Translate this Page

Rating: 3.0/5 (931 votos)



ONLINE
8




Partilhe este Site...

 

 

<

Flag Counter

mmmmmmmmmmm


// ]]>


Teologia sistematica CRISTOLOGIA N.3
Teologia sistematica CRISTOLOGIA N.3

        TEOLOGIA SISTEMATICA CRISTOLOGIA N.2   

  1. Os nomes.

 

  1. Jesus:

 

( Iēsous ) É o equivalente grego do hebraico "Joshua" ( יהושׁע , Yehoshua ' ), Que significa "Senhor é salvação". Fica, portanto, na Septuaginta e Apocrypha para "Joshua", e em Atos 7:45 e Hebreus 4: 8 representa também o Testamento Joshua Velho; Assim, na versão revista (britânico e americano) é nestas passagens prestados "Joshua". Em Mateus 1:21 o nome, conforme ordenado pelo anjo a ser dado ao filho de Maria ", pois é ele que salvará o seu povo dos seus pecados" (veja abaixo em "Nativity"). É o nome pessoal do Senhor nos Evangelhos e os Atos, mas geralmente nas Epístolas aparece em combinação com "Cristo" ou outro apelativo (sozinho em Romanos 3:26 ; Romanos 4:24 ; 1 Coríntios 12: 3 ; 2 Corinthians 11: 4 ; Filipenses 2:10 ; 1 Tessalonicenses 4:14 ; Hebreus 7:22 ; Hebreus 10:19 , etc.).

 

  1. Cristo:

 

( Christos ) É o equivalente grego do hebraico "Messias" ( משׁיח , Mashiah ; comparar no Novo Testamento, João 1:41 ; João 04:25 , "Messias"), que significa "ungido" (veja MESSIAS). Designa Jesus como o cumpridor das esperanças messiânicas do Antigo Testamento e do povo judeu. Ele será visto a seguir que o próprio Jesus fez esta afirmação. Depois da ressurreição, tornou-se o título atual de Jesus na igreja apostólica. Na maioria das vezes nas Epístolas Ele é chamado de "Jesus Cristo", às vezes "Cristo Jesus" ( Romanos 8: 1 , Romanos 8: 2 , Romanos 8:39 ; 1 Coríntios 1: 2 , 1 Coríntios 1:30 ; 1 Coríntios 4: 15 ; Efésios 1: 1 ; Filipenses 1: 1 ; Colossenses 1: 4 , Colossenses 1:28 a versão king James; 1 Tessalonicenses 2:14 , etc.), muitas vezes, "Cristo" sozinho ( Romanos 1:16 a versão king James ; Romanos 5: 6 , Romanos 5: 8 ; Romanos 6: 4 , Romanos 6: 8 , Romanos 6: 9 ; Romanos 8:10 , etc.). Neste caso, "Cristo" adquiriu a força de um nome próprio. Muito frequentemente o termo é associado com o "Senhor" ( kurios) - "O (ou" nosso ") Senhor Jesus Cristo" ( Atos 11:17 ; Atos 15:11 King James Version; Atos 16:31 King James Version; Atos 20:21 ; Atos 28:31 ; Romanos 1 : 7 ; Romanos 5: 1 , Romanos 5:11 ; Romanos 13:14 ; 1 Coríntios 16:23 , etc.).

 

  1. Ordem de Tratamento.

 

Ao estudar, como se propõe a fazer neste artigo, a história terrena de Jesus e Seu lugar na fé da igreja apostólica, será conveniente prosseguir a seguinte ordem:

 

Em primeiro lugar, como introdução a todo o estudo, certas questões relacionadas com as fontes de nosso conhecimento de Jesus, e à preparação para, e as circunstâncias de, Sua aparência histórica, convidar muita atenção (Parte I).

 

Em seguida, ainda como preliminar para a narrativa adequada da vida de Jesus, é desejável considerar certos problemas decorrentes da apresentação do que a vida nos Evangelhos com o qual o pensamento moderno é mais especialmente preocupados, como determinando a atitude em que as narrativas são abordados. Tais são os problemas dos milagres, o Messias, o caráter sem pecado e reivindicações sobrenaturais de Jesus (parte II).

 

O caminho é então aberto para o tratamento, a fim de os acontecimentos reais da vida e do ministério de Cristo, tanto quanto gravado. Estes dividem-se em várias etapas, desde seu nascimento e batismo até sua morte, ressurreição e ascensão (Parte III).

 

A divisão final tratará Jesus como o Senhor exaltado nos aspectos em que ele é apresentado no ensino de Epístolas e restantes escritos do Novo Testamento (Parte IV).

 

Parte I. Introdução

 

  1. As fontes.

 

  1. Em geral:

 

O principal, e praticamente as únicas fontes para o nosso conhecimento de Jesus Cristo são os quatro evangelhos canónicos - distinção a ser feita nesses entre os três primeiros (Synoptic) Evangelhos e do Evangelho de João. Nada, quer nas poucas avisos de Cristo em autores não-cristãos, ou nas referências em outros livros do Novo Testamento, ou na literatura cristã posterior, contribui para a informação que os Evangelhos já de alimentação. Os chamados evangelhos apócrifos são inúteis como as autoridades (ver sob a palavra); as poucas palavras adicionais de Cristo (compare Atos 20:35 ) encontrados em escritos fora são de autenticidade duvidosa (compare uma coleção destes em Westcott Introdução ao Estudo dos Evangelhos , Anexo C; ver tambémLOGIA ).

 

  1. negação da existência de Jesus:

 

Ele marca o excesso a que o ceticismo foi que os escritores são encontrados nos últimos anos que negam a própria existência de Jesus Cristo (Kalthoff, Das Christus-problema , e Die Entstehung des Christenthums ; Jensen, Das Gilgamesch-Epos , I; Drews, Die Christusmythe ; comparar on Kalthoff, Schweitzer, The quest do Jesus histórico , tradução Inglês, 313 ff; Jensen é revista em que o escritor é a ressurreição de Jesus , Capítulo IX). A extravagância de tal ceticismo é sua refutação suficiente.

 

  1. Os anúncios Extra-cristãos:

 

De avisos fora dos círculos cristãos à seguinte pode ser referido.

 

(1) Josephus.

 

Há a famosa passagem em Josephus, Ant , XVIII, Iii, 3, começando: "Agora havia sobre este tempo, Jesus, um homem sábio, se é lícito chamá-lo de um homem", etc. Não é improvável que Josefo tinha alguma referência a Jesus, mas a maioria concorda que a passagem em questão, se não inteiramente espúria, tem sido objecto de interpolação cristã (no aceso e diferentes pontos de vista, ver Schurer, povo judeu no tempo de Cristo , 504 II, tomo II, 143 ff; em apoio a interpolação , Edersheim em "Josephus," no dicionário de Cristo. Biografia ).

 

(2) Tácito.

 

O historiador romano, Tácito, em uma passagem bem-conhecidos relacionados com a perseguição de Nero ( Ann. Xv. 44), conta como os cristãos, já "uma grande multidão" ( ingens multitudo ), derivado seu nome "de um Christus, que foi executado no reinado de Tibério pelo procurador da Judéia, Pôncio Pilatos ".

 

(3) Suetônio.

 

Suetônio também, em seu relato de Cláudio, fala dos judeus como expulsos de Roma para a captação de tumultos por instigação de um "Cresto" ( impulsore Chresto ), claramente um erro de "Christus". O incidente é, sem dúvida, o referido no Atos 18: 2 .

 

  1. Os Evangelhos:

 

Os quatro Evangelhos, então, com seus conteúdos ricos, permanecem como nossas fontes primárias para o conhecimento da vida terrena de Jesus.

 

(1) Os Sinópticos.

 

Pode ser tomado como o resultado da melhor crítica que os três primeiros Evangelhos (Mateus, Marcos, Lucas), todos caem bem dentro da era apostólica (compare Harnack, Altchr Lit.. , Pref; veja EVANGELHOS). A teoria favorita no momento das relações destes Evangelhos é, que Mk é um evangelho independente, descansando sobre o ensino de Pedro; que Mt e Lc tem como fontes o Evangelho de Marcos e uma coleção de discursos, provavelmente atribuíveis ao apóstolo Mateus (agora comumente chamado Q); e que Lc tem um terceiro, fonte bem autenticado ( Lucas 1: 1-4 ) peculiar a si mesmo. O presente escritor está disposto a permitir que mais independência para os evangelistas no Embodying de uma tradição comum a todos; em qualquer caso, as fontes indicadas estão de autoridade irrepreensível, e fornecer uma garantia forte para a confiabilidade das narrativas. A garantia suprema da sua confiabilidade, no entanto, é encontrada nas próprias narrativas; para que na medida em que (ou qualquer) idade poderia imaginar uma figura tão singular e perfeito como o de Jesus, ou inventar as palavras incomparáveis ​​e parábolas que procediam de Seus lábios? Grande parte do ensinamento de Cristo é alto como o céu acima das mentes dos homens ainda.

 

(2) O Quarto Evangelho.

 

O Quarto Evangelho distingue-se dos Sinópticos em lidar principalmente com outro conjunto de incidentes (o ministério de Jerusalém), e discursos de um tipo mais íntimo e privado do que aqueles que pertencem ao ensino galileu. O seu objectivo é, também, doutrinário - para mostrar que Jesus é o "Filho de Deus", e seu estilo e modo de concepção são muito diferentes das dos Evangelhos Sinópticos. Seu conteúdo tocar suas narrativas em apenas alguns pontos (como em João 6: 4-21 ). Onde eles fazem, a semelhança é manifesto. É óbvio que as reminiscências que o Evangelho contém, desde há muito pairava sobre pelo apóstolo, e que um certo elemento interpretativo combina com sua narração de incidentes e discursos. Isso, no entanto, não garante-nos em lançar dúvida, com tantos, na autenticidade do Evangelho, para o qual a evidência externa é excepcionalmente forte (compare Sanday, a crítica do Quarto Evangelho ; Drummond, Character e autoria da Quarta evangelho ; e veja JOÃO , EVANGELHO). O Evangelho é aceito aqui como um registro verdadeiro dos ditos e feitos de Jesus que se narra.

 

  1. A preparação.

 

  1. Tanto gentios e judeus:

 

Nos Evangelhos e em todo o Novo Testamento, Jesus aparece como o objetivo da revelação do Antigo Testamento, e o ponto em que todos os desenvolvimentos providenciais cuidado. Ele veio, diz Paulo, na "plenitude do tempo" ( Gálatas 4: 4 ). Tem sido frequentemente mostrado como, politicamente, intelectualmente, moralmente, tudo no mundo greco-romano estava pronto para uma religião tão universal como Jesus trouxe para ele (compare do Baur História da Igreja nos primeiros três séculos , a tradução Inglês, capítulo I ). A preparação em Israel é visto tanto nas revelações de Deus para, e relações com, o povo escolhido no patriarcal, Mosaico, períodos monárquicos e proféticos, e nos desenvolvimentos da mente judaica nos séculos imediatamente antes de Cristo.

 

  1. Antigo Testamento Preparação:

 

Como linhas especiais em preparação do Antigo Testamento pode-se observar as ideias do rei messiânico, um governante da casa de Davi, cujo reinado seria justo, perpétua, universal (compare Isaías 07:13 a 9: 7; Isaías 32: 1 , Isaías 32: 2 ; Jeremias 33:15 , Jeremias 33:16 ; Salmo 2: 1-10 , etc.); de um justo sofredor (Sl 22, etc.), cujos sofrimentos estão em Isaías 53: 1-12 declarou ter um caráter expiatório e redentor; e de um reino messiânico, que, rompendo os limites do nacionalismo, se estenderia por toda a terra e abraçar todos os povos (compare Isa 60; Salmo 87: 1-7 ; Daniel 2:44 ; Daniel 7:27 , etc.). O reino, ao mesmo tempo, está agora concebida sob um aspecto mais espiritual. Seus principais bênçãos são perdão e justiça.

 

  1. Pós-exílio Preparação:

 

A idade sucesso do retorno do exílio testemunhou uma preparação colector para o advento de Cristo. Aqui pode ser observada a descentralização dos ideais religiosos judeus através do aumento de culto sinagoga e a ampla dispersão da raça; o contato com a cultura helênica (como em Philo); mas especialmente a nitidez acentuada das expectativas messiânicas. Algumas delas eram de caráter apocalíptico bruto (verliteratura apocalíptica; Escatologia do Antigo Testamento); muitos eram política e revolucionária; mas alguns eram de um tipo mais puro e mais espiritual (compare Lucas 2:25 , Lucas 2:38 ). Para esses elementos mais puros Jesus ligados a Si mesmo em Sua pregação do Reino e de Si mesmo como o seu Senhor. Mesmo no Gentileworld, é dito, havia uma expectativa de um grande Ser que sobre esse tempo viria da Judéia (Tácito, História v 13;. Suet . Vespas 4).

 

III. A situação exterior.

 

  1. A Terra:

 

De todas as terras da Palestina era a mais equipada para ser a cena da revelação culminante da graça de Deus na pessoa e na obra de Jesus Cristo, como antes foi montado para ser a morada das pessoas escolhidas para receber e preservar as revelações que prepararam o caminho para que a manifestação final. Ao mesmo tempo central e isolado - na junção das três grandes continentes do Velho Mundo, Ásia, África e Europa - a estrada das nações em guerra e comércio - poderes poderosos tocar em cada mão, Egito, Síria, Assíria, reinos da Ásia menores, impérios como antigamente mais antigos, hitita e babilônico, agora em contacto com a Grécia e Roma, mas singularmente cercado por montanha, deserto, Jordan desfiladeiro, e Grande Mar, de entrada imediata de influências estrangeiras, a Palestina tem um lugar próprio na a história da revelação, que só a sabedoria divina pode ter dado (compare Stanley, Sinai ea Palestina , Parte II, capítulo II; GA Smith, Hist Geog da Terra Santa.. , Livro I, capítulos I, II; Lange, vida de Cristo , I, 246 ff).

 

Suas divisões.

 

Palestina, no período romano, foi dividido em quatro províncias ou distritos bem definidos - Judaea, com Jerusalém como seu centro, no sul do país, o forte-hold de conservadorismo judaica; Samaria, no meio, povoado desde os tempos assírios por colonos mistas ( 2 Reis 17: 24-34 ), preponderatingly nações de origem, mas agora professar a religião judaica, alegando ascendência judaica (compare João 4:12 ), possuindo uma cópia do a lei (Sam Pentateuco), e um templo do seu próprio em Gerizim (o templo original, construída por Manassés, por volta de 409 aC, foi destruída por João Hircano, 109 aC); Galiléia - "Galiléia dos gentios" ( Mateus 04:15 ; comparar Isaías 9: 1 ) - no Norte, o chefe local do ministério de Cristo, mais livre e mais cosmopolita em espírito, através de uma grande infusão de população Gentile, e contato com comerciantes, etc., de nacionalidades variadas: estes, no oeste da Palestina, enquanto no Oriente, "além do Jordão", foi Peraea, dividido em Peraea adequada, Batanea, Golã, Ituréia, Trachonitis, Decápole, etc. (compare Mateus 4: 25 ; Mateus 19: 1 ; Luke 3: 1 ). O sentimento de amargura entre judeus e samaritanos era intenso ( João 4: 9 ). A língua do povo todo foiARAMAICO (que ver), mas um conhecimento da língua grega foi amplamente difundido, especialmente no Norte, onde a relação com os povos de língua grega era habitual (os escritos do Novo Testamento são em grego). Jesus sem dúvida usou o dialeto nativo em Seu ensino comum, mas é altamente provável que Ele também sabia grego, e estava familiarizado com Escrituras do Antigo Testamento em que a linguagem (a Septuaginta). Neste caso, ele pode ter, por vezes, usou em sua pregação (compare Roberts, discussões sobre os Evangelhos ).

 

  1. Situação política:

 

A infeliz história das vicissitudes do povo judeu no século sucedendo a grande perseguição de Antíoco Epifânio e a revolta dos Macabeus - uma história feita de facção, intrigas, guerras, assassinatos, massacres, da crescente degeneração dos governantes e da nação, de repetido saques de Jerusalém e massacres terríveis - até Herodes, o idumeu, chamada erroneamente "o Grande", subiu ao trono por favor dos romanos (37 aC), deve ser lido nos livros relativos ao período (Ewald, História de Israel , V ; Milman, Hist de judeus ; Schurer, História do Povo judeu no Tempo de Cristo , 504 I, Vol I; Stanley, Igreja judaica , III, etc.). O poder de Roma, convidou pela primeira vez por Judas Macabeu (161 aC), foi finalmente estabelecido pela captura de Jerusalém (63 BC) de Pompeu. Caminho de Herodes ao trono foi rastreado por crime e derramamento de sangue e assassinato daqueles que mais de perto relacionado a ele marcou cada passo em seu avanço. Seu gosto por esplêndidos edifícios - palácio, templo ( Mateus 24: 1 ; João 2:20 ), fortalezas, cidades (Sebaste, Caesarea, etc.) - e magnificência pródigo de sua propriedade e administração real, não conseguia esconder a hediondez de sua astuto, o egoísmo sem escrúpulos, sua crueldade sangue frio, sua opressão tirânica de seus súditos. "É melhor ser porco de Herodes ( hus ) Do que o seu filho (huios ) ", Foi o comentário de Augusto, quando ouviu falar de atos não naturais do rei morrendo.

 

Mudanças no território.

 

Na época do nascimento de Cristo, toda a Palestina estava unida sob o governo de Herodes, mas com a morte de Herodes, depois de um longo reinado de 37 (ou, a contar da sua adesão efectiva, 34) anos, seus domínios foram, de acordo com a sua vontade , confirmado por Roma, dividida. Judéia e Samaria (algumas cidades exceção) caiu para seu filho Arquelau ( Mateus 02:22 ), com o título de "etnarca"; Galiléia e Perea foi dado a Herodes Antipas, outro filho, com o título de "tetrarca" ( Mateus 14: 1 ; Luke 3: 1 , Lucas 03:19 ; Lucas 23: 7 ; Atos 13: 1 ); Herodes Filipe, um terceiro filho, recebeu Ituréia, Traconites, e outras partes do território trans-Jordanic do norte, da mesma forma como "tetrarca" ( Lucas 3: 1 ; comparar Mateus 14: 3 ; Marcos 06:17 ). Alguns anos mais tarde, a tirania de Arquelau provocou um apelo de seus súditos para Augusto e Arquelau, chamado a Roma, foi banido para a Gália (7 AD). Posteriormente Judéia, com Samaria, era governada por um procurador romano, sob a supervisão do prefeito da Síria.

 

  1. As Seitas religiosas:

 

Na situação religiosa o chefe fato de interesse é o lugar ocupado e proeminente papel desempenhado pelas seitas religiosas - os fariseus, os saduceus e (embora não mencionado nos Evangelhos, estes tiveram uma influência importante sobre o início da história da igreja) a essênios. A ascensão e características dessas seitas pode aqui apenas ser aludido (ver artigos especiais).

 

(1) Os escribas.

 

Desde os dias de Ezra atenção zeloso tinha sido dada ao estudo da lei, e uma ordem de homens tinham surgido - os "escribas" - cuja actividade especial que era para proteger, desenvolver e expor a lei. Através de seus trabalhos, a observância escrupulosa da lei, e, com ele, das inúmeras regulamentações destinadas a preservar a lei e aplicá-lo em detalhe para conduzir (o chamado "tradição dos anciãos", Mateus 15: 2 ff) , tornou-se o ideal de justiça. As seitas aparecem pela primeira vez na era dos Macabeus. O conflito dos Macabeus revela a existência de um partido conhecido como o "Assidaeans" (em hebraico ḥǎṣı̄dhı̄m), Ou os "piedosos", que se opõem às tendências helenizantes frouxas dos tempos e observadores leais da lei. Estes no início deu suporte corajoso para Judas Macabeu, e sem dúvida, em seguida, abraçou os melhores elementos da nação.

 

(2) Os fariseus.

 

A partir deles, por um processo de deterioração muito natural em tais casos, desenvolveu um partido de legalistas conhecidos nos Evangelhos como os "fariseus" ( "separados"), em que castigos mais severos de Cristo caiu para a sua auto-justiça, ostentação, orgulho e falta de simpatia e caridade ( Mateus 6: 2 ff; 23; Lucas 18: 9-14 ). Eles gloried em um escrúpulo excessivo na observância dos externo da lei, mesmo em trivialidades. Para eles, a multidão que não sabia da lei foram "amaldiçoados" ( João 7:49 ). Para esta parte, o grande corpo dos escribas e rabinos pertencia, e sua influência poderosa era procurado avidamente, por alegar facções no estado.

 

(3) Os saduceus.

 

Ao lado dos fariseus eram os "saduceus" (provavelmente a partir de "Zadok") - em vez de uma camarilha política e aristocrática do que uma seita religiosa, em cuja posse as honras do sumo sacerdócio e outros escritórios influentes passou hereditariamente. Eles são primeiramente se reuniu com o pelo nome sob João Hircano (135-106 aC). Os saduceus recebeu apenas a lei de Moisés, interpretou-o em um literal espírito, secularista, rejeitou as tradições farisaica e acreditava em nenhum ressurreição, anjo, nem espírito ( Atos 23: 8 ). Normalmente em rivalidade com os fariseus, eles são encontrados combinando com estes para destruir Jesus ( Mateus 26: 3-5 , Mateus 26:57 ).

 

(4) Os essênios.

 

O terceiro, o "essênios", diferiam tanto (alguns derivar também dos Assideans) em viver em fraternidade para além da comunidade em geral, principalmente no deserto de En-Gedi, na costa noroeste do Mar Morto, embora alguns foram encontrados também em vilas e cidades; ao rejeitar o sacrifício de animais, etc., enviando apenas presentes de incenso no templo; em praticar o celibato ea comunidade de bens; no uso de vestes brancas; em certos costumes (como saudação ao nascer do sol com orações) sugestivos de influência oriental. Eles proibiam a escravidão, guerra, juramentos, foram dadas aos estudos ocultos, tinham doutrinas e livros secretos, etc. Como observou, eles não aparecem no Evangelho, mas por conta de certas semelhanças, alguns têm procurado estabelecer uma conexão entre eles e João Batista e Jesus. Na realidade, porém, nada poderia ser mais oposto do que Essenismo às idéias essenciais e espírito do ensino de Cristo (compare Schurer, como acima, Div II, Vol II, 188 ff;.. Kuenen, Hibbert mos algumas sobre Religiões nacional e universal Religiões , 199-208; Lightfoot, Colossenses , 114-79).

 

  1. A cronologia.

 

As questões principais cronológicos relacionados com a vida de Jesus são discutidos em detalhe em outro lugar (CRONOLOGIA Do Novo Testamento; Quirino, Etc); aqui é suficiente para indicar o regime geral do namoro adotada no presente artigo, e alguns dos motivos por que é o preferido. As principais questões relacionadas com as datas do nascimento e batismo de Jesus, a duração do ministério e a data da crucificação.

 

  1. Data do Nascimento de Jesus:

 

Embora contestada por alguns (Caspari, Bosanquet, Conder, etc., colocá-lo tão tarde quanto 1 aC) a data habitual para a morte de Herodes, o Grande, Março, 4 BC (Ano de Roma 750), pode ser assumida como correta (por razões de este namoro, consulte Schurer, op. cit., Div. I, Vol. I, 464-67). O nascimento de Jesus era antes, e, aparentemente, não muito tempo antes, este evento ( Mateus 2 ). Pode, portanto, ser colocado com probabilidade na última parte do ano anterior (5 BC), o namoro ordinária do início da era cristã sendo assim, como é geralmente reconhecido, quatro anos mais tarde. Não há certeza quanto ao mês ou dia do nascimento. A data de Natal, 25 de dezembro, é o primeiro reuniu-se com no Ocidente no século 4 (a data oriental era 06 de janeiro), e foi, em seguida, possivelmente, emprestado de um festival pagão. Dezembro, na temporada de inverno, parece improvável, como inadequado para o pastoreio de rebanhos ( Lucas 2: 8 ), embora esta objeção não é, talvez, decisiva (Andrews, Conder). A data mais provável é um par de meses anteriores. O sincronismo com Quirino ( Lucas 2: 2 ) é considerado em conexão com o nascimento. As datações anteriores do 6, 7 ou mesmo 8 aC, sugeridas por Ramsay, Mackinlay e outros, em razão do censo romano assumido, fenômenos astronômicos, etc., parecem deixar muito tempo um intervalo antes da morte de Herodes, e de conflito com outros dados, como Lucas 3: 1 (ver abaixo).

 

  1. Data do Batismo:

 

John é dito por Lucas ter começado a pregar e batizar "no décimo quinto ano de Tibério" ( Lucas 3: 1 ), e Jesus "tinha cerca de trinta anos de idade" ( Lucas 3:23 ), quando Ele foi batizado por João, e entrou em seu ministério. Se o 15º ano de Tibério é datado, como parece mais provável, de sua associação com Augustus como colega no governo, 765AUC , Ou 12 DE ANÚNCIOS (Tácito, Anais i 3;. Suetônio sobre Augusto, 97), e se Jesus pode ser suposto ter sido batizado cerca de 6 meses após John iniciou seu trabalho, esses dados se combinam para levar-nos para o ano 780 AUC, Ou 27 dC, como o ano do nosso batismo do Senhor, de acordo com nosso ex conclusão sobre a data de seu nascimento no século 5 aC. Para colocar o nascimento prematuro é fazer com que Jesus 32 ou 33 anos de idade em seu batismo - uma extensão insustentável do "about". De acordo com esta é a declaração em João 2:20 que o templo tinha sido 46 anos na construção (que começou em 20-19 BC) no momento da primeira Páscoa de Cristo; Por conseguinte, em 780 AUC , Ou 27-AD (compare Schurer, op. Cit., Div. I, Vol. I, 410).

 

  1. Duração do Ministério:

 

A determinação da duração exacta do ministério de nosso Senhor envolve elementos mais duvidosos. Deixando de lado, como demasiado arbitrária, regimes que, com alguns dos primeiros Padres, comprimem todo o ministério em pouco mais de um único ano (Browne, Hort, etc.) - uma visão que envolve sem autoridade a rejeição da menção da Páscoa em João 6: 4 - resta a escolha entre um de dois anos e um três anos de ministério. Ambos têm defensores capazes (Turner no artigo "Cronologia", e Sanday no artigo "Jesus Cristo", em HBD , defendem os dois anos de regime; Farrar, Ramsay, D. Smith, etc., aderir aos três anos de esquema) . Um ponto importante é o entendimento da "festa" sem nome em João 5: 1 . John já nomeou uma Páscoa- Christ do primeiro - em João 2:13 , João 2:23 ; outra, que Jesus não comparecer, é nomeado em João 6: 4 ; a Páscoa final, em que Ele foi crucificado, aparece em todos os evangelistas. Se a "festa" de John 5: 1 (o artigo é provavelmente a ser omitido) é também, como alguns pensam, a Páscoa, em seguida, John tem quatro Páscoas, e um ministério de três anos torna-se necessário. Alega-se, no entanto, que, neste caso, a "festa" quase certamente foram nomeados. Ainda não se segue, mesmo que uma pequena festa - diz Purim - se destina, que estamos encerrados para um ministério de dois anos. Mr. Turner certamente vai além de seu depoimento afirmando que "enquanto dois anos devem, não mais de dois anos pode ser permitido, para o intervalo de João 2:13 , João 2:23 para João 11:55 ." Esquema de dois anos envolve, como será visto na consideração dos detalhes, a superlotação grave e transposição arbitrária de incidentes, que se referem à necessidade de mais tempo. Vamos supor que o ministério durou três anos, reservando razões até a narrativa é examinado.

 

  1. Data da morte de Cristo:

 

Na hipótese agora aceite, a crucificação de Jesus ocorreu na Páscoa de 30 dC. No esquema os dois anos de cairia um ano antes. Em ambos os lados concordaram que é que ela ocorreu na sexta-feira da semana da Páscoa, mas é discutível se esta sexta-feira foi o dia 14 ou o dia 15 do mês. O Evangelho de João é invocado a data anterior para, a Sinópticos para o último. A questão será considerado em conexão com o tempo da Última Ceia. Entretanto, é de se observar que, se o dia 15 é a data correta, parece haver razão para acreditar que o dia 15 de Nisan caiu em uma sexta-feira no ano acaba de ser nomeada, 783agostoOu 30 dC. Aceitamos esse provisoriamente como a data da crucificação.

 

Parte II. Os Problemas da Vida de Jesus

 

  1. Os Milagres.

 

  1. A atitude "moderna":

 

Todo mundo está ciente de que a presença de milagre nos Evangelhos é um chefe fundamento de rejeição da sua história, os representantes da escola "moderna". Não é questionada-se que é uma pessoa super-natural, cuja imagem é apresentada nos Evangelhos. Não há nenhuma diferença real entre os Sinópticos e João a este respeito. "Mesmo o Evangelho mais antigo", escreve Bousset, "é escrito do ponto de vista da fé; já para Mark, Jesus não é apenas o Messias do povo judeu, mas o Filho eterno milagre de Deus, cuja glória brilhou no mundo" ( foi wissen wir von Jesus? 54,57). Mas o mesmo escritor, interpretando o espírito "moderno", declara que nenhuma conta abraçando eventos sobrenaturais pode ser aceito como histórico. "A principal característica deste modo moderno de pensar", "ele diz, repousa sobre a determinação para tentar explicar tudo o que acontece no mundo por causas naturais, ou - para expressá-lo de outra forma - que repousa sobre a determinada afirmação das leis universais de que todos os fenômenos, naturais e espirituais, estão sujeitas "( o que é religião? tradução Inglês, 283).

 

  1. Supernatural nos Evangelhos:

 

Com tal suposição, é claro que os Evangelhos são condenadas antes de serem lidos. Não é só Jesus há uma pessoa sobrenatural, mas Ele é apresentado como super-natural natural no caráter, nas obras, nos pedidos (ver abaixo); Ele faz milagres; Ele tem um nascimento sobrenatural, e uma ressurreição sobrenatural. Tudo isso é varrida. Pode ser permitido que Ele tinha notáveis ​​dons de cura, mas estes são na classe de "faithcures" (assim Harnack), e não verdadeiramente sobrenatural. Quando se busca a justificação para este dogmatismo Confiante, é difícil descobri-lo, exceto em razão de uma teoria panteísta ou monista do universo que exclui a Deus pessoal do cristianismo. Se Deus é o Autor e Mantenedor do sistema natural, que Ele governa para fins morais, é impossível ver por que, para altas extremidades de revelação e redenção, uma economia sobrenatural não deve ser enxertada sobre os, fins naturais que atingiram o que não podia de outro modo ser alcançado. Esta não é claro tocar na questão da prova para qualquer milagre particular, que deve ser julgado a partir de sua conexão com a pessoa do trabalhador, eo caráter das testemunhas apostólicas. O esforço bem intencionado para explicar todos os milagres por meio da ação das leis naturais desconhecidos - que é o que Dr. Sanday chama de "fazer face às despesas" ( Vida de Cristo em pesquisas recentes , 302) - decompõe na presença de tais milagres como a limpeza instantânea do leproso, restauração da vista aos cegos, a ressurreição dos mortos, os actos que claramente implica um exercício de poder criativo. Em uma vida como Cristo, transcendência dos poderes ordinários da natureza é certamente a ser procurado.

 

  1. O Messias.

 

  1. Reserva de Jesus e Crítica moderna:

 

Uma dificuldade foi encontrada no fato de que, em todos os Evangelhos, Jesus sabia que Ele mesmo ser o Messias, pelo menos a partir do momento do batismo, mas não o fez, mesmo aos seus discípulos, sem reservas anunciar-se como tal até depois da grande confissão de Pedro em Cesaréia Philippi ( Mateus 16:13 ff). Nesta sigilo aparente a hipótese ousada foi construído que Jesus, na realidade, nunca fez a pretensão de Messias, e que as passagens que implicam em contrário Mark (o Evangelho original) não são históricas (Wrede, comparar sobre este e outras teorias, Schweitzer, a busca do Jesus histórico , tradução Inglês; Sanday, a vida de Cristo em pesquisas recentes ). Tão extrema de um parecer for rejeitado pela maioria; mas os críticos modernos competem entre si na liberdade com que tratam o testemunho dos evangelistas sobre este assunto. Baldensperger, por exemplo, supõe que Jesus não alcançou uma certeza acerca Sua messianidade até perto da hora da confissão de Pedro, e arbitrariamente transpõe as seções anteriores em que o título "Filho do Homem" ocorre até após esse evento ( Das Selbstbewusstsein Jesu , 2ª edição , 246). Bousset acredita que Jesus assumiu o papel messiânico como o único aberto para ele, mas deu-a como um "fardo" (compare o seu Jesus ). Schweitzer conecta-lo com idéias apocalípticas de um personagem descontroladamente fantástica (op. Cit., Capítulo XIX).

 

  1. AG remo Revelação:

 

Há, no entanto, não há necessidade para supor que a confissão de Pedro é a primeira madrugada deste conhecimento nas mentes dos apóstolos. Em vez foi a expressão sublime de uma fé já presente, que há muito vinha amadurecendo. O batismo e tentação, com a utilização do título de "Filho do Homem", o tom de autoridade em Seu ensinamento, Seus milagres, e muitos incidentes especiais, show, tão claramente como fazer discursos em João, que Jesus era desde o princípio plenamente consciente da sua vocação, e Sua reserva no uso do título surgiu, não de qualquer dúvida em sua mente quanto ao direito a ela, mas a partir de seu desejo de evitar falsas associações até que a verdadeira natureza de Sua messianidade deve ser revelado . O Messias estava em processo de auto-revelação em toda a aqueles que tinham olhos para vê-lo (compare João 6: 66-71 ). O que envolveu será visto mais adiante.

 

III. Unido e Apocalipse.

 

  1. O Reino - P ressentem ou Futuro ?:

 

Conectado com o Messias é a idéia do "Reino de Deus" ou "do céu", que alguns nos tempos modernos interpretaria em um sentido puramente escatológica, à luz das concepções apocalípticos judaicos (Johannes Weiss, Schweitzer, etc.). O reino não é uma coisa do presente, mas totalmente uma coisa do futuro, a ser introduzido por convulsões da natureza e do parusia do Filho do Homem. A linguagem da oração do Senhor: "Venha o teu reino", é citado em apoio desta tese, mas a próxima petição deve precaver-se contra tão violenta uma inferência. "Tua será feito," Jesus ensina seus discípulos a orar ", como no céu, assim na terra" ( Mateus 6:10 ). O reino é o reino de Deus nos corações humanos e vive neste mundo, bem como na próxima. Não seria errado defini-lo como consistindo essencialmente na supremacia da vontade de Deus nos corações humanos e assuntos humanos, e em cada departamento desses assuntos. Como Jesus descreve o reino, que tem, no sentido literal de suas palavras, um ser presente na terra, embora sua perfeição está na eternidade. As parábolas em Mt 13 e em outros lugares exibi-lo como fundada pela semeadura da palavra da verdade (semeador), como uma mistura de elementos bons e maus (Joio), como o crescimento de pequenos começos de grandes proporções (semente de mostarda), como gradualmente fermentando a humanidade (fermento), a partir de um valor inestimável (Treasure; Pérola; comparar Mateus 6:33 ); como terminando em um acórdão (Tares, Dragnet); como aperfeiçoada no mundo vindouro ( Mateus 13:43 ). Era um reino de natureza espiritual ( Lucas 17:20 , Lucas 17:21 ), universal na faixa ( Mateus 08:11 ; Mateus 21:43 , etc.), o desenvolvimento de um princípio de vida dentro ( Marcos 4: 26- 29 ), e emitir na vitória sobre toda a oposição ( Mateus 21:44 ).

 

  1. As crenças apocalípticas:

 

É difícil para se pronunciar sobre a medida em que Jesus estava familiarizado com as crenças apocalípticas atuais, ou permitiu-los para colorir as imagens de partes de seus ensinamentos. Estas crenças certamente não fornecer a substância de seu ensino, e pode-se duvidar se eles mais do que superficialmente afetado até mesmo sua forma. Apocalíptica judaica não sabia nada sobre a morte e ressurreição do Messias e de Seu retorno em glória para trazer um reino eterno. O que Jesus ensinou sobre estes temas surgiu de sua própria consciência messiânica, com a certeza de que ele tinha de seu triunfo sobre a morte e Sua exaltação à mão direita de Deus. Foi na profecia do Antigo Testamento, não no apocalipse judaica tardia, que os Seus pensamentos sobre o futuro triunfo do Seu reino foram cancelados, e a partir das imagens vivas dos profetas Pediu a maioria das roupas desses pensamentos. Isaías 53: 1-12 por exemplo, prevê não só a rejeição e morte do Servo de Javé ( Isaías 53: 3 , Isaías 53: 1-9 , Isaías 53:12 ), mas o prolongamento dos seus dias e Seu reino vitorioso ( Isaías 53: 10-12 ). DNL, não o Livro de En, é a fonte do título, "Filho do Homem", e das imagens de vir sobre as nuvens do céu ( Daniel 7:13 ). As idéias de ressurreição, etc., têm o seu fundamento no Antigo Testamento (veja Escatologia do Antigo Testamento). Com as formas extravagantes, não espirituais em que essas concepções eram jogados nos livros apocalípticos judaicos Seu ensinamento não tinha nada em comum. A nova escola apocalíptico representado por Schweitzer reduz a história de Jesus a loucura, o fanatismo e desilusão sem esperança.

 

  1. O Caráter e reivindicações.

 

  1. Negação de perfeição moral de Cristo:

 

Onde os Evangelhos nos apresentam em Jesus com a imagem de um caráter impecável - nas palavras do escritor aos Hebreus, "santo, inocente, imaculado, separado dos pecadores" ( Hebreus 7:26 ) - crítica moderna é accionada por um inexorável necessidade de privar Jesus de Sua perfeição sem pecado, e imputar a Ele o erro, a fragilidade e fraqueza moral que pertencem aos mortais comuns. No retrato de Schweitzer (compare op. Cit.), Ele é um apocalíptico entusiasmado, governado por ideais ilusórios, enganando a si mesmo e aos outros a respeito de quem Ele era, e como até o fim iminente do mundo. Aqueles que mostram uma apreciação mais adequada de grandeza espiritual de Cristo ainda são impedidos, por sua estimativa humanitária de sua pessoa e sua negação do sobrenatural na história de reconhecer a possibilidade de sua impecabilidade. Pode confiantemente se dizer que não há praticamente um único escritor da escola moderna que concede a perfeição moral de Cristo. Para isso seria admitir um milagre na humanidade, e ouvimos dizer que milagre é pela maior necessidade racional excluídos. Isso, no entanto, é precisamente o ponto em que o chamado modo moderno "histórico-crítico" de apresentação mais obviamente quebra. O ideal da santidade perfeita nos Evangelhos, que tem fascinado a consciência da cristandade durante 18 séculos, e certifica-se de novo a cada leitor sincero, não é, assim, de ânimo leve a ser eliminado, ou explicado como a invenção de uma igreja reunida out ( sem a ajuda do ideal) promiscuamente de judeus e gentios. Não era a igreja - muito menos como uma igreja - que criou Cristo, mas Cristo que criou a igreja.

 

(1) A impecabilidade assegurada.

 

A impecabilidade de Jesus é um dado nos Evangelhos. Contra um mundo pecaminoso Ele permanece como um Salvador, que é Ele mesmo sem pecado. Sua é a vida na humanidade em que é apresentado um perfeito conhecimento e comunhão ininterrupta com o Pai, sem desvios obediência à Sua vontade, devoção inabalável sob a tensão severa da tentação e sofrimento para o maior ideal de bondade. O ideal ético não foi levantada a uma altura tão absoluta como é no ensino de Jesus, e o milagre é que, alta como é em sua pureza imaculada, o personagem de Jesus corresponde com ele, e percebe-la. Palavra e da vida pela primeira vez na história perfeitamente de acordo. Jesus, com a sensibilidade mais aguçada para o pecado em pensamento e sentimento como na ação, está consciente de nenhum pecado em si mesmo, confessa nenhum pecado, renuncia a presença dele, fala e age continuamente na suposição de que Ele é sem ele. Aqueles que o conheciam melhor declarou ser Ele, sem pecado ( 1 Pedro 2:22 ; 1 João 3: 5 ; comparar 2 Coríntios 5:21 ). Os Evangelhos deve ser alugar em pedaços antes de esta imagem de uma perfeita santidade podem ser apagados a partir deles.

 

(2) O que isso implica.

 

Como é que este fenómeno de uma personalidade sem pecado em Jesus para ser explicado? Ela própria é um milagre, e só pode ser feita credível por um milagre criativo na origem de Cristo. Pode-se argumentar que um nascimento virginal não faz de si mesma impecabilidade seguro, mas dificilmente será contestado que, pelo menos, uma personalidade sem pecado implica milagre em sua produção. É justamente por isso que o espírito moderno se sente obrigado a rejeitá-la. Nos Evangelhos não é o nascimento virginal, por si só, que é invocada para explicar a impecabilidade de Cristo, mas a concepção sobrenatural pelo Espírito Santo ( Lucas 1:35 ). É por causa dessa concepção que o nascimento é uma virgem. Nenhuma explicação do elemento sobrenatural na Pessoa de Cristo é mais racional ou credível (ver abaixo em "Nativity").

 

  1. impecabilidade ea reivindicação messiânica:

 

Se Jesus desde o primeiro estava consciente de si mesmo como sem pecado e se, como o inverso disto, ele se conhecia como estando em uma comunhão filial ininterrupta com o Pai, Ele deve cedo se tornaram conscientes de sua vocação especial, e aprendeu a distinguir -se de outros como um chamado para abençoar e salvá-los.

international standard bible encyclopedia

fonte www.avivamentonosul21.comunidades.net