Translate this Page

Rating: 3.0/5 (905 votos)



ONLINE
1




Partilhe este Site...

 

 

<

Flag Counter


WILLIAM BOOT
WILLIAM BOOT

                           WILLIAM BOOTH (EXERCITO DA SALVAÇÃO)         

                      HISTORIA DO EXERCITO DA SALVAÇÃO

    

"Quanto mais eu vejo da religião na moda, mais eu desprezá-lo", escreveu Catherine Booth. "De fato, como pode a religião moda nunca ser outra que não desprezível?"

Enquanto preparava este problema, eu fui preso por estas palavras fortes.Talvez seja dobrada do historiador em mim, mas eu confesso que eu desfrutar do conforto educada e tranquila de discussões refinados, música soberba, discursos cuidadosamente articuladas. Se eu não tomar cuidado, no entanto, eu posso aplicar estes gostos de expressão religiosa, e em breve eu possa encontrar-me um adepto da religião "na moda".

O Exército de Salvação, especialmente em seus dias de salada com menos de William e Catherine Booth, não foi nada de moda. Era magro, religião desgrenhado, violento e forte. Atraiu-na verdade, ele foi projetado for- "esposa-batedores, fraudes e intimidações, prostitutas, meninos que havia roubado o dinheiro do alimento da família, maridos infiéis, assaltantes e carroceiros que tinham sido cruel com seus cavalos", de acordo com o historiador EH McKinley. "As pessoas respeitáveis ​​pode codorna antes desta avalanche de" paleio "e" velhacaria ': o Exército cheirou sua opinião; o que importava se o Exército cumpridas costumes estabelecidos, desde que o Exército atraiu os pecadores. "

O registro fala para os resultados desta abordagem vigorosa: 112 anos depois de seu início oficial, 3.000.000 membros ministro do Exército, em 91 países do mundo. Mas só os números não conseguem captar a eficácia do Exército. Considere estas afirmações:

• Charles H. Spurgeon: "Se o Exército de Salvação foram exterminados de Londres, cinco mil policiais extras não poderia ocupar seu lugar na repressão ao crime e desordem."

• Booker T. Washington: "Eu sempre tive o maior respeito pelo trabalho do Exército de Salvação, especialmente porque eu tenho notado que ele desenha nenhuma linha de cor na religião."

• Josiah Strong: "Provavelmente não há durante cem anos na história do mundo já não foram salvas tantos ladrões, jogadores, bêbados e prostitutas como durante o último quarto de século, através da fé heróica e trabalhos do Exército de Salvação. "

As vidas de Catherine e William Booth nos forçar a fazer a pergunta: Será que a nossa cristianismo moda ou forte? Religião, ao que parece, tende para um ou outro pólo, ea história mostra que as pessoas e os movimentos de impacto duradouro ter sido o forte.

 

 

 

WILLIAM E CATHERINE BOOTH: VOCÊ SABIA?

William Booth, como um adolescente, era um aprendiz de agiota.

Catherine Booth experimentado longos períodos de doença como uma criança, durante o qual ela lia vorazmente, incluindo livros teológicos e filosóficos muito além de seus anos. Ela leu a Bíblia inteira antes que ela tinha 12 anos.

William viajou pelos Estados Unidos várias vezes em seus últimos anos, atraindo grandes multidões, e se encontrou com o presidente Theodore Roosevelt. Em 1898, ele fez a oração de abertura a uma sessão do Senado dos EUA.

William era um vegetariano, comer "nem peixe, carne, nem carne."

As cabines teve oito filhos próprios, mas eles adotaram um nono, George, sobre de quem mais tarde vida pouco se sabe.

Sete dos oito filhos naturais dos Modulos tornou-se pregadores e líderes e dois como general do Exército de Salvação do mundo conhecido. Os sete canções também todos publicados, que ainda hoje são cantadas.

William liderou a luta contra a prostituição repugnante de Londres de 13 a 16 anos de idade, as meninas; ele coletou 393.000 assinaturas que resultaram na legislação destinada a parar a "escravidão branca".

O Exército de Salvação levou na formação da OSU, operando 3.000 unidades de serviço para as forças armadas.

William foi pioneira na produção em massa de fósforos.

O Exército de Salvação ajuda mais de 2.500 mil famílias por ano através de 10.000 centros em todo o mundo. O seu programa de reabilitação alcoólica residente é o maior em os EUA

William foi agraciado com um diploma honorário da Universidade de Oxford.

William teve um encontro privado com muitos líderes mundiais, incluindo King Edward VII.

Nos primeiros cinco anos do Exército de Salvação, o número de agentes (ministros) mais do que triplicou. O Exército tem hoje 25.000 funcionários em 91 países.

William chamou nenhum salário a partir de fundos do Exército de Salvação, mas recebeu uma permissão de um fundo criado por amigos e simpatizantes.

Tanto Catherine e William escreveu; porções de seus escritos foram traduzidos para mais de 100 idiomas. Além disso, cerca de cinquenta biografias de Catherine e William foram publicados.

A primeira banda do Exército de Salvação foi um pai e três filhos se alistou como guarda-costas para proteger William Booth contra os hooligans. Hoje, existem 908 bandas de música de todo o mundo, além de inúmeros grupos musicais menores, totalizando quase 75.000 membros.

Durante sua vida, William viajou 5.000 mil milhas e pregou 60.000 sermões.

 

A MÃE DO EXÉRCITO

VOCÊ QUER RESPEITO ou não gostam CATHERINE MUMFORD Booth, esposa doce, diminutivo, mas forte de espírito do fundador do Exército de Salvação, William Booth. Em intelecto ela longe destacou presentes modestos do marido; na pregação ela excedeu seu poder de persuasão.Constance M. Coltman pode ter exagerado o caso: "Foi ela que fez um enérgico, mais vulgar, mas simplória dyspeptic em um dos grandes líderes religiosos do mundo."

Catherine nasceu em Derbyshire, em 1829, para os pais metodistas. Seu pai era um pregador e transporte lay fabricante ocasional; sua mãe era uma mulher temente a Deus, que, depois da queda de seu pai de graça ao alcoolismo, viveu uma vida solitária com Catherine como seu único consolo. Exceto por um breve período em uma escola para meninas em Boston (Inglaterra), Catherine aprendeu a ler, contar e analisar em casa.Seus biógrafos falam de sua leitura prodigiosa da Bíblia, teologia e história.

LOVE AFFAIR

Os Mumfords mudou-se para Brixton, no sul de Londres, em 1844. Quando Catherine se recusou a condenar reformadores metodistas em 1850, os Wesleyans expulso dela. Para os reformadores ela liderou domingo classe uma escola para meninas em Clapham. Na casa de Edward Coelhos, em 1851, ela conheceu William Booth, que também havia sido expulso pelos Wesleyans para simpatias de reforma. William estava recitando um poema temperança, "Sonho de The Grog-seller", que apelou para Catherine, que tinha abraçado a nova paixão Metodista de abstinência. Mesmo como uma jovem menina que ela havia servido como secretário de um Temperance Society juvenil.

Em seu aniversário de 23 anos, William levou Catherine casa depois de um serviço, e um caso de amor começou entre este casal aparentemente incompatíveis. Eles não se casaram até 1855, por causa da carreira irregular de William. Mas, nestes anos, por meio de correspondência com o noivo revivalista itinerante, Catherine começou a moldar William para suas crenças para o ministério das mulheres e contra o seu uso ocasional de cerveja para um estômago dyspeptic.

MINISTÉRIO FEMININO

William, agora ordenado pela Metodista New Connexion, passou três anos como evangelista antes da conferência nomeou-o para um "ministério resolvido" em 1857. Catherine desempenhou o papel de esposa de pastor, dar aulas de crianças e reunião com as sociedades das mulheres. Mas o papel não combinava com ela. Ela viu nenhuma razão para que o ministério de uma mulher não deve ser igual a de seu marido.

Durante este período, ela descobriu um modelo, revivalista Wesleyan americana Phoebe Palmer. Com o incentivo de William, Catherine escreveu um panfleto, Ministério Feminino: Direito da mulher para pregar o Evangelho, em defesa da pregação da Sra Palmer. Ela reclamou que a "aplicação injustificável" do conselho de Paulo: "As vossas mulheres estejam caladas nas igrejas", resultou em mais perda para a Igreja, o mal ao mundo, e desonrar a Deus, do que qualquer um dos [seus] erros. "

EMINENT PREACHER

Em janeiro de 1860, após o nascimento de seu quarto filho, ela seguiu seu próprio conselho. Em Gateshead, durante o sermão de William, ela pediu para "dizer uma palavra." Ela testemunhou a sua timidez sobre a reivindicação de seu chamado, mas William anunciou que ela iria falar naquela noite. Ela tornou-se um parceiro no trabalho do marido e logo encontrou sua própria esfera como um poderoso pregador. Muitos concordam que nenhum homem de sua época, incluindo seu marido, ultrapassou-a em popularidade ou resultados espirituais.

Quando a conferência de 1861 atribuído William para outro circuito, ele renunciou seu ministério New Connexion; ele queria fazer trabalho evangelístico. As cabines pregou revivals em Cornwall e País de Gales, em 1861-1862, mas logo Catherine tinha seu próprio itinerário. Em 1864, sua pregação era mais valorizada do que a sua. Em um ponto, uma editora pediu para imprimir seus sermões; ela disse que não tinha escrito para fora.Ela estava simplesmente evitar ferindo o ego de seu marido?

As cabines decidiu mudar-se para Londres, onde ela poderia depender de sua mãe para ajudar no cuidado de sua crescente família de seis filhos.Enquanto William pregou em sua missão East End, ela pregou em igrejas ricas do West End e em resorts de verão. Ela era o arrimo da família; ele não tinha renda para além dos presentes recolhidos por Catherine de clientes ricos. Ela não gostava de ter que escrever "cartas implorando", mas o trabalho de William não poderia existir sem o seu ministério entre os ricos.

SEU PAPEL NO EXÉRCITO

O papel de Catherine na Missão e Salvation Army cristã não é fácil de descrever. Ela não tinha nenhum título, para além de os honoríficos que direito ela se sentar em conferências missão cristã, e sua denominação "Mãe do exército". Nunca fez ela aceitar um rank. Ela era "Mrs. Booth", ou, ocasionalmente, "Mrs. General Booth. " Quando ela e William estavam em casa, não havia nenhum chefe de sua mesa; sentaram-se lado a lado.Quando apareceram em plataformas, eles compartilharam os holofotes.Mas na sua terra de missão, ela adiou a ele.

Além do carinho de seus oito filhos, sete dos quais se tornaram os líderes do Exército, a contribuição única de Catherine para o Exército da Salvação era o seu recrutamento de um grupo muito maior de mulheres das classes trabalhadoras. Este "feminilidade excedente", como Josephine Butler descreveu-os, muitas de cidades pequenas e muitas vezes apenas adolescentes, espalhe o Exército em todo o mundo por 1890. Escritor Evelyn L. Pugh observou que o movimento das mulheres sufrágio "tinha que ser um movimento de senhoras antes poderia tornar-se um movimento de massas ", mas Catherine Booth começou seu movimento para o ministério feminino com massas de mulheres trabalhadora. Depois que ela recrutou-los, ela treinou (com a ajuda de suas filhas) em três a seis meses, no evangelismo prático, gestão básica e alfabetização elementar. As mulheres continuam a fazer-se uma maioria de 25.000 oficiais do Exército, e sua atual geral é uma mulher.

Para o Exército da Salvação, Catherine foi o teólogo, bem como o defensor do ministério das mulheres. Na teologia, ela e William foram exaustivamente Wesleyan e, portanto, mais inclinados a escrever uma disciplina (ordens e regulamentos, no jargão do Exército) do que os tratados doutrinários. Seus livros promovida a ênfase do Exército sobre a santidade e instruiu oficiais na vida cristã (Piedade, 1881; Vida e Morte, 1883; Cristianismo Popular, 1887; e religião prática, 1879). Ela também abordou práticas, preocupações externas (Igreja e Estado, 1883).

Além disso, Catherine estabeleceu a posição do Exército sobre os sacramentos. Após 1883 salvacionistas já não praticava o batismo ou comunhão em seus salões. Alguns defenderam que a proibição era proteger alcoólatras convertido a partir do sabor do suco. É mais provável que ele tinha a ver com ministério de a fêmea falta de vontade dos adoradores de aceitar o sacramento de uma mulher. Periódica do Exército, o grito de guerra, não dá nenhuma instância em que uma mulher presidiu a um serviço sacramental.

Catherine encorajou o Exército no evangelismo. Na década de 1840, muito antes de eles se conheceram, Catherine e William tinha abraçado a teologia de Charles G. Finney de conversão, discutido em palestras sobre Revivalism. Às vezes chamado de método americano, que usou de meios científicos para alcançar fins de salvar almas. Em seu primeiro livro,Aggressive Cristianismo (1880), Catherine delineado o meio pelo qual Deus salva. Ela se referia a Finney como seu guia para técnicas de reanimação: convite para os pecadores para fazer uma confissão pública de fé, toma (incluindo mulheres) participação em oração e testemunho público, porta-a-porta de visitação para espalhar o evangelho, pregando nos lugares onde os pecadores eram mais prováveis ​​de serem encontrados (teatros públicos, salas de música, e ruas). Revival veio por meio da oração e preparação inteligente.

FINAL DAYS

Catherine, com todos os seus trabalhos como uma mãe de oito filhos, evangelista, chefe de família, confidente de seu marido, promotor dos direitos das mulheres, e cruzado moral, usava-se para fora. Ela às vezes se queixou de que ela não poderia fazer tudo o que esperava dela. Ela tinha seus próprios remédios para suas doenças: para tratamentos exemplo, hidropatia, de águas frias que permitiram o organismo a se recuperar por conta própria, sem a interferência de drogas. (Ela ainda fez este ensinamento do Exército da Salvação.)

Assim como William publicou In Darkest Inglaterra e, ao sair, o seu plano de reforma social, Catherine estava morrendo de câncer. Ela aprovou o regime, mas advertiu: ". Elogie-se humanitarismo, tanto quanto quiser, mas não confundi-lo com o cristianismo, nem supor que ela acabará por levar seus seguidores a Cristo" Após sua morte, em 4 de Outubro de 1890, 27.000 pessoas viram o corpo dela Clapton Salão antes de ser removido para Olympia para um grande serviço funeral.

 

 

O GENERAL

Poucos negariam William Booth o título de "O Profeta dos Pobres". Ele é mais conhecido hoje como fundador e primeiro general do Exército de Salvação, uma organização que existe para trazer uma vida melhor para os pobres, tanto através salvação social e espiritual.

APRENDIZ DE PENHORES

No entanto, Booth não veio a este elevado denominação por uma rota direta; ele não foi para a mansão de nascer. Ao contrário, ele nasceu em pobreza relativa, em Sneinton, um subúrbio Nottingham, Inglaterra, em 10 de abril de 1829. Um biógrafo descreveu o pai de William, Samuel, como "um construtor especulativo analfabetos." Sua mãe, Mary Moss Booth, foi a segunda esposa de Samuel . As cabines foram, na melhor classe trabalhadora, com pouca educação. Seu pai, "um Grab, um Get", segundo a definição de William, morreu quando William foi apenas 14. Por esse tempo William estava ajudando a ganhar a renda familiar trabalhando como aprendiz de agiota. Sra Booth saiu correndo de uma pequena loja em um bairro pobre de Nottingham onde vendia produtos domésticos.

INFLUÊNCIAS DE MUDANÇA DE VIDA

Após a morte de seu pai, um casal Wesleyan convidou William para participar capela. A família de William não tinha sido religiosa, embora eles tivessem tido William batizado na igreja paroquial Sneinton (Anglicana), dois dias depois de seu nascimento. A conversão de William aos 15 anos não pode ser corrigido a tempo ou lugar. Vários biógrafos o descrevem como vindo nas ruas de Nottingham, na Broad Street Wesleyan Chapel onde evangelista Isaac Marsden estava liderando um renascimento, ou em uma pequena reunião de oração. William fez lembrar de um longo cerco de convicção, depois de ter feito um lucro em uma transação com um amigo.Lembrou-se do alívio que sentiu quando a sua culpa foi removido.

Logo depois de sua conversão William teve outra experiência de mudança de vida: ouvir revivalista americano James Caughey, que liderou "um despertar religioso notável" no Wesleyan Capela de Nottingham. A corrida de almas para ouvir o evangelho levou Booth para ver que "os resultados alma de poupança pode ser calculado em cima quando os meios adequada são usados​​para sua realização." Booth passou a fazer um compromisso de vida com os métodos científicos Revivalismos de Charles G. Finney .

Com o exemplo de Caughey fresco na mente, Booth e um grupo de amigos partiu para evangelizar os pobres de Meadow Platts. Eles mantiveram noturnas endereços ao ar livre, após o que as pessoas convidadas para reuniões em casas de campo. Seu uso de canções animadas, exortações curtos chamando para uma decisão por Cristo, visitação dos doentes e dos convertidos (cujos nomes e endereços eles gravaram) todos os métodos previstos Booth iria escrever em ordens e regulamentos do Exército de Salvação trinta anos depois.

PARCERIA EQUAL

Durante seu evangelismo leigo adolescente entre Nottingham pobres, Booth ficou frustrado por do clero locais fraco devoção ao revivalismo. Em seguida, seu pastor propôs que o próprio William preparar para o ministério ordenado. William aceitou o reconhecimento oficial por Wesleyanism.

No entanto, Booth adoeceu, e falta de preocupação com o seu bem-estar de sua capela deixou sentindo-se desprezada. Em 1850, através de um mal-entendido, Metodistas Wesleyanos rotulou-o como um "reformador" e levaram o seu bilhete de classe (de adesão). Booth, em seguida, tornou-se pastor de reformar metodistas em Spaulding, embora seus caminhos desorganizados repeliu.

Neste período de desânimo, William conheceu Catherine Mumford.Começando com a sua segunda reunião, em Boa sexta - feira, 9 de abril, 1852, William e Catherine entrou em um dos mais notáveis ​​relações homem-mulher na história religiosa. Eles se casaram em uma capela no sul de Londres Congregacional em 16 junho de 1855.

Quando Catherine começou a pregar, cinco anos depois, eles se tornaram uma parceria evangelística de uma verdadeira igualdade. Na década de 1870 que começou a exigir que todos os casais envolvidos no-an Missão missão East London Christian, sua primeira empresa de reconhecer a dupla natureza do ministério marido-mulher. Seu compromisso com o ministério feminino em última análise, fez com que o Exército de Salvação de suspender, em 1883, a sua prática dos sacramentos; leigos recusou-se a aceitá-los como praticada por policiais femininas.

MISSÃO AO MOVIMENTO MILITAR

Em 1854, William foi ordenado no Methodist New Connexion. Em 1861, ele descobriu que o "ministério resolvido" não combinava com ele, e ele renunciou. Ele e Catherine tornou-se evangelistas itinerantes no País de Gales, Cornwall, eo Midlands, "queimou-over" distritos da Grã-Bretanha.

Booth tinha visto nenhuma carreira para si mesmo no evangelismo urbano, quando ele deixou o New Connexion. Mas um convite para Catherine para pregar em Londres, em 1865, levou-o a aceitar o apoio de missões de East London gerência leigos como uma solução temporária para o seu dilema profissional. Ele logo organizou sua própria Leste Missão Cristã Londres, que, em 1870, se assemelhava a uma sociedade Metodista. East London era, nas palavras de um escritor, "um labirinto esquálido, com meio milhão de pessoas, 290 para o acre. Toda quinta casa era uma loja de gin, ea maioria tinha etapas especiais para ajudar até mesmo os menores [crianças] chegam ao balcão. "Este edifício foi anteriormente ocupado pelo pub Estrela do Oriente.

Sua missão não conseguiu atrair as "massas pagãs", no entanto. Assim, em 1878, ele não excitado, dando-lhe o nome de "Exército da Salvação", uma idéia que ele emprestado do Movimento Voluntário britânico sucesso, em que milhares de homens da classe trabalhadora descobriu que soldiering civil durante suas horas de lazer lhes deu novo status.

O Exército de Salvação se esforçou para ganhar convertidos em East End de Londres e outras áreas urbanas em que mobs irlandeses atacaram intrusos Wesleyan em seus bairros. Então Booth novamente encontrou uma idéia popular de que resolvido os seus problemas. Mulheres salvacionistas, que trabalham em favelas desde 1883, convenceu-o de que as atividades de reforma poderiam salvar os pecadores de um ambiente urbano pagãos e insuflar nova vida em sua missão.

Booth acordado, o que em última análise, levou-o a tornar-se o líder de uma missão evangelística em todo o mundo e um reformador social de renome. No momento da sua morte, em 20 de agosto de 1912, o Exército da Salvação havia se tornado um império cristão de gerência familiar, com sete dos oito filhos Cabines (uma filha era retardado) tomando posições de liderança. (Quatro deles eram mulheres, e um, Evangeline, tornou-se quarta-geral do Exército em 1934.) William Booth legou a seu filho Bramwell o generalato do Exército da Salvação, uma organização religiosa e social de serviços cujos 15.945 oficiais "ocupada" 58 países e colônias. Hoje, seguindo o padrão estabelecido pelo primeiro general, o Exército da Salvação em marcha com mais de 25.000 funcionários em 91 países.

 

PIONEIRA NO MINISTÉRIO FEMININO

NOS MESES INICIAIS DO 1878, um jovem de 18 anos e sua colega chegou na estação de trem em Barnsley, Yorkshire, embarcou em uma cruzada. Ela tinha sido enviado por William Booth para abrir uma filial da Missão cristã nesta cidade mineira. Aqui o trabalho era duro, quando ele estava disponível, e as pessoas estavam acostumados com as frequentes mudanças de sorte que a industrialização traz.

O adolescente foi Rose Clapham, um trabalhador de fábrica sem educação do sul de Londres, cuja tarefa era encontrar sua própria congregação, persuadi-los no maior prédio da cidade, o teatro local, e de pregar até que eles se renderam a Cristo.

Ela relatou o que aconteceu na edição de setembro 1878 da  Missão Cristã revista:

"Na segunda-feira eu fui para o ar livre com o meu colega, Jenny Smith, e quando nos viram duas coisinhas ficar ali, centenas de mineiros de carvão [mineiros de carvão] veio à nossa volta de uma só vez. Depois tivemos nossa reunião, nós caminhamos para o nosso hall. . . os mineiros vieram depois de nós, e Deus tocou o coração. . . . Tivemos cerca de 700 [decisões para Cristo], uma vez que fomos lá. . . temos 140 membros, e todos eles podem pregar melhor do que eu ".

Rose Clapham era um de um verdadeiro exército de "Hallelujah" Lasses -Trabalhar mulheres de classe, mal educado e muitas vezes extremamente jovens, que foram apanhados no fervor revivalista da missão cristã de William Booth. Suas atividades (juntamente com os de seus colegas do sexo masculino) entre 1878 e 1885, transformou uma missão do centro da cidade em uma cruzada nacional.

Seis das sete mulheres que, com George Scott Railton, pioneiro no trabalho oficial do Exército em os EUA em 1880. Apenas uma mulher foi mais de 20 anos de idade; seu único treinamento foi durante a viagem da Inglaterra.Apesar disso, em menos de 3 meses, as mulheres tinham fundada há 10 corps, com 200 serviços por semana.

Como, ou de quem, se este grupo heterogéneo de heroínas adolescentes surgem?

UM FENÔMENO RARO

Catherine Booth, esposa de William e mãe de seus oito filhos, foi refinado e bem-educado, em um molde muito diferente dos pregadores garota que parecia a ela em busca de inspiração e apoio. Eloquente e convincente no discurso, articular e devastadoramente lógica por escrito, ela teve há mais de 20 anos defendeu o direito das mulheres de pregar o evangelho, nas mesmas condições que os homens. Na primeira, Catherine e seu marido haviam compartilhado um ministério como evangelistas viajando, mas agora ela estava em grande demanda como um pregador em seu próprio direito, especialmente entre os afazeres bem-. Uma mulher pregador era um fenômeno raro em um mundo onde as mulheres tinham poucos direitos civis, não há lugar nas profissões e empreendimentos só raras para o brilho da publicidade. Catherine Booth era ao mesmo tempo uma mulher e uma multa pregador, uma combinação magnética que atraiu um grande número de ouvi-la e fez sua própria declaração sobre a validade do ministério das mulheres.

A CONVICÇÃO CRESCENTE

Piedosa educação de Catherine Mumford, abrigada na pequena cidade de Ashbourne, Derbyshire mercado, mal parecia qualificá-la para um papel público e os rigores que vêm para a esposa de um evangelista. Sua mãe era uma modelo de piedade vitoriana, um dos pilares da Igreja Metodista local e rainha de sua casa, que ensinou sua única filha os rudimentos da educação e os deveres de classe média feminilidade vitoriana.

Mas, durante a adolescência de Catherine a curvatura da coluna levou a anos de ociosidade forçada. Neste período, o desenvolvimento mental e espiritual de Catherine saltou para frente. Ela começou a ler vorazmente os escritos de autores evangélicos favoritos de ambos os lados do Atlântico.Charles Finney e James Caughey dos Estados Unidos, os Wesley e Adam Clarke da Inglaterra, ajudou a trazer em primeiro lugar, a garantia de sua salvação, e, em seguida, uma crescente convicção de que nas mulheres ideais da igreja estaria livre para pregar o evangelho e share no ministério cristão ao lado dos homens.

A matéria queimado em sua mente durante vários anos. Não parece ter havido nenhum pensamento consciente que ela mesma iria pregar, mas a falta de liberdade para as mulheres a exercer dons espirituais enfureceu-como fez a maneira casual em que mulheres e homens aceito tanto o status quo. Certamente uma igreja cristã que pregava um evangelho libertador para os homens e as mulheres não podiam algemar o sexo feminino em sua vida e prática. Suas acusações começaram a derramar sobre papel; os escritos revelam os sentimentos fortes de este, jovem tímida.

Na década de 1850, Catherine conheceu William Booth, um jovem pregador rapidamente fazer um nome para si mesmo com a Metodista New Connexion. Como seu afeto cresceu em relação ao casamento, Catherine compartilhado com ele suas convicções emergentes. Com uma inteligência maior que o seu, ela pediu-lhe para considerar sua posição sobre o ministério feminino. Ela seja futuro marido não estava muito impressionado, como evidenciado por esta carta para ela: "Eu não pararia uma mulher pregar em qualquer conta. Eu não iria incentivar um para começar. . . . Eu não ficaria  você  se eu tinha o poder de fazê-lo. Embora  eu não deveria gostar dele . Sou a favor da salvação do mundo; Vou brigar com nenhum meio que promete ajuda ".

SUA TREATISE POWERFUL

Nos primeiros anos de casamento de Catherine, ela escreveu  Feminino Ministério , que incorporou o pensamento e convicções tanto tempo estabelecido em suas cartas.  Ministério Feminino  foi um pedido de desculpas curta, poderosa para os direitos das mulheres para pregar o evangelho, escrito em defesa do pregador americano Phoebe Palmer, cuja pregação causou uma grande agitação na área onde os estandes viveu. O panfleto identifica três grandes princípios em que suas convicções descansado.

Primeiro, Catherine viu que as mulheres não são nem naturalmente nem moralmente inferiores aos homens. Em segundo lugar, ela acreditava que não havia nenhuma razão bíblica para negar-lhes um ministério público.Em terceiro lugar, ela sustentou que o que a Bíblia pediu, o Espírito Santo tinha ordenado e abençoou e assim deve ser justificada.

A igualdade absoluta entre homens e mulheres diante de Deus constitui a pedra angular do pensamento de Catherine Booth. Mulheres foi negado o direito lhes foi negado qualquer outro cargo-de público a noção equivocada de que a Bíblia ensina sobre mulheres como pregar-. Lugar de Eva em toda a tragédia da depravação humana tinha criado um profundo sentimento de inferioridade em que as palavras  sujeição  e  submissão  tinha tanto uma social e uma conotação religiosa. Catherine permitiu que a Queda teve colocar as mulheres em sujeição, como consequência do pecado, mas para deixá-los lá foi rejeitar a boa notícia do evangelho. A graça de Cristo restaurou o que o pecado tinha tirado, para que os homens e as mulheres agora eram um em Cristo.

Era inconcebível para Catherine que a igreja cristã, o veículo do evangelho que liberta os homens, deve negar às mulheres o direito de exercer um ministério público. Ela argumentou que uma tal negação não pode ser suportado a partir da Bíblia, que, longe de proibi-la, exorta claramente homens e mulheres a ir para o mundo com a Boa Nova. Textos isolados não devem ser arredondadas para construir um sistema de desigualdade e sujeição. "Se ela tem os dons necessários e sente-se chamada pelo Espírito para pregar, não há uma única palavra em todo o Livro de Deus para contê-la, mas muitos, muitos mesmo, para exortar e incentivá-la."

Mas o argumento mais poderoso de Catherine estava na área do trabalho do Espírito Santo na Igreja. "Se a Palavra de Deus proíbe o ministério feminino", ela conclui, "gostaríamos de pedir como acontece que muitas das servas mais devotos do Senhor se sentiram constrangidos pelo Espírito Santo para exercê-la? . . . a Palavra e do Espírito não pode entrar em contradição entre si. "Se Deus havia colocado no coração de mulheres cheios do Espírito Santo o desejo de pregar, se seu ministério, uma vez iniciada tinha sido abençoado por Deus, como pode a Palavra de Deus nos livre dele? Era razoável acreditar que era possível.

Esse argumento faz com que o chamado divino, ao invés de a sanção da igreja ou bispo, o elemento vital no ministério. O Deus vivo escolhe quem ele vai, e ao fazê-lo a autoridade da igreja e Escritura é reforçada. Todos oficialato do Exército da Salvação, masculino e feminino, repousa sobre essa premissa.

PRIMEIRO PASSO PARA O PÚLPITO

Em 1860, a jovem que havia escrito tão poderosamente no ano anterior ainda não tinha se aventurar no discurso público e levá-la primeiro passo para o púlpito. Ela provavelmente tinha conhecido há anos que esse momento chegaria, mas o evento em si, no Domingo de Pentecostes [Pentecostes] 1860, parece ter tomado tanto ela quanto o marido de surpresa. Em grande agitação, Catherine deixou seu banco em Bethesda Chapel em Gateshead como o serviço estava concluindo. Ela indicou para o marido ministro ", eu quero dizer uma palavra." Depois de um momento da confissão chorosa e empenho de Catherine, William Booth anunciou que sua esposa estaria pregando no culto da noite e seu ministério público tinha começado.

Quando ela começou a pregar, Catherine cuidou de uma família de seis, e a família cresceu ao longo dos próximos anos. As inúmeras demandas para pregar tinha que ser equilibrado com as obrigações familiares: "Eu não posso dar tempo de preparação, a menos que eu posso dar ao luxo de colocar a minha costura para fora", escreveu ela. "Ele nunca parece ocorrer a qualquer um que eu não posso fazer duas coisas ao mesmo tempo. . . ."William Booth era frequentemente doente naqueles primeiros anos, e mais tarde sua própria doença tomou seu pedágio em tempo e energia. No entanto, desde o início, ela tomou seu lugar ao lado de seu marido; como a criança Exército da Salvação cresceu na adolescência turbulenta seu papel matriarcal era carinhosamente expressa no termo "a Mãe do Exército."

Catherine Bramwell-Booth, sua neta e biógrafa, justamente sublinha que, eficaz como campeonato por escrito da Catherine de pregação das mulheres tinha sido, ele teria tido um impacto muito menor que ela tinha provado ser um pregador pobre. Mas os ouvintes de Catherine foram imediatamente tomadas por sua forma suave, e na hora seguinte ou mais pego por seu forte apelo à mente e consciência. Seu filho Bramwell escreveu sobre ela: "Ela me lembrou uma e outra vez de conselho pleiteando com o juiz e júri para a vida do prisioneiro. A atenção fixa do tribunal, o domínio dos fatos, o auto-esquecimento absoluto do advogado, o fluxo e refluxo de sentimento, o silêncio durante as passagens vitais, todos estavam lá. "Este tom judicial é corroborada no comentário feito por o pai do Arcebispo Davidson ouvidas Catherine falar: "Se alguma vez eu estou acusado de um crime, não se preocupam em obter qualquer um dos grandes advogados para me defender; obter essa mulher. "

A DECLARAÇÃO DE PRÁTICA

Não é de admirar, então, que o "Hallelujah Lasses" como Rose Clapham olhou para a mãe do exército com orgulho e foram liberados para realizar o seu próprio ministério nas ruas e becos da Inglaterra vitoriana. Ray Strachey, um historiador início do movimento de mulheres, comenta sobre a influência dessa igualdade entre os sexos prático: "Enquanto as organizações feministas regulares foram assistir aos políticos. . . O Exército de Salvação foi realizando uma lição que era muito mais fácil de entender.Os Aleluia Lasses não foram conscientemente pregando feminismo. . . mas como eles iam para o seu negócio que ensinou a outra lição, também, dessa forma tranquila e prático que melhor carrega convicção. "

Há quase um ar de discriminação positiva em relação às mulheres nas ordens e regulamentos elaborados por William Booth:

"As mulheres têm o direito a uma parcela igual com os homens no trabalho de publicação de salvação.

"Uma mulher pode ocupar qualquer posição de poder e autoridade dentro do Exército.

"A mulher não é para ser mantido de volta a partir de qualquer posição de poder ou influência por conta de seu sexo.

"As mulheres devem ser tratados como iguais aos homens em todas as relações intelectuais e sociais de vida."

Para definir mulheres livres para pregar o evangelho, Catherine Booth merece um lugar na história do feminismo do século XIX. Ela também trabalhou ao lado de outros para os direitos das mulheres, nomeadamente com a santa Josephine Butler em sua cruzada contra a exploração de jovens raparigas, conhecidas como o tráfico de escravos branco. Mas razões de Catherine para fazê-lo não saltou tanto de suas convicções feministas, a partir de sua abrangente visão do poder do evangelho cristão. "O cristianismo real," ela disse em seu último sermão ", é conhecida por seu fruto. . . para a felicidade, libertação e emancipação dos escravos da terra, para o resgate das mulheres oprimidas do mundo, para o cuidado e consideração que infunde para as crianças pobres e indefesos, para a idéia de justiça que traz por onde passa . "

Por Catherine Booth, defendendo a causa das mulheres surgiu a partir de sua compreensão dos efeitos libertadora do Evangelho. Ela não parecia tanto com os direitos naturais como para a direita esmagadora de homens e mulheres para se tornar, por meio da fé em Cristo, filhos de Deus e herdeiros de todos os dons de humanidade redimida. Por esta razão, ela está alto e continua a falar com todos os que partilham uma esperança comum. 

 

MINISTÉRIO FEMININO

Parece haver uma grande dose de medo desnecessário de mulher ocupar qualquer posição que envolve publicidade, para que ela não deve ser processado unfeminine pela condescendência de ambição ou vaidade. . . .Quem se atreveria a cobrar o santo Madame Guyon, Lady Maxwell, a mãe talentoso de Wesley, a Sra Fletcher, Sra Elizabeth Fry, Mrs. Smith, a Sra Whiteman, or Miss Marsh com ser pouco feminina ou ambicioso. . . . Quem dera que o povo do Senhor tinha mais desta ambição.

Bem, mas dizem que os nossos amigos que contestam, como é que aqueles cujos nomes que você menciona, e muitos outros, deve se aventurar a pregar quando o ministério feminino é  proibido na Palavra de Deus?

Se ela tem os dons necessários, e sente-se chamada pelo Espírito para pregar, não há uma única palavra em todo o livro de Deus para contê-la, mas muitos, muitos mesmo, para exortar e incentivá-la. Deus diz que ela deve fazê-lo, e Paul prescrito a maneira pela qual ela deve fazê-lo, e Phoebe, Junia, quatro filhas de Filipe e muitas outras mulheres realmente pregou e falar nas igrejas primitivas.

Parabenizamos os seguintes textos do Novo Testamento para a análise cuidadosa dos nossos leitores.

"E peço também a ti, meu verdadeiro companheiro, ajudar essas mulheres que trabalharam comigo  no  evangelho, e com Clemente, e com os outros meus companheiros de trabalho "(Filipenses IV: 3).

Este é um reconhecimento dos  trabalhadores do sexo feminino , não  a respeito  do Evangelho, mas no Evangelho, a quem aulas com Paul Clement, e outros de seus companheiros de trabalho. Precisamente os mesmos termos são aplicados a Timóteo, a quem Paulo estilos um "ministro de Deus, e seu companheiro de trabalho no Evangelho de Cristo "(I Tessalonicenses iii: 2).

Como já observado antes, o texto, I Coríntios xiv: 34, 35, é a  única  em todo o Livro de Deus, que mesmo por uma falsa tradução pode ser feita de proibição de falar do sexo feminino na igreja; como ele vem, então, que por esta passagem isolada, o que, de acordo com os nossos melhores autoridades gregas, é erroneamente rendida e mal aplicada, os lábios de mulher foram selados por séculos, e o " testemunho de Jesus, que é o espírito de profecia , "silenciados, quando concedida a ela? . . .

Graças a Deus o dia está amanhecendo com relação a este assunto. As mulheres estão a estudar e investigar por si mesmos. Eles estão reivindicando a ser reconhecidos como seres responsáveis ​​e deve responder perante Deus por suas convicções do dever; e, instado pelo Espírito Divino eles estão ultrapassando essas barreiras não bíblicas que a Igreja tem muito tempo criados contra o seu desempenho.

Se a Igreja irá permitir que as mulheres falem na  suas  assembléias só pode ser uma questão de tempo; o senso comum, a opinião pública, e os benditos resultados da agência fêmea irá forçá-la a dar-nos uma prestação honesta e imparcial do texto solitário na qual ela motivos seus proibições.Então, quando a verdadeira luz brilha e obras de Deus tomar o lugar das tradições do homem, o médico da divindade que deve ensinar que Paul comanda mulher a ficar em silêncio quando o Espírito de Deus pede a ela para falar, vai ser considerada da mesma forma como devemos considerar uma astrônomo que deve ensinar que o sol é satélite da Terra.

 

DIRETORES DE WILLIAM BOOTH

Em sua adolescência, William Booth incentivou um grupo de pessoas necessitadas e roughs para participar de sua Capela Wesleyan. Sua visita e sua audiência em local bem visível ofendeu muito os anciãos e congregação.Booth foi fortemente advertiu contra uma repetição.

Este e outros atos tornou-o impopular na Capela. Mas desde cedo William Booth não estava preparado para ser ditado sobre questões religiosas sentiu fortemente. Booth sentiu-se do pobre, para que ele acreditava que poderia atrair os pobres; pregadores devem pregar a sua própria classe.

Ao assumir o cargo da Associação Revival Christian em 1865, Booth empregado, sempre que possível, os membros da classe trabalhadora. Ele considerou estes os mais propensos a ganhar uma audiência de seus companheiros de trabalho. Assim, em 1870, quando Booth foi perguntado de onde seus pregadores para a Missão Cristã viria, ele respondeu: "Desde as casas públicas. Homens que sentiram o fogo vai ser os melhores homens para resgatar os outros. "

A WORKING-CLASS

O uso de ministros da classe trabalhadora não era um conceito novo. As denominações não-conformistas teve por muitas décadas aceites tais ministros (embora em números variados consideravelmente). Igreja, capela, e as missões cidade independentes foram muitas vezes liderados por homens de origem da classe trabalhadora. As mais recentes pesquisas mostram, no entanto, que o Exército de Salvação teve o maior percentual de pessoas da classe trabalhadora em seu diretor / ministro classifica: 94 por cento. (A próxima maior percentual estava entre os metodistas primitivos, 56 por cento de cujos líderes vieram da classe trabalhadora. Numericamente, no entanto, os metodistas primitivos eram a denominação maior). É evidente que o Exército de Salvação não sofrem de dominação de classe média e da resultando divisão social entre os funcionários e as pessoas, como foi o caso na maioria das igrejas.

URBANOS, REGIÕES INDUSTRIAIS

Fora a própria Londres, os municípios contribuem o maior número de oficiais estavam nas regiões industriais da Inglaterra, principalmente no norte. Nessas regiões, a produção de mineração de carvão, ferro e aço, e na fabricação de têxteis dominado. A indústria têxtil empregado como tantas mulheres como homens e contribuiu com um número significativo de oficiais do sexo feminino. Além disso, os servidores interiores domésticos, encontrados em grande número nas concentrações industriais, reuniram-se para o Exército, e muitos tornaram-se oficiais. Desde alguns oficiais foram registrados como provenientes de comunidades agrícolas, é claro que o movimento chamou seu principal apoio das comunidades industriais.

DESCONTENTES METODISTAS

Uma grande parte dos oficiais tinham fidelidade anterior a um dos numerosos ramos do Metodismo. Superficialmente, isso sugere uma "caça furtiva" direto de membros, em vez de uma campanha bem sucedida de atingir as massas. No entanto, evidências de uma variedade de estudos sugere que a Metodista foi usado às vezes como um rótulo comum, com pouca, ou nenhuma, presença em reuniões religiosas quis dizer com isso. O nome simplesmente refletiu a mais poderosa tendência religiosa em uma área. Booth declarou que o Exército "confessa abertamente a sua oposição a aceitar como membros quaisquer que pertencem a nenhuma das igrejas, preferindo a cerva." Assim, embora o Exército não foi talvez totalmente alcançar os não convertidos, muitos oficiais tinham, de fato, tinha nenhuma experiência religiosa anterior, ou eles tinham negligenciado religião.

Por outro lado, o Exército desde um refúgio espiritual para os muitos metodistas que não gostava do sentimento crescente entre eles de estar em casa no mundo e perder desejo consumidor de Wesley para salvar os perdidos. A Missão Cristã revistas registro um número crescente de evangelistas pagos ao abrigo controle de Booth, atingindo um total de cerca de sessenta em 1878; dos sessenta, dezessete são conhecidos por terem tido alguma experiência anterior de igreja ou capela. A maioria delas tinha conexões metodistas e parecem ter sido atraído pela abordagem Methodistic de Booth, por sua reputação anterior nas capelas, e pelo seu sucesso atual.

TANTO HOMENS COMO MULHERES

Cerca de um quarto destes sessenta primeiros evangelistas eram mulheres, mas a Missão Movimento Home (desencadeada por um reavivamento religioso em 1859 e resultando em um desejo generalizado de ajudar as massas) e Metodismo eram essencialmente masculino tendenciosa. É, de fato, surpreendente que tantas mulheres estiveram activamente envolvidos.Depois primeiros anos da Missão Cristã, as mulheres se juntou em números crescentes, sem dúvida inspirado nos escritos e liderança de Catherine Booth. As nomeações de Oficiais, 1883 listas de informações pessoais em 723 do sexo masculino e 746 oficiais do sexo feminino. A análise deste material mostra que o maior número de mulheres que unem veio do grupo 17-21 anos (com duas meninas 14 gravada em geral). Entre recrutas do sexo masculino, os maiores números vieram aqueles com idade entre 20 a 23.

SINGLES, PRIMARIAMENTE

A grande maioria dos oficiais do sexo feminino eram solteiros, assim como quatro quintos dos homens. No entanto, as nomeações de diretores de 1883enumera 127 homens casados. Este número é importante, porque as esposas eram esperados para ajudar a executar o corpo. Desde as esposas não foram obrigados a freqüentar os cursos de oficiais na Casa de Formação, eles não receberam uma comissão e, portanto, não aparecem na lista. Eles estavam no corpo, no entanto, e, portanto, o Exército tinha quase 7 por cento mais "oficiais" do que o indicado.

Um oficial de sucesso deve ter tido alguma segurança financeira e social, se este número de homens de família é tomado como um indicador. A maioria dos oficiais do sexo masculino que se casou com permaneceu no oficialato.Na verdade, General Booth teve uma política activa de encorajar os oficiais a se casar. As nomeações de Oficiais, 1883 listas de trinta e seis casais que tinham feito, a mulheres demissionários seus próprios direitos de oficialato se tornar oficiais conjuntas com seus maridos.

A perda dos direitos das mulheres dos oficiais quando casar contradiz a afirmação constante em matéria de igualdade. Os líderes do Exército foram claramente não tão radical a ponto de perder o conceito de superioridade conjugal do homem. Eles também levaram esta política social em pagamento; o marido, como chefe da família, recebeu o pagamento para o casal. Esta política permanece até hoje. (A idéia de que agentes do sexo feminino solteiro poderia gerir com menos dinheiro do que os homens, no entanto, foi abolida desde antes da Segunda Guerra Mundial. Até esse momento, oficiais do sexo masculino receberam um terço a mais de salário do que os seus homólogos do sexo feminino).

Relatos e biografias Os primeiros dos oficiais revelam uma convicção comum de ter uma causa. Os evangelistas de longa servindo tinha uma determinação para trabalhar duro, independentemente das suas "dissolutos" dias de pré-Missão. ( Dissolute é um termo relativo que poderia significar qualquer coisa de deboche à bebida ocasional;. para as cabines de nada disso era mau) Após a conversão, a determinação foi impregnado com o protestante trabalho árduo trabalho ética para obter um rewardin Neste caso, traduzida em termos espirituais. Longas horas foram gastas pregação e "salvar almas" por uma recompensa celestial.

Em alguns casos, a possibilidade de um salário regular e a regularidade de um evangelista eram iscas, mas, sem dúvida, a principal razão para as pessoas se juntou era uma determinação para trabalhar duro em uma causa em que acreditava apaixonadamente na.

Outros fatores claramente importante para atrair novos oficiais incluíram o seguinte:

  • aparente igualdade do Exército de homens e mulheres, ao contrário da subjugação das mulheres na religião em geral
  • o sentido claro de direção (controle autocrático)
  • o unritualized Metodismo, básico de adoração free-style e "fogo do inferno" pregação
  • a demanda aparentemente insaciável para oficiais
  • a facilidade de entrada nos postos de oficiais, em comparação com a de qualquer outro grupo religioso.

Inicialmente, o treinamento teve, mas algumas semanas e consistiu na mais elementar conhecimento da Bíblia; habilidades necessárias para a administração do Exército (aritmética simples e básicas de leitura); e broca (marcha e exercícios físicos) todas as manhãs. Aos poucos, o tempo de treinamento alongou em vários meses, e mais detalhes foram adicionados, especialmente em estudos bíblicos e conhecimentos gerais. Isso não quer dizer que os oficiais tinham uma grande quantidade de formação teológica.Eles foram obrigados apenas a concordo plenamente com as crenças básicas de Booth em Deus e Satanás; céu e inferno; A morte de Cristo para salvar os pecadores; e no conceito de que, sem conversão nenhum pecador poderia ser salvo. Seu sucesso foi marcado não em termos de aprendizagem, mas no número de pecadores que eles poderiam salvar. Diretores foram instruídos a pregar a todas as pessoas se eles iriam ouvir ou não. Booth sentiu que a grande maioria dos próprios ministros impedidos de alcançar as pessoas por não fazê-los ouvir.

POR QUE ALGUNS RESIGNADO

Demissões aparentemente atormentado O Exército de Salvação em toda muitos de seus primeiros anos. Não há razões óbvias para isso sugere-se, embora, por vezes, os oficiais experientes oposição brutal. As freqüentes mudanças de um local para outro (geralmente a cada quatro ou cinco meses), e da pressão geral do trabalho sobre os jovens oficiais individuais também foram os culpados.

As expulsões das fileiras oficial, por vezes, depois de um "conselho de guerra", realizou-se por uma série de razões, tais como "light e de conduta frívola e conversa contrair um compromisso matrimonial sem o consentimento da Sede (e) o mau comportamento na presença do inimigo" (Grito de Guerra , 29 dez 1879). Razões incluiria também um retorno para beber e uma recusa a obedecer a ordens ou organizar o corpo de acordo com as instruções estritas de Booth.

Capitão Gipsy Smith, em sua despedida do corpo em Hanley, Inglaterra, em 1882, recebeu um relógio de ouro das igrejas livres em reconhecimento dos seus serviços. Ao receber o relógio, Gipsy Smith cometeu um erro, e apesar de várias solicitações e pedidos de desculpas por parte das Igrejas livres, as cabines negou provimento ao homem. (Mais tarde, ele desenvolveu uma reputação internacional como um evangelista.)

Tal exercício do poder pela família Booth pode ser considerado tirânico, mas é preciso lembrar que ele produziu resultados. Infelizmente, estes resultados não foram sempre os mais desejados. Não havia como pará William e Catherine Booth em seu trabalho, e até mesmo após a morte de "A Mãe do exército" em 4 de Outubro de 1890, William estava sempre certo!Essa crença tenaz causou a perda de um número de agentes de bem-educados e brilhantes. Estes incluíram seu segundo filho, Ballington, que, enquanto Territorial comandante dos Estados Unidos da América, se separou em janeiro de 1896 para formar os voluntários de América. Outro foi Frank Smith, um alto funcionário cujas tendências para proteger os trabalhadores através de movimentos de trabalhadores e política valeu-lhe repreende da Geral. Sem dúvida, no entanto, muitos dos esquemas de Smith formaram a base para a grande obra social de Booth, In Darkest Inglaterra e The Way Out . Foi talvez inevitável que os dois homens iria colidir sobre o controle do Exército reforma social Wing. Smith renunciou, mas continuou a defender o trabalhador e, eventualmente, tornou-se um membro do Parlamento.

AS CRESCENTES FILEIRAS

Inequivocamente, qualquer que seja desvantagens havia em se tornar um oficial, muitas centenas correram para fazer exatamente isso.

O controle autocrático e habilidades organizacionais de William Booth significava que, de 1865 a meados de 1878 (quando a Missão Cristã tornou-se o Exército de Salvação), o movimento cresceu de uma única tenda para trinta e um estações. A maioria dos registros britânicas sobre os primeiros oficiais foram destruídos na noite de maio 10/11, de 1941, quando os bombardeiros alemães atingiu Sede Internacional do Exército de Salvação, em Londres. Dois dos sobreviventes três listas, no entanto, mostram um crescimento rápido de 190 oficiais e 124 corpos, em dezembro de 1879, para 233 oficiais e 135 corpos de menos de oito meses depois. Crescimento mais rápido do Exército de Salvação na Inglaterra e no País de Gales ocorreu neste período do Congresso Guerra de 1878 até o final de 1883. Um total de 519 corpos (centros de culto) haviam sido estabelecidas com sucesso pela última data, e cada corpo precisava pelo menos um agente para comandá-la.

Apesar da dureza aparente de comando supremo do Exército, mais e mais recrutas oficial apresentaram-se a Formação inicial do Exército durante os anos 1880 e 1890. Eles vieram em números aproximadamente iguais de cada sexo, embora os recrutas eram geralmente mais velhos, e mais foram casados, por esta última década. Isto pode ser tomado como um sinal da crescente "respeitabilidade" com que o Exército foi realizada.

O sucesso de William Booth em atrair oficiais, que por sua vez eram capazes de reunir um grande público, estava em sua adoção de princípios primeiros metodistas: um esforço determinado para atrair a atenção das pessoas; uma ênfase na escolha de um indivíduo para ser salvos ou condenados; e liberdade na adoração. O Exército conseguiu tocar os corações de dezenas de milhares de homens e mulheres da classe trabalhadora. Muitos deles tornaram-se oficiais e dedicaram-se a uma vida de abnegação ao serviço da humanidade.

 

 

GRANDE OPOSIÇÃO

Drive 'EM NO PORTO, ou então no inferno. Leve sua bandeira, e amarrá-lo ao pescoço e pendurá-los! "Essa foi a ordem do prefeito de Folkestone, na Inglaterra, quando o corpo do exército na cidade tinha apenas alguns meses de idade. Infelizmente para os salvacionistas pioneiros, muitos toughs fizeram o seu melhor para levar a cabo a sua instrução.

Antagonismo real cresceu no início dos anos 1880, quando publicanos [proprietários de taverna] tornou-se preocupado com o número de seus clientes que estavam se juntando O Exército de Salvação e eram, portanto, já não bebem. Em algumas cidades as pessoas ressentia de ser lembrado por pregadores de rua de seus caminhos de pecado e do acórdão que se seguiria; em outros lugares propósito do Exército foi mal interpretado por cristãos professos, que se opuseram a interpretação do novo movimento do evangelho. Em várias áreas moradores se opuseram à perturbação do seu silêncio domingo pelo canto e band-playing do Exército nas ruas. . . .

Quando William e Catherine Booth visitou Sheffield, em janeiro de 1882, o sucesso de suas reuniões de domingo assim que irritou os inimigos do exército que uma gangue local conhecido como "Blades" decidiu assaltá-los.. . . Mais tarde naquele dia, como William Booth revisado suas tropas coberto de sangue, lama, e gema de ovo, os seus instrumentos de metal golpeado além do reparo, ele suggested- "Agora é a hora de ter as suas fotografias tiradas!" Nesse um ano na Grã-Bretanha sozinho quase setecentos pessoal do Exército foram brutalmente agredidos nas ruas, simplesmente para pregar o evangelho. . . .

Algumas das perseguições sofridas pelos salvacionistas teve efeitos muito mais graves. Em Guildford, Inglaterra, uma mulher morreu depois de ser chutado e bateu insensível. . . . Em os EUA, um soldado do corpo de St. Louis foi espancado, apedrejado, e pulou em cima até que ele morreu. Uma mulher soldado foi assassinado em Pontiac, Michigan. Um porteiro morreu de esfaqueamento em San Francisco. Um capitão mulher foi baleado e morto em Spokane, Washington. . . .

Com a virada do século, veio a virada da maré de perseguição. Os governos começaram a entender o que o Exército se propôs a fazer. A polícia viu as vidas mudadas de ex-criminosos; guardiões da lei encontraram o seu trabalho facilitado pelo sucesso do Exército de Salvação. Os membros de outras organizações cristãs, que a princípio desprezada forma não convencional de William Booth de apresentar o cristianismo para o público, juntou-se com as pessoas comuns na rua em sua reavaliação.

 

O EXÉRCITO DE SALVAÇÃO: A CRUZADA MISSIONÁRIA

QUANDO William Booth e seus associados reuniram-se em Londres em 1878 para transformar a sua organização evangelística, a Missão Cristã East London, para o Exército da Salvação, eles anunciaram a sua razão, em termos inequívocos: "A Missão Cristã atendeu no Congresso para fazer a guerra. Ele organizou um exército de salvação para levar o sangue de Cristo e do fogo do Espírito Santo em todos os cantos do mundo. "A primeira edição da sua nova revista, mais militante, em primeira chamada  The salvacionista,  descreveu o Exército incipiente como o povo de Deus se uniram ", após a forma mais eficaz e convincente para libertar um mundo cativo." O Exército de Salvação viu-se claramente desde o início como um grande empreendimento missionário.

MISSÃO VERTICAL

É possível, contudo, dividir-se em duas fases, o processo pelo qual esta se tornou zelo verdadeiramente universal. A princípio, os líderes do Exército viu o seu trabalho como não tanto para espalhar o evangelho por toda parte como a difundi-lo, por assim dizer, para cima e para baixo: tinham a intenção de chegar a essas porções deprimidas da sociedade Inglês que Booth acredita ter sido negligenciada pelos outras igrejas protestantes. A missão do Exército foi vertical em vez de horizontal. Em 1878 e 1879, quando William e Catherine Booth e seus associados próximos falou de levar "o padrão da Cruz em todas as partes do mundo" que era para as partes escuras e sombrias do "mundo" de Londres e outras grandes cidades que eles a que se refere.

O próprio William Booth, e quase todos os seus companheiros pioneiras (com exceção de sua esposa, que veio de uma família próspera) tinha vindo para o trabalho do Exército de meios sociais que iam desde a classe trabalhadora respeitável, na melhor das hipóteses, para as fileiras do desesperadamente pobre. Seus projetos evangélicos e sociais para os pobres urbanos atraiu o apoio financeiro do doador rico ocasional, e, muito mais raramente uma pessoa de um bom nível social seria, na verdade, se juntar ao Exército. Frederick de Lautour Tucker, um oficial de alta patente colonial que se tornou um oficial do Exército e, posteriormente, genro-de Booth, é um exemplo notável; George Scott Railton, um homem educado, cujo pai tinha sido um ministro, é outra. Com um punhado de tais exceções, no entanto, os primeiros líderes do Exército tinha sido pobre.Eles sabiam que a pobreza, o seu terror e futilidade, e eles sabiam o quão pouco a luz do evangelho cristão tinha penetrado os vastos hectares, desânimo de favelas da cidade em que eles passaram suas vidas. Eles agora se sentiu chamado a voltar para lá com a Boa Nova de que Deus e O Exército de Salvação amava todas as pessoas da mesma forma.

MISSÃO HORIZONTAL

Logo, porém, uma mudança acentuada ocorreu na maneira líderes do Exército imaginou as dimensões dentro do qual eles acreditavam que Deus estava chamando-os a operar. Quase não antes de General Booth e seus oficiais haviam desfraldou a bandeira do Exército nas ruas de trás de "Darkest England", que eles foram confrontados com os convites-demandas, em alguns casos, para "abrir fogo" sobre "as terras através dos mares." Em outubro 1879 Booth escreveu aos seus oficiais que Deus estava usando o Exército "para poderosamente agitar toda esta terra e para reunir fora dele uma multidão de pessoas para servi-lo na tarefa ainda mais poderoso do que agitam as nações da terra." Esta segunda fase Exército de trabalho geográfico, ao invés de-social começou em três formas missionário.

. Espontânea crescimento  Houve crescimento espontâneo fora do Reino Unido; O exemplo mais notável veio nos Estados Unidos. Em 1879, a família de um trabalhador salvacionista de seda chamado Amos Shirly imigrou para a Filadélfia e prontamente começou a realizar serviços do Exército de Salvação nas ruas e nos salões alugados. Estes serviços foram bem sucedidos, e muitos convertidos juntou pouco movimento Shirlys ', não oficial. Eliza Shirly, a filha, que tinha sido um oficial na Inglaterra, pediram formalmente à geral a enviar "reforços" oficiais para assumir a missão crescente da família em nome de Deus e do Exército de Salvação.Em resposta a este fundamento, o general Booth despachado George Scott Railton e sete "Hallelujah Lasses", que desembarcaram em New York City março 1880 para começar a obra oficial do Exército da Salvação, nos Estados Unidos. O processo pelo qual o Exército lançou suas atividades na Austrália mais tarde, em 1880, no Canadá, em 1882, e na Nova Zelândia, em 1883, era notavelmente similar; em cada caso imigrantes salvacionistas começou informais, pequenas missões e escreveu a Londres para pedir aprovação oficial.

Movimento Imigrante.  Um segundo padrão ocorreu quando os imigrantes, convertidos para o Exército de Salvação em um campo de missão, voltou para casa ou transferidos para outros locais e iniciou as atividades do Exército como agentes oficiais do quartel general do Exército. O Exército de Salvação foi criada na Suécia, em 1882 e na Noruega em 1888 através do evangelismo energético de Hanna Ouchterlony, um imigrante sueco que tinha sido convertido para o Exército dos Estados Unidos. Outro convertido do campo americano, Fritz Schaaf, retornou à sua Alemanha natal para começar a trabalhar Exército lá em 1886. O Exército de Salvação começou a trabalhar em Moçambique em 1916, quando os imigrantes salvacionistas, convertido, enquanto trabalhava na África do Sul, voltou para sua terra natal.

. Atividade missionária Tradicional  O terceiro tipo de expansão horizontal tomou forma tradicional: ". fogo aberto" quartel-general do Exército de Salvação selecionou uma praia estrangeira provável sobre a qual plantar a bandeira sangue-e-fogo, e enviou uma festa oficial para Esses pioneiros não fez têm a vantagem apreciado por aqueles enviados em resposta a uma chamada local; não houve apoio local, nenhum corpo antes de amigos e camaradas para recebê-los enquanto desciam a prancha. O caso foi muitas vezes muito pelo contrário; alguns dos contos mais emocionantes do Exército de heroísmo e sacrifício vêm das experiências destes missionários pioneiros vitorianos. A Filha do General Catherine começou atividades do Exército na França março 1881 em face de verdadeiramente terrível perseguição. No ano seguinte, um futuro filho-de-lei, Frederick Tucker, liderada corajosos pioneiros do Exército na Índia, que logo foi chamado do Exército "campo missionário mais antigo (oficial)," sem dúvida, para preservar as sensibilidades nacionais dos três ou quatro conquistas anteriores do Exército, que não fez na década de 1880 consideram-se "campos missionários."

ESPALHE EM TODO O MUNDO

A lista de países em que o Exército de Salvação se espalhou rapidamente alongado e continua a fazê-lo. Em 1882, Canadá, Índia, Suíça e Suécia foram abertos; em 1883, a África do Sul, Nova Zelândia, os países que são hoje conhecidos como Sri Lanka e Paquistão; em seguida, dentro de alguns anos de Terra Nova, Alemanha, Itália, Dinamarca, Jamaica, Noruega, Bélgica, Finlândia; Argentina e Uruguai, em 1890; Japão em 1895; o West Indies por 1904. Quando o Exército começou a trabalhar em um território colonial, a recepção foi dado variado com a atitude do poder colonial europeu. Os governos coloniais britânicos foram simpáticos e receptivos, como no Quénia (1921), Uganda (1923), e da Tanzânia (1933). Os belgas, governantes do Congo naqueles anos, não eram tão simpático, e do Exército enfrentou um longo período de dificuldade e confusão quando ele começou a trabalhar em 1934 no que hoje é Zaire.

Na Índia, General Booth tinha ordenado o Major Frederick Tucker, o líder da missão 1882, "entrar [dos índios] peles", e por isso a equipe viveu e vestiu-se como nativos. Isso enfureceu o governador de Bombaim, que temiam que borrar linhas casta colocaria em risco o domínio britânico.Reuniões ao ar livre foram proibidos, Tucker foi preso, e, nas palavras de um escritor ", durante cinco meses um estado de guerra civil virtual existiam entre o governo e do Exército."

O trabalho do Exército de Salvação na Ásia é de particular interesse. O Exército de Salvação começou no Japão em 1895 e tornou-se tão bem sucedida que enviou missionários da sua própria para trabalhar entre os nipo-americanos da Califórnia, um trabalho que, triste relatório, pereceu em meio ao preconceito e incompreensão gerada pela Segunda Guerra Mundial.

O Exército iniciou suas atividades oficiais na Coréia, em 1908, como resultado de uma pesquisa desse país pela ampla George S. Railton. O Exército de Salvação na Coreia desenvolvido, apesar de muitas dificuldades, em um dos ramos maior (per capita), mais energéticas e espiritualmente dinâmicas do Exército no mundo.

A história na China não é menos inspiradora, se os resultados têm sido menos espetacular em termos de números. Missionários do Exército de Salvação realizou seus primeiros serviços em Shantung em 1916, eo trabalho se espalhou sobre o norte da China. Em 1932, o Exército tinha noventa centros em cinco províncias do norte, em Xangai, e em Hong Kong.Em Peiping, Casa dos meninos tinha sua própria banda de música famosa.O trabalho do Exército, no entanto, foi quase destruída pela Segunda Guerra Mundial e da guerra civil na China. Em 1948, missionários estrangeiros foram expulsos da China. Ao mesmo tempo, a maioria dos oficiais chineses, não remunerado, cortado de apoio ou orientação exterior, seus edifícios destruído ou confiscados, seus soldados dispersos, foram expulsos do movimento. Alguns, liderada pelo Major Yin Hungshun, permaneceu leal ao longo dos longos anos de adversidade; estes foram triunfalmente reunido com o Exército de Salvação em 1987, quando o general aposentado Arnold Brown, acompanhado do Brass Band Dulwich da Grã-Bretanha, visitou Yin na China.

REVESES E SUCESSOS

Nem todas as histórias do Exército da Salvação zelo missionário têm finais felizes. O Exército foi forçado a fechar as suas actividades em vários países por causa de mudanças políticas que trouxeram para os governos de poder hostis à presença do Exército. O Exército de Salvação começou a trabalhar nas repúblicas bálticas e as novas repúblicas da Europa Central após a Primeira Guerra Mundial, apenas para ser forçado para fora desses países durante ou após a II Guerra Mundial; o trabalho sobreviveu na Iugoslávia até 1948, na Hungria até 1949, e na Tchecoslováquia até 1950. O Exército de Salvação também operou centros no Egito 1936-1949.

Mas o progresso para a frente do Exército de Salvação não foi muito mais lento. Em setembro de 1989, quando  o grito de guerra  anunciou que El Salvador havia se juntado ao Exército da Salvação "Family of Nations", evangelístico e bem-estar social a cruzada de General Booth, nascido nas favelas de East London, estava operando em 91 países e territórios. O tema estabelecido pelo general Evangeline Booth em 1935- "O Mundo de Deus!" - Continua a ser o lema de hoje do Exército, quando o movimento se tornou uma das principais organizações missionárias protestantes no mundo. Para este dia, os novos recrutas no Exército de Salvação assinar os artigos "da Guerra", que estreita com a promessa de tocar para dedicar a "vida ao Seu serviço para a salvação do mundo inteiro.

 

WILLIAM BOOTH ENCONTRA SEU DESTINO

Em certo sentido, alcance missionário do Exército de Salvação começou em 1865. Uma noite, William Booth deixou seus aposentos West London e caminhamos ao longo Mile End Waste, um trecho de um-e-um-meia milha de "mostra, atirando-ranges, comerciantes mesquinhos ., e charlatões-doutores "fora da" pub mendigo cego ", ele ouviu alguns evangelistas de rua; Depois de acabarem, ele foi convidado a falar e achei que era um desafio revigorante. À meia-noite, quando voltou para casa, disse Catherine, "Querida, eu encontrei o meu destino!"

Capturando o espírito daquele início é este poema de salvacionista autor John Coutts * [*  A partir de  Humanidades  (Robert Greene Publishing, um Cirrus Crescent, Gravesend, Kent KA12 4QS Inglaterra). Usado com permissão.]  . Ele descreve um endereço ao ar livre cedo por Booth e seu assistente, George Scott Railton.

Quando William chegou finalmente ao Mile End Waste  
Ele viu o mundo cinzento de correr para lá e para cá  
como lixo sem rumo na maré indiferente:  
E então veio a risada seca e do mal  
. Que uma vez assolada o Filho do homem se  
"Não desperdice o seu tempo: no Salvador morreu por si  
Feixes de trapos resgatados em gin precioso:  
Meu rebanho, você sabe: pobres diabos já condenado "!  doente com desespero, ele jogou a juba e gritou  "Dá-nos uma canção" Então Railton trovejou.  "Jesus , o nome por cima de tudo. . . "  . . . e de repente  Os dois estavam balançando no mob uproarious  de bêbados e drabs e roughs e bruxas e demônios  . pululou dos infernos gaslit escabrosos em torno de  "Hurrah" rugiu William: como a batalha fabricada  Ele viu de Cristo sangue-brilhante como uma bandeira real  ostentava antes Rei Satanás e suas hostes.  Loudly rugiu contra os demônios montados  que tomou conta de cada indigente pela garganta, e empoleirados  On ombros torcidos embrulhadas em xales sujos.  ". . . Anjos e homens antes dele cair. . . Agora avó,  Diga a eles que você está salvo! E demônios temem e voar. . .  Venha para a tenda às sete. É quente por dentro! "  pingos de chuva batendo Depois lavou a multidão,  e William, se arrastando pela favela encharcado  Saw compaixão de Cristo fluindo nas sarjetas,  E paralelepípedos sujos embebidos no Espírito Santo. 

 

MENTORES AMERICANOS DOS MODULOS

O Exército de Salvação marcharam ao redor do mundo nos grandes dias do Império Britânico, adotando como as fileiras dos soldados da rainha Victoria. Seus fundadores, William e Catherine Booth, veio do coração de meio Inglaterra. Este novo movimento era, então, uma religiosa subproduto do imperialismo britânico?

Claramente havia muito mais para o Exército do que isso. Suas raízes correu longe no tempo para os metodistas do século XVIII e os quakers de cem anos antes. Salvacionistas cedo, na verdade, falou do líder Quaker "George Fox e seu Exército de Salvação 200 anos atrás."

Essas raízes não só correu profunda, mas também de toda a à fronteira norte-americana, onde o movimento camp-reunião foi trazer nova vida à fé.Mas poderia tais métodos de "revivalismo" funciona tão bem na Inglaterra industrializada?

Uma série de evangelistas americanos vieram para o leste e influenciou profundamente o Exército de Salvação que era para ser. Três em particular afetou os estandes.

JAMES CAUGHEY  (C. 1810-1891), O EVANGELISTA METODISTA AMERICANO, QUE, NAS PALAVRAS DE CATHERINE BOOTH, "OROU POR NÓS COM MUITO FERVOR.. . EXPRESSAR O MAIS PROFUNDO INTERESSE EM NOSSO FUTURO. . . [EU ESTAVA] QUASE ADORANDO SEU PRÓPRIO NOME. " "EU NUNCA OUVI SEU IGUAL"
 

No início do século XIX, um debate se enfureceu dentro Wesleyan Metodismo sobre avivamento. Será que as técnicas do campo americano em 1807 importou-reunião por Lorenzo Dow-trazer êxtase celestial ou histeria em massa?

Catherine Mumford and William Booth debateram a questão em suas cartas de amor. "Cuidado contra mera excitação animal em seus cultos de avivamento", escreveu Catherine. "Eu nunca fiz como o ruído e confusão."

Sua William foi um pouco abrupto em resposta: "Se você não pode dar as respostas saudáveis ​​e Alleluias do povo de Deus, então a nossa comunhão não vai estar em reuniões de oração."

Mas Catherine sabia como convencer seu homem. "Lembre-se de carruagem celeste silêncio suave de Caughey", escreveu ela. "Ele não gritou.Ele tinha uma arma mais potente em seu comando que o ruído ".

James Caughey, a quem se refere Catherine, foi um evangelista metodista americano com um forte histórico em revivalismo. Quando ele pregou em Nottingham natal de William Booth, o jornal local relatou o seguinte:

"Cada cena que ele desenhou estava visivelmente diante dos olhos da congregação, eo espaço vago na frente do púlpito, que ele escolheu como tela na qual a pintar seus desenhos vívidos, não era mais uma vaga para seus ouvintes-como foi manifesto o olhar fixo com que olhava para ele. "

James Caughey foi um spellbinder, e lançou seu feitiço sobre o jovem William Booth. Quando o general do Exército de Salvação, ele pagou sua dívida para com este "ministro americano, que estava fazendo uma turnê pelo país. . . encher seus sermões com anedotas emocionantes e ilustrações vívidas. . . . Para a declaração direta das verdades espirituais e apelos marcantes para a consciência, eu tinha até aquele momento nunca ouviu seu igual. Eu não sei o que eu tenho desde então. "

Caughey, um homem de cultura com um sentido de humor, tornou-se uma celebridade. Suas cartas, publicadas em cinco volumes, combinar diário de viagem (por exemplo, o campo de batalha de Waterloo descrito para os leitores americanos) com uma defesa de seus métodos. "Algumas pessoas se sentiram ofendidos", escreveu Caughey, "no tremenda 'améns' e gritos de vitória que prevaleceram por todos os lados. . . . O barulho era, por vezes, tremendo, mas Deus estava nele. "

Algumas pessoas estavam realmente ofendido. Em 1849, o Inglês Conferência Metodista Wesleyana "carinhosamente solicitado" os bispos americanos "para recordar o Sr. Caughey ao seu trabalho adequado no seu próprio país."

Caughey cumprido, com o coração pesado, mas até agora havia vários ramos para Inglês Metodismo. Em 1858, ele estava de volta ao renascimento Inglês trail novamente. As cabines estavam agora casados, e William era um ministro no Methodist New Connexion. Catherine fez com que ela ouviu Caughey pregar em Sheffield. "Ele é um companheiro doce", escreveu ela, "uma das mais gentil, amoroso, espíritos humildes você pode conceber."

Poucos dias depois, Caughey chamado para ver os estandes e batizou seu segundo filho, Ballington. "Ele escreveu uma inscrição em minha Bíblia", relatou Catherine, que começou a pensar: Se Caughey estava livre para pregar quando e onde o Espírito levou-o, por que não ela William fazer o mesmo? No ano seguinte, as cabines se demitiu do New Connexion e tornou-se revivalists viajarão.

PHOEBE PALMER: "MINHA QUERIDA ESPOSA DESEJA FALAR"

Mas, primeiro, as cabines foram para Gateshead, no nordeste da Inglaterra, e veio sob a influência de um marido e mulher equipe americana-Walter e Phoebe Palmer. Phoebe Palmer era uma leiga ativa na Igreja Metodista Allen Street em New York City. Toda terça-feira uma reunião "para a Promoção da Santidade" foi realizada em sua casa. De 1837 ela estava ensinando doutrinas de John Wesley da perfeição cristã, e ela e Walter tornou-se proprietários do mensal  Guia para a santidade .

"Os cristãos americanos eram prática", declara a  História do Metodismo Americano . "Eles quiseram ouvir pregadores que prometeu fazer trabalho religião. . . . Um dos trechos famosos de Phoebe Palmer foi intitulado "Fé e seus efeitos» [que ensinavam que] 'Confie em Deus deve obter resultados. " "Do outro lado do Atlântico, as cabines também pensava assim.

Mas foi Phoebe Palmer um professor ou um pregador? Quando é que um fim de conferência e um sermão começar? Catherine Booth não tinha dúvidas de que Phoebe foi "a figura principal nas reuniões." O reverendo Augustus Rees não tinha dúvidas também. Ele denunciou Phoebe Palmer em um sermão duas vezes repetida.

Catherine Booth ficou furioso. "Você acreditaria que uma congregação metade composta por senhoras iria sentar e ouvir tal. . . lixo? ", ela declarou. Ela sentou-se para responder às críticas de Phoebe Palmer em um panfleto de trinta e dois página,  Ministério Feminino: Ou, Direito das Mulheres para pregar o evangelho.

O argumento é claro, sincero, conciso e convincente se você aceitar suas instalações. O Espírito Santo tinha sido dado a ambos os sexos, Catherine apontou. Mulheres havia profetizado na igreja primitiva, e comando de Paulo a "ficar em silêncio" não se refere à pregação, mas a fofoca, interrupção, e desnecessário para perguntas. "A aplicação equivocada da passagem" As vossas mulheres estejam caladas nas igrejas ", resultou em perda para a igreja, o mal ao mundo, e desonrar a Deus." Essa foi a conclusão simples de Catherine Booth.

Assim, concluindo, ela mal conseguia ficar em silêncio a si mesma. Depois de muito procurar coração, ela levantou-se uma noite de domingo em Gateshead e fez seu caminho até o altar. William pensou que ela poderia estar doente, mas não. "Minha querida esposa quer falar", anunciou ele com espanto.

Assim começou o ministério da pregação de Catherine Booth, que fez dela uma celebridade internacional. Em seu último sermão, no Templo da Cidade em Londres em 21 de Junho de 1888, Catherine estava morrendo de câncer, e seus ouvintes sabiam disso. Um deles, o pregador americano S. Parkes Cadman, lembrou que 40 anos mais tarde: "Eu não ouvi uma vez que tudo o que me moveu mais profundamente do que o endereço notável, entregue. . . em uma voz como o repicar de um sino de prata através de um lago ainda. "Seu ministério devia muito à influência de Phoebe Palmer.

CHARLES FINNEY: "MUITAS VEZES EU DESEJO QUE EU PODERIA TER A CONVERSA DE UMA HORA DE COM FINNEY"

Um evangelista americano, acima de tudo comandou a admiração de Catherine Booth. Muito antes de seu casamento com William, ela tinha escrito sobre "um bêbado naufrágio pobres em Russell Gardens." Ela queria ajudar, mas ela deve-a única, jovem abordagem um homem assim? "Muitas vezes eu desejo que eu poderia ter uma hora de conversa com Finney", escreveu ela. "Acho que ele seria capaz de me aconselhar."

Mas o grande Charles Grandison Finney estava longe nos Estados Unidos.Catherine só podia ler, reler, e louvar seus  Lectures on Revivals : "O mais belo e de bom senso de trabalho sobre o assunto que eu já li."

Finney, "o pai de revivalismo moderna", tinha experimentado uma profunda conversão, em 1821: "Como eu entrei e fechei a porta atrás de mim, parecia que eu conheci o cara Senhor Jesus Cristo para enfrentar. Não me ocorreu então nem fiz isso por algum tempo depois, que era totalmente um estado mental. Pareceu-me uma realidade, que ele estava diante de mim e eu caí a seus pés. . . . "Assim convencidos, Finney começou a compartilhar a fé com os outros. Rejeitando a doutrina da predestinação, ele declarou que revivals, com conversões em massa,  poderia  acontecer e deve  acontecer; se as pessoas costumavam santificados senso comum, pela graça de Deus que  iria  acontecer.

Esta doutrina inebriante fundadores do Exército de Salvação bebeu das Lições no Avivamento . Na mesma série como  George Fox e seu exército de Salvação há duzentos anos , eles publicaram  um presbiteriano salvacionista, ou o Inner e Outer Life of CG Finney . Os salvacionistas pioneiras aprovado de Finney porque ele rejeitou o que eles pensavam ser predestinação de um lado e do universalismo, de outro. E eles tentaram seguir seus métodos para trazer o avivamento.

"Durante toda a primeira parte do meu ministério", escreveu Finney, "Eu costumava reunir-ministros um grande número de recusas e reprovações, particularmente no que diz respeito à minha maneira de pregar. . . . Eles me reprovar para ilustrar minhas idéias por referência às idéias comuns dos homens. . . . Eles disseram que eu deixe que a dignidade do púlpito. . . que eu falei como um advogado. . . que eu disse 'inferno' com tanta ênfase como muitas vezes para chocar as pessoas. . . . Além disso que eu pediu que as pessoas com tanta veemência como se eles podem não ter um momento para se viver. "Escritor St. John Ervine, aquando da preparação  do soldado de Deus,  sua biografia de William Booth, escreveu a respeito desta passagem, "Booth deve ter sido impressionado. . . pois ele também foi rejeitado pelos ministros ".

Finney fez cruzar o Atlântico, e ele fez sugestões úteis para as Ilhas Britânicas. "O verdadeiro caminho para o trabalho por um movimento de avivamento na Inglaterra e na Escócia é ter nenhuma ligação especial com qualquer denominação, mas para pregar o evangelho e tomar uma posição em salões, ou até mesmo nas ruas quando o clima é favorável, em que não denominacional especial sentimentos podem estreitar o. . . influências do Espírito de Deus. "E esta sugestão As cabines seguido totalmente. A primeira política das cabines e seus ajudantes era que os convertidos devem ir às igrejas existentes. (Logo descobriram, porém, que os convertidos não ir-e muitas vezes não foram queria quando fui.)

Influenciado por Caughey, Palmer, e Finney, os salvacionistas pioneiras retido e reafirmou a visão que deu revivalismo sua força duradoura: que os pobres e os humildes, na floresta ou na sala de música, poderia encontrar-e ser encontrado por-Deus vivo. "À medida que se espalhar de uma parte de Londres para o outro, e depois para as províncias, que veio a aceitar a nossa missão de pregar o evangelho a toda criatura", disse William Booth. "Assim, a Missão Cristã East London tornou-se o Exército de Salvação

 

A VIDA DE WILLIAM BOOTH

Na publicação 1885 "All About O Exército de Salvação", William Booth respondeu à pergunta deste modo: "Quem é William Booth?":

General Booth foi criado na Igreja da Inglaterra, convertido entre os Wesleyans, depois se tornou um ministro da Metodista New Connexion, e viajou em um grande número de partes da Inglaterra, vendo grande sucesso em ganhar almas, até o ano de 1861, quando ele renunciou sua posição como ministro regular, e entregou-se, com sua esposa, a obra evangelística.Após esta seus trabalhos foram, em grande parte de propriedade de Deus, milhares serem recebidos em várias igrejas como o resultado. No ano de 1865, o Sr. Booth foi levado, pela providência de Deus, por nenhum plano ou idéia de sua autoria, ao leste de Londres, onde o fato terrível que a enorme maioria da população eram totalmente ignorantes e deficiente de bens religião, e completamente sem nenhuma influência de organizações religiosas existentes, impressionou tanto que ele determinou a dedicar a sua vida a  fazer  esses milhões  ouvir  e  conhecer  Deus, e assim salvá-los do abismo da miséria em que estavam mergulhados, e resgatá-los da danação que estava diante deles. O Exército de Salvação é o resultado. . . .uma força de homens e mulheres convertidos, juntaram-se à maneira de um exército, que pretende fazer todos os homens produzem, ou, pelo menos, ouvir as reivindicações que Deus tem para o seu amor e serviço.

 

WILLIAM E CATHERINE BOOTH: A GALERIA DOS FILHOS DOS MODULOS

Em 1890, William e Catherine Booth liderou um movimento internacional em grande parte, supervisionados por seus filhos. Enquanto outros filhos e filhas se rebelou vitorianos, as crianças Booth ficou o curso. Todos eles, exceto Marion, que era retardado, erguida no escritório O Exército de Salvação com um ranking pessoal distintivo.

Após a morte de Catherine, em 1890, no entanto, a rebelião começou a sair.Neta Catherine Bramwell-Booth supôs que tinha Catherine viveu, ela teria dissipado os mal-entendidos que causaram William muita tristeza. Apesar desses mal-entendidos, no entanto, o Exército de Salvação foi bem servido por sua impressionante primeira família.

WILLIAM BRAMWELL (1856-1929)

Começou como secretária Missão Cristã, aos 16 anos e tornou-se chefe de gabinete de seu pai, em 1880. Ele se casou com a filha de um médico, Florence Soper. Nos termos de um 1875 Deed Poll, a sucessão ao cargo de Diretor Geral foi por envelope selado. Quando os advogados do Exército de Salvação abriu o envelope em 1912, após a morte de William, não foi nenhuma surpresa que Bramwell sucedeu seu pai. Ele supervisionou o crescimento do Exército para aproximadamente o mesmo número de funcionários, uma vez que tem tido desde então. Em seus últimos anos, no entanto, tornou-se cada vez mais autoritário Bramwell, e, em 1929, o Conselho Superior depôs como "incapacitado".

BALLINGTON (1857-1940)

"The Marshal" juntou-se o trabalho de seus pais depois de escolaridade e em 1879 foi brevemente preso por pregar nas ruas de Manchester. Em 1884 ele se casou com Maud Charlesworth, a filha de um reitor Anglicana. Em 1887, William Booth mandou para comandar o Exército em os EUA, onde serviram como eficaz, bem quisto líderes. Quando William tentou movê-los para a África do Sul em 1896, no entanto, Ballington e Maud rompeu com o Exército para estabelecer os voluntários de América, uma organização semelhante em estrutura que tem ministrado particularmente bem aos prisioneiros.

CATHERINE (1858-1955)

Adquiriu o seu título "o Marechale" depois de abrir o trabalho do Exército na França e na Suíça, em 1881-82. Em 1887, Catherine se casou com seu chefe de gabinete, o coronel Arthur Sydney Clibborn, que alterou o seu nome para Booth-Clibborn. Devido a indiferença pessoal, as diferenças de doutrina, e frustração com sistema centralizado do Exército, que renunciou em 1902 e se apegaram a uma cultist americano, o Dr. Alexander Dowie de Chicago. Catherine, agora a mãe de dez, continuou a evangelizar e mais tarde confessou: "É terrível para deixar-se desviaram-que tem sido o meu pecado. Para as massas fui enviado como uma criança, e meus maiores e mais profundas bênçãos e lições espirituais vieram em seguir a minha vocação ".

EMMA MOSS (1860-1903)


Dirigido assuntos familiares durante as ausências de sua mãe e seu pai, e que ela estava se aposentando em personalidade, seu talento púlpito provou igual a seus irmãos '. De 1880 a 1888 treinou mulheres cadetes em Londres, antes de seu casamento com Frederick St. George de Lautour Tucker, que anexado Booth ao seu nome [sobre a insistência de William Booth, que não queria que suas filhas a perder a sua identidade familiar] .Um advogado com formação e membro do Serviço Civil indiano, Tucker tinha aberto o trabalho do Exército na Índia, em 1882. Juntos, eles serviram como comandantes conjuntas em os EUA, e ao servir, Emma morreu (a única fatalidade) em um acidente de trem em Deans Lake , Missouri.

HERBERT HOWARD (1862-1926)

Enquanto freqüentava a escola em 1880, ele adquiriu um prédio para um novo corpo, Bristol Circus, que sentado 2.250 pessoas. Em 1882, ele organizou Auxiliares Ligas de amigos do Exército e, em seguida, conseguiu Ballington como mandante dos Masculina Formação inicial em 1884. Quando ele tinha um "colapso nervoso", William mandou-o em uma turnê mundial de estações do Exército. Ele tinha um dom especial para a composição musical e celebrações arranjar. Em 1889 ele se tornou comandante para a Grã-Bretanha. Casou-se com Cornelie Schoch, filha de um pioneiro do Exército da Salvação, na Holanda, em 1890. Mais tarde, ele comandou o Exército no Canadá, então Australasia, até que ele desertou da carga de seu pai em 1902 para tornar-se um evangelista itinerante.

MARION BILLUPS (1864-1937)

A única criança a não servir ativamente como um líder do Exército. Seu atraso foi atribuída a "ataques convulsivos graves" logo após o nascimento.Ela ocupou o posto de capitão Staff.

EVELINE CORY (1865-1950)

Mudou seu nome para Evangeline por sugestão do presidente WCTU Frances Willard. Ela tinha assistido Emma na Casa de Formação em 1884, período em que ela foi presa, mantendo um serviço de rua. Por seis meses, ela era o capitão do Corpo de Marylebone, onde estadista Inglês John Bright participou de reuniões e admirava seu comando forte. Aos 23 anos, ela comandava a Divisão de Londres e mais tarde levou o Exército no Canadá (1896-1904) e os Estados Unidos (1904-1933), onde o Exército se tornou famoso pelo seu serviço na Primeira Guerra Mundial "The Commander" desempenhou um importante papel na deposição Bramwell em 1929 e se tornou a primeira mulher general do Exército em 1934.

LUCY MILWARD (1867-1953)

Conheceu o marido, Emanual Daniel Booth-Hellberg, um oficial sueco, na Índia, em 1892. Após a morte de Hellberg em 1909, Lucy levou o Exército em vários países escandinavos.

 

O QUE SALVACIONISTAS ACREDITA?

ONZE Regras de Fé foram incluídas em 1878 Deed Poll do Exército de Salvação, e estes continuam a ser realizada pelo Exército hoje. Cada soldado potencial deve assinar os artigos de guerra, que as incluem.

1. Cremos que as Escrituras do Antigo e do Novo Testamento foram dadas por inspiração de Deus; e que somente elas constituem a regra divina da fé e prática cristã.

2. Nós acreditamos que há um só Deus, que é infinitamente perfeito, Criador, Preservador e Governador de todas as coisas, e que é o único objeto próprio de culto religioso.

3. Acreditamos que há três pessoas na Divindade-o Pai, o Filho eo Espírito Santo-indiviso, em essência e co-iguais em poder e glória.

4. Acreditamos que, na pessoa de Jesus Cristo, as naturezas divina e humana estão unidos; para que Ele é verdadeira e propriamente Deus e verdadeira e propriamente homem.

5. Acreditamos que nossos primeiros pais foram criados em estado de inocência, mas somente por sua desobediência, perderam sua pureza e felicidade; e que, em conseqüência de sua queda, todos os homens se tornaram pecadores, totalmente depravados, e como tal são justamente expostos à ira de Deus.

6. Entendemos que o Senhor Jesus Cristo tem, por seu sofrimento e morte, fez expiação por todo o mundo, para que todo aquele que possa ser salvo.

7. Entendemos que a conversão a Deus, a fé em nosso Senhor Jesus Cristo, e regeneração pelo Espírito Santo são necessários para a salvação.

8. Nós acreditamos que somos justificados pela graça, mediante a fé em nosso Senhor Jesus Cristo; e que aquele que crê tem o testemunho em si mesmo.

9. Cremos que a continuação em um estado de salvação depende da fé obediente e contínua em Cristo.

10. Cremos que é privilégio de todos os crentes a serem "santificados" e que o seu "todo espírito, alma e corpo" pode "ser plenamente conservados irrepreensíveis para a vinda de nosso Senhor Jesus Cristo" (1 Tessalonicenses 5:23) .

11. Cremos na imortalidade da alma; na ressurreição do corpo; no julgamento geral no fim do mundo; na felicidade eterna dos justos; e na punição eterna dos ímpios

 

A HISTÓRIA POR TRÁS SALVATION ARMY MÚSICA

William Booth viu a música como um meio para um fim. Música cristã deve atrair as pessoas e falar a mensagem de salvação para seus corações.

Para Booth, a música em si não tinha força moral. O poder espiritual dos textos associados, independentemente das músicas escolhidas (o contraste variou de hinos revivalistas para baladas sala de taberna), fez toda a diferença. A abordagem de Booth a música foi direta, simples e prático. Ele defendeu a música que é atraente, traz uma mensagem sólida, e, no processo, evita os perigos da "sofisticada" making música de igreja.

Em seu IV Congresso Internacional (1914), realizado dois anos após a morte do fundador, o Exército de Salvação podia se gabar 1.674 faixas de bronze (26.000 jogadores) e 13.000 "cantores" (membros do coro) em 56 países. O latão e música vocal do Exército de Salvação estava se tornando um vasto repertório de literatura publicada inigualável no século XX por qualquer outra denominação protestante. Hoje, muitos músicos e compositores do Exército com o estatuto de profissional no topo de seus campos, e o melhor de suas bandas e brigadas songster são realmente excelente.

EXPLOSÃO PRECOCE DO EXÉRCITO MÚSICA

Isso não fazia parte da visão inicial de William Booth para "music salvação." Como em grande parte da história do Exército da Salvação, o crescimento ocorreu com nenhum verdadeiro planejamento humano.Seguidores de Booth pegou seu sonho de evangelizar o mundo e desenvolveu esforços musicais para auxiliar nesta tarefa sagrada. Booth desde controles administrativos, muitas vezes improvisando como ele e sua equipe manteve o ritmo com a explosão fenomenal de atividade musical que acompanhou o crescimento de sua missão.

A partir de 1865, Missão Cristã East London de William Booth usou táticas musicais que se tornaria inseparável da idéia de um "Exército da Salvação" (especialmente com a adição de faixas de bronze em 1878). Escrevendo em seu diário, no outono de 1865, Booth descreveu seu trabalho pioneiro e o papel da música na mesma:

"Evening [Serviço], a partir de 05:30 a sete. Mile-end-road; excelente serviço. Centenas apareceu para ouvir com atenção. A Palavra estava com o poder. Cada frase parecia penetrar no coração da multidão que escuta. Nós, então, formaram uma procissão e cantou para baixo Branco-capela Estrada para o quarto [a alugou 'Dança Room']. Tivemos uma banda eficiente de cantores, e quando passamos ao longo da espaçosa e cheia rua, cantando, 'Nós estamos com destino à terra dos puros e santos, "as pessoas corriam por todos os lados. A partir dos palácios gin adjacentes os bebedores saiu para ouvir e ver; alguns em zombaria juntou as nossas fileiras, alguns riu e zombou, alguns estavam com raiva, a grande maioria olhava com admiração, enquanto outros se virou e acompanhou-nos, como em que fomos, mudando a nossa música para "Há uma fonte cheia de sangue", e depois para 'Com uma viragem do pecado, vamos começar o arrependimento. " "

Missão Cristã de Booth, como era chamado, até Setembro de 1869, cresceu grande o suficiente no início da década de 1870 para Booth e sua esposa, Catherine, para compilar vários hinários:  A Missão Cristã Hinário ,  Hinos de Serviços Especiais ,  The Penny Revival Hymn Book , e  Os infantil Missão Hymn Book . Em 1876  The Christian Mission Hymn Bookcontinha 531 padrão hinos, spirituals e canções definidos para músicas populares e nacionais.

Em 1878, o quarteto de bronze família Fry auxiliado evangelistas do Exército na cidade de Salisbury. Bandas de música surgiu nos próximos anos em todo o país uma conseqüência natural dos interesses musicais de muitos dos convertidos. Não havia nenhuma organização sistemática em primeiro lugar. Enquanto William Booth cautelosamente ponderou o impacto desta nova ferramenta evangelística, seus seguidores entusiasmados foram para a frente.

A AMBIVALÊNCIA DE BOOTH

William Booth estava desconfiado organizado grupos de música e cantando solo, apesar de seu uso efetivo de ambos. Enquanto ele permitiu bandas a florescer no evangelismo ao ar livre, ele só contragosto permitiu-lhes um papel nos serviços internos. Quanto aos coros, ele não permitiu a formação de "brigadas songster" no corpo do exército até 1898! Ele deu sinais mistos, no entanto, como ele constantemente utilizado "especiais musicais" onde quer que ele viajou; seus próprios filhos eram artistas particularmente dotados e compositores. Na realidade, a música tornou-se melhor a ajuda de Booth no crescimento de seu movimento incipiente, apesar de suas reservas sobre os possíveis males da música que não foi cuidadosamente controladas.

Ambivalência de Booth deve ser atribuída a problemas com coros formados em suas primeiras nomeações ministeriais. Enquanto ele apoiou canto congregacional saudável, ele não aprovava pessoas ganhando destaque em uma bolsa apenas porque tinham vozes agradáveis. Em 1877, como superintendente geral da missão cristã, uma vez que ele fez um discurso notável em "Good Cantar", que continha a essência de sua abordagem prática para a música, bem como os seus medos sobre grupos de música estruturados:

Coros "[eu] já encontrados para ser possuído por três demônios, desajeitados, feios e impossível de ser expulso. Eles são o diabo brigando, o diabo vestir, eo diabo cortejo, eo último é o pior dos três. . . .

"Música Simplesmente profissional é sempre uma maldição e que você deve sempre encontrar um coro em conexão com qualquer salão nesta missão, dou-lhe a minha autoridade para tomar uma vassoura [vassoura] e varrê-la para fora, prometendo que você fazê-lo tão carinhosamente como possível .

"Você deve cantar boas músicas. Que seja um bom acordo para começar. Eu não me importo muito se você chamá-lo secular ou sagrado. Prefiro aproveitar a roubar o diabo de suas músicas mais seletos, e, após se seus súditos, a música é sobre a melhor mercadoria que ele possui. É como tirar as armas do inimigo e transformá-los contra ele.

"No entanto, venha ele de onde for, vamos ter uma melodia real, isto é, uma melodia com um pouco de ar distinto nele, que se pode ter de segurar, o que as pessoas podem aprender, ou melhor, o que os torna aprendê-la, o que leva segure deles e vai cantarolando na mente até que ele domina. Esse é o tipo de uma música para ajudá-lo; ele vai pregar para você, e lhe trazer os crentes e os convertidos ".

PRIORIDADE EM SALVAR ALMAS

A prioridade de Booth era salvar almas, sejam quais forem os meios. Coros e bandas de música, o que quer que suas reações pessoais, deve ser reunido em Salvation guerra. Sua primeira "Ordem para Bandas" de  O Grito de Guerra  (1880) capta essa obsessão com resultados práticos, independentemente das consequências de longo alcance: "Considerando. . .provámos a grande utilidade de instrumentos musicais para atrair multidões ao nosso ao ar livre e reuniões internas, o que fazemos aqui expressar nosso desejo que, como muitos de nossos oficiais e soldados em geral, masculino ou feminino, assim como a capacidade para fazê-lo, aprender para jogar em algum instrumento adequado.

"E, como em muitos casos, a obtenção de um instrumento é uma dificuldade, teremos o maior prazer se algum amigo que possa ter esses instrumentos ociosa consagrar-los para este serviço, e enviá-los à sede. Isso inclui violinos, violas baixo, concertinas, cornetas ou quaisquer instrumentos de metal ou qualquer coisa que vai fazer um som agradável para o Senhor ".

O turbilhão de atividade musical este desencadeou foi sem precedentes.Booth imediatamente precisava de uma equipe de organização para administrar os grupos e para publicar a música para eles. Seu segundo Ordem Geral de Bandas de metais (24 de fevereiro de 1881) estabeleceu os primeiros regulamentos, principalmente a ver com autoridade (sem democracia!), Os requisitos de adesão, e propriedade do equipamento.Dentro de mais quatro anos (1885), ele iria restringir música usada por bandas de música do Exército publicado pelo movimento. (Veja "Grandes Eventos", nesta edição, para mais detalhes.)

Esta banda de música limitou-se a pedaços transcritas a partir vocal obras-music com uma referência textual específico. Não até 1901 o General Booth permitir sua música editorial departamento alguns latitude em explorar a música "original" para bandas de música. Mesmo assim, essas novas, obras ousadas teria que fazer referência a músicas "salvação" no curso de seu desenvolvimento para garantir que elas permaneceram music "de economia de alma". Música Exército de Salvação continua a este dia ser principalmente referencial, enfatizando a comunicação de idéias ou palavras espirituais como casada com melodias específicas.

Em meio a este cuidadosamente controlada "evolução", William Booth foi incentivado por seus filhos para "soltar as rédeas." Herbert e Bramwell logo estabeleceu cursos de formação para os líderes de música do Exército e desde programas e conselhos para elevar os padrões e manter zelo evangélico. Repugnância de profissionalismo de Booth, no entanto, tornou-se uma política fixa. Exército da Salvação locais oficiais, bandsmen, cantores, e os seus condutores continuado (como o fazem hoje) para servir como apenas voluntários, sem remuneração por seus serviços. Música Army, que se desenvolveu como uma ferramenta eficaz evangélica, cresceu na tensão entre o controle autocrático de Booth e o entusiasmo dotado de seus seguidores.

UTILITÁRIA E UNIVERSAL

Booth não tinha uma filosofia desenvolvida da música na adoração ou evangelismo. Sua abordagem salientou outreach cristã básica via voluntários dedicados render música "santificado". Em grande parte, a sua estratégia utilitária continua a ser seguido por bandas do Exército e brigadas songster em todo o mundo. A  raison d'etre  do músico salvacionista permanece como determinado pelo fundador: "Toda a sua batida e sopro é levar as pessoas em primeiro lugar para o quartel e depois para o Formulário de penitente."

Seguindo esta abordagem, a música do Exército de Salvação se espalhou pelo mundo. Um dia, em 1907, quando ele revisou a Staff Banda New York na parada em Washington, DC, William Booth virou-se para Comissário Alexander Nicol e orgulhosamente exclamou sobre o barulho de uma "canção de guerra" feliz: "A música do Exército é, ou será, em todos os lugares! "

 

GRANDES EVENTOS EM SALVATION ARMY MÚSICA

1878:  Publicação de  Músicas do Exército de Salvação, anteriormente conhecido como "A Missão Cristã"; , bandas primeiros bronze formado

1879:  O grito de guerra  começa publicação semanal e apresenta canções

1880:  Booth incentiva o desenvolvimento de bandas de música em uma Ordem Geral em  O grito de guerra;  publicação de  Salvation Army Música

1881:  Segunda Ordem Geral sobre regulamentos e normas para bandas de música; Fred Fry nomeado para produzir arranjos de bronze para as bandas do Exército

1882:  Fry libera arranjos sintonizar primeira banda

1883:  Publicação de  Salvação Music, Volume II , primeiro livro de música com material original por autores salvacionistas e compositores; primeiro departamento de música formada sob a supervisão de Herbert Booth

1884:  Primeiro Jornal Band (agora  Series Geral ) é liberado

1885:  Ordem Geral de  Grito de Guerra  afirma que "a partir de agora as bandas do Exército deve usar somente a música publicado pelo Exército de Salvação"; quatro grandes songbooks publicados, inclusive para solistas e jovens

1886:  O Musical salvacionista , principal publicação vocal do Exército, lançado pela primeira vez em formato de revista

1887:  Booth patrocina uma competição de música com oito vencedores publicados em  O salvacionista Musical

1890:  Canções da Paz e Guerra , contendo 86 músicas por Herbert Booth, é publicado

1896:  Primeira placa de música criada para administrar as publicações de música e outra atividade musical

1898:  Songster Brigadas (coros) formalmente reconhecida e comissionados

1899:  Publicação de  Músicas do Exército de Salvação , primeiro songbook congregacional com proporção significativa de canções escritas por salvacionistas; Conselhos de primeira bandsmen detidos

1900:  Banda de Música # 1 , o bronze volume de "companheiro", é lançado;  O Responsável Local  revista, precursor do  The Bandsman e Songster , começa a publicação

1901:  Booth decide permitir banda de música para os quais não há palavras tinham sido compostas ou destinados

1902:  Primeira seleção banda verdadeiro e em grande escala marcha publicado para bandas de música são emitidos em  Series Geral

1903:  Conselhos da Primeira Bandmaster

1904:  Ao Terceiro Congresso Internacional, o Exército possui 17.099 bandsmen bronze comissionados; Bramwell Booth anuncia que os exames podem ser interpostos para determinar proficiência dos líderes de música do Exército

1905:  "Original March" composição competição realizada

1906:  II Concurso Banda; aulas de formação primeiros 'Bandmasters

1907:  O Bandsman e Songster  começa publicação semanal; um inspector nomeado para banda Território Britânico

1910:  Primeiro "música descritiva" permissão para ser publicado

1912:  William Booth morre, 20 de agosto

 

 

FONTES DE IDÉIAS REFORMADORAS DE BOOTH

William Booth aceitaria boas idéias de qualquer fonte, e, na verdade, gostava de chegar fora de sua tradição Wesleyan, às vezes.Consequentemente,  In Darkest England  absorvido as idéias de reforma do século XIX populistas e socialistas. Talvez para ganhar amplo apoio público Booth escolheu a convergir suas idéias com as dos reformadores seculares populares.

Booth reconheceu a influência de reformadores americano Edward Bellamy e Henry George, mas ele particularmente notado as idéias de três reformadores britânicos, nenhum dos quais compartilhavam sua persuasão religiosa Wesleyan-evangélico: Contagem Rumford, ET Craig, eo conde de Meath. Aqui está o que Booth ganhou de cada um.

Contagem Rumford  tinham abolido a mendicância na Baviera, em finais do século XVIII, e suas idéias tinham novamente se tornou popular na década de 1880. Como um americano leais à Coroa, ele havia servido no exército britânico "com distinção considerável na guerra revolucionária", de acordo com Booth. Depois da guerra, ele se estabeleceu na Inglaterra e, em seguida, mudou-se para Bavaria para reformar o seu exército. Lá, ele configurar Houses of Industry, em que, a partir da véspera de Ano Novo 1790, obrigou mendigos para trabalhar. Ele descobriu que quando ele os tratou com justiça e bondade, ofereceu um ambiente limpo e em ordem, e desde disposições baratos, eles responderam com trabalho duro. O melhor de tudo para Booth e vitorianos conscientes dos custos, o programa de Rumford era auto-suficiente. A abordagem militar ao desemprego, vice e pobreza impressionado Booth, que concordou com Rumford que os pobres direção necessidade de uma mão forte.

Como o Conde, Booth iria organizar os trabalhadores ", não como uma multidão desconcertante desnorteado, mas como uma massa arregimentada firme, com capitães reais sobre eles." Oficinas cidade colônia de Booth refletido Munique asilos de Rumford, e, como Rumford, sua liderança autocrática foi completamente militar .

ET Craig  era um envelhecido discípulo Robert Owen, que configurar uma experiência cooperativa agrícola em Ralahine, Irlanda, em 1831. Com o apoio de John Scott Vandeleur, um fazendeiro irlandês rico, Craig tinha induzido camponeses irlandeses indisciplinados para aumentar a produção e melhorar os padrões de vida. Os lucros, depois de alugar, pertencia aos camponeses. Craig, como seria Booth, permitida qualquer bebida inebriante ou tabaco. Infelizmente, o jogo pelo espólio-proprietário Vandeleur levou ao fechamento de 1833 Ralahine. Quando Booth estabelecido suas colônias agrícolas, ele seguiu o formato Ralahine (mesmo que ele não era um descendente ideológico do secularista Robert Owen).

O conde de Meath  era presidente de uma organização social-evangélico rival, o Exército Igreja, fundada pela Igreja da Inglaterra em 1882 como um clone do Exército da Salvação. Na época, a Igreja estava negociando com Booth para mesclar seu Exército com a igreja estabelecida como seu braço evangelística.

No início de 1889, um ano antes de ele publicou  Darkest England , Booth reconheceu que o panfleto de Meath sobre a pobreza expressa suas próprias noções sobre a responsabilidade individual exatamente. Booth, por exemplo, tinha aberto uma segunda auto-sustentável abrigo dos homens, em Clerkenwell. Homens pago três pence para o jantar, uma "conversa familiar sobre salvação", e bed and breakfast. Ao contrário de casas de alojamento comuns, abrigos do Exército da Salvação estavam livres de Booth disse que o Exército não incentivar "soupers" "vis, associações desmoralizantes."; ele não faria nada para um homem "desde que ele fez algo religioso em troca."

Meath também contribuíram para as idéias de estande para a segunda e terceira fases do esquema Darkest England, Inglês e colônias agrícolas no exterior. Meath tinha pressionado para a colonização dirigida pelo estado dos desempregados em "Greater Britain", em 1886. Em 1890, Booth se ofereceu para ser agente do Estado em selecionar, preparar e transportar colonos pobres, mas dispostos para o internamento no império ultramarino da Grã-Bretanha. Booth ecoou a preocupação de Meath que os domínios não aceitaria paupers viciosos de Londres, e ele concordou que o treinamento prévio em uma fazenda colônia Inglês poderia melhorar hábitos de trabalho e de caráter e fazer paupers aceitável para a emigração.Ele seguiu a prescrição de Meath para os emigrantes de sucesso: (1) personagem era mais importante do que a formação agrícola; o programa do governo tinha falhado porque não tinha seguido este plano; e (2) as crianças poderiam ser treinados no modelo fazendas na Inglaterra para ser aprendiz de agricultores coloniais.

 

Meath ressentia uso de Booth de seu plano. Sua Exército Igreja acusado de roubar Booth ideias de reforma social de um panfleto, "Nossos Tramps", publicada em março de 1890. O panfleto propôs um esquema de três vezes de cidade, fazenda, e colónias ultramarinas .. Booth poderia ter cobrado este suposto roubo como reembolso para o roubo do Exército Igreja de sua idéia para o evangelismo militante, bem como seus hinos. No entanto, Meath queria Booth a reconhecer as suas fontes para  Darkest England . Ele escreveu em 1904 que "um grande líder dissidente religioso" -quase certamente Booth- não tinha mencionado vinte e duas colônias de trabalho alemão em existência em 1890. Isso foi devido à ignorância ou a um desejo de "crédito pedido de uma idéia que não foi romance "? Farpa de Meath é um exemplo de ciúme de princípios. Booth muitas vezes constatamos que o clero, os líderes sindicais, assistentes sociais, e filantropos eram seus inimigos mais fervorosos na religião e na reforma social.

FONTE WWW.IGREJAPERIODOMODERNO.BLOGSPOT.COM