Translate this Page

Rating: 3.0/5 (905 votos)



ONLINE
1




Partilhe este Site...

 

 

<

Flag Counter


teologia sistamatica historia da doutrina
teologia sistamatica historia da doutrina

                               HISTORIA DAS DOUTRINAS BIBLICAS E

                                   TEOLOGIA   SISTEMATICA. 

(Germ. Dogmengeschichte), um ramo especial da Teologia Histórica. 1. A concepção e definição de História das doutrinas cristãs dependem da concepção e definição do que constitui uma doutrina cristã (dogma). Para os cristãos evangélicos, que acreditam que nada deve ser recebido como doutrina cristã, mas o que é claramente ensinado na Palavra de Deus, a história da doutrina é a história dos esforços feitos por teólogos e denominações religiosas para desenvolver e moldar a substância do Christian fé em declarações doutrinárias; de desvios aos puros ensinamentos da Bíblia; e dos esforços para restaurar e defender a teologia da Bíblia. Os católicos romanos, que acreditam na sola infalibilidade de sua Igreja, e negam que ela já acrescentado nada com os ensinamentos de Jesus, definir história da doutrina como uma afirmação científica da maneira pela qual as várias doutrinas da Igreja têm sido discutidas, desenvolvido, e, finalmente, com autoridade definido. Para o racionalista, que não acredita na imutabilidade da palavra da Bíblia, a história das doutrinas nada mais é que uma história das controvérsias doutrinárias nas denominações cristãs. Do ponto de stand de teólogos evangélicos, a história das doutrinas tem um caráter apologético em relação à teologia da Bíblia; os teólogos católicos romanos torná-lo um pedido de desculpas de todas as doutrinas definidas pela Igreja, enquanto no tratamento de um autor Racionalista perderá o caráter de um ramo da teologia cristã, e aparecem como simplesmente histórica. Mas, embora a concepção e definição, e, conseqüentemente, o modo de tratamento e da divisão da matéria variar, todas as obras sobre a história das doutrinas abraçar a história das controvérsias que foram realizadas na Igreja cristã sobre questões doutrinárias.

2. No que diz respeito à relação da História das Doutrinas para outros ramos da ciência teológica, é, evidentemente, uma subdivisão da história da Igreja, tratados separadamente por conta de sua importância especial para os teólogos, e por causa de suas ramificações de largura. Ela pressupõe a teologia bíblica como base (ou como seu primeiro período). Como ele narra a formação e conteúdo do confissões públicas de fé, e os princípios que distinguem estabelecidos neles, forma-se a base de simbólica, ou teologia dogmática comparativa, que fica a ele na mesma relação como estatísticas da Igreja de qualquer período especial está para a história avançar da Igreja. Como os pareceres da proeminente, especialmente a mais antiga, pais da Igreja são de importância considerável na história de qualquer doutrina cristã, tem frequentemente ocasião para se referir aos resultados de Patrística (qv). Da "história das Heresias", o início terá sempre de ser notado em uma história abrangente da doutrina; seu maior progresso só na medida em que as heresias permanecem de importância para o mundo cristão em geral. Para uma "história geral da religião" pode ter, ocasionalmente, para se referir; e com a, história da filosofia e da história da ética cristã, pode às vezes têm que percorrer o mesmo terreno, embora neste último caso, ele vai tratar os mesmos assuntos de um ponto de vista diferente. Arqueologia, e o auxiliar ciências para a história da Igreja, como a história universal, filologia eclesiástica, cronologia eclesiástica, diplomática, etc., também ajuda em materiais de decoração.

3. O valor da História das Doutrinas, em um ponto de vista científico, é evidente. Embora a história de nenhuma doutrina pode ter uma influência decisiva na determinação da fé de um teólogo evangélico, que para esse fim procura exclusivamente a Bíblia, é para ele a parte mais importante da história da Igreja cristã, leva-o para um mais contemplação minuto e, freqüentemente, em uma visão mais profunda das doutrinas bíblicas, e fornece-o com armas poderosas, tanto apologéticas e polêmicas, contra as diversas formas de erro.

4. Os períodos da história das doutrinas foram diferentemente determinado pelos escritores sobre o assunto. Hagenbach assume os cinco períodos seguintes:

1. A Idade da apologética, a partir do encerramento da era apostólica à morte de Origen (AD 80-254).

2. The Age of Polêmica, a partir da morte de Orígenes a João Damasceno (254-730).

3. O Age of Systems, de João Damasceno à Reforma (Escolástica em seu sentido mais amplo) (730-1517).

4. O Age of polemico-eclesiástica Simbolismo (o conflito de confissões), desde a Reforma até o surgimento da filosofia de Leibniz e Wolf na Alemanha (1517-1720).

5. The Age of Criticism, da especulação e do antagonismo entre fé e conhecimento, Filosofia e Cristianismo, Razão e Revelação, incluindo as tentativas de reconciliar-los, desde o ano 1720 até os dias atuais. Divisão de Neander é:

 1. Para Gregório Magno.

2. Para a Reforma.

3. Desde a Reforma até o presente momento.

Minscher, Engelhardt, e Meier adotar a divisão em antigo, medieval, e os tempos modernos. Klee (Romanos Cath.) Coincide quase com Hagenbach.

 Baumgarten-Crusius (racionalista) adota em seu compêndio seis períodos:

 1. Para o Conselho de Nice; A formação do sistema de doutrinas pela reflexão e opinião.

 2. Para o Concílio de Calcedônia; Formação pela Igreja.

 3. Para Gregório VII; Confirmação do Sistema pela Hierarquia.

 4. Para o fim do século 15; Confirmação, pela Filosofia da Igreja.

 5. Para o início do século 18-; A purificação por partes.

 

6. Para o presente momento; A purificação por Science. Kliefoth (High-Igreja Luterana) divide da seguinte forma:

 1. Idade de Formação de Doutrinas

 

Grego 

Analítico 

Teologia 

2. Age of simbólica Unity

 Rom. Cath.

 Sintético

 Antropologia

 3. Age of Completion

 Protestante.

 Systymatic

 Soteriology

 4. Idade da Dissolução

Igreja

  

Rosenkranz (.. No seu Encyklop edição 2d Página 259) faz com que, de acordo com as categorias filosófico-dialético, a seguinte divisão:

 1. Período de conhecimento analítico, de sentimento substancial (Igreja grega).

 2. Período de conhecimento sintético, da objetividade pura (Roman Cath. Church).

 3. Período de conhecimento sistemático, que combina a análise e síntese na sua unidade, e manifesta-se nas etapas de ortodoxia simbólico, de crença subjetiva e descrença, e na idéia de teologia especulativa (Igreja Protestante).

 . 5 O ideal de uma história das doutrinas é dada da seguinte forma pelo Dr. HB Smith ( Bibliotheca Sacra , 4: 560 sq.): "Deve ser o objeto de uma história das doutrinas a ceder a mais verdadeira forma possível a ordem em que a verdade divina foi desdobrado na história da Igreja. Ele deve rastrear todo o curso da discussão doutrinária, dar as principais características de cada época, como distinguido de todas as outras, e no último show apenas onde o mundo está agora no discussão dos problemas que o cristianismo que lhe são apresentados. Deve ser um espelho fiel de toda a história doutrinal da Igreja. Ela deve interpretar cada escritor de acordo com o sentido da época em que viveu, e não trazer vistas subsequentes e noções modernas de explicar o significado que um antigo escritor deu a uma frase ou dogma. É preciso mostrar o que são os pontos de diferença nas controvérsias reiteradas sobre a mesma doutrina. É preciso distinguir cuidadosamente o espírito teológico e sistemática dos diferentes idades da Igreja, e não forçar um desenvolvimento subsequente após uma aera antecedente. Deve trazer para fora em relevo claro personagens influentes de cada idade, e, em expor os seus sistemas, a distinção entre as noções peculiares do indivíduo e o espírito geral de seu tempo. Ele deve mostrar como controvérsias sobre uma série de doutrinas têm modificado as opiniões defendidas respeitando outras doutrinas; como cada doutrina adquiriu um novo aspecto, de acordo com a sua posição na mente ou no sistema de um autor, ou em sua relação com as principais controvérsias da época. Deve mostrar quando um dogma foi realizada estritamente e quando vagamente; quando desconectado de um sistema e quando abraçado em um sistema. Deve cuidadosamente proteger contra o erro de supor que, quando uma doutrina não foi cuidadosamente discutido pelo intelecto curiosos e exigentes, não foi muito acalentado por uma questão de fé. Este é um erro em que muitos têm caído.

 Mas podemos muito bem supor que os homens não acreditar que tinham entendimento até que eles discutiram as operações desta faculdade, ou não confiou a seus sentidos até que eles inventaram uma teoria da sensação. Essa história deve mostrar a influência que os conselhos, confissões; e sistemas tem sobre os respectivos aeras; como precedente vezes levou a tais exposições da fé, e os tempos subseqüentes foram afetados por eles. Deve expor claramente as idéias dominantes, as noções de modelagem em cada sistema, e como cada idéia predominante tem modificado os componentes de todo o sistema. Ele não vai deixar de notar a influência que os hábitos e modos de pensamento, que grandes mudanças civis e políticos, que as diferentes escolas filosóficas tiveram sobre a formação dos dogmas nacionais; nem, por outro lado, será que vai deixar de notar como a fé cristã tem-se postas em prática e influenciado estes, por sua vez, se de fato o último não ser o ponto de vista que deve ter a precedência. Essa história deve, finalmente, apresentar diante de nossos olhos uma imagem de um processo histórico real da mesma forma que vem acontecendo, e quanto mais fiel é a todos os principais fatos do caso, o mais filosófico e completa que vai ser como uma história . Por tal uma exposição, todo o progresso doutrinal da Igreja Cristã sendo definido diante de nossos olhos, nós iremos, de comparar seus resultados com os nossos próprios sistemas, ser capaz de ver em que estamos com defeito, de um lado, e parcial; em que os nossos sistemas têm de ser reformados, cheio, ou castigado; como eles podem ser animado por uma nova vida, e recolher melhor nurture; e comparando os resultados com a Escritura, seremos capazes de ver o que as partes dos seus verdades sagradas foram menos discutido, quais os problemas que ainda permanecem para serem resolvidos, o que ainda está para ser feito, a fim de que nosso sistema divina da fé ser totalmente reproduzidos na vida da Igreja, a fim de que todas as suas verdades e doutrinas se destacam como distintamente e majestosamente na história da raça como fazem em que a revelação que foi dada para controlar e determinar esta história ".

 6. A história das doutrinas tem sido tratada como um ramo independente da ciência teológica só nos tempos modernos, mas alguns dos autores mais antigos da história da Igreja, bem como os teólogos, preparou o caminho para ele. Assim, as obras de Irineu, Hipólito, Orígenes e Tertuliano contra os hereges nos fornecem o material muito valioso. Muito, muito, é encontrada espalhada na literatura apologética e polêmica dos períodos anteriores e medievais da Igreja. A preparação mais definitiva para a história das doutrinas é encontrado nas obras dos teólogos católicos romanos Petavius ​​(Opus de theologicis Dogmatibus, 1644-1650), Thomassin (Dogmata Theologica, 1684-1689), e Dumesnil (Doctrina et Ecclesiae Disciplina, 1730 ), e do teólogo protestante Forbesius um Corse (Instructiones Historico-theologicae de Doctrina Christiana, 1703), que se comprometeu a revelar-se, especialmente em oposição ao cardeal Bellarmin, o acordo entre as doutrinas dos reformadores e as opiniões dos pais anteriores. A transição direta para o tratamento da história das doutrinas como uma ciência separada pode ser encontrada no prefácio de Semler ao Evangelische Glaubenslehre de JS Baumgarten (Halle, 1759-1760). A literatura de compêndios especiais e manuais da história das doutrinas começa no fim do século passado, e, mais recentemente, tornaram-se bastante abundante. A grande maioria dessas obras pertencem a literatura alemã, a apenas alguns trabalhos originais tendo surgido por escritores de outros países. As obras mais importantes sobre o assunto são os seguintes: SG Lange, Ausfuhrliche Geschichte der homens-cães (Leipzig, 1796, incompleto); J. Ch. Wundemann, Geschichte der christlichen Glaubenslehren, etc. (de Atanásio de Gregório, o Grande, 2 volumes, Leipz 1798-1799.); W. Miinscher, Handbuch der christl. Dogmengeschichte (4 volumes, Marburg, 1797-1809; apenas para o ano de 604, o primeiro tratamento no método pragmático) e Lehrbuch Christl der. Dogmengeschichte (Marburg, 1812; 3d edição revista e continuada por D. von Colln, Hupfeld e Neudecker, Cassel, 1832-1838, 3 volumes, 8vo;... Eng transl (Compêndio) por Murdock, New Haven, 1830, 12mo ); F. Munter (dinamarquês bispo), Handb. da anterior Hist. de Cristo. Doct. (1801 sq .; Germ transl por Evers, Gott 1802, 2 volumes, incompleto...); J. Ch.W. Augusti, Lehrb. christl der. Dogmengesch. (Editado por JGV Engelhardt, Erlang 1822-1823, 2 volumes.); FG Ruperti, Gesch. der homens-cães (Berlim, 1831); LFO Baumgarten-Crusius, Lehrbuch christl der. Dogmengesch. (Leipz. 1832, 2 volumes, 8vo) e Compendium der Dogmengesch. (Ed por Hase, Leipz.1840-46, 2 volumes.); CGH Lentz, Geschichte der christl. Dogmen (Helmst 1834-1835, 2 volumes.); JGV Engelhardt, Dogmengesch. (Neustadt, 1839, 2 volumes); FC Meyer, Lehrbuch der Dogmengesch. (Giessen, 1840, edição 2d por Gust Baur, 1854..); KR Hagenbach, der Lehrbuch Dogmengeschichte (Leipz 1840, 5ª edição 1867;.... Engl transl por CWBuch, Edimburgo, 1846, 3d edição 1858;.. O transl Inglês revista, com grandes adições da 4ª edição alemã e outras fontes. , pela HB Smith, 2 volumes, Nova Iorque, 1861); FC Baur, Lehrb. christl der. Dogmengesch. (Stuttg. 1849, ed 3d. Tubing. 1867), e Vorlesungen uber christl die. Dogmengesch. (Edit por seu filho, FF Baur, 3 volumes, Leipz 1866-1867..); Karl Beck, Lehrb. christl der. Dogmengesch. (Weimar, de 1848, edição 2d 1864.); Marheineke, Christl. Dogmengesch. (Editado por Matthies e Vatke, sendo o quarto volume das obras completas de Marheineke, Berlim, 1849); L. Noack, christl Die. Dogmengesch. (Erlangen, 1852, edição 2d 1856.); JCL Gieseler, Dogmengeschichte (ed por Redepenning, Bonn, 1855, 8vo.); Neander, Christl. Dogmengesch. (Ed pelo Dr. JL Jacobi 2 volumes, 8vo, Berl 1857-8;..... Eng transl por Ryland, na biblioteca do Bohn, 2 volumes, 12mo, Lond 1.858.); H. Schmid, Lehr. der Dogmengesch. (Noirdlingen, 1860, 2ª ed. 1868). As únicas obras recentes sobre o assunto por autores católicos romanos são aqueles por Klee, Lehrbuck der Dogmengeschichte (Mainz, 1837-1838, 2 volumes); e Schwane, Dogmengesch. patrist der. Zeit (do período 325-787, Munster, 2 partes, 1866-1867).

 Sem copiosa ou completa história das doutrinas foi produzido na Inglaterra; mas os grandes escritores da Igreja Inglês, no tratamento de tópicos especiais, foram amplamente ilustrado-las da história. "Embora compreendendo nenhuma história contínua e toda da doutrina cristã, e até mesmo quando se investiga um assunto particular, muitas vezes fazendo isso por acaso, os trabalhos de Hooker e Bull, de Pearson e Waterland, são todos os sentidos digno de ser colocado ao lado daqueles de Baur e Dorner . A aprendizagem é tão ampla e precisa, a compreensão lógica é tão poderoso, eo julgamento mais do que igual "(Shedd, Pref. 7). O escritor que acabamos de citar, tem a honra de ter produzido um dos primeiros livros da classe em Inglês e Literatura (A História da Doutrina Cristã, por William GT Shedd, DD, New York, C. Scribner, 3d ed. 1865, 2 volumes, 8vo). Este trabalho é sincero, luminoso; e capaz por toda parte, embora não visa um tratamento completo de todos os tópicos na teologia cristã. . "Ele dá os resultados de leitura extensiva, e as analogias de um paciente e pensador devoto Segurando com firmeza para a grande teologia puritana, Dr. Shedd mostra o domínio da especulação moderno alemão, e enquanto suas páginas não estão sobrecarregados com anotações, ou enriquecida com extratos laboriosamente recolhidos com que Hagenbach ou Gieseler nos favorecem, a essência de todas as controvérsias é bem indicado "(British Quarterly, de abril de 1865, página 326). O único outro trabalho da classe em Inglês literatura é Teologia Histórica, uma revisão das principais discussões doutrinais da Igreja cristã desde a Idade Apostólica, por William Cunningham, DD, diretor da New College, Edinburgh (2ª ed. 1864, 2 volumes , 8vo). Esta é uma obra póstuma, editada a partir de palestras de faculdade do Dr. Cunningham por seus executores literários. É claro que não tem a compacidade ou o acabamento que ele poderia ter tido se preparado para a imprensa pelo próprio autor; mas é, no entanto, um contributo muito valioso para a teologia histórica.

 A história dos credos e confissões de fé, no que concerne aos princípios doutrinários estabelecidos neles, pertence à história da doutrina; mas agora é geralmente tratado como um ramo separado da teologia histórica, sob o nome de Symbolics. (Veja CONFESSIONS ); (Ver CREEDS ); (Ver SYMBOLICS ).

  As tabelas que exibem a história das doutrinas foram publicados por Hagenbach, Tabellarische Uebersicht der Dogmengeschichte bis aufdie.Reformation (Basileia, 1828); Vorlander, Tabell.-bersichtliche Darstellung der Dogmengesch. (Hamburgo, 1835-1855, 3 peças); Lange, Tab. der Kirch.-u. Dogmengesch. (Jena, 1831).

 FONTE ENCICLOPEDIA bíblica, teológica e Literatura Eclesiástica 1870

FONTE WWW.ESTUDARHISTORIADAIGREJA.BLOGSPOT.COM