Translate this Page

Rating: 3.0/5 (914 votos)



ONLINE
2




Partilhe este Site...

 

 

<

Flag Counter


a divindade de Jesus
a divindade de Jesus

                                                                  João 1: 1-5 
                                              O Prólogo do Evangelho

 

No princípio era o Verbo, eo Verbo estava com Deus, eo Verbo era Deus. O Verbo estava com Deus no princípio. Todas as coisas foram criadas por ele, e para além de ele nada foi criada que foi criado.Nele estava a vida, ea vida era a luz dos homens. E a luz brilha na escuridão, mas as trevas não a domina-lo.

O Evangelho de João, que começa com esses versículos, é, em muitos aspectos, muito ao contrário dos outros três Evangelhos. Ele contém muitas coisas que eles omitem. Ele omite muitas coisas que eles contêm. Bom motivo pode ser facilmente mostrado para este dessemelhança. Mas é o suficiente para lembrar que Mateus, Marcos, Lucas e João escreveu sob a inspiração direta de Deus. No plano geral de seus respectivos Evangelhos, e os detalhes particulares - em tudo o que eles registro, e em tudo o que eles não registram - todos eles foram quatro igualmente e inteiramente guiado pelo Espírito Santo.

Sobre os assuntos que João estava especialmente inspirado para se relacionar no seu Evangelho, uma observação geral será suficiente. As coisas que são peculiares ao seu Evangelho estão entre os bens mais preciosos da Igreja de Cristo. Nenhum dos quatro Evangelhos-escritores tem dado nos tais declarações completas sobre a divindade de Cristo - sobre a justificação pela fé - sobre os ofícios de Cristo - sobre a obra do Espírito Santo - e sobre os privilégios dos crentes, como lemos nas páginas de John. Em nenhum desses grandes temas, sem dúvida, têm Mateus, Marcos e Lucas estado em silêncio.Mas no Evangelho de João, destacam-se proeminentemente na superfície, de modo que aquele que corre pode ler.

Os cinco versos agora diante de nós conter uma declaração de sublimidade incomparável sobre a natureza divina de nosso Senhor Jesus Cristo. Ele é, sem sombra de dúvida, a quem João quer dizer, quando fala de "a Palavra". Sem dúvida, existem alturas e profundidades em que a declaração que estão muito além da compreensão do homem. E ainda há lições simples na mesma, que cada cristão faria bem para entesourar em sua mente.

Aprendemos, em primeiro lugar, que o nosso Senhor Jesus Cristo é eterna. João nos diz que "no inícioera o Verbo. " Ele não começou a existir quando foram feitos os céus ea terra. Muito menos que Ele começa a existir quando o Evangelho foi trazido ao mundo. Ele tinha glória com o Pai "antes que o mundo existisse." (João 17: 5.) Ele estava em vigor quando a matéria foi criada em primeiro lugar, e antes dos tempos eternos. Ele era "antes de todas as coisas." (Colossenses 1:17). Ele foi desde toda a eternidade.

Aprendemos, por outro, que o nosso Senhor Jesus Cristo é uma pessoa distinta de Deus, o Pai, e ainda um com Ele. João nos diz que "o Verbo estava com Deus ". O Pai eo Word, embora duas pessoas, são unidas por uma união inefável. Onde Deus o Pai estava desde toda a eternidade, houve também a Palavra, Deus o Filho - sua glória igual, sua co-eterna majestade, e ainda o seu único Deus.Este é um grande mistério! Feliz é aquele que pode recebê-lo como uma criança pequena, sem tentar explicá-lo.

Aprendemos, em terceiro lugar, que o Senhor Jesus Cristo é verdadeiro Deus . João nos diz que "o Verbo era Deus". Ele não é apenas um anjo criado, ou um ser inferior a Deus Pai, por Ele e investiu com poder para redimir os pecadores. Ele é nada menos que Deus perfeito - igual ao Pai quanto à divindade - Deus da substância do Pai, teve antes do Universo.

Aprendemos, em quarto lugar, que o Senhor Jesus Cristo é o Criador de todas as coisas. João nos diz que "por Ele todas as coisas foram feitas, e sem ele não era qualquer coisa que foi feita." Longe de ser uma criatura de Deus, como alguns hereges têm falsamente afirmado, Ele é o Ser que fez o mundo e tudo o que eles contêm. "Ele mandou, e logo foram criados." (Salmo 148: 5.)

Aprendemos, por último, que o Senhor Jesus Cristo é a fonte de toda a vida espiritual e luz. João nos diz, que "Nele estava a vida, ea vida era a luz dos homens." Ele é a fonte eterna, da qual só os filhos dos homens já derivado vida. Qualquer que seja a vida espiritual e luz Adão e Eva possuía antes da queda, foi a partir de Cristo. Seja qual for a libertação do pecado e da morte espiritual qualquer filho de Adão apreciaram nunca, desde a queda, qualquer que seja a luz de consciência ou a compreensão de qualquer um tenha obtido, tudo fluiu de Cristo. A grande maioria da humanidade em todas as épocas têm se recusado a conhecê-Lo, ter esquecido a queda, e sua própria necessidade de um Salvador. A luz tem sido constantemente brilhando "nas trevas". A maioria tem "não compreendeu a luz." Mas se todos os homens e mulheres fora dos incontáveis ​​milhões de humanidade já teve vida espiritual e luz, eles deviam tudo a Cristo.

Esse é um breve resumo das principais lições que estes versos maravilhosos parecem conter. Há muito neles, sem controvérsia, que é acima da nossa razão, mas não há nada contrário a ela. Há muito que não podemos explicar, e deve se contentar com humildade de acreditar. Vamos no entanto, nunca se esqueça que existem planície consequências práticas decorrentes da passagem, que nunca podemos compreender com muita força, ou sabe muito bem.

Será que sabemos, por um lado, a excessiva malignidade do pecado? Vamos muitas vezes ler estas cinco primeiros versículos do Evangelho de João. Vamos marcar o tipo de Ser o Redentor da humanidade deve ser as necessidades, a fim de proporcionar a redenção eterna para os pecadores. Se ninguém menos do que o Deus Eterno, o Criador e Preservador de todas as coisas, poderia tirar o pecado do mundo, o pecado deve ser uma coisa muito mais abominável aos olhos de Deus do que a maioria dos homens suponho. A medida certa da pecaminosidade do pecado é a dignidade daquele que veio ao mundo para salvar os pecadores. Se Cristo é tão grande, então o pecado deve de fato ser pecadora!

Será que sabemos, por outro lado, a força da fundação de um verdadeiro cristão para a esperança?Vamos muitas vezes ler estas cinco primeiros versículos do Evangelho de João. Vamos marcar que o Salvador em quem o crente é licitar a confiança é nada menos que o Deus Eterno, Um capaz de salvar perfeitamente tudo o que vem ao Pai, por Ele. Ele que estava "com Deus" e "Foi Deus", é também "Emanuel, Deus conosco." Vamos agradecer a Deus que a nossa ajuda é colocada sobre Alguém que é poderoso. (Salmo 89:19). Em nós mesmos somos grandes pecadores. Mas, em Jesus Cristo, temos uma grande Salvador. Ele é um forte pedra fundamental, capaz de suportar o peso do pecado do mundo.Quem crê nele não será confundido. (1 Pedro 2: 6).

 

João 1: 6-13

Um homem veio, enviado de Deus, cujo nome era João. Ele veio como testemunha para dar testemunho da luz, para que todos possam crer por intermédio dele. Ele não era a luz, mas veio para dar testemunho da luz. A luz verdadeira, que alumia a todos, estava chegando ao mundo. Ele estava no mundo, eo mundo foi criado por ele, mas o mundo não o reconheceu. Veio para o que era seu, mas os seus não o receberam. Mas a todos os que o receberam - aqueles que crêem no seu nome - ele deu o poder de se tornarem filhos de Deus - as crianças não nascidas de pais humanos ou pelo desejo humano ou a decisão de um marido, mas por Deus.

John, após o início do seu evangelho com uma declaração da natureza de nosso Senhor como Deus, passa a falar de Seu precursor, João Batista. O contraste entre a linguagem utilizada sobre o Salvador, e que usou cerca de Seu precursor, não deve ser negligenciado. De Cristo nos é dito que Ele era o Deus eterno - o Criador de todas as coisas - a fonte da vida e da luz. De João Batista nos é dito simplesmente, que "não era um homem enviado por Deus, cujo nome era João ".

Vemos, em primeiro lugar, nestes versos, a verdadeira natureza do escritório de um ministro cristão.Nós temos isso na descrição de João Batista - "Ele veio como testemunha, para dar testemunho da luz, para que todos os homens através dele pudesse acreditar. "

Ministros cristãos não são sacerdotes, e os mediadores entre Deus eo homem. Eles não são agentes em cujas mãos os homens podem cometer suas almas, e exercer a sua religião pelo deputado. Eles são testemunhas. Eles são destinados a dar testemunho da verdade de Deus, e especialmente para a grande verdade de que Cristo é o único Salvador e luz do mundo. Este foi o ministério de Pedro no dia de Pentecostes. "Com muitas outras palavras dava testemunhar . " (Atos 2:40.) Este foi todo o teor do ministério de Paulo. "Ele testemunhou tanto a judeus e gregos, o arrependimento para com Deus ea fé em nosso Senhor Jesus Cristo. " (Atos 20:21). A menos que um ministro cristão dá testemunho completo de Cristo, ele não é fiel ao seu escritório. Enquanto ele testemunhar de Cristo, ele fez a sua parte, e receberá a sua recompensa, ainda que seus ouvintes podem não acreditar o seu testemunho. Até ouvintes de um ministro que crêem no Cristo, de quem eles dizem, eles não recebem nenhum benefício do ministério. Eles podem ser satisfeitos e interessados; mas eles não são lucrado até que eles acreditam.A grande final do testemunho de um ministro é "que, através dele, os homens podem acreditar."

Vemos, por outro, nestes versos, uma posição principal, a qual nosso Senhor Jesus Cristo para com a humanidade ocupa . Temos que nas palavras: "Ele era a verdadeira luz que ilumina todo homem que vem a este mundo."

Cristo é para as almas dos homens que o sol está para o mundo. Ele é o centro e fonte de toda a luz espiritual, calor, vida, saúde, crescimento, beleza e fertilidade. Como o sol, ele brilha para o benefício comum de toda a humanidade - em alta e para baixo, para ricos e para pobres, para judeus e para o grego. Como o sol, Ele é livre para todos . Todos podem olhar para Ele, e beber saúde de Sua luz. Se milhões de humanidade eram loucos o suficiente para morar em cavernas no subsolo, ou para enfaixar os olhos, sua escuridão seria sua própria culpa, e não a culpa do sol. Assim, da mesma forma, se milhões de homens e mulheres amam espiritual "mais as trevas do que a luz," a culpa deve ser colocada sobre seus corações cegos, e não em Cristo. "Seus corações tolos são escurecidas." (João 3:19; Rom. 1:21). Mas se os homens vão ver ou não, Cristo é o verdadeiro sol, ea luz do mundo. Não há luz para os pecadores, exceto no Senhor Jesus.

Vemos, em terceiro lugar, nestes versos, a maldade desesperada de coração natural do homem. Nós temos isso nas palavras, Cristo "estava no mundo, eo mundo foi feito por Ele, eo mundo não o conheceu. Ele veio para os próprio, e os Seus não O receberam. "

Cristo estava no mundo invisível , muito antes Ele nasceu da Virgem Maria. Ele estava lá desde o início, ordenação, ordenação, e que regem toda a criação. Por Ele todas as coisas são mantidas juntas. (Coloss. 1:17). Ele deu a todos a vida, a respiração, a chuva do céu e estações frutíferas. Por Ele reis reinou, e nações foram aumentados ou diminuídos. No entanto, os homens não O conhecia, e honrá-Lo. Eles "honraram e serviram mais a criatura do que o Criador." (Rom. 1:25). Bem pode o coração natural ser chamado de "mau!"

Mas Cristo veio visivelmente para o mundo, quando Ele nasceu em Belém, e não se saíram melhor. Ele veio para as próprias pessoas a quem Ele havia tirado do Egito, e comprado por Sua própria. Ele veio para os judeus, a quem Ele havia separado de outras nações, e para quem Ele tinha se revelado pelos profetas. Ele veio para esses mesmos judeus que haviam lido por ele em Escrituras do Antigo Testamento - O vi em tipos e figuras em seus serviços do templo - e professou estar à espera de sua vinda. E ainda assim, quando Ele veio, esses mesmos judeus não O receberam. Eles ainda - rejeitaram, desprezaram, e matou-o. Bem pode o coração natural ser chamado de "perverso!"

Vemos, por último, nestes versos, os vastos privilégios de todos os que recebem a Cristo e nEle crêem .Dizem-nos que "a todos quantos o receberam, deu-lhes o poder de se tornarem filhos de Deus que você, mesmo para aqueles que crêem no seu nome. "

Cristo nunca vai ficar sem alguns funcionários. Se a grande maioria dos judeus não O receberam como o Messias, havia, pelo menos, alguns que fizeram. Deu-lhes o privilégio de ser filhos de Deus. Ele adotou-os como membros da família de seu pai. Ele lhes contado seus próprios irmãos e irmãs, ossos de Seus ossos, e carne de sua carne. Ele conferiu-lhes uma dignidade que foi amplo recompensa para a cruz que tinha que carregar por causa dele. Ele os fez filhos e filhas do Senhor Todo-Poderoso.

Privilégios como estes, seja lembrado, são a posse de todos, em todas as épocas, que recebem a Cristo pela fé, e segui-Lo como seu Salvador. Eles são "filhos de Deus pela fé em Cristo Jesus." (Gl. 3:26). Eles nasceram de novo por uma nova e celestial nascimento e adotados na família do Rei dos reis.Poucos em número, e desprezado pelo mundo como eles são, eles são tratados com infinito amor por um Pai no céu, que, por amor do Seu Filho, é bem satisfeito com eles. Em vez Ele fornece-los com tudo o que é para seu bem. Na eternidade, Ele lhes dará uma coroa de glória que não desaparece. Estes são grandes coisas! Mas a fé em Cristo dá aos homens uma ampla título a eles. Bons mestres cuidar de seus servos, e Cristo cuida da Sua.

Será que estamos nos filhos de Deus? Será que nasceu de novo? Temos as marcas que sempre acompanham o novo nascimento - sentido do pecado, fé em Jesus, o amor dos outros, uma vida justa, separação do mundo? Nunca nos contentar até que possamos dar uma resposta satisfatória a estas perguntas.

Não desejamos ser filhos de Deus? Então vamos "receber a Cristo" como nosso Salvador, e crer nele com o coração. Para todo aquele que assim recebe-Lo, Ele lhe dará o privilégio de se tornar um filho de Deus.

 

João 1:14

Agora, o Verbo se fez carne e passou a residir entre nós. Nós vimos a sua glória - a glória do primeiro e único, cheio de graça e de verdade, que veio do Pai.

A passagem da Escritura agora diante de nós é muito curto, se medi-la com palavras. Mas é muito longo, se medirmos que pela natureza do seu conteúdo. A substância de que é tão imensamente importante que devemos fazer bem para dar-lhe consideração separada e distinta. Este único versículo contém mais do que matéria suficiente para uma exposição inteira.

A principal verdade que esse versículo ensina é a realidade da encarnação de nosso Senhor Jesus Cristo, ou que está sendo feito homem . João nos diz que "o Verbo se fez carne, e habitou entre nós."

O significado claro dessas palavras é que nosso divino Salvador realmente tomou a natureza humana sobre Ele, a fim de salvar os pecadores. Ele realmente se tornou um homem como nós em todas as coisas, com exceção apenas pecado. Como nós, ele nasceu de uma mulher, apesar de ter nascido em uma forma milagrosa. Como nós, Ele cresceu desde a infância à adolescência e da infância para a propriedade do homem, tanto em sabedoria, em estatura. (Lucas 2:52). Como nós mesmos, teve fome, sede, comia, bebia, dormia, estava cansado, senti dor, chorou, se alegrou, se admiravam, foi transferido para a raiva e compaixão. Tendo-se tornado carne, e levado um corpo, Ele orou, ler as Escrituras, sofreu, tendo sido tentado, e submetido a sua vontade humana à vontade de Deus Pai. E, finalmente, no mesmo corpo, Ele realmente sofreu e derramou Seu sangue, realmente morreu, foi enterrado realmente, realmente ressuscitou, e realmente subiu ao céu. E ainda assim todo esse tempo Ele era Deus, bem como homem!

Esta união de duas naturezas em uma só Pessoa de Cristo é, sem dúvida, um dos maiores mistérios da religião cristã. Ele precisa ser cuidadosamente afirmou. É apenas uma daquelas grandes verdades que não são destinadas a ser curiosamente inquiri em, mas para ser reverentemente acreditava. Em nenhum outro lugar, talvez, vamos encontrar uma declaração mais sábia e criteriosa do que no segundo artigo da Igreja da Inglaterra. "O Filho, que é a Palavra do Pai, teve de eterna do Pai, e do próprio Deus eterno, e de uma substância com o Pai, tomou a natureza humana no ventre da Virgem de sua substância - para que duas naturezas e perfeitos todo, isto é, a divindade ea humanidade, se uniram em uma Pessoa, para nunca mais ser dividido, que é um Cristo, verdadeiro Deus e verdadeiro homem. " Esta é uma declaração mais valioso. Este é o "discurso de som, que não pode ser condenado".

Mas enquanto nós não pretendemos explicar a união de duas naturezas em nosso Senhor Pessoa de Jesus Cristo, não devemos hesitar em cerca o assunto com precauções bem definidas. Enquanto afirmamos mais cuidadosamente o que não acredito, não devemos encolher de declarar corajosamente o que nós não acreditamos. Nunca devemos esquecer que, embora nosso Senhor era Deus e homem ao mesmo tempo, as naturezas divina e humana Nele nunca foram confundidos . Uma natureza não engolir o outro. As duas naturezas permaneceu perfeita e distinta. A divindade de Cristo nunca foi por um momento deixou de lado, embora velado. A humanidade de Cristo, durante seu tempo de vida, nunca foi por um momento diferente do nosso, embora pela união com a Divindade, muito digna.Embora Deus perfeito, Cristo sempre foi homem perfeito desde o primeiro momento da sua encarnação.Aquele que foi para o céu, e está sentado à mão direita do Pai para interceder pelos pecadores, é o homem, assim como Deus. Embora o homem perfeito, Cristo nunca deixou de ser Deus perfeito. Ele que sofreu pelo pecado na cruz, e foi feito pecado por nós, era "Deus manifestado na carne." O sangue com o qual a Igreja foi comprado, é chamado de sangue "de Deus." (Atos 20:28). Embora Ele se tornou "carne" no sentido mais amplo, quando Ele nasceu da Virgem Maria, Ele nunca, em qualquer período deixou de ser o Verbo Eterno. Dizer que Ele constantemente manifesta Sua natureza divina durante Seu ministério terreno, seria, naturalmente, ser contrária aos fatos simples. Para tentar explicar por que sua divindade era por vezes velada e em outras vezes revelada, enquanto Ele estava na terra, seria de se aventurar em terreno que tínhamos melhor deixar em paz. Mas dizer que em qualquer instante de seu ministério terreno Ele não estava totalmente e inteiramente Deus, é nada menos que uma heresia.

As advertências dadas apenas pode parecer à primeira vista desnecessário, cansativo, e hair-splitting. É precisamente a negligência de tais precauções que estraga muitas almas. Esta união indivisível constante de duas naturezas perfeitas na Pessoa de Cristo é exatamente aquilo que dá valor infinito de Sua mediação, e qualifica-se a Ele para ser o mediador que os pecadores precisam. Nosso mediador é aquele que pode compadecer-se de nós, porque Ele é muito MAN. E, no entanto, ao mesmo tempo, Ele é Aquele que pode lidar com o Pai por nós na andorinhas iguais, porque Ele é o próprio Deus. É a mesma união que dá valor infinito de Sua justiça, quando imputada aos crentes. É a justiça de Aquele que era Deus, bem como homem. É a mesma união que dá valor infinito para o sangue expiatório que Ele derramou para os pecadores na cruz. É o sangue de alguém que era Deus, bem como homem. É a mesma união que dá valor infinito de Sua ressurreição. Quando Ele ressuscitou, como o chefe do corpo de crentes, Ele não subiu como um mero homem, mas como Deus. Que essas coisas afundar profundamente em nossos corações. O segundo Adão é muito maior do que o primeiro Adão era. O primeiro Adão era apenas o homem, e por isso ele caiu. O segundo Adão era Deus, assim como o homem, e assim Ele conquistou completamente.

Vamos deixar o assunto com sentimentos de profunda gratidão e agradecimento. É cheio de consolação abundante para todos os que conhecem a Cristo pela fé, e crer nEle.

Será que a Palavra se fez carne? Então, Ele é Aquele que pode ser tocado com o sentimento de enfermidades do Seu povo, porque Ele sofreu Ele mesmo, sendo tentado. Ele é Todo-Poderoso, porque Ele é Deus, e ainda assim Ele pode simpatizar com nós, porque Ele é o homem.

Será que a Palavra se fez carne? Então, Ele pode nos fornecer um padrão perfeito e exemplo para nossa vida diária. Tivesse ele andou entre nós como um anjo ou um espírito, nós nunca poderia ter copiado Ele. Mas tendo habitou entre nós como homem, sabemos que o verdadeiro padrão de santidade é a "andar como Ele andou." (1 João 2: 6.) Ele é um padrão perfeito, porque Ele é Deus. Mas Ele também é um padrão exatamente adequado para as nossas necessidades, porque Ele é o homem.

Finalmente, fez a Palavra se fez carne? Então vamos ver em nossos corpos mortais um, verdadeira dignidade real, e não contaminar-los pelo pecado. Vile e fraco como o nosso corpo pode parecer, é um organismo que o Filho Eterno de Deus não tinha vergonha de tomar sobre si, e para levar até o céu.Esse fato simples é uma promessa que Ele vai levantar nossos corpos no último dia, e glorificá-los em conjunto com o seu próprio.

fonte coment. biblico J.C RYLE 1858 www.avivamentonosul.blogspot.com