar das plantas dos meus pés, onde habitarei no meio dos filhos de Israel para sempre; e os da casa de Israel não contaminarão mais o meu nome santo, nem eles nem os seus reis, com as suas prostituições e com os cadáveres dos seus reis, nos seus altos,

8 - pondo o seu umbral ao pé do meu umbral e a sua ombreira junto à minha ombreira, e havendo uma parede entre mim e entre eles; e contaminaram o meu santo nome com as suas abominações que faziam; por isso, eu os consumi na minha ira.

9 - Agora, lancem eles para longe de mim a sua prostituição e os cadáveres dos seus reis, e habitarei no meio deles para sempre.

 

Atualmente, os cristãos ocidentais não valorizam o templo? Na Europa, os antiguíssimos e espaçosos templos, outrora tão frequentados, estão vazios. Isso acontece devido ao esfriamento espiritual e a dessacralização dos locais religiosos. No Brasil, apesar da enorme e crescente quantidade de templos em todas as regiões, poucos são os que realmente lhes atribuem valor sacro. Entretanto, o povo judaico sempre valorizou o templo como lugar sagrado e de adoração a Deus. Hoje, eles ainda almejam a reconstrução do Grande Templo, por considerá-lo, entre outras coisas, o símbolo da unidade da nação com o Messias.

 Os propósitos principais do Templo dos judeus foram delineados nas planícies de Moabe em 1405 a.C. Embora não haja uma referência direta ao Templo, e sim ao local onde Yahweh escolheria entre as tribos “para ali pôr o seu nome” (Dt 12.4;11,14), a narrativa de Deuteronômio é decisiva para a compreensão da importância de um santuário central. O Templo serviria para: O Senhor habitar entre o povo (v.4); Israel oferecer o seu culto (v.11); servir de unidade nacional (vv.10,14) e livrar Israel da idolatria (vv.1-3,30).

Por fim, o Templo foi construído em Jerusalém, na antiga eira de Araúna, no monte Moriá (2 Cr 3.1), em torno de 966 a.C. Após a construção do Santuário, os preceitos básicos foram transgredidos: idolatria, transferência da unidade nacional baseada no Templo para a monarquia e, por conseguinte, a glória do Senhor ausentou-se do Santuário. Sucessivas reformas procuraram restaurar o Templo: de Asa (1 Rs 14.9s.); Josias (2 Rs 22), mas estas estavam condicionadas à fidelidade do rei. O Templo é destruído e reconstruído (2 Cr 36.19,23), profanado por Antíoco Epifânio (168 a.C), reconsagrado por Judas, o Macabeu (165 a.C), reformado por Herodes (20-19 a.C), destruído pelo general Tito em 70 d.C e, por fim, ansiado pelos judeus.

 

DIDÁTICA

A fim de ilustrar a lição, transcreva para o quadro-de-giz ou cartolina o esquema didático abaixo. Trata-se de um esboço gráfico que apresenta as relações e progressos de um determinado assunto. Ele tem por objetivo proporcionar uma visão panorâmica de todo o conteúdo da lição. Observe no modelo abaixo as fases do Templo.

 A profecia concernente à reconstrução do Santo Templo, em Jerusalém, é um dos mais eloquentes alertas quanto ao iminente retorno de Nosso Senhor Jesus Cristo. Apesar de não sabermos se o Templo será reerguido antes, ou depois, do arrebatamento da Igreja, de uma coisa temos certeza: esta profecia está prestes a se cumprir.

Os achados arqueológicos, contudo, estão a levantar algumas interrogações. Onde ficava exatamente o templo? Se a mesquita de Omar ocupa, de fato, a área do antigo templo, este projeto será possível? A única coisa que sabemos é que as profecias sobre a reconstrução do Santo Templo hão de se cumprir fielmente, como fielmente cumpriram-se as profecias a respeito da restauração nacional de Israel em 14 de maio de 1948.

 

  1. O QUE É O SANTO TEMPLO

O Santo Templo construído por Salomão não pode ser visto apenas como um assombro arquitetônico; é a concretização de um ideal que, tendo início com os patriarcas, fez-se realidade com o suntuoso edifício que o filho de Davi ergueu em Jerusalém (Gn 28.10-17; 1 Rs 5-8).

  1. Definição. O Santo Templo, por conseguinte, é o santuário por excelência do povo israelita, onde não somente este, como também os gentios, deveriam adorar e buscar ao Deus Único e Verdadeiro em espírito e verdade (Mc 11.17).
  2. Conceito teológico. Edificado em Jerusalém, possuía o Santo Templo uma função teologicamente missionária: atrair os gentios ao Deus de Abraão (2 Cr 6.32,33; Mt 12.42), fazendo com que estes, juntamente com os judeus, viessem a constituir-se num só povo em Cristo Jesus.

Infelizmente, o Santo Templo foi transformado, por reis infiéis e apóstatas, num centro ecumênico, onde cada povo tinha ali um altar para o seu deus (1 Rs 11.1-13). Dessa forma, Israel perdeu a sua maior oportunidade de expandir o Reino de Deus até aos confins da terra.

 

  1. O TEMPLO DE SALOMÃO

A construção do Santo Templo teve início por volta do ano 966 a.C. O autor sagrado dedica a este empreendimento três capítulos do 1º Livro dos Reis. Terminada a obra, que consumiu os sete primeiros anos do glorioso reinado de Salomão, e que mobilizou todo o Israel e os países vizinhos, assim testemunha o cronista com respeito à glória do Senhor que sobreveio àquele santuário:

  1. A glória do Senhor enche o templo. “A casa se encheu de uma nuvem, a saber, a Casa do Senhor; e não podiam os sacerdotes ter-se em pé, para ministrar, por causa da nuvem, porque a glória do Senhor encheu a Casa de Deus” (2 Cr 5.13.14).
  2. A glória do Senhor deixa o templo. Salomão, que tão bem começara o seu reinado, desvia-se do Senhor para seguir os deuses de suas muitas mulheres gentias (1 Rs 11.1-13). E, assim, induz Israel à apostasia. Em consequência, o Senhor decide destruir Jerusalém e, com esta, o Santo Templo (Jr 7.1-16).

Antes, porém, que viessem os exércitos babilônicos, retira Ele a sua glória do lugar santíssimo (Ez 11.23). Como haviam predito os profetas, a Casa de Deus é posta em desolação por 70 anos (Dn 9.2).

III. A RECONSTRUÇÃO DO SANTO TEMPLO

  1. O templo de Zorobabel. Terminados os 70 anos de exílio, suscita o Senhor o espírito de Zorobabel, a fim de que reconstrua o Santo Templo (Ed 3.1-13). Passados quase cinco séculos, eis que Herodes põe-se a reformá-lo, objetivando transformá-lo numa das mais notáveis edificações do Império Romano. Neste empreendimento, o perverso monarca compromete quarenta e seis anos de seu governo (Jo 2.20). A construção era sobremodo majestosa, servindo inclusive de introdução ao Sermão Profético de Nosso Senhor (Mc 13.1).

No ano 70, os exércitos romanos, sob o comando de Tito, destroem completamente o Santo Templo, conforme antecipara o Senhor Jesus (Mt 24.2). Desde então, os judeus, privados de seu santuário, não mais puderam oferecer a Deus os sacrifícios prescritos no Antigo Testamento. Mas, com muito anelo, aguardam a reconstrução do Santo Templo em Jerusalém.

  1. O templo da 70ª Semana. Eis as profecias que fazem referência à reconstrução do templo da 70ª Semana.
  2. a) Daniel (Dn 9.27); b) Jesus (Mt 24.15); c) Paulo (2 Ts 2.3-9).
  3. O templo do Milênio. Este templo, por suas características descritas por Ezequiel, difere do templo da 70ª Semana pois será edificado sobre um monte localizado na parte central do território sagrado dos sacerdotes (Ez 40.2). Os seus átrios serão murados para se evitar a sua profanação (Ez 48.8-22). Neste templo, a glória de Deus haverá de manifestar-se a Israel e ao mundo. E sobre ambos os povos estará governando o Cristo de Deus como o Rei dos reis e Senhor dos senhores.

Apesar da importância profética do Santo Templo, nós, que recebemos a Cristo Jesus como o nosso Salvador e Redentor, devemos ter sempre em mente as palavras de Cristo àquela samaritana que se achava mui preocupada com o verdadeiro lugar de adoração: “Mas a hora vem, e agora é, em que os verdadeiros adoradores adorarão o Pai em espírito e em verdade, porque o Pai procura a tais que assim o adorem. Deus é Espírito, e importa que os que o adoram o adorem em espírito e em verdade” (Jo 4.23,24).

A reconstrução do Santo Templo, entretanto, deve ser encarada como um dos mais fortes sinais da volta de Cristo Jesus. Não sabemos quando se dará este fato: antes ou depois do arrebatamento? O que realmente sabemos é que Cristo em breve virá buscar a sua Igreja.

Querido Jesus, os sinais tornam-se cada vez mais fortes e extraordinários. Não permitas que os teus filhos adormeçam na incredulidade. Ajuda-nos a ser mais precavidos. Em teu nome. Amém!

  “O Templo que será erguido e que certamente será profanado pelo Anticristo tem sido bastante discutido pelos judeus de todo o mundo. Quando Israel conquistou a parte velha da cidade de Jerusalém com as ruínas do Templo, em 1967, o velho historiador judeu Israel Eldad, segundo citação da ‘Revista Time’, teria dito: ‘Agora estamos no mesmo ponto em que Davi estava, quando libertou Jerusalém das mãos dos jebuseus’. E acrescentou: ‘Daquele dia até o momento em que Salomão construiu o Templo passou-se apenas uma geração. Assim também acontecerá conosco’.

Recentemente declarou um rabino judeu: ‘Estamos prestes a ver o grande Templo reconstruído’, isto é, o Templo da Grande Tribulação. E, sendo indagado por um Jornal bastante badalado: ‘Quem o reconstruirá: os judeus ou o Anticristo?’ Ele respondeu: ‘O Templo é chamado de ‘...o Templo de Deus’ (Dn 8.11,14; Mt 24.15; 2 Ts 2.4; Ap 11.1) e, evidentemente só os judeus (ou através deles) serão autorizados por Deus para sua construção’.

[...] É sabido hoje que já há projeto em Israel para a construção do Novo Templo. Os judeus políticos dizem: A construção do Templo será um ato político de primeira categoria, pois somente assim a anexação de Jerusalém se tornará uma realidade política. Além disso, também motivos religiosos forçam a construção do Templo”. (SILVA, S. P. Escatologia: doutrina das últimas coisas. 12.ed., RJ: CPAD, 2000, pp.79-80).

 

SUBSIDIO (N.6)  SURGIMENTO DO IMPERIO ROMANO

                              Daniel 7.7-14.

7 - Depois disso, eu continuava olhando nas visões da noite, e eis aqui o quarto animal, terrível e espantoso e muito forte, o qual tinha dentes grandes de ferro; ele devorava, e fazia em pedaços, e pisava aos pés o que sobejava; era diferente de todos os animais que apareceram antes dele e tinha dez pontas.

8 - Estando eu considerando as pontas, eis que entre elas subiu outra ponta pequena, diante da qual três das pontas primeiras foram arrancadas; e eis que nessa ponta havia olhos, como olhos de homem, e uma boca que falava grandiosamente.

9 - Eu continuei olhando, até que foram postos uns tronos, e um ancião de dias se assentou; a sua veste era branca como a neve, e o cabelo da sua cabeça, como a limpa lã; o seu trono, chamas de fogo, e as rodas dele, fogo ardente.

10 - Um rio de fogo manava e saía de diante dele; milhares de milhares o serviam, e milhões de milhões estavam diante dele; assentou-se o juízo, e abriram-se os livros.

11 - Então, estive olhando, por causa da voz das grandes palavras que provinha da ponta; estive olhando até que o animal foi morto, e o seu corpo, desfeito e entregue para ser queimado pelo fogo.

12 - E, quanto aos outros animais, foi-lhes tirado o domínio; todavia, foi-lhes dada prolongação de vida até certo espaço de tempo.

13 - Eu estava olhando nas minhas visões da noite, e eis que vinha nas nuvens do céu um como o filho do homem; e dirigiu-se ao ancião de dias, e o fizeram chegar até ele.

14 - E foi-lhe dado o domínio, e a honra, e o reino, para que todos os povos, nações e línguas o servissem; o seu domínio é um domínio eterno, que não passará, e o seu reino, o único que não será destruído.

 

PONTO DE CONTATO

 

Nesta lição, estudaremos um tema interessante e de grande profundidade, cujo desdobramento exige do professor instrução nos campos de estudo profético, histórico e contemporâneo. Você se sente apto para ministrar um assunto dessa envergadura? Não ensine despreparado! Estude com bastante antecedência.

 

OBJETIVOS

 

Após esta aula, o aluno deverá estar apto a:

Explicar a origem do Império Romano.

Analisar o ressurgimento do Império Romano na Era Escatológica.

Localizar as profecias bíblicas acerca do Império Romano.

 

SÍNTESE TEXTUAL

 

Os versículos 33-35 do capítulo 2 do livro de Daniel referem-se ao final do período dos gentios, no vale do Armagedom, onde os dez reinos escatológicos (que são uma extensão do Império Romano), serão destruídos pela pedra, que é Cristo, surgindo um novo reino.

No capítulo 7 de Daniel, temos a visão dos quatro animais que representam a história moral e religiosa desses quatro reinos: o leão — Babilônia (4); o urso — Média e Pérsia (5); o leopardo — Grécia (6); o animal terrível — Roma (7). Os dez dedos da estátua correspondem aos dez chifres do animal e aos dez da besta (Dn 2.41; 7.24; Ap 13.1; 17.12), que representam dez regiões administrativas que abrangerão um território maior do que o Antigo Império Romano. O Novo Império Romano dará apoio ao Anticristo (Dn 7.25), mas será um governo instável (Dn 2.41-43), marcado por guerras (Dn 7.24) e por sistemas políticos distintos — ferro e barro (Dn 2.33).

 

ORIENTAÇÃO DIDÁTICA

 

Professor, nesta lição, usaremos uma Correspondência Lógica entre as profecias. Este recurso apresenta a relação entre duas profecias que se completam (Dn 2.31-45 7.3-28). Preencha o quadro diante dos alunos. Solicite a participação de todos.  

introdução

 

O renascimento do Império Romano não é uma hipótese. Se ao término da Segunda Guerra Mundial, parecia ele utopia numa Europa humilhada e destruída, hoje mostra-se mais real do que nunca. Não importa o nome que se lhe dê: União Europeia ou Novo Império Romano. O terrível animal, visto por Daniel, acha-se prestes a pisar e a despedaçar a quantos se lhe opuserem. Esse reino, que não terá paralelo na história dos grandes impérios, devido a sua maldade, dará todo o suporte político, econômico e religioso ao Anticristo, a fim de que este venha a dominar o mundo todo.

O Senhor Jesus, porém, o abaterá, reduzindo-o a um monturo. O Rei dos reis e Senhor dos senhores não tolerará a soberba do inimigo.

A Europa reunificada, por conseguinte, não é um mero fenômeno político, mas o cumprimento da profecia bíblica. É o que veremos nesta lição.

 

  1. A ORIGEM DO IMPÉRIO ROMANO

 

Fundada em 753 a.C, foi a cidade de Roma estendendo-se até assenhorear-se dos mais distantes e desconhecidos reinos. Seus domínios iam da Europa à Babilônia, englobando o Norte da África e o Oriente Médio.

Em 66 a.C, as forças romanas chegaram à Terra Santa. Comandadas pelo general Pompeu, conquistaram o território israelita e subjugaram Jerusalém. Mostrando nenhum respeito ao vencido, Pompeu invade a Casa de Deus, escarnece dos ministros do altar e profana o Santo dos santos.

O terrível animal começava a exibir suas garras.

 

  1. O IMPÉRIO ROMANO NA BÍBLIA

 

  1. A profecia de Moisés. A Europa era praticamente desabitada, quando Moisés profetizou a ascensão de Roma como a grande opressora dos filhos de Israel: “O SENHOR levantará contra ti uma nação de longe, da extremidade da terra, que voa como a águia, nação cuja língua não entenderás; nação feroz de rosto, que não atentará para o rosto do velho, nem se apiedará do moço” (Dt 28.49,50).

Foi exatamente isso o que aconteceu no ano 70 de nossa era, quando os exércitos romanos, comandados por Tito, destruíram Jerusalém, derribaram o Santo Templo e dispersaram os poucos judeus que sobreviveram à ira romana.

  1. A profecia de Daniel. Em duas ocasiões distintas, o profeta Daniel refere-se tipologicamente ao Império Romano. No capítulo dois, descreve ele a aparência exterior deste; ao passo que, no capítulo sete, revela sua índole e caráter.
  2. a) Sua aparência exterior. “E o quarto reino será forte como ferro; pois, como o ferro esmiúça e quebra tudo, como o ferro quebra todas as coisas, ele esmiuçará e quebrantará” (Dn 2.40).
  3. b) Seu caráter. “Depois disso, eu continuava olhando nas visões da noite, e eis aqui o quarto animal, terrível e espantoso e muito forte, o qual tinha dentes grandes de ferro; ele devorava, e fazia em pedaços, e pisava aos pés o que sobejava; era diferente de todos os animais que apareceram antes dele e tinha dez pontas” (Dn 7.7).

No capítulo 13 de Apocalipse, o Império Romano é mostrado como a base para os dois representantes de Satanás: a Besta e o Falso Profeta. Veja como as profecias de Daniel acham-se em perfeita harmonia com as de João.

 

III. TENTATIVAS DE SE ERGUER O IMPÉRIO ROMANO

 

Não foram poucas as tentativas de se ressuscitar o Império Romano. O que dizer do Sacro Império Romano Germânico? Ou das tentativas da Igreja Católica em ocupar o espaço deixado pelos imperadores de Roma?

No início do século XIX, o imperador francês, Napoleão Bonaparte, à frente de um formidável exército, saiu a unificar uma Europa retalhada por ódios e nacionalismos irreconciliáveis. Ele, porém, fracassou como haveria de fracassar Adolf Hitler durante a Segunda Guerra Mundial.

Se por um lado, ostenta a Europa a dureza do ferro; por outro, mostra ser tão frágil quanto o barro. Além do mais, como pode o ferro unir-se ao barro?

 

  1. O IMPÉRIO ROMANO NA ERA ESCATOLÓGICA

 

Que ninguém se engane! A era escatológica já chegou. E uma de suas maiores evidências é o ressurgimento do Império Romano que, desta feita, terá as seguintes características:

  1. Apesar das aparências, estará cronicamente dividido. “E, como os artelhos eram em parte de ferro e em parte de barro, assim por uma parte o reino será forte e por outra será frágil. Quanto ao que viste do ferro misturado com barro de lodo, misturar-se-ão com semente humana, mas não se ligarão um ao outro, assim como o ferro se não mistura com o barro” (Dn 2.42,43).

Houve um tempo na Europa que, não obstante o parentesco de seus monarcas, estavam estes sempre em guerra. Foram-se quase todos os reis, e veio a União Europeia; a situação, porém, em nada foi alterada. Os ingleses continuam a não aturar os franceses, que desconfiam dos alemães, que não se dão com os italianos, que não aturam os espanhóis...

É justamente sobre bases tão frágeis que está sendo construído o Novo Império Romano.

  1. A formação administrativa do Novo Império Romano. Tanto Daniel como João mostram o Novo Império Romano constituído a partir de dez unidades (Dn 2.41,42; Ap 13.1). Pensava-se, de início, que seria ele formado por apenas dez nações. Hoje, porém, já são 25 os países que formam a União Europeia. Como entender esta aparente contradição?

Na verdade, não são dez países; e, sim, dez regiões administrativas que abrangerão um território maior do que o Antigo Império Romano. Logo, o Novo Império Romano ocupará não somente a Europa, mas também o Norte da África e o Oriente Médio. Por conseguinte, cada região administrativa será composta por mais de um país.

  1. O objetivo do Novo Império Romano. Terá o Novo Império Romano, por objetivo, sustentar o governo que Satanás, através da Besta e do Falso Profeta, implantará no mundo logo após o arrebatamento da Igreja. De acordo com Apocalipse 13, o domínio do Anticristo abrangerá tanto a economia e a política como a religião. Todavia, este reino não subsistirá; Cristo fará dele um monturo.
  2. A destruição do Novo Império Romano. Ainda que o Império Romano se reerga, Cristo o destruirá. Nosso Senhor é aquela pedra que, sem esforço humano, abateu-se sobre a estátua vista por Nabucodonosor (Dn 2.34,35,44).

Daniel continua a descrever a ruína do Novo Império Romano, agora mostrado como aquele animal terrível: “Estive olhando até que o animal foi morto, e o seu corpo, desfeito e entregue para ser queimado pelo fogo” (Dn 7.11). Por quem foi o animal morto? Pelo Filho de Deus! E. assim, recebe o Senhor Jesus o poder, a glória e a majestade.

Por mais poderosos que se mostrem os reinos deste mundo, não subsistirão ante a soberania divina. Roma dominou nações e reinos; pisou os mais aguerridos povos e humilhou os mais altivos soberanos. Mas nada poderá fazer contra o Senhor Jesus. Ele é o Rei dos reis e o Senhor dos senhores.

Não tarda o dia em que o Império Romano, base do governo do Anticristo, haverá de prestar contas a Deus por todos os seus pecados e iniquidades. Ainda que renascido, não subsistirá.

Senhor Jesus, quem poderá subsistir ante o teu poder? Que a honra, a força e a glória sejam-te tributadas para todo o sempre.

 

“[...] Consideração das principais escolas escatológicas:

Preterista. Interpreta as profecias de Daniel e do Apocalipse como já cumpridas, com exceção de umas poucas....

Nessa visão das profecias, quase todo o livro de Daniel se cumpriu no período interbíblico (antes de Cristo) e o Apocalipse, na sua quase totalidade, foi cumprido nos primeiros três séculos da Era Cristã....

Progressista. Como o próprio nome já indica, interpreta Daniel e o Apocalipse como o desenvolvimento histórico do mundo. [...] Ela procura os cumprimentos proféticos nos grandes eventos, como o papado, a Reforma, a Revolução Francesa etc, e seus adeptos chegaram a marcar diversas datas para a volta de Cristo, sendo a principal delas a de 22 de outubro de 1844....

Futurista. Segundo essa escola, quase todas as profecias de Daniel e do Apocalipse se cumprirão durante os sete anos que se seguirão ao arrebatamento da Igreja, que, por sua vez, ocorrerá repentinamente.” (ALMEIDA, A. Israel, Gogue e o Anticristo. 11.ed., RJ: CPAD, 1999, pp.122-3).FONTE CPAD     

 

 SUBSIDIO( N.8)   O GOVERNO DO ANTICRISTO

                            Apocalipse 13.1-9.

 

1 - E eu pus-me sobre a areia do mar e vi subir do mar uma besta que tinha sete cabeças e dez chifres, e, sobre os chifres, dez diademas, e, sobre as cabeças, um nome de blasfêmia.

2 - E a besta que vi era semelhante ao leopardo, e os seus pés, como os de urso, e a sua boca, como a de leão; e o dragão deu-lhe o seu poder, e o seu trono, e grande poderio.

3 - E vi uma de suas cabeças como ferida de morte, e a sua chaga mortal foi curada; e toda a terra se maravilhou após a besta.

4 - E adoraram o dragão que deu à besta o seu poder; e adoraram a besta, dizendo: Quem é semelhante à besta? Quem poderá batalhar contra ela?

5 - E foi-lhe dada uma boca para proferir grandes coisas e blasfêmias; e deu-se-lhe poder para continuar por quarenta e dois meses.

6 - E abriu a boca em blasfêmias contra Deus, para blasfemar do seu nome, e do seu tabernáculo, e dos que habitam no céu.

7 - E foi-lhe permitido fazer guerra aos santos e vencê-los; e deu-se-lhe poder sobre toda tribo, e língua, e nação.

8 - E adoraram-na todos os que habitam sobre a terra, esses cujos nomes não estão escritos no livro da vida do Cordeiro que foi morto desde a fundação do mundo.

9 - Se alguém tem ouvidos, ouça.

Em Apocalipse 13, a Palavra de Deus apresenta-nos uma tríade do mal: O Dragão (o Diabo), a Besta que emerge do mar (o Anticristo) e a que emerge da terra (o Falso Profeta). O Apocalipse nos mostra que o Anticristo e o Falso Profeta são agentes utilizados pelo Diabo para estabelecer um falso governo de paz e, desde o início da era mundial, executar seu plano para destruir a humanidade. As Escrituras descrevem algumas características singulares para a realidade desse tempo, os últimos dias: Apostasia (2 Ts 2.3,7); Grande Tribulação (Mt 24.29,30); e Revelação do Homem do Pecado (Dn 7.24,25; 2 Ts 2.3,8,9).

Prezado professor, use o esquema abaixo para explicar o terceiro tópico da presente lição. Mostre aos alunos que o governo do Anticristo se dará através de uma tríade apresentada no capítulo treze do livro de Apocalipse. Diga-lhes que tal período (A Grande Tribulação) será o mais assombroso da história humana. Apesar de a Grande Tribulação iniciar numa pretensa paz, iminentemente a humanidade será enlevada por uma repentina destruição (1 Ts 5.3).

 

A TRÍADE MALIGNA

O Dragão

“Um gigantesco dragão de muitas cabeças e muitos chifres. Este dragão é identificado, no versículo 10 [Cap. 12], como Satanás. Assim como o cavalo vermelho, em 6.3, significa sangue e morte, também o vermelho deste dragão é uma referência ao fato de Satanás ser um assassino desde o princípio (Jo 8.44)” (Horton, pp.160,61).

O Anticristo

“Apesar de João não usar o nome ‘Anticristo’, o grego anti primariamente significa ‘em vez de’. Ele buscará ser o substituto daquele que foi Deus ungido. Noutras palavras o Anticristo não admitirá ser o Anticristo. Clamará ser o Cristo real, o fidedigno cumprimento das profecias que apontam para o rei que está vindo para implantar o seu reino” (Horton, p.172).

O Falso Profeta

“[...] O Falso profeta estará a frente da igreja apóstata durante a primeira parte da Grande Tribulação (os verdadeiros crentes já terão sido arrebatados para o encontro com o Senhor Jesus nos ares). Assim, o Falso Profeta tornar-se-á o líder do sistema religioso mundial que o Anticristo estabelecerá na última parte da Grande tribulação [...]” (Horton, p.181).

 Palavra Chave

Governo: Capacidade ou possibilidade de exercer controle sobre um povo.

Se lermos atentamente os jornais, concluiremos que o cenário já está montado para a ascensão de um governo único no mundo. O que era apenas ensaio há três décadas, já começa a ser encenado no Ocidente com os aplausos do Oriente.

As nações, fustigadas pela globalização, suspiram por um líder com poderes ilimitados, a fim de reordená-las econômica e politicamente. É o que se depreende dos discursos proferidos nos organismos internacionais. O caos parece iminente.

Abramos, agora, a Bíblia. As profecias mostram-nos como fato o que parecia ficção: o guia mundial, a quem a Palavra de Deus denomina de Anticristo, está mais próximo do que supomos. Ele aguarda apenas o momento apropriado, para assumir o controle absoluto da terra sob a proteção de Satanás.

Igreja do Senhor, preparemo-nos para a volta de Jesus!

 

  1. QUEM É O ANTICRISTO

A Bíblia apresenta o Anticristo como um personagem real. Não é lenda nem ficção literária.

  1. Definição etimológica. De origem grega, a palavra Anticristo significa, etimologicamente, aquele que se levanta contra Cristo, colocando-se em seu lugar (1 Jo 2.22).
  2. Definição teológica. O Anticristo é o representante máximo de Satanás. É a sua mais perfeita representação (1 Jo 2.18). Trata-se de um homem que, aliciado pelo Diabo, colocar-se-á à sua inteira disposição, com o intuito de governar o planeta em seu nome.

Ele é conhecido também como a “besta que sobe do mar” e o “homem da iniquidade” (Ap 13.1; 2 Ts 2.3). Daniel no-lo mostra como o “assolador” (Dn 9.27).

  1. O APARECIMENTO DO ANTICRISTO
  2. Tempo. O Anticristo manifestar-se-á logo após o arrebatamento da Igreja. A sua chegada coincidirá com a Septuagésima Semana de Daniel (Dn 9.27). E o seu governo terá a duração de três anos e meio (Ap 13.5). Após esse período, enfrentará a ira do Cordeiro: a Grande Tribulação.
  3. Lugar. A sede política de seu governo será a cidade que, no Apocalipse, chama-se Babilônia (Ap 14.8). A hermenêutica profética permite-nos identificá-la com a metrópole que, no passado, sediou o Império Romano. Quando este reedificar-se, o Anticristo haverá de tomar a cidade de Roma como sede administrativa.

Sua capital religiosa será Jerusalém que, espiritualmente, recebe do Evangelista os cognomes de Sodoma e Egito (Ap 11.8). Por ocasião da Septuagésima Semana de Daniel, o Santo Templo já estará reconstruído. E nele assentar-se-á o Anticristo como se fora Deus, reivindicando uma adoração que cabe apenas a Deus (Dn 9.27; Mt 24.15; 2 Ts 2.4).

De Roma e de Jerusalém, a Besta que sobe do mar governará o mundo todo por quarenta e dois meses (Ap 13.5). Nessa empreitada, será sustentado pelo Dragão e pelo Falso Profeta. 

III. O SUSTENTO DO GOVERNO DO ANTICRISTO

O Anticristo contará com o suporte de dois tenebrosos personagens: um espiritual: o Dragão; e o outro humano: o Falso Profeta.

  1. O Dragão. O Dragão é identificado no Apocalipse como a Antiga Serpente (Ap 12.9). Conhecido também como Diabo e Satanás, foi o responsável pela primeira apostasia da humanidade, ao induzir Adão e Eva ao pecado (Gn 3.1-7). Nos últimos dias, seduzirá a raça humana a cometer a segunda grande apostasia da história: adorá-lo como deus na pessoa do Anticristo.

Os historiadores futuros certamente verão essa última rebelião da família adâmica como a Queda das quedas e a Apostasia das apostasias.

  1. O Falso Profeta. Embora não passe de um embuste, o Falso Profeta será convincente e irresistível. Seus milagres e prodígios serão de tal forma grandiosos que até fogo fará descer do céu (2 Ts 2.9; Ap 13.13). O apóstolo Paulo chama seus milagres de mentirosos. Ele realizará dois grandes sinais. O primeiro será uma falsa ressurreição: fará com que o Anticristo, dado como morto num possível atentado, volte à vida (Ap 13.3). Diante do acontecido, a humanidade exclamará: “Quem é semelhante à besta? Quem poderá batalhar contra ela?” (Ap 13.4).

Se o primeiro sinal causou admiração e espanto, o que não diremos do segundo? Ele ordenará aos que habitam na terra que ergam uma imagem à besta que sobrevivera à ferida mortal. Em seguida, dará vida à estátua, que se porá a falar (Ap 13.14,15). Com esses prodígios, convencerá todos a aceitarem a plataforma de governo do Anticristo.

  1. A PLATAFORMA DE GOVERNO DO ANTICRISTO

O Anticristo usará de todos os artifícios, quer naturais quer sobrenaturais, visando:

  1. A promoção da mentira. Representante do pai da mentira, o Anticristo terá por objetivo apagar toda a verdade que Deus imprimiu na Bíblia, na consciência humana e na história. Somente assim, conseguirá aprisionar a humanidade (2 Ts 2.11). Ele já começou o seu trabalho relativizando a verdade, inclusive a teológica.
  2. A promoção do pecado. O Anticristo é conhecido também como o “homem do pecado” (2 Ts 2.3). Hoje ele promove o homossexualismo, o aborto e a eutanásia, como se tais pecados e iniquidades fossem virtudes teológicas. Amanhã, quando assumir o governo do mundo, promoverá o genocídio dos que não lhe aceitarem o sinal, e não haverá ninguém para levantar a voz contra esse crime (Ap 20.4).
  3. A promoção do culto a Satanás. Durante o seu governo, constrangerá a humanidade a adorar o Dragão e seus demônios (Ap 9.20). A fim de que a idolatria, em seu mais alto grau, espalhe-se por toda a terra, o Anticristo levantar-se-á contra Deus e contra os que o adoram (2 Ts 2.4).
  4. A promoção de uma economia única. O Anticristo sabe que, somente controlando a economia do mundo, conseguirá subjugar a política internacional. Por isso, instituirá um código, conhecido como a marca da besta, para que sem o seu número ninguém possa comprar ou vender (Ap 13.16-18). Com a globalização da economia, os governos caminham nesse sentido, não pressentindo o que os espera num futuro bem próximo.

 

Quando o Anticristo proclamar já ter alcançado todos os seus objetivos, o Dia do Senhor virá e ele sofrerá repentina destruição (1 Ts 5.3). Isso acontecerá após o seu quadragésimo segundo mês de governo (Ap 13.5).

O que a Bíblia chama de Grande Tribulação abater-se-á sobre o reinado do Anticristo, levando-o à completa ruína. É a ira do Cordeiro sobre o império do mal (Ap 6.16).

Jesus Cristo destruirá o império do Anticristo, para implantar o Reino de Deus em sua plenitude: “Os reinos do mundo vieram a ser de nosso Senhor e do seu Cristo, e ele reinará para todo o sempre” (Ap 11.15).

“                             A Marca da Besta

Através da história, vem-se tentando identificar o Anticristo nos ditadores e tiranos. Quando me encontrava em Israel em 1962, um judeu convertido disse-me para prestar atenção no nome de Richard Nixon, pois vertido em hebraico soma exatamente 666. Mais tarde, um irmão da Itália contou-me que a inscrição dedicada ao papa, e que pode ser vista no interior da basílica de São Pedro, em Roma, em algarismos latinos, também soma 666. É digno de nota que alguns escribas antigos substituíssem o número 666, por 616, para que se encaixasse com o nome de calígula. A igreja primitiva, unanimemente, rejeitou o artifício.

O Apocalipse, contudo, nada fala sobre a soma de números do nome da besta. A única chave é esta: ‘é o número de um homem’. Expositores da Bíblia interpretam o seis para simbolizar a raça humana. O três para designar a Trindade. A tripla repetição — 666 — pode simplesmente significar que o Anticristo é um homem que crê ser um deus, membro de uma trindade composta pelo Anticristo, Falso Profeta e Satanás (2 Ts 2.4; Ap 13.8)” (HORTON, S. M. Apocalipse: As coisas que brevemente devem acontecer. 2.ed., RJ: CPAD, 2001, p.185).

FONTE CPAD

 

 

 

 SUBSIDIO  AS BODAS DO CORDEIRO MATEUS 22.1-14 Lição n.7

                            Introdução

Este capítulo é uma continuação dos discursos de Cristo no templo, dois ou três dias antes de morrer. Seus discursos, em seguida, são em grande parte gravada, como sendo de peso especial e consequência. Neste capítulo, nós temos, I. instrução dada, pela parábola do casamento-ceia, relativa à rejeição dos judeus, eo chamado dos gentios ( Mateus 22: 1-10 ), e, pela desgraça do convidado que não tinha a veste nupcial, o perigo de hipocrisia na profissão do cristianismo, Mateus 22: 11-14 . II. Disputas com os fariseus, saduceus e escribas, que se opunham a Cristo 1. No que diz respeito homenagem a CAE sar, Mateus 22: 15-22 . 2. Quanto à ressurreição dos mortos, e o estado futuro, Mateus 22: 23-33 . 3. Quanto à grande mandamento da lei, Mateus 22: 34-40 . 4. Quanto à relação entre o Messias de David, Mateus 22: 41-46 .

 

versículos 1-14

A parábola da festa da união.

1 E Jesus, respondendo, disse-lhes novamente por parábolas, dizendo: 2 O reino dos céus é semelhante a um certo rei que celebrou as bodas de seu filho, 3 E enviou os seus servos a chamar os convidados para o casamento e estes não quiseram vir. 4 Depois, enviou outros servos, dizendo: Dizei aos convidados: Eis que tenho o meu jantar preparado meus bois e meus animais cevados estão mortos, e todas as coisas estão prontos: vinde às bodas. 5 Mas eles fizeram luz do que, e seguiram seus caminhos, um para o seu campo, outro para o seu negócio; 6 E o resto, agarrando os servos, e pediu -lhes spitefully, e matou -os. 7 Mas, ouvindo o rei da mesma, ele estava indignou; e enviando os seus exércitos, destruiu aqueles homicidas, e incendiou a sua cidade. 8 Então disse aos seus servos: As bodas, está pronto, mas os que foram convidados não eram dignos. 9 Ide, pois, as estradas, e como muitos como achareis, o lance para o casamento. 10 E os servos, saindo pelos caminhos, ajuntaram todos quantos encontraram, tanto maus como bons; ea festa nupcial foi cheia de convidados. 11 E, quando o rei entrou para ver os convidados, viu ali um homem que não estava em um vestido de casamento: 12 E disse-lhe: Amigo, como entraste aqui, não tendo veste nupcial? E ele emudeceu. 13 Então disse o rei aos servos: Amarrai-o de pés e mãos, e levá-lo embora, e lançou -o nas trevas exteriores ali haverá choro e ranger de dentes. 14 Porque muitos são chamados, mas poucos são escolhidos.

 

Temos aqui a parábola dos convidados para a festa de casamento. Neste é dito ( Mateus 22: 1 ), Jesus respondeu, não ao que seus opositores disse (para eles foram colocados para silenciar), mas o que eles pensavam , quando eles estavam desejando uma oportunidade de colocar as mãos sobre ele, Matthew 21:46 . Note, Cristo sabe como responder a pensamentos dos homens, pois ele é apta para discernir-los. Ou, ele respondeu, ou seja, ele continuou seu discurso com o mesmo significado para esta parábola representa a oferta do evangelho, e o entretenimento que reúne-se com, como o primeiro, mas sob outra similitude. A parábola da vinha representa o pecado dos governantes que perseguiram os profetas também mostra o pecado do povo, que geralmente negligenciadas a mensagem, enquanto os seus grandes estavam perseguindo os mensageiros.

 

Preparações I. evangélicos estão aqui representados por uma festa que um rei fez no casamento de seu filho , tais é o reino dos céus, como a provisão feita para almas preciosas, e pela nova aliança. O rei é Deus, um grande Rei, Rei dos reis. Agora,

 

  1. Aqui é um casamento feito por seu filho, Cristo é o Esposo, a igreja é a noiva do evangelho-dia é o dia do seu desposório, Cântico dos Cânticos 3:11 . Eis que pela fé da igreja do primogênito, que estão inscritos nos céus, e foram dadas a Cristo por ele quem eram e neles você vê a noiva, a esposa do Cordeiro, Apocalipse 21: 9 . O convênio do evangelho é uma aliança de casamento entre Cristo e os crentes, e é um casamento de tomada de Deus. Este ramo da similitude é apenas mencionado, e não processados ​​aqui.

 

  1. Aqui está um jantar preparado para este casamento, Matthew 22: 4 ​​. Todos os privilégios de igreja-membros, e todas as bênçãos da nova aliança, perdão do pecado, a graça de Deus, paz de consciência, as promessas do evangelho, e todas as riquezas contidas neles, o acesso ao trono da graça , o conforto do Espírito, e uma esperança bem fundamentada da vida eterna. Estes são os preparativos para esta festa, um paraíso sobre a terra agora, e um paraíso no céu em breve. Deus preparou-lo em seu conselho, na sua aliança. É um jantar, denotando privilégios presente no meio do nosso dia, ao lado da ceia à noite, em glória.

 

(1.) É uma festa. Preparações evangélicos foram profetizou como uma festa ( Isaías 25: 6 ), um banquete de coisas gordurosas, e foram tipificados por muitos festivais da lei cerimonial ( 1 Coríntios 5: 8 ) Vamos manter a festa. a festa é um bom dia ( Esther 7:17 ), portanto é o evangelho é uma festa contínua. bois e cevados já estão mortos para esta festa há sutilezas, mas a comida substancial o suficiente, e suficiente dos melhores. O dia de uma festa é um dia de abate, ou para o sacrifício, James 5: 5 . Preparações do Evangelho são todos fundados na morte de Cristo, seu sacrifício de si mesmo. A festa foi feita para o amor, é uma festa da reconciliação, um sinal de boa vontade de Deus para com os homens. Ela foi feita para o riso ( Eclesiastes 10:19 ), é uma festa regozijo. Foi feito para plenitude o projeto do evangelho era para preencher cada alma faminta de coisas boas. Ela foi feita para a comunhão, para manter uma relação sexual entre o céu ea terra. Somos enviados para o banquete do vinho, para que possamos dizer o que é a nossa petição, e qual é o nosso pedido.

 

(2.) É uma festa de casamento. Festas de casamento são geralmente rica, livre e alegre. O primeiro milagre de Cristo forjado, era, para prever abundante para uma festa de casamento ( João 2: 7 ) e, certamente, então ele não vai querer ser na provisão para sua própria festa de casamento, quando o casamento do Cordeiro é vindo, e a noiva se aprontou, uma festa triunfante vitorioso, Apocalipse 19: 7,17,18 .

 

(3) É uma festa de casamento real é o banquete de rei ( 1 Samuel 25:36 ), no casamento, e não de um servo, mas de um filho e, em seguida, se alguma vez, ele vai, como Assuero, mostrar as riquezas do seu glorioso reino, Esther 1: 4 . A provisão feita para os crentes no pacto da graça, não é, como vermes inúteis, como nós, tinha qualquer razão para esperar, mas como ele se torna o Rei da glória para dar. Ele dá como ele mesmo porque ele dá-se a ser-lhes- El Shaddai - um Deus que é suficiente, uma festa na verdade, para a alma.

 

  1. Evangelho chama e ofertas são representados por um convite para esta festa. Aqueles que fazem uma festa terá convidados para enfeitar a festa com. Convidados de Deus são os filhos dos homens. Senhor, que é o homem, que ele deve ser, portanto, digna! Os convidados que foram convidados primeiro eram os judeus onde quer que o evangelho é pregado, este convite é dado ministros são os servos que são enviados para convidar, Provérbios 9: 4,5 .

 

Agora, 1. Os convidados são chamados, convidados para o casamento. Todos os que estão dentro de audição do som alegre do evangelho, para eles é a palavra deste convite enviado. Os servidores que trazem o convite não definir os seus nomes em um papel não há motivo para isso, uma vez que nenhum são excluídos, mas aqueles que se excluem. Aqueles que são convidados para as jantar são convidados para as bodas por tudo o que participamos do evangelho privilégios são para dar um atendimento devido e respeitoso no Senhor Jesus, como os amigos fiéis e humildes servos do Noivo. Eles são convidados para as bodas, para que possam ir ao encontro do noivo pois é a vontade do Pai que todos honrem o Filho.

 

  1. Os convidados são chamados para no evangelho não existem apenas propostas graciosas feitas, mas persuasives graciosos. Nós persuadir os homens, rogamos-los em lugar de Cristo, 2 Coríntios 5: 11,20 . Veja como coração muito de Cristo é colocada sobre a felicidade de pobres almas! Ele não só fornece para eles, tendo em consideração a sua falta, mas envia-lhes, em consequência de sua fraqueza e esquecimento. Quando os convidados foram folga na vinda, o rei enviou outros servos, Matthew 22: 4 ​​. Quando os profetas do Antigo Testamento não prevaleceram, nem João Batista, nem o próprio Cristo, que lhes disse o entretenimento foi quase pronto ( o reino de Deus estava próximo ), os apóstolos e os ministros do evangelho foram enviados após a ressurreição de Cristo, para dizer-lhes que chegou, ele estava pronto e persuadi-los a aceitar a oferta. Alguém poderia pensar que tinha sido o suficiente para dar aos homens uma intimação que eles tinham deixar de vir, e deve ser bem-vinda que, durante a solenidade do casamento, o rei manteve uma casa aberta, mas, porque o homem natural não compreende, e, portanto, os desejos não , as coisas do Espírito de Deus, somos pressionados para aceitar a chamada pelos incentivos mais poderosos, desenhado com as cordas de um homem, e todos os laços de amor. Se a repetição da chamada irá mover-nos, Eis que o espírito diz: vem, e diz a noiva, Venha quem ouve, diga: vem, pois, que tem sede venha, Apocalipse 22:17 . Se o motivo da chamada vai trabalhar em cima de nós, Eis que o jantar é preparado, os bois e cevados já estão mortos, e tudo está pronto , o Pai está pronto para aceitar um de nós, o Filho de interceder por nós, o Espírito para santificar -nos o perdão está pronto a paz está pronto, o conforto está pronto as promessas estão prontos, como poços de água viva para as ordenanças de abastecimento estão prontos, como tubos de ouro para os anjos de transporte estão prontos para assistir a nós, criaturas estão prontos para estar na liga com a gente, providências está pronto para trabalhar para o nosso bem, e do céu, finalmente, está pronto para receber-nos que é um reino preparado, pronto para ser revelada no último tempo. é tudo isso pronto e estaremos despreparados? É toda essa preparação feita para nós e não há qualquer espaço para duvidar da nossa bem-vindo, se vêm em uma maneira correta? Vem, pois, ó vir para o casamento nós vos rogamos, recebe não tudo isso a graça de Deus em vão, 2 Coríntios 6: 1 .

 

III. O tratamento pelo frio que o evangelho de Cristo, muitas vezes encontra-se com entre os filhos dos homens, representada pelo tratamento frio que esta mensagem se reuniu com eo tratamento quente que os mensageiros reuniu-se com, em ambas as quais o próprio rei e o noivo real são ofendido. Isso reflete, principalmente, sobre os judeus, que rejeitaram o conselho de Deus contra si mesmos, mas parece ainda mais, para o desprezo que, por muitos em todas as idades, ser posto em cima, e da oposição de que seria dado a, o evangelho de Cristo.

 

  1. A mensagem foi vilmente desprezado ( Mateus 22: 3 ) . Eles não viria Nota, A razão pela qual os pecadores não vir a Cristo e da salvação por ele é, não porque eles não podem, mas porque eles não vão ( João 5:40 ) e não quereis vir a mim. Isto irá agravar a miséria dos pecadores, para que pudessem ter tido a felicidade para a vinda para, mas foi seu próprio ato e ação para recusá-la. Eu faria, e não quiseste. mas isso não era tudo ( Mateus 22: 5 ) eles fizeram pouco caso eles pensaram que não vale a pena vir para o pensamento dos mensageiros fez mais delongas do que as necessidades deixá-los ampliar as preparações sempre muito, eles poderiam festa bem em casa. Note, Fazendo luz de Cristo, e da grande salvação operada por ele, é o pecado condenável do mundo. Amelesantes - . Eles foram descuidados nota, Multidões perecem eternamente através da mera negligência, que não tem nenhuma aversão direta, mas um indiferença em vigor, para as questões de suas almas, e um unconcernedness sobre eles.

 

E a razão pela qual eles fizeram luz da festa de casamento era, porque tinha outras coisas que eles ocuparam-se mais, e tinha mais mente para eles seguiram seus caminhos, um para a sua fazenda, e outro para o seu tráfico. Note, o negócio e lucro de empregos mundanos provar para muitos um grande obstáculo em fechar com Cristo: nenhum virar as costas para a festa, mas com alguma desculpa plausível ou outro, Lucas 14:18 . O país as pessoas têm suas fazendas para cuidar, sobre o qual há sempre uma coisa ou outra para fazer as pessoas da cidade deve tender suas lojas, e ser constante após a troca eles devem comprar e vender e obter lucro. É verdade, que tanto os agricultores e os comerciantes devem ser diligentes em seus negócios, mas não de modo a impedi-los de fazer da religião o seu negócio principal. Licitis perimus omnes - Essas coisas legais nos desfazer, quando eles estão ilegalmente gerenciado, quando estamos tão ansiosa e perturbada com muitas coisas como a negligenciar a única coisa necessária. Observe, Tanto a cidade eo país têm as suas tentações, a mercadoria em um, e as fazendas do outro, de modo que, o que quer que nós temos do mundo em nossas mãos, nosso cuidado deve ser para mantê-lo fora de nossos corações, para que não se interponha entre nós e Cristo.

 

  1. Os mensageiros foram vilmente abusado O restante, ou o resto deles, isto é, aqueles que não foram as fazendas, ou mercadoria, não eram nem lavradores nem comerciantes, mas eclesiásticos, os escribas e fariseus, e chefes dos sacerdotes estes eram os perseguidores, estes tomou os servos, e tratou-os com maldade, e os matou. isso, na parábola, é inexplicável, nunca nenhum poderia ser tão rude e bárbaro como este, para os funcionários que veio convidá-los para uma festa, mas, em a aplicação da parábola, era questão de fato aqueles cujos pés deveria ter sido bonito, porque trouxe as boas novas de solenidades ( Nahum 1:15 ), foram tratados como a escória de todas as coisas, 1 Coríntios 4:13 . Os profetas e João Batista tinha sido assim, já abusada, e os apóstolos e ministros de Cristo devem contar com o mesmo. Os judeus eram, direta ou indiretamente, agentes na maioria das perseguições dos primeiros pregadores do evangelho testemunhar a história de Atos, isto é, os sofrimentos dos apóstolos.

 

  1. A ruína absoluta que estava vindo sobre a igreja judaica e nação está aqui representado pela vingança, que o rei, com furor, assumiu estas recusants insolentes ( Mateus 22: 7 ) . Ele se indignou Os judeus, que tinha sido o povo de Deus amor e bênção, ao rejeitar o evangelho tornou-se a geração de sua ira e maldição. Wrath veio sobre eles até ao fim, 1 Tessalonicenses 2:16 . Agora observe aqui,

 

  1. Qual foi o pecado de chorar que trouxe a ruína era o fato de serem assassinos. Ele não diz, ele destruiu aqueles inimigos do seu chamado, mas aqueles assassinos de seus servos como se Deus fosse mais zeloso pela vida dos seus ministros do que para a honra do seu evangelho aquele que tocar neles, toca na menina do seu olho. Note, Perseguição de ministros fiéis de Cristo enche a medida da culpa mais do que qualquer coisa. Encher Jerusalém de sangue inocente foi que o pecado de Manassés que o Senhor não quis perdoar , 2 Reis 24: 4 .

 

  1. Qual foi a ruína própria, que estava vindo Ele enviou os seus exércitos. Os exércitos romanos eram seus exércitos, da sua criação, da sua enviando contra o povo de sua ira e ele deu-lhes uma taxa para pisar aos pés,, Isaías 10 : 6 . Deus é o Senhor de acolhimento dos homens, e faz o que lhe agrada usar deles, para servir os seus próprios fins, embora eles não dizer assim, nem o seu coração assim o imagina, Isaías 10: 7 . Veja Micah 4: 11,12 . . Seus exércitos destruiu aqueles homicidas, e queimou a sua cidade Este aponta muito claramente a destruição dos judeus, ea queima de Jerusalém, pelos romanos, quarenta anos depois disso. Sem idade já vi uma desolação maior do que isso, nem mais dos efeitos medonhos de fogo e espada. Embora Jerusalém tinha sido uma cidade santa, a cidade que Deus tinha escolhido, para colocar o seu nome, bonito para a situação, a alegria de toda a terra ainda naquela cidade estando agora tornou uma prostituta, a justiça não está sendo apresentada na mesma, mas assassinos , o pior dos assassinos (como o profeta fala, Isaías 01:21 ), veio o juízo sobre ele, e ruína sem remédio e é estabelecido para um exemplo para todos que devem se opor a Cristo e seu evangelho. Foi obra do Senhor, a vingança do seu pacto.

 

  1. A reposição da igreja de novo, pela propositura dos gentios, é aqui representada pelo fornecimento da festa com os convidados para fora das Auto-estrada, Mateus 22: 8-10 .

 

Aqui está, 1. A queixa do dono da festa a respeito daqueles que foram convidados primeiro ( Mateus 22: 8 ), O casamento está pronta, o pacto da graça pronto para ser selado, uma igreja pronta para ser fundada , mas os que estavam bidden, isto é, os judeus, a quem pertencia a aliança e as promessas, pelo qual eles eram de idade convidados para o banquete de coisas gordurosas, eles não eram dignos, eles eram totalmente indignos, e, por seu desprezo de Cristo, teve confiscados todos os privilégios que eles foram convidados a. Nota: Isto não é devido a Deus, para que os pecadores perecerão, mas a si mesmos. Assim, quando o antigo Israel foi vista dentro de Canaã, a terra prometida estava pronto, o leite e mel pronto, mas sua incredulidade e murmuração, e desprezo daquela terra agradável, fechá-los para fora, e os seus cadáveres foram deixados a perecer em o deserto e estas coisas aconteceram a eles como exemplos. Veja 1 Coríntios 10:11 ; Hebreus 3: 16-4: 1 .

 

  1. A Comissão deu aos servos, para convidar outros convidados. Os habitantes da cidade ( Mateus 22: 7 ) se recusaram Vá para as Auto-estrada , em seguida, para o caminho dos gentios, que a princípio eles estavam a diminuir, Matthew 10: 5 . Assim, pela queda da salvação judeus veio para os gentios, Romans 11: 11,12 ; Efésios 3: 8 . Note-se, Cristo terá um reino no mundo, embora muitos rejeitam a graça, e resistir ao poder, desse reino. Apesar de Israel não ser recolhidas, ele será glorioso. A oferta de Cristo e da salvação para os gentios era, (1 .) de modo inesperado e inesperada como uma surpresa, uma vez que seria viandantes sobre a estrada para ser atendidas com um convite para uma festa de casamento. Os judeus tinham conhecimento do evangelho, muito antes, e esperava o Messias e seu reino, mas para os gentios era tudo novo, o que nunca tinha ouvido falar de antes ( Atos 17: 19,20 ), e, consequentemente, o que podiam não conceber como pertencentes a eles. Veja Isaías 65: 1,2 . (2.) Foi universal e undistinguishing Go, e lance como muitos como você encontrar. As rodovias são locais públicos, e não há sabedoria chora, Provérbios 01:20 . "Peça-lhes que vão pelo caminho, pergunte a qualquer corpo ( Jó 21:29 ), alto e baixo, rico e pobre, escravo e livre, jovens e velhos, judeus e gentios dizer-lhes tudo, para que sejam bem-vindos ao Evangelho: privilégios em cima do evangelho termos quem vai, venha, sem exceção ".

 

  1. O sucesso deste segundo convite se alguns não virão, outros ( Mateus 22:10 ) Eles reuniram todos quantos encontraram. Os servos obedeceu suas ordens. Jonas foi enviado para o alto-maneiras, mas foi tão concurso da honra de seu país, que ele evitou a missão, mas os apóstolos de Cristo, embora os judeus, preferiu o serviço de Cristo antes de sua relação à sua nação e St. Paul, embora sorrowing para os judeus, mas amplia seu escritório como o apóstolo dos gentios. Eles reuniram todos. o design do evangelho é: (1) para reunir almas juntos não a nação de apenas os judeus, mas todos os filhos de Deus que estavam dispersos ( João 11:52 ), as outras ovelhas que não são deste aprisco, João 10:16 . Eles foram reunidos em um só corpo, uma família, uma corporação. (2) Para reuni-las para a festa de casamento, para pagar seu respeito a Cristo, e para participar dos privilégios da nova aliança. Sempre que a Dole está, haverá os pobres sejam reunidos.

 

Agora os convidados que estavam reunidos foram, [1] Uma multidão, todos quantos encontraram tantos, que o aposento estava cheio. Os fechados de judeus foram contados, mas os de outras nações estavam sem número, em grande quantidade, Apocalipse 7: 9 . Veja Isaías 60: 4,8 . [2] A multidão mista, tanto maus como bons alguns que antes de sua conversão estavam sóbrios e bem inclinados, como os gregos devotos ( Atos 17: 4 ) e Cornelius outros que executam a um excesso de motim, como o Corinthians ( 1 Coríntios 06:11 ) Tais foram alguns de vocês ou, algumas que, após a sua conversão provou ruim, que não se converteu ao Senhor com todo o coração, mas outros falsamente que eram justo e sincero, e provaram da classe direita. Ministros, em lançar a rede do evangelho, coloque ambos bons peixes e mau , mas o Senhor conhece os que são seus.

 

  1. O caso de hipócritas, que estão na igreja, mas não da mesma, que têm um nome para viver, mas não estão vivos, de fato, é representado por o convidado que não estava trajado com veste de casamento um do mal que foram reunidos em. aqueles vêm brevemente da salvação por Cristo, não só que se recusam a tomar sobre si a profissão da religião, mas que não são som de coração nessa profissão. Quanto a esta hipócrita observar,

 

  1. Sua descoberta, como ele foi descoberto, Mateus 22:11 .

 

(1.) O rei entrou para ver os convidados, para licitar as boas-vindas que veio preparado, e transformar aqueles fora que veio de outra forma. Nota: O Deus do céu leva aviso especial daqueles que professam a religião, e têm um lugar e um nome na igreja visível. Nosso Senhor Jesus caminha entre os candeeiros de ouro e, portanto, conhece suas obras. Ver Apocalipse 2: 1,2 ; Cantares de Salomão 7:12 . Que este seja um aviso para nós contra a hipocrisia, que disfarces breve ser retirado, e cada um irá aparecer em suas próprias cores e um encorajamento para nós em nossa sinceridade, que Deus é testemunha disso.

 

Observe, esta hipócrita nunca mais foi descoberto para ser sem uma roupa de casamento, até o próprio rei entrou para ver os convidados. Nota: É prerrogativa de Deus para saber quem são sólidos no coração em sua profissão, e que não são. Podemos ser enganados em homens, quer de uma forma ou outra, mas Ele não pode. O dia do julgamento será o grande dia a descobrir, quando todos os convidados serão apresentados ao rei: em seguida, ele vai separar entre o precioso e vil ( Mateus 25:32 ), os segredos de todos os corações, então, se manifeste, e vamos infalivelmente discernir entre o justo eo ímpio, que agora não é fácil de fazer. Trata-se de todos os convidados, para se preparar para o exame, e considerar como eles vão passar o olho penetrante do Deus-procurando coração.

 

(2) Assim que ele entrou, ele atualmente avistou o hipócrita viu ali um homem que não estava em um vestido de casamento embora, mas um, ele logo estava de olho nele não há nenhuma esperança de ser escondido em uma multidão de as detenções de justiça divina ele não estava com um vestido de casamento que ele não estava vestido como se tornou uma solenidade nupcial ele não tinha suas melhores roupas. Nota, Muitos vêm para a festa de casamento sem veste nupcial. Se o evangelho será a festa de casamento, em seguida, o vestido de casamento é um quadro de coração, e um curso de vida agradável para o evangelho e nossa profissão dele, digno da vocação com que somos chamados ( Efésios 4: 1 ), como se torna o evangelho de Cristo, Filipenses 1:27 . a justiça dos santos, a sua verdadeira santidade e santificação, e Cristo, fez justiça a eles, é a roupa limpa, Apocalipse 19: 8 . Este homem não estava nu, ou em trapos algumas roupas que tinha, mas não veste nupcial. Aqueles, e só esses, que colocou no Senhor Jesus, que tem um temperamento cristão da mente, e são decoradas com as graças cristãs, que vivem pela fé em Cristo, e para quem ele é tudo em todos, tem a veste nupcial.

 

  1. Seu julgamento ( Mateus 22:12 ) e aqui podemos observar,

 

(1) Como ele foi acusado ( Mateus 22:12 ) Amigo, como entraste aqui, não tendo vestido nupcial? Uma pergunta surpreendente para um que foi orgulhando-se no lugar que ele segura possuía na festa. Amigo! Que era uma palavra de corte um amigo aparente, um amigo fingiu, um amigo na profissão, sob os laços e obrigações múltiplas para ser um amigo. Nota, há muitos na igreja que são falsos amigos a Jesus Cristo, que dizem que eles adoram ele, enquanto seus corações não estão com ele. Como entraste aqui? Ele não repreender os criados por deixá-lo em (a veste nupcial é uma coisa interna, os ministros devem ir de acordo com o que cai dentro do seu conhecimento), mas ele verifica sua presunção no crowding in, quando soube que seu coração não estava em posição ereta "Como ousava tu reivindicar uma parte dos benefícios do evangelho, quando tinhas nenhuma ? em conta as regras do evangelho que tem tu que fazer para declarar meus estatutos? " Salmo 50: 16,17 . Tais são manchas na festa, desonram o noivo, afrontar a empresa, e desgraça a si mesmos e, portanto, como entraste aqui? Note, O dia está chegando, quando os hipócritas serão chamados para uma conta de toda a sua intrusão presunçoso para as ordenanças do evangelho e usurpação dos privilégios do evangelho. quem requereu isto de vossas mãos? Isaías 01:12 . Sábados desprezado e sacramentos abusadas deve ser contada para, e julgamento retirado mediante uma acção de resíduos contra todos aqueles que receberam a graça de Deus em vão. "Como chegaste à mesa do Senhor, em tal tempo, unhumbled e não santificado? O que te trouxe para a sentar-se antes de profetas de Deus, como seu povo fazer, quando o teu coração andava após a tua ganância? como entraste? Não pela porta, mas de alguma outra forma, como um ladrão e salteador. foi uma entrada tortuoso, um posse, sem cor de um título. " Nota: É bom para aqueles que têm um lugar na igreja, muitas vezes para colocá-lo a si mesmos, "Como vim para cá? Eu já te veste nupcial?" Se quisermos, portanto, julgar a nós mesmos, não deve ser julgado.

 

(2.) Como ele foi condenado ele emudeceu: ephimothe - ele estava amordaçada (de modo a palavra é usada, 1 Coríntios 9: 9 ), o homem ficou mudo, sobre a sua acusação, sendo condenado e condenado pela sua própria consciência. Eles que vivem dentro da igreja, e morrem sem Cristo, não terá uma palavra a dizer para si no julgamento do grande dia, eles serão indesculpáveis ​​eles devem pleitear, Temos comido e bebido na tua presença, como fazem , Lucas 13:26 , isto é culpado pelo crime que eles são acusados ​​de, está empurrando-se na presença de Cristo, e para a sua mesa, antes de serem chamados. Eles que nunca ouviu uma palavra desta festa de casamento vai ter mais a dizer para si o seu pecado será mais desculpável, e sua condenação mais tolerável, do que a deles que veio para a festa sem a veste nupcial, e assim o pecado contra a luz clara e querido amor.

 

  1. Sua sentença ( Mateus 22:13 ) Amarre-o de pés e mãos, & c.

 

(1.) Ele está condenada a ser amarrados, como malfeitores condenados estão a ser algemado e acorrentado. Aqueles que não vai funcionar e andar como deveriam, pode esperar ser mãos e pés atados. Há uma ligação neste mundo pelos servos, os ministros, cuja suspensão das pessoas que andam desordenadamente, ao escândalo da religião, é chamado de ligação deles, Mateus 18:18 . "Ata-se de participar das ordenanças especiais e os privilégios peculiares de sua igreja-adesão ligá-los para o justo juízo de Deus." No dia do juízo, hipócritas serão obrigados os anjos vinculam-se estes joio em feixes para o fogo, Mateus 13:41 . Pecadores condenados são mãos e pés atados por uma frase irreversível isso significa o mesmo com a fixação do grande abismo que não pode resistir, nem correr mais que a sua punição.

 

(2.) Ele está condenada a ser retirado da festa de casamento Levem-no. Quando a maldade dos hipócritas aparece, eles estão a ser tomadas longe da comunhão dos fiéis, para ser cortado como ramos murchos. Isto evidencia a punição de perda no outro mundo que eles devem ser tomadas longe do rei, do reino, da festa de casamento, Apartai-vos de mim, malditos. Ele vai agravar a sua miséria, que (como o senhor descrente, 2 Reis 7: 2 ), eles verão toda essa abundância com os olhos, mas não provará a ele. Note-se, aos que andam indigno de seu cristianismo, perde toda a felicidade que presunçosamente reivindicou, e eles próprios complementada com uma expectativa infundada de .

 

(3.) Ele é ordenado em um calabouço triste lançai-o nas trevas exteriores. Nosso Salvador aqui desliza insensivelmente fora desta parábola em que ele sugere - a condenação de hipócritas no outro mundo. O inferno é completa escuridão, é a escuridão do céu, a terra de luz ou é extrema escuridão, a escuridão até o último grau, sem a menor ray ou centelha de luz, ou esperança de que, como a do Egito escuridão que pode ser sentiu a escuridão das trevas, como a própria escuridão, Job 10:22 . Note-se, hipócritas passam a luz do evangelho em si para baixo para proferir escuridão e o inferno vai ser um inferno de fato a tal, uma condenação mais intolerável haverá choro e ranger de dentes. Este nosso Salvador utiliza frequentemente como parte da descrição do inferno -torments, que são aqui representados, não tanto pela própria miséria, como pelos pecadores ressentimento terá de que haverá choro, uma expressão de grande tristeza e angústia não um jorro de lágrimas, o que dá presente facilidade, mas constante choro, que é tormento constante eo ranger de dentes é uma expressão de maior furor e indignação eles serão como um touro selvagem em uma rede, cheio de furor do Senhor, Isaías 51:20 ; Isaías 8: 21,22 . Vamos, portanto, ouvir e medo.

 

Por último, A parábola é celebrado com esse ditado notável, que tínhamos antes ( Mateus 20:16 ), muitos são chamados, mas poucos escolhidos, Mateus 22:14 . Dos muitos que são chamados para a festa de casamento, se você reservar todos aqueles que não escolhida que fazer a luz dele, e declaradamente preferem outras coisas antes que ele se então você anular tudo o que fazem uma profissão de religião, mas o temperamento de cujas espíritos e o tenour de cuja conversação é uma contradição constante para que se anule todo o profano, e toda a hipocrisia, você vai achar que eles são poucos, muito poucos, que são escolhidos muitos chamados para a festa de casamento, mas poucos escolhidos ao vestuário do casamento, isto é, para a salvação, pela santificação do Espírito. Esta é a porta estreita, e caminho estreito, que poucos encontram.

 

versículos 15-22

A Questão Respeitando Tribute.

15 Então os fariseus se retiraram e consultaram entre si como o apanhariam em sua palestra. 16 e enviaram-lhe os seus discípulos, com os herodianos, dizendo: Mestre, sabemos que és verdadeiro, e ensinas o caminho de Deus segundo a verdade, nem carest tu para qualquer homem: porque não olhas a aparência dos homens. 17 Diga-nos, pois, o que pensas? É lícito dar tributo a César, ou não? 18 Mas Jesus, percebendo a sua malícia, disse: Por que me tentais, vós hipócritas? 19 mostram-me a moeda do tributo. E trouxeram-lhe um centavo. 20 E disse-lhes: De quem é esta imagem e inscrição? 21 Responderam-lhe: De César. Então disse-lhes: Dai pois a César o que é de César ea Deus o que é de Deus. 22 Ao ouvirem estas palavras, maravilharam-se, e saiu dele, e foram-se.

 

Não era o menos grave dos sofrimentos de Cristo, para que ele suportou a contradição dos pecadores contra si mesmo, e tinha laços estabelecidos para ele por aqueles que procuravam um modo de tirá-lo com alguma pretensão. Nestes versos, nós tê-lo atacado pelos fariseus e herodianos com uma pergunta sobre o pagamento de tributo a CAE sar. Observar,

 

  1. O que o projeto era, que propuseram a si mesmos Eles deliberaram apanhariam em sua palestra. Até então, seus encontros tinha sido principalmente com os principais sacerdotes e os anciãos, homens de autoridade, que confiavam mais para o seu poder do que à sua política, e examinou-o acerca da sua comissão ( Mateus 21:23 ), mas agora ele é definido em cima de outro lado os fariseus vai tentar se eles podem lidar com ele por sua aprendizagem na lei e na divindade casuistical, e eles têm uma Tentamen novum - um novo julgamento para ele. Nota: É em vão para o melhor e mais sábio dos homens a pensar que, por sua ingenuidade, ou interesse, ou da indústria, ou mesmo pela sua inocência e integridade, eles podem escapar do ódio e má vontade dos homens maus, ou tela de si mesmos a partir da contenda das línguas. Veja como unwearied os inimigos de Cristo e seu reino estão em sua oposição!

 

  1. Eles tomaram conselho. Foi predito a seu respeito, que os governantes que tomam conselho contra ele ( Salmo 2: 2 ) e assim perseguiram os profetas. Vem, e deixe-nos conceber contra Jeremias. Ver Jeremias 18: 18,20: 10 . Note, mais há de artifício e consulta sobre o pecado, o pior é. Há um determinado Ai dos que maquinam a iniqüidade, Micah 2: 1 . Quanto mais não é do humor afiado no artifício de um pecado, mais não é da vontade perversa na comissão dele.

 

  1. O que eles visam foi para o apanhariam em alguma palavra. Viram-livre e ousado em falar o que pensa, e esperava por isso, se eles poderiam levá-lo a algum ponto agradável e suave, para obter uma vantagem contra ele. Tem sido a velha prática de agentes e emissários de Satanás, para fazer um homem um ofensor por uma palavra, uma palavra mal colocada, ou confundido ou mal entendido uma palavra, embora inocentemente concebido, mas pervertida por inuendos tensas: assim, eles armam laços ao ele que repreende na porta ( Isaías 29:21 ), e representam os maiores mestres como o maior perturbadores de Israel: assim, o ímpio maquina contra o justo, Salmo 37: 12,13 .

 

Existem duas maneiras pelas quais os inimigos de Cristo pode se vingar dele, e se livrar dele por lei ou pela força. Por lei, eles não poderiam fazê-lo, a menos que eles poderiam fazê-lo desagradável para o governo civil não era lícito para eles para colocar qualquer homem até a morte ( João 18:31 ) e os poderes romanos não estavam aptos a se preocupar sobre questões de palavras e nomes, e sua lei, Atos 18:15 . Pela força que não poderia fazê-lo, a menos que eles poderiam fazê-lo desagradável para as pessoas, que eram sempre as mãos, quem eram os cabeças, em tais actos de violência, que eles chamam o espancamento dos rebeldes, mas o povo tomou Cristo para um profeta, e, portanto, seus inimigos não poderão aumentar a multidão contra ele. Agora (como a antiga serpente era desde o princípio mais sutil do que qualquer animal do campo ), o projeto foi, para trazê-lo em tal dilema, que deve tornar-se responsável perante o desagrado quer da multidão judaica, ou do magistrados romanos deixá-lo tomar que lado da questão que ele vai, ele deve executar-se em um premunire e assim eles vão ganhar o seu ponto, e fazer a sua própria língua a cair sobre ele.

 

  1. A questão que eles colocaram a ele nos termos do presente projeto, Mateus 22: 16,17 . Tendo concebido esta maldade em segredo, em uma cabala perto, por trás da cortina, quando eles foram para o exterior, sem perda de tempo que eles praticavam. Observar,

 

  1. As pessoas que empregavam eles não vão eles mesmos, para que o projeto deve ser suspeitada e Cristo deve estar o mais sobre a sua guarda, mas eles enviaram os seus discípulos, que ficaria menos como tentadores, e mais como aprendizes. Note, homens maus nunca vai querer instrumentos maus para ser empregado no exercício de seus conselhos iníquos. Fariseus têm os seus discípulos em seu beck, que vão qualquer missão para eles, e dizer como eles dizem e eles têm isso em seus olhos, quando eles são tão diligente para fazer prosélitos.

 

Com eles enviaram os herodianos, uma festa entre os judeus, que estavam em uma sujeição alegre e toda ao imperador romano, e a Herodes seu vice e quem fez o seu negócio para reconciliar as pessoas para que o governo, e pressionado para pagar a sua tributo. Alguns pensam que eles eram os cobradores do imposto sobre a terra, como os publicanos eram os costumes, e que eles foram com os fariseus a Cristo, com este cego em cima de seu enredo, que enquanto os herodianos exigiu o imposto, e os fariseus negado , ambos estavam dispostos a referência a Cristo, como juiz adequada para decidir a disputa. Herodes serem obrigadas, pela Carta da soberania, para cuidar da homenagem, estes herodianos, auxiliando-o na medida em que, ajudado a encarecer-lhe para seus grandes amigos em Roma. Os fariseus, por outro lado, eram zelosos pela liberdade dos judeus, e fez o que pôde para torná-los impacientes do jugo romano. Agora, se ele deve aprovar o pagamento de tributo, os fariseus se incensar o povo contra ele se ele deve discountenance ou proibi-la, os herodianos se incensar o governo contra ele. Nota: É comum para aqueles que se opõem um ao outro, para continuar em uma oposição a Cristo e seu reino. Raposas de Sansão olhou várias maneiras, mas encontrou-se em um tição. Veja Salmo 83: 3,5,7,8 . Se eles são unânimes na oposição, não deveríamos ser tão na manutenção, os interesses do evangelho?

 

  1. O prefácio, com a qual eles foram plausivelmente para introduzir a questão era altamente complementar ao nosso Salvador ( Mateus 22:16 ) Mestre, sabemos que és verdadeiro, e ensinas o caminho de Deus segundo a verdade. Note, É um coisa comum para os projectos mais rancorosas de ser coberto com os pretextos mais ilusórios. Tivessem eles vêm a Cristo com o inquérito mais grave, ea intenção mais sincero, eles não poderiam ter-se expressado melhor. Aqui está o ódio coberto com dolo, e de um coração perverso de lábios ardentes ( Provérbios 26:23 ) como Judas, que beijou, e traído, como Joabe, que beijou, e mortos.

 

Agora, (1.) O que eles disseram de Cristo estava certo, e se eles soubessem ou não, bendito seja Deus, nós o conhecemos.

 

[1] Que Jesus Cristo foi um fiel Professor Tu és verdadeiro, e ensinas o caminho de Deus segundo a verdade. Por si mesmo, ele é verdadeiro, o Amém, a testemunha fiel , ele é a própria Verdade. Quanto à sua doutrina, o assunto do seu ensinamento foi o caminho de Deus, da maneira que Deus nos obriga a caminhar, o caminho do dever, que conduz à felicidade que é o caminho de Deus. A maneira de que era, na verdade, ele mostrou as pessoas da maneira certa, a maneira em que eles devem ir. Ele era um professor habilidoso, e conhecia o caminho de Deus e um professor fiel, que não se esqueça de deixar-nos saber isso. Veja Provérbios 8: 6-9 . Este é o caráter de um bom professor, para pregar a verdade, toda a verdade e nada mais que a verdade, e não para reprimir, pervertido, ou estiramento, qualquer verdade, por favor ou afeição, o ódio ou a boa vontade, seja por um desejo de agradar, ou um medo de ofender, qualquer homem.

 

[2] Que ele era um reprovador negrito. Na pregação, ele não se importava para qualquer valorizava carrancas ou sorrisos de ninguém, ele não corte, ele não teme, seja a grande ou a muitos, pois ele não considerava a pessoa do homem. Em seu julgamento evangélico, ele não o fez sabe rostos que Leão da tribo de Judá, não se tinha afastado por qualquer ( Provérbios 30:30 ), não voltou a um passo da verdade, nem do seu trabalho, por medo do mais formidável. Ele reprovou com equidade ( Isaías 11: 4 ), e nunca com parcialidade.

 

(2.) Embora o que disse era verdade para a questão de que, ainda que não havia nada, mas a lisonja e traição na intenção dele. Eles o chamavam de Mestre, quando eles estavam maquinando a tratá-lo como o pior dos malfeitores que fingiam respeito por ele, quando se destina este mal contra ele e eles ofendido sua sabedoria como o homem, muito mais sua onisciência como Deus, da qual ele tinha tantas vezes dado provas inegáveis, quando imaginou que eles poderiam aplicar-lhe com estas pretensões, e que ele não podia ver através deles. É o ateísmo mais grosseira, que é a maior loucura no mundo, a pensar para colocar uma fraude mediante Cristo, que sonda o coração, Apocalipse 02:23 . Aqueles que zombam de Deus fazer, mas se enganam. Gálatas 6: 7 .

 

  1. A proposta do caso que te parece? Como se tivessem dito: "Muitos homens são de muitas mentes nesta matéria é um caso que se refere à prática, e ocorre diariamente vamos ter teu pensamento livremente na matéria, é lícito dar tributo a CAE sar ou não? " Isto implica uma outra questão tem CAE sar o direito de exigir isso? A nação dos judeus era ultimamente, cerca de cem anos antes disso, conquistado pela espada romana, e assim, como outras nações, sujeita ao jugo romano, e tornou-se uma província do Império em conformidade, com portagem, tributo, e costume , foram exigidas a partir deles, e às vezes poll-dinheiro. Por isso, parecia que o cetro havia retirado de Judá ( Gênesis 49:10 ) e, portanto, se eles tivessem entendido os sinais dos tempos, eles devem ter concluído que Shiloh estava a chegar, e quer que este era ele, ou eles devem encontrar a outra mais provável que seja assim.

 

Agora, a questão era, se era lícito pagar estes impostos voluntariamente ou, se não deveriam insistir na antiga liberdade de sua nação, e sim se deixam penhorados em cima? O chão da dúvida era que eles eram descendentes de Abraão, e não deve, por consentimento ser escravos de qualquer homem, John 08:33 . Deus lhes deu uma lei, que não devem definir um estranho sobre eles. Ele não que implica, que eles não eram para produzir qualquer sujeição dispostos a qualquer príncipe, estadual ou potentado, que não era de sua própria nação e religião? Este foi um velho erro, decorrente desse orgulho e que espírito altivo, que trazem destruição e uma queda. Jeremias, em seu tempo, embora ele falou em nome de Deus, não poderia vencê-los fora dela, nem persuadi-los a enviar ao rei de Babilônia, e sua obstinação em que o assunto foi, então, sua ruína ( Jeremias 27: 12,13 ): e agora, novamente, eles tropeçaram na mesma pedra e foi a mesma coisa que, em poucos anos depois, trouxe destruição final sobre eles por os romanos. Eles bastante confundiu o sentido, tanto do preceito e do privilégio, e, sob a cor da palavra de Deus, disputavam com sua providência, quando deveriam ter beijado a vara, e aceitou o castigo da sua iniqüidade.

 

No entanto, por esta questão que esperavam para enredar Cristo e, que soever maneira ele resolveu que, para expô-lo à fúria tanto dos judeus invejosos, ou dos romanos ciumentos eles estavam prontos para triunfar, como Faraó fez sobre Israel, que o deserto tinha fechou dentro, e sua doutrina seria concluído quer prejudicial para os direitos da igreja, ou prejudicial aos reis e províncias.

 

III. A quebra deste laço pela sabedoria do Senhor Jesus.

 

  1. Ele descobriu que ( Mateus 22:18 ) Ele percebendo a sua malícia para, certamente em vão se estende a rede à vista de qualquer ave, Provérbios 01:17 . Uma tentação percebido é metade conquistada, para o nosso maior perigo reside de serpentes sob a grama verde e ele disse: Por que me experimentais, hipócritas? Note, que quer que vizard o hipócrita coloca em nosso Senhor Jesus vê através dela ele percebe toda a maldade que é nos corações dos pretendentes, e pode facilmente condená-los dela, e colocá-lo em ordem antes de eles. Ele não pode ser imposta, como muitas vezes são, com lisonjas e pretensões justas. Aquele que sonda o coração pode chamar hipócritas pelo seu próprio nome, como Aías fez a mulher de Jeroboão ( 1 Reis 14: 6 ), Por disfarças tu mesmo ser outro? Por que me experimentais, hipócritas? Note, hipócritas tentar Jesus Cristo eles tentam o seu conhecimento, se ele pode encontrá-los através de seus disfarces eles tentam sua santidade e verdade, se ele vai permitir que deles nesta igreja, mas se eles o da antiga tentado Cristo, quando ele foi, mas obscuramente revelado, pereceram pelas serpentes, de quanto mais severo castigo que deve ser considerado digno que lhe seduzir agora no meio da luz do evangelho e do amor! Aqueles que se atrevem a tentar Cristo certamente encontrá-lo muito difícil para eles, e que ele está de olhos mais penetrantes do que não ver, e os olhos mais puros do que a não odiar, a maldade disfarçada de hipócritas, que cavar fundo para esconder o seu conselho dele.

 

  1. Ele evitou que seu convencendo-os de hipocrisia pode ter servido para uma resposta (tais perguntas maliciosas capciosos merece uma reprovação, e não uma resposta): mas o nosso Senhor Jesus deu uma resposta completa à sua pergunta, e introduziu-o por um argumento suficiente para apoiá-lo, de modo a estabelecer uma regra para a sua igreja nesta matéria, e ainda para evitar ofender, e para quebrar o laço.

 

(1.) Forçou-los, antes que eles estavam cientes, a confessar a autoridade de CAE sar sobre eles, Mateus 22: 19,20 . Ao lidar com aqueles que são capciosas, é bom para dar nossas razões, e, se possível, as razões de coerência confessou, antes de dar as nossas resoluções. Assim, a evidência da verdade pode silenciar opositores de surpresa, enquanto eles só se puseram em guarda contra a própria verdade, e não contra a razão de ele me mostrar o tributo de dinheiro. Ele não tinha nada de sua própria para convencê-los por ela deve parecer, ele não tinha sequer um pedaço de dinheiro sobre ele, para por nossa causa que ele esvaziou-se, e tornou-se pobre desprezava a riqueza deste mundo, e, assim, ensinou-nos para não sobre-valor que prata e ouro que ele tinha nenhum por que então devemos cobiçar para carregar-nos com o barro grosso? Os romanos exigiram seu tributo em seu próprio dinheiro, que era corrente entre os judeus na época: que, portanto, é chamado o tributo de dinheiro que ele não nomear o que peça, mas o dinheiro do tributo, para mostrar que ele não se importava com coisas dessa natureza , nem o próprio preocupação sobre eles o seu coração estava sobre coisas melhores, o reino de Deus e as riquezas e sua justiça, e o nosso deve ser assim também. Eles atualmente trouxe-lhe um centavo, um centavo romano em prata, no valor de cerca de sevenpence meio centavo de nosso dinheiro, a peça mais comum então em uso: foi carimbada com a imagem ea inscrição do imperador, que era o mandado da fé pública para o valor das peças de forma carimbada um método acordado pela maioria das nações, para a circulação mais fácil de dinheiro com satisfação. A cunhagem de dinheiro sempre foi encarado como um ramo da prerrogativa, uma flor da coroa, um royalty pertencentes aos poderes soberanos e que admite que, como o bom e legítimo dinheiro de um país é uma submissão implícita aos poderes e um proprietária deles em questões de dinheiro. Quão feliz é a nossa constituição, e quão felizes nós, que vivemos em uma nação onde, embora a imagem e inscrição ser os soberanos, a propriedade é o tema de, sob a proteção das leis, e o que temos podemos chamar de nosso!

 

Cristo perguntou-lhes: De quem é esta imagem? Eles possuíam que seja CAE sar de, e, assim, condenados os de falsidade, que disse: Nós nunca fomos escravos de qualquer e confirmou o que depois eles disseram: Não temos rei, mas CAE sar. É uma regra no Talmude, que "ele é o rei do país cuja moeda é vigente no país." Alguns pensam que a legenda sobre esta moeda era um memorando da conquista da Judéia pelos romanos, anno pós captam judae am - um ano após o evento e que eles admitiram que também.

 

(2.) A partir daí, ele deduziu a legalidade de homenagear CAE sar ( Mateus 22:21 ) Portanto, dai a CAE sar as coisas que são CAE ​​sar é que não, " Dá -lo-lo" (como eles mesmos diziam, Matthew 22:17 ), mas, " rendem -lo Retorno", ou "restaurá-lo se CAE sar preencher as bolsas, vamos comandar CAE sar-los. é muito tarde agora para disputar em homenagem a CAE sar para você se tornar uma província do império, e , quando uma vez que uma relação é admitido, o dever de ela deve ser executada. Dai a todos que lhes é devido, e em particular homenagem a quem tributo é devido. " Agora com a resposta,

 

[1] Sem ofensa foi dada. Foi muito para a honra de Cristo e sua doutrina, que ele não se interpõem como um juiz ou repartidor em questões desta natureza, mas deixou-os que encontrava, para o seu reino não é deste mundo e neste ele tem dado um exemplo para os seus ministros, que lidam com coisas sagradas, para não se meter com disputas sobre coisas seculares, não com wade longe em controvérsias relacionadas a eles, mas para deixar isso para aqueles cujo negócio próprio é. Ministros que se importaria de seu negócio, e agradar seu mestre, não deve enredar-se nos negócios desta vida: eles perdem a orientação do Espírito de Deus, e o comboio de sua providência quando assim para sair do seu caminho. Cristo discute não o título do imperador, mas impõe uma sujeição pacífica para os poderes constituídos. O governo, portanto, não tinha motivo para se ofender com a sua determinação, mas para agradecer-lhe, por isso fortaleceria o interesse do CAE ​​sar com as pessoas, que o segurou por um Profeta e tal era a imprudência de seus promotores, que, embora ele os acusou expressamente a prestar a CAE sar as coisas que são CAE ​​sar de, puseram contrário direta em sua acusação, que ele proibiu de dar o tributo a CAE sar, Lucas 23: 2 . Como para o povo, os fariseus não podia acusá-lo a eles, porque eles próprios tinham, antes que eles tinham conhecimento, cedeu o local, e depois já era tarde demais para fugir da conclusão. Nota: Ainda que a verdade não busca uma ocultação fraudulenta, ainda que às vezes precisa de uma gestão prudente, para evitar a ofensa que pode ser tomado no que faz.

 

[2] Seus adversários foram reprovadas. Primeiro, Alguns deles teria tido-lo torná-lo ilegal dar o tributo a CAE sar, para que tenham uma pretensão de salvar seu dinheiro. Assim, muitos desculpar-se da que eles devem fazer, argumentando se eles podem fazê-lo ou não. Em segundo lugar, Todos eles retido de Deus suas dívidas, e são reprovados por que: enquanto eles estavam em vão disputando sobre as suas liberdades civis, que tinham perdido a vida e poder da religião, e precisava ser colocar em mente de seu dever para com Deus, com que a CAE sar.

 

[3] Seus discípulos foram instruídos, e as regras de pé esquerdo para a igreja.

 

Em primeiro lugar, que a religião cristã é nenhum inimigo ao governo civil, mas um amigo a ele. O reino de Cristo não Acaso colidir ou interferir com os reinos da terra, em qualquer coisa que pertence a sua jurisdição. Por Cristo reinam os reis.

 

Em segundo lugar, tem o dever de assuntos para tornar a magistrados que, de acordo com as leis do seu país, que lhes é devido. Os poderes superiores, sendo confiado com o bem-estar público, a proteção do sujeito, e para a conservação da paz, têm direito, em contrapartida da mesma, em uma proporção justa da riqueza pública, e as receitas da nação. Por esta causa pagar nos trabalhos forçados, porque eles assistem continuamente para esta mesma coisa ( Romanos 13: 6 ) e é sem dúvida um maior pecado para enganar o governo do que para enganar uma pessoa privada. Embora seja a constituição que determina o que é CAE sar de, contudo, quando isso for determinado, Cristo nos convida a torná-lo a ele meu casaco é meu casaco, pela lei do homem, mas ele é um ladrão, pela lei de Deus, que tira de mim.

 

Em terceiro lugar, Quando nos render a CAE sar as coisas que são CAE ​​sar de, devemos lembrar que for útil para retribuir a Deus o que é de Deus. Se nossas bolsas ser CAE sar de, nossas consciências são de Deus, ele tem dito, meu filho, dá-me o teu coração: ele deve ter o lugar mais profundo e mais alto havia devemos dar a Deus o que lhe é devido, partido do nosso tempo e fora de nossas propriedades a partir deles, ele deve ter a sua parte, assim como CAE ​​sar dele e se os comandos da CAE sar interferir com a de Deus , devemos obedecer a Deus do que aos homens.

 

Por último, Observe como eles foram perplexo com esta resposta eles se admiravam, e deixou-o, e foi sua maneira, Mateus 22:22 . Admiravam sua sagacidade na descoberta e fugindo um laço que pensava assim craftily colocado. Cristo é, e será, a maravilha, não só de seus amados amigos, mas de seus inimigos perplexo. Alguém poderia pensar que eles deveriam ter se maravilhou e seguiu-o, ficou maravilhado e submetidos a ele que não, maravilharam-se e deixou-o. Nota, há muitos em cujo Cristo olhos é maravilhoso, e ainda não precioso. Eles admiram sua sabedoria, mas não serão guiados por ela, seu poder, mas não se submete a ele. Eles seguiram seu caminho, como pessoas com vergonha, e fez um retiro inglória. O estratagema de ser derrotado, eles deixou o campo. Nota: Não há nada tem por disputando com Cristo.

 

 

 

 

SUBSIDIO N.2 O TRIBUNAL DE CRISTO ADULTOS          CPAD 1 CORINTIOS 3.11-15-LIÇÃO N.6

 

Versículos 1-3

1 Coríntios 3: 1-3. E eu, irmãos - O apóstolo tendo, na última parte do capítulo anterior, observou-se que meros homens naturais, ainda não esclarecidos e não renovados, recebeu não compreende as coisas do Espírito, começa este capítulo com informação do Corinthians, que, sendo um apóstolo, plenamente instruído na mente de Cristo, ele não podia, durante a sua morada com eles, falar com eles como para as pessoas verdadeiramente espirituais: na medida em que eles realmente não eram tais, mas ainda em um grande carnal medida, até mesmo meros bebês em Cristo ; tão pouco familiarizado com, e experiente em, as coisas de Deus, como bebês são com relação às coisas do mundo. Ele havia falado antes (1 Coríntios 2: 1) de sua entrada, agora ele fala de seu progresso entre eles. Tenho te alimentou com leite - Com as primeiras e mais claras verdades do evangelho, aludindo ao leite sendo a alimentação adequada de bebês: não com carne - As maiores verdades do cristianismo; como são mais difíceis de ser entendidas, recebidas e praticado, e, portanto, pertencem a esses crentes que fizeram alguns progressos consideráveis ​​em conhecimento e santidade cristã. Porque não foram capazes de suportá-lo - seu estado de graça tem sido, e ainda é, tão baixo, que não iria admitir adequadamente de tal forma de ensinar. Assim se cada naipe pregador sua doutrina para o estado e caráter de seus ouvintes. Porque ainda sois carnais - Ou seja, a maior parte de vocês são tão em algum grau; pois, havendo entre vós inveja - One presentes uns aos outros em seus corações, ou inquietação de espírito que os outros têm maiores dons que vós: ou a palavra ζηλος pode ser processado, emulação, uma espécie de rivalidade, ou um desejo de superioridade sobre os outros; e contenda - contendas para fora em palavras e ações; e divisões reais - de uma parte de um outro; porventura não sois carnais - Não é esta uma prova clara de que você é tão; e andando segundo os homens? - Κατα ανθρωπον, de acordo com o homem; como os homens do mundo a pé, que não têm nenhum princípio superior a partir do qual a agir do que a de mera natureza, e não de acordo com Deus, como cristãos completos andar.

Versículos 4-7

1 Coríntios 3: 4-7. Para, dizendo um: Eu sou de Paulo - Sou um dos discípulos de Paulo, admirando seus sentimentos sublimes, e sendo muito edificado por seus discursos instrutivas; e outra, eu sou de Apolo - I dar a preferência a Apolo, sendo encantado com a sua língua muito bem, ea maneira agradável de seu discurso. St. Paul nomes a si mesmo ea Apolo, para mostrar que ele iria condenar qualquer divisão entre eles, mesmo que eram a favor de si mesmo, ou o mais querido amigo que ele tinha no mundo. Porventura não sois carnais? - Para que o Espírito de Deus não permite que nenhum zelo partido. Pois quem é Paulo - que alguns de vocês estão tão ligados a ele; e quem é Apolo - Que os outros de que você está tão encantado com ele? Eles são os autores de sua fé e salvação? Certamente não: eles são, mas ministros - ou servos; por quem - Como instrumentos; crestes - A palavra da verdade do evangelho, como o Senhor - daqueles servos deu a cada um deles presentes e graça para o trabalho. Eu plantei - uma igreja cristã em Corinto, sendo instrumental na conversão de muitos de vocês para a fé de Cristo: Apolo veio depois, e, por seus afetam e úteis endereços, regados o que eu tinha plantado; mas Deus deu o crescimento - Causou a plantação, assim, regada a crescer, acelerou e rendido eficaz os meios utilizados para produzir o fruto da conversão das almas a Deus, e sua confirmação na fé e esperança do evangelho. Assim, pois, a inferência a ser desenhado é, nem o que planta é alguma coisa - Comparativamente falando; nem o que rega - Quando você compara a nossa parte com a de Deus, parece mesmo que nada, mas Deus que dá o crescimento - que por sua operação eficaz provoca fruta a ser produzido, é tudo em todos: pois sem ele, nem o plantio nem dar água aproveita.

Versículo 8-9

1 Coríntios 3: 8-9. O que planta eo que rega são um - Estados no afeto, e envolvido em um projeto geral, o design de glorificar a Deus na salvação das almas, embora seus trabalhos podem ser em algum aspecto diferente: e, portanto, em vez de estar satisfeito, estamos bastante descontente e triste com essas comparações odiosas em favor de um contra outro. A nossa grande preocupação é agradar nosso Senhor comum, a quem nós somos logo a desistir de nossa conta; e de quem todos os homens - Ele significa principalmente todo ministro de Cristo; receberá o seu galardão - A recompensa em alguns aspectos, peculiar a si mesmo; de acordo com seu próprio trabalho peculiar - Porque, assim como algum trabalho com maior zelo e diligência, e outros com menos, então eles devem ser recompensados ​​com diferentes graus de felicidade e glória. Ele não diz, de acordo com o seu sucesso, porque aquele que trabalha muito, supondo que ele trabalha com um único olho para a glória de Deus, a partir de um princípio de amor a ele, e conscienciosa consideração a sua vontade, terá uma grande recompensa , embora possa agradar a Deus para dar-lhe pouco sucesso. Não tem todo esse raciocínio a mesma força ainda? Ministros são ainda mal instrumentos nas mãos de Deus, e dependem como inteiramente como sempre em sua bênção, para dar o aumento a seus trabalhos. Sem isso eles não são nada; com ele a sua parte é tão pequena, que dificilmente merecem ser mencionados. Que seus corações e mãos ser mais unidos; e, mantendo o devido senso da honra Deus as põe em prática em empregá-los, que eles possam fielmente trabalho, não como para si mesmos, mas para o grande proprietário de tudo, até o dia virá quando ele vai recompensá-los em proporção completo de sua fidelidade e diligência! Para nós somos cooperadores, & c. - Grego, θεου γαρ εσμεν συνεργοι, nós somos cooperadores de Deus compatriotas; ou, nós somos cooperadores de Deus, e companheiros de trabalho com o outro. Vós sois lavoura de Deus - Ou lavoura de Deus, terra cultivada de Deus: a palavra abrangente, tendo em um campo, um jardim e uma vinha. Esta é a soma do que foi antes. Vós sois edifício de Deus - Refere-se ao que se segue.

Versículo 10-11

1 Coríntios 3: 10-11. Segundo a graça de Deus - Isso ele premissas, para que ele não parecem atribuir qualquer coisa a si mesmo; como um sábio mestre-construtor - Um arquiteto hábil, dirigido pela sabedoria divina; I têm lançado os alicerces - Jesus Cristo e este crucificado, uma base suficiente para suportar todo o tecido do cristianismo, com todos os seus efeitos abençoado; e outro edifica - Sucedendo professores doar ainda mais trabalho para a sua instrução e edificação. Mas que cada homem - Cada ministro; Olhai como ele edifica a mesma - Que todas as doutrinas que ele ensina pode ser consistente com a fundação. Por outro fundamento - Por que toda a igreja, com todas as suas doutrinas, privilégios e deveres, pode ser construído; ninguém pode pôr - Quanto soever ele pode se esforçar para fazê-lo; do que já está posto - nos conselhos da divina sabedoria, nas profecias e promessas do Antigo Testamento, e na pregação do próprio Cristo e seus apóstolos, St. Paul, em particular; que é Jesus Cristo - Quem, em sua pessoa e escritórios, em seu amor e sofrimento, humilhação e exaltação, sua morte expiatória, sua ressurreição vitoriosa, sua gloriosa ascensão, e sua intercessão prevalente, é a empresa, rock immoveable de idades; uma fundação cada maneira suficiente para suportar todo o peso que o próprio Deus, ou o pecador, quando ele acredita, pode colocar sobre ele, mesmo para apoiar suas esperanças imortais. Cristo, em seu escritório profético, como um mestre vindo da parte de Deus, é a base de todas as doutrinas do Cristianismo, e como fez de Deus para nós sabedoria, a fonte de nosso conhecimento e fé nessas doutrinas: em seu escritório sacerdotal , expiatória e intercedendo por nós, ele é a base de todos os privilégios do cristianismo; e, quando feita de Deus para nós justiça, coloca-nos na posse desses privilégios; no seu ofício real ele é a base de todos os deveres do cristianismo, e quando feita por Deus a nós santificação, de nosso poder para desempenhar essas funções; para quando a árvore é boa, o fruto é bom; quando são criados de novo em Cristo Jesus, as boas obras são a consequência que nunca falha, Efésios 2:10. Adicione a isso, que, como o primogênito dos que dormem, e nosso precursor na glória, ele é o fundamento de todas as nossas esperanças; e quando feita por Deus a nós a redenção completa e eterna, ele nos leva ao gozo das bênçãos esperava.

fonte comentario Mathew Henry

fonte www.avivamentonosul21.comunidades.net

 

 

SUBSIDIO (N.1) O ARREABATAMENTO DA IGREJA       .SÃO TOTAL DE 3 SUBSIDIO POSTADOS                       

                     1 Tessalonicenses 4.13-18.

 

13 - Não quero, porém, irmãos, que sejais ignorantes acerca dos que já dormem, para que não vos entristeçais, como os demais, que não têm esperança.

14 - Porque, se cremos que Jesus morreu e ressuscitou, assim também aos que em Jesus dormem Deus os tornará a trazer com ele.

15 - Dizemo-vos, pois, isto pela palavra do Senhor: que nós, os que ficarmos vivos para a vinda do Senhor, não precederemos os que dormem.

16 - Porque o mesmo Senhor descerá do céu com alarido, e com voz de arcanjo, e com a trombeta de Deus; e os que morreram em Cristo ressuscitarão primeiro;

17 - depois, nós, os que ficarmos vivos, seremos arrebatados juntamente com eles nas nuvens, a encontrar o Senhor nos ares, e assim estaremos sempre com o Senhor.

18 - Portanto, consolai-vos uns aos outros com estas palavras.

 

 

O Arrebatamento da Igreja é comumente chamado de “a vinda ou a volta do Senhor”. No entanto, é necessário distinguirmos os eventos e os tempos proféticos que se relacionam a essa expressão. Nos estudos proféticos, a vinda do Senhor é uma só, porém, manifesta em duas fases distintas, envolvendo três tipos religiosos de povos (1 Co 10.32). Para a “Igreja”, o Senhor Jesus virá nos ares, invisível, quando ocorrerá a ressurreição dos mortos em Cristo e a transformação de nossos corpos mortais em gloriosos. Para Israel, virá à Terra e de forma visível, ocasião em que acontecerá a conversão nacional dos judeus e a destruição de seus inimigos. Para as Nações, também virá à Terra, de forma visível, quando os sistemas políticos serão julgados e governados por Cristo. Em suma, para a Igreja, Jesus virá como Noivo; para os Judeus, como Messias; e para os Gentios, como Juiz. O Arrebatamento da Igreja, que corresponde a primeira fase da volta do Senhor, será repentino. A segunda fase só se dará sete anos depois da primeira, época em que Jesus virá para libertar Israel e julgar as nações.

 

ORIENTAÇÃO DIDÁTICA

 

Professor, para esta lição, recomendamos um recurso didático denominado “Linha do Tempo ou da História”. Esse auxílio tem por objetivo principal sintetizar fatos históricos relevantes. Ele indica passado, presente e futuro; tempo histórico e profético. Através de retas, intenta-se mostrar a relação de sequência, causa e efeito de determinados eventos significativos. Transcreva o gráfico abaixo para o quadro-de-giz. Nele, seus alunos poderão visualizar os principais conceitos da lição.

 

 

COMENTÁRIO

introdução

 

Na igreja de minha infância, havia uma inscrição acima do púlpito que, desenhada num estilo sóbrio, mas vívido, trazia uma advertência grave e urgente: “Jesus Breve Virá”. Não foram poucas as vezes que, sob a atmosfera de um daqueles cultos que relembravam o cenáculo, cheguei a pensar que o arrebatamento da Igreja de Cristo dar-se-ia naquele instante.

Dia desses voltei àquela igreja para rever alguns amigos e irmãos, e lá estava a velha inscrição: “Jesus Breve Virá”. Apesar dos mais de trinta anos já decorridos, tornei a sentir a mesma alegria, e não pude evitar a pergunta: “O que mais falta para Jesus vir buscar a sua Igreja?”. Conforme vimos nas lições anteriores, a maioria dos sinais, que prenunciam a volta de Nosso Senhor, já se cumpriu, ou estão cumprindo-se neste momento. Preparemo-nos! Jesus breve virá!

 

  1. A VOLTA DO SENHOR JESUS

 

Houve tempo em que a palavra arrebatamento era praticamente ignorada fora dos círculos teológicos. A expressão mais usual era a volta de Cristo. Os mais eruditos preferiam o vocábulo advento. Também não se fazia muita questão de se detalhar os acontecimentos que se seguirão ao rapto dos santos. De modo geral, acreditava-se que, tão logo o Senhor Jesus levasse os salvos para o céu, seria deflagrado o Juízo Final com a sumária punição dos ímpios. Com o incremento dos estudos bíblicos, o vocábulo arrebatamento fez-se rapidamente conhecido. Hoje, é um dos termos bíblicos mais conhecidos no meio do povo evangélico.

  1. Sentido literal. A palavra “arrebatamento”, no contexto da escatologia cristã, é procedente do verbo grego harpazō, e significa retirar algo com rapidez e de forma inesperada. Quando o Novo Testamento foi traduzido para o latim, optou-se pelo vocábulo raptus que, originando-se do verbo raptare, comporta os seguintes significados: tirar, arrancar, tomar das mãos alguma coisa de forma violenta.
  2. Definição bíblico-teológica. O arrebatamento, por conseguinte, é a retirada brusca, inesperada e sobrenatural da Igreja deste mundo, a fim de que seja transportada às regiões celestes, onde unir-se-á, eterna e plenamente, com o Senhor Jesus. A essa doutrina, dedica o Novo Testamento, além de outras passagens, dois capítulos especiais: 1 Co 15 e 1 Ts 4.

Nesta passagem, descreve Paulo a transladação sobrenatural dos santos; naquela, mostra como nossos corpos serão transformados, instantaneamente, pelo poder do Espírito Santo. O evento constituir-se-á num dos maiores milagres de todos os tempos, por abranger, de maneira simultânea, diversos fatos que ultrapassam todos os precedentes históricos, científicos e lógicos do conhecimento humano.

 

  1. QUANDO SE DARÁ O ARREBATAMENTO DA IGREJA

 

Muitos são os que, interpretando extravagantemente alguns textos isolados das Escrituras Sagradas, ousaram marcar a volta de Cristo. Hoje, servem-nos eles de advertência: não devemos especular com as coisas que Deus, em sua inquestionável soberania, reservou apenas para si (Mt 24.36; At 1.7; Dt 29.29).

  1. O tempo do arrebatamento. A Bíblia é clara e não admite especulações: o arrebatamento dar-se-á a qualquer instante. Jesus Cristo virá como o ladrão na noite (1 Ts 5.4; 2 Pe 3.10). Vigiemos, pois, para que este dia não nos surpreenda. Uma das bem-aventuranças do Apocalipse é endereçada, justamente, àqueles que se acham vigilantes: “Eis que venho como ladrão. Bem-aventurado aquele que vigia e guarda às suas vestes, para que não ande nu, e não se vejam as suas vergonhas” (Ap 16.15).

Por conseguinte, virá o Senhor Jesus inesperadamente, e surpreenderá a muitos que, ao invés de estarem vigiando, encontrar-se-ão embriagados com os cuidados e prazeres deste mundo. Você está esperando a Cristo? Encontra-se vigilante? Cuidado, para não ficar envergonhado naquele grande e glorioso dia.

  1. Prenúncios do arrebatamento. Conforme já vimos nas duas lições anteriores, a maioria dos sinais e das profecias que nos deixou o Senhor Jesus, prenunciando seu glorioso retorno, já está cumprida.

Ficaremos indiferentes às guerras e aos rumores de guerra? E as fomes? E as pestes? E os tremores de terra? E as convulsões sociais? Permaneceremos impassíveis diante da imoralidade que se vai propagando em escala sempre crescente? E a apostasia que atenta contra a pureza doutrinária da Igreja de Cristo?

 

III. COMO SE DARÁ O ARREBATAMENTO DA IGREJA

 

De acordo com a Primeira Epístola de Paulo aos Tessalonicenses, o arrebatamento da Igreja de Cristo dar-se-á da seguinte forma:

  1. Ressoada a trombeta de Deus, descerá o Senhor Jesus dos céus com alarido e voz do arcanjo (1 Ts 4.16).
  2. Em seguida, os que morreram em Cristo ressuscitarão, sendo, de imediato, trasladados (1 Ts 4.16).
  3. Ato contínuo, os que estivermos vivos seremos transformados, arrebatados e levados todos ao encontro do Senhor (1 Ts 4.17).

A glorificação dos santos, quer vivos quer mortos, ocorrerá num abrir e fechar de olhos (1 Co 15.52). A palavra grega que o doutor dos gentios usa para descrever este instante é mui expressiva: atomō. Trata-se de uma fração de tempo tão ínfima que não comporta nenhuma divisão. Buscando exemplificar essa fração de tempo, o apóstolo traz à tona uma imagem comum a todos nós: o abrir e fechar de olhos; um instante pequeno demais para ser mensurado pelos instrumentos humanos. Temos aqui um ato, não um processo; um milagre, não uma operação natural. É algo que desafia as leis da física e das demais ciências.

 

CONCLUSÃO

 

A inscrição, que estava acima do púlpito de minha igreja, não perdeu a urgência nem a gravidade. A qualquer momento, virá o Senhor Jesus arrebatar a sua Igreja. Esta é a nossa bendita esperança (Tt 2.13). Não fora este lenitivo, nossa vida seria impossível. Como, porém, nossa existência não se acha circunscrita a este mundo, em breve, ante o estrugir da última trombeta, seremos tomados pelo Senhor, e com o Cordeiro de Deus, estaremos para sempre.

“Portanto, consolai-vos uns aos outros com estas palavras” (1 Ts 4.18).

Senhor Jesus, em breve a trombeta soará, proclamando o arrebatamento da tua Igreja. Dá que não estejamos despercebidos, nem embriagados com as coisas deste mundo. Jesus, ajuda-nos a ser mais vigilantes e sóbrios! Amém!

 

“Não podemos saber o dia e a hora em que ocorrerá o arrebatamento da igreja, mas podemos conhecer a sua época. Quando Jesus disse: ‘Mas, à meia-noite ouviu-se um grito: Aí vem o noivo, saí ao seu encontro’ (Mt 25.6), Ele estava se referindo ao final do dia da graça, que ocorre à meia-noite.

Essa meia-noite pode significar também a noite do materialismo, da apostasia e da era nuclear, quando o poderio acumulado é capaz de destruir toda a humanidade 27 vezes.

[...] Muita gente acha que todos os sinais preditos para a volta de Jesus devem ocorrer primeiro, mas em relação à nossa redenção no rapto, as palavras de Jesus são muito claras: ‘Quando estas coisas começarem a acontecer, olhai para cima e levantai as vossas cabeças, porque a vossa redenção está próxima’ (Lc 21.28).

Todo o contexto do sermão profético mostra que haveriam de ocorrer grandes sinais, terremotos, fomes e pestes em diversos lugares. Lucas 21.11 diz: ‘Haverá grandes terremotos, fomes e pestilências em vários lugares, e coisas espantosas e grandes sinais do céu’. Entre esses sinais dos tempos, poderíamos mencionar o homem na lua, os transplantes de órgãos humanos, objetos voadores não identificados (OVNIs), a pregação do Evangelho em todo o mundo, a Bíblia traduzida em mais de 2.300 línguas e dialetos” (ALMEIDA, A. Manual da profecia bíblica. RJ: CPAD, 1999, pp.115-6).

 

 

 

 

 

         SUBSIDIO(N.2)  O ARREBATEMENTO DA IGREJA

 

                                1 Tessalonicenses 4.13-18.

 

13 — Não quero, porém, irmãos, que sejais ignorantes acerca dos que já dormem, para que não vos entristeçais, como os demais, que não têm esperança.

14 — Porque, se cremos que Jesus morreu e ressuscitou, assim também aos que em Jesus dormem Deus os tornará a trazer com ele.

15 — Dizemo-nos, pois, isto pela palavra do Senhor: que nós, os que ficarmos vivos para a vinda do Senhor, não precederemos os que dormem.

16 — Porque o mesmo Senhor descerá do céu com alarido, e com voz de arcanjo, e com a trombeta de Deus; e os que morreram em Cristo ressuscitarão primeiro;

17 — depois, nós, os que ficarmos vivos, seremos arrebatados juntamente com eles nas nuvens, a encontrar o Senhor nos ares, e assim estaremos sempre com o Senhor.

18 — Portanto, consolai-vos uns aos outros com estas palavras.

 

 

O dia em que Jesus arrebatar a Sua Igreja será o clímax da esperança dos crentes fiéis. Contudo, muitos têm dúvidas com relação à sua salvação e à vida eterna. Você, professor, poderá conduzi-los à compreensão da Palavra e a uma vida cheia de fé dando as condições necessárias para que Deus produza Firmeza em seus corações.

 

OBJETIVOS

 

Após esta aula, o aluno deverá estar apto a:

Enumerar as escolas de interpretação sobre o arrebatamento da Igreja.

Distinguir as duas etapas da vinda de Jesus.

Identificar a escola de interpretação que se ajusta devidamente à esperança cristã da volta do Senhor nos ares.

Definir as palavras parousia e epifanéia.

Explicar a participação do arcanjo no arrebatamento da Igreja.

 

SÍNTESE TEXTUAL

 

Apresentando uma abordagem profunda sobre o arrebatamento da Igreja, esta lição acentua o conceito literal da palavra arrebatamento procurando aclarar o entendimento acerca do assunto, bem como esclarecer outros tópicos pertinentes ao acontecimento: escolas de interpretação, suas fases, personagens e, por fim, os elementos do arrebatamento.

 

ORIENTAÇÃO DIDÁTICA

 

Para introduzir esta lição, distribua folhas para que possam escrever. Dê dois minutos para relacionarem a ordem dos acontecimentos por ocasião da segunda vinda de Cristo, a qual se dará da seguinte maneira: 1) O mesmo Senhor descerá do céu; 2) Os que morrerem em Cristo ressuscitarão primeiro; 3) Os que estiverem vivos por ocasião da vinda do Senhor serão arrebatados, juntamente com os ressurretos, irão “encontrar o Senhor nos ares”. Peça para alguns alunos compartilharem com a classe como ficou a sua relação de acontecimentos. Reflita também, com a classe as condições para ser arrebatado com a Igreja de Cristo. Com esta questão você poderá observar alguns conceitos errados de vida cristã. Ajude-os a entenderem o arrebatamento da Igreja pela visão bíblica e não por teorias ou conceitos humanos. Conclua o assunto mostrando-lhes que a condição certa para o arrebatamento é a comunhão com Deus através de Cristo Jesus.

 

COMENTÁRIO

 

introdução

 

Quando a Bíblia fala da vinda do Senhor Jesus, o assunto aparece como um só evento. Mas no seu contexto doutrinário, ela tem duas etapas distintas. A primeira, invisível para o mundo, é o arrebatamento da Igreja; a segunda, visível, fala da vinda de Jesus em glória, especialmente para Israel (Ap 1.8; Zc 14.4).

 

  1. ESCOLAS DE INTERPRETAÇÃO

 

Existem três escolas distintas de interpretação a respeito do arrebatamento da Igreja. Elas abrem espaço para entendermos como e quando ocorrerá esse grandioso evento.

 

  1. Pós-tribulacionista.

 

 Essa escola interpreta que a Igreja remida por Cristo passará pela Grande Tribulação.

 

  1. Midi-tríbulacionista.

 

 Ensina que a Igreja entrará no período da Grande Tribulação até a sua metade. Seus intérpretes se baseiam numa interpretação isolada de Dn 9.27, cujo texto fala que depois do opressor firmar um concerto com Israel por uma semana, “na metade da semana, fará cessar o sacrifício e a oferta de manjares”.

 

  1. Pré-tribulacionista.

 

 Podemos começar entendendo essa escola de interpretação com as palavras de Paulo aos tessalonicenses, quando escreveu: “Porque Deus não nos destinou para a ira, mas para a aquisição da salvação, por nosso Senhor Jesus Cristo”, 1Ts 5.9. Ensina que o arrebatamento da Igreja ocorrerá antes que se inicie o período da Grande Tribulação. É uma interpretação que honra as Sagradas Escrituras e ajusta-se devidamente à esperança cristã da volta do Senhor nos ares.

 

  1. DUAS PALAVRAS GREGAS RELATIVAS AO ARREBATAMENTO

 

Encontramos várias palavras no grego do Novo Testamento relativas ao arrebatamento que podem aclarar nosso entendimento acerca do arrebatamento. Destacaremos duas palavras principais:

  1. Parousia.

 

Literalmente quer dizer “presença”, “chegada rápida”, “visita”. É a palavra mais freqüentemente usada nas Escrituras para descrever o retorno de Cristo, pois ocorre 24 vezes. Seu sentido é abrangente porque não define apenas a volta de Cristo até ou sobre as nuvens, mas em outras vezes se refere à Sua volta pessoal à Terra (1Co 15.23; 1Ts 2.19; 1Ts 4.15; 5.23; 2Ts 2.1; Tg 5.7,8; 2 Pe 3.4). Portanto, o sentido é geral e não específico. A ênfase maior é dada à vinda corporal e visível de Cristo.

  1. Epiphanéia.

 

 Literalmente significa “manifestação”, “vir à luz”, “resplandecer” ou “brilhar”. O sentido é mais específico, porque se refere especialmente à vinda sobre as nuvens. É a volta pessoal de Cristo à Terra que acontecerá com uma manifestação visível e gloriosa (2Ts 2.8; 1Tm 6.14; 2Tm 4.6-8). Parousia é abrangente e pode referir-se tanto à vinda de Cristo para a Igreja como para o mundo. Entretanto, epiphanéia é um termo que especifica a volta de Cristo à Terra de modo mais direto, porque diz respeito à Sua manifestação pessoal ao mundo.

  1. A diferença entre as duas etapas. Referente ao arrebatamento, Cristo virá até ou sobre as nuvens (1Ts 4.17). Será de modo invisível para a Terra, porque virá para os Seus santos nos ares. Em relação à manifestação pessoal de Cristo na Terra, Ele virá sobre as nuvens, de modo visível e com os seus santos (Cl 3.4).

No primeiro evento, Cristo, pelo poder da Sua Palavra e com voz de arcanjo, arrebatará, num abrir e fechar de olhos, a Igreja remida pelo Seu sangue (1Co 15.52). Esse arrebatamento acontecerá antes que venha o Anticristo e instale o seu domínio sobre a terra por sete anos.

O segundo evento da volta de Cristo acontecerá no final dos sete anos da Grande Tribulação, quando Ele irá destruir o domínio do Anticristo e instalar seu reino de mil anos (Ap 19.11; 20.1-60).

 

III. PARTICIPANTES DO ARREBATAMENTO DA IGREJA

 

  1. O próprio Senhor Jesus Cristo. Diz a Escritura: “Porque o mesmo Senhor... descerá do céu” (1Ts 4.16). O apóstolo Paulo dá ênfase ao senhorio de Jesus conquistado no Calvário quando diz : “o mesmo Senhor”. Os vivos em Cristo e os mortos salvos receberão a ordem de comando do próprio Senhor Jesus Cristo.
  2. O arcanjo. A tradução do texto diverge na forma, mas não anula o fato, conforme está escrito: “à voz do arcanjo” ou “com voz de arcanjo” (1Ts 4.16). O texto de Daniel indica que o arcanjo Miguel participará do evento da segunda vinda de Cristo (Dn 12.1), mui especialmente da epiphanéia, quando Cristo, rodeado de exércitos celestiais, descerá sobre a Terra, no monte das Oliveiras (Zc 14.3,4; Ap 1.6,7). Porém, no evento do arrebatamento da Igreja, a participação do arcanjo será efetuada pela voz de comando e chamamento, a qual será ouvida apenas pelos remidos.
  3. Os mortos em Cristo. Naquele dia, os mortos e os vivos em Cristo ouvirão a voz de chamamento da trombeta do Senhor pelo arcanjo, e “num abrir e fechar de olhos” (1Co 15.51,52), estarão na presença do Senhor nos ares, com corpos glorificados. A palavra “mortos” diz respeito aos santos que ressuscitarão com corpos transformados em corpo espiritual (soma pneumatikon), enquanto que, os corpos dos ímpios permanecerão em suas sepulturas até o dia do Juízo Final (Ap 20.12). Assim como Cristo ressuscitou corporalmente, também, os crentes salvos ressuscitarão corporalmente (Lc 24.39; At 7.55,56). Na lição referente à ressurreição tratamos sobre a natureza dos corpos ressurretos.
  4. Os vivos preparados. O mesmo poder transformador operado nos corpos dos que morreram no Senhor atuará nos corpos dos crentes vivos naquele dia. Aos tessalonicenses, Paulo declarou: “depois nós, os que ficarmos vivos, seremos arrebatados” (1Ts 4.17); e aos coríntios, também, disse: “nem todos dormiremos, mas todos seremos transformados” (1Co 15.51). Quase que simultaneamente à ressurreição dos mortos em Cristo naquele momento, os vivos em Cristo também ouvirão a voz do arcanjo, e num tempo incontável, serão transformados e arrebatados ao encontro do Senhor nos ares. Os corpos mortais serão revestidos de imortalidade, porque nada terreno ou mortal poderá entrar na presença de Deus. Será o poder do espírito sobre a matéria, do incorruptível sobre o corruptível (1Co 15.53,54). O arrebatamento dos vivos implica livrá-los do período terrível da Grande Tribulação.

 

  1. ELEMENTOS ESPECIAIS DO ARREBATAMENTO

 

Alguns elementos especiais e misteriosos indicam a natureza e procedimento do arrebatamento da Igreja na vinda do Senhor.

  1. Surpresa. Esse elemento é rejeitado por alguns grupos que entendem que não haverá dois eventos distintos: o arrebatamento da Igreja e a vinda pessoal de Cristo. Ora, o que a Bíblia nos ensina é que, a Igreja, constituída pelos mortos e vivos em Cristo, se encontrará nas nuvens com o Senhor. Se por alguns a idéia da surpresa é rejeitada, uma grande maioria cristã prefere o que declara as Escrituras que destacam o elemento surpresa (Tt 2.13; Mt 24.35,36,42-44; 25.13). Esse elemento é fundamental porque a Igreja vive na esperança da vinda do Senhor.
  2. Invisibilidade (1Ts 4.17). Por que será um evento invisível e para quem? Será invisível para o mundo material porque os arrebatados serão constituídos somente dos transformados. A transformação será tão rápida, que nenhum instrumento cronológico terá condição de perceber ou marcar o tempo. Quando o crente conquistar esse corpo imaterial, a matéria perderá totalmente sua força (1Co 15.43,44,49,51,53).
  3. Imaterialidade (1Co 15.42, 52,53). Na verdade, a transformação que ocorrerá na vinda do Senhor será extraordinária e gloriosa, pois o que é material se revestirá do imaterial, o corruptível do incorruptível. Todas as limitações da matéria em nossos corpos serão anuladas completamente, pois, literalmente, nossos corpos serão revestidos de espiritualidade.
  4. Velocidade (1Co 15.52). Para tentar explicar a velocidade do evento, Paulo usou o termo grego átomos, que aparece no texto sagrado pela expressão “num momento”, cujo sentido literal é indivisível (quanto ao tempo, aqui). A palavra átomos era usada para denotar “algo impossível de ser cortado ou dividido”. Também encontramos outras expressões bíblicas para denotar velocidade, tais como “abrir e fechar de olhos”, ou “o piscar de olhos”. Mesmo em época avançada e de velocidade da cibernética e da tecnologia, nada poderá contar e detectar o momento do milagre do arrebatamento da Igreja.

 

Estudar e meditar sobre o arrebatamento da Igreja promove nos remidos a fé e a esperança na vinda do Senhor. Não nos preocupemos demasiadamente com as várias teorias de interpretação sobre o arrebatamento (se ocorrerá antes, no meio ou depois da Grande Tribulação), permaneçamos, sim, atentos ao fato de que Jesus virá. Devemos estar preparados para encontrar com o Senhor.

 

VOCABULÁRIO

 

Cibernética: Ciência que estuda as comunicações e o sistema de controle não só nos organismos vivos, mas também nas máquinas.

Cronológico: Relativo a cronologia: tratado das datas históricas.

Divisar: Avistar, distinguir.

Pertinentes: Relativo, referente, concernente.

 

 

                            Os pós-tribulacionistas

 

 Argumentam que os sofrimentos e tribulações são inevitáveis na vida dos cristãos, mas esses intérpretes erram em não separar os fatos relativos à palavra tribulação. Quando a palavra tribulação aparece em outros textos das Escrituras referindo-se à aflição, angústia, doenças, perseguição, está, na verdade, aludindo àquelas experiências cotidianas que todos os cristãos passam em suas vidas. São experiências que fortalecem a fé e nos tornam aptos para o arrebatamento da Igreja (2Co 4.17). Os juízos da Grande Tribulação não são para a Igreja de Cristo.

O que acontecerá na metade da semana? O “desolador” (Anticristo) entrará em Jerusalém para destruir o templo e a cidade. Os midi-tribulacionistas tomam ainda o texto de Mt 24.1-14 para afirmarem que a Igreja estará na primeira metade da semana de Daniel e, do meio da Tribulação, a Igreja será arrebatada. Interpretam, ainda, que o arrebatamento ocorrerá depois de soada a sétima trombeta de Ap 11.15, pois confundem esta trombeta com a última trombeta de 1Co 15.52. Ora, a sétima trombeta de Ap 11.15 é mais uma figura da manifestação da ira divina durante todo o período de sete anos da Grande Tribulação. Portanto, o arrebatamento da Igreja no meio da Grande Tribulação é raciocínio humano, sem apoio bíblico.

Os pré-tribulacionistas entendem que a Igreja não é advertida a aguardar a Grande Tribulação, mas sim, orientada a esperar a vinda do Senhor antes que o Anticristo apareça (1Ts 4.17; 1Co 15.51,52). A Igreja não conhecerá o Anticristo. Sua esperança se baseia no fato de que não precisará submeter-se ao domínio do Anticristo, mas que, antes será arrebatada. De fato, o sinal maior para o mundo do aparecimento do Anticristo será o desaparecimento da Igreja de Cristo da face da terra.

 

Em relação ao participantes do arrebatamento da Igreja, dois personagens são claramente citados em 1Ts 4.16:

Jesus mesmo, pessoalmente, dará ordem aos seus anjos para que reúnam os remidos de toda a Terra para o encontro com Ele sobre as nuvens. A ênfase está na expressão “o mesmo”, porque se refere Àquele que passará a ter todo o poder e glória, isto é, o mesmo que morreu e ressuscitou. “O mesmo” em quem a Igreja tem confiado se encontrará com ela naquele dia especial.

Alguns intérpretes divergem sobre o sentido de 1Ts 4.16, quanto ao papel do arcanjo. Os intérpretes conservadores, no entanto, são acordes. A Bíblia reconhece apenas um arcanjo, Miguel, destacado como “um dos primeiros príncipes de Deus” (Dn 10.13.21).

 

Quando morre, o ser humano se despe do corpo, sua roupagem material, e o ensino bíblico é que o crente em Cristo na vinda do Senhor, será vestido de uma nova roupagem espiritual. Primeiro, é despido da roupagem material; depois, a alma e o espírito são revestidos pelo espiritual. Não teremos um outro corpo, mas o mesmo corpo inglório e corruptível, porém, glorificado.

Nosso corpo material se caracteriza pela dissolução, pela velhice, pelo declínio, inerentes à natureza decaída pelo pecado. Quando alguém morre, seu corpo vira pó, não importa que tipo de morte ou forma de sepultamento.

A Bíblia usa a figura da vestimenta quando emprega a palavra “revestir” provando que o corpo é o vestido da parte espiritual do ser humano.

 

 

 

 

 

 

SUBSIDION.3 ADULTOS CPAD O ARREBATAMENTO DA IGREJA

                        COMENTARIO 1 TESS. 4.13-18

 

O versículo 13

Eu não teria que sejais ignorantes - Em vez de εχομεν, têm, θελομεν, desejo, é a leitura de ADEFG, muitos outros, além do árabe, Etíope, Armênio, alguns dos Slavonian, a Vulgata, e Itala, com muitos dos Padres gregos. Este é sem dúvida a verdadeira leitura: Irmãos, eu não gostaria que sejais ignorantes; ou, não quero que você deve ser ignorante.

 

Este foi provavelmente um dos pontos que faltavam em sua fé, que desejava ir a Tessalônica para instruí-los em.

 

Os que dormem - Ou seja, aqueles que estão mortos. Supõe-se que o apóstolo tinha ouvido falar que os tessalonicenses continuou a lamentar sobre seus mortos, como os pagãos fizeram, em geral, que não tinha qualquer esperança da ressurreição do corpo; e que tinham ficado intrigados com relação à doutrina da ressurreição. Para configurá-los direito sobre este importante assunto, ele oferece três verdades importantes:

 

Ele afirma, como tinha feito antes, para que os que morreram no Senhor deve ter, em virtude da ressurreição de Cristo, uma ressurreição para a vida eterna e bem-aventurança.

Ele faz uma nova descoberta, que a última geração não deve morrer em tudo, mas estar em um momento mudou para imortais.

  1. Ele acrescenta outra nova descoberta, que, embora a vida não deveria morrer, mas ser transformado, mas os mortos devem primeiro ser levantada, e ser feita gloriosa e imortal; e assim, em alguma medida, tem a preferência e vantagem de como deve, então, ser encontrada viva. Veja Dodd.

Verso 14

Porque, se cremos que Jesus morreu e ressuscitou - Ει γαρ · Vendo que acreditamos; sabendo que a ressurreição de Cristo é tão plenamente autenticado como a sua morte.

 

Mesmo assim eles - Daqui resulta necessariamente que os que dormem - morrer, nele - na fé do Evangelho, Deus trará com ele - ele vai levantá-los como Jesus ressuscitou dos mortos, da mesma forma, ou seja, seu próprio poder e energia eterna; e ele irá levá-los com ele - com Cristo, pois ele é a cabeça da Igreja, que é seu corpo.

 

Verso 15

Isso, digo a vocês, pela palavra do Senhor - Isto eu tenho, por revelação expressa, da parte do Senhor: o que ele agora oferece, ele dá como vindo imediatamente do Espírito de Deus. Na verdade, a razão humana não poderia ter encontrado os pontos que ele imediatamente subjoins; conjecturas não poderia levar a eles. Permitindo até mesmo a doutrina geral da ressurreição para ser acreditado, mas o que se segue não flui das instalações; eles são doutrinas de pura revelação, e como nunca poderia ter sido descoberto pela engenhosidade humana. Em nenhum lugar faz o Apóstolo falar com mais confiança e positivamente de sua inspiração do que aqui; e devemos nos preparar para receber alguma verdade importante e interessante.

 

Nós que estão vivos e permanecem - Até o pronome nós, o apóstolo não tem a intenção si mesmo, e os tessalonicenses a quem ele foi, então, escrever; ele está falando dos cristãos genuínos, que devem ser encontrados na terra quando Cristo vier para o julgamento. A partir de não considerar a maneira pela qual o apóstolo usa essa palavra, alguns foram levados a supor que ele imaginava que o dia do julgamento terá lugar naquela geração, e enquanto ele e, em seguida, os crentes em Tessalônica estavam em vida. Mas é impossível que um homem, sob uma influência tão direta do Espírito Santo, devem ser autorizados a fazer tal erro: não, nenhum homem no exercício de sua razão sóbrio poderia ter formado um tal parecer; não havia nada para justificar a suposição; não há instalações de que ele poderia ser razoavelmente deduzida; nem mesmo qualquer coisa nas circunstâncias da Igreja, nem na constituição do mundo, que poderia ter sugerido uma dica do tipo. O apóstolo está falando da coisa indefinidamente quanto ao momento em que deve acontecer, mas positivamente como à Ordem que deve ser seguida, observou.

 

Não obsta a que os que dormem - Aqueles que devem ser encontrados vivendo naquele dia, embora eles não devem atravessar a morte, mas se mudou de repente, não deve ir para a glória diante dos que estão mortos, pois os mortos em Cristo ressuscitarão primeiro - devem ser levantadas, seus corpos feito glorioso, e seremos arrebatados ao encontro do Senhor, antes que os outros devem ser alterados. E este parece ser o significado das palavras do Apóstolo, φθασωμεν μη, o que não obsta a que se traduzem; pois, embora esta palavra prevenir, de prae e venio, literalmente significa ir antes, mas podemos usá-lo agora no sentido de dificultar ou obstruir. Φθανειν τινα significa o mesmo, de acordo com Hesychius, como προηκειν, para ir antes, προλαμβανειν , para antecipar, ser antes. Aqueles que estarão vivos naquele dia não deve antecipar glória antes os mortos em Cristo; para eles ressuscitarão primeiro, e iniciar o gozo dela antes que os outros devem ser alterados. Esta parece ser significado do apóstolo.

 

Verso 16

O próprio Senhor - Isto é: Jesus Cristo descerá do céu; descerá do modo como ele foi visto por seus discípulos para subir, ou seja, em sua forma humana, mas agora infinitamente mais gloriosa; para milhares de milhares lhe-eis, e dez mil vezes dez mil poderá resistir diante dele; pois o Filho do homem virá no trono da sua glória; mas quem suportará o dia da sua vinda, ou ficar de pé quando ele aparecer?

 

Com uma mensagem - Ou ordem, εν κελευσματι · e, provavelmente, com estas palavras: Levantai-vos, mortos, e vêm para o juízo; qual a ordem deve ser repetido pelo arcanjo, que deve acompanhá-lo com o som da trombeta de Deus, cujo grandes e terríveis explosões, como aqueles no monte Sinai, soando cada vez mais alto, deve agitar ambos os céus ea terra!

 

Observe o fim deste dia terrivelmente glorioso:

 

Jesus, com toda a dignidade ea glória da sua majestade eterna, descerá do céu para a região médio, o que o apóstolo chama o ar, em algum lugar dentro da atmosfera da Terra.

Em seguida, o κελευσμα, grito ou pedido, deve ser dada para a surgir os mortos.

Em seguida, o arcanjo, como o arauto de Cristo, deve repetir a ordem: Levanta-te, ó morto, e chegar a julgamento!

Quando todos os mortos em Cristo ressuscitam, a trombeta soará, como o sinal para todos eles a reunir-se ao trono de Cristo. Foi pelo som da trombeta que as assembléias solenes, nos termos da lei, foram convocados; e para essas convocações, parece haver aqui uma alusão.

Quando os mortos em Cristo são levantadas, seus corpos vis sendo feito semelhante ao seu corpo glorioso, então,

Aqueles que estão vivos seremos transformados, e fez imortal.

Estes, seremos arrebatados juntamente com eles para encontrar o Senhor no ar.

Podemos supor que o julgamento será definida agora, e os livros abertos, e os mortos julgados pelas coisas escritas naqueles livros.

  1. Os estados eternos de vivos e dos mortos sendo assim determinado, então tudo o que deve ser encontrado para ter feito um pacto com ele por meio de sacrifícios, e lavaram as suas vestes e as branquearam no sangue do Cordeiro, serão tomadas à sua eterna glória, e ser para sempre com o Senhor. Que glória inexpressibly fantástico, então, ser exibido! Me cale para chamar aqui as descrições que os homens de uma vez poética fizeram desta cena terrível, porque eu não posso confiar para sua correção; e é um assunto que deveríamos falar de e contemplar tanto quanto possível, nas palavras da Escritura.

Verso 18

Comfort uns aos outros com estas palavras - provérbio estranho! confortar um homem com a informação de que ele está indo para comparecer perante o tribunal de Deus! Quem pode sentir conforto destas palavras? Aquele homem a sós com cujo espírito o Espírito de Deus é testemunha de que seus pecados são apagados, e os pensamentos de cujo coração são purificados pela inspiração do Espírito Santo de Deus, para que ele possa amá-lo perfeitamente, e dignamente magnificar seu nome. Leitor, não és em um estado seguro a não ser assim contigo, ou tu és fome e sede de justiça. Se assim for, tu deverás ser preenchido; pois é impossível que tu deves ser levado em teus pecados, enquanto luto após a salvação de Deus. Os que buscam acharão.

 

 

 

                     SUBSIDIO CPAD LIÇÕES ADULTOS

         JESUS VOLTARÁ MATEUS 25.1-13   n.4                                                                                                                                                                                                                    Introdução

Este capítulo continua e conclui o discurso de nosso Salvador, que começou no capítulo anterior, a respeito de sua segunda vinda e do fim do mundo. Este foi seu sermão de despedida de cautela, como isso, João 14:15, 16, foi de conforto aos seus discípulos e eles tinham necessidade de ambos em um mundo de tantas tentações e problemas como este é. A aplicação desse discurso, era, Vigiai, pois, e ficai também vós apercebidos. Agora, na repressão dessas precauções despertar sérias, neste capítulo temos três parábolas, o âmbito do que é o mesmo - para nos vivificar tudo com o maior cuidado e diligência para se preparar para segunda vinda de Cristo, que, em toda a sua despedidas para a sua igreja, menção foi feita, como no que antes de morrer (João 14: 2), em que a sua ascensão (Atos 1:11), e em que, no fechar acima do cânon das Escrituras, Revelação 22:20. Agora ele nos diz respeito à preparação para a vinda de Cristo I. Que possamos, então, pronto para participar com ele e isso é mostrado na parábola das dez virgens, Mateus 25: 1-13. II. Que podemos então estar pronto para dar u nossa conta para ele e isso é mostrado na parábola dos três servos, Mateus 25: 14-30. III. Que podemos então estar pronto para receber dele a frase final, e que pode ser para a vida eterna e isso é mostrado em uma descrição mais clara do processo do juízo final, Mateus 25: 31-46. Estas são coisas de terrível consideração, por causa de eterna preocupação de cada um de nós.

 

Versículos 1-13

A Parábola das Dez Virgens.

1 Então o reino dos céus será semelhante a dez virgens que, tomando as suas lâmpadas, saíram ao encontro do esposo. 2 E cinco delas eram prudentes, e cinco eram tolas. 3 Eles que eram loucas, tomando as suas lâmpadas, não levaram azeite consigo: 4 Mas as prudentes levaram azeite em suas vasilhas, com as suas lâmpadas. 5 tardando o noivo, todos eles e adormeceram. 6 E à meia-noite, houve um grito: Eis o noivo vem saí para encontrá-lo. 7 Então todas aquelas virgens se levantaram, e prepararam as suas lâmpadas. 8 E as insensatas disseram às prudentes: Dai-nos do vosso azeite porque as nossas lâmpadas estão se apagando. 9 Mas as prudentes responderam, dizendo: Não é assim para que não haja não o suficiente para nós e vós; mas ide antes aos que o vendem, e comprai-o. 10 E, enquanto eles foram comprar, chegou o noivo e as que estavam preparadas entraram com ele para as bodas, ea porta estava fechada. 11 Depois vieram também as outras virgens, dizendo: Senhor, Senhor, abre-nos. 12 Mas ele, respondendo, disse: Em verdade vos digo, eu sei que você não. 13 Vigiai, pois, porque não sabeis nem o dia nem a hora em que o Filho do homem virá.

 

Aqui,

 

  1. Isso, em geral, que deve ser ilustrado é, o reino dos céus, o estado de coisas sob o evangelho, o reino externo de Cristo, ea administração eo sucesso do mesmo. Algumas das parábolas de Cristo tinha-nos mostrado como é agora no presente recepção do mesmo, como Mateus 13: 1-52 Isto nos diz o que deve ser como, quando o mistério de Deus deve ser concluída, e que o reino entregues até o pai. A administração do governo de Cristo, para o pronto e os despreparados no grande dia, pode ser ilustrado por esta similitude ou o reino é colocado para os assuntos do reino. Os professores do cristianismo deve então ser comparado a esses dez virgens, e deve ser, portanto, distinguir.

 

  1. Isso pelo qual é ilustrada, é, uma solenidade casamento. Era um costume usado às vezes entre os judeus naquela ocasião, que chegou o noivo, participou com os seus amigos, tarde da noite, para a casa da noiva, onde ela esperava que ele, participou com seus Noiva-empregadas que, mediante aviso dado da aproximação dos noivos, foram para sair com lâmpadas em suas mãos, a luz para dentro da casa com cerimônia e formalidade, para a comemoração das núpcias com grande regozijo. E alguns pensam que nessas ocasiões eles tinham geralmente dez virgens para os judeus nunca realizou uma sinagoga, circuncidado, celebraram a páscoa, ou casamento contraído, mas dez pessoas, pelo menos, estavam presentes. Boaz, quando se casou com Ruth, tinha dez testemunhas, Ruth 4: 2. Agora, nesta parábola,

 

  1. O Noivo é nosso Senhor Jesus Cristo, ele é representado no Salmo 45: 1-17, Cântico dos Cânticos 1: 1-8: 14, e muitas vezes no Novo Testamento. Ele evidencia seu amor singular e superlativo para, e sua aliança fiel e inviolável com, o seu cônjuge a igreja. Os crentes são agora noiva de Cristo (Oséias 02:19), mas o solemnizing do casamento é reservado para o grande dia, quando a noiva, a esposa do Cordeiro, terá feito a si mesma completamente pronto, Apocalipse 19: 7, 9.

 

  1. As virgens são os professores de religião, os membros da igreja, mas aqui representadas como suas companheiras (Salmo 45:14), como em outros lugares seus filhos (Isaías 54: 1), seus ornamentos, Isaías 49:18. Os que seguem o Cordeiro, são disse a ser virgens (Apocalipse 14: 4), este indica a sua beleza e pureza estão a ser apresentado como castas virgens para Cristo, 2 Coríntios 11: 2. O noivo é um rei assim que estas virgens são empregadas domésticas de honra, virgens sem número (Cântico dos Cânticos de Salomão 6: 8), mas aqui a ser dito dez.

 

  1. A estância de estas virgens é ao encontro do esposo, que é tanto a sua felicidade como seu dever. Eles vêm de esperar em cima do noivo quando ele aparecer, e no tempo médio de espera para ele. Veja aqui a natureza do cristianismo. Como cristãos, nós professamos nos a ser, (1.) Os atendentes em Cristo, fazer-lhe honra, como o glorioso Noivo, para ser com ele por um nome e um louvor, especialmente, em seguida, quando ele vier para ser glorificado nos seus santos . Devemos segui-lo como servos honorários fazer seus mestres, João 0:26. Segure-se o nome, e mantenha diante o louvor da exaltado Jesus este é o nosso negócio. (2.) expectadores de Cristo e de sua segunda vinda. Como cristãos, nós professamos, não só acreditar e procurar, mas para amar e tempo para o aparecimento de Cristo, e para atuar em toda a nossa conversa com um respeito. A segunda vinda de Cristo é o centro no qual todas as linhas de nossa religião se encontram, e para que o todo da vida divina tem uma referência constante e tendência.

 

  1. A sua principal preocupação é ter luzes em suas mãos, quando eles assistem o noivo, assim, fazer-lhe homenagem e fazer o serviço. Nota, os cristãos são filhos da luz. O evangelho é luz, e os que recebem não só deve ser iluminada por eles mesmos, mas deve brilhar como luzes, deve segurá-la por diante, Filipenses 2:15, 16. Isto em geral.

 

Ora, quanto estes dez virgens, podemos observar,

 

(1.) O seu carácter diferente, com a prova e evidência disso.

 

[1] Seu caráter era que cinco eram prudentes, e cinco tolo (Mateus 25: 2) e sabedoria é mais excelente estultícia, quanto a luz é mais excelente escuridão assim diz Solomon, um juiz competente, Eclesiastes 2:13. Observe, Os da mesma profissão e denominação entre os homens, podem ainda ser de personagens muito diferentes aos olhos de Deus. Os cristãos sinceros são os sábios virgens, e hipócritas os tolos, como em outra parábola eles são representados por construtores sábias e insensatas. Nota, Aqueles são sábios ou tolos, de fato, que são tão nos assuntos de suas almas. A verdadeira religião é verdadeiro pecado sabedoria é loucura, mas sobretudo o pecado da hipocrisia, para aqueles que são os maiores tolos, que são sábios na sua própria vaidade, e aqueles o pior dos pecadores, que fingiam justos. Alguns observam a partir do número igual do, o que é um decoro de caridade sábio e tolo (é expressão do Arcebispo Tillotson) Cristo observa, como se esperaria que o número de verdadeiros crentes era quase igual ao de hipócritas, ou, pelo menos, nos ensinaria a esperar que o melhor a respeito daqueles que professam a religião, e pensar neles com um viés para o lado de caridade. Embora, no julgamento de nós mesmos, devemos lembrar que o portão é estreito, e poucos acham ainda, no julgamento dos outros, devemos lembrar que o capitão da nossa salvação traz muitos filhos à glória.

 

[2] A evidência deste personagem estava na mesma coisa que eles foram para atender a por que eles são julgados de.

 

Primeiro, foi a loucura das virgens loucas, que tomou as suas lâmpadas, não levaram azeite consigo, Mateus 25: 3. Eles tiveram apenas o óleo suficiente para fazer as suas lâmpadas queimam para o presente, para fazer um show com, como se destina ao encontro do noivo, mas não botija ou garrafa de óleo com eles por um recruta se o noivo demorou, assim, hipócritas,

 

  1. Eles não têm nenhum princípio dentro. Eles têm uma lâmpada de profissão em suas mãos, mas não têm em seus corações que o estoque de conhecimento de som, disposições enraizadas, e resoluções liquidados, o que é necessário para realizá-los através dos serviços e ensaios de estado atual. Eles agem sob a influência de estímulos externos, mas são nulas de vida espiritual como um comerciante, que configura sem um estoque, ou a semente no solo pedregoso, que queria raiz.

 

  1. Eles não têm perspectiva de, nem prever, o que está por vir. Eles levaram lâmpadas para um presente de show, mas não óleo para após o uso. Este incogitancy é a ruína de muitos professores todos seus cuidados é recomendar-se aos seus vizinhos, a quem eles agora conversar com, e não para aprovar-se a Cristo, a quem eles devem seguir aparecem antes como se qualquer coisa vai servir, fornecer ele vai, mas servem Para o presente. Diga-lhes de coisas ainda não se viam, e você é como a Lot a seus filhos-de-lei, como quem estava zombando. Eles não fornecem para seguir, como a formiga faz, nem estabelecer-se para o tempo vindouro, 1 Timóteo 6:19.

 

Em segundo lugar, foi a sabedoria das virgens prudentes, que eles levaram azeite em suas vasilhas, com as suas lâmpadas, Mateus 25: 4. Eles tinham um bom princípio dentro, o que mantém e sua profissão. 1. O coração é o vaso, que é a nossa sabedoria para obter mobilado para, de um bom tesouro lá, as coisas boas devem ser trazidos mas se que a raiz seja a podridão, a flor será poeira. 2. A graça é o óleo que devemos ter neste navio na tenda havia disposição constante feito de azeite para a luz, Êxodo 35:14. Nossa luz deve brilhar diante dos homens em boas obras, mas isso não pode ser, ou não muito tempo, a menos que haja um princípio fixo ativo no coração, da fé em Cristo, e amor a Deus e aos nossos irmãos, a partir do qual temos de agir em todos os coisa que fazemos na religião, com um olho para o que está diante de nós. Eles que levaram azeite em suas vasilhas, fê-lo em cima suposição de que talvez o noivo pode tardará. Nota, Em olhando para a frente, é bom para se preparar para o pior, para colocar no para um longo cerco. Mas lembre-se que este óleo que mantém a queima de lâmpadas, é derivado para o candelabro de Jesus Cristo, o grande e bom Olive, pelos tubos de ouro das ordenanças, como é representada nessa visão (Zacarias 4: 2, 3, 12 ), o que se explica João 1:16, de sua plenitude todos nós recebemos graça sobre graça.

 

(2.) A falha comum, durante a demora do noivo Todos eles e adormeceram, Mateus 25: 5. Observe aqui,

 

[1] O noivo demorou, isto é, ele não saiu tão cedo quanto eles esperavam. O que procuramos como certos, nós somos capazes de pensar que é muito perto de muitos nos tempos dos apóstolos imaginado que o dia do Senhor estava em minhas mãos, mas não é assim. Cristo, como para nós, parece que ficasse, e ainda realmente não faz, Habacuque 2: 3. Há uma boa razão para tardança do esposo há muitos conselhos intermédios e objetivos a serem alcançados, os eleitos devem todos ser chamado, a paciência de Deus tem de se manifestar, e paciência dos santos tentou, a seara da terra deve ser amadurecido, e assim deve a colheita do céu também. Mas embora Cristo tardará passado nosso tempo, ele não tardará passado o devido tempo.

 

[2] Enquanto ele se detinha, aqueles que esperou por ele, cresceu descuidado, e esqueceu o que eles estavam participando cochilaram todas e dormiu como se tivessem entregue à procura dele para quando o Filho do homem vier, ele vai não encontrará fé , Lucas 18: 8. Aqueles que deduziu a rapidez do que de sua certeza, quando isso não respondeu, sua esperança, estavam aptos do atraso para inferir a sua incerteza. As virgens prudentes dormia, e os tolos dormi tão pouco distingui-lo no entanto, ambos estavam com defeito. As virgens prudentes manteve seu lâmpadas acesas, mas não manter-se acordado. Observe, também muitos bons cristãos, quando eles têm sido na profissão, crescer negligentes em seus preparativos para a segunda vinda de Cristo que intermitir seus cuidados, diminuir seu zelo, suas graças não são animadas, nem seus trabalhos encontrados perfeitas diante de Deus e, apesar de tudo amor não ser perdido, mas o primeiro amor é deixado. Se era difícil para os discípulos para assistir com Cristo de uma hora, muito mais para assistir com ele uma era. Eu durmo, diz o cônjuge, mas meu coração acorda, Observar, Em primeiro lugar, eles adormeceram, e, em seguida, eles dormiam. Note, um grau de descuido e desleixo abre caminho para outro. Aqueles que se permitir em adormecida, dificilmente irá manter-se de dormir, portanto, temem o início do espiritual decai Venienti occurrite morbo -. Comparecer aos primeiros sintomas da doença Os antigos geralmente entendida adormecido e dormir de sua morte todos eles morreram das virgens, sábios e tolos (Salmo 49:10), antes do julgamento-dia. Então Ferus, antequam veniat sponsus omnibus obdormiscendum est, hoc est, moriendum - Antes de o Esposo vem, todos devem dormir, isto é, morrer. Então, Calvin. Mas eu acho que é bastante para ser tomado como abrimos-lo.

 

(3.) A convocação surpreendentes dado a eles, para assistir o noivo (Mateus 25: 6). À meia-noite, houve um grito: Eis o noivo vem Note, [1] Ainda que Cristo se demoram, ele vai vir, finalmente embora ele parece lento, ele está certo. Em sua primeira vinda, ele foi pensado por muito tempo por aqueles que esperavam a consolação de Israel ainda na plenitude do tempo, ele veio para sua segunda vinda, embora adiadas por muito tempo, não é esquecido os seus inimigos encontrar, a seu custo, que a tolerância é não quitação e seus amigos devem encontrar, para o seu conforto, que a visão é para o tempo determinado, e ao fim falará, e não mentirá. O ano do remidos é fixo, e ele virá. [2] vinda de Cristo será a nossa meia-noite, quando menos olhar para ele, e estão mais dispostos a levar o nosso descanso. Sua vinda para o alívio e conforto de seu povo, muitas vezes é quando o bem pretendido parece ser a maior distância e sua vinda para contar com seus inimigos, é quando eles colocam o mais dia mau deles. Foi à meia-noite que o primogênito do Egito foram destruídos, e Israel entregue, Êxodo 00:29. A morte muitas vezes vem quando menos se espera, a alma é necessária esta noite, Lucas 0:20. Cristo virá quando ele quiser, para mostrar a sua soberania, e não vai deixar-nos saber quando, para nos ensinar o nosso dever. [3] Quando Cristo vier, devemos ir ao encontro dele. Como cristãos somos obrigados a assistir a todas as propostas do Senhor Jesus, e encontrá-lo em todos os seus out-vindas. Quando ele vem a nós na hora da morte, devemos sair para fora do corpo, fora do mundo, para encontrá-lo com afetos e funcionamento da alma adequado para as descobertas que, em seguida, esperar que ele faça de si mesmo. Saí para encontrá-lo , é uma chamada para aqueles que são habitualmente preparadas, para ser realmente pronto. [4] O aviso dado de abordagem de Cristo, ea chamada para encontrá-lo, será despertando Houve um grito. Sua primeira vinda não foi com qualquer observação em tudo, nem eles dizem, Eis aqui o Cristo, ou Eis que ele está lá, ele estava no mundo, eo mundo não o conheceu, mas sua segunda vinda será com a observação de todo o mundo Todo olho o verá. Haverá um grito do céu, porque ele descer com um mensagem: Levanta-te, ó morto, e chegar a julgamento e um grito da terra também, um grito de rochas e montanhas, Apocalipse 06:16.

 

(4.) O endereço de todos eles feito para responder a esta convocação (Mateus 25: 7) Eles todos se levantaram, e prepararam as suas lâmpadas, ceifadas eles e lhes forneceu petróleo e andavam com toda a presteza a colocar-se em uma postura de receber o noivo. Agora, [1] Este, por as virgens prudentes, evidencia uma preparação real para o noivo está chegando. Note-se, mesmo aqueles que são mais bem preparado para a morte, têm, sobre as prisões imediatas de que, trabalho a fazer, para obter-se realmente pronto, para que possam ser encontrados em paz (2 Pedro 3:14), fazendo encontrado (Mateus 24 : 46), e não foram encontrados nus, 2 Coríntios 5: 3. Será um dia de busca e pergunta o que nos diz respeito a pensar como nós será então encontrados. Quando vemos o dia se aproximando, devemos dirigir-nos para o nosso trabalho morrendo com toda a seriedade, renovando nosso arrependimento do pecado, o nosso consentimento para a aliança, nossas despedidas ao mundo e nossas almas deve ser realizado em direção a Deus em breathings adequados. [2] Nos virgens loucas, denota uma confiança vão, vaidade e da bondade de seu estado, e sua prontidão para um outro mundo. Note-se, graças Mesmo falsificados servirá um homem para fazer um show de quando ele vier a morrer, assim como eles têm feito toda a sua vida antigas esperanças do ímpio chama quando eles estão apenas expirando, como um relâmpago antes da morte.

 

(5.) A angústia que as virgens loucas estavam, por falta de óleo, Mateus 25: 8, 9. Isso evidencia, [1] As apreensões que alguns hipócritas têm da miséria de seu estado, mesmo nesta morte lado, quando Deus abre os olhos para ver sua loucura, e eles próprios perecendo com uma mentira na sua mão direita. Ou, no entanto [2] A miséria real do seu estado, do outro lado da morte, e no julgamento como agora, a sua justa, mas falsa, profissão da religião será de recorrer a eles qualquer coisa no grande dia ver o que vem dele.

 

Em primeiro lugar, Suas lâmpadas estão se apagando. As lâmpadas de hipócritas muitas vezes saem nesta vida quando eles que começaram no espírito, final na carne, e da hipocrisia irrompe em uma apostasia aberta, 2 Pedro 2:20. A cernelha liberal e do crédito do que é perdido as esperanças falhar, eo conforto deles é ido quantas vezes é a lâmpada dos ímpios, assim, colocar para fora? Jó 21:17. No entanto, muitos um hipócrita mantém-se o seu crédito, e no conforto da sua profissão, tal como ela é, até o último, mas o que é que quando Deus tira sua alma? Jó 27: 8. Se a vela não se apague antes de ele, é posto para fora com ele, Jó 18: 5, 6. Ele deve deitar-se em tristeza, Isaías 50:11. Os ganhos de uma profissão hipócrita não vai seguir um homem a julgamento, Mateus 07:22, 23. As lâmpadas estão se apagando, quando a esperança do hipócrita prova como a teia de aranha (Jó 08:11, & c.), E como a desistir do fantasma (Jó 11:20), como mula de Absalão que o deixou em carvalho.

 

Em segundo lugar, Eles queriam óleo para abastecê-los quando eles estavam indo para fora. Nota, Aqueles que tomam acima do short de verdadeira graça, certamente vai encontrar o que falta de um momento ou outro. Uma profissão externa bem humorada podem levar um homem muito, mas não vai levá-lo através dele poderá acender-lo ao longo deste mundo, mas os Damps do vale da sombra da morte vai colocá-lo para fora.

 

Em terceiro lugar, Eles bom grado estar em dívida com as virgens prudentes para uma alimentação para fora dos seus navios Dê-nos do vosso azeite. A nota, O dia está chegando, quando hipócritas carnais de bom grado ser encontrado na condição de verdadeiros cristãos. Aqueles que agora odeio o rigor da religião, irá, no momento da morte e julgamento, desejo para os confortos sólidas do mesmo. Aqueles que não se importam de viver a vida, ainda que morra a morte dos justos. Está chegando o dia em que aqueles que agora olhar com desprezo sobre os santos humildes contritos, de bom grado obter um interesse neles, e que valorizam os como seus melhores amigos e benfeitores, a quem agora eles estabelecidos com os cães do seu rebanho. Dai-nos do vosso azeite, isto é, "Fale uma palavra boa para nós", para alguns, mas não há motivo para vouchers no grande dia, o Juiz sabe o que é o verdadeiro caráter de cada homem. Mas não é assim que eles são trazidos para dizer, Dai-nos do vosso azeite? É assim, mas, 1. Este pedido foi extorquido por necessidade sensata. Nota, Aqueles vai ver a sua necessidade da graça a seguir, quando deveria salvá-los, que não quer ver sua necessidade da graça agora, quando deveria santificar e governar-los. (2.) Ele vem tarde demais. Deus teria dado a eles o petróleo, teve eles pediram no tempo, mas não há nenhuma compra quando o mercado é longo, não existe licitação quando a polegada de vela é descartado.

 

Em quarto lugar, Eles foram negados uma parte em óleo de seus companheiros. . É um triste presságio de uma repulsa com Deus, quando eles foram, assim, repulsa por pessoas boas O sábio respondeu: Não é assim que a negação peremptória não está no original, mas fornecido pelos tradutores: estas virgens prudentes preferem dar uma razão sem uma recusa positiva, que (como muitos fazem) dar uma recusa positiva sem uma razão. Eles estavam bem dispostos a ajudar seus vizinhos em dificuldades mas, não devemos, não podemos, não ousamos, fazê-lo, para que não haja não o suficiente para nós e você a caridade começa em casa, mas ir, e comprai-o. Note, 1 . Aqueles que seriam salvos, deve ter a graça própria. Embora tenhamos benefício pela comunhão dos santos, e da fé e orações dos outros agora podem redundar em nossa vantagem, mas a nossa própria santificação é indispensavelmente necessário para nossa própria salvação. O justo viverá pela sua fé. Cada homem dará conta de si mesmo, e, portanto, que todo homem provar o seu próprio trabalho para que ele não pode ter outra reunir para ele naquele dia. 2. Aqueles que têm mais graça, não tenho nenhum para poupar tudo o que temos, é muito pouco para nós mesmos para comparecer diante de Deus. O melhor é que preciso tomar emprestado de Cristo, mas eles não têm nenhum a emprestar para qualquer um dos seus vizinhos. A igreja de Roma, que sonha em obras de supererrogação ea imputação da justiça dos santos, esquece que foi a sabedoria das virgens prudentes a entender que eles tinham, mas o óleo suficiente para si, e nenhum para os outros. Mas observe, Estas virgens prudentes não censurar o tolo com sua negligência, nem se orgulhar de sua própria previsão, nem atormentá-los com sugestões tendentes ao desespero, mas dar-lhes o melhor conselho o caso vai suportar, ide antes aos que o vendem. Nota, Aqueles que lidar tolamente nos assuntos de suas almas, são dignos de pena, e não mais insultado por quem te fez diferença? Quando os ministros assistir, como ter sido estúpido de Deus e suas almas todos os seus dias, mas estão sob convicções no leito de morte e, porque o verdadeiro arrependimento nunca é tarde demais, encaminhá-los para se arrepender e voltar para Deus, e fechar com Cristo, no entanto, porque tardio arrependimento raramente é verdade, eles fazem, mas como estas virgens prudentes fez pelo tolo, até fez o melhor de ruim. Eles podem, mas dizer-lhes o que deve ser feito, se for tarde não muito, mas se a porta não pode ser fechada antes que ele é feito, é um perigo indizível. É um bom conselho agora, se for tomada a tempo, Vá aos que o vendem, e comprai-o. Note-se, aos que teriam graça, deve recorrer a, e atender em cima, os meios da graça. Veja Isaías 55: 1.

 

(6.) A vinda do noivo, eo problema de toda essa personagem diferente das virgens sábias e insensatas. Veja o que aconteceu.

 

[1] Enquanto eles saíram para comprar, chegou o noivo. Note, No que diz respeito àqueles que adiar sua grande obra para o último, é de mil a um, que eles não têm tempo para fazer isso, então. Conseguir a graça é um trabalho de tempo, e não pode ser feito com pressa. Enquanto si os pobres endereços alma desperta, em cima de uma cama doente, ao arrependimento e à oração, na terrível confusão, mal sabe a extremidade que deve começar em, ou o que fazer primeiro e atualmente vem a morte, o juízo vem, eo trabalho é desfeita, e o pobre pecador desfeita para sempre. Isto vem de ter petróleo para comprar quando devemos queimá-lo, e de graça para chegar quando deveríamos usá-lo.

 

. O noivo chegou Nota, Nosso Senhor Jesus virá para o seu povo, no grande dia, como um Noivo virá em pompa e trajes ricos, participou com seus amigos: agora que o noivo será tirado de nós, nós rápido (Mateus 9:15), mas, em seguida, será uma festa eterna. Em seguida, o noivo vai buscar em casa sua noiva, para ser onde ele está (João 17:24), e vai alegrar-se em sua noiva, Isaías 62: 5.

 

[2] As que estavam preparadas entraram com ele para as bodas. Nota, Primeiro, Para ser eternamente glorificado é ir com Cristo para o casamento, por estar em sua presença imediata, e na comunhão mais íntima e comunhão . com ele num estado de eterna resto, alegria e abundância Em segundo lugar, aqueles, e só esses, deve ir para o céu daqui por diante, que são feitas pronto para o céu aqui, que são forjado para a coisa de auto-mesmo, 2 Coríntios 5: 5. Em terceiro lugar, a rapidez da morte, e da vinda de Cristo para nós, então, vai haver nenhuma obstrução para a nossa felicidade, se temos sido habitualmente preparado.

 

[3] A porta estava fechada, como é habitual quando toda a companhia está vindo, que estão a ser admitidos. A porta estava fechada, Em primeiro lugar, Para proteger aqueles que estavam dentro de que, sendo agora feita pilares na casa do nosso Deus, eles podem não mais sair, Apocalipse 03:12. Adão foi colocado em paraíso, mas a porta foi deixada aberta e então ele saiu de novo, mas quando santos glorificados são colocados no paraíso celestial, eles estão fechados. Em segundo lugar, para excluir aqueles que estavam fora. O estado de santos e pecadores serão então inalteravelmente fixado, e aqueles que são excluídos, então, ficarão de fora para sempre. Agora, o portão é estreito, mas é aberta, mas, em seguida, ele será fechada e trancada, e um grande abismo. Isso foi como o fechamento da porta da arca quando Noé estava em como ele estava, assim, preservada, então tudo o resto foram finalmente abandonado.

 

[4] As virgens loucas veio quando era tarde demais (Mateus 25:11) Depois vieram também as outras virgens. Note, Em primeiro lugar, há muitos que irá solicitar a admissão ao céu quando já é tarde demais como profano Esaú, que depois teria herdado a bênção. Deus e da religião será glorificado por essas solicitações final, embora os pecadores não serão salvas por eles, é para a honra do Senhor, Senhor, que, de oração fervorosa e importuna, que aqueles que leve isso agora, fugirá a ele em breve, e não vai ser chamado de choramingar e canting então. Em segundo lugar, a vã confiança de hipócritas os levará muito longe em suas expectativas de felicidade. Eles vão para o céu-gate, ea entrada de demanda, e ainda são excluídos levantou ao céu em uma presunção Amante da bondade de seu estado, e ainda lançados no inferno.

 

[5.] Eles foram rejeitadas, como foi Esaú (Mateus 25:12) Eu sei que você não. Nota, Estamos todos preocupados com Buscai ao Senhor enquanto se pode achar, pois há uma vinda do tempo em que ele não será encontrado. Houve um tempo, quando, Senhor, Senhor, abre-nos, teria acelerado bem, em virtude dessa promessa, Knock, e ela se abrirá para você, mas agora ele chega tarde demais. A sentença é solenemente vinculado com, Em verdade eu vos digo, o que equivale a nada menos do que jurando em sua ira, que eles nunca entra em seu descanso. Ele denuncia-lo resolvido, e eles silenciado por ele.

 

Por último, Aqui é uma inferência prático retirar desta parábola (Mateus 25:13) Vigiai, pois, Nós tivemos isso antes (Mateus 24:42), e aqui é repetido como o cuidado mais necessário. Nota, 1. Nosso dever é ótimo para assistir, para atender aos negócios de nossas almas com a máxima diligência e prudência. Estar acordado, e estar vigilante. 2. É uma boa razão para a nossa observação, que o tempo da nossa vinda do Senhor é muito incerto sabemos nem o dia nem a hora. Por isso, todo dia e toda hora devemos estar prontos, e não o nosso relógio de qualquer dia no ano, ou qualquer hora durante o dia. Sê tu no temor do Senhor todos os dias e todo o dia.

 

 

 

 

 

 

       SUBSIDIO ADULTOS CPAD MATEUS 24.42-46

                     1 TRIMESTRE 2016 LIÇÃO N.3

Versículos 32-51

Parábola da figueira-árvore Previsões Awful o dever de Vigilância O Bem eo Mal Steward.

32 Aprendei a parábola da figueira Quando o seu ramo se torna tenro, e brota folhas, sabeis que o verão está próximo: 33 Assim também vós, quando virdes todas estas coisas, sabei que ele está próximo, mesmo no portas. 34 Em verdade vos digo que esta geração não passará, até que todas essas coisas aconteçam. 35 O céu ea terra passarão, mas as minhas palavras não passarão. 36 Mas daquele dia e hora ninguém sabe o homem, não, nem os anjos do céu, mas unicamente meu Pai. 37 Mas como foi nos dias de Noé foram, assim será também a vinda do Filho do homem. 38 Porque, assim como nos dias anteriores ao dilúvio, comiam, bebiam, casavam e davam-se em casamento, até o dia em que Noé entrou na arca, 39 E não o perceberam, até que veio o dilúvio, e os levou a todos assim será também a vinda do Filho do homem. 40 Então, dois estarão no campo, um será tomado, e deixado o outro. 41 Duas mulheres estarão moendo no moinho, um será tomado, e deixado o outro. 42 Vigiai, pois, porque não sabeis em que dia vem o vosso Senhor. 43 Mas sei que, se o dono da casa soubesse a que hora viria o ladrão, teria vigiado e não teria sofrido a sua casa para ser quebrado. 44 Por isso ficai também vós apercebidos; porque, à hora em que não cuidais, o Filho do homem virá. 45 Quem é um servo fiel e prudente, que o senhor pôs sobre os seus serviçais, para dar o sustento a seu tempo? 46 Bem-aventurado é aquele servo a quem o seu senhor, quando vier, achar fazendo assim. 47 Em verdade vos digo que, se ele o porá sobre todos os seus bens. 48 Mas se aquele mau servo disser no seu coração: O meu senhor tarda em vir 49 E começar a espancar os seus conservos, ea comer e beber com os ébrios 50 O senhor daquele servo virá no dia em que ele não olha para ele, e numa hora que ele não sabe, 51 e cortá-lo em pedaços, e nomear-lhe a sua parte com os hipócritas; ali haverá choro e ranger de dentes.

 

Temos aqui a aplicação prática da previsão anterior, em geral, temos de esperar e se preparar para os eventos aqui anunciado.

 

  1. Nós devemos esperar que eles "Aprendei a parábola da figueira, Mateus 24:32, 33Mateus 24: 32,33. Agora aprender o que uso para fazer as coisas que você já ouviu falar assim observar e compreender os sinais dos tempos, e compará-los com as previsões da palavra, a partir daí para prever o que está à porta, que poderá fornecer em conformidade. " A parábola da figueira não é mais do que isso, que a sua brotação e florescimento são um presságio de verão para que a cegonha no céu, para as árvores do campo, conhecer o seu tempo determinado. O início do trabalho de segunda faz com que nos garante o progresso e perfeição dele. Assim, quando Deus começa a cumprir as profecias, ele vai fazer um fim. Há uma certa série nas obras de providência, como existe nas obras da natureza. Os sinais dos tempos são comparados com os prognósticos de a face do céu (Mateus 16: 3), então aqui com os da face da terra quando que se renova, prevemos que o verão está chegando, não imediatamente, mas pelo alguma distância após o ramo cresce concurso, esperamos que os ventos de março, e as chuvas de abril, antes do Verão, vem no entanto, temos certeza de que ele está vindo "Assim também vós, quando o dia evangelho deve amanhecer, contar com ele, que por este . variedade de eventos que vos falei de, o dia perfeito virá As coisas reveladas em breve devem acontecer (Apocalipse 1: 1). eles devem vir em sua própria ordem, na ordem nomeado para eles saber que ele está próximo . " Ele não aqui dizer o quê, mas é o que o coração dos seus discípulos são em cima, e que eles estão atrás de curiosos, e por muito tempo para o reino de Deus está próximo, por isso é expresso no lugar paralelo, Lucas 21:31 . Nota: Quando as árvores de justiça começam a brotar e florescer, quando o povo de Deus prometer fidelidade, é um prenúncio de bons momentos felizes. Neles Deus começa seu trabalho, primeiro prepara o seu coração, e então ele vai continuar com ele para, como para Deus, seu trabalho é perfeito e ele vai revivê-la no meio de seus anos.Mateus 16: 3Apocalipse 1: 1Luke 21:31

 

Agora tocar os eventos previstos aqui, que estamos a esperar,

 

  1. Cristo aqui assegura-nos da certeza deles Mateus 24:35(Mateus 24:35) O céu ea terra passarãoeles continuam hoje, de fato, de acordo com a ordenança de Deus, mas eles não são perpétuas (Salmos 102: 25, 26 eles continuam hoje, de fato, de acordo com a ordenança de Deus, mas eles não são perpétuas (Salmos 102: 25,26, 2 Pedro 3:102 Pedro 3:10), mas as minhas palavras não passarão. Nota: A palavra de Cristo é mais seguro e duradouro do que o céu ea terra. falaria? E deve ele não fazê-lo? Podemos construir com mais segurança com a palavra de Cristo do que nós sobre os pilares do céu, ou os fortes fundamentos da terra para, quando eles devem ser feitos para tremer e totter, e não deve ser mais, a palavra de Cristo deve permanecer, e estar em pleno vigor, poder e virtude. Veja 1 Pedro 1: 24,25. É mais fácil para o céu ea terra para passar, do que a palavra de Cristo para que ele se expressa, Lucas 16:17. Compare Isaías 54:10. O cumprimento dessas profecias pode parecer a ser adiada, e intervir eventos pode parecem discordar com eles, mas não acho que, portanto, a palavra de Cristo está caído no chão, para que nunca passará: apesar de não ser cumprida, seja no tempo ou no caminho que temos prescrito ainda, no tempo de Deus, que é o melhor momento, e no caminho de Deus, que é a melhor maneira, deve certamente ser cumprida. Toda a Palavra de Cristo é muito puro, e, portanto, muito certo.1 Pedro 1:24, 25Lucas 16:17Isaías 54:10

 

  1. Ele aqui nos instrui quanto ao tempo deles, Mateus 24: 34,36. Quanto a esta, é bem observado pelo Grotius aprendido, que há uma manifesta distinção feita entre o tauta (Mateus 24:34), eo ekeine (Mateus 24:36), essas coisas, e daquele dia e hora que será ajudar a limpar essa profecia.Mateus 24:34, 36Mateus 24:34Mateus 24:36

 

(1) Como a estas coisas, as guerras, seduções e perseguições, aqui anunciado, e especialmente a ruína da nação judaica "Esta geração não passará, até que todas essas coisas sejam cumpridas (Mateus 24:34), existem aqueles que agora vivo, que verão a Jerusalém destruída, ea igreja judaica levado a um fim. " Porque ele pode parecer estranho, ele faz o backup com uma afirmação solene "Em verdade, eu vos digo. Você pode tomar minha palavra para ela, essas coisas são na porta." Cristo fala muitas vezes da proximidade da desolação que, quanto mais a afetar as pessoas, e vivificar para se preparar para ela. Nota, Pode haver maiores provações e dificuldades ainda diante de nós, em nossos dias, do que nós somos conscientes. Eles que são velhos, não sabem o que filhos de Anak pode ser reservado para os seus últimos encontros.Mateus 24:34

 

(2.) Mas, como a daquele dia e hora que vai colocar um período de tempo, que ninguém sabe, Mateus 24:36Mateus 24:36. Portanto guardai-vos de confundir esses dois, como eles fizeram, que, a partir das palavras de Cristo e dos apóstolos letras, inferir que o dia de Cristo estava à mão, 2 Tessalonicenses 2: 22 Tessalonicenses 2: 2. Não, não era essa geração, e muitos outros, devem passar, antes daquele dia e hora vir. Note-se, [1] Há um certo dia e hora fixada para o julgamento vindouro é chamado o dia do Senhor, porque tão inalteravelmente fixado. Nenhum dos juízos de Deus são adiada sine die - sem a designação de um determinado dia. [2] Nesse dia e hora são um grande segredo.

 

Prudens futuri temporis exitum

Caliginosa nocte premit Deus. Mas o Céu tem sabiamente se escondeu de vista humano Os decretos escuros do destino futuro, E semeado suas sementes em profundidade de noites .-- HORACE.

 

 

 

Nenhum homem sabe que não o mais sábio por sua sagacidade, não é o melhor para qualquer descoberta divina. Nós todos sabemos que haverá um tal dia, mas ninguém sabe quando será, não, nem os anjos, embora as suas capacidades de conhecimento são grandes, e as suas oportunidades de conhecer esta vantajosa (eles moram na fonte-cabeça de luz), e embora eles sejam empregados na solenidade do dia, mas eles não são informados quando será: nenhum. sabe, mas unicamente meu Pai Esta é uma daquelas coisas secretas que. pertencem ao Senhor nosso Deus A incerteza do tempo da vinda de Cristo, é, para aqueles que estão vigilantes, um cheiro de vida para vida, e torna-los mais vigilantes, mas para aqueles que são descuidados, é um cheiro de morte para morte, e os torna mais descuidado.

 

  1. Para este fim devemos esperar que esses eventos, para que possamos preparar para eles e aqui temos uma advertência contra a segurança e sensualidade, o que irá torná-lo um dia sombrio, na verdade, nós, Mateus 24: 37-41Mateus 24: 37-41. Nestes versos nós temos essa idéia nos dado do dia do juízo final, como pode servir para assustar e despertar-nos, para que possamos não dormir como os outros fazem.

 

Será um dia surpreendente, e um dia de separação.

 

  1. Será um dia surpreendente, como o dilúvio foi para o velho mundo, Mateus 24: 37-39Mateus 24: 37-39. Aquilo que ele tem a intenção de descrever aqui, é, a postura do mundo na vinda do Filho do homem além de sua primeira vinda, para salvar, ele tem outras idas para julgar. Ele diz João 9:39(João 9:39), para juízo vim e para o julgamento ele virá para todo o julgamento está comprometido com ele, tanto o da palavra, e que a espada.

 

Agora, isso aqui é aplicável,

 

(1.) Para julgamentos temporais, em particular o que foi agora apressados ​​sobre a nação e povo dos judeus se tivessem aviso justo dado a eles sobre isso, e havia muitos prodígios que eram presságios de que, no entanto, encontrou-seguro, chorando , paz e segurança, 1 Tessalonicenses 5: 31 Tessalonicenses 5: 3. O cerco foi colocado para Jerusalém por Tito Vespasiano, quando eles foram recebidos por ocasião da páscoa no meio de sua alegria como os homens de Laís, habitaram descuidado quando a ruína os prendeu, Juízes 18: 7,27. A destruição da Babilônia, tanto que no Antigo Testamento e que no Novo, vem quando ela diz: Eu serei senhora para sempre, Isaías 47: 7-9; Apocalipse 18: 7. Portanto as pragas vêm em um momento, em um dia. Nota, a incredulidade dos homens não deve fazer ameaças de nenhum efeito de Deus.Juízes 18: 7, 27 Isaías 47: 7-9Apocalipse 18: 7

 

(2) Para o juízo eterno para que o julgamento do grande dia é chamado, Hebreus 6: 2Hebreus 6: 2. Embora a notificação foi feita de que a partir Enoch, ainda, quando se trata, ele vai ser inesperado para por a maioria dos homens nos últimos dias, que estão mais próximas naquele dia, produzirá escarnecedores, que dizem: Onde está a promessa da sua vinda? 2 Pedro 3: 3, 42 Pedro 3: 3-4; Lucas 18: 8Lucas 18: 8. Assim será quando o mundo que agora se serão destruídos pelo fogo porque assim foi quando o velho mundo, afogado pela água, pereceram, 2 Pedro 3: 6,7. Agora Cristo aqui mostra o que eram o temperamento ea postura do velho mundo quando o dilúvio veio.2 Pedro 3: 6, 7

 

[1] Eles estavam sensual e mundana, comiam, bebiam, casavam e davam-se em casamento. Não é dito, eles estavam matando e roubando, e se prostituir e jurando (estes eram de fato os crimes horríveis de alguns dos piores deles a terra estava cheia de violência), mas eles foram todos eles, exceto Noé, sobre a cabeça e as orelhas no mundo, e independentemente da palavra de Deus, e isso arruinou-los. Nota, negligência Universal de religião é um sintoma mais perigoso para qualquer povo que casos especiais aqui e ali de ousar irreligion. Comer e beber são necessárias para a preservação da vida do homem casavam e davam-se em casamento são necessárias para a preservação da humanidade, mas, Licitus omnes perimus - Essas coisas lícitas desfazer nós, ilegalmente gerenciado. Em primeiro lugar, eles não eram razoáveis ​​nele, desordenado e toda na busca dos prazeres dos sentidos, e os ganhos do mundo que eles estavam totalmente tomadas com essas coisas, trogontes esan - eles estavam comendo eles estavam nestas coisas como em seu elemento, como se tivessem o seu ser para nenhum outro fim do que para comer e beber, Isaías 56:12Isaías 56:12. Em segundo lugar, eles não eram razoáveis ​​em que eles estavam e toda intenção mediante o mundo e da carne, quando a destruição estava na porta, que eles tinham tido tal aviso justo de. Eles estavam comendo e bebendo, quando deveriam ter sido arrependendo-se e orando quando Deus, através do ministério de Noé, chamado para chorar e prantear, em seguida, gozo e alegria. Esta foi a eles, como houve para Israel depois, o pecado imperdoável ( Isaías 22: 12,14), especialmente, porque foi em desafio desses avisos por que eles deveriam ter sido despertados. "Comamos e bebamos, porque amanhã morreremos se ele deve ser uma vida curta, que seja um alegre." O apóstolo Tiago fala disto como a prática geral dos judeus ricos antes da destruição de Jerusalém, quando deveriam ter sido chorando por causa das desgraças que estavam vindo em cima deles, eles estavam vivendo em prazer, e nutrir seus corações como num dia de matança , Tiago 5: 1,5.Isaías 22:12, 14 James 5: 1, 5

 

[2] Eles estavam seguros e descuidado que não sabia, até que veio o dilúvio, Matthew 24:39Mateus 24:39. Sabia que não! Certamente eles não podiam deixar de saber. Será que não é Deus, por Noé, dar-lhes o aviso justo dele? Será que ele não chamá-los ao arrependimento, enquanto seu longanimidade esperou? 1 Pedro 3: 19,20. Mas eles não sabiam, ou seja, eles acreditavam que não poderiam ter conhecido, mas não saberia. Nota, O que sabemos sobre as coisas que pertencem a nossa paz eterna, se não misturar fé com ele, e melhorá-lo, é tudo um como se não soubéssemos nada disso. Sua não saber é se juntou com o seu comer, e beber, e se casar para, primeiro lugar, portanto eles eram sensual, porque eles estavam seguros. Note-se, a razão por que as pessoas estão tão ansiosos na busca, e tão emaranhados nos prazeres deste mundo, é, porque eles não sabem, e acreditar, e considerar, a eternidade que eles estão à beira do. Não sabemos corretamente que todas essas coisas em breve devem ser dissolvido, e nós certamente deve sobreviver a eles, não devemos definir nossos olhos e corações tanto sobre eles como nós. Em segundo lugar, portanto eles estavam seguros, porque eles eram sensual, portanto, eles sabiam não que o dilúvio estava vindo, porque eles estavam comendo e bebendo estavam tão ocupados com coisas vistas e presentes, que não tinha nem tempo nem coração para se para as coisas ainda não se viam, que foram alertadas. Note-se, como de segurança reforça homens em sua brutal sensualidade tão sensualidade rochas-os dormindo em sua segurança carnal. A não sabia, até que veio o dilúvio. 1. O dilúvio veio, embora eles não prevê-lo. Note, Aqueles que não vai saber, pela fé, deve ser feita saber pelo sentimento, a ira de Deus revela do céu contra sua impiedade e injustiça. O dia mal nunca é o mais distante para os homens de colocá-lo longe deles. 2. Eles não sabia até que fosse tarde demais para impedi-lo, como eles poderiam ter feito se tivessem conhecido a tempo, o que tornou muito mais grave. Julgamentos são mais terrível e surpreendente para o seguro, e aqueles que fizeram uma brincadeira deles.1 Pedro 3:19, 20

 

A aplicação do presente, sobre o velho mundo, temos nestas palavras Assim será a vinda do Filho do homem que é: (1) Em tal postura porventura achará pessoas, comer e beber, e não esperando por ele. Note, da Segurança e da sensualidade são susceptíveis de ser as doenças epidêmicas dos últimos dias. Todos sono e dormir, e à meia-noite o noivo vem. Todos estão fora de seu relógio, e à vontade. (2.) Com tal poder, e para esse fim, ele virá sobre eles. Como o dilúvio levou os pecadores do velho mundo, irresistivelmente e irremediavelmente assim, deve assegurar os pecadores, que zombaram Cristo e da sua vinda, ser levado pela ira do Cordeiro, quando o grande dia da sua ira vem, que será como a vinda do dilúvio, a destruição que não há fuga de.

 

  1. Será um dia de separação (Mateus 24: 40,41). Então, dois estarão no campo Duas maneiras isto pode ser aplicado.Mateus 24:40, 41

 

(1.) Podemos aplicá-lo para o sucesso do evangelho, especialmente na primeira pregação de que ele dividiu o mundo alguns acreditavam que as coisas que foram ditas, e foram levados para Cristo outros não acreditaram, e foram deixados a perecer em sua incredulidade. Os da mesma idade, local, capacidade, emprego e condição, no mundo, moendo no mesmo moinho, aqueles da mesma família, ou melhor, aqueles que se juntaram no mesmo vínculo do casamento, foram, uma eficazmente chamado, o outro passava, e deixou no fel da amargura. Este é que a divisão, que separa o fogo, que Cristo veio para enviar, Lucas 0:49, 51Lucas 12: 49,51. Isso torna livre graça a mais prestativo, que é distinguir a nós e não ao mundo (João 14:22), nay para nós, e não para aqueles no mesmo campo, o mesmo moinho, a mesma casa.João 14:22

 

Quando ruína sobreveio a Jerusalém, uma distinção foi feita pela Divina Providência, de acordo com o que havia sido feito antes pela graça divina para todos os cristãos entre eles foram salvos de perecer no que calamidade, pelo cuidado especial do Céu. Se dois estavam no trabalho no campo juntos, e um deles era um cristão, ele foi levado para um lugar de abrigo, e tinha dado sua vida por despojo, enquanto o outro foi deixado para a espada do inimigo. Não, mas se duas mulheres estavam a trabalhar no moinho, se um deles pertencia a Cristo, embora, mas uma mulher, uma mulher pobre, um servo, ela foi levada para um lugar de segurança, ea outra abandonada. Assim, os mansos da Terra estão escondidos no dia da ira do Senhor (Sofonias 2: 3), quer no céu, ou sob o céu. Note, preservações distintivas, em tempos de destruição geral, são símbolos especiais do favor de Deus, e por isso deveria ser reconhecido. Se estamos seguros quando milhares cair na nossa mão direita ea nossa esquerda, não são consumidos quando os outros são consumidos ao redor de nós, para que nós somos como marcas arrancado do fogo, temos razão para dizer: As misericórdias do Senhor , e é uma grande misericórdia.Sofonias 2: 3

 

(2.) Podemos aplicá-lo para a segunda vinda de Jesus Cristo, e que a separação será feita naquele dia. Ele havia dito antes Mateus 24:31(Mateus 24:31), que os eleitos serão reunidos. Aqui, ele nos diz, que, para isso, eles vão ser distinguidos daqueles que estavam mais próximo a eles neste mundo a escolha e os escolhidos levados para a glória, o outro deixou a perecer eternamente. Aqueles que dormem no pó da terra, dois no mesmo túmulo, sua ashed misturado, ainda hão de surgir, um para ser levado para a vida eterna, o outro deixou a vergonha e desprezo eterno, Daniel 12: 2Daniel 12: 2. Aqui ela é aplicada a eles que estarão vivos. Cristo virá unlooked para, vai encontrar pessoas ocupadas em suas ocupações habituais, no campo, na fábrica e, em seguida, de acordo como eles são vasos de misericórdia preparados para a glória, ou vasos de ira preparados para a ruína, consequentemente ele vai estar com eles a uma tomada ao encontro do Senhor e os seus anjos no ar, para ser para sempre com ele e eles a outra esquerda para o diabo e seus anjos, que, quando Cristo reuniu a sua própria, vai varrer o resíduo. Isso vai agravar a condenação dos pecadores que os outros devem ser tomadas a partir do meio deles para a glória, e eles deixaram para trás. E ele fala abundância de conforto para o povo do Senhor. [1] São eles significam e desprezível no mundo, como o servo no campo, ou a empregada na fábrica Êxodo 11: 5(Êxodo 11: 5)? No entanto, eles não devem ser esquecidos ou negligenciados naquele dia. Os pobres do mundo, se ricos na fé, são herdeiros do reino. [2] eles estão dispersos em lugares distantes e improváveis, onde não se esperaria encontrar os herdeiros da glória, no campo, na fábrica? No entanto, os anjos vão encontrá-los lá (escondido como Saul entre as coisas, quando estão a ser entronizado), e buscá-los dali e bem que pode ser dito para ser mudado, para uma grande mudança será para ir para o céu a partir de arar e moagem. [3] Eles são fracos e incapazes de mover-se para o céu? Eles devem ser tomadas, ou prendeu, como Lot foi retirado de Sodoma por uma violência gracioso, Gênesis 19:16Gênesis 19:16. Aqueles que Cristo uma vez apreendido e prendeu, ele nunca perderá seu poder de. [4] Eles estão misturados com os outros, ligados com eles na mesma habitações, sociedades, empregos? Não deixe que desencorajar qualquer Deus verdadeiro cristão sabe como separar entre o precioso e vil, o ouro e escória na mesma massa, o trigo eo joio no mesmo andar.

 

III. Aqui está uma exortação geral a nós, para assistir, e estar pronto para aquele dia vem, executada por mergulhadores considerações de peso, Matthew 24:42Mateus 24:42, & c. Observar,

 

  1. O imposto exigido Watch, e estar pronto, Mateus 24:42, 44Mateus 24: 42,44.

 

(1.) Vigiai, pois, Matthew 24:42Mateus 24:42. Nota: Este é o grande dever e interesse de todos os discípulos de Cristo para assistir, para ser acordado e manter-se acordado, para que possam cuidar de seus negócios. Como um estado pecaminoso ou forma é comparado com o sono, sem sentido e inativo 1 Tessalonicenses 5: 6(1 Tessalonicenses 5: 6), portanto, um estado gracioso ou forma é comparada a assistir e vigília. Devemos prestar atenção para a nossa vinda do Senhor, para nos, em particular, a nossa morte , após o qual o julgamento é que é o grande dia com a gente, o fim do nosso tempo e sua vinda no final de todos os tempos para julgar o mundo, o grande dia com toda a humanidade. Para assistir implica não só a acreditar que nosso Senhor virá, mas o desejo de que ele viria a ser, muitas vezes pensando em sua vinda, e sempre procurando-o seguro, e de perto, eo tempo dele incerto. Para assistir a vinda de Cristo, é manter esse temperamento gracioso e disposição de espírito que devemos estar dispostos que o nosso Senhor, quando vier, deve encontrar-nos. Para assistir é estar ciente dos primeiros avisos de sua abordagem, que poderão assistir imediatamente os seus movimentos, e dirigimo-nos ao dever de conhecê-lo. Assistindo é suposto ser no meio da noite, que está dormindo tempo, enquanto estamos neste mundo, é a noite com a gente, e temos de tomar cuidado para nos manter acordados.

 

(2.) Sede vós também prontos. Nós acordamos em vão, se não ficar pronto. Não é o suficiente para olhar para essas coisas, mas devemos, portanto, dar diligência, 2 Pedro 3:11, 142 Pedro 3: 11,14. Temos então o nosso Senhor para a servir, e nós devemos ter a nossa lâmpadas pronto aparado uma causa a ser julgado, e devemos ter o nosso apelo pronto elaborado e assinado por nosso advogado um acerto de contas para compensar, e devemos ter as nossas contas de pronto citada e equilibrada não é uma herança que então esperam para entrar na, e devemos ter a nossa preparação, feita se reúnem para participar dela, Colossenses 1:12Colossenses 1:12.

 

  1. As razões para nos induzir a esta vigilância e preparação diligente para esse dia, que são dois.

 

(1) Porque o tempo da nossa vinda do Senhor é muito incerto. Esta é a razão imediatamente anexado ao duplo exortação (Mateus 24: 42,44) e é ilustrada por uma comparação, Mateus 24:43. Consideremos então,Mateus 24:42, 44Matthew 24:43

 

[1] Isso não sabemos a que hora ele virá, Matthew 24:42Mateus 24:42. Nós não sabemos o dia de nossa morte, Gênesis 27: 2Gênesis 27: 2. Podemos saber que temos, mas um pouco de tempo para viver (O tempo da minha partida está próximo, 2 Timóteo 4: 62 Timóteo 4: 6), mas não podemos saber que temos um longo tempo para viver, para as nossas almas estão continuamente em nossas mãos, nem podemos saber o quão pouco de cada vez que temos de viver, pois pode revelar-se menos do que esperamos muito menos sabemos a hora fixada para o julgamento geral. Relativas tanto que são mantidos a incerteza, para que possamos, todos os dias, esperamos que o que pode vir a qualquer dia nunca pode se orgulhar de continuidade de um ano (Tiago 4:13), não, nem do retorno de amanhã, como se fosse a nossa, Provérbios 27: 1; Lucas 00:20.Tiago 4:13Provérbios 27: 1Lucas 0:20

 

[2] Que ele pode vir a essa hora, já que não pensar, Matthew 24:44Mateus 24:44. Apesar de haver tanta incerteza no tempo, não há ninguém na própria coisa: embora não saibamos quando ele virá, temos a certeza de que ele vai vir. Sua palavra de despedida foi, Certamente cedo venho a sua palavra: "Eu venho com certeza," obriga-nos a esperar que ele: "Eu venho dizendo seu. Rapidamente" nos obriga a ser sempre esperando por ele para que nos mantém em um estado de expectativa. Em tal hora como você não pensar, isto é, à hora em que eles são despreparados e despreparados, não acho que Matthew 24:50(Mateus 24:50) nay, tal hora como as mais animadas expectadores talvez pensou menos provável. O noivo chegou, quando o sábio estava adormecida. É agradável para o nosso estado presente, que devemos estar sob a influência de uma expectativa constante e geral, em vez do que a de particulares presságios e prognósticos, que às vezes somos tentados em vão desejar e desejar.

 

[3] Que os filhos deste mundo são, portanto, sábio em sua geração, que, quando eles sabem de um perigo que se aproxima, eles vão manter-se acordado, e ficar em guarda contra ela. Isto ele mostra em uma instância particular, Matthew 24:43Mateus 24:43. Se o mestre de uma casa tinha aviso de que um ladrão viria como uma noite, e tal vigília da noite (para eles dividiram a noite em quatro relógios, permitindo que três horas para cada um), e gostaria de fazer uma tentativa em sua casa, se fosse a meia-noite-relógio, quando ele era mais sonolento, ainda assim ele seria, e ouvir todos os ruídos em cada esquina, e estar pronto para dar-lhe uma recepção calorosa. Agora, porém não sabemos exatamente quando nosso Senhor virá, ainda, sabendo que ele vai vir e vir rapidamente, e sem qualquer outro aviso do que aquilo que ele deu na sua palavra, ele nos interessa para assistir sempre. Nota, Primeiro, temos cada um de nós uma casa para manter, que se encontra exposta, em que todos nós valem a pena, é reservada: a casa é nossa própria alma, que devemos manter com toda a diligência. Em segundo lugar, o dia do Senhor vem de surpresa, como um ladrão de noite. Cristo escolhe para vir quando menos se espera, que os triunfos de seus inimigos pode ser transformado no maior vergonha, e os temores de seus amigos para o maior alegria. Em terceiro lugar, se Cristo, quando ele vier, nos encontra dormindo e despreparado, a nossa casa vai ser dividido, e vamos perder tudo o que valem, não como por um ladrão injustamente, mas como por uma morte justa e legal processo e julgamento irá apoderar-se tudo o que temos, a nossa danos irreparáveis ​​e ruína total. Portanto, esteja pronto, ficai também vós apercebidos imediata em todos os momentos como o bom homem da casa seria na hora em que ele esperava o ladrão: temos de vestir a armadura de Deus, para que possamos não só ficar nesse dia mau , mas, como mais do que vencedores, pode dividir os despojos.

 

(2.) Porque a questão da vinda de nosso Senhor vai ser muito feliz e confortável para aqueles que se achar pronto, mas muito lúgubre e terrível para aqueles que não deverá, Mateus 24:45Mateus 24:45, & c. Este é representado pelo estado diferente de bons e maus servos, quando seu senhor vem a contar com eles. É provável que seja bem ou mal com a gente para a eternidade, de acordo como nós são encontrados pronto ou despreparados naquele dia para Cristo vem para retribuir a cada um segundo as suas obras. Agora esta parábola, com o qual o capítulo termina, é aplicável a todos os cristãos, que estão em servidores profissão e obrigação de Deus, mas parece especialmente destinados como um aviso aos ministros para o servo falado é um steward. Agora observe o que diz Cristo aqui,

 

[1] No que respeita ao bom servo, ele mostra aqui o que ele é-- um governante da casa que, sendo assim, ele deve ser-- fiel e sábio e que, se for assim, ele será eternally- abençoado. Aqui são boas instruções e incentivos para os ministros de Cristo.

 

Em primeiro lugar, temos aqui o seu lugar e escritório. Ele é um quem o Senhor pôs sobre os seus serviçais, para dar o sustento a seu tempo. Observe, 1. A Igreja de Cristo é a sua casa, nem família, de pé em relação a ele como o Pai e Mestre da mesma. É da família de Deus, uma família chamada de Cristo, Efésios 3:15Efésios 3:15. 2. ministros do Evangelho são nomeados governantes nesta casa não em príncipes (Cristo entrou uma advertência contra isso), mas como mordomos, ou outros oficiais subordinados não como senhores, mas como guias não prescrever novas maneiras, mas para mostrar e levar em os caminhos que Cristo designou: essa é a significação da hegoumenoi, que traduzimos, ter domínio sobre você (Hebreus 13:17) como bispos, para não cortar novo trabalho, mas para dirigir, e Quicken para o trabalho que Cristo ordenou que é a significação de episkopoi -. bispos Eles são governantes, por Cristo que poder eles têm é derivado dele, e ninguém pode tirar isso deles, ou abreviar-lhes que ele é aquele a quem o Senhor fez governante Cristo tem a tomada de ministros. Eles são governantes sob Cristo, e agir em subordinação a ele e governantes para Cristo, para o avanço do seu reino. 3. O trabalho de ministros do evangelho é dar a casa de Cristo a sua carne na época devida, como mordomos, e, portanto, eles têm as chaves entregues a eles. (1.) O seu trabalho é para dar, não tomar para si mesmos (Ezequiel 34: 8), mas dar à família o que o Mestre tenha comprado, para dispensar o que Cristo. Comprado E aos ministros é dito, que é mais abençoado dar do que receber, Atos 20:35. (2) É dar carne para não dar direito (que é a obra de Cristo), mas para entregar as doutrinas da igreja que, se devidamente digerida, será alimento para almas. Eles devem dar, não o veneno de falsas doutrinas, não as pedras de doutrinas duras e não rentáveis, mas a carne que é som e saudável. (3) Deve ser dada na época devida, en kairo - enquanto há tempo para que quando vem a eternidade, será tarde demais, devemos trabalhar enquanto é dia: ou no tempo, isto é, sempre que qualquer oportunidade se oferece ou no tempo estabelecido, hora após hora, de acordo como o dever de cada dia exige.Hebreus 13:17Ezequiel 34: 8 Atos 20:35

 

Em segundo lugar, a sua quitação direita deste escritório. O bom servo, se assim preferir, será um bom mordomo para,

 

  1. Ele é fiéis mordomos deve ser assim, 1 Coríntios 4: 21 Coríntios 4: 2. Aquele que é confiável, deve ser fiel e maior a confiança é, mais se espera deles. É uma grande coisa boa que tem o compromisso de ministros (2 Timóteo 2 Timóteo 1:141:14) e eles devem ser fiéis, como Moisés, Hebreus 3: 2Hebreus 3: 2. Cristo conta aqueles ministros, e só esses, que são fiéis, 1 Timóteo 1:121 Timóteo 1:12. Um fiel ministro de Jesus Cristo é aquele que sinceramente projeta honra de seu mestre, não a sua própria entrega todo o conselho de Deus, não suas próprias fantasias e conceitos seguintes instituições de Cristo e adere a eles diz respeito à mais vil, reprova o maior, e não me respeitar pessoas.

 

  1. Ele é sábio para entender seu dever ea temporada adequado do mesmo e na orientação do rebanho há necessidade, não só da integridade do coração, mas a perícia das mãos. A honestidade pode ser suficiente para um bom servo, mas a sabedoria é necessário um bom administrador pois é melhor para dirigir.

 

  1. Ele está fazendo fazê-lo como seu escritório exige. O ministério é um bom trabalho, e eles cujo ofício é, tem sempre algo para fazer que não deve satisfazer-se em facilidade, nem deixar o trabalho desfeito, ou descuidada desligá-lo para os outros, mas estar fazendo, e fazendo para o propósito - fazê-lo, dando a carne para a família, cuidando de seu próprio negócio, e não se intrometer com o que é estrangeiro assim como o Mestre nomeou, como as importações de escritório, e como o caso da família não exige falar, mas fazer . Foi o lema Sr. Perkins usado, Ministro verbi es -. Você é um ministro da palavra Não só Age - estar fazendo, mas a idade Hoc - Ser fazê-lo.

 

  1. Ele é encontrado fazendo quando seu Mestre vem que insinua, (1.) A constância no seu trabalho. Em que, seja quem for o seu Mestre vem hora, ele se encontra ocupado no trabalho do dia. Ministros não deve deixar espaços vazios em seu tempo, para que o seu Senhor deve vir em um desses espaços vazios. Tal como acontece com um Deus bom final de uma misericórdia é o começo de outra, portanto, com um bom homem, um bom ministro, o fim de um dever é o começo de outra. Quando Calvin foi persuadido a remeter seus trabalhos ministeriais, ele respondeu, com algum ressentimento, "o que, se você tem o meu mestre me encontrar ocioso?" . (2.) A perseverança em sua obra até que o Senhor venha retende-o até então, Apocalipse 02:25Apocalipse 02:25. Continue nestas coisas, 1 Timóteo 4:16, 6:1 Timóteo 4: 16,6: 14. Perseverar até o fim.

 

Em terceiro lugar, o avultado galardão destina-lo por isso, em três coisas.

 

  1. Ele deve ser tomado conhecimento. Isto é anunciado com estas palavras, quem é, que o servo fiel e sábio? Que supõe que existem, mas poucos que responder a esta personagem tão intérprete é um de um mil, tal fiel e sábio steward. Aqueles que assim distinguir-se agora por humildade, diligência e sinceridade em seu trabalho, Cristo no grande dia tanto dignificar e distinguir, pela glória que lhes é conferido.

 

  1. Ele será abençoado? Bem-aventurado aquele servo e de Cristo pronunciando bem-aventurado o torna tão. Todos os mortos que morrem n o Senhor são abençoados, Apocalipse 14:13Apocalipse 14:13. Mas há uma bem-aventurança peculiar garantiu a eles que aprovam-se mordomos fiéis, e encontram-se fazê-lo. Próximo à honra daqueles que morrem no campo de batalha, sofrimento por Cristo como os mártires, é a honra daqueles que morreram no campo de serviço, arar e semear, colher e, por Cristo.

 

  1. Ele deve ser preferido Matthew 24:47(Mateus 24:47) Ele o porá sobre todos os seus bens. A alusão é à maneira dos grandes homens, que, se os comissários de bordo da sua casa comportar-se bem naquele lugar, comumente preferem-los a ser os gerentes de suas propriedades, portanto, Joseph foi o preferido na casa de Potifar, Gênesis 29: 4,6. Mas a maior honra que o senhor já fez mais gentil aos seus servos mais experimentado neste mundo, não é nada para que o peso da glória que o Senhor Jesus irá conferir seus servos vigilantes fiéis no mundo a vir. O que é dito aqui por uma similitude, é o mesmo que é dito mais claramente, João 11:26, Ele será meu Pai o honrará. E os servos de Deus, quando assim preferido deve ser perfeito em sabedoria e santidade de suportar o peso de glória, de modo que não há perigo de estes servos quando eles reinam.Genesis 29: 4, 6João 11:26

 

[2] No que respeita ao mal servo. Aqui nós temos,

 

Em primeiro lugar, a Sua descrição dada (Mateus 24: 48,49), onde temos o desgraçado desenhado em suas próprias cores. O mais vil das criaturas é um homem mau, o mais vil dos homens é um mau cristão, eo mais vil deles um ministro perverso. Corruptio optimi pessima est - O que é melhor, quando danificado, torna-se o pior. Maldade nos profetas de Jerusalém é uma horrível coisa de fato, Jeremias 23:14. Aqui está,Mateus 24:48, 49Jeremias 23:14

 

  1. A causa de sua maldade e que é, uma descrença prática da segunda vinda de Cristo Ele vos disse em seu coração: O meu senhor tarda em vir e, portanto, ele começa a pensar que ele nunca virá, mas tem bastante abandonado sua igreja. Observe: (1) Cristo sabe que eles dizem em seus corações, que com os seus lábios grito, Senhor, Senhor, como este servo aqui. (2.) O atraso da vinda de Cristo, embora seja uma instância da graça de sua paciência, é muito abusada por pessoas más, cujos corações estão endurecidos, assim, em seus maus caminhos. Quando a vinda de Cristo é encarado como de cobrança duvidosa, ou uma coisa de uma distância imensa, os corações dos homens são totalmente pronto para fazer o mal, Eclesiastes 8:11Eclesiastes 8:11. Ver Ezequiel 00:27Ezequiel 00:27. Eles que caminhada pelo senso, estão prontos a dizer do invisível Jesus, como o povo de Moisés, quando ele se detinha no monte em cima de sua incumbência, não sabemos não o que é feito dele, e, portanto, se, fazer-nos deuses, o mundo um deus, a barriga um deus, qualquer coisa, mas que ele deve ser.

 

  1. Os elementos de sua maldade e eles são pecados de primeira grandeza ele é um escravo de suas paixões e seus apetites.

 

(1.) A perseguição está aqui cobrados sobre ele. Ele começa a espancar os seus conservos. Note-se, [1] Mesmo os mordomos da casa estão a olhar para todos os servos da casa como seus companheiros de serviço, e, portanto, estão proibidos de assenhorear-se deles. Se o anjo se chamar conservo a João Apocalipse 19:10(Apocalipse 19:10), não é de admirar se John aprenderam a chamar a si mesmo irmão para os cristãos das igrejas da Ásia, Apocalipse 1: 9Apocalipse 1: 9. [2] Não é coisa nova para ver servos do mal ferir seus companheiros servos tanto cristãos privadas e ministros fiéis. Ele fere-los, ou porque reprová-lo, ou porque não se dobrará, e fazer-lhe reverência não vou dizer como ele diz, e fazer o que ele faz, contra suas consciências: ele fere-los com a língua, como feriram o profeta , Jeremias 18:18Jeremias 18:18. E se ele conseguir poder na sua mão, ou pode pressionar aqueles ao seu serviço que têm, como os dez chifres sobre a cabeça do animal, ele vai mais longe. Pasur feriu o sacerdote Jeremias, eo meteu no cepo, Jeremias 20: 2Jeremias 20: 2. Os rebeldes têm sido muitas vezes de todos os outros mais profundos para fazer o abate, Hosea 5: 2Oséias 5: 2. O mordomo, quando ele fere seus companheiros servos, fá-lo sob a cor da autoridade de seu Mestre, e em seu nome, ele diz, Deixe que o Senhor seja glorificado (Isaías 66: 5), mas ele deve saber que ele não poderia colocar um maior afronta sobre seu Mestre.Isaías 66: 5

 

(2.) Profaneness e imoralidade Ele começa a comer e beber com os ébrios. [1] Ele associa com o pior dos pecadores, tem comunhão com eles, é íntimo com eles ele anda nos seus desígnios, está em seu caminho, senta- no seu lugar, e canta suas canções. Os embriagam, a empresa alegre e jovial, e aqueles que ele é a favor, e, assim, ele endurece-los em sua maldade. [2] Ele faz como eles come e bebe, e se embriaga por isso é em Lucas. Esta é uma entrada para todos os tipos de pecado. A embriaguez é uma maldade levando eles que são escravos do que nunca são mestres de si mesmos em qualquer outra coisa. Os perseguidores do povo de Deus têm comumente sido os homens mais cruéis e imorais. Consciências perseguindo, o que quer ser, as pretensões são comumente as consciências mais perdulários e debochados. O que não vai se vos embriagueis com, que será embriagada com o sangue dos santos? Bem, esta é a descrição de um ministro ímpios, que ainda podem ter os dons comuns de aprendizagem e pronunciação acima dos outros e, como foi dito de alguns, pode pregar tão bem no púlpito, que é uma pena que ele nunca deve sair, e ainda vivem tão mal fora do púlpito, que é uma pena que ele já deveria entrar.

 

Em segundo lugar, a Sua condenação ler, Mateus 24: 50,51. O casaco eo caráter de ministros ímpios não só não protegê-los da condenação, mas vai agravar-lo muito. Eles podem invocar nenhuma isenção da jurisdição de Cristo, o que eles pretendem, na igreja de Roma, de que do magistrado civil não há nenhum benefício do clero na barra de Cristo. Observar,Mateus 24:50, 51

 

  1. A surpresa que acompanhará sua condenação Matthew 24:50(Mateus 24:50) O senhor daquele servo virá. Nota: (1) Nosso adiando os pensamentos de vinda de Cristo não vai adiar sua vinda. Qualquer que seja extravagante ele se ilude com, seu Senhor virá. A incredulidade do homem não deve fazer essa grande promessa, ou ameaçador (chamemos-lhe o que você preferir), sem efeito. (2.) A vinda de Cristo será uma surpresa mais terrível para garantir e pecadores descuidados, especialmente aos ministros maus Ele virá em um dia em que não olha para ele. Note, Aqueles que têm menosprezado as advertências da palavra, e silenciou aqueles de suas próprias consciências, sobre a decisão de vir, não pode esperar aviso legal suficiente outras advertências que estes serão julgados dado, tomadas ou não e não injustiça pode ser carregada em Cristo, se ele vier de repente, sem dar outro aviso. Eis que ele nos disse antes.

 

2. A gravidade da sua desgraça, Matthew 24:51Mateus 24:51. Não é mais grave do que justo, mas é uma desgraça que carrega em si ruína total, wrapt em duas palavras terríveis, morte e condenação

 

 

 

                             Introdução

Estamos no limiar do terceiro milênio. Nestes dias que antecedem os últimos momentos deste sistema dos reinos do mundo, muitas doutrinas e filosofias têm surgido e o esoterismo, misturado com os ensinamentos profusos da chamada Nova Era, tendem a confundir os mais desavisados e os desconhecedores da Bíblia. É de suma importância que tenhamos um conhecimento mais aprofundado do que a Bíblia ensina a respeito dos acontecimentos mundiais mais importantes, e daquilo que está à nossa espera em breves dias futuros. Inúmeras pessoas se filiam, a cada dia, às diversas igrejas espalhadas em todo mundo. Entretanto, sabemos, também, que um número razoável dessas pessoas se afastam em razão de interpretações errôneas e falsas das Escrituras Sagradas. Nessas oportunidades, surgem as seitas e religiões fanáticas (Exs. Jim Jones, na Guiana Inglesa e o líder espiritual David Koresh, de uma seita em Waco - Texas, EUA), marcando datas da volta de Jesus, do fim do mundo e outras heresias. Para essa finalidade, o estudo sério e bíblico da Escatologia, é essencial para dirimir dúvidas e esclarecer muitas questões relacionadas com os eventos presentes e futuros e trazer uma compreensão de importantes temas bíblicos.

 

Importância do assunto

A Escatologia é um dos temas mais tratados na Bíblia. Sua importância despertava agudo interesse na igreja primitiva. Em toda a Bíblia, tanto no Antigo como no Novo Testamento, o assunto é retratado de forma relevante e intensa. O foco central, o âmago, o coração da Escatologia é A Segunda Vinda de Cristo. Como o próprio termo denota, a Escatologia não trata de toda a história do homem, mas focaliza e direciona o estudo para os acontecimentos finais da história humana e o estado eterno.

Segundo Henry C. Thiessen, a importância do retorno de Jesus é demonstrado por cinco motivos:

sua proeminência nas Escrituras - profusão de textos referindo-se ao assunto. Só no Novo Testamento encontramos mais de 300 referências à vinda de Jesus - Dn 7.13,14; Zc 14.4; Mt 24 e 25; Mc 13; Lc 21; 1 Co 15; 1 Ts; 2 Ts; Ap;

é uma chave para as Escrituras. Muitos temas, ordenanças, promessas e simbolismo na Bíblia ficam plenamente claros quando compreendemos bem a doutrina do retorno de Jesus à terra - Sl 2; 22; 24; 45; At 3.19-24; Tg 5.8; Hb 10.37; Ap 1.7; 22.12,20;

é a esperança da igreja - Tt 2.13 "... a bendita esperança...";

é incentivo para o Cristianismo bíblico - induz a auto-purificacao; inspira vigilância e perseverança; 1 Jo 3.3; 2 Pe 3.11; Mt 24.44; Rm 13.11; 2 Ts 1.7-10;

tem efeito marcante sobre nosso serviço - Há maior incentivo ao testemunho cristão de vida e verbal do evangelho. Rm 13.11-12.

Por envolver um período futuro e uma série considerável de acontecimentos, vários pontos da Escatologia são controversos. Alguns estudiosos até têm se esquivado de discutir esses temas que geram muitos debates pela dificuldade das questões. Millard J. Erickson, no entanto, diz que "quer concordemos que estas questões são importante, quer não, devemos examiná-las, pois aqueles que as discutem as consideram importantes". "Opções Contemporâneas na Escatologia" - pág. 10.

 

Etimologia da Palavra

O termo Escatologia tem origem em duas palavras gregas (éschatos = "último", e logos ="estudo"). Portanto, a tradução da palavra seria algo como: "A Doutrina (ou estudo) das Últimas Coisas".

 

Premissas

Houve um início e haverá um fim do atual sistema mundial

desfecho da evangelização mundial

a justiça divina deve ser implantada

o Milênio de paz será estabelecido

é necessário iniciar-se o tempo eterno

a morte e o mal serão destruídos

o bem triunfará

o envelhecimento (murchação-deterioração das células) do ser humano cessará

o Reino eterno de Jesus será estabelecido

o pecado e suas conseqüências terão fim

 

Esboço Simplificado

A Escatologia pode ser dividida em cinco grandes blocos:

fim do mundo;

a segunda vinda de Cristo;

a ressurreição dos mortos;

juízo final;

a criação dos novos céus e da nova terra.

Esses cinco blocos envolvem, principalmente, os seguintes tópicos, com relação aos indivíduos e ao mundo, contemplando aspectos redentivos, de julgamentos e uma intervenção pessoal de Deus no mundo humano e físico:

  1. a) acontecimentos importantes na história mundial;
  2. b) o testemunho da igreja a todas as nações - Mt 24;
  3. c) Israel: história, rejeição e salvação do remanescente
  4. d) as duas ressurreições
  5. e) os julgamentos intermediário e final
  6. f) a Parousia de Jesus Cristo
  7. g) o milênio de paz
  8. h) o arrebatamento da igreja
  9. i) a transformação dos salvos
  10. j) morte física e eterna

 

Aspectos Históricos

Vários aspectos da doutrina cristã têm sido tratados no decorrer dos séculos passados. Desde o estabelecimento da igreja, no século I da Era Cristã, os grandes temas têm recebido atenção e desenvolvidos em períodos diferentes da história da igreja, conforme abaixo:

  • século II - a igreja lidava especialmente com a Apologética e os fundamentos do Cristianismo;
  • séculos III e IV - com a Doutrina de Deus;
  • século V (início) - o homem e o pecado;
  • séculos V até o VII - com a pessoa de Cristo;
  • séculos XI até XVI - com a Expiação;
  • século XVI - aplicação da redenção (fé, justificação, etc);
  • século XIX - na metade deste século a Escatologia foi estudada precariamente. Vários erros foram introduzidos na igreja. Houve frustrações das expectativas, até então cridas, quando livros da Bíblia foram desconsiderados, inclusive o Apocalipse. Alguns teólogos chegaram ao absurdo de questionarem a autoridade de Jesus com relação aos eventos futuros, julgando-o, até mesmo, que havia se equivocado, e decidiram que, as predições bíblicas sobre o futuro do mundo eram meras invenções da igreja primitiva;
  • século XX - bem no início deste século, entretanto, Albert Schweitzer fez uma revolução com o seu livro A Questão do Jesus Histórico, no qual demonstrou que a erudição crítica estava errada, e que a Escatologia devia ocupar posição central, e não periférica, nos ensinos de Jesus. Nos últimos tempos o assunto tem sido discutido até no governo da maior potência mundial, os EUA, inclusive, em debates presidenciais e televisionado para todos os países do mundo (ex. Reagan). Russell N. Champlin acha que o mundo tem de conhecer o tema e debatê-lo antes que os eventos finais sejam desencadeados em todo mundo (conforme veremos nas últimas lições). Por isso é que surgem místicos, dizendo as maiores heresias, das quais precisamos nos precaver para não sermos ludibriados por nenhuma delas.

 

A Escatologia no Antigo Testamento

Praticamente, quase todas as passagens do Antigo Testamento sobre a Escatologia está relacionada com a pessoa do Messias (Jesus Cristo) como Profeta, Sacerdote e Rei, em conexão com os diversos eventos. As profecias referentes a Jesus e a tudo que ele realizaria, em boa parte, foram preditos na sua totalidade, sem fazer clara distinção entre os fatos referentes ao primeiro e segundo advento, por estarem intimamente ligados, parecendo, às vezes, tratar-se de apenas um, o que só se tornou mais compreensível mais tarde, com a concretização de alguns acontecimentos - Sl 2; Is 7.14;9.1-6; 53; Jl 3.9-17; Jó 19.25,26. Esta foi uma das por que os judeus rejeitaram Jesus. Eles esperavam um Messias político, um rei que livrasse Israel do domínio do império romano pela força e estabelecesse um reino de paz. Quando se depararam com Jesus e seus ensinamentos de amor, ficaram decepcionados e o rejeitaram como o Messias. As expressões: "tempo do fim" (Dn 11.1-4), "naquele dia" (Is 24.21; 25.9; 27.1), "últimos dias" (Is 2.2; Os 3.5), "dia do Senhor" (Jl 2.28-32; Am 5.18-20; Ml 4.5), "dia da sua vinda" (Ml 3.1,2), são expressões escatológicas para indicar o tempo da segunda vinda de Cristo, com todos os eventos a ela relacionados.

No capítulo 9.24 do livro de Daniel, temos o resumo de alguns acontecimentos escatológicos relacionados com a nação de Israel e à cidade de Jerusalém, dentro da profecia das Setenta Semanas, reveladas a Daniel. São eles:

  1. a) cessar a transgressão;
  2. b) dar fim aos pecados;
  3. c) expiar a iniquidade;
  4. d) trazer a justiça eterna;
  5. e) selar a visão e a profecia;
  6. f) ungir o santo dos santos.

Charles Caldwell Ryrie faz, segundo seu entendimento, um esboço interessante do significado de cada um desses acontecimentos profetizados pelo anjo Gabriel ao profeta Daniel. Mesmo que não haja concordância com toda a interpretação de Ryrie, pelo menos merecem ser cuidadosamente estudados pela importância daqueles eventos.

  1. cessar a transgressão - pôr fim à apostasia dos judeus;
  2. dar fim aos pecados - expiar os pecados ou selar os pecados, no sentido de julgá-los de modo definitivo;
  3. expiar a iniquidade - uma referência à morte de Cristo na cruz, que é uma base para o futuro perdão de Israel;
  4. trazer a justiça eterna - no reino milenar do Messias;
  5. selar a visão e a profecia - colocar o selo divino de confirmação em todas as profecias concernentes ao povo judeu e Jerusalém;
  6. ungir o santo dos santos - consagração do Santo dos Santos no templo, no Milênio.

Desde que tornou-se nação até o tempo dos Macabeus no relato histórico do período intertestamental, Israel inúmeras vezes se viu dominado por outros reinos que o subjugavam. Por isso, então, a idéia e esperança sempre viva na mente dos judeus era a do estabelecimento de um reino definitivo e a libertação do domínio romano.

 

A Escatologia no Novo Testamento

Mencionamos um pouco atrás, na segunda lição, a posição de alguns intérpretes, que chegaram até a dizer que Jesus teria se enganado a respeito de alguns fatos e acontecimentos aos quais teria se referido.

 

Escatologia Consistente, ou Radical

Pois bem, no meio de toda uma discussão da Escatologia e a vinda do Reino de Deus, se esse Reino seria literal ou não, onde prevalecia a posição de que o Reino de Deus não era literal na sua natureza mas ético, foi que surgiu Schweitzer com um posicionamento, iniciado por Johannes Weiss, de que o Reino do qual Jesus falou não era ético mas escatológico, isto é, que viria no fim, seria apocalíptico. Com isso, ele então afunilou o ensino de todo o Novo Testamento para uma visão totalmente futurística. Na sua concepção, a chegada do Reino de Deus seria um clímax dramático, com distúrbios cósmicos, refutando, assim, os conceitos anteriores e não-escatológicos dos teólogos liberais, tendo esta sua posição sido chamada de Escatologia Consistente, ou Radical. Para melhor compreensão, cabe dizer neste ponto que a Escatologia no sentido mais amplo e com tudo que a envolve, trata da implantação dos Reino de Deus aqui na terra, a começar dos corações humanos, e envolve uma série enorme de ações e acontecimentos previstos para ocorrerem na terra, o sobrenatural, vindo dos céus, entrando no natural e se estabelecendo no planeta. Na verdade, o Reino de Deus deveria vir a ser estabelecido na terra com todas as características (já que é de Deus e de caráter justo) próprias de sua implantação: é claro, para os inimigos do Reino, o desfazimento do mal e seus agentes, com a aplicação da justiça e do juízo; mas, para os que o buscam e anseiam por ele, o estabelecimento da paz tão almejada e todas os benefícios que ela traz. Por que isso? É a destruição do reino atual, perverso, mal e corrupto, que é o de Satanás, e a implantação do justo e perfeito Reino de Deus.

Por isso, é que F. F. Bruce afirma que a pregação de Jesus, resumida em Mc 1.15 ("O tempo está cumprido e o Reino de Deus está próximo; arrependei e crede no evangelho"), declara o cumprimento da visão de Daniel: "E veio o tempo em que os santos possuíram o Reino" (Dn 7.22). Diz Bruce que, em certo sentido, o Reino já estava presente no ministério de Jesus: "se, porém, eu expulso os demônios pelo dedo de Deus, certamente é chegado o Reino de Deus sobre vós" (Lc 11.20; cf Mt 12.28). Mas, em outro sentido, o Reino ainda estava no futuro. Jesus ensinou seus discípulos a orar: "Venha o teu Reino" (Lc 11.2).

 

Escatologia Realizada

Logo após Schweitzer, veio C. H. Dodd com o que ele chamou de Escatologia Realizada, afirmando que o Reino de Deus não seria escatológico futurístico mas que já havia chegado com a primeira vinda de Jesus, ao contrário da posição de Schweitzer. Ou seja, na época do ministério de Jesus na terra foram cumpridas todas as promessas sobre o fim. Hoje, sabemos que essas posições não expressam toda a verdade, mas parte dela. Os judeus, na época de Jesus, tinham uma compreensão mais ou menos nessa linha de raciocínio (Lc 19.11). Erickson diz que, segundo Dodd, o conceito do dia do Senhor foi transferido a um evento histórico específico já ocorrido ou a uma série de eventos - o ministério, a morte e a ressurreição de Jesus. Ou seja, a escatologia foi cumprida, ou "realizada". Esse entendimento de Dodd é falho, visto ser incompleto e desconsiderar todo o quadro futuro. O Reino de Deus, na verdade, já começou a ser implantado entre os homens, como disse Jesus (Mt. 11.12; 12.28; 13.24,31,33; Mc 10.15; Lc 17.20,21), mas esse enfoque é apenas sob um ponto de vista porque, como parte da Escatologia, era tão somente o início da implantação do Reino de Deus entre os homens, o qual deveria começar dentro de cada pessoa, de maneira individual, para mais tarde ser implantado de forma literal e visível no meio de todos os homens, na terra (Mt. 6.10; 7.21; 8.11; 13.43; 16.28; 25.31-34; Mc 14.25; Lc 13.23, 27-29; 22.16,18,30,42).

 

Escatologia Inaugurada

George E. Ladd chama a percepção distinta de textos, como os acima, de Escatologia Inaugurada, que guardam coerência com as palavras e ensinos de Jesus e com todo o Novo Testamento. O período da encarnação de Cristo, sua vida, paixão, exaltação, o derramamento do Espírito Santo e o chamado dos gentios para se integrarem ao Novo Israel (o povo de Deus) e o cumprimento das predições proféticas a respeito do fim é, de fato, a Escatologia Bíblica. O resumo de tudo é que, o "tempo do fim", "os últimos dias" começou com a encarnação de Jesus e vai até o início do estado eterno futuro, e disso falaram todos os profetas. De acordo com Shedd, o Reino de Deus veio na pessoa de Jesus Cristo e seu ministério, de forma legítima, mas não na sua totalidade. Concluímos finalmente que a questão do estabelecimento do Reino de Deus na terra, no qual existe uma tensão até que tudo se cumpra, é o que alguns chamam de "já", mas "ainda não" da esperança cristã, isto é, já iniciou-se a sua implantação mas ainda não de forma completa. Tudo que estudaremos a seguir é a exegese, a interpretação pormenorizada desse tema maior que é a Escatologia.

fonte escatologia 

fonte www.avivamentonosul21.comunidades.net