Translate this Page

Rating: 3.0/5 (890 votos)



ONLINE
9




Partilhe este Site...

 

 

<

Flag Counter


Teologia Sistematica ressurreição de Jesus yechua
Teologia Sistematica ressurreição de Jesus yechua

     TEOLOGIA SISTEMATICA RESSURREIÇÃO DE JESUS

 

  1. Primeiro Prova: A Vida de Jesus

 

  1. Segunda Prova: o sepulcro vazio

 

  1. Terceiro Prova: Transformação dos Discípulos

 

  1. Quarta Proof: Existência da Igreja Primitiva

 

  1. Quinto Prova: A Testemunha do Paul

 

  1. Sexto Prova: O Evangelho Gravar

 

  1. Resumo e conclusão

 

  1. Teologia da Ressurreição

 

LITERATURA

 

A ressurreição foi sempre senti a ser vital em conexão com o cristianismo. Como consequência, os adversários têm quase sempre concentraram seus ataques, e os cristãos têm-se centrado a sua defesa, em cima dele. Por isso, é de extrema importância para dar atenção ao assunto, como aparece no Novo Testamento. Existem várias linhas convergentes de provas, e ninguém pode ser negligenciado. Cada um deve ter o seu lugar e peso. As questões em jogo são tão graves que nada deve ser omitido.

 

  1. Primeiro Prova: A Vida de Jesus:

 

A primeira prova é a vida de Jesus Cristo. É sempre uma decepção quando uma vida que começou bem termina mal. Nós temos esse sentimento, mesmo na ficção; demandas instinto que uma história deve terminar bem. Muito mais isso é verdade de Jesus Cristo. A vida perfeita caracterizada por reivindicações divinas termina em sua prima em uma morte cruel e vergonhosa. Isso é um bem ajustadas? Certamente a morte não poderia terminar tudo após uma carreira tão nobre. Os evangelhos dão a ressurreição como a conclusão da imagem de Jesus Cristo. Não há dúvida real de que Cristo antecipou Sua própria ressurreição. No começo, ele usou apenas termos vagos, tais como: "Destruí este templo, e em três dias eu o levantarei". Mas, mais tarde, ele falou claramente, e quando Ele mencionou Sua morte, Ele acrescentou: "O Filho do homem ... deve ser levantado no terceiro dia." Essas referências são numerosos demais para ser ignorado, e, apesar das dificuldades de detalhe, que são, em qualquer tratamento adequado dos Evangelhos, parte integrante da reivindicação feita para Si mesmo por Jesus Cristo ( Mateus 12: 38-40Mateus 12: 38-40 ; Matthew 16:21Mateus 16:21 ; Matthew 17: 9Mateus 17: 9 , Matthew 17:23Mateus 17:23 ; Matthew 20:19Mateus 20:19 ; Matthew 27:63Mateus 27:63 ; Marcos 8:31Marcos 8:31 ; Mark 9: 9Mark 9: 9 , Marcos 9:31Marcos 9:31 ; Mark 10:34Mark 10:34 ; Mark 14:58Marcos 14:58 ; Lucas 9:22Lucas 09:22 ; Luke 18:33Lucas 18:33 ; John 2: 19-21João 2: 19-21 ). Sua veracidade está em jogo se Ele não se levantou. Certamente a palavra de tal pessoa deve ser dada a devida credibilidade. Estamos, portanto, obrigados a enfrentar o fato de que a ressurreição de que os Evangelhos falam é a ressurreição de um homem comum, mas de Jesus - que é de alguém cuja vida e caráter tinha sido único, e por cuja morte vergonhosa nenhuma explicação adequada era concebível (Denhey, Jesus e do Evangelho , 122 f). É possível que, em vista de sua perfeita veracidade das palavras e ações, deve haver tal um anti-clímax quando está envolvido em uma negação de Sua garantia de que Ele ressuscitaria (CH Robinson, Estudos na Ressurreição , 30)? Considere-se, também, a morte de Cristo à luz da Sua vida perfeita. Se que a morte foi o final de uma vida tão bonito, tão notável, de modo semelhante a Deus, somos confrontados com um mistério insolúvel - o triunfo permanente de errado sobre a direita, e a impossibilidade de acreditar na verdade e justiça no mundo (CH Robinson, op. cit., 36). Portanto a ressurreição não deve ser considerado como um evento isolado, um fato na história de Cristo separado de tudo o mais. Deve ser tomada em estreita ligação com o que precede. A verdadeira solução para o problema pode ser encontrada em que a estimativa de Cristo, que "mais inteiramente em sintonia com a totalidade dos fatos" (Orr, a ressurreição de Jesus , 14).

 

  1. Segunda Prova: o sepulcro vazio:

 

Outra linha de prova é o fato do túmulo vazio e o desaparecimento do corpo. Que Jesus morreu e foi sepultado, e que na terceira manhã o túmulo estava vazio, não é agora seriamente desafiada. A teoria de um desmaio e uma recuperação no túmulo é impossível, e a ele Strauss "praticamente dá o seu golpe mortal" (Orr, op. Cit., 43). No enterro de Cristo uma pedra foi rolada diante do túmulo, o túmulo foi selado, e um guarda foi colocado antes dele. No entanto, na terceira manhã o corpo tinha desaparecido, e o túmulo estava vazio. Existem apenas duas alternativas. Seu corpo deve ter sido retirado da sepultura por mãos humanas ou então pelo poder sobre-humano. Se as mãos eram humanos, eles devem ter sido aqueles de seus amigos ou de seus inimigos. Se seus amigos tinham quis tirar seu corpo, surge a questão de uma vez se eles poderiam ter feito isso em face da pedra, o selo ea guarda. Se seus inimigos tinham contemplado essa ação, a questão de saber se eles seriam seriamente ter considerado. É extremamente improvável que qualquer esforço deve ter sido feito para remover o corpo para fora do alcance dos discípulos. Por que seus inimigos fazer a mesma coisa que seria mais provável para espalhar o relatório da sua ressurreição? Como disse Crisóstomo: "Se o corpo tivesse sido roubado, eles não poderiam ter roubado nua, por causa do atraso na retirando-lhe as roupas de enterro e os problemas causados ​​pelas drogas que aderem a ela" (citado em Dia, Evidência para a ressurreição , 35). Além disso, a posição das mortalhas comprova a impossibilidade de o roubo do corpo (veja grego de João 20: 6 , João 20: 7 ; João 11:44 ; Grimley, Templo da Humanidade , 69, 70; Latham, O Mestre ressuscitado ; O expositivo Times , João 20: 6João 20: 7João 11:44XIII , 293 M; XIV, 510). Como, também, é possível explicar o fracasso dos judeus para refutar a ressurreição? Não mais de sete semanas depois, Pedro pregou naquela cidade o fato de que Jesus havia ressuscitado. O que teria sido mais fácil ou mais conclusiva do que para os judeus de ter produzido o corpo morto e silenciou Peter sempre? "O silêncio dos judeus é tão significativa quanto a fala dos cristãos" (Fairbairn, Studies in the Life of Christ , 357).

 

O fato do túmulo vazio, com o desaparecimento do corpo continua a ser um problema a ser enfrentado. Admite-se agora que a evidência para o túmulo vazio é adequado, e que era parte da crença primitiva ( Fundações , 134,154). É importante perceber a força desta admissão, porque é um testemunho para o uso de Paulo do termo "terceiro dia" (veja abaixo) e à observância cristã do primeiro dia da semana. E, no entanto, apesar deste somos informados de que uma crença no túmulo vazio é impossível. Por alguns autores a ideia de ressurreição é interpretada para significar o renascimento da influência espiritual de Cristo sobre os discípulos, que tinha sido levado a um fim por sua morte. Pensa-se que a idéia essencial e do valor da ressurreição de Cristo pode ser conservada, mesmo enquanto a crença em Seu corpo crescente da sepultura é entregue (Orr, A Ressurreição de Jesus , 23). Mas como podemos acreditar na ressurreição, enquanto nós consideramos a base da crença primitiva nele como um erro, para não dizer uma fraude? Os discípulos encontraram o túmulo vazio, e sobre a força deste acreditavam que ele tinha ressuscitado. Como pode a crença ser verdadeira se a fundação ser falso? Além disso, as várias formas de a visão da teoria estão agora gradualmente, mas seguramente, sendo considerada inadequada e impossível. Elas envolvem a mudança de quase todos os fatos na história do Evangelho, ea invenção de novas cenas e condições dos quais os Evangelhos não sabem nada (Orr, op. Cit., 222). Ele nunca foi satisfatoriamente demonstrado por isso que os discípulos devem ter tido esta experiência abundante de visões; nem por que eles deveriam ter tido tão pouco tempo depois da morte de Cristo e dentro de um período estritamente limitado; nem por que, de repente, parou. Os discípulos estavam familiarizados com a aparição de um espírito, como Samuel, e com a reanimação de um corpo, como Lázaro, mas o que eles não tinha experimentado ou imaginado foi o fato de um corpo espiritual, a combinação de corpo e espírito em um maneira inteiramente nova. Então, a velha teoria de uma visão agora está praticamente posta de lado, e para ele é substituído teoria de uma verdadeira manifestação espiritual de Cristo ressuscitado. A pergunta surge de imediato se este não é solicitado por um desejo inconsciente mas real para se livrar de qualquer coisa como uma ressurreição física. Qualquer que seja verdade para os descrentes, esta é uma posição impossível para aqueles que acreditam que Cristo está vivo.

 

Embora possamos estar pronto a admitir a realidade da comunicação telepática, é impossível argumentar que isso é equivalente à idéia de ressurreição. Pesquisa psíquica não procedeu longe o suficiente ainda para justificar argumentos sendo construída sobre ela, embora em qualquer caso, é difícil, se não impossível, obter material a partir deste trimestre, que vai responder às condições da ressurreição física registrado no Novo Testamento . "A sobrevivência da alma não é ressurreição." "Quem já ouviu falar de um espírito de ser enterrado?" (Orr, A Ressurreição de Jesus , 229).

 

Em vista dos registros dos Evangelhos e o testemunho geral do Novo Testamento, é impossível ser "agnóstico", como o que aconteceu no túmulo de Jesus, apesar de estarmos a certeza de que Ele que morreu agora vive e reina. Às vezes se diz que a fé não está ligada, segurando uma visão particular das relações de presente glória de Cristo com o corpo que foi uma vez no túmulo de José, que faithis a ser exercida no Senhor exaltado, e que a crença em uma reanimação do o corpo humano não é parte vital dele. É sem dúvida verdade que a fé é hoje a ser exercida exclusivamente no Senhor exaltado e glorificado, mas a fé deve finalmente descansar em verdade, e é difícil de compreender como a fé cristã pode realmente ser "agnóstico" em relação aos fatos sobre o túmulo vazio eo corpo ressuscitado, que são tão proeminentes no Novo Testamento, e que formam uma parte essencial do testemunho apostólico. A tentativa de definir a fé ea evidência histórica em oposição um ao outro, que é tão marcado uma característica de muito pensamento moderno nunca vai satisfazer inteligência cristã em geral, e se o que há para ser qualquer verdadeira crença no caráter histórico do Novo Testamento, é impossível ser "agnóstica" sobre os fatos que estão escritas tão grande na face dos registros. Quando uma vez que a evidência para o túmulo vazio é permitido ser adequada, a impossibilidade de qualquer outra explicação que não o indicado no Novo Testamento é de uma só vez visto. As provas devem ser contabilizadas e adequadamente explicado. E assim chegamos novamente à barreira insuperável do sepulcro vazio, que, juntamente com o testemunho apostólico, ergue-se inexpugnável contra todos os ataques de teorias provisórios e aparições. É cada vez mais evidente que essas teorias são inteiramente inadequadas para explicar os registros nos Evangelhos, bem como para o lugar e poder dessas Evangelhos na igreja primitiva e em todas as épocas subsequentes. A força da evidência para o túmulo vazio e o desaparecimento do corpo é visto claramente com as explicações sugeridas por vários escritores modernos (os de Oscar Holtzmann, K. Lake, e A. Meyer pode ser visto em Orr, A Ressurreição de Jesus , capítulo VIII, e que de Reville na CH Robinson, Estudos na Ressurreição de Cristo , 69; ver também o artigo de Streeter em Fundações ). Nenhum deles é sustentável sem fazer violência para a história do Evangelho, e também sem colocar diante de novas teorias que não são apenas improvável em si, mas estão sem um pingo de evidência histórica ou literária real. O único fato excepcional, que confunde todos esses autores é a sepultura vazia.

 

Outros sugerem que a ressurreição significa uma aparência real objetivo de Cristo ressuscitado, sem implicar qualquer reanimação física, que a "ressurreição de Cristo era uma realidade objetiva, mas não foi uma ressurreição física" (CH Robinson, Estudos na Ressurreição de Cristo , 12) . Mas a dificuldade aqui é quanto ao significado do termo "ressurreição". Se isso significa um retorno dos mortos, um levante novamente ( re -), deve não houve alguma identidade entre o que foi colocado no túmulo e da "realidade objetiva", que apareceu aos discípulos? Onde reside a diferença essencial entre uma visão objetiva e uma aparição objetiva? Se nós acreditamos que o testemunho apostólico para o túmulo vazio, por que não podemos aceitar a sua evidência para a ressurreição real? Eles evidentemente reconhecido o seu Mestre, e este reconhecimento deve ter sido devido a alguma familiaridade com sua aparência corporal. Nenhuma dificuldade de conceber a ressurreição de seguir a humanidade deve ser permitido pôr de lado os fatos simples do registro a respeito de Cristo. É, naturalmente, bastante claro que a ressurreição do corpo de Jesus não era exatamente a mesma de quando ele foi colocado no túmulo, mas é igualmente claro que não havia identidade definida, bem como dissimilaridade definitiva, e ambos os elementos devem ser enfrentados e contabilizadas. Não precisa haver nenhuma dificuldade insuperável, se cremos que na própria natureza das coisas ressurreição de Cristo deve ser único, e, uma vez que a vida e obra de Jesus Cristo transcende nossa experiência (como certamente deve fazer), não devemos esperar para trazê-los dentro dos limites da lei natural e da história humana. Como a ressurreição do corpo foi sustentado é um problema muito fora do nosso alcance, embora a referência a "carne e ossos ", em comparação com as palavras de Paulo sobre "carne e sangue " não ser capaz de entrar no reino de Deus, pode sugerir que, enquanto a ressurreição corpo não foi constituída sobre uma base natural através de sangue, ainda que ele possuía "todas as coisas que cabem à perfeição da natureza do homem" (Church of England artigo IV). Podemos não ser capazes de resolver o problema, mas devemos agarrar-se todos os fatos, e estes podem ser resumido dizendo que o corpo era o mesmo embora diferente, diferente, embora o mesmo. A verdadeira descrição da ressurreição parece ser que "era uma realidade objetiva, mas, que não era apenas uma ressuscitação física." Estamos, portanto, trouxe de volta a uma consideração dos fatos registrados nos Evangelhos como para o túmulo vazio e o desaparecimento do corpo, e nós só pedir uma explicação, que o levará em consideração todos os fatos registrados, e vai fazer nenhuma violência para qualquer parte da prova. Predicar um novo corpo de ressurreição em que Cristo apareceu aos seus discípulos não explica como no tempo de três dias o corpo que tinha sido colocado no túmulo foi descartado. Não esta teoria exigir um novo milagre de sua própria (Kennett, Interpreter , V, 271)?

 

  1. Terceiro Prova: Transformação dos Discípulos:

 

A linha seguinte da prova a ser considerado é a transformação dos discípulos causados ​​pela ressurreição. Eles tinham visto o seu Mestre morrer, e através de que a morte eles perderam toda a esperança. No entanto, a esperança voltou três dias depois. No dia da crucificação encheram-se de tristeza; no primeiro dia da semana com alegria. Na crucificação eram sem esperança; no primeiro dia da semana seus corações ardeu com certeza. Quando a mensagem da ressurreição veio pela primeira vez eles ficaram incrédulos e difícil de ser convencido, mas quando uma vez que tornou-se certeza de que eles nunca duvidou novamente. O que poderia explicar a mudança surpreendente nestes homens em tão pouco tempo? A simples remoção do corpo da sepultura nunca poderia ter transformado seus espíritos e personagens. Três dias não são suficientes para uma lenda a surgir o que deve por isso afetá-los. O tempo é necessário para um processo de crescimento lendária. Não há nada mais impressionante na história do cristianismo primitivo do que esta mudança maravilhosa forjado nos discípulos por uma crença na ressurreição de seu Mestre. É um fato psicológico que exige uma explicação completa. Os discípulos estavam preparados para acreditar no aparecimento de um espírito, mas eles nunca contemplou a possibilidade de uma ressurreição (ver Mark 16:11Mark 16:11 ). Os homens não imaginar o que eles não acreditam, e a intenção das mulheres para embalsamar um cadáver mostra que eles não esperavam Sua ressurreição. Além disso, uma alucinação envolvendo cinco centenas de pessoas de uma só vez e repetiu várias vezes durante quarenta dias, é impensável.

 

  1. Quarta Proof: Existência da Igreja primitiva:

 

A partir deste fato da transformação da vida pessoal em tão incrivelmente curto espaço de tempo, passamos para a próxima linha da prova, a existência da igreja primitiva. "Não há dúvida de que a igreja dos apóstolos acreditavam na ressurreição do seu Senhor" (Burkitt, história do Evangelho e sua transmissão , 74).

 

Agora, é admitido em todas as mãos que a igreja de Cristo surgiu como o resultado de uma crença na ressurreição de Cristo. Quando consideramos o seu início, como registrado no Livro dos Atos dos Apóstolos, vemos dois fatos simples e incontestáveis: (1) a sociedade cristã estava reunida pela pregação; (2) A substância da pregação foi a ressurreição de Jesus Cristo. Jesus Cristo foi condenado à morte na cruz, e, portanto, ser rejeitado pelos judeus como maldito de Deus ( Deuteronômio 21:23Deuteronômio 21:23 ). No entanto, multidões de judeus foram levados para adorá-Lo ( Atos 2:41Atos 2:41 ), e uma grande multidão de sacerdotes a obedecê-lo ( Atos 6: 7Atos 6: 7 ). A única explicação para estes fatos é o ato de Deus da ressurreição ( Atos 2:36Atos 2:36 ), por nada menos do que poderia ter levado à aceitação judaica de Jesus Cristo como seu Messias. A igreja apostólica é, portanto, resultado de uma crença na ressurreição de Jesus Cristo. Os primeiros capítulos de Atos levar as marcas de documentos primitivos, e sua evidência é inconfundível. É impossível alegam que a igreja primitiva não sabia sua própria história, que os mitos e lendas rapidamente cresceu e foram ansiosamente recebido, e que os autores dos Evangelhos não tinha consciência de princípio, mas manipulado seu material à vontade, para qualquer igreja moderna poderia facilmente dar conta de sua história nos últimos cinquenta anos ou mais (Orr, a ressurreição de Jesus , 144). E isso é simplesmente absurdo pensar que a mais antiga igreja não tinha essa capacidade. Na realidade, não havia nada vago ou intangível sobre o testemunho dado pelos apóstolos e outros membros da igreja. "Como a igreja é muito sagrado para uma base de podridão, então ela é muito real para uma base de mist" (Arcebispo Alexander, a grande questão , 10).

 

  1. Quinto Prova: O Testemunho de Paulo:

 

Um homem na igreja apostólica deve, no entanto, ser apontada como uma testemunha especial para a ressurreição. A conversão e obra de Saulo de Tarso é a nossa linha seguinte da prova. A atenção é chamado pela primeira vez à evidência de sua vida e escritos para a ressurreição de Jesus Cristo. Alguns anos atrás, um artigo apareceu (E. Medley, O Expositor , V, IV, 359). indagando sobre a concepção de Cristo, que seria sugerido a um inquiridor pagãos por uma leitura dos primeiros textos existentes de Paulo, 1 Tessalonicenses. Um ponto, pelo menos, que se destacam claramente - que Jesus Cristo foi morto ( 1 Tessalonicenses 2.15 ; 1 Tessalonicenses 4:14 ) e foi ressuscitado dentre os mortos ( 1 Tessalonicenses 4:14 ). Como esta epístola é geralmente datada de cerca de 51 1 Tessalonicenses 2:151 Tessalonicenses 4:141 Tessalonicenses 4:14DE ANÚNCIOS - ou seja, apenas cerca de 22 anos após a ressurreição - e como a mesma Epístola atribui claramente a Jesus Cristo as funções de Deus em relação aos homens ( 1 Tessalonicenses 1: 11 Tessalonicenses 1: 1 , 1 Tessalonicenses 1: 61 Tessalonicenses 1: 6 ; 1 Tessalonicenses 2:141 Tessalonicenses 2:14 ; 1 Tessalonicenses 3:111 Tessalonicenses 03:11 ), podemos facilmente ver a força deste testemunho da ressurreição. Em seguida, alguns anos mais tarde, em uma epístola que é universalmente aceito como um dos Paul, temos uma referência muito mais completa para o evento. No capítulo bem conhecido (1 Cor 15), onde ele está em causa para provar (e não a ressurreição de Cristo, mas) a ressurreição dos cristãos, ele naturalmente aduz a ressurreição de Cristo como seu maior evidência, e assim dá uma lista das várias aparições de Cristo , terminando com um a si mesmo, que ele coloca em um nível exato com os outros: ". por último, ele foi visto também por mim" Agora é essencial dar especial atenção à natureza e particularidade deste testemunho. "Vos entreguei em primeiro lugar, o que também recebi: que Cristo morreu pelos nossos pecados, segundo as Escrituras, e que foi sepultado, e que ele foi ressuscitado no terceiro dia, segundo as Escrituras" ( 1 Coríntios 15: 31 Coríntios 15 : 3 f). Esta, como muitas vezes tem sido apontado, é a nossa mais antiga autoridade para as aparições de Cristo após a ressurreição, e datas de prazo de 30 anos do evento em si. Mas há muito mais do que isso: "Ele afirma que dentro de 5 anos da crucificação de Jesus, ele foi ensinado que" Cristo morreu pelos nossos pecados, segundo as Escrituras, e que foi sepultado, e que ressuscitou ao terceiro dia, segundo as Escrituras "(Kennett, Interpreter , V, 267). E se nós procuramos a apreciar o rolamento completo desse ato e testemunho que tem o direito de tirar a mesma conclusão: "que dentro de poucos anos da época da crucificação de Jesus, a evidência para a ressurreição de Jesus era, na a mente de pelo menos um homem de educação, absolutamente irrefutável "(Kennett, op. cit., V, 267).

 

Além disso, encontramos esta narrativa inclui uma instrução pequena, mas significativa, que ao mesmo tempo lembra uma característica muito definido da tradição Evangelho - ". No terceiro dia" a menção de A referência à passagem nos Evangelhos em que Jesus Cristo falou de sua ressurreição, irá mostrar como proeminente e persistente era esta nota de tempo. Por que, então, deve Paul introduziram-lo em sua declaração? Era parte do ensino que ele tinha "recebido?" Qual é o significado dessa ênfase clara na data da ressurreição? Não é que ele é um testemunho absoluto para o túmulo vazio? De tudo isto, pode-se argumentar que Paulo cria a história do túmulo vazio numa data em que a lembrança era fresco, quando ele poderia examiná-lo por si mesmo, quando ele poderia fazer o máximo pergunta possível de outros, e quando os medos e oposição de inimigos teria tornado impossível para os seguidores de Jesus Cristo para fazer qualquer afirmação de que não era absolutamente verdadeiro. "O senso comum Certamente obriga-nos a acreditar que aquele para o qual ele tanto sofreu estava em seus olhos estabelecidos para além da possibilidade de dúvida" (Kennett, op. Cit., V, 271).

 

Tendo em vista, portanto, do testemunho pessoal de Paulo a sua própria conversão, suas entrevistas com aqueles que tinham visto Jesus Cristo na terra antes e depois da sua ressurreição, e a proeminência dada à ressurreição no próprio ensino do apóstolo, que pode desafiar a atenção de novo para esta evidência para a ressurreição. É sabido que o Senhor Lyttelton e seu amigo Gilbert Ocidental deixou a Universidade de Oxford, no final de um ano lectivo, cada determinação de dar atenção, respectivamente, durante o longo período de férias para a conversão de Paulo ea ressurreição de Cristo, a fim de provar a falta de bases de ambos. Eles se encontraram novamente no outono e experiências comparadas. Senhor Lyttelton havia se convencido da verdade da conversão de Paulo, e Gilbert Oeste estava convencido da ressurreição de Jesus Cristo. Se, portanto, de Paulo 25 anos de sofrimento e serviço a Cristo eram uma realidade, sua conversão era verdade, por tudo que ele fez, começando com aquela mudança repentina. E se a sua conversão era verdade, Jesus Cristo ressuscitou dos mortos, para tudo, Paul era e fez ele atribuiu à visão de Cristo ressuscitado.

 

  1. Sexto Prova: O Evangelho Record:

 

A próxima linha de prova da ressurreição é o registro nos Evangelhos de as aparições de Cristo ressuscitado, e é o último a fim de ser considerada. Por alguns autores é colocado em primeiro lugar, mas isso é no esquecimento das datas em que os Evangelhos foram escritos. A ressurreição foi aceita pela igreja cristã para um número de anos antes de nossos Evangelhos foram escritos, e por isso é impossível para esses registros para ser nosso evidência primária e mais importante. Devemos ficar atrás deles, se quisermos apreciar plenamente a força e variedade das provas. É por esta razão que, seguindo a ordem lógica apropriada, temos reservado para o último nossas considerações sobre as aparições de Cristo ressuscitado como dadas nos Evangelhos. O ponto é de grande importância (Denney, Jesus e do Evangelho , 111).

 

Agora, com este deixou claro, passamos a considerar a evidência proporcionada pelos registros das aparições pós-ressurreição de Cristo. Crítica moderna dos Evangelhos nos últimos anos tem vindo a adoptar a visão de que Mark é o mais antigo, e que Mateus e Lucas são dependentes dela. Isto é dito ser "um resultado sólido" (WC Allen, "St. Matthew," Comentário Crítico Internacional , Prefácio, vii; Burkitt, história do Evangelho , 37) da crítica literária dos Evangelhos. Se isto é assim, a questão dos registros da ressurreição torna-se envolvido no problema difícil sobre o suposto final perdida de Mark, que, de acordo com a crítica moderna, seria, assim, fechar sem qualquer registro de uma aparição de Cristo ressuscitado. Sobre este ponto, no entanto, duas coisas podem ser ditas na actual conjuntura: (1) Há algumas indicações de que toda a questão da crítica dos Evangelhos deve ser reaberto (Ramsay, Lucas, o médico , o capítulo II; ver também Orr , A Ressurreição de Jesus , 63 ss). (2) Mesmo que a teoria atual ser aceito, ele não iria enfraquecer seriamente a força intrínseca da evidência para a ressurreição, porque, afinal, Mark não inventar ou "doutor" o seu material, mas incorpora a tradição apostólica comum da sua tempo (Orr, A Ressurreição de Jesus , 62).

 

Podemos, portanto, examinar, entretanto, o registro das aparências, sem encontrá-los, essencialmente afetado por qualquer teoria em particular sobre a origem e as relações dos Evangelhos. Há dois conjuntos de aparências, uma em Jerusalém e outra na Galiléia, e seu número, ea amplitude e peso do seu testemunho deve ser cuidadosamente avaliado. Enquanto estamos impedida por nosso espaço de examinar cada aparição minuciosamente, e na verdade não é necessário para o nosso propósito de fazê-lo, é impossível evitar chamar a atenção para dois deles. Ninguém pode ler a história do pé de Emaús ( Lc 24 ), ou da visita de Pedro e João ao sepulcro ( João 20 ), sem observar as marcas marcantes da realidade e testemunho pessoal nas contas. Quanto ao primeiro incidente: ". Ele carrega com ele, como grandes críticos literários têm apontado, os mais profundos evidências internas do seu próprio veracidade literal para ele assim que narra a relação de" um Deus ressuscitado "com homens comuns como para definir natural e lado sobrenatural a lado em perfeita harmonia E para fazer isso sempre foi a dificuldade, o desespero da imaginação a alternativa tem sido posta razoavelmente assim:.. Lucas era ou um poeta maior, um gênio mais criativo, de Shakespeare, ou - ele fez não criar o registro. ele tinha uma vantagem sobre Shakespeare. o fantasma em Hamlet foi um esforço de imaginação trabalhoso. o Cristo ressuscitado na estrada era um fato supremo, e o evangelista tinha, mas dizer-lhe como era "(Bishop Moule, Meditações para o Ano da Igreja , 108). Outros escritores cuja atitude para com os registros do Evangelho é urso muito diferente o mesmo testemunho para a impressão da verdade e da realidade feita sobre eles pela narrativa Emaús (A. Meyer e K. Lake, citado em Orr, A Ressurreição de Jesus , 176 f) .

 

É sabido que existem dificuldades relacionadas com o número ea ordem destas aparições, mas eles são, provavelmente, em grande parte devido ao caráter resumo da história, e certamente não são suficientes para invalidar o testemunho uniforme para os dois fatos: (1) o túmulo vazio, (2) as aparições de Cristo no terceiro dia. Estes são os principais fatos do testemunho combinado (Orr, op. Cit., 212).

 

As mesmas dificuldades que têm sido observados nos Evangelhos por cerca de dezenove séculos são um testemunho de uma convicção da verdade das narrativas por parte de toda a igreja cristã. A igreja não teve medo de deixar esses registros como eles são por causa dos fatos que eles incorporam e expressam. Se não tivesse havido dificuldades homens poderia ter dito que tudo tinha sido artificialmente organizados, enquanto que as diferenças dar testemunho da realidade do evento registrado. O fato de que possuímos estes dois conjuntos de aparências - uma em Jerusalém e um em Galilee - é realmente um argumento a favor da sua credibilidade, pois se tivesse sido gravado que Cristo apareceu na Galiléia apenas, ou Jerusalém somente, não é improvável que a conta pode ter sido rejeitado por falta de apoio. É sabido que os registros de testemunhas oculares, muitas vezes variam em detalhes, enquanto não há dúvida quanto aos próprios acontecimentos. Os vários livros de gravação a história do motim indiana, ou a rendição de Napoleon 3 em Sedan são casos em ponto, e Sir William Ramsay mostrou toda a compatibilidade de certeza quanto ao fato principal com grande incerteza quanto aos detalhes precisos (Ramsay, St. Paul Traveler , 29). Acreditamos, portanto, que um exame cuidadoso dessas aparições irá constituir prova de uma cadeia de circunstâncias que se estende desde o túmulo vazio para o dia da ascensão.

 

  1. Resumo e Conclusão:

 

Quando examinamos cuidadosamente todas estas linhas convergentes de provas e se esforçar para dar peso a todos os fatos do caso, parece impossível escapar do problema de um milagre físico. Que a visão prima facie das provas oferecidas pelo Novo Testamento sugere um milagre e que os apóstolos realmente acreditavam em uma verdadeira ressurreição física são certamente além de qualquer dúvida. E, no entanto muito do pensamento de hoje se recusa a aceitar o miraculoso. A doutrina científica da uniformidade e continuidade da Natureza obstrui o caminho, de modo que desde o início conclui-se que os milagres são impossíveis. Nós ou não estão autorizados a acreditar (veja Orr, A Ressurreição de Jesus , 44), ou então somos informados de que não somos obrigados a acreditar (CH Robinson, Estudos na Ressurreição de Cristo , capítulo II), margem, a reanimação de um corpo morto. Se tomarmos este ponto de vista, "não há necessidade, realmente, para investigação de provas: a questão é decidida antes da prova é olhado" (Orr, op cit, 46..).

 

Desafiamos o tenableness desta posição. Isso prova muito. Nós não são de todo em causa pela carga de acreditar na anormal ou incomum. Novas coisas têm acontecido desde o início da atual ordem natural, e a fé cristã ensina que Cristo era um "coisa nova", e que a Sua vinda como "Deus manifestado na carne" era algo absolutamente único. Se não estamos autorizados a acreditar em qualquer intervenção divina que podemos chamar de sobrenatural ou milagroso, é impossível dar conta da Pessoa de Cristo em tudo. "A Personalidade Sem Pecado seria um milagre no tempo." Decorrentes do presente, o próprio cristianismo era único, inaugurando uma nova era nas relações humanas. Nenhum cristão, portanto, pode ter qualquer dificuldade em aceitar o anormal, o incomum, o milagroso. Se for dito que nenhuma quantidade de provas pode estabelecer um fato que é miraculoso, ainda temos que explicar os milagres morais que estão realmente envolvidos e associados com a ressurreição, especialmente a decepção dos discípulos, que poderia ter descoberto a verdade do caso; um engano, também, que provou ser tão grande bênção para o mundo. Certamente para aqueles que possuem uma verdadeira visão teísta do mundo este ponto de vista, a priori, é impossível. Será que estamos a recusa em permitir a Deus, pelo menos, tanta liberdade quanto nós possuímos a nós mesmos? É realmente pensável que Deus tem menos espontaneidade da ação do que nós temos? Podemos gostar ou não gostar, dar ou retirar, vai ou não vai, mas o curso da natureza deve fluir em ininterruptamente. Certamente Deus não pode ser concebido como tendo dado tal constituição para o universo como limita seu poder de intervir se necessário e para fins suficiente com o trabalho de suas próprias mãos. Não só são todas as coisas de Ele, mas todas as coisas são por meio Dele, e para Ele. A ressurreição significa a presença de milagre, e "não há evadir o problema com o qual este nos confronta" (Orr, A Ressurreição de Jesus , 53). A não ser, portanto, estamos preparados para aceitar a possibilidade do milagre, toda explicação da evidência do Novo Testamento é um puro desperdício de tempo.

 

Dos últimos anos foram feitas tentativas para explicar a ressurreição, por meio de ideias derivados de Babilônia e de outras fontes orientais. Argumenta-se que a mitologia fornece a chave para o problema, que não só analogia, mas a derivação deve ser encontrado. Mas, para além do notável variedade de conclusões de arqueólogos babilônicos não há nada no caminho de prova histórica digna desse nome. A ideia é arbitrária e sem base, e prejudicado pela atitude para com o sobrenatural. Não há literalmente nenhuma ligação de conexão entre esses cultos orientais e as crenças judaicas e cristãs na ressurreição.

 

E assim voltamos à consideração das várias linhas de prova. Levando-os isoladamente, devem ser admitido para ser forte, mas tomá-los por completo, o argumento é cumulativa e suficiente. Todo efeito deve ter sua causa adequada, e a única explicação adequada do cristianismo hoje é a ressurreição de Cristo. Thomas Arnold de Rugby, nenhum juiz ordinário da evidência histórica, disse que a ressurreição era o "fato best-atestada na história humana." Cristianismo acolhe todos peneiração possível, teste e uso por aqueles que sinceramente desejo de chegar à verdade, e se eles vão dar a devida atenção a todos os fatos e fatores envolvidos, acreditamos que eles vão chegar à conclusão expressa anos atrás pelo Arcebispo de Armagh, que a ressurreição é a rocha da qual todos os martelos de crítica nunca marcou um único fragmento ( a grande questão , 24).

 

  1. Teologia da Ressurreição:

 

A teologia da ressurreição é muito importante e requer uma atenção especial. Na verdade, o destaque dado a ele no Novo Testamento proporciona uma forte confirmação do fato em si, pois parece incrível que tais verdades variadas e importantes não deve descansar sobre fato histórico. A doutrina pode ser brevemente resumidas: (1) probatório : a ressurreição é a prova do caráter expiatório da morte de Cristo e de Sua Divindade e exaltação divina ( Romanos 1: 4 ); (2) evangelístico : primitivo evangelho incluiu testemunho da ressurreição como uma de suas características, provando assim aos ouvintes a certeza da redenção divina ( 1 Coríntios 15: 1-4 ; Romanos 4:25 ); (3) espiritual : a ressurreição é considerada como a fonte eo padrão da santidade do crente. Cada aspecto da vida cristã a partir do início ao fim é de alguma forma com ele (Rm 6) associado; (4) escatológica : a ressurreição é a garantia e modelo da ressurreição do crente (1 Cor 15). À medida que os corpos dos santos surgiu ( Mateus 27:52 ), por isso a nossa estão a ser vivificado ( Romanos 8:11 ), e fez como o corpo glorificado de Cristo ( Filipenses 3:21 ), tornando-se corpo espiritual ( 1 Coríntios 15:44 ), isto é, corpos governados por seus espíritos e ainda corpos. Estes pontos oferecem apenas o mais simples esboço da plenitude do ensinamento do Novo Testamento sobre a doutrina da ressurreição de Cristo. Romanos 1: 41 Coríntios 15: 1-4Romanos 4:25Matthew 27:52Romanos 8:11Filipenses 3:211 Coríntios 15:44

 

Literatura.

 

Orr, A Ressurreição de Jesus , 1908; WJ Sparrow Simpson, A Ressurreição e Pensamento Moderno ; Westcott, A Fé Histórico e O Evangelho da Ressurreição . Referências literárias muito completos em Bowen, A ressurreição no Novo Testamento , 1911, que, embora negativo nas suas próprias conclusões, contém uma refutação valiosa de muitos argumentos negativos.

fonte www.avivamentonosul21.comunidades.net