Translate this Page

Rating: 3.0/5 (946 votos)



ONLINE
1




Partilhe este Site...

 

 

<

Flag Counter

mmmmmmmmmmm


// ]]>


Subsidios auxilios ebd CPAD adultos 2 trimestre
Subsidios auxilios ebd CPAD adultos 2 trimestre

                               

                                          

                                             LISTA DE ASSUNTOS

 

Lição 1- A Epístola aos Romanos 
Lição 2- A Necessidade Universal da Salvação em Cristo 
Lição 3- Justificação, somente pela fé em Jesus Cristo 
Lição 4-  Os Benefícios da Justificação 
Lição 5- A Maravilhosa Graça 
Lição 6- A Lei, a Carne e o Espírito 
Lição 7-A Vida Segundo o Espírito 
Lição 8 - Israel no Plano da Redenção 
Lição 9 - A Nova Vida em Cristo 
Lição 10 -  Deveres Civis, Morais e Espirituais 
Lição 11- A Tolerância Cristã 
Lição 12 -  Cosmovisão Missionária 
Lição 13 - O cultivo das relações interpessoais




      SUBSIDIO LIÇÕES CPAD ADULTOS MARAVILHOSA GRAÇA 

     ORIENTAÇÃO DIDÁTICA  (LIÇÃO N.5)

O professor da Escola Bíblica Dominical precisa ser sempre exemplo para seus alunos. Seja amigo, fiel, disciplinado, ordeiro, grato, etc. Nesta lição o apóstolo concita-nos a vivermos para Deus porque fomos salvos pela Sua graça. Então, a nossa atitude precisa ser de gratidão por tudo o que Ele fez e faz.Sugerimos ao professor que leia com a classe o versículo 13 e pergunte quais são os membros, a que se refere este versículo e que devem ser apresentados a Deus. Após discorrerem sobre o assunto, pergunte-lhes como apresentar estes membros a Deus, e por que fazê-lo? Deixe que cada um participe. Se, você professor, perceber que estão levando muito tempo na condução do assunto, interfira com bastante carinho e tato para não desanimá-los. Inicie a lição nesse clima amistoso e interativo.

Até aqui temos visto que o homem é salvo pela graça de Deus, sem as obras da lei. O capítulo 6 de Romanos mostra que a vida cristã requer santidade e um coração puro.A graça não significa que o cristão esteja isento de suas responsabilidades diante de Deus, da Igreja e da sociedade. Há incompatibilidade entre o cristão e o pecado. Esse é o tema desta lição.

  1. CORRIGINDO UM MAL-ENTENDIDO

Depois de haver demonstrado que a salvação dos gentios e judeus dá-se unicamente pela fé, por meio de Jesus Cristo, agora surge uma dificuldade gerada por uma interpretação errônea.

  1. O duplo problema. Se a salvação é pela fé, então cada um pode fazer o que quer e andar como quiser? Se a lei não salva, temos algum compromisso com ela? A dificuldade era dupla, porque havia os que se interessavam por essa interpretação distorcida (Jd v.4). Por outro lado, os que entendiam o ensino paulino dessa forma o condenavam. Haja vista os judeus (Rm 3.8). Mais adiante, o apóstolo defende-se dessa acusação (v.31).
  2. A preocupação do apóstolo. A preocupação de Paulo não era somente evitar o mal-entendido dos seus leitores, mas também defender-se dos que o interpretavam de maneira errônea. O apóstolo via nisso o risco de o Cristianismo cair no antinomianismo, que é libertinagem. A preposição grega anti, significa “contra”, e o substantivo nomos, “lei, norma”. A partir daí o apóstolo dos gentios faz uma exposição mostrando, provando e justificando ser incompatível com o espírito do evangelho de Cristo o crente viver em pecado.
  3. A doutrina de Paulo. Convém lembrar que a Epístola aos Romanos não é fruto do acaso, nem o apóstolo a ditou de improviso conforme as ideias lhe iam surgindo (Rm 16.22).

Essa carta representa o que Paulo vivia. Ele respirava essas coisas. São frutos de muitos anos de experiências com Deus. Ele pregava essa doutrina em todas as igrejas (At 21.21). E, inspirado pelo Espírito Santo, escreveu essas mesmas coisas aos romanos.

  1. A INCOMPATIBILIDADE DO CRISTÃO COM O PECADO
  2. Origem das perguntas. As perguntas do apóstolo nos versículos 1 e 2 são diretamente em decorrência dos versículos 20 e 21 do capítulo anterior: “... onde o pecado abundou, superabundou a graça”.

Paulo esclarece que isso não significa que devamos pecar e continuar a pecar para recebermos mais graça. Essas perguntas são o ponto de partida para esclarecer a necessidade de santificação dos crentes, para que ninguém venha confundir a graça de Deus com abuso da liberdade cristã.

  1. Romanos 5.12-19. Nesse texto, o apóstolo traça um paralelo entre Adão e Cristo, mostrando que toda a humanidade está unificada em Adão e em Cristo.Por causa da transgressão de Adão, todos os homens tomaram-se pecadores, e por isso a morte passou a todos os homens. Mas em virtude da justiça de Cristo, Deus coloca gratuitamente, pela fé em Jesus, a salvação à disposição de toda a raça humana.
  2. O paralelo exato. O apóstolo afirma que, com a promulgação da lei, abundou o pecado. A condição humana piorou ao invés de melhorar. Até que veio o Salvador e então “superabundou a graça”. No v.21, Paulo apresenta um paralelo exato com relação à graça: “Para que, assim como o pecado reinou na morte, também a graça reinasse pela justiça para a vida eterna, por Jesus Cristo, nosso Senhor”.
  3. O significado de Romanos 5.20. Isso não significa que o cristão deve aprofundar-se no pecado esperando obter maior graça. Mas, assim como o pecado reinou com domínio total sobre o homem, Deus quis que sua graça dominasse, por meio da justiça de Cristo, produzindo vida abundante, no povo salvo.

III. MORTO PARA O PECADO

Morto para o pecado não significa que o pecado, no cristão, tenha sido zerado. Isso seria perfeição absoluta. Vejamos o que Paulo ensina a respeito.

  1. “Morto para o pecado” (v.2). Essa fraseologia era muito comum entre judeus, gregos e romanos. Para esses povos, “morrer” para uma pessoa, ou coisa, significava separar-se totalmente, não ter mais nada com a situação anterior.Isso significa que o novo nascimento é o divisor de águas entre o velho homem e a nova vida em Cristo. Não temos mais nada com o mundo; agora vivemos para Cristo (Cl 3.3-5). Como pode alguém estar morto para o pecado e, ao mesmo tempo, continuar a viver nele? Não é possível o cristão viver do mesmo modo que vivia antes de conhecer Jesus.
  2. O velho homem crucificado (v.6a). Não confundir com Gálatas 5.24: “E os que são de Cristo crucificaram a carne com as suas paixões e concupiscências”, pois, no v.6, o apóstolo fala de algo que já nos aconteceu, enquanto que, em Gálatas, ele fala de algo que acontece com todos os que são crucificados com Cristo. A primeira (v.6a) fala de morte definitiva, legal — cravado, abolido legalmente —, e é algo passado; enquanto que a segunda diz respeito à morte moral, que é contínua, repetitiva. Essa morte espiritual do cristão, com respeito à santidade, é morte para o pecado; e a de Gálatas 5.24 é a mortificação do “eu”.
  3. Desfeito o corpo do pecado (v.6b). Essa expressão, usada pelo apóstolo, denota a natureza pecaminosa que se exterioriza por meio do corpo. O pecado foi abolido legalmente na morte de Cristo, e com Ele, morremos (2Co 5.14). Diante disso não há como servir a um tirano destronado nem obedecer a um sistema caído.A palavra grega para “desfeito” tem o sentido de “vencido, dominado” e não destruído. A expressão: “A fim de que não sirvamos mais ao pecado”, assinala o propósito de tudo isso. Ou seja: devemos servir unicamente a Cristo, que é o nosso Senhor.
  4. A morte liberta o homem de suas obrigações (v.7). “Porque aquele que está morto está justificado do pecado”. Não se pode aplicar uma sentença a um morto. Por conseguinte, nosso compromisso com o pecado se foi quando morremos com Cristo. Por isso, estamos libertos do reino do pecado. “Justificado”, aqui, diz respeito à libertação do poder do pecado.

 

  1. VIVO PARA CRISTO
  2. A ilustração do batismo (vv.4,5). Paulo ilustra essa situação na prática do batismo, pois os cristãos de então tinham essa experiência (Mt 28.19; At 2.38). Era, portanto, fácil compreender a ilustração do batismo. Essa passagem mostra, com muita clareza, que o batismo é por imersão, como o próprio verbo grego baptizo sugere: “mergulhar, imergir”, o oposto de aspergir.
  3. Nossa identidade com Cristo (vv.8-11). Leia mais uma vez os versículos 4 e 5, e veja a analogia que o apóstolo faz. “Sepultados com ele pelo batismo na morte” significa que estamos identificados com Cristo na sua morte. Da mesma maneira, fomos ressuscitados com ele na sua ressurreição (vv.9,10). Diante disso, vem a conclusão: “Considerai-vos como mortos para o pecado; mas vivos para Deus, em Cristo Jesus nosso Senhor” (v.11).
  4. Santificação (v.11). “Vivo para Deus” significa viver em santidade. A santificação é um dos aspectos da salvação, bem como a justificação e regeneração (1Co 6.11; Tt 3.5-7). O termo original grego, hagiasmos, “santificação”, significa “separar do mundo, apartar-se do pecado, consagrar”.
  5. Agora devemos dominar o pecado (vv.12-14). A salvação pela graça traz como resultado a santificação (1Co 6.11). “Não reine, portanto, o pecado em vosso corpo mortal” (v.12), implica viver em retidão moral, de maneira irrepreensível e inculpável no meio de uma geração perversa e corrompida (Fp 2.15; Cl 1.22; 1Ts 2.10).

Ainda hoje há quem interprete erroneamente a doutrina bíblica “pela graça e pela fé somente” da sola gracia, sola fide. Essa doutrina, porém, mostra que não somos servos da lei, mas servos voluntários de Cristo.

Somos livres do pecado para servir à justiça de Deus (Rm 6.18). A salvação pela graça não nos exime de compromissos com Deus, com a Palavra e com a Igreja. Devemos ter muito cuidado, pois o abuso da liberdade cristã leva o cristão à libertinagem.

“No AT Deus revelou-se como o Deus da graça e misericórdia, demonstrando amor para com o seu povo, não porque esse merecesse, mas por causa da fidelidade de Deus à sua promessa feita a Abraão, Isaque e Jacó. Os escritores bíblicos dão prosseguimento ao tema da graça como sendo a presença e o amor de Deus em Cristo Jesus, transmitidos aos crentes pelo Espírito Santo, e que lhes outorga misericórdia, perdão, querer e poder para fazer a vontade de Deus (Jo 3.16; 1Co 15.10; Fp 2.13; 1Tm 1.15.16). Toda atividade da vida cristã, desde o seu início até o fim, depende desta graça divina.

(1) Deus concede uma medida da sua graça como dádiva aos incrédulos (1Co 1.4; 15.10). a fim de poderem crer no Senhor Jesus Cristo (Ef 2.8,9; Tt 2.11; 3.4).

(2) Deus concede graça ao crente para que seja ‘liberto do pecado’ (Rm 6.20,22), para que nele opere ‘tanto o querer como o efetuar, segundo a sua boa vontade’ (Fp 2.13; cf. Tt 2.11,12), para orar (Zc 12.10), para crescer em Cristo (2Pe 3.18) e para testemunhar de Cristo (At 4.33; 11.23).

(3) Devemos diligentemente desejar e buscar a graça de Deus (Hb 4.16). Alguns dos meios pelos quais o crente recebe a graça de Deus são: estudar as Escrituras Sagradas e obedecer aos seus preceitos (Jo 15.1-11; 20.31; 2Tm 3.15), ouvir a proclamação do evangelho (Lc 24.47; At 1.8; Rm 1.16; 1Co 1.17,18), orar (Hb4.16; Jd v.20), jejuar (cf. Mt 4.2; 6.16), adorar a Cristo (Cl 3.16); estar continuamente cheio do Espírito Santo (cf. Ef 5.18) e participar da Ceia do Senhor (cf. At 2.42).

(4) A graça de Deus pode ser resistida (Hb 12.15), recebida em vão (2Co 6.1), apagada (1Ts 5.19), anulada (Gl 2.21) e abandonada pelo crente (Gl 5.4)” (Bíblia de Estudo Pentecostal. CPAD).

“As palavras mais frequentemente usadas no Antigo Testamento para transmitir a ideia de graça são chanan (‘demonstrar favor’ ou ‘ser gracioso’) e suas formas derivadas (especialmente chên) e chesedh (‘bondade fiel’ ou ‘amor infalível’). A primeira refere-se usualmente ao favor de livrar o seu povo dos inimigos (2Rs 13.23; Sl 6.2,7) ou aos rogos pelo perdão de pecados (Sl 41.4; 51.1). Isaías revela que o Senhor anseia por ser gracioso com o seu povo (Is 30.18). Mas a salvação pessoal não é o assunto de nenhum desses textos. O substantivo chên aparece principalmente na frase ‘achar favor aos olhos de alguém’ (dos homens: Gn 30.27; 1Sm 20.29; de Deus: Ex 34.9; 2Sm 15.25). Chesedh contém sempre um elemento de lealdade às alianças e promessas, expresso espontaneamente em atos de misericórdia e amor. No Antigo Testamento, a ênfase recai sobre o favor demonstrado ao povo da aliança, embora as demais nações também estejam incluídas.

No Novo Testamento, a ‘graça’, como o dom imerecido mediante o qual as pessoas são salvas, aparece primariamente nos escritos de Paulo. E um ‘conceito central que expressa mais claramente seu modo de entender o evento da salvação... demonstrando livre graça imerecida. O elemento da liberdade.... é essencial’. Paulo enfatiza a ação de Deus, e não a sua natureza. ‘Ele não fala do Deus gracioso; fala da graça concretizada na cruz de Cristo’. Em Efésios 1.7, Paulo afirma: ‘Em quem temos a redenção pelo seu sangue, a remissão das ofensas, segundo as riquezas da sua graça’, pois ‘pela graça sois salvos’ (Ef 2.5,8)” (Teologia Sistemática. CPAD).

fonte www.avivamentonosul.com

 

 

 

 

                        SUBSIDIO ADULTOS   JUSTIFICAÇÃO      

                                     versículos 9-17 lição n.3

 Paulo observa a este ponto quando e por que Abraão foi, assim, justificado; pois ele tem várias coisas a observação sobre isso. Foi antes de ter sido circuncidado, e antes da promulgação da lei; e havia uma razão para ambos.

  1. Foi antes de ter sido circuncidado, Romanos 4:10 . Sua fé lhe foi imputado por justiça, enquanto ele estava na incircuncisão. Isso lhe foi imputado, Genesis 15: 6 , e ele não foi circuncidado até ch. 17. Abraão é dito expressamente que ser justificado pela fé catorze anos, alguns dizem . Vinte e cinco anos, antes de ser circuncidado Agora isso o apóstolo toma conhecimento de, em resposta à pergunta ( Romanos 4: 9 ), Cometh esta bem-aventurança sobre somente a circuncisão, ou na incircuncisão também? Abraham foi perdoado e aceito na incircuncisão, uma circunstância que, como se pode silenciar os medos dos pobres gentios não circuncidados, para que ele possa diminuir o orgulho e presunção dos judeus, que glorificava em sua circuncisão, como se tivessem o monopólio de toda a felicidade. Aqui estão duas razões pelas quais Abraão foi justificado pela fé em incircuncisão: -

 

  1. que a circuncisão pode ser um selo da justiça da fé, Romanos 4:11 . O tenour dos convênios primeiro deve ser resolvida antes do selo pode ser anexado. Vedação supõe um negócio anterior, o que é confirmado e ratificado por essa cerimônia. Depois de justificação de Abraão pela fé continuou vários anos apenas uma concessão pela liberdade condicional, para a confirmação da fé de Abraão Deus quis nomear um ordenança de selamento, e Abraão recebeu; embora fosse uma ordenança sangrenta, mas ele apresentou a ele, e até mesmo recebeu como um favor especial, o sinal da circuncisão, etc. Agora podemos, portanto, observar, (1.) A natureza dos sacramentos em geral: são sinais e selos - sinais para representar e instruir, selos para ratificar e confirmar. Eles são sinais da graça absoluta e favor; eles são selos das promessas condicionais; nay, eles são selos mútuos: Deus faz nos sacramentos selar a nós ser para nós um Deus, e nós fazemos o selo nele para que ele fosse para ele um povo. (2.) A natureza da circuncisão em particular: era o sacramento início do Antigo Testamento; E é aqui a ser dito, [1] Um sinal - um sinal de que a corrupção original, que todos nós nascemos, e que é cortado pela circuncisão espiritual, - um sinal de comemoração da aliança de Deus com Abraão, - um distintivo assinar entre judeus e gentios, - um sinal de admissão na igreja visível, - um sinal prefigurando o batismo, que entra na sala da circuncisão, agora sob o evangelho, quando (o sangue de Cristo sendo derramado) todas as ordenanças sangrentas são abolidos; era um sinal exterior e sensível de uma graça interna e espiritual significado desse modo. [2] Um selo da justiça da fé. Em geral, foi um selo do pacto da graça, especialmente da justificação pela fé - a aliança de graça, chamado a justiça que vem da fé ( Romanos 10: 6 ), e refere-se a uma promessa do Antigo Testamento, Deuteronômio 30:12 . Agora, se as crianças foram, então, capaz de receber um selo do pacto da graça, o que prova que eles então estavam dentro da beira de que a aliança, como eles passam a ser agora lançado fora da aliança e incapaz de o selo, e por que grave frase que foram, assim, rejeitadas e incapacitado, aqueles estão preocupados em tornar-se que não só rejeitam, mas anular e reprovação, o batismo da semente de crentes.

 

  1. Que ele seja o pai de todos os que crêem. Não, mas que não foram aqueles que foram justificados pela fé antes de Abraão; mas de Abraão primeiro é particularmente observado, e nele começou uma dispensação muito mais clara e mais completa do pacto de graça do que qualquer outro que tinha sido antes existentes; e lá ele é chamado o pai de todos os que crêem, porque ele era tão eminente um crente, e assim eminentemente justificados pela fé, como Jabal foi o pai de pastores e Jubal de músicos, Gênesis 4:20 , Gênesis 04:21 . O pai de todos os que crêem; ou seja, um pé padrão de fé, como os pais são exemplos para seus filhos; e um precedente pé da justificação pela fé, como as liberdades, privilégios, honras e propriedades, dos pais descer para os seus filhos. Abraão foi o pai dos crentes, porque para ele em particular a carta magna foi renovado. (1.) O pai de crentes gentios, . Embora não sejam circuncidados Zaqueu, publicano, se ele acredita, é contado um filho de Abraão, Lucas 19: 9 . Abraham próprio ser circuncidado, quando foi justificado pela fé, a incircuncisão nunca pode ser um bar. Eram assim as dúvidas e medos das nações pobres antecipadas e há espaço para questionar, mas que a justiça pode ser imputada a eles também, Colossenses 3:11 ; Gálatas 5: 6 . (2.) O pai de crentes judeus, não apenas como circuncidado, e da descendência de Abraão segundo a carne, mas porque os crentes, porque eles não são apenas da circuncisão (isto é, não são apenas circuncisos), mas a pé nas pisadas daquela fé - têm não só o sinal, mas a coisa significada - não somente são da família de Abraão, mas seguir o exemplo da fé de Abraão. Veja aqui quem são os filhos genuínos e legítimos sucessores dos que eram pais da igreja: não aqueles que se sentam em suas cadeiras, e levará os seus nomes, mas aqueles que pisar em seus passos; esta é a linha de sucessão, que detém, não obstante interrupções. Parece, então, aqueles eram mais alto e para a frente para chamar Abraham pai, que tinha menos de título para as honras e privilégios de seus filhos. Assim, aqueles tem mais razão para chamar Pai Cristo, não que levam seu nome em ser cristãos na profissão, mas que seguir seu exemplo.

 

  1. Foi antes da promulgação da lei, Romanos 4: 13-16 . O ex-observação é dirigida contra aqueles que limitam a justificação à circuncisão, esta contra aqueles que espera-se pela lei; Agora, a promessa foi feita a Abraão muito antes da lei. Compare Gálatas 3:17 , Gálatas 3:18 . Agora observe,

 

  1. O que essa promessa foi - que ele deveria ser o herdeiro do mundo, ou seja, da terra de Canaã, o mais escolhido pedaço de terra no mundo, - ou o pai de muitas nações do mundo, que surgiu a partir dele , além dos israelitas, - ou o herdeiro dos confortos da vida que agora é. Os mansos são disse a herdar a terra, e o mundo é deles. Ainda que Abraão tinha tão pouco do mundo na sua posse, mas ele era herdeiro de tudo. Ou, em vez disso, ele aponta para Cristo, a semente aqui mencionados; comparar Gálatas 3:16 , à tua descendência, que é Cristo. Agora, Cristo é o herdeiro do mundo, os confins da terra são a sua possessão, e é nele que Abraão era assim. E refere-se a essa promessa ( Gênesis 12: 3 ), Por ti todas as famílias da terra ser abençoado.

 

  1. Como foi feita a ele: não através da lei, mas pela justiça da fé. Não através da lei, para que ainda não foi dado: mas foi em cima para que, crendo que lhe foi imputado para justiça; era sobre a sua confiança em Deus, em seu deixando seu próprio país quando Deus lhe ordenara, Hebreus 11: 8 . Agora, sendo pela fé, poderia não ser pela lei, que ele prova pela oposição há entre eles ( Romanos 4:14 , Romanos 4:15 ): Se aqueles que são da lei são herdeiros, isto é, aqueles , e só esses, e eles, por força da lei (os judeus fizeram, e ainda fazem, se gabar de que eles são os legítimos herdeiros do mundo, porque a eles foi dada a lei), então a fé é vã; porque, se fosse necessária a um interesse na promessa de que deve haver um desempenho perfeito de toda a lei, então a promessa nunca pode tomar o seu efeito, nem é para qualquer finalidade para nós depender dele, uma vez que o caminho para a vida de perfeita a obediência à lei, e inocência sem pecado impecável, é totalmente bloqueado, ea lei em si abre nenhuma outra maneira. Isto ele prova, Romanos 4:15 . A lei opera a ira - a ira em nós a Deus; irrita e provoca que a mente carnal que é inimizade contra Deus, como o represamento de uma corrente torna inchar - ira em Deus contra nós. Ele funciona isso, ou seja, ele descobre que, ou a nossa violação da lei funciona isso. Agora é certo que nunca podemos esperar que a herança de uma lei que opera a ira. Como a lei opera a ira ele mostra muito concisa na última parte do verso: Onde não há lei também não há transgressão, uma máxima reconheceu, o que implica, onde existe uma lei há transgressão e que a transgressão está provocando, e assim o lei opera a ira.

 

  1. Por que a promessa foi feita a ele pela fé; por três razões, Romanos 4:16 . (1.) que poderia ser pela graça, que a graça pode ter a honra dela, pela graça, e não pela lei; pela graça, e não da dívida, nem de mérito; que Graça, graça, pode ser clamou a cada pedra, especialmente para o topo-pedra, neste edifício. A fé tem especial referência à graça que concede, como graça tem referência à fé recebendo. Pela graça, e, portanto, por meio da fé, Efésios 2: 8 . Porque Deus terá todos os coroa jogado aos pés de graça, graça, e cada canção no céu cantado essa música, Não a nós, Senhor, não a nós, mas ao teu nome seja o louvor. (2.) Que a promessa seja firme. o primeiro pacto, sendo um pacto de obras, não tinha certeza, mas, com a falha do homem, os benefícios projetados por ele foram cortadas; e, portanto, mais eficazmente para determinar e garantir o envio de uma nova aliança, não há outra maneira encontrada para fora, não pelas obras (se fosse assim, a promessa não seria certo, por causa da fragilidade contínua e fraqueza da carne) , mas pela fé, que recebe tudo a partir de Cristo e age de uma contínua dependência dele, como o grande curador da nossa salvação, e em cuja manutenção é seguro. A aliança é, portanto, com certeza, porque é tão bem ordenada em todas as coisas, 2 Samuel 23: 5 . (3.) . Que ela seja firme a toda a descendência Se tivesse sido pela lei, que tinha sido limitado aos judeus, a quem pertencia a glória, e os pactos, ea promulgação da lei ( Romanos 9: 4 ); mas, por conseguinte, que foi pela fé que os gentios bem como judeus possam se interessar por ele, o espiritual, bem como a semente natural de fiéis Abraham. Deus iria inventar a promessa de tal forma que pode torná-lo mais extensa, para compreender todos os verdadeiros crentes, que a circuncisão nem incircuncisão pode quebrar nenhum quadrado; e para isso ( Romanos 4:17 ), ele nos remete a Gênesis 17: 5 , em que a razão da mudança de seu nome de Abrão - um elevado pai, Abraão - o alto pai de uma multidão, é assim prestados: Para uma pai de muitas nações te tenho posto; isto é, todos os crentes, tanto antes como depois da vinda de Cristo na carne, deve tomar Abraham para o seu padrão, e chamá-lo . pai os judeus dizem Abraão foi o pai de todos os prosélitos para . a religião judaica Eis que ele é o pai de todo o mundo, que estão reunidos sob as asas da Divina Majestade. - Maimonides

 

versículos 17-22

Tendo observado quando Abraão foi justificado pela fé, e por isso, para a honra de Abraham e por exemplo, para nós que o chamam de pai, o apóstolo aqui descreve e louva a fé de Abraão, onde observar,

 

  1. A quem ele acreditava: Deus que vivifica. É o próprio Deus que a fé prende sobre: ​​outro fundamento, ninguém pode pôr. Agora observe o que na fé de Deus Abraão teve um olho t - o que, certamente, o que seria mais provável para confirmar sua fé, quanto às coisas prometeu: - 1. Deus, que vivifica os mortos. ele prometeu foi que ele deveria ser o pai de muitas nações, quando ele e sua esposa estavam agora tão bom como morto ( Hebreus 11:11 , Hebreus 11:12 ), e, portanto, ele olha para Deus como um Deus que poderia dar vida a ossos secos. Aquele que vivifica os mortos pode fazer qualquer coisa, pode dar um filho a Abraão quando ele é velho, pode trazer os gentios, que estão mortos em delitos e pecados, a uma vida divina e espiritual, Efésios 2: 1 . Compare Efésios 1:19 , Efésios 1:20 . 2 . Quem chama as coisas que não são como se fossem; isto é, cria todas as coisas pela palavra do seu poder, como no início, Gênesis 1: 3 ; 2 Coríntios 4 : 6 . A justificação e salvação dos pecadores, a Desposar dos gentios que não tinha sido um povo, eram um chamado da graça de coisas que não são como se fossem, dando sendo a coisas que não eram. Isto expressa a soberania de Deus e seu poder absoluto e domínio, uma estadia poderoso para a fé quando todos os outros adereços pia e totter. É a sabedoria e política de santa fé para fixar particularmente em que, em Deus, que é acomodado às dificuldades com que é para lutar, e será mais eficazmente responder às objeções. É a fé na verdade, aproveitar a toda-suficiência de Deus para a realização daquilo que é impossível a qualquer coisa, mas que todos-suficiência. Assim, Abraão tornou-se pai de muitas nações perante aquele no qual ele acreditava, ou seja, nos olhos e conta de Deus; ou como aquele no qual creu, como Deus era um Pai comum, assim era Abraham. É pela fé em Deus que nos tornamos aceito por ele, e conforme a ele.

 

  1. Como ele acreditava. Ele aqui amplia muito a força da fé de Abraão, em várias expressões. 1. Contra a esperança, acreditou na esperança, Romanos 4:18 . Havia uma esperança contra ele, uma esperança natural. Todos os argumentos de sentido e razão, e experiência, que em tais casos, geralmente geram e sustentam a esperança, foram de encontro a ele; sem segundas causas sorriu para ele, nem no menos favorecidos sua esperança. Mas, contra todas essas incentivos ao contrário, ele acreditava; pois ele tinha uma esperança para ele: Ele acreditava na esperança, ., que surgiu, como sua fé fez, a partir da consideração de toda-suficiência de Deus . Que ele possa se ​​tornar o pai de muitas nações Portanto, Deus, por sua graça, todo-poderoso, permitiu-lhe assim, a acreditar contra a esperança, para que pudesse passar por um padrão de grande e forte fé para todas as gerações. Foi ajuste que aquele que era para ser o pai dos fiéis deve ter algo mais do que o normal em sua fé - que, nele, a fé deve ser definido em sua maior elevação, e assim os esforços de todos os crentes sucedendo ser dirigida, levantado, e acelerou. Ou isso é mencionado como a questão de a promessa de que ele acreditava; e ele refere-se a Gênesis 15: 5 , Assim será a tua descendência, como as estrelas do céu, tão inumeráveis, tão ilustres. Isso foi o que ele acreditava que, quando lhe foi imputado para justiça, Romanos 4: 6 . E é observável que neste caso particular de sua fé era contra a esperança, contra as suposições e sugestões de sua incredulidade. Ele tinha acabado antes foi concluindo mal que ele deveria ir sem filhos, que um nascido na sua casa era seu herdeiro ( Romanos 4: 2 , Romanos 4: 3 ); e essa descrença era uma folha para a sua fé, e evidencia uma crer contra a esperança. 2. Não sendo fraco na fé, considerou o seu próprio corpo, Romanos 4:19 . Observe-se, Seu próprio corpo estava morto - tornar-se totalmente improvável que gerar uma criança, embora a nova vida e vigor que Deus lhe deu continuou após Sarah estava morto, testemunhar seus filhos por Quetura. Quando Deus quer alguma bênção especial, alguns filho da promessa, para o seu povo, ele geralmente coloca uma sentença de morte sobre a própria bênção, e sobre todos os caminhos que levam a ele. Joseph deve ser escravizado e preso antes de ele ser avançado. Mas Abraão não considerar isso, su katenoese - ele não habitar em seus pensamentos sobre ela. Ele disse que, na verdade, uma criança será nascido para ele que tem cem anos de idade? Gênesis 17:17 . Mas essa era a língua de sua admiração e seu desejo de estar mais satisfeitos, não de sua dúvida e desconfiança; sua fé passou por essa consideração, e pensou em nada, mas a fidelidade da promessa, com a contemplação do qual ele foi engolido, e isso manteve sua fé. Não sendo fraco na fé, ele não é considerado. É mera fraqueza de fé que faz com que um homem se deitar debruçado sobre as dificuldades e aparentes impossibilidades que se encontram no caminho de uma promessa. Embora possa parecer ser a sabedoria e política da razão carnal, no entanto, é a fraqueza da fé, a olhar para a parte inferior de todas as dificuldades que surgem contra a promessa. 3. Ele não duvidou da promessa de Deus por incredulidade ( Romanos 4:20 ), e ele, portanto, não duvidou porque considerava não as carrancas e desânimos do segundo causas, su diekrithe - ele não disputa; ele não possuía qualquer auto consulta sobre isso, não ter tempo para analisar se ele deve fechar com ele ou não, não hesitou nem tropeçar na mesma, mas por um ato resoluta e imperativa de sua alma, com uma santa ousadia, arriscou tudo na promessa. Ele levou não para um ponto que admitia discussão ou debate, mas presentemente determinou-se como um caso governou, não em todos os pendurar em suspense sobre isso: ele não vacilou por incredulidade. A incredulidade é na parte inferior de todos os nossos staggerings em As promessas de Deus. Não é a promessa de que não, mas a nossa fé que falha quando cambalear. 4. Ele era forte na fé, dando glória a Deus, enedunamothe - ele foi fortalecido na fé, sua fé foi moído por exercício -. Eundocf0 crescit Embora fé fraca não podem ser rejeitados, a cana trilhada não quebrado, o pavio que fumega não apaga , mas forte fé deve ser elogiado e honrado. A força de sua fé apareceu na vitória que conquistou seus medos. E nisto ele deu glória a Deus; pois, como incredulidade desonra a Deus, fazendo-o de mentiroso ( 1 João 5:10 ), assim também a fé honra a Deus através da criação de seu selo que ele é verdade, John 03:33 . A fé de Abraão deu a Deus a glória da sua sabedoria, poder, santidade, bondade, e, especialmente, de sua fidelidade, que repousa sobre a palavra que ele tinha falado. Entre os homens que dizemos, ldblquote Aquele que confia em si, dá-lhe crédito, e honra-lo, tomando a sua palavra; dblquote assim, Abraão deu glória a Deus, confiando nele. Nós nunca ouvir nosso Senhor Jesus elogiar qualquer coisa tanto como grande fé ( Mateus 08:10 e Mateus 15:28 ); por isso Deus dá honra de fé, muita fé, porque a fé, muita fé, dá honra a Deus. 5. Ele estava certíssimo de que o que Deus tinha prometido que ele era capaz de realizar, plerophoretheis - foi realizado com a maior confiança e certeza; é uma metáfora tomada dos navios que entram no porto, com a vela cheia. Abraão viu as tempestades de dúvidas e medos, e tentações que possam levantar-se contra a promessa, sobre a qual muitos se poderia ter encolhido de volta, e deitado com dias mais justas, e esperou um vendaval sorrindo de bom senso e razão. Mas Abraão, tendo tomado Deus por seu piloto, ea promessa de seu cartão e bússola, resolve para enfrentar o seu ponto, e como um aventureiro corajoso configura todas as suas velas, rompe todas as dificuldades, respeita nem os ventos nem nuvens, mas confia para a força de sua parte inferior e a sabedoria e fidelidade de seu piloto, e corajosamente faz para o porto, e vem para casa um ganhador indizível. Tal era a sua plena persuasão, e foi construído sobre a onipotência de Deus: Ele foi capaz. Nossos vacilações subir, principalmente da nossa desconfiança do poder divino; e, portanto, para corrigir-nos que é imprescindível que acreditamos não apenas que ele é fiel, mas que ele é capaz, que tem prometido. E, portanto, lhe foi imputado para justiça, Romanos 4:22 . Porque com essa confiança que ele arriscou seu tudo na promessa divina, Deus graciosamente aceitou-o, e não só respondeu, mas out-fez, sua expectativa. Esta forma de glorificar a Deus por uma firme confiança na sua promessa nua foi muito agradável para o projeto de Deus, e por isso muito propício à sua honra, que ele gentilmente aceitou-o como uma justiça, e justificou ele, embora não foi que na coisa -se que poderia merecer uma aceitação tal. Isso mostra por que a fé é escolhida para ser a primeira condição de nossa justificação, porque é uma graça que de todos os outros dá glória a Deus.(notas comentário Mattew Henrys, romanos).

 

 

 

 

 

 

 

                  SUBSIDIO  CPAD ADULTOS LIÇÃO N.2           

   COMENTARIO ROMANOS 2.1-21

 

  Introdução

O âmbito dos dois primeiros capítulos desta epístola pode ser recolhidas a partir de Romanos 3: 9 : "Nós já demonstramos que, tanto judeus como gregos que todos estão debaixo do pecado". Este provámos sobre os gentios ( Romanos 1: 1-32 ), agora, neste capítulo, ele prova que sobre os judeus, como parece pelo Romanos 2: 1-17 ". És chamado judeu", I. Ele prova em geral que judeus e gentios em pé sobre o mesmo nível de antes da justiça de Deus, Romanos 2: 1-11 . II. Ele mostra mais particularmente que pecados os judeus eram culpados de, não obstante a sua profissão e pretensões vãs ( Romanos 2: 17-29 ).

 

versículos 1-16

Equidade do Governo Divino.       AD 58.

 

1 Portanto, és inescusável, ó homem, quem quer que sejas, que julgas: para onde tu julgas a outrem, porque te condenas a ti mesmo pois tu, que julgas, fazes as mesmas coisas. 2 Mas temos a certeza de que o juízo de Deus é segundo a verdade sobre os que tais coisas praticam. 3 E tu, ó homem, que julgas os que praticam tais coisas, e fazes o mesmo que tu escapar do juízo de Deus? 4 Ou desprezas tu as riquezas da sua bondade, tolerância e paciência não reconhecendo que a bondade de Deus te leva ao arrependimento? 5 Mas, segundo a tua dureza e coração impenitente, acumulas contra ti mesmo ira no dia da ira e da revelação do justo juízo de Deus 6 que retribuirá a cada um segundo as suas obras: 7 para eles que, com perseverança em fazer bem, procuram glória, honra e imortalidade, a vida eterna: 8 mas para os que são contenciosos e não obedecem a verdade, mas obedecem a injustiça, indignação e ira, 9 tribulação e angústia sobre a alma de todo homem que pratica o mal, primeiramente do judeu e também do grego 10 glória, porém, e honra e paz a todo aquele que pratica o bem, ao judeu primeiro e também ao grego; 11 Pois não há acepção de pessoas com Deus. 12 Porque todos os que pecaram sem lei também perecerão sem lei, e quantos pecaram na lei devem ser julgados pela lei 13 (Porque os que ouvem a lei não são justos diante de Deus, mas os que praticam a lei . hão de ser justificados 14 Porque, quando os gentios, que não têm lei, fazem por natureza as coisas da lei, eles, embora não tendo lei, são lei para si mesmos: 15 que mostram a obra da lei escrita na sua corações, a sua consciência testemunho, e os seus pensamentos média, enquanto acusando ou então desculpando uns aos outros) 16 no dia em que Deus há de julgar os segredos dos homens por Jesus Cristo, segundo o meu evangelho.

 

No primeiro capítulo, o apóstolo tinha representado o estado do mundo gentio ser tão ruim e preto como os judeus estavam prontos o suficiente para pronunciá-lo. E agora, projetando para mostrar que o estado dos judeus foi muito ruim também, eo seu pecado, em muitos aspectos, mais agravado, para preparar seu caminho, ele define-se nesta parte do capítulo para mostrar que Deus iria avançar sobre igualdade de condições de justiça com judeus e gentios e agora com uma mão tão parcial como os judeus foram capazes de pensar que ele iria usar a seu favor.

 

  1. Ele denuncia-los para a sua mania de censurar e presunção ( Romanos 2: 1 ): Tu és inescusável, ó homem, quem quer que sejas, que julgas. Como ele se expressa em termos gerais, a advertência pode chegar a esses muitos mestres ( Tiago 3 : 1 ), de qualquer nação ou profissão são, que assumem para si um poder de censura, controle e condenar os outros. Mas ele pretende especialmente os judeus, e para eles particularmente ele aplica esta carga geral ( Romanos 2:21 ), Tu que ensinas a outrem ensinas tu não te? Os judeus eram geralmente uma espécie orgulhoso de pessoas, que se parecia com uma grande dose de desprezo e desprezo sobre os gentios pobres, como não é digno de ser definido com os cães do seu rebanho, enquanto no meio tempo eles próprios eram tão ruim e imoral - embora não idólatras, como os gentios, ainda sacrilégio, Romanos 2:22 . Portanto tu és indesculpável. Se os gentios, que tinham, mas a luz da natureza, eram indesculpáveis ​​( Romanos 1:20 ), muito mais do que os judeus, que tinha a luz da lei, a vontade revelada de Deus, e por isso teve maior ajuda do que os gentios.

 

  1. Ele afirma a justiça invariável do governo divino, Romanos 2: 2,3 . Para levar para casa a convicção, ele aqui mostra que um Deus justo, que é com quem nós temos que fazer, e como apenas em seus processos. É comum com o apóstolo Paulo, em seus escritos, mediante menção a algum ponto material, para fazer grandes digressões sobre ele como aqui a respeito da justiça de Deus ( Romanos 2: 2 ) que o juízo de Deus é segundo a verdade, - -segundo as regras eternas de justiça e equidade, - de acordo com o coração, e não de acordo com a aparência externa ( 1 Samuel 16: 7 ), - de acordo com as obras, e não no que diz respeito às pessoas, é uma doutrina que todos nós somos certeza, pois ele não seria Deus se não fosse justo, mas cabe a quem especialmente para considerá-lo que condenar os outros pelas coisas que eles mesmos são culpados, e assim, ao mesmo tempo que praticam o pecado e persistem em que prática, acho que para subornar a justiça divina, protestando contra o pecado e exclamando em voz alta sobre os outros que são culpados, como se pregar contra o pecado expiaria a culpa dele. Mas observe como ele coloca à consciência do pecador ( Romanos 2: 3 ): pensas tu, ó homem? O homem, uma criatura racional, uma criatura dependente, feita por Deus, sujeita debaixo dele, e responsáveis ​​perante ele. O caso é tão claro que podemos nos aventurar a apelar para os próprios pensamentos do pecador: "Podes pensar que ? Tu escapar do julgamento de Deus Pode o de coração em busca de Deus ser imposta por pretextos formais, o justo Juiz de todos para subornado e adiar? " Os pecadores políticos mais plausíveis, que se absolver diante dos homens de maior confiança, não pode escapar do julgamento de Deus, não pode evitar ser julgado e condenado.

 

III. Ele elabora uma acusação contra eles ( Romanos 2: 4,5 ), constituído por dois ramos: -

 

  1. Desprezo a bondade de Deus ( Romanos 2: 4 ), . As riquezas da sua bondade Isto é especialmente aplicável aos judeus, que tinham sinais singulares do favor divino. Meios são misericórdias e mais luz pecamos contra o mais amor que pecado contra. Pensamentos baixos e médios da bondade divina estão na parte inferior de uma grande quantidade de pecado. Há em cada pecado voluntário um desprezo interpretativa da bondade de Deus que está rejeitando em suas entranhas, particularmente a bondade de sua paciência, sua paciência e longanimidade, tomando ocasião daí para ser muito mais ousada no pecado, Eclesiastes 8 : 11 . sem saber, ou seja, não considerando, não sabendo prática e com aplicação, que a bondade de Deus te guia, a concepção de que é a ti levar, ao arrependimento. não é o suficiente para nós saber que a bondade de Deus leva ao arrependimento, mas devemos saber que ele leva -nos - te em particular. Veja aqui o método de Deus toma para trazer os pecadores ao arrependimento. Ele leva-os, não os leva como animais, mas leva-los como criaturas racionais, atrai-los ( Oséias 02:14 ) e é a Deus que conduz, laços de amor, Oséias 11: 4 . Compare Jeremias 31: 3 . A consideração da bondade de Deus, sua bondade comum a todos (a bondade de sua providência, de sua paciência e de suas ofertas), deve ser eficaz para todos nós levar ao arrependimento e a razão por que muitos continuam em impenitência é porque eles não sabem e considerar isso.

 

  1. provocando a ira de Deus, Romanos 2: 5 . O surgimento desta provocação é um coração duro e impenitente ea ruína dos pecadores é a sua caminhada depois de um tal coração, sendo conduzido por ele. Para o pecado é andar no caminho do coração e quando isso é um coração duro e impenitente (dureza contratada pela longa personalizada, além do que é natural), como desesperado deve as necessidades do curso ser! A provocação é expressa por acumulando ira. Aqueles que ir em um curso do pecado, entesouras ira para si mesmos. Um tesouro denota abundância. É um tesouro que vai passar a eternidade, e nunca exausta e ainda pecadores ainda estão adicionando a ele como a um tesouro. Cada pecado voluntário contribui para a pontuação, e vai inflamar o acerto de contas traz uma ramificação para a sua ira, como alguns ler que ( Ezequiel 08:17 ), eles a chegar o ramo ao seu nariz. Um tesouro denota sigilo. O tesouro ou revista da ira é o coração do próprio Deus, no qual encontra-se escondido, como tesouros em algum lugar secreto selado ver Deuteronômio 32:34 ; Job 14:17 . E ao mesmo tempo que denota reserva para mais alguma ocasião como os tesouros do granizo são reservados para o dia da peleja e da guerra, Jó 38: 22,23 . Estes tesouros será quebrado aberto como as fontes do grande abismo, Gênesis 7:11 . Eles são apreciadas até ao dia da ira, quando serão dispensados ​​por atacado, derramado por taças cheias. Embora os dias de hoje ser um dia de paciência e tolerância para com os pecadores, ainda não há um dia de ira que vem - ira, e nada mais que ira. Na verdade, todos os dias é a pecadores um dia de ira, pois Deus está zangado com os ímpios todos os dias ( Salmo 07:11 ), mas não é o grande dia da ira vinda, Apocalipse 06:17 . E que dia da ira será . O dia da revelação do justo juízo de Deus A ira de Deus não é como a nossa indignação, calor e sem paixão, fúria não está nele ( Isaías 27: 4 ): mas é um julgamento justo, a sua vontade de punir o pecado, porque ele odeia-o como contrária à sua natureza. Este justo juízo de Deus é agora muitas vezes ocultos na prosperidade e sucesso dos pecadores, mas logo ele vai se manifestar antes de todo o mundo, esses transtornos aparentes definidas como direitos, e os céus proclamam a justiça dele, Salmo 50: 6 . Portanto nada julgueis antes do tempo.

 

  1. Ele descreve as medidas através das quais Deus prossegue em seu julgamento. Tendo mencionado o justo juízo de Deus em Romanos 2: 5 , ele aqui mostra que o juízo e a justiça dele, e mostra o que podemos esperar de Deus, e por qual regra de julgar o mundo. A equidade da justiça distributiva é a distribuição de carrancas e favorece com relação a desertos e sem acepção de pessoas, como é o justo juízo de Deus.

 

  1. Ele retribuirá a cada um segundo as suas obras ( Romanos 2: 6 ), uma verdade muitas vezes mencionado na escritura, para provar que o Juiz de toda a terra faz bem.

 

(1) Em dispensar seus favores e isso é mencionado duas vezes aqui, tanto em Romanos 2: 7,10 . Pois ele se deleita em mostrar misericórdia. Observar,

 

[1] Os objetos de seu favor: Aqueles que, com perseverança, & c. Por isso podemos tentar o nosso interesse no favor divino, e pode, portanto, ser dirigido o rumo a tomar, para que possamos obter. Aqueles a quem o Deus justo vai premiar são, primeiro, como o Fix para si a extremidade direita, que procuram glória, e honra, e imortalidade isto é, a glória ea honra que são imortais-aceitação com Deus aqui e para sempre. Há uma santa ambição que está no fundo de toda a religião prática. Isto é procurar o reino de Deus, procurando em nossos desejos e visa tão alto quanto o céu, e resolveu tomar-se com nada menos do que isso. Essa busca implica uma perda, sensação de que a perda, desejo de recuperá-lo, e atividades e empreendimentos consoante a esses desejos. Em segundo lugar, Tais como, tendo fixado a extremidade direita, aderir ao caminho certo: A perseverança em fazer o bem. 1. Deve haver fazer o bem, trabalhar bem, Romanos 2:10 . Não é o suficiente para saber bem, e falar bem, e professar bem, e prometo bem, mas temos de fazer o bem: fazer o que é bom, não só para a questão de ele, mas pela maneira dele. Devemos fazê-lo bem. 2. A continuação de fazer o bem. Não para um ajuste e um começo, como a nuvem da manhã eo orvalho da madrugada, mas devemos perseverar até o fim: é perseverança que ganha a coroa. 3. A perseverança. Esta paciência respeita não só a duração do trabalho, mas as dificuldades do mesmo e as oposições e dificuldades que podem encontrar-se com na mesma. Aqueles que não vai bem e continuar nele deve colocar em uma grande dose de paciência.

 

[2] O produto de seu favor. Ele retribuirá a tal vida eterna. O céu é a vida, a vida eterna, e é a recompensa daqueles que pacientemente continuar na prática do bem e é chamado ( Romanos 2:10 ) . Glória, honra e paz Aqueles que procuram glória, e honra ( Romanos 2: 7 ) deve tê-los. Aqueles que buscam a glória vã e honra deste mundo muitas vezes falta deles, e estão decepcionados mas aqueles que procuram glória imortal e honra devem tê-los, e não só glória e honra, mas de paz. Glória e honra mundanos são comumente frequentada com problemas, mas a glória celestial e honra ter paz com eles, sem ser perturbado a paz eterna.

 

(2.) Em dispensar suas carrancas ( Romanos 2: 8,9 ). Observar, [1.] Os objetos de suas carrancas. Em geral, aqueles que fazem o mal, mais especificamente descritos a ser como são contenciosos e não obedecem a verdade. Contencioso contra Deus. Cada pecado voluntário é uma briga com Deus, ele está lutando com nosso Criador ( Isaías 45: 9 ), a afirmação mais desesperada. O Espírito de Deus se esforça com os pecadores ( Gênesis 6: 3 ), e os pecadores impenitentes se esforçam contra o Espírito, revoltam contra a luz ( Jó 24:13 ), retém o engano, se esforçam para manter esse pecado que o Espírito se esforça para separá-los a partir de . contencioso, e não obedecem a verdade. as verdades da religião não são apenas para ser conhecido, mas para ser obedecida eles estão dirigindo, ordenação, comandando verdades relativas à prática. A desobediência à verdade é interpretado de uma luta contra ele. Mas obedecem a injustiça --do qual lances injustiça-los fazer. Aqueles que se recusam a ser servos da verdade será logo os escravos da injustiça. [2] Os produtos ou instâncias desses carrancas: . Indignação e ira, tribulação e angústia Estes são o salário do pecado. Ira e indignação o causes-- tribulação e angústia os efeitos necessários e inevitáveis. E isso na alma almas são os vasos de que a ira, os temas de que a tribulação e angústia. Sin qualifica a alma por essa ira. A alma é que ou do homem que está sozinho imediatamente capaz dessa indignação, e as impressões ou efeitos de angústia daí. O inferno é eterno tribulação e angústia, o produto da ira e indignação. Isto vem de competir com Deus, da criação espinhos e abrolhos antes de um fogo que consome, Isaías 27: 4 . Aqueles que não vai se curvar ao seu cetro de ouro certamente vai ser quebrado por sua barra de ferro. Assim, Deus retribuirá a cada um segundo as suas obras.

 

  1. Não há acepção de pessoas com Deus, Romanos 2:11 . Quanto ao estado espiritual, há uma acepção de pessoas, mas não quanto à relação ou condição externa. Judeus e gentios em pé sobre o mesmo nível diante de Deus. Este foi o comentário de Peter após a primeira retirada do partição-parede do ( Atos 10:34 ), que Deus não faz acepção de pessoas e é explicado nas próximas palavras, que em qualquer nação, aquele que teme a Deus e pratica a justiça, é aceito por ele. Deus não salvar os homens em relação aos seus privilégios externos ou seu conhecimento estéril e profissão da verdade, mas de acordo como seu estado e disposição realmente são. Em dispensando ambas as carrancas e favorece é tanto para judeus e gentios. Se para os judeus em primeiro lugar, que tiveram maiores privilégios, e fez uma profissão maior, mas também aos gentios, cuja falta de tais privilégios não será nem desculpá-los do castigo da sua mal-fazer, nem impedi-los para fora da recompensa de seu bem -doing (ver Colossenses 3:11 ), para se não o juiz de toda a terra?

 

  1. Ele prova o patrimônio de seus processos com tudo, quando ele deve realmente vir a julgar-los ( Romanos 2: 12-16 ), com base neste princípio, que o que é a regra da obediência do homem é a regra do julgamento de Deus. Três graus de luz são reveladas aos filhos dos homens: -

 

  1. A luz da natureza. Isto os gentios têm, e por isso eles serão julgados: Como muitos como pecaram sem lei perecerão sem lei , isto é, os gentios incrédulos, que não tinham outra guia, mas a consciência natural, nenhum outro motivo, mas comuns misericórdias, e não tinham a lei de Moisés nem qualquer revelação sobrenatural, não será contado com a transgressão da lei que nunca teve, nem sob o agravamento do pecado dos judeus contra e julgamento pela lei escrita, mas eles serão julgados por, como eles pecado contra, a lei da natureza, não só, uma vez que está em seus corações, corrompidos, desfigurados, e presos em injustiça, mas como no original uncorrupt o juiz mantém por ele. Além disso para limpar esta ( Romanos 2: 14,15 ), em um parênteses, ele evidencia que a luz da natureza era para os gentios em vez de uma lei escrita. Ele havia dito ( Romanos 2:12 ) que tinham pecado sem lei, que parece uma contradição para onde não há lei, não há transgressão. Mas, diz ele, embora eles não tinham a lei escrita ( Salmo 147: 20 ), eles tinham o que era equivalente, não para o cerimonial, mas a lei moral. Eles tinham a obra da lei. Ele não quer dizer que o trabalho que a lei ordena, como se pudessem produzir uma perfeita obediência mas que o trabalho que a lei faz. O trabalho da lei é de nos orientar o que fazer, e examinar-nos o que temos feito. Agora, (1.) Eles tinham que lhes dirigiu o que fazer com a luz da natureza: pela força e tendência das suas noções naturais e dita eles apreendido uma diferença clara e vasta entre o bem eo mal. Eles fizeram por natureza as coisas contidas na lei. Eles tinham um senso de justiça e equidade, honra e pureza, amor e caridade a luz da natureza ensinou obediência aos pais, pena ao miserável, preservação da paz e ordem pública, proibiu assassinato , roubo, mentira, falso testemunho, & c. Assim, eles eram uma lei para si mesmos. (2.) Eles tinham o que eles examinaram como o que eles tinham feito . A consciência também dando testemunho Eles tinham que dentro deles que aprovou e elogiou o que foi bem feito e que repreendeu-os para o que foi feito de errado. A consciência é uma testemunha, e primeiro ou último dará testemunho, ainda que por um tempo que pode ser subornado ou testa-batido. Ao contrário, é de mil testemunhas, testemunhando daquilo que é mais secreto e seus pensamentos acusadores ou dispensando, passando um julgamento sobre o testemunho de consciência através da aplicação da lei para o fato. A consciência é a vela do Senhor, que não foi bem colocado para fora, não, não no mundo gentio. Os pagãos têm testemunhado para o conforto de uma boa consciência.

 

-------- Hic murus ahoncus esto,

Nil conscire sibi -------- Seja este teu baluarte de bronze de defesa, ainda para preservar a tua inocência consciente .-- HOR.

 

 

e o terror de um mau:

 

-------- Quos diri consein facti

Mens habet attonitos, et surdo verbere CAE dit-- Sem chicote foi ouvida, e ainda o coração culpado é tortur'd com um auto-infligido inteligente - JUV. Sentou. 13.

 

 

Seus pensamentos Entretanto, Allelon metaxy - entre si, ou um com o outro. A mesma luz e lei da natureza que testemunhas contra o pecado neles, e testemunhou contra ela em outros, acusados ​​ou dispensado o outro. Vicissim, por isso, alguns lê-lo, por turnos de acordo como eles observaram ou quebrou essas leis naturais e ditames, as suas consciências se quer absolver ou condenar. Tudo isso fez evidenciar que eles tinham o que era para eles em vez de uma lei, que eles poderiam ter sido regidas e que irá condená-los, porque eles não estavam tão guiado e governado por ele. Assim que os gentios culpados ficam sem desculpa. Deus está justificado em condená-los. Eles não podem alegar ignorância, e, portanto, são susceptíveis de perecer se não tem algo mais para pleitear.

 

  1. A luz da lei. Este havia entre os judeus, e por isso eles serão julgados ( Romanos 2:12 ): A todos quantos pecaram na lei devem ser julgados pela lei. Eles pecaram, não só com a lei, mas en nomo - na lei, no meio de tanta lei, no rosto e luz tão pura e limpar uma lei, as direções dos quais foram muito completo e específico, e as sanções de que muito convincentes e cumprimento. Estes serão julgados pela lei sua punição deve ser, como o seu pecado se, tanto maior para terem a lei. Primeiro do judeu, Romanos 2: 9 . Será mais tolerável, para Tiro e Sidom. Assim Moisés fez acusá-los ( João 05:45 ), e eles caíram sob as muitas listras daquele que soube a vontade do seu senhor, e não o fez, Lucas 12:47 . Os judeus se orgulhavam muito na lei, mas, para confirmar o que havia dito, o apóstolo mostra ( Romanos 2:13 ) que seu ter, e audição, e conhecendo a lei, não justificá-los, mas a sua fazê-lo. Os médicos judeus reforçou os seus seguidores com uma opinião de que todos os que eram judeus, como soever ruim que eles viviam, deve ter um lugar no mundo para vir. Este apóstolo aqui se opõe: era um grande privilégio que eles tinham o direito, mas não um privilégio de poupança, a menos que viveu até a lei que eles tinham, que é certo que os judeus não o fez, e, portanto, eles tinham necessidade de uma justiça em que comparecer diante de Deus. Podemos aplicá-lo para o evangelho: ele não está ouvindo, mas fazendo isso irá nos salvar, João 13:17 ; Tiago 1:22 .

 

  1. A luz do evangelho, e de acordo com este aqueles que desfrutaram do evangelho deve ser o juiz ( Romanos 2:16 ): De acordo com meu evangelho não significa de qualquer quinto evangelho escrito por Paulo, como alguns vaidade ou do evangelho escrito por Luke, como amanuense de Paulo ( Euseb. Hist. lib 3, cap. 8), mas o evangelho em geral, chamado de Paulo, porque ele era um pregador da mesma. Como muitos como estão sob essa dispensação devem ser julgados de acordo com aquela dispensação, Marcos 16:16 . Alguns se referem essas palavras, segundo o meu Evangelho, ao que ele diz sobre o dia do julgamento: "Virá um dia de julgamento, de acordo como eu tenho na minha pregação, muitas vezes lhe disse e que será o dia do juízo final, tanto de judeus e gentios ". É bom para nós para se familiarizar com o que é revelado sobre esse dia. (1) Não há um dia definido para um julgamento geral. No dia, o grande dia, o dia que está chegando, Salmo 37:13 . (2.) O julgamento desse dia será colocado nas mãos de Jesus Cristo. Deus há de julgar por Jesus Cristo, Atos 17:31 . Será parte da recompensa da sua humilhação. Nada fala mais terror para os pecadores, ou mais conforto aos santos, que este, de Cristo será o Juiz. (3.) Os segredos dos homens, deve, então, ser julgado. Serviços secretos serão então recompensado, pecados secretos serão então punidos, coisas ocultas serão trazidos à luz. Esse será o grande dia descobrindo, quando vier o que agora é feito em ângulos devem ser proclamado a todo o mundo.

 

versículos 17-29

As pretensões dos judeus a depravação dos judeus.    AD 58.

17 Mas se tu és chamado judeu, e repousas na lei, e te glorias em Deus; 18 e conheces a sua vontade e aprovas as coisas que são excelentes, sendo instruído na lei 19 E confias que tu mesmo arte guia dos cegos, luz dos que estão em trevas, 20 um instrutor dos néscios, mestre de crianças, que tens a forma da ciência e da verdade na lei. 21 Tu, pois, que ensinas a outrem, não te ensinas a ti mesmo? Tu, que pregas que não se deve furtar, furtas? 22 Tu, que dizes que não se deve cometer adultério, que tu cometer adultério? tu que abominas os ídolos, tu cometer sacrilégio? 23 Tu, que te glorias da lei, pela transgressão da lei desonras tu Deus? 24 Porque o nome de Deus é blasfemado entre os gentios, como está escrito. 25 Porque a circuncisão é, na verdade, proveitosa, se guardares a lei; mas se tu és transgressor da lei, a tua circuncisão se torna em incircuncisão. 26 Portanto, se a incircuncisão guardar os preceitos da lei, não será porventura a incircuncisão ser reputada como circuncisão? 27 E a incircuncisão que por natureza o é, se cumpre a lei, julgará a ti, que pela letra e circuncisão és transgressor da lei? 28 Porque não é judeu o que o é exteriormente, nem é que a circuncisão, que é somente na carne: 29 Mas ele é um judeu, que o é interiormente e circuncisão é que do coração, no espírito, e não em a carta cujo louvor é não dos homens, mas de Deus.

 

Na última parte do capítulo, o apóstolo dirige seu discurso mais estreitamente com os judeus, e mostra que pecados que eram culpados de, não obstante a sua profissão e pretensões vãs. Ele havia dito ( Romanos 2:13 ) que não os ouvintes, mas os que praticam a lei são justificados e que aqui se aplica essa grande verdade aos judeus. Observar,

 

  1. Ele permite que sua profissão ( Romanos 2: 17-20 ) e especifica as suas pretensões particulares e privilégios em que se orgulhavam, para que pudessem ver que ele não os condenou por ignorância do que eles tinham a dizer por si mesmos, não, ele sabia que o melhor de sua causa.

 

  1. Eles eram um povo peculiar, separado e distinto de todos os outros por terem a lei escrita ea presença especial de Deus entre eles. (1.) Tu és chamado judeu não tanto no parentesco como profissão. Foi um título muito honroso. Salvação era dos judeus e isso eles estavam muito orgulhosos de, para ser um povo por si só e ainda muitos que foram chamados foram o mais vil dos homens. Não é coisa nova para as piores práticas a ser envolto nas melhores nomes, para muitos da sinagoga de Satanás para se dizem judeus ( Apocalipse 2: 9 ), para uma geração de víboras a vangloriar-se que eles têm Abraham ao seu pai, Matthew 3: 7-9 . (2.) E repousas na lei , isto é, eles levaram um orgulho no fato de que eles tinham a lei entre eles, tinha em seus livros, lê-lo nas suas sinagogas. Eles foram poderosamente inchado com esse privilégio, e pensei que o suficiente para trazê-los para o céu, embora eles não vivem até a lei. . Para descansar na lei, com um descanso de complacência e aquiescência, é bom, mas para descansar nele com um resto de orgulho e preguiça, e segurança carnal, é a ruína das almas O templo do Senhor, Jeremias 7: 4 . Betel, sua confiança, Jeremias 48:13 . altiva por causa da montanha sagrada, Sofonias 3:11 . É uma coisa perigosa para descansar em privilégios externos, e não para melhorá-los. (3) E te glorias em Deus. Veja como as melhores coisas podem ser pervertida e abusado. A acreditar, humilde, jactância grato em Deus, é a raiz e um resumo de toda a religião, Isa. xlv. 15 1Cor. Eu. 31. Mas a jactância vainglorious orgulhosos em Deus e na profissão externa de seu nome, é a raiz e resumo de toda hipocrisia. O orgulho espiritual é de todos os tipos de orgulho o mais perigoso.

 

  1. Eles eram um povo sabendo ( Romanos 02:18 ): e conheces a sua vontade de Thelema - a vontade. A vontade de Deus é a vontade, o soberano, absoluto, vontade irresistível. O mundo, então, e só então, ser definido como direitos, quando a vontade de Deus é a única vontade, e todas as outras vontades são derretidos para ele. Eles não só conhece a verdade de Deus, mas a vontade de Deus, o que ele teria que eles façam. É possível para um hipócrita para ter uma grande quantidade de conhecimentos na vontade de Deus .-- E aprovas as coisas que são mais excelente - dokimazeis ta diapheronta. Paulo ora para ele por seus amigos como uma grande realização, Filipenses 1 : 10 . Eis a dokimazein Hymas ta diapheronta. Entenda que: (1) de um bom apreensão em as coisas de Deus, lê-lo assim, Tu coisas discernest que diferem, sabes como distinguir entre bem e mal, para separar entre a precioso e vil ( Jeremias 15:19 ), para fazer a diferença entre o imundo eo limpo, Levítico 11:47 . Bom e mau mentira, por vezes, tão perto juntos que não é fácil distingui-los mas os judeus, tendo a pedra de toque da lei prontos na mão, foram, ou pelo menos pensei que eles eram, capaz de distinguir, para clivar o cabelo em casos duvidosos . Um homem pode ser uma boa casuísta e ainda uma má Christian - precisas na noção, mas solta e descuidado na aplicação. Ou, talvez, com De Dieu, entender controvérsias pelo diapheronta ta. Um homem pode ser bem qualificados nas controvérsias religiosas, e ainda um estranho para o poder da divindade. (2) de um carinho quente para as coisas de Deus, como lemos, . Aprovas as coisas excelentes Há excelências em religião que um hipócrita pode aprovam: pode haver um consentimento do julgamento prático com a lei , que é bom, e ainda que overpowerd consentimento pelos desejos da carne e da mente: -

 

 

-------- Vídeo meliora proboque

deteriora sequor. Vejo o melhor, mas perseguir o pior.

 

e é comum para os pecadores para fazer essa aprovação uma desculpa que é realmente um grande agravamento de um curso pecaminoso. Eles têm isso familiaridade com, e carinho para, o que é bom, mas que está sendo instruído na lei, katechoumenos - . A ser catequizados A palavra significa uma instrução cedo na infância. É um grande privilégio e vantagem de ser bem catequizados cedo. Era costume dos judeus para tomar uma grande quantidade de dores no ensino de seus filhos quando eles eram jovens, e todas as suas lições eram fora da lei fosse bem se os cristãos eram, mas como diligente para ensinar seus filhos fora do evangelho. agora isso é chamado ( Romanos 2:20 ), a forma da ciência e da verdade na lei, isto é, o show e aparência dela. Aqueles cujo conhecimento se baseia em um conceito vazio, e não fazer uma impressão em seus corações, têm apenas a forma de ele, como uma foto bem tirada e em boas cores, mas o que quer da vida. A forma de conhecimento produz, mas uma forma de piedade, 2 Timóteo 3: 5 . A forma de conhecimento pode enganar os homens, mas não pode impor ao olhar penetrante do Deus-procurando coração. Um formulário pode ser o veículo do poder, mas aquele que ocupa com que somente é como o bronze que soa e como o címbalo que retine.

 

  1. Eles eram um ensino de pessoas, ou pelo menos eles próprios pensava assim ( Romanos 2: 19,20 ): e confias que és guia dos cegos. Aplique-a: (1) Para os judeus em geral. Julgavam-se guias para os pobres gentios cegos que estava sentado em trevas, estavam muito orgulhosos disso, que quem teria o conhecimento de Deus deve ser obrigado a eles por isso. Todas as outras nações devem vir para a escola com eles, para saber o que é bom, e que o Senhor exige para que eles tinham palavras vivas. (2) Para seus rabinos, e os médicos e principais homens entre eles, que eram especialmente aqueles que julgavam os outros, Romanos 2: 1 . Estes orgulhavam-se muito na posse que tinham conseguido da cadeira de Moisés, e a deferência que o vulgar pago aos seus ditames e o apóstolo expressa isto em vários termos, guia dos cegos, luz dos que estão em trevas, instrutor dos néscios, mestre de crianças, o melhor expor sua presunção orgulhosos de si mesmos, e desprezo dos outros. Esta foi uma corda que gostava de ser insistam em cima, acumulando títulos de honra a si mesmos. O melhor trabalho, quando se orgulhava in, é inaceitável a Deus. É bom para instruir o tolo, e ensinar os pequeninos: mas considerando nossa própria ignorância e insensatez e incapacidade de fazer esses ensinamentos sucesso sem Deus, não há nada nele que se orgulhar.(comentário bíblico Matthew Henrys, (N.T).

 

 

 

 

             SUBSIDIO LIÇÕES CPAD ADULTOS

                            A GRAÇA DE DEUS

verso 1

- Paul ". Saul" O nome original do autor desta epístola foi Atos 07:58 ;Atos 7: 1 ; Atos 8: 1 , etc. Isto foi mudado para Paulo (consulte a nota noAtos 13: 9 ), e por este nome, ele é geralmente conhecido no Novo Testamento. A razão pela qual ele assumiu este nome não é certamente conhecido. Foi, no entanto, de acordo com o costume de os tempos;consulte a nota no Atos 13: 9 . O nome de Saul era hebraico; o nome de Paul era romana. Ao dirigir uma carta aos Romanos, ele seria naturalmente fazer uso do nome a que estavam acostumados, e que excita nenhum preconceito entre eles. O costume antigo era começar uma epístola com o nome do escritor, como Cicero para Varro, etc. Nós gravar o nome no final.Pode-se observar, no entanto, que a colocação do nome do escritor, no início de uma epístola sempre foi feito, e ainda é, quando a carta foi um de autoridade, ou quando conferida quaisquer privilégios especiais. Assim, na proclamação de Ciro Ezra 1: 2 , "Assim diz Ciro, rei da Pérsia", etc .; ver também Esdras 4:11 ; Ezra 7:12 . "Artaxerxes, rei dos reis, ao sacerdote Esdras", etc. Daniel 4: 1 . O início de uma carta por um apóstolo a uma igreja cristã desta forma foi especialmente adequada como uma indicação de autoridade.

Um servo - Este nome foi o que o próprio Senhor Jesus dirigiu aos Seus discípulos para usar, como a sua denominação geral; Mateus 10:25 ;Mateus 20:27 ; Marcos 10:44 . E era o nome costumeiro que assumiu;Gálatas 1:10 ; Colossenses 4:12 ; 2 Peter 1: 1 ; Jude 1: 1 ; Atos 04:29 ;Tito 1: 1 ; James 1: 1 . O próprio significado desta palavra servo, δοῦλοςescravo doulosis, aquele que não é livre. Ela expressa a condição de alguém que tem um mestre, ou que está no controle de outra. É muitas vezes, no entanto, aplicada a cortesãos, ou os oficiais que servem sob um rei, porque em uma monarquia oriental a relação de um rei absoluto de seus cortesãos correspondeu praticamente à de um mestre e um escravo.Assim, a palavra é expressiva de dignidade e honra; e os servos de um rei designar oficiais de uma alta classificação e estação. É aplicado aos profetas como aqueles que foram honrados por Deus, ou especialmente confiadas por ele com escritório; Deuteronômio 34: 5 ; Joshua 1: 2 ;Jeremias 25: 4 . O nome também é dado ao Messias, Isaías 42: 1 : "Eis o meu servo, em quem a minha alma se deleita", etc .; Isaías 53:11 , o apóstolo usa-lo aqui, evidentemente, para denotar "o meu servo, o justo, justificará a muitos." a reconhecer Jesus Cristo como seu mestre; como indicando a sua dignidade, como especialmente designado por ele para sua grande obra; e, como mostrando que nesta epístola ele pretendia assumir nenhuma autoridade do seu próprio, mas simplesmente para declarar a vontade de seu mestre, e deles.

Chamado para ser apóstolo - Esta palavra chamada significa aqui não apenas para ser convidado, mas tem a sensação de nomeados. Ele indica que ele não tinha assumido o próprio escritório, mas que ele foi separado para ela pela autoridade do próprio Cristo. Foi importante para Paul afirmar isso,

(1) Como os outros apóstolos tinham sido chamados ou escolhidos para esse trabalho João 15:16 , João 15:19 ; Mateus 10: 1 ; Lucas 06:13 ; e,

(2) Uma vez que Paulo não era um daqueles originalmente designado.

Era de conseqüência para ele, portanto, afirmar que ele não tinha tomado este alto cargo para si mesmo, mas que ele tinha sido chamado a ele pela autoridade de Jesus Cristo. Sua nomeação para este cargo, não raramente aproveita a ocasião para reivindicar; 1 Coríntios 9: 1 , etc .: Gálatas 1: 12-24 ; 2 Coríntios 12:12 ; 1 Timóteo 2: 7 ; 2 Timóteo 1:11 ; Romanos 11: 13 .

Um apóstolo - Um enviado para executar uma comissão. Ela é aplicada porque os apóstolos foram enviados por Jesus Cristo para pregar o seu evangelho, e estabelecer sua igreja; Matthew 10: 2 nota;Lucas 06:13 nota.

Separado - A palavra traduzida como "separado para," ἀφορίζω aphorizōmeans para designar, para marcar pelos limites fixados, para ligado como um campo, etc. Isso denota aqueles que estão "separados", ou chamado a partir da massa comum; Atos 19: 9 ; 2 Coríntios 6:17 . O significado aqui não diferir materialmente a partir da expressão ", chamado para ser apóstolo," a não ser que, talvez, o que inclui a noção de propósito ou designação de Deus para este trabalho. Assim, Paulo usa a mesma palavra respeitando a si mesmo; Gálatas 1:15 : "Deus, que me separou desde o ventre de minha mãe, e me chamou pela sua graça", isto é, Deus me designado; marcou-me para fora; ou concebidos que eu deveria ser um apóstolo da minha infância. Da mesma forma Jeremias foi designado para ser um profeta; Jeremias 1: 5 .

Para o evangelho de Deus - designada ou designado por Deus que eu deveria fazê-lo "meu negócio" para pregar o evangelho. Separado para isso, como o especial grande obra da minha vida,; como não tendo qualquer outro objeto para o qual eu deveria viver. Para o significado da palavra "evangelho", ver a nota em Mateus 1: 1 . Ele é chamado o evangelho de Deus, porque é a sua nomeação; que tenha sido originado por ele, e tem a sua autoridade. A função de um apóstolo era pregar o evangelho Paul se considerava separada para este trabalho. Não era para viver em esplendor, riqueza e facilidade, mas para dedicar-se a esta grande negócio de anunciar uma boa notícia, que Deus se reconciliou com pessoas em seu Filho. Esta é a única actividade de todos os ministros de "religião".

verso 2

Que havia prometido - que gospel, ou que doutrinas, ele tinha antes anunciado.

Pelos profetas - A palavra "profetas" é aqui utilizado para incluir aqueles que escreveram, bem como aqueles que falou. Ele incluiu os professores dos antigos judeus em geral.

Nas escrituras sagradas - nos escritos do Antigo Testamento. Eles foram chamados santos porque eles foram inspirados pelo Espírito Santo, e foram considerados como separado de todos os outros escritos, e digna de toda reverência. O apóstolo aqui declara que ele não estava disposto a avançar nada de novo. Suas doutrinas estavam de acordo com os oráculos reconhecida por Deus. Embora possa parecer nova, mas ele considerava o evangelho como inteiramente consistente com tudo o que tinha sido declarado na dispensação judaica; e não apenas consistente, mas como realmente prometeu lá. Ele afirma, portanto:

(1) Que tudo isso foi prometido, e grande parte da Epístola é empregada para mostrar isso.

(2) que foi confirmado pela autoridade de homens santos e inspirados.

(3) que dependia nenhuma tradição vaga e solta, mas foi gravada, para que as pessoas possam examinar por si mesmos.

A razão pela qual o apóstolo estava tão ansioso para mostrar que sua doutrina coincidiu com o Antigo Testamento foi porque a igreja de Roma era composta em parte de judeus. Ele queria mostrar a eles, e o restante de seus compatriotas, que a religião cristã foi construída sobre o fundamento dos seus profetas e seus escritos reconhecidos. Assim fazendo, ele desarmar o preconceito, e fornecer uma prova da verdade da religião. Era uma posição constante com o apóstolo que ele avançou nada, mas o que foi mantida pelos melhores e mais santos homens da nação. Atos 26: 22-23, "não dizendo nada mais do que as que os profetas e Moisés disseram que devia acontecer", etc. Houve mais uma razão aqui para o seu atraente tanto para o Velho Testamento. Ele nunca tinha estado em Roma. Ele era, portanto, pessoalmente um estranho, e era adequada para ele, em seguida, especialmente para mostrar seu respeito para as doutrinas dos profetas. Por isso, ele apela aqui tantas vezes ao Antigo Testamento; e defende todos os pontos pela autoridade da Bíblia. As passagens particulares do Antigo Testamento em que ele se baseou virá diante de nós no decorrer da Epístola. Veja particularmenteRomanos 3; 4 ; 9 ; 10 ; 11 . Podemos ver aqui,

(1) A reverência que Paulo mostrou para o Antigo Testamento. Ele nunca desvalorizado ele. Ele nunca considerou como obsoletos ou inúteis. Ele manifestamente estudou; e nunca caiu na opinião irreverente que o Antigo Testamento é de pouco valor.

(2) se essas coisas foram prometidas - previsto no Antigo Testamento, então o cristianismo é verdadeiro. Cada passagem que ele aduz é, portanto, prova de que é de Deus.

verso 3

Acerca de seu Filho - Isso está ligado com o primeiro verso, com a palavra O evangelho de Deus acerca de seu Filho "evangelho".. O design do evangelho era fazer uma comunicação em relação ao seu Filho Jesus Cristo. Isto é toda ela. Não há "boa notícia" para o homem respeitando salvação, exceto o que vem por Jesus Cristo.

Que foi feita - A palavra traduzida "foi feito" geralmente significa "ser", ou "tornar-se". Ele é usado, no entanto, no sentido de ter nascido. Assim, Gálatas 4: 4 : "Deus enviou seu Filho feito de uma mulher", nascido de uma mulher. João 8:58 , "antes de Abraão (nascido), eu sou." Neste sentido, parece ser usados ​​aqui , que nasceu e desceu a partir da semente de Davi.

Da descendência de David - da posteridade ou linhagem de David. Ele era um descendente de David.David foi talvez o mais ilustre dos reis de Israel. A promessa a ele foi que não deve deixar um homem para se sentar neste trono; 1 Reis 2: 4 ; 1 Reis 8:25 ; 1 Reis 9: 5 ; 2 Crônicas 6:16 . Esta antiga promessa foi entendida como referindo-se ao Messias, e, portanto, no Novo Testamento ele é chamado o descendente de David, e tanto as dores é levado para mostrar que ele era de sua linha; Lucas 01:27 ;Mateus 09:27 ; Mateus 15:22 ; Mateus 12:23 ; Mateus 21: 9 , Mateus 21:15 ; Mateus 22:42 , Mateus 22:45 ; João 07:42 ; 2 Timóteo 2: 8 . Como os judeus acreditavam universalmente que o Messias seria descendente de David John 7:42 , foi de grande importância para os escritores sagrados para torná-lo com clareza que Jesus de Nazaré foi dessa linha e da família. Por isso, aconteceu que, embora nosso Salvador era humilde e pobre, e obscura, mas ele tinha aquela em que grande parte do mundo se acostumaram tanto se orgulham, uma ascendência ilustre. Para um judeu poderia haver praticamente nenhuma honra tão alta como ser descendente de o melhor dos seus reis; e mostra o quão pouco o Senhor Jesus estimava as honras deste mundo, que ele sempre poderia evidenciar sua profunda humildade em circunstâncias em que as pessoas geralmente são orgulhosos; e que quando ele falou das honras deste mundo, e disse o quão pouco eles valiam, ele não estava denunciando o que não estava ao seu alcance.

Segundo a carne - A palavra "carne", σάρξ sarxis usado nas Escrituras, em uma grande variedade de significações.

(1) denota, como entre nós, a carne literalmente de qualquer ser vivo; Lucas 24:39 , "um espírito não tem carne nem ossos", etc.

(2) o sistema animal, o corpo, incluindo carne e ossos, a parte visível do homem, em distinção do invisível, ou a alma; Atos 02:31 , "nem a sua carne (seu corpo)" veja a corrupção ". 1 Coríntios 5: 5 ; 1 Coríntios 15:39 .

(3) o homem, todo o sistema de animação, corpo e alma; Romanos 8: 3 ., "Em semelhança da carne do pecado 1 Coríntios 15:50 ; Mateus 16:17 ; Lucas 3: 6 .

(4) a natureza humana. Como um homem. Assim, Atos 02:30 , ". Deus tem prometido com juramento que do fruto de seus lombos, segundo a carne, isto é, em sua natureza humana, ele criaria Cristo para se sentar no seu trono" Romanos 9: 5 , "de quem são os pais, e dos quais, como a carne, o Cristo veio, o qual é sobre todos, Deus bendito eternamente." o mesmo é o seu significado aqui. Ele era descendente de Davi, em sua natureza humana, ou como um homem. Isto implica, naturalmente, que ele tinha outra natureza além de sua humana, ou que, enquanto ele era um homem que ele também era outra coisa; que havia uma natureza em que ele não era descendente de David.

Que este é o seu significado ainda aparecerá ainda mais, as seguintes observações.

(1) o apóstolo expressamente faz um contraste entre sua condição segundo a carne, e que de acordo com o espírito de santidade.

(2) a expressão "segundo a carne" é aplicado a nenhum outro no Novo Testamento, mas a Jesus Cristo.Embora a palavra "carne" ocorre frequentemente, e é muitas vezes utilizado para designar o homem, mas a expressão especial "segundo a carne" ocorre em nenhuma outra conexão.

Em todas as Escrituras nunca é dito de qualquer profeta ou apóstolo, qualquer legislador ou rei, ou qualquer homem, a qualquer título, que veio na carne, ou que ele era descendente de certos antepassados ​​segundo a carne. Nem é tal expressão já utilizado em qualquer outro lugar. Se fosse aplicada a um simples homem, devemos instantaneamente perguntar em que outra maneira ele poderia vir do que na carne? Ele tem uma natureza mais elevada? ele é um anjo ou um serafim? A expressão seria unmeaningful. E quando, portanto, ele é aplicado a Jesus Cristo, isso implica, se a linguagem tem algum significado, que havia um sentido em que Jesus não era descendente de David. O que era aquilo, aparece no verso seguinte.

verso 4

E declarou - Na margem, ". Determinado" Τοῦ ὁρισθέντος Tou horisthentosThe antiga sírio tem, "E ele era conhecido por ser o Filho de Deus pelo poder e pelo Espírito Santo, que levantou-se da casa dos mortos". O Latina Vulgata, "Quem foi" predestinado "o Filho de Deus", etc. o árabe, "o Filho de Deus destinada por poder especial para o Espírito Santo", etc. a palavra traduzida como "declarou ser" significa propriamente "para ligado, para fixar limites para a ", como a um campo, para determinar os seus limites ou fronteiras adequadas, para" definir ", etc. Atos 17:26 ," determinando-lhes os limites da sua habitação. "Por isso, meios para determinar, constituem ; ordenar, decreto; i, e. para corrigir ou designar os limites próprios de uma verdade, ou uma doutrina; para distinguir suas linhas e marcas de erro; ou para mostrar, ou declarar uma coisa para ser assim por qualquer ação. Lucas 22:22 , "o Filho do homem vai, conforme foi determinado, tal como foi fixado; determinei, definido, no propósito de Deus, e declarou nos profetas. Atos 02:23 , "ele foi entregue pelo determinado conselho, o definitivo. . vontade constituída, ou design, de Deus Atos 11:29 ; Hebreus 4: 7 ", ele limiteth um determinado dia", corrige-lo, define. Neste sentido, é claramente utilizada neste lugar. O ato de ressuscitando-o dos mortos designou-o, ou constituídos ele o Filho de Deus. Era tal ato como nas circunstâncias do caso mostrou que ele era o Filho de Deus em relação a uma natureza que não foi "segundo a carne". A ressurreição normal de um homem, como a de Lázaro, não mostraria que ele era o Filho de Deus; mas, nas circunstâncias de Jesus Cristo o fez; pois ele tinha reclamado de ser assim; ele havia ensinado; e Deus agora atestada a verdade de seu ensino, ressuscitando-o dentre os mortos.

O Filho de Deus - A palavra "filho" é usada em uma grande variedade de sentidos, denotando literalmente um filho, em seguida, um descendente, a posteridade próximo ou remoto, um discípulo ou ala, um filho adotado, ou um que imite ou se assemelha a outra; consulte a nota no Matthew 1: 1 . A expressão "filhos de Deus", ou "filho de Deus", é usado em uma latitude quase igual de significação. Isto é:

(1) Aplicado a Adão, como sendo imediatamente criada por Deus, sem um pai terreno; Lucas 3:38 .

(2) é aplicada a santos ou cristãos, como sendo adotados em sua família, e manter com ele a relação das crianças; João 1: 12-13 ; 1 João 3: 1-2 , etc. Esse nome é dado a eles porque se assemelham-lo em seu caráter moral; Mateus 5:45 .

(3) que é dado aos homens fortes como semelhante a Deus em força; Genesis 6: 2 , "Os filhos de Deus viram as filhas dos homens", etc. Aqui esses homens de violência e força são chamados filhos de Deus, assim como o altos montes são chamados montes de Deus, as altas árvores do Líbano são chamados cedros de Deus, etc.

(4) reis às vezes são chamados seus filhos, como semelhante a ele no domínio e poder, Salmo 82: 6 .

(5) o nome é dado aos anjos porque se assemelham a Deus; porque ele é o seu Criador e Pai, etc., Jó 1: 6 ; Jó 2: 1 ; Daniel 3:25 .

Mas o nome de "Filho de Deus" é no Novo Testamento dada por meio de eminência ao Senhor Jesus Cristo. Este era o nome comum e preferido pelo qual os apóstolos designado ele. A expressão "Filho de Deus" é aplicada a ele nada menos que 27 vezes nos Evangelhos e os Atos dos Apóstolos, e 15 vezes nas Epístolas e Apocalipse a expressão meu Filho, e seu filho, o teu Filho, etc. é aplicada a ele em sua relação especial com Deus, vezes quase sem número. A outra denominação mais comum, que é dado a ele é "Filho do homem". Por este nome que comumente se designado. Não pode haver dúvida de que que foi assumido para indicar que ele era um homem, que ele sofreu uma relação especial com o homem, e que ele escolheu para falar de si mesmo como um homem. O primeiro, o mais óbvio, impressão sobre o uso do nome "Filho do homem" é que ele era verdadeiramente um homem, e foi usado sem dúvida, para se proteger contra a impressão de que aquele que se manifesta tantas outras qualidades, e fez tantas coisas como um ser celestial, não era verdadeiramente ser humano.

A frase "Filho de Deus", em contraste com o título "Filho do homem", e como a importação natural e óbvia de que é que ele era um homem, de modo a importação natural e óbvia do título "Filho de Deus" é que ele era divino; ou que ele sustentou relações com Deus designados pelo nome de Filho de Deus, o que corresponde às relações que sofreu para o homem designado pelo nome Filho do Homem. A ideia natural da frase, "Filho de Deus", portanto, é que ele sofreu uma relação com Deus em sua natureza que implicava mais do que era humano ou angelical; o que implicou a igualdade com Deus. Assim, esta ideia foi, naturalmente, sugeriu aos judeus por seu chamar Deus de seu Pai; João 5:18 : "Mas também dizia que Deus era seu Pai", fazendo-se igual a Deus "Esta ideia Jesus imediatamente começou a confirmar.;consulte a nota no João 5: 19-30 . A mesma ideia também é sugerido em João 10: 29-31 , João 10:33 ,João 10:36 , "Dizei àquele a quem o Pai santificou, e enviou ao mundo, vós dizeis: Blasfemas:" porque eu disse que eu sou ? o Filho de Deus "Há nesses lugares a prova mais completa que o título sugeriu naturalmente a ideia de igualdade com Deus; ou a idéia de sua sustentação de uma relação com Deus correspondente à relação de igualdade ao homem sugere o título Filho do homem.

Este ponto de vista é ainda mais sustentada no primeiro capítulo da Epístola aos Hebreus, Romanos 1: 1-2 , ". Deus falou-nos por seu Filho" Ele é o resplendor da sua glória, ea expressa imagem da sua pessoa , Romanos 1: 3 . Ele é maior do que os anjos, e eles são obrigados a adorá-lo, Romanos 1: 4-6. Ele é chamado de "Deus", e seu trono é para sempre e sempre, Romanos 1: 8 . Ele é "o Criador dos céus e da terra", e é imutavelmente o mesmo, Romanos 1: 10-12 . Assim, a posição ou título de "Filho de Deus" sugere as ideias e os atributos da Divindade. Esta ideia é sustentada por todo o Novo Testamento. Veja João 14: 9 , "Aquele que vê a mim vê o Pai;" Romanos 1:23 , "Que todos os homens devem honrar o Filho como honram o Pai"; Colossenses 1:19 , "aprouve ao Pai que, nele, residisse toda a plenitude "; Colossenses 2: 9 ," Porque nele habita toda a plenitude da divindade: " Philemon 2: 2-11 ;Apocalipse 5: 13-14 ; Apocalipse 02:23 . Não se afirma que este título foi dado para a segunda pessoa da Trindade, antes que ele se encarnou; ou sugerir a ideia de qualquer derivação ou extração antes que ele se fez carne. Não há caso em que a denominação não é conferida para expressar sua relação depois que ele assumiu carne humana. De qualquer derivação de Deus, ou emanação dele na eternidade, as Escrituras são silenciosos. O título é conferido a ele, supõe-se, com referência à sua condição neste mundo, como o Messias. E é conferido, acredita-se, pelas razões seguintes, ou para indicar as seguintes coisas, a saber.

(1) para designar a sua relação única com Deus, como igual a ele, João 1:14 , João 1:18 ; Mateus 11:27 ; Lucas 10:22 ; Lucas 03:22 ; 2 Pedro 1:17 , ou como sustentar uma ligação mais íntima e próxima com ele, como nem o homem nem anjos poderia fazer, um conhecido com a sua naturezaMateus 11:27 , planos e conselhos, como nenhum ser, mas aquele que era igual a Deus poderia possuir.Nesse sentido, considero que é conferido a ele na passagem sob consideração.

(2) designa-o como o rei ungido, ou o Messias. Neste sentido, está de acordo com o uso da palavra noSalmo 82: 6 . Veja Mateus 16:16 , "Tu és" o Cristo, o Filho do Deus vivo. " Mateus 26:63 ," Eu te conjuro pelo Deus vivo que nos digas se "tu és o Cristo, o Filho de Deus . " Mark 14:61 ; Lucas 22:70 ; João 01:34 ; Atos 09:20 ", pregava nas sinagogas, que ele é o Filho de Deus ".

(3) que foi conferido a ele para denotar sua concepção milagrosa no ventre da Virgem Maria. Lucas 1:35 ", o Espírito Santo virá sobre ti, portanto διό dioalso o ente santo que há de nascer de ti será chamado o "Filho de Deus".

(É prontamente admitido, que sobre o tema da "filiação eterna" Muito tem sido dito de um tipo ininteligível. Termos aplicáveis ​​apenas para a relação, tal como existe entre as pessoas tenham sido aplicados livremente a este mistério. Mas o que pode ser pensado de tal linguagem como "a geração eterna", "a procissão eterna", e "a subordinação" do Filho; a doutrina em si, que este modo de falar foi inventado para ilustrar, e talvez tenha servido para obscurecer, não é de forma afetados. a questão não é, tem os amigos da doutrina em todos os momentos empregadas ilustração criteriosa? mas, o que é a "evidência Escritura" no ponto? Se a Filiação eterna deve ser descartado em tais razões, tememos a doutrina da Trindade devem compartilhar um destino semelhante. no entanto, aqueles que mantêm a divindade de Cristo, e não obstante negar a eterna filiação, geralmente parecem encontrados suas objeções sobre estas ilustrações incompreensíveis, e dali pular para a conclusão de que a própria doutrina é falsa.

Que o título Filho de Deus, quando aplicado a Jesus, denota uma mera filiação oficial natural e não, a uma relação figurativa real e não; em outras palavras, que tem origem a partir da natureza divina, é a visão que a Igreja Católica tem mantido ao longo de toda sobre este assunto: nenhuma explicação que fica aquém da divindade vai esgotar o significado do título. Cristo é, de facto chamado Filho de Deus por causa de sua concepção milagrosa; "Essa coisa sagrada", disse o anjo à Virgem ", que deve nascer de ti, será chamado Filho do Altíssimo." Mas a criação de Adam, pelo poder imediato de Deus, sem pai nem mãe, iria fazem dele o Filho de Deus, em um sentido tão ou mais exaltado do que aquele em que o título é aplicado a Jesus, se a concepção milagrosa foram autorizados a esgotar o seu significado. um apelo à ressurreição de Cristo, nem servirá o propósito daqueles que negam a origem divina do título, uma vez que é atribuído como só as provas, e não o chão dele.

O Redentor não foi constituído, mas declarada ou comprovada a ser, "o Filho de Deus com poder pela ressurreição dentre os mortos." Na busca por um curto solução de filiação divina, o recurso é seguinte teve para o escritório de Cristo como Mediador . No entanto, embora a denominação em questão ser frequentemente dada em conexão com o caráter oficial de Jesus, um exame cuidadoso de algumas dessas passagens levará à conclusão, que "embora o Filho de Deus ocupar o cargo, mas o escritório não fornecer o razão ou fundamento de o título. "o nome é dado para distinguir Jesus de todos os outros, em funções, e" de tal forma que nos convencer de que o escritório está traduzida como "honrado" pela personagem exaltado exercício das suas funções, e não que a pessoa merece a designação em virtude do escritório. "" Quando a plenitude dos tempos, Deus enviou seu Filho, nascido de uma mulher ", etc." Deus amou tanto o mundo que deu o seu "único Filho ", etc. Agora, a glória da missão na primeira destas passagens, ea grandeza do dom na segunda, é fundada na dignidade originária da pessoa enviado e dado. Mas se a pessoa tirar seu título de apenas o escritório, há parece ser relativamente pouco grandeza da missão, e pequeno favor no presente. As passagens citadas seriam mais facilmente provar que Deus havia concedido favor de Jesus, dando-lhe um escritório a partir do qual ele derivou tanto "dignidade pessoal!"

A seguir estão algumas das passagens em que a denominação "Filho de Deus" é encontrada conectado com o escritório de Cristo. "Estes foram escritos para que creiais que Jesus é o Cristo, (um termo oficial significa" ungido Salvador "), o Filho de Deus"; "Ele respondeu e disse: Creio que Jesus Cristo (a designação oficial) é o Filho de Deus ";" quem dizeis que eu sou? E Simão Pedro, respondendo, disse: Tu és o Cristo, o Filho do Deus vivo "Agora é razoável supor, que as declarações e confissões relativas à pessoa de Cristo, contêm não apenas um reconhecimento de seu caráter oficial, mas também de sua dignidade pessoal. "Tu és o Cristo," é o reconhecimento de seu escritório, e "tu és o Filho de Deus," é um reconhecimento da sua dignidade natural. A confissão do eunuco etíope, e de Pedro, seria incompleto em qualquer outra suposição. Deve-se ter em mente, também, que a questão de Cristo a Pedro não era, Que ofício supondes eu seguro? mas, "Quem dizeis que eu sou?" Veja Haldane emRomanos 1: 4 .

Se, então, a concepção milagrosa, a ressurreição, eo escritório de Cristo, nem todos eles juntos esgotar o significado da denominação, temos que buscar a sua origem ainda maior - que deve subir à natureza divina. Podemos de fato dar um passo mais para cima antes de chegarmos a natureza divina, e suponho, com o Professor Stuart e outros, que o nome significa "a pessoa complexo do Salvador", como Deus eo homem, ou em uma palavra ", Mediador. "Comente sobre Heb. Exe. 2. Mas esta é apenas a velha resolução de la em caráter oficial, e é, portanto, susceptível de todas as objecções acima referidos. Por enquanto é admitido por aqueles que têm esta visão, que Cristo é divino, é claramente implícita, que o título Filho de Deus não teria sido sua, mas para seu escritório.

No final, portanto, temos de resolver o nome na natureza divina. Que implica a igualdade com Deus é claramente provado neste comentário. Assim, os judeus entenderam isso, e o Salvador tacitamente admitiu que a sua construção estava certo. E como não há igualdade com Deus, sem divindade, o título aponta claramente para tal distinção na Divindade como está implícito na termos relativos, pai e filho. Na verdade, não é fácil de entender como a doutrina da Trindade pode ser mantida para além do que da Filiação eterna. Se houver na Divindade uma distinção de pessoas, não faz essa distinção pertence à natureza da Trindade, independente de quaisquer relações oficiais. Ou será que vai ser mantida, que a distinção do Pai, Filho e Espírito Santo, surge totalmente do esquema de redenção, e não existia desde a eternidade? Podemos encontrar a falha com o Dr. Owen, e outros, que falam de uma "subordinação hypostatical de pessoas na Divindade." Prof. Stuart, Com. Heb. Exe. 1. No entanto, a própria distinção, por meio não podemos explicar isso, "deve" ser autorizados a existir.

A evidência restante da eterna filiação pode ser assim definido.

  1. Cristo é chamado "o próprio Filho" de Deus, seu "amado", e "bem amado", e "Filho unigênito." Então adjuntos fortes e especiais parecem destinados a impedir qualquer idéia como a de filiação figurativa. Se estes não expressar a relação natural, que está além do poder da linguagem para fazê-lo. Além disso, a crítica correta nos liga a adotar a significação natural e comum das palavras, a menos que, nesses casos, tão claramente recusá-lo,
  2. Em uma passagem já citada, Deus é dito "ter enviado o seu Filho para nos redimir", etc. E há muitas passagens para o mesmo efeito, no qual é revelado, não só a pré-existência de Cristo, mas a qualidade em que originalmente movido, e o posto que ocupou no céu. "Deus enviou seu Filho," implica que ele detinha o título antes de sua missão. Esta, pelo menos é o sentido mais óbvio da passagem, eo sentido que um leitor comum, sem dúvida apor a ele. A seguinte objeção, no entanto, tem sido suposto fatal a este argumento: "O nome Filho de Deus é bem utilizada, ao falar dele antes de sua tendo a natureza humana assumida, mas também o são os nomes de Jesus e de Cristo, que ainda temos sabe adequadamente para pertencer a ele, apenas como unidos a humanidade. "é prontamente permitiu-se que o simples fato de o nome a ser dado antes da encarnação nada de si mesma prova. Mas o caso é alterada quando este fato é visto em conexão com a dificuldade ou impossibilidade de resolver a filiação em uma relação oficial. Sem essa dificuldade existe no que diz respeito aos termos "Jesus" e "Cristo", pois eles são nomes que claramente oficiais, significando "ungido Salvador".
  3. Romanos 1: 3-4 . Se nesta passagem entendemos o apóstolo a declarar, que Cristo era da descendência de Davi, de acordo com a sua natureza humana, o Estado de demandas antítese, que entendê-lo junto ao afirmar que ele estava de acordo com a sua natureza divina, ou seja, o Filho de Deus.

As opiniões dadas nesta nota são as adoptadas pelos teólogos ortodoxos mais eminentes. A linguagem dos teólogos de Westminster é bem conhecida; "O único Redentor do pacto da graça é o Senhor Jesus Cristo, que sendo o Filho eterno de Deus, da mesma substância etc." "Catecismo Maior." Mr. Scott "é decididamente de opinião, de que Cristo é chamado o único Filho de Deus em relação a sua natureza divina "Commentary,. Hebreus 1: 3-4 ." O falecido diretor Hill, em seu sistema teológico, depois de ter exposto o que ele considera visões errôneas sobre este assunto, acrescenta, "há uma mais antiga e um título mais exaltado a este nome (Filho de Deus), que é indissociável da natureza "de Cristo. "3ª edição, vol. i., página 363.) "

Com potência - ἐν δυνάμει en dunameiBy alguns, esta expressão tem sido isso quer dizer no poder ou autoridade, depois de sua ressurreição dentre os mortos. Diz-se, que ele era antes de um homem de dores; agora ele estava vestido com poder e autoridade. Mas eu não vi nenhuma instância em que a expressão no poder denota escritório, ou autoridade. Ela denota energia física e força, e isso foi concedido a Jesus antes de sua ressurreição, bem como após; Atos 10:38 : "Deus ungiu a Jesus de Nazaré com o Espírito Santo e com poder; Romanos 15:19 ; 1 Coríntios 15: 43 . Com tal poder Jesus virá para o julgamento: Mateus 24:30 . Se houver alguma passagem em que a palavra "poder" significa autoridade, escritório, etc., é Mateus 28:18 : "Todo o poder no céu e terra é dada a mim." Mas isso não é um poder que foi dado a ele após a sua ressurreição, ou que ele não possuía antes. A mesma autoridade para comissionar seus discípulos que ele tinha exercido antes deste no mesmo terreno,Mateus 10: 7-8 . Estou inclinado a acreditar, portanto, que a expressão significa "poderosa, eficiente;" ele estava com grande poder, ou conclusivo, demonstrou ser o Filho de Deus pela sua ressurreição dentre os mortos. Assim, a frase "no poder" é utilizada para qualificar um verbo em Colossenses 1:29 ", que opera em mim poderosamente", "grego", no poder, isto é, operando em mim eficazmente, ou poderosamente. As versões antigas parecem ter entendido da mesma forma. "Sírio", "Ele era conhecido por ser o Filho de Deus pelo poder e pelo Espírito Santo." "AEthiopic", "Quem ele declarou ser o Filho de Deus por seu próprio poder, e pelo seu Espírito Santo" etc. "árabe", "designado Filho de Deus pela força apropriado para o Espírito Santo".

De acordo com o espírito de santidade - κατά πνεῦμα ἁγιωσύνης kata expressão pneuma hagiōsunēsThis foi por diversas vezes compreendida. Podemos chegar ao seu significado pelas seguintes considerações.

(1) não é a terceira pessoa da Trindade, que é referido aqui. A designação de que a pessoa está sempre em uma forma diferente. É "o Espírito Santo", o Espírito Santo, πνεῦμα ἅγιον pneuma hagionor τὸ πνεῦμα τὸ ἅγιον para pneuma para hagionnever "o espírito de santidade."

(2) que está em contraste com a carne; Romans 1: 3 , ". De acordo com a carne, da descendência de Davi: de acordo com o espírito de santidade, o Filho de Deus" Como o primeiro refere-se, sem dúvida, a sua natureza humana, de modo que este deve se referir à natureza designada pelo título Filho de Deus, isto é, à sua natureza superior ou divino.

(3) a expressão é totalmente exclusivo para o Senhor Jesus Cristo. Nenhum onde nas Escrituras, ou em quaisquer outros escritos, há uma afirmação como esta. O que seria entende por que se afirmou de um mero homem?

(4) não pode significar que o Espírito Santo, a terceira pessoa da Trindade, mostrou que Jesus era o Filho de Deus, ressuscitando-o dentre os mortos, pois esse ato não é o lugar onde atribuído a ele. Ele é uniformemente atribuída tanto a Deus, como Deus Atos 2:24 , Atos 02:32 ; Atos 3:15 , Atos 03:26 ; Atos 04:10 ; Atos 05:30 ; Atos 10:40 ; Atos 13:30 , Atos 13: 33-34 ; Atos 17:31 ; Romanos 10: 9 ; Efésios 1:20 , ou para o pai Romanos 6: 4 , ou para o próprio Jesus João 10:18 . Em nenhum caso é este ato atribuída ao Espírito Santo.

(5) que indica um estado muito mais do que qualquer elevar a dignidade humana, ou a honra No que diz respeito à sua descendência terrestre, ele era de uma raça real; no que diz respeito ao Espírito de santidade, muito mais do que isso, ele era o Filho de Deus.

(6) a palavra "Espírito" é frequentemente utilizado para designar Deus, o Deus santo, como distinguido de todas as formas materiais de adoração de ídolos, João 4:24 .

(7) a palavra "Espírito" é aplicada ao Messias, em sua natureza mais elevado ou divino. 1 Coríntios 15:45 , "o último Adão, foi feito em espírito vivificante." 2 Coríntios 3:17 , "agora o Senhor ( Jesus) é o Espírito. " Hebreus 9:14 , Cristo é dito ter se oferecido pelo Espírito eterno. 1 Pedro 3:18 , ele disse ter sido" condenado à morte na carne, mas vivificado pelo Espírito. " 1 Timóteo 3:16 , ele disse ter sido" justificado no Espírito "na maioria destas passagens não é o mesmo contraste percebido entre a sua carne, sua natureza humana, e seu outro estado, que ocorre em. Romanos 1: 3-4 . Em todos esses casos, o projeto é, sem dúvida, a falar dele como um homem, e como algo mais do que um homem: era uma coisa como um homem; ele era outra coisa em sua outra natureza. No primeiro, ele era de Davi; foi condenado à morte, etc. No outro, ele era de Deus, ele se manifestou para ser tal, ele foi restaurado para a elevação que ele havia sofrido antes de sua encarnação e da morte, João 17: 1-5 ; Philemon 2: 2 -11 . A expressão "segundo o Espírito de santidade," não faz, de facto, por si só implica a divindade.Isso denota que a santa e mais exaltada natureza que ele possuía distinta da humana. O que é isso, é para ser aprendido com outras declarações. "Esta expressão significa simplesmente que ele era de molde a tornar adequada a denominação, o Filho de Deus." Outros locais, como vimos, mostram que essa designação naturalmente implícita divindade. E que esta era a verdadeira idéia formulada sob a expressão, de acordo com o Espírito de santidade, a partir desses numerosos textos da Escritura que afirmam explicitamente sua divindade; ver João 1: 1 , etc., e as notas sobre esse lugar.

Pela ressurreição dentre os mortos - Este facto foi também diversamente compreendido. Alguns têm sustentado que a palavra "por," ἐξ exdenotes depois. Ele foi declarado ser o Filho de Deus em poder, depois que ressuscitou dentre os mortos; isto é, ele foi solenemente investido com a dignidade que se tornou o Filho de Deus, depois de ter passado tanto tempo em um estado de humilhação voluntária. Mas este ponto de vista, existem algumas objeções insuperáveis.

(1) não é o significado natural e comum da palavra "por".

(2) não é o objeto do apóstolo para indicar o momento em que a coisa foi feita, ou a ordem, mas, evidentemente, para declarar a verdade, e as provas do fato. Se tal tivesse sido o seu design, ele teria dito que antes de sua morte, ele mostrou ser da descendência de David, mas depois que ele foi investido com o poder.

(3) que deve-se admitir que a preposição "por, ἐξ exsometimes significa depois ( Mateus 19:20 ; Lucas 08:27 ;. Xxiii 8, etc.), mas o seu significado próprio e usual é para denotar a causa eficiente, ou o agente, ou a origem de uma coisa, Matthew 1: 3 , Mateus 1:18 ; Mateus 21:25 ; João 3: 5 ; Romanos 5:16 ; Romanos 11:36 , "dele são todas as coisas." 1 Coríntios 8: 6 , "só Deus, o Pai, de quem são todas as coisas", etc. neste sentido, acho que é usado aqui; e que os meios apóstolo afirmar que ele estava claramente ou decisivamente mostrado ser o Filho de Deus pela sua ressurreição dentre os mortos.

Mas aqui é que vai ser perguntado, como é que a sua ressurreição mostrar isso? não estava Lázaro ressuscitou dentre os mortos? E não muitos santos subir também depois de Jesus? E não foram mortos levantada pelos apóstolos; por Elias, pelos ossos de Eliseu, e pelo próprio Cristo? E fez o que está sendo levantada provar que eram os filhos de Deus? Eu respondo que o simples facto da ressurreição do corpo não prova nada em si mesmo sobre o caráter ea classificação do ser que é gerado. Mas, nas circunstâncias em que Jesus foi colocado, pode mostrá-la de forma conclusiva. Quando Lázaro ressuscitou, não foi no atestado de qualquer coisa que ele havia ensinado ou feito. Foi uma mera exibição do poder e da benevolência de Cristo. Mas no que diz respeito à ressurreição de Jesus, deixe as seguintes circunstâncias ser tidas em conta.

(1) ele veio como o Messias.

(2) ele uniformemente ensinado que ele era o Filho de Deus.

(3) ele afirmou que Deus era seu Pai em tal sentido como implicar a igualdade com ele, João 5: 17-30 ;João 10:36 .

(4) reivindicou autoridade para abolir as leis dos judeus, para mudar seus costumes, e ser-se dispensado de obedecer essas leis, mesmo que seu pai era, Marcos 2:28 .

(5) quando Deus o ressuscitou, portanto, não foi um evento comum. Foi "um certificado de público, em face do universo, da verdade de suas pretensões de ser o Filho de Deus." Deus não iria sancionar as obras e doutrinas de um impostor. E quando, portanto, ele ressuscitou a Jesus, que, por este ato, mostrou a verdade de suas reivindicações, que ele era o Filho de Deus.

Além disso, na visão dos apóstolos, a ressurreição estava intimamente ligado com a ascensão e exaltação de Jesus. A uma certa feito o outro. E não é improvável que, quando falou de sua ressurreição, que pretende incluir, não apenas aquele único ato, mas toda a série de ações de que esse foi o primeiro, e que era a promessa da elevação e majestade do Filho de Deus. Assim, quando eles tinham provado a sua ressurreição, eles assumiram que todos os outros se seguiriam. Que envolveu e supostamente todos. E a série, de que esse foi o primeiro, provou que ele era o Filho de Deus; vejaAtos 17:31 , "Ele julgará o mundo com justiça, por meio do varão que para isso ordenou, e disso tem dado certeza a todas as pessoas," em que o ressuscitou dentre os mortos "Aquele envolve a outra.; vejaAtos 1: 6 . Assim, Peter Atos 2: 22-32 tendo provado que Jesus foi levantado, acrescenta, Atos 2:33 ", portanto, sendo pela mão direita exaltado, ele derramou isto", etc .; e Atos 2:36 , "Portanto, que toda a casa de Israel saiba com certeza que Deus fez esse mesmo Jesus, a quem vós crucificastes, Senhor e Cristo."

Este verso é um exemplo notável da forma "apóstolo" de Paulo da escrita. Tendo mencionado um assunto, sua mente parece pegar fogo; ele apresenta-lo em novas formas, e amplifica-lo, até que ele parece esquecer por um tempo, o assunto sobre o qual ele estava escrevendo. É por essa causa que seus escritos são abundantes assim com parênteses, e que não há tanta dificuldade em acompanhar e compreendê-lo.

verso 5

Por quem - o apóstolo aqui retorna ao tema da saudação dos romanos, e afirma-lhes sua autoridade para resolvê-los. Que ele tinha autoridade derivada do Senhor Jesus, e não do homem. Por este fato, que ele tinha recebido sua comissão apostólica, não do homem, mas pela autoridade direta de Jesus Cristo, Paulo, não raro, insistiu. Gálatas 1:12 , "porque eu não o recebi de homem algum, nem me foi ensinado, mas pela revelação de Jesus Cristo; " 1 Coríntios 15: 1-8 ; Ef 3: 1-3 .

Nós - O plural aqui é, provavelmente, colocar para o singular; veja Colossenses 4: 3 ; comparar Efésios 6: 19-20 . Era comum para aqueles que estavam vestidos com autoridade para se expressar dessa maneira. Talvez aqui, no entanto, ele se refere à natureza geral do ministério apostólico, como sendo derivado de Jesus Cristo, e projeta para assegurar os romanos que "ele" tinha recebido a comissão apostólica como os outros tinham. <Nós, "os apóstolos, receberam a nomeação de Jesus Cristo. <

A graça eo apostolado - Muitos supõem que este é uma figura de linguagem, "hendíade", pelo qual uma coisa é expressa por duas palavras, ou seja, a graça ou favor do ministério apostólico. Tal figura de linguagem é frequentemente utilizado. Mas pode dizer, como o faz, provavelmente, aqui, a duas coisas, a graça, ou o favor de Deus à sua própria alma, como uma questão pessoal; ea missão apostólica como uma coisa distinta. Ele muitas vezes, no entanto, fala do escritório do apostolado como uma questão de favor especial, Romanos 15: 15-16 ; Gálatas 2: 9 ; Efésios 3: 7-9 .

Para a obediência da fé - A fim de produzir, ou promover a obediência da fé; isto é, para induzi-los a tornar essa obediência a Deus que a fé produz. Há duas coisas, portanto, implícitas.

(1) que o design do evangelho e do apostolado é induzir os homens a obedecer a Deus.

(2) que a tendência de fé é produzir obediência. Não há verdadeira fé que não produz isso. Isto é afirmado constantemente no Novo Testamento, Romanos 15:18 ; Romanos 16:19 ; 2 Coríntios 7:15 ;Marcos 16: 15-16 ; Mateus 28: 18-19 . Esta foi a comissão especial que Paulo recebeu quando ele foi convertido, Atos 09:15 . Foi importante mostrar que a Comissão prorrogou, até agora, como ele estava agora dirigindo uma igreja distante que ele não tinha visto.

Por seu nome - Isto significa provavelmente "em sua conta", isto é, por causa de Cristo, João 14: 13-14; João 16: 23-24 . O design do apostolado era produzir obediência ao evangelho entre todas as nações, que, assim, o nome de Jesus pode ser honrado. O seu trabalho não era aquele em que eles estavam procurando honrar a si mesmos, mas foi apenas para a honra e glória de Jesus Cristo. Para ele, eles trabalharam, eles encontraram perigos, eles expuseram as suas vidas, porque ao fazê-lo, pode levar as pessoas a obedecer ao evangelho, e, portanto, Jesus Cristo pode usar uma coroa brilhante e ser atendido por um trem mais e mais esplêndido de adoradores em o reino de sua glória.

verso 6

Entre os quais - Ou seja, entre os gentios que se tornaram obedientes à fé cristã de acordo com o projeto do Evangelho, Romanos 1: 8 . Isto prova que a igreja de Roma era composta, em parte, pelo menos, se não principalmente, dos gentios ou pagãos. Isso está totalmente provado no XVI. capítulo pelos nomes das pessoas a quem Paulo saúda.

O chamado de Jesus Cristo - Aqueles a quem Jesus Cristo chamou para sermos seus seguidores. A palavra "chamado" (veja Romanos 1: 1 ) não indica meramente um convite externo ao privilégio, mas também denota a chamada "interno" ou "eficaz" que assegura a conformidade com a vontade daquele que chama, e é assim sinónimo de o nome de cristãos, ou crentes. Que os verdadeiros cristãos são contemplados por este endereço, é claro de todo o âmbito da Epístola; ver especialmente Philemon 3:14 ; Hebreus 3: 1 .

verso 7

Para todos os que estais em Roma - isto é, para todos os que carregam o nome cristão. Talvez ele aqui incluída não só a igreja em Roma, mas todos os que possam ter estado lá do exterior. Roma era um lugar de vasta multidão para estrangeiros; e Paul, provavelmente, dirigida a todos os que se encontravam ali.

Amados de Deus - a quem Deus ama. Este é o privilégio de todos os cristãos. E isso prova que as pessoas a quem Paulo abordados foram "não" aqueles apenas que havia sido convidado para os privilégios externos do evangelho. A importância desta observação aparecerá no progresso dessas notas.

Chamados a ser santos - assim chamada, ou influenciado por Deus que os havia chamado, como para se tornar santos. A palavra "santos", ἅγιοι hagioimeans os que são santos, ou aqueles que são dedicados ou consagrados a Deus. A ideia radical da palavra é o que está separado de um uso comum para uso sagrado e respostas com a palavra hebraica, קדושׁ qadowshIt é aplicado a qualquer coisa que é separado para o serviço de Deus, ao templo, para os sacrifícios, para os utensílios sobre o templo, ao vestuário, etc. dos sacerdotes, e aos próprios sacerdotes. Aplicou-se aos judeus como um povo separado de outras nações, e dedicou ou consagrada a Deus, enquanto que outras nações foram dedicados ao serviço dos ídolos. Ele também é aplicada aos cristãos, como sendo um povo dedicado ou separado para o serviço de Deus. A ideia radical, em seguida, aplicado aos cristãos, é que "eles são separados dos outros homens e outros objetos e perseguições, e consagrada ao serviço de Deus." Esta é a característica especial dos santos. E esta característica os cristãos romanos tinham mostrado. Para o uso da palavra, como dito acima, consulte as seguintes passagens das escrituras; Lucas 02:23 ;Êxodo 13: 2 , Romanos 11:16 ; Mateus 7: 6 ; 1 Pedro 1:16 ; Atos 09:13 ; 1 Pedro 2: 5 ; Atos 3:21 ,Efésios 3: 5 ; 1 Pedro 2: 9 ; Philemon 2:15 ; 1 João 3: 1-2 .

Graça - Esta palavra significa propriamente "favor." É muito frequentemente usada no Novo Testamento, e é empregado no sentido de benignidade ou benevolência; felicidade, ou de um estado próspero dos negócios; a religião cristã, como a mais alta expressão da benevolência ou favor de Deus; a felicidade que o cristianismo confere aos seus amigos neste e da vida futura; o ofício apostólico; caridade, ou esmolas; Ação de graças; alegria ou prazer; e os benefícios produzidos no coração e na vida do cristão pela religião - a graça da mansidão, paciência, caridade, etc., ". Schleusner" Neste lugar, e em locais semelhantes no início das epístolas apostólicas, parece ser um palavra, incluindo todas as bênçãos que são aplicáveis ​​aos cristãos em comum; denotando um desejo ardente de que todas as misericórdias e favores de Deus para o tempo ea eternidade, misturados sob a graça nome geral, podem ser atribuídos a eles. É para ser entendido como conectado com uma palavra implicando invocação. Eu oro, ou eu desejo, para que a graça, etc. podem ser atribuídos a você. É a forma habitual de saudação em quase todas as epístolas apostólicas; 1 Coríntios 1: 3 ; 2 Coríntios 1: 2 ; Gálatas 1: 3 ; Efésios 1: 2 ; Philemon 1: 2 ; Colossenses 1: 2 ; 1 Tessalonicenses 1: 1 ; 2 Tessalonicenses 1: 2 ; Philemon 1: 3 .

E a paz - paz é o estado da liberdade de guerra. Como a guerra transmite a idéia de discórdia e calamidades inumeráveis ​​e perigos, por isso, a paz é o oposto, e transmite a idéia de concórdia, segurança e prosperidade. Assim, para desejar uma paz era o mesmo que desejar-lhe toda a segurança e prosperidade. Esta forma de saudação era comum entre os hebreus. Gênesis 43:23 , "paz a você!não temas, " Juízes 6:23 ; Juízes 19:20 ; Lucas 24:36 . Mas a palavra "paz" também é usado em contraste com esse estado de agitação e conflito que um pecador tem com sua consciência. e com Deus. O pecador é como o mar agitado, que não pode descansar, Isaías 57:20 . O cristão está em paz com Deus, por nosso Senhor Jesus Cristo, Romanos 5: 1 . Por esta palavra, denotando a reconciliação com Deus, as bênçãos da religião cristã são freqüentemente descritos nas escrituras, Romanos 8: 6 ;Romanos 14:17 ; Romanos 15:13 ; Gálatas 5:22 ; Philemon 4: 7 . Uma oração para a paz, portanto, nas epístolas, não é uma simples saudação formal, mas tem uma referência especial a essas bênçãos "espirituais" que resultam de reconciliação com Deus através do Senhor Jesus Cristo.

De Deus nosso Pai - O Pai de todos os cristãos. Ele é o Pai de todas as suas criaturas, pois eles são seus descendentes, Atos 17: 28-29 . Ele é especialmente o Pai de todos os cristãos, como eles têm sido "gerado por ele para uma viva esperança," foram adotados em sua família, e são semelhantes a ele; Mateus 5:45 ; 1 Pedro 1: 3 ; 1 João 5: 1 ; 1 João 3: 1-2 . A expressão aqui é equivalente a uma oração que Deus, o Pai iria conceder graça e paz na romanos. Isso implica que essas bênçãos procedem de Deus, e são de se esperar dele.

E do Senhor Jesus Cristo - A partir dele. O Senhor Jesus Cristo é especialmente considerada no Novo Testamento como a fonte de paz, eo procurador do mesmo; veja Lucas 2:14 ; Lc 19:38 , Lucas 19:42 ;João 14:27 ; João 16:33 ; Atos 10:36 ; Romanos 5: 1 ; Efésios 2:17 . Cada um desses lugares vai mostrar com o que a paz decoro foi chamado do Senhor Jesus. De ligando assim o Senhor Jesus com o Pai neste lugar, podemos ver,

(1) que o apóstolo considerou-o como a fonte de graça e de paz como realmente como fez o Pai.

(2) ele introduziu-los na mesma conexão, e com referência ao bestowment das mesmas bênçãos.

(3) se a menção do Pai, neste contexto, implica uma oração a ele, ou um ato de adoração, a menção do Senhor Jesus implica a mesma coisa, e foi um ato de homenagem a ele.

(4) tudo isso mostra que sua mente estava familiarizado com a idéia de que ele era divino.

Nenhum homem iria introduzir o seu nome em tais conexões se ele não acreditava que ele era igual a Deus; comparar Filemon 2: 2-11 . É a partir desta maneira incidental e unstudied de expressão, que temos uma das provas mais marcantes da maneira pela qual os escritores sagrados considerados o Senhor Jesus Cristo.

Estes sete versos são uma frase. Eles são um exemplo notável da forma de Paul. O assunto é simplesmente uma saudação à igreja romana. Mas com a menção de algumas palavras simples, a mente de Paul parece pegar fogo, e vai queimar e arder com intensidade de sinal. Ele deixa o assunto imediatamente antes dele, e avança algum vasto pensamento que nos apavora, e nos corrige em contemplação, e nos envolve em dificuldade sobre o seu significado, e depois retorna ao seu assunto.Esta é a característica de sua grande mente; e é esta, entre outras coisas, que o torna tão difícil de interpretar seus escritos.

verso 8

Primeira - Em primeiro lugar, não no ponto de importância, mas antes de falar de outras coisas, ou antes de prosseguir com o projeto principal da Epístola.

Dou graças a Deus - o Deus, a quem adorar e servir. A expressão de agradecimento a Deus pela sua misericórdia para eles era adequado para conciliar seus sentimentos, e prepará-los para as verdades que ele estava prestes a se comunicar com eles. Ele mostrou o profundo interesse que ele tinha em seu bem-estar; ea felicidade que lhe daria para lhes fazer bem. É adequada para dar graças a Deus por suas misericórdias para com os outros, bem como a nós mesmos. Somos membros de uma grande família, e devemos torná-lo um assunto de ação de graças que ele confere quaisquer bênçãos e, especialmente, a bênção da salvação, sobre quaisquer mortais.

Através de Jesus Cristo - O dever de apresentar os nossos agradecimentos a Deus "através de" Cristo é muitas vezes prescrito no Novo Testamento, Efésios 5:20 ; Hebreus 13:15 ; compare João 14:14 . Cristo é o mediador entre Deus e os seres humanos ou o meio pelo qual devemos apresentar nossas orações e também a nossa ação de graças. Não devemos nos aproximar de Deus diretamente, mas através de um mediador em todos os momentos, dependendo dele para apresentar nossa causa perante o propiciatório; para interceder por nós lá; e para oferecer os desejos de nossa alma a Deus.Não é menos adequada para apresentar graças, em seu nome, ou através dele, do que é a oração. Ele fez o caminho para Deus acessível a nós, seja pela oração ou elogios; e é devido a "sua" misericórdia e graça que "qualquer" de nossos serviços são aceitáveis ​​a Deus.

Para todos vocês - Por conta de todos vós, isto é, de toda a igreja romana. Esta é uma evidência de que essa igreja, em seguida, foi notavelmente puro. Como as igrejas poucos têm havido dos quais um louvor semelhante poderia ser expressa.

Que a vossa fé - "Fé" é colocado aqui para o todo da religião, e significa o mesmo que a sua piedade.A fé é uma das principais coisas da religião; uma de suas primeiras exigências; e, portanto, significa a própria religião. A prontidão com que os romanos haviam abraçado o evangelho, a firmeza com que eles aderiram a ele, foi tão marcante, que era conhecido e celebrado em todos os lugares. A mesma coisa é afirmada deles em Romanos 16:19 : "Pois a vossa obediência é chegará ao conhecimento de todos os homens."

É falado - é celebrado, ou conhecido. Eles estavam na capital do Império Romano; em uma cidade notável pela sua maldade; e em uma cidade cuja influência se estendeu por toda parte. Era natural, portanto, que sua conversão notável a Deus deve ser comemorado em todos os lugares. A influência religiosa ou não de uma grande cidade será sentida por toda parte, e esta é uma razão pela qual os apóstolos pregaram o evangelho tanto em tais lugares.

Ao longo de todo o mundo - como dizemos, em todos os lugares; ou todo o Império Romano. O termo "mundo" é muitas vezes limitado assim nas escrituras; e aqui denota as partes do Império Romano, onde a igreja cristã foi estabelecida. Todas as igrejas ouviria da obra de Deus na capital, e ficaria contente nele; comparar Colossenses 1: 6 , Colossenses 1:23 ; João 12:19 . Não é imprópria para elogiar os cristãos, e para lembrá-los de sua influência; e, especialmente, para chamar à sua mente o grande poder que eles podem ter em outras igrejas e pessoas. Nem é impróprio que grandes exibições da misericórdia divina deve ser comemorado em todos os lugares, e excitar nas igrejas louvar a Deus.

verso 9

Porque Deus é minha testemunha - A razão desta forte apelo a Deus é, para mostrar aos Romanos o profundo interesse que ele sentiu em seu bem-estar Este interesse foi manifestado em suas orações, e em seus desejos sinceros para vê-los. Um profundo interesse mostrado desta maneira era bem adequado para prepará-los para receber o que ele tinha a dizer a eles.

Quem sirvo - Ver Romanos 1: 1 ; compare Atos 17:23 . A expressão denota que ele foi dedicado a Deus desta maneira; que ele obedeceu; e tinha dado a si mesmo para fazer sua vontade em dar a conhecer o seu evangelho.

Com meu espírito - grega, ἐν Enin meu espírito, isto é, com a minha Não é um serviço externo meramente; "coração". é interna, real, sincero. Ele foi realmente e sinceramente dedicado ao serviço de Deus.

No evangelho de seu Filho - em dar a conhecer o evangelho, ou como um ministro do evangelho.

De que sem cessar - ἀδιαλείπτως adialeiptōsThis palavra significa sempre, sempre, sem intervalo.Não foi apenas uma vez, mas repetidamente. Tinha sido o fardo de suas orações. A mesma coisa que ele menciona também em relação a outras igrejas, 1 Tessalonicenses 1: 3 ; 1 Tessalonicenses 2:13 .

Faço menção - eu chamo-lhe à lembrança, e apresentar seu caso diante de Deus. Isso evidenciou o seu notável interesse em uma igreja que ele nunca tinha visto, e isso mostra que Paulo era um homem de oração; orando não para seus amigos e só parentes, mas por aqueles que ele nunca tinha visto. Se com a mesma intensidade de oração todos os cristãos e ministros cristãos, recordaria as igrejas, o que é um aspecto diferente que a igreja cristã em breve assumir!

Sempre - Esta palavra deve ser conectado com o seguinte verso: "Sempre fazer pedido", etc.

verso 10

Fazendo pedido - Era seu desejo sincero de vê-los, e ele apresentou o assunto diante de Deus.

Se por qualquer meio - Isso mostra o desejo ardente que ele tinha que vê-los, e implica que se havia projetado, e que tinha sido prejudicados; veja Romanos 1:13 .

Agora, finalmente - Ele tinha o propósito isso há muito tempo, mas foi prejudicada. Ele sem dúvida acarinhados esta finalidade por anos. As expressões em grego implica um desejo ardente de que este efeito há muito acalentado pode ser realizado antes do tempo.

Uma viagem próspera - Um cofre, agradável viagem. É direito de considerar todo o sucesso em viajar como dependente de Deus, e rezar para o sucesso ea segurança do perigo. No entanto, todas essas orações não são respondidas de acordo com a letra da petição. A oração de Paulo de que seja pode ver os romanos foi concedida, mas de uma forma notável. Ele foi perseguido pelos judeus, e comparecerão diante do rei Agripa. Ele apelou para o imperador romano, e foi levado para lá em cadeias como um prisioneiro. No entanto, a viagem pode deste modo ter um efeito mais profundo sobre os romanos, que se tivesse ido de qualquer outra forma. Em tão misterioso uma maneira que Deus muitas vezes ouvir as orações de seu povo; e, apesar de suas orações são respondidas, mas é no seu próprio tempo e forma; ver os últimos capítulos de Atos.

Pela vontade de Deus - Se Deus concede-lo; se Deus pela sua misericórdia, conceda-me o grande favor de minha vinda para você. Este é um modelo adequado de uma oração; e está de acordo com a direção da Bíblia; veja Tiago 4: 14-15 .

verso 11

Porque desejo muito ver-te - Eu sinceramente desejo de vê-lo; comparar Romanos 15:23 , Romanos 15:32 .

Para que eu possa dar - para que eu possa "dar", ou se comunicar com você.

Algum dom espiritual - Alguns têm entendido isso como uma referência a "dons milagrosos", que foi supostamente os apóstolos tinham o poder de conferir a outros. Mas esta interpretação é forçada e não natural. Não há caso em que essa expressão denota o poder de fazer milagres. Além disso, o apóstolo no versículo seguinte explica seu significado, "Que eu seja consolado em conjunto pela fé mútua", etc. Deste parece que ele desejava estar entre eles para exercer o cargo do ministério, para estabelecer-los em o evangelho e para confirmar suas esperanças. Ele esperava que a pregação do evangelho seria o meio de confirmá-los na fé; e desejava ser o meio de fazê-lo. Era um desejo de benevolência, e está de acordo com o que diz respeito à sua visita prevista em Romanos 15:29 : "E eu tenho certeza que quando eu chegar, irei na plenitude da bênção do evangelho de Cristo". Para dar a conhecer a eles mais plenamente as bênçãos do evangelho, e, portanto, para transmitir dons espirituais, foi o desenho que ele tinha em vista.

Para o fim ... - Com o projeto, ou propósito.

Ye pode ser estabelecida - Ou seja, que pode ser "confirmada" nas verdades do evangelho. Este foi um projeto do ministério, que os cristãos podem ser estabelecidos ou reforçados, Efésios 4:13 . Não é para ter domínio sempre a sua fé, mas para ser "ajudantes de sua alegria," 2 Coríntios 1:24 . Paul não tinha dúvidas de que esta parte do seu escritório pode ser cumprida entre os romanos, e ele estava desejoso há também de fazer uma prova completa de seu ministério. Seu desejo era pregar não apenas onde ele deve, mas onde ele poderia. Esta é a natureza do presente trabalho.

verso 12

Que eu seja consolado ... - Não era apenas para confirmar-lhes que Paulo queria vir. Ele procurou a comunhão dos santos; ele esperava ser o próprio edificado e fortalecido; e ser consolado por ver a sua força de fé, e seu rápido crescimento na graça. Podemos observar aqui,

(1) que um efeito da religião é produzir o desejo da comunhão dos santos. É a natureza do cristianismo para buscar a sociedade daqueles que são amigos de Cristo.

(2) nada é mais adequado para produzir crescimento na graça de tal comunhão. Todo cristão deve ter um ou mais amigos cristãos a quem possa unbosom si mesmo. Grande parte das dificuldades que jovens cristãos experiência desapareceria, se eles devem comunicar seus sentimentos e pontos de vista para os outros. Sentimentos que supõem nenhum cristão já teve, o que muito sofrimento deles, eles vão encontrar são comuns entre aqueles que têm experiência na vida cristã.

(3) não há nada mais adequado para excitar os sentimentos, e confirmar as esperanças de ministros cristãos, que a fé firme de jovens convertidos, de quem está começando a vida cristã, 3 João 1: 4 .

(4) o apóstolo não desdenhou a ser ensinada pelos mais humildes cristãos. Ele deverá ser fortaleceu-se pela fé daqueles apenas começando a vida cristã. "Não há ninguém tão pobre na igreja de Cristo, para que ele não pode fazer alguma adição de importância para nossas lojas", Calvin.

verso 13

Que muitas vezes propus - Ver Romanos 1:10 . Quantas vezes ele tinha este desígnio não temos meios de verificar. O fato, no entanto, que ele tinha feito isso, mostrou o seu forte desejo de vê-los, e para testemunhar os ecrãs da graça de Deus na capital do mundo romano; comparar Romanos 15: 23-24 . Um exemplo de sua tendo propósito de ir a Roma é registrado em Atos 19:21 : "Depois destas coisas foram terminou (ou seja, em Éfeso), Paulo propôs, em espírito, quando ele tinha passado pela Macedônia e Acaia para ir a Jerusalém; dizia: Depois de haver estado ali, me necessário ver também Roma. "Este propósito expresso desta forma, na Epístola, e os Atos dos Apóstolos, foi mostrado pelo Dr. Paley (Horae Paulina em Romanos 1:13 ) para ser uma daquelas coincidências imprevisto que mostram fortemente que ambos os livros são genuínos; comparar Romanos 15: 23-24 , com Atos 19:21. Um falsificador destes livros não teria pensamento de tal artifício como fingir tal propósito de ir a Roma na época, e para ter mencionado isso dessa forma. Tais coincidências estão entre as melhores provas que podem ser exigidas, que os escritores não pretendia impor ao mundo; veja Paley.

Mas foi deixe até então - A palavra "deixe" significa "impedir," ou para "obstruir". De que maneira isso foi feito, não sabemos, mas é provável que ele se refere às várias aberturas para a pregação do evangelho onde ele tinha estado, e as obstruções de vários tipos de os inimigos do evangelho para o cumprimento de seus propósitos.

Que eu poderia ter algum fruto entre vós - que eu poderia ser o meio da conversão dos pecadores e da edificação da igreja na capital do Império Romano. Não foi a curiosidade para ver a esplêndida capital do mundo que levou esse desejo; que não era o amor de viagens e de roaming a partir de clime para clime; era a finalidade específica de fazer o bem às almas dos seres humanos. "Ter fruto" significa obter sucesso em trazer os homens para o conhecimento de Cristo. Assim, o Salvador disse João 15:16: "Eu vos escolhi a vós, e vos nomeei que você deve dar fruto, eo vosso fruto permaneça."

Verse 14-15

Eu sou devedor - Isso não quer dizer que eles tinham conferido qualquer favor para ele, o que lhe obrigado a fazer esse retorno, mas que ele tinha a obrigação de pregar o evangelho a todos a quem foi possível. Esta obrigação surgiu a partir do favor que Deus lhe havia mostrado em nomeando-o para este trabalho. Ele foi especialmente escolhido como um vaso de suportar o Evangelho aos gentios Atos 09:15; Romanos 11:13 , e ele não sentia que ele tinha descarregado a obrigação até que ele tinha feito o evangelho conhecido tanto quanto possível entre todas as nações da Terra.

Para os gregos - Este termo denota adequadamente "os que habitavam na Grécia." Mas, como os gregos eram as pessoas mais polidas da Antiguidade, o termo passou a ser sinônimo de polido, refinado, o sábio, ao contrário de bárbaros. Neste lugar, sem dúvida, significa o mesmo que "o sábio", e inclui os romanos também, uma vez que não se pode supor que Paulo iria designar os romanos como bárbaros. Além disso, os romanos alegou uma origem da Grécia, e Dionísio Halicarnasso (livro i.) Mostra que o povo italiano e romanas eram de ascendência grega.

Bárbaros - Todos os que não foram incluídos sob o nome geral da gregos. Assim, Amônio diz que "todos os que não eram gregos eram bárbaros." Este termo "bárbaro", Βάρβαρος Barbarosproperly denota aquele que fala uma língua estrangeira, um estrangeiro, e os gregos aplicado a todos os que não usar a sua língua; compare 1 Coríntios 14:11 , "serei estrangeiro para aquele que fala, um bárbaro, etc. isto é, vou falar uma língua que ele não consegue entender. A palavra não, portanto, da necessidade designar qualquer rusticidade dos costumes, ou qualquer falta de refinamento.

Para o sábio - Para aqueles que se estima ser sábio, ou que se gabava de sua sabedoria. O termo é sinônimo de "os gregos", que se orgulhavam muito em sua sabedoria. 1 Coríntios 01:22 , "os gregos buscam sabedoria," comparar 1 Coríntios 1:19 ; 1 Coríntios 3: 18-19 ; 1 Coríntios 4 : 10 ; 2 Coríntios 11:19 .

Imprudente - Aqueles que eram considerados como parte ignorante e sem polimento da humanidade. A expressão é equivalente ao nosso,

Assim, tanto quanto está em mim - Quanto oportunidade pode ser oferecido, e de acordo com minha capacidade.

Estou pronto ... - Estou preparado para pregar entre vós, e para mostrar o poder do evangelho, mesmo nas esplêndidas metrópole do mundo. Ele não se intimidou por qualquer medo; nem era indiferente ao seu bem-estar; mas ele estava sob a direção de Deus. e, tanto quanto lhe deu oportunidade, ele estava pronto para dar a conhecer a eles o evangelho, como tinha feito em Antioquia, Éfeso, Atenas e Corinto.

Isso fecha a introdução ou prefácio à Epístola. Tendo mostrado o seu profundo interesse em seu bem-estar, ele continua no versículo seguinte a declarar-lhes as grandes doutrinas do Evangelho que ele estava desejoso de proclamar a eles.

verso 16

Para não me envergonho ... - Os judeus lançaram-off, e considerou-o como um apóstata; e pelos sábios entre os gentios que ele tinha sido perseguido e desprezado, e conduzido a partir de um lugar para outro, e considerado como o refugo do mundo, e a escória de todas as coisas 1 Coríntios 04:13 , mas ainda assim ele não se envergonhava o Evangelho. Ele tinha tão firme a convicção do seu valor e da sua verdade; ele tinha experimentado tanto das suas consolações; e tinha visto tanto da sua eficácia;que ele estava tão longe de ser vergonha disso que se vangloriou de que como o poder de Deus para salvação. As pessoas devem ter vergonha de crime e loucura. Eles têm vergonha de seus próprios crimes e das loucuras de sua conduta, quando eles vêm para refletir sobre isso. Mas eles não têm vergonha do que eles sentem de estar certo, e de que eles sabem irá contribuir para o seu bem-estar e para o benefício de seus semelhantes. Tais eram os pontos de vista de Paulo sobre o evangelho; e é uma das suas doutrinas favoritas que os que crêem em Cristo não serão confundidos, Romanos 10:11 ;Romanos 5: 5 ; 2 Coríntios 7:14 ; 2 Timóteo 1:12 ; Philemon 1:20 ; Romanos 9:33 ; 2 Timóteo 1: 8 ;comparar Marcos 8:38 ; 1 Pedro 4:16 ; 1 João 2:28 .

Do evangelho - Esta palavra significa "boas novas", ou a inteligência contente; consulte a nota no Mark 1: 1 . É assim chamado porque ele contém a anunciação contente que o pecado pode ser perdoado, e a alma salva.

De Cristo - A boa notícia com respeito ao Messias; ou qual o Messias trouxe. A expressão refere-se provavelmente ao primeiro, a boa notícia que se relaciona com o Messias, ao seu caráter, advento, pregação, morte, ressurreição e ascensão. Embora este foi "para os Judeus uma pedra de tropeço, e os gregos tolice", mas ele considerada como a única esperança de salvação, e estava pronto para pregá-lo mesmo na capital rica e esplêndida do mundo.

O poder de Deus - Esta expressão significa que é a maneira na qual Deus exerce seu poder na salvação de pessoas. É o plano eficaz ou poderosa, pelo qual o poder sai para salvar, e pelo qual todos os obstáculos da redenção do homem são levados embora. Esta expressão implica,

(1) Que é o plano de Deus, ou a sua nomeação. Não é o dispositivo de homem.

(2) que está adaptada para o fim. Ele é adequado para superar os obstáculos no caminho. Não é apenas o instrumento pelo qual Deus exerce o seu poder, mas tem uma adaptabilidade inerente ao fim, é adequada para realizar a salvação ao homem para que ele possa ser denominados de energia.

(3) é forte, portanto, é chamado de poder, eo poder de Deus. Se não é uma instrumentalidade fraco e ineficaz, mas é "poderoso para a destruição das fortalezas," 2 Coríntios 10: 4-5 . Ele tem mostrado seu poder como aplicável a todos os graus de pecado, para cada combinação de maldade. Ele foi contra os pecados do mundo, e evidencia seu poder para salvar os pecadores de todos os graus, e para superar e subjugar toda forma poderosa de iniqüidade, compare Jeremias 23:29 : "Não é a minha palavra como fogo? diz o Senhor; e como um martelo que esmiúça a rocha em pedaços? " 1 Coríntios 1:18 ," a palavra da cruz é para os que perecem, a loucura, mas para nós, que somos salvos, é o poder de Deus. "

Para a salvação - Esta palavra significa completa libertação do pecado e da morte, e todos os inimigos e perigos que afligem o homem. Ele não pode implicar nada menos do que a vida eterna. Se um homem deve acreditar e depois cair, ele poderia, em nenhum sentido correto ser dito para ser salvo. E, portanto, quando o apóstolo declara que é o poder de Deus para a salvação "para todo aquele que crê", isso implica que todos os que se tornam crentes "devem ser mantidos pelo poder de Deus através da fé para a salvação" (veja 1 Pedro 1: 5 ), e que ninguém jamais cair e ser perdidos. O apóstolo começa assim a sua discussão com uma das doutrinas importantes da religião cristã, a preservação final dos santos. Ele não está defendendo o evangelho para qualquer objeto temporário, ou com qualquer esperança temporária. Ele olha através do sistema, e vê nela um plano para a recuperação completa e eterna de todos aqueles que acreditam no Senhor Jesus Cristo. Quando ele diz que é o poder de Deus para salvação, ele significa que é o poder de Deus para a realização da salvação. Este é o fim, ou a concepção deste esforço de potência.

Para todo aquele que crê - Compare Marcos 16: 16-17 . Isto expressa a condição, ou os termos, em que a salvação é conferida por meio do evangelho. Não é indiscriminadamente a todas as pessoas, qualquer que seja seu caráter. É apenas para aqueles que confiar ou confiar nele; e é conferido a todos os que o recebem desta forma. Se esta qualificação é possuído, ele concede suas bênçãos livre e plenamente. Todas as pessoas sabem o que "fé" é. Ele é exercido quando se confia em um pai, um amigo, um benfeitor. É tal a recepção de uma promessa, uma verdade ou uma ameaça, como a sofrer-lo para fazer a sua impressão apropriado na mente, e de modo a levar-nos a agir sob a sua influência, ou para agir como deveríamos na suposição que é verdade. Assim, credita um pecador as ameaças de Deus, e medos. Esta é a fé. Ele credita suas promessas e esperanças. Esta é a fé. Ele sente que ele está perdido, e confia em Jesus Cristo para misericórdia. Esta é a fé. E, em geral, a fé é como uma impressão sobre a mente feita pela verdade como levar-nos a sentir e agir como se fosse verdade; ter os sentimentos apropriados, e pontos de vista, e de conduta sob os comandos e promessas e ameaças de Deus; consulte a nota no Marcos 16:16 .

Primeiro do judeu - Em primeiro lugar, a fim de tempo, não que o evangelho foi mais adaptada aos judeus do que outros; mas para eles tinham sido confiados os oráculos de Deus; o Messias tinha chegado através deles; eles tinham tido a Lei, o templo, e o serviço de Deus, e era natural que o evangelho deve ser proclamado a eles antes que fosse para os gentios. Esta foi a ordem em que o evangelho foi realmente pregado no mundo, primeiro aos judeus, e depois para os gentios. CompareMateus 10: 6 ; Lucas 24:49 ; Atos 13:46 , "Era necessário que a Palavra de Deus deve primeiro ter sido falado para você; mas vendo que vocês colocá-lo de você, e não vos julgais dignos da vida eterna, eis que nos voltamos para os gentios. "Compare Mateus 21:43 .

E também do grego - Para todos os que eram nem judeus, isto é, para todo o mundo. Era nem confinado em sua intenção ou a eficácia de qualquer classe ou nação de pessoas. Foi adaptado a todos, e foi concebido para ser estendida a todos.

verso 17

Para - Esta palavra implica que ele está prestes a dar uma "razão" para o que ele tinha acabado de dizer, uma razão pela qual ele não estava me envergonho do evangelho de Cristo. Essa razão é indicado neste versículo. Ele encarna a substância de tudo o que está contido na Epístola. É a doutrina que ele pretende estabelecer; e não há talvez uma passagem mais importante na Bíblia do que este verso; um ou mais difíceis de serem compreendidos.

Aí - Nele, ἐν οὕτῳ en houtōthat é, no evangelho.

É a justiça de Deus - δικαιοσύνη Θεοῦ dikaiosune TheouThere não é uma expressão mais importante a ser encontrada na Epístola do que isso. Ele é capaz de apenas as seguintes interpretações.

(1) Alguns disseram que isso significa que o atributo de Deus, que é denominada justiça ou a justiça, é aqui apresentado. Supôs-se que este foi o desenho do evangelho para fazer este conhecido; ou para demonstrar a sua justiça à sua maneira de salvar pessoas. Há um sentido importante em que isso é verdade Romanos 3:26 . Mas isso não parece ser o significado na passagem antes de nós. Para,

(a) O design líder do evangelho não é para demonstrar a justiça de Deus, ou o atributo da justiça, mas o amor de Deus; veja João 3:16 ; Efésios 2: 4 ; 2 Tessalonicenses 2:16 ; 1 João 4: 8 .

(B) O atributo da justiça não é o que é evidenciado principalmente no evangelho. É bastante misericórdia ", ou mercê de uma maneira consistente com a justiça", ou que não interfere com a justiça.

(C) A passagem, portanto, não é projetado para ensinar simplesmente que a justiça de Deus, como um atributo, é trazido no evangelho, ou que a idéia principal é revelar a sua justiça.

(2) asecond interpretação que foi afixada a ele é, para torná-lo o mesmo que a bondade, a benevolência de Deus é revelada, etc. Mas para isso ainda há objeções mais fortes. Para.

(A) Não comportar com o design do argumento do apóstolo.

(B) É um afastamento do significado estabelecido da palavra "justiça", ea frase "a justiça de Deus."

(C) Se isso tivesse sido o design, é notável que as palavras habituais expressivos de bondade ou misericórdia não tinham sido utilizados. Outro significado, portanto, deve ser procurada como expressando o sentido da frase.

(3) a expressão "justiça de Deus" é equivalente a "plano de justificar o povo de Deus; seu esquema de declarar-los apenas aos olhos da lei; . Ou absolvendo-os de punição, e admitindo-los para favorecer "Neste sentido, ela se opõe ao plano de homem de justificação, ou seja, por suas próprias obras: o plano de Deus é pela fé. A maneira em que o que é feito é revelado no evangelho. O objeto contemplado a ser feito é tratar as pessoas como se fossem justos. Homem tentou fazer isso pela obediência à Lei. O plano de Deus era chegar a ele pela fé. Aqui os dois esquemas diferentes; e o grande projeto desta Epístola é mostrar que o homem não pode ser justificada com o seu próprio plano, a saber, pelas obras; e que o plano de Deus é a única maneira, e uma maneira sábia e gloriosa de fazer o homem apenas no olho da lei. "Como pode mortais o homem para com Deus" grande parte da perplexidade normalmente assistir a este assunto será evitado se for lembrado que a discussão nesta epístola diz respeito à pergunta, o apóstolo mostra que ele não pode ser pelas obras; e que "pode ​​ser" pela fé. Este último é o que ele chama de "justiça de Deus", que se revela no evangelho.

Para ver que este é o significado, é necessária apenas para olhar para a conexão; e, no sentido habitual das palavras. A palavra para "justificar", δικαιόω dikaioōmeans adequadamente "para ser justo, ser inocente, para ser justo". Em seguida, ele significa "declarar", ou tratar como justo; como quando um homem é acusado de um delito. e é absolvido. Se o crime alegado não foi provado contra ele, ele é declarado pela Lei de ser inocente. Em seguida, ele significa "tratar como se inocente, a considerar como inocentes", isto é, a perdoar, a perdoar, e, consequentemente, para tratar como se a infracção não tivesse ocorrido. Isso não significa que o homem não cometeu a infracção; ou que a lei não poderia ter realizado o responsável por isso; mas que a ofensa é perdoado; e é consistente para receber o ofensor em favor, e tratá-lo como se ele não tivesse cometido. De que forma isso pode ser feito recai sobre aquele que tem o poder redentor. E no que diz respeito à salvação do homem, isso cabe exclusivamente com Deus. e deve ser feito dessa maneira única que nomeia e aprova. O projeto de Paulo nesta epístola é mostrar como isso é feito, ou para mostrar que é feito pela fé. Pode-se observar aqui que a expressão antes de nós não implica qualquer maneira particular em que é feito; ele não toca a questão de saber se é pela justiça imputada ou não; não dizer que é em princípios legais; ele simplesmente afirma "que o evangelho contém o plano de justificar as pessoas pela fé de Deus."

O significado primário da palavra é, portanto, "ser inocente, puro, etc." e, portanto, o nome significa "justiça" em geral. Para este uso da palavra, veja Mateus 3:15 ; Mateus 5: 6 , Mateus 5:10 , Mateus 05:20 ; Mateus 21:32 ; Lucas 1:75 ; Atos 10:35 ; Atos 13:10 ; Romanos 2 : 26 ; Romanos 8: 4 , etc.

No sentido de que perdoa o pecado, ou de tratar as pessoas como se fossem inocentes, com a condição de fé, é usado frequentemente, e especialmente nesta Epístola; veja Romanos 3:24 ,Romanos 3:26 , Romanos 3:28 , Romanos 3:30 ; Romanos 4: 5 ; Romanos 5: 1 ; Romanos 8:30 ;Gálatas 2:16 ; Gálatas 3: 8 , Gálatas 3:24 ; Romanos 3: 21-22 , Romanos 3:25 ; Romanos 4: 3 ,Romanos 4: 6 , Romanos 4:13 ; Romanos 9:30 , etc.

Ele é chamado de justiça "de Deus", porque é o plano de Deus, em distinção de todos os planos criados pelas pessoas. Originou-se por ele; ele difere de todas as outras; e afirma-o como seu autor, e tende a sua glória. Ele é chamado a sua justiça, pois é o caminho pelo qual ele recebe e trata as pessoas como justos. O mesmo plano foi predito em vários lugares onde a palavra "justiça" é quase sinónimo de "salvação," Isaías 56: 5 "Minha justiça está próximo, minha salvação já saiu;" Isaías 56: 6 , "Minha salvação durará para sempre , ea minha justiça não será abolida; " Isaías 56: 1 ," minha salvação está prestes a vir, ea minha justiça a manifestar; " Daniel 9:24 ," para expiar a iniqüidade, e trazer a justiça eterna. "

(Há ainda um outro sentido deitado na própria superfície da passagem, e adotado por quase todos os expositores evangélicos, segundo a qual "a justiça de Deus" é que a justiça, que Cristo deu certo em sua obediência ativa e passiva. Este é uma justiça que Deus concebeu, adquiridos, e aceitou. é, portanto, eminentemente dele. ele é imputada aos crentes, e por causa disso eles são mantidos justo aos olhos de Deus. é da maior importância que o verdadeiro significado de esta expressão levando ser preservada, porque se ele ser explicado, a doutrina da justiça imputada é afetado de forma relevante, como aparece em uma nota subsequente.

Que a frase deve ser entendida da justiça que Cristo obteve por sua obediência e morte, aparece a partir do sentido geral do termo original δικαιοσύνη dikaiosunēMr. Haldane em um comentário longo e elaborado em Romanos 3:21 , tem satisfatoriamente demonstrado que significa "justiça em abstrato, e também de conformidade com a lei", e que "sempre que se refere ao assunto da salvação do homem, e não é apenas um atributo pessoal da Divindade, significa que a justiça que, em conformidade com a sua justiça, Deus tenha nomeado e fornecido ".

Além disso, se a expressão ser entendida de "o plano de justificar os homens de Deus", teremos grande dificuldade em explicar as passagens paralelas. Eles não vai se curvar a qualquer princípio de interpretação, em Romanos 5:17 , essa justiça é falado como um "presente" que "receber", e nasRomanos 5:18 e Romanos 5:19 versos, a "justiça de um "e" obediência de um ", são usados ​​termos como conversível. Agora é fácil entender como a justiça que Cristo tem adquirido pela sua obediência, torna-se "um presente", mas "um plano de justificação" é dito de forma adequada a ser declarado, ou promulgado. Não se pode falar à luz de um presente recebido. A mesma observação aplica-se com ainda maior força para a passagem em 2 Coríntios 5:21 , "Para ele o fez pecado por nós aquele que não tinha pecado, para que nele fôssemos feitos justiça de Deus nele." Como isso aparecem passagem, se o "plano de justificação" foram substituídos por justiça de Deus?

Em Philemon 3: 9 , Paulo deseja ser encontrada em Cristo ". Não ter sua própria justiça, que é da terra, mas o que é através da fé em Cristo, a justiça que vem de Deus pela fé" não é seu a justiça que ele poderia alcançar por suas obras ou obediência, e não é a justiça de Cristo o que Jesus tinha obtido pela sua obediência?

Por último, em Romanos 10: 3 , a justiça de Deus é, portanto, contrário à justiça do homem ", eles não conhecendo a justiça de Deus e procurando estabelecer a sua própria justiça, não se sujeitaram à justiça de Deus." Agora o que é a justiça que as pessoas naturais buscar estabelecer, e que é especialmente chamado de "seu próprio?" Sem dúvida, é uma justiça fundada em suas próprias obras, e, portanto, o que está aqui adequadamente oposição a ele é uma justiça fundada na "obra de Deus. Veja Haldane, Hodge, Scott, Guyse, etc. "Este significado do termo fornece a chave para desbloquear" todas "as passagens em que ele é usado em conexão com a justificação do pecador, ao passo que qualquer outro sentido, no entanto, pode atender alguns lugares, será encontrado geralmente inaplicável.)

Em relação a este plano pode ser observado;

(1) Que não é declarar que as pessoas são inocentes e puros. Isso não seria verdade. A verdade é justamente o contrário; e Deus não estima os homens para ser diferente do que eles são.

(2) não é para participar com o pecador, e para mitigar suas ofensas. Admite-los na sua totalidade; e fá-lo sentir-los também.

(3) não é que nos tornamos participantes da justiça essencial de Deus. Isso é impossível.

(4) não é que sua justiça se torna nossa. Isso não é verdade; e não há nenhum sentido inteligível em que que pode ser compreendido.

(É verdade, que a justiça de Cristo não pode ser chamado a nossa no sentido do nosso ter realmente conseguido isso em nossas próprias pessoas. Esta é uma visão de imputação facilmente realizada ao ridículo, ainda não há um sentido em que a justiça de Cristo pode ser a nossa. Embora não tenha conseguido isso, mas ele pode ser colocado para a nossa conta que não serão justos, e tratado como tal. eu disse, primeiro, que será realizada justos, e, em seguida, tratada como tal , porque Deus trata nenhum tão justos que em algum sentido ou outro não são realmente tão Veja a nota na. Romanos 4: 3).

Mas é plano de Deus para que perdoa os pecados, e para o tratamento de nós como se não tivéssemos cometido; isto é, adotando-nos como filhos, e nos admitindo para o céu na terra do que o Senhor Jesus tem feito em nosso lugar. Este é o plano de Deus. As pessoas procuram para salvar-se por suas próprias obras. O plano de Deus é para salvá-los pelos méritos de Jesus Cristo.

Revelado - dado a conhecer, e comunicado. O evangelho afirma o fato de que Deus tem um plano desse tipo de justificação; e mostra a forma ou o modo em que pode ser feito. O fato parece ter sido entendido por Abraão e os patriarcas Romanos 3:22 , Romanos 3:30 ; Romanos 9:30 ; Romanos 9:32 ;Romanos 10: 6 , etc.

(5) a passagem que ele imediatamente cita mostra que ele não falou de diferentes graus de fé, mas da doutrina de que as pessoas devem ser justificados pela fé.

Para a fé - Unto aqueles que acreditam (compare Romanos 3:22 ); ou para todo aquele que crê,Romanos 1:16 . O resumo é aqui colocado para o concreto. Ele é projetado para expressar a idéia ", que o plano de pessoas que justificam de Deus se revela no evangelho, o qual plano é pela fé, e os benefícios de qual plano será alargado a todos os que têm fé, ou que crêem".

Como está escrito - Ver Habacuque 2: 4 .

O justo viverá pela fé - A Septuaginta traduz a passagem em Habacuque,

Viverá - Em Habacuque esta significa ser feito feliz, ou bem-aventurado; devem encontrar conforto e apoio, e libertação. Então, no evangelho as bênçãos da salvação são representados como a vida, a vida eterna. O pecado é representado como a morte, e o homem por natureza é representado como morto em delitos e pecados, Efésios 2: 1 . O evangelho restaura a vida e salvação, João 3:36 ; João 5:29 ,João 5:40 ; João 6:33 , João 6:51 , João 6:53 ; João 20:31 ; Atos 02:28 ; Romanos 5 : 18 ; Romanos 8: 6 . Esta expressão, portanto, não significa, como às vezes se supõe, o "justificados pela fé" viverá; mas é expressiva de um princípio geral em relação às pessoas, que devem ser defendidos, preservados, fez feliz, não por seus próprios méritos ou força, mas pela confiança em Deus. Este princípio é exatamente aplicável ao plano do evangelho da salvação. Aqueles que dependem de Deus, o Salvador deve ser justificado, e salvo.(notas Albert Barnes, coment. (N.T).

fonte www.avivamentonosul21.comunidades.net