Translate this Page

Rating: 3.0/5 (907 votos)



ONLINE
3




Partilhe este Site...

 

 

<

Flag Counter


Teologia Sistematica Cristologia
Teologia Sistematica Cristologia

                         TEOLOGIA SISTEMATICA

                                   CRISTOLOGIA

                                CHARLES HODGE

 

  1. Testemunho do Antigo Testamento.
  2. Características gerais do ensino do Novo Testamento a respeito de Cristo.
  3. Particulares passagens que ensinam a divindade de Cristo.
  4. Testemunho do Antigo Testamento.

 

    A doutrina da redenção é a doutrina distintiva da Bíblia. A pessoa ea obra do Redentor é, portanto, o grande tema dos escritores sagrados. A partir da natureza do trabalho que ele estava para realizar, era necessário que Ele deveria ser ao mesmo tempo Deus e homem. Ele deve participar da natureza daqueles que Ele veio para redimir; e têm poder para subjugar todo mal e dignidade para dar valor à sua obediência e sofrimentos. Desde o início até o fim, portanto, do volume sagrado, do Gênesis ao Apocalipse, um Godman Redentor é tido como o objeto da suprema reverência, amor e confiança para as crianças que perecem dos homens. É absolutamente impossível apresentar um dízimo das provas que as Escrituras contêm a verdade desta doutrina. É a Bíblia o que a alma é para o corpo - a sua vida e que tudo permeia princípio, sem a qual as Escrituras são um sistema de frio, sem vida, da história e preceitos morais. Parece, portanto, de ser uma obra de supererogation para provar aos cristãos a divindade de seu Redentor. É como provar o sol para ser a fonte de luz e de calor para o sistema do qual ele é o centro. Ainda como há homens, que professam ser cristãos, que negam esta doutrina, como tem havido, e ainda são homens, que fazem o sol um mero satélite da terra, é necessário que uma parte, pelo menos, dos elementos de prova pelo qual esta grande verdade é provado deve ser apresentado, e deve estar no comando para resistir aos opositores.

 

O Protevangelium.

 

    Imediatamente após a apostasia de nossos primeiros pais, foi anunciado que a semente da mulher ferirá a cabeça da serpente. O significado dessa promessa e previsão deve ser determinado pelas revelações posteriores. Quando interpretada à luz das Escrituras si, é manifesto que a semente da mulher, o Redentor, e que hematomas na cabeça serpentes significa o seu triunfo final sobre os poderes das trevas. Neste Protevangelium, como sempre tem sido chamado, temos a revelação alvorecer da humanidade e divindade do grande libertador. Como semente da mulher sua humanidade está claramente afirmado, ea natureza do triunfo que ele estava a efectuar, na subjugação de Satanás, prova que ele era para ser uma pessoa divina. No grande conflito entre o bem eo mal, entre o reino da luz e do reino das trevas, entre Cristo e Belial, entre Deus e Satanás, aquele que triunfa sobre Satanás, é, e não pode ser nada menos do que divina. Nos primeiros livros da Escritura, mesmo em Gênesis, temos indícios, portanto, claros de duas grandes verdades; em primeiro lugar, que há uma pluralidade de pessoas na Divindade; e em segundo lugar, que uma dessas pessoas é especialmente preocupados na salvação dos homens, - em sua orientação, o governo, instrução e libertação final de todos os males de sua apostasia. A linguagem empregada no registro da criação do homem, "Façamos o homem, à nossa imagem, conforme a nossa semelhança", não admite explicação satisfatória diferente do fornecido pela doutrina da Trindade.

 

Senhor eo Anjo Jeová.

 

    Nesta revelação primária e fundamental dessa grande verdade todas as revelações posteriores das Escrituras são fundadas. Como há mais de uma pessoa na Divindade, encontramos uma só vez a distinção entre Jeová como o mensageiro, um mediador, e Jeová como Aquele que envia, entre o Pai eo Filho, como co-iguais, as pessoas co-eternas, que atravessa a Bíblia, com clareza cada vez maior. Esta não é uma interpretação arbitrária ou não autorizada das Escrituras do Antigo Testamento. Em Lucas XXIV. 27, diz-se de nosso Senhor, que "começando por Moisés e todos os profetas, explicou-lhes em todas as Escrituras as coisas referentes a si mesmo." portanto, Moisés fez testemunhar de Cristo; e temos um terreno certeza em que descansar na interpretação das passagens do Antigo Testamento, que estabeleceu a pessoa e obra do grande libertador, como referindo-se a Cristo.

 

    Aquele que foi prometido a Adam como a semente da mulher, foi próxima declarada deve ser a semente de Abraão. Que este não se refere a seus descendentes coletivamente, mas a Cristo individualmente, sabemos a partir da afirmação direta do apóstolo (Gal. Iii. 16), e para o cumprimento da promessa. Não é através dos filhos de Abraão como uma nação, mas através de Cristo, que todas as nações da terra são abençoados. E a bênção referido, a promessa feita a Abraão, que, como diz o apóstolo, veio em cima de nós, é a promessa de redenção. portanto, Abraão viu o dia de Cristo e foi um prazer, e como nosso Senhor disse: Antes que Abraão existisse eu sou. Isto prova que a pessoa previu como a semente da mulher e, como a semente de Abraão, através de quem a redenção era para ser realizada, era para ser Deus e homem. Ele não poderia ser a semente de Abraão, a menos que um homem, e ele não poderia ser o Salvador dos homens a menos que Deus.

 

    Nós consequentemente encontrar em toda a menção constante Antigo Testamento feita de uma pessoa distinta da parte do Senhor, como uma pessoa, a quem não obstante os títulos, atributos e obras de Jehovoh são atribuídas. Esta pessoa é chamada a ~ yhOila /% a; l> m ;, hw'Ohy, ~ yIhOla / .. Ele afirma autoridade divina, exerce prerrogativas divinas, e recebe homenagem divina.. Se esta fosse uma questão casual, se em um ou dois casos, o mensageiro falou em nome daquele que o enviou, podemos supor que a pessoa assim designada era um anjo comum ou um ministro de Deus. Mas quando esta é uma representação que permeia da Bíblia; quando descobrimos que estes termos são aplicados, não em primeiro lugar para um, e depois para outro anjo indiscriminadamente, mas a um anjo particular; que a pessoa assim designada também é chamado o Filho de Deus, o Deus forte; que o trabalho atribuído a ele em outra parte é atribuída ao próprio Deus; e que no Novo Testamento, este manifestou o Senhor, que conduziu seu povo sob a economia do Antigo Testamento, é declarado ser o Filho de Deus, o lo, GOJ, que foi manifestado na carne, torna-se certo de que pelo anjo da Jeová nos primeiros livros da Escritura, devemos entender uma pessoa divina, distinta do Pai.

 

  1. O livro de Gênesis.

 

    Assim, logo em Gen. XVI. 7, o anjo do Senhor aparece a Agar e diz: "Eu multiplicarei a tua descendência, que não será contada, por numerosa." E Agar, diz-se, "chamou o nome do Senhor, que com ela falava: [ Attah el Roi ] Tu és Deus vês-me" (ver. 13). Este anjo, portanto, é declarado ser o Senhor, e promete que Deus só podia executar. Mais uma vez, em Gen. xviii. 1, diz-se, o Senhor apareceu a Abraão nas planícies de Mamre, que prometeu a ele o nascimento de Isaac. Em ver. 18 anos, ele é novamente chamado Jeová. Jeová disse: "Há alguma coisa difícil ao Senhor? Na hora marcada I voltará a ti .... E Sara terá um filho." Como os anjos se virou em direção a Sodoma, um deles, chamado Jeová, disse: "Devo esconder de Abraão o que eu faço?" e, "disse o Senhor: Porquanto o clamor de Sodoma e Gomorra se tem multiplicado, e porquanto o seu pecado se tem agravado muito, descerei agora e ver", etc., e de Abraão, acrescenta-se, se diante do Senhor. Através de toda a intercessão de Abraão em nome das cidades da planície, o anjo é mencionado como Adonai, um título dado apenas para o verdadeiro Deus, e fala como o Senhor, e assume a autoridade de Deus, perdoar ou punir como para ele parece apto. Quando a execução da sentença proferida em Sodoma é mencionado, é dito, "Senhor fez chover. ... Enxofre e fogo do Senhor do céu." No que diz respeito a esta e expressões notáveis ​​semelhantes, a questão não é, O que pode significar? Mas, o que eles significam? Tomado por si mesmos, eles podem ser explicados, mas tomada à luz das revelações ligadas de Deus sobre o assunto, torna-se evidente que Jeová destaca-se como uma pessoa de Jeová; e, portanto, que na Divindade há mais de uma pessoa a quem o nome Jeová pertence. Neste caso, as palavras "enxofre e fogo" pode ser conectado com as palavras "de Jeová", no sentido de "fogo de Deus" como uma expressão figurativa para o relâmpago. A passagem, então, significa simplesmente: "Senhor fez chover relâmpagos sobre Sodoma e Gomorra." Mas isso não é apenas contra a pontuação autorizado da passagem, como indicado pelos acentos, mas também contra a analogia da Escritura. Ou seja, ele é uma interpretação não-natural, e traz esta passagem em conflito com aqueles em que a distinção entre o anjo do Senhor eo Senhor, ou seja, entre as pessoas da Divindade, está claramente indicado.

 

    Em Gen. xxii. 2, Deus ordena a Abraão para oferecer Isaac como um sacrifício. O anjo do Senhor prende sua mão no momento da imolação, e diz (ver. 12), "Agora eu sei que temes a Deus, visto que não me negaste o teu filho, o teu único filho, de mim." E no ver. 16, o anjo do Senhor disse: "Por mim mesmo jurei, diz o Senhor .... Que, em bênção te abençoarei, e multiplicarei a tua descendência." E chamou Abraão o nome daquele lugar "Jeová-Jiré." Aqui Deus, o anjo do Senhor, eo Senhor são nomes dados à mesma pessoa, que jura por Si mesmo e promete a bênção de uma posteridade numerosa a Abraão. O anjo do Senhor deve, portanto, ser uma pessoa divina.

 

    Na visão de Jacob, registrou Gen. xxviii. 11-22, ele viu uma escada que chegava ao céu, "e eis que o Senhor estava em cima dela, e disse: Eu sou o Senhor, o Deus de Abraão teu pai, eo Deus de Isaque; esta terra em que estás deitado, te hei de dar -lo, e à tua descendência. e a tua descendência será como o pó da terra ". Aqui a pessoa em outro lugar chamado o anjo do Senhor, e que tinha dado a mesma promessa a Abraão, é chamado o Senhor Deus de Abraão, o Deus de Israel. Em Gen. xxxii. 24-32, Jacob disse ter lutado com um anjo, que o abençoou, e em ver quem Jacob disse: "Vi a Deus face a face." O profeta Oséias, xii. 4, ao referir-se a este evento, diz: "Jacó teve com o anjo, e prevaleceu; chorou, e suplicou-lhe: ele o encontrou em Betel, e ali falou Deus com ele, mesmo o Senhor Deus dos Exércitos ; Jeová é o seu memorial ". O anjo com quem Jacó lutou, foi o Senhor Deus dos Exércitos.

 

  1. Os outros livros históricos do Antigo Testamento.

 

    Em Êxodo iii. temos o relato da revelação de Deus a Moisés no Monte Horeb. "O anjo do Senhor", diz-se, "apareceu-lhe numa chama de fogo do meio duma sarça." E virou-se Moisés para ver esta grande visão ", e quando o Senhor viu que ele se virara para ver, chamou-o, fora do meio da sarça .... E disse: Não te chegues para cá; tira os sapatos de teus pés, porque o lugar em que estás é terra santa Além disso, ele disse: Eu sou o Deus de teu pai, o Deus de Abraão, o Deus de Isaac eo Deus de Jacob, Moisés escondeu o rosto,.. pois ele estava com medo de olhar para Deus ". Aqui o anjo do Senhor é idêntico ao Senhor, e é declarado ser o Deus de Abraão, Isaac e Jacob. A distinção pessoal entre Jeová e o anjo do Senhor ( isto é, entre o Pai eo Filho, dado que estas pessoas estão em outro lugar, e, geralmente, nas Escrituras posteriores, designados), é claramente apresentada no Ex. XXIII. 20, onde se diz: "Eis que eu envio um anjo diante de ti, para guardar-te pelo caminho, e conduzir-te ao lugar que tenho preparado Cuidado com ele, e ouve a sua voz, provocá-lo não;. Para ele não perdoará as vossas transgressões; porque o meu nome está nele ". A última frase é equivalente a: "Eu sou nele". Pelo nome de Deus, é muitas vezes significava o próprio Deus que se manifesta. Assim, diz-se do templo, 1 Reis viii. 29, "O meu nome estará lá", ou seja, "Haverá habito." Tal como no Novo Testamento, o Pai é dito para enviar o Filho, e estar Nele; por isso aqui o Senhor é dito para enviar o anjo do Senhor e estar nele. E como o Filho do Homem tem poder na terra para perdoar pecados, então o anjo do Senhor tinha autoridade para perdoar ou punir a seu gosto. Michaclis, em suas anotações marginais para sua edição da Bíblia Hebraica, diz em referência a esta passagem (Ex xxiii 20..): " Bechat ex Cabala docen, hunc angelum não ESSE ex numero creatorum existentium adicional essentiam Dei, sed ex emanationibus, quae intra Dei essentiam subsistunt, sic em Tanchuma explicari, quod sentar Metatron, faciei Princeps, John vi. 46. " Que o anjo do Senhor é uma pessoa divina, é ainda mais evidente a partir da conta dada em Êxodo xxxii. e XXXIII. do que Deus disse a Moisés depois que o povo tinha pecado em adorando o bezerro de ouro. Em punição à infração Deus ameaçou não pessoalmente para atender as pessoas. Em consequência desta manifestação do desagrado divino toda a congregação estavam reunidos em frente à porta do Tabernáculo, e humilhou-se perante Deus. E o Senhor desceu e falou a Moisés face a face, como qualquer fala com o seu amigo. E Moisés intercedeu pelo povo e disse: Se tu mesmo não fores connosco não nos faças subir daqui. E disse o Senhor: A minha presença ( ou seja, eu mesmo) irá contigo, e eu te darei descanso. Isso mostra que uma pessoa divina, o Senhor, já havia guiado o povo, e que, em seu arrependimento, Ele prometeu continuar com eles. Esta pessoa, chamado o anjo do Senhor, o próprio Jeová, é em Is. LXIII. 9, chamado de "o anjo da face do Senhor", ou seja, o anjo ou o mensageiro, que é a imagem de Deus. Dificilmente se pode duvidar, portanto, que este anjo era o Filho de Deus, enviado por Ele e, portanto, chamou o seu anjo; que em Is. LXIII. é designado como o Salvador de Israel e o Redentor de Jacob; que veio para revelar Deus, como Ele era o resplendor da sua glória ea expressa imagem da sua pessoa, em quem era o seu nome, ou, como se expressa no Novo Testamento, a plenitude da Divindade; que na plenitude dos tempos, para nós homens e para nossa salvação, se fez carne, e manifestou a sua glória como do unigênito Filho cheio de graça e de verdade.

 

    Em períodos posteriores da história do povo de Deus esta mesma pessoa divina aparece como o líder e Deus de Israel. Ele manifestou-se a Josué (v. 14) como "Príncipe do exército do Senhor"; a Gideão (Juízes vi. 11), como o anjo do Senhor, e falou com ele, dizendo, ou seja, o Senhor lhe disse: Vai nesta tua força e tu salvar Israel da mão dos midianitas. No versículo 16, que novamente é dito: "Senhor lhe disse: certamente eu serei contigo, tu ferirás aos midianitas como a um só homem." Quando Gideon percebeu quem foi que falou com ele exclamou: "Ah, Senhor Deus, pois, porque eu vi o anjo do Senhor face a face E o Senhor lhe disse: Paz seja contigo; não temas:. Serás não morra. " O mesmo anjo apareceu a Manoá e prometeu-lhe um filho, e revelou-se como ele tinha feito para Gideon, causando fogo a questão a partir de uma rocha e consumir o sacrifício que havia sido colocado sobre ele. Quando compreendeu Manoá que era o anjo do Senhor, ele disse a sua esposa: "Certamente morreremos, porquanto temos visto a Deus."

 

  1. diferentes modos de explicar essas passagens.

 

    Existem apenas três métodos em que pode com qualquer relação com a autoridade divina das Escrituras ser explicadas estas e outras passagens do Antigo Testamento. A primeira é que o anjo do Senhor é um criado anjo, um dos espíritos que esperam continuamente em Deus e fazer a Sua vontade. O fato de que ele assume títulos divinos, afirma prerrogativas divinas, e aceita a homenagem divina, é explicado no princípio, que o representante tem o direito de os títulos e honrarias do Ser, ou pessoa que representa. Ele fala como Deus, porque Deus fala através dele. Esta hipótese, que era cedo e amplamente adotado, pode ser admitida se os casos do tipo eram poucos em número, e se a pessoa designada como o anjo do Senhor não tão obviamente afirmam ser o próprio Jeová. E o que é uma objeção mais decisivo para este modo de interpretação, é a autoridade das partes subsequentes da Palavra de Deus. Estas passagens não estão sozinhos. A Igreja poderia muito bem hesitar no terreno destas primeiras revelações de admitir a doutrina de uma pluralidade de pessoas na Divindade. Se em qualquer outro lugar na Escritura Deus foram revelados como apenas uma pessoa, quase qualquer grau de violência da interpretação pode ser permitido trazer essas passagens em harmonia com essa revelação. Mas, como o inverso é verdadeiro; Tal como acontece com cada vez maior clareza a existência do ot três pessoas na Divindade é dado a conhecer na Escritura, torna-se no mais alto grau antinatural para explicar essas passagens não ser de acordo com essa doutrina. Além disto, temos o testemunho expresso dos escritores inspirados do Novo Testamento, que o anjo do Senhor, o manifesto Senhor, que conduziu os israelitas através do deserto, e que habitava no templo, era Cristo; ou seja, foi o lo, GOJ, ou Filho Eterno de Deus, que se fez carne e cumpriu a obra que foi predito o Messias deveria realizar. Os Apóstolos não hesitam em aplicar a Cristo a linguagem do Antigo Testamento utilizado para expor a majestade, as obras, ou o reino do Senhor das Escrituras Hebraicas. (John xii 41;.. Rom xiv 11; 1 Cor. X 4;..... Heb i 10-13, e muitas vezes em outros lugares) O Novo Testamento, portanto, identifica claramente o Logos ou Filho de Deus com o Anjo Jeová, ou Mensageiro da Aliança, do Antigo Testamento.

 

    A segunda hipótese em que foram explicados essas passagens, admite que o anjo do Senhor é uma pessoa realmente divina, mas nega que ele é pessoalmente distinto de Jeová. Foi uma ea mesma pessoa que enviou e foi enviado, era falante e aquele falado. Mas esta suposição faz esse tipo de violência a todos apenas regras de interpretação, e é tão inconsistente com as revelações posteriores da Palavra de Deus, que encontrou pouca favor na Igreja. Estamos, portanto, cale-se para o único outro modo de explicar as passagens em questão, que foi quase universalmente adotada na Igreja, pelo menos desde a Reforma. Isso pressupõe o carácter progressivo da revelação divina, e interpreta as insinuações obscuras dos primeiros Escrituras pela luz mais clara das comunicações subsequentes. O anjo que apareceu a Hagar, a Abraão, a Moisés, Josué, de Gideon, e Manoá, que foi chamado Jeová e adorado como Adonai, que reivindicou a homenagem divina e exercido o poder divino, a quem os salmistas e profetas apresentado como o Filho de Deus, como o Conselheiro, o Príncipe da Paz, o poderoso Deus, e quem previu deveria nascer de uma virgem, e para quem todo joelho se dobrará e toda língua confessará, de coisas no céu e na terra e debaixo da terra, não é outro senão aquele a quem reconhecemos agora e adoração como nosso Deus e Salvador Jesus Cristo. Foi a Lo, GOJ a; sarkoj quem os israelitas adoraram e obedecida; e é o Lo, GOJ e; nsarkoj quem reconhecemos como nosso Senhor e Deus.

 

    é universalmente admitido que o Antigo Testamento faz prever um Messias, aquele que estava para aparecer na plenitude do tempo para efetuar o resgate de seu povo, e através do qual o conhecimento da verdadeira religião era para ser estendido por todo o mundo. Enquanto ele se revela claramente que este Redentor era para ser a semente da mulher, a descendência de Abraão, da tribo de Judab, e da casa de David, que era não menos claramente revelado que Ele era para ser uma pessoa divina. Ele é apresentado sob os diferentes aspectos de um rei triunfante, um mártir do sofrimento, e uma pessoa divina. Às vezes, essas representações são todos combinados nas descrições dadas da vinda Libertador; às vezes a um, e às vezes o outro ponto de vista de seu caráter é sustentada exclusivamente ou mais proeminente nos escritos proféticos. Eles, no entanto, estão todos expostos nas Escrituras Hebraicas, como todos eles se combinam e harmonizar na pessoa e obra de nosso Senhor e Salvador

 

  1. Os Salmos.

 

    No segundo Salmo, as nações são representadas como combinando contra o Messias, versículos 1-3. Deus ridiculariza os seus esforços, versículos 4, 5. Ele declara seu propósito de constituir o rei Messias em Sião, Que este Messias é uma pessoa divina é simples: (1) Porque Ele é chamado o Filho de Deus, que, como tem sido demonstramos, implica em igualdade com Deus. (2.) Ele está investido de domínio universal e absoluta. (3.) Ele é o Senhor quem o povo é ordenado no versículo 11 para adorar. (4.) Porque todos são obrigados a reconhecer sua autoridade e fazer-lhe homenagem. (5.) Porque aqueles são pronunciadas abençoado que colocam sua confiança nele, ao passo que as Escrituras declarou que eles sejam amaldiçoados que depositam sua confiança em príncipes.

 

    No vigésimo segundo Salmo, um sofredor é descrito cujas palavras nosso Senhor sobre a cruz se apropria para si mesmo, versículos 1-19. Ele reza pela libertação, versículos 19-21. As consequências de que a libertação é como provar que o assunto do salmo deve ser uma pessoa divina. Seus sofrimentos torná-lo certo, (1) Que todos os homens bons vão temer e amar a Deus porque Ele resgatou esta doente de seus inimigos. (2) Esta disposição será feita para as necessidades de todos os homens. (3) Que todas as nações serão convertidos para Deus. (4) Que as bênçãos que Ele prendem vai durar para sempre.

 

    No quadragésimo quinto Salmo um rei é descrito que deve ser uma pessoa divina. (1) Porque a sua excelência perfeito é a base do louvor que lhe são prestados. (2.) Porque o seu reino é declarado ser justo e eterno. (3.) Ele é tratado como Deus, "Teu trono ó Deus é para todo o sempre", que é citado Heb. Eu. 8, e aplicado a Cristo com o propósito de provar que tem direito à adoração de todas as criaturas inteligentes. (4.) A Igreja é declarado ser sua noiva, o que implica que Ele está ao seu povo o objeto do amor supremo e confiança.

 

    O septuagésimo segundo Salmo contém uma descrição de um rei exaltado, e das bênçãos de seu reinado. Essas bênçãos são de natureza a provar que o assunto do salmo deve ser uma pessoa divina. (1.) O seu reino é para ser eterno. (2.) universal. (3.) Ele protege a paz perfeita com Deus e boa vontade entre os homens. (4.) Todos os homens devem ser trazidos para submeter-se a Ele através do amor. (5.) Nele todas as nações da terra serão abençoados, ou seja, como estamos claramente ensinado nas Gal. III. 16, é nele que todas as bênçãos da redenção estão por vir sobre o mundo. O tema deste salmo, é, portanto, o Redentor do mundo.

 

    O Salmo cento e décimo é repetidamente citado e exposta no Novo Testamento, e aplicado a Cristo para expor a dignidade da sua pessoa e da natureza de seu trabalho. (1) Ele é o Senhor de David. Mas se o Senhor de Davi, como ele pode ser o Filho de Davi? Esta foi a pergunta que Cristo colocou aos fariseus, a fim de convencê-los de que as suas ideias sobre o Messias caiu muito abaixo da doutrina de suas próprias Escrituras. Ele era de fato para ser o Filho de Davi, como eles esperavam, mas ao mesmo tempo ele estava a ser possuído de uma natureza que fez Senhor é ele David. (2) Em virtude desta natureza divina Ele era sentar-se à direita de Deus; ou seja, para ser associado com ele em termos de igualdade como a glória e poder. Tal é a exposição Apóstolos desta passagem em Hebreus. Eu. 13. Para nenhum anjo, ou seja, a nenhuma criatura, que Deus nunca disse: "Sente-se em minha mão direita." O tema deste salmo é nenhuma criatura; e se não for uma criatura, Ele é o Criador. (3.) Esta pessoa, que é ao mesmo tempo Filho de David e Senhor de David, é eternamente sacerdote e rei. Esta é novamente referido no Heb. vii. 17, para provar que Ele deve ser uma pessoa divina. É somente porque Ele é possuidor de "uma vida sem fim", ou, como é dito em outro lugar, porque Ele tem vida em si mesmo, como o Pai tem a vida em si mesmo, que é possível para ele ser padre perpétuo e rei . (4) No verso 5, ele é declarado ser o Supremo Senhor, pois Ele é chamado Adonai, um título que nunca foi dada a qualquer, mas do Deus verdadeiro.

 

  1. Os livros proféticos.

 

    Em Isaías iv. 2, a aparência do Poder do Senhor está previsto, para cujo advento tais efeitos forem atribuídos como provar que Ele é uma pessoa divina. Esses efeitos são purificação, o perdão do pecado e uma segurança perfeita.

 

    Capítulo VI. contém um relato da visão do profeta do Senhor no seu santo templo, cercado pelas hostes de anjos adoradores, que adoram dia e de noite. A pessoa assim declarado ser o Senhor, o objeto de adoração angélico, o apóstolo João nos diz, iii. 41, não era outro senão Cristo, a quem todos os cristãos e todos os anjos agora adorar.

 

    Nos Capítulos VII .-- ix. o nascimento de uma criança cuja mãe era uma virgem, está previsto. Que esta criança era o Filho eterno de Deus, igual ao Pai, está provado, (1.) A partir de seu nome Emanuel, que significa Deus conosco, i. E., Deus em nossa natureza. (2.) A terra de Israel é dito ser sua terra. (3.) Ele é chamado Maravilhoso, Conselheiro ,. o Deus Forte, Pai da Eternidade, Príncipe da Paz Anid. (4.) O seu reino é eterno e universal. (5) As consequências de seu advento e domínio são como o fluxo apenas do domínio de Deus. No décimo primeiro capítulo temos outra descrição da perfeição da sua pessoa e do seu reino, que é aplicável apenas à pessoa eo reino de Deus. É somente onde Deus reina que a paz, a santidade, e bem-aventurança que assistir a vinda do libertador previsto, nunca são encontrados. O mesmo argumento pode ser extraída do relato profético do Messias e do seu reino contida na última parte de Isaías, a partir do quadragésimo capítulo ao sexagésimo sexto. Este Messias estava a efectuar o resgate de seu povo, não apenas a partir do cativeiro babilônico, mas de todo o mal; para lhes garantir o perdão do pecado e reconciliação com Deus; a prevalência da verdadeira religião até os confins da terra; e, por fim, o triunfo completo do reino da luz sobre o reino das trevas. Esta é uma obra que nenhum outro senão a pessoa divina poderia efetuar.

 

    O profeta Miquéias (v. 1-5) previu que um estava para nascer em Belém, que era para ser: (1) A régua de Israel, isto é, de todas as pessoas de Deus. (2.) Apesar de ter nascido no tempo e feito de uma mulher, suas "saídas são desde os tempos antigos, desde a eternidade." (3.) Ele reinará no exercício da força e majestade de Deus, ou seja, manifesta em seu governo a posse de atributos divinos e glória. (4.) Seu domínio deve ser universal; e (5) a sua paz efeitos; ou seja, perfeita harmonia, ordem e bem-aventurança.

 

    O profeta Joel não traz claramente à vista da pessoa do Redentor, a não ser na passagem duvidosa em ii. 23. Ele atravessa a rodada usual de profecias messiânicas; prediz a apostasia do povo, repreende-los por seus pecados, ameaça julgamentos divinos, e em seguida promete libertação através de um "mestre de justiça" (de acordo com uma interpretação ii. 23), e, em seguida, a efusão do Espírito Santo sobre toda a carne . O dom do Espírito Santo é representado como em todos os lugares a bênção característica do período messiânico, porque garantido pelo mérito da morte do Redentor. Que Ele, assim, dá o Espírito Santo é a maior prova de estar ele verdadeiramente Deus.

 

    Em Jeremias XXIII., A restauração ou o resgate do povo de Deus é anunciada. Esse resgate estava a ser efectuada por alguém que, como declarado ser: (1) Um descendente de David. (2.) Ele é chamado o Branch, uma designação que liga esta profecia com os de Isaías na qual o Messias recebe o mesmo título. (3) Ele era para ser um rei. (4.) O seu reinado foi para ser próspero, Judá e Israel eram para ser novamente unidos; ou seja, a perfeita harmonia e paz estavam a ser protegido. (5.) O libertador é chamado Jeová, nossa Justiça. No trigésimo terceiro capítulo, a mesma libertação está previsto, e o mesmo nome é dado aqui a Jerusalém, que na antiga passagem foi dado ao Messias. No primeiro caso, é simbólico, no outro significativo.

 

    Em Daniel ii. 44, é predito que o reino do Messias é para ser eterno, e é destinado a substituir e absorver todos os outros reinos. Em vii. 9-14, diz-se que um semelhante ao Filho do Homem foi trazido até o Ancião dos Dias; e uma autoridade, glória, e reino dado a Ele; que todos os povos, nações e línguas o servissem; o seu domínio é um domínio perene, que não passará, eo seu reino tal, que não será destruído. Em ix. 24-27, é registrada a predição das setenta semanas, ea vinda e obra do Messias, que o trabalho é verdadeiramente divino.

 

    Os seis primeiros capítulos das profecias de Zacarias são uma série de visões, prenunciando o retorno dos judeus da Babilônia, a restauração da cidade, ea reconstrução do templo; a apostasia posterior do povo; o advento do Messias; o estabelecimento de seu reino, ea dispersão dos judeus. A partir do nono capítulo para o fim do livro, os mesmos acontecimentos são previstos na linguagem comum profético. Jerusalém é chamada a regozijar-se com o advento de seu rei. Ele era para ser manso e humilde, sem ostentação e pacífica, eo seu domínio universal. No capítulo xi. Ele é representado como um pastor que faz uma última tentativa de reunir o seu rebanho. Ele deve ser rejeitado por aqueles a quem Ele veio salvar, e vendeu por trinta moedas de prata. Por esta enormidade as pessoas estão a ser entregue a tempo desolação; mas finalmente Deus derramará sobre eles o Espírito de graça e de súplicas, e eles devem olhar para mim, diz o Senhor, a quem traspassaram, e lamentar. Este pastor é declarado para ser companheiro de Deus, associado, ou igual. Seu reino deve triunfar, deve becomc universal, e santidade deve em todos os lugares prevalecer.

 

    Em Malaquias iii. 1-4, prevê-se (1) Que um mensageiro deve aparecer para preparar o caminho do Senhor. (2) Que o Senhor, isto é, o Senhor, o mensageiro da aliança, isto é, o Messias, deve vir ao seu templo. (3) No seu advento os maus serão destruídos, ea Igreja salvo. 1

 

    É evidente, mesmo a partir desta análise superficial, que o Antigo Testamento prediz claramente o advento de uma pessoa divina vestida de nossa natureza, que era para ser o Salvador do mundo. Ele era para ser a semente da mulher, a descendência de Abraão, da tribo de Judab, da casa de David; nascido de uma virgem; um homem de dores; e fazer "a sua alma como oferta pelo pecado." Ele é, no entanto, não menos claramente declarado ser o anjo do Senhor, Jeová, Elohim, Adonai, o Deus Forte, exercendo todas as prerrogativas divinas, e com direito ao culto divino de homens e anjos. Essa é a doutrina do Antigo Testamento sobre o que o Messias havia de ser; e esta é a doutrina do Novo Testamento, como o que Jesus de Nazaré, de fato, é.

 

  • 2. Características gerais do ensino do Novo Testamento a respeito de Cristo.

 

  1. O sentido em que Cristo é chamado Senhor.

 

    O primeiro argumento a partir do Novo Testamento em prova da divindade de Cristo, é derivado do fato de que Ele está em todos os lugares chamado de Senhor; o Senhor; nosso Senhor. Admite-se que a palavra grega ku, rioj significa proprietário, e aquele que tem a autoridade de um proprietário, seja de homens ou coisas. O Senhor de um vinhedo é o dono da vinha, e o Senhor de escravos é o proprietário de escravos. Também Admite-se que a palavra é usada com toda a latitude da palavra latina Dominus, ou o Mestre Inglês ou Senhor. É aplicado como um título de respeito, não só para magistrados e príncipes, mas para aqueles que não são investidos com qualquer autoridade oficial. É, portanto, não apenas o fato de que Jesus é chamado de Senhor, que comprova que Ele também é Deus; mas que Ele é chamado Senhor em tal sentido e de tal forma que é consistente com nenhuma outra hipótese. Em primeiro lugar, Cristo é chamado de Senhor no Novo Testamento com a mesma constância e com a mesma proeminência que Jeová é chamado de Senhor no Antigo Testamento. Esta foi a palavra que todos os leitores, se do hebraico ou grego Escrituras, sob a velha economia estavam acostumados a usar para expressar sua relação com Deus. Eles o reconheceram como seu proprietário, como seu Soberano Supremo, e como seu protetor. Ele era, nesse sentido, o seu Senhor. O Senhor está do nosso lado. O Senhor esteja convosco. O Senhor é Deus. Blessed é a nação cujo Deus é o Senhor. Tu Senhor és bom. Tu Senhor arte mais alta para sempre. O Senhor, ninguém há semelhante a ti. Louvarei o Senhor. Tem misericórdia de mim, ó Senhor. Ó Senhor, tu és o meu Deus. O ouvido religiosa do povo foi educado no uso desta linguagem desde a infância. O Senhor era seu Deus. Eles adoraram e louvou e invocou seu auxílio em chamá-lo Senhor. Os mesmos sentimentos de reverência, adoração e amor, o mesmo senso de dependência e desejo de protecção são expressos em todo o Novo Testamento em chamar Jesus Senhor. Senhor, se quiseres, podes tornar-me limpo. Senhor, salva-me. Gozo do teu Senhor. Senhor, quando te vimos faminto? Aquele que me julga é o Senhor. Se o Senhor quiser. Para estar presente com o Senhor. Os que invocam o Senhor. Que o Senhor me dará no último dia. Bem-aventurados os mortos que morrem no Senhor. Digno és, Senhor, de receber glória e honra.

 

    Jesus Cristo, portanto, é o Senhor para os cristãos no mesmo sentido que o Senhor era o Senhor aos Hebreus. O uso a que se refere é totalmente peculiar; nenhum homem - nem Moisés, nem Abraão, nem Davi, nem nenhum dos profetas ou apóstolos, é sempre assim predominantemente dirigida ou invocado como Senhor. Temos um só Senhor; e Jesus Cristo é o Senhor. Este é um argumento que se dirige à experiência interior, e não ao mero entendimento. Todo crente sabe em que sentido ele chama Jesus de Senhor; e ele sabe que em reconhecê-lo assim como seu proprietário, como seu soberano absoluto, para quem a lealdade de sua alma, e não apenas de sua vida exterior, é devido; e, como seu protetor e Salvador, ele está em comunhão com os Apóstolos e mártires. Ele sabe que é a partir do Novo Testamento, ele foi ensinado a adorar a Cristo em chamá-lo Senhor.

 

    Mas, em segundo lugar, Jesus Cristo não é somente assim chamado de Senhor de forma eminente, mas Ele é declarado para ser o Senhor dos senhores; para ser o Senhor da glória; o Senhor de tudo; o Senhor dos vivos e os mortos; o Senhor de todos os que estão no céu e na terra, e debaixo da terra. Todas as criaturas, desde o mais alto ao mais baixo, deve dobrar os joelhos a Ele, e reconhecer o seu domínio absoluto. Ele está em tal sentido Senhor como que nenhum homem pode realmente chamá-lo Senhor, mas pelo Espírito Santo. Se seu senhorio eram meramente a supremacia que uma criatura pode exercer sobre as outras criaturas, não haveria necessidade de uma iluminação divina para nos permitir reconhecer sua autoridade. Mas se Ele é o Senhor no sentido absoluto, na qual Deus é o Senhor; Se Ele tem o direito em nós, e uma autoridade sobre nós, que pertencem apenas ao nosso Criador e Redentor, então é necessário que o Espírito Santo deve assim revelar-nos a glória de Deus, na face de Jesus Cristo, como a liderar nós nos prostrar diante dEle como nosso Senhor e nosso Deus.

 

    Em terceiro lugar, Cristo é chamado de Senhor, quando essa palavra é usada para os nomes divinos incomunicáveis ​​e títulos Jeová e Adonai. É sabido que os judeus de um breve período teve uma veneração supersticiosa, o que impediu a sua pronunciar a palavra Jeová. Eles, portanto, na sua Escrituras Hebraicas, deu-lhe os pontos vogais pertencentes a palavra Adonai, e assim pronunciado sempre que lêem o volume sagrado. Quando eles traduziram suas Escrituras em grego, eles ku, rioj uniformemente substituído , que responde por Adon, porque o Senhor. De modo semelhante, sob a influência da LXX, os cristãos latinos, em sua versão utilizados. Dominus; e constrangidos pela mesma utilização ampla e de longo contínuo, os tradutores ingleses têm, como uma coisa geral, coloque Senhor (em pequenas capitais ) onde o hebraico tem Jeová. Em muitos casos, encontramos passagens aplicadas a Cristo como o Messias, no qual ele é chamado de Senhor, quando Senhor deve ser Jeová ou Adonai. Em Lucas i. 76, diz-se de João Batista, o precursor de Cristo, que ele deveria ir ante a face do Senhor; mas em Malaquias iii. 1, do qual esta passagem declara o cumprimento, a pessoa que fala é o Senhor. O dia de Cristo, no Novo Testamento, é chamado de "o dia do Senhor"; no Antigo Testamento é chamado de "o dia do Senhor, o grande dia." lwOdBB "h; hwo" hy> ~ Woy. Romanos x. 13, cita Joel ii. 32, que fala do Senhor, e aplica a Cristo, dizendo: "Todo aquele que invocar o nome do Senhor será salvo." Xiv Rom. 10, 11, cita Isaías XLV. 23, "todos havemos de comparecer ante o tribunal de Cristo. Porque está escrito: Por minha vida, diz o Senhor (Jeová), todo o joelho se dobrará a mim", etc. Isso é comum em todo o Novo Testamento, e, portanto, Cristo está ali estabelecido como Senhor no mesmo sentido em que o Supremo Deus é o Senhor. O significado da palavra quando aplicada a Cristo sendo assim estabelecida, ele mostra como familiar e constante é o reconhecimento de sua divindade pelos escritores sagrados. Eles reconhecem que Ele é Deus cada vez que chamá-lo Senhor.

 

  1. Cristo apresentado como o objeto de nossas afeições religiosas.

 

    Outra característica geral do Novo Testamento, intimamente ligado com o que acabamos de mencionar, e consequente sobre ele, é que Cristo está em todos os lugares reconhecido como o objeto próprio de todas as afeições religiosas. Como Ele é o nosso Senhor, no sentido de ser o nosso titular absoluto, nosso criador, preservador e redentor, e nossa soberana, tendo o direito de fazer com a gente como parece bem aos seus olhos, somos chamados a fazer-Lhe o supremo objeto de nosso amor, a sua vontade a maior regra de dever, e sua grande final glória FHE de nosso ser. Estamos a exercer a mesma fé e confiança n'Ele que fazemos em Deus; deu-lhe a mesma obediência, devoção e homenagem. Achamos, portanto, que esse é o caso FIOM o início até o final de escritos do Novo Testamento. Cristo é o Deus dos apóstolos e dos primeiros cristãos, no sentido de que Ele é o objeto de todas as suas afeições religiosas. Eles o viam como a pessoa a quem especialmente pertencia; a quem eles foram responsáveis ​​por sua conduta moral; a quem tinha de prestar contas de seus pecados; para o uso de seu tempo e talentos; que estava sempre presente com eles, habitando neles, controlando seu interior, bem como a sua vida exterior; cujo amor era o princípio animador de seu ser; em quem se alegrou como a sua alegria presente e como a sua porção eterna. Este reconhecimento de sua relação com Cristo como seu Deus, é constante e penetrante, de modo que a evidência de que não pode ser recolhido e afirmou de forma polêmica ou didática. Mas todos os leitores do Novo Testamento a quem Jesus é uma mera criatura, no entanto exaltado, deve sentir-se a estar fora da comunhão com os Apóstolos e os cristãos apostólicos, que se prometeu e foram universalmente reconhecido pelos outros como sendo adoradores de Cristo. Eles sabiam que estavam diante do Seu trono de julgamento; que todo ato, pensamento e palavra deles, e de cada homem que sempre viverá, estava a mentir aberta para seu olho onisciente; e que na sua decisão o destino de cada alma humana era depender. Portanto, conhecendo o temor do Senhor, eles persuadiram os homens. Eles imposta todo dever moral, não apenas em razão da obrigação moral, mas por considerações extraídas da relação da alma a Cristo. Os filhos devem obedecer aos pais, esposas de seus maridos, servos seus mestres, os homens não tão agradável, mas como fazer a vontade de Cristo. A verdadeira religião na sua opinião não consiste no amor ou reverência de Deus, apenas como o Espírito infinito, o criador e preservador de todas as coisas, mas no conhecimento e no amor de Cristo. Todo aquele que crê que Jesus é o Filho de Deus, isto é, todo aquele que crê que Jesus de Nazaré é Deus manifestado na carne, e adora e obedece-lo como tal, é declarado para ser nascido de Deus. Qualquer um que nega que a verdade, é declarado ser o anticristo, negando tanto o Pai eo Filho, para a negação de uma é a negação do outro. A mesma verdade é expressa por um outro apóstolo, que diz: "Se o nosso evangelho está encoberto, é escondido para os que se perdem, nos quais o deus deste século cegou os entendimentos dos que não crêem, para que não vejam a glória de Deus como ela brilha na face de Jesus Cristo ". Eles estão perdidos, de acordo com este Apóstolo, que não vêem, assim como acredito, Jesus de ser Deus habitando na carne. Daí esses efeitos são atribuídos ao conhecimento de Cristo, e fé Nele; tais esperanças são entretidos da glória e bem-aventurança de estar com ele, como seria impossível e irracional, se Cristo não fosse o verdadeiro Deus. Ele é a nossa vida. Quem tem o Filho tem a vida. Aquele que crê naquele viverá para sempre. Não somos nós que vivo, é Cristo que vive em nós. A nossa vida está escondida com Cristo em Deus. Nós somos completos nEle, não querendo nada. Embora nós não vimos, mas crendo nele, regozijamo-nos com alegria indizível. É porque Cristo é Deus, porque Ele é possuidor de todas as perfeições divinas, e porque Ele nos amou e se entregou por nós, e remiu-nos e nos fez reis e sacerdotes para Deus, que o Espírito de Deus diz: "Se algum homem do amor não é o Senhor Jesus Cristo, seja anátema Maranatha ". A negação da divindade do Filho de Deus, a recusa em receber, amor, confiança, adoração, e servi-Lo como tal, é o fundamento da condenação sem esperanças de todos os que ouvem e rejeitam o evangelho. E para a justiça desta condenação todas as criaturas racionais, santas e profanas, justificados ou condenados, dirá: Amém. A divindade de Cristo é muito simples um fato, e uma verdade muito importante, a ser inocentemente rejeitado. Aqueles são salvos que realmente acredita, e os que já estão perdidos que não têm olhos para vê-lo. Quem não crê já está condenado, porquanto não crê no nome do unigênito Filho de Deus. Aquele que crê no Filho tem a vida eterna; e aquele que não crê no Filho não verá a vida, mas a ira de Deus sobre ele permanece. É a doutrina do Novo Testamento, portanto, que a apreensão espiritual e o reconhecimento sincero da divindade do Redentor constitui a vida da alma. É em sua própria natureza a vida eterna; e a ausência ou a falta desta fé e do conhecimento é a morte espiritual e eterna. Cristo é a nossa vida; e, portanto, aquele que não tem o Filho não tem a vida.

 

  1. as relações que os ursos Cristo para oi. As pessoas e para o mundo.

 

    Como a relação que os crentes conscientemente suportar a Cristo é que podemos sustentar a Deus apenas, portanto, a relação que ele assume para nós, que Ele afirma como pertencentes a ele em virtude de sua natureza, bem como do seu trabalho, é o que Deus só pode sustentar a criaturas racionais.

 

Sua autoridade como um professor.

 

    Isso é claro como a autoridade que Ele assume como professor tanto da verdade e do dever. Tudo o que Ele declarou para ser verdade, todos os cristãos já se sentiram obrigados a acreditar, sem exame e tudo o que Ele lhes ordenou que fazer ou evitar, eles já considerada como a ligação a consciência. Sua autoridade é o fundamento último e mais alto da fé e da obrigação moral. Como a razão infinita e absoluta habitou Nele corporalmente, suas palavras eram as palavras de Deus. Ele declarou-se a verdade, e, portanto, a questionar o que ele disse foi a rejeitar a verdade; desobedecendo a Deus era a desobedecer a verdade. Ele foi anunciado como o Lo, GOJ, a Razão pessoal e manifesto, que foi e é a luz do mundo, - a fonte de toda razão e de todo o conhecimento de criaturas racionais. Daí Ele falou como nunca homem algum falou. Ele ensinava com autoridade. Ele não fez como Moisés e os profetas fez, falar em nome de Deus, e dize: Assim diz o Senhor, referindo-se a uma autoridade fora de si. Mas Ele falou em seu próprio nome, e os Apóstolos em nome de Cristo. Ele era a autoridade máxima. Ele uniformemente coloca-se na relação de Deus com o seu povo. Sereis salvos "se fizerdes o que eu vos mando." Ele que me dá ouvidos ouve Deus. Eu eo Pai somos um; Ele em mim e eu nele. O céu ea terra passarão, mas as minhas palavras jamais passarão. Moisés disse a você, portanto, e assim, mas eu vos digo. Ele não negou a missão divina de Moisés, mas ele assumiu o direito de modificar ou revogar as leis que Deus tinha dado ao seu povo sob a velha economia. Toda a verdade revelada no Antigo como no Novo Testamento é referido a ele como sua fonte. Para os profetas antigos ensinaram nada, mas o que "o Espírito de Cristo, que estava neles, indicava", que é equivalente a dizer que falaram "conforme foram movidos pelo Espírito Santo"; ou "que toda a Escritura é inspirada por Deus." E os Apóstolos se apresentaram simplesmente como testemunhas de que Cristo havia ensinado. Paulo declarou que ele recebeu todo o seu conhecimento "pela revelação de Jesus Cristo." E em sua Epístola aos Coríntios ele expressa a mesma verdade, dizendo de forma negativa, que seu conhecimento não foi derivada da razão humana (o espírito que está em homens), mas do Espírito de Deus. Nada é mais óbvio para o leitor do Novo Testamento do que essa autoridade divina como professor em todos os lugares reivindicada por Cristo e por Ele. Descrer Ele é descrer de Deus; e desobedecendo a Deus é desobedecer a Deus. Isto é completamente diferente da autoridade reivindicada pelos profetas e apóstolos. Eles assumiram nada para si. Paul negada toda a autoridade sobre a fé do povo de Deus, exceto em razão da prova que ele deu que era "Cristo fala em" dele. (2 Cor. Xiii. 3.)

 

Seu controle sobre todas as criaturas.

 

    A autoridade divina de Cristo se manifesta no controle que ele alegou sobre todo o seu povo e sobre todas as criaturas. Todo o poder foi e é em suas mãos. Seus ministros estão sob sua direção; Ele sendis um aqui e outro ali. trabalhos e jornadas Tudo de Paulo foram realizadas sob a sua orientação continuada. Este é apenas um exemplo do controle universal e absoluto que Ele constantemente exerce sobre todo o universo. Os anjos no céu estão seus mensageiros, e o curso da história humana, bem como as circunstâncias de cada homem individual, é determinado por Ele. Assim também é o destino eterno de todos os homens em suas mãos. Eu vou recompensar cada homem, Ele diz que, segundo as suas obras. (Matt. Xvi. 27, e Rev. xxii. 12.) "Muitos me dirão naquele dia: Senhor, Senhor, não profetizamos nós em teu nome? E em teu nome não expulsamos demônios? E em teu nome ? não fizemos muitas maravilhas E, então, eu professo-lhes: Nunca vos conheci: afastar-me, vós que praticais a iniqüidade ". (Matt vii 22, 23...) No último dia, no "tempo da colheita, direi aos ceifeiros: Ajuntai primeiro o joio, e atai-o em molhos para o queimar; mas recolher o trigo no meu celeiro. " (Matt. Xiii. 30.) E em ver. 41, "O Filho do Homem enviará os seus anjos, e eles colherão do seu reino todos os escândalos e os que praticam a iniquidade, e lançá-los na fornalha de fogo; ali haverá choro e ranger de dentes . " O rei naquele dia dirá: "Apartai-vos de mim, malditos, para o fogo eterno, preparado para o diabo e seus anjos; porque eu era uma fome, e não me destes de comer; tive sede, e não me destes de beber :. "para" na medida em que deixastes de o fazer a um de menor destes, deixastes de o fazer a mim " É a atitude, portanto, em que os homens têm a Cristo (desde que ouvi o seu nome), que é determinar o seu destino no último dia. Pecando contra Cristo, negando ou rejeitá-Lo, é negar ou rejeitar a Deus. Nosso Senhor, portanto, uniformemente coloca-se na relação de Deus com as almas dos homens, alegando que a mesma autoridade sobre eles, o mesmo direito de decidir seu destino, e representando todo o pecado como cometido contra si mesmo. Assim também Ele diz que seria melhor para um homem ter uma pedra de moinho pendurada ao pescoço e fosse lançado no meio do mar, do que ofender um dos pequeninos que crêem nEle. "Todo aquele que me confessar diante dos homens, também o Filho do Homem o confessará diante dos anjos de Deus:. Mas aquele que me negar diante dos homens, será negado diante dos anjos de Deus" (Luke xii. 8, 9.) "Quem ama o pai ou a mãe.... O filho ou a filha mais do que a mim não é digno de mim." Tal amor supremo é devida somente a Deus, e Cristo em reivindicar esse amor de nós, coloca-se diante de nós como Deus.

 

  1. A natureza de suas promessas.

 

    O mesmo está claro a partir da natureza de suas promessas. Cristo promete suas bênçãos povo que só Deus tem o direito ou o poder de doar. Ele promete perdoar pecados. É intuitivamente certo que só Deus pode perdoar o pecado; Ele é o nosso governador moral; é contra ele que todo pecado é cometido, e somente Ele tem o direito de remeter sua penalidade. Quando, pois Cristo diz à alma: Os teus pecados estão perdoados, Ele exerce uma prerrogativa divina. Até mesmo o homem do pecado, que se assenta no templo de Deus e exalta acima de tudo que se chama Deus, alega não mais do que a autoridade judiciária de decidir quando tenham sido preenchidas as condições de perdão no bar de Deus. Ele assume, em relação à lei divina, a relação que um juiz humano sustenta a lei da terra. Um juiz não absolver ou condenar por sua própria autoridade. A autoridade está no poder estatal ou soberano. O juiz se limita a determinar se os motivos de condenação estão presentes ou não. Mas, como o soberano contra quem o pecado é cometido, Cristo tem o direito de perdoar ou punir. Novamente, Ele promete o Espírito Santo. João Batista anunciou a sua abordagem como alguém que foi para batizar as pessoas com fogo e com o Espírito Santo. E, consequentemente, está registrado que Ele enviou para baixo em seus discípulos, especialmente no dia de Pentecostes, o poder do alto. Ele tinha sido previsto que Deus iria derramar seu Espírito sobre toda a carne; e que a profecia do Apóstolo Pedro ensina foi cumprida quando Cristo, exaltado à mão direita de Deus, derramou os seus dons para os seus discípulos à espera. Em seu discurso de despedida aos apóstolos, Ele disse: Vou enviar-lhe outro Consolador, o Espírito da verdade, que ficará com você para sempre. Todas as influências santificantes, bem como todos os dons de ensino e de milagres que a Igreja já apreciado, vêm do Senhor Jesus Cristo. Ele dá o Espírito a cada um como quer. "Porque cada um de nós, diz Paulo," é dada a graça conforme a medida do dom de Cristo. "(Ef. Iv. 7.) Ele promete ouvir e responder às orações de seu povo em todas as épocas e em todos partes do mundo. "e tudo quanto pedirdes em meu nome, eu o farei." "Onde dois ou três estiverem reunidos em meu nome, aí estou eu no meio deles." "lo estou convosco todos os dias, até o fim do mundo. "Ele promete assim a sua presença continuada aos seus discípulos onde quer que estejam. Ele também promete a todos os que nEle crêem, a vida eterna. Ele tem poder para acelerar ou para dar vida a todos quantos Ele vai. "as minhas ovelhas siga-me, e eu lhes dou a vida eterna." "Eu o ressuscitarei no último dia." "ao que vencer darei a comer da árvore da vida." "Sê fiel até a morte, e eu te darei a coroa da vida "" a coroa da justiça que o Senhor, justo juiz, me dará naquele dia. "" paz que eu deixo com você, minha paz vos dou.: não como o mundo dá, dou-lhe ""; credes em Deus, crede também em mim. "" Eu vou preparar um lugar para você "" Eu voltarei e vos receberei para mim mesmo..; que onde eu estou, estejais vós também. "" Vinde a mim, todos os que estais cansados ​​e oprimidos, e eu vos aliviarei. "É evidente que o próprio Deus infinito não pode nem promessa, nem dar nada maior ou maior do que Cristo dá o seu povo. a ele são ensinados a olhar como a fonte de todas as bênçãos, o doador de todo bem e todo dom perfeito. não é a oração não mais abrangente no Novo Testamento do que aquela com a qual Paulo fecha sua Epístola aos Gálatas: "A graça de nosso Senhor Jesus Cristo seja com o vosso espírito." seu favor é a nossa vida, o que não poderia ser se não fosse nosso Deus.

 

  1. Seu controle sobre a natureza.

 

    A quarta característica geral de ensino do Novo Testamento a respeito de Cristo, relaciona-se com o controle atribuído a ele sobre o mundo externo. As leis da natureza são ordenados por Deus. Eles podem ser alterados ou suspensos por ele sozinho. Um milagre, por isso, ou qualquer evento que envolve tal mudança ou suspensão, é uma evidência da operação imediata do poder divino. O agente eficiente, portanto, em trabalhar um milagre, deve possuir poder divino. Quando Moisés, os profetas, ou os Apóstolos fizeram milagres, eles expressamente negada a ideia de que foi por sua própria eficiência. Por que vos olhar sobre nós, diz o Apóstolo Pedro, como se por nosso próprio poder tivéssemos feito este homem todo? Quando Moisés dividiu o Mar Vermelho, a eficiência, pelo qual o efeito foi produzido não mais nele era que na vara, com que ele feriu as águas. Cristo, porém, fazia milagres por seu próprio poder inerente; e foi à sua eficiência Apóstolos atribuíram os milagres operados por eles. Era seu nome, ou fé nele, como Pedro ensinou o povo, que efetuou a cura instantânea do homem coxo. Cristo nunca se referiu este poder milagroso para qualquer fonte de Si mesmo; Ele alegou que como a sua própria prerrogativa; e Ele conferiu o poder sobre os outros. Ele disse de si mesmo que ele tinha o poder de dar a vida e poder para tomá-la; que Ele tinha vida em si mesmo e poderia dar vida a todos quantos Ele agradou; Vou dar-lhe, Ele disse aos seus discípulos, poder para pisar serpentes e escorpiões, e sobre todo o poder do adversário. Cada milagre de Cristo, portanto, foi uma manifestação visível de sua divindade. Quando Ele curou os doentes, abriu os olhos dos cegos, restaurou o coxo, ressuscitou os mortos, milhares alimentados com alguns pães e acalmou o ímpeto do mar, era por uma palavra, pelo exercício sem esforço de sua vai. Assim, ele manifestou a sua glória, dando demonstração ocular para aqueles que tinham olhos para ver, que Ele era Deus em forma de homem. Ele, portanto, um apelo direto a suas obras: "Ainda não me credes, crede nas obras;., para que saibais, e acredito, que o Pai está em mim, e eu nele" "Se não faço as obras de meu Pai, não me acrediteis." (João x 37, 38). "Se eu não tivesse feito entre eles as obras que nenhum outro fez, não teriam pecado. Mas agora temos que ambos viram e odiaram a mim e meu Pai" (João XV. 24.)

 

    É apenas uma pequena parte das evidências da divindade do nosso Senhor que podem, assim, ser recolhida a partir do ensino geral do Novo Testamento. É importante ter em mente que a fé nesta doutrina não repousa sobre esta ou aquela passagem, ou sobre este ou aquele modo de representação, mas sobre toda a revelação de Deus acerca de seu Filho. A divindade do Senhor Jesus Cristo é forjado na textura das Escrituras, e está em todos os lugares afirmado ou suposto. Há, no entanto, muitas passagens em que a doutrina é tão claramente apresentadas, que não devem ser passados ​​por em qualquer discussão formal sobre este assunto.

 

  • 3. Particulares passagens que ensinam a divindade de Cristo.

 

  1. Os escritos de São João.

 

    John i. 1-14. Por que a natureza superior de Cristo é chamado O` lo, GOJ e por John usado essa designação, são questões diferentes. Como a palavra eis GOJ não ocorre nas Escrituras, no sentido de razão , deve ser tomado em seu sentido comum. A pergunta por que o Filho é chamado de "The Word" pode ser respondido dizendo que o termo expressa tanto a sua natureza e seu escritório. A palavra é o que revela. O Filho é o eivkw, n e avpau, gasma de Deus, e, portanto, a sua palavra. É seu escritório para tornar Deus conhecido por suas criaturas. Ninguém jamais viu a Deus a qualquer momento; o Filho unigênito que está no seio do Pai, Ele se declarou ele. O Filho, portanto, como o revelador de Deus, é a Palavra. A razão pela qual John selecionada esta designação da natureza divina de Cristo, não é tão fácil de determinar. Com efeito, pode-se dizer que não há motivo para o uso do termo no uso do Antigo Testamento e dos judeus que foram contemporâneos com o Apóstolo. Nas Escrituras Hebraicas, o Jeová manifestado é chamado a Palavra de Deus, e para Ele subsistência individual e perfeições divinas são atribuídas. (Salmo xxxiii 6;... Cxix 89; é xl 8;.... Ps cvii 20;. Cxlvii 18.) Esta é mais freqüentemente feito nos livros apócrifos e nos Targums. Não era, portanto, um termo de fantasia ou desconhecida introduzido pelo apóstolo João. Ainda como ele só, dos escritores do Novo Testamento, emprega assim a palavra, deve ter havido alguma razão especial para a fazê-lo. Essa razão pode ter sido para neutralizar as visões errôneas sobre a natureza de Deus e de sua Palavra, que tinha começado a prevalecer, e que teve algum apoio das doutrinas de Philo e outros judeus de Alexandria. É, no entanto, de menor importância para determinar por que João chama o Filho eis GOJ, do que para verificar o que ele ensina a respeito dele. Ele não ensina (1) Que Ele é eterno. Ele estava no princípio; ou seja , era antes da criação; antes da fundação do mundo; antes que o mundo existisse. Compare Prov. viii. 23; John xvii. 5, 24; Ef. Eu. 4. Trata-se de todas as formas bíblicas de expressar a ideia da eternidade. A Palavra, em seguida, foi (ViC) , Ele não começou a ser, mas já estava. O h = n de ver. 1 significa oposição a evge, netover. 14. "Ele era a Palavra, e tornou-se carne". (2.) A Palavra eterna existia na união íntima com Deus. "O Verbo estava com Deus"; como Sabedoria é dito ter estado com ele no início. (Prov viii 30;... John i 18.) (3.) Ele era Deus. A palavra qeo, JIS claramente o predicado, como é sem o artigo (compare João IV. 24, pneu / ma O` qeo, j, Deus é um Espírito), e porque eis GOJ é o assunto em todo o contexto. Isso qeo, j não é nem a tomar para QEI / oj, nem rendeu um Deus, é evidente a partir do que é dito imediatamente do eis GOJ nos seguintes versos, e da analogia das Escrituras, o que prova que o lo, GOJ é qeo, jin o mais alto sentido da palavra. Neste contexto O` qeo.jh = N O. eis GOJ seria equivalente a dizer: "O Filho é o Pai." Qeo, j sem o artigo ocorre muitas vezes no Novo Testamento, quando ele se refere ao Deus supremo. (4.) O eis GOJ é o criador de todas as coisas. Todas as coisas foram feitas por Ele. div auvtou /. O diâmetro. aqui não expressam necessariamente instrumentalidade subordinado. Todas as coisas estão a ser dito dia. qeou /, bem como EVK qeou /) O Pai opera através do Filho e do Filho por meio do Espírito. Tudo o que a preposição indica é a subordinação quanto ao modo de operação, que é outro lugar ensinado em relação às pessoas da Trindade. Que todas as criaturas devem seu ser para o Word, é feito o mais proeminente, dizendo: "Sem ele não era nada do que foi feito"; pa / ge sido negativa, gonenis através Dele. Ele, portanto, não pode ser uma criatura. Ele não foi apenas antes de todas as criaturas, mas tudo criado por Ele foi causada ser. (5.) O eis GOJ é auto-existente. Ele é derivada. "Nele estava a vida." Isso só é verdade de Deus. A Divindade subsistindo no Pai, a Palavra eo Espírito, por si só é auto-existente, tendo a vida em si mesmo. (6.) A vida da Palavra "é a luz dos homens." Ter vida em si mesmo, a Palavra é a fonte da vida em tudo o que vive e, especialmente, da vida intelectual e espiritual do homem; e, portanto, Ele é dito ser a luz dos homens; ou seja, a fonte da vida e conhecimento intelectual em todas as suas formas. (7.) O eis GOJ, como a luz verdadeira ou real, resplandece nas trevas (EVN th / ?? | Skoti, a | = evn toi / j evskotisme, Noij) no meio de um mundo afastado de Deus. Os homens do mundo, os filhos das trevas, não compreendem a luz; eles não reconhecem a Palavra como Deus, o criador de todas as coisas, e a fonte da vida e do conhecimento. Para aqueles que, portanto, reconhecê-Lo, Ele dá poder de se tornarem filhos de Deus, isto é, Ele levanta-los para a dignidade e bem-aventurança dos filhos de Deus. (8.) O Verbo se fez carne, isto é, tornou-se um homem. Este uso da palavra carne é explicada por passagens como 1 Tim. III. 16; Heb. II. 14; ROM. viii. 3, em conexão com Luke i. 35; Gal. IV. 4; Phil. II. 7. Quanto à glória do lo encarnado, GOJ, o Apóstolo diz de si mesmo e de seus condiscípulos: "Nós vimos a sua glória, glória como do unigênito do Pai"; como poderia pertencer a outro senão a Ele que é o Filho eterno de Deus, consubstancial ao Pai.

 

Outras passagens do Evangelho de São João.

 

    Esta introdução, que, assim, inequivocamente estabelece a natureza divina de Cristo, é a nota-chave do Evangelho de João, e de todos os seus outros escritos. Seu principal objetivo é convencer os homens de que Jesus é Deus manifestado na carne, e que o reconhecimento de Deus como tal é necessário para a salvação. Este apóstolo foi, portanto, na Igreja primitiva chamado o Qeolo, GOJ, porque ele ensinou tão claramente e sinceramente que o lo, GOJ é Deus. No versículo 18 deste capítulo, ele diz que o Filho por si só tem o conhecimento de Deus, e é a fonte desse conhecimento para outros. Ele mostrou Natanael que ele sabia que seu personagem, sendo o pesquisador dos corações. Em seu discurso com Nicedemus, Ele falou com autoridade divina; revelando as coisas do céu, porque Ele veio do céu e foi mesmo assim no céu. Sua vinda ao mundo foi a maior prova de amor divino, e para a salvação de todos os homens depende da fé Nele; isto é, em sua crença de que Ele é o que Ele declarou-se, e confiando Nele e obedecê-lo em conformidade. Quando os judeus censurado Ele para a cura de um coxo no sábado, ele se defendeu dizendo que Deus operou no sábado; que Ele eo Pai eram um; que Ele fez tudo o que Deus fez; que Ele poderia dar vida a quem ele quis; que todo o julgamento foi cometido a Ele, e que Ele tinha o direito de a mesma honra que o Pai. No sexto capítulo Ele define se apresenta como a fonte da vida, primeiro sob a figura do pão, e depois sob a de um sacrifício. No oitavo capítulo se declara ser a luz do mundo. "Quem me segue não andará nas trevas, mas terá a luz da vida". Só ele poderia dar a verdadeira liberdade, a liberdade da condenação e do poder do pecado. Ele tinha sido o único Salvador desde o início como ele era o objeto da fé a Abraão, que viu o seu dia, e se alegraram, pois ele diz, "Antes que Abraão existisse eu sou", afirmando, assim, não só a sua pré-existência, mas sua eternidade, como Ele declara-se o "eu sou", isto é, o imutável Jeová auto-existente e.

 

    No capítulo x., Sob o caráter de um pastor, Ele representa a si mesmo como o chefe do povo de Deus, cuja voz eles ouvem, cujos passos eles seguem, e em cujo cuidado que confiar. Para eles, Ele dá a sua vida, e leva-lo novamente. Para eles, Ele dá a vida eterna, e sua salvação é certa, pois ninguém é capaz de arrancá-los de suas mãos; e Ele eo Pai são um. O décimo primeiro capítulo contém a história da ressurreição de Lázaro, em que talvez observou: (1) Que os seus discípulos tinha plena confiança de que Cristo poderia entregar a partir de morte a quem Ele agradou. (2) Que Ele afirma ser a ressurreição ea vida. Para todos os que nEle crêem Ele é a fonte da vida espiritual para a alma, e de uma ressurreição para o corpo. (3) Na ilustração e prova de seu poder divino, Ele chamou Lázaro da sepultura.

 

Último Discurso do nosso Senhor.

 

    O discurso registrado no 14º, 15º e 16º, ea oração registrada no capítulo 17, são as palavras de Deus aos homens. Nenhum ser criado poderia falar como Cristo fala aqui. Ele começa por exortar os seus discípulos a ter a mesma fé nEle que tinham em Deus. Ele foi preparar o céu para eles, e gostaria de voltar e levá-los para si mesmo. O conhecimento de Deus é o conhecimento de Deus. Aquele que O tinham visto tinha visto também o Pai; pois Ele eo Pai são um. Ele prometeu enviar-lhes o Espírito Santo para habitar com eles de forma permanente; e que Ele iria manifestar-se a eles como Deus se manifesta aos santos, revelando-lhes sua glória e amor, e sensibilizá-los da sua presença. Ele continuaria a ser a sua Igreja a fonte da vida; união com Ele é tão necessária como a união de um ramo à videira. O Espírito Santo foi enviado por Ele revelaria as coisas de Cristo, tornando os Apóstolos infalível como professores, e dando iluminação divina a todos os crentes. Era necessário que ele deve deixá-los, a fim de enviar o Espírito, que iria convencer o mundo do pecado de não crer que Ele é tudo o que Ele alegou ser; da justiça de sua suposição de ser o Filho de Deus e Salvador do mundo, dos quais sua ida para o Pai (i e. foi a prova decisiva ressurreição.); e também a certeza de um futuro julgamento, na medida em que o príncipe deste mundo já foi julgado. O Espírito era para glorificar a Cristo, isto é, para revelar como possuindo todas as perfeições divinas, pois tudo o que o Pai tem o Filho tem o mesmo. Sua oração de intercessão poderia proceder da boca de ninguém, mas uma pessoa divina. Ele fala como alguém que tinha poder sobre toda a carne, e quem poderia dar a vida eterna a todos os que Deus o Pai lhe havia dado. A vida eterna consiste no conhecimento de Deus, e daquele a quem Deus havia enviado. Ele reza para que ele, vestido com a nossa natureza, possa ser glorificado com a glória que ele tinha antes da fundação do mundo; que seu povo pode ser santificado; que pode ser um a sua morada neles, e que eles podem ser feitos participantes de sua glória.

 

    Ele foi condenado pelos judeus para que reivindica ser o Filho de Deus, e por Pilatos para que reivindica ser um rei. Quando Ele foi crucificado os céus foram escurecidos, a terra tremeu, os mortos se levantaram, e do véu do templo se rasgou. Por sua ressurreição sua pretensão de ser o Filho de Deus e Salvador dos homens foi autenticado. Thomas, não estar presente na primeira entrevista entre Cristo e seus discípulos, duvidava que o fato da sua ressurreição; mas quando viu que ele estava plenamente convencido, e possuiu-Lo como seu Senhor e Deus. (John xx. 28.) Isso O` ku / rio, j mou kai. qeo O`, j mou é um endereço a Cristo, e não uma exclamação, é evidente: (1) A partir das palavras avpekri, qh kai. ei = caneta, ele respondeu e disse, que seria fora do lugar antes de uma exclamação. Eles introduzem uma resposta ao que Cristo tinha dito. Thomas respondeu que ele era totalmente Satistied e firmemente convencido de que Cristo era Senhor e Deus. A palavra eivpei / n nunca significa a exclamar. (2) Tal exclamação seria repugnante para um judeu, que tinha até mesmo uma veneração supersticiosa do nome de Deus, especialmente para o nome do Senhor, e O` ku, rioj O` qeo, j é equivalente a ~ yhiOla, ha "hy>. (3.) a repetição do pronome mou / também requer a passagem a ser considerado como um endereço para Cristo.

 

As Epístolas de St. John.

 

    Em suas epístolas do apóstolo João apresenta a divindade de Cristo com igual importância. O grande projeto dessas epístolas foi o de estabelecer a fé dos crentes no meio dos erros que tinham começado a prevalecer. O chefe desses erros foi a negação, de alguma forma, da encarnação do Filho de Deus. Por isso o Apóstolo não só insiste tão arduamente no reconhecimento de que Jesus Cristo veio em carne e osso, mas faz que a grande doutrina fundamental do evangelho. "Qualquer que confessar que Jesus é o Filho de Deus, Deus permanece nele, e ele em Deus." Ele começa suas epístolas, lembrando seus leitores que os Apóstolos tinha desfrutado a mais clara evidência possível que o Lo, GOJ th / j ZPE / j (aquele que tem a vida e dá vida) foi manifestado na carne. Eles tinham visto, contemplado, e manuseados Ele. John deu crentes essa garantia, a fim de que eles podem ter comunhão com Deus e com seu Filho Jesus Cristo. Muitos já havia apostatado e negou a doutrina da encarnação. Para negar que a doutrina, no entanto, foi negar a Deus; para todo aquele que nega o Filho, rejeita também o Pai. Ele exorta-os, portanto, permanecereis no Filho como o único meio de habitar em Deus e alcançar a vida eterna. Os testes pelos quais eles deveriam tentar aqueles que professavam a ser inspirado professores, foram: (1) Se eles reconheceram a doutrina da encarnação, ou seja, da verdadeira divindade e humanidade de Cristo. (iv. 2, 3, 15.) (2.) A conformidade da doutrina com os ensinamentos dos Apóstolos. (3.) O amor a Deus, fundada no Seu amor redentor para nós, e amor para com os irmãos, surgindo a partir deste amor a Deus. No capítulo v., Ele diz a seus leitores que a grande verdade a ser acreditado é que Jesus é o Filho de Deus. Esta é a fé que vence o mundo. Esta grande verdade é estabelecida pelo testemunho de Deus, tanto externa como interna, pois aquele que crê no Filho de Deus tem o testemunho em si mesmo; aquele que não crê este testemunho torna Deus um mentiroso, porque não crê no testemunho que Deus dá acerca do seu Filho. Nele está a vida eterna, para que aquele que tem o Filho tem a vida. Ele fecha sua epístola dizendo: "Sabemos que o filho de Deus é vindo, e nos deu um entendimento, para que possamos saber o que é verdadeiro (isto é, para que possamos conhecer o verdadeiro Deus); e nós estamos naquele isso é verdade (isto é, o verdadeiro Deus), em seu Filho Jesus Cristo. este (i. e ., esta pessoa Jesus Cristo) é o verdadeiro Deus ea vida eterna. " Que esta passagem é para ser encaminhado a Cristo, é simples. (1) Porque Ele é o sujeito do discurso no contexto, e em toda a epístola. O grande projeto do Apóstolo é para nós quem eo que Cristo é contar. (2.) nas cláusulas imediatamente anteriores ele tinha chamado o verdadeiro, "nós estamos naquele que é verdadeiro," mesmo em Jesus Cristo. "O verdadeiro" e "o verdadeiro Deus", são usadas como expressões conversíveis. (3.) Cristo é repetidamente chamado de "vida eterna", por este apóstolo, e "vida eterna" é dito ser n'Ele, que a linguagem não é usado por Deus como tal, nem do Pai. (4.) Cpristo, j é o antecedente natural de ou-toj, não só porque o mais próximo, mas porque é o assunto de destaque. (5.) Essa tem sido a interpretação recebida na Igreja, pelo menos desde a controvérsia ariana; e as objeções levantadas contra ele são principalmente teológica, ao invés de exegética. É de notar que Cristo é aqui chamado não apenas qeo, j mas o`eo, J , como em John xx. 28.

 

O Apocalipse.

 

    O livro do Apocalipse é uma continuação hino de louvor a Cristo, estabelecendo a glória de sua pessoa e o triunfo de seu reino; representando-O como a base de confiança para o seu povo, eo objeto de culto a todos os habitantes do céu. Ele é declarado ser o soberano dos reis da terra. Ele nos fez reis e sacerdotes para Deus. Ele é o Primeiro eo Último, língua nunca usei, mas de Deus, e verdade para Ele somente. Comparar É. xliv. 6. Nas epístolas às sete igrejas, Cristo assume os títulos e prerrogativas de Deus. Ele se chama, aquele que tem as sete estrelas em sua mão direita; o primeiro eo último; Aquele que tem a espada e olhos de fogo afiada, da qual nada se pode esconder. Ele tem os sete espíritos. Ele é o Santo eo Verdadeiro. Ele tem as chaves de David; Ele abre e ninguém fecha, e fecha e ninguém abre; a sua decisão sobre o destino dos homens não admite recurso. Ele é o árbitro supremo; a testemunha fiel e verdadeira; o avrch. th / j KTI, sewj tou / qeou /, o princípio, ou seja, tanto a cabeça como fonte, de toda a criação. Ele reprova as igrejas por seus pecados, ou elogia por sua fidelidade, como seu governante moral contra quem o pecado é cometido e a quem a obediência é processado. Ele ameaça punições e promete bênçãos que só Deus pode infligir ou doar. No capítulo v. O apóstolo representa todos os habitantes do céu como prostrado aos pés de Cristo, as bênçãos que atribuem, glória e honra e poder Àquele que está sentado no trono e ao Cordeiro para todo o sempre. The New Jernsalem é a sede do seu reino. Ele é a sua luz, glória e bem-aventurança. Ele novamente e novamente declara-se o Alfa eo Ômega, o Primeiro eo Último (isto é, o imutável e eterno), o Princípio eo Fim, por cuja vinda toda a Igreja segundo está na ardente expectativa.

 

  1. As Epístolas de St. Paul.

 

    Nas epístolas de Paulo, a mesma exposição exaltada é feito da pessoa e obra de Cristo. Na Epístola aos Romanos, Cristo é declarado ser o Filho de Deus, o objeto da fé, o juiz do mundo, o Deus da providência, o doador do Espírito Santo, e que, no Antigo Testamento é dito do Senhor , o apóstolo aplica-se a Cristo. No capítulo ix. 5, ele é expressamente dedared ser "sobre todos, Deus bendito eternamente." O texto aqui é indiscutível. O único método para evitar a força da passagem é mudando a pontuação. Erasmus, que tem sido seguido por muitos intérpretes modernos, colocou um ponto final depois de kata. sa, RKA , ou após aa, ntwn.In primeiro caso, a passagem leria, "De quem é Cristo segundo a carne o Deus que é mais abençoado tudo para sempre;". no segundo, "De quem Cristo veio a carne, o qual é sobre todos", isto é, maior do que os patriarcas. É francamente admitiu pelos defensores dessas interpretações que a razão para adotá-las é para evitar que o Apóstolo afirma que Cristo é Deus sobre todos. Como eles não admitem que a doutrina, eles não estão dispostos a admitir que o Apóstolo ensina. Foi universalmente conhecido Cristo na Igreja antiga, por todos os reformadores, por todos os teólogos mais antigos, e por quase todos os intérpretes modernos que acreditam na divindade de Cristo. Esta uniformidade de assentimento é em si uma prova decisiva de que a interpretação comum é o natural. Somos obrigados a tomar todas as passagens das Escrituras em seu sentido óbvio e natural, a menos que as declarações mais claras da Palavra de Deus mostram que um significado menos óbvio deve ser a verdadeira. Que a interpretação comum dessa passagem é correta é simples, -

 

  1. Porque Cristo é o tema do discurso; Deus não é mencionado no contexto. O apóstolo está mencionando as bênçãos distintivas da nação judaica. Para eles foi dada a lei, a glória, a aliança, e as promessas e, acima de tudo, a partir deles "segundo a carne (ou seja, na medida em que a sua humanidade está em causa), Cristo veio, o qual é sobre todos, Deus bendito para sempre." Aqui tudo é natural e direto ao ponto. Ele mostra como proeminente era a distinção dos judeus, que a partir deles o Messias, Deus manifesto na carne, deve nascer. Comparado a isto todas as outras prerrogativas de sua nação afundar na insignificância.

 

  1. As palavras kata. sa, rkademand uma antítese. Não haveria razão para dizer que Cristo, na medida em que Ele era um homem, era descendente de judeus, se Ele não era mais que um homem, e se não houvesse um sentido em que Ele não era descendente de-los. Como em Rm. Eu. 3, 4, diz-se que kata. sa, RKA Ele era o Filho de David, mas kata. pneu / mathe Filho de Deus; então aqui é dito, que kata. sa, rkaHe foi descendentes dos patriarcas, mas que, em sua natureza superior Ele é Deus sobre todos, bendito para sempre.

 

  1. O uso da língua exige a interpretação comum. Em todas as exclamações e bênçãos, em distinção da mera narração, o predicado uniformemente está diante do assunto, se a cópula ei = naibe omitido. Esse uso é estritamente observados na Septuaginta, nos Apócrifos, e no Novo Testamento. portanto, sempre lemos em tais doxologies euvloghto.jo` qeo, j e nunca O` qeo.j euvloghto, j. Nas Escrituras Hebraicas,% WRB "ocorre quarenta vezes em doxologies e fórmulas de louvor antes do assunto. É sempre" Bendito seja Deus, "e nunca" Deus seja bendito. "No LXVIII Septuaginta, Sl. 20 (19), ku, rioj O` qeo.j eu, loghto, j é a única exceção aparente a esta regra. e há o hebreu adere à forma comum, e a versão grega é uma paráfrase retórica do original. o hebraico é simplesmente yk ' doa]% wRB 'para o qual a LXX. tem, Ku, rioj O` qeo.j euvloghto, j, euvloghto.j ku, rioj.Every consideração, portanto, é a favor da interpretação que foi aceite pela Igreja como dando o verdadeiro significado desta passagem. Cristo é Deus sobre todos, bendito para sempre.

 

As Epístolas aos Coríntios.

 

    Nas Epístolas aos Coríntios, Cristo é representado: (1) Como o próprio objeto da homenagem religiosa. Todos os crentes são representados como seus adoradores. (1 Cor. I. 2.) (2) como a fonte da vida espiritual. (1 Cor. I. 4-9, 30, 31.) (3.) Como o Senhor de todos os cristãos e o Senhor da glória. (1 Cor. Ii. 8.) (4.) Como criador do universo (1 Cor. Viii. 6), div ou- ta. pa, nta . (5.) Como o Jeová do Velho Testamento, que conduziu os israelitas através do deserto. (1 Cor. X. 1-13.) (6.) Como o doador dos dons espirituais. (1 Cor. Xii.) (7) Como o Senhor do céu para quem o universo (ta. Pa, nta) está sujeito. (1 Cor. Xv. 25.) (8.) Um Espírito que dá vida (pneu / ma zwopoiou / n) , ou seja, um espírito que tem vida em si mesmo. e uma fonte de vida para os outros. (1 Cor. Xv. 45.) (9.) O objeto próprio de amor supremo, quem não ama, justamente submete a alma à morte eterna. (1 Cor. Xvi. 22.) (10.) O objeto da oração (1 Cor. Xvi. 23), de quem a graça é para ser procurado. (11.) Ele dá sucesso na pregação do evangelho, fazendo com que seus ministros para triunfar. (2 Cor. Ii. 14.) (12.) A visão de sua glória transforma a alma à sua semelhança. (2 Cor. III. 17, 18.) (13.) Em sua face tem a glória de Deus, para a qual só esses são cegos que estão perdidos. (2 Cor. Iv. 3-6). (14) Sua presença, ou estar com Ele, constitui o céu crentes. (2 Cor. V. 1-8). (15) Antes de seu tribunal todos os homens devem ser denunciados. (2 Cor. V. 10.) (16.) Seu amor é o maior motivo para a ação. (2 Cor. V. 14.)

 

Gálatas.

 

    (1.) Paulo diz que ele era um apóstolo não pela vontade do homem, mas por Jesus Cristo. (I. 1.) (2.) A conversão da alma é efetuada pelo conhecimento de Cristo como Filho de Deus. (Ii. 16.) (3.) A vida espiritual é mantida pela fé do qual Cristo é o objeto. (Ii. 20, 21.) (4.) Cristo vive em nós, como Deus é dito habitar em seu povo. (Ii. 20.) (5.) Ele era o objeto da fé de Abraão. (Iii. 6-9.) (6.) Ele era a semente de Abraão, em quem todas as nações são abençoadas. (Iii. 16.) (7) Pela fé nEle, tornamo-nos filhos de Deus. (Iii. 26.) (8.) O Espírito Santo é o Espírito de Cristo. (Iv. 6.) (9.) Sua vontade é a nossa lei. (Vi. 2.) (10.) Sua graça ou favorecer a fonte de todo o bem. (Vi. 18.)

 

Efésios.

 

    (1.) em Cristo e sob ele todos os objetos do amor redentor de Deus devem ser unidos em um todo harmonioso. (i. 10.) (2) Nele temos a vida eterna, ou são feitos os herdeiros de Deus. (i. 11-14.) (3) Ele é exaltado acima de todo principado, e autoridade, e poder, e domínio, ou seja, acima de todas as criaturas racionais. (i. 21.) (4.) Nele estamos vivificado, ou levantada a partir da morte do pecado, feitos participantes da vida espiritual, e exaltado para o céu. (II. 1-6.) (5) em iii. 9, Deus é dito ter criado todas as coisas por Jesus Cristo. (O texto, no entanto, em que a passagem é um pouco duvidoso.) (6.) Ele enche o universo. (i. 23, e iv. 10.) (7) Ele é a cabeça da Igreja, de quem deriva a sua vida. (iv. 16.) (8.) Ele sanctifles Igreja. (v. 26.) (9.) A descarga de todos os deveres sociais é imposta pela consideração da autoridade de Cristo. Estamos para servir os homens como fazer serviço a Ele. (vi. 1-9).

 

Filipenses.

 

    Em Filipenses, além do reconhecimento de costume de Cristo como a fonte e doador de graça e paz, que compreendem todas as bênçãos espirituais, e o reconhecimento de Deus como o fim do nosso ser (i. 21, 22), temos em ii. 6-11 a declaração mais clara da divindade de Cristo. Diz-se: (1) que ele "era (ou existiu, u`pa, rcwn) sob a forma de Deus", ou seja, era Deus tanto quanto à natureza e manifestação. Ele não poderia ser o único sem ser o outro. A palavra morfh, pode significar tanto o modo de manifestação, o que aparece, como quando se diz "o rei do céu apareceu na EVN terra morfh | /", ou a natureza ou essência (u`pa, rcwn) em si. O último ponto de vista é adotada pela maioria dos pais. O primeiro, no entanto, é mais de acordo com o uso comum da palavra, e com o contexto imediato. Aquele que existia na forma de Deus, tomando a forma de servo (morfh, n dou, lou), ou seja, a real condição de servo. (2.) Ele é declarado para ser igual a Deus. O que ele não, considere como um i-sa qew ei-nai / | , isto é, um ato de roubo, ou de uma suposição injusta. Ele tinha todo o direito de reivindicar a igualdade com Deus. (3.) Esta pessoa verdadeiramente divino assumiu a forma de um homem, o que se explica, dizendo que ele foi encontrado "em semelhança de homens." Ele apareceu em forma, o transporte, a língua, o modo de pensar, falar, sentir e agir, como os outros homens. Ele não era Purus homo putus, um simples homem, mas "Deus encarnado," Deus manifestado na carne. (4.) Esta pessoa divina, vestida na natureza do homem, humilhou até a morte, até a morte de cruz. (5.) Portanto, ele (não Deus, ou a natureza divina em Cristo, mas o Theanthropos), é exaltado acima de todo nome que se nomeia, "para que ao nome de Jesus (ie, o nome do Theanthropos, como é ele como uma pessoa divina vestida com a natureza do homem, que é o objeto de adoração), se dobre todo joelho dos que estão nos céus, e na terra, e debaixo da terra ". Esta é uma amplificação exaustiva. Ele inclui toda a criação racional, a partir do mais alto arcanjo ao santo mais fraco; tudo, tudo o que tenha a vida reconhecem Cristo para ser o que só Deus pode ser, o seu supremo e absoluto Senhor. É porque Cristo é e tem feito o que é representado, que o Apóstolo diz, no capítulo seguinte, que Ele contou todas as coisas como nada para o conhecimento de Cristo, e que seu único desejo era para ser encontrado nele e vestido com sua justiça. Este divino Redentor está para vir novamente, e "transformará o nosso corpo abatido, para ser conforme o seu corpo glorioso, segundo a operação pela qual Ele é capaz até sujeitar a si todas as coisas. (Iii. 21.)

 

Colossenses.

 

    Colossenses i. 15-20, é expressamente concebido para expor a verdadeira divindade de Cristo em oposição aos erros surgindo a partir da teoria emanação, que já tinha começado a prevalecer nas igrejas da Ásia Menor. Esta passagem estabelece a relação de Cristo, em primeiro lugar a Deus, e em segundo lugar para o universo, e em terceiro lugar para a Igreja. Aqui, como em tantos outros lugares da Escritura, os predicados da Lo, GOJ a; nsarkoj e do Lo, GOJ e; nsarkoj , estão misturados juntos. Como em Heb. Eu. 2, 3, o Filho é dito ter criado todas as coisas, e para ser o brilho da glória do Pai, e também de ter realizado a purificação dos pecados; por isso aqui parte do que é dito pertence ao Logos como existindo desde a eternidade, e parte pertence a Ele como vestidos em nossa natureza. Foi a Lo, GOJ a; sarkoj que é declarado para ser a imagem do Deus invisível e criador de todas as coisas; e é o Lo, GOJ e; nsarkojwho é declarado para ser o cabeça da Igreja. A relação de Cristo a Deus, nessa passagem é expressa: (1) Pelas palavras que acabamos de citar, "Ele é a imagem do Deus invisível." Ele é tão relacionado com Deus que Ele revela o que Deus é, de modo que quem o vê, ver a Deus, aqueles que o conhecem, conhecem a Deus e aqueles que o ouvir, ouvir a Deus. Ele é o resplendor da glória de Deus, e sua imagem expressa. (2.) Sua relação com Deus também é expresso por dizer que Ele é gerado desde a eternidade, ou o Filho unigênito. As palavras prwto, tokoj pa, shj KTI, sewjare fato diversas vezes explicadas. Por Socinians eles são feitos no sentido de que Ele era o chefe da nova dispensação; por arianos que Ele foi o primeiro criado de todas as criaturas racionais; por muitos intérpretes ortodoxos trwto, tokoj é tomado em seu sentido secundário, da cabeça ou chefe. Eles, portanto, compreender o apóstolo dizer que Cristo é o governante ou chefe sobre toda a criação. Todas estas interpretações, no entanto, são incompatíveis com o sentido próprio das palavras, com o contexto, e com a analogia da Escritura. Prwto, tokojmeans nascidos antes. O que Cristo se diz ter nascido antes, é expressa por ano, shj KTI, sewj.He nasceu (ou gerado) antes de qualquer ou todas as criaturas, isto é, antes da criação, ou a partir de eternidade. Todos os argumentos apresentados em um capítulo anterior como prova da geração eterna do Filho, são argumentos a favor desta interpretação. Além disso, a interpretação Arian é inconsistente com o significado das palavras. Esta interpretação pressupõe que o pa genitivo, shj KTI, sewj é para ser tomado partitively para que Cristo é dito ser uma parte da criação, a primeira das criaturas, como Ele é dito ser o primeiro daqueles que ressuscitou dos mortos , quando Ele é chamado proto, tokoj tw / n nekrw / n . mas pa / sa KTI, sijdoes não significa toda a criação, como indicando a classe ou categoria para a qual Cristo pertence, mas toda a criatura, como indicando uma relação ou comparação; Cristo é o primogênito como a toda a criatura, ou seja, gerado antes de qualquer criatura (isto é, eternamente, de acordo com o uso constante das Escrituras, para o que está diante de criação é eterna.) Além disso, a conexão requer esta interpretação. O apóstolo prova que Cristo é a imagem do Deus invisível, eo proto, tokoj pa, shj KTI, sewjby um argumento que prova que ele não pode ser uma criatura; e, portanto, o nascimento de que ele fala deve ser antes do tempo. Em segundo lugar, a relação de Cristo com o universo é expressa nesta passagem, dizendo: (1) Que Ele é o Criador de todas as coisas. Este é amplificado, como todas as coisas são declaradas para incluir todos os que estão no céu e na terra, visíveis e invisíveis, racional e irracional, no entanto exaltado, mesmo tronos, dominações, principados e poderes; isto é, toda a hierarquia do mundo espiritual. (2.) Ele não é apenas o autor, mas o fim da criação, para todas as coisas não só foram criadas por Ele, mas para ele. (3.) Ele sustenta todas as coisas; por Ele todas as coisas subsistem, ou seja, são preservadas em ser, da vida e da ordem. Em terceiro lugar, Cristo é a cabeça da Igreja, a fonte da vida e graça para todos os seus membros. Porque nele "toda a plenitude", a plenitude das bênçãos divinas habita. No capítulo II. 3, todos os tesouros da sabedoria e do conhecimento (ou seja, todo o conhecimento ou onisciência) são disse a habitar em Cristo; e ii. 9, que Ele é preenchido com "a plenitude da Divindade." Isto é muito diferente do PLH, rwma mencionado em i. 19, onde o apóstolo está falando do que Beza chama de "cumulatissima omnium divinarum rerum copia, ex qua, tanquam inexhausto fonte, erga gratiae no corpus pro cujusque membri modulo deriventur;" 2 mas aqui a referência é para o divino ser, a natureza, ou própria essência, a. PLH, rwma th / J qeo, thtoj. A palavra qeo, Thjis abstrata de qeo, j como qew.thj é de QEI / oj; o antigo significa Deus, o que faz com que Deus, Deus; este último significa divindade, o que torna divina. Toda a plenitude da essência divina (não uma mera emanação do que essência como a seita crescente dos gnósticos ensinaram), habita (katoikei / permanentemente permanece, não é nenhuma manifestação transitória) Nele corporal, swmatikw / j, investiu com um corpo . A Divindade em sua plenitude é encarnado em Cristo. Ele é, portanto, não apenas qeo, j mas qeo O`, j no mais alto sentido. Mais do que Paulo diz não pode ser dito.

 

Epístolas Pastorais

 

    epístolas pastorais de ln Paulo a Timóteo e Tito, além do reconhecimento normal da divindade de Cristo encontrada em quase todas as páginas do Novo Testamento, há quatro passagens em que, pelo menos de acordo com o texto comnmon e a interpretação mais natural, ele é diretamente chamado Deus. Mesmo 1 Tim. Eu. 1, kat v evpitagh.n Qeou / swth / ROJ h`mw / n kai Kuri, or VIhsou / Cristou / , pode ser naturalmente prestados ", de acordo com a ordem de Deus, nosso Salvador, até mesmo nosso Senhor Jesus Cristo." Isto está de acordo com as passagens paralelas em Tito i. 3 ", de acordo com o mandamento de Deus, nosso Salvador;" e Tito ii. 13, "do grande Deus, nosso Salvador Jesus Cristo." Nesta última passagem, não há nenhuma razão, como Winer e De Wette reconhecer, por questionar que Cristo é chamado o grande Deus, a não ser que eles consideram como a cristologia do Novo Testamento. Eles não admitem que Cristo é o grande Deus de acordo com a doutrina de Paulo, e, portanto, eles não estão dispostos a admitir que esta passagem contém essa declaração. Mas se, como vimos, e como toda a Igreja acredita, não só Paulo, mas todos os apóstolos e profetas, abundantemente ensinam que o Messias é verdadeiramente Deus, bem como verdadeiramente homem, não há força nessa objeção. A violência deve ser feito com as regras comuns da língua, se tou / Mega, lou qeou / kai. swth / ROJ não são encaminhados para o mesmo assunto; na medida em que qeou / tem o artigo e / swth rojis sem ele. O significado justo das palavras é, "O Grande Deus, que é o nosso Salvador Jesus Cristo." Esta interpretação também é exigido, (1.) No contexto. Jesus Cristo é o tema do discurso. Dele se diz que Ele é o grande Deus, nosso Salvador, que se entregou por nós. (2.) Porque o evpifanei, um , aparência (aqui em referência ao segundo advento), é usada repetidamente no Novo Testamento de Cristo, mas nunca de Deus como tal, ou de Deus Pai. Veja 2 Tim. Eu. 10; 2 Ts. II. 8; 1 Tim, vi. 14; 2 Tim. IV. 1, 8. (3.) A posição das palavras swth / ROJ antes VIhsou / Cristou / . Se "Deus" e "Salvador" se refere a pessoas diferentes a ordem natural das palavras seria: "O aparecimento do grande Deus e Jesus Cristo, nosso Salvador; " e não como ele é, "O aparecimento do grande Deus e nosso Salvador Jesus Cristo." Grande Deus e Salvador, obviamente, pertencem à mesma pessoa em 1 Tim. Eu. 1. "O comando de Deus nosso Salvador", e em Tito i. 3, "Deus, nosso Salvador;" e neste lugar (Tit. ii. 13) que Deus e Salvador é declarado ser Jesus Cristo.

 

    A passagem mais importante, no entanto, nestas epístolas pastorais, é de 1 Tim. III. 16. No que diz respeito a essa passagem pode-se observar, (1) Que admite duas interpretações. De acordo com os da Igreja é declarado ser a coluna e firmeza da verdade, de acordo com o outro, a coluna e firmeza da verdade é o grande mistério da piedade. Este último é muito para ser preferido como igualmente consistente com a estrutura gramatical da passagem, e até mais em harmonia com a analogia da Escritura. A coluna e firmeza da verdade, a grande doutrina fundamental do Evangelho, é muitas vezes em outros lugares declarado ser a doutrina da manifestação de Deus na carne. Nesta doutrina todas as nossas esperanças de salvação descansar. (2.) O que quer que a leitura ser adoptadas, se qeo, j, o`j ou O`, os quais aparecem em diferentes manuscritos, a passagem deve referir-se a Cristo. Foi ele quem se manifestou em carne, foi justificado pelo Espírito, e recebido acima na glória. (3.) O que quer que a leitura ser adotado, a passagem assume ou afirma a divindade do nosso Senhor. Com os escritores apostólicos, a doutrina da encarnação é expresso por dizer, que o lo, GOJ "se fez carne" (Jo i 14.); ou, "Cristo veio em carne" (1 João IV. 2); ou, "Quem é o brilho da glória de Deus" participou de carne e sangue "(Hb ii 14..); ou, Aquele que era" igual a Deus "foi" achado na forma de um homem "(Phil.. . ii 8.) a mesma verdade, portanto, é expressa, quer dizer: "Deus foi manifestado na carne", ou, "aquele que foi manifestado na carne", ou que "o mistério da piedade se manifestou em carne ". (4) as autoridades externas estão tão divididos que os editores e críticos mais competentes divergem quanto ao que é o texto original. para qeo, j encontramos a grande massa dos manuscritos gregos cursivos e quase todos os Padres gregos . a autoridade do Codex Alexandrinus é reivindicada em ambos os lados a questão não é, se a letra é Q ou o;. alguns dizem que vêem traços distintos da linha no Theta, outros dizem que não fazer por o`j C. , F, G, dos manuscritos unciais, apenas dois dos manuscritos cursiva, e os coptas e versões Sahidic, são citados. Para isto deve ser adicionado o testemunho do manuscrito muito antiga recentemente descobertos por Tischendorf cujo texto foi publicado sob os seus auspícios em St. Petersburg. Para O` a uncial manuscrito D, a Vulgata Latina e os Padres latinos são as testemunhas. Em vista disso estado da questão, Wetstein, Griesbach, Lachmann, Tischendorf, e Tregelles, entre os editores, decidir por o`j. Mill, Matthies, bem como os editores mais velhos Erasmus, Beza, o Complutense, e os posteriores, como Knapp e Hahn, reter qeo, j. 3 (5.) A evidência interna, medida em que a clareza da passagem e a analogia da Escritura estão em causa, são decididamente a favor do texto comum. Há algo notável na passagem; ele é trazido aparentemente como uma citação fromn um hino, como alguns pensam, ou a partir de uma confissão de fé, como outros supor, pelo menos, como uma fórmula familiar em que as verdades principais relativas à manifestação de Cristo são concisamente. (1) Ele é Deus. (2.) Ele foi manifestado na carne, ou se fez homem. (3.) Ele foi justificado, ou seja, as suas pretensões a ser considerada como Deus manifestado na carne foram provou ser justo, pelo Espírito (ou seja, tanto pelo Espírito Santo, ou pelo pneu / ma ou a natureza divina que se revela Nele. Comp. John i. 14). (4.) Ele foi visto dos anjos. Eles reconheceram e serviram. (5.) Ele foi pregado entre os gentios, como Ele veio para ser o Salvador de todos os homens, e não somente dos judeus. (6.) Ele foi acreditado sobre como Deus e Salvador; e (7) Ele foi recebido na glória, onde agora vive, reina, e intercede.

 

Epístola aos Hebreus.

 

    As doutrinas da Bíblia são geralmente afirmado com autoridade; anunciado como fatos a serem recebidos no testemunho de Deus. É raro que os escritores sagrados comprometem-se a revelar o que eles ensinam. O primeiro capítulo da Epístola aos Hebreus é uma excepção a esta regra geral. A divindade de Cristo é aqui provado formalmente. Como o design do Apóstolo era persuadir os cristãos hebreus a aderir ao evangelho e para protegê-los do pecado fatal de apostatar ao judaísmo, ele coloca diante deles a superioridade imensurável do evangelho para a economia mosaica. O primeiro ponto de que a superioridade, e que no qual todos os outros dependem, é a dignidade superior de Cristo como uma pessoa divina, a Moisés e todos os profetas. Para estabelecido que a superioridade, primeiro ele afirma que Cristo, o Filho de Deus, é o possuidor de todas as coisas; que por meio dele Deus fez o mundo; que Ele é o resplendor da glória de Deus, a expressa imagem da sua natureza, sustentando todas as coisas pela palavra do seu poder; e que porque Ele tem por ele mesmo feito a purificação dos pecados, Ele é agora, como o Theanthropos, assentou-se à destra da majestade nas alturas. A verdadeira divindade de Cristo sendo assim, afirmou, o apóstolo prossegue para provar que esta é a doutrina das Escrituras. (1.), porque ele está na Bíblia chamado Filho de Deus, um título que não pode ser dado em seu verdadeiro sentido a qualquer criatura. Cristo, portanto, é mais elevado do que os anjos; e como os anjos palavra na Bíblia inclui todas as criaturas inteligentes maior do que o homem, Cristo é maior do que todas as criaturas, e, portanto, Ele mesmo não pode ser uma criatura. Ele pertence a uma categoria diferente de ser. (2.) Todos os anjos ( ou seja, todas as inteligências superiores) são comandados a adorá-Lo ( ou seja, a prostrar-se diante dEle). (3) Enquanto os anjos são tratados como meros instrumentos pelos quais Deus efetua seus propósitos, o Filho é tratado como Deus. "Teu trono ó Deus é para todo o sempre." (4.) Ele lançou as fundações da terra, e os céus são obra das suas mãos. (5.) Eles são mutáveis, mas Ele é imutável e eterno. (6.) Ele está associado com Deus na glória e poder. Nesta grande verdade, assim estabelecido, os motivos Apóstolo todos os deveres e doutrinas que ele insiste na fé e obediência de seus leitores. É por este motivo que não há escapatória para aqueles que rejeitam a salvação que Ele providenciou. (ii. 1-5). É por esse motivo também que Ele tem um domínio não concedeu aos anjos, todas as coisas que estão sendo submetidos a Ele. (.. ii 5-10) Como era uma pessoa divina, o Filho eterno de Deus, que assumiu a nossa natureza, e tornou-se sumo sacerdote para nós, seu sacrifício é eficaz, e não precisa de ser repetido; e Ele é um padre perpétuo, mais elevado do que os céus, que pode salvar perfeitamente a todos os que vêm a Deus por Ele. Este Salvador é o mesmo dia para-ontem, e eternamente. Fé Nele vai permitir-nos vencer o mundo, como a fé nas promessas a respeito de Cristo permitiu que os antigos dignitários para testemunhar uma boa confissão sob as maiores provações e sofrimentos.

 

O outro escritores sagrados do Novo Testamento.

 

    O mesmo testemunho da divindade do nosso Senhor é suportado pelos Apóstolos Tiago e Pedro. O ex-lhe chama o Senhor da glória, o último em sua Primeira Epístola representa como o próprio objeto do amor supremo. Fé Nele assegura a salvação. Seu espírito habitou nos profetas antigos. Ele é o fundamento da Igreja. (Ii. 6.) Depois de ter sofrido o justo pelos injustos para nos conduzir a Deus, Ele está agora exaltado à mão direita de Deus, todo o universo de criaturas inteligentes estando sujeito a Ele. (Iii. 18.) em sua segunda epístola ele fala do conhecimento de Cristo como a fonte de graça e paz (i. 2.), e da santidade (ver. 8). Na morte, os crentes entrar em seu reino eterno (ver. 11). Peter foi uma testemunha ocular da sua majestade divina, quando ele estava com ele no monte santo. Senhor e Salvador, o equivalente nos lábios de um judeu, a Jeová Salvador, é a designação comum de Cristo. A verdadeira religião, de acordo com este Apóstolo, consiste no conhecimento de Cristo como o Filho de Deus, a quem, portanto, ele atribui a glória eterna.

 

    Imperfeita e insatisfatória como esse levantamento, necessariamente, é, é suficiente para provar não só que as Escrituras ensinam a divindade de Cristo, mas que o cristianismo como religião consiste no amor, adoração e serviço do Senhor Jesus, cuja criaturas que somos, e a quem pertencemos pela relação ainda mais caro daqueles que Ele resgatou com seu próprio sangue precioso.

 

Notas finais

 

  1. Sobre este assunto ver de Hengstenberg cristologia ; Smith Messias ; De Allix Juagmen da Igreja judaica .
  2. No loc. Editar. Genebra, 1565, p. 423.
  3. Dr. Henderson muito habilmente justificou a qeo leitura, j em seu exame crítico dos várias leituras em 1 Tim. III. 16.
  4. FONTE www.avivamentonosul21.comunidades.net