Translate this Page

Rating: 3.0/5 (887 votos)



ONLINE
2




Partilhe este Site...

 

 

<

Flag Counter

A Book for Her pdf free, download pdf, download pdf, this site, The Adobe Photoshop CC Book for Digital Photographers 2017 pdf free, fee epub, pdf free, site 969919, this link, link 561655,

História da literatura Judaica
História da literatura Judaica

                         HISTORIA DA LITERATURA JUDAICA 

 

Literatura hebraico moderno (1743-1904), em distinção à forma de literatura Neo-hebraico conhecido como literatura rabínica (veja Literatura, Hebrew), Que é distintamente de caráter religioso, apresenta-se sob um duplo aspecto: (1) humanística, relativa à emancipação da língua por um retorno aos modelos clássicos da Bíblia, levando ao desenvolvimento posterior de hebraico moderno (2) humanitária, lidar com a secularização da língua, tendo em vista a emancipação social e religiosa dos judeus do gueto. Essas duas tendências são expressas pela palavraHaskalah , Um termo que denota o movimento que predominou na literatura hebraica partir da segunda metade do século XVIII até a morte de Smolenskin em 1885.

Período de transição, na Itália.

A partir do século XVII, foram feitas muitas tentativas para emancipar hebraico das formas e idéias da Idade Média. Itália, com críticos e poetas como Azarias dei Rossi, Leon de Modena, Francis, etc., que foram inspirados pelo Renascimento italiano, liderado neste período de transição na literatura hebraica. Mas não foi até o aparecimento de Moisés h ayyim Luzzatto que o hebraico poesia sacudiu os grilhões medievais que afetou seu desenvolvimento livre. Seu drama alegórico "La-Yesharim Tehillah" (1743), o que pode ser considerado como o primeiro produto da literatura hebraica moderna, é um poema que em sua perfeição clássica de estilo é apenas a segunda da Bíblia. Nos países menos desenvolvidos especialmente contribuiu para a regeneração do hebraico e tem estimulado uma série de imitadores entre os escritores removidos da moderna literária centers.At Amsterdam, aluno de Luzzatto, David Franco Mendes (1713-1792), em suas imitações de Racine ( "Gemul 'Atalyah") e de Metastasio ( "Yehudit"), continuou o trabalho de seu mestre, sem, no entanto, igualando inspiração e originalidade poética de Luzzatto. Na Alemanha, onde, em consequência das ideias promulgadas pelos enciclopedistas, os judeus desenvolveram mais normalmente, e onde, além disso, no meio do século XVIII, o hebraico ainda era praticamente a única língua literária acessível às massas, outro sucessor de Luzzatto, Naftali Hartwig Wessely (1725-1805), inaugurou o movimento Haskalah. Seu "eret Shire Tif", "ou" Mosiade ", que, embora tenha ficado aquém da inspiração poética, é escrito em um estilo puro, oratória e é marcado por um tom elevado, moral, fê-lo, por assim dizer, poeta laureado de o período.

 

Primeiro alemão Maskilim.

Sob o estímulo de Mendelssohn, sociedades literárias foram formados pela Maskilim nas grandes comunidades, que se comprometeu a propagar idéias modernas entre os judeus e familiarizá-los com a vida secular moderna. Duas escolas ou partidos, que eram mais ou menos distintas, empreendeu este trabalho: (1) aBiurists , Um grupo de comentaristas e tradutores da Bíblia, que, sob a liderança de Mendelssohn, desejado para substituir o dialeto judae o-alemão com puro alemão e para fornecer uma interpretação mais racional do texto sagrado (2) assefim o Me ', os estudiosos conectada com a primeira coleção literária em hebraico, "Assef Ha-Me '", que foi criada em 1785 em Breslau por Isaac Eichel e B. Lindau, e que se tornou o órgão da Haskalah e um elo de união entre os hebraístas.

 

Wessely pode ser considerado como o líder espiritual da assefim o Me '. Embora ele próprio um devoto, ele não hesitou em atender as objecções que os rabinos ortodoxos da Áustria e da Alemanha que se opõem a todas as reformas educacionais e cívicos defendidos pelo governo de José II. Em seus oito mensagens (1784), "dibre Shalom we-Emet", enfatizou a necessidade, mesmo do ponto de vista do Talmud, destas reformas, bem como de estudos seculares, especialmente o estudo das línguas modernas e hebraico clássico e de formação manual. Apesar da oposição dos rabinos ortodoxos da Alemanha e na Áustria, a ajuda dos rabinos italiano liberal permitiu-lhe despertar a opinião pública a favor do Haskalah e, ​​assim, preparar o caminho para assefim o Me '. "Assef Ha-Me '" foi interrompido após uma existência de sete anos, a Revolução Francesa ea queda da antiga ordem das coisas destruindo o interesse na língua hebraica, que era a única relíquia deixada ao Maskilim emancipado. O valor literário e científico de "Assef Ha-Me '" é muito duvidoso. Em sua aversão instintiva de tudo medieval e rabínica, assefim o Me 'foi para o outro extremo e adotou o estilo afetada do "Meliz ah", que foi cultivada por seus sucessores, e que muitas vezes terminou em mero malabarismo artificial com as palavras. Quanto ao seu conteúdo a maioria das peças da coleção tem apenas um ligeiro interesse, sendo imitações meramente pueris de alemão pseudo-romantismo. Tendo rompido com o ideal messiânico do judaísmo tradicional, e ser incapaz de substituir por outro mais ideal em conformidade com idéias modernas, assefim o Me 'terminou na defesa assimilação com as pessoas ao redor. Mas a importância deste primeiro periódico secular em hebraico era tal que impôs seu nome sobre todo o movimento literário da segunda metade do século XVIII, que é chamado de "o período de assefim a mim '."

 

Entre assefim o Me ', I. Eichel é notável por sua atitude intransigente, incomum na época, em direção rabbinism, e Baruch Lindau é conhecido por seus trabalhos sobre o assunto da ciência natural e escrito em hebraico. O mais influente, no entanto, foi o rabino Solomon Pappenheim (1776-1814), um filólogo eminente, cuja sentimental elegia, "Arba 'Kosot," foi o livro do dia e contribuiu muito para a divulgação do ah Meliz. Os mais valiosos contribuintes para "Ha-Me 'Assef" foram, talvez, o Me' assefim de origem polonesa, especialmente o gramático e estilista S. Dubno S. Maimon, o comentarista de Maimônides o excêntrico mas talentoso Isaac Satanow, autor do máximas "Mishle Asaf" e o gramático Judah Ben-Zeebe (Bensew) de Cracóvia.

 

Influência do Me 'assefim.

Em suma, embora o Me' assefim faltou originalidade, que realizou a tarefa de casal que eles próprios tinham definido. Hebraico, que tinha sido quase inteiramente negligenciada nos países eslavos, foi novamente estudado, dando origem a uma literatura mais ou menos digno do nome e produzir o Maskilim, uma classe de estudiosos seculares que eram ativos durante o século seguinte em despertar as massas de seus sonos medievais e em discussão, em nome da ciência e da vida moderna, a autoridade dos rabinos sobre o povo (verHaskalah ).

 

O século XIX não abriu auspiciosamente para a literatura hebraica, especialmente na Europa ocidental. Hebrew desapareceu cada vez mais como uma língua viva entre os judeus emancipados, que havia rompido com os seus ideais nacionais e eram ambiciosos de assimilar-se inteiramente com os seus vizinhos. É verdade que as guerras napoleônicas deu origem a toda uma literatura de odes e hinos, muitos dos quais foram cantadas na sinagoga, a mais poética e característico sendo Elie h Alfan Halé vy de "Ha-Shalom" (Paris, 1804), mas o alguns rabinos que continuaram a usar hebraico não influenciaram as massas. Na Itália, no entanto, ainda havia uma banda ardente dos estudiosos hebreus, entre eles o poeta E. Luzzatto. Sobre este tempo o centro da atividade literária foi transferidos definitivamente para os países eslavos, onde foi assistido a um notável renascimento das letras hebraicas. A vantagem que a Áustria, seguida pela Itália, tomou no movimento no início do século XIX foi posteriormente cedido à Rússia e aquele país manteve a liderança até o presente momento.

 

Polónia e Áustria.

No final do século XVIII Judaísmo polaca, que durante muito tempo tinha sido politicamente isolado e tinha-se dedicado inteiramente à observância piedosa e ao estudo da lei talmúdica, entrou em contato com idéias modernas, e despertou de seus séculos de sono. Galicia tornou-se um centro para a Haskalah. O "Me 'Assef," que tinha sido editado em uma nova série na Alemanha por Solomon ha-Kohen (Dessau, 1809-1811), mas sem muito sucesso, foi reavivado em Viena e, mais tarde, na Galiza, e conseguiu, pela primeira vez sob o título de "Bikkure ha- 'Ittim" (1820-1831), e depois sob a de "Kerem h emed" (1833-1842), em reunir muitos escritores, a maior parte dos quais eram polonês. Na Polónia, no entanto, onde a população judaica vivia à parte, e não podia sequer aspirar aos sonhos de igualdade e liberdade dos escritores alemães, o Maskilim foram confrontados com problemas muito complicados. Por um lado, convulsões políticas, instrução moderna, e do serviço militar tinha abriu o caminho para o misticismo do asidim H, que tomou as massas, apesar dos esforços dos rabinos liberal auxiliados por escritores como D. Samoscz e Tobias Feder.

 

Por outro lado, a literatura e românticas imitações de luz não podia satisfazer os estudiosos saturadas com o estudo do Talmude. A fim de atender a essas necessidades literatura hebraica desceu de suas alturas para se dedicar a sua atenção para as necessidades da vida diária. Joseph Perl, Um Mãe cenas e ele próprio um estudioso, incentivou esse movimento, e publicou a paródia "Megalleh t emirin", dirigida contra as superstições eo culto da H asidic Z addiḳ im. Solomon Judah Rapoport (1790-1867), que começou por traduzir Racine e Schiller, agora virou-se para o estudo crítico do passado. Por sua reconstrução capazes de as vidas e os trabalhos científicos dos mestres da Idade Média, por seu método crítico cuidado, e por sua devoção à lei eo espírito judaico, Rapoport criou oCiência do Judaísmo .

 

Nachman Krochmal (1785-1840).

Mas esta ciência, que foi muito bem recebido, especialmente pelas mentes cultivadas da Europa Ocidental, não podia satisfazer os pobres eruditos poloneses, vivendo num ambiente totalmente judeus, e, não contente com os motivos apresentados pelo mestres medievais, ansiosamente questionando o para quê da existência presente e futuro de Israel. Então, um mestre mente surgiu, para dar uma resposta ao mesmo tempo genial e adaptado ao tempo. Nachman Krochmal, ensinando gratuitamente em seu canto obscuro da Polónia, conseguiu unir as proposições dos críticos modernos com os princípios do judaísmo pelo vínculo do nacionalismo, por assim dizer, criando, assim, uma filosofia judaica em conformidade com o pensamento moderno. Começando com axioma da real e da razão absoluta de Hegel, Krochmal estabelece em seus ensaios e em seus estudos bíblicos e filosóficos engenhosas que o povo judeu é um organismo nacional concreto, uma unidade separada, cuja existência é justificada, como a existência de todos os outros nacionalidades se justifica. Mas, ao mesmo tempo, como o povo dos Profetas, tem ademais uma razão espiritual para a sua existência, que transcende as fronteiras nacionais, e irá juntar-se a toda a raça humana em uma ligação.

 

Muitos poetas, acadêmicos e escritores populares, além Rapoport e Krochmal contribuiu para a disseminação de hebraico e à emancipação dos judeus da Galícia. O poeta satírico Isaac erter (1792-1841), cuja coleção de ensaios, "Ha-Z ofeh le-Bet Yisrael", é uma das obras mais puras da literatura hebraica moderna, atacou h superstições asidic e preconceitos em um estilo vigoroso e clássica , marcada pela fantasia brilhante e um sarcasmo corte que amontoados ridicularizado, quando o rabino e sátira sobre a addiḳ z.

 

O galego School.

Meï r Halevy Letteris adquiriu merecido renome e foi durante muito tempo considerado poeta laureado do período em razão de suas numerosas traduções, tanto em prosa e na poesia, incluindo "Faust" e obras de Racine e Byron, e também por conta da poesia lírica original, sua canção "Yonah Homiyyah" ser uma obra-prima. O divulgador da história galega e geografia , Samson Bloch, também ganhou uma reputação, embora seu estilo insípida e prolixa não garante o sucesso alcançado pelas suas obras. O estudioso galega Judah Mises é conhecido especialmente por seus ataques violentos a tradição rabínica e por sua extrema radicalidade, seu trabalho está sendo continuado por IA Schorr, o editor ousada de "heh aluẓ."

 

Decadence da Escola.

Do lado de fora da Galiza, onde os estudiosos emitiram as suas obras, e onde periódicos multiplicado, alguns dos quais foram publicados em Viena, como "Kokebe Yiẓ ḥ AK" (ed. Stern), "Oz ar neh louco" (ed . Blumenfeld), Kerem h emed, etc., grupos de Maskilim ou estudiosos individuais podiam ser encontrados em direção ao meio do século, em todos os países da Europa. Na Alemanha, a campanha a favor e contra a reforma religiosa deu oportunidade para alguns estudiosos e rabinos para conduzir suas polêmicas em hebraico. Zunz, Geiger, Z. Frankel, Jellinek, Carmoly, Fu primeiro, J. Schwarz, e outros, também publicou parte de suas obras em hebraico. Moses Mendelssohn de Hamburgo, um aluno de Wessely e autor do amat Mak "Pene Tebel" (Amsterdam, 1872), pode ser considerado como o epígono de assefim o Me '. Nos Países Baixos, especialmente em Amesterdão, houve também um círculo de epígonos, incluindo o poeta Samuel Molder (1789-1862). Na Áustria, Viena foi o depósito para a publicação de livros hebraicos e periódicos, e Praga se tornou um centro ativo para o Haskalah. O mais conhecido entre os Maskilim aqui é JL Jeiteles (1773-1838), autor de epigramas espirituoso ( "Bene ha-Ne 'urim") e de obras dirigidas contra a H asidim e contra a superstição, e diretor do "Bikkure ha- 'Ittim. " Havia estudiosos na Hungria, também, o mais talentoso entre eles, sendo Solomon Lewison de Moor (1789-1822), um estilista notável, cujo clássico "Meliz em Yeshurun" o coloca acima de todos os poetas do período. Gabriel Sü dfeld, pai de Max Nordau, e SimonBacher, Podem também ser mencionados. O reflexo desse movimento foi sentido até mesmo na Romênia (J. Barasch, etc.). Galicia, no entanto, o centro do Haskalah, finalmente sucumbiu à H asidism, enquanto os modernos desistiu hebraico, e terminou por mais ou menos defendendo abertamente assimilação. Alguns círculos de Maskilim mal conseguiu perpetuar a tradição hebraica, mas não teve influência sobre as massas.

 

Itália:. Luzzatto

A escola italiana exerceu uma influência mais pronunciada. É Reggio (1784-1854) esforçou-se em seu "Ha-Torah Weha-Filosofiah" conciliar o pensamento moderno com a lei judaica, enquanto em seus numerosos escritos e publicações que ele abertamente do lado dos reformadores religiosos alemães. Joseph Almanzi, H ayyim Salomon, S. Lolli, e outros escreveram poemas sobre a grandeza da Lei e da glória de Israel delas continha, no entanto, não uma faísca de originalidade. Mais interessante, talvez, é a única poetisa do período, Rachel Morpurgo (1790-1860), cujos poemas evidenciar piedade religiosa e de uma fé mística no futuro de Israel. O escritor italiano mais original e dotado do período é Samuel David Luzzatto (SHeDaL, 1800-1865), cuja influência estendeu-se além da Itália e além do seu tempo. Dotado de uma mente enciclopédica, Luzzatto fez um bom trabalho tanto na poesia ( "im Kinnor Na '"), em Filologia ( "Bet ha-oz ar" e "Betulat Bat Yehudah"), na filosofia e na literatura em geral. Ao mesmo tempo Luzzatto foi o primeiro escritor moderno a introduzir romantismo religioso para o hebraico e atacar o racionalismo norte em nome do sentimento religioso e nacional. "Ciência judaica verdadeiro é fundada sobre a fé.... A fé é o único árbitro da moralidade suprema que nos dá a verdadeira felicidade. A felicidade do povo judeu, o povo da moralidade, não depende de sua emancipação política, mas na fé e sobre a moralidade... ". Estas ideias levaram Luzzatto em polêmicas com seus amigos do norte, mas também ajudou a familiarizar os crentes na Rússia com a literatura moderna. Luzzatto, assim, encontrou a chave para o coração das massas e foi graças a ele que o trabalho do Maskilim, que tinha falhado de resultados permanentes no Ocidente, no Oriente levou ao desenvolvimento de uma literatura nacional. Mas na Itália também Hebrew diminuiu mais e mais, mesmo entre os estudiosos e na segunda metade do século, foi quase totalmente esquecido nos países civilizados da Europa.

 

Rússia.

As grandes massas de judeus nos distritos polonesas anexadas à Rússia foram totalmente removidos da toda a vida política e social, e vegetação em uma espécie de profunda renúncia ou na piedade mística. Na cidade europeizada de Odessa, no entanto, Galego judeus formaram um círculo de Maskilim, que, embora ativo, foi restrito em sua influência. Aqui, no meio do século foram os estudiosos S. Pinsker e S. Stern, que logo foram acompanhados pela Karaite Firkovich e pelo poeta Jacob Eichenbaum. O líder reconhecido destes Maskilim do sul da Rússia era Isaac BA r Levinsohn, o apóstolo do humanismo na Rússia, cuja influência penetrou até mesmo em círculos governamentais, mas cujas literária trabalho tem sido superestimada. Seus esforços pessoais, bem como os seus livros ( "Udah Te 'ser-Yisrael" e "Bet Yehudah"), no qual ele recomenda aos ortodoxos do estudo das ciências e da busca de empregos manuais, contribuiu para a emancipação geral, em vez de à da literatura hebraica em particular. Lituânia, um país eminentemente judaica, foi mais favorecido pelas circunstâncias e aqui o Haskalah estava destinado a levar ao desdobramento de uma literatura. No Shklov, a primeira cidade a entrar em contacto com o mundo exterior, um grupo de humanistas surgiu logo no início do século. Mas foi na Wilna, a capital do país, abandonado por sua população nativa e inteiramente removida da influência externa, que a língua hebraica floresceu a um grau extraordinário. Foi devido à tolerância esclarecida da gaon Elijah Wilna eo zelo de seus alunos que se tornaram Wilna, até o final do século XVIII, a casa de excelentes gramáticos e estilistas. 1820 ou 1830, um círculo de Maskilim, chamado de "Berliner", e evidentemente inspirado pelos escritores da Alemanha, foi formado, que assiduamente cultivada literatura hebraica moderna. Dois eminentes estudiosos emprestou brilho especial a este novo movimento literário. MAgü nzburg bem merece o título de "pai da prosa", que ele ganhou para si mesmo através de suas numerosas traduções, histórias e compilações científicas, sua narração pitoresca do assassinato ritual em Damasco, sua autobiografia realista "ezer Abi" (uma crítica brilhante de costumes do passado) e, especialmente, através de seu estilo, que é ao mesmo tempo temperado, realista e moderna.

 

  1. Ba r Lebensohn.

Ao mesmo tempo, Abraham BA rLebensohn, Chamado de "o pai da poesia", deu nova luminosidade e vigor com o versículo hebraico. A qualidade lírica tocante de alguns dos seus poemas, o profundo pessimismo, o lamento sobre a vida, e o medo da morte, que trair os sentimentos dos judeus tentaram pela provação da vida no gueto, todos carimbar-lo como o verdadeiro poeta do gueto . A simplicidade de suas idéias, sua dialética rabínica e até mesmo sua prolixidade frequente só acrescentou à sua popularidade. Seus poemas "Shire Sefat Ḳ odesh" foram extraordinariamente bem-sucedido e sua elegante, límpido, e muitas vezes estilo enérgico ainda é justamente admirado.

 

Foi devido a estes dois senhores que a literatura hebraica moderna foi amplamente disseminados Lituânia, círculos dedicados ao Haskalah sendo formada quase toda parte. Hebraico se tornou a linguagem da vida cotidiana, a língua literária, e, o que é ainda mais característico, a linguagem do folk-lore. Na verdade, a lista de poemas em hebraico populares por autores conhecidos ou desconhecidos é muito longo para ser notado aqui. A situação política infeliz dos judeus russos sob Nicholas I.- um período de perseguições de todos os tipos e de terror- tinha particularmente contribuíram para produzir este estado de espírito nas pessoas assediadas e enquanto h asidism terminou o seu trabalho de produção de obscurantismo intelectual e sem esperança renúncia, na província de Polónia e no sul da Rússia, misticismo encontrado na Lituânia um inimigo formidável no sentimentalismo da literatura hebraica desdobramento.

 

Popular e literária Romantismo.

A difusão do estilo afetada do ah Meliz eo retorno à linguagem do passado despertou no meio deste povo infelizes um lamento para os gloriosos tempos bíblicos e um romantismo que estava a dar frutos ricos. A poesia hebraica Popular tornou-se fundamentalmente sionista, como é evidente a partir dos poemas anônimos, em seguida, escritos ( "Shoshannah, Z iyyon, Z iyyon", etc.). Romantismo literário logo em seguida sobre esta tendência romântica. Os escritores lituanos, compartilhando a vida e pensamentos patrióticas do povo, e encorajado pelo exemplo de SD Luzzatto, que uniu cultura moderna com o patriotismo ardente, virou-se para o romantismo. O divulgador prolífica Kalman Schulman (1826-1900) inaugurou ficção romântica e introduziu a forma romântica para o hebraico através de sua versão em hebraico de "Les Myste res de Paris" ( "mistere Paris") e tornou-se um dos civilizadores do gueto através de sua inúmeros trabalhos científicos e populares, especialmente através de seus estudos do passado judaico. Sua, fluindo, estilo ah Meliz pura, seu sentimentalismo extrema, bem como seu romantismo ingênuo em todas as questões que tocam o judaísmo, ganhou para ele grande influência. Para totalmente meio século ele, apesar de sua falta de originalidade, classificado como um mestre. O jovem e talentoso escritor Micah JosephLebensohn(1828-1852), o primeiro verdadeiro artista e poeta romântico em hebraico, deixou poemas que são perfeitos em grande estilo, incluindo uma tradução admirável do "neid Æ", letra de amor, da natureza, e de tristeza. Mas suas obras são poemas românticos ( "Moses", "Judah ha-Levi") que lidam com o passado glorioso de Israel.

 

O criador do romance hebraico era Abraham Mapu (1808-1867), cujo romance histórico "Ahabat Z iyyon" exerceu uma importante influência sobre o desenvolvimento do hebraico. Este romance, que trata da idade de ouro de Judá, que de Isaías, e é expressa na própria língua desse profeta, é sim uma sucessão de imagens poéticas reconstruir a civilização da antiga Judéia do que uma história ligada. Simples e primitiva em seus pensamentos, Mapu estava tão imbuído do espírito da Bíblia, que, embora inconscientemente, ele foi traduzido para tempos antigos, e, guiados por uma intuição maravilhosa, ele conseguiu reconstruir a vida livre, agrícola da antiga Judá, na terra dos profetas, da justiça e da verdade, da terra do amor e da alegria da vida. Este passado, para renovar o que era a ambição de estudiosos e pessoas, sobrepor-se sobre o presente, e foi devido ao romance de Mapu que todo um povo saía de sua longa letargia, para renascer. Outra novela ( "Ashmat Shomeron") por Mapu serviu para aumentar sua popularidade.

 

Muitos imitadores desses líderes do romantismo hebreu apareceu, e numa altura em que as perspectivas políticas verificadas todas as esperanças de uma vida melhor: o Maskilim exigiu, em nome do passado profética, os direitos da civilização e do progresso. Muitas pessoas, também, foram conquistados para a leitura da literatura secular. Quando em 1856 Silbermann fundado em Lyck a primeira revista política em hebraico, "Ha-Maguid", ele reuniu-se com o sucesso inesperado e teve muitos imitadores. Na Áustria, Rússia, e até mesmo na Palestina, periódicos, mais ou menos sucesso, apareceu, promover a causa, tanto do hebraico e da emancipação. Entre essas revistas eram "Ha-Karmel," fundada pelo estudioso Samuel Joseph Fuenn "Ha-Z efirah", fundada pelo divulgador da ciência CZ Slonimsky e "Ha-Meliz", fundada por A. Zederbaum.

 

O liberalismo oficial e radicalismo.

A adesão de Alexander II. mudou radicalmente a condição dos judeus russos. Uma onda de liberdade e radicalismo varreu o império, e, pela primeira vez, os judeus russos poderia esperar muito semelhante ao de seus correligionários ocidentais. Despertados de seu sono de um século, os povos atrasados ​​do gueto começou a sacudir cadeias religiosas e outras, tornando-se imbuído de idéias modernas e adotar modos modernos de vida. Nos grandes centros não havia nenhuma oposição séria à emancipação, e os judeus reuniram-se em massas às escolas e procurou empregos seculares. Os próprios estudiosos, incentivado pelo governo e pelos notáveis ​​das grandes cidades, decidiu atacar todos os "domínios das trevas" do passado, e ocupar-se com os assuntos do dia e quando as pequenas províncias, menos perturbado por às perturbações econômicas e morais, radicalmente contra este emancipation- social que levou ao esquecimento da Lei e posto em perigo a fé- o Maskilim sabia há limites para sua fúria contra os fanáticos do gueto. Literatura hebraica, a princípio realista, atacando os costumes e superstições em nome da utilidade e da realidade das coisas, tornou-se cada vez mais anti-rabínico como oposição tradição religiosa. Mapu liderou o caminho em seu romance " 'Ayiṭ Z abua'", que, apesar de uma falha de um ponto de vista literário, retrata os tipos atrasados ​​do gueto, o Tartuffes, e os inimigos para progredir, com um realismo intencionalmente exagerada.Abramowitsch, Então um jovem, descreveu em seu romance "Ha-Abot que-ha-Banim" os costumes da asidim H e as lutas dos seus filhos progressivas. O poeta idade Abraham BA r Lebensohn publicou seu drama, "Emet we-Emunah" (escrito vinte e cinco anos antes), no qual ele satirizou hipocrisia cabalística e misticismo. O número de divulgadores da ciência, os críticos de costumes tardias e belittlers do passado religioso tornou-se uma legião.

 

Leon Gordon (1830-1892).

O mais distinto entre esses escritores foi o poeta LeonGordon, Um inimigo implacável dos rabis, que personificavam em si mesmo nesta época realista. Ele começou escrevendo poemas românticos em imitação dos dois Lebensohns. Mas quando o horizonte alargado para os judeus russos, encheu-se de compaixão pelo estado deplorável das massas ortodoxos, a quem ele se dirigiu a sua "Hak IZ ah 'Ammi" - "Awake, povo meu, para uma vida melhor", ou seja, , "para a vida das pessoas sobre você." De um espírito fogoso, ele impiedosamente atacados a lei rabínica, a letra morta, o jugo religioso pesando sobre as massas. Ele considerava rabbinism como a maior desgraça do povo judeu, que mataram a nação entregando-o aos romanos mais seculares, e que dificultava sua participação nas realidades da vida moderna. Atividade de Gordon cobriu todos os ramos da literatura. Ele ocupa o lugar na literatura hebraica como um poeta satírico e crítico de costumes e como escritor de fábulas que ele não tem igual. Mas, apesar de sua gravidade aparente e seu extremo ceticismo, ele permaneceu no coração um patriota e, quando ele critica ele faz isso, a fim de elevar a vida social dos judeus, enquanto luto pela miséria da nação messiânica. Mesmo em seus poemas históricos, "Z IDK iyahu ser-Bet ha-PEK UDOT" e "Bi-Mez ulot Yam", ele exibe todo o seu amor por seu povo, que se tornou mais pronunciada durante os anos de perseguição e miséria na Rússia. Mas mesmo assim ele acreditava que rabbinism era o inimigo que impediu um renascimento nacional. Gordon estava entre o primeiro sucesso para introduzir Talmudisms em poesia.

 

As esperanças do Maskilim não foram realizadas: a Rússia não prosseguir as suas reformas radicais e uma reação começou entre 1865,1870. Decepcionado com seus sonhos de igualdade, escritores agora dobrado todas as suas energias para o trabalho da emancipação dos indivíduos de entre as massas, através da divulgação de instrução e defendendo a busca de comércios como sendo necessário para caber os judeus para lidar com as exigências da vida e tomar parte na batalha pelo incidente de subsistência para as mudanças econômicas da época.

 

O utilitarismo.

Na Galiza um círculo de estudiosos, sob a liderança de Schorr, diretor de "aluẓ He-H", e A. Krochmal, defendido reformas religiosas, corajosamente atacando tradição e até mesmo a lei de Moisés. Mas na Rússia, especialmente na Lituânia, os estudiosos não ir tão longe. A ideologia da Maskilim não foi aceita pelos estudiosos que entraram em contato mais próximo com as massas e, em vez de atacar os princípios, eles defenderam reformas práticas e mudanças de acordo com as necessidades da vida diária. O utilitarismo sucedeu à ideologia dos estudiosos anteriores. Abraham Kowner em seu folheto "H EK er Dabar", etc. (1867) atacou os mestres do hebraico para serem idealistas, e da imprensa porque ministrou nem às necessidades estritas de vida diária nem ao bem-estar material das massas . Paperna e outros também foram pronunciadas realistas. Moses Lilienblum inaugurou uma campanha a favor da união de vida e fé- um esforço perigosa ao seu autor e seus emuladores, mas digno de nota como sendo a última tentativa do judaísmo rabínico para adaptar-se às necessidades da vida moderna sem desistir de suas observâncias hora . Em seu livro instrutivo "h em t ot Ne 'urim," Lilienblum deixou um curioso documento que descreve os conflitos internos de um jovem Talmudist do gueto que já passou por todas as etapas entre a simples vida de um crente ortodoxo e que de um livre-pensador cético. Vendo a vida do judeu moderno, emancipada e indiferente a tudo o que é judeu, ele é agitado em suas convicções mais elevadas e grita, "A Lei nunca vai andar de mãos dadas com a vida." -Se Lilienblum finalmente tornou-se um utilitarista, buscando em nada a vida judaica, mas material de bem-estar individual, e testemunhar com pesar para a queda do Haskalah por causa de um excesso de ideologia. "Os jovens devem pensar e trabalhar apenas para suas próprias vidas." Isto tornou-se a palavra de ordem da última Maskilim para 1870.

 

  1. Pines.

O gueto, no entanto, ainda não tinha falado a palavra final. Dentro dos limites da própria modernização do hebraico e do espírito religioso judaísmo tradicional foi acentuada, levando a um compromisso entre fé e vida. Revistas ortodoxos estavam começando a ser os porta-vozes de um partido conservador mais em contato com idéias modernas. Lado a lado com o PRESS- realista "Ha-Meliz", o órgão dos realistas "Ha-Z efirah", uma revista científica popular "He-H aluẓ", um papel anti-religiosa e outros- havia "Ha-Maguid" e "Ha-Líbano", em que os rabinos ortodoxos entusiasticamente defendido o cultivo de hebraico e corajosamente ofereceu planos para seu rejuvenescimento, bem como para a colonização da Palestina. Michel Pines, o antagonista de Lilienblum, publicado em 1872 seu "Yalde Ruh i", um tratado exibindo profunda fé, e no qual ele bravamente defende judaísmo tradicional, insistindo que rituais e observâncias religiosas são necessárias para a manutenção da harmonia entre fé, que influencia a mente, bem como a moral. As reformas são desnecessárias, porque os crentes não se sentem a necessidade deles, e livres-pensadores não valorizar qualquer crença. Como a massa de crentes, Pines não compartilha o pessimismo dos realistas, mas ele acredita firmemente no renascimento nacional do judaísmo. Qualquer entendimento entre as duas partes parecia impossível, os realistas não acreditando no futuro do judaísmo, e os conservadores recusando todas as tentativas de reforma religiosa. Mesmo céticos como Gordon ficaram alarmados ao ver "os jovens abandonam sem retornar." Então, mais uma vez, um homem levantou-se para realizar o trabalho de misturar o humanista e as correntes românticas e de liderar a Haskalah volta às fontes vivas do judaísmo nacional.

 

  1. Smolenskin (1842-1885).

Esta foi Perez Smolenskin, o iniciador do movimento nacional progressiva. Ele, também, começou sua carreira, em 1867, com um artigo crítico de realismo pronunciada, "Bik Ḳ ORET Teh Iyyah." Mas, desanimado com o fanatismo dos antigos e pela indiferença e estreiteza dos modernos, ele deixou a Rússia e viajou pela primeira vez através da Áustria e mais tarde através de outros países ocidentais, com tristeza observando a decadência do judaísmo e do seu ideal patriótico. Em Viena, ele emitiu em 1868 "ar Ha-Shah", cujo objeto era a atacar o obscurantismo medieval e da indiferença moderna. Durante dezoito anos Smolenskin continuou esta campanha trabalhoso. Em seu " 'Am' Olam" (1872), ele aparece como o campeão da preservação nacional de Israel e da realização do ideal rabínica libertado de todo o misticismo. Esta secularização de um ideal que tinha constituído o poder de Israel de resistência teve resultados importantes. Em primeiro lugar, restaurado para o judaísmo e para hebraico o melhor entre os jovens, que, embora ainda profundamente ligados ao judaísmo e à vida das massas, tinha mais nenhuma fé. Isto preparou o caminho para o sionismo. Mas isso não era tudo. Smolenskin reconheceu que um dos principais fatores no processo de assimilação era a ideia estabelecida de Mendelssohn e, especialmente, pelos seus discípulos (Geiger e outros) que o judaísmo não constitui uma nação, mas uma confissão religiosa, uma idéia que seria naturalmente induzir a assimilação dos livres-pensadores. Smolenskin atacou essa idéia em uma série de artigos, que, embora violento e muitas vezes injusta, foram ainda necessários para apontar a prioridade do factor nacional sobre o fator religioso na conservação do judaísmo.

 

"Ar Ha-xá."

Durante dezoito anos "Ha-Shah Ar" foi o ponto de encontro para a ousadia idéias e campanhas contra os obscurantistas e os modernos. Ele foi especialmente notável para os romances realistas de Smolenskin, que, apesar de suas deficiências técnicas, tomar um lugar de destaque na literatura hebraica. Lado a lado com esboços do personagem do gueto e ataques violentos contra o obscurantismo aparecer um profundo amor para as massas e uma fé ardente no futuro de Israel e na apoteose de jovens estudantes dotados com a alma de profecia, verdadeiros sonhadores do gueto. Pela primeira vez, a língua hebraica, como modernizado por Smolenskin, levou imensos avanços. "Ha-Shah ar" única obra original publicada e através do apoio e influência de seu editor, surgiu toda uma escola de realistas que escreveram em hebraico. Além de Gordon e Lilienblum, havia Brandstä dter (o criador inteligente do conto, em hebraico), S. Mandelkern, JL Levin, Ben Z ebi, M. Cohn, Silberbusch, Mandelstam, e outros. Ciência foi representado por S. Rubin, D. Kohan, Heller, D. Mü ller, etc.

 

A influência de "Ha-Shah ar" foi sentida em toda a literatura hebraica. O poeta popular e erudito do sul, AB Gottlober, fundou sua avaliação "er Ha-Bok Ou" (1876) com a finalidade de defender Mendelssohn eo Haskalah. Gottlober mesmo contribuiu esboços do personagem do H asidim, enquanto o talentoso escritor RA Braudes começou em suas páginas seu romance "Ha-Dat WEHA-H ayyim", no qual ele retrata com mão de mestre a luta pela união de vida e de fé. Mesmo América ostentava um jornal hebraico, "Ha-Z ofeh ser-Ereẓ Nod", publicado pela Sobel. Um judeu convertido, Salkinson, produziu uma tradução admirável Hebraica de Shakespeare e de Milton, eo Freiman socialista publicou uma revisão em hebraico, intitulado "Ha-Emet" (1878). Mais importante, porém, foi o grande trabalho pela IH Weiss, "Dor Dor we-Dorshaw," lidar com a evolução da tradição religiosa. As ciências foram ocupados por H. Rabbinowitz, Pories, S. Sachs, Reifman, Harkavy, Gurland, J. Halevy, A. Epstein, Zweifel, Popirna, Buber, etc. Até mesmo o estilo foi modernizado, embora a ah Meliz não desaparecer, como é visto pelos escritos de Schulman, Friedberg, e outros. 

As ideias de Smolenskin deu frutos. Com o retorno do ideal nacional, o hebraico como língua nacional foi novamente revivido. jubileu literário de Leon Gordon foi entusiasticamente celebrada em St. Petersburg, e depois de seu retorno de uma viagem através da Rússia em 1880, ele estava em todo lugar recebido como o autor nacional, até mesmo pelos estudantes das capitais. O aparecimento de anti-semitismo, as perseguições renovadas, e os terríveis anos de 1881 e 1882, finalmente destruiu os ideais da Haskalah, cujos seguidores hebraico passado foram forçados a admitir que Smolenskin estava certo. 

Quando as primeiras colônias na Palestina havia sido fundada, e há já não existia uma crença na possibilidade de reforma religiosa sem uma convulsão do judaísmo como um todo, era comumente admitiu que o trabalho de renascimento nacional de Israel deve ser incentivada. A imprensa hebraica empreendeu especialmente para apoiar o "H Obebe Z iyyon" (Chovevei Zion), Como os sionistas eram então chamados. literatura moderna hebraico, que durante um século tinha sido progressiva e secularização, agora tornou-se o instrumento de propaganda patriótica. Muitas vezes, aqueles que anteriormente tinha defendido reformas agora pediu o abandono das idéias modernas, a fim de conciliar as massas. Smolenskin sozinho não abandonou a sua missão civilizadora, e permaneceu um realista progressiva. Ele finalmente sucumbiu ao excesso de trabalho e morreu em 1885. Em sua morte "Ha-Shah ar" cessou a publicação, apenas um século após o aparecimento de "Assef Ha-Me" (1785). Este foi o fim da Haskalah. Ele agora deu lugar para o sionismo, que estava no primeiro hesitante, mas, gradualmente, surgiu à realização e afirmação da sua força total.

 

Literatura Contemporânea (1885-1904).

A mudança de atitude na profissão de fé entre os estudiosos hebreus e os jovens que haviam retornado ao ideal nacional e aos sonhos proféticos foi de vantagem para o hebraico, que agora passou a ser considerado como o nacional a linguagem do povo judeu e do laço que une os judeus de todos os países. Enquanto E. Ben-Judá em Jerusalém, através do exemplo pessoal e através de propaganda em seu diário "Ha-Z ebi," restaurado hebraico como língua viva na Palestina, houve uma crescente demanda por livros hebraicos na Rússia, e os judeus modernizados tornou-se ambiciosa para cultivar a língua nacional. O sucesso do grande acervo literário "Ha-Asif" (editado pelo escritor N. Sokolow), que sucedeu "Ha-Shah ar", logo chamou a brotar outras publicações, notável entre os quais estava o trabalho sionista "Keneset Yisrael" pela historiador SP Rabbinowitz, e quanto mais científica "oz ar ha-Sifrut."

 

Imprensa diária.

Em 1886 L. Kantor começou a publicação de "Ha-Yom", o primeiro jornal diário hebraico e logo após "Ha-Meliz" e "Ha-Z efirah" foram transformados em jornais. A imprensa política, também, foi criada, e contribuiu em grande parte para a propagação do sionismo e à modernização do estilo hebraico. A fundação de duas grandes editoras de casas (o "Ah iasaf" e "Tushiyyah"), através dos esforços deBen-Avigdor, Finalmente regulamentou as condições para o progresso do hebraico, e criou uma classe de escritores pagos. Revistas, mais do que outras formas de literatura, estão se multiplicando, e há um número mesmo na América.

 

atividade literária foi retomada depois de um curto intervalo de tempo, agora de forma totalmente nacional e de acordo com as muitas necessidades de um grupo nacionalista. Todos os ramos de letras, ciência e arte foram assiduamente cultivada, sem descurar o renascimento do povo judeu na terra de seus pais. No campo da poesia, além Mandelkern e Gottlober, ambos convertidos ao sionismo, estão a ser encontrado Dolitzky, autor de canções sionista descrevendo as misérias dos judeus russos os dois poetas sionistas Isaac Rabinowitz e Sarah Shapira, eo poeta lírico dotado MH Mané , que morreu em uma idade precoce. Talvez o mais notável foi CA Shapira, um poeta lírico do eminente, que, amargurados pela indignação, introduziu uma nova nota em ódio de perseguição hebraico poesias. Há, finalmente, NH Imber, o poeta da Palestina renascente e autor de canções populares. Bialik é um poeta lírico de grande vigor, uma estilista incomparável, e um romântico de nota, enquanto seu contemporâneo mais jovem Saul Tschernichowsky está a decorrer ao longo de novas linhas, a introdução de esteticismo puro, o culto da beleza e do amor, na língua dos Profetas. O mais talentoso entre os poetas mais jovens são SL Gordon, N. PINE S, A. Lubochitzky, Kaplan, Lipschü tz, e A. Cohan.

 No campo das belas-letras Ben-Avigdor é o criador do novo movimento realista isso, ele expõe em suas histórias psicológicos e, especialmente, no seu "Menaḥ em ha-Sofer", no qual ele ataca, em nome da vida moderna, nacional chauvinismo. Braudes tornou-se proeminente como um romântico. A idade AJ Abramowitsch, que voltou ao hebraico, encanta seus leitores por suas sátiras artísticas. IL Perez tem em suas canções, como em sua poesia, uma tendência para o simbolismo. MJ Berdyczewski tentativas de introduzir o individualismo nietzschiana em suas histórias e artigos. Feierberg expressa os sofrimentos de um jovem em busca estudioso verdade. Goldin é um escritor agradável, mas sentimental de histórias. Bershadsky é um realista franco e perto observador. Outros que merecem menção são: J. Rabinovitz Turov AS Rabinovitz Epstein Asch J. Steinberg Goldberg Brener os galegos Silberbusch e Samueli o poeta e prosador David Frischman, o tradutor de "Cain" J. Ch. Tawjew, que é um folhetinista distinguido e escritor sobre pedagogics AL Levinsky, o contador de histórias, autor de um sionista Utopia ( "As Viagens na Palestina em 5800") e JL Landau, o único poeta dramático. Como Landau é um poeta, em vez de um psicólogo, o seu "Herodes" e outras peças não são destinados para o teatro. A vy orientalista Joseph Halé publicou um volume de poemas patrióticos. 

A reação de 1890 na obra de colonizar a Palestina ea necessidade evidente de tomar algumas medidas para fazer face a uma tal reação produziu o trabalho de "ah ad ha- 'Am" (Asher Ginzberg). Ele é notavelmente um crítico de costumes e em nome da ideologia pura atacou primeira colonização real e, em seguida sionismo político. Judaísmo, antes de tudo, e não os judeus a moral e espiritual, e não um econômico e um centro político de um ideal nacional tomando o lugar de fé- tal, em bruto, é a ideia de este publicista aguda e paradoxal. Um certo número de homens jovens, influenciados por sua coleção de "Ha-Pardes" ea avaliação "Ha-Siloé", fundada por ele e continuou por Klausner, têm seguido o seu exemplo. Completamente oposto em tendências é Bez Zeebe Ya ', o editor de "Ha-mizrah," um estilista notável e romântica religiosa. L. Rabinovitz, o diretor de "Ha-Meliz", em seus artigos "Ha-Yerushshah Weha-H innuk" também mostra-se um defensor da tradição judaica, enquanto Ben-Judá, o autor de "Hashḳ afah" (Jerusalém ), constantemente se opõe obscurantismo. N. Sokolow, pelo poder de seu gênio, força hebraico e idéias modernas, mesmo em cima do asidim h. O crítico Reuben Brainin é um observador atento, um estilista admirável, e um charmoso contador de histórias. O historiador S. Bernfeld é um divulgador da ciência acadêmica judaica. 

Pedagogia e literatura juvenil também têm os seus periódicos e dignos representantes. Entre elas estão: Lerner, SL Gordon, Madame Ben-Judá, Yellin, Grosovsky e Berman. Muitos estudiosos têm se dedicado à ciência, como o falecido filósofo F. mise s o gramático J. Steinberg, que é um escritor admirável o anatomista, o arqueólogo e autor de histórias populares Katzenelenson Neimark e Hurvitz. Há, além disso, muitos tradutores e compiladores que tenham prestado para o hebraico Longfellow, Mark Twain, Zola, e mesmo De Maupassant e este trabalho está a ser activamente levada adiante. Há um aumento constante do número de revistas diárias e semanais, os quais, embora sionista, não são menos progressivo. Com a emigração dos judeus russos para países estrangeiros, o hebraico é encontrar novos centros. Em 1904, um curso de literatura hebraica moderna foi instituído na Sorbonne. Palestina é de uma forma justa para se tornar a casa do hebraico como língua viva, e nos Estados Unidos e na Inglaterra, existem inúmeras publicações em hebraico. Mesmo no Extremo Oriente, livros hebraicos e periódicos podem ser encontrados em números crescentes, estimulando a regeneração nacional e social. Mas é preciso lembrar que o futuro do hebraico está intimamente ligado com o sionismo, que é aceito pelas massas apenas em razão do ideal de renascimento nacional. Fiel à sua missão bíblica, a língua hebraica por si só é capaz de reviver vigor moral e idealismo profética, que nunca falharam, onde a língua sagrada foi preservada.(dic . Hasting 1915).

fonte www.mauricioberwaldoficial.blogspot.com.br