Translate this Page

Rating: 3.0/5 (931 votos)



ONLINE
3




Partilhe este Site...

 

 

<

Flag Counter

mmmmmmmmmmm


// ]]>


Teologia Sistematica redenção
Teologia Sistematica redenção

 

                           Redentor; Redenção

 

 

ré - dēm'ẽr , ré - demp'shun ( פּרק , Parak "Rasgar solto", "resgatar", פּרה , pādhāh , גּאל , Gaal ; Ἀγοράζω , agorazo , Referindo-se a comprar, λυτροῦμαι , lutroúmai , A partir de λύτρον , Lutron "Resgate"):

 

  1. Moralizar gradual da ideia da Redenção

 

  1. Redenção como Life in Individual

 

  1. Redenção social

 

  1. Redemption como Processo

 

  1. implicações morais em Idea bíblica da Redentor

 

  1. Exclusividade do Filho de Deus como Redentor

 

LITERATURA

 

A ideia de redenção no Antigo Testamento tem o seu início a partir do pensamento de bens ( Levítico 25:26 ; Rth 4: 4 ff). O dinheiro é pago de acordo com a lei a comprar de volta algo que deve ser entregue ou resgatado ( Números 3:51 ; Nehemiah 5: 8 ). Deste começar a palavra "redenção" em todo o Antigo Testamento é utilizado no sentido geral de libertação. Deus é o Redentor de Israel no sentido de que Ele é o Libertador de Israel ( Deuteronômio 09:26 ; 2 Samuel 07:23 ; 1 Crônicas 17:21 ; Isaías 52: 3 ). A ideia de libertação inclui a libertação de todas as formas de muito mal, do infortúnio nacional ( Isaías 52: 9 ; Isaías 63: 9 ; comparar Lucas 2:38 ), ou de peste ( Salmo 78:35 , Salmo 78:52 ), ou da calamidade de qualquer espécie ( Gênesis 48:16 ; Números 25: 4 , Números 25: 9 ). Claro, o pensamento geral da relação de Israel com Deus era que Deus tinha tanto um direito de receber de Israel ( Deuteronômio 15:15 ) e uma obrigação em relação a Israel ( 1 Crônicas 17:21 ; Sl 25:22 ). Israel pertencia a Ele, e foi por sua própria direita que Ele podia se mover na vida de Israel, a fim de resgatar Israel. Por outro lado, a obrigação estava sobre Ele para resgatar Israel.

 

No Novo Testamento, a ideia de redenção tem mais uma sugestão de resgate. Homens são realizadas sob a maldição da lei ( Gálatas 3:13 ), ou do próprio pecado ( Romanos 7:23 f). O Redentor adquire sua libertação, oferecendo-Se como pagamento por sua redenção ( Efésios 1: 7 ; 1 Pedro 1:18 ).

 

  1. Moralizar gradual da ideia da Redenção:

 

Ao longo de tanto o Antigo Testamento eo Novo Testamento não é para ser observado a moralização gradual do significado da redenção. O mesmo processo de moralização tem continuado ao longo de todos os séculos cristãos. Começando com a idéia de preço de resgate, concebido quase que em termos materiais, o pensamento religioso tem avançado a concepções inteiramente morais e espirituais. Através das Escrituras, também, a ideia de redenção torna-se mais specffic com o progresso da revelação cristã. No princípio, Deus é o Redentor de angústias de todos os tipos. Ele redime da calamidade e de dores. Esta ideia geral, é claro, persiste durante toda a revelação e entra em grande parte em nosso pensamento de hoje, mas a crescente discernimento moral dos escritores bíblicos vem para anexar cada vez mais importância para o pecado como o principal agitador do bem-estar do homem. Nós não iria minimizar a força da idéia bíblica de que Deus é o Libertador de todo infortúnio a que o homem cai herdeiro, mas a ênfase bíblica se move mais e mais a libertação do pecado. Paulo declara essa libertação como uma libertação da lei que traz o pecado em expressão, mas não devemos conceber a sua ideia de qualquer forma artificial. Ele teria homens entregues não só da lei, mas também as consequências do mal que fazem e do espírito do mal em si ( Romanos 8: 2 ).

 

  1. Redenção como Life in the Individual:

 

Na tentativa de discernir o significado de redenção do pecado, para que todo o progresso da bíblica e cristã pensou pontos, que pode muito bem ter em mente as palavras do Mestre que Ele veio para que os homens tenham vida ea tenham em abundância ( Jo 10: 10 ). A palavra "vida" parece ser a palavra final do Novo Testamento como uma declaração do propósito de Cristo. Deus enviou Seu Filho para trazer os homens para a vida. A palavra "vida", "no entanto, é por tempo indeterminado. Vida significa mais em um período da história do mundo do que em outro. Isso tem a vantagem, no entanto, sempre de estar totalmente inteligíveis no seu significado essencial. O nosso objectivo deve ser o de manter esse significado essencial em mente e, ao mesmo tempo, proporcionar para uma plenitude cada vez maior e ampliação da capacidade e do esforço humanos. O objetivo da redenção só pode ser para trazer os homens para a utilização mais completa e gozo dos seus poderes. Esta é realmente a concepção implícita, mesmo nas primeiras declarações de redenção. O homem redimido pelo pagamento em dinheiro sai da prisão para a luz do dia, ou ele sai da escravidão para a liberdade, ou ele é restaurado para sua casa e amigos. O homem sob a lei é resgatado do fardo e maldição da lei. Paulo fala de sua experiência sob a lei como a experiência de um acorrentado a um corpo morto ( Romanos 7:24 ). Claro, alívio de tais bondage significaria vida. Nas passagens mais espirituais do Novo Testamento, o mal no coração dos homens é como uma praga que paralisa suas atividades mais elevadas (Jo 8, 33-51).

 

Em toda a redenção, como concebida em termos cristãos, há um elemento duplo. Primeiro, há a libertação, a partir de uma maldição. Algo se liga um homem ou pesos-lo: a redenção alivia-lo dessa carga. Por outro lado, há o movimento positivo da alma, assim, aliviado em relação à vida maior e mais completa. Temos dito que a ênfase bíblica é sempre sobre a libertação do pecado como o essencial na redenção, mas esta libertação é tão essencial que a vida não pode progredir em qualquer de suas atividades normais até que ele é resgatado do mal. Assim, no bíblico pensou toda a espécie de bênçãos siga libertação. O homem que procura primeiro o Reino de Deus e Sua justiça encontra todas as outras coisas adicionadas a ele ( Mateus 6:33 ). Material, bênçãos intelectuais e sociais seguir como matéria de curso do resgate do espírito interior do mal. O objetivo da redenção, para gerar no coração dos homens a vontade de fazer o certo, uma vez cumprida, leva os homens a buscar com sucesso ao longo de todas as vias possíveis para a vida. Isto, naturalmente, não significa que a vida redimida se dá-se ao cultivo de si em direção excelências mais elevados. Isso significa que a vida redimida é entregue de toda forma de egoísmo. Na busca altruísta de vida para os outros a vida redimida encontra o seu próprio maior realização e felicidade ( Mateus 16:25 ).

 

  1. Redenção como social:

 

Assim como a ideia de redenção preocupou-se principalmente com o espírito interior; assim também se preocupa com o indivíduo como o objeto da redenção. Mas, como a redenção do espírito interior leva à liberdade em todos os domínios da vida, assim também a redenção do indivíduo leva a grandes transformações sociais. É impossível riscar das Escrituras a ideia de uma humanidade redimida. Mas a humanidade não está concebido em termos gerais ou de classe. O objeto da redenção não é a humanidade, ou a humanidade, ou as massas. O objecto de resgate é bastante homens definidos em relação uns aos outros como membros de uma família. Mas seria fazer violência para a concepção bíblica de conceber as relações do indivíduo em qualquer forma restrita ou restrito ( 1 Coríntios 12: 12-27 ).

 

Um alargamento importante da ideia de redenção em nosso próprio tempo veio como homens ter concebido do resgate dos indivíduos em suas relações sociais. Muitas vezes os homens têm pensado de redenção como um arrebatamento de indivíduos de os perigos de um mundo em si absolutamente maus. Até mesmo o ambiente material dos homens às vezes tem sido considerada como contendo algo intrinsecamente mal. O pensamento de redenção que parece mais de acordo com a interpretação bíblica parece ser aquele que traz o material e forças sociais ao alcance de vontades individuais. Paulo fala de toda a criação geme e dores de dor esperando a revelação dos filhos de Deus ( Romanos 8:22 ). Esta figura gráfico coloca diante de nós a concepção essencialmente cristã do resgate das forças no meio do qual os homens são colocados. Aqueles resgatados para a maior vida, pela própria força da sua vida, vai aproveitar todos os poderes deste mundo para torná-los os servos de propósitos divinos. O vidente viu uma grande multidão que ninguém podia contar, de toda nação e língua parentes e, gritando as alegrias da salvação ( Apocalipse 7: 9 ), mas a implicação de nada aparece que estes foram resgatadas em qualquer outra forma que por si mesmos render-se as forças da justiça.

 

  1. Redemption como processo:

 

Temos dito que o objectivo da redenção é trazer os homens para a vida maior e mais completa. Nós também disse que a "vida" é um termo geral. Para manter perto das concepções bíblicas que seria melhor dizer que o objetivo da redenção é fazer com que os homens semelhantes a Cristo ( Romanos 8: 9 ). Caso contrário, pode ser possível usar a "vida" a palavra de modo a sugerir que o exercício desenfreada das faculdades é o que entendemos por redenção. A ideia de redenção, como uma questão de fato, foi assim interpretada em vários momentos na história do pensamento cristão. A vida tem sido encarado exuberância quantitativa como pura - os prazeres inferiores do sentido a ser contado a respeito no mesmo plano com a mais elevada. Podemos ver a anarquia moral e espiritual que, assim, ser provocada. Nas palavras de Cristo aos seus discípulos Certa vez, ele usou a expressão: "Vós estais limpos pela palavra que vos tenho falado a vós" ( João 15: 3 ). Neste contexto particular, a ideia não parece ser a de uma lavagem externa. Cristo parece bastante no sentido de que seus discípulos são purificados como um vinhedo é purificada pela poda afastado alguns dos ramos que outros possam dar frutos. Em outras palavras, a redenção da vida deve ser interpretado de modo que o estresse é colocada sobre a mais qualitativa do que quantitativa. Cristo realmente encontrado lugar em suas instruções e em Sua própria vida para as atividades normais e saudáveis ​​da existência humana. Ele não era um asceta; Ele foi para festas e casamentos, mas Sua ênfase sempre foi sobre a vida concebida em termos mais elevados. Podemos dizer, então, que o objetivo da redenção é gerar na vida dos homens, como que em Cristo.

 

  1. implicações morais na idéia bíblica da Redentor:

 

Além disso, a redenção não deve ser concebida de tal forma a acabar com a necessidade de resposta sobre a parte da vontade individual. A sugestão literal de resgate tem a ver com o pagamento de um preço para a libertação de um homem, se o homem está disposto a ser entregue ou não. Naturalmente, a suposição na mente dos escritores bíblicos era que qualquer homem na prisão ou em escravidão ou na doença seria muito feliz por ter sido resgatados; mas em lidar com homens cujas vidas são definidas para o pecado nem sempre podemos fazer esta afirmação. O pavor do pecado é em grande parte no amor de pecado que pecado gera. Alguns pensadores têm interpretado a redenção para significar quase um apreensão de homens sem levar em conta a sua própria vontade. É muito fácil ver como essa concepção surge. Um homem que se odeia o pecado não pode parar para perceber que alguns outros homens amam o pecado. Redenção, para significar qualquer coisa, deve tocar esta atitude interior de vontade. Não podemos então segure a qualquer ideia de redenção que leva os homens ao abrigo de um processo de limpeza sem o consentimento de suas próprias vontades. Se nos mantemos vivos para o discernimento moral crescente que se move através das Escrituras, devemos insistir sempre no resgate como um processo moral. Não só temos de dizer que o objetivo da redenção é fazer com que os homens semelhantes a Cristo, mas devemos dizer também que o método de redenção deve ser o método de Cristo, o método de apelar para a vontade moral. Não há mandado bíblico para a idéia de que os homens são redimidos por decreto. O máximo que podemos começar a partir das palavras de Cristo é uma afirmação da persistência de Deus em sua busca pelo perdido: "(Ele segue) da que se perdeu, até encontrá-la" ( Lucas 15: 4 ). Alguns poderiam interpretar estas palavras como significando que o processo de redenção continua até que cada homem é trazido para o reino. Não podemos, à luz do Novo Testamento, limitar o amor redentor de Deus; mas não podemos, por outro lado, tomar passagens figurativas expressões em tal sentido de limitar a liberdade dos homens. O resgate deve ser concebida como respeitando as escolhas morais dos homens. No nosso pensamento da busca divina para o controle da motivação humana interna não devemos parar aquém da idéia de homens resgatados ao amor da justiça por conta própria. Isso iria acabar com o plano de homens resgate por apenas aliviá-los das conseqüências de seus pecados. Fora de uma vida transformada, é claro, não deve vir consequências alterados. Mas o ensino bíblico é que a ênfase na redenção é sempre moral, a viragem para a vida por causa do que é a vida.

 

Tendo assim tentaram determinar, pelo menos em linhas gerais, o conteúdo da idéia cristã de redenção, resta-nos apontar algumas implicações sobre a obra do Redentor. Ao longo de todo o ensinamento sobre a redenção nas Escrituras, a redenção está diante de nós primeiramente como próprio negócio de Deus ( João 3:16 ). Deus redime o seu povo; Ele redime-los por amor a eles. Mas o amor de Deus não deve ser concebida como mera indulgência, parcialidade, ou bem-humorado afeto. O amor de Deus repousa baixo em cima de fundamentos morais. Ao longo das Escrituras, portanto, encontramos implícita muitas vezes, se não sempre claramente, a ideia de que Deus está sob a obrigação de resgatar Seu povo. O progresso do pensamento mais tarde expandiu essa implicação com firmeza de discernimento moral. Viemos para ver as obrigações do poder. Quanto mais poderoso o homem que os mais pesados ​​suas obrigações no desempenho de este poder. Esta é uma concepção genuinamente cristã, e essa concepção cristã que se aplicam ao caráter de Deus, sentindo-se confiante de que estamos em linha com o ensino bíblico. Portanto, podemos colocar as obrigações de Deus ou menos o seguinte: Deus é o mais obrigados ser no universo. Se um homem está sob obrigações pesadas para usar corretamente o poder de controlar as forças já no trabalho no mundo, quanto mais pesado deve ser das obrigações do Criador, que começou essas forças! A obrigação torna-se terrível para o nosso pensamento humano quando pensamos que a criação inclui o chamado de seres humanos à existência e dotando-os com a benção não solicitada de liberdade. Os homens não estão no mundo de sua própria escolha. Massas vastas deles parecem estar aqui como a operação dos impulsos quase cegos. Os arredores de homens torná-lo muito fácil para eles para o pecado. As tendências que, pelo menos, parecem ser inata são muitas vezes tragicamente inclinado para o mal. Os homens parecem, de si mesmos, absolutamente inadequada para a sua própria redenção. Se houver de ser redenção que deve vir de Deus, eo pensamento Christian de um Deus moral parece incluir a obrigação por parte de Deus para resgatar aqueles a quem Ele enviou ao mundo. Cristo deixou claro para sempre a natureza absolutamente obrigatório de considerações morais. Se a obrigação de resgatar os homens significava tudo para Cristo, ele também deve significar tudo para o Deus de Cristo. Então nós sentimos em linha com verdadeiro cristão pensar na doutrina que a redenção vem em primeiro lugar como um cumprimento das obrigações por parte do próprio Deus.

 

Se olharmos para o pensamento comum em todas as declarações cristãs da parte de Deus na redenção achamos nisto: que em todas estas declarações Deus é concebido como fazendo tudo o que Ele pode fazer para a redenção do homem. Se em épocas anteriores os homens concebeu a raça humana como sob o domínio de Satanás, e Satanás como roubado de sua devida pela libertação do homem e, portanto, direito a alguma compensação, eles também concebeu o próprio Deus como pagar o resgate para Satanás. Se eles pensavam de Deus como um senhor feudal, cuja dignidade foi ofendida pelo pecado, eles pensavam de Deus como Ele mesmo pagando o custo devido à dignidade ofendida. Se a sua ideia era que um substituto para os pecadores devem ser fornecidas, a ideia presente o pensamento de Deus como Ele mesmo fornecendo um substituto. Se eles conceberam do universo como um vasto sistema de leis morais - quebrada pelo pecado - cuja dignidade deve ser acolhida, eles achavam do próprio Deus como fornecer os meios para manter a dignidade das leis. Se eles concebido como homens salvos por uma vasta influência moral definido no trabalho, eles pensavam dessa influência como processo, não do homem, mas de Deus. O pensamento comum em teorias da redenção, em seguida, até o momento, como parte preocupações de Deus, é que o próprio Deus toma a iniciativa e faz todo o possível no cumprimento da obrigação sobre Si. Cada fraseado da doutrina da redenção é a tentativa de uma era de pensamento cristão a dizer em sua própria maneira que Deus tem feito tudo o que Ele pode fazer por homens.

 

  1. Exclusividade do Filho de Deus como Redentor:

 

É a partir deste ponto de vista que devemos abordar o papel desempenhado por Cristo na redenção. Este não é o lugar para uma tentativa de instrução formal, mas alguns elementos da doutrina cristã são, pelo menos em linhas gerais, ao mesmo tempo clara. A questão é, em primeiro lugar, para fornecer alguma relação entre Deus e Cristo, que fará a obra redentora de Cristo realmente eficaz. Alguns têm pensado para encontrar tal afirmação na concepção de que Cristo é um profeta. Eles iriam esvaziar a expressão "Filho de Deus", de qualquer significado único; eles iriam fazer de Cristo o Filho de Deus no mesmo sentido em que qualquer grande profeta poderia ser concebida como um filho de Deus. Claro, nós não iria minimizar o ensino da Escritura como para a plena humanidade de Cristo, e ainda podem ser autorizados a manifestar a nossa convicção de que a representação de Cristo como o Redentor meramente no mesmo sentido em que um profeta é um redentor não faz justiça ao ensino Escritura; e nós sentimos, também, que uma tal solução do problema de Cristo, seria inadequado para a tarefa prática de redenção. Se Cristo é só um profeta que nos dá o Seu ensinamento nos alegramos com o ensino, mas somos confrontados com o problema de como tornar o ensino eficaz. Se ele ser instado que Cristo é um profeta que em Si mesmo realizou o ideal moral, sentimos constrangidos a responder que isso realmente coloca Cristo em uma grande distância de nós. Tal doutrina da pessoa de Cristo faria dele o gênio religioso supremo, mas o gênio humano se destaca da massa comum dos homens. Ele pode reunir-se em si mesmo e realizar os ideais dos homens; Ele pode expressar as aspirações dos homens e perceber essas aspirações; mas Ele não pode ser capaz de fazer os homens como ele próprio. Shakespeare é um gênio literário consumado. Ele disse de uma vez por todas as muitas coisas que o homem comum pensa ou metade pensa. Quando o homem comum se depara com uma frase de Shakespeare ele sente que Shakespeare disse por todo o tempo as coisas que ele próprio já disse que se ele tivesse sido capaz. Mas a valorização do Shakespeare não faz o homem comum como Shakespeare; a valorização do Cristo não tem sido bem sucedida em si mesmo em fazer homens semelhante a Cristo.

 

Se, pelo contrário, sem tentar construção teológica formal, nós colocamos algum significado real para a idéia de Cristo como o Filho de Deus e apegar-se uma relação única entre Cristo e Deus, que torna Cristo o maior dom que Deus pode nos dar, encontramos fato de que Cristo é levantado para a existência essencialmente divino; mas nós também achamos que essa divindade não afastar-Lo de nós. Redenção torna-se viável, e não apenas quando temos uma revelação de quão longe o homem pode ir, mas quando temos também uma revelação de quão longe Deus pode vir. Se podemos pensar em Deus como tendo, de alguma maneira real veio ao mundo através do Seu Filho Jesus Cristo, que a revelação faz com que Cristo, o Senhor, que pode nos levar a redenção.

 

Tal concepção fornece a dinâmica que temos de ter em um verdadeiro processo de redenção. Precisamos não só a ideal, mas precisamos de poder pelo qual para atingir o ideal. Se nós podemos sentir que o universo está sob a influência de um Deus moral, um Deus que está sob a obrigação de suportar os encargos dos homens, e que voluntariamente assume estas obrigações, nós realmente sentimos que a vida moral em sua plenitude e melhor é o maior verdade no universo. Além disso, devemos ser fiel à Escritura e levantar toda a concepção da redenção para além do âmbito da consciência para o reino do coração. O que a consciência de Deus chama, o amor de Deus de bom grado descarrega. A Cruz de Cristo torna-se ao mesmo tempo a revelação da justiça de Deus e do amor de Deus. O poder é, assim, colocar de volta da consciência humana eo amor humano para avançar para a redenção ( Romanos 8: 35-39 ).

 

O objetivo da redenção em Cristo, então, é para levantar os homens da morte para a vida. A mente é para ser vivificado pela revelação dos verdadeiros ideais da vida humana. A consciência deve ser reenforced pela revelação do Deus moral que exerce sobre todas as coisas, no interesse da justiça. O coração deve ser agitada e ganhou pela revelação do amor que envia um único Filho para a cruz para a nossa redenção. E temos de tomar a obra de Cristo, não como um incidente solitário ou um mero evento histórico, mas como uma manifestação do espírito que tem estado a trabalhar desde o início e funciona sempre. O Cordeiro foi morto desde a fundação do mundo ( Apocalipse 13: 8 ); o espírito de Deus revelado na cruz de Cristo é o mesmo ontem, hoje e sempre. Temos na cruz uma revelação do amor santo, que, em certo sentido, domina e, ao mesmo tempo, incentiva. A cruz é a revelação do comprimento para o qual Deus está disposto a ir na redenção, em vez de pôr de lado nem um jota ou um til de Sua lei moral. Ele não vai redimir os homens, exceto em condições que os deixam os homens. Ele não vai oprimi-los em qualquer forma a acabar com o seu poder de livre escolha. Ele vai mostrar aos homens a Sua própria sensação de santidade e amor. Em nome de um santo amor que eles podem sempre aspirar depois, mas que eles nunca podem atingir plenamente, os homens chamam a Ele para o perdão e que os homens perdão encontrar sempre disponível.

 

Resta acrescentar um outro ponto de ensino bíblico, ou seja, que a redenção é um processo contínuo. Se nós podemos usar novamente a palavra "vida", que tem sido a chave para essa discussão, pode-se dizer que o objetivo da redenção é fazer com que os homens progressivamente vivo. Não há limites para o desenvolvimento dos poderes humanos tocados pelos processos redentores de Deus. A cruz é uma revelação da vontade divina de suportar com os homens que estão sempre sendo resgatados. Claro, falamos do homem redimido como resgatados uma vez por todas. Com isto queremos dizer que ele é resgatado uma vez por todas ao ser confrontado sobre e começou na direção certa, mas o progresso em direção à vida plena pode ser mais rápido ou mais lento de acordo com o homem e as circunstâncias em meio às quais ele é colocado. Ainda assim, o chefe de fato é a direção em que o homem está se movendo. A revelação de Deus, que auxilia na redenção é do Deus que toma a direção que o chefe de fato, em vez do que o comprimento da passada ou a taxa do movimento. Todo homem é esperado para fazer o seu melhor. Se ele tropeça ele deve encontrar seu caminho para os pés; se ele está se movendo lentamente, ele deve tentar mover mais rápido; se ele está se movendo em um ritmo mais lento do que ele pode atingir, ele deve se esforçar após a taxa mais elevada, mas sempre a força dinâmica é a revelação do santo amor de Deus.

 

As Escrituras honrar os profetas em qualquer terra ou o tempo que eles aparecem. As Escrituras acolher a Deus sob todas e quaisquer circunstâncias. Eles têm um lugar para uma "luz que ilumina todo homem que vem ao mundo", mas eles ainda deixar claro que a força principal na redenção dos homens é a revelação do santo amor em Jesus Cristo. O resgate, repetimos, nunca é concebido em termos artificiais ou mecânicos. Se alguém não tem o espírito de Cristo, ele não pertence a Cristo ( Romanos 8: 9 ). O objetivo da redenção é para gerar esse espírito, e esse espírito é a vida.

 

Literatura.

 

HC Sheldon, Teologia Sistemática ; Clarke, Esboço de Teologia Cristã ; Brown, Teologia cristã no esboço ; Mackintosh, Doutrina da Pessoa de Cristo ; Bowne, Estudos em Cristianismo ; Tymms, A Expiação Christian

fonte international standard bible encylopedia 1970

fonte www.avivamentonosul21.comunidades.net