Translate this Page

Rating: 3.0/5 (907 votos)



ONLINE
5




Partilhe este Site...

 

 

<

Flag Counter


doutrina biblica da reconciliação
doutrina biblica da reconciliação

                                                           

                                       DOUTRINA BIBLICA DA RECONCILIAÇÃO

rek'on - SIL , rek - em - sil - Eu - ā'shun ( καταλλάσσω , katallássō , καταλλαγή , katallage , Também a forma composto ἀποκαταλλάσσω , apokatallássō ; uma vez que o cognato διαλλάσσομαι , diallássomai é usada em Mateus 5:24 ):

(1) Uso do Novo Testamento.

No último caso, Mateus 05:24 , a palavra não é usada em um sentido doutrinário, embora seu uso é muito útil ao considerar a força dos outros termos. Todos os outros casos estão em epístolas de Paulo ( Romanos 5:10 ; 1 Coríntios 7:11 ; 2 Coríntios 5: 18-20 , o verbo; Romanos 5:11 ; Romanos 11:15 ; 2 Coríntios 5:18 , 2 Coríntios 5 : 19 , o substantivo; Efésios 2:16 ; Colossenses 1:22 , o composto). A palavra "conciliar" tem um duplo significado e uso, e do contexto em cada caso, deve determinar como ele é para ser tomado. A grande doutrina é a reconciliação de Deus e os homens, mas a questão a ser decidida é se é Deus que se reconcilia com homens, ou homens que estão reconciliados com Deus, e diferentes escolas de teologia enfatizar um lado ou do outro. A verdadeira visão engloba dois aspectos. A palavra "conciliar" significa, literalmente, para troca, para trazer em um relacionamento alterado. Alguns afirmam que se trata apenas de uma alteração no pecador que se destina, a deixar de lado sua inimizade, e que entram em relações pacíficas com Deus. Mas que manifestamente não esgota o sentido, nem é na grande Paulina passagens o significado primário e dominante.

(2) Uso do Antigo Testamento.

O uso do Antigo Testamento não materialmente ajudar na elucidação dos termos do Novo Testamento, para que a palavra ocorre em um número de passagens na King James Version, é na Versão Revisada (britânico e americano) geralmente alterado para "expiação, "o que representa mais precisão o hebraico kaphar , Que geralmente é prestado pela "expiação", e por hiláskomai ou exiláskomai no grego (Em uma passagem do Novo Testamento ( Hebreus 2:17 ), a frase "para expiar" representa o gregohilaskomai E é melhor traduzida na Versão Revisada (britânico e americano) por "fazer propiciação.") A expiação ou propiciação fazendo é a base da reconciliação, os meios de sua realização, e o fato de que os tradutores da King James Versão rendido às vezes kaphar por "conciliar" mostra que eles entenderam a reconciliação para ter o aspecto Godward. O que quer que pode ser dito sobre a natureza da expiação ou propiciação na antiga dispensação, foi algo contemplado como apaziguar ou satisfatória, ou pelo menos, de alguma forma afetar a Deus, de modo a torná-lo pronto, ou torná-lo possível para Ele, para entrar em, ou permanecer em relações graciosas, com os homens. Em uma passagem do Velho Testamento, onde a "reconciliação" ocorre ( 2 Crônicas 29:24 ) representa uma palavra hebraica diferente, mas aqui a Versão Revisada (britânico e americano) mudou-la em "oferta pelo pecado", que está em harmonia com o sentido geral e uso do hebraico.

(3) Passagem especial em 1 Samuel 29: 4 .

Existe ainda uma outra palavra hebraica traduzida por "conciliar" em 1 Samuel 29: 4 , e na medida em que esta passagem na Septuaginta tem como o equivalente do hebraico, a palavra grega diallasso, É de alguma importância na orientação para o significado do Novo Testamento. Em certa ocasião, quando os filisteus se reuniram para lutar contra Israel, David e seu bando de homens acompanhados Aquis, rei de Gate para o local o agrupamento. "Os príncipes dos filisteus" não em todos apreciam a presença de "estes hebreus", e embora Aquis testemunhou em favor da fidelidade de David, eles foram muito indignado, e exigiu que Davi e seus homens ser enviado de volta, "para que no batalha que ele se tornar um adversário para nós: por meio do qual deve este homem reconciliar-se para o seu Senhor que não seria com as cabeças destes homens "? O hebraico éRacah, Que significa "estar satisfeito com" ou "para aceitar favoravelmente", e a forma Hithpael aqui utilizado é "tornar-se agradável ou aceitável", "reconciliar-se." Mas seguramente idéia dos filisteus, de David reconciliando-se a Saul não era que ele deveria deixar de lado a sua inimizade contra Saul, e assim tornar-se amigos com ele. A inimizade estava do lado de Saul, eo pensamento dos príncipes foi que David girando contra eles na batalha iria gratificar Saul, e levá-lo a deixar de lado a sua inimizade contra David.

(4) Uso nos Apócrifos.

Pode-se notar que em 2 Macabeus 05:20 , katallage é utilizado evidentemente do lado Godward: ". E o lugar que foi abandonado por causa do furor do Todo-Poderoso foi, na reconciliação do grande soberano, restaurado novamente com toda a glória" O verbo ocorre em 2 Macabeus 1: 5 , quando mais uma vez o lado divino parece destinado, embora talvez não tão certamente: "Que Deus ... escutai as suas súplicas, e se reconciliar com você", e em 7:33: "Se, por repreendo e castigo nosso Senhor vivo foi irritou um pouco, mas ele deve novamente ser conciliado com os seus servos ", e 8:29:" Eles suplicou ao Senhor misericordioso para ser totalmente reconciliado com os seus servos ". Nestes dois, especialmente o último, é, sem dúvida, o abandono do desagrado divino que se destina.

2. A passagem não-Doutrinária - Mateus 5:24 :

Antes de passar a olhar para as grandes expressões no Epístolas, podemos agora olhar para a passagem não-doutrinária referido no início. Há, de fato, uma outra instância não-doutrinária em 1 Coríntios 07:11 , onde a mulher, que se afastou de seu marido é intimados a distribuição "fique sem casar, ou que se reconcilie com seu marido." Mas como é indeterminado se a esposa ou o marido é a parte ofensora, e assim que é o único a ser influenciado, a passagem não nos ajuda muito. Mas Mateus 05:24 é uma passagem muito esclarecedor. Aqui, como na passagem de 1 Samuel, a palavra usada é diallassō , Mas é praticamente no sentido identificado com katallassō. A liminar é dada por Cristo a quem está em desacordo com o seu irmão, e não para completar a sua oferta até primeiro ele foi reconciliado com seu irmão. Mas toda a declaração mostra que não é uma questão de quem está oferecendo o dom deixando de lado sua inimizade contra o seu irmão, mas o inverso. Cristo diz: "Se, pois, tu és oferecendo a tua oferta diante do altar, e aí te lembrares (não que tens rancor contra teu irmão, mas) que teu irmão tem alguma coisa contra ti" - o irmão era o ofendido, ele é o único para ser trazido round - "deixar lá a tua oferta diante do altar, e vai-te, primeiro se reconciliar com teu irmão, e depois vem apresentar a tua oferta." Claramente isso significa que ele deve fazer algo para remover o desprazer de seu irmão e assim promover a reconciliação.

3. doutrinais passagens:

(1) Romanos 5 .

Voltando agora à Romanos 5 , como está o problema? Paul tem falado dos benditos resultados da justificação; um desses resultados é o derramamento no exterior do amor de Deus no coração. Em seguida, ele se detém sobre a manifestação de que o amor na morte de Cristo, um amor que foi exibido para o sem amor, e ele argumenta que, se em nosso estado pecaminoso e sem amor estávamos abraçados pelo amor de Deus, a fortiori, que amor não vai ser menos agora que ele já começou a fazer efeito. Se Ele nos amou, quando estávamos sob a Sua condenação suficientemente para dar Seu Filho para morrer por nossa salvação, muito menos seu amor derramar sobre nós as bênçãos garantidos por essa morte. "Muito mais agora, sendo justificados pelo seu sangue, seremos salvos da ira de Deus por meio dele" ( Romanos 5: 9 ).

(A) O fato da ira divina:

É bom observar, então, que não há "ira" da parte de Deus contra o pecado e os pecadores. Um dos principais pensamentos do apóstolo nesta epístola é que "a ira de Deus se revela do céu contra toda a impiedade e injustiça dos homens" ( Romanos 1:18 ), e o próximo dia de julgamento é o "dia da ira e da revelação do justo juízo de Deus "( Romanos 2: 5 ). E por causa deste fato popa, o evangelho é uma revelação, não só de amor, mas especificamente "a justiça de Deus" ( Romanos 1:17 ). E ele mostra que a essência do evangelho é encontrado na morte expiatório do Senhor Jesus Cristo ( Romanos 3:24 , Romanos 3:25 , Romanos 3:26 ), por meio de quem só pode homens que foram "trazidos sob o julgamento de Deus "( Romanos 3:19 ) encontrar justificação, salvação, libertação da ira de Deus ( Romanos 4:25 ; Romanos 5: 1-6 ). É claro que não é necessário acrescentar que a ira de Deus não é para ser pensado como tendo qualquer elemento indigno ou caprichosa nele - é a oposição firme de Sua natureza santa contra o pecado.

(B) Reconciliação, Godward, bem como Manward:

O apóstolo passa ( Romanos 5:10 ): "Porque, se nós, quando éramos inimigos, fomos reconciliados com Deus pela morte de seu Filho, muito mais, estando já reconciliados, seremos salvos pela sua vida." Agora, se, como sustentam muitos, é apenas a reconciliação no lado manward que se destina, que o amor manifestado levou ao pecador, deixando sua inimizade, seria inteiramente inverter o argumento do apóstolo. Ele não está argumentando que, se nós começamos a amar a Deus podemos contar com Sua fazê-lo e por isso para nós, mas porque Ele tem feito muito, podemos esperar que ele faça mais. O versículo é paralelo ao anterior, ea estando já reconciliados está no mesmo plano que se justifique; o sendo justificados era a ação de Deus, e assim é a reconciliação. Justificação livra da "ira de Deus"; reconciliação tem efeito sobre inimigos.

(C) O significado dos "inimigos" de palavra:

A palavra "inimigos" é importante. Por aqueles que tomam o aspecto do homem da reconciliação como a única, sustenta-se que a palavra deve ser tomado ativamente - aqueles que odeiam a Deus. Mas o significado passivo ", o ódio de Deus", parece longe o preferível, e é mesmo exigido pelo contexto. Paulo usa o verbo echthroı , "Inimigos", em Romanos 11:28 , em antítese ao "amado" de Deus, e esse é o sentido consistente aqui. Os inimigos são aqueles que são os objetos da ira do verso anterior. E quando estávamos assim odiado de Deus, os objetos de Sua justo desprazer por conta do nosso pecado, "fomos reconciliados com Deus pela morte de seu Filho". Deus colocou de lado sua inimizade, e na morte propiciatório de Cristo mostrou-se disposto a nos receber em seu favor.

(D) O Manward Side:

Por esta propiciação, por isso, a barreira foi removido, e, se Deus ter assumido uma atitude gentil para com o pecador, é possível que o pecador agora, influenciado por seu amor, a entrar em um relacionamento amigável com Deus. E assim, na segunda frase, os dois significados, o Godward eo manward, podem se unir: "estando já reconciliados, seremos salvos pela sua vida." A reconciliação se torna recíproco, pois não há nenhum tipo de dúvida de que os pecadores são inimigos de Deus, no sentido ativo, e exigem a deixar de lado sua hostilidade, e assim se reconciliar com Ele. Mas o primeiro passo é com Deus, bem como a conciliação, que teve lugar na morte de Seu Filho só poderia ser a reconciliação Godward, já que na época os homens ainda foram influenciados por Seu amor. Mas, talvez, só porque esse primeiro reconciliação é provocada através do amor divino, que prevê a propiciação, as evita apóstolo dizendo "Deus está reconciliado", mas usa a forma mais indireta de expressão. O aspecto manward é enfatizada no versículo seguinte, embora o Godward não se perca de vista: "Nós também nos gloriamos em Deus por nosso Senhor Jesus Cristo, por intermédio de quem recebemos, agora, a reconciliação" ( Romanos 5:11 ). Por isso, é algo que vem de Deus e não procede do homem. Deus é o primeiro motor; Ele faz a reconciliação como já indicado, e, em seguida, os frutos do que é imputada ao pecador que crê, e o fato de que nossa receber a reconciliação, ou sendo levados a um estado de reconciliação; segue o que está sendo reconciliado de Romanos 5:10 , mostra que o outro é a reconciliação divina como a base do ser humano.

(2) 2 Coríntios 5: 18-20 .

(A) O primeiro aspecto Godward:

Da mesma forma, a grande passagem em 2 Coríntios 5: 18-20 não pode ser entendida como parte da concepção de que há uma reconciliação no lado divino. Há, sem dúvida, referência para o lado humano da questão, bem como, mas, como em Romanos, o aspecto Godward é primário e dominador: "Todas as coisas são de Deus, que nos reconciliou consigo mesmo por Cristo, e nos confiou o ministério da reconciliação ". Pode ser possível argumentar a partir da King James Version que este descreve o processo acontecendo sob influências do Evangelho, homens que estão sendo levados para as relações graciosas com Deus, mas o aoristo do grego, com razão, proferida pela Versão Revisada (British American e) ", que nos reconciliou consigo mesmo ", aponta de volta para o momento histórico em que a operação foi realizada. Ele não pode ser simplesmente a rendição do pecador a Deus para que se entende, no entanto, que vem como consequência; é uma obra que procede de Deus, é realizado por Deus, e por causa da realização desse trabalho é possível para um ministério de reconciliação a ser confiada a homens. Para fazer com que isso significa que o aspecto humano da reconciliação, seria necessário indevidamente para confiná-la para a reconciliação do Paulo e seus companheiros de trabalho, no entanto, mesmo assim, seria um esforço da linguagem, pois não há outro ato histórico descrito, "e nos confiou o ministério da reconciliação." O significado claro é que através de Jesus Cristo, Deus estabeleceu a base de acordo, removeu a barreira para a abordagem do pecador para Si mesmo, realizou a obra da propiciação, e, depois de ter feito isso, Ele confia Seus servos com o ministério da reconciliação, um ministério que, baseando-se no grande propiciatório, conciliar o trabalho de Cristo, é direcionado para os homens, que procura eliminar a sua inimizade, influenciá-los na sua vez de se reconciliar com Deus. Este é mais claramente estabelecido no versículo que se segue, que para explicar o ministério da reconciliação diz: ". Para saber, que Deus estava em Cristo reconciliando consigo o mundo consigo, não imputando aos homens as suas ofensas" Aqui não pode haver dúvida de que a Encarnação histórica se entende, e a reconciliação do mundo pode ser nada mais do que a obra objetiva da expiação culminando na cruz. E em que a transação não pode haver pensamento do pecador deixando de lado sua hostilidade para com Deus; é Deus em Cristo para lidar com o pecado que a desgraça que encontra-se sobre o culpado for cancelado, a ira é evitada, propiciação é feita.

(B) O Manward Side também destacam:

Deus, em uma palavra, entra em relações de graça com um mundo de pecadores, torna-se reconciliado com o homem. Isso está sendo feito, graciosas influências podem ser exercidas sobre o homem, a principal das quais é a consideração desse fato estupendo de graça, que Deus em Cristo lidou com a questão do pecado. Esta é a essência da "palavra da reconciliação", que é pregado pelo apóstolo. Então, ele continua, "Nós somos embaixadores, portanto, em nome de Cristo, como se Deus estivesse pedindo por nós: nós vos rogamos em nome de Cristo, que vos reconcilieis com Deus." Aqui é o lado humano. A grande questão agora é fazer com que o pecador a deixar de lado sua inimizade, para responder às aberturas graciosa do evangelho, a entrar em harmonia com Deus. Mas isso só é possível porque a reconciliação no aspecto Godward já foi realizado. Se a primeira reconciliação ", a reconciliação do mundo consigo mesmo," tinha sido o abandono de inimizade humana, não poderia agora ser nenhum ponto na exortação: "Sede reconciliados com Deus."

(3) Efésios 2:16 .

As duas passagens em que ocorre a palavra composta estão em completa harmonia com esta interpretação. Efésios 2:16 : "E reconciliar ambos (judeus e gentios) em um corpo a Deus por meio da cruz, depois de ter matado a inimizade", é o resultado de Cristo "fazer a paz" ( Efésios 2:15 ), e a obra de reconciliação é efetuada por meio da cruz, reconciliação tanto Godward e manward, e, havendo feito a paz, é possível para Cristo vir e pregar a paz para os que estão longe - muito longe, mesmo que a conciliação entre o trabalho da cruz foi realizado.

(4) Colossenses 1: 20-22

Assim, em Colossenses 1:20 : "E por Ele fossem reconciliadas si todas as coisas, ter feito a paz pelo sangue da sua cruz, por meio dele, eu digo, se as coisas sobre a terra, ou as coisas nos céus." Aqui o pensamento dos treme apóstolo distância até o infinito, e não parece um paralelo com o pensamento de Hebreus 9:23 , que de acordo com o ensinamento típico mesmo "as coisas nos céus" de alguma forma estava a precisar de limpeza. Pode ser que a obra de Cristo em algum sentido afetou a inteligência angélica, tornando possível para a harmonia a ser restaurado entre pecadores redimidos e a criação perfeita de Deus? Em qualquer caso, a reconciliação si todas as coisas não é deixar de lado a hostilidade das criaturas, mas a determinação da atitude divina. Em seguida, vem a referência específica para o lado humano, "E vós também, que outrora éreis estranhos, e inimigos no entendimento pelas vossas obras más, agora contudo vos reconciliou no corpo da sua carne, pela morte"; lá, como em Romanos, as duas fases de coalescência, Deus aparecendo graciosa através da obra de Cristo, os pecadores que entram em relação gracioso com Ele. "Ter feito a paz pelo sangue da sua cruz," o fundamento da paz foi estabelecida. Cristo fez algo por sua morte o que torna possível para oferecer paz aos homens. Deus deixou de lado seu santo oposição ao pecador, e mostra-se disposto a pôr os homens em paz consigo mesmo. Ele encontrou satisfação em que grande obra de seu Filho, foi reconciliado, e chama-se agora sobre os homens que se reconciliem com Ele - para receber a reconciliação.

FONTE Enciclopédia Internacional Standard Bible 1870

VEJAM MAIS WWW.PENTECOSTALTEOLOGIA.BLOGSPOT.COM