Translate this Page

Rating: 3.0/5 (920 votos)



ONLINE
6




Partilhe este Site...

 

 

<

Flag Counter

mmmmmmmmmmm


// ]]>


Teologia Sistematica inspiração das Escrituras
Teologia Sistematica inspiração das Escrituras

 

 

                    INSPIRIAÇÃO DAS ESCRITURAS

 

 (Lat. A respiração em), um termo empregado para designar a origem divina do rcnilture Santo (qv).

 

  1. Definição. -

 

  1. A palavra "inspiração" "às vezes é usado para designar a emoção e ação de uma imaginação fervorosa no poeta ou orador. Mas, mesmo neste caso há geralmente uma referência a uma suposta influência divina, à qual a ação animado é devido . ela é usada uma vez nas Escrituras para indicar que ação divina pela qual o homem é dotado com as faculdades de um ser inteligente, quando se diz " a inspiração ( נְשָׁמָה respiração, como em Gênesis 2, 7) do Todo-Poderoso dá-lhe a compreensão ( Jó 32: 8Jó 32: 8 ). Mas a inspiração agora a ser considerado é o que pertencia a aqueles que escreveram as Escrituras, e que é particularmente mencionado em 2 Timóteo 3:162 Timóteo 3:16 , e em 2 Pedro 1:212 Pedro 1:21 Toda a Escritura é dada por. inspiração de Deus; ' ' homens santos de Deus falaram movidos pelo Espírito Santo. ' Estas passagens se relacionam especialmente para o Antigo Testamento, mas há pelo menos igual razão para predicado inspiração divina do Novo Testamento. "

 

  1. A expressão grega " θεόπνευστος ( 2 Timóteo 3:162 Timóteo 3:16 ) significa uma ação divina sobre as percepções (" Nemo vir magnus sine aliquo afflatu divino unquam fuit ", Cicero, pro Archia, c. 8). O sopro de Deus é usado como uma expressão material para o seu poder (como em δύναμις ὑψἰστου para πνεῦμα ἃγιον , Lucas 1:35Lucas 1:35 ; Lucas 24:49Lucas 24:49 ). neste sentido, também, os clássicos falar de uma θεόπνευστος σοφίη (Phocylides, 121), θεόπνευστοι ὄνειροι (Plutarco , . De plac philos. 5, 2; Pedro 1:21 ). A forma neutra, no sentido de "inspirado por Deus", é usado por Nonnus (Paraphr. Ev. Jo. 1, 27), e aplicado a Escritura por Orígenes (Hom. 21, em Jerem. vol 2, de la Rue:. "Sacra volumina spiritus plenitudinemr spirant"). 2 Pedro 1:21

 

  1. A definição psicológica da relação desta divina, a percepção consequentemente recebida passivamente à espontaneidade humana, é dada por Platão em sua doutrina da divina μανία , o ἔνθεος εϊ v ναι . Esta posição é a raiz da tendência divinamente implantado ao conhecimento que ainda não tenha atingido uma consciência clara (Zeller, Griech Phil 2, 166, 275;.. Brandis, 2, 428). Deste, na medida em que inclui a idéia na forma de beleza, artistas e autores 534). Isto dá origem à μαντική , o que requer a προφήτης por sua intérprete (Timceus, 72). Esta doutrina de Platão a respeito da inspiração teve grande influência sobre a doutrina judaica e cristã. Philo admite-lo, e dela deriva a incompatibilidade do divino e do conhecimento humano (reruza dh Quis 1, 511,

 

No entanto, ele não limita a influência divina para a inspiração dos livros sagrados, e não hesita em atribuir a si mesmo um ocasional θεοληπτεῖσθαι (De Cherubim, 1, 143). Alguns dos Padres gregos também descrevem o estado de inspiração como puramente passivo (Justin, Cohort. C. Athenag. Legat. C 9.: Nós, portanto, encontrar em um momento inicial a noção de um literal inspiração (Iren 3:16, 2: ". Potuerat dicere Matthaeus:. Jesu generatio erat sic Sed previdens Spiritus S. depravatores et praemuniens eorum fraudulentiam contra, por ait Matthaum: Christi generatio sic erat. "Clemens, Cohort. 1, 71, ed. Pott .: Εξ ων γραμμάτων [ele quer dizer o ἱερὰ γρὰμματα , 2 Timothy Origen, . Hom 21 em Jeremias: "Secundum istiusmodi expositiones decet sacras litteras credere nec unum quidem apicem habere Sapientia vácuo Dei") No entanto, todas essas expressões representam vez a impressão religiosa geral do que o dogma assente, daí encontramos os pais ante-Nicene. reconhecendo alguns dos livros pagãos como inspirados, por exemplo, os livros Sibyllian (Theoph. ad Autol. 2, 9), enquanto ao mesmo tempo, eles expressaram opiniões excluindo a ideia de todas as partes da Escritura como sendo igualmente inspirada. 2 Timóteo 3:14

 

  1. A definição que o Dr. Knapp dá de inspiração é aquele que mais prontamente adotar. Ele diz: "Pode ser melhor" definido, de acordo com as representações das próprias Escrituras, como uma agência divina extraordinária mediante professores dando instrução, seja oral ou escrita, pela qual eles foram ensinados o que e como eles devem escrever ou falar. " A natureza, a permanência e integridade desta inspiração são assuntos sobre os quais os crentes ortodoxos ter diferido. (Ver abaixo.)

 

  1. O fato da inspiração da Bíblia. - (Neste ponto nós condensar os argumentos do Dr. Leonard Woods em do Kitto Cyclopeadia, sv, restringindo-nos principalmente para o- questão da inspiração do escrita palavra.) Para provar que as Escrituras são divinamente inspirada, poderíamos com propriedade referem-se a excelência das doutrinas, preceitos e promessas, e outras instruções que contêm; à simplicidade e majestade do seu estilo; com o acordo das diferentes partes, e o escopo do seu todo; especialmente para a descoberta completa que fazem do estado caído e arruinado do homem, e o caminho da salvação por meio de um Redentor; juntamente com o seu poder para iluminar e santificar o coração, e do testemunho de acompanhamento do Espírito nos crentes. Mas a evidência mais direta e conclusiva de que as Escrituras foram divinamente inspirada é encontrado em o testemunho dos próprios escritores. À medida que os escritores fizeram, através de trabalho milagres e de outras formas, suficientemente autenticar sua comissão divina, e estabelecer a sua autoridade e infalibilidade como professores da verdade divina, o seu testemunho, no que diz respeito à sua própria inspiração, tem direito a nossa total confiança. Para quem pode duvidar que eles eram tão competente para julgar e como muito dispostos a falar a verdade sobre este assunto, como em qualquer outro? Se, então, nós admitimos sua comissão e autoridade divina, por que não deveríamos contar com o testemunho claro que eles dão, relativo à assistência divina concedida los em seu trabalho? Para rejeitar seu testemunho neste caso seria para acusar a sua veracidade, e, portanto, para tirar a base da religião cristã.

 

  1. Os profetas geralmente professou a falar a palavra de Deus. O que eles ensinaram foi introduzido e confirmado por um "Assim diz o Senhor"; ou "O Senhor falou para mim, dizendo." De uma forma ou de outra, eles deram uma prova clara de que eles foram divinamente comissionado, e falou em nome de Deus, ou, como está expresso no Novo Testamento, que Deus falou por eles.

 

  1. O Senhor Jesus Cristo possuía o espírito de sabedoria sem medida, e veio para dar testemunho da verdade. Suas obras provou que ele era o que ele declarou-se-o Messias, o grande profeta, o Mestre infalível. A fé que repousa sobre ele repousa sobre uma rocha. Assim, então, como nós aprendemos como ele considerava as Escrituras, chegamos ao fim de nossas investigações. Sua palavra é a verdade. Agora cada um que cuidadosamente atende aos quatro Evangelhos vai achar que Cristo em todos os lugares falou dessa coleção de escritos chamados a Escritura como a palavra de Deus; que considerava toda a esta luz; que ele tratava a Escritura, e cada parte dela, como infalivelmente verdadeira, e, como vestidos com autoridade divina - distinguindo-a de todos os mera produção humana. Nada escrito pelo homem pode ter direito ao respeito que Cristo mostrou para as Escrituras. Isso, para todos os cristãos, é evidência direta e incontestável da origem divina das Escrituras, e é por si só perfeitamente conclusivos.

 

  1. Mas há evidências claras de concorrente, e as provas ainda mais específico, nos escritos dos apóstolos. Particularmente em uma passagem ( 2 Timóteo 3:162 Timóteo 3:16 ), Paulo estabelece que estabelece como a característica de "toda a Escritura" que "é dada por inspiração de Deus" ( θεόπνευστος , "divinamente inspirada"); e a partir desta resulta o seu profitableness. Alguns autores pensam que a passagem deve ser interpretado assim: Toda a Escritura divinamente inspirada, ou, toda a Escritura, divinamente inspirada, é rentável. De acordo com a tradução comum, inspiração é predicado de toda a Escritura. De acordo com o outro, é pressuposto que o atributo do objecto. Mas esta rendição é passível de objeções insuperáveis.

 

Para θεόπνευστος e ώφέλιμος estão ligados pela conjunção καί , e devem estar predicados, se qualquer um deles é; e, a menos que um deles é um predicado não há nenhuma frase completa. Henderson observa que o modo de construção referido ' está em desacordo com uma regra comum de sintaxe grega, que exige que, quando dois adjetivos estão intimamente unidas, como θέοπνευστος e ὠφέλιμος aqui estão, se há uma elipse do verbo substantivo ἐστί , este verbo deve ser fornecido, após o antigo dos dois, e considerado como repetida após o último. Agora existe precisamente como uma elipse no caso diante de nós; e como não há nada no contexto que levaria a qualquer exceção à regra, somos obrigados a ceder a sua força. "Ele acrescenta que" a evidência a favor da tradução comum, derivado dos pais, e quase todo o versões, é mais decidida "não pode por um momento se admitir que o apóstolo significou para significar que a inspiração divina pertence a uma parte da Escritura, mas não para o todo;., ou que ele queria dizer, como Semler supõe, para fornecer um critério de que permitem avaliar se qualquer trabalho é inspirado ou não, ou seja, a sua utilidade ". esse autor prossegue sem medo de aplicar este critério para os livros do Antigo Testamento, e cortará oito deles como se não possuíssem as marcas necessárias de legitimidade. Muitos dos teólogos alemães adotar a hipótese de Semler. "Mas é muito evidente que um tal sentimento não é por qualquer meio sugeridas pela própria passagem, e que está totalmente impedida por outras partes do Novo Testamento. Porque nem Cristo, nem qualquer dos seus apóstolos nunca sugere uma distinção entre algumas partes da Escritura que são inspirados e outras partes que não são inspirados. a doutrina que é claramente afirmado no texto sob consideração, e que é totalmente sustentado pela linguagem corrente do Novo Testamento, é , que todos os escritos denominados as Escrituras são divinamente inspirada.

 

Que livros em particular tem o direito de ser incluído sob esta designação sagrada na opinião geral da Igreja é uma questão considerada sob o artigo cânon das Escrituras.

 

. III A maneira de Inspiração - O processo interior da ação do Espírito sobre as mentes dos alto-falantes ou escritores foi, naturalmente, inescrutável ( João 3: 8João 3: 8 ), mesmo para si. Que eles estavam conscientes, no entanto, de tal influência é evidente a partir da autoridade com a qual elas dão suas palavras; ainda, quando se sentou para escrever, o divino e os elementos humanos em sua ação mental eram perfeitamente harmoniosa e inseparável ( Lucas 1: 3Lucas 1: 3 ).

 

Quanto ao método para fora, "Deus operou na mente dos homens inspirados em uma variedade de formas, às vezes por palavras audíveis, às vezes por sugestões internas diretas, às vezes por sinais exteriores visíveis, às vezes pelo Urim e Tumim, e às vezes por sonhos e . visões Esta variedade no modo de influência divina prejudicou nada da sua certeza Deus deu a conhecer a sua vontade também de diferentes maneiras;. e, seja qual for o modo de sua operação, ele deixou manifesto aos seus servos que as reveladas eram dele. " Tudo isso, no entanto, refere-se, em vez da revelação de inspiração simples, uma distinção que é habilmente feita pelo Prof. Lee em seu trabalho sobre o assunto.

 

"Mas a inspiração estava preocupado não só em dar a conhecer a vontade de Deus aos profetas e apóstolos, mas também em dar-lhes sentido, por escrito, os livros sagrados. Neste, também, houve uma diversidade no modo de influência divina. Às vezes, o Espírito de Deus se movia e guiou seus servos para escrever coisas que não podiam saber por meios naturais, tais como novas doutrinas ou preceitos ou previsões de eventos futuros. Às vezes, ele se mudou e os guiou para escrever a história dos acontecimentos que foram total ou parcialmente conhecida a eles por tradição, ou pelo testemunho de seus contemporâneos, ou pela sua própria observação ou experiência. em todos esses casos, o Espírito divino efetivamente preservado-los de todos os erros, e influenciou-os a escrever apenas tanto e de tal maneira como Deus viu ser melhor. Às vezes, ele se mudou e os guiou para escrever um relato das histórias maiores, contendo o que sua infinita sabedoria viu ser adaptados para o fim em vista, isto é, o benefício de seu povo em todas as idades. Às vezes ele influenciou -los para fazer um registro de máximas importantes de uso comum, ou escrever novas, derivadas tanto da sua própria razão ou experiência, ou de ensinamento divino especial. Às vezes, ele influenciou-os a escrever parábolas ou alegorias, particularmente adequados para fazer uma impressão salutar das coisas divinas sobre as mentes dos homens; e às vezes para gravar visões sobrenaturais. Nestes e em todos os outros tipos de escrita dos autores humanos guiados sagrados manifestamente necessários orientação divina especial, pois. ninguém podia de si mesmo alcançar a infalibilidade, e nenhuma sabedoria, exceto a de Deus, foi suficiente para determinar o que as coisas deveriam ser escritos para uso permanente na Igreja, e que tipo de escrita seria melhor equipada para promover os grandes fins de revelação."

 

"Alguns autores falam de diferentes modos e tipos diferentes, e até mesmo diferentes graus de inspiração Se o seu significado é que Deus influenciado as mentes dos homens inspirados em formas diferentes;. Que ele adotou uma variedade de modos em revelar coisas divinas às suas mentes, para que ele guiou para dar instrução em prosa e na poesia, e em todas as diferentes formas de composição, para que ele se mudou e os guiou a escrever a história, as doutrinas profecia, comandos, promessas, repreensões, e exortações, e que ele adaptou seu modo de operação para cada um destes casos-contra esta objeção pode ser feita. as Escrituras exibem esses diferentes tipos de escrita e modos de instrução divina. Ainda cada parte do que foi escrito foi divinamente inspirado, e igualmente por isso. é tudo a palavra de Deus, e vestidos com autoridade divina, tanto como se tudo tivesse sido dado a conhecer e escrito de uma maneira. " 'Embora isto seja verdade da palavra como escritos ou como originalmente proferidas, não é verdade que todo o assunto é igualmente revelado; para alguns dos fatos, doutrinas e pontos de vista eram conhecidos dos escritores em sua inteligência comum, enquanto outros foram especialmente comunicada pelo afflatus divina imediata. Em outras palavras, todos é inspirado, mas não todos revelados.

 

. IV . Teorias de Inspiração - Estes podem ser concisamente assim:

 

(1.) O ortodoxo, ou visão geralmente aceita, que se contenta com considerando as Escrituras para ser inspirados em tal sentido como para torná-lo infalivelmente certa quando apreendido em seu sentido legítimo e de absoluta autoridade em todos os assuntos de fé e consciência. Esta teoria tem sido ultimamente, com grande propriedade, designada como a dinâmica, pretendendo que o poder ou influência vem de Deus, enquanto a ação é humano.

 

(2.) A mística, ou. visão extremamente rigoroso, pensado para ter sido realizada por Philo, Josephus, e alguns dos pais cristãos primitivos (mas condenado pelos primeiros conselhos como saboreando de pagã μαντεία ), que considerava os escritores sagrados como inteiramente possuído pelo espírito, e proferindo seu dicta em uma espécie de frenesi. Este, por oposição ao primeiro, tem justamente sido caracterizado como o ponto de vista mecânico, denotando a passividade do sujeito inspirado.

 

(3.) O latitudinarian vista, entretidos por ' racionalistas de todas as ordens, que considere inspiração, mas um estilo de alta de fervor poético e religioso, e não inconsistente com erros de facto e sentimento.

 

Esta última visão não deve ser confundido, no entanto, com a daqueles que limitar inspiração para tais assuntos na Sagrada Escritura como dizem respeito diretamente ao material próprio da Revelação, isto é, estritamente verdade religiosa, seja de doutrina ou prática. Entre teólogos ingleses, aqueles que têm afirmado esta forma de teoria são Howe (autoridade divina da Escritura, lect. 8 e 9), Bp. Williams (Boyle Lect serm 4:... P 133), Burnet (artigo 6:. P 157, Oxf ed 1814..), Lowth (Vind de Div Auth e Inspir do Antigo e Novo Testamento, p..... 45 sq.), Hey (Theol. Lect. 1, 90), Bp. Watson (Tracts, 4: 446), Bp. Lei (Theory of Religion), Tomline (Teologia. 1, 21), o Dr. J. Barrow (Dis. Sertations, 1819. 4 Diss.), Dean Conybeare (Theological Lectures, p. 186), Bp. Hinds (A inspiração das Escrituras, p. 151), Bp. D. Wilson (lecture 13 em Evidências, 1, 509), Parry (investigação sobre a natureza da inspiração dos Apóstolos, p. 26, 27), e Bp. Blomfield (Lectures on Atos, 5, 88-90). Outros têm mesmo ido tão longe a ponto de confessar que o valor do elemento religioso na revelação não seria menor se os erros foram reconhecidos na matéria científica e variado que o acompanha. Entre aqueles que têm mantido esta forma da teoria são Baxter (Método Theol Chr pt 3, cap. 12:.... 9, 4), Tillotson (Works, fol. 3: 449, sermão 168), Doddridge (On Inspir .), Warburton (Doctr. de Grate, bk. 1, cap. 7), Bp. Horsley (serm 39 na Ecclesesiastes. 12: 7, Works, 3: 175), Bp. Randolph (Rem em Michaelis 'Introd p 15, 16...), Paley (Evid do cristianismo, pt 3, CH2...), Whately (Ess em Dif em St. Paul, ess 1 e 9...; sermões em Festivals, p 90;. Pecul do cristianismo, p 233), Hampden (Bampton Lect p 301), Thirlwall (Lucas de Schleiermacher, Introd p 15), Bp....... Hebef (. Barnpt Lect. 8: 577), Thomas Scott (Ensaio sobre Inspir p 3..), Dr. PVE Smith (roteiro e Geol p 276, 237, 3ª ed....) E Dean Alford (Proleg. para Gosp. ed. L859, vol. 1, cap. 1, § 22). (Para outros escritores que têm mantido os mesmos pontos de vista, ver Dados do Dr. Davidson, declarações, etc., em defesa do seu vol. 2 de Introd de Horne. 1857.) A inadmissibilidade, no entanto, de qualquer uma destas limitações à inspiração é evidente a partir de duas considerações: primeira, que os próprios escritores sagrados não fazem qualquer tipo de discriminação em suas profissões de sanção divina; e seria, de fato, ser subversivo da distinção acima entre inspiração e revelação

 

2 ndly, a linha de demarcação entre o que é importante para a religião eo que não é é muito fina, para ser rastreada por qualquer expositor, para que, assim, desestabilizar toda a nossa confiança na veracidade das Escrituras. Estamos, portanto, compelidos pela necessidade do caso, não menos que as declarações positivas da própria Bíblia, para manter que "toda a Escritura é divinamente inspirada", e não algumas de suas partes ou declarações sozinho. Ao mesmo tempo, podemos, sem inconsistência-nay, devemos, à luz da crítica justa-admitir que a fraseologia em que estas declarações é formulada é, muitas vezes, nem elegante nem exato. No entanto, isso não acontece. prejudicar a sua verdade essencial, como o testemunho de uma testemunha analfabeta pode ser escrupulosamente verdadeiro, embora confuso em ordem e não científica em forma. Desde que os fatos sejam substancialmente dado, a falta de precisão lógica, retórica, e gramatical é relativamente sem importância, e não faz terrestres de impeachment. Os hábitos mentais dos escritores sagrados devem ser tidas em conta, a fim de chegar ao seu significado, e esta última, de fato, no caso de qualquer escritor, é o que o leitor está em busca de, e da qual a linguagem, seja clara ou obscuro, é legitimamente mas o veículo. Os erros imputados das Escrituras, de certos homens científicos em conformidade sido explicada, mais cedo ou mais tarde, como sendo meramente aparente, e devido ao estilo popular dos escritores sagrados. Mesmo os casos mais difíceis destes, tais como as omissões e enumerações gerais nas genealogias, (Veja genealogia de Cristo ), são suscetíveis de a mesma explicação, uma vez que estes foram evidentemente copiados fielmente a partir de registos públicos, os quais, no entanto incorreta podem parecer para nós, eram de moeda inquestionável no momento. A minúcia em parar para corrigir estes (para, seja observado, ninguém foi induzido em erro pela transcrição, uma vez que os escritores, e, na verdade, o todo público, eram perfeitamente consciente da discrepância) teria sido uma muito maior pedaço de pedantismo do que para uma divina moderna para fazer uma pausa no meio de uma citação da Escritura para corrigir um erro de tradução sem importância na Versão Autorizada. Só por isso, quando nosso Senhor e o apóstolo Paulo cita livremente passagens de acordo com a prestação inexata da Septuaginta, e às vezes até torná-los ao ponto de um argumento; não é menosprezo, quer à sua inteligência ou inspiração, mas sim uma prova de sua apreciação das aptidões literárias daqueles a quem se dirigiam. (Veja ALOJAMENTO ). Por outro lado, dentro dos limites da visão ortodoxa de inspiração, como acima indicado, existem dois epítetos atualmente empregados que parecem beirar muito de perto sobre a extravagante, e são igualmente desnecessário e incorreto.

 

  1. "Inspiração Plenária" é uma frase em nenhum lugar garantido pelas Escrituras como predicado de si mesmos. Somente Cristo foi plenamente inspirada ( João 3:34João 3:34 ) de todos os seres humanos. A autoridade prazo plenária seria muito mais bíblica e definitiva.

 

  1. " inspiração verbal" é uma expressão ainda mais censurável como aplicado às Escrituras. Para,

 

(I.) Palavras, como tal, são incapazes de inspiração. Eles são ou oral, que consiste em certos sons, ou por escrito, que consiste em certas marcas no papel; ambos os sinais materiais de que um elemento espiritual não pode ser adequadamente baseia. O pensamento, ideias, sentimentos só pode ser inspirada; e isso é realmente o que os teóricos dizer. É melhor dizer tão claramente.

 

(II). O pressuposto por esses teóricos que pensamos só em palavras, é abundantemente contrariada pela consciência de cada homem. Como as crianças, temos concepções muito antes de nós têm palavras. O cão que encontra-se sonhando com a perseguição tem comboios rápidos de pensamento, mas não uma sílaba de uma palavra. Estamos constantemente exercitar a percepção de tons de cores e formas da matéria, para o qual não há nenhum nome. Ele deve ter um poder fraco da consciência, ou um grande poder sobre as palavras, que muitas vezes não é possuído de um pensamento para o qual ele faz uma pausa para a palavra. Nós mantemos a rápida concepção, à espera de seu correlativo prazo para vir. " Quem não costuma pensar em rosto de um amigo sem ser capaz de lembrar o nome dele? Palavras, é verdade, permitir-nos de expressar nossas idéias e, geralmente, que a expressão torna a própria concepção mais distinta. Mas, certamente, Deus é calar a nenhum tal necessidade na comunicação de sua mente para os homens. Seu Espírito, mesmo nos dá pensamentos além da bússola da linguagem ( ἀλάλητα , Romanos 8:26Romanos 8:26 ; ἄῤῥητα , 2 Coríntios 12: 42 Coríntios 12: 4 ).

 

(III). A sugestão do ipsissima verba para as mentes dos escritores sagrados é incompatível com a sua ação livre, como evidenciado nas variedades e até mesmo manchas de estilo. Estes são claramente a humana elemento, participando da imperfeição e diversidade inseparável produções do homem. Dizer que Deus faz uso deles só está fugindo da questão. Ele não fornecê-los diretamente, nem autorizar esses créditos; ele só sofre-los. A inconsistência da afirmação de Gaussen e outros verbalists sobre este assunto é palpável, e mostra a insustentabilidade de sua posição em face de acusações infiéis e crítica racionalista. Igualmente inconclusivos e auto-contraditório é o seu método de eliminação da objeção de que se as reais palavras gregas e hebraicas são inspirados, não há traduções pode, em qualquer sentido correlato ser chamado de "a palavra de Deus."

 

(IV.) Nada se ganha ao afirmar a teoria verbal que não está igualmente assegurado no ponto de sanção divina e infalível verdade simplesmente de reclamar o Sagradas Escrituras que as suas declarações e sentimentos de forma substancial e em sua importância essencial representar a mente ea vontade de Deus : que eles contêm pensamentos divinos vestidos de linguagem meramente humana. Tal é o fato óbvio, reconhecido por todos intérprete devoto e criteriosa. Tal ponto de vista, de fato, dá muito mais dignidade ao volume sagrado do que a teoria mecânica de uma mera amanuense. É o poder de Deus em vasos de barro ( 2 Coríntios 4: 72 Coríntios 4: 7 ).

 

(V.) A teoria da inspiração verbal é relativamente recente na história da teologia.

 

[1] Não existe tal teoria declarado nas Escrituras. autoridade bíblica impediria toda a citação de nomes, grandes ou pequenos, entre os teólogos. As passagens invocados a seu favor não têm pertinência.

 

[2] Os pais tinham nenhuma teoria definitiva de inspiração em tudo. Às vezes, em habitam sobre a perfeição da Escritura, eles usaram figuras marcantes e expressões fortes, a partir do qual pode-se aferir a crença na inspiração verbal. Mas, por outro lado, o seu modo ordinário ou comentando sobre a Escritura, de citar-lo, e de defendê-lo, é inconsistente com tal crença.

 

(a.) João, o presbítero, que se acredita ter sido um dos discípulos de nosso Senhor, falando do Evangelho de Marcos, diz que Mark ", escreveu-o com grande precisão, como intérprete de Peter ... Ele cometeu nenhum erro quando ele escreveu coisas como ele lembrou-lhes ele era muito cuidadoso para omitir nada do que tinha ouvido, e para não dizer nada falso em que ele relacionados "(Eusébio,. Hist Eccles 3:.. 39).

 

(b.) Justino Mártir, depois de usar a figura do "lira", que é muito invocada pelos defensores da inspiração verbal, continua a limitar o seu comentário para "aquelas coisas nas Escrituras que são necessárias para que saibamos" (Just. Ad Graec. § 8). (c.) Irenceus, em um fragmento sobre "o estilo de St. Paul", faz alusão ao fato de que suas sentenças eram às vezes "unsyntactic", e é responsável por pelo "rapidez de suas declarações (Velocitas sermonum), e a impulsividade de espírito que o distinguia. "

 

(. d)Clemente de Alexandria afirma que "Pedro ter pregado o Evangelho em Roma, muitos dos presentes exortou Mark para escrever as coisas que haviam sido ditas, já que há muito tempo ele acompanhou Pedro, e lembrou que ele tinha dito, e quando ele tinha composto o Evangelho, ele entregou a eles que tinha perguntado isso dele "(Eusébio, Hist. Eccles. 06:14 Clemente de Alexandria afirma que "Pedro ter pregado o Evangelho em Roma, muitos dos presentes exortou Mark para escrever as coisas que haviam sido ditas, já que há muito tempo ele acompanhou Pedro, e lembrou que ele tinha dito, e quando ele tinha composto o Evangelho , entregou-lhes que tinha perguntado isso dele "(Eusébio, Hist. Eccles. 6:14).

 

(e.) Orígenes, falando "da Epístola aos Hebreus, observa que os" pensamentos são de Paulo, mas a língua pertence a alguém que se comprometeu a escrever o que o apóstolo disse, e, por assim dizer, reduzida para comentários as coisas falada por seu mestre. Mas as idéias são admiráveis, e não inferior aos escritos reconhecidos do apóstolo ". Mais uma vez, falando de uma aparente discrepância entre John e Matthew, Orígenes diz: "Eu acredito que seja impossível para aqueles que sobre este assunto atenção direta apenas para a história externa, para provar que esta aparente contradição pode ser conciliada" (Orígenes, em Johann. 1, 183).

 

(f) Crisóstomo comenta sobre Atos 26: 6Atos 26: 6 : ". Aqui Paulo fala humana, e não em toda a desfrutar de graça, mas é permitido misturar até mesmo seus próprios materiais"

 

(. g) Augustine declara que os evangelistas escreveu mais ou menos plenamente ", de acordo como cada lembrado, e como cada um tinha em seu coração (ut quisque meminerat, et ut cuique cordi erat);" e afirma que a "verdade não está vinculada às palavras", e que a "linguagem dos evangelistas pode ser sempre tão diferente, desde que os seus pensamentos eram os mesmos" (agosto. De consensu Evangelista. 2, 12,28).

 

[3] O período entre os pais e os escolásticos é de tão pouco valor na história da teologia que é dificilmente vale a pena referir a ele. Um ou dois escritores de alguma nota neste período adotada inspiração verbal, mas não havia nenhuma teoria recebi do tipo. Agobard, arcebispo de Lyon, em resposta a Fredegis (que é citado pelo Prof. Harris), pergunta: "Que absurdo segue, se a noção de ser aprovadas para que o Espírito Santo não só inspirou os profetas e apóstolos com o sentido de seus ensinamentos, mas também formado em seus lábios as próprias, corporais e exteriormente (corpórea verba extrinsecus em Ora illorum) palavras "(Agobard, Contra Fredegisum, c. 12). [4] por escolásticos e, posteriormente, pelos médicos da Igreja em geral, uma distinção foi feita em inspiração entre, revelatio e assistentia.

 

[5.] Dos grandes reformadores, Lutero, Melanchton, Calvino e Zwinglio, não um mantido qualquer doutrina como a da inspiração verbal, enquanto todos eles falam na linguagem mais forte possível da divindade, credibilidade e infalibilidade do sagrado escritos.

 

[6] Foi no século 17 que a noção de inspiração verbal, que antes só tinha flutuava de uma mente individual para outro, tomou a forma de uma teoria definitiva, e recebeu uma sanção eclesiástica adequada. O assunto foi tratado pelo comprimento por Calovius (o oponente amargo de Grotius e Calisto). que trabalhou com a teoria verbal muito plenamente; e escritores posteriores, tanto Luterana e Reformada, levou-a ao ponto de estender inspiração para as vogais pontos ea pontuação. A Fórmula Consenso Helvetici declara que o Antigo Testamento "é θεόπνευστος , igualmente no que se refere as consoantes, as vogais, e os vogais pontos, ou pelo menos a sua força."

 

  1. Literatura. - Tratados iniciais sobre o assunto, de caráter geral, são os de Quenstedt, Carpzov, Weger, Lange, Le Clerc, Lowth, Lamothe, Clarke, Doddridge, etc., que, em vez pertence à província de "Introdução "(qv); mais explict são as obras de Bayly, Ensaio sobre Inspiração (Londres, 1707, 1708); Jaquelot, La Ve ite et l'Inspiração des livres du V. et NT (Rotterd 1.715.); Calamy, Inspiração da Velha e N.Test. (Londres, 1710); Martense, Christiana doctrinae de divina Sacrarum Litterarum inspir. vindicic (Jena, 1724); Klemm, Theopneust. Sacrorum Litt. asserta (Tub 1.743.); Stosch, De duplici Apostoll. theopneustia, vire speciali sua vez generali (Guelpherb 1.754.); Bullstedt, De vera SS inspirationis indole (Coburg, 1757 sq.); Teller, De inspir. divina Vatum Sacrorum (Helmst 1.762.); Também Diss. de Inspir. Script. Sac.judiciofornmando (Helmst 1764.); Tollner, Die Göttliche Eingebung der heiligen SchriJt untersucht (Mittau e Leipzig, 1772); Jablonsky, De Eo7r ', evarai Scriptorum Sacrorum NT [em sua Opusc. Ed. te de água, 4: 425-54); Wakefield, Ensaio sobre Inspiration (Lond 1.781.); Meyer, De inspiratione SS (Tr ad Rh 1784..); Hegelmaier, De Theopneustia ejusqute statu em viris sanctis Libb. Sacc. auctoribus (Tub 1.784.); Miller, Cum theopneustia Apostolorum nec osmniscientiams quasi aliquam, fuisse nec anamartesiam (Gott 1.789.); Henckel, inspirationem EVV. et Act. sine Ullo religionis damno Negari posse dubitatum (Freft ad V. 1793..): as questões concretas sobre a extensão eo caráter de inspiração, no entanto, são especialmente discutidos nas obras de Moore, Inspiração Plenária do NT (Lond 1793 ); Jesse, do aprendizado e inspiração dos Apóstolos (Londres, 1798); Findlay, a inspiração divina das escrituras judaicas, etc. (Lond 1.803.); Dick, Ensaio sobre a inspiração das Escrituras Sagradas (Glasgow, 1800;. 4ª edição 1840); Sontag, Doctr. inspirationis relação ejusque, hist. et ususpopularis (Heidelberg, 1810); Dullo, Ueber d. Gottl. Eingebung des NT (Jena, 1816); H.Planck, Ueber Offenbarung u. Inspiração [oposição à vista de Schleiermacher] (Gott 1.817.); Rennel, Provas de Inspiração [NT comparação com Apocrypha] (Load 1.822.); Parry, investigação sobre a natureza e extensão da inspiração dos Escritores do NT (2ª edição de Londres de 1822.); Macleod, Vista de Inspiração [declaração geral de fato] (Glasg 1.827.); Carson, Teorias de Inspiração [revisão de Wilson, Pye Smith e Dick] (Edib 1.830.); Haldane, os livros do AT e NT provou ser canônico, e sua inspiração verbal mantida e estabeleceu, etc. [a breve tratado partidária] (5ª ed Edinb 1853..); Hinds, Bp, Provas, Natureza e Extensão da Inspiração (Oxford, 1831).; Fraser, Ensaio sobre a Plenária e inspiração verbal das Escrituras Sagradas [a visão popular] (. Na Biblioteca de Nova Família, vol 2, Edinb 1.834.); Henderson, inspiração divina [um tratado calma e criteriosa, buscando conciliar as teorias extremas e, portanto, um pouco inconsistente com a própria] (Londres, 1836; 4ª edição 1852). '; Carson, inspiração divina [restrições sobre Henderson] (Londres, 1837); Gaussen, Theopneustie [a retórica em vez de fundamento lógico para a visão extrema] (2ª ed 1842;. Traduzida em Inglês, Edimburgo, 1850; Boston, 1850); Jahn, Ad quosdam pertinentes promiss. Sp. S. seg. N. Teste. (Basileia, 1841); Leblois, Sur l'Inspiração des premiers Chrétiens (Strasburg, 1850); Carson, Inspiração [violento] (Dublin, 1854); Lee, inspiração das Escrituras Sagradas [um excelente trabalho, fazendo com que muitos bons distinções, e dando a história, mas com defeito no arranjo e exatidão] (Dublin, 1857, 2ª edição.); Wordsworth, Inspiração da Canon [desculpas] (Londres, 1848,1851; Philadelphia, 1854); Senhor, Plenária inspiração das Escrituras [um extremista] (Nova York, 1858); Macnaught, Inspir. No Outono. e autor de Scrip espécie de estado sonambúlico, a pessoa inspirada recebe e manifesta a inspiração divina: esta manifestação consiste às vezes apenas em movimentos convulsivos, ou em frases quebradas, sendo que este último geralmente são convites ao arrependimento e à alteração ou denúncia de algum adversário. As congregações são governadas por um chefe e dois anciãos, e eles realizar conferências ocasionais juntos. Eles não têm nenhum ministério regular, mas todos os membros de ambos os sexos, são obrigados a contribuir para a edificação comum, rezando em voz alta nas assembleias; Além disso, se um professor inspirado está presente, e se sente inspirado, ele prega; se não, ele lê algumas passagens das Escrituras, ou as declarações gravadas de alguns membros inspirado. Eles também têm uma coleção particular de hinos. Seus principais festivais são amor-festas, em que a pregação é geralmente parte da ordem de exercícios do dia. Estas festas são anunciados muito tempo antes, mas nenhuma delas participam, exceto aqueles que estão pessoalmente convidado a fazê-lo pelos líderes inspirados. A semana antes de um amor de festa é sempre uma época de jejum especial, penitência e oração, e no dia anterior ainda é mais estritamente observados. A oração, canto, profetizando e lava-pés sempre preceder o amor de festa, em que as pessoas convidadas participam de bolo e vinho. Veja M. Gobel, Gesch. c. wahren Inspirationsyem veinden von 1688- 1854 (na hist Zeitschriftfur Theologie de 1854.); Schrockh, Kirchengeschichte sd Reforma, 8: 401 sq .; Schlegel, Kirchengeschichte d. 18tel Jahrhunderts, 2, div. 2, 1047 sq .; Baumgarten, Geschichte d. Relig. Partheien, p. 1048 sq.
  2. fonte www.avivamentonosul21.comunidades.net