Translate this Page

Rating: 3.0/5 (868 votos)



ONLINE
7




Partilhe este Site...

 

 

<

Flag Counter

site, fee epub, link, get pdf, enter link, free book, download book, this link, free book, download pdf,

Teologia Sistematica doutrina da FÉ
Teologia Sistematica doutrina da FÉ

                Teololgia Sistematica doutrina da FÉ

 

Lexicons

(Gr. Πίστις , . Lat fides, Jiducia) é essencialmente confiar. Os vários usos da palavra (tanto objetivas e subjetivas) pode ser resumida da seguinte forma:

 

  1. Um corpo objetivo da verdade: "a fé"; designado pelos escolásticos como fides quae creditur , a fé que se acredita. Assim, o Augsburg Confissão fala de "nossa santa fé e Christiasn religião". (Este sentimento não ocorre no NT)

 

  1. Uma regra de pensamento, os fides penes quam creditur: assim que os católicos Romanm dizer tal coisa é "da fé" (não encontrada no NT).

 

  1. A qualidade pessoal, ato, ou hábito do homem individual; a fides creditur qua; a fé pela qual cremos. Este último é (I) o exercício de nossos dons naturais (fé natural) ou (II) o exercício dos dons naturais sob a influência do Espírito divino no que diz respeito às coisas divinas, e, especialmente, no que respeita à pessoa e obra de Cristo (o dom de Deus). Esta última é a fé cristã, e inclui dois elementos: (1) a apreensão espiritual do invisível e eterno ( Hebreus 11: 1Hebreus 11: 1 ), e, especificamente, (2) confiança em Cristo como Salvador pessoal; e, como tal, no sistema cristão, é a condição necessária da salvação. É o instrumento ou meio pelo qual a redenção de Cristo é apropriados, e, até agora, pois é ato do homem, é o ato de todo homem, a mente, afeições, e vontade. É "uma graça salvadora pela qual o recebemos e descanso somente em Cristo para a salvação, como ele é oferecido gratuitamente a nós no Evangelho".

 

  1. Fé Natural. - Todo o nosso conhecimento pressupõe a fé. Insthis visualizar Goethe disse que ele era um "crente nos cinco sentidos;" e Fichte, que "o homem apreende toda a realidade externa a si mesmo por meio da fé, uma fé que nasce com ele." Na crença de artigo (Veja CRENÇA ) (qv) foi demonstrado que existe uma base estabelecida para o exercício deste princípio nas leis primárias de pensamento ou consciência de si na razão, e não do homem individual, mas da humanidade. Psicologicamente, "a fé é a faculdade de apreender provas, com uma propensão para admiti-lo quando devidamente apresentada à mente. Assim como pela sensação e percepção podemos discernir certos objetos por meio dos sentidos, e como em razão descobrimos algumas verdades, ou discerni-las mediante a sua apresentação simples (Chalmers, Institutos de Teologia, livro 3, capítulo 6), sem qualquer outra garantia que a voz dentro, assim também pela fé nós discernir outras verdades através dos meios de testemunho ou pela voz de autoridade. tentativas de analisar essa qualidade da mente humana foram muitas vezes feitas e quantas vezes falhou. Mas, ainda assim permanece o fato de que, de acordo com o original, constituição de nossa natureza, somos capazes e dispostos a ceder à evidência na proporção de sua natureza e sua força (Hooker, Eclesiastes Pol livro 2, capítulo 7,. § 5); concordar com testemunho sobre fatos não preasent e manifesta, e se submeter à autoridade no anúncio ou proposição de verdades de forma independente de qualquer percepção interna e direta deles por nós mesmos (Van Mildert, Boyle Lect. serm. 16). Em questões de vida em comum, desde a infância até a velhice, estamos continuamente agir, e são compelidos a agir, com base neste princípio (Barrow, On the Creed, SEIM em;.. Hare, vitória da fé, serm 4).

 

A criança acredita que o seu pai ou a sua enfermeira, e repousa nessa crença; e sob certas condições, o homem acredita que os registros da história passada, o depoimento de testemunhas oculares, e as afirmações de pessoas de confiança capazes de compreender o que afirmam. E não é demais dizer que, para além deste princípio e da prática da crença, o homem, mesmo em pleno exercício de todos os seus outros poderes intelectuais, seria envolto em tal nuvem de ignorância, mesmo os assuntos mais comuns, que uma prisão seria colocada sobre todos os assuntos da vida civilizada, e não deve ser o fim de toda a harmonia social e da ordem. É por this'means que obtemos uma certeza, não da visão, não da demonstração, não da intuição direta e imediata, mas ainda uma certeza real e eficiente em muitas questões de alta importância prática a respeito da qual temos de outra forma seria irremediavelmente ignorante e no escuro. Este princípio está na base das afeições humanas e laços familiares, da actividade agrícola e comercial, e de uma grande parte do nosso conhecimento mais valioso na ciência, e as nossas mais altas realizações na arte. Acima de tudo, é assim que obtemos nosso conhecimento de muitas coisas divina e, especialmente, das relações existentes entre Deus e nós mesmos; um conhecido com o qual, como veremos a seguir ver, é de extrema importância para nós, ao mesmo tempo, no entanto, independentemente do exercício da fé, é totalmente fora do alcance de cada homem vivo "(Rogers, razão e fé; Riddle, Bampton palestras, 1852, lect. 1). a fé "é que a operação da alma em que estamos convencidos da existência do que não está diante de nós, do que não está sob sentido ou qualquer outro poder diretamente cognitiva. É certamente uma energia nativa da mente, tanto quanto o conhecimento é, ou concepção é, ou imaginação é, ou sentimento é. Todo ser humano entretém, e deve entreter, a fé de algum tipo. Aquele que insistiria em ter sempre conhecimento imediato preciso ir para fora do mundo, porque ele é impróprio para este mundo, e ainda assim ele acredita em nenhum outro. É em virtude de possuir a capacidade geral de que o homem está habilitado para entreter formas específicas de fé. Por um princípio natal, ele é levado a acreditar no aquele de que ele não pode ter uma concepção adequada no infinito do espaço e do tempo, e, em provas de sua existência que está sendo apresentado, no infinito de Deus. Isso lhe permite subir para a fé em todas as grandes verdades religiosas que Deus tem o prazer de revelar "(McCosh, intuições da mente, parte 3, livro 2, capítulo 5, ver também a parte 2, livro 2, capítulo 4) .

 

Guizot, Med. et Etudes Morales (transl no Journal of Literature Sagrado, 12:.. 430 sq), tem um ensaio pensativo em que ele distingue crenças naturais da fé da seguinte forma: "Ninguém pode duvidar que a palavra fé tem um significado especial, que é não devidamente representada pela crença, convicção ou certeza. Personalizado e opinião universal confirmar este ponto de vista. Há muitas frases simples e habituais em que a palavra fé não poderia ser substituído por qualquer outro. Quase todas as línguas têm uma palavra especialmente apropriados ao expressar que ., que em Inglês é expressa pela fé, e que é essencialmente diferente de todas as palavras análogas Esta palavra, então, corresponde a um estado da alma humana, que expressa um fato moral que tornou tal palavra necessário Nós normalmente entendem por fé. uma certa crença de fatos e dogmas - . fatos religiosos e dogmas na verdade, a palavra não tem outro sentido quando empregá-la de forma absoluta e, por si só - falamos da fé que não é, no entanto, a sua única, nem mesmo seu sentido fundamental. ; ele tem uma mais extensa, e a partir do qual o sentido religioso é derivado. Nós dizer, eu tenho plena confiança em suas palavras; este homem tem fé em si mesmo, em seu poder, etc. Este emprego da palavra em matéria civil, por assim dizer, tornou-se mais freqüente em nossos dias; não é, no entanto, da invenção moderna; nem ter ideias religiosas já foi uma esfera exclusiva, das quais as noções e a palavra fé estavam sem aplicação. É, pois, provado pelo testemunho da linguagem e da opinião comum, primeiro, que a palavra fé designa um determinado estado interior de quem crê, e não apenas um certo tipo de crença. Em segundo lugar, que é, no entanto, uma certa espécie de crença - a crença religiosa - que tem estado na primeira e mais geralmente aplicadas. Agora nossas crenças naturais germinar na mente do homem sem a cooperação de seu reflexo e sua vontade. Nossas crenças científicas, por outro lado, são fruto de estudo voluntário. Mas a fé participa, e, ao mesmo tempo difere, crenças naturais e científicos. É, como este último, individual e em particular; como o primeiro, é firme, completa, ativa e soberana. Considerado em si mesmo, e independente de qualquer comparação com esta ou aquela condição análoga, a fé é a segurança completa do homem na posse de sua crença: a posse libertados tanto do trabalho quanto da dúvida; no meio das quais cada pensamento do caminho pelo qual ele foi atingido desaparece, e não deixa nenhum outro sentimento, mas a da harmonia natural e pré-estabelecida entre a mente humana e da verdade ".

 

. II . A fé cristã - Então, tanto quanto a fé é um ato voluntário, qualidade, ou hábito do homem, isso é psicologicamente o mesmo no sentido teológico como na vida comum; a diferença está nos objetos da fé. A fim de venerar ou amar um companheiro-homem, temos que acreditar na sua dignidade; assim, para o temor e amor de Deus, que são elementos fundamentais da vida cristã, a fé deve pré-existir. Mas essa direção da alma para Deus não nascem do naturais funcionamento da mente humana; é dom de Deus ( Efésios 2: 8Efésios 2: 8 ), e é operada no coração pelo Espírito Santo através da palavra do Evangelho ea graça de Cristo ( Romanos 10:17Romanos 10:17 ; 1 Coríntios 1:211 Coríntios 1:21 ). Fides donum dei est, por quod Christum redemptorem nostrum no verbo Evangelii recte agnoscimus (Form. Concord. 3:11). Não que o Espírito Santo reveste a alma com qualquer nova faculdade para o único propósito de receber verdade do Evangelho; mas acelera e dirige um corpo docente existente, ao mesmo tempo, apresentar a ele um objeto apropriado. A verdadeira fé. assim, animado, é uma operação de uma só vez do intelecto, o coração ea vontade. Como disse acima, esta fé, medida em que salva o homem da cristandade, é especificamente confiar em Cristo como Salvador pessoal. Ao tratar-lo ainda mais, nós damos,

 

(I.) Os usos das palavras πίστις , fé, e πιστεύω , creio eu, nas Escrituras (condensado a partir Cremer, Wörterbuch d. N. Teste. Gracitat, Gotha, 1866, 8vo).

 

(II). A história da idéia de fé na teologia cristã até a Reforma.

 

(III). As doutrinas protestantes e romanistas da fé em contraste e comparação com os outros.

 

(IV.) Declarações protestantes posteriores da doutrina.

 

(I.) Uso da Fé palavras e acreditar nas Escrituras. - Πίστις .

 

  1. Em grego profano, πίστις significa principalmente a confiança ou a confiança, tal como um homem pode ter em outro; mais raramente fidelidade ou fidelidade que um promessas ou mantém; e também a promessa de fidelidade, por exemplo, Sófocles, OC 1632; δός μου χερὸς σῆς πίστιν Exemplos do significado primário (confiança ou de confiança) são: Heródoto, 03:24; Sófocles, O. Colossenses 950; . Xen Hier. 4: 1. No passivo tensa (crédito) é encontrado por exemplo, Aristóteles, Eth. 10: 8. Paralelo com o significado primário (confiança ou de confiança), está o de convicção , por exemplo πίστιν ἔχειν τινὸς (ter fé em uma coisa); mas esta convicção é baseada em confiança, e não no conhecimento, de modo que, nesse sentido, ¼ πιστεύων fica em frente para εἰδώς , e πίστις para ἐτιστήμη (comp Plat.. Repub. 10: 601). Neste sentido πίστις é usado (na esfera da religião) de crença em deuses, e de reconhecimento deles, e não com base no conhecimento (comp Plutarco,. Mor. 756, B; Platão, Legg. 976, C, D; Eurip. Med. 413, 414). Em vez característica é o facto de que esta fé não é designado como no NT pelo verbo πιστεύειν , mas por νομίζειν (Xen. Mem. I, 1: 1).

 

Este elemento de "reconhecimento", como distinto do saber ( εἰδέναι ), é encontrada também nas significações NT da palavra como o usado por Paulo e outros; por exemplo, 2 Coríntios 5: 72 Coríntios 5: 7 : "Para nós andamos pela fé ( πίστεως ), e não por vista"; Hebreus 11:27Hebreus 11:27 : "Pela fé (πίστει ) deixou o Egito;" Hebreus 11: 1Hebreus 11: 1 : "Agora, a fé ( πίστις ) é a substância das coisas que se esperam, ea prova das coisas que se não vêem; " Romanos 4:18Romanos 4:18 ," Quem contra a esperança acredita ( ἑπίστευσεν ) na esperança, " João 20:29João 20:29 ," Bem-aventurados (são) os que não viram e (ainda ) ter acreditado " ( πιστεύσαντες ). Mas esta oposição ao "conhecimento" ou "vista" não é essencial para a ideia de fé, como é visto a partir de João 4:42João 4:42 ; João 11:45João 11:45 ; 1 Timóteo 4: 31 Timóteo 4: 3 ; Philemon 1: 6Philemon 1: 6 , et al. De fato , a fé NT difere do profano πίστις , em geral, que não é uma convicção realizada sem referência a qualquer chão ou autoridade (compare 1 Pedro 3:151 Pedro 3:15 ; 1 Pedro 1:211 Pedro 1:21 ).

 

No OT a palavra "fé" é comparativamente raramente usado; a relação de mian a Deus e à sua revelação é geralmente designada bysome outro termo condizente com a economia da lei, por exemplo, "fazer a vontade de Deus", "guardar os mandamentos", "lembrando-se do Senhor" ( Êxodo 03:15Êxodo 03:15 ), et al . No entanto, nós encontramos (como uma espécie de frases entre muitos de expressar esta relação) termos que denotam "confiança", "esperança", "esperar no Senhor" בטח , חסה , קַוָּה , ἐλπίζειν , πεποιθέναι , υπομένειν etc.). Mas em alguns dos mais importantes passagens do Teste velho. a história da palavra "fé" ocorre; por exemplo, no que diz respeito a Abraão ( Gênesis 15: 6Gênesis 15: 6 ) ", ele acreditava no Senhor, e ele contou-lhe isto por justiça"; do povo de Israel ( Êxodo 04:31Êxodo 04:31 ; comparar 1, 5, 8; Êxodo 14:31Êxodo 14:31 ); no que diz respeito à posse de Canaã ( Deuteronômio 09:23Dt 09:23 .; comp Deuteronômio 01:32Deuteronômio 01:32 ; Salmos 78:22Sl 78:22 ; Salmos 78:32Sl 78:32 ; Salmos 106: 24Salmos 106: 24 ); no que diz respeito ao pacto da lei ( Êxodo 19: 9Êxodo 19: 9 ). Tendo em vista essas passagens grávidas, podemos dizer que as bases estabelecidas para o NT no Velho é colocado na "fé" (comp. 2 Crônicas 20:202 Crônicas 20:20 ; Isaías 53: 1Isaías 53: 1 ; Isaías 7: 9Isaías 7: 9 ; Isaías 28:16Isaías 28:16 ; Jonah 3: 5Jonah 3: 5 ). Mas a incredulidade é muito mais vezes fala o OT do que a fé (comp. Salmos 27:13Salmos 27:13 ; 2 Reis 17:142 Reis 17:14 ; Salmos 78:22Sl 78:22 ; Salmos 78:32Sl 78:32 ; Salmos 106: 24Sl 106: 24 ; números 20:12Números 20:12 ; Deuteronômio 09:23Deuteronômio 09:23 ; Isaías 7: 9Isaías 7: 9 ; Isaías 53: 1Isaías 53: 1 ; números 14:11Números 14:11 ; Salmos 106: 12Sl 106: 12 ; Salmos 119: 66Salmos 119: 66 ). O verbo usado em todas estas passagens הֶאֵַמין Hiph. de אמן , para prender, construir para fazer firme. A partir da última dessas significações segue a de apoio, de confiar, para confiar ( Jó 39: 11-12Jó 39: 11-12 ; Job 04:18Job 04:18 ; Job 15:15Jó 15:15 ); segurando uma coisa para determinados e confiáveis ​​( 1 Reis 10: 71 Reis 10: 7 ; 2 Crônicas 9: 62 Chronicles 9: 6 ; Lamentações 4:12Lamentações 4:12 ; Jeremias 40:14Jeremias 40:14 ; Deuteronômio 28:66Deuteronômio 28:66 ; Job 24:22Jó 24:22 ). Usado com relação a Deus, denota uma clivagem com ele, repousando sobre a sua força, com certeza a confiança em Deus, que dá a fixidez e estabilidade ( 2 Crônicas 20:202 Crônicas 20:20 ; Isaías 7: 9Isaías 7: 9 ).

 

Mas aparentemente não há substantivo correspondente ao verbo האמין . Para אמֵוּנָה corresponde à partic. em Kal e Niphal, נֶאֶמָן אָמוּן e denota a constância, a estabilidade (como uma qualidade objetiva; por exemplo, Isaías 33: 6Isaías 33: 6 ). Em outras passagens ela denota a qualidade pessoal de fidelidade, fidelidade (mas não da apegar pela fé), por exemplo, 1 Crônicas 2:221 Crônicas 2:22 ; 2 Crônicas 31:182 Chronicles 31:18 (sentido errado na versão em Inglês); 2 Reis 22: 72 Reis 22: 7 ; Jeremias 07:28Jeremiah 7 : 28 . Nestas passagens, onde a palavra se refere ao homem, o setembro traduz πίστις ; mas onde ele se refere a Deus torna-se ἀλήθεια , por exemplo, Salmos 33: 4Salmos 33: 4 . Aqui pode-se observar que a referência a este אמונה (fidelidade de Deus) eby Paul ( Romanos 3: 2Romanos 3: 2 . Sq) nos ajuda a corrigir a sua ideia de fé como definitiva . Confiar como uma designação da relação religiosa do homem com Deus, אמונה , πίστις só é raramente usada no VT (veja 1 Samuel 26:231 Samuel 26:23 ; Jeremiah 5: 3Jeremias 5: 3 ). Nestas passagens que não denota simplesmente sinceridade, honestidade, mas sim a fidelidade, ou seja, fidelidade à aliança (comp. Jeremiah 5: 3Jeremiah 5: 3 com Jeremias 1: 5Jeremias 1: 5 , e Mateus 23:23Mateus 23:23 ). Mas, afinal de contas, nós ainda não encontramos a nossa ideia de fé. Mas Habacuque 2: 4Habacuque 2: 4 proporciona uma passagem em que é decididamente a ser encontrado a Pauline esta passagem não foi entendida pelo setembro, que mudou o sufixo, da terceira pessoa ao do primeiro, e referiu-o para a fidelidade e a confiabilidade de Deus. Mas אמוּנה está aqui no que diz respeito à relação em que o homem justo, em comparação com o Chaldsean altivo; prende-se com as promessas divinas; e refere-se, portanto, não Tio a relação em si, mas para a qualidade da relação, como a talmúdica הֵימָנוּתָא הֵימָנוּ denota a fé confiando (compare Levy Entre-Chald Wdrterbuch.). Paul, citando Habacuque 2: 4 , altera a ordem de as palavras do que na de setembro para ¼ δὲ δίκαιος ἐκ πίστεως ζήσεται ( Romanos 1:17 ;. comp Delitzsch, páginas 50-53 Habacuque Keil, Kleine Proph. em loc.). Assim, então, encontramos colocado no OT o terreno para a doutrina NT da fé como plena confiança, a confiança, e isso, também, combinado com uma convicção no valor de um reconhecimento do invisível (compare Hebreus 11: 1 ). Habacuque 2: 4 Romanos 1:17Hebreus 11: 1

 

Convicção combinado com confiança, em oposição a dúvida, tão longe como o intelecto está em causa, e em oposição ao medo, tão longe como o coração está em causa - . Estes aparecem, até agora, a ser os elementos essenciais da fé (comp Matthew 21:21Mt 21 : 21 ; James 1: 6James 1: 6 ; Hebreus 10:39Hebreus 10:39 ; Marcos 4:40Marcos 4:40 ; Hebreus 6:12Hebreus 6:12 ; Apocalipse 13:10Apocalipse 13:10 ).

 

  1. Nós encontramos πίστις aparentemente utilizada, especialmente nos Evangelhos sinóticos, no que respeita à relação dos indivíduos com o Senhor, para designar especiais atos de Confiança ( Matthew 08:10Mateus 08:10 ; Matthew 9: 2Mateus 9: 2 ; Matthew 09:22Mateus 09:22 ; Lucas 7: 9Lucas 7: 9 ; Lucas 7:50Lucas 07:50 ; Lucas 8:48Lucas 08:48 ; Luke 17:19Lucas 17:19 ; Luke 18:42Lucas 18:42 ; Marcos 5:34Marcos 5:34 ; Marcos 10:52Marcos 10:52 ;. comp Matthew 15:28Mateus 15:28 ). Mas os Synoptists também usam a palavra para denotar (e não simplesmente especial e esforços individuais de crença, mas também) de confiança total em Cristo, e na revels ção divina nele ( Lucas 18: 8Lucas 18: 8 .; Comp Matthew 08:10Mateus 08:10 ; Lucas 8:25Lucas 8 : 25 ; Marcos 4:40Marcos 4:40 ; Lucas 22:32Lucas 22:32 ; Lucas 17: 5Lucas 17: 5 ; Mateus 17:20Mateus 17:20 ; Matthew 21:21Mateus 21:21 ). Comparado com isso (e Paul assinala o contraste enfaticamente), a revelação OT foi uma educação para a fé ( Gálatas 3: 23-26Gálatas 3: 23-26 : "Mas, antes que viesse a fé, estávamos guardados debaixo da lei, encerrados para aquela fé que se havia ser revelado. E assim a lei nos serviu de aio para nos conduzir a Cristo, para que fôssemos justificados pela fé. Mas, depois que veio a fé, já não estamos debaixo de aio. Porque todos sois filhos de Deus pela fé em Cristo Jesus;. "comp Romanos 11:32Romanos 11:32 ; Atos 17:31Atos 17:31 ). Mas é para ser compreendido também que a Epístola aos Hebreus faz fé os meios de exploração para o Deus da revelação, no âmbito de toda a econesay de redenção no AT, bem como o NT (Hebreus 11). Nos Atos fé parece ser usado como mais particularmente característica da esfera da revelação NT ( Atos 6: 7Atos 6: 7 ; comparar Romanos 1: 5Romanos 1: 5 ; Romanos 16:26Romanos 16:26 ; Atos 13: 8Atos 13: 8 ; Atos 17:31Atos 17:31 ; Gálatas 1:23Gálatas 1:23 ). Nas epístolas de Paulo, enquanto a fé OT é claramente reconhecido (por exemplo, com referência a Abraão, e a citação de Habacuque 2: 4Habacuque 2: 4 ), no entanto, a OT prevalecente incredulidade é especialmente enfatizado (eg Romanos 11:32Romanos 11:32 ); eo contraste entre a lei eo evangelho ( Gálatas 3:12Gálatas 3:12 sq.) traz claramente o elemento chefe do NT fé como confiança incondicional.

 

A promessa, como o correlato do Evangelho, é o elemento NT da economia OT, e exige fé ( Gálatas 3:22Gálatas 3:22 ; compare Gálatas 4:21Gálatas 4:21 sq.), Mas a ausência de um σπέρμα w / ἐπήγγελται (semente quem a promessa foi feita, Gálatas 3:19Gálatas 3:19 ) tornou necessária a interposição da lei; não um νόμος πίστιως (lei da fé), mas ἔργων (das obras), que, ao manifestar o pecado, era um educador para a fé ( Romanos 3:19Romanos 3:19 ; Gálatas 3: 22-23Gálatas 3: 22-23 ). Isto lança luz sobre o contraste de πίστις e ἔργα - χάρις e ὀφείλημα - ou πίστις e νόμος ( Gálatas 3:23Gálatas 3:23 ; também Romanos 3: 27-28Romanos 3: 27-28 .; Comp Romanos 4: 2Romanos 4: 2 ; Romanos 4: 5Romanos 4: 5 ; Romanos 9:32Romanos 9:32 ; Gálatas 2:16Gálatas 2:16 ; Gálatas 3: 2Gálatas 3: 2 ; Gálatas 3: 5Gálatas 3: 5 .; comp Gálatas 3:12Gálatas 3:12 ; Efésios 2: 8Efésios 2: 8 , e em contraste com νόμος , Romanos 4: 13-14Romanos 4: 13-14 ; Romanos 4:16Romanos 4:16 ; Romanos 9:30Romanos 9:30 ; Gálatas 3: 11-12Gálatas 3: 11-12 ; Gálatas 3: 23-25Gálatas 3: 23-25 ​​). Este contraste, observa-se, só é introduzido por Paulo em passagens em que ele é expressamente apontando a diferença entre a economia OT da salvação e a do NT

 

  1. A seguinte classificação das passagens em que o waord πίστις ocorre será encontrado útil:

 

(1) Ele é usado com referência a um objeto, Hebreus 6: 1Hebreus 6: 1 ; 1 Tessalonicenses 1: 81 Tessalonicenses 1: 8 ; Marcos 11:22Marcos 11:22 ; 2 Tessalonicenses 2:132 Tessalonicenses 2:13 ; Colossenses 2:12Colossenses 2:12 ; Filipenses 1:27Filipenses 1:27 ; Atos 24:24Atos 24:24 ; Atos 26:18Atos 26:18 ; Colossenses 2: 5Colossenses 2: 5 ; Atos 20:21Atos 20:21 ; . comp Philemon 1: 5Philemon 1: 5 ; 2 Timóteo 3:132 Timóteo 3:13 ; Gálatas 3:26Gálatas 3:26 ; Efésios 1:15Efésios 1:15 ; 2 Timóteo 3:152 Timóteo 3:15 ; Romanos 3:25Romanos 3:25 ; com o genit obj.-,. Romanos 3:22Romanos 3:22 ; Gálatas 2:16Gálatas 2:16 ; Gálatas 3:22Gálatas 3:22 ; Efésios 3:12Efésios 3:12 ; Filipenses 3: 9Filipenses 3: 9 ; Gálatas 2:20Gálatas 2:20 ; Atos 3:16Atos 03:16 ; James 2: 1James 2: 1 ; Apocalipse 02:13Apocalipse 2 : 13 ; Apocalipse 14:12Apocalipse 14:12 ; com Tito 1: 1Tito 1: 1 , compare Apocalipse 17:14Apocalipse 17:14 .

 

(2.) Sem definição mais perto, simplesmente como fé, que adere com plena, convicção e confiança para a revelação NT da salvação, e faz isso a sua fundação (de apoio). Aqui é especialmente importante a expressão ( Atos 3:16Atos 3:16 ), a fé que vem por ele, uma expressão que é usado para apontar a salvação decorrente da mediação de Cristo, através da olhando para Jesus, o autor da fé ( Hebreus 12: 2Hebreus 12: 2 ). Sob esta classe, além das passagens do sinóptica Evangelhos já referido, podemos citar Atos 14:22Atos 14:22 ; Atos 16: 5Atos 16: 5 ; Colossenses 1:23Colossenses 1:23 ; 1 Pedro 5: 91 Pedro 5: 9 ; Romanos 14: 1Romanos 14: 1 ; Romanos 4: 19-20Romanos 4: 19-20 ; 1 Coríntios 16:131 Coríntios 16:13 ; Romanos 11:20Romanos 11:20 ; 2 Coríntios 1:242 Coríntios 1:24 ; 2 Coríntios 13: 52 Coríntios 13: 5 ; 1 Timóteo 2:151 Timóteo 2:15 ; 2 Timóteo 4: 72 Timóteo 4: 7 ; 2 Coríntios 8: 72 Coríntios 8: 7 ; 2 Coríntios 10:152 Coríntios 10:15 ; 2 Tessalonicenses 1: 32 Tessalonicenses 1 : 3 ; Colossenses 2: 7Colossenses 2: 7 ; 1 Timóteo 1:191 Timóteo 1:19 ; James 2: 1James 2: 1 ; Tiago 2:14Tiago 2:14 ; Tiago 2:18Tiago 2:18 ; Tito 1:13Tito 1:13 ; Tito 2: 2Tito 2: 2 ; 2 Coríntios 5: 72 Coríntios 5: 7 ; Romanos 1:17Romanos 1:17 ; Gálatas 3:11Gálatas 3:11 ; Hebreus 10:38Hebreus 10:38 (comp. Gálatas 2:20Gálatas 2:20 ); Atos 13: 8Atos 13: 8 ; 2 Timóteo 2:182 Timóteo 2:18 ; 1 Timóteo 1:191 Timóteo 1:19 ; 1 Timóteo 4: 11 Timóteo 4: 1 ; 1 Timóteo 5: 81 Timóteo 5: 8 ; 1 Timóteo 5:121 Timóteo 5 : 12 ; 1 Timóteo 6:101 Timóteo 6:10 ; 1 Timóteo 6:211 Timóteo 6:21 ; 2 Timóteo 3: 82 Timóteo 3: 8 . Em seguida, as expressões paulinas ἐκ πίστεως εῖναι , οἱ ἐκ ¸ (os que são da fé; Gálatas 3: 7Gálatas 3: 7 ; Gálatas 3: 9Gálatas 3: 9 ; Gálatas 3:12Gálatas 3:12 ; Gálatas 3:22Gálatas 3:22 ; Romanos 4:16Romanos 4:16 ; Romanos 3:26Romanos 3:26 ; comp. Hebreus 10:39Hebreus 10:39 ), ἐσμἐν πίστεως (somos dos que acreditam), são utilizados de fé adequada (compare Romanos 14: 22-23Romanos 14: 22-23 ). As frases ἐκ πίστεως δικαιοῦν , δικαιοῦσθαι , fazem fé a condição necessária da justificação ( Romanos 3:30Romanos 3:30 ; comp. Gálatas 3:14Gálatas 3:14 ; Romanos 5: 1Romanos 5: 1 ; Gálatas 2:16Gálatas 2:16 ; Gálatas 3: 8Gálatas 3: 8 ; Romanos 4:13Romanos 4:13 ; ἐκ πίοτεως , Romanos 9:30Romanos 9:30 ; Romanos 10: 6Romanos 10: 6 ; Filipenses 3: 9Filipenses 3: 9 .; comp Romanos 1:17Romanos 1:17 ; Romanos 4: 5Romanos 4: 5 ; Romanos 4: 9Romanos 4: 9 ). A palavra πιστις se encontra unida a ἀγάπη , Efésios 6:23Efésios 6:23 ; 1 Tessalonicenses 3: 61 Tessalonicenses 3: 6 ; 1 Tessalonicenses 5: 81 Tessalonicenses 5: 8 ; 1 Timóteo 1:141 Timóteo 1:14 ; 1 Timóteo 4:121 Timóteo 4:12 ; 1 Timóteo 6:111 Timóteo 6:11 ; 2 Timóteo 1: 52 Timóteo 1: 5 ; 2 Timóteo 1:132 Timóteo 1:13 ; 2 Timóteo 2:222 Timóteo 2:22 ; Gálatas 5: 6Gálatas 5: 6 ; 1 Coríntios 13:131 Coríntios 13:13 ; Apocalipse 02:19Apocalipse 2:19 ; com ἐλπίς , ὑπομονή , 1 Coríntios 13:131 Coríntios 13:13 ; 2 Tessalonicenses 1: 42 Tessalonicenses 1: 4 ; Apocalipse 13:10Apocalipse 13:10 . A palavra também é encontrada Atos 6: 5Atos 6: 5 ; Atos 6: 8Atos 6: 8 ; Atos 11:24Atos 11:24 ; Atos 14:27Atos 14:27 ; Atos 15: 9Atos 15: 9 ; Romanos 1: 8Romanos 1: 8 ; Romanos 1:12Romanos 1:12 ; Romanos 3:31Romanos 3:31 ; Romanos 4:12Romanos 4:12 ; Romanos 5: 2Romanos 5: 2 ; Romanos 10: 8Romanos 10: 8 ; Romanos 10:17Romanos 10:17 ; Romanos 12: 6Romanos 12: 6 ; 1 Coríntios 2: 51 Coríntios 2: 5 ; 1 Coríntios 15:141 Coríntios 15:14 ; 1 Coríntios 15:171 Coríntios 15:17 ; 2 Coríntios 1:242 Coríntios 1:24 ; 2 Coríntios 4:132 Coríntios 4:13 ; Gálatas 5: 5Gálatas 5: 5 ; Gálatas 5:22Gálatas 5:22 ; Gálatas 6:10Gálatas 6:10 ; Efésios 3:17Efésios 3:17 ; Efésios 5: 5Efésios 5: 5 ; Efésios 5:13Efésios 5:13 ; Efésios 6:16Efésios 6:16 ; Filipenses 1:25Filipenses 1:25 , 7: 7; Colossenses 1: 4Colossenses 1: 4 ; 1 Tessalonicenses 1: 31 Tessalonicenses 1: 3 ; 1 Tessalonicenses 3: 21 Tessalonicenses 3: 2 ; 1 Tessalonicenses 3: 51 Tessalonicenses 3: 5 ; 1 Tessalonicenses 3: 71 Tessalonicenses 3: 7 ; 1 Tessalonicenses 3:101 Tessalonicenses 3:10 ; 2 Tessalonicenses 2: 22 Tessalonicenses 2: 2 ; 1 Timóteo 1: 21 Timóteo 1: 2 ; 1 Timóteo 1: 41 Timóteo 1: 4 ; 1 Timóteo 2: 71 Timóteo 2 : 7 ; 1 Timothy 3: 91 Timóteo 3: 9 ; 1 Timóteo 4: 61 Timóteo 4: 6 ; 1 Timóteo 6:121 Timóteo 6:12 ; 2 Timóteo 1: 52 Timóteo 1: 5 ; 2 Timóteo 3:102 Timóteo 3:10 ; Tito 1: 1Tito 1: 1 ; Tito 1: 4Titus 1: 4 ; Titus 3:15Tito 3:15 . Philemon 1: 6Philemon 1 : 6 ; Hebreus 10:22Hebreus 10:22 ; Hebreus 13: 7Hebreus 13: 7 ; James 1: 3James 1: 3 ; James 1: 6James 1: 6 ; James 2: 5James 2: 5 ; Tiago 2:14Tiago 2:14 ; James 2: 17-18James 2: 17-18 ; Tiago 2:20Tiago 2:20 ; James 2:22James 2:22 ; Tiago 2:24Tiago 2:24 ; Tiago 2:26Tiago 2:26 ; Tiago 5:15Tiago 5:15 ; 1 Pedro 1: 51 Pedro 1: 5 ; 1 Pedro 1: 71 Pedro 1: 7 ; 1 Pedro 1: 91 Pedro 1: 9 ; 1 Pedro 1:211 Pedro 1:21 ; 2 Pedro 1: 12 Peter 1: 1 ; 2 Pedro 1: 52 Peter 1: 5 ; Juízes 1: 3juízes 1: 3 ; juízes 1:20juízes 1:20 .

 

Que, mesmo em James, a confiança, a confiança (e não mero reconhecimento), é o elemento essencial da fé, é evidente a partir da passagem ( Tiago 5:15Tiago 5:15 ), r | εὀχὴ τῆς πίστεως σώσει τὸν κάμνοντα (a oração da fé salvará o doente ). As obras da fé são, de acordo com James, como manifestar a fé, e sem a qual a fé mergulha num mero reconhecimento ( Tiago 2:19Tiago 2:19 ), como fé morta ( νεκρά ).

 

Deve-se notar que a palavra πίστις ocorre nas epístolas de João apenas em um lugar, 1 João 5: 41 João 5: 4 , e no seu Apocalypse em quatro lugares ( Apocalipse 02:13Apocalipse 2:13 ; Apocalipse 02:19Apocalipse 2:19 ; Apocalipse 13:10Apocalipse 13:10 ; Apocalipse 14:12Apocalipse 14:12 ).

 

Restam poucas passagens em que πίστις aparentemente não denota "confiança" na salvação por Cristo, como Romanos 12: 3Romanos 12: 3 (comp. Alford, ., Em loc, e também Atos 17:31Atos 17:31 ). 1 Coríntios 13: 21 Coríntios 13: 2 é facilmente explicado por comparação com Matthew 21:21Mateus 21:21 ; Lucas 17: 5-6Lucas 17: 5-6 , e aqui será melhor se juntou 1 Coríntios 12: 91 Coríntios 12: 9 . No significação fidelidade, πίστις , como o OT אמֵוּנָה , é falado de Deus, Romanos 3: 3Romanos 3: 3 ; dos homens, Mateus 23:23Mateus 23:23 ; Titus 2:10Tito 2:10 . Com a antiga passagem comparar Isaías 5: 1Isaías 5: 1 sq. Πιστεύω Geral significado:. Um para confiar, a depender, τινὶ por exemplo ταῖς σπονδαῖς θεῶν θεσφάτοις , Polyb. 5:62, 6; Sophocl. Philoct. 1360; Demosth. Filipenses 2:67, 9. Com o dativo da pessoa e da acc. da coisa, π . τινί τι = para InTrust (confide) algo para uma pessoa, Luke 16:11Lucas 16:11 ; João 02:24João 02:24 ; no passivo, πιστεύομαί τι , estou confiado com uma coisa; sem obj .: Eu estou confiável, Romanos 3: 2Romanos 3: 2 ; 1 Coríntios 9:171 Coríntios 9:17 ; Gálatas 2: 7Gálatas 2: 7 ; 1 Tessalonicenses 2: 41 Tessalonicenses 2: 4 ; 2 Tessalonicenses 1:102 Tessalonicenses 1:10 ; 1 Timóteo 1:111 Timóteo 1:11 ; Titus 1: 3Tito 1: 3 . . b Muito frequentemente πιστεύειν τινὶ denota a confiar em uma pessoa, para dar crédito a, para aceitar declarações (de ser convencido de sua verdade); Soph. El. 886, τῷ λόγῳ . Num sentido mais amplo, πιστεύειν τινί τι , para acreditar que uma pessoa; . Ex Eur Hec. 710, λόγοις ἐμοῖσι πίστευσον τάδε ; . Xen Apol. 15. Então πιστεύειν τι , para acreditar que uma coisa, rec. ognise-lo (como true); por exemplo, Plat. Gorg. 524, A, ct ἐγὼ ἀκηκοὼς πιστεύω ἀληθῆ εϊ v ναι ; . Aristot . Analyt Provérbios 2, 23; Também πιστεύειν περὶ , ὐπέρ τινος , Plut. Lye. 19, onde πιστεύειν está sozinho, para estar inclinado a acreditar, reconhecer uma coisa; enquanto por exemplo, em João 09:18João 09:18 , é adicionado o objetivo específico: "Mas os judeus não acreditaram a respeito dele que ele tinha sido cego, e recebeu sua visão."

 

No NT (em que πιστεύειν tem em conta a nossa conduta para com Deus e sua revelação) todas essas construções são encontrados, assim como as combinações (incomuns no profano grego) de πεἰς , ἐπί τινα , ἐπὶ τινι e também πιστεύειν sozinho. A questão é se a significação original for de confiança, ou aceitar como verdadeiro.

 

(1.) Nós encontramos πιστεύειν na significação para acreditar, para takefor verdadeiro, e, portanto, para ser convencido, para reconhecer (aceitar);

 

(a) com o acc. seguinte, João 11:26John 11:26 , πιστεύεις τοῦτο ; comp. João 11: 25-26João 11: 25-26 ; 1 João 4:161 João 4:16 ; Atos 13:41Atos 13:41 ; 1 Coríntios 11:181 Coríntios 11:18 ; 1 Timóteo 3:161 Timóteo 3:16 (comp. Matthew 24:23Mateus 24:23 ; Matthew 24:26Mateus 24:26 ; Luke 22:67Lucas 22:67 ;) João 10:25João 10:25 ;

 

(b) com o infinitivo depois dele, Atos 15:11Atos 15:11 ( πιστεύομεν σωθῆναι );

 

(c) com ou depois dela, Matthew 09:28Matthew 09:28 ; Marcos 11: 23-24Marcos 11: 23-24 ; Atos 9:26Atos 09:26 ; Tiago 2:19Tiago 2:19 , σὺ πιστεύεις ὅτι εϊ v ς ¼ θεός ἐστιν ; compare Atos 27:25Atos 27:25 ; João 4:21João 4:21 , πίστευέ μοι , ὅτι ἔρχεταιώρα Esta construção de πιστεύειν ὄτι é especialmente frequente nos escritos de John, no sentido de St. Paul dele. Isto. também é usado por Paulo em Romanos 6: 8Romanos 6: 8 ; 1 Tessalonicenses 4:141 Tessalonicenses 4:14 ; mas em Romanos 10: 9Romanos senso de confiança predomina sobre o de takingfor verdade. Compare também Hebreus 11: 6 , com Hebreus 11: 1 ; Hebreus 4: 3 . Hebreus 11: 6Hebreus 11: 1Hebreus 4: 3

 

Em João essa construção com ὄτι é encontrado nos capítulos João 4:21João 4:21 ; João 8:24João 8:24 ; João 10:38João 10:38 ; João 11:27João 11:27 (compare João 6:69João 6:69 ); João 11:42John 11:42 (compare João 17: 3João 17: 3 ); João 13:19John 13:19 ; João 14: 10-11João 14: 10-11 ; João 16:27João 16:27 ; (e ter acreditado que eu saí de Deus), João 16:30John 16:30 ; João 17: 8João 17: 8 ; João 17:21João 17:21 ; João 20:31João 20:31 ; 1 João 5: 11 João 5: 1 ; 1 João 5: 51 João 5: 5 . (comp com 1 João 5:101 João 5 : 10 ). Nestas passagens o sentido de πιστεύω é o de parecer favorável, a crença, o reconhecimento, a convicção da verdade. Este significado também é predominante na seguinte passagem: João 3:12João 3:12 (Se vos falei de coisas terrestres, e vós acreditam não, como deve ye acreditam , se vos falar das celestiais coisas) (comp. João 3:11João 3:11 ). Note-se também a conexão com γινώσκειν (saber), João 6:69João 6:69 ; João 10: 37-38João 10: 37-38 ; João 17: 8João 17: 8 ; e note-se também a relação das obras de Cristo e da vista para a fé, João 04:48John 04:48 (se não vos ver sinais e maravilhas, não quereis acreditar); João 10: 37-38João 10: 37-38 ; João 14:11João 14:11 ; João 06:36João 06:36 ; João 20: 8John 20: 8 ; João 20:29João 20:29 (compare João 20:25João 20:25 ); João 1:51João 1:51 ; João 4: 39-42João 4: 39-42 .

 

Vamos agora olhar para as construções πιστεύειν τινί εἴς τινα . É claro que πιστεύειν τινὶ de si mesma não pode significar a aceitar uma pessoa; mas apenas para acreditar que ele diz, a confiar em sua palavra, por exemplo, João 2:22João 2:22 (eles acreditavam na Escritura e na palavra que Jesus tinha dito); João 05:47João 05:47 ; João 00:38João 00:38 . (comp Lucas 1:20Lucas 01:20 ; Atos 24:14Atos 24:14 ; Atos 26:27Atos 26:27 ; 1 João 4: 11 João 4: 1 ). Neste sentido, também entendemos João 05:46John 5:46 (para tiveram crêsseis em Moisés, teríeis acreditado em mim); João 8:31João 8:31 ; João 8: 45-46João 8: 45-46 ; João 10:37João 10:37 (. Comp com João 10:36João 10:36 ); João 14:11João 14:11 . No entanto, como é o testemunho de Jesus a si mesmo que está em questão, a aceitação de suas palavras implica a aceitação de sua pessoa ( João 05:46João 05:46 ; comp com. João 5: 37-39João 5: 37-39 ). Conecte-se com estes a passagem original 1 João 3:231 John é o mandamento, que creiamos no nome de seu Filho Jesus Cristo "(em outros lugares εἰς τὸ ὄν , João 1:12João 1:12 ; João 2:23João 2:23 ; João 3:18João 3:18 ; 1 João 5:131 João 5:13 );. comp também João 6:29João 6 : 29 ; João 16: 9João 16: 9 ; 1 João 5:101 João 5:10 (aquele que crê em [ εἰς ] o Filho de Deus tem o testemunho em si mesmo, aquele que não crê Deus [ τῷ Θεῷ ] fez dele um mentiroso, porque não crê εἰς ] no testemunho que Deus de seu Filho deu). Aqui πιστεύειν τῷ θεῷ , para crer em Deus, é receber o seu testemunho, π . εἰς την μαρτυρίαν e, consequentemente, para recebê-lo para quem o testemunho é suportado. comp mais longe. João 05:38John 5 : 38 com 37, 24, 47 e 44. Estas passagens mostram que a idéia de John de fé inclui

 

(1) aceitar o testemunho de Deus,

 

(2) aceitar o testemunho de Cristo respeito a si mesmo e, portanto,

 

(3) aceitar o próprio Cristo.

 

A construção πιστεύειν εἰς é encontrado em João 2:11João 2:11 ; João 3:163:16 ; João 3:18João 3:18 ; João 3:36João 3:36 ; João 04:39João 04:39 ; João 6:29João 6:29 ; João 6:40João 6:40 (47); John 7: 5John 7: 5 ; João 07:31John 7:31 ; John 7: 38-39João 7: 38-39 ; João 07:48João 07:48 ; João 08:30João 08:30 ; John 9: 35-36João 9: 35-36 ; João 10:42João 10:42 ; João 11: 25-26João 11: 25-26 ; João 11:45João 11:45 ; João 11:48João 11:48 ; João 00:11João 00:11 ; João 00:37João 00:37 ; João 00:42João 00:42 ; João 00:44João 00:44 ; João 12:46João 12:46 ; João 14: 1João 14: 1 ; João 14:12João 14:12 ; João 16: 9João 16: 9 ; João 17:20João 17:20 ; 1 João 5:131 João 5: 13 . A única passagem nos escritos de John em que outra preposição ocorre é João 3:15João 3:15 , onde Lachmann lê ἐπ αὐτόν , Tischendorf ἐν αὐτῷ , em vez de εἰς αὐτόν .

 

(2.) Mas o sentido de admitir, aceitar como verdade, até agora desenvolvido, é de nenhuma maneira toda a ideia de João de fé em Cristo. Ela inclui não só isso, mas também a adesão a Cristo; aderindo a hium. Veja, por exemplo, toda a passagem, John 9: 35-38John 9: 35-38 ., E comp João 11:48João 11:48 ; João 10: 26-27João 10: 26-27 ; João 6:69João 6:69 ; João 1:12Jo 1:12 . Ambos são evidentemente contida também na πιστεύειν τινὶ , João 06:30John 06:30 ; comp. com João 6:29John assinar ShoWest tu, para que possamos ver e crer em ti); 29: ἵνα πιστεύσητε εἰς ὃν ἀπέστειλεν ¼ θεός (Que creiais naquele him''whom Ele enviou). Compare especialmente também Mateus 27:42 ; Marcos 15:32 . Matthew 27:42Mark 15:32

 

É claro, agora, que a idéia de John de fé inclui o elemento de clivar a Cristo, bem como de aceitá-lo; e essa clivagem para ele inclui a idéia de plena confiança em Cristo como Salvador, como ilustrado na passagem importante, João 3:15João 3:15 : ἴνα πᾶς ¼ πιστεύων εν αὐτῷ (que todo aquele que crê em ele, não εἰς αὐτον ). Tischendorf ἐν , Lachmsann ἐπ αὐτόν ). "Aqui está envolvida a angústia, no crente, da picada da serpente de bronze, e o penhor olhando aquele em quem o pecado foi crucificado com o olho interior da fé" (Alford, em loc.). Neste sentido pleno da palavra João usa πιστεύω por si só (de acreditar) , em João 1: 7João 1: 7 ; João 1:51João 1:51 ; João 4: 41-42João 4: 41-42 ; João 04:48João 04:48 ; João 06:36João 06:36 ; João 6:64João 6:64 ; João 9:38John 09:38 ; João 10: 25-26João 10: 25-26 ; João 11:15João 11:15 ; João 11:40João 11:40 ; João 00:39João 00:39 ; João 12:47João 12:47 ; João 14:29João 14:29 ; João 16:31João 16:31 ; João 19:35João 19:35 ; João 20:31João 20:31 (comp. João 3:12João 3:12 ; João 6:69João 6:69 ; João 20: 8João 20: 8 ; João 20:25João 20:25 ; João 20:29João 20:29 ). E esta fé é a condição "ofthe dons da vida, luz e salvação; João 10: 26-27João 10: 26-27 ; João 3:12João 3:12 ; João 3:163:16 ; João 3:18João 3:18 ; João 3:36João 3:36 ; João 6:35Jo 6:35 ; João 6:40John 06:40 ; João 6:47João 6:47 ; João 7:38João 7:38 ; João 11: 25-26João 11: 25-26 ; João 20:31João 20:31 (comp. João 05:38John 05:38 ); João 8:24João 8:24 ; João 1:12Jo 1:12 ; João 00:36João 00:36 ; João 12:46John 00:46 (comp. João 8:12João 8:12 e João 11:40João 11:40 ).

 

(3) o uso de Paulo de πιστεύειν também inclui a ideia de intelectual convicção, reconhecimento; veja as passagens acima citadas sob πίστις e comp. também Romanos 4:20Romanos 4:20 (fortes na fé); 1: 5; 16:26, ea relação do πιστεύειν para κηρύσσειν ( Romanos 10:14Romanos 10:14 ; Romanos 10:16Romanos 10:16 ; 1 Coríntios 15: 21 Coríntios 15: 2 ; 1 Coríntios 15:111 Coríntios 15:11 ; Efésios 1:13Efésios 1:13 ). Mas o sentimento de confiança em Cristo tas Salvador é sempre predominante no Paul. A construção πιστεύειν τινι para confiar, confiar, é encontrado 2 Timóteo 1:122 Timóteo 1:12 (eu sei em quem tenho crido, e estou certo); Tito 3: 8Tito 3: 8 ; Romanos 4: 3Romanos 4: 3 ; Gálatas 3: 6Gálatas 3: 6 ; Romanos 4: 6Romanos 4: 6 ; comparar Romanos 4:18Romanos 4:18 . Em vez de o dativo encontramos πιστεύειν ἐπί τινα , Romanos 4: 5Romanos 4: 5 : ἐπὶ τὸν δικαιοῦντα τὸν ἀσεβῆ (naquele que justifica o ímpio), Romanos 4:24Romanos 4:24 . O πιστεύειν εἰς também denota sempre fé em Cristo - ( Romanos 10:14Romanos 10:14 ; Gálatas 2:16Gálatas 2:16 ; Filipenses 1:29Filipenses 1:29 ); Da mesma forma ἐπὶ com o dativo, 1 Timóteo 1:161 Timóteo 1:16 ; Romanos 9:33Romanos 9:33 . E πιστεύειν é usado sozinho para designar a mais completa confiança de fé, Romanos 1:16Romanos 1:16 ; Romanos 3:22Romanos 3:22 ; Romanos 4:11Romanos 4:11 ; Romanos 4:18Romanos 4:18 ; Romanos 10: 4Romanos 10: 4 ; Romanos 10:10Romanos 10:10 ; Romanos 13:11Romanos 13:11 ; Romanos 15:13Romanos 15:13 ; 1 Coríntios 1:211 Coríntios 1:21 ; 1 Coríntios 3: 51 Coríntios 3: 5 ; 1 Coríntios 14:221 Coríntios 14:22 ; 2 Coríntios 4:132 Coríntios 4:13 ; Gálatas 3:22Gálatas 3:22 ; Efésios 1:13Efésios 1:13 ; Efésios 1:19Efésios 1:19 ; 1 Tessalonicenses 1: 71 Tessalonicenses 1: 7 ; 1 Tessalonicenses 2:101 Tessalonicenses 2:10 ; 1 Tessalonicenses 2:131 Tessalonicenses 2:13 ; 2 Tessalonicenses 1:102 Tessalonicenses 1:10 .

 

Em Tiago 2:19Tiago 2:19 , a acreditar denota aceitação intelectual, mas em Tiago 2:23Tiago 2:23 que denota confiança (ver em πίστις ). Em Peter os dois elementos de assentimento e trusts são conjugados (comp. 1 Pedro 1: 81 Pedro 1: 8 , com 1 Pedro 2: 6-71 Pedro 2: 6-7 ; 1 Pedro 1:211 Pedro 1:21 ).

 

Nos Atos e sinóptica Evangelhos, o significado da palavra (seja favorável ou de confiança, ou ambos conjugados) deve ser decidido pelo contexto.

 

O resultado de nossa análise é que a "fé" no NT inclui três elementos, cada um e todos os necessários para o pleno sentido da palavra, enquanto um ou outro deles pode hbecome proeminente de acordo com a conexão, viz.

 

(1) a aceitação intelectual completo da revelação da salvação,

 

(2) adesão à verdade e à pessoa de Cristo, portanto, aceito;

 

(3) a confiança absoluta e exclusiva na obra redentora de Cristo para a salvação. Em nenhum dos escritores do Novo Testamento é qualquer um desses três elementos que querem.

 

(. II) Early História da Doutrina da Fé. -

 

  1. Na Igreja primitiva, a doutrina paulina da fé como condição da justificação foi universalmente mantida. Mas os pensadores orientais não deu muita atenção para a fé de uma forma doutrinária, e seu verdadeiro significado não foi proeminente desenvolvido, nem era a distinção entre fé e obras (como condições) nitidamente traçada. Durante o período Apologetic (de 100 dC a 250 dC), enquanto a atenção foi "principalmente dirigida aos conhecimentos teóricos, a fé era em grande parte considerado como histórico-fé dogmática na sua relação com γνῶσις . Isso deu origem à opinião de que o conhecimento em coisas divinas justifica, enquanto a ignorância condena Minucius Felix (t 208), 35:. Imperitiet Dei ad sfficit pa nam, notitia prodest ad veniam. Teófilo de Antioquia (T181) também sabe de uma Historica fides sozinho, sobre a qual ele faz a salvação depender , Mas, apesar de ter sido reservada para os homens de épocas posteriores para investigar mais profundamente a ideia de justificar a fé no sentido paulino, vistas ainda corretos sobre este assunto não foram inteiramente querendo durante este período. " Clemente de Roma (t 100) diz em um espírito paulino ", chamado pela vontade de Deus em Cristo, podemos ser justificados, não por nós mesmos, e não por nossa própria sabedoria e piedade, mas somente pela fé, pela qual Deus tem justificado tudo em todas as idades. Mas vamos, nesta conta cessar de fazer o bem, e desistir de caridade? Não, nós trabalhem com zelo incansável como Deus, que nos chamou, sempre funciona, e exulta de alegria em suas obras "(1 Ep . ad Cor. c. 32, 33). Ireanaus (t 202) contrasta a nova obediência alegre que resulta na remissão dos pecados com o ponto de vista legal. "A lei que foi dada a servos as almas dos homens formados por obra exterior corporal, por isso coagido homens por uma maldição para obedecer aos mandamentos, a fim de que eles possam aprender a obedecer a Deus. Mas a Palavra, o Logos, que liberta a alma, e através dele o corpo, ensina uma entrega voluntária Daí os grilhões de ti lei deve ser retirado, eo homem acostumar-se à obediência de amor gratuito a obediência da liberdade deve ser de um tipo superior;.. que não estão autorizados a voltar para o nosso ponto de vista anteriormente, porque não nos libertou, a fim de que possamos deixá-lo, o que ninguém pode fazer que tem sinceramente confessou ele.

 

Ninguém pode obter as bênçãos da salvação fora da comunhão com o Senhor; e quanto mais obtemos dele, tanto mais que devemos amá-lo; e quanto mais nós amamos, tanto maior glória que recebemos dele "(Irenseus, Haer Uk 4, cap. 13:.. 1, 23; Neander, História de Dogmas, Ryland, página 216). Tertuliano (220) adv. Marc. 5: 3:. (. Coh página 9) Exfidei hibertate justisficatur homo, não eax legis servitute, quiajustus ex fide vivit de acordo com Clemente de Alexandria (+ 218), a fé não é apenas a chave para o conhecimento de Deus , mas por ele também são feitos filhos de Deus (ib. página 23). Clement distingue com precisão entre a incredulidade teórico e prático, e entende por este último a falta de sensibilidade de impressões divinas, uma mente carnal, que teria tudo em um forma tangível (Strom 2: 4, página 436). Orígenes em Números Hom (250 aD) 26 (Adv 3, página 369):...... Impossibile est salvari senos fide; Comm no Ep ad Rom (Opp 4, página 517): Etiamsi ópera Quis habeat ex lege, doma, quia non sunt cedificata supra fundamentum fidei, quamvis videantur Esse bona, Tames oparatanum suum justificare não possunt, quod deestfides eas, quae est signacurum eorum, qui justificantur a Deo (Hagenbach, História das Doutrinas, § 70; comp. Também § 34). Apolinário (t 885), em João 6:27João 6:27 , diz: "A comida eternamente duradoura, pela qual somos selados pelo Pai e assimilado a Cristo, é a fé que torna viva" e em João 06:28João 06:28 , "a fé ambos os justifica e santifica sem obras humanas, vendo que ele contém em si a energia mais nobre, e não é preguiçoso ou inativo "(Dorner, Pessoa de Cristo, Edinb. trad., div. 1, volume 2, página 389). Hilary (t 368): "Pela fé, tornam-se, não apenas de uma forma moral, mas, essencialmente, um com Ele" (ibid. Página 418).

 

  1. Os latinos, com mais diligência na prática do que no lado teórico, parece ter tido noções mais profundas da fé (veja Tertuliano, já referido). Mas as mentes dos teólogos foram transformados quase totalmente as doutrinas do pecado, graça e livre arbítrio (controvérsia pelagiana), e não à apropriação da redenção pela fé. As relações de fé ao conhecimento foram estabelecidos de forma clara e fortemente, no entanto, na máxima Fides prcecedit intellectum, anunciado pela primeira vez por Orígenes, e adotada por Agostinho (Epist 120:.. 3; ed Migne, 2: 453, citado por Shedd, história das Doutrinas, 1: 162). Compare também Agostinho, De utilitate Credendi, c. 23, onde ele mostra as analogias naturais para a fé; por exemplo, que a amizade entre os homens, a piedade filial, etc, são fundamentados na fé. Ele faz uma distinção entre fides quae; e fides qua creditur (De Trin. 13: 2); e usa a frase fides catholica no sentido objetivo, para designar o corpo de doutrina "necessário para um cristão" (De temperatura serm.. 53; e adv Jud.. c. 19). Augustine, diz Melancthon, não estabelecido plenamente a doutrina de Paulo, embora ele chegou mais perto dele do que os escolásticos (Carta a Brentius, opp ed.. Bretschneider, 2: 502).

 

  1. No período escolar a idéia do reino de Deus degenerado em que de uma teocracia eclesiástica, e o lado externo da vida religiosa (penitência e boas obras) era proeminente. No entanto, as grandes verdades doutrinais do cristianismo foram cuidadosamente estudados, eo objetivo dos maiores pensadores (por exemplo, Anselm) era mostrar que a fé pode ser verificada ao intelecto como verdade, enquanto, ao mesmo tempo, é a condição necessária da ciência, bem como da salvação. "Primeiro de tudo", diz ele, "a fé deve purificar o coração: precisamos nos humilhar, e tornardes como crianças Quem crê não não pode experimentar, e quem não tenha experimentado não pode compreender Nada pode ser feito até que a alma se eleva.. nas asas da fé em Deus "(de Fide Trinitat. c. 2). O grande teólogo grego, João de Damasco (século 8), que pode ser considerado como início do período da teologia escolástica, definiu a fé como consistindo de duas coisas:

 

  1. crença na verdade da doutrina revelada, o πίστις ἐξ ἀκοῆς (a fé que vem pelo ouvir, Romanos 10:17Romanos 10:17 );

 

  1. firme confiança nas promessas de Deus, a fé que é "o firme fundamento das coisas que se esperam, ea prova das coisas que se não vêem" ( Hebreus 11: 1Hebreus 11: 1 ).

 

A primeira delas, diz ele, é o trabalho de nossas próprias mentes; o segundo é o dom do Espírito (De Fide Orthod. 04:10). "Anselm compreende toda a doutrina da fé e da moral na questão, como o homem se apropria de redenção para si mesmo Ele diz:" A mera ideia não faz fé, embora isso não pode existir sem um objeto;., A fim de verdadeira fé a tendência direito de a vontade deve ser adicionado, qual a graça Imparts 'Ele distingue (Monologium, página 72; comparar página 75) (De Gratia et libero arbitrio, c. 6). entre Deum credere, Christum, e credere in Deum, IN Christum, o primeiro denota uma mera fé externa, que apenas mantém a forma, este último denota a verdade, fé viva, que se apodera de comunhão com Deus (CREDENDO tendere em divinam essentiam): o primeiro é sem valor e mortos, este último contém o poder do amor, e testemunha seu poder e sua vida por amor a fé que está conectado com o amor não pode ser inoperante;. isso prova a sua vitalidade, por assim operando Hugo de são Vítor desenvolve a ideia geral de fé em conexão com a natureza religiosa do homem.. fé marca a maneira pela qual as bênçãos invisíveis habitar dentro de nossas almas (quodam modo em nobis subsistunt), a comunhão vital real com Deus, sua verdadeira existência na alma humana. Para que as coisas divinas não pode ser apreendido por nós através dos sentidos, a compreensão, ou a imaginação, uma vez que eles não têm nada análogo a tudo isso, mas é exaltado acima de todas as imagens. O único veículo da sua apropriação é a fé. Dois elementos se encontram em que a tendência de a disposição, e a questão de cognição. Este último é o objecto da fé, mas a sua essência consiste na tendência de a disposição; e, embora isso nunca é totalmente sem o primeiro, no entanto, constitui o valor da fé. Bernard concorda com Hugo na sua visão da natureza da fé: " mesmo agora", diz ele, "muitos que acreditam com confiança tem conhecimento só escassa; assim, muitos na OT manteve firme fé em Deus, e recebeu a salvação pela fé, embora eles não sabiam quando e como a salvação viria para eles. ' Expressões de Abelardo também são importantes (Sentent. C. 4). 'Fé', diz ele, "sempre se refere ao invisível, para nunca mais thevisible. Mas como é isso? quando Cristo disse a Tomé: "Porque me viste, creste". O que Thomas viu diante de si era uma coisa, que ele acreditava ser outro. Ele confessou o homem a quem ele viu para ser o Senhor, em quem ele acreditava. Ele viu a carne, mas ele acreditava em Deus velado na carne "(Neander, Igreja História, Torrey, 4: 375).

 

Não apenas Abelardo, mas também a maioria dos outros escolásticos, compreendidas por justificatio per fidem justificação não objetivo, mas um carácter subjectivo da disposição, que procede da fé, o verdadeiro interior santificação no amor que surge da fé. Bernard, por outro lado, foi liderado por sua experiência para uma visão mais objetiva: "Ninguém está sem pecado (Sermo na Canção de Salomão, 23, § 15); para toda a justiça é suficiente para mim que ele é misericordioso para mim, que me redimiu. Cristo não é apenas justo (Ib. 22, § 8), mas a própria justiça. ' A doutrina escolástica neste ponto recebeu uma forma fixa através de Pedro Lombardo (Sentent. In, dist. 28). Ele faz uma tripla distinção na fé: Deum credere, Deo credere, e in Deum ou Christum credere. O primeiro montante dois meramente segurando uma coisa para ser verdade, mas a última é a fé pela qual entramos em comunhão com Deus. Com tal fé do amor está necessariamente ligada, e só essa fé é justificar. O amor é o efeito deste. fé, eo chão de toda a vida cristã. Aplicando à fé a distinção aristotélica entre theform como o princípio formativo ( εῖδος , forma), e o material inorgânico determinado por ela ( ὕλη , materies), Peter distingue fé como a qualitas mrentis informnis, o mero material da fé, eo fidesformata, . quando o poder vivificante de amor é adicionado a ele, que formas e determina que a fides formata é uma verdadeira virtude e esta fé, trabalhando pelo amor, sozinha justifica "(Ne ander, história dos dogmas; . Ryland, página 522 sq) .

 

O Scholastics geralmente reconhecido a distinção (sugerido por Agostinho) entre a fé objetiva e subjetividade tiva (fides qua creditur e fides quae creditur) e também distinto entre países desenvolvidos (explicita) e subdesenvolvida (implicita) fé (Aquino, Sumnma, 2, qu 1. , art. 7). Mas, em todo o período escolar, a prevalência da teoria sacerdotal da religião prejudicado, se não absolutamente prevenir, uma apreensão apenas da natureza da fé, e, naturalmente, desenvolveu a teoria do mérito das boas obras. Peter Lombard, de fato, diz que as boas obras são apenas aqueles que brotam do amor de Deus, que o próprio amor é o fruto da fé (fidei opus; Sentent lib em, dist 23, D...); mas os "pontos de vista de Tomás de Aquino não eram tão bíblica, assim (Surmm parte 2:.. 2, qu 4, a arte 7..) fala da própria fé como uma virtude, embora ele atribui a ela o primeiro e mais alto lugar entre todas as virtudes. " Ele define a fé como "um ato do intelecto concordar com a verdade divina, em virtude da operação do Espírito de Deus sobre a vontade" (Summa, 2: 2, 1, 4), e calcula fé entre as virtudes teologais, que ele distingue da ética (Neander, Wiss. Abhandlung. ed. Jacobi. 1851, página 42) "Tais noções, no entanto, levou mais e mais para o renascimento do Pelagianismo, até que os precursores da Reforma voltou para as verdades mais simples do evangelho "(Hagenbach, História das Doutrinas, § 186). De acordo com Aquino, a fé pela qual nós são apagadas do pecado não é a informis Agência Fides, que possam coexistir com o pecado; mas é a fides formata por charitatem (fé informada por amor). Na justificação, existe uma motes charitatis, bem como um motuss fidei (Summa, parte 3, qu. 44, art. 1). Esta declaração contém o germe da doutrina Católica Romana depois (veja outras passagens Moheler, Simbolismo, NY 1844, página 205;. Comp Beck, Dogsaengeschichte, 1864, página 365). Sua doutrina (como a do período em geral) é que a justificação "não é um ato objetivo, mas algo subjetivo, tornando o homem internamente justos pela comunicação da vida divina em comunhão com Cristo. Para a realização do justificatio, além disso, a fé pode ser apenas o primeiro passo, não foi suficiente para jusfification, mas o amor deve ser adicionado; os justificans gratia foi dada pela primeira vez no fides formata, tornando mman internamente justos Desde essa idéia externa da fé exigia que para efetuar justificação algo deve ser adicionado. de fora, a ajuda complementar da Igreja aqui foi exigido "(Neander, Dogmas, página 661). (Veja JUSTIFICAÇÃO ).

 

  1. John Wessel (t 1489) foi um precursor da Reforma em seus pontos de vista sobre a fé, assim como em muitos outros pontos. Nenhum dos teólogos da época Scholastic expressa o princípio da fé tão plenamente no espírito Pauline como Wessel. Ele considera "não uma mera tomada para concedido de fatos históricos, mas a devoção de toda a mente para a comunhão com Deus através de Cristo, que é a base da vida superior inteira, não apenas nas relações do homem com o homem, mas também nas relações do homem com Deus "(Ullmann, reformadores antes da Reforma, Edinb 1855, 2:. 468).

 

Praticamente, no alvorecer da Reforma (e para as idades antes), os cristãos foram ensinados por seus pastores que o perdão do pecado devia ser garantido, não bh fé nos méritos de Cristo, mas por observancms penitenciais e boas obras, seguida pela absolvição sacerdotal; andfaith si foi geralmente considerada simplesmente a recepção do ensinamento da Igreja. Na prática, a fé foi transformada em credulidade.

 

(. III) O protestante e romanos doutrina da fé católica comparação. - O ProtestantDoctrine. - O ponto central da Reforma, em um ponto de vista doutrinal, foi a justificação pela fé. Seu desenvolvimento será tratado em nosso artigo (Veja JUSTIFICAÇÃO ); podemos dar aqui apenas brevemente a distinção entre o protestante e doutrinas católicas romanas de fé: 1. a dos reformadores; 2. a da Igreja Católica Romana.

 

  1. Os reformadores. - Os reformadores, em oposição à doutrina da justificação Scholastic como um trabalho subjetivo (o fazendo apenas), trouxe proeminente o Objectivo ideia de justificação (como uma obra donefor nós por Cristo). "Por outro lado, correspondentemente, eles consideravam a fé como subjetiva, e como o princípio da transformação de toda a vida interior" (Neander, Dogmas, 2: 662). A posição de destaque da fé na teologia dos reformadores era uma parte fundasmental da mudança que estava ocorrendo, no momento, nas visões religiosas gerais da cristandade. "A mente não estava satisfeito com um objetivo e salvação para fora, no entanto válido e confiável pode ser É desejado um. Consciência de ser salvo, que desejava uma experiência de salvação A mente protestante não podia descansar na Igreja, nem ele poderia fingir. para descansar em uma expiação que foi unappropriated. o trabalho objetiva de Cristo no Calvário deve tornar-se a experiência subjetiva e regozijo da alma própria. Enquanto, no entanto, o princípio eo ato de fé ocupa um lugar de destaque no soteriology da Reforma, não devemos deixar de notar que ele nunca é representado como uma causa aquisição da justificação, é apenas a causa instrumental.

 

Protestantismo era extremamente cuidado de distinguir a justificação da justiça jurídica, por um lado, e da santificação pela graça do outro. Não poderia, por conseguinte, conceder a ANV espécies de agência humana, no entanto excelentes, um pecular e eficácia expiatório. Assim, nós encontramos nada disso suplementar ou aperfeiçoamento da obra de Cristo por obra da criatura que se encontra na sotetiology papalu. E isso se aplica ao mais alto dos actos, o próprio ato de fé. A fé em si, embora o dom e obra de Deus, não justifica, falando com precisão, mas apenas aceita o que não justifica "(Shedd, História das Doutrinas, 2: 337-8). Lutero foi levado à verdadeira doutrina paulina fé por sua profunda convicção da condição desesperada da humanidade, e não simplesmente de seu senso de finitude (que só poderia tê-lo levado a fé como uma realização do invisível e eterno), mas também e principalmente do senso esmagador da culpa pessoal em causa do pecado. ele considera a fé não apenas como um mero atributo, mas, "por assim dizer, como uma coisa substancial e divina, medida em que se unir a Deus, e Deus está nele. A fé está no estado da unio mystica, a união com Deus; e ainda é, ao mesmo tempo, a verdadeira existência do homem "Ele não é um mero ato intelectual, mas a desistir de todo o homem a confiar em Cristo;. e, inversamente, uma penetração de todo o homem, pela vida de Cristo. "A fé faz novas criaturas de nós. MEU santidade e justiça não brotam de mim mesmo; theys surgir sozinho fora de Cristo, em quem eu estou enraizado pela fé ". (Dorner, Pessoa de Cristo, 2:58, 64) No prefácio à Epístola aos Romanos Lutero diz:" somente a fé justifica, e só ela cumpre a lei; para a fé, através dos méritos de Cristo, obtém o Espírito Santo. E então, por fim, a partir da fé, assim, eficazmente trabalhar e viver no coração, livremente (fluunt) prossiga as obras que são verdadeiramente boas .... Mas a fé é uma energia no coração; ao mesmo tempo tão eficaz, animada, respiração e poderosa a ponto de ser incapaz de permanecer inativo, mas irrompe em operação. Nem aquele que tem fé (moratur) demur sobre a questão de saber se as boas obras têm sido ordenado ou não; mas mesmo que não houvesse lei, sentindo os movimentos deste vivendo impulso fazendo brotar e exercendo-se em seu coração, ele é espontaneamente suportados para a frente a trabalhar, e em nenhum momento ele deixa de realizar tais ações como são verdadeiramente piedosa e cristã. Fé, então, é uma fiducia constante, uma confiança na misericórdia de Deus para conosco; uma vida confiança e eficazmente a trabalhar no coração, pelo qual nós expulsá-se inteiramente a Deus, e nos comprometemos a ele; pelo qual, cer a fraeti, ter uma confiança assegurada, nos sentimos nenhuma hesitação sobre duradoura morte mil vezes. "" Luther lançou a maior estresse em todos os momentos na certeza da salvação e da verdade divina do Cristianismo.

 

A certeza de solo, em que todos os outros certeza depende, é com ele a justificação do pecador por causa de Cristo apreendida pela fé; de que é apenas o objectivo declaração a dizer que, para ele a certeza fundamental é Cristo como o Redentor, através da entrega a quem a fé tem plena satisfação, e sabe que ele está na verdade "(Dorner, Geschichte d. Prot. Theol. ., Miunchen, 1867, página 224) - "para acreditar essas coisas para ser verdade que são pregados de Cristo não é suficiente para constituir-te um cristão; mas tu não deve duvidar de que és um dos vários deles a quem todos os benefícios de Cristo são dadas e exibiu, que ele acredita que deve claramente confessar que ele é santo, divino, íntegro, o Filho de Deus, e alguns dos a salvação, e que por nenhum mérito próprio, mas pela mera misericórdia de Deus derramada sobre ele por causa de Cristo "(Luther, Serm diante. Gálatas 1: 4Gálatas 1: 4 , em peixe, Obras-primas do púlpito Eloquência, 1: 462). Zwingle considerou que a fé, no sentido da apropriação pelo homem, pela graça, da obra redentora de Cristo, é o único meio ou instrumento de salvação. era um de seus fundamentos de objecção às doutrinas romanas e luteranas da Eucaristia que essas doutrinas denegrir a glória de fé, representando-o como insuficiente para a salvação (Dorner, Per filho de Cristo, .. div 2, volume 2, página 116) Melancthen, em uma carta ao Brentius, de maio de 1531, diz: " somente a fé (sola) justifica, não porque é a raiz (radix), como você escreve, mas porque ele se apodera de Cristo, em cuja conta somos aceitos. Não é o amor, o cumprimento da lei, o que justifica, mas somente a fé, não porque é uma perfeição em nós, mas apenas porque ele se apodera de Cristo "(edição Bretschneider, Hal Sax 1835, 2:... 501 ). Calvin (Institutes, livro 3, capítulo 11) trata da fé em geral, e distingue-o de "um comum acordo com a história evangélica", e refuta a distinção nugatory feita pelas escolas entre fides forsata e fides informis. "a disputas das escolas em matéria de fé, simplesmente denominar Deus o objeto de que, em vez enganar os miseráveis ​​almas por uma vã especulação do que encaminhá-los para a marca adequada. Pois, uma vez que Deus, 'habita na luz que, nenhum homem pode se aproximar até, "há uma necessidade para a interposição de Cristo como o meio de acesso a ele." "Esse mal, então, assim como inúmeros outros, deve ser imputados aos escolásticos, que têm, por assim dizer, escondido Cristo pelo desenho de um véu sobre ele; Considerando que, a menos que nossos pontos de vista ser imediatamente e firmemente dirigida a ele, estaremos sempre vagando por labirintos sem fim. Eles não só, por suas definições obscuras, diminuir, e quase aniquilar, todos a importância da fé, mas ter fabricado noção te de fé implícita, um termo com o qual eles têm honrado a ignorância grosseira, ea maioria perniciosamente iludido os miseráveis ​​multidão ". "é essa fé para entender nada, mas obedientemente a apresentar a nossa compreensão da Igreja? A fé não consiste na ignorância, mas no conhecimento; e que não só de Deus, mas também da vontade divina .... Pois a fé consiste em um conhecimento de Deus e de Cristo, não em reverência à Igreja.

 

Em suma, nenhum homem é verdadeiramente um crente a menos que ele se convencer firmemente que Deus é um Pai propício e benevolente com ele, e promete-se tudo, de sua bondade; a menos que. ele dependem as promessas de benevolência divina para ele, e sente uma expectativa indubitável da salvação. Ele não é um crente, eu digo, que não contam com a segurança de sua salvação, e com confiança triunfe sobre o diabo e da morte "(Calvin, Institutes, livro 3, capítulo 2).

 

As passagens das várias Confissões será dado mais plenamente na arte. (Veja JUSTIFICAÇÃO ); citamos aqui alguns. Augsburg Cosfession. - "Os homens são justificados gratuitamente, por amor de Cristo pela fé quando eles acreditam que eles são recebidos em favor, e seus pecados são remidos pelo amor de Cristo, esta fé doth Deus imputa justiça sobre ele" ( Art. 4). A natureza da fé salvadora é estabelecido no Art. 20: "É de se observar aqui que uma mera crença histórica, tal como os homens maus e demônios têm, não é aqui significava, que também acreditam é a história dos sofrimentos de Cristo, e em sua ressurreição dentre os mortos, mas isso genuína fé é aqui significava que nos conduz a acreditar que podemos obter graça e perdão dos pecados através de Cristo, e que nos dá a confiança de que por meio de Cristo temos um Deus misericordioso, que também nos dá a certeza de saber que Deus o invocam e tê-lo sempre na lembrança, de modo que o crente não é sem Deus, como são os gentios "(compare o Apology para a Confissão, art. 2, 3). Catecismo de Heidelberg. - Qu. 21. " O que é a verdadeira fé? Ans. Não é apenas um certo conhecimento pelo qual eu mantenho a verdade tudo o que Deus nos revelou na sua palavra, mas também uma confiança saudável, que o Espírito Santo opera em mim pelo Evangelho, que não só para os outros, mas para mim também, o perdão dos pecados, a justiça eterna e salvação são livremente dado por Deus, mas apenas de graça, só por uma questão de mérito de Cristo ". Remonstrants "confissão" (11: 1). - "A fé em Cristo é uma empresa parecer favorável (assensus) da mente para a palavra de Deus, juntou-se com a verdadeira confiança (fiduci) em Cristo, para que não só fielmente receber a doutrina de Cristo como verdadeira e divina, mas descansar totalmente no próprio Cristo para a salvação. " . Confissão de Westminster (10, 14) "A fé, assim recebendo e descansando em Cristo e sua justiça, é o único instrumento de justificação; ainda assim ... não é uma fé morta, mas opera pelo amor por essa fé o cristão crê que. ser verdade tudo o que é revelado na palavra ... mas os principais atos de fé salvadora são aceitar, receber e repousa sobre Cristo para a justificação, santificação e vida eterna, em virtude do pacto da graça. Esta fé é diferente em graus, fraca ou forte; pode ser muitas vezes e de muitos modos assaltada e enfraquecida, mas fica a vitória, crescendo em muitos para a obtenção de um grau de segurança caiu através de Cristo ". Em todas as confissões, tanto Luterana e Reformada, a fé é considerada uma retenção que coloca em Cristo, pela qual somos salvos (e não por nossas próprias obras, ou por qualquer obra de sanctitication feito em nós).

 

  1. Roman Doutrina Católica. - A Confissão de Augsburgo (Art. 20) fala da longa desuetude da doutrina da fé na Igreja, e as obras substitutiopof infantis e desnecessárias (jejuns, peregrinações, etc.), de a grande causa da sua corrupção, e fornecendo o principal motivo para a reforma da doutrina. "Nossos adversários agora", eles dizem (1530 dC), "não pregam a respeito dessas obras inúteis como eles estavam acostumados: aliás, eles já aprenderam a fazer menção de fé, sobre whichm, em épocas anteriores, foi observada toda silêncio. Theys agora ensinam que não somos justificados diante de Deus pelas obras sozinho, mas se juntar a fé em Cristo ao mesmo, e dizer fé e obras justificar diante de Deus;. que a doutrina dá mais consolo do que mera confiança em boas obras " Esta foi a disputa chefe teológica da Reforma, e foi também o principal tema de discussão teológica no Concílio de Trento (1545-63). Alguns dos teólogos de lá (o arcebispo de Sienna, o bispo de Cava, e outros), considerou que a fé por si só justifica; mas esta doutrina antiga era muito inconsistente com o sistema sacerdotal de encontrar favor com a maioria. "Grandes dores foram levados para discutir exaustivamente a afirmação de que" o homem é justificado pela fé ', e para afixar algum determinado significado para aquela expressão;. Mas a tarefa não foi fácil Algumas ocupavam-se na busca de diferentes seamses em que a palavra' fé "é usada nas Escrituras, que eles fizeram ascender a quinze, mas não sabia em que é empregada quando aplicado a justificação. Finalmente, depois de muita discussão, foi acordado que a fé é a crença de todas as coisas que Deus revelou , ou a Igreja ordenou que se acreditava-se distinguido em dois tipos: a dizer que existe mesmo em pecadores, e que foi denominado informe, estéril e morto, o outro peculiar ao justo, e trabalhando pela caridade, e. dali chamado formado, eficaz, e viver a fé. Ainda assim, como pai Paul observa, 'eles não tocou o ponto de dificuldade, que era para saber se o homem é justificado antes que ele faz a justiça, ou se ele é justificada por suas obras principais da justiça "(Cramp, Texto-book do papado, capítulo 7).

 

A decisão do Conselho é a seguinte (sess 6; c 8..): "Quando o apóstolo diz que o homem é justificado" pela fé "e" livremente ", estas palavras devem ser entendidas nesse sentido no qual a Católica Igreja tem sempre realizadas e explicou-lhes, nanmely, que são disse a ser justificado "pela fé", porque a fé é o começo da salvação humana, o fundamento e raiz de toda justificação, sem a qual é impossível agradar a Deus, e entrar em a comunhão de seus filhos;. e que são disse a ser justificada 'livremente', porque nada que precede a justificação, se a fé ou obras, pode merecer a graça do mesmo " Aqui, duas coisas devem ser observados:

 

(1) Que a idéia romana de fé em geral é a da aceitação do corpo de doutrina ensinada ser a igreja: " 'La foi necesssaire pour la justificação est la foi Cathohique d'apres laquelle croyons nous ce que Dieu um revels um filho eglise "(Drioux, observe a sua edição do Summa de Tomás de Aquino., 6: 600); tornando assim substancialmente o intelecto a sede da fé, como Belarmino expressamente coloca em seu contraste entre o protestante e as idéias romanas de fé: "haeretici fidem fiduciam Esse definiunt; Catholici fidem em intellectu sedem habere volunt" (De Justif 1:. 4). Como exaustivamente externa uma coisa esta fé se torne, na prática, é evidenciada pelo fato de que a recitação de um credo, em linguagem romanista, é chamado de um "ato de fé" (Bergier, Dict. De Theologie, 03:54).

 

(2) Que, nesse sentido, o Concílio de Trento faz fé apenas o "início da salvação humana" (salutis humanae initium), e "a raiz de toda justificação" (radix omnis justificationis). Se a fé é simplesmente um ato intelectual, é adequadamente descrito como apenas o "início" da justificação, e não o seu instrumento. Então Mohler, ao comentar sobre esta passagem, diz expressamente que "os católicos romanos considerar a fé como o reencontro com Deus em Cristo, especialmente por meio da faculdade de conhecer, iluminada e fortalecida pela graça" (Simbolismo, NY 1844, página 204). Na mesma linha é a definição dada pelo Catecismo de Trento, viz. que a "fé necessária para a salvação é que a fé pela qual nos deu toda a nossa concordância com o que foi revelado por Deus todo-poderoso" (Baltimore edição. página 19). É evidente que a noção de fé, como protestantes segurá-la, e como eles acreditam que Paul segurou-a, é totalmente querendo na doutrina romana. Naturalmente, também, com essa concepção de fé, os romanistas negar que somente a fé justifica, afirmando, na maneira dos escolásticos (veja acima), que a fé deve ser informado pela caridade, como o germe da nova obediência, um presente dado primeiro no batismo, e renovada pela confissão e absolvição. Então JH Newman (Dificuldades do anglicanismo, citado por Hare, Concurso com Roma, página 113) declara que romanos "católicos sustentam que fé e amor, fé e obediência, fé e obras, são simplesmente separável, e normalmente separados na verdade, que a fé não implica amor, obediência, ou obras, que a fé mais firme, a fim de mover montanhas, pode existir sem amor, que é, a verdadeira fé, como verdadeiramente a fé no sentido estrito da palavra como a fé de um mártir ou um médico . " Nesta Hare observa: "Essa crença não é fé Para muitas pessoas, na verdade, pode parecer que isso é pouco mais do que uma disputa de palavras, que nós usamos a palavra fé em um sentido, eo romanista em outro, e que. não vale a pena discutir sobre o assunto. Mas quando nos lembramos de quão grande é o poder e as bênçãos prometidas à fé no Evangelho, é certamente uma questão do momento mais alto se que o poder e as bênçãos pertencem a uma . sem vida, inerte noção, inanimado, ou a um princípio vivo e enérgico Este é o grande conflito entre o catolicismo eo protestantismo sua estadia é o operatumn opus, o nosso Jides operans. - fé, o dom de Deus, apreendendo-lo por meio de Cristo, renovando o homem todo, e tornando-se a fonte viva de seus sentimentos e pensamentos e ações "(Concurso com Roma, nota 1). Uma carta de Bunsen de em 1840 ilustra a idéia romana de fé, como tinha raízes na mente de JH Newman, antes que ele foi para Roma. Um pastor em Antuérpia (nomeado Sporlein) estava preocupado sobre a ordenação episcopal, e veio para a Inglaterra para a luz. Ele foi convidado para o pequeno almoço em Newman, e encontrou-o e um número de seus amigos prontos para ouvi-lo. "Ele abriu o seu coração para eles, e eles deram a sua decisão - . '. Pastor Sporleln, como cristão Continental, foi colocada sob a autoridade do bispo de Antuérpia' o veredicto de um júri Newmanic em um caso de consciência, ou seja, que Ele objetou que por esse bispo que ele seria excomungado como herético. "Claro, mas você vai estar em conformidade com a sua decisão." "Como posso fazer isso ', exclamou Sporlein', sem abjurar a minha fé? "Mas a sua fé é heresia." "Como? Quer dizer que eu sou a abraçar os erros de Roma, e a abjurar a fé do Evangelho? "Não há fé, mas a da Igreja. ' "Mas a minha fé em Cristo crucificado." "Você está enganado, você não está salvo por Cristo, mas pela Igreja" (Memórias de Bunsen, por sua viúva, Londres, 1868, 1: 614).

 

(IV.) Mais tarde protestantismo. -

 

  1. O que quer que pequenas diferenças podem ter surgido na teologia protestante, como a fé, todos os teólogos evangélicos concordam nos seguintes pontos:

 

  1. Que a fé salvadora não só reconhece o sobrenatural, mas também aceita e confia absolutamente em Jesus Cristo, o Filho de Deus, como Salvador;

 

  1. que esta força de salvação é dom de Deus;

 

  1. que, invariavelmente, traz boas obras;

 

  1. que a fé que se apropria dos méritos de Cristo deve ser uma fé viva;

 

  1. que não é a fé, nem a vitalidade da fé, que justifica e salva o homem, mas é o objeto da fé, ou seja, os méritos de Cristo Redentor, e, portanto, de que é um erro para anexar um economizando qualidade a qualquer fé meramente subjetivo. Os reformadores e Confissões anteriores feitas garantia de uma parte essencial da fé salvadora, mas esta doutrina não foi prendido por muito tempo. (Veja GARANTIA ) ; (Veja JUSTIFICAÇÃO ) .

 

  1. As divisões de Fé - A fé é dividido pelos teólogos em fides historica e fides salvifica (fé histórica e fé salvadora). O primeiro é o conhecimento intelectual e fé na doutrina cristã; este último uma verdadeira apropriação dos méritos de Cristo para a salvação. A verdadeira fé abrange tanto. As peças de fé, em linguagem teológica, são três:

 

  1. Notitia (ato do intelecto), o conhecimento, instrução nos fatos e doutrinas do cristianismo ( Romanos 10:14Romanos 10:14 ).

 

  1. assensus (ato da vontade), o parecer favorável à doutrina, ou a recepção de la como verdadeira e credível.

 

  1. Fiducia (ato do coração), a confiança ou a confiança na palavra divina. "Fé verdadeira e salvadora em Cristo consiste tanto de assentimento e confiança, mas isso não é uma confiança cega e supersticiosa no sacrifício de Cristo, como a dos pagãos em suas sacri'fices, nem a confiança presunçosa de homens ímpios e impenitentes, que dependem de Cristo para salvá-los em seus pecados, mas tal confiança como é exercida de acordo com a autoridade ea direcção da palavra de Deus, de modo que saber o Evangelho em seus princípios fundamentais, e para ter uma cordial da crença nele , é necessário que o ato mais específico de fé que é chamado de dependência, ou, em linguagem sistemática, o parecer favorável fiducial "(Watson, Institutos, 2: 243).

 

  1. A fé em Cristo; justificando fé como condição de salvação. -

 

(a.) Apesar de toda a revelação de Deus é estabelecido, em certo sentido; como o objeto da fé ( Lucas 24: 25-26Lucas 24: 25-26 ; Hebreus 11), mas Cristo, o Filho de Deus encarnado, a morte e ressuscitado Redentor, é κατ ἐξοχνὴν , o objeto da fé ( Gálatas 2:16Gálatas 2:16 ; João 17:21João 17: 21 ). Nas igrejas evangélicas, a fé que justifica é entendida a ser exercida especificamente em Cristo, como por sua morte fazendo expiação e satisfação para a culpa do pecador, ou (para colocar a mesma idéia em uma outra luz) na aliança de Deus com a humanidade em Cristo, como oferta -lhes perdão por causa da morte de Cristo; e esta fé é ainda visto apenas como uma condição da justificação.

 

(b.) ? "O que a fé é, então, o ough qual somos salvos Pode ser respondida, em primeiro lugar, em geral, é uma fé em Cristo, Cristo, e Deus através de Cristo, são os objetos próprios do mesmo. aqui, portanto, é o suficiente, absolutamente distinto da fé qualquer um dos pagãos antigos ou imodern. E, a partir da fé de um diabo que é totalmente distinto por esta não é apenas uma coisa especulativa, racional, um resfriado, o parecer favorável sem vida, uma trem de idéias na cabeça, mas também uma disposição oftthe coração. Porque assim diz a Escritura: "Com o coração se crê para a justiça. E, 'Se tu confessares com a tua boca o Senhor Jesus e creres no teu coração que Deus o ressuscitou dentre os mortos, serás salvo.' Ele reconhece sua morte como os únicos meios suficientes de redimir o homem da morte eterna, e sua ressurreição como a restauração de toda a vida e a imortalidade nós, na medida em que ele foi entregue por nossos pecados e ressuscitou para nossa justificação. " A fé cristã é, em seguida, não é apenas um parecer favorável a todo o Evangelho de Cristo, fora também uma confiança completa no sangue de Cristo, uma relação de confiança nos méritos de sua vida, morte e ressurreição, um decúbito sobre ele, como nossa expiação e nossa vida, como dado para nós, e vivendo em nós é uma certeza de confiança que o homem tem em Deus que, através dos méritos de Cristo, seus pecados estão perdoados, e ele reconciliado com o favor de Deus;. e, em consequência disso, um fechamento com ele, e aderindo a ele, como o nosso "sabedoria, justiça, santificação e redenção", ou, em uma palavra, nossa salvação "(Wesley, Serm. sobre a Justificação).

 

(c.) A fé não é meritoriamente, mas instrumentalmente, a condição do nosso perdão. "Se Cristo não tivesse merecido, Deus não havia prometido, se Deus não tinha prometido, a justificação nunca tinha seguido nesta fé: assim que a ligação indissolúvel entre fé e justificação é de instituição de Deus, no qual ele tem-se obrigado a dar a vantagem ao . desempenho da condição no entanto, há uma aptidão na fé para ser uma condição, pois nenhum outro ato pode receber a Cristo como sacerdote propiciando e suplicando a propiciação, ea promessa de Deus por causa dele para dar o benefício como receber a Cristo. e sua promessa graciosa desta maneira, é culpa confessa do homem, e assim o homem renuncia toda a justiça em si mesmo, e honra a Deus, o Pai, e, Cristo, Filho como o único Redentor ele glorifica a misericórdia de Deus e livre graça no mais alto grau. . ele confessa na terra, como ele vai ser perpetuamente reconhecido no céu, para que toda a salvação do homem pecador, desde o início até o último grau da mesma, da qual não haverá fim, é de amor mais livre de Deus, o mérito de Cristo e intercessão, sua própria promessa gracioso, e o poder do seu próprio Espírito Santo "(Lawson). Wesley, falando de fé como a condição de nossa justificação, diz: "Nós queremos dizer isso mnuch, que é a única coisa sem a qual ninguém é justificado;. A única coisa que é imediatamente indispensavelmente, absolutamente necessária, a fim de perdão como, por um lado, thouh um homem deve ter tudo o resto, sem fé, mas ele não pode ser justificada, por isso, por outro lado, embora se supor que quer tudo o mais, mas se ele tem fé que ele não pode deixar de ser justificada para supõem. um pecador de qualquer tipo ou grau, em um sentido pleno de sua impiedade total de sua total incapacidade de pensar, falar ou fazer o bem - supor, eu digo, este pecador, desamparado e sem esperança, lança-se totalmente na misericórdia de Deus em Cristo (que, na verdade, ele não pode fazer, mas pela graça de Deus), que vai afirmar que é necessário mais nada antes disso pecador pode ser justificado? " (Wesley Sermão Justificação; Neander, Plantar e Formação, 2: 128 sq.). "A fé, pois é mera crença, pode ser produzida por evidência racional. Mas quando isso for alcançado, .a obra da graça no coração é dito em nenhum lugar na Escritura a ser exercida pela operação natural dessas verdades creditados. O contrário fato, que os homens muitas vezes creditá-los e não são afectadas por eles, é óbvio.

 

Quando um estado de espírito diferente se segue, é atribuída à influência vivificante do Espírito, uma influência que pode ser ordinariamente resistiu. Por que influenciam os homens são "picadas no seu coração; ' e o coração está preparado para se sentir a impressão de medo que é transmitida pela manifestação do estado de perecimento do homem, e não apenas na doutrina da palavra, mas como está no pedido do Espírito para o coração e consciência. Mas, embora este foi previamente creditados, e ainda é creditado; e, apesar de sua importância e significado são agora mais plenamente percebida como a condição perecendo do homem desperto é mais claramente descobertos, a fé de affiance, portanto, não siga. 'Uma pessoa nestas circunstâncias não é para ser comparado a um homem se afogando, que instintivamente agarrar a corda assim que ele é jogado para fora para ele. Há uma disposição perversa no homem a buscar a salvação em sua própria maneira, e para ficar em acordo com o seu Salvador. Há uma relutância em confiar inteiramente em sua expiação, e ser salvo pela graça. Há um pecado da incredulidade; um perverso coração de incredulidade; uma repugnância ao compromisso da alma a Cristo, que a influência da graça, não apenas o conhecimento da verdade oposta e dever, deve conquistar. Mesmo quando este é fraco, e o homem é feito disposto a ser salvo no caminho apontado, a falta de poder se faz sentir, não para creditar a verdade do sacrifício de Cristo, ou os seus méritos, ou sua suficiência, mas a falta de poder a confiar inteiramente, e com confiança, no meio dela, para a questão é então que, como os discípulos, e todos os bons homens em todas as idades, todos os homens, nestas circunstâncias, ora por fé; para este poder confiar, pessoalmente, e agora mesmo, na expiação pelos seus pecados. Assim, ele reconhece Cristo como "o Autor e Consumador da fé", e a fé como dom de Deus, embora o seu próprio dever: então não está na mente de uma renúncia inteira de auto por um lado, e uma busca de todos de Cristo por outro, que não pode deixar de ser seguido pelo dom da fé, e pela alegria que brota, não de mero sentimento, mas a partir da comprovação do Espírito para a nossa aceitação com Deus. " Então, o Espírito Santo é dado, não só como o Consolador, mas como o Santificador. É desta forma, também, que a fé nos salva ao fim, por nós de ligação com a influência exercida e poder de Deus, através de Cristo. 'A vida que eu vivo na carne, vivo-a na fé do Filho de Deus, que me amou e se entregou por mim. " Estes são pontos de vista que, é verdade, ser uma pedra de tropeço e rocha de ofensa para os filósofos deste mundo. Mas não há remédio na concessão. Ainda este vai ficar "," Quem não receber o reino de Deus como uma criança de maneira alguma entrará nele "(Watson, Works, Londres, 1835, 7: 224).

 

Pye Smith (primeiras linhas da Teologia Cristã, livro 5, capítulo 5, § 3) define o ato específico de fé salvadora a ser aquele ato da mente que directa e necessariamente decorre do princípio da fé, que é o esforço próprio e característico desse princípio, e na qual a verdadeira natureza, design e tendência de fé genuína é feita aparente. Este ato ou exercício é expressa na Escritura pelos termos "vir a Cristo - olhando para ele - recebê-lo - comer a carne do Filho do Homem, e beber o seu sangue - confiando nele, e estando certíssimo de sua verdade e fidelidade . " É o que nossos teólogos antigos e excelentes usualmente representada pela frase (talvez demasiado familiar, mas muito expressiva e de fácil compreensão) encerrando com Cristo. Presidente Edwards expressa-o assim: "Todo o ato de aceitação, ou o encerramento da alma ou o coração com Cristo" (Works, 8: 546). "A fé é um descanso assegurado da alma nas promessas de Deus de misericórdia em Jesus Cristo, para perdão dos pecados aqui e no futuro glória" (do Dr. Owen Catecismo).

 

  1. Foi dito (acima) que os teólogos protestantes são substancialmente concordaram quanto à natureza da fé salvadora. Mas há uma classe de sacerdotes na Igreja da Inglaterra (o chamado partido sacramental ou Romanizing) que parecem ter voltado inteiramente para a doutrina escolástica de fé, se não, de fato, a de Roma. Um dos melhores escritores desta escola é bispo Forbes, de Brechin, que, no tratamento de Arte. 11 da Igreja da Inglaterra, afirma que a fé pela qual somos justificados não é a fiducia de Lutero, mas é "aquele princípio e raiz da vida cristã pelo qual dispostas a acreditar, etc.", adotando assim, a própria fraseologia de Trento na elaboração de sua definição de fé. Assim, também, ele adota a declaração de Belarmino que "o amor é o princípio vivificante da fé que impetrates justificação". Enquanto ele admite que os pais muitas vezes afirmar que somos justificados pela fé somente, acrescenta que "nunca teve a intenção, pela palavra só, para excluir todas as obras de fé e graça das causas de justificação e salvações eternas" (Explicação do 39 artigos, Londres, 1867, 1: 177 sq)..

 

Estes pontos de vista são sot Protestante; ainda bispo Forbes, eo conjunto de teólogos que concordam com ele em voltar a doutrina romana, ainda pertencem a uma Igreja que se chama protestante, em contraste feliz, podemos citar outra divina da mesma Igreja, Dr. O'Brien, que , em seu excelente tratado sobre a Justificação pela fé (Lond. 2d ed 1.863.), depois de uma declaração clara da natureza da fé cristã como "confiança em Cristo; toda e sem reservas uma confiança na eficácia do que Cristo fez e sofreu por nós, uma plena confiança sobre ele e sua obra, "protestos contra o erro que," na justificação, a fé é imputada a nós por justiça, porque é em si um princípio direita, e outro que, naturalmente, tende a produzir obediência aos preceitos divinos; " e ele mostra que, "ao mesmo tempo que é o instrumento adequado de nossa justificação, eo princípio seminal da santa obediência, é, não obstante, o instrumento de nossa justificação, essencialmente, e corretamente, porque nos une ao Senhor Jesus Cristo, assim que temos um interesse em tudo o que ele fez e sofreu. Deus tem, em sua infinita sabedoria e misericórdia, nomeado que deve ser perdoado e aceito para os sofrimentos e para os méritos de outro, parece ser mais apropriadamente ter nomeado também , que a nossa aceitação voluntária deste seu modo de perdoando e receber-nos, colocando nossa confiança nele por meio de quem essas bênçãos devem ser impingidas, deve necessariamente preceder a nossa plena participação de todos os benefícios deste regime gracioso, e que nada deve ... Se para a nossa justificação que seja essencial, e suficiente, que sejamos unidos a Cristo. - um com Cristo - encontrada em Cristo - não o acto pelo qual o levamos para a nossa defesa contra essa ira que sentimos que nós ganhamos - segundo o qual, renunciando a toda confiança própria, nós nos lançar em cima misericórdias gratuito de Deus no Redentor, com um sentido pleno da nossa culpa e nossa perigo, mas em uma dependência completa sobre a eficácia de tudo o que ele tem feito e suportou; não este acto, pelo qual nos apegamos a ele, e, tanto quanto em nós se, tornar-se um com ele, parece o ato ajuste whereunto anexar o pleno exercício de todos esses benefícios inestimáveis ​​que, no entanto caro comprado eram por aquele que os comprou, foram projetados para ser, com respeito a nós, para quem eles são concedidos, enfaticamente livre? Com menos do que isso, a nossa parte no procedimento não teria sido, o que foi manifestamente concebido para ser, inteligente e voluntária; com mais, ele pode parecer ser meritório. Considerando fé une todas as vantagens que devemos procurar no instrumento através do qual fomos para o prender as bênçãos, assim, livremente oferecidos para nós: ela nos faz destinatários voluntárias de-los, e ainda assim não parece sair, até mesmo para a sedução dos nossos próprios corações enganosos, o poder de atribuir a nós mesmos qualquer participação meritórios em obtê-los "(página 119- 121).

 

A relação da fé com obras, e a questão da aparente diferença entre a doutrina de Paulo e a de James sobre este ponto, será tratado em nosso artigo (Veja OBRAS ). Nós só observar aqui que a teologia protestante (como foi abundantemente demonstrado nos extratos já assumidos) sustenta que a verdadeira fé sempre se manifesta por amor e às boas obras (ver Confissão de Augsburgo, Apologia, c. 3); qualquer outra fé é mera crença, ou o que St. James chama de "fé morta." As pequenas diferenças entre os protestantes quanto à natureza da fé dependerá principalmente sobre diferenças quanto à natureza da justificação. (Veja JUSTIFICAÇÃO ).

 

Ver, além das obras já citadas, Edwards, Obras, 1 (NY editar, 4 volumes, 8vo.): 110; 2: 601 sq .; 4:64 sq .; Waterland, Obras (Oxf 1.843.), 6: 23-29; Pearson, On the Creed, art. 1; Wardlaw, Teologia Sistemática (Edinb 1857, 3 volumes, 8vo.), 2: 728 m² .; Martensen, Christian Dogmatics (Edinb. 1866, 8to), páginas 37, 38 sq .; Knapp, Christian Theology, § 121 sq .; Browne, em 39 artigos (NY 1865), página 308 sq .; Burnet, em 39 artigos, art. 11; Nitzsch, Christliche Lehre, § 143; Monsell, religião da Redenção (Lond. 1867, 8vo), página 219 sq .; Bohmer, Christl. Dogmatik (Breslau, 1840), 1: 4; 2: 259 sq .; Perrone (Romanos C.), Prcelectiones Theologicce (ed Miane, 2 volumes.), 2: 1414 sq .; Mohler (RC), Simbolismo (NY 1844), livro 1, capítulo 3, § 15, 16; Buchanan, sobre a justificação (Edinb. 1867, 8vo), página 364 sq .; Hare, vitória da fé (revisto em Bibliotheca Sacra, de julho de 1860, art. 2); Lepsius, Paulin. Rechtfertigungslehre (Leips. 1853, 8vo), página 94 sq .; Usteri, Paulin. Lehrbegriff (Zr 1824, 8vo.); Ritschl, Altkathol. Kirche (Leips. 1857, 8vo), página 82 sq .; Schulz, Die Christliche Lehre v Glauben. (Leips 1834, 8vo.); Cobb, Philosophy of Faith (Nashville); Neander, Katholicismus u. Protestantismus (Berlim, 1863, 8vo), páginas 131-146; Hase, protestante. Polemik (Leips. 1865, 8vo), página 242 sq .; Baur, Katholicismus und Protestantismus (Tiibingen de 1836, 8vo), páginas 259-264; Elliott, Delineamento do romanismo, livro 1, capítulo 2; Baur, Dogmengeschichte (Leips 1867, 3 volumes, 8vo.), 3: 200 sq .; Cunningham, Teologia Histórica, capítulo 21; Beck, Dogmengeschichte (Tiibingen de 1864, 8vo), página 364-369. (Veja JUSTIFICAÇÃO ); (Veja SANTIFICAÇÃO ).  

dicionario hasting

fonte www.avivamentonosul21.comunidades.net